ERA UMA VEZ ...

  • Published on
    15-Apr-2017

  • View
    477

  • Download
    0

Transcript

ERA UMA VEZ ...(Por Domingos Oliveira Medeiros)Era uma vez uma floresta. Exuberante De rvores densas. De mata extensaCompactada, de cores milVerde-amarelo. Azul e branco As cores do nosso Brasil.Era uma vez uma florestaDe fauna e flora gigantesGigantes pela prpria naturezaEnvolta em escurido constanteDe sombras que se formavam das rvoresRefletidas pelas folhas que do cu azul caam,Retumbantes.No cho, o tapete orgnico, os nutrientes, ali jaziam.O alimento ofertado, a garantia da sobrevivnciaA troca sagrada. A alquimia, A noite e o dia, sem pressa, por ali passavam.Ao som da orquestra encantadaDos pssaros, das guas dos riachos, dos rios plcidos,Caudalosos e profundosSinuosos, em cascatas,Caminhando para os mares de futuros almejados,Para mares nunca dantes navegadosEra uma vez uma florestaOna-pintada de olhos atentos, amarelados Passeando no seu cho, desconfiada, Agarrada nas garras da liberdade, Ento, bem cuidada!Era uma vez uma florestaDe borboletas, milhares delas, Hoje pintadas em versos e em cores, em belos quadros de aquarelas.Era uma vez uma florestaO peixe-boi, a ararinha azul e o mico-leo douradoO boto cor-de-rosa, o ouro enterradoA tartaruga, a baleia, a mata atlntica E at a mata do cerrado. Nada foi poupado.O jacar do papo amarelo que o diga, foi desbancadoPelo maior predador da natureza,O BICHO-HOMEM,Civilizado.Aproveitando alguma brecha ou outra fresta ...Inaugurou o fim da floresta Da qual, muito pouco ainda resta.A poesia j no existe, j no se presta Para cantar, em verso ou prosa, tanta desgraaO som da serra eltrica a todos emudece... Os rios viraram estradas de destino incertoCaminhos por onde passam os restos mortais do parasoFuturos caixes, destino de todos ns, por certo,Em forma de troncos e pedaos de madeiraA ganncia e a insensatez, Sem limites, sem fronteira.O fogo abre campos na mata A moda da economia est na moda...A soja e o pasto, o novo tesouro,No jogo do mercado financeiroDe cartas e interesses marcados,Vale muito dinheiro, um simples besouro.Vale mais que o s de ouro, No dizer da cano lembrada, Situao que fica mais agravada, afinal, Pelo contrabando das riquezas do antigo reino Animal, vegetal e mineral. Msica: forest pianoMontagem:maricarusocunha@terra.com.brwww.pranos.com.br