Maconaria ea PNLby Martha Follain

  • Published on
    21-Nov-2014

  • View
    197

  • Download
    16

DESCRIPTION

Histria e Neurolinguistica

Transcript

  • 1. Maonaria e Programao Neurolingustica Martha Follain. DEDICATRIA: In memoriam dos maons ARY FOLLAIN (1910-1975), meu pai, homem probo, meu melhor amigo - meu afeto. E EDWARD BACH (1886-1936), que demonstrou compaixo para com os seres vivos, criando as essncias florais - minha gratido. Ao maom CLAUDIOMAR LOPES BARCELLOS (1935), M.I., 33 do R.E.A.A. Pelotas/RS - meu respeito. Martha Follain. Junho/2006 So Paulo - SP PREFCIO APRESENTAO por Claudiomar Lopes Barcellos A Dr. Martha Follain honrou-me com a solicitao para que fizesse a apresentao do seu livro Maonaria e Programao Neurolingustica, em virtude de ter acompanhado a elaborao de to preciosa obra, sem quebrar meu juramento de sigilo. A Dr. Martha interessou-se pela Maonaria, em virtude de seu saudoso pai, Dr. Ary Follain, ter pertencido Ordem Manica. No
  • 2. obstante pesquisarmos sobre a afiliao manica, que deve ter sido por volta do ano de 1950. Infelizmente, no obtivemos, at o presente, resposta da Grande Loja Manica do Estado do Rio de Janeiro (GLMERJ) ou do Grande Oriente do Brasil/Rio de Janeiro (GOB/RJ). A autora, mulher culta e inteligente, tem escrito inmeros artigos sobre vrios assuntos, mormente, Vegetarianismo, Defesa dos Direitos dos Animais No Humanos, PNL, Terapias Holsticas etc., mas, este o primeiro livro que escreve. Seu objetivo, ao lanar-se tarefa de escrever tal obra, foi prestar homenagem a seu saudoso pai e ao mdico ingls, Dr. Edward Bach, criador da Terapia dos Florais que leva seu nome - Florais de Bach. Na biografia do ilustre e humanitrio mdico, sua assistente, Sr. Nora Weeks cita sua afiliao Maonaria inglesa. O segundo objetivo foi trazer ao conhecimento dos Maons e suas Famlias, o quanto de importncia tem a Filosofia Manica, para a Evoluo da Humanidade. Eu costumo dizer que, a Franco-Maonaria, com sua ao libertadora, foi a parteira das Independncias das Naes Americanas, eis que, todos os movimentos dessas independncias, foram liderados pelos Maons. O terceiro objetivo foi mostrar a Maonaria sob a tica da PNL - Programao Neurolingustica. A Dr. Martha foi uma brilhante aluna de um dos criadores da PNL, o Dr. John Grinder, professor da UCLA - Universidade da Califrnia (EUA). O livro comea a mostrar a estrutura da Maonaria, em seus Ritos, Graus, histrico e finaliza com a tica da Sublime Instituio, a Arte Real, sob a Luz da PNL. Por certo, tal enfoque dado pela Dr. Martha indito na bibliografia Manica, tanto a de elaborao dos pesquisadores maons como profanos. Sabe-se que a Maonaria estudada em Universidades, como fato cultural, sociolgico, antropolgico, histrico, etc. Lembremo-nos que homens de valor intelectual, cultural e tico, foram Maons e brindaram a Humanidade com suas preciosas obras. Citemos Carl Gustav Jung, Carl Sagan e Gibran Kalil Gibran, entre inmeros. Eis a obra que vem a Luz num momento da Histria da Humanidade, que podemos chamar da Grande Transio. Se, a maioria dos meus Irmos de Fraternidade, v com preocupao, tantos livros sobre Maonaria, eu, creio, firmemente, que o Sigilo Manico est preservado no ntimo dos Iniciados na Sublime Instituio, est resguardado no Sanctu Sanctorum do Corao do Maom...
  • 3. Tambm, um dos Paradigmas Espirituais da Humanidade e da Maonaria, o Mestre Yeoshua (latinizado para Iesu, Jesus), previu que, quando chegassem os Tempos Finais, tudo que fosse oculto seria revelado... Ora, se a Maonaria tem tanto ensinamento de Luz, seu Farol est beneficiando a Humanidade, quando sua Luz se expande e se revela, como no caso desta importante obra da Dr. Martha. Que o Grande Arquiteto do Universo, que Deus, ilumine a compreenso dos Maons, ao lerem Maonaria e Programao Neurolingustica. Um fraternal abrao a todos, Claudiomar Lopes Barcellos, M.*.I.*., 33 ARLS Fraternidade n 3 - R.*.E.*.A.*.A.*. - Or.*. de Pelotas/RS - GLMERGS ***************************** O vinho forte, O rei mais forte, As mulheres mais fortes ainda. Mas, a verdade conquista tudo. Inscrio no interior da Capela de Rosslyn (Lothian Esccia). - Companheiro sobre a Torre, De onde vens dia aps dia? - Venho das trevas profundas Em que se debate nosso velho mundo, Onde tudo frio, hostil e escuro. - Companheiro sobre a Torre, Que vs tu dia aps dia? - Vejo as sublimes obras-primas Dos grandes obreiros annimos, Os bons companheiros de antigamente Que trabalhavam com alegria E que nos abriram o Caminho Porque possuam a F. - Companheiro sobre a Torre
  • 4. Que fazes dia aps dia? - Da Natureza inteira eu tomo A inumervel e rude matria, E com meu corao e minhas mos Segurando a ferramenta que canta e ressoa, Transformo-a e dou-lhe forma. E, trabalho para todos os seres humanos. La Gait-de-Villebois (maom medieval). LUX E TENEBRIS NDICE: MAONARIA: 1- Origem, Mitos e Histria; 2- Conceito, As Mulheres e a Maonaria, Objetivos, Misso, Propsitos, Obedincias; 3- Ritos e Graus: Rito Escocs Antigo e Aceito; Rito de York e Emulation Rite; Rito de Schrder; Rito Francs ou Moderno; Rito Brasileiro; Rito Adonhiramita; 4- Ritualismo, Simbolismo e Smbolos; 5- Maonaria e Hermetismo; 6- Maonaria e Astrologia; 7- Maonaria e Holismo; 8- Os Templos Manicos; 9- A Maonaria no Brasil. PROGRAMAO NEUROLINGUSTICA (PNL) E MAONARIA: 1- Conceito, Origem e Histria da PNL; 2- Pressupostos da PNL; 3- Como nos comunicamos com o mundo: Uso Adequado da Voz; Uso dos Crebros; Linguagem: canais de comunicao (linguagem verbal), pistas de acesso, fisiologia - rapport (linguagem corporal) - formas para obter rapport; Rapport e Cadeia de Unio;
  • 5. 4- PNL e Fsica; 5- Crebro: Como o Crebro Processa Informaes; Como o Crebro funciona; Anatomia do Crebro; O Universo Hologrfico - Crebro Hologrfico e Maonaria; Crebro Reptiliano: Aprendiz; Sistema Lmbico: Companheiro; Crebro Neocortical: Mestre; Crebro e Maonaria so Ritualsticos; Mente Consciente, Mente Inconsciente e Maons; Smbolos e Rituais Manicos; Hemisfrio Esquerdo, Hemisfrio Direito e Ritos; 6- Sociedade Planetria Maonaria e Terceiro Milnio. MAONARIA: 1- Origem, Mitos e Histria: A Maonaria, ou Ordem Manica, a mais famosa das ditas sociedades secretas, est envolta em segredos; seu prprio nascimento misterioso e, no pode ser detectado. Tal falta de comprovao de sua origem, atribuda ao fato de ser uma instituio sigilosa e, em tempos remotos seus ensinamentos serem transmitidos oralmente, no havendo referncias documentais. A falta de registros faz com que, o nascedouro da Ordem Manica, esteja envolto em contradies e divergncias. Porm, os fundamentos da filosofia manica esto presentes em diversas sociedades antigas: na Grcia, no Egito, etc. Em todas as culturas, o ser humano sempre procurou conhecer e estudar a respeito de sua prpria natureza e a finalidade da existncia. Criaram-se Tradies, as quais reconheciam propsitos para a humanidade. De uma forma geral, essas Tradies estavam ligadas religio da sociedade na qual se desenvolveram. Essas Tradies so os Mistrios. Os Mistrios eram Escolas de Conhecimento que ofereciam estudo a respeito de reinos no materiais e das leis naturais que neles operavam, onde somente iniciados eram admitidos. O conhecimento era transmitido atravs de etapas (graus), e a instruo envolvia Rituais e uma elaborada estrutura simblica, utilizada para preservar os ensinamentos. Os Mistrios, no eram necessariamente religies - a preocupao maior era com a filosofia e a moral. Eles se dividiam em Mistrios Menores e Maiores. Os primeiros eram preparatrios, e nos Mistrios Maiores o conhecimento completo era comunicado. Assim, as antigas Tradies dos Mistrios, expressaram sua filosofia e, graas ao simbolismo dessas tradies, pde ser preservada. O objetivo sempre foi o mesmo, conservado pela Maonaria: conhecer a si mesmo
  • 6. descobrindo a centelha divina interior, aperfeioando-se continuamente, no caminho da moral, da retido e da felicidade. Alguns autores dividem a histria da Maonaria em trs perodos: 1- Maonaria Primitiva ou Pr-Maonaria: Abrange o conhecimento herdado de antigas civilizaes. A Maonaria Primitiva pode ser dividida: - Mistrios Persas e Hindus; - Mistrios Egpcios; - Mistrios Gregos dos Cabiris (deuses cuja adorao remonta Ilha de Samotrcia, onde os Mistrios Cabricos foram praticados at o incio da era crist. Havia a lenda da morte e ressurreio de Atys, filho da deusa Cibele); - Mistrios Gregos de Elusis ou de Ceres ou Demter (de todos os Mistrios dos antigos, eram os mais populares. Celebrados na Vila de Elusis, prximo a Atenas, eram dedicados deusa Demter. Neles a perda e a restituio de Persfone, filha de Demter, eram representados de forma cnica); - Mistrios Judaicos de Salomo; - Mistrios Gregos de Orfeu; - Mistrios Gregos de Pitgoras (filsofo grego que nasceu na Ilha de Samos, por volta de 584 a.C.. Viajou muito para adquirir conhecimento: foi iniciado pelos sacerdotes, no Egito, nos Mistrios Egpcios. Na Babilnia familiarizou-se com os ensinamentos msticos dos caldeus e teve contato com os cativos judeus que haviam sido exilados de Jerusalm e l residiam); - Mistrios dos Essnios (sociedade ou seita judaica que combinava o trabalho com as prticas religiosas); - Mistrios Romanos. 2- Maonaria Operativa ou de Ofcio: Estende-se por toda a Idade Mdia e a Renascena e extingue-se com a fundao da Grande Loja de Londres em 1717; 3- Maonaria Especulativa ou Franco-Maonaria ou Maonaria dos Aceitos: A fundao da Grande Loja de Londres determina o incio da Maonaria Especulativa. Dentre os Mistrios, os da civilizao egpcia forneceram muitos subsdios e fundamentos Maonaria. Os primeiros egpcios parecem ter sido influenciados pelos construtores de cidades da Sumria emigrantes sumrios podem ter levado a tcnica de construo para o Egito. A Maonaria tem
  • 7. alguns smbolos que so egpcios, como pirmides, olho de Hrus, etc. que podem ter origem sumria pesquisadores indicam a Sumria como bero de toda civilizao. H uma lenda, relatada por Plutarco, escritor e filsofo grego, que liga a Ordem a sis (a me de todos os seres e personificao da Natureza e da Vida) e Osris (deus supremo, o deus que levou a civilizao ao Egito, filho de Geb, a Terra e de Nut, matria primordial do espao infinito), no Egito. A Maonaria, segundo a lenda, pode ter tido origem nos Mistrios egpcios (os Mistrios egpcios dividiam-se em trs graus: mistrios de sis, de Osris e os de Hrus, que posteriormente, poderiam ter originado os trs Graus na Maonaria Simblica), no ocultismo desses ensinamentos. A Ordem recebeu vrias influncias egpcias: os construtores das pirmides, os pedreiros, foram os primeiros a sistematizar e transmitir os preceitos manicos. A Geometria, empregada nas grandes construes a mesma para os maons. Elementos dos Templos egpcios, como as colunas, esto presentes nas atuais Lojas. Os iniciados adotam o princpio da Luz e das Trevas, em eterna luta, como no mito de sis e Osris: Seth (deus do caos, da confuso, da traio, das tempestades, do vento, do deserto e das terras estrangeiras), com inveja de Osris (seu irmo), por este ter herdado o reino do pai na Terra, engendrou um plano para mat-lo e usurpar o poder. Seth tirou as medidas de Osris enquanto ele dormia e, organizou um banquete para os setenta e dois deuses da corte, no qual lanou um desafio: aquele que coubesse no esquife (que mandou fazer com as medidas de Osris), o ganharia de presente. Claro que, somente Osris coube. Seth trancou-o e mandou jog-lo no rio Nilo. A corrente arrastou a urna at o Mar Mediterrneo, at Biblos, na Fencia. sis, esposa de Osris, partiu em busca do marido. Encontrou-o e voltou com o esquife. Seth descobriu e cortou o corpo do irmo em catorze pedaos, espalhando-os pelo Egito so tambm catorze os dias de um funeral, na Lenda Manica do 3 Grau, Mestre pode ser uma referncia metade da idade lunar, ou de seu perodo negro, simblico da escurido da morte, seguido pelos catorze dias de Lua Cheia, ou de retomada da vida. sis parte, novamente, em busca dos despojos do esposo e, encontra todas as partes. sis foi ajudada por Anbis, deus guia dos caminhos do alm-tmulo com cabea de chacal, que embalsamou Osris, e este se tornou a primeira mmia do Egito. sis conseguiu que o marido embalsamado a fecundasse e, dessa unio, nasceu Hrus, que assumiu o poder e reinou na Terra.
  • 8. Dentre os Mistrios Judaicos de Salomo, h a lenda que, situa a origem da Maonaria na construo do Grande Templo de Salomo, em Jerusalm, narrada no Velho Testamento (I Reis). Davi, rei da tribo de Jud, que se tornou rei por volta de 1000 a.C., desejava construir um Templo, onde a Arca da Aliana (receptculo das Tbuas dos Dez Mandamentos) ficasse definitivamente guardada, ao invs de permanecer em tenda provisria, existente desde os tempos de Moiss. Davi e seu filho Salomo (Salomo, nono filho de Davi, com Bate-Seba - foi o terceiro rei do povo hebreu, tendo sucedido a seu pai em cerca de 997 a.C.. Reinou por quarenta anos.), foram encarregados de concretizar os planos do Arquiteto Divino. Davi no viu a obra concluda, por causa de envolvimentos pessoais: Davi se apaixonou por Bate-Seba e foi responsvel pela morte de seu marido Urias. O filho de Davi, o prncipe coroado Amom, foi assassinado por seu irmo Absalo, depois de ter estuprado sua meia irm Tamar, e Absalo tentou usurpar o reino de seu pai. Houve uma guerra civil: Davi conseguiu manter seu reino e mandou matar Absalo, por enforcamento. Com tantos problemas e dissabores, Davi no construiu o Templo planejado. Davi estava em seu leito de morte quando Adonias, o herdeiro do trono, foi coroado rei. Antes que a festa de coroao terminasse, Salomo foi ungido rei por Sadok, com a aquiescncia e ajuda do prprio Davi. A cerimnia de Salomo foi considerada como a verdadeira. Salomo ento recebe de Deus, a misso de construir o Templo, seguindo as instrues deixadas pelo profeta Natan, ao qual o Senhor deu sonhos com as indicaes necessrias. Salomo no conseguindo arregimentar mo de obra qualificada em Israel solicitou a Hiram, rei de Tiro (Fencia), os operrios necessrios. Hiram, atendendo ao pedido do rei Salomo, designou os trabalhadores (e tambm forneceu madeira do Lbano - cedro), recebendo em troca trigo, cevada, azeite e vinho. Salomo mandou construir o Templo no Monte Mori, no quarto ano do seu reinado e confiou seus planos a um arquiteto, indicado por Hiram, rei de Tiro, chamado Hiram Abiff (filho de um trio, obreiro do bronze, e de uma viva da tribo de Nephtali). Hiram Abiff dividiu os trabalhadores em trs categorias, segundo suas aptides e responsabilidades: uns deveriam trabalhar nas montanhas extraindo pedras (Aprendizes); outros transportariam as pedras da montanha para o local da construo (Companheiros); e, os mais qualificados para construir o Templo, ensinar e inspecionar o trabalho (Mestres). Segundo a lenda, Salomo teria sob suas ordens oitenta mil operrios e mais de trs mil Mestres. A comunicao entre Hiram Abiff, Aprendizes, Companheiros e Mestres era feita atravs de sinais, toques e palavras, j que a maioria dos trabalhadores
  • 9. era analfabeta. Assim, para identificarem-se no momento de receber o pagamento pelas horas trabalhadas, os Aprendizes usavam uma palavra-senha (palavra de passe), os Companheiros outra e os Mestres outra diferente, de maneira que cada um fosse reconhecido de acordo com a sua qualificao profissional. Se o operrio esquecesse a palavra de passe, no conseguia receber o pagamento. Os maons, atualmente, conservam toques, sinais e palavras para se reconhecerem e se comunicarem. Durante a obra, Hiram Abiff, (arquiteto chefe) foi assassinado por trs de seus Companheiros: Jubela, Jubelo e Jubelum, no Rito Escocs Antigo e Aceito; ou Sebal, Overlut e Stokin, no Rito de York; ou Hagava, Hakina e Herenda, no Rito de Misrin. O motivo do crime envolveu ambio. Os trs Companheiros queriam que Hiram Abiff ensinasse os segredos de Mestre, sem terem o tempo necessrio de estudo para receberem tais conhecimentos, guardados por Hiram: reza a lenda, que Hiram Abiff realizou a obra sem o uso de ferramentas: todos os blocos de pedra encaixavam-se perfeitamente. Hiram foi morto, porm, no revelou o que sabia. Salomo, no vendo regressar seu arquiteto, enviou nove Mestres para procur-lo, os quais saram divididos em grupos sucessivos de trs (outros autores do o nmero de doze Mestres, os quais saram em grupos de trs: trs para o sul, trs para o norte, trs para o leste e trs para o oeste). Os trs assassinos esconderam o cadver sob um monte de escombros e, plantaram sobre este tmulo improvisado um ramo de accia, fugindo depois. A accia uma planta perene cujas folhas mantm-se verdes, mesmo no outono e inverno e, representa a eternidade e imortalidade - o conhecimento inconsciente e universal. O corpo de Hiram Abiff ficou enterrado por catorze dias. O ramo de accia revelou aos nove Mestres o local da sepultura do corpo de Hiram - abriram a tumba e retiraram seus restos, exclamando: Mach Benach (a carne se solta dos ossos). Salomo proporcionou a Hiram um enterro digno. Os trs assassinos foram capturados. E Hiram ressuscitou. Segundo Albert Pike (1809-1891), Gro-Mestre da Maonaria americana (Rito Escocs Antigo e Aceito) de 1859 a 1891, os assassinos desfecharam trs golpes em Hiram Abiff, os quais, simbolicamente, representavam uma maneira de matar espiritualmente a humanidade: o primeiro assassino deu um golpe na garganta, desfechado com uma rgua, que sufocaria a liberdade de expresso; o segundo golpe foi no corao, com um esquadro, que mataria a fraternidade entre os homens; e o terceiro foi na cabea, com um mao (martelo grande, de madeira) para destruir o livre pensamento. Os nomes dos trs Companheiros que assassinaram Hiram Abiff, Jubela, Jubelo e Jubelum (simbolizam a ignorncia, fanatismo e a tirania), deram origem aos sinais dos trs primeiros Graus manicos.
  • 10. Aps a morte do rei Salomo em cerca de 935 a.C., seu reino foi dividido em dois estados: Israel e Jud. Deste ltimo, os judeus herdaram o nome. Com o tempo, esses dois reinos, tornaram-se muito fracos para conter os invasores, cheios de ambio. O Templo de Salomo foi destrudo pelo exrcito de Nabucodonosor II, rei da Babilnia, em 587 a.C. Nabucodonosor II mandou milhares de judeus (provavelmente trs mil) para o exlio, na Babilnia. Em 539 a.C., o general Ugbaru do rei persa Ciro, derrotou os babilnios, tomando a cidade da Babilnia, sem derramamento de sangue, e uniu a maior parte do Oriente Mdio num s estado, que ia da ndia ao Mediterrneo, e permitiu que os judeus voltassem a Jerusalm, devolvendo a eles os tesouros que haviam sido retirados do Templo por Nabucodonosor II. Os judeus foram reconduzidos a Jerusalm pelo rei Zorobabel, neto do ltimo rei e herdeiro do trono de Davi, e seu grupo: Josu, Neemias, Saraas, Raelais, Mardoqueu, Bels, Beguai, Reum e Baana Foi iniciada a reconstruo do Templo, por Zorobabel, sob autorizao de Ciro, e os judeus retomaram seus cultos. Duzentos anos depois, com a derrota dos persas pelo macednio Alexandre, O Grande, Jerusalm entra em contato com a cultura grega. Em 200 a.C., Antoco, rei dos selucidas, mudou o nome da cidade para Antioquia e desfigurou o Templo, dedicando-o ao deus grego Zeus, proibindo a prtica do judasmo. Os macabeus lutaram contra os selucidas por dezesseis anos. Em 141 a.C., instalaram um reino independente. Em 63 a.C., o general romano Pompeu, tomou Jerusalm e, profanou o Templo. A Judia ficou reduzida condio de provncia romana, por Pompeu. Jerusalm viveu um caos, e trocava de mos com freqncia. No ano 37 a.C., Herodes conquistou Jerusalm. Apesar de seu governo sanguinrio, Herodes restaurou o Templo de Salomo essa foi a terceira reconstruo. Depois de muitas batalhas, revoltas, guerra civil entre faces judaicas, o Templo foi novamente destrudo. Da estrutura original, restou somente o atual Muro das Lamentaes (que, alguns autores afirmam ser do Terceiro Templo real, o de Herodes). Na realidade, em sentido amplo, h quatro Templos: O primeiro, construdo por Salomo; o segundo no existiu concretamente apareceu como viso do profeta Ezequiel durante a escravido dos judeus na Babilnia; o terceiro foi construdo pelo rei Zorobabel e o quarto Templo foi erguido por Herodes. A Maonaria tambm chamada de Arte Real, pela suposio que tenha sido encontrada pelos dois reis: Salomo de Israel e Hiram de Tiro e, teria sido encorajada e financiada pelos dois monarcas em vrios pases.
  • 11. Outra hiptese, tambm sem comprovao, aponta a Ordem como instituda pelos poucos Cavaleiros Templrios que no foram massacrados por ordem do papa Clemente V e do rei da Frana Felipe IV, o Belo, entre 1307 e 1314. A Ordem dos Cavaleiros do Templo de Salomo foi uma Ordem Militar Religiosa fundada por um nobre francs da regio de Champagne, Hugues de Payens, que se tornou o primeiro Gro-Mestre dos Templrios, e o cavaleiro flamengo Godofredo de Saint-Omer, em 1118, em Jerusalm, logo aps a Primeira Cruzada (1099), para proteger os peregrinos cristos que iam para a Terra Santa. No incio, eram nove cavaleiros de origem flamenga e francesa, e ofereceram seus servios ao rei de Jerusalm, Balduno II. Esses cavaleiros eram: Hugues de Payens, Godofredo de Saint-Omer, Andr de Montbard, Payen de Montdidier e Archambaud de Saint-Amand. Os demais esto envoltos em mistrios, pois s se sabe seus primeiros nomes: Gondemare, Rosal, Godefroy e Geoffrey (Bisol). Eles instalaram-se, inicialmente, nas runas do Templo do Rei Salomo - da o nome Templrios. O primeiro selo da Ordem Templria era um cavalo montado por dois cavaleiros, que simbolizaria a pobreza da Ordem. Outros autores afirmam que esse selo poderia representar os dois graus de cavaleiro dentro da Ordem: os que tinham permisso para participar do segredo Templrio, e os que no tinham. Os Cavaleiros Templrios como Ordem de Cavalaria Militar, formavam a vanguarda e a estrutura principal dos exrcitos dos cruzados na Palestina. Por quase duzentos anos, foram muito poderosos, com legendrias habilidades no combate e fabulosos tesouros. Felipe, o Belo, tivera seu pedido de admisso rejeitado pelos Mestres Templrios sua vaidade de tirano foi ofendida e, decretou a perseguio e priso dos Templrios em 13 de outubro de 1307. Felipe sabia da rivalidade entre a Ordem Templria e a Ordem Hospitalria: Ordem dos Cavaleiros Hospitalrios de So Joo - Ordem religiosa da Igreja Catlica, fundada pelo Irmo Gerardo. Inicialmente, essa Ordem foi instituda como uma Ordem de enfermagem em Jerusalm, porm tinha membros treinados como cavaleiros guerreiros. Ento o rei sugeriu ao papa que escrevesse aos Gros-Mestres das duas Ordens, convidando-os para uma reunio poltica. Guilherme de Villaret, Gro-Mestre dos Hospitalrios no compareceu ao encontro o Gro-Mestre dos Templrios compareceu. Jacobus Borgundus Molay ou Jacques DeMolay (1244-1314), cavaleiro da pequena nobreza do leste da Frana, nascido na cidade de Vitrey, ltimo Gro- Mestre da Ordem Templria e todos os Templrios (cerca de quinze mil na Frana), foram presos na manh do dia 13 e torturados foram acusados de feitiaria, idolatria e heresia. A Inquisio da Igreja Catlica teve ordens para extrair confisses, com qualquer tipo de tortura. Jacques DeMolay foi
  • 12. entregue ao Grande Inquisidor da Frana, Guilherme Imbert. A tortura deveria evitar o derramamento de sangue, pois era um padre torturando outro padre. Portanto, queimar, esmagar e esticar foram as efetivas alternativas. Nos calabouos (onde ficavam outros prisioneiros), havia um dreno para excrementos, urina, vmito e sangue a masmorra, que era um pequeno poo logo abaixo desse pesado ralo de ferro, do tubo de esgoto, no cho para as masmorras iam prisioneiros incorrigveis ou aos quais estava destinada particular degradao. Os Templrios foram colocados em masmorras uma inveno gaulesa, desenvolvida pelos franceses: um poo pequeno demais para o prisioneiro deitar-se, o qual tinha que ficar sentado ou ajoelhado. Foram impiedosamente torturados por sete anos. Em 18 de maro de 1314, Jacques DeMolay, e cerca de cento e quarenta cavaleiros foram executados: foram queimados numa ilha do rio Sena, Il de la Cite, assinalando a morte oficial da Ordem. Segundo a lenda, Jacques DeMolay com setenta anos, durante sua agnica morte na fogueira, amaldioou seus algozes, com essas palavras: Vergonha! Vergonha! Vs estais vendo morrer inocentes. Vergonha sobre vs todos. Nekan, nekan, Adonai!!! (Vingana, vingana, Senhor!!!) papa Clemente ..., Cavaleiro Guilherme de Nogaret..., rei Felipe; intimo-os a comparecer perante o Tribunal do Juiz de todos ns dentro de um ano para receberdes o seu julgamento e o justo castigo. Malditos! Malditos! Todos malditos at a dcima terceira gerao de suas raas!!!. Quarenta dias depois o papa Clemente V morreu vtima de uma infeco intestinal. Felipe morreu em 29 de novembro de 1314, ao cair de um cavalo durante uma caada, e Guilherme de Nogaret (alguns historiadores descrevem-no como advogado, ministro e agente de Felipe), morreu numa manh da terceira semana de dezembro, envenenado por uma vela feita por Evrard, ex-Templrio. Pesquisadores apontam que a motivao da perseguio foi poltica e econmica: poltica porque, Felipe, ao destruir a Ordem Templria impediria qualquer aumento de poder do papa, pois a Ordem era ligada apenas Igreja Catlica; e econmica, pois o rei apoderar-se-ia das riquezas e bens (castelos, terras) dos cavaleiros. Os Templrios tinham se tornado depositrios de imensas fortunas e formaram um dos primeiros sistemas bancrios existentes: o peregrino podia depositar uma quantia em um Templo em sua terra natal e, retir-la em outro Templo, na Terra Santa. Felipe forou o papa a apoiar a condenao da Ordem e, Clemente V, na sexta-feira, 13 de outubro, de 1307, autorizou a Frana a atacar os Templrios - fato que selou a sexta- feira 13 como dia aziago. Porm, o papa arquitetou um acordo, e em 1312, quando dissolveu a Ordem dos Cavaleiros Templrios, transferiu boa parte das
  • 13. propriedades e os ativos da Ordem Templria para a Ordem dos Cavaleiros Hospitalrios de So Joo. A Jacques DeMolay, o ltimo Gro-Mestre Oficial da Ordem Templria, foi atribudo o fato de ter organizado o que mais tarde veio a chamar-se o Oculto Hermtico ou Maonaria Escocesa (segundo teoria do historiador escocs moderno, Andrew Sinclair). H, atualmente, uma Ordem inspirada nos Templrios: a Ordem DeMolay, para jovens do sexo masculino, de doze a vinte e um anos - a Ordem DeMolay tem ligaes com a Maonaria, mas tem liberdade de atuao. Outra tese coloca a origem da Ordem Manica moderna, nas Corporaes de Ofcio espcies de sindicatos europeus (principalmente ingleses), na Idade Mdia. Especificamente, a corporao de pedreiros essas corporaes conservavam a influncia da Igreja Catlica, tendo a corporao de pedreiros eleito dois santos padroeiros: So Joo Batista e So Joo Evangelista, com posterior fixao em So Joo da Esccia. A palavra Maonaria em francs, Maonnerie, derivada do francs maon, pedreiro. Ou, como preferem alguns, do ingls Masonry (Maonaria) e mason, igualmente, pedreiro. Etimologicamente, a palavra maom vem do baixo latim machio, cortador de pedras. Porm, alguns autores defendem a hiptese que a palavra Maonaria mais antiga e tem origem na expresso copta phree messen, que significa Filhos da Luz. Pode-se deduzir que, seus primeiros integrantes operavam, materialmente, em construes, obras - eram trabalhadores especializados, construtores de Templos, de Igrejas, castelos, os quais, desde a Antigidade detinham conhecimentos especiais e constituam uma espcie de aristocracia do trabalho. Eram os profissionais mais qualificados da Europa e, mantinham as tcnicas de seu ofcio, em segredo. Adotaram uma hierarquia baseada no conhecimento e na percia. Esta fase da Maonaria conhecida como Operativa, porque seus membros trabalhavam em construes eram obreiros. Contrariamente aos camponeses, os pedreiros tinham permisso para viajar, numa poca em que as pessoas, viviam ligadas e presas terra, devido ao feudalismo. Esses pedreiros reuniam-se em uma Loja local, um edifcio erguido no canteiro de obras, onde comiam e dormiam. Todas as corporaes estavam organizadas em: Aprendizes, Oficiais e Mestres. Os Aprendizes no recebiam remunerao moravam na casa dos Mestres, que lhes forneciam vesturio e alimentao. Depois de um tempo de aprendizado, que podia se estender por at sete anos, eram promovidos ao 2 Grau Oficiais. Os Oficiais recebiam salrios, e os mais talentosos tornavam-se Mestres, e podiam abrir suas prprias oficinas.
  • 14. Na Idade Mdia havia dois tipos de pedreiros: o rough stone mason, pedreiro bruto que trabalhava com a pedra sem extrair-lhe forma ou polimento, e o free stone mason, pedreiro livre, que detinha o segredo de como polir a pedra bruta. Os documentos antigos (era crist), deixados pelos maons operativos, so importante fonte para estudo do passado da Maonaria: - Constituio de York, ano 926; - Carta de Bolonha, ano 1248; - Manuscrito Regius ou Manuscrito Halliwell, ano 1390. Esse Manuscrito encontra-se no British Museum, em Londres, Inglaterra; - Manuscrito Cooke, ano 1410; - Estatutos de Ratisbona, ano 1459; - Manuscrito Grand Lodge n 1, ano 1583; - Estatutos Schaw, ano 1598; - Manuscrito Inigo Jones, ano 1607; - Manuscrito de Edimburgo, ano 1696; - Manuscrito Dumfires n 4, ano 1710; - Manuscrito Kewan, ano 1714-1720. Entre os sculos XVI e XVII, as corporaes mudaram as caractersticas das reunies. Especialmente na Inglaterra, nesses encontros, abriu-se espao para o estudo da Alquimia e Rituais Simblicos e, para homens que no trabalhavam com construes. Tem incio a Maonaria Especulativa ou Franco-Maonaria, porque seus adeptos so homens de pensamento voltado para o conhecimento filosfico e, que perdura at hoje (o Manuscrito Cooke, do sculo XV, um antigo documento que norteia as bases da Maonaria Especulativa, contendo um dos mitos centrais da Maonaria: a figura de Hiram Abiff, o construtor do Templo de Salomo). Essas duas fases da Maonaria so bem distintas: a Operativa era uma organizao fraternal de artesos. Com a incluso de membros da nobreza e pensadores, os temas e debates passaram a ser filosficos e filantrpicos, teve incio a Maonaria Especulativa. Segundo Albert G. Mackey (1807-1881 mdico, autor manico): A principal diferena entre a Maonaria Operativa e a Especulativa que, enquanto a primeira se ocupou com a construo de um Templo material formado, na verdade, pelos mais magnficos materiais das pedreiras da Palestina, das montanhas do Lbano, e das costas douradas de Ofir, a ltima se dedicou a erguer uma casa espiritual uma casa no construda com as mos na qual pedras, pedras preciosas, cedro e ouro, so substitudos pelas virtudes do corao, pelas puras emoes da alma, pelos
  • 15. ardentes sentimentos que brotam das fontes ocultas do esprito. Segundo o mesmo autor, a Maonaria Especulativa, a atual, nasceu do encontro dos judeus ou maons puros (Maonaria Pura ou Noaquita refere-se aos descendentes de No), e o povo de Tiro, ou maons esprios (Maonaria Espria, referente aos mistrios pagos), na construo do Templo de Salomo. A Maonaria Pura sempre foi Especulativa, segundo o autor, e a Maonaria Espria, dos operrios de Tiro, era composta por arquitetos profissionais, que introduziram a arte operativa da as caractersticas de uma Cincia Especulativa e de uma Arte Operativa, forneceram as bases da Maonaria atual, com a fuso da Maonaria Pura e da Maonaria Espria. Num primeiro momento, a Ordem foi fiel Igreja Catlica: at 1694, quando Guilherme III (rei da Inglaterra, Esccia e Holanda) foi iniciado na Maonaria, esta era catlica e leal ao papa - nos estatutos, havia a obrigao do maom ser fiel a Deus e Santa Igreja. No entanto, aos poucos, a Maonaria desligou-se do clero, tornando-se autnoma e forte. A partir do sculo XVII, o Iluminismo, movimento filosfico e cientificista, colaborou para a evoluo organizacional e funcional da Maonaria. Antes do Iluminismo, a sociedade era concebida teologicamente, centrando-se na autoridade eclesistica. O Iluminismo substituiu os antigos valores corrompidos pelos princpios da universalidade, da igualdade e da democracia - o que os maons j conheciam e praticavam. O Iluminismo revitalizou as bases tradicionais da cultura europia, como tambm contestou a legitimidade da monarquia, da aristocracia, da submisso da mulher ao homem, da absoluta autoridade eclesistica e da escravatura. Durante o Iluminismo, a Maonaria surgiu como instituio que preconizava os valores da Idade Moderna, aceitando plenamente a nova percepo de mundo, desenvolvida pela cincia e pela filosofia. Despontou a liderana manica de John Theophilus Desaguliers (1683- 1744), um francs que passara a viver na Inglaterra. A cincia foi importante na vida de Desaguliers, tendo se aprofundado na pesquisa, principalmente, das Leis Mecnicas de Isaac Newton, tambm maom, de quem foi amigo. Fez conferncias em tavernas para divulgar a cincia newtoniana, e estudou a matria e seus movimentos como elementos constitutivos do Universo. Desaguliers tornou-se Gro-Mestre no incio da Maonaria Especulativa. Os princpios da arquitetura clssica tambm tiveram grande influncia do Iluminismo, no incio do sculo XVIII. As caractersticas mais valorizadas eram a simetria, os arcos, as colunas Drica, Jnica e Corntia e os templos com domus (abobadados).
  • 16. Podem-se identificar trs fases no desenvolvimento da Maonaria - a primeira foi a dos Antigos Mistrios. A segunda fase, mais recente e intermediria, a Maonaria Operativa que vai desde as guildas (Corporaes de Ofcio eram associaes de artesos de um mesmo ramo) e as Corporaes de Construtores, at a aceitao dos no operativos, iniciando dessa forma a terceira fase, a da Maonaria Especulativa ou Franco-Maonaria, do francs franc, livre e mason pedreiro. Em cidades da Inglaterra, surgiram Lojas (como so nomeados os grupos de reunio) a palavra Loja vem do ingls Lodge e do francs Loge, que significa cabana, toca, choupana. Outros autores afirmam que a palavra loja vem do snscrito loka mundo, derivada da raiz lok, que significa ver, tendo relao com locus, lugar do latim. Assim, a Loja considerada um smbolo do cosmo. Em 1717, quatro Lojas reuniram-se para fundar a Grande Loja de Londres, at hoje a mais importante instituio mundial da Maonaria. Essas quatro Lojas, a Goose and Gridiron (O Ganso e a Grelha), a Queens Head (A Cabea da Rainha), a Apple Tree (A Macieira) e a Rummer and Grapes (O Copo e as Uvas), reuniram-se no local da Goose and Gridiron e oficializaram a criao da Grande Loja de Londres. As Lojas escolheram tambm seu primeiro Gro-Mestre, Anthony Sayer (gentil-homem, na poca o Mestre mais antigo). No ano seguinte foi eleito Gro-Mestre George Payne, o qual reuniu toda documentao existente sobre a Maonaria, formando o primeiro regulamento impresso, em 1721. A partir desse regulamento que surge, em 1723, a Constituio de Anderson. A primeira vez em que a palavra Landmark foi mencionada em Maonaria, foi nos Regulamentos Gerais compilados em 1721 por George Payne, durante o seu segundo mandato como Gro-Mestre da Grande Loja de Londres os Landmarks foram adotados em 1721, como lei orgnica e terceira parte integrante da Constituio de Anderson. Landmarks so regras de conduta que devem ser mantidos imutveis. Podem ser de tradio escrita ou oral. So consensuais e devem ser mantidos intactos, em virtude de compromissos solenes e inviolveis. So a certido de nascimento da Maonaria documentada. O conceito de Landmarks vem da Maonaria Operativa: o mtodo de cinco pontos que consistia em fixar, inicialmente, os quatro ngulos em que deveriam ser colocadas quatro pedras; depois, a pedra no centro, que a que faz a base e tem a forma quadrada ou retangular. O ponto de encontro das diagonais era assinalado com cinco estacas - isso tem a denominao de Landmarks, isto : os limites alm dos quais no se deve ir. Os cinco pontos da Maonaria Operativa eram aplicados a um simbolismo corporal, no qual o corpo do homem representa o prprio edifcio.
  • 17. Os Landmarks de Mackey (Albert Galletin Mackey 1807-1881, mdico, maom. considerado um grande jurista manico): I- Nossos meios de reconhecimento so inalterveis. No admitem variao alguma; II- A Maonaria Simblica se divide em trs graus: Aprendiz, Companheiro e Mestre; III- A Lenda do Terceiro Grau inaltervel; IV- O Governo Supremo da Fraternidade est presidido por um Oficial chamado Gro-Mestre, eleito entre os membros da Ordem; V- uma prerrogativa do Gro-Mestre, presidir qualquer reunio manica (no territrio de sua jurisdio); VI- prerrogativa do Gro-Mestre, conceder dispensa de interstcios para conferir Graus a qualquer tempo incompleto (em tempos anormais); VII- prerrogativa do Gro Mestre, conceder dispensas para abrir ou fechar Lojas; VIII- prerrogativa do Gro-Mestre, fazer Mestres no ato (iniciar e exaltar); IX- Todos os Mestres tm a obrigao de congregarem-se em Lojas; X- O Governo da Fraternidade, reunida em Lojas, se exerce por um Venervel Mestre e dois Vigilantes; XI- um dever de todas as Lojas, quando se congregam, o de trelhar a todos os visitantes (trabalhar a coberto); XII- Todo Maom tem o direito de ser representado e de dar instrues a seu representante, nas Assemblias de que tome parte; XIII- Todo Maom pode apelar Grande Loja das decises de seus Irmos congregados na Loja; XIV- Todo Maom em pleno uso de seus direitos, pode visitar qualquer Loja regular; XV- Nenhum visitante desconhecido pode entrar nas Lojas sem ser cuidadosamente trelhado; XVI- Nenhuma Loja pode intervir nos assuntos de outra Loja; XVII- Todo Maom est sob o domnio das leis e regulamentos da jurisdio em que resida, ainda que no seja membro das Lojas da Obedincia; XVIII- As mulheres, os coxos, os aleijados, os escravos, os mutilados, os menores de idade e os ancios no podem ser iniciados; XIX- inevitvel para todo Maom, a crena na existncia de um princpio criador, identificado como G.A.D.U.; XX- Todo Maom deve crer na ressurreio a uma vida futura;
  • 18. XXI- Um Livro da Lei no deve faltar nunca em uma Loja quando trabalha; XXII-Todos os Maons so iguais; XXIII- A Maonaria uma sociedade secreta; XXIV- A Maonaria foi fundada como cincia especulativa sobre a arte operativa, tomando simbolicamente os usos dessa arte; XXV- Nenhum destes Landmarks poder ser modificado nunca, no mnimo que seja. Como ensina Rizzardo da Camino: Infalibilidade, invariabilidade e irrevogabilidade so os trs atributos dos Landmarks. A Constituio de Anderson estabeleceu um novo estatuto, substituindo as Old Charges, isto , as Velhas Obrigaes da Maonaria Operativa, as quais foram extradas de antigos manuscritos usados pelas corporaes de artesos da Idade Mdia. Era um cdigo de tica que regulava o relacionamento entre os maons das guildas profissionais. Foi organizada pelo maom James Anderson (1680-1739), telogo e ministro da Igreja Presbiteriana de Londres, nascido em Edimburgo na Esccia, que registrou por escrito todas as normas e Rituais transmitidos oralmente. A Constituio de Anderson foi revisada e corrigida por catorze intelectuais maons, e ficou dividida em trs partes: uma seo histrica, desde pocas remotas at o comeo do sculo XVII; uma segunda, que expe as obrigaes de todo maom, assim como as sanes pelo seu no cumprimento; e a terceira e ltima parte, dedicada a canes que glorificam a Ordem, para uso dos trs Graus: Aprendiz, Companheiro e Mestre. Segundo Alberto Victor Castellet (autor manico), em seu livro O que a Maonaria, a partir de ento, j no ser a catedral um Templo de pedra a construir, seno que o edifcio a ser levantado em honra e glria ao Grande Arquiteto do Universo ser a catedral do Universo, quer dizer, a mesma Humanidade. O trabalho sobre a pedra bruta destinada a transformar-se em cbica, quer dizer, apta s exigncias construtivas, ser o homem, que haver de ir polindo-se em contato com seus semelhantes atravs de um ensinamento em grande parte simblico. Cada utilitrio ou ferramenta dos pedreiros receber um sentido simblico: o esquadro, para regular as aes; o compasso, para manter-se nos limites com todos os homens, especialmente com os irmos maons; o avental, smbolo do trabalho, que com sua brancura indica a simplicidade dos costumes e a igualdade; as luvas brancas, que recordam ao
  • 19. franco-maom que no deve jamais manchar as mos com a iniqidade; e finalmente a Bblia, para regular ou governar a f. 2- Conceito, As Mulheres e a Maonaria, Objetivos, Misso, Propsitos, Obedincias: - Conceito: Segundo Erwin Seignemartin (Past Gro-Mestre: nascido em 1912, em Ribeiro Preto - Brasil) na Conferncia Maonaria Sua Histria, Objetivos e Princpios 28 de setembro de 1979: A Maonaria uma Ordem Universal formada por homens de todas as raas, credos e nacionalidades, acolhidos por suas qualidades morais e intelectuais e reunidos com a finalidade de construrem uma Sociedade Humana, fundada no Amor Fraternal, na Esperana com amor Deus, Ptria, Famlia e ao Prximo com, Tolerncia, Virtude e Sabedoria e com a constante investigao da Verdade e sob a trade Liberdade, Igualdade e Fraternidade, dentro dos princpios da Ordem, da Razo e da Justia. Para que o mundo alcance a Felicidade Geral e a Paz Universal. A Maonaria uma organizao mundial de homens que, utilizando-se de formas simblicas dos antigos construtores de templos, voluntariamente uniram-se para o propsito comum de se aperfeioarem na sociedade. Admitindo em seu seio homens de carter sem considerao sua raa, cor ou credo, a Maonaria se esfora para constituir uma Liga Internacional de homens dedicados a viver em paz, harmonia e afeio fraternal. A Maonaria, em cada pas ou em cada estado de uma Federao, regulada e dirigida por uma Grande Loja independente e soberana. A Ordem Manica no inicia mulheres, pois tendo evoludo da Maonaria Operativa que erguia templos no perodo da construo de catedrais, adotou a antiga regulamentao que previa o seguinte (por entender que, a mulher no afeita ao trabalho rduo de pedreiro, ofcio original dos primeiros integrantes. As corporaes de pedreiros eram constitudas, exclusivamente, por pessoas do sexo masculino): As pessoas admitidas como membros de uma Loja devem ser homens bons e de princpios virtuosos, nascidos livres de idade madura, sem vnculos que o privem de pensar livremente, sendo vedada a admisso de mulheres assim como homens de comportamento duvidoso ou imoral. As Mulheres e a Maonaria:
  • 20. Apesar da Constituio de Anderson (1723), que o marco inicial da Maonaria Especulativa, no permitir a admisso de mulheres, h algumas correntes de pesquisas manicas que admitem o fato como sendo um princpio antigo. No Egito e na ndia, pelas pinturas nas tumbas e pelos manuscritos do Antigo Egito, a esposa est presente quando o marido, como sacerdote, executa cerimnias. Nas tradies das sociedades iniciticas antigas, tanto homens como mulheres de qualquer posio social e cultural, podiam ser iniciados, e a nica exigncia era a de que deveriam ser puros e de conduta nobre. Na Idade Mdia, (final do sculo XVI) havia restries quanto ao ingresso da mulher na Maonaria. Em 1730, na Frana, alguns maons criaram o movimento da Maonaria de Adoo. Como ensina W. Kirk MacNulty em seu livro Maonaria Uma Jornada por Meio do Ritual e do Simbolismo: A Maonaria de Adoo foi um fenmeno da ltima metade do sculo XVII. Uma Loja de Adoo era conduzida por uma Loja Manica regular que promovia sesses especiais no curso das quais as mulheres eram admitidas em Loja e participavam de rituais quase manicos. Tais Lojas eram particularmente bem sucedidas na Frana, onde houve uma revitalizao da Maonaria de Adoo depois da Revoluo e que continuou pelo sculo seguinte. A prpria imperatriz Josefina era a Gr-Mestra da Loja de Adoo Santa Carolina. Napoleo Bonaparte era maom. A Maonaria, conserva a regulamentao, conforme reza a Constituio de Anderson, de no iniciar mulheres. Atualmente h a Maonaria Mista e a Maonaria Feminina, mas no so reconhecidas pelos rgos competentes manicos ainda no so regulares. Porm, pode-se imaginar, que a tradio existente na Maonaria, de somente iniciar pessoas do sexo masculino, seja uma herana de tempos remotos: O grupo de primatas, do qual descendemos, provm de um tronco insetvoro. Esse grupo subdividiu-se: alguns se tornaram herbvoros, e outros, carnvoros. Esses carnvoros tiveram que se lanar na competio com outros animais terrestres e, tornaram-se melhores caadores. Comearam a utilizar instrumentos e aperfeioaram as tcnicas de caa, com a cooperao social. Diferentemente dos lobos, os homindeos no se dispersavam aps o ataque - e, o grupo caador era formado somente por machos. As fmeas estavam ocupadas em cuidar da prole, e no podiam participar ativamente da perseguio e captura das presas. Assim, o papel de cada sexo tornou-se diferenciado.
