• 1. Seminário Teológico Batista do Sudeste em GuarulhosAliança noAntigoTestamento Carla Geanfrancisco e Marta Teresa Garbim
  • 2. Aliança no Antigo TestamentoTeologia do Antigo TestamentoSeminário Teológico Batista do Sudeste em Guarulhos Aliança no Antigo TestamentoMonografia sobre o assunto:Aliança no Antigo Testamentopara a disciplina Teologia doAntigo Testamento ministradapelo Pr. Sergio Moreira no Cursode Bacharel em Teologia – 6ºSemestre Guarulhos, Junho 2008 2Carla Geanfrancisco e Marta Teresa Garbim
  • 3. Aliança no Antigo Testamento Teologia do Antigo TestamentoConteúdoO que é uma Aliança ........................................................................................................ 4Cerimônia de Aliança no Antigo Testamento .................................................................... 5 Obrigatoriedade do sacrifício de animais....................................................................... 5Compromissos assumidos em uma aliança ...................................................................... 6Alianças no Antigo Testamento ........................................................................................ 6 1. A Aliança de Deus com Noé - Gênesis 9:10: ....................................................... 6 2. A Aliança de Deus com Adão - Gênesis 1.28 -2,4 - 3:15: ................................... 7 3. A Aliança de Deus com Abraão - Gênesis 12:2: .................................................. 7 4. A Aliança de Deus com Moises - Êxodo 19:5: ..................................................... 8 5. A Aliança de Deus com Davi - II Samuel 7:16 ..................................................... 8Quais os ensinamentos contidos na aliança ..................................................................... 9 1. Grande Amor de Deus ........................................................................................... 9 2. A base na qual estão firmadas ............................................................................... 9 3. Benefícios e compromissos.................................................................................... 9Estrutura Formal das Alianças ou Pactos ......................................................................... 9 1. Transcendência (especificando a soberania do Deus que faz o pacto): ................10 2. Hierarquia (especificando a mediação da autoridade soberana daquele que criou o pacto): ..........................................................................................................................10 3. Ética (especificando as estipulações do pacto): ....................................................11 4. Juramento (especificando as sanções solenes do pacto): .....................................11 5. Sucessão (especificando a transferência dos arranjos pactuais para o futuro): ....11Conclusão Pessoal ..........................................................................................................12Bibliografia .......................................................................................................................12 3Carla Geanfrancisco e Marta Teresa Garbim
  • 4. Aliança no Antigo Testamento Teologia do Antigo TestamentoO que é uma AliançaBiblicamente aliança é um contrato, um pacto, acordo ou sociedade entre duaspessoas ou duas partes em que se estabelecem compromissos de deveres,obrigações e privilégios, objectivando um bem comum das partes.O substantivo pacto significa: segundo o Novo Dicionário Aurélio da LínguaPortuguesa, (31) "ajuste", "convenção" ou "contrato". Estes três substantivos sãotambém usados para definir o significado do substantivo aliança. Diferentesversões da Bíblia em português usam os substantivos pacto, aliança, acordo econcerto para traduzir o substantivo hebraico berith que aparece cerca de 275vezes no Antigo Testamento. Para todos esses sinônimos a idéia básica queencontramos é a de união entre duas partes, um pacto ou acordo bilateral. Noentanto, até mesmo a etimologia do substantivo é grandemente discutida. Bastapassar os olhos por alguns dicionários de teologia ou livros que tratemespecificamente do assunto para verificar que há; entre os estudiosos grandediscordância. As posições mais defendidas são: (1) a de que berith é derivada doassírio birtu, que significa "laço", "vínculo"; (2) a de que o substantivo tem origemna raiz de barah, "comer," que aparece poucas vezes no Antigo Testamento (2SM 3.35; 12.17; 13.5; 13.6; 13.10; Lm 4.10), e está relacionado com a cerimôniaque selava um acordo ou relacionamento entre partes; (3) a de que o substantivoestá ligado à preposição bein "entre.". De todas estas a primeira posição é a maisaceita entre os estudiosos do Antigo Testamento. (34)Da própria dificuldade em se estabelecer a origem e significado do termo berithsurgem às primeiras divisões no seio daqueles que defendem a teologia pactual.Por exemplo, exatamente o que se quer dizer quando se fala em acordo? Istoimplica em que as alianças bíblicas sejam "bilaterais"? Não se pode negar que aidéia de pacto traga consigo, no seu sentido mais natural, a bilateralidade, ouseja, duas partes são envolvidas em um pacto. Vários pactos acontecem entreduas pessoas, nações ou grupos na narrativa bíblica (Js 9.15; 1 SM 20.16; 2 SM3.12-21; 5.1-3; 1 RS 5.12); em certos casos um pacto é feito para resolver umadisputa entre partes (Gn 21.22-32; 26.26-33; 31.43-54). 4Carla Geanfrancisco e Marta Teresa Garbim
