CPia De Sistema LMbico 12

  • Published on
    11-Jul-2015

  • View
    3.260

  • Download
    3

Transcript

  • REA PR-FRONTAL

    PARTE NO MOTORA DO LOBO FRONTAL - CRTEX DE ASSOCIAO SUPRAMODAL

    da superfcie do crtex cerebralEstabelece conexes recprocas com todas as reas corticais, vrios ncleos talmicos, cerebelo, ncleos da base, amgdala, hipocampo e Tronco Enceflico

  • CRTEX PR-FRONTAL

    1 - Regio Ventromedial = Crtex Pr-Frontal rbitofrontal planejamento de aes e do raciocino e com o ajuste social do comportamento2 - Regio Dorsolateral = Memria operacional3 - Regio Cingulada Anterior = emoes

  • Crtex ventro medial responsvel pelo planejamento e ordenao temporal dos atos, sua adaptao e ajuste s circunstncias e a seleo entre muitas aes possveis daquela mais adequada a cada momento e aos objetivos finais.

    Necessrio um sistema perceptual que informe sobre o mundo externo e interno;

    Um sistema mneumnico que fornea dados sobre o passado permitindo vincul-lo ao presente e,

    Um sistema atencional de superviso

  • Leso no circuito:

    Crtex Pr-Frontal rbitofrontal -amigdala pessoas ficam mais ativas, eufricas com comportamentos sociais inadequados.

  • JOGO DAS CARTAS

    O Crtex Pr-Frontal rbitofrontal OFC faz parte do sistema de recompensa pois recebe informaes importantes do ncleo Acumbente que marca o acontecimento neste OFC como positivo ouNegativo.

    Tambm responsvel pelo sentimento de remorso em situaes que poder-se-ia ter ganho mais e no se agiu.

    O arrependimento faz parte do processo de amadurecimento e o OFCO OFC um dos ltimos pedaos de crtex a ficar pronto seu desenvolvimento faz parte do processo de adolescncia atitudesErradas arrependimento aprendizagem amadurecimento.

  • EMPATIA = IMITAO INTERNA DAS AES E EMOES DO OUTROIDENTIFICAO COM OS SENTIMENTOS DO OUTRO

    Amigdala ativada = responsvel pela expresso em cada umInsula Anterior = ativada identificao da dor do outro no prprio corpoCrtex rbito frontal e temporal superior so responsveis pela representao cognitiva da dor alheia.

    Quando se ouve uma histria e se identifica com o personagens e suas motivaes ativao do juno temporoparietal.

  • Necessrio o desenvolvimento emocional aliado aos cognitivosTambm acontece na adolescncia

    Habilidade de usar as prprias emoes como norteadores de boas decisesCapacidade de empatizar com o outro

    DEPENDE DO AMADURECIMENTO DO CRTEX RBITO-FRONTAL

    EM CONEXO COM A AMIGDALA E COM O HIPOCAMPO

  • A interconexo com a amigdala e o sistema de recompensa e,Com o Crtex pr-frontal dorso lateral interventor emocional na hora de tomar decises.

    Ligao com o sistema de recompensa permite que ele represente para o restante do crtex pr-frontal o valor positivo ou negativo de cada situao.

    Permite a flexibilidade para abandonar estratgias malfadadas.Reverso de objeto x perseverana

  • Relao com a amgdala (estrutura envolvida com no aprendizado das relaes entre estmulos e as recompensas associadas provoca no corpo alteraes que sinalizam cada emoo faz que o OFC receba em primeira mo informaes emocionais do crebro como um todo

  • EMOES SO IMPORTANTES NA COGNIO SOCIAL.