  • 21. Socialmente, os indivduos do sexo masculino aumentaram a necessidade de comunicao e cooperao com os companheiros, e desenvolveram expresses faciais e vocais, criando maior camaradagem - em seus grupos caadores, exclusivamente formados por machos. Com o advento da agricultura e da domesticao de vrios animais, como caprinos, ovinos, os machos tiveram suas funes caadoras diminudas. Essa lacuna, muito provavelmente, foi compensada com a criao de associaes exclusivamente masculinas - proporcionando oportunidade para a interao entre machos e para atividades coletivas. Nessas associaes, h um forte componente emocional de unio masculina, e preocupao com a interao entre machos, que existia nos primitivos grupos de caadores cooperativos - essas entidades exercem um importante papel na vida de homens adultos, revelando a manuteno de instintos bsicos ancestrais. As mulheres podem no possuir essa necessidade, pois no se associaram em grupos cooperativos, em tempos primitivos. Fazer parte dessas associaes, para os homens, significa compartilhar a masculinidade essencial, uma necessidade moderna da tendncia ancestral da espcie para formar grupos de machos caadores. interessante observar, que grande parte desses encontros masculinos, termina com um jantar, um lanche, um banquete - o sucedneo da partilha da comida (caa). Assim, mulheres e homens, geneticamente, parecem possuir necessidades diferentes. Criaram-se ento, Mistrios masculinos e femininos. Para a mulher a maternidade, a comunho com a flora. Para o homem, a caa, a guerra, a comunho com a fauna. A mulher, a Lua; o homem, o Sol. Porm, para recriar os ciclos da Natureza, o princpio feminino e o masculino juntam- se: so complementares, porm diferentes. A Maonaria reverencia o feminino - seus Templos apresentam o Sol e a Lua como smbolos: o Sol e a Lua so smbolos hermticos e alqumicos, ouro e prata, o positivo e o negativo. O Sol a vida, o masculino. Nos Antigos Mistrios o Sol era adorado por ressurgir da morte de seu poente. O Sol era smbolo da regenerao da alma A Lua, sua complementaridade, o feminino. A Maonaria uma Ordem Solar (masculina), porm, os maons, trabalham noite, em suas Lojas, sob a energia feminina, equilibrando os dois plos. O Sol deve estar presente na decorao do Templo, no teto, mostrando a Luz que vem do Oriente, com a Lua, que representa a Me Universal que fertiliza todas as coisas. A mulher a formadora, a que rene, rega e ceifa - a natureza do princpio passivo reunir e fecundar. As foras da Lua so magnticas, opostas e complementares s do Sol, que so eltricas. A Ordem, por ter origem muito, muito antiga, respeita a diversidade entre as energias masculinas e femininas.
  • 22. Os maons usam trs pontos dispostos em tringulo (.*.), como smbolo - smbolo solar, smbolo masculino. Tm uma origem bem antiga objetos celtas do sculo IX a. C e, muito antes, nas cermicas egpcias e gregas. A tradio grega considerava o tringulo a imagem do cu. Os Trs Pontos traduzem a concepo piramidal egpcia e so o smbolo sexual masculino completo: pnis mais testculos, significando o sexo em funo procriativa. Procriao - masculino e feminino em equilbrio. A Maonaria, mesmo no iniciando mulheres, demonstra um grande respeito energia feminina. A Ordem uma associao de homens livres e de bons costumes, cultivando os princpios da liberdade, democracia e igualdade, aperfeioamento intelectual e fraternidade. uma entidade inicitica, filosfica, educativa e filantrpica. A Maonaria, atravs do ideal de aperfeioamento, conduz o indivduo ao equilbrio e desenvolvimento pessoal, ao exame da moral e prtica das virtudes. Virtude a fora que impele o ser humano a fazer o bem em sua mais profunda compreenso; a fora que leva ao cumprimento de deveres para com a sociedade e para com a famlia, sem interesses egostas. A Ordem, tendo por objetivo o aperfeioamento, conduz instruo e evoluo moral e intelectual do indivduo. A Maonaria somente considera possvel o progresso (pessoal e social) com base no respeito personalidade, justia e mais estreita solidariedade entre os homens, unindo indivduos, atravs do ideal de aperfeioamento. A Maonaria uma instituio que promove um renascimento espiritual do homem, atravs de um realinhamento do sistema de sua conduta moral e tica. O iniciado compromete-se a vencer paixes, vcios, ambies, dios, desejos de vingana e, o que estiver oprimindo-lhe a alma. A Instituio no uma sociedade secreta, porque sua existncia conhecida (mas uma instituio inicitica: o candidato ingressa por meio de rituais, iniciado por um Mestre Maom). uma sociedade discreta. As autoridades de vrios pases lhe concedem personalidade jurdica. Os nicos segredos que existem, e s se conhece por meio do ingresso na Ordem, so os meios usados pelos maons para reconhecerem-se entre si em qualquer parte do mundo, o modo de interpretar smbolos e os ensinamentos neles contidos, e os Rituais internos das Lojas. A Maonaria tambm cincia (investigao racional ou estudo da Natureza direcionado descoberta da Verdade), no seu aspecto mais abrangente, partindo da premissa que homem e Natureza so componentes de um nico sistema. cincia aplicada na prtica, eticamente, para a evoluo geral da humanidade, entendendo que a ao decorrncia do pensamento, adotando o
  • 23. desenvolvimento do intelecto, como via para o desenvolvimento da capacidade maior da Instituio, da sociedade, do Planeta e do Universo. Proclama a prevalncia do esprito sobre a matria. A Maonaria combate: a ignorncia, a superstio, o fanatismo, o orgulho, a intemperana, o vcio, a discrdia, a dominao e os privilgios. A Ordem possui um Cdigo Manico (originrio da Maonaria inglesa) - so preceitos morais e ticos, que devem orientar todo maom - no Brasil, est presente nas instrues, desde a metade do sculo passado. Quando pediram a Aristteles um cdigo moral por onde pautar a vida, ele disse: No posso dar-lhes um cdigo; observem os homens melhores e mais sbios que vocs encontrarem e imitem-nos. Cdigo Manico: - Adora o Grande Arquiteto do Universo; - O verdadeiro culto que se presta ao Grande Arquiteto do Universo consiste, principalmente, em boas obras; - Tem sempre tua alma em um estado puro, para ser digno diante de tua conscincia; - Ama ao prximo como a ti mesmo; - No faas o mal para esperar o bem; - Estima os bons, ama os dbeis, foge dos maus, mas no odieis a ningum; - No lisonjeies teu irmo, pois isto uma traio; se teu irmo te lisonjeia, teme que ele te corrompa; - Escute a voz de tua conscincia; - Seja o pai dos pobres, cada suspiro que tua dureza cause-lhes, outras tantas maldies que cairo sobre tua cabea; - Respeita o viajante nacional como o estrangeiro; ajuda-o. Ele deve ser uma pessoa sagrada para ti; - Evita as discusses, evita os insultos, faz com que a razo fique sempre do teu lado; - Reparte com o faminto teu po, e aos pobres e peregrinos abriga-os em tua casa; quando vires o desnudo, cobre-o e no desperdices tua comida com quem no a merece - sua carne pelas tuas; - No se irrite com facilidade, porque a ira repousa no seio do nscio; - Detesta a avareza, porque quem ama as riquezas nenhum fruto delas retirar, e isso tambm vaidade; - Foge dos mpios, seno tua casa ser arrasada, somente os lares dos justos florescero; - No caminho da honra e da justia est a vida, mas o caminho transviado conduz morte;
  • 24. - O corao dos sbios est onde se pratica a virtude, e o corao dos nscios, onde se festeja a vaidade; - Respeita as mulheres, no abuses jamais de sua debilidade e muito menos penses em desonr-las; - Se tens um filho, regozija-se; mas treme da responsabilidade que te confia. Faz com que at os dez anos te tema, com que aos vinte te ame e que at a morte te respeite. At os dez anos seja seu Mestre, at os vinte seu pai e at a morte seu amigo. Pensa em dar-lhe bons princpios antes que belas maneiras, que te deva retido esclarecida e no frvola elegncia. Faz um homem honesto antes que um homem hbil; - Se tens vergonha de teu destino, tens orgulho; pensa que aquele nem te honra nem te degrada, o modo com que cumpras te far um ou outro; - Leia e aproveita, veja e imita, reflete e trabalha, ocupa-te sempre no bem de teus irmos e trabalhars para ti mesmo; - Contenta-te de tudo, por tudo e com tudo; - No julgueis apressadamente as aes dos homens; no reproves e muito menos elogies; antes procura sondar bem os coraes para apreciar suas obras; - Seja entre os profanos, livre sem licena, grande sem orgulho, humilde sem se rebaixar; e entre os irmos, firme sem ser tenaz; severo sem ser inflexvel e submisso sem ser servil; - Fala moderadamente com os grandes, prudentemente com teus iguais, sinceramente com teus amigos, docemente com os pequenos e ternamente com os pobres; - Justo e valoroso defende o oprimido, protege a inocncia, sem esperar por nada dos servios que prestares; - Exato apreciador dos homens e das coisas, no atenders mais que ao mrito pessoal, sejam quais forem a classe, o estado e a fortuna; - No dia em que se generalizarem essas mximas entre os homens, a humanidade ser feliz e a Maonaria haver terminado sua tarefa e cantar seu triunfo regenerador. Alm do Cdigo, h o Declogo da Maonaria, tambm originrio da Maonaria inglesa: - Deus a sabedoria eterna, onipotente e imutvel; suprema inteligncia e inextinguvel amor. Deves ador-lO, reverenciar e amar, praticando as virtudes, muito O honrars; - Tua religio consiste em fazer o bem, por ser um prazer para ti e no, unicamente, um dever. Constitui-te em amigo do homem sbio e obedece a seus preceitos. Tua alma imortal; nada fars que a desagrade;
  • 25. - Combaters, incessantemente, o vcio. No fars a outrem o que no quiseres que te faam. Devers ser submisso Fortuna e conservar vivo o fogo da Sabedoria; - Honrars teus pais. Respeitars e tributars homenagens aos ancios. Instruirs os jovens; - Sustentars tua mulher e filhos. Amars tua Ptria e obedecers s suas leis; - Teu amigo ser para ti, tua prpria imagem. O infortnio no te afastar do seu lado. E fars, por sua memria, o que farias por ele em vida; - Evitars e fugirs de falsos amigos, assim como, quando possvel, dos excessos. Temers ser a causa de uma mancha em tua memria; - No permitirs que as paixes te dominem. Obters, das paixes dos demais, lies de proveito para ti mesmo. Sers indulgente com o erro; - Ouvirs muito; falars pouco e obrars bem. Olvidars as injrias, dars o bem em troca do mal. No abusars de tua fora ou superioridade; - Estudars o conhecimento dos homens. Buscars sempre a virtude. Sers justo. Evitars a ociosidade. Para pertencer Maonaria o candidato (a palavra candidato vem do latim canditus, que significa branco: na Roma antiga, o postulante vestia-se de branco quando pleiteava um cargo pblico) deve: 1- Crer na existncia de um princpio Criador, o Grande Arquiteto do Universo (G.A.D.U.); 2- Ser homem livre e de bons costumes; 3- Ser consciente de seus deveres para com a Ptria, seus semelhantes e consigo mesmo; 4- Ter uma profisso ou ofcio lcito e honrado que permita prover as suas necessidades pessoais, de sua famlia e a sustentao de obras da Instituio; 5- Ser convidado por um maom e ser aprovado pelos demais; 6- Ter, pelo menos, vinte e um anos ou ser emancipado; 7- No ter nenhuma deficincia fsica que o impea de cumprir os futuros deveres manicos - a Maonaria, possivelmente, teve origem nas Corporaes de Ofcio na Idade Mdia - a corporao de pedreiros. Nas construes, os deficientes fsicos no poderiam carregar pedras, subir e descer escadas etc., e por esse motivo no eram aceitos. Mais recentemente, a Ordem no aceita deficientes por causa dos sinais de reconhecimento entre maons, com as mos e os ps, que os deficientes no poderiam fazer. No uma excluso discriminatria; 8- Obrigar-se ao pagamento dos encargos pecunirios estabelecidos nos regulamentos.
  • 26. - Objetivos: A Maonaria tem por objetivos: A livre investigao da Verdade (unidade da Divindade (Deus) e imortalidade da alma), o exame da moral e a prtica das virtudes. Virtude a fora que impele o ser humano a fazer o bem em sua mais profunda compreenso; a fora que leva ao cumprimento de deveres para com a sociedade e para com a famlia, sem interesses egostas. Tem por objetivo o aperfeioamento, a instruo e a disciplina do indivduo. O maom, auto aperfeioando-se, estar pronto para contribuir, mesmo que em pequena parcela, para a grandiosa obra moral do desenvolvimento humano. A Maonaria tem como lema: Liberdade, Igualdade e Fraternidade, e uma sociedade que tem por objetivo unir os indivduos, sendo esta unio, entendida no seu sentido mais amplo e elevado. Logo, seu estmulo para a unio entre os homens faz com que admita em seu regao pessoas de todos os credos religiosos, sem nenhuma distino. A Ordem no uma religio, mas religiosa, porque reconhece a existncia de um nico princpio Criador, Regulador, Absoluto, Supremo e Infinito ao qual d o nome de Grande Arquiteto do Universo; religiosa porque uma entidade espiritualista, em contraposio concepo do predomnio do materialismo. A Maonaria reconhece o Grande Arquiteto do Universo, Deus, mas um Deus entendido dentro dos princpios de tolerncia religiosa do desmo, tradio que recusa a idia de que s uma instituio tem o poder para fazer a ligao com o Divino. Desmo diferente de tesmo. Para o tesmo, Deus o autor do mundo. Para o desmo, Deus o princpio ou causa do mundo, infuso ou difuso na Natureza, como o Arquiteto do Universo. Trata-se de um Deus de todas as religies. antes um Deus da Natureza do que um Deus da humanidade. E, por isso, um maom pode ser judeu, catlico, muulmano, etc., ou no professar nenhuma religio. S no deve ser ateu. A Maonaria como todas as Tradies Iniciticas, entende a Divindade como o centro e a fonte de todas as coisas. Mas, a idia de Deus como um Grande Arquiteto, anterior Maonaria Especulativa. - Misso: Atravs das aes de seus adeptos, sua misso a prtica das virtudes e da caridade, confortar os desafortunados, no voltar as costas misria,
  • 27. restaurar a paz de esprito aos desamparados e dar novas esperanas aos desesperados. A Maonaria tem a misso de aperfeioar as vidas dos seus membros, investigar a Verdade, conduzir seus membros a dedicarem-se s boas obras, fazer amigos e reconhecer seus semelhantes como irmos. O iniciado considera-se pedra bruta e, tem a misso de aprimorar-se e tornar- se polida. - Propsitos: O propsito da Maonaria estudar caminhos que levem evoluo do Planeta. O rumo em direo Luz (um dos nomes do Grande Arquiteto do Universo), atravs do pensamento racional a potncia mental tambm uma Luz e a Luz da mente incorpora a prpria Luz Divina. A proposio que, se cada indivduo refletir sobre suas atitudes e buscar sempre o caminho do bem e da perfeio, a sociedade vai caminhar naturalmente sob a gide do progresso. A evoluo individual ter como conseqncia, a evoluo da humanidade. E, cada maom escolher e trilhar seu prprio caminho de crescimento individual, pois tem liberdade de pensamento. - Obedincias: A Maonaria no mundo divide-se em Obedincias Manicas, chamadas de Grande Loja, Grande Oriente ou Simples Ordem Manica. So unidades administrativas diferentes que agrupam diversas Lojas, mas que transmitem os mesmos ideais. No Brasil existem trs grandes grupos de Obedincias Manicas: . Grande Oriente do Brasil com Grandes Orientes Estaduais; . CMSB Confederao da Maonaria Simblica do Brasil (Grandes Lojas Estaduais formam a CMSB); . COMAB Grandes Orientes Independentes (Grandes Orientes Estaduais Autnomos, que formam a COMAB). 3- Ritos e Graus: - Ritos:
  • 28. Rito, do latim ritus, significa algo convencional, formal. Rito um cerimonial prprio de um culto ou de uma sociedade, determinado pela autoridade competente a ordenao de qualquer cerimnia. Rito Manico um conjunto de cerimnias e ensinamentos, que variam de acordo com o perodo histrico, interpretao, objetivo e temtica dada por seu criador. Rito o mtodo utilizado para transmitir os ensinamentos e organizar as cerimnias manicas. Rito cada diferente sistema manico para instruo, para o trabalho e mesmo para o Ritual de Iniciao. Rito a prtica de se conferir a Luz Manica a um indivduo, atravs de um cerimonial caracterstico. Em seiscentos anos de Maonaria documentada, vrios Ritos surgiram. Mas, de 1356 a 1740, existiu um Rito, apenas um sistema de cerimnias e prticas. Somente a partir de 1740 que vrios Ritos floresceram na Europa. Um Rito deve ter contedo que consagre algumas peculiaridades estabelecidas: o smbolo do Grande Arquiteto do Universo, o Livro da Lei, o Esquadro e o Compasso sobre o Altar dos Juramentos, sinais, toques, palavras e a diviso da Maonaria Simblica em trs Graus. No h nenhum rgo internacional para reconhecer os diversos Ritos. Acima do terceiro Grau, cada Rito estabelece sua prpria doutrina, hierarquia e cerimonial. Cada Rito possui caractersticas prprias. Segundo os ensinamentos de Papus (1865-1916: Grard Anaclet Vincent Encausse, mdico espanhol - em seu livro ABC do Ocultismo- maom), os Ritos dividem-se em trs categorias principais: a)- Ritos de estudos filosficos elementares, de ao poltica imediata. A tendncia desses Ritos a transformao da Maonaria em sociedade profana. O Grande Oriente da Frana, ou Rito Francs Moderno, alguns Grandes Orientes do Estrangeiro esto ligados a este sistema; b)- Ritos nos quais a hierarquia e os Altos Graus so escrupulosamente conservados. Os Ritos pertencem ao sistema Escocs. Entre os Ritos ligados a este sistema Escocs: Rito Escocs Antigo e Aceito de Morin, reformado por Pike, Rito Escocs Antigo e Aceito de Cerneau, Rito Primitivo e Original da Franco-Maonaria , Rito Nacional Espanhol , Rito Antigo e Primitivo, etc. e o Rito Universal Misto. As palavras antigo e primitivo indicam, geralmente, a conexo ao sistema Escocs, ao passo que a palavra moderno indica conexo ao sistema precedente; c)- Certos maons, ligados a sociedades Rosa-Cruz, quiseram aprofundar esta cincia, adaptando-lhe Graus cabalsticos e msticos. Este gnero de Maonaria tem se restringido a uma elite e, freqentemente, compreende apenas Altos Graus, deixando aos demais Ritos a tarefa de preparar iniciados
  • 29. futuros. O mais conhecido desses Ritos o de Misrin, depois o de Mnfis. O Rito de Swedenborg e as Ordens de Iluminados Cristos esto ligados a esses Ritos especiais. Os Ritos mais difundidos no mundo hoje so: - Rito Escocs Antigo e Aceito; - Rito de York; - Rito de Schrder; - Rito Francs ou Moderno; - Rito Brasileiro (s no Brasil); - Rito Adonhiramita. Existem mais de cento e cinqenta Ritos atualmente, porm, os mais praticados so o Rito Escocs e o de York. - Graus: _,_._,___ A Maonaria utiliza o sistema de Graus para transmitir seus ensinamentos, cujo acesso obtido por meio de uma iniciao (Ritual de Aceitao) a cada Grau, e os segredos so transmitidos atravs de gestos, palavras e smbolos. A Maonaria composta por Graus Simblicos e Filosficos, variando de Rito para Rito. A constituio dos trs primeiros Graus obrigatria e, est prevista nos Landmarks da Ordem. A Maonaria Simblica compreende os seguintes Graus: - 1 Grau Aprendiz Deve, acima de tudo, saber aprender. o primeiro contato com o Simbolismo Manico. O Aprendiz aprende as funes de cada um no Templo e busca o desenvolvimento das virtudes e a eliminao dos vcios. Muitos maons antigos afirmam que este o mais importante de todos os Graus. Ferramentas (Smbolos) usadas nos trabalho do 1 Grau: Malho, Cinzel, e a Rgua de Vinte e Quatro Polegadas (as Ferramentas de Trabalho representam capacidades emocionais que o maom precisa identificar, controlar, e depois usar em sua vida cotidiana); - 2 Grau Companheiro Esta fase propicia ao maom um profundo conhecimento de smbolos, alm de avanos Ritualsticos e desenvolvimento do carter. Ferramentas usadas nos trabalhos do 2 Grau: Nvel, Prumo e o Esquadro;
  • 30. - 3 Grau Mestre o Grau da plenitude manica. No mbito do Simbolismo (Lojas Simblicas), o Grau mais elevado que permite ocupar quaisquer cargos. O Mestre possui conhecimentos elevados da histria e objetivos manicos. Ferramentas usadas nos trabalhos do 3 Grau: Compasso, Lpis e o Carretel Apontador. O trabalho realizado nos Graus Superiores optativo e de carter filosfico. Existem diversos sistemas de Graus Superiores, como o de Trinta e Trs Graus no Rito Escocs Antigo e Aceito, o de Catorze Graus no Rito de York, etc. - Ritos na Maonaria: - Rito Escocs Antigo e Aceito: Este Rito uma das cerimnias mais difundidas na Maonaria atualmente. composto por Trinta e Trs Graus. Ele foi formado ou extrado do Rito de Perfeio ou Rito de Heredon, que contava Vinte e Cinco Graus. A constituio dos Altos Graus atribuda ao pensador escocs Andrew Michael Ramsay (1686-1743), sendo a base do Rito Escocs Antigo e Aceito. Ramsay protagonizou a criao deste Rito em solo francs, ocasio em que proferiu dois discursos de grande repercusso a respeito do assunto. Antigo: porque ex-operativo. Aceito: por serem seus membros aceitos ou iniciados, sem serem construtores. A origem do Rito Escocs Antigo e Aceito razo de muitas discusses. Ao contrrio do que se acredita, o Rito Escocs nada tem a ver com a Esccia, pois na poca do aparecimento deste Rito, as Lojas da Esccia trabalhavam no Rito Emulation Rite. O Rito de York praticado nos EUA. O Emulation Rite praticado na Inglaterra e na Comunidade Britnica, como em toda a Gr-Bretanha. O Rito Escocs surgiu na Frana, depois de l ter sido introduzida a Maonaria Inglesa, do Rito de Emulation Rite. No final do sculo XVII, vrios maons escoceses fugiram para a Frana, em virtude de acontecimentos e convulses sociais, que aconteceram nas Ilhas Britnicas. O tipo de cerimonial que praticavam ficou marcado como Ritual dos Escoceses ou Rito Escocs. Foi a partir de 1732 que a primeira Loja desses maons escoceses Scottish Chal passou a funcionar em Bordeaux, um dos centros manicos mais antigos e influentes na Frana. Entre os Ritos ligados ao sistema escocs:
  • 31. - Rito Escocs Antigo e Aceito de Morin reformado por Pike: Etienne Morin foi o fundador da Loja Me Escocesa de Bornus e organizou em So Domingo e na Jamaica, na dcada de 1760, a Maonaria de Perfeio, com Vinte e Cinco graus. Mas tambm se deve a Andrew Francken, deputado e Grande Inspetor de Etienne Morin na Amrica do Norte, uma transcrio dos Rituais da Maonaria de Perfeio. - Rito Escocs Antigo e Aceito por Cerneau; - Rito Primitivo e Original da Franco-Maonaria; - Rito Nacional Espanhol; - Rito Universal Misto, etc. Os Trinta e Trs Graus do Rito Escocs Antigo e Aceito: 1, 2, e 3 - Graus concedidos pelas Lojas Simblicas; Do 4 ao 14 - Graus concedidos pelas Lojas de Perfeio; Do 15 ao 18 - Graus Capitulares concedidos pelos Captulos Rosa-Cruz; Do 19 ao 30 - Graus Filosficos concedidos por um Conselho Kadosh; 31 e 32 - Graus Administrativos concedidos pelo Consistrio; 33 - ltimo Grau Administrativo concedido pelo Supremo Conselho. 1 Grau - Aprendiz Maom Grau de iniciao nos trabalhos da Arte Real. Dedica-se aos ensinamentos da filosofia manica; 2 Grau - Companheiro Maom Grau intermedirio; consagrado exaltao do trabalho de como transformar a pedra bruta em pedra cbica; 3 Grau - Mestre Maom O Grau que consagra a prevalncia do esprito sobre a matria; 4 Grau Mestre Secreto Grau de meditao; os verdadeiros segredos da Maonaria devem ser objeto de pesquisas. Neste Grau o maom tambm aprende as virtudes do silncio. Avana no conhecimento de smbolos utilizados na Maonaria; 5 Grau Mestre Perfeito Grau de meditao; estuda a filosofia da Natureza. Aprende a meditao interior. Este Grau privilegia o princpio moral de render culto memria de honrados antepassados; 6 Grau Secretrio ntimo ou Mestre Por Curiosidade Esse Grau baseado na idia de aprendizagem do comando e sua moral resume-se no respeito que se deve ter aos segredos alheios. dedicado necessidade de se buscar conhecimento, sem o qual no h progresso. Contudo adverte para a v curiosidade capaz de gerar malefcios. Investiga-se a misria social e as maneiras de combat-las;
  • 32. 7 Grau Preboste e Juiz ou Mestre Irlands consagrado eqidade severa com a qual, deve-se julgar as prprias aes. Neste Grau estuda-se a Eqidade, os princpios da Justia, o Direito Natural e alguns princpios ticos de liderana; 8 Grau Intendente dos Edifcios ou Mestre em Israel A liberdade o nico trao de unio entre o trabalho e a propriedade. Dedica-se a estudar a fraternidade do homem atravs de valores como o trabalho e o direito propriedade. Combate a hipocrisia, a ambio e a ignorncia; 9 Grau Mestre Eleito dos Nove - Grau de iluminao. Consagra-se ao zelo virtuoso e ao talento esclarecido que, por bons exemplos e generosos esforos, vingam a verdade e a virtude do erro e do vcio. Estuda-se a realidade dos ciclos, as foras negativas e a fora da reconstruo; 10 Grau Mestre Eleito dos Quinze - Consagrado eliminao de todas as paixes e de todas as tendncias censurveis. Estuda-se a extino de tendncias pouco proveitosas; 11 Grau Sublime Cavaleiro Eleito ou Cavaleiro Eleito dos Doze Consagrado regenerao dos costumes, s cincias e s artes. Dedica-se regenerao; 12 Grau Gro-Mestre Arquiteto Representa-se o povo e consagra-se coragem perseverante. Estuda o poder da representao popular; 13 Grau Cavaleiro Real Arco Destinado interpretao dos primeiros instituidores da Ordem. Estuda os magos pontfices do Egito e de Jerusalm; 14 Grau Grande Eleito ou Perfeito e Sublime Maom Consagrado ao Grande Arquiteto do Universo. o mais alto Grau das Lojas de Perfeio. Proclama o direito inalienvel da liberdade da conscincia. Defende uma educao digna para que o homem possa ter governantes que assegurem direitos e obrigaes compatveis; 15 Grau Cavaleiro do Oriente Esse Grau aborda o momento histrico do fim do exlio dos hebreus na Babilnia. Dedica-se luta incessante para o progresso pela razo; 16 Grau Prncipe de Jerusalm O Grau consagrado ao retorno Terra Santa. Estuda a vitria da liberdade como conseqncia da coragem e perseverana; 17 Grau Cavaleiro do Oriente e do Ocidente Grau consagrado aos Cruzados. Explora o direito de reunio; 18 Grau Cavaleiro Rosa-Cruz Esse Grau celebra o advento de Cristo. dedicado ao triunfo da Luz sobre as trevas. a libertao pelo Amor; 19 Grau Grande Pontfice ou Sublime Escocs dito da Jerusalm Celeste Fala sobre o triunfo da Verdade, estuda o pontificado;
  • 33. 20 Grau Soberano Prncipe da Maonaria ou Mestre Ad Vitam consagrado aos deveres dos chefes das Lojas Manicas; 21 Grau Noaquita ou Cavaleiro Prussiano - Estuda os perigos da ambio e o arrependimento sincero; 22 Grau Cavaleiro do Real Machado ou Prncipe do Lbano Estuda o trabalho como propagador de sentimentos nobres e generosos; 23 Grau - Chefe do Tabernculo - Dedica-se vigilncia dos valores propagados pela Ordem e ao combate da superstio; 24 Grau - Prncipe do Tabernculo - Dedica-se conservao das doutrinas manicas; 25 Grau Cavaleiro da Serpente de Bronze Dedica-se ao combate do despotismo; 26 Grau Prncipe da Merc ou Escocs Trinitrio Estuda princpios de organizao social atravs da Igualdade e Harmonia; 27 Grau Grande Comendador do Templo ou Soberano Comendador do Templo de Jerusalm Defende princpios de governo democrtico; 28 Grau Cavaleiro do Sol ou Prncipe Adepto Estuda a Verdade; 29 Grau Grande Cavaleiro Escocs de Santo Andr ou Patriarca dos Cruzados dedicado Antiga Maonaria da Esccia; 30 Grau Grande Inquisidor ou Cavaleiro Kadosh ou Cavaleiro da guia Branca e Negra Fecha o ciclo de estudos no Kadosh. um Grau de estudos profundos a respeito do simbolismo e filosofia manicos; 31 Grau Grande Juiz Comendador ou Inspetor Inquisidor Comendador Estuda o exame de conscincia detalhado. S os conscientes podem ser justos. Estuda-se Histria; 32 Grau Sublime Cavaleiro ou Prncipe do Real Segredo Estuda o Poder Militar; 33 Grau Soberano Grande Inspetor Geral o ltimo Grau. Fecha o ciclo de estudos. , em ltima anlise, o maom mais responsvel pelos destinos da Maonaria no pas. o Guardio Mestre e Condutor da Maonaria. - Rito de York: considerado bastante antigo. o mais praticado em todo o mundo - por cerca de 85% dos maons. O Rito de York executado desde os tempos do rei anglo-saxo, Athelstan, sculo X, da cidade de York, capital do territrio da Nortmbria. Segundo o Manuscrito de Halliwell, no ano 926 houve um grande congresso de maons, convocado e presidido pelo prncipe Edwin, filho do rei Athelstan.
  • 34. Edwin tornara-se gemetra e mestre-de-obras, aps ter passado por todas as etapas da Iniciao Manica e, foi eleito Gro-Mestre. Da por diante, todos os anos, realizada uma reunio manica em York. Edwin escolheu trs smbolos como elementos de base da Ordem: um Esquadro em ouro, um Compasso de prata com pontas de ouro e uma Trolha (p) de prata. Mesmo aps a fundao da Grande Loja de Londres, em 1717, as Lojas Britnicas, em sua maioria, continuavam a respeitar as Antigas Obrigaes e no Grande Loja Britnica que, ficou com sua influncia bastante limitada. As Lojas Britnicas no aderiram ao Sistema de Obedincia, permanecendo livres. O centro de resistncia Grande Loja era a antiga Loja de York, de tradio Operativa e que dava aos membros da Grande Loja, o ttulo de Modernos, enquanto eles prprios se autodenominavam Antigos, pelo respeito s antigas leis. Na unio dos maons Antigos e Modernos em 1813 - as duas Grandes Lojas rivais inglesas - foi oficialmente aprovado o Ritual dos Antigos como o Ritual Oficial da Grande Loja Unida da Inglaterra e, naquele momento o procedimento manico resultante dessa unio recebeu o nome de Rito de Emulao Emulation Rite. Portanto, por fora do Act of Union firmado pelas duas Grandes Lojas rivais, a denominao Rito de York deixa de existir, pelo menos formalmente. A nova denominao foi adotada para que no ficasse caracterizado que a Grande Loja de Londres submetera-se Grande Loja de York, cujo Rito, at a poca da unio, denominava-se Rito de York. O Rito de York praticado nos Estados Unidos difere do Emulation Rite praticado na Inglaterra. O Emulation Rite na Inglaterra, no possui Graus filosficos. Nos Estados Unidos, o Rito de York constitudo pelos trs Graus Simblicos e quatro Graus Filosficos. Estas no so as nicas diferenas. Existem outras, de ordem Ritualstica. Rito de York ou Americano aquele praticado pelas Grandes Lojas dos Estados Unidos. Apresenta Catorze Graus, ou seja, conta com Onze Altos Graus, apesar de grande parte dos maons americanos praticarem os trs primeiros Graus da Loja Simblica em Rito de York e o restante no Rito Escocs Antigo e Aceito. No Rito de York existem apenas trs cargos que so eletivos: o Mestre da Loja, o Tesoureiro e o Guardio (Guarda Externo, em alguns casos, quando ele no membro da Loja) nos demais Ritos, toda Loja tem, pelo menos, o Venervel Mestre, dois Vigilantes, o Orador, o Secretrio, o Companheiro e o Aprendiz.
  • 35. No Brasil existem inmeras Lojas Manicas que adotam a linha inglesa, ou seja, o Emulation Rite, apesar do uso da denominao Rito de York, que acabou se consagrando. - Rito de Schrder: Foi criado por Friedrich Ludwig Schrder (1774-1816: em Shwerin, Alemanha), e introduzido em sua Loja em 29 de junho de 1801, em Hamburgo, Alemanha. um Rito simples e, opera nos trs Graus Simblicos, no possuindo Altos Graus ou Graus Filosficos. Schrder aboliu o ocultismo que dominava a Maonaria Alem, por entender a Maonaria como uma unio de virtudes, e no uma sociedade esotrica enfatizou o ensinamento dos valores morais e o esprito fraterno. Preservou os smbolos, resgatando o princpio que afirmava ser a Verdadeira Maonaria, a dos Trs Graus de So Joo. Schrder restaurou o Antigo Ritual Ingls, adaptando-o para a cultura germnica de sua poca. Por isso o Rito de Schrder semelhante ao Rito de York (Emulation Rite), sem ser uma cpia deste. - Rito Francs ou Moderno: Como se sabe, a Maonaria Moderna surgiu quando, em 1717, quatro Lojas de Londres se uniram para formar a Grande Loja de Londres, priorizando estudos tericos e afastando-se da prtica da construo. O Rito Francs ou Moderno criado em 1761, foi reconhecido pelo Grande Oriente de Frana, em 1774, com a nomeao de uma comisso para reduzir os Graus, deixando apenas os Simblicos. No princpio houve uma forte oposio, ento a comisso deixou quatro dos principais Graus Filosficos; com o decorrer do tempo, algumas Lojas adotaram o Rito. A denominao Rito Francs, surge inicialmente num processo de uma deliberao do Grande Oriente de Frana, de 25de novembro de 1799 sobre uma Loja de Nova Iorque sob o Rito Francs. No sculo seguinte o mesmo Rito ser conhecido como Moderno. Tudo indica que o nome de Rito Francs e depois Rito Moderno, foi utilizado pelo Grande Oriente de Frana, em oposio ao nome Escocs, usado por vrios Ritos praticados na Frana no sculo XVIII. Atualmente um Rito muito praticado na Frana e nos pases que estiveram sob sua influncia.
  • 36. Segundo o Rito Francs ou Moderno, o Universo governado por leis imutveis com as quais o indivduo se relaciona. - Rito Brasileiro: Alguns escritores afirmam que, o Rito Brasileiro foi criado em 1864, em Pernambuco, com o nome de Maonaria Especial do Rito Brasileiro. Porm, oficialmente, sua criao foi em 23 de dezembro de 1914, atravs do Decreto n 500 do Soberano Gro-Mestre Lauro Sodr. Teve curta durao inicial, ficando sem uso de meados da dcada de 40 (1940) at a dcada de 60 (1960). Houve vrias tentativas de reerguer o Rito, porm sem sucesso. Somente em 1968, sendo Gro-Mestre o professor lvaro Palmeira, este Rito foi regularizado, sendo praticado por vrias Lojas. O Rito Brasileiro Regular, Legal e Legtimo. Acata os Landmarks e os demais princpios tradicionais da Maonaria, podendo ser praticado em qualquer pas. O Rito Brasileiro mantm os trs Graus Simblicos de acordo com a tradio manica e adota o sistema de mais Trinta Altos Graus ou Graus Filosficos, que tm caractersticas nacionais, com temas atuais e relevantes. O Rito Brasileiro possui organizao e doutrina bem estruturadas. Adota a legenda Urbi et Orbi, que significa sua atuao nacional e internacional. - Rito Adonhiramita: Esse Rito teve origem na Frana, no sculo XVIII, na crena dos franceses de que o principal construtor do Templo do Rei Salomo teria sido Adonhiram, e no Hiram Abiff. Foi uma polmica entre estudiosos ritualistas. Na construo do Templo de Salomo Adonhiram sucedeu Hiram Abiff, chamado de Adon- Hiram (Senhor Hiram). Adonhiram era arquiteto e preposto das corvias do Templo de Jerusalm, de acordo com os textos bblicos. Preposto o auxiliar encarregado de certos negcios e que age em nome e por conta de um patro, um preponente. Corvia era o trabalho ou o servio gratuito praticamente um trabalho escravo que as pessoas tinham que prestar ao rei (tambm presente no feudalismo europeu). Adonhiram era o contratante dessa atividade servil, como preposto de Salomo, e depois de Roboo (filho de Salomo) - ele era encarregado dos impostos. Os adeptos dessa teoria eram chamados de adonhiramitas, e foi um desses maons, Louis Guillemain de Saint Victor, que em 1781 publicou um livro intitulado Recueil Precieux de La Maonnerie Adonhiramite, onde constava um pequeno histrico e o resumo de quatro Graus desse Rito. Em 1787, ele
  • 37. publicou o segundo volume, contendo mais oito Graus, que foi modificado pelo americano Arthur Eduard Waite. O Rito, depois de uma poca de grande difuso, acabou desaparecendo. Todavia, no Brasil, (onde foi o primeiro Rito praticado), ele permaneceu, fazendo com que o pas seja hoje o centro do Rito, que teve seus Graus aumentados de Treze para Trinta e Trs. 4- Ritualismo, Simbologia e Smbolos: A Simbologia a cincia mais antiga do mundo. Atravs dos smbolos, os povos primitivos se expressavam e comunicavam suas tradies. O primeiro aprendizado no mundo foi constitudo por smbolos. Em um tempo onde a linguagem oral era ainda incipiente, os smbolos foram o meio de comunicao. A palavra smbolo deriva da palavra grega symbolom, que significa juntar, reunir. Os smbolos so uma representao de objetos, idias ou aes e so uma linguagem especial, compreensvel pelo hemisfrio direito do crebro, isto , a imaginao. Eles tm um efeito muito poderoso na mente humana, sendo mais eficientes do que palavras. Isso porque o significado contido em um termo muitas vezes, no traduz, de fato, a essncia do que busca comunicar. Segundo Jacob Bronowski (1908-1974: filsofo, matemtico e cientista polons): o mundo que o esprito humano conhece e explora no sobrevive sem conceitos simblicos. O smbolo e a metfora so to necessrios cincia, como poesia. As antigas culturas que conhecemos, tinham sem exceo, uma coisa em comum: smbolos e rituais. A partir de smbolos elas criavam rituais, no s para as principais fases de transio da vida (ritos de passagem), mas tambm para o dia-a-dia e suas exigncias. As etapas de transio da vida exigem rituais e, eles estiveram presentes em todas as pocas as culturas arcaicas confiavam na energia inicitica dos ritos da puberdade, por exemplo, coisa que a nossa sociedade desvaloriza. No muito fcil para um jovem, nas sociedades modernas, amadurecer, pois lhe faltam rituais de passagem que o liguem, com segurana, a um novo padro do mundo dos adultos, que tem regras e smbolos diferentes. Como no h mais esses rituais, o jovem fuma seu primeiro cigarro, toma sua primeira bebida alcolica, experimenta outras drogas, numa tentativa correspondente. O
  • 38. inconveniente desses procedimentos substitutos, que no oferecem nenhuma segurana de ingresso no mundo adulto e, os jovens, muitas vezes, acabam ficando dependentes desses rituais. Como no existe nenhuma cultura antiga (e mesmo moderna) sem rituais, pode-se inferir que, eles faam parte, necessariamente, da trajetria humana. O bilogo e pensador, Rupert Sheldrake, (1942: PhD., bilogo e bioqumico ingls, pesquisador da Universidade de Cambridge, Inglaterra) com suas pesquisas sobre campos morfogenticos ou formativos, confirmou que h relaes entre distintos seres vivos que escapam a explicaes lgicas. Esses campos vibram ao mesmo tempo no mesmo plano e se comportam como se fossem somente um ser. Constituem uma egrgora: egrgora a somatria de energias criada por grupos ou agrupamentos, em virtude da fora vibratria gerada por cada indivduo. Essa fora maior e de vibrao diferente da de cada um. A egrgora resultante de uma sinergia. E, qualquer que seja a natureza da egrgora, ela estar presente em cada indivduo do grupo que a formou (confirmando o Paradigma Hologrfico, do fsico David Bohm). Um dos Princpios Hermticos postula que tudo vibra: Princpio da Vibrao - Nada est parado; tudo se move, tudo vibra.. A cincia j comprovou a verdade por trs desse princpio. As diferenas entre as diversas manifestaes da matria, energia, mente e esprito, resultam de ordens variveis de vibrao. Os organismos dos seres vivos so formados por clulas, e estas por molculas, tomos e ncleos e, assim, so condensadores de energia. Segundo Rupert Sheldrake, os campos morfogenticos ou morfolgicos, so estruturas invisveis que se estendem no espao-tempo e moldam a forma e o comportamento de todos os sistemas. Toda clula, molcula, tomo ou organismo que existe, gera um campo organizador. Assim, sempre que um membro de um grupo aprende um comportamento e esse comportamento repetido vrias vezes, o campo modificado e a modificao afeta o agrupamento por inteiro. O campo morfogentico uma regio de influncia que atua dentro e em torno de todo organismo vivo e est presente em pensamentos e atitudes. Cada ser cria um campo morfolgico e, aplicvel a todos os sistemas: assim o maom em relao Maonaria e sua Loja. Sua presena na Loja muito importante para a captao dessas energias e para sua prpria evoluo espiritual. Se os contedos mentais, emocionais e espirituais so transmitidos de uma pessoa a outra, essas propriedades podem ser assimiladas por cada maom, com sua presena nos trabalhos da Loja. O fsico brasileiro Luiz Alberto Oliveira, afirma que os seres humanos so indivduos e, ao mesmo tempo, elementos de massa. E, essa a simbologia da
  • 39. Corda de Oitenta e Um Ns. Para os maons, uma corda com ns o smbolo de sua comunidade. O n simboliza o enlace e a unio. Em torno do Templo colocada uma corda, com ns simples, feitos de espao em espao. Os ns isolados so frgeis, mas unidos, tornam-se extremamente resistentes. Os ns representam os maons, que se unem sem se fundir, sem perder a sua individualidade. A egrgora da Maonaria criada por pensamentos, sentimentos e aes elevados, que adquire vida e que alimentada por mentalizaes e vibraes de seus obreiros. A egrgora uma entidade autnoma que se forma pela persistncia e intensidade das correntes emocionais e mentais. Pensamentos e sentimentos fracos criam egrgoras frgeis e de pouca durao, porm pensamentos e sentimentos enrgicos, vibrantes, criam egrgoras poderosas e de longa durao. Segundo a citao manica: Se perguntarem a um maom: Quantos sois vs? Respondereis: SOMOS UM S. Atualmente, a Fsica e a Biologia sustentam o que as antigas orientaes iniciticas e filosficas do Oriente sempre apontaram. Neste sentido, compreensvel que ensinamentos antigos, tais como os de Phillipus Aureolus Theophrastus Bombastus Von Hohenheim, Paracelso (1493-1541: famoso alquimista) alm do mdico Celso Aurlio Cornlio Celso, mdico cirurgio romano, que viveu no sculo I, autor da mais famosa obra de medicina dos antigos romanos De Re Medica, Das Coisas Mdicas - de que o homem e o mundo so um, voltem a ser considerados. E, os Rituais so o caminho mais direto para construir esses campos. Os indivduos que vivenciam Rituais constroem campos formativos fortes. A linguagem de todas as grandes escolas de sabedoria expressa atravs dos Rituais e, esses Rituais exercem funes emocionais, intelectuais, sociais, pedaggicas, cosmognicas e ticas. O objetivo dos Rituais Manicos no estabelecer fatos histricos, mas transmitir doutrinas filosficas. A Maonaria, sempre esteve na vanguarda dessa tradio, agora j reconhecida como fato cientfico. A Ordem utiliza smbolos e Rituais para conduzir o consciente e o inconsciente do participante a nveis cada vez mais profundos e expandidos. O Ritual de Iniciao o mais significativo para o postulante maom. o incio de uma nova fase da vida. Na Ordem, a Iniciao um Ritual que expressa a morte simblica do homem comum, para seu renascimento em estgio espiritual mais elevado, como membro da Maonaria.
