Relatrio Visita tcnica a Xing

  • Published on
    11-Jul-2015

  • View
    199

  • Download
    6

Transcript

18

Departamento acadmico de AUTOMAO E SISTEMASCoordenao de Automao Industrial

Victor Said

RELATRIO DE VISITA TCNICA:VISITA TCNICA S HIDRELTRICAS DE PAULO AFONSOUMA ABORDAGEM DESCRITIVA SOBRE A HIDRO ELTRICA DE XING

Salvador 2014

Victor Said

RELATRIO DE VISITA TCNICA:VISITA TCNICA S HIDRELTRICAS DE PAULO AFONSOUMA ABORDAGEM DESCRITIVA SOBRE A HIDRO ELTRICA DE XING

Relatrio descritivo sobre visita tcnica, solicitado pelo professor Jos Lamartine, como requisito de avaliao parcial da II Unidade, da disciplina Controle de Variveis Industriais, no Instituto Federal Bahia IFBA, Cmpus Salvador.

Salvador 2014

LISTA DE FIGURAS

Figura 1 maquete da hidreltrica de Xing5Figura 2 (a) emboque, representado na maquete; (b) desemboque real5Figura 3 (a) paredo das barragens, representado na maquete; (b) paredo das barragens real6Figura 4 (a) vertedouros e calhas, na maquete; (b) vista lateral dos vertedouros e calhas7Figura 5 (a) rea de desemboque das barragens; (b) rea de emboque, o reservatrio7Figura 6 (a) condutos forados, representado na maquete; (b) condutos forados reais8Figura 7 (a) sada para o canal de restituio; (b) canal de restituio9Figura 8 (a) transformador padro (uma fase); (b) vista lateral: conjunto de transformadores (trifase)10Figura 9 Linhas de transmisso de tenso da HEX10Figura 10 Informaes gerais sobre a HEX10Figura 11 Algumas placas e sinalizaes disponveis na HEX12Figura 12 Algumas placas e sinalizaes disponveis na HEX12Figura 13 (a) gerador analisado; (b) gerador internamente; (c) gerador internamente em movimento13Figura 14 Esquema geral de funcionamento de uma usina hidreltrica14Figura 15 Sistema de resfriamento do gerador15Figura 16 Instrumentos do sistema de resfriamento do gerador16Figura 17 Sala de controle17Figura 18 (a) eixo do gerador; (b) servo motor; pistes18Figura 19 sistema de vibrao: (a) parte superior; (b) parte inferior18

SUMRIO

1 INTRODUO42 HIDRO ELTRICA DE XING: histrico, funcionamento e dimenses53 VISITA TCNICA: DESCRIO DA VISITA INTERNA114 CONSIDERAES FINAIS19referncias20

1 INTRODUO

Durante o perodo de 21 a 24 de setembro de 2014, os estudantes do terceiro ano do curso tcnico integrado em Automao Industrial, do Instituto Federal da Bahia, realizaram uma visita tcnica cidade de Paulo Afonso. A visita tcnica tinha por objetivo apresentar aos discentes o contexto das prticas industriais, abordando aspectos estudados ao decorrer do curso em contexto prtico.Durante a visita que se estendeu por quatro dias, visitou-se as hidreltricas de Paulo Afonso, indo desde a Paulo Afonso I IV, alm da visita hidro eltrica de Xing, no Estado de Alagoas. Dentro do contexto da visita, abordou-se principalmente aspectos referentes eletrotcnica. Contudo, foi possvel dentro do conhecimento tcnico do guia da visita, formado em eletrotcnica abordar questes referente ao controle industrial, aplicado hidro eltrica de Xing.Nesse relatrio, abordar-se- apenas os aspectos tcnicos referente est ltima hidreltrica, tendo em vista que nas primeiras visitas realizadas no abordou-se aspectos especficos do controle dessas. Deste modo, o objetivo desse trabalho efetuar uma abordagem descritiva a respeito da visita tcnica Hidro Eltrica de Xing (HEX), no que diz respeito aos aspectos de controle abordados na visita.Pretende-se ilustrar os equipamentos, instrumentos, malhas e sistemas de medio encontrados no decorrer da visita, descrevendo-os sempre que possvel. A premissa essencial desse relatrio efetuar o registro dos conhecimentos obtidos, confrontando, quando for cabvel, a prtica e a teoria. Com esse relatrio, busca-se responder aos questionamentos docentes solicitados, desde que tenham sido esses abordados durante a visita tcnica.Para tanto, as metodologias empregadas nesse relatrio so: a visita tcnica a HEX, realizada no dia 23 de setembro; os udios gravados durante a visita tcnica; fotografias, que registram e ilustram os vrios componentes da hidro eltrica; a reviso de literatura, quando necessrio, ser utilizada para esclarecer e fomentar a descrio do relatrio presente.

