A Doutrina das Escrituras

  • Published on
    21-Jan-2018

  • View
    147

  • Download
    0

Transcript

1. A Doutrina das Escrituras Serie Doutrinas Bblicas Davi Silva 2. Por milnios Deus se revelou ao homem atravs de suas obras, isto , a Criao (Rm. 1.20; SI. 19.1-9). Porm, segundo o seu propsito, chegou o tempo em que Ele desejava alcanar o homem com uma revelao maior, o que o fez de forma dupla: a) atravs da Bblia a Palavra Escrita, e b) atravs de Jesus Cristo a Palavra Viva (Jo. 1.1). Esta dupla revelao muito especial e tornou-se necessria devido queda do homem. O estudo das Escrituras se impe como o principal meio do homem natural vir a conhecer a Deus e a sua vontade para com a sua vida, e do crente conhecer o propsito santificador de Deus para si e para todos os salvos. 3. A palavra Bblia tem sua origem em uma das cidades porturia na Fencia, Biblos, hoje Gebal, localizada cerca de 40 KM ao norte de Beirute. Na poca era importante centro produtor de rolos de papiro usados para fazer livros. Com o tempo, a palavra biblos passou a significar livro, e Bblia tornou-se a forma plural da palavra, como sendo uma coleo de livros sagrados. 4. De acordo com os religiosos judeus o Hebraico a lngua original do ser humano, a nica que teria se mantida no- corrompida aps a disperso de lnguas ocorridas durante os eventos relacionados Torre de Babel Teria sido o idioma falado por Deus a Abrao e que posteriormente foi transmitido por ele aos seus descendentes.; Quando os Israelitas saram do Egito e chegaram em Cana houve uma certa influncia do idioma dos cananeus resultando assim no hebraico falado hoje. 5. Era o idioma falado pelos judeus na poca do Novo Testamento , inclusive por Jesus; Quando os judeus foram levados ao cativeiro babilnico ( de 598 a.C at 538 a.C) o idioma hebraico foi substitudo pelo aramaico. Nesse tempo o hebraico era usado somente nas sinagogas por ocasi o da celebraes religiosas; Ao retornarem Jerusalm j no falavam mais o hebraico, mas sim o aramaico. 6. Assim como o ingls no mundo moderno, o grego era a lngua universal no mundo antigo; Por volta de 300 a.C., Alexandre, o Grande, derrotou o Imprio Persa e passou a conquistar outras partes do mundo. Para unificar suas vrias conquistas, ele e os reis que o sucederam incentivaram a helenizao, ou seja, a adoo da lngua e do estilo de vida gregos; falado por pelo menos 13 milhes de pessoas atualmente, na Grcia, Chipre e nas comunidades de expatriados em diversos pases ao redor do mundo 7. Autgrafos ou originais, j no existem mais; Era costume dos judeus enterrar todos os manuscritos a fim de esconder dos inimigos nas guerras; Os locais onde os manuscritos preservados se encontravam guardados foram objeto de destruio por vrios reis inimigos de Israel; Assim, Epifnio, Rei da Assria, que dominou sobre a Palestina, tinha prazer em praticar a tortura e mandou exterminar a religio judaica e todos os seus haveres, tendo assolado Jerusalm e profanado o que restou do templo, destruindo todas os escritos que encontrou das Escrituras Sagradas. 8. Se os originais no existem, como podemos ter a certeza da fidedignidade dos textos da Bblia ? Os textos bblicos foram preservados por copistas muito meticulosos. Pouco depois da escrita dos originais, comeou a produo de cpias mo. Alis, o copista das Escrituras era uma profisso em Israel (Ed 7:6 e Salmo 45:1). Os escribas eram profissionais muito dedicados. Na verdade, eles reverenciavam profundamente as palavras que copiavam, sendo extremamente meticulosos. Bem sabiam que no podiam acrescentar ou retirar qualquer pontuao ou letra ao texto sagrado, porque isso seria a negao da sua prpria vida dedicada. 9. 