A parbola do mordomo infiel

  • Published on
    23-Feb-2017

  • View
    71

  • Download
    0

Transcript

A Parbola do Mordomo Infiel A Parbola do Mordomo InfielLucas 16: 1-9Disse Jesus aos seus discpulos: havia um homem rico cujo administrador foi acusado de dissipar seus bens. Ento, chamando-o disse: Que isto que ouo de ti? D contas da tua administrao, porque j no poders ser meu administrador. O administrador disse consigo: Agora que farei? O meu senhor me tira o emprego. Cavar no posso, e mendigar tenho vergonha. Eu sei o que hei de fazer, para que, quando for demitido da administrao, me recebam em suas casas. Chamando a si cada um dos devedores do seu senhor, disse ao primeiro: Quanto deve ao meu senhor? Ele respondeu: Cem batos de azeite. Disse-lhe: toma a tua obrigao, e assentando-te depressa, escreve cinquenta.Disse depois ao outro: E tu quanto deves? Cem cores de trigo. Disse-lhe: Toma a tua obrigao, e escreve oitenta. Louvou aquele senhor o injusto administrador por haver procedido prudentemente. Pois os filhos deste mundo so mais prudentes na sua gerao do que os filhos da luz. Eu vos digo: Granjeai amigos com as riquezas da iniqidade e injustia, para que quando estas vos faltarem, vos recebam nos tabernculos eternos.Esta parbola a cruz de muitos intrpretes: telogos, pastores e dirigentes espirituais. No falta quem duvide que seja ela de autoria de Jesus.Talvez o erro de interpretao tenha seu fundamento na compreenso do simbolizado espiritual da parbola, por meio do seu smbolo material. Alis, confundir o dedo que aponta a luz com a prpria luz a coisa mais comum nos meios cristos. Uma anlise racionalista, puramente intelectual, jamais atinge o verdadeiro sentido das palavras proferidas por um ser iluminado espiritualmente. O sentido de justia da verticalidade espiritual no compreendido pela moralidade conceitual na horizontalidade intelectual. Observe, que toda e qualquer parbola contm um smbolo material e um simbolizado espiritual. Nesta, por exemplo, o smbolo material o procedimento desleal do administrador, e o simbolizado espiritual a recomendao de usarmos de tal modo os bens materiais, que estes, nos sirvam de meios para alcanarmos as graas espirituais. Meios e condies materiais podem nos fazer alcanar graas. Quando materialmente ajudamos algum a no passar fome, a ter acesso a um medicamento necessrio sade, a ter paz espiritual atravs de um bom livro, de um atendimento fraterno a um necessitado e a manter o seu trabalho para a preservao dos seus familiares. Quando preservamos a dignidade moral dos nossos adversrios, quando abrimos um espao material para uma evangelizao, ou doamos alimentos e remdios aos necessitados, promovemos aes materiais que tem um simbolizado espiritual. Mas, ser pela fraude que alcanaremos os bens espirituais? Claro que no! O que Jesus nos diz : pelas riquezas da injustia ou iniqidade; no, pelas injustias e iniqidades das riquezas. As mesmas riquezas que levam a outros cometerem injustias e iniqidades, como o mordomo infiel, podem nos servir para a prtica do bem e obras espirituais. No existem riquezas injustas ou inquas. O termo de comparao que Jesus faz na parbola, no a iniqidade cometida pelo administrador, mas sim o tino com que agiu, com a prudncia usada, que no inclui a desonestidade que ele usou. Tambm revela, que no trato com os seus semelhantes o ser profano geralmente mais atilado e previdente que os filhos da luz; pois estes, outrora viviam a neurose da culpa do pecado; porm, ao tomarem conhecimento do Caminho e da Palavra, tornam-se arrogantes e se acomodam, achando-se salvos compulsoriamente, passando a psicticos auto justificados. Jesus informa que o ser profano sabe melhor servir-se dos bens materiais para a prtica de iniqidades e injustias, do que os bons para a prtica do bem. Jesus, ento recomenda aos seus discpulos que lancem mos dos mesmos bens materiais de que os maus se servem, para a prtica do bem. Logo a seguir, diz Ele: Sede inteligentes como as serpentes, mas simples como as pombas. Na outra parbola, - a dos Talentos, nos instrui que o homem fosse previdente na administrao de um bem material a fim de entrar no gozo do seu senhor, mediante essa administrao. Ao final, explica muito bem esta parbola, ao dizer: quem fiel nas coisas mnimas (materiais), fiel no muito, - espiritual; e, quem infiel no mnimo, tambm o no muito. Ou seja: Se no administrares fielmente as riquezas vs, - de injustia e iniqidade, quem vos confiar os bens verdadeiros? E, se no administras fielmente os bens alheios, quem vos entregar o que vosso? Nenhum servo pode servir a Deus e as riquezas. Pois, quem serve ao dinheiro escravo da matria, mas aquele que pe o dinheiro a servio de Deus, - em nome do seu amado filho Jesus, livre e soberano pelo esprito. S devemos servir a quem nos superior; do contrrio nos degradamos, tornando-nos cmplices de aes que degradam pessoas e famlias ao denegrirmos moralmente nossos adversrios. Podemos assim servi-Lo tanto em Si mesmo, como tambm no prximo imagem e semelhana?Quem planta banana no colhe laranja... Jos Alfredo Bio Oberg