2 HIDRO ELTRICA DE XING: histrico, funcionamento e dimenses

Inicialmente, de fundamental importncia salientar, que este captulo foi construdo com base nas informaes disponibilizadas, em discurso oral, pela guia turstica da Hidro Eltrica de Xing.A construo da hidro eltrica de Xing (HEX) foi iniciada no final de 1987 e concluda, de fato, em setembro de 1997; totalizando dez anos e seis meses de construo. A fim de implementar o engenhoso projeto, cerca de dez mil pessoas trabalharam na construo das barragens, bem como na mudana do fluxo do rio So Francisco. Os resultados dessa construo so ilustrados na Figura 1, que apresenta a maquete representativa da construo civil da hidro eltrica de Xing.

Figura 1 maquete da hidreltrica de Xing

Fonte: Adaptaes de BERENGUER, 2014.A primeira etapa da construo iniciou-se com a escavao dos quatro tneis principais, os quais foram escavados diretamente nas rochas de alto relevo, e so ilustrados na figura 2. O objetivo da construo dos quatros tneis foi desviar o sentido natural do rio, portanto, o rio fluiria por dentro dos tneis, em um sentido artificial.

Figura 2 (a) emboque, representado na maquete; (b) desemboque real (a)(b)Fonte: Adaptaes de BERENGUER, 2014.A entrada dos tneis, por onde h vazo dgua denomina-se emboque, enquanto a sada dos tneis desemboque. Atualmente todos os tneis foram fechados de forma irreversvel utilizando de concretagem interna total , apenas um deles foi mantido fechado sem concretagem para algumas situaes de emergncia de vazo.A intenso desse desvio foi possibilitar a construo das barragens, por meio do grande paredo artificial, de 141 metros, que ilustrado na Figura 3. Responsvel por separar as duas faces da hidreltrica, possibilitando a queda dgua necessria para movimentar as turbinas. A construo desses paredes, feitos de rochas e areia, deu-se onde originalmente era o curso do rio So Francisco.

Figura 3 (a) paredo das barragens, representado na maquete; (b) paredo das barragens real

(a)

(b)Fonte: Adaptaes de BERENGUER, 2014.

A necessidade de tais barragens deve-se ao fato do Velho Chico no possuir cachoeiras com a altura necessria para a gerao de energia eltrica. Devido a essa limitao natural, tornou-se necessrio a construo das grandes barragens. Esse processo no foi linear, entretanto. Ao decorrer do projeto, construiu-se pequenas barragens denominadas ensecadeiras, de montante e jusante. Nesse contexto as ensecadeiras montantes so aquelas dispostas antes do paredo principal, enquanto s jusante esto aps o paredo. O papel das ensecadeiras facilitar o processo de construo da barragem, restringindo o fluxo do rio. A construo civil demorou sete anos para ser concluda, o perodo de construo estendeu-se entre 1987 1994. No total, as barragens possuem cento e oito metros de profundidades. O nvel da barragem controlado por intermdio das comportas dos vertedouros, ilustrados na figura 4, o qual o elemento que atua como regulador do nvel da barragem. Se em um processo industrial o nvel em um tanque de armazenamento regulado por vlvulas de controle, analogamente, os vertedouros atuam como reguladores de nveis das barragens, que so imensos tanques de armazenamento artificiais.