1. Papiro Planta muito comum nas margens de rios da frica. As folhas so longas e fibrosas, um pouco semelhantes s folhas de cana-de-acar; No Egito Antigo, o papiro era encontrado nas margens do rio Nilo. Foi muito utilizado pelos egpcios para diversos propsitos. As folhas eram sobrepostas e trabalhadas para serem transformadas numa espcie de papel; Este papel (papiro) era utilizado pelos escribas egpcios para escreverem textos e registrarem as contas do imprio. Vrios rolos de papiro, contando a vida dos faras, foram encontrados pelos arquelogos nas pirmides egpcias. 10. 2. Pergaminhos Pele de animais como ovelhas, cabras, etc.; Assumiu o lugar do papiro por maior resistncia; Se deu incio em Prgamo (na regio norte e oeste da moderna cidade de Bergama, naTurquia. Da pergaminho. 11. O papel velino (couro de vitelo) uma pele de mamfero preparada para receber manuscritos e impresses para a produo de pginas soltas e livros. Diferencia-se do pergaminho por ser produzido com as peles de melhor qualidade, sendo um papel muito compacto, liso e acetinado. Era usado pelos ricos. Velino 12. O palcio foi destrudo em c. 750 a.C. Foram encontrados durante uma escavao em 1910 por um grupo de arquelogos. Fragmento de cermica usado como su- porte de escrita; stracos de Samaria o nome dado a um conjunto de 64 cermicas, com inscries em caracteres hebreus, encontrados na sala do tesouro do palcio de Acabe em Samaria; stracos 13. Cnon um termo que deriva do grego kann, vara, cana. Esse ter foi usado porque assim como a cana servia como instrumento de medio nos tempos antigos e tinha o sentindo de linha de medida, regra, padro, modelo ou norma; Em relao Bblia, significa a regra usada para determinar se um certo livro podia ser medido satisfatoriamente de acordo com um padro; A lista dos livros sagrados foi basicamente estabelecida por volta de 303 d.C. 14. Os primeiros livros a serem escritos foram por Moiss em 1.400 a.C. O ultimo foi Apocalipse escrito por Joo em 95 d.C Como se deu a formao dos 66 livros? Moiss 1.400 a.C. Jesus 0 Joo 95 d.C. Hoje 2016 d. C. 303 d.C. 15. O Antigo Testamento de 39 livros, s foi realmente fixado no Conclio de Jmnia em 100 d.C. (Jmnia, Sul de Jope, na costa do Mediterrneo. L foram discutidos e ratificados a canonicidade do AT. O Rabino Gamaliel II provavelmente presidiu esse Conclio. Rabbi Akiba foi o chefe do conselho) O primeiro conclio eclesistico a reconhecer todos os 27 livros do Novo Testamento foi o conclio de Cartago, Norte da frica, em 397 d.C. O Conclio de Cartago no criou o cnon do Novo Testamento. Em vez disso, ele descreveu os livros que j haviam sido aceitos como Escritura autorizada, tendo apenas confirmado o cnon j existente 16. 1) Colecionado e preservado pelo povo; 2) Inspirado por YAHWEH (isso era sabido se no livro contivesse algo mstico ou sobrenatural); 3) Se os judeus, por serem muito meticulosos nas Escrituras do Velho Testamento, tinham alguma controvrsia sobre quais partes pertenciam ou no ao cnon. Os livros apcrifos da igreja catlica romana no passaram no teste cannico, ficaram de fora da definio de Escritura, e nunca foram aceitos pelos judeus. 17. 1.Apostolicidade - O livro foi escrito por algum que era testemunha ocular de Cristo ou tivesse acesso direto aos apstolos? 2.O livro passou no "teste da verdade"? (quer dizer, o livro concordava com algum outro, que j era visto como parte das Escrituras?) 3.Universalidade deveria ser aceito por toda a comunidade judaica (Jerusalm, Constantinopla, Roma, Alexandria e Antioquia). 18. Thepneystos = Doutrina da Inspirao da Bblia Ditado Verbal ou Inspirao Mecnica Deus teria formado as personalidades sobre as quais posteriormente o Esprito Santo haveria de soprar seu ditado palavra por palavra. Inspirao Dinmica ou Inspirao das Idias Deus teria inspirado apenas os conceitos, no as expresses literrias particulares. Deus teria dado Seus pensamentos aos profetas que tiveram toda a liberdade de exprimi-los em termos humanos. Deus concebeu a inspirao conceitual, e os homens forneceram a expresso verbal caracterstica de seus estilos prprios. 