Informe Rural - 17/01/14

  • Published on
    25-Jul-2015

  • View
    55

  • Download
    0

Transcript

  • O secretrio de Agriculutura, Lcio Valado, faz um balano de 2013 e das perspectivas para 2014, no cenrio da agricultura no Distrito Federal (DF). Quando falamos sobre o DF, difcil imaginar que mais de 65% do territrio constitudo por rea rural, caracterstica pouco comum dentre as capitais nacionais. No ano de 2013, buscou-se aplicar os instrumentos legais disponveis para o desenvolvimento rural. Saiba um pouco mais sobre o desenvolvimento rural, nas palavras do secretrio.

    Como o senhor analisa o ano de 2013? O que podemos esperar da atuao da Seagri em 2014?

    Desde o incio do governo, foi feito um esforo muito grande por parte da Seagri para integrar suas aes com a Emater e a Ceasa e tambm elaborar um planejamento conjunto das aes de governo. Neste perodo, ns tivemos nove leis aprovadas pela CLDF, que afetam diretamente o desenvolvimento do nosso trabalho. Por exemplo: a nova lei do Fundo de Desenvolvimento Rural, a lei do Fundo de Aval, a lei do Papa-DF, a lei do Banco de Alimentos, de iniciativa do deputado Joe Valle, e a lei da defesa sanitria animal. Comeamos a aplicar efetivamente boa parte destes instrumentos que agora esto disponveis para o desenvolvimento rural. Tivemos uma aplicao de recursos muito importante nas compras institucionais, o que beneficia diretamente o agricultor, porque gera renda e oportunidade no campo e tambm populao, que necessita deste amparo de alimentos aqui na cidade, especialmente as entidades scio assistenciais. Em 2013, alm de conseguirmos os instrumentos necessrios para efetivar a poltica de desenvolvimento rural aqui no DF, conseguimos aplicar boa parte destes instrumentos, que demandou um envolvimento grande das pessoas que trabalham aqui na Seagri, que fazem a operalizao desses instrumentos e uma articulao grande com a Emater e a Ceasa, para que eles cheguem efetivamente aos agricultores. Em 2014, temos que consolidar esses instrumentos e ampliar a atuao deles e das polticas de desenvolvimento rural, para que ganhem sustentabilidade na prtica de atividades que vo trazer renda e oportunidades no campo de forma muito importante para o abastecimento alimentar da cidade.

    As polticas implantadas esto dando certo?Os nmeros que temos mostram o acerto das

    polticas. No fcil instituir polticas, fazer a aplicao delas e corrigir o que for necessrio. Isso trata da necessidade da consolidao e da ampliao. muito relevante tambm a participao da sociedade nas questes que so tratadas aqui na Seagri. Essa participao se d por meio dos conselhos de Desenvolvimento Rural, das cmeras setoriais institudas e um dilogo permanente que a gesto busca desenvolver com todos os segmentos interessados na questo do rural aqui no DF. Tem sido fundamental o apoio do governador Agnelo e do vice Filippelli s aes do sistema pblico da agricultura no DF. Neste aspecto, destaco a presena constante dos nossos governantes na rea rural, participando das atividades e ouvindo a populao, assim como implementando importantes aes para o desenvolvimento rural. Em 2013, tambm tivemos avanos importantes na rea de pessoal. As contrataes que ampliaram o quadro de servidores da Seagri e o reajuste salarial so

    Informativo do Sistema Pblico da Agricultura - Ano II - Edio n 59 - Braslia, 16 de janeiro de 2014.

    Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Rural

    Entrevista com o secretrio de agricultura e desenvolvimento rural

    tambm demonstraes concretas do apoio do governo Agnelo rea rural.

    E a participao da populao, tem sido efetiva?