Figura 4 (a) vertedouros e calhas, na maquete; (b) vista lateral dos vertedouros e calhas

(a)(b)Fonte: BERENGUER, 2014.

A faixa de operao do nvel do reservatrio (a barragem) 137, no mnimo, e 138 metros, no mximo; portanto, h uma tolerncia de mais ou um metro. Em caso do nvel superar os 138 metros faz-se necessrio abrir as comportas operacionais dos vertedouros, abaixando, assim, o nvel da barragem. A figura 5 ilustra o processo.

Figura 5 (a) rea de desemboque das barragens; (b) rea de emboque, o reservatrio

(a) (b)Fonte: Autoria prpria.A barragem construda tem uma profundidade total de 138 metros, com volume total do reservatrio de 3,8 bilhes de metros cbicos de gua, e sua extenso total de 65 quilmetros. A respeito do nvel do reservatrio, a necessidade de mant-lo dentro da faixa de erro de um metro, decorre da formao da lmina dgua, a qual est na altura da rea de captao, sendo utilizada na tomada dgua. Na tomada dgua a gua forada a passar pelos tubos, denominados condutos forados, ilustrados na figura 6, que propiciam a fora dgua necessria para mover as turbinas. Existem dez blocos com tomadas dgua. Seis deles esto construdos e aptos a operarem, enquanto os outros quatros foram construdos para a segunda etapa da HEX: a expanso. O projeto original previa a instalao de mais quatro turbinas, que deveriam estar em operao em 2010.

Figura 6 (a) condutos forados, representado na maquete; (b) condutos forados reais

(a)(b)Fonte: BERENGUER, 2014; autoria prpria.

Contudo, devido baixa vazo no perodo o projeto de expanso foi temporariamente adiado, tendo em vista que era necessrio uma vazo de dois mil metros cbicos por segundo. Atualmente, por serem instaladas seis tomadas dgua, h seis turbinas, que possibilitam aos geradores, e portanto HEX, uma capacidade de produo de 3162 MW, correspondente a 30% da energia produzida no Nordeste; com a instalao da segunda etapa seria possvel expandir essa produo para 5270 MW, corresponderia a 50% da produo nordestina. Dentro do contexto abordado, o papel dos condutos forados, os tubos, muito importante, pois dentro deles a gua escoa como uma cachoeira. O papel desses condutos justamente atuar simulando a fora das cachoeiras, portanto, pode-se dizer que so cachoeiras artificiais. Em cada tubo h uma vazo de 500 mil litros de gua por segundo. O fluido descende em uma queda livre de 120 metros, uma velocidade de 140 quilmetros por hora. Essa queda dgua gera na turbina um movimento de rotacional de 109,1 rotaes por minuto, que so necessrios para manter a frequncia da corrente eltrica alternada produzida em 60 Hz. Aps o movimento da turbina, a gua encaminhada pelo canal de restituio, figura 7, que o canal artificial responsvel por conectar o curso do rio hidro eltrica, com consequente desgua no leito. Por fim, na casa de fora ocorrer a gerao de energia de fato.

Figura 7 (a) sada para o canal de restituio; (b) canal de restituio

(a)(b)Fonte: autoria prpria.