19. A Bblia CONTM a palavra de Deus Certas partes da Bblia so divinas, expressam a verdade, mas outras so humanas e apresentam erros. a) Inspirao Divina Comum ou Iluminao que a idia que alguns autores foram mais inspirados que outros. A inspirao dos livros histricos uma. A dos Salmos outra. b) Inspirao Humana Comum ou Intuio o conceito que a Bblia foi escrita por mentes humanas de alta inteligncia. Nesse caso as Escrituras no seriam sagradas, mas feita por homens e para homens. Embora a Bblia contenha exemplos de elevada moral e gnio religioso no passa, todavia, de escrito humano. 20. A Bblia TORNA-SE a palavra de Deus A Bblia seria um livro comum, mas quando aplicado ao ser humano ele se torna a Palavra de Deus. Fechada um livro qualquer, mas aberta torna-se a boca de Deus. a) Desmitologizao Ela se torna a palavra de Deus quando a leio sem misticismo e sem mitos. b) Encontro Pessoal Quando leio e sinto uma presena mstica. Se nada sinto livro comum, se Deus fala comigo ento ela se torna palavra de Deus naquele momento. 21. A Bblia a palavra de Deus 2 Timteo 3:15-17, que diz: ... desde a infncia, sabes as sagradas letras, que podem tornar-te sbio para a salvao pela f em Cristo Jesus. Toda a Escritura inspirada por Deus e til para o ensino, para a repreenso, para a correo, para a educao na justia, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra. A inspirao plena, a saber, completa e integral, abrangendo todas as partes da Bblia Conceito de Inspirao - consistiu em Deus deixar o escritor (Moiss, Josu, Samuel, Mateus, Marcos, Lucas, Joo, Lucas, Paulo, Joo, etc.) ter plena liberdade de escolher SUAS prprias palavras e vocabulrio e estilo de homem, Deus apenas PROTEGENDO-o de cometer o menor erro de qualquer tipo. Isto explicaria a enorme diferena de vocabulrio e estilo entre os escritores. 22. Inspirao foi esse guiar de Deus sobre a Bblia, pois sendo ela composta de sessenta e seis livros individuais, escritos em trs continentes, em trs diferentes lnguas, durante um perodo de aproximadamente 1500 anos, por mais de 40 autores (que tinham profisses diferentes), a Bblia permanece como um livro unificado desde o incio at o fim, sem contradies. 23. Argumento da INDESTRUTIBILIDADE da Bblia: -Mesmo sob a mais tenaz, violenta, sutil perseguio j vista (e nenhum outro livro no mundo foi to atacado) - Historiadores judeus dizem que, ao retorno do cativeiro babilnico, parecia que todas as Bblias tinham sido destrudas... mas logo se acharam 2 cpias [perfeitas e completas], preservadas por Deus, e o sacerdote e escriba Esdras fez com comeassem a ser feitas cpias dela, e logo voltaram a haver incontveis Bblias! 24. - Em 303 d.C., o terrvel e sanguinrio imperador romano Diocleciano ordenou que cada igreja e cada Bblia e cada cristo que a tivesse e recusasse ced-la fossem aniquilados de sobre toda a terra, e moveu to feroz e persistente perseguio, at abdicar em 305 d.C., e to certo ficou de seu mais completo sucesso, que cunhou moeda comemorativa com a frase "A religio crist foi destruda e a adorao dos deuses restaurada". Mas alguns cristos e Bblias perfeitas sobreviveram e, ironicamente, um seu sucessor, Constantino, em 331 d.C., ordenou que Eusbio preparasse 50 cpias da Bblia no mais caro material, s custas do governo! 25. Voltaire gabava-se "Levou sculos para se erigir o cristianismo, mas eu mostrarei como um francs o reduzir a p dentro de 50 anos". Ele erguia uma cpia da Bblia no ar e proclamava "Dentro de 100 anos este livro ter sido esquecido e eliminado...". Mas, desde 20 anos depois de sua morte em 1778, a sua enorme casa tornou-se um dos principais centros de distribuio da mesma Bblia que ele desejou condenar extino. A Bblia nunca pode ser destruda! 26. Argumento do TRANSCENDENTE CARTER da Bblia O Padro Moral da Bblia to inatingvel que no pode ser seno do verdadeiro Deus (os 10 mandamentos); Contraste com outros livros sagrados: Os deuses greco-romanos, os dos egpcios, cananeus, tupis- guaranis, etc.; todos eles carnais, traioeiros, maus, s vezes incestuosos, homossexuais, matricidas, etc., mas o Deus da Bblia Santo!!! 