  • 5. Aliança no Antigo TestamentoTeologia do Antigo TestamentoA palavra Hebraica (berîth) traduzida por Aliança geralmente significareciprocidade, enfatizando o relacionamento subjacente a todas as alianças. NoAntigo Testamento verifica-se dois tipos de aliança: aliança de respeito mútuo ealiança de amor; entre iguais ou entre um superior e um súdito. As aliancasdivinas, porem, sao sempre deste ultimo tipo, e o conceito entre aliança entreDeus e seu povo é uma das verdades teológicas mais importantes da Bíblia. Aaliança de respeito mútuo era feita no sentido exclusivo de não haver guerrasentre as partes aliadas, como a de Isaque e Abimeleque ( Génesis 26:28-29).A aliança de amor (resed) envolve sacrifício, a oferta da vida por inteiro. Esse é oprincipio da aliança de Deus com o ser humano retratado na Bíblia. Na verdade apalavra em si passou a denotar as principais divisoes das Escrituras cristas: aantiga e a nova aliança. (Antigo e Novo Testamento, respectivamente). O AntigoTestamento trata da mesma aliança com aqueles que se rendem ao Filho deDeus de todo coração, alma e entendimento (Mateus 10:37-39 ; 22:37).Cerimônia de Aliança no Antigo TestamentoA cerimónia de aliança era marcada pelo sacrifício e o sangue derramado era oselo da aliança. As partes envolvidas na aliança tomavam um ou mais animais eos sacrificavam. Em seguida os partiam ao meio; cada metade representava umdos envolvidos na aliança. E então as partes passavam entre as metadessignificando que se uma delas falhasse naquele pacto a outra parte teria o direitode fazer com ela o mesmo feito ao animal, ou seja: sacrificá-lo!Deus fez esse tipo de aliança com Abraão (Génesis 15: 9-10,17,18).Obrigatoriedade do sacrifício de animaisA palavra empenhada das partes envolvidas numa aliança não era suficiente parafirmar um pacto, pois é próprio do ser humano faltar com sua palavra,especialmente se as circunstâncias lhe são desfavoráveis. O sacrifício do animallembrada o empenho do juramento que não poderia ser quebrado. Pois assimcomo a vida do animal não poderia ser retornada, também a palavra não poderia.5Carla Geanfrancisco e Marta Teresa Garbim
  • 6. Aliança no Antigo Testamento Teologia do Antigo TestamentoAinda assim devemos lembrar que as alianças são divinas e soberanamenteestabelecidas, sendo decididamente desiguais: Deus infinito com o homem finito;porém não são arranjos informais, casuais e inconsequentes. Porem saoestabelecidos de uma maneira muito solene por meio de ações simbolicasdesignadas. A maneira na qual eles são estabelecidos é muito significante.A diferença fundamental entre as alianças humanas e as alianças pacto divino-humano encontra-se na motivação do soberano Criador, que se propôs a criar esustentar a sua criação, estabelecendo assim um vínculo que, segundo a própriaEscritura, só pode ser um vínculo de amor.Compromissos assumidos em uma aliançaBasicamente os compromissos assumidos numa aliança envolvia amor, confiançae fidelidade. A aliança é compromisso de parte a parte, e cada uma tem suaspróprias responsabilidades que, unidas pelos laços do verdadeiro amor,conduzem a unidade indivisível de pensamentos e atitudes. Os compromissos decada um sempre tem um objectivo comum com o outro. E ainda que os sacrifíciosde cada um sejam demasiadamente grande a força da aliança os leva a pensarnos objectivos comuns que são ainda muito mais importantes.Alianças no Antigo TestamentoA iniciativa em fazer Alianças foi sempre do Senhor Deus. Agindo livre esoberanamente, movido por grande amor, Deus concede ao homem promessasde vida, de paz e de bênçãos. Espera, porém, que o homem se mova a obedecê-lo. Funcionando como um meio administrativo, pelo qual os relacionamentos entreDeus e o ser humano, entre os seres humanos, e entre o homem e o restante dacriação deveriam se desenvolver. Os mandados são a expressão da aliança(pacto) nessas três áreas (promessas de vida, de paz e de bênçãos).São seis as Alianças feitas entre Deus e o homem no Antigo Testamento: 1. A Aliança de Deus com Noé - Gênesis 9:10:6Carla Geanfrancisco e Marta Teresa Garbim
  • 7. Aliança no Antigo TestamentoTeologia do Antigo TestamentoA aliança entre Deus e Noé é a primeira a ser mencionada no VelhoTestamento. As partes envolvidas nesta aliança são o doador e o receptor.Deus foi o doador; Noé e toda a criação, seus receptores. E a aliança forafeita para durar por todas as gerações, não apenas para a época de Noé. Éinteressante notar que essa é a única das presentes no Velho Testamentoque não apenas inclui os seres humanos, como também todas as criaturasviventes. Portanto, ela abarca toda a criação. Seu conteúdo era muitosimples - trata-se da promessa de Deus de que nunca mais destruiria aTerra e seus habitantes com um dilúvio. O Senhor também incluiu um sinal:o arco – Iris . Ele disse a Noé que, enquanto visse, o arco-íris relembraria apromessa divina de não mais destruir a Terra com um dilúvio. 