  • 40. A Ordem possui seus smbolos e seus Rituais que, hoje, podem ser explicados cientificamente, como formadores de campos morfolgicos teis e benficos. Ao que parece, a decadncia das Lojas Medievais ou Operativas, fez com que o Antigo Ritualismo fosse consideravelmente distorcido e corrompido (a transmisso acontecia oralmente, de Loja para Loja e de Mestre para Mestre, desde os tempos romanos). Com o surgimento da Maonaria Especulativa ou Franco-Maonaria, em 1717, na Inglaterra, ressurgiu o estudo da simbologia religiosa, que se encontrava perdido na ignorncia medieval. Os maons especulativos comearam a estudar os smbolos religiosos, iniciticos e alqumicos. Os smbolos remontam s origens da humanidade sendo, fundamentalmente, esotricos revelam de forma velada a sabedoria csmica que orienta cada indivduo nos passos da iniciao interna (Paracelso: o homem e o mundo so um, Hermes Trismegistos: o que est em baixo como o que est no alto, etc.). Coube aos primeiros maons especulativos recuperar o que havia restado dos Rituais Operativos. Os Mistrios Antigos podem ser a fonte da filosofia, da doutrina e da Ritualstica Manica - esses Mistrios consistiam em um grupo de crenas e prticas que, sempre existiu, nas tradies dos povos. Os smbolos, segundo Carl Gustav Jung, (1875-1961: psiquiatra suo, discpulo de Freud - maom) no so apenas alegorias, porm, imagens com contedos que podem transcender a conscincia (so arqutipos). Jung postulou: O homem necessita de uma vida simblica. A observao de smbolos msticos no interior de uma Loja Manica provoca estmulos no crebro, que so processados e compreendidos pelo inconsciente, atravs da memria gentica: religies milenares, religies pags, orculos (tar, runas, numerologia, etc.), mitologias. Os smbolos inspiram e ensinam, e so a matria prima de uma linguagem atemporal. Portanto, a Maonaria no pode ser compreendida, somente, intelectualmente. O que interessa filosofia manica no apenas o homem em si, mas o homem-smbolo. Rizzardo da Camino (1918-2008: escritor manico). Fundamentado na Simbologia, o ensinamento manico s pode ser auto- didtico e pessoal - para cada maom, ser o fruto dos seus estudos e de suas prprias interpretaes. So inmeros os smbolos manicos, porm, alguns se destacam, pelo seu uso mais constante entre os maons: - Esquadro: Trata-se do smbolo manico mais usado e conhecido. Todos os Graus da Maonaria tm o Esquadro como smbolo primrio. Por ser uma figura
  • 41. geomtrica, indica o equilbrio do comportamento que conduz ao aperfeioamento humano no caminho reto da justia. Na Maonaria o Esquadro representa a Terra e orienta o caminho do maom do comeo ao fim de sua jornada. Para os Antigos Egpcios, o Esquadro era um quadrado perfeito, usado no Culto de Osris para julgar os mortos o quadrado, com sua forma limitada d a idia de algo esttico, material. smbolo da Terra e se ope ao Crculo, que representa o Cu; - Compasso: H onze espcies de compassos: de pontas secas; porta-lpis; de quarto de crculo; de reduo; de espessura; de tira-linhas; de trs pontas; de corredia; de calibres; de proporo e de marinha. O Compasso Manico o de pontas secas. A Maonaria adota o Compasso como um dos seus grandes smbolos e, coloca-o sobre o Altar da Loja, enlaado com o Esquadro, significando o macrocosmo. emblema de medida e justia. O Compasso remete figura geomtrica mais repleta de significados: o Crculo. O Compasso, por sua posio, pode traduzir a esttica e a dinmica com as hastes fechadas, ele somente marca um determinado ponto: um smbolo para o incio do caminho empreendido pelo Aprendiz. Abertas, as hastes traam o crculo, que o smbolo da perfeio, aquilo que comea e acaba em si mesmo, da unidade, do absoluto o infinito; - Accia: A Accia era a rvore que fornecia sua madeira aos povos hebreus foi muito empregada na construo do Tabernculo. Planta consagrada nas cerimnias como smbolo da inocncia, iniciao e imortalidade da alma. Na lenda de Hiram Abiff, seus trs assassinos marcaram o lugar onde ocultaram seu corpo com um ramo de Accia. O Diploma da Accia conferido, em algumas Lojas, ao maom assduo; - Avental: o smbolo do trabalho. a pea mais importante do vesturio manico. Distintivo indispensvel s atividades dentro da Loja. Lembra ao maom os tempos da Maonaria Operativa, e, simbolicamente, o trabalho rduo para burilar sua prpria alma era confeccionado de pele de cordeiro ou de linho: simbolizava a pureza de propsitos. O Avental ou Mandil pode constituir uma proteo aos chakras fundamentais (esplnico e umbilical) sua funo minimizar as influncias relacionadas paixo (sexo). Porm, esse smbolo remonta a maior distncia no tempo os mais clebres Aventais so dos
  • 42. faras egpcios cujo modelo, bem caracterstico, apresentava numerosos segredos geomtricos utilizados na construo dos Templos. O Avental Manico, muito simplificado, perdeu grande parte desse esoterismo: tem a forma de um retngulo encimado por um tringulo - o Avental branco, sem adornos, do 1 Grau indica a pureza da alma, que se alcanar nesse Grau. Nos Graus Um e Dois no h nenhum metal nos Aventais, pois o maom despiu-se de todas as vaidades tolas e, transmutou-as em riquezas espirituais. Os Aventais dos demais Graus tm cores e desenhos variados, conforme o Rito adotado. O fundo, porm, sempre branco; - Luvas: Tm sido usadas pelos maons como marca de distino e pureza. Na lenda da construo do Templo de Salomo, os Mestres-Construtores usaram Luvas e Aventais brancos durante os funerais de Hiram Abiff, para mostrar que no tinham nenhuma ligao com seu assassinato. At hoje os Aventais e Luvas so usados, em cerimnias. Depois de sua recepo, o Aprendiz recebe dois pares de Luvas Brancas, um dos quais se destina a ele e o outro dama que ele mais amar com isso, a Maonaria mostra seu apreo mulher, ao feminino. A Luva Branca recebida no dia de sua Iniciao tem como objetivo, lembrar os compromissos assumidos pelo maom. Simbolicamente demonstra a pureza, a lealdade, e a honestidade: que no h o sangue de Hiram Abiff nas mos daquele maom; - Pavimento Mosaico: Ornamento formado por ladrilhos alternados, brancos e pretos. O simbolismo remete diversidade dos homens e de todos os seres, animados ou no. Simboliza a inter-relao de todos os seres do Universo, bem como o enlace do esprito e da matria, e a unio de todos os maons, apesar de suas diferenas quer raciais, religiosas, etc.; - Painel: Quadro de tecido, papel ou madeira, onde podem ser observados smbolos que servem para a instruo manica e para representar um determinado Grau. Os painis so artefatos com representaes visuais, imagens, para ilustrar os princpios ensinados em cada Grau. O Painel do 1 Grau mostra o esquema geral do Universo e o lugar do indivduo nesse Universo. O Painel do 2 Grau representa, simbolicamente, o indivduo e o caminho para seu Templo interior. O Painel do 3 Grau refere-se morte como um renascimento, o despertar para
  • 43. uma nova vida interior, com mais sabedoria. Quando o Painel est aberto, indica que a sesso manica est em andamento; - Delta Luminoso: Tambm chamado de Tringulo Fulgurante. Delta a quarta letra do alfabeto grego. Tringulo com um olho no centro. o primeiro polgono. O Olho simboliza o vnculo do homem com o mundo, a conscincia, o conhecimento da verdade, a luz espiritual. Representa tambm o intelecto e a sabedoria divina. o smbolo da Tripla Fora Indivisvel e Divina que se manifesta como Vontade, Inteligncia e Amor (csmicos). a representao da presena material de Deus. O Olho simboliza Aquele que tudo v. Em algumas Lojas, em vez do olho, h a letra G, ou a letra IOD, em caracteres hebraicos a representao do Grande Gemetra, outra expresso para designar o Grande Arquiteto do Universo. No sendo efetivamente uma religio, a Maonaria compreende e reverencia todas as crenas e cada maom pode ter no Delta Luminoso a representao de todos os sentimentos de religiosidade. Ele como uma lembrana, uma advertncia permanente e solene, traduzida pela compreenso fraternal, que no procura sobrepor a importncia de qualquer religio em particular. Na forma atual, o Delta Luminoso, surgiu entre os sculos XVII e XVIII, mas representaes do Olho que tudo v, podem ser encontradas na Mitologia Egpcia, no Olho de Hrus. A adio posterior do tringulo, geralmente, entendida como a Trindade de Deus, no Cristianismo; - Bode: Seu principal atributo simblico o da fora sexual masculina. Na Grcia antiga, servia de montaria para os deuses e na ndia era consagrado ao deus do fogo. Nas narrativas bblicas, muitas vezes o Bode citado como o animal que o povo oferecia a Deus em sacrifcio, para obter o perdo de seus pecados (deriva da o termo "bode expiatrio"). O Bode a montaria de Agni, o deus regente do fogo, para os Vedas, sendo considerado um animal solar. O Bode expiatrio, ou mais raramente "emissrio", era um Bode que os antigos hebreus espantavam para o deserto, na festa da expiao, depois de o haverem carregado de todas as iniqidades (crimes, pecados) e maldies que se queria afastar do povo. Graas a isso, o Bode um antigo smbolo da animalidade, o que no homem corresponde aos impulsos que mais se assemelham ao animal. Simbolicamente, o maom vence seus instintos animais. Na Idade Mdia, porm, o Bode assumiu uma caracterstica mais negativa e foi associado s prticas de bruxaria porque servia de montaria para as feiticeiras;
  • 44. - Letra G: Stima letra do alfabeto manico chama-se gimel em hebreu. Em geral, significa Geometria, Gerao, Glria, Grande, Gro. A Letra G o smbolo de Deus, o Divino Gemetra. Uma das razes da Letra G ser tomada como smbolo da Divindade, que com ela, em vrios idiomas, a palavra Deus iniciada: Gas em Siraco; Gada em persa; Gud em sueco; Gott em alemo; God em ingls, etc. Porm, sua origem mais provvel, o gama, do alfabeto grego que, tem a forma de um Y - para os pitagricos representava as duas vias: a do profano e a do iniciado; - Estrela de Cinco Pontas: O Pentagrama um smbolo muito antigo: do grego "pente" que quer dizer cinco e "gramme" que quer dizer linha. o signo do microcosmo. Ele exprime a dominao do Esprito sobre os elementos. a Estrela de Cinco Pontas, representao da unio do nmero dois (princpio feminino terrestre) com o trs (princpio masculino celeste). Smbolo especial da Ordem Pitagrica, a Estrela de Cinco Vrtices era inscrita num pentgono. Entre os Pitagricos, era o smbolo da sade, pois mostrava a harmonia entre o corpo e a alma. As diagonais que formam a estrela intersectam-se de tal maneira que formam outro pentgono, menor, na direo inversa. Se as diagonais dentro deste pentgono menor forem desenhadas, formaro ainda outro pentgono, e assim sucessivamente. o smbolo do Crebro e do Universo Hologrficos. Este pentgono e a estrela nele inscrita composta por diagonais teriam propriedades sutis, que os Pitagricos pensavam ser msticas. O Pentagrama tem cinco pontas protetoras e uma forma interior defensiva, um pentgono defensor no centro. Colocada no Oriente da Loja, na parede acima da cabea do Venervel, chama-se Estrela do Oriente ou da Iniciao. Simboliza o homem perfeito, Deus manifestando- se plenamente no homem, o Iniciado. A Estrela de Cinco Pontas a representao do Ser Humano como corpo fsico: cabea, dois braos e duas pernas e do Homem Quntuplo ser: fsico, emocional, mental, instintivo, e espiritual. A Estrela de Cinco Pontas contm os cinco elementos encontrados dentro de um homem, e que so: fogo, terra, ar, gua e ter (substncia relacionada ao esprito) o homem de braos abertos, sem virilidade, porque j dominou suas paixes e emoes - o Homem Vitruviano de Leonardo da Vinci (maom) (Apndice 1) - O homem natural. O smbolo da Luz, da sade e da vitalidade. O nmero cinco representa o ato de amor. A quintessncia que age sobre a matria, transformando-a. Os quatro membros do corpo mais a cabea que os controla. Os quatro dedos da mo mais o polegar que os torna
  • 45. funcionais. O nmero da mutao e transformao de tudo. O Pentagrama - unio do microcosmo ao macrocosmo, do humano ao divino. Estrela Flamejante geralmente, feita de cristal e iluminada por dentro. O simbolismo da Estrela Flamejante evoca o Sol ou o Fogo Sagrado, reflexos da Luz de Deus: - Estrela de Seis Pontas: Estrela de Davi ou Selo de Salomo. Na Maonaria, como smbolos, h trs Estrelas: uma de cinco pontas, outra de seis pontas e a terceira de sete. O Selo de Salomo - a trade material e a trade espiritual. Os seis dias da Criao. A satisfao depois do esforo. O hermafrodita, segundo a simbologia grega era perfeito, pois unia o feminino e o masculino em si. A perfeio, a harmonia. O sexto sentido: a intuio, como sntese dos cinco sentidos fsicos e a porta dos sentidos metafsicos. um emblema da unidade do esprito com a matria manifestada no Universo. A ambivalncia e o equilbrio; - Estrela de Sete Pontas: A Estrela de Sete Pontas evoca o misticismo do nmero sete: as sete cores do arco-ris, as sete notas musicais, os sete estados de conscincia do homem, os sete raios csmicos, etc. O nmero da vida - a unio do ternrio (esprito) com o quaternrio (matria). Os sete espritos ante o trono de Deus. Os sete Sacerdotes da Lei Csmica. Os sete Senhores do Carma. Os sete ciclos da terra (quatro ciclos lunares com durao de sete dias). A origem do calendrio atual. A renovao celular do corpo humano (sete em sete anos). Os sete orifcios do rosto humano. A plenitude, a ordem perfeita. A medida reguladora da coeso universal: sete planetas, sete divindades, sete metais, sete cores, sete dias da semana, sete chakras, sete pecados capitais e sete virtudes que lhe so contrapostas. A lei da evoluo. O nmero dos adeptos e dos grandes iniciados; - Abelha e Colmia: A abelha extrai seu alimento das flores e vive em perfeita organizao social, por isso, tornou-se um smbolo de pureza, disciplina, trabalho e realeza. Simboliza pureza (por ser um animal que vive entre as flores), disciplina (devido organizao exemplar das colmias), trabalho (pela atividade incessante das abelhas operrias) e realeza (o poder exercido pela abelha rainha reconhecido e respeitado por todas as outras). A Abelha era um smbolo de realeza no Antigo Egito e teria sido criado a partir das lgrimas de R, o deus sol. Na Grcia Antiga, era o smbolo das sacerdotisas de feso e
  • 46. Elusis, que se chamavam "abelhas" e que preservavam a virgindade da mesma forma que as abelhas operrias. Entre os cristos, representa o Esprito Santo. A Igreja Catlica primitiva usava cera de abelhas para simbolizar a carne de Cristo, e com ela modelava pequenos cordeiros que eram distribudos aos fiis. A Abelha o smbolo da alma. A Colmia representa o prprio corpo da Maonaria: um local onde h cooperao entre seus membros e trabalho. Os antigos consideravam o mel como sendo um remdio que propiciava a imortalidade, uma vez que o nico alimento natural que no estraga. Na Grcia Antiga, era costume a oferenda de mel aos deuses para que chovesse, pois se acreditava que se a oferenda fosse feita em vinho, os deuses no permaneceriam sbrios, e no teriam condies de atender aos pedidos. O mel simboliza a doura, a suavidade, o alimento vital que traz a imortalidade. tambm uma representao da paz, da espiritualidade evoluda e do alimento dos deuses. O favo de mel guarda a maior quantidade desse lquido sem desperdcio o centro da Estrela de Seis Pontas. o smbolo das ligaes do carbono hexgono smbolo da vida e do renascimento; - Escada de Jac: um smbolo de ascenso, de elevao gradual ou evoluo, de valorizao e de razo. Simboliza, principalmente, a ligao do cu com a terra. Indica tambm ascenso, elevao espiritual, evoluo, e a conquista da sabedoria. Quando se desce a escada, porm, mergulha-se no que h de mais oculto e profundo no inconsciente. E Jac sonhou: e eis que uma escada era posta na terra, porque o sol era posto; e eis que os anjos de Deus subiam e desciam por ela; e eis que o Senhor estava em cima dela (Gnesis 28:12, 13). A escada mstica vista por Jac simboliza o ciclo retrgrado e evolutivo da vida, em seu perptuo fluxo e refluxo, atravs de nascimentos e mortes, a desdobrar-se em hierarquias de seres, mundos, reinos, vida e raas. Seus degraus so tantos quantos so as virtudes necessrias ao aperfeioamento de cada um. As trs mais importantes so a F, a Esperana e a Caridade, simbolizadas pela Cruz, a ncora e o Clice. O nmero de degraus em todos os antigos Templos, segundo Vitrvio, possuam um nmero mpar de degraus isso quer dizer que, comeando com o p direito no primeiro degrau inferior, o adepto chegaria com o mesmo p direito ao entrar no Templo, o que era considerado um afortunado pressgio. O nmero mpar de degraus simboliza a idia de perfeio, objetivo que o nefito deve almejar atingir. O sistema de filosofia Pitagrica considerava os nmeros mpares mais perfeitos que os pares. O simbolismo de nmeros manico foi baseado nos estudos de
  • 47. Pitgoras no sistema manico h a predominncia de nmeros mpares: trs, cinco, sete, nove, quinze e vinte e sete; - Trolha: Ou colher de pedreiro. Trata-se de uma espcie de p achatada com a qual os pedreiros assentam e alisam a argamassa. Sendo um instrumento neutro, deve ser visto como um smbolo da tolerncia, com a qual o maom deve aceitar as possveis falhas e defeitos dos demais irmos. Pode ser vista, tambm, como um smbolo do amor fraternal que ser, ento, o cimento que une toda a Maonaria. Desta forma, passar a Trolha significa perdoar, desculpar, esquecer as diferenas. Entendida desta forma pode ser compreendida como smbolo da Paz, que deve reinar entre os adeptos; - Espada: smbolo da energia solar, do falo, da criao e do Logos. Representa a fora, a energia masculina e a coragem. No sentido negativo, lembra os horrores da guerra. tambm um smbolo de justia, da diviso entre o bem e o mal, da deciso. Uma espada dentro da bainha significa temperana e prudncia. Acessrio muito usado nas cerimnias manicas, geralmente como smbolo do poder e autoridade, e emblema dissipador das trevas da ignorncia. Nas reunies de banquetes ritualsticos, o nome que se d faca. A faca, entre muitos povos usada como amuleto para repelir as energias negativas. A espada representa tambm a fora masculina que, coloca em movimento a energia que tem a capacidade de transformar a matria; - Espada Flamgera: Tem a lmina ondulada. usada pelo Venervel Mestre como smbolo do poder criador de Deus. Ao seu triplo tinir com os golpes do Malhete (smbolo da autoridade, de que o Venervel se acha investido pela Constituio Manica), o postulante iniciado e aceito na Ordem; - Corda Com Oitenta e Um Ns: Representa vnculo. Para os maons, uma Corda com Ns o smbolo de sua comunidade. O N simboliza o enlace e a unio. Em torno da Loja colocada uma Corda com Ns simples, feitos de espao em espao. Os Ns isolados so frgeis, mas unidos, tornam-se extremamente resistentes. A Corda representa a Cadeia de Unio. Os Ns representam os maons, que se unem sem se fundir, sem perder a sua individualidade. Os Ns, tambm lembram ao maom que, ele deve estar preparado para desatar os ns da vida: as complicaes e os
  • 48. obstculos. O nmero de Ns da Corda, oitenta e um, remete ao nmero nove: 8+1= 9, que o smbolo da imortalidade, da regenerao e da vida eterna. O nmero nove representa as hierarquias angelicais: serafins, querubins, tronos, dominaes, potestades, virtudes, principados, arcanjos e anjos. O nmero nove tambm tem relao com o Zoroastrismo: Siptman Zoroastro (6400 a.C.: fundador do Zoroastrismo, na Prsia). O Zoroastrismo estava firmado sobre trs pilares: bons pensamentos, boas palavras e boas aes. Zoroastro caminhava sempre com o seu cajado de nove ns, que representavam: um s Deus; destruio das imagens; autodisciplina; igualdade das castas; militncia; organizao; simplicidade; democracia e fraternidade universal. Alm disso, oitenta e um o quadrado de nove, que por sua vez o quadrado de trs nmero considerado perfeito pelos maons; - guia Bicfala: Animal solar. A guia tem a capacidade de voar muito alto, por esse motivo, est associada ao sol, nobreza e elevao espiritual. Um dos smbolos esotricos mais antigos da humanidade identifica-se com a nobreza, e o poder divino. A rainha das aves smbolo do sol e do cu, morada dos deuses. Seu vo personifica a alma dos xams e magos em direo ao mundo dos espritos. Entre os cristos, simboliza a ascenso de Jesus. Na Roma antiga, uma guia voando significava a elevao da alma de um soberano aps a morte do corpo fsico. Entre os gregos, representava a fora e a espiritualidade, alm de ser o animal favorito de Zeus. o nico ser que pode olhar para a luz do sol sem queimar os olhos. A guia figura nos Altos Graus manicos - representa os Graus Administrativos no Rito Escocs: Trinta e Um, Trinta e Dois, Trinta e Trs; - Fogo: Simboliza tanto a purificao como a transformao. Simboliza as emoes. Na Alquimia, o sentido do fogo o mesmo dado pelo filsofo grego Herclito: o fogo da calcinatio um fogo purgador, clareador, que atua sobre a matria negra, tornando-a branca, a albedo. Elemento da natureza que simboliza o poder regenerador, a purificao, a destruio necessria para o renascimento. Fascina o homem desde a Antigidade. Foi venerado por muitos povos e est presente em quase todas as cerimnias iniciticas. Relaciona-se ao Sol e Luz. O mais sutil, ativo e puro dos quatro elementos (terra, ar, gua e fogo) o princpio animador, masculino, em oposio gua, e fonte de energia. Nas Lojas Manicas mantm-se aceso sob a Estrela Flamgera, onde o Primeiro
  • 49. Dicono leva a luz aos seus irmos. O que purificado pelo Fogo, torna-se sagrado. O Fogo Sagrado jamais dever ser soprado, para no ser conspurcado pelo hlito humano segundo antiga tradio persa. Atravessar o Fogo representa transcender a condio humana; - Ar: Elemento da natureza que simboliza a instabilidade, a mutao constante e o movimento. Representa a fora masculina, est relacionado ao pensamento e comunicao; - gua: Elemento primordial o ponto de partida para o surgimento da vida. o elemento smbolo dos sentimentos, das emoes. um dos smbolos do inconsciente, sendo que o ato de mergulhar na gua e dela sair possui uma analogia com o ato de mergulhar no interior de si mesmo, no inconsciente. A imerso na gua pressupe um sentido de morte e dissoluo, e ao mesmo tempo, de renascimento e nova circulao. Representa a purificao, a regenerao, a profundeza e o infinito. Em quase todas as culturas, a gua aparece como smbolo da fora feminina e da emoo, associada fertilidade e vida. No aspecto negativo, a gua simboliza a destruio. A gua o elemento da natureza apontado como o princpio de todas as coisas (na cincia e na maioria das religies). Os alquimistas chamavam gua ao mercrio e, por analogia, ao corpo fludico do homem; - Mar de Bronze: Esse metal considerado um smbolo da incorruptibilidade. No Templo de Salomo o Mar de Bronze era uma enorme pia sustentada por doze touros em tamanho natural, tudo em bronze. Nessa pia os sacerdotes faziam suas purificaes. As Lojas manicas representam o Mar de Bronze como uma pia de metal usada nas iniciaes - O Mar de Bronze representa o elemento gua e, significa o esquecimento, atravs da purificao do conhecimento profano; - Terra: o oposto do Cu, e est associada fora feminina e a tudo o que misterioso. Representa o concreto, o real e em muitas culturas, relaciona-se Grande Me, fonte dos alimentos e da vida. Para os maons, o primeiro
  • 50. dos quatro elementos. A Terra se relaciona com o Universo e simbolizada por Afrodite ou Vnus, deusa da beleza, na Mitologia Greco-Romana; - Pedra Bruta: a matria prima, representativa das coisas slidas e terrenas. A pedra considerada o mediador entre os opostos, e representa a realizao do ser, a conscincia da completude. Simboliza a inteligncia do Aprendiz maom, ainda rude, porque com os vestgios do Mundo Profano, est apenas iniciando sua aprendizagem nos Mistrios da Maonaria. Ao Aprendiz cabe desbastar as arestas desta Pedra Bruta, disciplinando, educando, instruindo sua personalidade, objetivando vencer suas paixes e subordinar sua vontade prtica do bem. Assim a tarefa principal do Aprendiz consiste em trabalhar e estudar para adquirir o conhecimento do simbolismo do seu Grau e a sua interpretao filosfica; - Malho e Cinzel: Estas duas ferramentas servem para desbastar a Pedra Bruta. A primeira a vontade executiva, o Malho, insgnia do mando, vibrado com a mo direita, lado ativo, relacionada com a energia atuante e a determinao moral, comandando a realizao prtica. a ferramenta de trabalho do Aprendiz, para simbolicamente, desbastar a pedra. Para educar a personalidade para uma vida ou obra superior. O Malho simboliza a vontade, energia, deciso, o aspecto ativo da conscincia, necessrio para vencer e superar os obstculos. A segunda ferramenta representa as resolues espirituais, o Cinzel de ao, que se aplica sobre a pedra com a mo esquerda lado passivo, e corresponde receptividade, ao discernimento especulativo; - Pedra Polida ou Cbica: Havendo o Aprendiz trabalhado na Pedra Bruta com o Malho e o Cinzel, transformando-a num cubo imperfeito, cabe ao Companheiro (Segundo Grau), polir este cubo com o auxlio do Esquadro, do Nvel e do Prumo, tornando-o uma Pedra Cbica. Desbastadas as rudes arestas da personalidade, ainda como Aprendiz, cabe agora, ao Companheiro, disciplinar suas aes atravs do conhecimento adquirido, operando mudanas delicadas em seu temperamento, fazendo ento, do seu "eu", um cubo perfeito, a Pedra Polida que assim estar apta a ser utilizada na construo do edifico do Templo, isto , a humanidade perfeita.
  • 51. Desde tempos antigos, o cubo simboliza os seres angelicais, a unio de configurao emotiva e harmoniosa. Significa a evoluo do Companheiro at chegar ao estgio de Mestre; - Nvel: Linha horizontal. Indica que todos os homens so iguais. O maom no deve envaidecer-se por possuir bens transitrios como ttulos, glria, riquezas materiais, etc. No deve considerar-se superior aos outros homens. O que tem significado so os valores espirituais, adquiridos pelo indivduo em seu caminho evolutivo. Todos os homens so nivelados no mesmo plano; - Prumo: Linha vertical. o smbolo para a prospeco da prpria natureza humana. O prumo representa o encontro do maom com seu interior, onde encontrar a Centelha Divina; - Smbolos da Horizontal e Vertical: Entre os smbolos geomtricos que revelam a estrutura do Cosmo encontramos o da horizontalidade e o da verticalidade. Ainda que se trate de uma s linha reta em duas posies distintas, permite compreender outras realidades, que podem ser observadas em outros smbolos fundamentais, como a cruz e o esquadro, que se formam pela unio, num ponto, da linha horizontal e da vertical. A linha horizontal simboliza a terra e a matria, o tempo sucessivo que progride indefinidamente num plano ou nvel de realidade sem possibilidade aparente de sair dele. Tambm representa a submisso lei que regula a retido no comportamento. Simboliza um estado de passividade e quietude interior. Se a horizontal se refere ao tempo sucessivo, a linha vertical, representa o tempo simultneo e sempre presente que, ao ser percebido na conscincia, libera dos condicionamentos e limitaes terrestres. No ser humano, esse eixo vertical, essencialmente ativo, incide diretamente sobre seu corao, o centro de seu ser. A linha horizontal equivale ao nvel e a vertical ao prumo. Assim, a horizontal (a terra) o plano de base do templo, que o homem percorre em sucessivas etapas at atingir o altar ou centro desse plano, no qual se encontra o ponto de conexo com o eixo vertical, que o comunica diretamente com a chave de abbada da cpula (o cu), que representa o centro do Ser Total.
  • 52. - Luz: A Luz est associada fora Criadora o smen, que a substncia que contm o princpio Criador. A Luz simboliza a presena visvel do Grande Arquiteto do Universo. Os juramentos so feitos diante da Luz, significando que o indivduo est prestando juramento perante Deus, e no para os homens. Essa ritualstica lembra tambm que, cada maom uma Luz isolada, e que a soma dessas Luzes forma o Sol que ilumina e aquece toda a humanidade; - Sol e Lua: O Sol o fogo, a fora masculina. O criador e fecundante. A fora vital. O falo. A Lua a fora feminina. A receptora. Positivo e negativo. O Sol e a Lua so smbolos hermticos e alqumicos (ouro e prata). O Sol a vida, o masculino A Lua, sua complementaridade, o feminino. A Maonaria uma Ordem Solar (masculina), porm, os maons, trabalham noite em suas Lojas, sob a energia feminina, equilibrando os dois plos. O Sol deve estar presente na decorao do Templo, no teto, mostrando a Luz que vem do Oriente, com a Lua, que representa a Me Universal que fertiliza todas as coisas. A mulher a formadora, a que rene, rega, ceifa - a natureza do princpio passivo reunir e fecundar. As foras da Lua so magnticas, opostas e complementares s do Sol, que so eltricas. O Sol o mais poderoso corpo do Sistema Solar e a base de toda a vida na Terra. Desde os mais remotos tempos, ele o smbolo da luz. Por sua luz e seu calor, assimilado nos diversos cultos solares, a um dos principais deuses. Esotericamente, o Sol o emblema do esprito, do Eu Superior. Para a Maonaria, a luz que o Sol representa a do conhecimento; - Trs Pontos: H vrias interpretaes reconhecidas. Lembra o mstico Delta, faz referncia ao trinmio: Liberdade, Igualdade e Fraternidade, e s qualidades indispensveis ao maom: Amor, Vontade e Inteligncia. Os Trs Pontos tm uma origem bem antiga nos objetos celtas do sculo IX a. C. e, muito antes, nas cermicas egpcias e gregas. Os Trs Pontos dispostos em tringulo so uma das expresses da luz interior e do Esprito que presidiu Criao do Mundo. A tradio grega considerava o tringulo a imagem do cu. O tringulo a mais estvel das formas poligonais. a forma utilizada para unir partes de estruturas rgidas, como pontes, etc., e fortalecer outras estruturas, reduzindo a mobilidade. O tringulo apresenta-se como dois opostos que se unem ao alto, por um terceiro elemento. Os Trs Pontos traduzem a concepo
  • 53. piramidal egpcia; A Criao. A natureza trplice de Deus: Criao -Conservao - Destruio. Smbolo sexual masculino completo (pnis mais testculos). O sexo em funo reprodutiva. A trindade simboliza um processo de desenvolvimento que se desenrola no tempo. um processo dinmico, que implica em crescimento, desenvolvimento e movimento no tempo. O desenvolvimento ordenado e harmonioso do Universo. A sntese espiritual. A soluo do dualismo. A frmula da criao de cada um dos mundos. Os trs ciclos de vida: nascimento, apogeu, morte. O Conhecimento (Msica, Geometria, Astronomia), segundo Pitgoras. A composio do homem (corpo, alma, esprito). As trs esferas concntricas do Universo: natural, humano e divino; - Rgua de Vinte e Quatro Polegadas: Representa a retido, a observncia das leis toda a Natureza regida por leis que garantem o que os gregos chamavam de kosmos: a ordem harmoniosa das coisas. Na Maonaria a rgua simboliza um mtodo de realizao. Quando o postulante admitido na Ordem, ele d o seu primeiro passo em linha reta. As vinte e quatro polegadas representam as horas do dia: manter-se na retido durante todas as horas do dia; - Abbada Azulada: o teto da Loja Manica que, representa o cu com estrelas, nuvens e o Sol. A Abbada sustentada pelas Colunas, representadas pelos maons. Simbolicamente, o iniciado sustenta o universo mental; - Caixo e Caveira: Indicam a transitoriedade a mortalidade do homem. A morte inevitvel e, todos os tesouros materiais perdem o sentido. Ao mesmo tempo, o Caixo significa renovao: renascimento com novos valores, novo significado para uma nova vida. O Caixo, como smbolo manico sextavado um hexgono, representando as ligaes do carbono, do qual o corpo humano composto significa que a vida continua; - Rom: Smbolo da unio entre os maons. Como ensina Christian Jacq (A Franco- Maonaria Histria e Iniciao): A Rom era consagrada a Demter e a Persfone, pelos iniciados de Elusis, que nela viam o smbolo das riquezas ocultas da terra divinizada. Para a Igreja Catlica, a Rom representa a comunidade de fiis reunidos na Igreja que, sob a mesma casca abriga muitos
  • 54. gros. Em outras palavras, os povos mais diversos podero unir-se numa mesma f e os maons de opinies divergentes podem comungar no sagrado. Quando a Rom est madura, abre-se e atira longe os seus gros. No se poderia encontrar melhor imagem de transmisso do esprito exprimindo as inumerveis potencialidades criadoras que os maons tomaro a seu cargo. As Roms so colocadas sobre as colunas do Templo Manico. Emblemas que coroam as Colunas J Jaquim (estabelecer) e B Booz (fora) e cujos gros significam prosperidade e solidariedade da famlia manica; - Malhete: Pequeno martelo de madeira com duas cabeas: representa a vontade ativa, o trabalho, a fora. Instrumento de direo, poder e autoridade. o instrumento de trabalho do Venervel Mestre e dos Vigilantes. O Malhete deve ser usado com discernimento e lgica; se utilizado com fora descontrolada, passar a ser um instrumento de destruio, incompatvel com a Maonaria; - Nmero Nove: o nmero dos Iniciados e dos Profetas. o princpio da Luz Divina, Criadora. O Nmero Nove no simbolismo manico desempenha um papel variado e importante. A humanidade. O nmero raiz do presente estado de evoluo humana. O nmero de Ado. O nmero da iniciao: assinala o fim de uma fase de desenvolvimento espiritual e o incio de outra fase superior. As nove esferas celestes e os nove espritos elevados que as governam. O ilimitado. Os nove orifcios do corpo humano. Os nove meses da gravidez humana. O nmero dos ciclos humanos temporais na Terra; - Altar: o lugar onde o espiritual se materializa. Montado acima do nvel do cho simboliza a elevao das preces e oferendas. Representa tambm o refgio, a proteo e o contato com o Divino. Nas Lojas Manicas, no h uma uniformizao do Altar; - Labirinto: O Labirinto era uma construo do Antigo Egito: um imenso palcio quadrangular, tendo duzentos metros de comprimento e cento e cinqenta de largura. Erguia-se no lugar onde atualmente est a aldeia de Hawar, a leste do lago Mris. Havia grande quantidade de quartos, pequenos e escuros, ligados uns aos outros por muitos corredores. Egiptlogos afirmam que o Labirinto Egpcio era um depsito central, onde eram reunidas as preciosidades do fara, do povo e do pas. A construo era composta por dois andares e cada
  • 55. andar, segundo Herdoto, tinha mil e quinhentas salas. No se sabe quem construiu o Labirinto, do qual existem apenas runas. O que se sabe que uma parte dele foi construda pelo fara Amenemhat III, cerca de trs mil e quatrocentos anos a.C., e parte por sua filha Sebekneferu. tambm o nome dado ao palcio do Rei Minos, construdo na ilha de Creta e que era todo formado por inmeras passagens secretas e corredores subterrneos. Segundo a mitologia grega, mais tarde esse palcio se transformaria na morada do Minotauro. Esotericamente, por seus caminhos tortuosos e desconhecidos, o Labirinto considerado um smbolo da iniciao e representa a descoberta do centro espiritual oculto, a dissipao das trevas para o renascimento na Luz, a superao dos obstculos e o encontro com o caminho da verdade; - Pelicano: Representa o Amor e a Abnegao. Na antiga Era Crist, era considerado emblema do Salvador que derramou seu sangue pela humanidade. Ave que, segundo a lenda, se fere e mutila com o bico para alimentar com o prprio sangue seus filhotes. O Pelicano tira de suas entranhas o alimento de seus filhotes; ele expressa a idia de auto-sacrifcio como etapa necessria para se atingir a perfeio (que, a bem da verdade, nunca se alcana). Nesse particular, assemelha-se Fnix, pssaro mtico que se deixa consumir no fogo para depois renascer das prprias cinzas. A presena de ambos os pssaros bem indica que a morte anunciada aqui, da qual devem ser separados os elementos que sero transformados e reunidos, uma experincia transcendente. Tanto o Pelicano quanto a Fnix so emblemas que, atravs da morte, anunciam o renascimento, sugerindo a imortalidade da alma em seu eterno caminho de doloroso aprendizado. A Lenda do Pelicano: Enquanto o pelicano foi buscar alimento, uma cobra, escondida entre os galhos, dirigiu-se para o ninho. Os filhotes dormiam tranqilamente. A cobra aproximou-se, e com um brilho de maldade nos olhos, deu incio matana. Uma mordida venenosa em cada um, e as pobres criaturinhas passaram diretamente do sono morte. Satisfeita, a cobra voltou para seu esconderijo a fim de observar a reao do pelicano. Dentro em pouco o pssaro estava de volta. vista de tal carnificina comeou a chorar, e seu lamento era to desesperado que todos os habitantes da floresta ouviram e se entristeceram. - Que sentido tem minha vida sem vocs? - disse o pobre pssaro, olhando para os filhotes mortos - quero morrer com vocs! E ps-se a bicar o prprio peito, bem no lugar do corao. O sangue jorrou da ferida e escorreu para
  • 56. cima dos filhotes que a cobra matara. Porm de repente o pelicano agonizante teve um sobressalto. Seu sangue morno devolvera a vida aos filhotes. Seu amor ressuscitara-os. Ento, finalmente, feliz morreu. - Leonardo da Vinci; - Escada em Caracol: Simboliza a difcil trajetria do Companheiro. Com seus degraus em espiral, ela representa a dificuldade em subir, aprender e auto aperfeioar-se, mostrando que a evoluo no se desenvolve de uma forma constante e retilnea. Representa a regenerao peridica; - Livro da Lei: Simboliza a Lei Divina. o volume colocado sobre o Altar dos Juramentos - ou Livro da Sabedoria. Para os cristos, a Bblia; para os hebreus, o Talmude ou o Antigo Testamento; para os muulmanos, o Alcoro; para os adeptos do bramanismo, os Vedas; para os seguidores de Zaratustra, ou Zoroastro, o Zenda-Avest; - Colunas Zodiacais (Rito Escocs Antigo e Aceito): Os Signos Zodiacais, assim como todos os mitos solares e agrrios da Antiguidade, representam a morte e o renascimento anual da Natureza. Por isso, eles simbolizam o iniciado, desde que, como candidato, ele encerrado na Cmara de Reflexo - representado por ries, passo inicial da renovao da natureza pelo Fogo, simbolizando o Fogo Interno, o ardor do candidato procura da Luz at o pice de sua caminhada manica, quando recebe o Grau de Mestre - representado por Peixes, a total renovao da Natureza, a volta do Sol e da vida, pronto para mais um ciclo. Os Signos relacionados com o Grau de Aprendiz so: ries, Touro, Gmeos, Cncer, Leo e Virgem. Simbolizam solidez, fora, a ligao entre a terra e o cu. Os atuais Templos Manicos (Rito Escocs Antigo e Aceito) tm Doze Colunas que correspondem aos Signos do Zodaco, e podem ser consideradas a base mental da Loja. As Colunas, nos antigos cultos de fertilidade, podem aparecer como representao do rgo sexual masculino; - Colunas Gregas: A Coluna simboliza limites, pois possui um eixo ou centro. As Trs Colunas, das trs ordens arquitetnicas gregas (Drica, Jnica e Corntia) so as que, simbolicamente, sustentam a Loja de Aprendiz, sendo, por isso, assimiladas ao
  • 57. Venervel Mestre e aos dois Vigilantes. Trs das principais Colunas so representadas pelo Venervel Mestre e pelos Primeiro e Segundo Vigilantes. H outra Coluna, totalmente invisvel, que se eleva do Altar at o Grande Arquiteto do Universo. As Colunas colocadas na entrada da Loja representam as Colunas de Salomo: Jaquim (ele firmar pilar da direita tem esse nome por causa do sumo sacerdote que realizou a sagrao dessa seo no Templo de Salomo) e Booz (nele est a fora pilar da esquerda assim denominado por causa de Booz, o bisav de Davi, rei de Israel), construdas por Hiram Abiff. A unificao desses dois pilares representa estabilidade. A Coluna Drica, a mais forte, sem base e com um capitel (cabea da coluna) simples, mas de alta plasticidade a personificao da Fora do homem, sendo, por isso, assimilada pelo Primeiro Vigilante, responsvel pela Coluna da Fora. A Coluna Jnica, mais esbelta, com uma base e um capitel trabalhados, com quatro voltas a representao da Sabedoria, sendo, portanto, assimilada pelo Venervel Mestre, personificao da Sabedoria. A Coluna Corntia, com um capitel de maior sutileza plstica a representao da Beleza, sendo assimilada pelo Segundo Vigilante, responsvel pela Coluna da Beleza; - Ouroboros: O Ouroboros um smbolo antiqssimo resgatado pela tradio alqumica, onde se v uma serpente que morde a prpria cauda e devora a si mesma. Foi largamente usado nos desenhos celtas. Representa o equilbrio entre o masculino e o feminino universais. tambm a representao simblica do Infinito e do Equilbio Dinmico Universal. O Ouroboros o smbolo da meta a ser alcanada, a unio dos opostos. Sem incio nem fim, o crculo simboliza a eternidade, a imortalidade, a perfeio. O crculo simboliza a eternidade, posto que alfa e mega. O incio e o fim da vida humana; - Borda Festonada: Este ornamento , geralmente, colocado no permetro da Loja. Tem vrias interpretaes e, relembra a Cadeia de Unio, a unidade constante entre os maons. Em geral, a Borda Festonada ou Orla Dentada, dourada. 5- Maonaria e Hermetismo: Desde a Pr-Histria, o homem sempre teve a necessidade de desenvolver uma cultura mstica. O medo do desconhecido e a necessidade de dar sentido ao mundo que o cercava, levaram o homem primitivo a criar sistemas de
  • 58. crenas e rituais mgicos. O homem buscava o significado dos fenmenos da Natureza e de sua prpria existncia. O Perodo Pr-Histrico o considerado sem documentao escrita. A Pr- Histria divide-se em Idade da Pedra, do Bronze e do Ferro. A Idade da Pedra divide-se em dois perodos: Paleoltico ou Idade da Pedra Lascada, e Neoltico ou Idade da Pedra Polida. O Perodo Paleoltico, a etapa mais antiga da Pr-Histria, comeou h cerca de dois milhes de anos e terminou h cerca de dez mil anos. Nessa poca ocorreu uma importante evoluo fsica entre os homindeos: surgiram os primeiros homens modernos, isto , os da espcie homo sapiens - evoluo fsica acompanhada de evoluo cultural correspondente ao tamanho de seus crebros. O Perodo Paleoltico ou da Pedra Lascada, divide-se em trs etapas: Inferior, Mdio e Superior. Seu desenvolvimento est ligado s quatro fases da Era Glacial, separadas por intervalos de clima temperado conhecidos como eras inter-glaciais. No Paleoltico o homem divinizava as foras da Natureza. Uma descoberta primordial do Perodo Paleoltico foi o fogo - depois disso, o homem passou a assar a carne e a cozinhar vegetais. Junto ao fogo os grupos de homindeos se reuniam, protegiam-se do frio, dos ataques de predadores, e atravs da linguagem, desenvolviam suas crenas. Com a utilizao do fogo, o ser humano, passou a ter mais controle em relao ao que acontecia sua volta. O homem chega ao Perodo Neoltico com maior desenvolvimento fsico, intelectual e espiritual, como comprovam achados fsseis. Desenvolvia sua inteligncia, sua linguagem verbal e a linguagem simblica. Tambm adorava deusas que representavam a fecundidade, pois uma das principais preocupaes do homem primitivo era a preservao da espcie. No Neoltico o homem continuou divinizando as foras da Natureza, e muito provavelmente acreditava na vida aps a morte, pela maneira como enterrava seus mortos: debaixo de grandes lajes de pedra suspensas, com suas roupas, armas, enfeites e oferendas. O homem o nico animal com percepo clara da inevitabilidade de sua morte. A capacidade de prever (que aconteceu com a evoluo dos lobos pr- frontais) teve como conseqncia a conscincia da morte. Essas cerimnias fnebres que incluam o sepultamento de alimentos e utenslios com o falecido sugerem no apenas a conscincia da morte, mas tambm uma cerimnia ritual j desenvolvida para manter o morto na vida alm da vida. Com o tempo houve uma evoluo e, medida que o homem passou a organizar sua existncia numa base mais racional, sentiu a necessidade de ir
  • 59. alm das relaes com as foras que povoavam o Universo: passou tambm a temer as aes do ser superior que criara todo aquele Universo. Assim nasceram as religies - as religies consistem em um corpo organizado de crenas que ultrapassa a realidade da ordem natural e tem por objeto o sagrado ou sobrenatural. Hermes um dos doze deuses do Olimpo, mensageiro dos deuses, correspondente ao deus Mercrio dos romanos, filho de Zeus com Maia, uma das pliades, filhas do gigante Atlas. Hermes criou a lira, cujo som encantou o deus Apolo, que trocou seu rebanho e o caduceu (basto com duas cobras entrelaadas e duas asas na parte superior) por ela. Ganhou tambm, de Apolo, o dom da profecia, obtido em troca da Flauta de P. Era protetor dos pastores e seus rebanhos, dos cavalos e animais selvagens. Mais tarde tornou-se deus dos viajantes, dos comerciantes e dos ladres. O Hermetismo baseia-se na figura de Hermes Trismegistos, que combinava aspectos do deus Hermes com os do deus egpcio Thot (deus da sabedoria, representado com a cabea de bis). No Egito Antigo, todos os textos religiosos contm a suposio da continuidade da vida em outro plano e, esto no Livro dos Mortos. Alm da religio propriamente dita, havia a parte inicitica ou filosfica, contida nos livros de Hermes Trismegistos - ou seja, o possuidor das trs quartas partes da sabedoria universal (o qual teria vivido no sculo XX a.C.): esses livros formam o Hermetismo - o Pimandro, o Asclepios e a Tbua de Esmeralda, cuja origem remotssima, sendo anterior s civilizaes grega e romana e, ainda anterior a Pitgoras e a Plato. Esses livros surgiram no sculo XII, atravs das Cruzadas e dos contatos com o mundo islmico - apareceram na Europa Ocidental esses textos hermticos traduzidos do rabe para o latim. O mais conhecido de todos esses textos a Tbua de Esmeralda, assim denominada porque foi gravada em uma pedra verde, j que os antigos atribuam cor verde as artes mgicas, e teria sido escrita pelo prprio Hermes (mas, alguns relatos informam que Hermes Trismegistos escreveu mais de trinta livros sobre teologia e filosofia e seis sobre medicina e parece que todos desapareceram nos perodos de invases e guerras que o Egito sofreu ao longo da histria. Os egpcios atribuam a Hermes a autoria de quarenta e dois livros sobre cincias ocultas). Hermetismo a doutrina esotrica e filosfica resultante do estudo dos escritos atribudos a Hermes Trismegistos - Hermes Trs Vezes Grande: porque foi considerado o maior dos filsofos, o maior dos sacerdotes e o maior dos reis - uma deidade sincrtica.