27. Argumento da PRECISO HISTRICA da Bblia nica e perfeita! Os extraordinrios trabalhos e avanos da Arqueologia, os zombadores tm sido sufocados por cada p dos escavadores! - Foram descobertas as runas das muralhas de Jeric e, de modo sem nenhum similar no mundo, em sua inteireza elas esto cadas para fora! Ora, o nico modo de derrubar era batendo e empurrando com enormes aretes, mas inimigos sempre esto do lado de fora quando fazem isso tentando vencer uma guerra, portanto derrubam para dentro, e habitantes duma cidade nunca derrubam seus prprios muros de modo nenhum. Portanto, as runas sem similar confirmam o relato bblico! 28. - Foi comprovada a existncia e sbita destruio (2000 a.C.) das populosas Sodoma e Gomorra; - Foi comprovado um arrependimento para monotesmo, em Nnive; - Foi comprovada a existncia de Dario; - Foram comprovadas todas as seqncia de reis de todas as naes citadas e das quais provas puderam ser coletadas; Argumento da PRECISO PROFTICA da Bblia Profecias sobre centenas de naes, Profecias sobre a histria de Israel, Profecias sobre a seqncia dos imprios mundiais, Profecias sobre a primeira e segunda vindas de Cristo, Profecias sobre os ltimos dias, etc. 29. Os Apcrifos 30. Entendendo alguns termos: HOMOLOGOUMENA: So os livros homologados, ou seja, aceitos sem qualquer dificuldade ANTELEGOMENA: So os livros aceitos, mas que inicialmente tiveram dificuldades no crivo. Houveram vrios questionamentos antes de serem aceitos como cannicos: Ester, Provrbios, Eclesiastes, Cantares de Salomo, Ezequiel, Hebreus, Tiago, 2 Pedro, 2 e 3 Joo, Judas e Apocalipse. 31. PSEUDEPGRAFOS: So livros que foram escritos por pessoas qualquer, mas que alegavam que suas composies tinham sido realmente escritas muito antes por antepassados reverenciados, tais como Abrao, Moiss ou Isaas. Ou seja, algum escreve um livro hoje e diz que foi escrito por Moiss. Haviam mais de 200 pseudepgrafos: Livro de Enoque, Os Testamentos dos Doze Patriarcas, Os Salmos de Salomo, O Evangelho segundo Tiago, Apocalipses, o de Pedro, etc. 32. APCRIFOS ou DEUTEROCANNICOS: So livros verdadeiros, portanto no eram falsos, todavia foram considerados sem inspirao por haver neles elementos inconsistentes com a doutrina crist. Entretanto, em 8 de Abril de 1546, no Conclio de Trento, a Igreja Catlica Romana proclamou alguns livros apcrifos como cannicos detentores de autoridade espiritual para seus fiis como meio de combater a Reforma Protestante. Nessa poca os protestantes combatiam violentamente as doutrinas romanistas do purgatrio, orao pelos mortos, salvao pelas obras, etc. Os romanistas viam nos apcrifos base para tais doutrinas, e apelaram para eles aprovando-os como cannicos.. Os que entraram na Bblia Catlica foram: Macabeus 1 e 2, Tobias, Judite, Sabedoria de Salomo, Eclesistico e Baruque. Nesse perodo tambm foram includos igreja: Os 7 Sacramentos, A Transubstanciao, O Celibato e o Culto aos Santos. 33. Macabeus 1 e 2 ambos os livros contam a historia da revolta contra a opresso sria, liderada pela famlia dos Hasmoneus no perodo da historia conhecido como interbblico. a orao pelos mortos - 12:44 46 culto e missa pelos mortos - 12:43 o prprio autor no se julga inspirado -15:38-40; 2:25-27 intercesso pelos santos - 7:28 e 15:14 34. Tobias uma histria novelstica sobre a bondade de Tobiel (pai de Tobias) e alguns milagres preparados pelo anjo Rafael. Apresenta: justificao pelas obras - 4:7-11; 12:8 mediao dos Santos - 12:12 supersties/simpatias - 6:5, 7-9, 19. O autor se refere ao emprego do fel, do fgado e do corao do peixe para influenciar a Deus ou entidades espirituais Um anjo engana Tobias e o ensina a mentir 5:16 a 19 35. Judite narra a historia de uma destemida viva judia que se serviu dos artifcios de sua beleza para assassinar Holofernes, general do exercito inimigo. O Livro data de 150 a.C. A grande heresia do livro a histria onde o fins justificam os meios. Baruque - Apresenta-se como sendo escrito por Baruque, o cronista do profeta Jeremias, numa exortao aos judeus quando da destruio de Jerusalm. Porm, de data muito posterior, quando da segunda destruio de Jerusalm, no ps-Cristo. Traz entre outras coisas, a intercesso pelos mortos - 3:4. 