    O O.F.C e a amigdala coordena as reaes emocionaisO crtex infero-posterior responde a rostos especficosO ncleo acunbente sistema de recompensaO sulco temporal superior neurnios respondem a estmulos sociais complexos.Crtex cingulado anterior e insular alteraes emocionais no estado fisiolgico do corpo

    TODAS ESTAS ESTRUTURAS SO ATIVADAS QUANDO SE NECESSRIO JULGAR SE ROSTOS ALHEIOS INSPIRAM OU NO CONFIANA

  • O Crtex cingulado est envolvido no processo de cognio seletiva,Na focalizao da ateno para as informaes que entram.

    Compete ao crtex pr-frontal dorsolateral comparar as informaes sensoriais novas com quelas armazenadas na memria de longo prazo memria operacional

  • Adolescncia = perodo de aprendizado socialViver em sociedade exige uma srie de talentos

    Flexibilidade cognitivaIniciativaPlanejamento Crtex pr-frontal dorso-lateralAuto-suficincia pruning, otimizao de funes Humor e aprendizagem com a experincia

    Responsvel pelas emoes antecipatrias que permite tomada de Decises vantajosas em situaes que impliquem em gratificaes Instantneas ou a longo prazo.

  • Leso no circuito:

    2 Crtex Pr-Frontal Dorso-lateral - ncleo dorso medial do tlamoEstado de apatia, inatividade dificuldade de realizar tarefas cognitivasComplexas e formar conceitos abstratos

  • JOGO ULTIMATO

    Se prope a diviso de R$ 10.00 de tal forma que o tcnico escolhecom vai ser a diviso.

    Se o jogador aceitar a diviso = cada um embolsa sua parteSe o jogador recusar ningum ganha nada e o jogo acaba.

    Teoria dos jogos - regra da razo 50 / 50 = justoQuando a regra menos de 5 para o jogador mais de 5 para o tcnicoMetade dos jogadores se recusam.

    Recusa ligada a escolha emocional ligada ao :Crtex cingulado anterior atividade aumentada em situaes de conflitos

  • Crtex da nsula anterior ligado a representao de estados emocionais negativos (raiva e desgosto)

    QUANDO ATIVADA A TENDNCIA ERA A RECUSA

    O Crtex pr-frontal dorso-lateral est associado a tarefa cognitivaComo a manuteno em mente de um objetivo e a tomada de decises.

    QUANDO ATIVADA A TENDNCIA ERA A ACEITAO

  • O estudo mostra que o COF necessrio para a sensao de arrependimento,aquela emoo indesejada que s aparece quando se compara o que com oque poderia ter sido. regio situada na poro mais frontal do crebro, entre os olhos.

  • CORPO AMIGDALIDELeses ou estimulaes = alterao do comportamento alimentar afagia ou hiperfagia alteraes das atividades viscerais - semelhantes do hipotlamo.

    Registro Eltrico = ativao em situaes emocionais com significado de encontros de natureza agressiva ou sexual.

    Leso da amigdala = domesticao de animais selvagens eHipersexualidade Em seres humanos leso bilateral = diminuio da excitabilidade emocional de indivduos portadores de agressividade.

    Quando estimulada em animais = comportamento de fuga ou de defesa associado agressividade

  • Focos epilpticos em regio amigdaliana = aumento de agressividade socialPacientes com estimulao eltrica do corpo amigdaliano em atos Cirrgicos = sentimentos no relacionados ao medo, acompanhados De manifestaes viscerais caractersticas da situao de medo midrase, taquicardia

    Macacos com medo de cobra, aps amigdalectomia perdem este medo e at comem as mesmas.Tornam-se tambm hipersexuaisNo reconhecem mais as fmeas receptivas ou engajam-se em comportamentos sexuais com objetos inanimadosPerdem a capacidade de reconhecer alimentos, colocando objetos no Cometveis na boca = CEGUEIRA PSQUICA

  • MEDO

    Estmulos que produzem o medo por si s (incondicionados) Ex. sonsmuito alto e sbito,, altura, escurido (seres humanos)Estmulos condicionados (aprendidos) quando associados situaes ameaadoras Implcitos no se pode descrever com preciso

    TIPOSRpidos ou passageiros = susto ou sobressaltoLento ou duradouro = tenso, estresse ansiedade

    A EXISTNCIA DE ESTMULOS CAUSADORES DE MEDO Sistema Sensorial se comunica com regies neurais envolvidas.