2. A Aliança de Deus com Adão - Gênesis 1.28 -2,4 - 3:15:A Escritura mostra claramente que o pacto com Abraão é o mesmo que opacto com Israel. Quando Deus fez seu pacto com Abraão, ele o feztambém com a sua semente (Gn. 17:7), e quando Deus estabeleceu seupacto com Israel, ele deixou claro que ele estava apenas mantendo o pactoque ele já tinha feito com Abraão, Isaque e Jacó (Ex. 3:15,16). 3. A Aliança de Deus com Abraão - Gênesis 12:2:A aliança consiste em uma série de promessas da parte de Deus, semqualquer obrigação, em contrapartida, de Abrão: Deus conhecia o coraçãode Abrão e a sua fé era suficiente para que fosse abençoado dessamaneira.Há várias características notáveis sobre o pacto com Abraão. A primeira emais importante é que esse pacto com Abraão, e dessa forma, tambémcom Israel, era absolutamente um pacto de graça. A grande revelação dopacto em Gênesis 15 mostra isso.O pacto de Deus é diferente, pois Deus e o homem nunca agem comoiguais no pacto. O pacto entre Deus e Abraão, de acordo com Gênesis 15,foi um pacto completamente unilateral, estabelecido por Deus somente.Quando Deus pactuou com Abraão ao andar entre os pedaços dos animais,7Carla Geanfrancisco e Marta Teresa Garbim
  • 8. Aliança no Antigo Testamento Teologia do Antigo TestamentoAbraão estava dormindo profundamente. Abraão não teve nada a ver com oestabelecimento daquele pacto. Em nenhum sentido o pacto dependeudele. Ele foi verdadeiramente um pacto de graça. 4. A Aliança de Deus com Moises - Êxodo 19:5:As leis que Moisés recebeu de Deus eram a aliança entre Deus e o Seupovo. O registro destas leis é transmitido em mais de três capítulos daBíblia (Ex 20:22-24:4). Eles trazem leis referentes ao altar, escravos,assassinatos, ofensas civis, direito de propriedade, deveres sociais, éticos,e muitos outros.Quando Moisés deu ao povo a lei foi o mais importante dia na história dopovo peregrino, porque eles iriam estabelecer uma aliança com Deus. Istofoi contado como o dia no qual "estes escravos hebreus se tornaram umanação". Eles tinham recebido uma revelação divina, e eles responderam aisto entrando na aliança que Deus lhes ofereceu. 5. A Aliança de Deus com Davi - II Samuel 7:16O resultado mais imediato da aliança davídica foi o estabelecimento doreino do filho de Davi, Salomão, que deveria edificar um templo para oSenhor (2 Samuel 7.11-13); o reinado de Davi passaria aos seusdescendentes: "Fiz aliança com o meu escolhido; jurei ao meu servo Davi:a tua descendência estabelecerei para sempre e edificarei o teu trono degeração em geração" (Salmos 89.3-4). A condição para o cumprimentodessas bênçãos seria a fiel obediência de Davi e de seus descendentes.A vinda de um Rei messiânico e eterno, da linhagem de Davi, estavaimplícito nesse concerto (Isaías 9.6-7). "Do trono de Jessé brotará umrebento, e das suas raízes um renovo frutificará (Isaías 11.1; Miquéias 5.2-4). Esse novo Rei seria chamado "O SENHOR, Justiça Nossa" (Jeremias23.5-6). 8Carla Geanfrancisco e Marta Teresa Garbim
  • 9. Aliança no Antigo TestamentoTeologia do Antigo TestamentoCabe lembrar, que o próprio Antigo Testamento é chamado de Antiga Aliança(Gálatas 4:24 - Hebreus 8:8,13). Sendo que a principal característica deste AntigoPacto foi a quem se destinava; ou seja, a Israel. O enfoque das Alianças VéteroTestamentárias está sobre o povo de Israel (Romanos 9:4).Quais os ensinamentos contidos na aliançaHá profundos ensinamentos contidos nas Alianças. Aquele que ama a Palavra deDeus e possui interesse sempre renovado no que Nela está, encontraráfundamento em seus ensinos: 1. Grande Amor de DeusEm todas as alianças, desde a Adâmica até a Nova Aliança, firmada em Cristo, oque se vê é o amor de Deus. É o Senhor Deus e não o homem quem propõe aAliança. A iniciativa é sempre Divina (Salmos 8:4). 2. A base na qual estão firmadasA Antiga Aliança firma-se sobre a base da lei e das obras e todas suas promessasse cumpririam após ser concretizada a obediência (Deuteronômio 28:1-14). 3. Benefícios e compromissosNa Aliança está o Senhor Deus de um lado e do outro o homem. Ambos estãopactuados na base de benefícios e Compromissos mútuos.Estrutura Formal das Alianças ou PactosOspactos antigos soberanamenteestabelecidos entre reis imperiais(“suseranos”) e reis menores, nações conquistadas e pessoas (“vassalos”)frequentemente tinham uma estrutura quíntupla, geralmente encontrada na9Carla Geanfrancisco e Marta Teresa Garbim
  • 10. Aliança no Antigo Testamento Teologia do Antigo Testamentoordem abaixo. Uma breve introdução a essa estrutura nos ajudará a entender opacto de Deus, que também segue esse padrão pactual. 1. Transcendência (especificando a soberania do Deus que faz o pacto):Usualmente um preâmbulo oferecendo uma declaração introdutóriaidentificando a soberania do rei que faz o pacto. Deuteronômio 1:1-3 servecomo o Preâmbulo para o pacto detalhado em Deuteronômio. No versículo3 é dito que Moisés falou a Israel “tudo o que o SENHOR lhe mandara arespeito deles”. O português “SENHOR” é uma tradução do hebraico“Jeová”, que ocorre aproximadamente 6.000 vezes no Antigo Testamento.Ele era o nome especial, redentor e pactual de Deus. Por esse nome ele sefez conhecido a Israel um pouco antes da gloriosa libertação que tiveramdo Egito (Êx. 6:2-7). O nome Jeová fala imediatamente da majestadeexaltada de Deus e do seu glorioso poder. 