  • 60. Segundo So Clemente de Alexandria (150-215), Hermes seria autor, ou inspirador de quarenta e dois livros: trinta e seis conteriam a cincia dos egpcios e os restantes conhecimentos de medicina. Entre as obras atribudas a Hermes, e compiladas a partir do sculo III d.C., podem ser citadas: a Tbua de Esmeralda, o Corpus Hermeticum do sculo VI d.C., Pistis Sophia, o Pimandro (Pastor de Homens) e o Kratere do sculo III d.C., o Asclpios, o Kor Kosmou (Virgem do mundo) e o Liber Hermetis (Livro de Hermes). Esta figura percorre toda a histria do Ocidente, at nossos dias, j que no s o Trismegistos alexandrino, o Hermes grego, o Mercrio romano - mas tambm o Thot egpcio, o Odin e Wotan nrdicos, o Enoch, Elias e Eliseu bblicos e o Quetzalcoatl tolteca e seus anlogos em toda a Amrica. A divindade de Hermes Trismegistos provm da introduo do deus Thot na religio grega. Thot um deus egpcio que simboliza a lgica organizada da Vida. Ele relacionado aos ciclos lunares, que expressam a harmonia do Universo. tambm assimilado como deus do Verbo e da Sabedoria e foi identificado com o Hermes grego. Como deus da Sabedoria, a Thot foram atribudos vrios textos sagrados que descrevem os segredos da Existncia. Os textos hermticos antigos podem ser considerados tambm veculos de ensinamentos e base iniciao e ao esoterismo egpcio. A doutrina esotrica hermtica supe relaes misteriosas entre as partes visveis e invisveis do Universo, misturando Filosofia e Alquimia: alguns pesquisadores afirmam que a palavra alquimia vem da expresso rabe al khen, que significa o pas negro, nome dado ao Egito na Antigidade. Outros acham que est relacionada ao vocbulo grego chyma, que diz respeito fundio de metais. A Alquimia uma tradio que busca a sabedoria e a compreenso da Natureza, atravs de elementos da qumica, fsica, astrologia, arte, metalurgia, medicina, misticismo e religio. A arte alqumica, ao tratar da transmutao dos metais, considera estes como os smbolos das mudanas psicolgicas. A cincia alqumica um espelho em que o aprendiz deve se olhar para compreender a estrutura do Cosmo e de sua prpria constituio.._,___ Os trs principais objetivos da Alquimia so: - Transmutao dos metais inferiores em ouro; - Obteno do Elixir da Longa Vida, uma panacia universal, um remdio que curaria todas as doenas e daria vida eterna queles que o ingerissem. Esses dois primeiros objetivos poderiam ser atingidos ao obter-se a Pedra Filosofal, uma substncia mstica que amplificaria os poderes de um alquimista;
  • 61. - O terceiro objetivo era criar vida humana artificial, os homnculus. Alguns estudiosos postulam que o Elixir da Longa Vida e a Pedra Filosofal so temas simblicos, metforas para um caminho espiritual. Todos os preceitos fundamentais e bsicos introduzidos nos ensinos esotricos de cada raa foram formulados por Hermes. Mesmo os mais antigos, da ndia, tiveram a sua fonte nos preceitos hermticos originais. Da ndia muitos estudiosos deslocaram-se para o Egito, para aprenderem com Hermes. De outros pases tambm viajaram vrios mestres para o Egito, percebendo-se atualmente a influncia dos Princpios Hermticos em todas as religies. No sculo XIX, trs Iniciados escreveram o livro Caibalion, que registra as Sete Leis do Hermetismo. No um livro oriundo da era pr-crist como se supe. um livro sobre os Princpios Hermticos, e foi publicado pela primeira vez em 1908, em ingls. Os Sete Princpios ou Preceitos Hermticos: - Princpio do Mentalismo: Tudo Mente. De acordo com esse princpio, todo o mundo fenomenal ou Universo simplesmente uma criao mental do Todo. Pode-se interpretar, tambm, que no existe realidade absoluta cada indivduo cria sua interpretao de realidade, conforme seus processos mentais de distores, omisses e generalizaes; - Princpio da Correspondncia: O que est em cima como o que est embaixo, e o que est embaixo como o que est em cima. Segundo alguns autores, esse preceito afirma a existncia, no Universo, de trs grandes planos de correspondncia: O Plano Fsico, Plano Mental e o Plano Espiritual. Explica que h uma harmonia, uma correlao e correspondncia entre esses diferentes planos de Manifestao, Vida e Existncia, unindo o microcosmo e o macrocosmo. Tudo emana da mesma fonte - o macrocosmo como o microcosmo (as galxias e os tomos); - Princpio da Vibrao: Nada est parado; tudo se move; tudo vibra. Ensina a verdade de que no Universo nada est parado, tudo est em constante vibrao e movimento. A cincia j comprovou a verdade por trs desse princpio as estruturas moleculares no so inertes elas se movem. Toda matria est em movimento. Mas vai mais alm quando afirma que toda a manifestao do pensamento, emoo, raciocnio, vontade e desejo determinam vibraes que podem afetar a mente de outras pessoas por induo, explicando os fenmenos de telepatia, influncia mental e outras formas de poder da mente. Essa tese est sendo seriamente investigada pelos
  • 62. cientistas atuais. As diferenas entre as diversas manifestaes da matria, energia, mente e esprito, resultam de ordens variveis de vibrao. Segundo Cludio Blanc (escritor manico), Masaru Emoto em seu livro Hado- Mensagens Ocultas na gua cita um artigo de Warren J. Hamerman publicado em 1989 na revista 21st Century Science and Technology. Nesse texto, Hamerman explica que a matria orgnica da qual os seres humanos so formados, gera uma freqncia que pode ser representada pelo som de aproximadamente quarenta e duas oitavas acima do d maior central do piano. O padro do d central cerca de 262 hz. Isso significa que essa nota vibra 262 vezes por segundo. Com base nessa afirmao, Emoto calculou que os seres humanos vibram 570 trilhes de vezes por segundo; - Princpio da Polaridade: Tudo duplo; tudo tem dois plos; tudo tem o seu oposto; o igual e o desigual so a mesma coisa; os opostos so idnticos em natureza, mas diferentes em graus; os extremos se tocam; todas as verdades so meias verdades; todos os paradoxos podem ser reconciliados. Esse preceito, afirma que todas as coisas manifestadas tm dois lados, dois plos opostos, dois aspectos com muitos graus de diferena entre os extremos. Ensina que os pares de opostos so uma mesma coisa diferindo apenas no seu grau: calor e frio so idnticos em natureza, mas diferentes em grau, assim como amor e dio, a luz e a escurido, o bem e o mal, etc, tambm o so. Tudo duplo, tudo tem dois plos, tudo tem o seu oposto. A complementaridade quntica, que rene naturezas aparentemente opostas e antagnicas - se um objeto qualquer for quebrado na menor poro de matria fsica, obtm-se o tomo. Se for quebrado em partes menores, obtm-se o prton, se o prton for quebrado, consegue-se o mson, bson e pon; quebra-se o on e obtm-se os seis quarks; quebra-se o menor deles e, poder haver uma chance de 50% de obter matria, partcula ou 50% de onda, energia; - Princpio do Ritmo: Tudo tem fluxo e refluxo, tudo tem suas mars, tudo sobe e desce. Tudo se manifesta por oscilaes compensadas: a medida do movimento direita a medida do movimento esquerda. O ritmo a compensao. Tudo se manifesta para frente e para trs. A criao e destruio de civilizaes. O auge e a queda. Nada linear - tudo vai e vem. H um constante fluxo e refluxo, uma mar alta e uma baixa, um constante movimento entre os dois plos de todas as coisas manifestadas nos trs Grandes Planos. Esse Princpio relaciona-se com o Segundo Princpio (Correspondncia) e com o Quarto Princpio (Polaridade);
  • 63. - Princpio da Causa e Efeito: Toda a causa tem seu efeito. Todo o efeito tem sua causa. Tudo acontece de acordo com a lei; o acaso simplesmente um nome dado a uma lei no reconhecida; h muitos planos de causalidade, porm nada escapa lei. O acaso um nome dado para indicar que uma causa no foi reconhecida ou percebida. No nosso Universo sempre h uma causa antecedendo a todo o efeito, em todos os planos. Todo ato tem suas conseqncias. No existe acaso, mas sincronicidade sincronicidade (do grego syn, e chronos, tempo) um princpio que deve explicar a relao significativa de acontecimentos, a coincidncia significativa entre dois ou mais fatos. A hiptese foi desenvolvida por Carl Gustav Jung (1875 1961: psiquiatra suo, maom) num trabalho conjunto com o fsico Wolfgang Pauli (1900-1958). Jung distingue trs categorias de sincronicidade: 1) coincidncia de um estado psquico do observador com um acontecimento objetivo simultneo, que corresponde ao estado psquico, sem que se possa pensar em uma relao causal; 2) coincidncia de um estado psquico com um acontecimento exterior correspondente, de que o sujeito no tenha conhecimento; 3) coincidncia de um estado psquico com um acontecimento futuro. Essas coincidncias se compem de dois aspectos: 1) uma imagem inconsciente torna-se consciente; essas imagens so diretas, quer dizer, reproduzem diretamente o acontecimento exterior, ou so indiretas, simbolizam o acontecimento. Segundo Jung, a maior parte das imagens de natureza arquetpica; 2) o acontecimento exterior. Com a hiptese da sincronicidade, Jung tenta compreender no apenas manifestaes paranormais em sentido estrito, mas tambm a Astrologia e a Clarividncia. Nas reflexes de Jung a respeito da sincronicidade, conceitos como o pleroma gnstico desempenham tambm um papel: pleroma significa no gnosticismo o lugar de Deus e de todas as revelaes; se se concebe um espao intermedirio, nem psquico, nem fsico, pode-se entender os fenmenos de sincronicidade como uma participao do espiritual e da realidade exterior nos acontecimentos desse mundo intermedirio;
  • 64. - Princpio do Gnero: O gnero est em tudo; tudo tem o seu princpio masculino e o seu princpio feminino; o gnero se manifesta em todos os planos. H gnero manifestado em tudo, como Princpios Masculino e Feminino, presentes e em ao em todos os fenmenos e planos de vida. Seu objetivo criar, produzir e gerar, sendo o aspecto feminino o que manifesta a gerao ou produo de novas formas de energia, procurando unir-se ao aspecto masculino, por um impulso natural de criar novas formas de matria ou energia - e o aspecto masculino o que dirige uma determinada energia para o feminino pondo em atividade o processo criativo. O feminino passivo e negativo e o masculino ativo e positivo. Explica as atraes e repulses, inclusive eltricas e eletromagnticas, nos Universos macrocsmico e microcsmico. Em todas as coisas existe uma energia receptiva feminina, e uma energia projetiva masculina o Yin e Yang dos chineses; Outros axiomas hermticos: Os lbios da sabedoria esto fechados, exceto aos ouvidos de entendimento.; Em qualquer lugar que se achem os vestgios do mestre, os ouvidos daqueles que estiverem preparados para receber o seu ensinamento se abriro completamente.; A mente (to bem como os metais e os elementos) pode ser transmutada de estado em estado, de grau em grau, de plo em plo, de vibrao a vibrao.; Para mudar a vossa disposio ou vosso estado mental, mudai a vossa vibrao.; Para destruir uma desagradvel ordem de vibrao mental, ponde em movimento o Princpio da Polaridade e concentrai-vos no plo oposto ao que desejais suprimir. Destru o desagradvel mudando sua polaridade.; O ritmo pode ser neutralizado pela aplicao da Arte da Polarizao.; Sob as aparncias do Universo, do tempo, do espao e da mobilidade, est sempre encoberta a realidade substancial: a verdade fundamental.; Na sua essncia, o Todo incognoscvel.; O Universo mental: ele est dentro da mente do Todo.;
  • 65. O Todo cria na sua mente infinita inumerveis Universos, que existem por eons de tempo; e contudo, para o Todo, a criao, o desenvolvimento, o declnio e a morte de um milho de Universos como o tempo do piscar de um olho.; A mente infinita do Todo a matriz dos Universos.; No h nenhum rfo de pai ou de me no Universo.; Enquanto tudo est no Todo, tambm verdade que o Todo est em tudo. Aquele que compreende esta verdade alcanou o grande conhecimento.; Os falsos sbios, reconhecendo a irrealidade comparativa do Universo, imaginaram que poderiam transgredir as suas leis: estes tais so vos e presunosos loucos; eles se quebram na rocha e so feitos em pedaos pelos elementos, por causa da sua loucura. O verdadeiro sbio, conhecendo a natureza do Universo, emprega a lei contra as leis, o superior contra o inferior; e pela arte da Alquimia transmuta aquilo que desagradvel naquilo que agradvel, e deste modo triunfa. O domnio no consiste em sonhos anormais, em vises, em vida e imaginaes fantsticas, mas sim no emprego das foras superiores contra as inferiores, escapando assim das penas dos planos inferiores pela vibrao nos superiores. A transmutao no uma denegao presunosa, a arma ofensiva do Mestre.; A posse do conhecimento sem ser acompanhada de uma manifestao ou expresso em ao, como o amontoado de metais preciosos, uma coisa v e tola. O conhecimento , como a riqueza, destinado ao uso. A lei do uso universal, e aquele que viola esta lei sofre por causa do seu conflito com as foras naturais. Os Princpios Hermticos permitem a transmutao da mente, que a evoluo. Maonaria e Hermetismo buscam transformar tudo que grosseiro em algo sutil - a pedra bruta em pedra polida. Maonaria e Hermetismo tm como objetivos a transmutao do homem. O homem, atravs de sua essncia Divina, pode realizar-se e ser feliz - o que a Maonaria ensina, estimulando o desenvolvimento e trilha pessoais que, desabrocharo no ser espiritual que todo ser humano . E, esse preceito estava gravado na entrada do Templo de Apolo, o Orculo de Delfos (Grcia): Conhece-te a ti mesmo e conhecers o Universo e os deuses. O caminho para o divino, em cada um, o caminho individual - a senda do auto-conhecimento. Hermes considerado o pai e fundador tambm da Alquimia, de onde surgiram as Cincias Ocultas ou Hermticas que originaram, na Maonaria, os
  • 66. Ritos e Graus Hermticos. A influncia do Hermetismo foi marcante, j que nos primeiros tempos do cristianismo, Hermes era considerado como o criador de toda inteligncia humana, citado, inclusive, em documentos da fase operativa da Ordem. O Hermetismo foi cultivado durante a Idade Mdia sob vrias denominaes: Ocultismo, Esoterismo, Alquimia, Astrologia, Cabala e influenciou quase todas as correntes de pensamento filosfico da poca. Mas, sob o nome de Hermetismo designou-se particularmente a parte terica e filosfica da Alquimia medieval, segundo a qual existem ntimas e misteriosas relaes entre todas as pores do Universo visvel e invisvel. Os maons operativos, que escreveram as Antigas Constituies (Old Charges), obtiveram seus conhecimentos atravs do famoso Polycronycon, do monge Ranulfo Hidgeu, traduzido em 1482, onde ele repete vrias vezes que o Manuscrito Cooke, cuja data provvel dos fins do sculo XV, j era familiar aos escritores das Constituies anteriores. Em todos os registros e manuscritos antigos que contm as lendas da Ordem, fazia-se referncia a Hermes Trismegistos como fundador da Maonaria. Assim, o manuscrito da Grande Loja dos Operativos, que data de 1632, afirma que o grandioso Hermarino, filho de Cuby, filho de Sem e neto de No, foi identificado posteriormente como Hermes, o Pai da Sabedoria. Durante o sculo XVIII, muitos ocultistas foram Iniciados na Maonaria, impregnando-a com seus conhecimentos. Surgiram e floresceram vrios Graus Manicos dedicados ao estudo das cincias ocultas. 6 - Maonaria e Astrologia: Astrologia pode ser definida como um sistema simblico que relaciona o macrocosmo (os Planetas) e o microcosmo (o indivduo na Terra). Os fenmenos da Natureza e os astros (Sol, Lua, Estrelas), sempre exerceram curiosidade, atrao e respeito no homem primitivo. Os homindeos do Paleoltico divinizavam as foras da Natureza. No perodo Neoltico, alm da Natureza, os homindeos criaram novos deuses, sempre relacionados ao universo que os envolvia. Com o advento da agricultura (cerca de dez mil anos atrs), o homem percebeu que a vida das plantas obedecia a um determinado ciclo, comandada pelos astros, no cu, e que havia um momento propcio para arar, semear e colher. Eis a, o nascedouro da Astrologia. Porm, h registros
  • 67. das fases da Lua inscritas em ossos, quinze mil anos atrs, na Mesopotmia (terra entre os rios Tigre e Eufrates). O estudo dos astros pode ter se iniciado na Mesopotmia. A Caldia era uma regio ao sul da Mesopotmia, principalmente na margem oriental do rio Eufrates, mas muitas vezes o termo usado para se referir a toda a plancie mesopotmica. A Astrologia, possivelmente, teve origem na antiga Caldia. Com seus conhecimentos astronmicos, os caldeus conheciam os planetas at Saturno. Conheciam muito bem as fases da Lua, prevendo com preciso os eclipses. Foram eles que, criaram os Doze Signos do Zodaco. Os caldeus perceberam que determinadas pocas ou signos produziam certos traos de carter, e com isso criaram toda a base da simbologia que hoje a Astrologia. A civilizao mesopotmica nasceu h cerca de quatro mil anos a.C. com o povo ubaida. Depois vieram os sumrios, com a escrita cuneiforme. Em 1350 a.C., tem incio o Imprio Assrio, que controla a antiga Prsia, Sria, Palestina e Egito. Os sumrios criaram o sistema sexagesimal que, facilitou operaes matemticas e o desenvolvimento da astronomia. Os egpcios adotaram esse sistema e, construram obras arquitetnicas alinhadas s estrelas fixas, com preciso. Por todos os sculos seguintes, os povos que viveram entre os rios Tigre e o Eufrates continuaram a registrar suas observaes do cu. Com a dominao do rei Ciro II da Prsia, a regio estabiliza-se. Os persas, no contato com os astrlogos da Mesopotmia, introduziram a matemtica no clculo astronmico e astrolgico - h um grande avano com a regularizao dos calendrios, como conseqncia de um entendimento maior dos ciclos celestes. Depois que Alexandre, O Grande, conquistou o Egito (331 a.C.), houve um destaque na historia da Astrologia. O perodo alexandrino foi rico na produo intelectual. O avano das tropas de Alexandre, fez com que o idioma grego se espalhasse como lngua cultural. Assim, os mtodos babilnicos anexados Astrologia egpcia, puderam chegar, em idioma grego, ndia. Mesmo aps a dominao romana, a cultura era helenista. Data do primeiro sculo d.C. o mais longo tratado astrolgico - o autor Doroteu de Sidon e o trabalho o Pentateuco, um longo poema astrolgico em cinco livros.
  • 68. O imperador romano Adriano (117 d.C.) foi considerado o patrono da Astrologia e seu mapa natal chegou at nossos dias. Cludio Ptolomeu (100-170 d.C.?), egpcio de nascimento, cidado romano e que escrevia em grego, foi o organizador de uma corrente representativa do conhecimento astrolgico - escreveu o Almagesto. No final do sculo II d.C., Antiquio de Atenas compila textos de astrlogos anteriores - uma das partes o Thesaurus. Em 313 d.C., o cristianismo torna-se a religio oficial, mas o paganismo ainda tolerado. Em 410 d.C., Roma caiu, com a chegada dos visigodos. Em 476 d.C. o Imprio Romano do Ocidente chegava ao fim. A primeira fase do Imprio Bizantino vai de 324 a 640 d.C. Os dias gloriosos da Astrologia terminaram oficialmente, em 357 d.C., com Constncio. Prximo ao ano 227, a regio do atual Ir foi tomada pelos exrcitos sassmidas do persa Adachir I, que transformou o Zoroastrismo em religio do estado. A Astrologia rabe foi uma extenso da tradio Astrolgica grega e recebeu influncias da Astrologia hindu. Aps a dominao rabe, a maior parte dos textos de astrologia persa foi destruda. Na Idade Mdia os astrlogos eram chamados mathematici, pois a Astrologia era a aplicao mais importante da matemtica. A prtica da medicina era baseada na determinao astrolgica do tratamento adequado, portanto os mdicos tambm eram matemticos, como Tycho Brahe. A Astrologia e a Astronomia eram, de incio, um mesmo estudo. Tycho Brahe, por exemplo, nascido em 1546, era mdico e astrnomo em Copenhague, mas tambm astrlogo do rei da Hungria. A Astrologia era respeitada e, somente criticada por fatores intercorrentes: Dante Alighieri (maom) expe ao ridculo, no Inferno da Divina Comdia, os astrlogos Guido Bonatti (conselheiro de Guido de Mdici) e Michael Scott, mas por misturarem necromancia Astrologia, abusando dos conhecimentos obtidos. Cecco d'Ascoli, professor de astrologia em Bolonha,
  • 69. foi queimado vivo na fogueira em 1327 no por ser astrlogo, mas por suas opinies consideradas herticas. O Renascimento trouxe uma difuso da Astrologia, apoiada inclusive pelo papado. Na Maonaria, a presena da Astrologia patente. Um exemplo so as Doze Colunas do Templo (Rito Escocs Antigo e Aceito), que correspondem aos Signos do Zodaco. O Zodaco uma faixa celeste imaginria, que se estende entre oito a nove graus em cada lado da eclptica e que com esta coincide. Eclptica o caminho que o Sol, do ponto de vista da Terra, parece percorrer anualmente no cu. Essa faixa foi dividida em doze casas de trinta graus cada uma, e o Sol parece se mover um grau por dia. Os Planetas conhecidos na Antiguidade (Mercrio Saturno) tambm faziam parte do Zodaco, pois suas rbitas se colocavam no mesmo plano da rbita da Terra. O Zodaco ento dividido em Doze Constelaes, que so percorridas pelo Sol, uma vez por ano. Os Signos representam o aprendizado percorrido pelo maom, desde sua iniciao na Ordem at o Grau de Mestre Maom. Nos Templos, (Rito Escocs Antigo e Aceito), cada uma das Doze Colunas, que representa uma das Constelaes Zodiacais, sustenta simbolicamente a calota celeste e representa um ms do ano manico. As Doze Colunas Zodiacais esto situadas no Ocidente, estando seis no lado Norte, onde tm assento os Aprendizes, e seis no lado sul, onde tm assento os Companheiros. De um modo geral, essas Colunas simbolizam o caminho inicitico do Aprendiz, Companheiro e Mestre, resumido pelo desbastamento da pedra bruta, ou seja, o seu aperfeioamento moral e espiritual. As seis Colunas que esto no Norte, relacionam-se a essa caminhada do Aprendiz. O incio do aprendizado comea na Cerimnia de Iniciao, isto , a abertura da porta que autoriza o comeo das passadas. Se olharmos horizontalmente para o cu no equador celeste, o limite do Universo so as Doze Constelaes. As Doze Colunas transmitem a idia de que as leis do Universo chegam at ns pelo que representam os Signos Zodiacais e as Constelaes. Outro exemplo so as trs colunas gregas Drica, Jnica e Corntia, que representam a Fora, a Sabedoria e a Beleza correspondem a Ares (ou Hrcules), Minerva e Vnus. Os quatro elementos: Terra, gua, Ar e Fogo, que formam toda a Criao na Astrologia, fazem parte da simbologia manica.
  • 70. Alguns autores traam um paralelo entre os Trs Graus Simblicos e os Signos: - Aprendiz: ries, touro, gmeos, cncer, leo e virgem; - Companheiro: libra; - Mestre: escorpio, sagitrio, capricrnio, aqurio e peixes. O maom, em seu caminho inicitico, pode percorrer e aprender com as caractersticas de cada Signo do Zodaco: - ries: representado por Marte e pelo Fogo - o fogo interior, a fora que estimula o crescimento e o desenvolvimento; - Touro: representado por Vnus e pelo elemento Terra - a matria, na qual se d a fecundao, a elaborao interior; - Gmeos: representado por Mercrio e pelo Ar - a criatividade, a versatilidade, a engenhosidade e a vitalidade criadora; - Cncer: representado pela Lua e pela gua - o aprendizado em relao tenacidade e a cautela; - Leo: representado pelo Sol e pelo Fogo - o emprego da razo com base crtica; - Virgem: representado por Mercrio e pelo elemento Terra - o emprego do esprito analtico; - Libra: representado por Vnus e o Ar - simboliza o equilbrio entre os dois plos, que so a construo e a destruio; - Escorpio: representado por Marte e a gua - simboliza emoes e sentimentos como o rancor e a obstinao; - Sagitrio: representado por Jpiter e pelo Fogo - simboliza a mente aberta e o julgamento crtico; - Capricrnio: representado por Saturno e pelo elemento Terra - simboliza determinao e perseverana; - Aqurio: representado por Saturno e pelo Ar - simboliza o sentimento humanitrio e solidariedade;
  • 71. - Peixes: representado por Jpiter e pela gua - simboliza o desprendimento das coisas materiais. O iniciante maom, tambm pode observar como aprendizado, as caractersticas de cada Planeta: Sol: Regente do signo de Leo. Simboliza a vida, marca o signo do nascimento. Smbolo de autoridade, de poder, de orgulho e de desenvolvimento. Lua: Regente do signo de Cncer. Tal como o Sol, representa a vitalidade fsica e o grau de evoluo, principalmente na rea psquica. Mercrio: Regente dos signos de Gmeos e Virgem. Na mitologia grega (e romana), Mercrio o mensageiro dos deuses do Olimpo. o planeta da inteligncia, da adaptabilidade, regendo a vida mental. Mercrio marca a adolescncia do ser humano. Vnus: Regente dos signos de Touro e Libra. Vnus era a deusa do amor, da beleza e das artes. Marte: Regente dos signos de ries e Escorpio. Deus da guerra, Marte simboliza a energia, a vontade de empreender, a coragem, a ao, que pode chegar violncia. Potencial de agressividade, sobre o esprito de conquista. Rege a indstria, o fogo, o ferro. Jpiter: Regente do signo de Sagitrio (e, secundariamente, Peixes). Pai e soberano dos deuses do Olimpo, Jpiter reina sobre as leis e a religio. o planeta da autoridade, do xito social e das honras, da burguesia. Com Mercrio partilha o domnio sobre a razo e sobre o intelecto. Jpiter marca a idade madura do ser humano. Saturno: Regente do signo de Capricrnio. Deus do Tempo, Saturno marca a velhice do indivduo. Representa a pacincia, a prudncia, a meditao, esprito cientifico, e a solido. Desempenha um papel na doena, na fatalidade, na runa, no isolamento. Num sentido positivo, Saturno apia os esforos de longa durao, o trabalho obstinado, a capacidade de organizao.
  • 72. Seguem-se os planetas de descoberta recente: Urano: Regente do signo de Aqurio. A descoberta deste planeta, no final do sculo XVIII, coincide com vrios fatos histricos que perturbaram o mundo: Revoluo Francesa, Guerra da Independncia nos Estados Unidos, inicio da Revoluo Industrial, etc. Urano o planeta de todas as mudanas. Rege o progresso, as invenes, as reformas, as cincias. Netuno: Regente do signo de Peixes. Deus dos oceanos, Netuno o planeta das guas, das viagens martimas, dos lugares aquticos e simboliza o que vago, impreciso. A sua ao tanto se exerce nas grandes correntes de pensamento, nas reformas, como tambm no caos e na anarquia. Pluto: Regente do signo de Escorpio. Descoberto em 1930, Pluto o planeta mais afastado do nosso sistema solar pelo menos, segundo os conhecimentos atuais. Pluto assinala as metamorfoses profundas e representa as foras psquicas, misteriosas e violentas. um fator de destruio e de possvel regenerao. 7- Maonaria e Holismo: A Maonaria, considerando que homem e Natureza, so componentes de um mesmo sistema, alinha-se ao conceito de Holismo. A idia de Holismo no recente. Ela permeia vrias concepes filosficas ao longo de toda a evoluo do pensamento humano. A parte diferente do todo, mas tambm o mesmo que o todo. A essncia o todo e a parte. Herclito de feso (544 a.C 484 a.C.), filsofo grego. O pensamento holstico profundamente ecolgico, e de acordo com ele, o indivduo e a Natureza no esto separados, mas formam um conjunto nico, que no pode ser dissociado. A palavra Holismo vem do grego holos, que significa o todo a integrao das partes num todo. Aparece pela primeira vez na obra Holismo e Evoluo, de Jan Smuts, em 1921, governador britnico no sul da ndia, que assim a definiu: A tendncia da natureza a formar, atravs de evoluo criativa, todos que so maiores que a soma de suas partes. Holismo o conceito-chave do paradigma que afirma haver uma integrao abrangente do mundo e do homem. Em contraste com a experincia de uma
  • 73. fragmentao na cincia e na vida cotidiana, a integralidade apresentada como um conceito filosfico-cientfico. A humanidade est presente no Universo como parte de um nico organismo vivo, de uma rede harmoniosa de relaes dinmicas. A humanidade faz parte de uma rede universal (ecossistema, famlia) de Natureza e Mundo, e cada indivduo deve procurar estar em harmonia com cada elemento desta rede transcendente. Quando se compreende qual o prprio papel na Natureza e no Cosmo, ento se compreende que integralidade e sagrado so uma s coisa. A concepo do Universo como um todo harmonioso e indivisvel o enfoque central do paradigma holstico; e como evidencia a teoria hologrfica, cada parte constitutiva do Universo contm informaes sobre todo o Universo e, portanto, alteraes nas partes afetam o todo. Essa concepo substitui o modelo fragmentado e reducionista baseado na orientao mecanicista do paradigma newtoniano/cartesiano. A percepo holstica preocupa-se com o bem-estar do ser total, integrado em seu meio. Ela est baseada na suposio que corpo, mente e emoes, formam uma unidade. Por sua liberdade e conhecimentos abrangentes, antigos e eclticos, a Maonaria e seus membros buscam nas mais diversas reas do saber, suas verdades e experincias, resultando em uma filosofia ampla e holstica. A Maonaria, sempre estimulou seus adeptos, a superar formas de dualismo (o nmero dois o opositor), em busca da totalidade: ser humano e Natureza, energia e matria, corpo e esprito, etc. O Holismo uma viso de mundo que se contrape viso dualista, fragmentadora e mecanicista que despojou o ser humano da sua unidade, ao longo dos sculos. A Maonaria prope o simbolismo primevo da Trindade. O Holismo impregna os conceitos manicos, desde o interesse pelo aperfeioamento pessoal, conduzindo necessariamente, ao da sociedade, at a busca da conscincia unicista; e desde a sensibilidade ecolgica at a idia de uma rede global. A Maonaria faz o bem, fsica e moralmente. Seus adeptos unem-se em sentido fraternal e, segundo Helena Blavatsky, em seu livro As Origens do Ritual na Igreja e na Maonaria: a nica religio no mundo, se consideramos o termo como derivado da palavra religare (ligar), pois que une todos os homens que a ela se filiam como irmos, sem preocupaes de raa ou f. Holismo, basicamente, uma atitude diante da realidade, uma forma de perceber e compreender o mundo, onde h permisso para um intercmbio dinmico entre Cincia, Arte, Filosofia e as Tradies Espirituais.
  • 74. Sendo assim, o pensamento holstico e Maonaria formam um conjunto, que permeia todos os nveis de atuao individual e social do maom; esse conjunto admite todas as religies; admite todos os sistemas filosficos - mas no os mescla, no os mistura (Corda de Oitenta e Um Ns todos juntos, porm, cada maom conserva sua individualidade). Respeita o que cada um tem de importante e entende que a diversidade aceitvel e at recomendvel e essencial para a proliferao e riqueza das idias. No exclui, no condena, no separa. Somente constri pontes, estabelecendo correlaes entre reas consideradas inconciliveis como a Cincia e o Misticismo, a Arte e a Filosofia. Considera que em cada coisa est representado o Todo e que este transcende a simples soma de suas partes. 8 - Os Templos Manicos: Templo, do latim templum, local sagrado, uma estrutura arquitetnica dedicada ao servio religioso. O termo tambm pode ser usado em sentido figurado, como um lugar respeitvel. um local sagrado onde so celebradas instrues e cerimnias. Porm, no incio de sua histria mstica o homem usava locais ao ar livre, para suas oraes e rituais. Acredita-se, que uma mudana de clima obrigou nossos ancestrais a descerem das rvores e a andar sobre dois ps, para competir pela sobrevivncia, com predadores que os caavam. Muito provavelmente, o homem primitivo j fazia suas preces nos cultos aos mortos (visto que os enterrava, fato atestado pela paleontologia) e diante de fenmenos naturais, que estavam acima de sua capacidade de compreenso e que lhe causavam medo. Homindeos, ao observarem os ciclos de sua prpria espcie, da Natureza e suas manifestaes, criaram uma ponte com o Universo, estabelecida por intermdio de suas oraes. Os primeiros Templos surgiram na Mesopotmia, por volta do sculo IV a.C. Esses Templos primitivos, feitos de tijolos secos ao sol, eram muito simples, tendo a esttua do deus colocada na parede do fundo e cercada pelas demais paredes, sem teto. Entretanto, os mais importantes Templos foram os da Babilnia, em forma de zigurate - o Grande Templo era o do deus Marduk, chamado Esaguil, casa do teto alto, flanqueado ao norte pela torre em degraus, o zigurate, chamada Etemenanqui, Templo dos Fundamentos dos Cus e da Terra e,
  • 75. conhecida pelo nome de Torre de Babel. Essa torre, destruda pelo rei assrio Senasqueribe, foi refeita por Nabopolassar e seu filho Nabucodonosor. Os Templos egpcios que surgiram depois tiveram seu apogeu no Novo Imprio, a partir de 2200 a.C. e obedeciam a um mesmo modelo: havia uma alameda para as procisses, cercada pelos dois lados por uma fileira de esfinges - esta srie de esfinges terminava com obeliscos (colunas quadrilteras, formadas de uma s pea de granito; seus lados eram cobertos de hierglifos, que eram sinais ideogrficos, alfabticos e silbicos) - conduzindo porta de acesso, situada entre suas colunas e atravs da qual se chegava a um ptio interno, e em seguida ao santurio. Os Templos egpcios eram a representao da Terra, da qual brotavam as colunas em direo ao Cu (no incio o prprio Cu e depois um teto imitando a abbada celeste). Eram grandes construes sem janelas que terminavam em plataforma, e constavam de ante-sala, sala e santurio; este era menos espaoso, e s vezes esculpido de um s bloco de granito. A cobertura dos Templos era feita de enormes lminas de pedras que eram apoiadas pelas colunas. As paredes e as colunas eram ornamentadas com pinturas. Diante do Templo havia um ptio no qual se entrava por uma porta com torres dos lados. Os Templos no eram somente lugares de culto, mas tambm as nicas escolas e, alm disso, observatrios astronmicos, locais para exposies de obras de arte e at casas de sade. Os Templos egpcios e babilnicos influenciaram os Templos hebraicos, inclusive o Grande Templo de Jerusalm, o Templo de Salomo, que viria a ser o prottipo, o arqutipo das igrejas medievais. Mas foi com os gregos que a construo de Templos tornou-se a mais alta expresso da arquitetura antiga, desenvolvendo formas e estilos que refletem a essncia da antiga arte de construir. Os gregos sendo politestas e acreditarem na semelhana entre deuses e homens, fez com que uma expresso religiosa singular em seu mundo, sendo que os Templos dos mais variados deuses se espalharam por todas as cidades gregas. O Templo grego , essencialmente, a habitao do deus. A caracterstica mais evidente a simetria entre o prtico de entrada e o dos fundos. O Templo era construdo sobre uma base em degraus: o degrau mais elevado chamava-se estilbato (esterebato era a infra-estrutura) e, sobre ele eram erguidas colunas - as colunas eram construdas segundo os modelos da Ordem Drica, Jnica e Corntia: - Ordem Drica: era simples e macia. O capitel (cabea da coluna) era uma almofada de pedra. Nela o pensamento representado. Sendo a mais antiga das Ordens arquitetnicas gregas, a Ordem Drica por sua simplicidade e severidade, empresta uma idia de solidez e imponncia;
  • 76. - Ordem Jnica: representava a graa e o feminino. O capitel era formado por duas espirais unidas por duas curvas. A Ordem Drica traduz a forma do homem, e a Ordem Jnica a forma da mulher; - Ordem Corntia: o capitel era formado com folhas de acanto (planta espinhosa, de flores brilhantes, cujas folhas compridas, verdes e recortadas, so muito decorativas. Com o tempo, a folha de acanto passou a ser associada pureza e honestidade) e quatro espirais simtricas. Sugere luxo e beleza. A construo de Templos diminuiu durante o Imprio Romano, apesar do Panteo (o qual se encontra ainda em perfeito estado de conservao) de Roma ter sido uma grande exceo - era um Templo dedicado a todos os deuses romanos. Foi construdo por Marco Vipsnio Agripa (cnsul romano), em 27 a.C., durante a Repblica Romana. O Panteo de Agripa foi destrudo por um incndio em 80 d.C., sendo totalmente reconstrudo em 125 d.C., pelo imperador Adriano. Com o refinamento da arte da construo, os homens passaram a representar a Natureza e seus fenmenos em sua arquitetura e em seus rituais. As construes sagradas procuraram exaltar e representar a Natureza com suas leis e princpios. Algumas tradies religiosas dedicam nomes especficos a seus Templos: - Igreja ou Catedral, no Cristianismo; - Mesquita, no Islamismo; - Pagode, no Budismo; - Sinagoga, no Judasmo, etc. Denomina-se Loja a sociedade de maons. Pode ser um local ou no. A Loja simboliza o Mundo, e deve satisfazer determinadas caractersticas arquitetnicas - assim sendo, a Loja tem por comprimento a distncia do Oriente ao Ocidente; a largura do Norte ao Sul; a altura do Nadir (ponto imaginrio, que se supe situado diretamente sob nossos ps; oposto ao Znite) ao Znite (ponto imaginrio da esfera celeste que, supe-se situado diretamente sobre nossas cabeas; oposto a Nadir). Cada Loja Manica composta pelo Venervel Mestre, que preside e orienta a reunio por um mandato; Primeiro Vigilante, que conduz os trabalhos e trata da organizao e disciplina em geral; Segundo Vigilante, que orienta os aprendizes; Orador, que sumariza os trabalhos e rene as concluses; Secretrio, que redige as atas e trata da sua conservao e responsvel pelas relaes administrativas da Loja; Mestre de Cerimnias, que introduz na Loja e conduz aos seus lugares os visitantes, e ajuda nas cerimnias de iniciao;
  • 77. Tesoureiro, que recebe as contribuies e outros fundos da Loja e zela pela sua organizao financeira. Os cargos do Venervel Mestre ao Secretrio so chamados Luzes da Oficina. Na Loja, a Cmara de Reflexes o local onde recolhido o profano - do latim profanus, aquele que estranho ao que sagrado - diante do templo. Na Maonaria a pessoa no iniciada - antes de ser introduzido no Templo. Na Cmara de Reflexes o postulante senta-se sozinho e escreve suas razes de querer juntar-se Ordem. Seus motivos so examinados por Mestres Maons, e nesse local que espera, antes do incio da Cerimnia de Iniciao. A Cmara de Reflexes iluminada por uma lmpada e, no recebe a luz do sol. o local onde o candidato, lida com a morte: morte de sua vida profana, e renascimento para uma nova vida: manica - representado como uma cmara morturia. As paredes so pintadas de preto. No Rito Escocs Antigo e Aceito, na Cmara de Reflexes h a inscrio: V.I.T.R.I.O.L: Visita Interiorem Terrae. Rectificandoque Invenies Occultum Lapidem (Visita o interior da terra. Seguindo na retido, encontrars a Pedra escondida), que um preceito alqumico. Vitriol significa vitrolo. Para os alquimistas, vitrolo era sulfato de ferro, cobre ou zinco, e o azeite de vitrolo, o cido sulfrico. O processo de visitar o interior da Terra, para os alquimistas era qumico. Para os maons, trata-se de um processo interior, que pode acontecer tanto pelo nascimento quanto pela morte. S quando o homem tiver mergulhado profundamente em sua dor, encontrar a Pedra Filosofal, que o que d sentido existncia, que a unidade consigo prprio: o vitrolo. Segundo o alquimista Paracelso: todas as coisas so feitas de sal (terra- matria), mercrio (gua-energia) e enxofre (fogo-esprito). Para os alquimistas, tudo substncia, e ela composta de corpo (no combustvel) e esprito (combustvel). A Cmara de Reflexes cumpre a mesma funo simblica que o athanor hermtico: um espao fechado e ntimo onde se produzem as mudanas regenerativas de estados, exemplificados pela gradual purificao da matria densa e catica do composto alqumico. Um prdio manico composto por trs partes essenciais (alm da Cmara de Reflexes): - Sala dos Passos Perdidos local onde os maons podem conversar livremente e realizar atividades recreativas; - trio ou Vestbulo local que precede o Templo. Lugar onde os maons se preparam para entrar no Templo (colocam seus aventais, etc.);
  • 78. - Templo local com decorao apropriada sua finalidade. O Templo o lugar das reunies dos maons. O Templo no tem janelas e a entrada voltada para o Ocidente, onde a pintura mais escura. No outro extremo, o Oriente mais claro para a Ordem do Oriente que vem o conhecimento. nessa rea que tambm fica o Altar, de onde o Venervel Mestre conduz a sesso. Nas paredes h os vrios smbolos e, durante as cerimnias, os maons usam aventais (originariamente vestimentas Operativas, que protegiam os adeptos dos ferimentos que poderiam ser causados pelos estilhaos da pedra bruta. Na Maonaria Especulativa, o avental uma proteo para que o maom no seja ferido por seus prprios estilhaos, que so os fragmentos de suas dificuldades). Cada Grau, na Maonaria, possui um painel prprio com smbolos representativos. O Templo deve perpetuar ensinamentos sobre simbolismo. O Templo Manico rene em si, o espao e o tempo sagrados. O Templo um modelo do Universo (macrocosmo): o teto simboliza o cu e o cho a terra. O Templo tambm representa o homem (microcosmo). O Templo Manico reproduz alguns dados arquitetnicos do Templo que Salomo mandou erigir em Jerusalm. A Maonaria fundamentou seus ensinamentos na alegoria da construo do Templo de Salomo que, a imagem da representao do Universo e de todas as suas maravilhas. O Templo Manico representa o Universo e tambm o ser humano. A idia de que um Templo deve refletir a estrutura tanto do Universo como do homem tem, provavelmente, quatro mil anos, quando Moiss construiu o Tabernculo: a palavra Tabernculo vem do hebraico mishkan, local da Divina morada e designa a estrutura porttil que os hebreus (as Doze Tribos de Israel) construram para a adorao a Deus. Durante o xodo at os tempos do rei Davi, os hebreus guardavam e transportavam a Arca da Aliana ( descrita na Bblia como o receptculo no qual as Tbuas dos Dez Mandamentos teriam sido guardadas. Sua construo foi orientada por Moiss, que teria recebido as instrues da Divindade. Em 587 a.C., Nabucodonosor II, rei da Babilnia, invadiu o reino de Jud e tomou a cidade de Jerusalm. A Arca passara a ser guardada no Templo de Jerusalm, e depois de um grande incndio provocado pelo exrcito de Nabucodonosor II, o Templo foi destrudo. A Arca desaparece completamente da narrativa bblica a partir desse ponto), a menor (candelabro de ouro macio, de sete braos, em semicrculo) e outros objetos sagrados. Moiss construiu o Tabernculo compondo-o em trs partes: trio Exterior, Santo Lugar e Santo dos Santos. Salomo construiu o Templo em
  • 79. Jerusalm, seguindo o mesmo projeto de trs nveis do Tabernculo mais a parte externa. A idia de que o Universo e o indivduo so construdos de acordo com o mesmo plano de trs nveis, foi fundamental para quase todo o pensamento filosfico ocidental, at o comeo do sculo XIX. Esses trs nveis foram claramente representados no planejamento das catedrais da Europa, na Idade Mdia. 9 - A Maonaria no Brasil: No h registros da chegada da Maonaria no Brasil, mas teria sido trazida por comerciantes ingleses e franceses, no incio do sculo XVIII. Muitos pesquisadores postulam que, havia clubes e academias literrias, cujos ideais eram, na realidade, manicos. H muitas controvrsias, com relao primeira Loja Manica instalada no Brasil. Segundo antigos registros, 1786 teria sido o ano do surgimento da Maonaria no Brasil, com a volta do maom Jos Alves Maciel da Europa. Alguns pesquisadores apontam a instalao da primeira Loja, em 1787, Cavaleiros da Luz, na povoao de Barra, em Salvador, Bahia. Outros autores defendem a hiptese de que a primeira Loja brasileira teria surgido em Pernambuco, em 1796 - o Arepago de Itamb - que foi fundada pelo ex-frei carmelita, mdico e botnico formado pela Faculdade de Montpellier, Frana, Manuel de Arruda Cmara e dissolvida em 1801, por autoridades portuguesas, que descobriram conspiraes contra a Coroa. Outros autores, afirmam que a primeira Loja Manica fundada no Brasil foi na cidade do Rio de Janeiro, no ano de 1800, e recebeu o nome de "Unio"- um ano depois, devido ao grande nmero de adeptos, sofreu reestruturao e passou a denominar-se "Reunio". De acordo com o Mestre Maom Raimundo Rodrigues (SP): Segundo o manifesto de Jos Bonifcio publicado em 1832, a primeira Loja Simblica regular no Brasil foi instalada em 1801, debaixo do ttulo de Reunio, filiada ao Oriente da Ilha de Frana, e nomeado para seu representante o cavaleiro Laurent, que a fortuna fez aportar s formosas praias da Bahia de Niteri e que presidira a sua instalao.
  • 80. Na mesma pgina, o autor informa: Em 1801 a Loja Reunio regulamentada e instalada sob o reconhecimento do Oriente da Ilha de Frana, seguindo-se as Lojas Constncia e Filantropia, subordinadas ao Grande Oriente Lusitano. Se a Loja Cavaleiros da Luz, foi a primeira Loja Manica no Brasil e o Arepago o primeiro ncleo secreto revolucionrio, a Loja Reunio, luz dos documentos, respeitadas as leis e tradies manicas foi a primeira Loja Manica Regular no Brasil. Mrio Verosa, Past Gro-Mestre da Grande Loja do Estado do Amazonas, relaciona as primeiras Lojas do Brasil: Reunio, no Rio de Janeiro, RJ 1801; Virtude e Razo, em Salvador, BA 1802; Constncia, no Rio de Janeiro, RJ 1803; Filantropia, no Rio de Janeiro, RJ 1803; Emancipao, no Rio de Janeiro, RJ 1803; Beneficncia, no Rio de Janeiro, RJ 1803; Distintiva, em Niteri, RJ 1812; Comrcio e Artes, no Rio de Janeiro, RJ 1815; Pernambuco Oriente, em Recife, PE 1817; Pernambuco Ocidente, em Recife, PE 1817; Revoluo Pernambucana, em Recife, PE 1817; Unio e Tranqilidade, no Rio de Janeiro, RJ 1817; Esperana de Niteri, em Niteri, RJ 1821; Conciliao de Pernambuco, em Recife, PE 1822; Nove de Janeiro, no Rio de Janeiro, RJ 1822. Em 1802, o capito-mor de Olinda, Francisco de Paula Cavalcante de Albuquerque, fundou na cidade do Cabo (provncia de Pernambuco), no Engenho de Suassuna, de sua propriedade, a Academia de Suassuna. E em Recife, foi instalada pelo padre Joo Ribeiro Pessoa a Academia do Paraso, tendo como secretrio o monsenhor Muniz Tavares. O Arepago, embora citado como marco inicial das organizaes manicas no Brasil, no pode ser considerado como Loja Manica, pois, no formava novos maons. Com a chegada ao Brasil de D. Joo VI, em janeiro de 1808, depois de uma fuga precipitada de Portugal ante a invaso napolenica, automaticamente o governo passou s suas mos. Em sua corte havia inmeros maons portugueses, que colaboraram para a diminuio das restries Maonaria, promovendo o revigoramento da atividade no Brasil.