    As reaes de medo tem um lado aferente

  • Reao de medo tambm envolve atos comportamentais e Manifestaes fisiolgicas = VIA EFERENTE

    AMIGDALA DISPARADOR DAS RLAES EMOCIONAIS

    COMPLEXO AMIGDALIDE (3 NCLEOS)

    Basolateral (capaz de receber estmulos causadores de dor)Central (elo de sada)Crtico Medial estrutura semelhante ao crtex

  • Projees Sistema sensorial: reas associativas visuais e auditivas(lobo occipital e inferotemporal) Tlamo auditivo e visual Teto do Mesencfalo Tlamo sensorial NCLEO BASOLATERAL Crtex Pre-Frontal

    ncleo central HIPOTLAMO Ncleos Bulbares Mesencfalo (grsea periaqueductal) = principal organizadora de reaes comportamentais correspondentes

    Quando animal se encontra em frente a estmulos ameaadores Aumenta atividade eltrica e metablica dos neurnios da amigdalaBasolateralEstmulos incondicionados Teto mesenceflico amigdala

  • Estmulos incondicionados Teto mesenceflico amigdalaEstmulos mais complexos crtex cerebral (anlise) Auditivos crtex do giro temporal superior e adjacncias Visuais crtex inferotemporal e regies associativas do lobo temporal mdio Mais complexos crtex prfrontal e giro do cnguloAMIGDALA CENTRAL AMIGDALA BASOLATERA (Filtro)

    1- Hipotlamo Circuito de comando do S.N.A, Endcrino e Imunitrio Ajustes Fisiolgicos caractersticos do medo

    2 Ncleos das Vias Descendentes do Sistema Nervoso no TroncoEnceflico Reaes comportamentais

    3 Sistema Ascendente Difuso do Tronco Enceflico Reao de Alarme Geral

  • O SENTIMENTO DE MEDO A EXPERINCIA SUBJETIVA = A TROCA DE INFORMAES ENTRE O COMPLEXO AMIGDALIDE E AS REGIES CORTICAIS ATRAVS DO CRTEX CINGULADO, POR MEIO DE CONEXES RECPROCAS

  • ANSIEDADE E ESTRESSE

    Quando o estmulo se mostra crnico:Estmulos incondicionados se mantm por pertoEstmulo condicionado prolongam o efeito inicialIndivduo desenvolve expectativa de perigo ou ameaas futuras= Ansiedade cauda desconhecida, antecipatria, de esperaou estresse causa identificada e permanente. Ex: Policial

    NOS DOIS CASOS O AJUSTAMENTO FINO LGICO EXTRAPOLAM O AMBITO DO S.N.A ATINGINDO O SISTEMA ENDCRINO E IMUNOLGICO

  • Ativao Simptica Taquicardia, taquipneia, piloereo, sudorese

    Tambm estimulao da medula da glndula adrenal secreo de AD e

    NAD na corrente sangunea Prolongamento e aumento de intensidade da

    Taquicardia, taquipneia, piloereo, sudorese Estmulo contnuo da

    amigdala Hipotlamo comea a secretar ACTH CRTEX SUPRARENAL

    Liberao de glicocorticoides Efeito sobre o metabolismo da maioria das clulas molculas acar (glicose) glicognio fgado.

    Glicocorticide efeito antiinflamatrio e antiimunitrio lceras Gstricas, suscetibilidade a doenas respiratrias e cardivasculares I.A.M

  • Vias Serotoninrgicas e Noradrenrgicas do Tronco Cerebral Paralisao do comportamento animal nas situaes de medo (congelamento)

    Ncleo da Rafe rea SeptalLocus Ceruleus Hipocampo

    Nos estados de ansiedade h uma hiperativao desta duasviasSistema de inibiocomportamental