2. Hierarquia (especificando a mediação da autoridade soberana daquele quecriou o pacto):Um prólogo histórico resumindo a autoridade do rei e a mediação do seugoverno, ao lembrar das circunstâncias histórias delas. Em Deuteronômio1:6-4:49 há uma breve repetição da história pactual de Israel, que tinha aintenção de lembrar Israel do governo ativo e histórico de Deus sobre osassuntos do mundo. Observemos três aspectos da hierarquia envolvida:a) O SENHOR era o governador último de Israel. Ele graciosamenteconduziu e protegeu Israel no deserto e prometeu destruir seus inimigosna Terra Prometida (Dt. 1:19-25, 29-31);b) Debaixo do governo último de Deus foi estabelecido o governo imediatode Israel por anciãos eleitos (Dt. 1:12-16). Esses deviam governar paraDeus (Dt. 1:17);c) Sob a direção do governo de Israel, a nação deveria ser um exemploinfluente para as nações da bondade de Deus e do seu governo último(Dt. 4:4-8). Em essência, eles seriam uma luz para o mundo,ministrando pela autoridade hierárquica o governo de Deus nomundo.12 Israel, como um corpo, era o representante de Deus na terra. 10Carla Geanfrancisco e Marta Teresa Garbim
  • 11. Aliança no Antigo TestamentoTeologia do Antigo Testamento 3. Ética (especificando as estipulações do pacto):Um detalhamento das estipulações legais definindo as éticas do viver fieldebaixo do vínculo pactual. Em Deuteronômio as estipulações sãoencontradas nos capítulos 5:1 até 26:19. No começo dessa seção estão osDez Mandamentos (Dt. 5:1-21), que são os princípios ou leis básicas efundamentais de Deus. As outras leis contidas em Êxodo, Deuteronômio eoutros livros são “leis da causa”, que ilustram como a “lei base” deve seraplicada a certas circunstâncias ilustrativas; 4. Juramento (especificando as sanções solenes do pacto):A apresentação das sanções do pacto, especificando as promessas e asadvertências do pacto tomando-se um juramento formal. Em Deuteronômio27:1-30:20 as sanções do pacto estão registradas. Essas sançõesencorajam a conduta ética prometendo recompensa e desencoraja arebelião ética ameaçando com maldições; 5. Sucessão (especificando a transferência dos arranjos pactuais para ofuturo):Uma explicação dos arranjos transferindo o pacto às gerações futuras. EmDeuteronômio 31-33 Moises está se aproximando da morte (31:2). Eleencoraja a força e envolvimento futuro (31:6-8) de todas as pessoas,incluindo as crianças (31:9-13). A obediência asseguraria a continuidadefutura das bênçãos sobre todas as suas tribos (33:1-29).Claramente, a idéia pactual é um conceito fundamental na Escritura. A aliança éclaramente estruturada em termos concretos para evitar qualquer confusãoquanto às obrigações e responsabilidades.11Carla Geanfrancisco e Marta Teresa Garbim
  • 12. Aliança no Antigo Testamento Teologia do Antigo TestamentoConclusão PessoalAo passar entre os pedaços dos animais, Deus declarou simbolicamente que elesomente sofreria as conseqüências de qualquer quebra do pacto, como de fato eleo fez na morte de seu Filho (Is. 53:8; Gl. 3:13). Por nossos pecados no pacto,Deus, em Cristo, sofreu a penalidade sendo rejeitado e despedaçado.Cristo expressou isso quando clamou: “Deus meu, Deus meu, por que medesamparaste?”. Assim, o pacto de graça revelado a Abraão foi cumprido emCristo.O que me chama mais a atenção é justamente isso, a promessa a aliança doSenhor já demonstrando a Graça. Em meu primeiro semestre no curso de teologiative a disciplina introdução ao antigo testamento I, e o professor Oduvaldo Carlosde Medeiros ao descrever esta passagem me deixou perplexa, pois ele falava quesomente Deus era capaz de fazer um pacto com o homem sua criação, já sabendoque ele não seria capaz de cumprir, como também sabia no Jardim do Éden, masmesmo assim, tem tanto amor que sempre o faz, demonstrando é um Deusinfinito, com conhecimento da finitude do homem.Sua misericórdia é totalmente demonstrada em um dos livros mais importantes daBíblia em Deuteronômio por estar sendo sempre um Deus renovador das alianças.BibliografiaA. B. de Holanda Ferreira, Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa, 2ªedição revista e aumentada (Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986).Dicionário Ilustrado da Bíblia / Editor geral Ronald F. Youngblood; co-editores F.Bruce & R, K, Harrison; Tradução Lucília Marques Pereira da Silva ... [ET AL.]. ~~São Paulo : Vida Nova, 2004.House, Paul R., Teologia do Antigo Testamento; tradução Sueli Silva Saraiva). –São Paulo: Editora Vida, 2005. 12Carla Geanfrancisco e Marta Teresa Garbim
  • 13. Aliança no Antigo TestamentoTeologia do Antigo TestamentoKenneth L. Gentry, Jr., Greatness of the Great Commission; Tradução FelipeSabino de Araújo Neto, www.monergismo.com.Laird Harris, Gleason Archer e Bruce Waltke, Dicionário Internacional de Teologiado Antigo Testamento (São Paulo: Vida Nova, 1998), verbete 282a;Mauro Meister. “Uma breve introdução ao estudo dos Pactos II”, “Fides Reformata4/1”, 1999.Smith, Ralph L. (Ralph Lee), Teologia do Antigo Testamento; tradução: Hans UdoFuchs, Lucy Yamakami – São Paulo: Vida Nova, 2001.13Carla Geanfrancisco e Marta Teresa Garbim
    Please download to view
  • All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
    ...