  • 81. A partir de 1809 foram fundadas vrias Lojas no Rio de Janeiro e em Pernambuco. A Histria do Brasil e Maonaria esto intimamente ligadas. Os mais importantes eventos da Histria Brasileira, foram gestados dentro de Lojas Manicas: a Revoluo Pernambucana de 1817, o Fico, a Proclamao da Independncia, a Abolio da Escravatura, a Proclamao da Repblica. Na Inconfidncia Mineira, no h registros de participao da Ordem. Porm, ressalta-se a contribuio de um maom ilustre, Francisco Antonio Lisboa, o Aleijadinho. Este grande gnio da humanidade, autor de esculturas sacras, homenageou a Maonaria em seu trabalho. Os trs anjinhos, formando um tringulo, os quais se tornaram sua marca registrada, reverenciam a Maonaria, com seus trs pontos em formato de tringulo. A prpria bandeira do estado de Minas Gerais foi inspirada na Maonaria: o tringulo, no centro da bandeira o Delta Luminoso, o Olho da Sabedoria, smbolo manico. A Revoluo Pernambucana de 1817 teve seu embrio no desejo de Independncia que crescia nas Lojas manicas. Mas, a insurreio fracassou e, a Maonaria passou a ser duramente perseguida, e em 1818, Portugal proibiu o funcionamento de sociedades secretas. Em 1821, a Coroa determinou a volta a Portugal do prncipe Dom Pedro I. Sem seu prncipe regente, o Brasil voltaria condio de colnia. O maom Francisco Maria Gordilho de Barbuda, coronel do Exrcito Colonial, que mais tarde tornou-se o Marqus de Paranagu, ficou encarregado de falar com o prncipe e, obteve sua adeso idia de permanecer no Brasil. Depois de alguns contratempos, Dom Pedro I resolveu ficar, dizendo a clebre frase: se para o bem de todos e felicidade geral da nao, estou pronto, diga ao povo que fico. Por esse gesto, Dom Pedro I foi condenado por autoridades portuguesas e, deveria ser conduzido preso a Lisboa. Maons orientaram o povo num levante, apoiando a atitude do prncipe. Houve uma batalha entre o povo e o exrcito portugus - os ideais libertrios e o povo foram os vencedores. Dom Pedro I foi iniciado maom em 13 de julho de 1822 (na Loja Comrcio e Arte), com o nome simblico de Guatimozim (ltimo chefe asteca). Trs dias depois foi elevado a Mestre e, em 2 de agosto de 1822, elevado a Gro- Mestre. Essa ascenso to rpida aconteceu, para no melindrar o prncipe - para que ele no recebesse ensinamentos de maons que estavam numa posio hierarquicamente superior - Dom Pedro I como autoridade mxima no Brasil, no deveria se sentir constrangido. A Independncia do Brasil foi engendrada pela Maonaria, em 22 de agosto de 1822, no Grande Oriente do Brasil. O grito de Independncia dado por
  • 82. Dom Pedro I, Independncia ou Morte! em 7 de setembro de 1822 foi uma confirmao. O Brasil j estava, praticamente, desligado de Portugal, desde 9 de janeiro de 1822, o dia do Fico. A Abolio da Escravatura, no Brasil, aconteceu por iniciativa manica. A Maonaria, cumprindo sua misso de lutar pelos direitos humanos, considerando a igualdade entre os seres, empenhou-se pela emancipao dos escravos. Confirmando essas afirmaes, verifica-se a presena de vrios maons entre os lderes abolicionistas. Destacaram-se: Visconde de Rio Branco, Jos do Patrocnio, Joaquim Nabuco, Eusbio de Queiroz, Quintino Bocaiva, Rui Barbosa, Cristiano Otoni, Castro Alves, e outros. A Proclamao da Repblica, tambm foi um empreendimento manico. O primeiro Ministrio da Repblica, sem exceo de um s ministro, era constitudo por maons - e, no foi um acaso, pois foi organizado por Quintino Bocaiva, maom, que havia sido Gro-Mestre. Hiplito Jos da Costa: O jornalista brasileiro, Hiplito Jos da Costa (nasceu em 1774, em Sacramento, que na poca pertencia a Portugal) teve papel decisivo durante os movimentos de libertao, na divulgao dos ideais republicanos e na representao da Maonaria Brasileira na Inglaterra. De Sacramento, a famlia de Hiplito mudou-se para Pelotas, RS. Ele concluiu seus primeiros estudos em Porto Alegre, e cursou em Portugal, a Faculdade de Direito de Coimbra. Formou-se bacharel em Direito na Universidade de Coimbra (formou-se em trs cursos superiores: Filosofia aos vinte e dois anos; Direito aos vinte e trs anos; e em Letras aos vinte e quatro anos), ingressando na Maonaria nesse perodo. Em 1798 Hiplito foi enviado aos Estados Unidos (Filadlfia) por D. Rodrigo De Souza Coutinho, Conde de Linhares e Ministro da rainha Dona Maria I, como Encarregado de Negcios de Portugal. Viveu nos EUA por dois anos e ingressou na Maonaria Americana. Em 1801 voltou a Portugal, onde foi nomeado Deputado Literrio da Junta da Impresso Rgia. No mesmo ano viajou a servio da Coroa Portuguesa a Londres, oficialmente, para comprar obras para a Real Biblioteca e mquinas para a Imprensa Rgia. Porm, secretamente, seu objetivo era estabelecer
  • 83. contatos entre as Lojas Manicas Portuguesas e o Grande Oriente em Londres. Assim que retornou a Portugal, foi preso por ordem de Diogo Incio de Pina Manique, sob a acusao de disseminar idias manicas na Europa, o que era considerado uma heresia. Hiplito foi capturado pela Inquisio Portuguesa, e permaneceu encarcerado por trs anos. Em 1805, conseguiu fugir para a Espanha, com o auxlio de outros maons. Da Espanha conduzido Londres, onde protegido pelo tambm maom, Duque de Sussex, filho do rei George III da Inglaterra. O Duque conseguiu sua naturalizao como cidado ingls, para evitar qualquer possvel pedido de extradio pela Coroa Portuguesa. Em Londres iniciado na Maonaria Inglesa e casa-se com uma inglesa. De Londres, passou a editar o primeiro jornal brasileiro, o Correio Brasiliense ou Armazm Literrio, que circulou de 1 de junho de 1808 a 1823 (vinte e nove edies). Hiplito defendia idias liberais, e contribuiu para a emancipao do Brasil colonial, dando ampla cobertura Revoluo Pernambucana de 1817, Revoluo Liberal do Porto de 1820 e aos acontecimentos que conduziriam Independncia do Brasil. Morreu em 1823, sem saber que fora nomeado cnsul do Imprio do Brasil em Londres. No Brasil considerado o patrono da imprensa. PROGRAMAO NEUROLINGSTICA (PNL) E MAONARIA: Os conceitos fundamentais de antigos ensinamentos como Alquimia, Hermetismo, coincidem com a Doutrina Aristotlica de que todas as coisas tendem a alcanar a perfeio. E, a perfeio do interior, da prpria alma, o que almejam os obreiros maons e praticantes da PNL. A Maonaria, alm de preservar e ensinar conhecimentos esotricos de vrias civilizaes do passado, sempre foi e ser uma escola de formao humanstica. O maom, desde sua Iniciao, tem por objetivo, uma dupla finalidade: o aperfeioamento de si mesmo e a contribuio para a construo positiva da humanidade. Ao desenvolver-se o indivduo, desenvolve-se o gnero humano. A Maonaria transforma o bom em melhor. Esse tambm um dos Pressupostos da PNL - As pessoas j possuem dentro de si todos os recursos necessrios para realizar as mudanas desejadas - j existe, interiormente,
  • 84. algo intrinsecamente bom (a Centelha Divina), apenas aguardando um despertar. Segundo Richard Bandler (co-criador da PNL), o ser humano pode ser o que escolher ser: Para que ser voc mesmo, se voc pode ser algum melhor?. A Luz Oculta existe em todos os homens - preciso despert-la, por esforo prprio e com ajuda de Mestres sbios e experientes. Assim, a Maonaria inicia candidatos, visando o aperfeioamento pessoal e espiritual do indivduo, porque a Luz est no corao do homem. A PNL possui muitos conceitos que se entrelaam com os da Maonaria - e, a finalidade, de ambas, uma s: o desenvolvimento, a evoluo individual e coletiva. 1- Conceito, Origem e Histria: - Conceito: A Programao Neurolingstica (PNL) pode ser definida como um conjunto de tcnicas que ensina a entender os processos internos das pessoas atravs da identificao dos padres de linguagem verbal e no verbal. PNL , basicamente, comunicao: do indivduo consigo mesmo, com as outras pessoas e com os acontecimentos. O nome Programao Neurolingstica vem de Neuro, referindo-se ao crebro: aos processos neurolgicos que permitem ver, ouvir, sentir, saborear e cheirar os sentidos usados nos processos internos de pensamento, bem como para experimentar o mundo externo. Toda compreenso e o que descrevemos como conscincia chega ao crebro por meio dessas janelas neurais. Lingstica, referindo-se linguagem: linguagem que ocorre tanto na comunicao com os demais, como na maneira como so organizados os pensamentos. A PNL ensina a usar a linguagem do dia-a-dia para pensar eficientemente e para desenvolver um comportamento mais til. Programao a instalao de um plano ou procedimento: refere-se maneira como programar pensamentos e comportamentos. PNL o estudo de como a linguagem, tanto verbal quanto no verbal, afetam nosso sistema nervoso. a cincia de como dirigir o crebro de uma maneira favorvel para conseguir os resultados desejados. PNL a cincia que estuda a maneira como so filtradas, atravs dos cinco sentidos, as experincias de cada um do mundo externo, e como esses mesmos
  • 85. sentidos internos so usados, com ou sem inteno, para conseguir os objetivos almejados. Neurolingstica uma cincia que estuda o funcionamento do crebro humano. A Neurolingstica parte do princpio que o crebro humano tem linguagens prprias e, precisa de comandos adequados para funcionar bem, isto , conseguir alcanar os resultados desejados de uma forma positiva. A PNL, ensinando a usar eficientemente a linguagem verbal (interna e externa) e a linguagem corporal, utiliza tcnicas e procedimentos que, vo auxiliar as pessoas a atingir mais rapidamente seus objetivos, que podem ser os mais variados como: melhorar a sade (fsica, mental e emocional), comunicar-se eficazmente (no trabalho, na famlia), livrar-se de comportamentos indesejados (lcool, tabaco, drogas, depresso, fobia, estresse, medos, compulses), motivao no trabalho, etc. uma tecnologia que produz mudanas profundas num curto tempo de interveno. A PNL produz resultados e os mantm, melhorando a qualidade de vida de quem a utiliza. A PNL a arte e a cincia da excelncia pessoal. Arte, porque a maneira de pensar e agir especfica em cada um, e qualquer descrio (sentimentos, atitudes, crenas, etc.), ser sempre subjetiva. tambm cincia, embora ainda embrionria, porque incorpora mtodos bem pesquisados que podem ser usados para identificar padres do comportamento bem sucedido. A Maonaria considera o nefito uma pedra bruta. medida que ele vai assimilando os ensinamentos e vivenciando-os, a pedra bruta vai tornando-se polida. O maom pratica a arte de construir a si mesmo. Um dos objetivos do maom sua prpria evoluo, que simbolicamente, significa construir um templo em seu interior. A PNL pode ser um caminho para o maom, na senda do autoconhecimento. -Origem e Histria: A PNL foi iniciada no comeo da dcada de setenta (1973), por dois norte- americanos: John Grinder (1940) e Richard Bandler (1950). Grinder lingista, um dos mais proeminentes do mundo e Bandler matemtico e perito em computadores. Os dois perceberam que, algumas pessoas, alcanavam pleno xito em seus campos de atuao e outras no. Decidiram juntar seus talentos numa tarefa: copiar as pessoas que fossem as melhores em seus respectivos ramos e, depois, instalar essa excelncia em outros seres humanos. Estudar como indivduos vitoriosos em diferentes campos de atividade obtm resultados excelentes, e como seus pensamentos e comportamentos so reproduzidos.
  • 86. Grinder e Bandler estudaram os mtodos de quatro destacados cientistas que, invariavelmente, conseguiam produzir mudanas notveis no comportamento humano: - Dr. Milton Erickson (1901-1980): de Phoenix, Arizona (EUA) psiquiatra, um dos maiores hipnoterapeutas que j existiu (Apndice 2); - Dr. Virginia Satir (1916-1989): uma extraordinria terapeuta de famlia, americana: Tento ajudar as pessoas... a experimentar a conexo com a sua espiritualidade, levando-as a entrar em contato com a sua ternura e com a sua fora. Para tanto... precisamos entender que nascemos para evoluir... um crescimento - e no h por que ter medo. J ouvimos essa mensagem antes. sobre isto que falavam Jesus, Buda e tantos outros. Mas, no passado, a maioria das pessoas... dizia: Eles esto acima de ns, eles so divinos... somos apenas humanos, portanto no podemos estabelecer a mesma conexo. Mas agora, comeamos a perceber que podemos.; - Dr. Gregory Bateson (1904-1980): antroplogo britnico (famoso por seus estudos com golfinhos) e por ter desenvolvido a Teoria do Duplo Vnculo no estudo da esquizofrenia; - Dr. Fritz Perls (1893-1970): psiquiatra alemo, criador da Gestalt Terapia. Gestalt Terapia uma terapia experiencial e do presente, fundada por ele e Laura Perls na dcada de 1940. Ela ensina a terapeutas e pacientes o mtodo experiencial da awareness, no qual perceber, sentir e agir so distintos da interpretao e das atitudes evasivas preexistentes. A nfase est em observar, descrever e explicar a estrutura exata do que est sendo experienciado no aqui e agora. Esses profissionais usavam seus mtodos e, se tcnicas existem, elas podem ser estudadas, codificadas e ensinadas. Utilizando os padres fundamentais que copiaram desses quatro mestres, Grinder e Bandler comearam a criar seus prprios padres e a ensin-los tambm. Esses padres so conhecidos como PNL. A histria da PNL uma histria curiosa, que resultou em uma mudana de paradigmas. No incio dos anos 70, o futuro co-criador da PNL, Richard Bandler, estudava matemtica na Universidade da Califrnia (Santa Brbara), em Santa Cruz. Richard Bandler veio de um gueto pobre da cidade de San Jos, judeu de origem miservel, perdeu parte dos seus intestinos e tem vrias marcas de facadas, resultado das brigas de rua que travava diariamente. No princpio, ele passava a maior parte do seu tempo estudando computao. Inspirado por um amigo de famlia que conhecia vrios dos terapeutas inovadores da poca ele resolveu estud-los. Aps estudar cuidadosamente alguns desses famosos terapeutas, Richard descobriu que, repetindo totalmente
  • 87. os padres pessoais de comportamentos deles, poderia conseguir resultados positivos similares com outras pessoas. Essa descoberta se tornou base para a abordagem inicial da PNL conhecida como Modelagem de Excelncia Humana. Bandler dizia que a matemtica uma linguagem que se expressa atravs de frmulas numricas e que obedece a algumas regras, e essas regras quando alteradas, produzem resultados diferentes. Bandler imaginou, que a linguagem das palavras tambm obedecia a certas regras, que se mudadas, poderiam acarretar mudanas no comportamento humano. O comportamento humano, para Bandler, um resultado do fenmeno lingstico no crebro humano. Depois, ele encontrou o outro co-criador da PNL, o Dr. John Grinder, professor adjunto de Lingstica da Universidade da Califrnia. A carreira de John Grinder era to singular quanto a de Richard. Sua capacidade para aprender lnguas rapidamente, adquirir sotaques e assimilar comportamentos tinha sido aprimorada na Fora Especial do Exrcito Americano na Europa nos anos 60 e tambm depois, quando membro dos Servios de Inteligncia Americanos em operao na Europa. Grinder como agente do Servio Secreto das Foras Armadas Americanas viajou pelo mundo atuando com vrios disfarces, sua especialidade. Grinder era capaz de disfarar-se em quem ele quisesse. Fala vrias lnguas (mais de quinze) e conseguia observar detalhes do comportamento das pessoas e imit-las com perfeio. O interesse de John pela psicologia alinhava-se com o objetivo bsico da Lingstica revelar a gramtica oculta de pensamento e ao. Descobrindo a semelhana de seus interesses, eles decidiram combinar os respectivos conhecimentos de Computao e Lingstica, junto com a habilidade para copiar comportamentos no-verbais, com o intuito de desenvolver uma linguagem de mudana. No comeo, nas noites de tera-feira, Richard Bandler conduzia um grupo de Terapia Gestalt formado por estudantes e membros da comunidade local. Ele usava como modelo o seu fundador iconoclasta, o psiquiatra alemo Fritz Perls. Para imitar o Dr. Perls, Richard chegou a deixar crescer a barba, fumar um cigarro atrs do outro e falar ingls com sotaque alemo. Nas noites de quinta-feira, Grinder conduzia outro grupo usando os modelos verbais e no- verbais do Dr. Perls que vira e ouvira Richard usar na tera. Sistematicamente, eles comearam a omitir o que achavam comportamentos irrelevantes (o sotaque alemo, o hbito de fumar) at descobrirem a essncia das tcnicas de Perls o que fazia Perls ser diferente e mais eficaz que outros terapeutas. Haviam iniciado a disciplina de Modelagem da Excelncia Humana. Encorajados por seus sucessos, eles passaram a estudar uma das grandes
  • 88. iniciadoras da terapia de famlia, a Dr. Virginia Satir, e o filsofo inovador, pensador de sistemas (Teoria Sistmica) e antroplogo, Gregory Bateson. Richard reuniu suas constataes originais na sua tese de mestrado, publicada mais tarde como o primeiro volume do livro The Structure of Magic. Grinder e Bandler tinham se tornado uma equipe, e continuaram suas pesquisas com determinao. O que diferenciava seu trabalho do de muitas escolas de pensamento psicolgico, ditas alternativas, cada vez mais numerosas na Califrnia naquela poca, era a busca da essncia da mudana. Quando Grinder e Bandler comearam a estudar pessoas com dificuldades variadas, observaram que todas que sofriam de fobias pensavam no objeto de seu medo como se estivessem passando por aquela experincia no momento. Quando estudaram pessoas que j haviam se libertado de fobias, perceberam que todas elas pensavam nesta experincia de medo como se a estivessem vendo acontecer com outra pessoa semelhante a observar um parque de diverses distncia. Com esta descoberta simples, mas profunda, Grinder e Bandler comearam a ensinar sistematicamente pessoas fbicas a experimentarem seus medos, como se estivessem observando suas fobias acontecerem com outra pessoa distncia. As sensaes fbicas desapareciam instantaneamente. Uma descoberta fundamental da PNL havia sido feita. Como as pessoas pensam a respeito de uma coisa faz uma diferena enorme na maneira como elas iro vivenci-la. Grinder e Bandler, ao buscarem a essncia da mudana nos melhores mestres que pesquisaram, questionaram o que mudar primeiro, o que era mais importante mudar, e por onde seria mais importante comear. Por sua habilidade e crescente reputao, rapidamente conseguiram o nmero do telefone do Dr. Milton H. Erickson, M.D., fundador da Sociedade Americana de Hipnose Clnica, e amplamente reconhecido como o mais notvel mdico psiquiatra e hipnoterapeuta do mundo. O Dr. Erickson era uma pessoa to excntrica quanto Grinder e Bandler. Jovem e robusto fazendeiro de Wisconsin, na dcada de 20, foi atacado pela poliomielite aos dezoito anos. Incapaz de respirar sozinho, ele passou mais de um ano deitado dentro de um pulmo de ao na cozinha de sua casa. Embora para qualquer um, isso pudesse ter significado uma sentena de priso, Erickson era fascinado pelo comportamento humano e se distraa observando como a famlia e os amigos reagiam uns aos outros, consciente e inconscientemente. Ele construa comentrios que provocavam respostas imediatas ou retardadas nas pessoas a sua volta, aprimorando a sua capacidade de observao e de linguagem. Recuperando-se o suficiente para sair do pulmo de ao, ele reaprendeu a andar sozinho observando sua irmzinha dar os primeiros passos. Embora continuasse precisando de muletas, participou de uma corrida de canoagem antes de partir para a faculdade, onde acabou se
  • 89. formando em Medicina e depois em Psicologia. Suas experincias e provaes pessoais anteriores o deixaram muito sensvel sutil influncia da linguagem e do comportamento. Ainda estudando medicina, comeou a se interessar muito por hipnose, indo mais alm da simples observao de pndulos e das montonas sugestes de sonolncia. Ele observou que seus pacientes, ao se lembrarem de certos pensamentos ou sensaes, entravam naturalmente em um breve estado semelhante a um transe e que esses pensamentos e sensaes poderiam ser usados para induzir estados hipnticos. Mais velho, ele se tornou conhecido como o mestre da hipnose indireta, um homem que podia induzir um transe profundo apenas contando histrias. Na dcada de 70, o Dr. Erickson j era muito conhecido entre os profissionais da Medicina e era at assunto de vrios livros, mas poucos alunos seus conseguiam reproduzir seu trabalho ou repetir seus resultados. Dr. Erickson freqentemente era chamado de curandeiro ferido, visto que muitos colegas seus achavam que seus sofrimentos pessoais eram responsveis por ele ter se tornado um terapeuta habilidoso e famoso mundialmente. Quando Richard Bandler ligou pedindo uma entrevista, aconteceu de o Dr. Erickson atender, pessoalmente, o telefone. Embora Grinder e Bandler fossem recomendados por Gregory Bateson, Erickson respondeu que era um homem muito ocupado. Bandler reagiu dizendo, Algumas pessoas, Dr. Erickson, sabem como achar tempo, enfatizando bem Dr. Erickson e as duas ltimas palavras. A resposta de Erickson foi: Venha quando quiser, enfatizando tambm as duas ltimas palavras em especial. Embora, aos olhos do Dr. Erickson, a falta de um diploma em Psicologia fosse uma desvantagem para Grinder e Bandler, o fato de esses dois jovens serem capazes de descobrir o que tantos outros no haviam percebido deixou-o intrigado. Afinal de contas, um deles havia acabado de falar com ele usando uma de suas prprias descobertas de linguagem hipntica, hoje conhecida como um comando embutido. Ao enfatizar as palavras Dr. Erickson, achar tempo, Bandler havia criado uma frase separada dentro de outra maior, que teve o efeito de um comando hipntico. A combinao das legendrias tcnicas de hipnose do Dr. Erickson e as tcnicas de modelagem de Grinder e Bandler forneceram a base para uma exploso de novas tcnicas teraputicas. O trabalho deles com o Dr. Erickson confirmou que haviam encontrado uma forma de compreender e reproduzir a excelncia humana. Nesta poca, as turmas da faculdade e os grupos noturnos conduzidos por Grinder e Bandler estavam atraindo um nmero crescente de alunos ansiosos por aprenderem esta nova tecnologia de mudana. Nos anos seguintes, vrios
  • 90. deles, inclusive Leslie Cameron-Bandler, Judith DeLozier, Robert Dilts e David Gordon dariam importantes contribuies prprias. Esta nova abordagem da comunicao e mudana comeou a se espalhar por todo o pas. Steve Andreas, na poca conhecido terapeuta de Gestalt, deixou de lado o que estava fazendo para estud-la. Rapidamente, ele percebeu que a PNL era uma novidade to importante que, junto com a mulher e scia, Connirae Andreas, gravou os seminrios de Bandler e Grinder e os transcreveu em vrios livros. O primeiro, Frogs into Princes, se tornaria o primeiro best-seller sobre PNL. Em 1979, um extenso artigo sobre PNL foi publicado na revista Psycology Today, intitulado People Who Read People. Hoje, a PNL a essncia de muitas abordagens para a comunicao e para a mudana. (adaptao do texto de Steve Andreas e Charles Faulkner em PNL - A Nova Tecnologia do Sucesso). 2 - Pressupostos da PNL: J deve estar claro que a PNL se baseia em princpios bem diferentes da psicologia tradicional. Enquanto a psicologia clnica tradicional se preocupa basicamente em descrever dificuldades, classific-las e buscar suas causas histricas, a PNL est interessada em como nossos pensamentos, aes e sensaes funcionam juntos, para produzirem nossa experincia. Fundamentada nas modernas cincias da Biologia, Lingstica e Informtica, a PNL comea com novos princpios sobre como funciona a relao mente/crebro. Esses princpios chamam-se Pressupostos da PNL. Se pudssemos resumir todos os Pressupostos da PNL em uma nica frase, esta seria: as pessoas funcionam perfeitamente. Nossos pensamentos, aes e sensaes especficas produzem, coerentemente, resultados especficos. Podemos nos sentir felizes ou infelizes com os resultados, mas se repetirmos os mesmos pensamentos, aes e sensaes, os resultados sero os mesmos. O processo funciona perfeitamente. Se quisermos mudar os resultados que obtemos, teremos ento que mudar os pensamentos, aes e sentimentos que os produzem. Uma vez tendo compreendido especificamente como criamos e mantemos nossos pensamentos e sensaes mais ntimas, ser questo apenas de mudarmos para outros nveis mais teis ou, se encontrarmos outros melhores, ensin-los s outras pessoas. Os Pressupostos da PNL so o fundamento para se fazer exatamente isso. Steve Andreas (neurolingista). 1- O mapa no o territrio:
  • 91. Esta frase foi cunhada pelo matemtico polons Alfred Korzybski. Ele dizia que um mapa rodovirio ou o cardpio de um restaurante podem ajudar a achar seu caminho ou escolher uma refeio, mas eles so fundamentalmente diferentes da estrada que voc tomar ou do prato que lhe servirem. Cada pessoa interpreta a realidade ao seu redor atravs dos seus cinco sentidos. Os sentidos so filtros. E tudo que se conhece do mundo externo, que a PNL chama de territrio, aprendido atravs de mapas internos que se faz desse territrio. Realidade, para cada um, o seu mapa. E, mesmo a despeito das diferenas, um mapa to vlido quanto outro. Por esta razo, no existem mapas errados. Embora um determinado comportamento possa parecer imprprio, extravagante ou irracional, ele sempre faz sentido no contexto do mapa mental de cada pessoa. O indivduo faz o que melhor, dentro de sua percepo nica e limitada da realidade. Mas, nem todos os mapas podem ser igualmente teis para auxiliar o usurio e negociar o territrio; 2- Todo comportamento tem uma inteno positiva: A PNL faz uma distino entre comportamento e inteno positiva, isto , entre o que feito e o que se quer realizar. Todos os comportamentos nocivos, prejudiciais, inteis, tiveram um propsito positivo originalmente. Exs: gritar para ser reconhecido, agredir para se defender, etc. Pode-se separar o comportamento da inteno positiva, isto , conservar a inteno positiva e acrescentar novas opes de comportamentos mais teis; 3- Escolher melhor do que no escolher: Ter escolhas muito mais til do que estar restrito a responder de uma nica maneira. A pessoa com maior nmero de opes a pessoa com maior flexibilidade de pensamentos e comportamentos; 4- No h fracassos, apenas feedbacks (retroalimentaes): O entendimento da PNL que o que acontece nem bom nem ruim, mas , simplesmente, informao. No h fracassos, s experincias. Quando o conceito de fracasso eliminado do mapa, aparecem todos os tipos de novas possibilidades. Os chamados fracassos so oportunidades para aprender; 5- O significado da sua comunicao a resposta que voc obtm, independentemente da sua inteno:
  • 92. O significado de qualquer comunicao a resposta que essa comunicao elicia. A responsabilidade da comunicao sempre de quem comunica. Isto , no se pode responsabilizar o interlocutor por no ter entendido, no querer escutar. mais fcil mudar a si mesmo do que mudar os outros. Observar como a comunicao recebida permite que seja ajustada, para que, de uma prxima vez, possa ser mais eficiente; 6- As pessoas j possuem dentro de si, todos os recursos necessrios para realizar as mudanas desejadas: A PNL faz uma distino entre recursos e habilidade uma pessoa pode ter os recursos para tocar piano (isto , capacidade musical, coordenao mos-olhos), mas pode faltar a ela a habilidade, para que se torne capaz de tocar uma obra de Chopin. Com os recursos, a pessoa pode desenvolver a habilidade. E, em relao aplicabilidade deste pressuposto a pessoas com desenvolvimento fsico ou mental diferenciado? A PNL as inclui em todas as pessoas?. A resposta, sem qualquer dvida, SIM!. A designao desenvolvimento mental/fsico diferenciado, especial, diz mais a respeito das outras pessoas, isto , a inabilidade para se perceber recursos nesses indivduos; 7- As pessoas sempre fazem a melhor escolha disponvel para elas naquele momento: Em qualquer situao as pessoas selecionam, entre as escolhas disponveis a elas, aquelas que lhes proporcionaro melhores condies de sobreviverem, obterem prazer, criarem um ambiente seguro, evitarem dor e/ou perigo; 8- Se voc fizer o que sempre fez, obter sempre o mesmo resultado: Se voc quiser uma nova resposta, mude seu comportamento, faa algo novo; 9- Corpo e mente so partes do mesmo sistema: Os pensamentos afetam instantaneamente a tenso muscular, respirao e sensaes. Estes, por sua vez, afetam os pensamentos. Na realidade, o ser humano mais do que corpo e mente. corpomenteemoes, um sistema no qual os trs elementos interagem entre si. Corpomenteemoes pode ser compreendido como um sistema dinmico em equilbrio. No possvel fazer uma mudana em um elemento sem afetar os outros dois. E, pouco importa qual seja o primeiro a
  • 93. ser afetado. Quando o equilbrio perturbado, o sistema imediatamente procura readquirir seu equilbrio dinmico natural; 10-Se alguma pessoa pode fazer alguma coisa, ento possvel aprender a faz-la tambm: Pode-se aprender como o mapa mental de outra pessoa e faz-lo seu. claro que podem existir limites fsicos ou ambientais, mas em princpio, tudo possvel. 3-Como nos comunicamos com o mundo: A- Uso Adequado da Voz: Uma maneira de expressar individualidade e de julgar outras pessoas atravs da maneira de falar e das caractersticas vocais. Saber como controlar e projetar a voz est se tornando cada vez mais importante, quando uma quantidade maior de vendas e de trabalho administrativo est sendo feito por telefone, skype. Albert Mehrabian e outros estudiosos muito respeitados descobriram que 38% da fora daquilo que dito, no est nas palavras em si, mas na maneira como so ditas (7% no significado das palavras e 55% na linguagem corporal). Espelhamento na voz: - Tom; - Qualidade do ritmo; - Entonao; - Qualidade do timbre, volume etc. A confiana se estabelece entre pessoas parecidas, e isto se estende tambm voz. As pessoas que falam mais alto no confiam ou no se sentem inspiradas por quem fala suavemente e vice-versa. B- Uso do Crebro: Por ordem de apario na histria evolutiva, possumos trs crebros: primeiro o Reptiliano, o Lmbico (mamferos primitivos), e o mais recente, Neocrtex (mamferos superiores).
  • 94. Paul MacLean cientista do Laboratrio de Evoluo Cerebral e Conduta do Instituto Nacional de Sade Pblica da Califrnia, desenvolveu um modelo da estrutura cerebral do ser humano, conhecido como crebro trinico, trade cerebral. Para MacLean, o crebro humano desenvolveu-se conservando as caractersticas das etapas anteriores. Assim, o homem possui trs crebros, embutidos uns nos outros: um Crebro Primitivo ou Reptiliano, um Crebro Antigo Mamfero ou Lmbico e um Crebro Neomamfero, o Neocrtex. Nas palavras do autor do modelo: Tal situao implica que somos obrigados a nos ver e a ver o mundo com os olhos de trs mentalidades diferentes. Cada pessoa, em um determinado momento, pode utilizar mais um do que os outros dois crebros. E, isso far com que se comunique de uma forma diferente. C- Linguagem: - Canais de Comunicao (Linguagem Verbal): As representaes internas so estruturadas atravs dos cinco sentidos: viso, audio, tato, olfato e paladar. O mundo experimentado na forma de sensaes visuais, auditivas ou cinestsicas (tato, olfato e paladar), que so os canais de comunicao. Assim, quaisquer experincias so representadas atravs dos sentidos no crebro. Cada pessoa usar mais um canal que os outros. Dependendo de sua comunicao, utilizar em sua linguagem verbal palavras que pertencem mais ao vocabulrio visual, auditivo ou cinestsico. A linguagem verbal transmite o conhecimento acumulado pelas geraes anteriores. um benefcio! E, tambm transmite as distores, omisses e generalizaes das geraes anteriores (modelo de mundo). Tomar a linguagem verbal como dados totais ou as palavras como reais o mesmo que informatizar o crebro com parcialidades ou mentiras, como se fossem verdades absolutas. Ampliar o modelo de mundo igual a obter mais alternativas de comportamento, mais escolhas, que propiciam melhores resultados. representar a realidade pessoal de forma mais rica no crebro. A linguagem verbal d muitos exemplos do poder das representaes internas. O que algum quer expressar quando diz que uma pessoa tem um futuro brilhante?. Ou que tem um bloqueio?. Ou quando diz que teve um estalo?. Essas frases no so metforas. So descries, bem precisas, do que est acontecendo no crebro.
  • 95. Pessoas que so fundamentalmente visuais tendem a ver o mundo em imagens; conseguem seu maior senso de poder entrando na parte visual de seus crebros. Por estarem tentando acompanhar as imagens em seus crebros, as pessoas visuais tendem a falar muito depressa. No se importam exatamente com o modo como se expressam; esto s tentando colocar palavras nas imagens. Essas pessoas tendem a conversar atravs de significados visuais. Falam sobre como as coisas parecem para elas, que formas vm surgir, se as coisas so claras ou escuras. Respirao: torcica; Ritmo da fala: rpido; Movimentos: rpidos; Tenso muscular: alta; Tom de voz: alto; Pulsao: rpida; Presso arterial: alta; Temperatura: baixa. Pessoas que so auditivas tendem a ser mais seletivas com as palavras que usam. Tm vozes mais ressonantes e suas falas so mais lentas, mais rtmicas e uniformes. Uma vez que as palavras significam tanto para elas, so cuidadosas em relao ao que dizem. Tendem a dizer coisas como isso soa certo para mim, posso ouvir o que est dizendo, etc.. Os auditivos tm excelente memria para palavras - tanto para elogios quanto para lembrar ofensas. Respirao: diafragmtica; Ritmo da fala: mdio; Movimentos: mdios; Tenso muscular: mdia; Tom de voz: mdio - mais para grave; Pulsao: considerada normal; Presso arterial: considerada normal; Temperatura: mdia. Pessoas cinestsicas tendem a ser ainda mais lentas. Reagem, fundamentalmente, a sensaes. Suas vozes ecoam bem devagar. Usam metforas do mundo. Esto sempre agarrando alguma coisa concreta. Coisas so pesadas e intensas. Respirao: abdominal; Ritmo da fala: lento; Movimentos: lentos;
  • 96. Tenso muscular: baixa; Tom de voz: baixo; Pulsao: baixa; Presso arterial: baixa; Temperatura: alta. Todos possuem elementos das trs modalidades, mas a maioria tem um sistema que domina. A seguir, esto alguns exemplos de palavras e expresses visuais, auditivas, cinestsicas e inespecficas: - Visuais: luz de, a olho nu, ngulo, apagar, aparncia, aspecto, brilho, claro, cor, delinear, enxergar, espiar, evidncia, flash, foco, grfico, horizonte, iluso, ilustrar, imagem, leitura, mope, fotografia, obscurecer, observar, perspectiva, pintar, prever, quadro, revelar, show, sombrio, tela, visvel. Vejo seu ponto de vista, Quero que d uma olhada nisso, Sem sombra de dvida, Isso obscuro para mim, etc. - Auditivas: Afirmar, agudo, grave, alarme, amplificar, anunciar, barulho, chamar, clique, comentrio, conversa fiada, cochicho, declarar, delatar, descrever, discurso, dizer, esttica, estrondoso, explicar, fofocar, gritar, harmonia, mudo, opinar, perguntar, proclamar, queixa, quieto, reclamar, ronronar, rumores, silencioso, sonoro, tocar um sino, voz. Eu ouvi o que voc estava dizendo, O que estou falando soa certo para voc? Isso no soa bem, A vida est em perfeita harmonia, etc. - Cinestsicas: Agradvel, amargo, apertado, ativo, cansao, choque, ccegas, concreto, controle, emocional, esforo, exagerado, firme, fresco, frio, quente, gostoso, mpeto, irritado, machucado, mexer, odor, pnico, pesado, pressa, presso, resistente, salgado, sensao, sensvel, sentir, sofrer, slido, estresse, suave, suportvel, tenso, vigoroso. Voc capaz de aprender? Esta informao slida, Quero que voc agarre isso, A vida parece quente e gostosa, etc. Para estabelecer uma comunicao verbal til e eficiente (oral e/ou escrita) com algum, seja cnjuge, namorada, filho, chefe, deve-se procurar descobrir o canal de comunicao dessa pessoa e, usar palavras do canal de comunicao dela. Srias discusses podem ser evitadas, bastando demonstrar flexibilidade e penetrar, elegante e sutilmente, na comunicao do outro (rapport na linguagem) evitando o voc no me compreende.
  • 97. Quando estiver se dirigindo a mais de uma pessoa ou a uma platia, til usar palavras inespecficas - que, nada mais so que a linguagem hipntica, genrica. Infelizmente, muitos maus polticos e alguns lderes religiosos inescrupulosos, usam palavras genricas, para alcanar as pessoas, para fins, nem sempre, ticos. - Inespecficas: Acreditar, apreciar, aprendizagem, associar, aumentar, comunicao, conhecer, considerao, decidir, entender, entregar, escolher, estudar, falso, favorecer, igualar, informar, lembrar, localizar, mudar, oferecer, optar, organizar, pensar, perceber, preparar, realizar, receber, reconhecer, saber, solucionar, tentar, vender, etc. - Pistas de Acesso: O Dr. Nelson Spritzer, mdico cardiologista e neurolingista brasileiro, afirma que, estudos empregando radioistopos (partculas marcadas com substncia radioativa), tais como o xennio, tm revelado resultados interessantes, a respeito do comportamento do fluxo de sangue dentro do crebro, em diferentes condies de humor. J se sabe que o sangue dentro do crebro se dirige com maior predominncia para determinadas regies, em certas situaes clnicas como fobias, pnico, depresso e esquizofrenia. E, os cientistas j sabem que, conforme o tipo de processo que o ser humano faz dentro de seu crebro, o sangue vai mais para uma ou outra rea cerebral. Grinder e Bandler observaram que, os olhos se movem quando estamos pensando e quando estamos nos comunicando. Eles observaram que (e a cincia confirma) quando uma pessoa est fazendo imagens dentro do seu crebro, o fluxo sangneo se dirige para a regio da nuca e, quando o sangue vai mais para essa regio, os olhos vo para cima, num movimento involuntrio. Quando sons so processados, os olhos vo para a linha horizontal, ao mesmo tempo em que o sangue corre mais para os centros da fala no hemisfrio esquerdo; quando sensaes e sentimentos so processados, os olhos descem, vo para baixo e para a direita enquanto o sangue flui mais para o Centro Lmbico e Tronco Cerebral, o chamado Crebro Primitivo (Reptiliano). S de olhar as pessoas e escutar o que dizem, pode-se ter uma idia imediata de quais sistemas representacionais esto usando. H muito tempo que se diz que os olhos so os espelhos da alma. E, verdade. Olhando uma pessoa bem nos olhos, pode-se, imediatamente, ver qual o sistema representacional ela est usando num momento especfico.
  • 98. Enquanto representam internamente informaes, isto , enquanto pensam, as pessoas movem seus olhos - ningum consegue pensar sem mover os olhos, ainda que esse movimento seja leve. Neurofisiologicamente, ningum consegue criar pensamentos sem mexer os olhos. Assim, observando-se os movimentos dos olhos, o indivduo pode saber quando seu interlocutor est falando algo que realmente viveu ou algo que inventou. Por isso, cursos e seminrios de PNL so freqentados por muitos agentes de servios de inteligncia (segundo Nelson Spritzer, o prprio Bandler no faz segredo que j deu treinamentos fechados para vrios rgos militares e de inteligncia de vrios pases, inclusive o famoso servio secreto de Israel, o Mossad). Pistas de Acesso: Sistemas Representacionais: - olhos para cima e para a esquerda -------------visual lembrando - olhos para cima e para a direita --------------- visual construindo - olhos para baixo e para a esquerda ------------dilogo interno - olhos para baixo e para a direita--------------- cinestsico - olhos desfocados, na mesma posio----------criao (imaginao) - postura telefnica (mo no queixo e um dedo na face)--dilogo interno - olhos para a esquerda, ou fixos no mesmo nvel, em geral na altura dos ouvidos------------------------------------------auditivo interno lembrando - olhos para a direita, ou fixos no mesmo nvel, em geral na altura dos ouvidos----------------------------------------------------auditivo interno construindo. - Algumas Consideraes: - Esses so os movimentos provveis dos olhos para 90% das pessoas destras; - 10% das pessoas destras e os canhotos processam de maneira diferente. No se sabe porque; - Pessoas especiais: surdas (de nascena), cegas, tambm processam de maneira diferente; - Esses movimentos oculares acontecem em todas as pessoas, seja qual for a nacionalidade delas. Em qualquer idioma que a pessoa se expresse, ela sempre mover os olhos - e, para 90% dos destros, os movimentos sero os descritos acima;
  • 99. - As nicas excees so os bascos e os guanches, que so os habitantes das Ilhas Canrias (principais ilhas: Tenerife, Fuerteventura, Gran Canria, Lanzarote, La Palma, Gomera, Hierro). A estrutura da linguagem desses povos diferente e, seu processamento cerebral , conseqentemente, diferente. E, por que a estrutura da linguagem desses povos diferente? No exatamente uma explicao, mas uma suposio: bascos e guanches seriam descendentes diretos de atlantes (os sobreviventes da tragdia que teria acontecido na suposta Atlntida, continente que teria submergido, em um dia e uma noite, h cerca de doze mil anos atrs, conforme Plato (427-347 a.C.), filsofo grego discpulo de Scrates, em dois de seus escritos: Crtias e Timeu. Para Aristteles, discpulo de Plato, era tudo produto da imaginao: O homem que sonhou com essa ilha a fez desaparecer de novo, teria dito. Porm muitos filsofos, estudiosos e cientistas aceitaram a idia, como o escritor Otto Muck, cientista naval e de foguetes dirigveis, suo, em seu livro O Fim da Atlntida). Porm, uma curiosidade, em relao aos guanches, pode ser provada: no livro Hematologia Geogrfica, os professores Jean Bernard e Jacques Ruffier, afirmam que o fator sanguneo tipo O, encontrado na Islndia, na Irlanda, na Esccia, no Pas de Gales, tanto quanto na Amrica Central e na Amrica do Sul. Mas, ao passo que nesses pases, as populaes, mesmo representadas em estado puro por alguns grupos, oferecem caracteres fsicos que as ligam a uma raa conhecida, somente os guanches (que tm o mais alto ndice do grupo O), no se ligam a nenhuma raa viva. (referncia: As Portas da Atlntida, de Guy Tarade - editora Hemus - 1976 - So Paulo - SP). - Fisiologia Rapport (linguagem corporal): 55% da comunicao, isto , a maior parte, resultado da fisiologia ou linguagem do corpo. As expresses faciais, os gestos, a qualidade e tipos de movimento da pessoa que transmite uma comunicao esclarecem muito mais sobre o que esto dizendo do que as palavras em si. A fisiologia altera o estado interno e vice-versa. Tudo o que os cientistas esto descobrindo hoje, enfatiza a vontade de cada indivduo: doena e sade, vitalidade e depresso/angstia so, muitas vezes, decises. So aes que podem ser decididas e realizadas com a fisiologia. No so, em geral, decises conscientes, mas de qualquer forma, so decises. Ningum, conscientemente, pensa: Quero ficar angustiado ou deprimido. A depresso/angstia um estado mental e qumico, mas ela tem tambm uma fisiologia identificvel: as pessoas deprimidas/angustiadas, em geral, andam
  • 100. com os olhos baixos (esto tendo acesso ao canal cinestsico e/ou falando para si mesmas sobre todas as coisas que as fazem sentir-se deprimidas). Deixam os ombros cados. A respirao fraca e superficial. Mantm seus corpos com uma fisiologia depressiva/angustiada. A depresso/angstia um resultado e requer posturas especficas do corpo para cri-la. H componentes qumicos (que podem ser hereditrios) na depresso/angstia. O paciente deve procurar um mdico psiquiatra, e antidepressivos podem ser necessrios. Alm disso, a pessoa deve colaborar ativamente com seu tratamento, mudando sua fisiologia. Se o indivduo se mantm ereto, joga seus ombros para trs, respira profundamente, olha para cima, pe-se numa fisiologia de recursos, consegue melhorar o estado interno. A fisiologia decisiva. muito importante na comunicao. A fisiologia cria harmonia na comunicao, atravs do espelhamento: copiar a fisiologia de outra pessoa. Enquanto as palavras esto atuando na mente consciente, a fisiologia atua no inconsciente. onde o crebro estabelece: Essa pessoa como eu!. E, como espelhar a fisiologia de outra pessoa? Estabelecendo o rapport. - Rapport: Imitar, igualar-se, ajustar-se, acompanhar ou espelhar o comportamento (verbal e no verbal) de uma pessoa, o processo pelo qual estabelecido o rapport. Espelhar ou igualar-se simplesmente manifestar-se como a outra pessoa se manifesta. O espelhamento, utilizado com discrio, elegncia e sutileza, enfatiza a importncia da percepo de aspectos do comportamento de outra pessoa, permitindo que ela seja encontrada no modelo que tem do mundo. Rapport significa alinhamento, semelhanas, harmonia, similaridade, afinidade. Em qualquer comunicao, dois nveis mentais operam simultaneamente: o consciente e o inconsciente. Como a mente consciente responsvel por, aproximadamente, de 5 a 9% das atividades, a mente inconsciente fica com 91 a 95% - o inconsciente tem preponderncia sobre o consciente. Estabelecer rapport uma maneira de encontrar outra pessoa no seu modelo de mundo ou mapa. Esse vnculo de harmonia dirigido mente inconsciente e portanto, no deve ser detectado pelo consciente das pessoas. O inconsciente procura semelhanas, e no as diferenas. Grinder e Bandler modelaram o Dr. Milton Erikson em sua estratgia poderosa para estabelecer um vnculo ou rapport. O Dr. Erikson era capaz
  • 101. de lidar satisfatoriamente com pacientes resistentes e difceis, tendo em sua vida profissional, quase trinta mil pessoas hipnotizadas com sucesso. Para obter rapport, pode-se espelhar qualquer parte do comportamento da outra pessoa, ajustando seu comportamento verbal e no verbal para se mover junto com ela. Uma vez movendo-se junto, pode-se testar se obteve rapport, conduzindo, isto , gradualmente mudando seu prprio comportamento e observando se a outra pessoa o segue. Ningum estar desistindo de sua identidade quando espelha outra pessoa. Todos podem se tornar mais flexveis. O espelhamento, simplesmente, cria uma igualdade de fisiologia, que ser compartilhada com outro ser humano. Ser que terei que espelhar e acompanhar todas as pessoas de meu relacionamento? - A resposta no. Espelhar e acompanhar so aes que se decide fazer quando se percebe que o interlocutor, por qualquer motivo, no est em rapport ou est perdendo a sintonia com voc. -Formas para Obter Rapport: - Expresses faciais: acompanhar, com elegncia, movimentos faciais tais como levantar de sobrancelhas, apertar os lbios, franzir o nariz, etc.; - Postura: ajustar o corpo para combinar com a postura do corpo do outro ou parte do corpo do outro; - Movimentos corporais: imitar qualquer movimento do corpo que seja constante ou caracterstico - ex: piscar de olhos, movimentos das mos, pernas; - Qualidades vocais: tais como tonalidade, timbre, velocidade, volume, hesitao, pontuao; - Sistemas representacionais: detectar e utilizar, em sua prpria linguagem, os sistemas utilizados pela outra pessoa; - Frases repetitivas: utilizar frases usadas pelo outro; - Respirao: ajustar sua respirao para a mesma velocidade da respirao da outra pessoa; - Espelhamento cruzado: usar um aspecto de seu comportamento para imitar um aspecto diferente do comportamento do outro. Por ex: balanar suavemente uma parte de seu corpo (uma das mos) no mesmo ritmo da respirao do outro. Deve-se utilizar esse recurso com tica. As estratgias de espelhamento, no tero qualquer utilidade se quem as praticar for incongruente, desleal e mal- intencionado. Utilizar qualquer tcnica sem uma estrutura moral adequada e uma postura tica de verdadeiro respeito e carinho com outras pessoas, torna-
  • 102. se uma manipulao dolosa, mal intencionada. Indivduos falsos tm menos xito nos relacionamentos pessoais e profissionais, e so os menos estimados por seus semelhantes. - Rapport e Cadeia de Unio: Em todas as Lojas (Oficinas) manicas, os trabalhos realizam-se conforme a seguinte ordem: - Abertura de acordo com o ritual; - Leitura e aprovao da Ata da sesso anterior; - Desculpas enviadas pelos obreiros ausentes; - Assuntos de famlia ou particulares da Oficina; - Recepo de visitantes, se houver; - Leitura da correspondncia oficial de secretaria; - Circulao do saco de propostas; - Leitura das propostas pelo Orador se forem pertinentes; - Ordem do dia; - Iniciaes, filiaes, regularizaes mais instruo, se houver; - Circulao da Bolsa de Beneficncia; - Palavra a bem Geral da Ordem e da Oficina em particular; - Encerramento dos trabalhos de acordo com o ritual; - Cadeia de Unio. A Cadeia de Unio uma cerimnia realizada ao fim de cada reunio, na qual os maons tiram suas luvas brancas e formam um crculo, que simboliza a unio de todos os maons sobre a Terra e a comunho espiritual manica. Pode-se observar que nesse ritual, os maons tambm realizam o rapport (PNL) - eles acompanham o comportamento uns dos outros, cada indivduo penetrando na comunicao do outro, que se torna nica, principalmente atravs da respirao sincronizada, mesmos gestos etc., alimentando e revigorando a egrgora da Maonaria. A Cadeia de Unio teria tido origem na Maonaria Operativa, onde os pedreiros talhadores de pedra usavam uma corrente de ferro, para cercar a rea da construo. Eles fincavam em torno das construes, estacas de madeira que eram inseridas em cada elo da corrente. Na entrada desta rea era deixada uma abertura, atravs de duas estacas de madeira. A rea delimitada geralmente tinha a forma retangular. Porm, esse ritual j era conhecido no Egito, celebrado pelos deuses, que se davam as mos, integrando nessa cadeia o Fara. Os babilnios tambm praticavam a Cadeia de Unio - era uma corda que unia todas as coisas, atravessando os mundos conhecidos e desconhecidos.