Cada turbina responsvel por propiciar aos geradores a possibilidade de gerao de 18 KV, que sero encaminhados aos transformadores, sendo que so trs transformadores para cada turbina. O sistema de transmisso trifsico, de modo que cada transformador representa uma fase desse sistema. No total so 6 turbinas e 18 transformadores, o transformador padro ilustrado na figura 8.Os transformadores so do tipo elevador, e transformam 18 KV em 500 KV. Essa tenso ser distribuda para subestaes, responsveis por repartir e transmitir a tenso para as distribuidoras, a fim de atender as demandas de consumo das regies. A tenso distribuda por intermdio das linhas de transmisso, figura 9. Por fim, conclui-se salientando que todas essas etapas em conjunto, constituem o processo de gerao de energia eltrica. As informaes gerais da produo energtica da usina so ilustradas na figura 10.Figura 8 (a) transformador padro (uma fase); (b) vista lateral: conjunto de transformadores (trifase)

(a)(b)Fonte: autoria prpria.

Figura 9 Linhas de transmisso de tenso da HEX

Fonte: autoria prpria.

Figura 10 Informaes gerais sobre a HEX

Fonte: autoria prpria.

3 VISITA TCNICA: DESCRIO DA VISITA INTERNA

A visita tcnica Hidro Eltrica de Xing foi dividida em dois momentos distintos: visita externa, com visita a maquete da HEX, visualizao e anlise da parte externa e constituio da mesma; e a segunda parte, que foi uma visita interna ao complexo. A visita interna foi caracterizada pela visualizao da estrutura, com explicao peridica sobre os aspectos mais importantes na concepo do guia, o qual era formado em eletrotcnica. Devido ao conjunto de processos que ocorrem na HEX, a audio durante o percurso foi comprometida, devido ao alto rudo que se manifestou desde o incio da mesma. O rudo originava-se do movimento das turbinas, eixo e gerador.Observou-se o movimento externo do gerador, bem como do seu eixo. O movimento do gerador pde ser visualizado nos andares superiores da usina, enquanto o movimento do eixo nos andares inferiores. A ltima etapa da visita interna foi a apresentao da sala de controle, a qual integrada e engloba todas as malhas da produo energtica da HEX.Nesse captulo, descrever-se- os principais aspectos referentes ao gerador, ilustrando e descrevendo as informaes abordados ao decorrer da visita tcnica, inclusive no que tange aos aspectos de controle de variveis do processo. Pretende-se, ainda responder aos questionamentos suscitados pelo docente.O primeiro aspecto a ser abordado a respeito da visita tcnica a segurana. Um dos fatores que mais chamaram ateno durante a visita interna foram os procedimentos de segurana adotados pela HEX. Claramente, h uma preocupao com a segurana tanto dos funcionrios, quanto dos visitantes. A hidro eltrica constituda por diversos elementos de segurana, desde placas de sinalizao, a tarjas, sada de emergncia e sinalizao.A turma foi orientada pelo guia a seguir um conjunto de normas de segurana. A primeira delas era que durante todo o trajeto a partir da entrada nos andares inferiores da HEX, seria necessrio usar capacete e protetor auricular, figura 11 (a). Ao entrar na hidreltrica havia um conjunto de sinalizaes, como os locais apropriados para a via de circulao, figura 11 (b), que no solo eram indicadas pelas tarjas amarelas no deveria ultrapass-las. Alm dos locais indicados para uma possvel sada de emergncia, figura 11 (c), que deveriam sempre estar desobstrudos, como refora a placa ilustrada na figura 11 (d).

Figura 11 Algumas placas e sinalizaes disponveis na HEX

(a) (b) (c) (d)Fonte: autoria prpria.

Ao decorrer do trajeto at o gerador, foi possvel observar diversas outras placas sinalizando procedimento e comportamentos de segurana, faixas amarelas de sinalizao, faixas vermelhas, sirenes para o caso de haver emergncias, extintor de incndio, entre outras sinalizaes. Todas essas medidas em conjunto almejam a segurana do funcionrio, ou do visitantes indiferente quem, busca-se proteger as vidas humanas.A medida que o trajeto ocorria, o rudo aumentava. Dificultando bastante a audio do que o guia explicava/orientava. Durante o trajeto at o gerador foi possvel observar diversos painis e cabines, como o ilustrado na figura 12. Figura 12 Algumas placas e sinalizaes disponveis na HEX

Fonte: autoria prpria.