36. Eclesistico - muito semelhante ao livro de Provrbios, no fosse as tantas heresias: justificao pelas obras - 3:33,34 trato cruel aos escravos - 33:26 e 30; 42:1 e 5 incentiva o dio aos Samaritanos - 50:27 e 28 Sabedoria de Salomo - Livro escrito com finalidade exclusiva de lutar contra a incredulidade e idolatria do epicurismo (filosofia grega na era Crist). o corpo como priso da alma - 9:15 doutrina estranha sobre a origem e o destino da alma 8:19 e 20 salvao pela sabedoria - 9:19 37. AsTradues 38. O POR QU DAS TRADUES A Bblia, anteriormente, havia sido escrita em hebraico, grego e alguns trechos em aramaico. Ento por qu foi traduzida para outras verses? 1. Disponibilizar a mensagem divina a quem no tivesse acesso aos manuscritos 2. Auxiliar na tarefa da evangelizao missionria 39. A traduo da Bblia muito mais do que simplesmente converter palavras de sua lngua original para a nossa lngua. No d pra fazer uma simples traduo de palavra por palavra , pois isso no faria sentido para a maioria dos leitores. Afim de alcanar uma traduo funcional, a estrutura gramatical de cada idioma precisa de mudanas significativas. Por causa disso existem a Traduo Literal e Traduo Livre 40. 1. Traduo Literal: Essas tradues retm muito da forma e estrutura da lngua original e oferecem uma traduo de palavra por palavra ao maior grau possvel. Algumas tradues desta categoria incluem Joo Ferreira de Almeida, Joo Ferreira de Almeida Revista e Corrigida (RC), Joo Ferreira de Almeida Revista e Atualizada (RA), Almeida Corrigida e Revisada Fiel, Almeida Revista Imprensa Bblica. As tradues essencialmente literais so as mais prximas ao texto original; o texto em grego analisado e basicamente reescrito em uma gramtica aceitvel na lngua para a qual est sendo traduzido. 41. Por exemplo, a traduo literal de palavra por palavra do grego para portugus de Joo 3:16 fica da seguinte forma: Joo 3.16 Adequando gramtica portuguesa: Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unignito, para que todo aquele que nele cr no perea, mas tenha a vida eterna. (Joo 3:16 ACF) No original: Traduo Literal: Assim pois amou Deus o mundo, que o Filho nico deu, para que todo o que cr em ele no perea mas tenha vida eterna. 42. 2. A Traduo Livre Essas possuem grande liberdade com o texto bblico e procuram transmitir o significado expresso usando frases contemporneas e metforas. Ela procura tornar mais claro e objetivo aquilo que se disse em outro texto. As parfrases bblicas mais conhecidas so Traduo na Linguagem de Hoje, Nova Traduo na Linguagem de Hoje, Bblia Viva e A Mensagem. Traduo Livre Porque Deus amou o mundo tanto, que deu o seu nico Filho, para que todo aquele que nele crer no morra, mas tenha a vida eterna. Joo 3.16 43. Romanos 8.8 Na Traduo Essencialmente Literal: Portanto, os que esto na carne no podem agradar a Deus (Almeida Corrigida e Revisada Fiel). Na Traduo Livre: As pessoas que vivem de acordo com a sua natureza humana no podem agradar a Deus (Nova Traduo na Linguagem de Hoje). 44. do hebraico para o grego 45. O rei do Egito Ptolomeu II (reinou de 285 a 246 antes de Cristo) pediu s autoridades religiosas do templo de Jerusalm que fizessem uma traduo em grego do Pentateuco para a recm criada biblioteca de Alexandria. O sumo sacerdote Eleazrio nomeou 72 eruditos judeus, 6 escribas por tribo de Israel, que foram at o Egito e na Ilha de Faro realizaram a traduo em 72 dias, cada um fazendo a prpria traduo dos 5 primeiros livros da Bblia. No final dos trabalhos se reuniram e, comparando o trabalho feito, viram que todas as tradues eram idnticas. Sucessivamente toda a Bblia Hebraica foi traduzida. 