  • 103. A Cadeia de Unio utilizada em todos os Ritos, menos no Emulation Rite. O rapport cria harmonia na comunicao, e a Cadeia de Unio, atravs de cada maom, torna-se um s pensamento positivo. Segundo Rizzardo da Camino (escritor manico), A Cadeia de Unio um dos mais belos atos cerimoniosos ritualsticos e formada dentro do Templo... O ambiente alterado; as luzes so amenizadas; utilizado um fundo musical apropriado, com msica suave que conduza meditao... No Altar dos Perfumes aceso um incenso adequado... O Venervel procede a um ligeiro exerccio respiratrio, conduzindo os Irmos para que aspirem o ar (prana) com a finalidade de toda respirao ficar uniforme... Uma das finalidades da formao da Cadeia de Unio a transmisso da palavra Semestral emitida pelo Gro-Mestre. O Gro-Mestre recolhe-se em seu gabinete, e aps momentos de meditao, deseja enviar uma mensagem aos seus sditos da Jurisdio e busca encontrar uma palavra adequada. Essa palavra (ou frase) comunicada sigilosamente por escrito, a todos os Venerveis da Jurisdio. O Venervel Mestre transmite a Palavra Semestral aos elos da direita e da esquerda, sussurrando-a, porm de forma audvel e clara. Os Irmos, por sua vez, ao receberem a Palavra, a transmitem ao Irmo que est ao lado at ambas as Palavras chegarem ao Mestre de Cerimnias, que inclina a cabea em forma afirmativa expressando que a Palavra chegou corretamente... A postura importante; os Irmos que formam um crculo cruzam os braos, pressionando o plexo solar, dando-se as mos; os ps devem estar unidos, calcanhar com calcanhar, ponta dos ps tocando a dos Irmos que esto aos lados. A Corrente deve unir a parte fsica sobre a Terra (piso da Loja), a parte sentimental, pressionando o corao, e a parte mental, unida pela Palavra Semestral... A Corrente transforma-se em um verdadeiro acumulador de energias, que supre todas as necessidades que o maom tem com os desgastes da semana.... Durante a Cadeia de Unio, um fenmeno pode ser observado seus integrantes entram em estado alfa e teta (hipnose), isto , em um estado alterado de conscincia. Os msculos ficam completamente relaxados e pode haver a sensao de flutuao ou peso corporal, sensao de calor ou de aconchego. Muitos sculos antes de Cristo, iogues, na ndia, j praticavam a meditao e outras tcnicas de relaxamento para atingirem um estado alterado de conscincia. O estado alfa e teta o predomnio cortical pr-frontal de freqncias cerebrais prximas a dez ciclos por segundo. Algumas pesquisas indicam que um predomnio dessas freqncias em determinadas partes dos lobos conscientes significa que a mente est concentrada de forma criativa - isto acontece durante sonhos, em devaneios, em meditaes e oraes, e
  • 104. tambm em momentos de intensa concentrao. Esse chamado estado de fluxo uma sincronia mental: como se a parte hipotalmica da mente - responsvel pela motivao - e o Sistema Lmbico - responsvel pela resposta emocional - se entrosassem com a parte cortical pr-frontal - responsvel pelas decises conscientes e julgamentos. A freqncia das ondas cerebrais flutua inmeras vezes, todos os dias, de maneira espontnea e de acordo com as necessidades. Freqncias cerebrais: Beta: quando o indivduo est acordado e realizando as tarefas cotidianas, o crebro opera nessa faixa de freqncia. Esta comea em torno de catorze hertz por segundo, sendo que a maioria das atividades se realiza entre vinte e vinte e dois hertz por segundo. Esta a mente consciente. Nesse patamar a pessoa pensa, racionaliza e executa todas as suas tarefas; Alfa: entre sete e catorze hertz por segundo est a faixa alfa da atividade cerebral. nesta faixa que ocorrem os sonhos e as fantasias. A hipnose tambm acontece aqui. As ondas alfa emitidas pelo crebro foram descobertas pelo mdico alemo Hans Berger, em 1924, quando estudava o fenmeno da telepatia em um paciente considerado paranormal. E, qual a trajetria que leva o crebro ao estado hipntico? H indcios de que uma estrutura cerebral semelhante a uma rede, chamada formao reticular, funciona como elo entre a voz do hipnoterapeuta e a massa cinzenta do hipnotizado. "A formao reticular controla a viglia e o sono e ainda seleciona em quais informaes devemos nos concentrar", explica o psiquiatra Fernando Portela Cmara, da Universidade Federal do Rio de Janeiro. A tese mais aceita a de que as palavras do hipnoterapeuta, processadas pelo nervo auditivo, alcanam a ponta dessa rede, na base do crebro, e se espalham por toda a massa cinzenta. Por se tratar de estmulos repetitivos, quando chegam ao lobo frontal, concentram a ateno do indivduo em um nico foco, inibindo tudo o que est ao redor. O processo parecido para estmulos visuais. De acordo com o ambiente, o crebro pode fazer essa trajetria espontaneamente (sesso numa Loja Manica); Teta: entre quatro e sete hertz por segundo. As experincias emocionais so registradas nessa faixa. Essa tambm a faixa na qual acontece a hipnose mais profunda e a regresso; Delta: as freqncias inferiores a quatro hertz por segundo levam a pessoa total inconscincia, que o estado de sono profundo;
  • 105. Gama: as ondas gama, de amplitude e freqncia elevadas, so um estado de hiper conscincia - em torno de sessenta hertz por segundo. Neuropsiquiatras identificariam tendncias psicticas, j que, ondas que excedam vinte e dois hertz por segundo, so consideradas uma anomalia, que levariam a pessoa a entrar num estado de histeria aguda. Porm, sabe-se que os xams operam nessa freqncia cerebral. 4 - PNL e Fsica: A PNL baseada na mudana de paradigma da fsica moderna. H algum tempo atrs, dizia-se que era possvel haver experincia direta da realidade (paradigma newtoniano). Mais tarde, Albert Einstein (1879-1955- maom), fsico, ainda bem jovem, perguntou-se; Qual ser a velocidade de um raio de luz se eu estiver me deslocando na mesma velocidade, em sua ponta? A busca da resposta a essa pergunta deu incio a uma grande mudana em toda a fsica e suas leis, uma incrvel mudana de paradigma. As aplicaes prticas dessas mudanas no cessam de surgir em todos os campos do conhecimento humano. o fim dos dogmas da fsica newtoniana-cartesiana. A partir da fica claro que no possvel para algum perceber qualquer fenmeno da realidade sem levar em considerao a presena do observador do fenmeno. Ento um fsico nuclear alemo, Werner Heisenberg, enunciou o Princpio da Incerteza de Heisenberg: No s impossvel a observao da realidade diretamente, sem se considerar a participao do observador, como, tambm a simples presena do observador modifica o fenmeno observado (por exemplo, medio e monitoramento vinte e quatro horas da presso arterial). E mais: o Princpio da Incerteza de Heisenberg demonstrou que sendo possvel medir uma caracterstica de um objeto em movimento, impossvel medir simultaneamente suas outras caractersticas. Vem-se, desde ento revistas acadmicas dedicarem um nmero maior de artigos a abordagens pluri disciplinares e multidimensionais. Outro fsico, o ingls David Bohm acrescentou: Por tudo que sabemos hoje, no mais possvel tentar conhecer a realidade a partir de apenas um modelo. Devemos reconhecer que existem muitos modelos de realidade a serem compreendidos. O modelo hologrfico de Bohm sugere que todos os elementos esto intimamente ligados no Universo. Isso implica uma pluri dimensionalidade. Bohm afirmava, nos ltimos anos de sua vida que, o holomovimento
  • 106. representa uma nova ordem que comea nos campos de energia ou nas partculas elementares, mas antes numa totalidade indivisa da realidade. A PNL um modelo dos modelos que o indivduo faz sobre a realidade que o rodeia. - Um Pouco de Fsica Quntica: Enquanto a Lei da Gravidade est associada ao nome de Isaac Newton (maom) e a Teoria da Relatividade, ao de Albert Einstein (maom), a Teoria Quntica ou Mecnica Quntica foi formulada nas trs primeiras dcadas do sculo passado, por um conjunto de fsicos. Entre eles, Max Planck, Wolfgang Pauli, Paul Dirac, Niels Bohr, Werner Heisenberg e o prprio Einstein, este o primeiro a dar o nome de quanta s unidades subatmicas da matria, hoje conhecidas como ftons. A Teoria Quntica revolucionou o pensamento cientfico porque, ao contrrio da fsica clssica, no se baseia em relaes de causa e efeito. Descobriu-se que eltrons, prtons e nutrons comportam-se dubiamente, ora como partculas (matria) ora como ondas (energia, luz). Um eltron no uma partcula nem uma onda, mas pode apresentar ambos os aspectos, em situaes diferentes. A grande descoberta do fsico Heisenberg foi que os mtodos de observao da fsica clssica no serviam para a fsica quntica, formulando o Princpio da Incerteza. A partir dele, Bohr, seu mestre, formulou o Princpio da Complementaridade. Os fsicos descobriram ainda a existncia de nutrons rpidos e nutrons lentos, conhecimento fundamental para a fisso do ncleo senha para a construo da bomba atmica. A teoria defendida por Niels Bohr a de que reagir mais rpido do que agir. A Fsica Quntica pe em cheque o pensamento cristo de que a reao isenta de culpa. to importante refletir sobre as conseqncias de uma reao quanto de uma ao. 5 - Crebro: O crebro a parte do sistema nervoso central que est localizada dentro do crnio, e sua anlise qumica revela conter 78% de gua, 10% de gordura, 8% de protena, 1% de carboidrato, 1% de sal e 2% de outros componentes. a parte mais desenvolvida e a mais volumosa do encfalo, pesando cerca de um
  • 107. quilo e trezentos gramas. Quando cortado, o crebro apresenta duas substncias diferentes: uma branca, que ocupa o centro, e outra cinzenta, que forma o crtex cerebral. O crtex cerebral est dividido em mais de quarenta reas funcionalmente distintas. O crebro o centro de controle do movimento, do sono, da fome, da sede e de quase todas as atividades vitais necessrias sobrevivncia. Todas as emoes, como o amor, o dio, o medo, a ira, a alegria e a tristeza, tambm so controladas pelo crebro. Ele est encarregado ainda de receber e interpretar os inmeros sinais enviados pelo organismo e pelo ambiente. Os cientistas j conseguiram elaborar um mapa do crebro, localizando diversas regies responsveis pelo controle da viso, da audio, do olfato, do paladar, dos movimentos automticos e das emoes, entre outras. No entanto, os mecanismos que regem o pensamento e a memria, ainda no foram totalmente desvendados pela cincia. Em termos de complexidade e poder, o crebro humano desafia at mesmo a mais moderna tecnologia de computador. capaz de processar at trinta bilhes de bits de informaes por segundo e possui o equivalente a dez mil quilmetros de fios e cabos. Atualmente, j se sabe que o sistema nervoso humano contm cerca de cem bilhes de neurnios (clulas nervosas projetadas para conduzir impulsos) interligados entre si. A palavra neurnio foi criada por Santiago Ramn y Cajal (1852-1934: mdico e anatomista espanhol) que afirmou: Os neurnios so as misteriosas borboletas da alma, cujo bater de asas poder algum dia - quem sabe? - esclarecer os segredos da vida mental. Sem neurnios, o sistema nervoso seria incapaz de cumprir as instrues do crebro sobre o que fazer. Cada neurnio um minsculo computador auto- suficiente, capaz de processar cerca de um milho de bits de informaes. Estes neurnios agem de forma independente, mas tambm se comunicam com outros neurnios atravs de uma rede de cento e sessenta mil quilmetros de fibras nervosas. O poder do crebro em processar informaes enorme, ainda mais se considerarmos que um computador s pode efetuar uma conexo de cada vez. Porm, o crebro funciona por inteiro como uma espcie de sistema integrado. Contudo, ao entrar em atividade, cada uma de suas partes consome mais ou menos oxignio de acordo com sua funo. Mas, apesar dos mapeamentos j feitos das diversas funes do crebro, ainda no se sabe exatamente como elas interagem. muito possvel que, as reas isoladas do crebro faam parte de um sistema nico. Uma reao num neurnio pode espalhar-se a centenas de milhares de outros, num prazo inferior a vinte milissegundos isso representa cerca de dez vezes menos do que preciso para piscar um olho. Um neurnio leva um milho de vezes mais tempo para enviar um sinal do que uma tpica chave de
  • 108. computador, mas o crebro pode reconhecer um rosto familiar em menos de um segundo (um feito alm da capacidade dos computadores mais potentes). O crebro alcana essa velocidade porque, ao contrrio do processo passo a passo do computador, seus bilhes de neurnios podem todos concentrar-se num problema simultaneamente. Os neurnios disparam pulsos eltricos gerados quando a membrana libera ou absorve tomos carregados magneticamente. E, h outras teorias: em maro de 2007, cientistas da Universidade de Copenhague, Dinamarca, propuseram um modelo em que a principal forma de comunicao entre os neurnios seriam ondas sonoras, e no a eletricidade. E, o crebro muito malevel: ele produz novos neurnios durante toda a vida assim como modifica constantemente as ligaes entre eles. Os circuitos usados para cada tarefa mudam com o tempo e com as atividades que so desenvolvidas ao longo da existncia. Assim, com toda essa tecnologia disposio, porque, muitas vezes no to fcil mudar um comportamento? (tabagismo ou alcoolismo, por exemplo?). Porque, a maioria das pessoas no tem idia de como o crebro funciona e, tenta pensar para alcanar uma mudana, quando na verdade, o comportamento est enraizado no sistema nervoso, sob a forma de conexes neurais as neuroassociaes. Os neurocientistas estudam como as neuroassociaes ocorrem e, descobriram que os neurnios esto constantemente enviando mensagens eletroqumicas atravs das pistas neurais. Cada vez que h dor ou prazer o crebro procura a causa e a registra no sistema nervoso, para que o indivduo possa tomar melhores decises sobre o que fazer no futuro. Assim, as neuroassociaes rapidamente fornecem ao crebro os sinais que ajudam a acessar as memrias e, manobrar em segurana (no necessrio estender a mo para o fogo vrias vezes: basta uma vez e o crebro aprende que queima). O crebro pode tambm fazer neuroassociaes positivas. E, essas neuroassociaes podem ser desenvolvidas de forma inconsciente. As neuroassociaes so uma realidade biolgica. Para mudar, o crebro precisa aprender a interromper o seu padro de usar a antiga pista assim, a conexo neural vai enfraquecer e atrofiar. E, pode acrescentar novas instrues aos programas onde elas so necessrias. - Pensamento: Durante muitos, muitos anos, acreditou-se que os pensamentos no significavam coisa alguma. Os pensamentos eram considerados inofensivos. Porm, longe de serem nadas, os neurocientistas concluram que os pensamentos so impulsos eltricos que iniciam mudanas eltricas e
  • 109. qumicas no crebro. Os pensamentos so fisiolgicos! So gatilhos eletroqumicos que dirigem e afetam a atividade qumica no crebro. Quando o crebro recebe uma ordem eltrica que o pensamento, responde com vrias reaes: libera substncias qumicas de controle apropriadas no corpo, e alerta o sistema nervoso central para qualquer resposta ou ao necessria. Ao mesmo tempo, como resposta a esse pensamento, o crebro examina seus arquivos da memria, encontra o local adequado para registrar qualquer informao necessria colhida do pensamento, cria uma reao fisiolgica interna ou mental baseada em informao anterior j armazenada ali e, estoca qualquer nova informao que possa ter valor futuro. Enquanto uma pessoa pensa, no est consciente do que o crebro faz com o pensamento. Onde o crebro coloca a nova informao e o que faz dela, ser determinado pelo que ele colhe da programao gentica. Um adulto emite, em mdia, entre quarenta e sessenta mil pensamentos por dia. O pensamento uma exploso curta de corrente eltrica. O crebro, simplesmente, registra o que recebe. No importa se a informao era verdadeira, falsa, boa, m, importante ou insignificante. O crebro, como rgo que (assim como o corao, ou pulmes.) realiza uma atividade especfica, de certa maneira. Ele funciona sempre da mesma forma: recebendo, processando, armazenando e agindo de acordo com a informao. - Algumas Consideraes: A pesquisa do psiclogo clnico brasileiro, Julio Peres, que foi apresentada no Segundo Simpsio Internacional de Neurocincia, realizado Em Natal, Rio Grande do Norte (Brasil), em fevereiro de 2007, mostrou que terapia (PNL e outras tcnicas) provoca mudanas na atividade cerebral. Est comprovado que, a utilizao de uma tcnica subjetiva altera os circuitos neurais. A pesquisa foi conduzida na Universidade de So Paulo, com pacientes diagnosticados com um tipo especfico de estresse ps-traumtico, o parcial, que pode aparecer depois de um seqestro relmpago, por exemplo. Nessa forma de estresse ps-traumtico, nem todos os sinais clssicos do transtorno, como pesadelos e embotamento afetivo, se manifestam. Os sintomas so: nervosismo, irritabilidade e memrias recorrentes do evento desencadeador. Os resultados revelaram que reas como o crtex pr-frontal ficaram mais ativas nos indivduos sob terapia. Alm disso, houve uma atenuao da atividade da amgdala, estrutura relacionada expresso de emoes, como o medo. Ocorreu o que os especialistas chamam de neuroplasticidade, isto , a capacidade que o crebro tem de se reestruturar. O crebro muito elstico. H menos de vinte anos imaginava-se que ele era como um computador
  • 110. inflexvel, uma mquina com circuitos fixos. Hoje, fato que o crebro se reinventa, cria novos neurnios, novas conexes e novas funes para reas pouco utilizadas. A neurognese (criao de novos neurnios) um processo importante: sabe-se, por exemplo, que alguns tipos de derrames (avcs) aumentam a produo de neurnios - a maioria deles morre, mas alguns conseguem chegar ao local da leso e formar um remendo, que corrige o derrame. O neurologista brasileiro, Ccero Galli Coimbra, da Universidade de So Paulo, diz que muitos fatores que incentivam o crescimento de novos neurnios j so conhecidos. Um deles evitar estresse, que sabidamente bloqueia o crescimento de neurnios. Outro viver em um ambiente rico, com estmulos mentais e fsicos variados. O mesmo para banhos de sol (em horrios apropriados), que fazem o corpo produzir vitamina D, essencial para o crescimento das novas clulas e, uma dieta rica em colina, substncia presente na gema do ovo e ingrediente chave para o nascimento de neurnios (o ovo j foi absolvido, em relao ao aumento do colesterol). O crebro como um msculo: se for exercitado, estar mais protegido contra surpresas - cria uma espcie de reserva. A capacidade do crebro resulta do que a pessoa leu, experimentou, viu e viveu - e isso depende apenas do indivduo. Nesse mesmo simpsio, especialistas suecos e neozelandeses, encontraram a regio no crebro que cria novos neurnios no sistema nervoso de adultos, atestando que o crebro adulto pode criar clulas nervosas novas, fato que, os cientistas acreditavam, s podia ser realizado na infncia. - Como o Crebro Processa Informaes: 1- Eventos externos: Inicialmente, o crebro percebe os eventos externos com os cinco sentidos; 2- Processamento Interno: O crebro comea a decodificar os eventos externos, atravs de: - Omisses; - Distores; - Generalizaes; - Crenas e Valores; - Objetivos; - Estado Interno. 3- Representao interna:
  • 111. Aps a decodificao inicial, o crebro apresenta a representao interna, atravs de: - Sons e palavras; - Sensaes; - Motivao, determinao, etc. 4- Apresentao de informaes: De acordo com todos os itens acima, o crebro vai apresentar respostas: - verbais; - no verbais. - Como o Crebro Funciona? Estmulos externos: Fatos, eventos, comportamentos de outras pessoas, enfim, tudo o que pode ser captado pelos cinco sentidos: viso, audio, tato, olfato e paladar. Fisiologia: A fisiologia o prprio comportamento externo. Afeta diretamente o estado interno. Mudando a fisiologia, muda-se a maneira como a mente processa informaes e vice-versa. A fisiologia d habilidade para controlar o prprio estado interno. Filtros: Memrias, decises, estado interno, objetivos. Crenas e Valores: Crena uma representao interna que governa o comportamento. Ex: as mulheres no sabem estacionar um carro. Valores Ex: amor, honestidade, dinheiro, desafio. Distoro, Omisso e Generalizao: - Distoro: a distoro da comunicao a informao adicional fornecida pela pessoa que recebe a comunicao, isto , suas prprias opinies e idias sobre o mundo. Exemplo de uma pessoa que distorce todas as crticas com a reao: Todos me odeiam. Como resultado de tal distoro, qualquer valor que a crtica tenha, estar perdido, juntamente com as oportunidades de mudana e crescimento. Mas, sem esse processo, no se poderia fazer planos para o futuro nem realizar sonhos.
  • 112. - Omisso: a omisso o processo que exclui certas partes de uma experincia. Esse processo pode ser limitador se o indivduo omitir certos aspectos da sua experincia, que so necessrios para um modelo rico e pleno de mundo. Exemplo de omisso na linguagem: a pessoa diz: Tenho medo - porm, ela tem medo do qu? Mas, com a omisso, possvel o indivduo ler um livro com pessoas falando sua volta ou com a televiso ligada, sem ser esmagado por estmulos externos. O crebro, para funcionar, precisa focar sua ateno, deixando de fora uma srie de dados. Uma das tarefas da PNL recuperar o material omitido. Quanto mais material omitido recuperado, tanto mais complexo fica o modelo, o mapa da realidade. - Generalizao: a generalizao um processo associativo natural no aprendizado. A generalizao pode limitar a experincia, porque pode impedir o exame de todas as alternativas. Aprende-se a atuar no mundo atravs da generalizao. Uma criana aprende a abrir uma porta girando uma maaneta. Ento, generaliza essa experincia reconhecendo as muitas variedades de fenmenos que se encaixam no conjunto de parmetros que ela classifica como portas e tenta abri-las girando as maanetas. Quando algum entra num quarto escuro, procura o interruptor de luz; ele no tem que descobrir uma nova maneira de obter luz a cada vez que entra num quarto. Entretanto, o mesmo processo pode funcionar como uma limitao: se uma pessoa falhar na direo de seu carro, ocasionando um acidente, pode ento generalizar sua experincia e decidir que no funciona mais para dirigir um carro, e estar se negando muitas experincias. Ex. de generalizao na linguagem: todos os homens so insensveis. Cada pessoa faz generalizaes que so teis e apropriadas em algumas situaes, mas no em outras. Os modelos de mundo so criados atravs desses trs processos humanos universais de modelagem. Estes processos permitem sobreviver, crescer, aprender, compreender e vivenciar a riqueza que o mundo tem a oferecer. Mas, se o indivduo tomar a realidade subjetiva por realidade absoluta, esses mesmos processos podem limitar e at destruir a habilidade em ter flexibilidade nas reaes. Estado Interno: o estado emocional num dado momento: ele determina se a pessoa experimenta alegria, tristeza, excitao, satisfao, etc.
  • 113. Representao Interna + Processo Interno: Como as informaes so representadas para si mesmo, na forma de imagens, sons e sensaes + como o indivduo computa essas informaes para planejar e tomar decises. - Anatomia do Crebro: Centros de Comando: Coordenam tudo o que acontece no corpo humano. So aglomerados de clulas nervosas cuja funo ditar as regras. 1- Meninges: So trs membranas finssimas - dura-mter, pia-mter e aracnide que, tm a funo de proteger o crebro; 2- Espao Sub-Aracnide: Esse canal se localiza entre a pia-mter e a aracnide. Nele circula o lquor, um lquido que circunda todo o crebro para absorver possveis choques e concusses; 3 - nsula: um conjunto de sulcos - so rachaduras cerebrais, que modulam as emoes e articulam a fala; 4- Amgdala: Vizinha do hipocampo, ela fundamental para o aprendizado, alm de arquivar as lembranas emocionais - principalmente as traumatizantes; 5- Tlamo: o lugar das sensaes. ele que transforma um chute na canela em sensao de dor e, j deixa o corpo atento, pronto para agir; 6- Tronco Cerebral: Trata-se de uma massa espessa cheia de nervos que conecta crebro, cerebelo e medula espinhal. Alm disso, comanda todos os msculos da face; 7- Corpo Caloso: Interliga os dois hemisfrios cerebrais para que haja uma constante troca de informaes entre ambos os lados; 8- Hipotlamo: Rege alguns processos como a deteco de sede, fome e desejo sexual. Controla a temperatura corporal e o sono; 9- Hipocampo: o responsvel pela memria recente. Tambm importante para o aprendizado; 10- Hipfise:
  • 114. Envia os sinais para as glndulas entrarem em ao e iniciarem o bombardeio hormonal - tireide, ovrios, testculos e supra - renal so algumas glndulas que obedecem hipfise; 11- Cerebelo: Movimentos que requerem preciso, como mexer os dedos para digitar no computador, mexer os lbios; 12- Medula Espinhal: Esse feixe de fibras transmite as sensaes do corpo para o encfalo e vice- versa. Controla a ereo e a vontade de urinar, etc.. Lobos: Assim so chamadas as quatro grandes reas em que se divide o crebro. So oito ao todo. 1- Frontal: Raciocnios mais elaborados e movimentos voluntrios, como estender a mo para cumprimentar algum, por exemplo; 2- Temporal: O cheiro das rosas e o som de uma msica - ou seja, olfato e audio - so percebidos nessa rea; 3- Parietal: Esse o local que faz sentir que o fogo quente e que uma parede de concreto dura. Diz respeito s sensaes tteis; 4- Occipital: a regio da viso, onde se processa tudo aquilo que captado com os olhos. Crtices: Bilhes de clulas nervosas formam um conjunto de segmentos especializados em cumprir funes determinadas. 1- Pr-frontal: Planeja, executa e monitora qualquer atividade: como pensar enquanto a pessoa dirige o carro, qual o melhor caminho para voltar para casa; 2- Pr-motor: Tocar piano requer extrema preciso - da fora que se pe nos movimentos ordem em que cada dedo deve pressionar as teclas; 3- Motor: Controla todos os movimentos que se deseja fazer. A coordenao invertida. O lado direito do crebro d as ordens para o lado esquerdo do corpo e vice- versa; 4- Auditivo Primrio: Capta qualquer tipo de som em sua forma bruta;
  • 115. 5- Visual de Associao: o lugar da percepo onde as informaes obtidas pelo crtex visual primrio so reunidas e ganham sentido. Graas a ele enxerga-se de forma tridimensional; 6- Sensorial Primrio: Capta tudo que ttil: dor, prazer, etc.; 7- rea de Broca: Levando o sobrenome de seu descobridor, o anatomista francs Paul Broca, a regio determina cada palavra que falada; 8- Auditivo de Associao: Permite que o ouvinte identifique que tipo de som o crtex auditivo primrio captou; 9- Sensorial de Associao: A partir das informaes registradas pelo crtex sensorial primrio essa regio reconhece aquilo que se est tocando; 10- Visual Primrio: Do fundo do crnio ele recebe dos olhos as informaes visuais mais elementares. Detecta a cor, a profundidade das coisas e o movimento. Como j visto, Paul MacLean, diretor do Laboratrio de Evoluo e Comportamento Cerebral do Instituto Nacional de Sade Mental, EUA concebeu um modelo de estrutura e evoluo cerebral, que ele denominou crebro trino ou trinico. Segundo ele, o crebro humano, compreende trs computadores biolgicos interligados, cada um com sua prpria inteligncia especial, sua prpria subjetividade, seu prprio sentido de tempo e espao, sua prpria memria, suas funes motoras e outras. Cada crebro corresponde a uma etapa evolutiva diferenciada e fundamental. Os trs crebros so distintos em termos neuroanatmicos e funcionais, e contm distribuies diferentes de neurotransmissores. - Crebro Reptiliano ou Arqueoplio (era dos rpteis): a parte mais interna do sistema nervoso, o tronco cerebral e boa parte do incio da medula. Primeira camada cerebral depositada durante o processo evolutivo. o crebro primitivo, ligado sobrevivncia e auto-preservao. As reaes instintivas, o comportamento repetitivo e as funes vitais bsicas, como respirao e metabolismo de outros rgos - assegura o funcionamento do corpo para garantir a sobrevivncia. Tem como caracterstica a preservao dos comportamentos mais antigos e a conquista e preservao do territrio. O Processo Reptiliano ou Operacional responde, primordialmente (no
  • 116. exclusivamente nem localizadamente, mas conjugadamente) pelos movimentos e pelos chamados instintos de reproduo, sobrevivncia e agressividade, depois transformados em profisso, organizao e rotinas. Circundando o complexo reptiliano, encontra-se: - Crebro Paleoplio ou Sistema Lmbico (era dos mamferos inferiores): rea mais intermediria, recobrindo o tronco cerebral. o crebro intermedirio ou o crebro emocional. Todos os rgos do corpo esto conectados com centros localizados no Sistema Lmbico, numa indicao que as emoes podem influir na funo dos diversos rgos do corpo. O inverso tambm verdadeiro - os rgos podem afetar as emoes. Nessa regio cerebral, encontram-se o tlamo e o hipotlamo, centros ligados s respostas dor e ao prazer. O Sistema Lmbico comanda as funes emocionais. Temos o Sistema Lmbico em comum com outros mamferos, mas o mesmo no ocorre com os rpteis. Em 1878, Paul Broca, neurologista francs descobriu o Sistema Lmbico, que est relacionado identidade pessoal, comportamentos emocionais, sistema imunolgico, etc. A funo bsica do Sistema Lmbico reconhecer e informar ao organismo a respeito das emoes agradveis e desagradveis. Em sua evoluo incorporou as funes de aprendizagem. O Processo Lmbico ou Intuitivo responde pela ludicidade, afetividade, criatividade, esttica, nvel alfa (relaxamento), religiosidade e apego a mitos. Finalmente, e evidentemente, a aquisio evolutiva mais recente: - Crebro Neoplio ou Crebro Cognitivo ou Neocrtex: a parte mais externa e moderna do sistema nervoso. Vinculado linguagem, pensamento lgico, analtico. Regula os processos de ateno e concentrao, inibio dos impulsos e dos instintos, das relaes sociais e do comportamento moral. Parte, freqentemente, confundida como sendo o crebro total. revestida, bem externamente, pela camada cinzenta, zona densa em neurnios altamente especializados e capazes de mltiplas e simultneas tarefas. O Neocrtex mais elaborado o humano (primatas superiores), e o dos golfinhos e baleias. O Processo Neocortical ou Lgico responde pela comunicao, clculo, raciocnio lgico, pesquisa, anlise, crtica e feedback. Segundo Ernst Haeckel (anatomista alemo do sculo XIX), em sua Teoria da Recapitulao, qualquer animal, em seu desenvolvimento embriolgico, tende a repetir ou recapitular a seqncia que seus ancestrais seguiram durante a evoluo. E, realmente, no desenvolvimento humano intra-uterino, as etapas percorridas so muito semelhantes aos peixes, rpteis e mamferos no primatas, antes de nos tornarmos seres humanides (na fase de peixe, existem
  • 117. at fendas branquiais, que so inteiramente inteis para o embrio, uma vez que ele nutrido atravs do cordo umbilical). A razo da recapitulao pode ser compreendida da seguinte forma: a seleo natural age somente sobre os indivduos, e no sobre a espcie - e pouco sobre vulos ou fetos. Os trs crebros processam informaes de formas diferentes. E, assim, se complementam. O ideal que o indivduo consiga desenvolver e aperfeioar os trs processos mentais, para enriquecimento e aumento da utilidade de seu mapa mental (Aprendiz, Companheiro e Mestre: o ensinamento de cada Grau contribuir para o equilbrio e sabedoria do maom, o qual forma um neurnio desse crebro completo, que a Maonaria). Os trs Graus da Maonaria Simblica so a sntese do universo manico, e podem revelar a evoluo (cerebral) da espcie humana: - Aprendiz: Reptiliano; - Companheiro: Lmbico; - Mestre: Neocortical. - O Universo Hologrfico - Crebro Hologrfico e Maonaria: Analogamente ao crebro humano, a Maonaria um crebro e seus integrantes so os neurnios desse crebro. Os indivduos que estruturam a Ordem recebem e repassam o conhecimento, as tradies, os Ritos, Rituais e smbolos os quais representam a Maonaria como crebro: um grande encfalo sistmico. Esse enorme crebro interage com a sociedade, sintoniza, capta e interpreta o meio em linguagem simblica (desde priscas eras) e instrui o organismo todo, atravs de cada maom-neurnio para interagir atravs de vrias linguagens. Este crebro hologrfico, e uma estao receptora do Universo (externo e interno), que tambm hologrfico. A palavra holografia vem do grego holos, todo, inteiro e graphos, sinal, escrita. Holografia a forma de se registrar imagens em trs dimenses. uma fotografia tridimensional, produzida por um processo fotogrfico sem lentes. Foi idealizado pelo fsico ingls Dennis Gabor (1900-1979), em 1947. Mas, a construo de um holograma teve que aguardar a inveno do raio laser. O futuro no pode ser previsto, mas pode ser inventado. a nossa habilidade de inventar o futuro que nos d esperana para fazer de ns o que somos. - Gabor. O holograma possui uma caracterstica nica: em cada parte existem informaes sobre toda a imagem, registrada a partir de certo ngulo. Se o holograma for rompido, qualquer de suas partes reconstituir toda a imagem.
  • 118. Ken Wilber (1949: filsofo americano e criador da Psicologia Integral), em seu livro O Paradigma Hologrfico, d a seguinte definio de holograma: Holografia um mtodo de fotografia sem lentes, no qual o campo ondulatrio da luz espalhada por um objeto registrado numa chapa sob a forma de um padro de interferncia. Quando o registro fotogrfico - o holograma - exposto a um feixe de luz coerente, como o laser, o padro ondulatrio original regenerado. Uma imagem tridimensional aparece. Como no h focalizador, isto , lentes focalizadoras, a chapa tem a aparncia de um padro de espirais, destitudo de qualquer significado. Qualquer pedao do holograma pode reconstituir a imagem inteira. O princpio descrito pelo bilogo Lyall Watson (1939: bilogo africano, zologo e antroplogo): Quando se atira uma pedra em um lago, ela produz uma srie de ondas regulares, que se afastam do ponto em que caiu em crculos concntricos. Lanando-se duas pedras idnticas, em pontos diferentes, produzir-se-o duas sries de ondas semelhantes, que se deslocam no sentido uma da outra. Onde as ondas se encontrarem, interpor-se-o. Se a crista de uma atingir a crista da outra, elas atuaro juntas e produziro uma onda reforada com o dobro da altura normal. Se a crista de uma coincidiu com o intervalo da outra, elas se anularo, e se produzir um trecho isolado de guas calmas. Na realidade ocorrem todas as combinaes possveis entre as duas e o resultado final um complexo arranjo de ondulaes, conhecido como padro de interferncia. Ondas de luz se comportam da mesma forma. O tipo mais puro de luz de que dispomos o produzido por um laser, que emite um feixe em que todas as ondas so de uma mesma freqncia, como as que so produzidas por uma pedra ideal em um lago perfeito. Quando dois raios laser se tocam, produzem um padro de interferncia de luz e ondulaes escuras que pode ser registrado em uma placa fotogrfica. E se um dos raios, em lugar de vir diretamente do laser se refletir primeiro em um objeto como um rosto humano, o padro resultante ser na verdade muito complexo, mas mesmo assim ainda pode ser registrado. O registro um holograma do rosto. A luz incide sobre a placa fotogrfica de duas fontes: do prprio objeto e de um feixe de referncia, a luz defletida por um espelho do objeto at a placa. Os traos aparentemente sem significao na placa no se parecem com o objeto original, mas a imagem pode ser reconstituda por uma fonte de luz coerente como um raio laser. O resultado algo semelhante, tridimensional, projetado no espao a certa distncia da placa.