    Carla geanfrancisco alianca -teologia at

    by carla-geanfrancisco-falasca

    on

    Report

    Category:

    Spiritual

    Download: 0

    Comment: 0

    405

    views

    Comments

    Description

    Download Carla geanfrancisco alianca -teologia at

    Transcript

    • 1. Seminário Teológico Batista do Sudeste em GuarulhosAliança noAntigoTestamento Carla Geanfrancisco e Marta Teresa Garbim
  • 2. Aliança no Antigo TestamentoTeologia do Antigo TestamentoSeminário Teológico Batista do Sudeste em Guarulhos Aliança no Antigo TestamentoMonografia sobre o assunto:Aliança no Antigo Testamentopara a disciplina Teologia doAntigo Testamento ministradapelo Pr. Sergio Moreira no Cursode Bacharel em Teologia – 6ºSemestre Guarulhos, Junho 2008 2Carla Geanfrancisco e Marta Teresa Garbim
  • 3. Aliança no Antigo Testamento Teologia do Antigo TestamentoConteúdoO que é uma Aliança ........................................................................................................ 4Cerimônia de Aliança no Antigo Testamento .................................................................... 5 Obrigatoriedade do sacrifício de animais....................................................................... 5Compromissos assumidos em uma aliança ...................................................................... 6Alianças no Antigo Testamento ........................................................................................ 6 1. A Aliança de Deus com Noé - Gênesis 9:10: ....................................................... 6 2. A Aliança de Deus com Adão - Gênesis 1.28 -2,4 - 3:15: ................................... 7 3. A Aliança de Deus com Abraão - Gênesis 12:2: .................................................. 7 4. A Aliança de Deus com Moises - Êxodo 19:5: ..................................................... 8 5. A Aliança de Deus com Davi - II Samuel 7:16 ..................................................... 8Quais os ensinamentos contidos na aliança ..................................................................... 9 1. Grande Amor de Deus ........................................................................................... 9 2. A base na qual estão firmadas ............................................................................... 9 3. Benefícios e compromissos.................................................................................... 9Estrutura Formal das Alianças ou Pactos ......................................................................... 9 1. Transcendência (especificando a soberania do Deus que faz o pacto): ................10 2. Hierarquia (especificando a mediação da autoridade soberana daquele que criou o pacto): ..........................................................................................................................10 3. Ética (especificando as estipulações do pacto): ....................................................11 4. Juramento (especificando as sanções solenes do pacto): .....................................11 5. Sucessão (especificando a transferência dos arranjos pactuais para o futuro): ....11Conclusão Pessoal ..........................................................................................................12Bibliografia .......................................................................................................................12 3Carla Geanfrancisco e Marta Teresa Garbim
  • 4. Aliança no Antigo Testamento Teologia do Antigo TestamentoO que é uma AliançaBiblicamente aliança é um contrato, um pacto, acordo ou sociedade entre duaspessoas ou duas partes em que se estabelecem compromissos de deveres,obrigações e privilégios, objectivando um bem comum das partes.O substantivo pacto significa: segundo o Novo Dicionário Aurélio da LínguaPortuguesa, (31) "ajuste", "convenção" ou "contrato". Estes três substantivos sãotambém usados para definir o significado do substantivo aliança. Diferentesversões da Bíblia em português usam os substantivos pacto, aliança, acordo econcerto para traduzir o substantivo hebraico berith que aparece cerca de 275vezes no Antigo Testamento. Para todos esses sinônimos a idéia básica queencontramos é a de união entre duas partes, um pacto ou acordo bilateral. Noentanto, até mesmo a etimologia do substantivo é grandemente discutida. Bastapassar os olhos por alguns dicionários de teologia ou livros que tratemespecificamente do assunto para verificar que há; entre os estudiosos grandediscordância. As posições mais defendidas são: (1) a de que berith é derivada doassírio birtu, que significa "laço", "vínculo"; (2) a de que o substantivo tem origemna raiz de barah, "comer," que aparece poucas vezes no Antigo Testamento (2SM 3.35; 12.17; 13.5; 13.6; 13.10; Lm 4.10), e está relacionado com a cerimôniaque selava um acordo ou relacionamento entre partes; (3) a de que o substantivoestá ligado à preposição bein "entre.". De todas estas a primeira posição é a maisaceita entre os estudiosos do Antigo Testamento. (34)Da própria dificuldade em se estabelecer a origem e significado do termo berithsurgem às primeiras divisões no seio daqueles que defendem a teologia pactual.Por exemplo, exatamente o que se quer dizer quando se fala em acordo? Istoimplica em que as alianças bíblicas sejam "bilaterais"? Não se pode negar que aidéia de pacto traga consigo, no seu sentido mais natural, a bilateralidade, ouseja, duas partes são envolvidas em um pacto. Vários pactos acontecem entreduas pessoas, nações ou grupos na narrativa bíblica (Js 9.15; 1 SM 20.16; 2 SM3.12-21; 5.1-3; 1 RS 5.12); em certos casos um pacto é feito para resolver umadisputa entre partes (Gn 21.22-32; 26.26-33; 31.43-54). 4Carla Geanfrancisco e Marta Teresa Garbim