    Sim, tem trazido avanos tanto na formalizao quanto na aplicao destas polticas. Cito um exemplo: em dezembro, o governador editou um decreto que regulamenta a questo fundiria e esse decreto foi fruto de um grupo de trabalho no qual houve a participao dos conselhos de Desenvolvimento Rural, da Federao dos Trabalhadores Rurais e tambm da Federao de Agricultura. Ento, no foi uma viso s de governo na implementao deste decreto, que vai fazer avanar bastante a regularizao fundiria. Outro exemplo o conselho de polticas de assentamento, que conta com a participao de movimentos sociais e a participao de outros segmentos interessados nesta questo. A Seagri tem feito constante balano e avaliao de suas atividades, com os gestores, servidores e com o pblico beneficirio dos nossos servios.

    Como o senhor v a questo dos assentamentos rurais no DF?

    Hoje o DF voltou a ter uma poltica de assentamentos de trabalhadores, que tem reflexos evidentes na questo social, no sentido de criar oportunidades no campo, possibilitar que famlias de trabalhadores possam desenvolver suas atividades de forma mais digna, tendo acesso terra, ao crdito, assistncia tcnica e ao mercado, e fazendo isso de forma organizada e no de forma dispersa. Essa poltica tem reflexo no ordenamento fundirio do DF, porque colabora para a reduo de ocupaes irregulares de terras pblicas. Vejo que a regulamentao da lei do Programa de Assentamento de Trabalhadores Rurais (Prat), feito pelo Governador Agnelo, e a implantao do Conselho Poltico de Assentamento permitiram que avanssemos nesta poltica. Temos um grande trabalho pela frente em 2014, para a implantao efetiva desses assentamentos com condies dignas, com o abastecimento de gua, energia eltrica, abertura de vias, implantao dos processos produtivos e habitao rural. necessrio um conjunto grande de atividades para que se possa implantar e consolidar esses assentamentos, fazendo a incluso social e produtiva dessas famlias.

    O ano de 2013 foi de crescimento e 2014 ser o da consolidao das polticas pblicas da agricultura no

    Distrito Federal.

  • Experincia que deu certo

    O Assentamento Rio Maranho, no municpio de Planaltina de Gois, possui 28 famlias que produzem principalmente mandioca, alm de milho, abbora e outras hortalias. Instalada h pouco tempo na regio, a comunidade recebe, desde 2011, atendimento da Emater-DF, por meio de um contrato com o Instituto Nacional de Colonizao e Reforma Agrria (Incra). Nesta quarta-feira (15), os agricultores do Rio Maranho conheceram a Fazenda Larga, assentamento na regio administrativa de Planaltina-DF. A visita foi organizada pela Emater-DF, por meio do escritrio em Sobradinho.

    Durante o encontro, o presidente da Associao dos Produtores da Fazenda Larga, Jair Francisco Pinto, mostrou aos visitantes as instalaes da comunidade, suas principais atividades, organizao e estrutura.

    Informativo produzido pelas assessorias de comunicao social:Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Rural (Seagri-DF) - 3051-6347

    Empresa de Assistncia Tcnica e Extenso Rural (Emater-DF) - 3340-3002

    Centrais de Abastecimento do Distrito Federal (Ceasa-DF) - 3363-1024

    Siga o Sistema Agricultura nas redes sociais:facebook.com/SeagriDFfacebook.com/ematerdistritofederalfacebook.com/ceasa-df

    twitter.com/ematerdf

    O assentamento, que recebe assistncia do escritrio da Emater-DF no ncleo rural Pipiripau, vende sua produo em mercados e feiras, alm de entregar para programas de compras pblicas, como o PAA (Programa de Aquisio de Alimentos) e o PNAE (Programa Nacional de Alimentao Escolar).

    O Rio Maranho j est formalmente implementando, porm ainda no possui infra-estrutura completa, alm de enfrentar grande dificuldade no acesso, j que a estrada que liga a comunidade cidade de Sobradinho est bastante danificada, o que prejudica no s o deslocamento dos moradores como o escoamento da produo. Assim, a visita importante para capacitar os produtores e formar lideranas, para que o trabalho possa se desenvolver melhor, explica o engenheiro agrnomo Marcelo Ruas, da Emater Sobradinho