  • 119. O primeiro holograma foi construdo por Emmette Leith e Juris Upatinicks em 1965, com o uso do laser. Hermes Trismegistos h mais de trs mil anos atrs, se visse um holograma, o usaria como demonstrao da sua afirmao de que as partes contm a totalidade das coisas - Enquanto tudo est no todo, tambm verdade que o todo est em tudo. Aquele que compreende realmente esta verdade alcanou o grande conhecimento.- Caibalion. Em 1969, Karl Pribram (1877-1973: neurofisiologista ingls da Universidade de Stanford), props que o holograma funcionava como um modelo dos processos cerebrais. Pribram, viu no holograma uma forma de explicar o funcionamento do crebro. Para ele o crebro para ver, ouvir, cheirar e saborear interpreta matematicamente as freqncias de energia que capta, provindas de uma dimenso que transcende tempo e espao, e as armazena holograficamente. Mais ainda, o prprio corpo humano um holograma, constitudo de partes que tm potencial de reproduzir o todo (clonagem). Talvez o mundo seja um holograma que o crebro interpreta holograficamente. Pribram viu o holograma como um modelo de como o crebro podia armazenar memrias. Existem regies do crebro especializadas para o desempenho de certas funes: funes de comando do corpo, de recepo de informaes sensoriais, e de comunicao - verbalizao, escrita, desenho, etc. Porm, a memria distribuda, no localizada - hologrfica. Pribram percebeu espantosas similaridades entre este conceito e a teoria hologrfica convencional: "Ns podemos ento distinguir dois aspectos da holografia que a tornam nica como um dispositivo de armazenamento de dados: a primeira que qualquer uma das partes igual soma de suas partes, porque a mensagem reduplicada onipresentemente atravs de cada parte do holograma... a segunda caracterstica que o holograma grava a essncia de um objeto e, ento, repetidas superposies de essncias fornecem os detalhes, as particularidades do objeto quando o holograma total iluminado". O crebro atua em interaes, interpretando freqncias bioeltricas que o permeiam. Em 1971, David Bohm (1917-1994: fsico americano), sugeriu que a organizao do Universo, provavelmente, hologrfica. Pribram e Bohm confirmaram a idia de que o crebro humano funciona como um holograma, coletando e interpretando informaes provenientes de um Universo hologrfico. O modelo hologrfico de David Bohm sugere que todos os elementos esto intimamente ligados no Universo. Por tudo o que sabemos hoje, no mais
  • 120. possvel tentar conhecer a realidade a partir de apenas um modelo. Devemos reconhecer que existem muitos modelos de realidade a serem compreendidos. Muitos cientistas da atualidade acreditam, que de uma forma profunda, todas as coisas do Universo esto infinitamente interconectadas. O Universo em si prprio uma projeo hologrfica e, nesse Universo hologrfico at mesmo o tempo e o espao deixam de ser vistos como fundamentais. O Universo no qual cada pessoa experimenta sua realidade uma projeo de seus pensamentos, sentimentos, emoes. O Universo de cada um um estado de iluso (o maya hindu?) nico, gerado em seu interior, embora se interconecte em iluso com outros Universos. Partindo da noo de que o mundo objetivo pode ser definido como aquele que existe independente da conscincia pessoal de cada indivduo, no h esse mundo exterior, fixo, objetivo e independente. Uma integrao invisvel une todo o universo, numa unicidade elementar. Uma forma de determinismo parece derivar da: todas as ocorrncias so resultado de mudanas em alguma parte do Universo. Isso leva ao conceito de interdependncia das coisas manifestadas e uma Lei de Causa e Efeito (carma?) e noo de ausncia de individualidade no mundo fsico. Mas no mundo subatmico, provavelmente pela influncia mental, h a inexistncia de um determinismo absoluto, pois a nova fsica pode apenas predizer um certo nmero de resultados possveis e no um nico resultado definido. Ento podem co-existir e se complementar as noes de determinismo e livre-arbtrio. Esta nova forma de ver a realidade, proposta por Bohm e Pribram, passou a ser chamada de Paradigma Hologrfico. No Paradigma Hologrfico, tudo no Cosmos formado por tecido hologrfico contnuo da ordem implcita, isto , o Universo no composto por partes, mas por uma totalidade. Bohm afirma que tudo no Universo uma extenso contnua de tudo o mais, mas no uma massa indiferenciada. Tudo pode ser parte de um todo indivisvel e ainda assim manter suas caractersticas nicas (maons constituem a Maonaria em sua totalidade, mas cada maom conserva sua individualidade). Bohm demonstra suas idias com a seguinte experincia: quando um pingo de tinta colocado em um recipiente cheio de glicerina e um cilindro dentro desse recipiente girado, a tinta parece espalhar-se e desaparecer. Porm, quando o cilindro girado na direo oposta, a tinta se junta outra vez em forma de pingo. Este fenmeno exemplifica para Bohm, que a ordem pode ser tanto manifesta (explcita) como oculta (implcita). No Paradigma Hologrfico, tanto o Universo (macrocosmo) quanto as subpartculas (microcosmo) so regidas por leis cclicas: desse modo h uma relao entre finito e infinito. O microcosmo uma parte hologrfica do grande holograma do Universo (macrocosmo): O que est em cima como o que est embaixo, e o que est embaixo como o que est em cima (Hermes Trismegistos). Segundo este paradigma, em cada partcula nossa, em cada clula, h informao de todo o Universo. A Maonaria funciona exatamente como um Crebro Hologrfico em um Universo Hologrfico - cada maom detentor, individualmente, do tudo e de todo o conhecimento ancestral e coletivo. A memria, no funciona
  • 121. localizadamente, no crebro humano - e assim na Maonaria: cada membro, cada Rito, cada Grau, cada Ritual, responsvel pela manuteno de uma parte dessa memria. No crebro humano e no crebro que a Ordem, a memria no como uma biblioteca localizada em determinada parte, pois o crebro inteiro participa do seu processo, sendo que algumas zonas com funo privilegiada: o hipotlamo, a formao reticular, o tlamo (memria reflexa, mecnica, instintiva) e o cerebelo (memria cinestsica). O Sistema Lmbico intervm no controle das emoes. Uma informao mais claramente lembrada, se ela estiver ligada a uma emoo agradvel ou desagradvel do que a uma situao neutra. A teoria de Pribram explica como o crebro humano pode guardar tantas memrias em um espao to pequeno. O crebro tem a capacidade de memorizar algo na ordem de dez bilhes de bits de informao durante a mdia da vida humana (ou a mesma quantidade de informao contida em cinco volumes da Enciclopdia Britnica). Para a maioria dos autores modernos a lembrana uma recriao e este processo dinmico pode ser decomposto em trs etapas: a informao filtrada e gravada atravs dos sentidos (viso, audio, tato, olfato, paladar), depois ela tratada e armazenada sob forma de traos mnemnicos, e por fim ela pode ser trazida mente consciente em qualquer momento de maneira voluntria ou fortuita. H trs etapas na formao da memria: - memria ultra-rpida ou memria sensorial (uma frao de segundo); - memria de curto prazo ou memria imediata (alguns segundos); - memria de longo prazo (que vai de algumas horas at toda a vida) - permite que um nmero extraordinrio de informaes seja lembrado, e essencialmente armazenado sob a forma de imagens, como se fossem hologramas. As relaes entre essas trs etapas da memria ainda no so muito conhecidas. Sabe-se que as duas primeiras so provocadas por um processo eltrico e a ltima por um processo qumico e que no h uma fronteira bem definida para passar de uma outra. Gerald Edelman, cientista americano, ganhador do Prmio Nobel de 1972, afirma que o crebro capaz de se organizar sozinho, em funo da experincia que adquiriu e de gerar suas prprias regras. O que explica por que dois gmeos univitelinos no possuem crebros idnticos, apesar de terem o mesmo patrimnio gentico. E, essa experincia adquirida pode ser detonada pelas ncoras. Ancoragem um processo reconhecido e desenvolvido pelos criadores da PNL, no qual qualquer estmulo ou representao (interna ou externa) fica conectado a uma
  • 122. reao e dispara-a - as ncoras podem ocorrer naturalmente ou serem criadas intencionalmente - os Rituais, na Maonaria, so exemplos de ncoras (que podem ser visuais, auditivas e cinestsicas). Inicialmente os neurnios transitam livremente, embora guiados em percursos gerais por instrues genticas. As conexes sero mais fortes ou mais fracas ao longo da vida dependendo do uso, como postulou Gerald Edelman, que deu a esse processo o nome de darwinismo neural. Segundo Edelman o crebro plstico, quer dizer, possui capacidade de mudar quando o meio ambiente e as experincias mudam (assim como a Ordem). Da mesma forma, a Maonaria preserva sua memria, atravs da sabedoria adquirida e incorporada individualmente por cada maom, dos vrios Ritos, dos diferentes Graus, dos Rituais, dos Smbolos, da Linguagem Simblica atravs dos tempos. - Crebro Reptiliano: Aprendiz; Sistema Lmbico: Companheiro; Crebro Neocortical: Mestre. Por ordem de apario na histria evolutiva, a espcie humana possui trs crebros: primeiro o Reptiliano, depois o Lmbico (mamferos primitivos), e o mais recente, Neocrtex (mamferos superiores). Os animais que possuem essencialmente o Crebro Primitivo ou Reptiliano so os peixes, as tartarugas marinhas, os rpteis e os vertebrados inferiores. No ser humano, este crebro corresponde basicamente ao tronco cerebral e onde esto localizados os necessrios centros de comando para a vida. Controlam o sono e a viglia, a respirao e a regulao da temperatura, os movimentos automticos primordiais, e funcionam como subestaes intermedirias para a transmisso da informao sensorial. O Crebro Primitivo governa a agressividade e a reao de fuga ou luta diante de um perigo externo. A linguagem reptiliana confunde-se com gestos e comportamentos chamados no-verbais. O Crebro Reptiliano no sabe enfrentar situaes novas, no sabe inovar e rejeita algo diferente dele. As caractersticas agressivas e sexuais, territorialidade, a f religiosa, e a hierarquia social, esto localizadas no Complexo Reptiliano. Esse crebro foi o primeiro estgio no desenvolvimento do ser humano, e ainda hoje, desempenha as mesmas funes. Contm toda a rede de neurnios necessria para realizar atividades para a reproduo e auto-preservao, o que inclui a regulao do corao, da circulao sangnea e da respirao. Assim como os humanos, os rpteis e os mamferos tambm compartilham parte semelhante. O Crebro Reptiliano, provavelmente, desenvolveu-se muitas centenas de milhes de anos atrs. Intuitivamente, termos reptilianos so usados para designar aes desse crebro: como, por exemplo, assassino frio ou a sangue frio. O Complexo Reptiliano pode ser comparado ao Grau de Aprendiz na Maonaria, onde o
  • 123. iniciado comea a desbastar sua pedra bruta, vencer vcios, sobrepujar comportamentos agressivos (instintivos) descontrolados, etc. O 1 Grau, de Aprendiz, moral; Circundando o Complexo Reptiliano, h o Sistema Lmbico. A espcie humana tem o Sistema Lmbico em comum com outros mamferos, mas no com rpteis. O Sistema Lmbico a parte do crebro localizado entre o Neocrtex e o Complexo Reptiliano, e responsvel pelas emoes. Descargas eltricas no Sistema Lmbico, algumas vezes, resultam em sintomas similares queles produzidos por psicoses ou drogas alucingenas. A glndula principal no ser humano, a pituitria, faz parte do Sistema Lmbico. Ela influencia outras glndulas, controla o sistema endcrino e est associada s mudanas de humor e outros estados da mente. Outro componente a amgdala, profundamente envolvida na agresso e medo. Disfunes no Sistema Lmbico podem produzir dio, medo ou sentimentalismo sem causa aparente. Uma excessiva estimulao natural pode produzir os mesmos resultados. Provavelmente, est no Sistema Lmbico a origem do comportamento altrusta. Com poucas excees, os mamferos e os pssaros so os nicos a cuidar de sua prole. um desenvolvimento evolucionrio importante. O comportamento animal comprova a idia de que emoes esto presentes nos mamferos e nos pssaros. O comportamento pesaroso de muitas mes mamferas quando tm seus filhotes retirados de perto delas bem conhecido. Talvez, os animais tenham mais emoes do que possamos supor. A parte mais antiga do Sistema Lmbico o crtex olfativo, relacionada ao odor, ao cheiro (incensos acesos nos trabalhos das Lojas manicas). O componente com maior habilidade para lembrar est localizado no hipocampo, tambm parte do Sistema Lmbico. O Sistema Lmbico compara-se ao Grau de Companheiro, onde o maom j aprendeu a controlar seus instintos mais bsicos, e comea a envolver-se com suas emoes superiores, aprendendo a conhec-las e orden-las. O 2 Grau, Grau de Companheiro, emocional superior e mental; O Novo Crebro Mamfero ou Neocrtex, o ltimo a se desenvolver caracteriza o pice da evoluo do reino animal. o local da anlise, do raciocnio, da intuio e da linguagem complexa especfica do homem. O rato tem apenas um embrio de crtex e o gato um pouco mais bem dotado. O co e o cavalo tambm possuem um desenvolvimento cortical na parte posterior do crnio, mas apenas o ser humano dotado de um crtex to abrangente. O Novo Crebro Mamfero processa os dados recebidos atravs dos sentidos, das imagens mentais e das diversas lembranas. Ele transforma as reaes cerebrais em linguagem verbal e no-verbal. O Neocrtex produz atividades complexas como ler, escrever e calcular. Analisa, antecipa, decide e conceitua. Existente em mamferos mais evoludos, primatas, entre os quais o homo sapiens, golfinhos e baleias, o Neocrtex a parte mais complexa e ainda no totalmente decifrada do
  • 124. crebro. Ao que indicam os estudos, para desempenhar determinadas atividades, algumas reas do crebro so ativadas, e apesar da especialidade, h uma grande cooperao para gerar o pensamento. Segundo Carl Sagan (1934-1996: astrnomo e bilogo norte-americano - maom), o Neocrtex representa cerca de 85% de todo o crebro. O Neocrtex dividido em quatro lbulos: frontal, parietal, temporal e occipital. Acreditava-se que no Neocrtex havia conexes principalmente entre os lbulos - hoje, sabe-se que est conectado tambm ao crebro sub- cortical atravs de muitas conexes neuronais. Cada lbulo tem muitas e diferentes funes, algumas divididas entre vrios lbulos. Os lbulos frontais esto relacionados com a deliberao, a regulao das aes, a iniciativa, a conscincia. Ao que tudo indica, at a antecipao de movimentos do corpo so processados no lbulo frontal. Os lbulos temporais esto relacionados com uma variedade de percepes, dos sentidos. Os lbulos parietais com a percepo espacial e a troca de informaes com o resto do corpo. Os lbulos occipitais com a viso, o principal sentido humano e de outros primatas tambm. Se os lbulos frontais esto envolvidos na antecipao do futuro ento tambm este o local das inquietaes, das preocupaes, do sofrimento antecipado (conscincia da prpria morte). Cada novo passo na evoluo do crebro foi acompanhado de mudanas fisiolgicas dos componentes pr- existentes. O Neocrtex pode ser comparado ao Grau de Mestre, 3 Grau, pois incorpora muitas transformaes fundamentais do Complexo Reptiliano (Aprendiz) e Sistema Lmbico (Companheiro). O Crebro Neocortical no , exatamente, superior aos outros dois ele incorpora mais informaes. Considerando os Graus e crebros anteriores, o trabalho do maom pode ser assim compreendido: -Pedra Bruta e o Crebro Reptiliano do Aprendiz indicam a responsabilidade individual do ser vencer vcios, controlar comportamentos instintivos, etc.. - Pedra Polida e o Crebro Lmbico do Companheiro indicam o controle de emoes mais sutis, com a conseqente formao de um critrio interno de ordenao emocional e mental. - Painel e o Crebro Neocortical do Mestre Maom revelam suas preocupaes e interesses transpessoais e holsticos. Ele tem conscincia das trs etapas, da Unidade. Como indicado pelos pontos cardeais no Painel do Terceiro Grau, a orientao do Mestre mudou: ele olha para trs, em direo ao Ocidente, correspondendo terceira virtude cardeal a Caridade que um conceito mais profundo que Filantropia. A Caridade ocupa o mesmo lugar na escada das virtudes manicas que o Sol na escala dos Planetas. Na escada dos metais o ouro e na das cores, o amarelo. No apenas doao a prpria expresso do Amor - Nutrio: ao de nutrir com ensinamentos, conhecimentos e sabedoria outros maons e profanos. A Maonaria tem como
  • 125. escopo o desenvolvimento desses indivduos, integrados na Trindade, que afinal a verdadeira Unidade. As partes do crebro no devem ser consideradas independentes, mas sim interdependentes, pois ao mesmo tempo em que, funcionam separadamente tambm se integram como uma Unidade. Em seu livro Drages do den, Carl Sagan (maom) cita o que considera uma interessante metfora do psiquismo humano, contida no dilogo platnico Fedro: Scrates compara a alma humana a uma carroa puxada por dois cavalos um negro e um branco que seguem direes diferentes, fracamente comandados pelo cocheiro. A metfora da carroa em si notavelmente semelhante ao chassi neural de MacLean; os dois cavalos ao Complexo Reptiliano e ao Crtex Lmbico; e o cocheiro, que mal controla a carroa ziguezagueante e os cavalos, ao Neocrtex. Alguns filsofos, psiclogos e antroplogos como Rgis Dubray, Merleau- Ponty, Jacques Lacan, Lvi-Strauss e outros, entendem que houve uma expulso do Paraso, quando o homem se tornou consciente, significando a ruptura do homindeo com a Natureza. Esse desligamento foi como uma perda, cuja redeno tem acontecido atravs de uma construo coletiva de mecanismos simblicos, permitindo ao homem um entendimento objetivo do Universo, atravs de uma percepo subjetiva (smbolos). Como bem observa Carl Sagan, a Divindade proibiu, especificamente, o conhecimento da rvore da Vida ou os julgamentos abstratos e morais que, esto localizados no Neocrtex. A Divindade expulsou Ado e Eva do den devido ao desenvolvimento de suas habilidades cognitivas Disse a Divindade: Eis que o homem se tornou como um de ns, conhecedor do bem e do mal; assim, para que no estenda a mo, e tome tambm da rvore da Vida, e coma e viva eternamente (Gnesis, 3:22), ele deve ser expulso do Paraso. Aps a expulso do den, a espcie humana, no contexto bblico condenada ao trabalho rduo; ao uso de roupas; ao parto com dor (com o desenvolvimento do Neocrtex, o crnio humano aumentou de tamanho dificultando o parto) e ao crime (Caim mata Abel) a civilizao, metaforicamente, se desenvolveu a partir de Caim, o criminoso, isto , afastou-se da Divindade. Mas tambm de Set, com a possibilidade de se reaproximar da Mesma. Segundo o historiador judeu Josephus, o homem tambm perdeu a capacidade que tinha de comunicar-se com os animais.
  • 126. - Crebro e Maonaria so Ritualsticos: Ritualismo um conjunto de cerimnias, de Rituais os rituais so atos que tm por finalidade orientar uma fora no sentido de uma ao determinada. O ritual uma representao simblica, um procedimento padro, que pode no estar ligado religio. Crebro e Maonaria interpretam a linguagem simblica, metafrica, que expressa atravs dos Rituais (e dos smbolos). Os Rituais acessam diretamente o Crebro Reptiliano os Rituais falam diretamente ao instinto. O crebro humano se desenvolveu mais nos ltimos duzentos mil anos quando o homo sapiens apareceu na Terra. Mas, o homem passou 97% desse tempo em bandos nmades, que viviam da caa e da coleta por isso, a resposta gentica ainda muito forte com o Primeiro Crebro. na Poro Primitiva do Crebro que so gerados os atos e comportamentos mais bsicos para a sobrevivncia e preservao da espcie os mecanismos de defesa, as posies hierrquicas no grupo e a delimitao de territrio. Apesar da dominncia do Neocrtex, muitos dos atos humanos so realizados e compreendidos com base no Crebro Primitivo, como nossos antepassados, h milhares de anos: possuamos e possumos comportamentos ritualsticos - matar para comer, tender a discriminar pessoas fora do grupo pessoal imediato (famlia, cidade, raa), defender o prprio espao (domnio territorial). Sob esse pano de fundo biolgico, desenvolveram-se as mltiplas culturas humanas, diversas entre si, mas todas tendo muitas coisas em comum, como a chamada mente tribal. Os Rituais Manicos atingem, diretamente, o entendimento do Crebro Reptiliano, dessa mente ainda tribal. Todo Ritual provoca a oportunidade para uma transformao, e essa transformao tem um profundo efeito sobre o desenvolvimento dos hemisfrios direito e esquerdo. A apropriada combinao mito/ritual oferece uma oportunidade para sintetizar o consciente e o inconsciente, a lgica e a intuio, o masculino e o feminino, o fsico e o espiritual. - Mente Consciente, Mente Inconsciente e Maons: Ainda no h um consenso em relao definio de mente. Alguns autores entendem que a mente a inteligncia consciente e inconsciente do homem no possui forma material, mas existncia real sua influncia perceptvel no meio material. Ainda h muitas dvidas sobre os supostos poderes da mente fenmenos como telepatia, premonio, telecinesia, previso. O inegvel que o homem sua mente e o corpo tambm resultado da mente. A mente uma s, mas tem duas funes ou caractersticas: mente consciente e mente inconsciente. A mente dividida em duas partes. A parte consciente
  • 127. da mente aquela que usa os cinco sentidos para absorver as informaes, aceitando-as ou rejeitando-as. Inconsciente aquela parte que aceita as informaes que passam ou no pela mente consciente. Os conceitos de mente consciente e de mente inconsciente foram propostos por vrios filsofos, cientistas, literatos e pensadores, muito antes de Freud: Rousseau, Descartes e Locke, Goethe, Leibniz, Nietzsche, entre outros. Por exemplo, era conhecida e usada a analogia da mente como um iceberg, consistindo da conscincia como a parte acima da superfcie e um componente inconsciente na parte submersa, constituda por material escondido, mas no obstante, atuante na vida mental consciente. Para o consciente h um limite no aprendizado para o inconsciente no. Conforme o estudo apresentado pelo psiclogo americano George Miller no seu trabalho clssico The Magic Number Seven (1956) - marco inicial da Cincia Cognitiva - a conscincia limita-se a cerca de sete (dois a mais ou a menos) segmentos de informao; sejam do mundo interno dos pensamentos ou do mundo externo. Acima de sete, esbarra-se em dificuldades de fazer distines absolutas entre uma informao ou outra. Abaixo disso, as tarefas so executadas e controladas com maior facilidade. Por exemplo: para memorizar um nmero grande, deve-se dividi-lo em blocos de dois a, no mximo, sete algarismos. Definido por Sigmund Freud (1856 1939 - maom), mdico neurologista judeu-austraco, precursor da psicanlise, o consciente considerado a parte da mente da qual se tem cincia, conhecimento. O nvel consciente refere-se s experincias que a pessoa percebe, incluindo lembranas e aes intencionais. A conscincia funciona de de acordo com as convenes de tempo e de espao. Parte do contedo que no est consciente num determinado momento pode ser trazido para a conscincia; esse contedo chamado pr-consciente. O pr- consciente descrito como a camada entre o consciente e o inconsciente (o termo correto pr-consciente, e no subconsciente). A conscincia um atributo pelo qual o homem pode conhecer e julgar sua prpria realidade atravs do conhecimento imediato da sua prpria atividade psquica. Freud afirmou que, no h nenhuma descontinuidade na vida mental. Nada ocorre ao acaso e muito menos os processos mentais. H uma causa para cada pensamento, para cada memria revivida, sentimento ou ao. Cada evento mental causado pela inteno consciente ou inconsciente e determinado pelos fatos que o precederam. Uma vez que alguns eventos mentais "parecem" ocorrer espontaneamente, Freud comeou a observar e a estudar os elos
  • 128. ocultos que ligavam um evento consciente a outro. A premissa inicial era de que h conexes entre todos os eventos mentais e quando um pensamento ou sentimento parece no se relacionar aos pensamentos e sentimentos que o precedem, as conexes estariam no inconsciente. Uma vez que estes elos inconscientes so descobertos, a aparente descontinuidade est solucionada. O consciente realiza as tarefas de forma linear, age de forma lgica, seqencial. especialista no pensamento analtico, lgico, lida com a matemtica e controla a linguagem verbal. O consciente analisa. O maom alimenta seu consciente com leitura, conversas edificantes, estudo, etc.. Freud criou o conceito de inconsciente individual - props uma mente dividida em camadas ou nveis, dominada em certa medida por vontades primitivas que esto escondidas sob a conscincia e que se manifestam nos lapsos e nos sonhos. Entendia que o comportamento governado por processos inconscientes, e no somente pelos processos conscientes. Para ele, no inconsciente estavam as pulses as pulses de vida e as pulses de morte, que so duas foras antagnicas e complementares. As pulses de vida (Eros) se referem auto-preservao e as pulses de morte (Tanatos) auto-destruio. Na teoria freudiana, o inconsciente propriamente dito consiste em processos reprimidos, exercendo presso no componente consciente da mente da pessoa, e modelando sua vida cotidiana de modo substancial. Segundo Freud, o inconsciente contm as partes da personalidade que poderiam ser conscientes se a educao, o ambiente social, etc. no as tivesse reprimido. No inconsciente esto elementos instintivos no acessveis conscincia. De acordo com Freud, as pessoas experimentam repetidamente pensamentos e sentimentos to dolorosos que no podem suport-los. Tais pensamentos e sentimentos (assim como as recordaes associadas a eles) no podem ser expulsos da mente, mas, podem ser expulsos do consciente para formar parte do inconsciente. Cada evento mental tem explicao consciente ou inconsciente. Para Freud 90% das memrias esto no inconsciente e somente 10% no consciente. Para ele, o inconsciente existe apenas do nascimento em diante, o que no explica regresses intra-uterinas e a vivncias passadas. Alguns investigadores esto transformando o conceito de inconsciente individual, pesquisando a chamada memria extra-cerebral: as escolas teraputicas
  • 129. transpessoais, tendo pesquisadores como Stanislav Grof (psiquiatra Maryland EUA), Brian Weiss (psiquiatra EUA), e Morris Netherson (psiquiatra EUA - h quarenta anos j conduziu mais de trinta mil regresses). A designao de memria extra-cerebral foi criada por Hamendras Nat Banerjee, pesquisador indiano, da Universidade de Jaipur, provncia de Rajastan, ndia, em 1973, quando comeou a investigar o fenmeno. uma pesquisa que apresenta acentuado indcio em favor da reencarnao, tratando-se de uma tese ainda no cientfica. Para os criadores da PNL, Grinder e Bandler, o conceito de consciente o mesmo de Freud. Porm, entendem o inconsciente individual, diferentemente. Para eles o inconsciente no um poro escuro, onde as pulses se digladiam: mais um sto, ensolarado, e somente tem intenes positivas, no sentido de proteger o indivduo de dores, sofrimentos. Mas no s isso: o inconsciente tambm impulsiona o indivduo em direo evoluo, ao progresso, realizando escolhas mais teis. A PNL aceita a noo de uma mente inconsciente que um reservatrio de idias e desejos dos quais o indivduo no tem conscincia, e que constantemente afetam o comportamento. O inconsciente tem sempre uma inteno positiva os comportamentos que podem ser destrutivos. Por exemplo: inteno positiva: relaxar. Comportamento: ingerir bebida alcolica. Porm, a pessoa pode mudar o comportamento fazer meditao meditao conserva a inteno positiva que relaxar e, um comportamento saudvel, de auto-preservao. O inconsciente abrange todos os processos naturais do organismo, tudo o que j foi aprendido, e tudo que se pode perceber. A maior parte das aes produzida de maneira inconsciente. O inconsciente pode ser acessado atravs da hipnose, de metforas, contos, rituais, smbolos, fbulas, sonhos, relaxamento, meditao. O inconsciente mantm todas as funes corporais vitais, e busca preservar o corpo de qualquer dano. Principais Funes da Mente Inconsciente: - Armazenamento de memrias: temporal e atemporal; - Domnio das emoes; - Organizao de lembranas; - Ancoragem de lembranas como as emoes negativas ainda no resolvidas; - Apresentao destas lembranas ancoradas para a racionalizao (para se livrar dessas emoes negativas); - Controle do corpo, fisiologia. Possui os padres referenciais do funcionamento do corpo; - Preservao do corpo. Manuteno da integridade fsica;
  • 130. - Busca dos padres morais mais elevados do ser; - Controle e manuteno de todas as percepes regulares; - Gerao, armazenagem, distribuio e transmisso de energia; - Reao com instinto e hbitos; - Programado para buscar continuamente mais e mais; - Precisa de repeties para os projetos longo prazo; - Independe das partes para o seu funcionamento; - Simblico. Utiliza e reage a smbolos; - Assume tudo como pessoal; - Trabalha dentro de um princpio do menor esforo. Busca caminhos de menor resistncia; - Processa em positivo. O inconsciente est direcionado a atividades de carter holstico e emprega a intuio e a criatividade. O inconsciente utiliza a linguagem corporal total com significados e com emoes. O inconsciente armazena informaes. O maom acessa seu inconsciente individual atravs dos smbolos e Rituais, pois o inconsciente dominando significados, intuio e criatividade de uma forma holstica, liga conceitos holograficamente. Nas sesses manicas, o adepto est na maior parte do tempo, em contato com sua mente inconsciente, pois o ambiente, a Ritualstica, os odores (incensos atingem diretamente o Sistema Lmbico evocando emoes), fazem com que entre em um estado alterado de conscincia, com freqncia cerebral em ondas alfa e teta (hipnose, para-normalidade). O maom obtm um entendimento mais completo de si mesmo, pois o inconsciente, armazenando as memrias temporal e atemporal, apresenta essas memrias para racionalizao, para o crivo do consciente buscando padres morais mais elevados do ser. O inconsciente age dessa forma, porque controla a manuteno da vida (sempre no sentido de evoluo, de progresso), utilizando e reagindo a smbolos. Os smbolos no esto sujeitos a imediata e clara compreenso ou interpretao. Cada maom interpretar individualmente os smbolos o entendimento dessa interpretao conduzir s respostas para suas indagaes mais profundas. Jung afirmava que um smbolo, em ltima anlise, no define nem explica. Carl Gustav Jung, (1875-1961 - maom), psiquiatra suo, discpulo de Freud, criou o conceito de inconsciente coletivo. Segundo Jung, o inconsciente coletivo no deve sua existncia a experincias pessoais; ele no adquirido individualmente ele herdado. um conjunto de sentimentos, pensamentos e lembranas compartilhadas por toda a humanidade. a herana das
  • 131. vivncias das geraes anteriores. Desse modo, o inconsciente coletivo expressa a identidade de todos os homens, seja qual for a poca e o lugar onde tenham vivido. O inconsciente coletivo um reservatrio de imagens latentes, chamadas de arqutipos, do grego arkhetypos, palavra que significa modelo primitivo ou imagens primordiais, que cada pessoa herda. O arqutipo aquilo de onde a idia simblica derivada. A pessoa no se lembra das imagens de forma consciente, porm, herda uma predisposio para reagir ao mundo da forma como ancestrais do homem faziam. Por exemplo, o medo de cobras e aranhas, pode ser transmitido atravs do inconsciente coletivo: nossa espcie tem uma averso inata, a tudo que tenha forma de cobras ou aranhas. Chimpanzs, gorilas e orangotangos, tambm possuem esse medo inato essa repulsa, provavelmente, teve um importante valor de sobrevivncia para nossos antepassados e outros primatas. Porm, os arqutipos podem ser tanto relativos a medos, angstias, como relativos a contedos agradveis. Os arqutipos, presentes no inconsciente coletivo so universais e idnticos em todos os indivduos. Estes se manifestam simbolicamente em religies, mitos, rituais, contos de fadas e fantasias. Entre os principais arqutipos esto os conceitos de nascimento, morte, sol, lua, fogo, poder, me, e outros... Cada maom, nos trabalhos em sua Loja, est acessando o inconsciente coletivo, obtendo ensinamentos diretamente desse reservatrio universal, patrimnio de toda a humanidade. Para Jung, a prpria intuio uma comunicao do inconsciente coletivo, que no se origina nem da experincia, nem de aquisio pessoal ela inata no ser humano e designa uma natureza universal. Esse material coletivo, somente pode ser reconhecido quando seu contedo se torna consciente. A estrutura simblica e Ritual da Maonaria identifica numerosas heranas inconsciente coletivas, procedentes de diversas e antigas tradies. Os arqutipos ou smbolos so uma linguagem metafrica. O Ritual realiza uma transcendncia, atravs da referncia que se estabelece do profano ao sagrado. Se Freud demonstrou que mais poderoso do que o consciente o inconsciente individual ou pessoal, Jung comprovou que, entre o inconsciente individual e o coletivo, quem domina mesmo o inconsciente coletivo, uma somatria de contedos que fazem parte da espcie humana e esto presentes em todo indivduo. Alm do inconsciente individual, descoberto por Freud e do inconsciente coletivo, estudado por Jung, ainda h outro campo do inconsciente, pesquisado por Szondi.
  • 132. Lopold Szondi (1893-1986), mdico geneticista, psicopatologista e psicanalista hngaro, idealizou o conceito de inconsciente familiar. Suas pesquisas foram influenciadas por Sigmund Freud e Ludwig Binswanger e abordaram a hereditariedade e a teoria gnica. Szondi verificou a existncia de uma "camada" intermediria no inconsciente humano, entre o individual e o coletivo, derivada de material gentico transmitido familiarmente - inconsciente familiar. Ele comprovou, aps mais de trinta anos de estudos em laboratrios de pesquisa gentica, a transmisso, de pais para filhos, de memrias emocionais derivadas de problemas fundamentais no resolvidos: segundo Szondi, todas as pessoas so impelidas por contedos inconscientes, resultantes de conflitos emocionais vividos por seus antepassados, (alm dos contedos do inconsciente individual e do inconsciente coletivo) e no inteiramente resolvidos at o momento, razo pela qual foram transmitidos para as geraes futuras. Assim, submetidas a pulses ancestrais que atuam inconscientemente, as pessoas "buscariam" determinados tipos de experincia de vida para tentar resolver certos tipos de conflitos emocionais que seus ancestrais no puderam ou no conseguiram resolver na prpria vida. Szondi considerava que as pulses ancestrais seriam fatores determinantes do destino humano, na medida em que influenciariam as escolhas do indivduo em todos os nveis da sua existncia, at de doenas e da prpria morte. Estabeleceu o termo tropismo para designar o direcionamento da conduta, fazendo analogia com o reino vegetal, porm atribuindo-lhe novo significado, no sentido de determinao inconsciente das escolhas. Para que o indivduo deseja fazer parte da Maonaria? A resposta pode estar, entre outras, no inconsciente familiar. O futuro maom, orientado por seu inconsciente familiar para essa escolha, ter um vasto campo de opes na Maonaria, para otimizar sua conduta e seu aperfeioamento pessoal - canalizando as pulses familiares ancestrais de uma forma positiva (h tropismos positivos e negativos): estudando, praticando a filantropia, mantendo-se no reto caminho, exercendo a fraternidade, etc.. - Smbolos e Rituais Manicos: Como instituio inicitica, a Maonaria adota para o ensino e estudo de sua filosofia, a apresentao de smbolos e Rituais. Este mtodo consiste na interpretao intuitiva dos smbolos e Rituais, e eminentemente auto- didtico.
  • 133. Ritual Manico uma representao, uma demonstrao alegrica, um teatro ritualstico. Rituais (ou cerimnias) so fundamentais para o maom. Dentre eles, destacam-se: o Ritual de Iniciao: de profano a Aprendiz; Ritual de Elevao: de Aprendiz a Companheiro; e o Ritual de Exaltao (Rito Escocs Antigo e Aceito) de Companheiro a Mestre, que a encenao da morte de Hiram Abiff. Os Rituais so cerimnias de transformao interior - h uma interconexo entre o consciente e o inconsciente. Iniciao uma palavra oriunda do latim initiare, incio ou comeo em. O termo iniciao tem um sentido designado pelo uso comum da palavra: o incio de alguma coisa. Mas a expresso Ritual Inicitico usada em dois contextos diferentes: em primeiro lugar, um Ritual Inicitico a cerimnia de aceitao de um indivduo por determinado grupo. Nessa primeira acepo, o Ritual Inicitico tem um carter social, que demarca a relao da pessoa com a coletividade ou com algum segmento da sociedade. Portanto, quando o indivduo entra para um determinado grupo, esse ingresso comemorado com um Ritual de Iniciao. Em segundo lugar, a expresso Ritual Inicitico, indica no uma mudana de condio social, mas uma transformao interna: o que se modifica o prprio ser do iniciado e, conseqentemente, sua conscincia e percepo. Trata-se de uma verdadeira transmutao, no sentido alqumico do termo. E, ao contrrio do primeiro tipo, no envolve uma cerimnia pblica. um reconhecimento externo de uma mudana interior, que j se processou. Neste segundo sentido, a Iniciao ocorre quando o nefito estabelece contato com as foras arquetpicas e deixa seu campo de conscincia ser transformado pela exposio a essas foras, que se expressam por meio de manifestaes simblicas, que cabem a ele decifrar. O crebro, durante prticas de Rituais (ou de meditao), passa a operar em ondas mais lentas. Durante o Ritual, o indivduo entra num estado alterado de conscincia, com ondas cerebrais alfa e teta, que lhe permitem acessar o inconsciente. Esse estado alterado de conscincia alcanado pelo pensamento e a emoo, colocados na dramatizao. Quando acontece a emoo (intensidade e perfeio na atuao de cada maom), o crebro no consegue perceber o que realidade e o que teatro, entendendo o Ritual como realidade no presente. E, cada maom, acessando seu inconsciente individual, estar conectado com o inconsciente coletivo. No Ritual de Iniciao, h uma transmutao, um renascimento interior, proporcionando uma nova percepo de si mesmo e do mundo. O iniciado passa por provas, como acontece com cada indivduo durante sua vida.
  • 134. Por esse motivo, o smbolo manico da Iniciao a morte morrer para a vida profana e renascer para a Vida Manica. Morte e nascimento so dois aspectos entrelaados e inseparveis de toda mudana. Os Rituais de Iniciao na Maonaria englobam esses dois sentidos. O Ritual se destina a legitimar o ingresso do indivduo na Ordem, e concomitantemente, seu interior est se desenvolvendo por meio de uma srie de evolues graduais que vo ampliando seu consciente e inconsciente. A Iniciao tem como especial e fundamental objetivo, dissolver e eliminar aspectos negativos, que possam estar impedindo o crescimento pessoal: medos, egosmo, etc. O ato da Iniciao no pretende extirpar definitivamente do homem seu ser profano e o mundo. A finalidade faz-lo conviver com o profano e o conhecimento sagrado. Os smbolos utilizados na cerimnia tm como finalidade, agregar as foras arquetpicas para o iniciado. A promoo na hierarquia da Ordem ocorre, quando sua conscincia (do iniciado) atingiu um grau de desenvolvimento satisfatrio. Os Graus manicos so os degraus do conhecimento a serem alcanado pelo iniciado. Como todo processo de metamorfose, no h retrocesso para o iniciado. Uma vez maom, sempre maom. Transposto o portal que transmuta o indivduo, ele jamais ser o mesmo. O iniciado morre para uma realidade e renasce para outra dimenso de sabedoria. As conseqncias do Ritual so irreversveis: o milho que vira pipoca, jamais volta a ser milho. O iniciado fez o voto de caminhar sempre adiante, portanto, no pode mais retroceder. Nos Rituais, so interpretadas, dramatizadas e vivenciadas vrias situaes arquetpicas - arqutipos primordiais, muito mais antigos que a prpria linguagem. Os Rituais, praticados em segredo so a imagem de processos interiores, permitindo a elevao para o conhecimento, a sabedoria, de maneira progressiva. Os ensinamentos da Ordem do-se, preferencialmente, atravs de trs caminhos: Rituais, Devocionais e Contemplativos. Os Rituais so o caminho da ao e so o principal mtodo de ensinamento da Ordem. No caminho da devoo, h o uso da meditao, obedincia e amor fraterno os aspectos devocionais acontecem por meio dos trabalhos filantrpicos. O caminho contemplativo acontece com o estudo de smbolos e os valores que esses smbolos representam. Os Rituais esto carregados de alegorias e simbolismos que se impem desvendar e assimilar. Os smbolos utilizados pela Maonaria tm origens diversas. Alguns autores dividem esses smbolos em dois tipos principais: os
  • 135. que tiveram origem na Maonaria Operativa e os que foram introduzidos a partir de conhecimentos ocultistas, que se integraram Maonaria Especulativa (Alquimia, Hermetismo, Astrologia, Numerologia, Cabala). Mas todos os smbolos devem ser assimilados pelo maom e interpretados de acordo com sua inteligncia, grau de evoluo interior, sua maneira de ser e sentir. Os smbolos so oriundos de diversas crenas, filosofias, antigos mistrios, mas isso no implica que os maons partilhem dessas crenas. As mensagens contidas nos smbolos sero interpretadas, compreendidas e interiorizadas, e passaro a fazer parte do ser e da experincia de cada maom. Ser maom implica integrar o racional a uma entrega mstica. Os Rituais e o estudo da simbologia permitem que os maons progridam no entendimento racional e emocional, nos conceitos que a Maonaria transmite. Com o aprofundamento de seus estudos, o maom encaminha-se para a verdadeira espiritualidade sem dogmas, livre de crenas religiosas. Na realidade, mais um princpio filosfico espiritualista: considerar que no homem e no Universo h algo mais, seja do ponto de vista imanente ou transcendente. Essa espiritualidade um aspecto indissocivel da condio humana, e est muito mais alm do que qualquer religio: espiritualidade o que coloca cada ser diante do absoluto, do infinito, do todo, da eternidade, de seu Deus, de si prprio. A espiritualidade manica uma espiritualidade livre, pois sugere um caminho individual para a relao com a Divindade, com o Divino. A Ordem, respeitando as diferentes opes religiosas, no despoja o indivduo de seu entendimento espiritual. E, esse respeito a base da harmonia e da tolerncia manica. Como ensina Carl Sagan (maom): essa espiritualidade que nos permite sentir de uma forma mais intensa e profunda a beleza de uma trilogia muito famosa e que define bem os grandes valores da humanidade: Liberdade, Igualdade e Fraternidade. E quando chegamos a esta fase em que, enquanto vamos construindo o nosso templo interior, e vamos estabelecendo fortes laos de unio com os nossos Irmos, que estaremos realmente aptos a influenciar, positivamente, a evoluo da humanidade e a defender todos os seus grandes valores. . - Hemisfrio Esquerdo, Hemisfrio Direito e Ritos: O crebro a maior parte do encfalo humano. O crebro humano requer 25% do sangue que o corao bombeia, e particularmente complexo e extenso. Seu aspecto assemelha-se ao miolo de uma noz.
  • 136. O crebro humano como j visto, trinico, segundo MacLean. E, alm de trinico, apresenta dois hemisfrios. Quando visto de cima, um grande sulco (fissura inter-hemisfrica) separa o crebro em duas metades: esquerda e direita, unidas pelo corpo caloso (consistindo em feixe de nervos), os quais trocam informaes e se complementam, sendo que cada lado recebe e aprimora determinados estmulos e opera a parte oposta do corpo. O hemisfrio esquerdo responde pelo raciocnio lgico, e capacidade verbal. Hemisfrio dominante em 98% dos humanos, responsvel pelo pensamento lgico e competncia comunicativa. Nos canhotos as funes esto invertidas. Entende-se o hemisfrio esquerdo como dominante, pois nele esto localizadas duas reas especializadas: a rea de Broca, o crtex responsvel pela motricidade da fala, e a rea de Wernicke, o crtex responsvel pela compreenso verbal. A importncia do hemisfrio esquerdo, para a linguagem, foi descoberta no ltimo sculo. O hemisfrio esquerdo controla o lado direito do corpo. O corpo caloso, localiza-se no fundo da fissura inter-hemisfrica, ou fissura sagital, a estrutura responsvel pela conexo entre os dois hemisfrios cerebrais. Essa estrutura, composta por fibras nervosas de cor branca (feixes de axnios envolvidos em mielina), responsvel pela troca de informaes entre as diversas reas do crtex cerebral. O crebro composto por cerca de cem bilhes de clulas nervosas, conectadas umas s outras e responsveis pelo controle de todas as funes mentais. Alm das clulas nervosas (neurnios), o crebro contm clulas da glia (clulas de sustentao), vasos sangneos e rgos secretores. Ele tem trs componentes estruturais principais: os grandes hemisfrios cerebrais, em forma de abbada (acima), o cerebelo, menor e com formato meio esfrico (mais abaixo direita), e o tronco cerebral (centro). Embora os hemisfrios cerebrais tenham uma estrutura simtrica, ambos com os dois lbulos que emergem do tronco cerebral e com reas sensoriais e motoras, certas funes intelectuais so desempenhadas por um nico hemisfrio. O hemisfrio direito responde pelos sentimentos, e capacidade intuitiva e visual. Durante muito tempo, acreditou-se que o hemisfrio direito era totalmente suprfluo. Nos anos sessenta, a epilepsia, era tratada atravs do corte do feixe nervoso (corpo caloso) que liga os dois hemisfrios. O resultado deste procedimento foram os doentes de crebro dividido que possuam dois crebros independentes Deste modo, era possvel, por exemplo, mostrar imagens a um hemisfrio que o outro hemisfrio no reconhecia. No incio da dcada de 1960, o Dr. Roger Sperry e sua equipe trabalhando em um grande
  • 137. hospital americano realizaram vrias experincias com pacientes epilticos, os quais tiveram as conexes entre os seus hemisfrios cerebrais (direito e esquerdo) desfeitas atravs de uma cirurgia como uma maneira de reduzir os efeitos da epilepsia. Os estudos de Sperry confirmaram que os dois lados do crebro cumprem funes diferentes. O lado esquerdo (que controla o lado direito do corpo) lida principalmente com a linguagem, a lgica e o tempo; e o lado direito, principalmente, com emoo, imaginao, viso, intuio e orientao espacial. Muitas outras experincias como essa vm confirmando essas descobertas, e em 1983, Roger Sperry ganhou o Prmio Nobel de Medicina pelo seu trabalho sobre dominncia cerebral. Assim, foi descoberto que o hemisfrio esquerdo manifesta-se atravs do raciocnio e se expressa atravs da linguagem oral; lidera tarefas que esto relacionadas com a funo e com a lgica, e o hemisfrio direito, com a forma e a unidade. O hemisfrio direito se expressa atravs da linguagem simblica imagens, etc. O hemisfrio direito comanda as atividades motoras e sensoriais do lado esquerdo do corpo. responsvel pelo pensamento simblico e criatividade. provvel que os ambidestros tenham componentes semelhantes nos dois hemisfrios. E, talvez, por isso, os canhotos forados a escrever com a mo direita fiquem gagos. Hemisfrio Esquerdo: verbal, analtico (resolve problemas passo a passo), temporal, racional, lgico, linear (idias concatenadas). Hemisfrio Direito: no verbal, sinttico (unifica as partes para concluir), abstrato (linguagem simblica), analgico (semelhana entre as coisas compreende as relaes metafricas), atemporal, no racional, intuitivo (baseia-se em dados incompletos), holstico (entende o problema como um todo). Para que a memria funcione adequadamente no processo de informao, o ideal a integrao entre os dois hemisfrios, equilibrando o uso de suas potencialidades. A Maonaria congrega vrios Ritos, e como escola inicitica, atravs dos Ritos e de seus respectivos Graus, transmite conhecimentos ancestrais, aprimorando o indivduo, permitindo que ele melhore a si mesmo, a seu prximo, e a humanidade. O encadeamento dos Graus de conhecimento de um mtodo particular definido como Rito porm, a Ordem uma Unidade, Una, pois os maons, de quaisquer Ritos, partilham os mesmos ideais, observam os princpios fundamentais manicos, e h a incorporao de metforas, dramatizaes, alegorias e smbolos como estrutura bsica para o estudo individual de cada maom. O cerimonial de cada Rito Manico o seu Ritual. Os Ritos apresentam diferenas em seus Rituais, devido a
  • 138. interpretaes variadas de textos histricos, influncias sociais, religiosas, etc. Porm, todos os Ritos so concordes em relao doutrina, filosofia e simbologia. Essa variedade de Ritos s fortalece a Ordem, pois demonstra diversidade espiritual, cultural e intelectual no exerccio da liberdade do pensamento. Diversos caminhos levam, coerentemente, a um mesmo ponto de convergncia, que o ideal manico. E Pluribus Unum A Unidade na Diversidade. Cada Rito, de acordo com suas caractersticas e peculiaridades, pode ser identificado como esquerdo ou direito, como as duas partes desse crebro que a Maonaria. O corpo caloso, isto , o corpo de maons funciona como ligao entre esses dois hemisfrios, transitando pelos variados Ritos. H diferentes Rituais, praticados pelos diferentes Ritos manicos. Em cada Grande Loja podem ser praticados um ou mais Ritos. No h um Rito melhor que outro, assim como no h um hemisfrio cerebral melhor que o outro existe a adequao para cada maom, num determinado momento de sua vida de um determinado Rito. H muitos Ritos Manicos praticados em todo o mundo. No Brasil, so praticados seis Ritos, alguns deles reconhecidos e praticados internacionalmente. So eles : o Rito de Schrder ou Alemo (pouco praticado no Brasil), o Rito Francs ou Moderno, o Rito de York (Emulation Rite - o mais praticado no mundo), o Rito Adonhiramita, o Rito Brasileiro e o Rito Escocs Antigo e Aceito (o mais praticado no Brasil). Por suas caractersticas, o Rito Francs ou Moderno, o Rito de Schrder, e o Rito de York (Emulation Rite) so exemplos de Ritos mais compatveis com o hemisfrio esquerdo. O Rito Francs ou Moderno no preconiza invocaes, preces, nem um padro religioso - na Iniciao, o candidato no presta juramento, mas sim, um compromisso de honra. O Rito de Schrder, com o fundamento que a Maonaria deveria apenas conservar suas caractersticas fundamentais iniciais, expurgou a parte mstica - um Rito muito simples, e trabalha nos trs Graus simblicos: Aprendiz, Companheiro e Mestre. Schrder entendia que a Maonaria no era uma sociedade esotrica. Por isso, enfatizou no seu Ritual o ensinamento de valores morais e a propagao do esprito humanstico, dentro do verdadeiro amor fraternal, estimulando o autoconhecimento. Preserva a importncia dos smbolos. O Rito de York (Emulation Rite) tambm no possui Altos Graus; constitudo pelos trs Graus simblicos. Sobrepondo-se ao Grau de Mestre, sem ser um novo Grau propriamente dito, existe o chamado Real Arco.