  • 5. Aliança no Antigo TestamentoTeologia do Antigo TestamentoA palavra Hebraica (berîth) traduzida por Aliança geralmente significareciprocidade, enfatizando o relacionamento subjacente a todas as alianças. NoAntigo Testamento verifica-se dois tipos de aliança: aliança de respeito mútuo ealiança de amor; entre iguais ou entre um superior e um súdito. As aliancasdivinas, porem, sao sempre deste ultimo tipo, e o conceito entre aliança entreDeus e seu povo é uma das verdades teológicas mais importantes da Bíblia. Aaliança de respeito mútuo era feita no sentido exclusivo de não haver guerrasentre as partes aliadas, como a de Isaque e Abimeleque ( Génesis 26:28-29).A aliança de amor (resed) envolve sacrifício, a oferta da vida por inteiro. Esse é oprincipio da aliança de Deus com o ser humano retratado na Bíblia. Na verdade apalavra em si passou a denotar as principais divisoes das Escrituras cristas: aantiga e a nova aliança. (Antigo e Novo Testamento, respectivamente). O AntigoTestamento trata da mesma aliança com aqueles que se rendem ao Filho deDeus de todo coração, alma e entendimento (Mateus 10:37-39 ; 22:37).Cerimônia de Aliança no Antigo TestamentoA cerimónia de aliança era marcada pelo sacrifício e o sangue derramado era oselo da aliança. As partes envolvidas na aliança tomavam um ou mais animais eos sacrificavam. Em seguida os partiam ao meio; cada metade representava umdos envolvidos na aliança. E então as partes passavam entre as metadessignificando que se uma delas falhasse naquele pacto a outra parte teria o direitode fazer com ela o mesmo feito ao animal, ou seja: sacrificá-lo!Deus fez esse tipo de aliança com Abraão (Génesis 15: 9-10,17,18).Obrigatoriedade do sacrifício de animaisA palavra empenhada das partes envolvidas numa aliança não era suficiente parafirmar um pacto, pois é próprio do ser humano faltar com sua palavra,especialmente se as circunstâncias lhe são desfavoráveis. O sacrifício do animallembrada o empenho do juramento que não poderia ser quebrado. Pois assimcomo a vida do animal não poderia ser retornada, também a palavra não poderia.5Carla Geanfrancisco e Marta Teresa Garbim
  • 6. Aliança no Antigo Testamento Teologia do Antigo TestamentoAinda assim devemos lembrar que as alianças são divinas e soberanamenteestabelecidas, sendo decididamente desiguais: Deus infinito com o homem finito;porém não são arranjos informais, casuais e inconsequentes. Porem saoestabelecidos de uma maneira muito solene por meio de ações simbolicasdesignadas. A maneira na qual eles são estabelecidos é muito significante.A diferença fundamental entre as alianças humanas e as alianças pacto divino-humano encontra-se na motivação do soberano Criador, que se propôs a criar esustentar a sua criação, estabelecendo assim um vínculo que, segundo a própriaEscritura, só pode ser um vínculo de amor.Compromissos assumidos em uma aliançaBasicamente os compromissos assumidos numa aliança envolvia amor, confiançae fidelidade. A aliança é compromisso de parte a parte, e cada uma tem suaspróprias responsabilidades que, unidas pelos laços do verdadeiro amor,conduzem a unidade indivisível de pensamentos e atitudes. Os compromissos decada um sempre tem um objectivo comum com o outro. E ainda que os sacrifíciosde cada um sejam demasiadamente grande a força da aliança os leva a pensarnos objectivos comuns que são ainda muito mais importantes.Alianças no Antigo TestamentoA iniciativa em fazer Alianças foi sempre do Senhor Deus. Agindo livre esoberanamente, movido por grande amor, Deus concede ao homem promessasde vida, de paz e de bênçãos. Espera, porém, que o homem se mova a obedecê-lo. Funcionando como um meio administrativo, pelo qual os relacionamentos entreDeus e o ser humano, entre os seres humanos, e entre o homem e o restante dacriação deveriam se desenvolver. Os mandados são a expressão da aliança(pacto) nessas três áreas (promessas de vida, de paz e de bênçãos).São seis as Alianças feitas entre Deus e o homem no Antigo Testamento: 1. A Aliança de Deus com Noé - Gênesis 9:10:6Carla Geanfrancisco e Marta Teresa Garbim