46. do grego para o Latim 47. Em 382 d.C., o Papa Dmaso encarregou Jernimo, seu secretrio, de traduzir da Septuaginta para o latim o livro dos Salmos e o Novo Testamento, o que ele fez em trs anos e meio. Mais tarde, um novo papa assumia a direo da Igreja em Roma e percebia, com inveja, a grande cultura e a influncia de Jernimo. Este, perseguido e humilhado se dirige a Belm, na Terra Santa, e ali estuda e trabalha durante trinta e quatro anos na traduo de toda a Bblia para a lngua latina. Jernimo escreveu ainda vinte e quatro livros de comentrios bblicos, um conjunto de biografias de eremitas, duas histrias da Igreja Primitiva e diversos tratados. usada hoje pela Igreja Catlica Romana como a autntica verso das Escrituras Sagradas, apesar de muitos eruditos a acharem pobre e at a acusaram de conter falhas graves. 48. do Latim para o Ingls 49. John Wycliffe (Inglaterra) traduziu para o ingls a partir da Vulgata. Ele foi motivado pela sua preocupao com a corrupo da igreja e liderana. Ele percebeu que a liderana tinha interesse em negar o acesso Bblia aos leigos por medo da descoberta de "uma enorme discrepncia entre os estilos de vida dos bispos. Wycliffe procurou chamar as pessoas de volta para o cristianismo bblico, porque ele "acreditava que as pessoas precisavam de uma Bblia em seu idioma para que um reavivamento acontecesse 50. do latim, hebraico e grego para o alemo 51. Com ajuda de amigos, Martinho Lutero comeou a traduzir o Novo Testamento para o alemo. Lutero andava pelas ruas e mercados para ouvir as pessoas falarem porque ele desejava que sua traduo fosse acessvel ao povo, o mais prxima possvel da linguagem contempornea. A Bblia de Lutero foi publicada em setembro de 1522, seis meses aps ele ter retornado a Wittenberg. 52. do latim, hebraico e grego para oportugus 53. Almeida nasceu por volta de 1628, em Torre de Tavares, Portugal, e morreu em 1691, na cidade de Batvia (hoje Jacarta, na ilha de Java, Indonsia). Trabalhou como pastor, missionrio e tradutor, durante a segunda metade do sculo XVII. A partir de 1663 (dos 35 anos de idade em diante, portanto), Almeida trabalhou na congregao de fala portuguesa da cidade de Batvia, onde ficou at o final da vida, em 1691. Aqui teve uma intensa atividade como pastor que para facilitar suas pregaes traduziu a Bblia para o portugus de Portugal... 54. Suas reimpresses at em 1940 sempre foram feitas na Inglaterra e nos EUA, pelas Sociedades Bblicas Britnica, Americana e Trinitariana. Com a chegada da II Guerra Mundial, as Bblias deixaram de ser impressas no exterior. Nesse novo contexto, em 1940 foi fundada a Imprensa Bblica Brasileira, rgo ligado Conveno Batista Brasileira, que foi pioneira na impresso das Escrituras no Brasil. Nesse novo cenrio, em 4 de agosto de 1944 encerrou-se a primeira impresso de cerca de 22.000 exemplares da Bblia na Verso REVISTA E CORRIGIDA. 55. Nascido em Portugal 1725 e a Bblia foi elaborada a partir da Vulgata e publicada em sete volumes, depois de 18 anos de trabalho. 56. Padre Manoel de Matos Soares publica sua traduo completa da Bblia em portugus, traduzida a partir da mesma Vulgata. Ganhou a aprovao da Igreja Catlica, sendo a mais popular no Brasil, desde que foi publicada em 1942, pois foi inserido comentrios que fortaleciam as doutrinas catlicas. 57. Leve esse este estudo com o Pr. Davi Silva para sua igreja ou congregao. Faa-nos contatos: (85) 98861 7371 (85) 981428998 davisilvapastor@gmail.com Davi Silva Ministro pela Assembleia de Deus Bela Vista; Membro da COMADECE e CGADB; Conferencista; Bacharel e Professor de Teologia pelo SETAD - Seminrio de Teologia das Assembleia de Deus e CETEB - Centro de Educao Teolgica do Brasil.

Recommended

View more >