  • 139. Mais compatveis com o hemisfrio direito so exemplos o Rito Escocs Antigo e Aceito, o Rito Adonhiramita e o Rito de Misrin ou Egpcio. Esses Ritos so formados tambm por Altos Graus ou Graus Filosficos (alm dos trs Graus Simblicos), ensejando o estudo esotrico e/ou mstico. O Rito Escocs Antigo e Aceito, R.E.A.A., foi o primeiro Rito manico a possuir Altos Graus. um Rito derivado do Rito de Heredon e composto por trs Graus simblicos e trinta Graus Filosficos, que so os Graus Elevados. Os Graus Elevados ou Filosficos, so geridos por vrios Supremos Conselhos, que tm como objetivo manter a uniformidade mundial dos Rituais e dos mtodos utilizados. No Rito Escocs Antigo e Aceito cada Iniciao evoca a lembrana de uma religio, de uma escola, ou de alguma instituio da Antigidade: doutrinas judaicas, conhecimentos egpcios, ensinamentos baseados no cristianismo e representados sobretudo pelos Rosa-Cruzes, etc.. Rito Adonhiramita - Esse Rito teve origem na crena dos franceses de que o principal arquiteto do Templo de Salomo tenha sido Adonhiram e no Hiram Abiff. Depois de uma poca de grande difuso, acabou desaparecendo. Porm, no Brasil (onde foi o primeiro Rito praticado), ele permaneceu, fazendo com que o pas seja hoje o centro do Rito, que teve seus Graus aumentados de treze para trinta e trs. Atualmente, s praticado no Brasil. O Rito Adonhiramita desta. As prticas Ritualsticas do Rito Adonhiramita so das mais belas, entre as dos diversos Ritos, segundo autores manicos. O Rito Adonhiramita o mais complexo e o de maior riqueza Ritualstica, no s nas cerimnias de Iniciao, Elevao e Exaltao, mas at nas sesses mais simples. Rito de Misrin ou Egpcio Provavelmente, surgiu na Itlia em 1813 e foi levado para a Frana por Marc, Michel e Joseph Bdarride. O Rito possui noventa Graus divididos em quatro sries: a Primeira Srie chamada de Simblica vai do Grau 1 at o 33, a Segunda Srie chamada de Filosfica vai do Grau 34 at o Grau 66, a Terceira Srie chamada de Mstica vai do Grau 67 at o Grau 77 e a Quarta Srie chamada de Cabalstica vai do Grau 78 at o Grau 90. A Lenda do Rito de Misrin no est centralizada em Hiram Abiff, mas em Lamec, e a passagem no est em Reis e sim em Gnesis. 6 Sociedade Planetria - Maonaria e Terceiro Milnio No ano de 2001, entramos no Terceiro Milnio: satlites, viagens interplanetrias, novas psicotecnologias (entre as quais a PNL), mapeamento do genoma humano, internet, ciberntica, globalizao - a espcie humana
  • 140. enfrenta novos desafios, pois os antigos paradigmas so insustentveis. A Terra um frgil Planeta de gua, no plana, no fixa, e no o centro do Universo em torno da qual giram todos os corpos celestes. Hoje se sabe que o Sol no o centro do Universo, mas sim uma estrela entre milhes de outras. Os homens so mais uma espcie animal entre tantas outras. Em sntese: o homem no o centro de tudo. A humanidade descobriu a interdependncia: todos os pases, cidades, bairros, seres viventes, esto ligados qunticamente, envolvidos uns com os outros nos campos da economia, poltica, ecologia... A palavra ecologia e seu conceito foram proclamados em 1866, pelo bilogo alemo Ernst Haeckel (discpulo de Darwin). Numa definio da AME Fundao Mundial de Ecologia, criada em 1976: Ecologia um nvel superior de pensamento, onde tudo est relacionado com tudo, inclusive com as solues. Como cincia do inter-relacionamento homem/natureza, ela no pode ser vista apenas como o estudo do meio fsico, pois de suas pesquisas e anlises, depende a compreenso da harmonia entre o homem e o ambiente. O Planeta Terra nosso lar, lugar que compartilhamos com todos os seres vivos, e mais do que nunca, os conceitos de homem ecolgico e homem planetrio se impem. O homem ecolgico aquele que, se sente parte e no gestor do seu habitat que o compartilha com outras espcies animais, vegetais e minerais. O cidado planetrio aquele no dividido, unido ao Universo. O principal desafio da humanidade preservar a vida, e as condies de vida sustentvel no Planeta. Mais da metade dos animais e plantas que existiam, j foram extintos; dois teros de todas as espcies de aves esto ameaados de extino: todos os dias desaparecem cinqenta espcies de plantas e dez espcies de animais; todos os dias so desmatadas vastas extenses de florestas tropicais; todos os dias so despejados esgotos, sem tratamento, nas guas de rios e mares. Atitudes devem ser repensadas e, urge mudar. Essa mudana, necessariamente, comea pela transformao pessoal. O impulso evolutivo induz cada ser individualmente, a buscar crescer, melhorar, aperfeioar-se. Toda sociedade o reflexo do cidado. S o indivduo pode gerar uma ampla modificao coletiva - preceito fundamental da Maonaria. O microcosmo projeta o macrocosmo. Hbitos perniciosos do dia a dia devem ser alterados, porque a humanidade j experienciou a falncia do atual modelo de vida coletivo. Instituir aes como: reciclar o lixo inorgnico, compostar lixo orgnico (fazer adubo), tratar esgotos, utilizar energia solar e elica, biogs, optar pelo
  • 141. vegetarianismo (a pecuria requer enormes quantidades de gua), economizar gua, energia, so atitudes bsicas de sobrevivncia. A vida dever ser privilegiada, e o modelo biocntrico posto em prtica a vida no centro: organizao do mundo em funo da vida. A Natureza um sistema vivo e, a vida que orienta sua construo e permanncia. Alternativas viveis de coexistncia no Planeta devem ser buscadas, com o reaprendizado de concepes holsticas e integradas da vida. O homem planetrio pertence a um amplo e novo paradigma: cidades, estados, pases sem fronteiras mentais, polticas ou religiosas. Atitudes sociais com a finalidade precpua de salvar e conservar o Planeta, e a descoberta da conexo com outros seres humanos amor e fraternidade. Uma conscincia planetria desponta. Cada vez mais so criados e articulados grupos, movimentos, redes, privilegiando objetivos coletivos. Esses indivduos cooperativos, atravs desses grupos, ajudam a criar coerncia no caminho de uma transformao mais ampla h grupos voltados ecologia, a favor da paz e dos direitos humanos, de combate fome mundial, contra usinas nucleares, etc.. As sociedades iniciticas fazem parte desse movimento, pois so organizaes com a finalidade de auxiliar e impulsionar o homem em sua evoluo. Agem no terreno social, poltico, sendo responsveis por grandes transformaes. E, entre as sociedades iniciticas, a Maonaria conquistou uma posio de destaque. Sua determinao a de combater o mal, a ignorncia, a inrcia, a passividade, as supersties, e as aes de seres que se opem evoluo humana. A Maonaria, com seus conceitos de aperfeioamento individual, viso libertria, desenvolvimento e progresso da humanidade, impulsiona o maom a uma multiplicidade de papis. O mundo novo o antigo, transformado. Os ideais da Maonaria nunca foram to modernos e necessrios Liberdade, Igualdade e Fraternidade: o maom livre para escolher seu caminho de aperfeioamento pessoal; considera todos seus iguais; entende a fraternidade como pressuposto bsico do amor gape. O maom ressurge com o papel transformador de homem ecolgico e planetrio: nessa sociedade tecnolgica, abraando as conquistas da cincia - e conservando as tradies morais, intelectuais, filosficas, culturais, ritualsticas, alcanando as mentes e os coraes. A Maonaria uma entidade inicitica, filosfica, educativa e filantrpica. O trabalho manico tem como objetivo tornar o mundo melhor, estimulando o crescimento do maom, com o seu desenvolvimento espiritual e sua elevao tica e moral. O maom, para tornar o mundo melhor, deve aperfeioar-se, tornando-se livremente responsvel. Crescendo e
  • 142. aperfeioando-se, transforma a comunidade que o rodeia e na qual est inserido, pois com o aprendizado manico sutilizam-se seus conceitos intelectuais, culturais, morais, espirituais e sua forma de interagir com outros maons e profanos. Um processo que se apresenta individual, torna-se um processo transformador da sociedade, impulsionando os maons como construtores do presente e gestores do futuro. O maom pode influenciar positivamente, a vida de sua famlia, de seus amigos, de seus vizinhos, de sua cidade, de seu estado, de seu pas, do Planeta. Ser o propagador da justia, da caridade, da liberdade, dos direitos e deveres do exerccio da cidadania. A nova sociedade planetria exige a atuao madura do indivduo, no s na exigncia de seus direitos, mas tambm na conscincia do cumprimento de seus deveres. O Dr. Mrcio Bontempo, mdico e socilogo, prope uma interessante Declarao Universal dos Deveres do Homem (a Declarao dos Direitos do Homem foi redigida em nome da ONU Organizao das Naes Unidas, em 1948, em Paris, Frana), cujos itens, curiosamente, j so conhecidos e exercidos pelos membros da Maonaria h muito tempo, constando da doutrina e filosofia dessa Instituio: 1- Todo homem tem o dever de zelar pela Vida. A Vida um bem comum de toda a humanidade, e como tal, deve ser respeitada em todas as suas possibilidades; 2- O meio ambiente a casa de todos. Todo homem tem o dever de lutar contra sua destruio e de evitar sua degradao, em todas as suas possibilidades; 3- A sade o bem mais precioso do homem. dever de todos se oporem s aes, que ponham em risco a sade individual, coletiva ou das futuras geraes; 4- dever de todo homem comportar-se em harmonia com as leis que regem a Vida, evitando atos que possam produzir danos ao prximo ou ao meio ambiente; 5- dever de todo homem no participar e opor-se guerra, agindo sempre a favor da paz e da fraternidade humana, em todas as suas possibilidades; 6- dever de todo homem proteger as crianas, os fracos e os seres menos favorecidos, segundo as condies e as possibilidades individuais; 7- dever de todo homem cultivar os valores humanistas e universais, opondo-se a toda forma de manipulao e controle do homem ou da sociedade; 8- dever de todo homem no impor suas idias a outrem e respeitar outras idias, ideais, religies, filosofias e formas de pensar diferentes das suas, favorecendo assim a concrdia universal;
  • 143. 9- dever de todo homem proteger e respeitar nossos irmos menores, os animais, evitando-lhes qualquer tipo de sofrimento, e garantindo-lhes a liberdade e a vida, em todas as suas possibilidades; 10- Todo homem tem o dever de opor-se a qualquer tipo de discriminao, seja racial, religiosa, social, poltica, etc. e de posicionar-se a favor da concrdia, da paz e da unidade humana; 11- dever de todo homem amar e respeitar este Planeta, atuando sempre no sentido construtivo e de continuidade da existncia dos seres, dos povos e da evoluo; 12- Todo homem tem o dever precpuo de cultivar a benevolncia, o amor ao prximo, a humildade e o esprito de fraternidade. A Ordem deve desempenhar seu papel como parte ativa e atuante dessa nova sociedade humana, de variadas formas: desenvolvendo seus membros nos aspectos esotricos, espiritualistas, morais, orientando o crescimento pessoal, continuando a respeitar individualmente cada maom, aceitando suas crenas, ensejando assim, cidados livres, livres pensadores, na busca e investigao da Verdade; reconhecendo e compreendendo com conscincia sua importante atuao social e poltica, conforme demonstram experincias do passado; estimulando a prtica da filantropia e caridade, atravs de aes educativas: cursos, orientao profissional, criao de escolas e assistncia a comunidades carentes, contribuindo para a formao dos arquitetos desse novo tempo. Os maons j possuem as ferramentas bsicas para a ao: uma Instituio ecltica e universalista que abriga os mais variados exemplos do pensamento humano e uma diversidade de homens "livres e de bons costumes". Essas condies fazem do maom um homem j pronto, para enfrentar ativa e eficazmente os futuros desafios pessoais e sociais. O papel do maom no est restrito ao trabalho dentro das Lojas: mais do que nunca, ele necessrio tambm fora delas, como obreiro da paz, construtor das bases de uma nova sociedade. O iderio manico pode conduzir s solues dos novos desafios: a Liberdade envolver conceitos no s polticos ou ideolgicos, mas ecolgicos, sociais, culturais, intelectuais, espirituais. As Liberdades externa e interna devem ser buscadas constantemente, para que haja o desenvolvimento e aperfeioamento espirituais, e dessa forma um crescimento da vida interior e externa do homem. No plano poltico e ideolgico, a expresso desta Liberdade interior ser a democracia globalizada dessa Nova Era. Em um texto de 1940, sobre a Liberdade, Einstein definiu pontos centrais para a transio da atual sociedade humana em direo civilizao prspera e luminosa do futuro: o novo ser humano precisa ter uma liberdade interior,
  • 144. uma profunda liberdade de pensamento. O ser humano no pode ser forado a aceitar dogmas religiosos, filosficos ou polticos. Deve aprender a ver as coisas por si mesmo, sem correr o risco de ser perseguido ou marginalizado por isso. Esta liberdade de esprito consiste na independncia de pensamento em relao s restries provocadas por preconceitos sociais e autoritrios, mas tambm em relao s rotinas e aos hbitos em geral. A Igualdade conduzir conscincia universal, atravs da conscincia individual e essa conscincia universal inimiga de qualquer tipo de violncia e/ou constrangimento. Independentemente das barreiras nacionais e culturais, crescem as relaes diretas entre as pessoas e grupos de pessoas. A Fraternidade Manica ser expandida para um ncleo de Fraternidade Universal, independente de credo, raa, classe social ou ideologia. O mesmo princpio que define a Fraternidade Manica definir a Fraternidade Universal: servir a outros indivduos de um modo livre, criativo e independente, pelo prazer do trabalho, pelo prazer de ver os resultados positivos deste trabalho para a comunidade. Ajudar a construir uma sociedade de seres humanos independentes, livres e felizes, ser a meta de cada indivduo, inspirado pelo iderio manico. Compreender que o grande objetivo da Vida a elevao da conscincia de cada ser humano, at fundir-se com a conscincia divina universal, conforme sua crena individual. Segundo a lenda bblica de Ado e Eva e seus filhos Caim, Abel, Set e mais outros filhos e filhas, entende-se essa metfora em relao a nosso crebro: antes do pecado, do assassinato no den o crebro humano era uno, no tri-partido. O ser humano, em outras pocas, utilizou amplamente o poder de seu crebro inteiro, extremamente capacitado (Atlntida? Lemria? Os deuses da Sumria? Os anunnakis, de Zecharia Sitchin?). Porm, essa utilizao revelou motivos ignbeis, egostas, conduzindo a uma ruptura com a Natureza, tendo a espcie humana que recomear seu aprendizado inicialmente com um Crebro Reptiliado, depois com mais um, o Lmbico, at a fase atual completado com o Neocortical. Depois que Caim matou Abel, a humanidade teve que, evolutivamente, reaprender conceitos morais, ticos, como compaixo, honestidade, lealdade, fraternidade, amor, j que descende do assassino Caim. Mas descende tambm de Set, podendo assim escolher entre duas tendncias atvicas opostas, em luta em seu interior. Talvez, essa sociedade do presente/futuro resgate o Crebro Inteiro, Uno, no fragmentado, dessa vez para a verdadeira redeno e felicidade da Humanidade. Talvez, mais adiante, outros Nos com outros Jafets, Sems e Cams possam transmitir tradies, tecnologias, ensinamentos morais e espirituais, sua descendncia que sero todos os homens e mulheres do Planeta Terra.
  • 145. As civilizaes passam, mas a ideologia manica continuar. SI TATLIA JUNGERE POSSIS SIT TIBI SCIRE POSSE Martha Follain Setembro/2008. Apndice 1 HOMEM VITRUVIANO Quando ouvimos os sinos, ouvimos aquilo que j trazemos em ns mesmos, como modelo. Sou da opinio que no se dever desprezar aquele que olhar atentamente para as manchas da parede, para os carves sobre a grelha, para as nuvens, ou para a correnteza da gua, descobrindo, assim, coisas maravilhosas. O gnio do pintor h de se apossar de todas essas coisas para criar composies diversas: lutas de homens e de animais, paisagens, monstros, demnios e outras coisas fantsticas. Tudo, enfim, servir para engrandecer o artista. Leonardo Da Vinci. Leonardo da Vinci, artista renascentista, possua um talento diversificado, que tornou-o capaz de pesquisar e realizar trabalhos em vrios campos do conhecimento humano: foi pintor, escultor, anatomista, engenheiro, matemtico, msico, naturalista, arquiteto, engenheiro, urbanista, aerologista, botnico e inventor. Segundo historiadores, era um belo homem, tinha uma voz esplndida. Com sua mente investigativa, questionava o mundo que o circundava, raramente terminava uma pintura, e freqentemente, experimentava novas tcnicas. Era um visionrio para sua poca, pois idealizou o tanque de guerra, helicptero, pra-quedas, e descobriu que o homem no poderia voar como os pssaros, batendo asas. Foi o reintrodutor da fbula na Itlia - suas fbulas e lendas relacionavam-se com as de Esopo e as dos bestirios medievais - com raras excees, eram quase todas inventadas por ele mesmo e continham um desfecho moral. Italiano, nasceu em 15 de abril de 1452 (data em que se comemora o Dia Mundial do Desenhista), filho ilegtimo do tabelio e advogado, Piero com a jovem Catarina. H dvidas sobre a cidade de seu nascimento talvez Anchiano, uma localidade de Vinci. Para outros historiadores, foi o prprio lugar de Vinci, situado na margem direita do rio Arno, perto dos montes Albanos, entre Florena e Pisa, na regio da Toscana.
  • 146. Aos dezesseis anos j desenhava e pintava, e foi para Florena (naquela poca, cidade de grande prestgio) para trabalhar no ateli de Andrea del Verrocchio (importante artista da poca). De cabelos louros, olhos azuis, nariz aquilino, de uma incomparvel beleza fsica, Leonardo teria sido o modelo para o Davi, de Verrocchio. Pelo que tudo indica, Verrocchio exerceu sobre Leonardo intensa influncia, embora pequena no campo artstico, bastante acentuada no universo intelectual. Aos trinta anos, segue para Milo, onde viveu uma poca e trabalhou para a corte de Ludovico Sforza. Em Milo, como urbanista, fez um projeto completo para a cidade, eliminando muros, alinhando ruas, prevendo esgotos, vias de dois pavimentos em que os pedestres andariam por cima, deixando a pista embaixo livre para veculos. As casas seriam amplas e ventiladas, e haveria enormes praas e jardins pblicos. Da Vinci possua um especial amor pelos animais. O historiador Edward MacCurdy, citado no livro Jaulas Vazias de Tom Reagan, afirma: "a mera idia de permitir o sofrimento desnecessrio e, mais ainda, de matar, era abominvel para ele". Segundo os relatos verificados por Regan, Leonardo adotou uma dieta vegetariana na infncia, por razes ticas. "Rei dos animais - como o humano descreve a si mesmo - eu te chamaria Rei das Bestas, sendo tu a maior de todas - porque as ajudas s para que elas te dem seus filhos, para o bem da tua goela, a qual transformaste num tmulo para todos os animais. Leonardo Da Vinci. Leonardo, segundo alguns historiadores, teria sido maom. Da Vinci foi um grande pintor. Ele dominou, com sabedoria, o jogo de luz e sombra suas pinturas partem da realidade, mas estimulam a imaginao do observador. Entre suas principais obras, encontramos A ltima Ceia, A Gioconda, Auto-Retrato, etc. Na obra de arte A ltima Ceia ou O Cenculo (que foi uma criao de trs anos de trabalho, de 1495 a 1497), Leonardo coloca na tela o momento em que Jesus Cristo anuncia haver um traidor entre os presentes. A ltima Ceia uma pintura de Leonardo da Vinci para seu protetor, o Duque Lodovico Sforza. Representa a cena da ltima ceia de Jesus com os apstolos, antes de ser preso e crucificado como descreve a Bblia. Ao contrrio de muitas outras pinturas, nunca foi possuda particularmente porque no pode ser removida do seu local de origem. Foi executada numa parede do Convento de Santa Maria delle Grazie, em Milo, com mais de nove metros de comprimento e quatro metros e vinte centmetros de altura. Essa criao est em Milo, no Louvre, em Windsor, e na Academia de Veneza e na Albertina de Viena. At 1506, realizou trabalhos principalmente em Florena e tudo indica que nesta poca tenha pintado sua obra mais famosa: a bela e enigmtica La Gioconda ou Mona Lisa
  • 147. (Museu do Louvre, Paris, Frana). H teorias que a Mona Lisa seja um auto- retrato, mas com feies femininas, explicando assim o sorriso ambguo. No entanto, a idia mais aceita que o retrato ilustra a esposa do comprador, Francesco Bartolomeo del Giocondo - da o nome La Gioconda. Leonardo no punha nomes nos seus quadros. O nome Mona Lisa foi dado pintura por Giorgio Vasari, quase trs dcadas aps a morte do pintor. Entre 1506 e 1516, viveu entre Milo e Roma. Em 1516, foi convidado pelo rei Francisco I, da Frana, para trabalhar. Francisco I, comeou a coleo do Museu do Louvre, e comprou vrios quadros italianos, inclusive a Mona Lisa. Trabalhou para o rei Francisco I, e morreu na Frana, em Cloux, em 02 de maio de 1519. O Homem Vitruviano (1492), desenho de Leonardo, das propores da forma humana, baseia-se em uma clebre passagem do arquiteto romano Vitruvius, em que ele expe a figura humana deitada de barriga para cima, com braos, mos e pernas abertas, colocada em um crculo e um quadrado (formas geomtricas consideradas perfeitas), tendo o umbigo como centro do crculo. A cabea avaliada como sendo 1/10 da altura total. O Homem Vitruviano de Da Vinci, baseado no terceiro volume da obra de Vitruvius, onde ele descreve as propores do corpo humano. A descoberta do Tratado de
  • 148. Vitruvius, em 1420, influenciou fortemente os artistas do Renascimento, que retomavam o ideal antigo da proporo e equilbrio das formas. O desenho de Da Vinci foi inspirado na obra do arquiteto Marcus Vitruvius Pollio (70 a.C. 25 a.C.), De Archictetura, aproximadamente em 40 a.C. (descoberta na Abadia de Monte Cassino, em 1420), que explica a relao entre simetria e perfeio. Marcus Vitruvius Pollio, foi um arquiteto, agrimensor, pesquisador e engenheiro romano que viveu no sculo I a.C. e deixou como legado sua obra em dez volumes, que constitui o nico tratado europeu do perodo grego-romano que chegou aos nossos dias e serviu de fonte de inspirao a diversos textos sobre construes hidrulicas, hidrolgicas e arquitetnicas, desde o Renascimento. Dedicou sua obra ao Imperador Augustus. Seus padres de proporo e seus princpios de arquitetura: utilitas, venustas e firmitas (utilidade, beleza e solidez), inauguraram a base da Arquitetura Clssica. Sua obra foi traduzida para diversos idiomas, e foi considerada fundamental para a Arquitetura Clssica, at o sculo XIX. Para Vitruvius, as partes de uma construo deveriam guardar uma relao harmnica, similar s existentes nas propores do corpo humano. O arquiteto era um estudioso da Arquitetura Grega, e seu tratado conservou a tradio clssica no traado de edifcios pblicos, e o que escreveu tinha uma inteligente avaliao humanista. Para ele, tudo o que o homem construa, deveria ter como escala o corpo humano, e como valores de referncia as propores humanas, e assim, Vitruvius preocupou-se tambm com o estudo das medidas humanas, e relacionou-as com a Arquitetura. O desenho de Da Vinci um pentagrama humano, com um corpo masculino desnudo dentro de um crculo o umbigo do homem corresponde ao centro do crculo. Alm do crculo, a figura tambm est contida exatamente dentro de um quadrado. O corpo est separado e simultaneamente em duas posies sobrepostas, com os braos inscritos num crculo e num quadrado. A cabea calculada como sendo um oitavo da altura total. O desenho e o texto tambm so conhecidos como Cnones das Propores. O maior desafio era colocar a figura do homem dentro das formas geomtricas. Vitruvius cometeu o erro de colocar o crculo e o quadrado com o centro no mesmo lugar, o que resultava num desenho do homem com propores grotescas. Leonardo encontrou uma soluo brilhante, apoiando as duas formas sobre a mesma base depois desenhou o homem seguindo as propores estabelecidas. Segundo Vitruvius, a construo de um Templo deveria se basear nas propores do homem, consideradas divinas. O redescobrimento das propores matemticas do corpo humano, no sculo XV, por Leonardo e outros considerado uma das grandes realizaes que conduzem ao
  • 149. Renascimento italiano. O desenho tambm considerado como um smbolo da simetria bsica do corpo humano e, por extenso, para o Universo. A rea total do crculo a mesma do quadrado. O desenho de Leonardo representa, o homem como uma Estrela de Cinco Pontas. Desde a Antigidade, a Estrela de Cinco Pontas simboliza os corpos celestes menores que o Sol e a Lua. Ela o smbolo do homem, microcosmo, e do Universo, macrocosmo. A Estrela de Cinco Pontas, com a ponta para cima, representa o homem em sua espiritualidade, pois, nela se inscreve uma figura humana, com a cabea ocupando a ponta superior e os membros superiores e inferiores ocupando as demais pontas. Ela tambm pode representar o planeta Vnus. O homem deve buscar as suas prprias medidas para encontrar na sua construo, o Universo. Propores humanas, de Vitruvius (na poca, desenhar o homem perfeito, era um grande desafio): Face, do queixo ao topo da testa - 1/10 da altura do corpo; Palma da mo, do pulso ao topo do dedo mdio - 1/10 da altura do corpo; Cabea, do queixo ao topo - 1/8 da altura do corpo; Base do pescoo s razes do cabelo - 1/6 da altura do corpo; Meio do peito ao topo da cabea - 1/4 da altura do corpo; P - 1/6 da altura do corpo; Largura do peito - 1/4 da altura do corpo; Largura da palma da mo - quatro dedos; Largura dos braos abertos - altura do corpo; Umbigo - centro exato do corpo; Base do queixo base das narinas - 1/3 da face; Nariz, da base s sobrancelhas - 1/3 da face; Orelha - 1/3 da face; Testa - 1/3 da face. O Homem Vitruviano, arte em harmonia e proporo geomtrica ideal, e simboliza o Infinito (o crculo) equilibrado sobre os quatro elementos da natureza: fogo, terra, ar e gua (o quadrado), tendo o ser humano como medida. H mais de oitenta manuscritos sobre o Da Arquitetura, porm, poucos apresentam as ilustraes originais executadas pelo prprio Vitrvio. Durante a Idade Mdia, Vitruvius ficou um pouco esquecido, pois os arquitetos no possuam formao acadmica, sendo a arquitetura considerada mais como artesanato, que deveria ser aprendida na prtica. A mais importante influncia
  • 150. deixada por Vitrvio para a Idade Mdia o estudo e descrio da Arquitetura. Apndice 2 HIPNOSE ERICKSONIANA Uma vez perguntaram a Buda como ele fez para andar dois mil quilmetros. Ele respondeu que bastou dar o primeiro passo, os outros vieram a seguir, um depois do outro... A hipnose moderna, ou hipnose ericksoniana, foi criada pelo Dr. Milton Erickson, famoso psiquiatra norte-americano (1901-1980), considerado o av da Programao Neurolingstica, criada por John Grinder e Richard Bandler.Grinder e Bandler procuraram a essncia da mudana nos melhores mestres que puderam encontrar. Por sua habilidade e crescente reputao, rapidamente conseguiram ser apresentados a alguns dos maiores exemplos de excelncia humana do mundo, incluindo o Dr. Milton H. Erickson, M.D., fundador da Sociedade Americana de Hipnose Clnica, e amplamente reconhecido como o mais notvel mdico hipnoterapeuta do mundo. Na dcada de 70, o Dr. Erickson j era muito conhecido entre os profissionais da medicina e era at assunto de vrios livros, mas poucos alunos seus conseguiam reproduzir seu trabalho ou repetir seus resultados. Dr. Erickson freqentemente era chamado de curandeiro ferido, visto que muitos colegas seus achavam que seus sofrimentos pessoais eram responsveis por ele ter se tornado um terapeuta habilidoso e famoso mundialmente. A hipnose um estado de ateno focalizada (em alguma coisa) da mente consciente e que produz uma dissociao da mente inconsciente. A hipnose acontece pela interao das duas partes. Segundo Erickson, mente consciente a parte que permite ter crtica. Ter a habilidade de analisar, fazer julgamentos. a parte racional. a parte limitada da mente.. Mente inconsciente o reservatrio de todas as experincias adquiridas. Experincias pessoais, aprendizados, as funes automticas, etc.. uma mente sbia, no rgida nem analtica e to pouco limitada. capaz de interpretaes simblicas e tem tendncia a uma viso global. Carrega os recursos para as mudanas.
  • 151. Atravs da hipnose, possvel dissociar estas duas partes, para acessar os recursos sbios do inconsciente, reintegrando-as a seguir. Erickson ensinou, que sugestibilidade uma abertura para aceitar novas idias, novas informaes. medida que esta informao vai sendo adquirida, ela pode alterar a experincia da pessoa e, este processo feito atravs da mente inconsciente. O modelo da hipnose moderna, naturalista, tem maior eficcia quanto a sugestibilidade e suscetibilidade hipntica isto , o grau em que uma pessoa hipnotizvel: Critrios de Hipersman: - Transe leve habilidade para sugestes ps-hipnticas simples; - Transe mdio a sugestibilidade maior no transe mdio; - Transe profundo habilidade para manter o transe com os olhos abertos; - Transe pleno ou estuporoso marcado por respostas orgnicas lentas e quase completa inibio da atividade espontnea. Sinais Tpicos de Transe Hipnose Centrada na Soluo de Problemas William H. Hanlon e Michael Martin Editora Psy: Podem acontecer um ou mais sinais: - Paralisao dos msculos faciais; - Mudana da tonalidade da pele; - Imobilidade; - Diminuio dos movimentos de orientao; - Catalepsia (enrijecimento) de um dos membros do corpo; - Mudana na deglutio e no piscar dos olhos; - Alterao da pulsao e da respirao; - Comportamento motor autnomo (espasmos musculares); - Olhar longnquo; - Olhar fixo; - Mudana no tom de voz; - Demora para reagir a um estmulo; - Perseverana na reao; - Literalismo; - Dissociao; - Relaxamento dos msculos.
  • 152. O mtodo de hipnose criado por Erickson, consiste em fazer um tipo exclusivo de transe para cada cliente. baseado, numa linguagem de fcil acesso a cada um, a linguagem dele mesmo, atravs de sugestes indiretas. Ele fazia um tipo de sinergismo, ou princpio de semelhana, como na homeopatia. Ele aceitava e utilizava a situao em que se encontrava o indivduo. Assim, o cliente conduzia sua prpria cura. As mudanas ocorridas sero mrito do indivduo e no do terapeuta. HIPNOSE Um dos temores mais comum que o terapeuta mantenha o cliente sob seu poder, transformando-o em autmato. Nada pode estar mais distante da verdade. No se entra num transe a no ser que se queira, o que faz de toda hipnose uma auto-hipnose. O terapeuta to somente um instrutor, um profissional que sabe provocar o transe hipntico. De uma maneira geral, ningum pode ser forado a fazer sob transe hipntico algo que no faria em condies de viglia. Muitas pessoas pensam que a hipnose perda de conscincia e que no se lembraro do que aconteceu quando estavam em transe. Mais uma vez, esto equivocados - a hipnose um estado intensificado de concentrao e relaxamento. um estado alterado de conscincia extremamente repousante e tranqilo. A maioria dos clientes hipnotizados fica bem consciente do que ocorre ao seu redor na sala, a no ser que aceite a sugesto de no prestar ateno no ambiente. De certo modo, a hipnose um estado de percepo intensificada de sentimentos e processos interiores. Uma das reaes mais comum em pessoas sadas do estado de hipnose a de no saberem se realmente foram hipnotizadas ou no. Elas esperam algo bizarro, algo mgico, quando simplesmente se trata de um estado de relaxamento que focaliza estmulos internos. No h nada de perigoso em relao hipnose. De fato, um dos procedimentos mais seguros no processo teraputico. Quando o cliente hipnotizado e submete-se a uma regresso, uma parte dele est completamente consciente de que se encontra no presente. Ao mesmo tempo, outra parte se acha convencida de que est no passado. uma experincia que pode ser muito convincente. A lgica do transe um dos sinais do transe profundo. Aqui esto os sinais da hipnose que podem ser vivenciados. No h necessidade de todas essas sensaes.
  • 153. Sensaes Internas: - Uma sensao to profunda de relaxamento que no se sente vontade de fazer nenhum esforo; - Sensao de peso, especialmente nos braos e nas pernas; - Sensao de entorpecimento, formigamento ou insensibilidade nos ps ou nas mos; - Sensao de estar flutuando; - Sensao de estar separado do ambiente de tal modo que os arredores parecem distantes. Percepes externas: - Paralisao dos msculos faciais; - Mudana de tonalidade da pele; - Imobilidade; - Alterao da pulsao e da respirao; - Mudana no tom de voz; - Relaxamento dos msculos; - Mudana na temperatura das mos; - Tremor nas plpebras; - Aumento do lacrimejamento; - Avermelhamento dos olhos; - Olhos voltados para cima (em algumas pessoas); - Levitao dos braos. HIPNOSE CLSSICA E HIPNOSE ERICKSONIANA Toda concentrao, foco num tema especfico, provoca um estado alterado de conscincia (estados alfa e teta) que, pode ser chamado de transe. O estado de transe a porta de acesso aos registros inconscientes. O conceito de hipnose no unnime. De acordo com o dicionrio Aurlio, hipnose o estado mental semelhante ao sono, provocado artificialmente, e no qual o indivduo continua capaz de obedecer s sugestes feitas pelo hipnotizador. Segundo a American Psycological Association, numa definio publicada em 1993, a hipnose um procedimento, durante o qual um pesquisador ou profissional da sade, sugere que um cliente, paciente ou indivduo, experimente mudanas nas sensaes, percepes, pensamentos ou comportamentos. Entre os conceitos j aceitos, hipnose um estado natural de conscincia, diferente do estado de viglia.
  • 154. O estado hipntico, sempre existiu (estado hipntico diferente de induo hipntica formal). Sociedades primitivas j usavam tambores para induzir (sem saber), um estado de transe. Outros exemplos so a imposio das mos para curas no tempo de Cristo e o toque real, na Idade Mdia (acreditava-se que o monarca, tinha o poder de cura, pela imposio das mos. O rei Eduardo, 1066, o confessor da Inglaterra foi quem introduziu o toque real atravs do toque na cabea dos doentes, conseguia a melhora dos sintomas sugesto). No oriente o ioga outra forma de hipnose. Os sacerdotes gregos e egpcios usavam a hipnose h dois mil anos atrs, no tratamento de vrias doenas. Hipnose clssica: - Sculo XXX a.C.: No Egito, os sacerdotes induziam certo tipo de estado hipntico nos Templos do Sono. - Sculo XVIII a.C.: Na China, sacerdotes induziam um transe, para buscar a aproximao entre os pacientes e seus antepassados. - Mitologia grega: Filho de Apolo e Coronis, Asclpius aprendeu com o centauro Quron, um tipo de sono especial que, curava as pessoas. - Sculo XI: Avicena (Abu Ali al-Husayn ibn Sina, 980 1037), sbio, filsofo e mdico iraniano, acreditava que a imaginao era capaz de adoecer e de curar pessoas. - Sculo XVI: Paracelso (Philippus Aureolus Theophrastus Bombastus von Hohenheim 1493- 1541), mdico naturalista, pai da medicina hermtica, acreditava na influncia magntica das estrelas na cura das pessoas doentes. Confeccionava talisms com inscries planetrias e zodiacais. Acreditava que o ser humano tinha uma fora interior. Introduziu o im como elemento de cura (magnetos). - Sculo XVIII em diante:
  • 155. - Franz Anton Mesmer (1734- 1815), foi considerado o pai da fase cientfica da hipnose. A histria moderna da hipnose comeou com ele. Mesmer trabalhava com o sacerdote jesuta, Maximilian Hell, que era astrnomo real em Viena. Eles usavam ms no tratamento de vrios casos de histeria. Mesmer acreditava que as curas eram produzidas pela redistribuio de algum tipo de fluido, que ele chamou de magnetismo animal. Mais tarde, Mesmer passou a dizer que ele possua foras especiais e que seus pacientes eram curados quando raios magnticos fluam de seus dedos. Em 1778, mudou-se para Paris. Em 1784, foi investigado por uma comisso (Benjamin Franklin, Lavoisier, Dr. Guilhotin, etc.), que chegou concluso que as curas de Mesmer eram resultado da imaginao dos pacientes e, denunciaram Mesmer por fraude. O fato que, mesmo desacreditado, Mesmer lanou as bases que fundamentaram a psiquiatria dinmica moderna e, suas pesquisas levaram a um melhor entendimento das relaes entre sugesto hipntica e a psicoterapia. Desprestigiado e, abandonado, foi para a Sua. Morreu em Meesburg, em 1815. - Marqus de Puysgur (1751- 1825) Discpulo de Mesmer. Descobre o sonambulismo artificial. Deixa vrios discpulos, entre eles, o padre Jos Custdio de Faria, o Abade Faria. - Abade Faria (1755- 1819) Estudou a fundo o hipnotismo e, concluiu que no havia influncia fludica na obteno dos fenmenos hipnticos. - John Elliotson (1825- 1893) Professor de medicina em Londres em 1838, inventou o estetoscpio. Seguiu as idias de Mesmer. Foi interditado pela prtica do mesmerismo. - James Braid (1795- 1860)- Mdico ingls. Em 1841, desenvolveu a tcnica de fixao visual para a induo de estados de relaxamento e chamou-a de hipnose. Ele pensava que a hipnose era idntica ao sono, hypnos, em grego. - James Esdaile (1845- )- Cirurgio escocs. Trabalhou nas florestas da ndia, fazendo cirurgias em nativos, usando anestesia mesmrica amputaes de pernas, remoo de tumores de prstata, etc. Os casos foram documentados. Mesmo assim, quando voltou Inglaterra foi ridicularizado e esquecido.
  • 156. - Ambroise- Auguste Liebault (1823- 1904) Frana, e Bernheim (1840- 1904), trataram cerca de dez mil pacientes com hipnose (1886). - Jean Martin Charcot (1825- 1893)- Frana. Discordou das idias de Bernheim e Libault, de que a sugesto era um fator importante na hipnose. Charcot afirmava que era apenas outra forma de manifestao da histeria. Charcot retomou a teoria de Mesmer sobre o magnetismo animal. Com o tempo, a histria foi provando que Charcot estava errado e Bernheim e Liebault certos. - Ivan Pavlov (1849- 1936) Mdico russo que, definiu o transe como um sono incompleto, causado por sugestes hipnticas. Estas sugestes provocariam uma excitao em algumas partes do crtex cerebral e inibio em outras partes. Criador da induo reflexolgica. - Pierre Janet (1849- 1947)- Francs que descreveu o transe como uma dissociao. Introduziu o termo subconsciente para diferenciar do inconsciente. - Sigmund Freud (1856- 1939) Interessou-se pelo trabalho de Bernheim e Liebault. Porm, posteriormente, rejeitou a hipnose, por consider-la superficial. Isso atrasou o seu desenvolvimento em, pelo menos, cinqenta anos. - Ernest Simmel (1918) - Psicanalista alemo. Tratou soldados com neurose de guerra (Primeira Guerra Mundial) com hipnose e, chamou a tcnica de hipnoanlise. Ele juntou hipnose tcnicas psicodinmicas. - Hadfield e Horsley e mais tarde Grinver e Spiegel- durante a Segunda Guerra Mundial, de 1939 a 1945, usaram barbitricos para induzir um estado de hipnose medicamentosa (narcossntese), com o objetivo de trazer tona o material traumtico. A fuso da hipnose com a psicanlise foi um dos mais importantes avanos mdicos decorrentes da Primeira e Segunda Guerras Mundiais. Hipnose moderna ou ericksoniana:
  • 157. - Milton Erickson (1901- 1980) Psiquiatra norte-americano. Ele considerado o pai da hipnose mdica moderna. Erickson criou uma nova abordagem, baseada no resgate dos recursos internos do paciente. O seu mtodo consistia em utilizar aquilo que o paciente trazia em si, como algo de mais forte, mais do que analisar ou dar nfase s suas fragilidades. Ao contrrio da hipnose clssica, onde o hipnotizador tinha o poder de sugestionar o paciente passivo e dominado em sua vontade, Erickson desenvolveu um mtodo em que usava os prprios recursos do paciente, deixando que as coisas acontecessem naturalmente. Seu mtodo considerado naturalista. De acordo com Milton Erickson, hipnose a suscetibilidade ampliada para a sugesto, tendo como efeito uma alterao das capacidades sensoriais e motoras para iniciar um comportamento apropriado. Erickson percebeu a natureza multidimensional do transe, que se modifica experiencialmente de pessoa para pessoa. Deve-se reconhecer que uma descrio, no importa quo precisa ou completa seja, no ir substituir uma experincia real, nem to pouco poder ser aplicvel a todos os pacientes .(Milton Erickson). Erickson no usava nenhuma induo clssica mas sim uma induo especial e nica para cada paciente, fazendo com que, o paciente se tornasse seu prprio indutor. - BIBLIOGRAFIA: -Maonaria: - Aslan, Nicola - Instrues para Lojas de Perfeio - So Paulo, Editora A Trolha, 1994; - Bacelar, Mrio Leal - Espiritualizao da Maonaria - Rio de Janeiro, Editora Mandarino, 1983; - Beck, Ralph T. - A Maonaria So Paulo, Editora Planeta do Brasil, 2005; - Blanc, Cludio - Maonaria Sem Mistrio - So Paulo, Editora Nova Leitura, 2006; - Browne, Sylvia - Sociedades Secretas - So Paulo, Editora Prumo, 2008; - Camino, Rizzardo da - Kadosch - Rio de Janeiro, Editora Aurora, 1980; - Camino, Rizzardo da - Ritualstica Manica - So Paulo, Editora Madras, 1998;
  • 158. - Camino, Rizzardo da - A Maonaria e o Terceiro Milnio - So Paulo, Editora Madras, 2005; - Castellet, Alberto Victor - O que a Maonaria - So Paulo, Editora Madras; - Cocuzza, Felippe - A Maonaria na Evoluo da Humanidade - So Paulo, Editora cone, 1994; - Couto, Srgio Pereira - Sociedades Secretas - So Paulo, Editora Companhia dos Livros, 2004; - Couto, Srgio Pereira - Maonaria - So Paulo, Editora Universo dos Livros, 2005; - Couto, Srgio Pereira - Maonaria para No - Iniciados So Paulo, Editora Universo dos Livros, 2007; - Debortoli, Irene R. - Mistrios da Fauna Luz da Maonaria - Minas Gerais, 2000; - Ebram, Jos - A Alma Manica - So Paulo, Editora Madras, 2003; - Fagundes, Morivalde Calvet - Maonaria: Esprito e Realidade - Rio de Janeiro, Editora Aurora, 1982; - Horne, Alex - O Templo do Rei Salomo na Tradio Manica So Paulo, Editora Pensamento, 1972; - Jacq, Christian - A Franco-Maonaria - Rio de Janeiro e So Paulo, 1977; - Knight, Christopher e Lomas, Robert A Chave de Hiram So Paulo, Editora Landmark, 2007; - Leadbeater, C. W. - A Vida Oculta Na Maonaria - So Paulo, Editora Pensamento, 1969; - Mackey, Albert G. - O Simbolismo da Maonaria - Volume 1 - So Paulo, Editora Universo dos Livros, 2008; - Mackey, Albert G. - O Simbolismo da Maonaria - Volume 2 So Paulo, Editora Universo dos Livros, 2008; - MacNulty, Kirk W. - Maonaria - Uma Jornada Por Meio do Ritual e do Simbolismo - So Paulo, Editora Madras, 2006; - Mansur Neto, Elias - O Que Voc Precisa Saber Sobre a Maonaria - So Paulo, Editora Universo dos Livros, 2005; - Monteiro, Eduardo Carvalho - O Esoterismo na Ritualstica Manica - So Paulo, Editora Madras, 2006; - Robinson, John J. - Nascidos do Sangue - Os Segredos Perdidos da Maonaria So Paulo, Editora Madras, 2006; - Revista Superinteressante - Editora Abril - Agosto/2006; - Revista Superinteressante - Editora Abril - Setembro/2005; - www.portalmaconico - Google.
  • 159. - Programao Neurolingstica: - Andreas, Connirae e Andreas, Steve - A Essncia da Mente - So Paulo, Editora Summus, 1993; -Andreas, Steve e Faulkner, Charles - A Nova Tecnologia do Sucesso - Rio de Janeiro, Editora Campus, 1995; - Bandler, Richard - Usando Sua Mente - So Paulo, Editora Summus, 1987; - Bandler, Richard e Grinder, John - Sapos Em Prncipes - So Paulo, Editora Summus, 1982; - Chung, Tom - Qualidade Comea em Mim - So Paulo, Editora Maltese, 1994; - O Connor, Joseph e Seymour, John - Introduo Programao Neurolingstica - So Paulo, Editora Summus, 1995; - Robbins, Anthony - O Poder Sem Limites - So Paulo, Editora Best Seller, 1987; - Spritzer, Nelson - O Novo Crebro - Porto Alegre, Editora L&PM, 1996; - Outros: - Blainey, Geoffrey - Uma Breve Histria do Mundo - So Paulo, Editora Fundamento Educacional, 2008; - Bontempo, Mrcio - A Sociedade Planetria - So Paulo, Editora Best Seller, 2000; - Ferguson, Marilyn - A Conspirao Aquariana - Rio de Janeiro, Editora Nova Era, 1997; - Mailer, Norman - Noites Antigas - Rio de Janeiro, Editora Nova Fronteira, 1983; - Morris, Desmond - O Macaco Nu - So Paulo, Editora Crculo do Livro, 1975; - Muck, Otto - O Fim da Atlntida - So Paulo, Edies Melhoramentos, 1978; - Sagan, Carl - Os Drages do den - So Paulo, Crculo do Livro, 1977; - Santos, Horta - O Tempo e a Mente - O Universo Inteligente - Rio de Janeiro, Editora Nova Era, 1998; - Watson, Lyall - O Macaco Onvoro - Rio de Janeiro, Editora Expresso e Cultura, 1974; - Sitchin, Zecharia A Escada para o Cu So Paulo, Editora Best Seller, 2002;
  • 160. - Wenger, Win - Aumente Sua Inteligncia - Rio de Janeiro, Editora Record, 1993; Martha Follain CRT 21524 So Paulo - SP Currculo resumido: Bacharel em Direito pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro); Formao Bsica em Programao Neurolingstica (PNL) - Clnica Dr. Yuji Eguchi; Curso de Introduo PNL pela Sociedade Brasileira de PNL com Gilberto Craid Cury (Presidente da Associao Brasileira de PNL); Formao em PNL - Espao EF - Terapias Alternativas e Holsticas; Formao em PNL - Practitioner pela Quantum Leap do Brasil (ESPNL Escola Superior de PNL); Master Practitioner pelo Instituto de Cincias Neurolingsticas - North American Association of Neurolinguistic Programming - Tom Chung; Cursos Internacionais na Sociedade Brasileira de Programao Neurolingstica com Steve Andreas; Treinada por John Grinder (co-criador da PNL) em PNL aplicada ao atendimento teraputico, comunicao, metforas e alta negociao. Palestrante convidada pela Quantum Leap Inc. para o Seminrio Internacional
  • 161. de John Grinder, Therapeutic Tools, por ser considerada uma entre os nove melhores neurolingistas brasileiros, por seu trabalho inovador e criativo: PNL e Teatro Interativo-: Crescimento no Processo Teraputico - 1996 - So Paulo; Curso Introduo ao Pensamento de Wilhelm Reich - da Psicanlise Orgonomia-Associao Wilhelm Reich do Brasil; Hipnoterapeuta com Formao em Hipnose Clnica Clnica Insight; Formao em Hipnoterapia Ericksoniana - Espao EF - Terapias Alternativas e Holsticas; Curso EMDR (Eye Movement Desensitization and Reprocessing) e a Cura do Trauma - Ncleo de Estudos do Estresse Ps-Traumtico; Curso "Simbologia Sagrada" - Espao EF - Terapias Alternativas e Holsticas; Curso "Anlise de Sonhos" - id; Curso "Religies e Seitas" - id; Curso Semitica; id; Curso Transtornos Somatoformes id; Terapeuta de Regresso com Formao em Regresso - atendimento clnico Clnica Insight e Curso Avanado em Regresso, no mesmo Instituto; Curso Internacional de Regresso a Vidas Passadas - Associao Brasileira de Estudos e Pesquisa em Terapias de Vivncias Passadas (ABEP TVP) - Hans TenDan; Professora da Clnica Insight para os Cursos de PNL, com Maria Paula Tonini por um ano; Terapeuta Floral de Bach com Formao pela Clinica Insight; Dois nveis em Formao em Florais de Bach para Uso em Humanos pelo Instituto Bach; Formao em Florais de Bach para Uso em Animais pelo Instituto Bach; Dois nveis de Reiki com a Mestra Independente Maria do Carmo Pessini; Criadora do Mtodo de Ensino e Aprendizado de Danas de Salo com PNL; Criadora do Mtodo de Atendimento Teraputico a Grupos com Teatro Interativo e PNL"com os Grupos de Teatro Teatro Vivo e Macaca Fuscata; Formao em Terapia Ortomolecular - Espao EF - Terapias Alternativas e Holsticas; Formao em Fitoterapia Brasileira - Espao EF - Terapias Alternativas e Holsticas.; Formao em Terapia Floral de Minas - Espao EF - Terapias Alternativas e Holsticas; Formao em Terapia de Integrao Craniossacral - Espao EF - Terapias
  • 162. Alternativas e Holsticas ; Formao em Cromoterapia - Slvia Fvero; Formao em Cristaloterapia - Espao EF - Terapias Alternativas e Holsticas; Formao em Cromoterapia - id; Formao em Bioeletrografia - id; Curso de Numerologia Pitagrica para Autoconhecimento - ABRAN - Associao Brasileira de Numerologia Pitagrica - Rosana Machado; Formao em Aromaterapia - Alternativa Holstica - Grupo Alternativa Consultoria Ltda; Formao em Cromoterapia id; Formao em Psicoterapia Holstica id; Consultora da Phytoterpica, Fornecedora e Distribuidora de leos essenciais www.phytoterapica.com.br . Entrevistas: - Revista do Pit Bull; - Revista Pet Shop; - Revista Bem Estar; - Revista Mais Atitude; - Revista Pense Leve; - Jornal Gazeta do Ipiranga; - Jornal Magus; - Jornal da AFEMI (Associao Feminina das Servidoras Pblicas do Brasil); - Jornal 3 Milnio; - Jornal Vida Integral; - Jornal Dirio da Regio So Jos do Rio Preto; - Revista da Folha Jornal Folha de So Paulo; - Revista da Hora Jornal Agora SP; - Site www.juntos.com (para Brasil, Venezuela e Mxico); - Site www.maniapet.com.br - Site www.anda.jor.br - Site www.papodepet.com.br Outras informaes Criadora e articulista do site Florais e Cia www.floraisecia.com.br Criadora dos Grupos: Proteo dos Direitos dos Animais, Ecologia, Vegetarianismo, Terapias Holsticas, etc.: santapaciencia-subscribe@yahoogrupos.com.br
  • 163. e macacafuscata@yahoogrupos.com.br Criadora do Grupo de Debates sobre Terapias No Convencionais Santa Ignorncia!: santaignorancia@yahoogrupos.com.br E-mails mfollain@terra.com.br follain@floraisecia.com.br Artigos Publicados: upar.indaiatuba.info www.territorioselvagem.org.br www.apascs.org www.direitoanimal.org www.portaldopug.com.br www.portalkids.com.br www.absolutaonline.com.br www.alferes20.org www.retira.net www.pedreiro-livre.blogspot.com OBRA REGISTRADA NA BIBLIOTECA NACIONAL DIREITOS AUTORAIS.