  • 7. Aliança no Antigo TestamentoTeologia do Antigo TestamentoA aliança entre Deus e Noé é a primeira a ser mencionada no VelhoTestamento. As partes envolvidas nesta aliança são o doador e o receptor.Deus foi o doador; Noé e toda a criação, seus receptores. E a aliança forafeita para durar por todas as gerações, não apenas para a época de Noé. Éinteressante notar que essa é a única das presentes no Velho Testamentoque não apenas inclui os seres humanos, como também todas as criaturasviventes. Portanto, ela abarca toda a criação. Seu conteúdo era muitosimples - trata-se da promessa de Deus de que nunca mais destruiria aTerra e seus habitantes com um dilúvio. O Senhor também incluiu um sinal:o arco – Iris . Ele disse a Noé que, enquanto visse, o arco-íris relembraria apromessa divina de não mais destruir a Terra com um dilúvio. 2. A Aliança de Deus com Adão - Gênesis 1.28 -2,4 - 3:15:A Escritura mostra claramente que o pacto com Abraão é o mesmo que opacto com Israel. Quando Deus fez seu pacto com Abraão, ele o feztambém com a sua semente (Gn. 17:7), e quando Deus estabeleceu seupacto com Israel, ele deixou claro que ele estava apenas mantendo o pactoque ele já tinha feito com Abraão, Isaque e Jacó (Ex. 3:15,16). 3. A Aliança de Deus com Abraão - Gênesis 12:2:A aliança consiste em uma série de promessas da parte de Deus, semqualquer obrigação, em contrapartida, de Abrão: Deus conhecia o coraçãode Abrão e a sua fé era suficiente para que fosse abençoado dessamaneira.Há várias características notáveis sobre o pacto com Abraão. A primeira emais importante é que esse pacto com Abraão, e dessa forma, tambémcom Israel, era absolutamente um pacto de graça. A grande revelação dopacto em Gênesis 15 mostra isso.O pacto de Deus é diferente, pois Deus e o homem nunca agem comoiguais no pacto. O pacto entre Deus e Abraão, de acordo com Gênesis 15,foi um pacto completamente unilateral, estabelecido por Deus somente.Quando Deus pactuou com Abraão ao andar entre os pedaços dos animais,7Carla Geanfrancisco e Marta Teresa Garbim
  • 8. Aliança no Antigo Testamento Teologia do Antigo TestamentoAbraão estava dormindo profundamente. Abraão não teve nada a ver com oestabelecimento daquele pacto. Em nenhum sentido o pacto dependeudele. Ele foi verdadeiramente um pacto de graça. 4. A Aliança de Deus com Moises - Êxodo 19:5:As leis que Moisés recebeu de Deus eram a aliança entre Deus e o Seupovo. O registro destas leis é transmitido em mais de três capítulos daBíblia (Ex 20:22-24:4). Eles trazem leis referentes ao altar, escravos,assassinatos, ofensas civis, direito de propriedade, deveres sociais, éticos,e muitos outros.Quando Moisés deu ao povo a lei foi o mais importante dia na história dopovo peregrino, porque eles iriam estabelecer uma aliança com Deus. Istofoi contado como o dia no qual "estes escravos hebreus se tornaram umanação". Eles tinham recebido uma revelação divina, e eles responderam aisto entrando na aliança que Deus lhes ofereceu. 5. A Aliança de Deus com Davi - II Samuel 7:16O resultado mais imediato da aliança davídica foi o estabelecimento doreino do filho de Davi, Salomão, que deveria edificar um templo para oSenhor (2 Samuel 7.11-13); o reinado de Davi passaria aos seusdescendentes: "Fiz aliança com o meu escolhido; jurei ao meu servo Davi:a tua descendência estabelecerei para sempre e edificarei o teu trono degeração em geração" (Salmos 89.3-4). A condição para o cumprimentodessas bênçãos seria a fiel obediência de Davi e de seus descendentes.A vinda de um Rei messiânico e eterno, da linhagem de Davi, estavaimplícito nesse concerto (Isaías 9.6-7). "Do trono de Jessé brotará umrebento, e das suas raízes um renovo frutificará (Isaías 11.1; Miquéias 5.2-4). Esse novo Rei seria chamado "O SENHOR, Justiça Nossa" (Jeremias23.5-6). 8Carla Geanfrancisco e Marta Teresa Garbim
  • 9. Aliança no Antigo TestamentoTeologia do Antigo TestamentoCabe lembrar, que o próprio Antigo Testamento é chamado de Antiga Aliança(Gálatas 4:24 - Hebreus 8:8,13). Sendo que a principal característica deste AntigoPacto foi a quem se destinava; ou seja, a Israel. O enfoque das Alianças VéteroTestamentárias está sobre o povo de Israel (Romanos 9:4).Quais os ensinamentos contidos na aliançaHá profundos ensinamentos contidos nas Alianças. Aquele que ama a Palavra deDeus e possui interesse sempre renovado no que Nela está, encontraráfundamento em seus ensinos: 1. Grande Amor de DeusEm todas as alianças, desde a Adâmica até a Nova Aliança, firmada em Cristo, oque se vê é o amor de Deus. É o Senhor Deus e não o homem quem propõe aAliança. A iniciativa é sempre Divina (Salmos 8:4). 2. A base na qual estão firmadasA Antiga Aliança firma-se sobre a base da lei e das obras e todas suas promessasse cumpririam após ser concretizada a obediência (Deuteronômio 28:1-14). 3. Benefícios e compromissosNa Aliança está o Senhor Deus de um lado e do outro o homem. Ambos estãopactuados na base de benefícios e Compromissos mútuos.Estrutura Formal das Alianças ou PactosOspactos antigos soberanamenteestabelecidos entre reis imperiais(“suseranos”) e reis menores, nações conquistadas e pessoas (“vassalos”)frequentemente tinham uma estrutura quíntupla, geralmente encontrada na9Carla Geanfrancisco e Marta Teresa Garbim
  • 10. Aliança no Antigo Testamento Teologia do Antigo Testamentoordem abaixo. Uma breve introdução a essa estrutura nos ajudará a entender opacto de Deus, que também segue esse padrão pactual. 1. Transcendência (especificando a soberania do Deus que faz o pacto):Usualmente um preâmbulo oferecendo uma declaração introdutóriaidentificando a soberania do rei que faz o pacto. Deuteronômio 1:1-3 servecomo o Preâmbulo para o pacto detalhado em Deuteronômio. No versículo3 é dito que Moisés falou a Israel “tudo o que o SENHOR lhe mandara arespeito deles”. O português “SENHOR” é uma tradução do hebraico“Jeová”, que ocorre aproximadamente 6.000 vezes no Antigo Testamento.Ele era o nome especial, redentor e pactual de Deus. Por esse nome ele sefez conhecido a Israel um pouco antes da gloriosa libertação que tiveramdo Egito (Êx. 6:2-7). O nome Jeová fala imediatamente da majestadeexaltada de Deus e do seu glorioso poder. 2. Hierarquia (especificando a mediação da autoridade soberana daquele quecriou o pacto):Um prólogo histórico resumindo a autoridade do rei e a mediação do seugoverno, ao lembrar das circunstâncias histórias delas. Em Deuteronômio1:6-4:49 há uma breve repetição da história pactual de Israel, que tinha aintenção de lembrar Israel do governo ativo e histórico de Deus sobre osassuntos do mundo. Observemos três aspectos da hierarquia envolvida:a) O SENHOR era o governador último de Israel. Ele graciosamenteconduziu e protegeu Israel no deserto e prometeu destruir seus inimigosna Terra Prometida (Dt. 1:19-25, 29-31);b) Debaixo do governo último de Deus foi estabelecido o governo imediatode Israel por anciãos eleitos (Dt. 1:12-16). Esses deviam governar paraDeus (Dt. 1:17);c) Sob a direção do governo de Israel, a nação deveria ser um exemploinfluente para as nações da bondade de Deus e do seu governo último(Dt. 4:4-8). Em essência, eles seriam uma luz para o mundo,ministrando pela autoridade hierárquica o governo de Deus nomundo.12 Israel, como um corpo, era o representante de Deus na terra. 10Carla Geanfrancisco e Marta Teresa Garbim
  • 11. Aliança no Antigo TestamentoTeologia do Antigo Testamento 3. Ética (especificando as estipulações do pacto):Um detalhamento das estipulações legais definindo as éticas do viver fieldebaixo do vínculo pactual. Em Deuteronômio as estipulações sãoencontradas nos capítulos 5:1 até 26:19. No começo dessa seção estão osDez Mandamentos (Dt. 5:1-21), que são os princípios ou leis básicas efundamentais de Deus. As outras leis contidas em Êxodo, Deuteronômio eoutros livros são “leis da causa”, que ilustram como a “lei base” deve seraplicada a certas circunstâncias ilustrativas; 4. Juramento (especificando as sanções solenes do pacto):A apresentação das sanções do pacto, especificando as promessas e asadvertências do pacto tomando-se um juramento formal. Em Deuteronômio27:1-30:20 as sanções do pacto estão registradas. Essas sançõesencorajam a conduta ética prometendo recompensa e desencoraja arebelião ética ameaçando com maldições; 5. Sucessão (especificando a transferência dos arranjos pactuais para ofuturo):Uma explicação dos arranjos transferindo o pacto às gerações futuras. EmDeuteronômio 31-33 Moises está se aproximando da morte (31:2). Eleencoraja a força e envolvimento futuro (31:6-8) de todas as pessoas,incluindo as crianças (31:9-13). A obediência asseguraria a continuidadefutura das bênçãos sobre todas as suas tribos (33:1-29).Claramente, a idéia pactual é um conceito fundamental na Escritura. A aliança éclaramente estruturada em termos concretos para evitar qualquer confusãoquanto às obrigações e responsabilidades.11Carla Geanfrancisco e Marta Teresa Garbim
  • 12. Aliança no Antigo Testamento Teologia do Antigo TestamentoConclusão PessoalAo passar entre os pedaços dos animais, Deus declarou simbolicamente que elesomente sofreria as conseqüências de qualquer quebra do pacto, como de fato eleo fez na morte de seu Filho (Is. 53:8; Gl. 3:13). Por nossos pecados no pacto,Deus, em Cristo, sofreu a penalidade sendo rejeitado e despedaçado.Cristo expressou isso quando clamou: “Deus meu, Deus meu, por que medesamparaste?”. Assim, o pacto de graça revelado a Abraão foi cumprido emCristo.O que me chama mais a atenção é justamente isso, a promessa a aliança doSenhor já demonstrando a Graça. Em meu primeiro semestre no curso de teologiative a disciplina introdução ao antigo testamento I, e o professor Oduvaldo Carlosde Medeiros ao descrever esta passagem me deixou perplexa, pois ele falava quesomente Deus era capaz de fazer um pacto com o homem sua criação, já sabendoque ele não seria capaz de cumprir, como também sabia no Jardim do Éden, masmesmo assim, tem tanto amor que sempre o faz, demonstrando é um Deusinfinito, com conhecimento da finitude do homem.Sua misericórdia é totalmente demonstrada em um dos livros mais importantes daBíblia em Deuteronômio por estar sendo sempre um Deus renovador das alianças.BibliografiaA. B. de Holanda Ferreira, Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa, 2ªedição revista e aumentada (Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986).Dicionário Ilustrado da Bíblia / Editor geral Ronald F. Youngblood; co-editores F.Bruce & R, K, Harrison; Tradução Lucília Marques Pereira da Silva ... [ET AL.]. ~~São Paulo : Vida Nova, 2004.House, Paul R., Teologia do Antigo Testamento; tradução Sueli Silva Saraiva). –São Paulo: Editora Vida, 2005. 12Carla Geanfrancisco e Marta Teresa Garbim
  • 13. Aliança no Antigo TestamentoTeologia do Antigo TestamentoKenneth L. Gentry, Jr., Greatness of the Great Commission; Tradução FelipeSabino de Araújo Neto, www.monergismo.com.Laird Harris, Gleason Archer e Bruce Waltke, Dicionário Internacional de Teologiado Antigo Testamento (São Paulo: Vida Nova, 1998), verbete 282a;Mauro Meister. “Uma breve introdução ao estudo dos Pactos II”, “Fides Reformata4/1”, 1999.Smith, Ralph L. (Ralph Lee), Teologia do Antigo Testamento; tradução: Hans UdoFuchs, Lucy Yamakami – São Paulo: Vida Nova, 2001.13Carla Geanfrancisco e Marta Teresa Garbim
  • Fly UP