Contudo a funcionalidade e o papel desses painis no foi abordado durante a visita. Na imagem, destaque para: as faixas amarelas, que advertem sobre a restrio de acesso aos painis; as sirenes de emergncia na parte superior; e o sistema de ventilao, que pode ser visualizado na parte superior, em azul.Aps breve caminhada, o guia, que se identificou como sendo Vital, nos encaminhou para os geradores. Explicou-se o princpio de funcionamento do gerador, abordando a importncia da corrente de excitao no processo. A corrente de excitao a corrente mnima necessria para desencadear o funcionamento do transformador, ela possui valor definido, e varia de acordo com o gerador. Essa corrente o engate inicial que possibilita ao gerador iniciar a gerao de eletricidade.A corrente de excitao autorregulada pelo prprio sistema, sendo controlada por um sistema eletrnico composto por tristor, resistores, circuitos retificadores e alimentada, inicialmente, com corrente contnua. A excitao do gerador feita com uma tenso de 526 V, e uma corrente 3754 A. Quando o gerador passa a gerar tenso por si mesmo, o sistema passa a ser autnomo. A prpria tenso produzida regula o gerador, por intermdio de um trafo que gera uma queda de tenso. A partir desse ponto desliga-se o circuito eletrnico e o sistema passa a alimentar-se de sua prpria tenso gerada, sendo, portanto, autnomo e automatizado. Na figura 13 apresenta-se o gerador analisado pelo guia, junto aos estudantes.

Figura 13 (a) gerador analisado; (b) gerador internamente; (c) gerador internamente em movimento

(a) (b) (c) Fonte: (a) e (b) autoria prpria; (c) BERENGUER, 2014.

Na imagem, o gerador encontra-se em trs condies: (a) representa a viso externa dele, o qual protegido por medida de segurana afinal est em contnuo movimento; (b) o gerador internamente, essa foto foi tirada com o mesmo em movimento, contudo devido ao movimento de relativamente lento do gerador, 109,1 rpm, foi possvel captura-lo como se estivesse em pausa; (c) o movimento do gerador.Alm dos aspectos referentes a excitao do gerador, explicou-se como funciona o gerador. De acordo com o guia, a produo de energia eltrica por recursos hdricos dada pela transformao da energia das guas em energia eltrica. Isso no ocorre de forma direta, entretanto. A energia hdrica pode ser obtida de forma natural ou artificial. No caso da Hidro eltrica de Xing ocorre de forma artificial, pois houve a necessidade de implantao das grandes barragens, que mudaram o curso do Rio So Francisco. A figura 14 exemplifica o esquema geral de funcionamento das hidreltricas.

Figura 14 Esquema geral de funcionamento de uma usina hidreltrica

Fonte: ANEEL, 2008

A gerao de energia eltrica faz-se possvel, pois h a transformao da energia potencial gravitacional, originria da queda dgua sobre as turbinas. Transfere-se, ento, a energia das guas na forma de energia potencial gravitacional , possibilitando o movimento circular das turbinas. Esse movimento ser transmitido ao gerador por meio da haste, que est conectada ims. Tais ims so responsveis por gerar uma variao do fluxo magntico, gerando uma tenso induzida dentro do prprio gerador, que ir produzir altas correntes. No caso de Xing o gerador tem uma tenso nominal ou seja, a tenso que espera-se produzir de 18 mil volts; e uma corrente nominal de 16679 A. So trs fases, que geram uma frequncia contnua de 60 Hz. Por lidar com tenso e correntes muito elevadas, o gerador est submetido altas temperaturas, decorrentes do efeito joule. H um limite de elevao de temperatura, que medido em Kelvin. Para o enrolamento e ncleo do gerador, a tolerncia de, respectivamente, 65 e 50 Kelvin, enquanto para o enrolamento do rotor a tolerncia de elevao de 80 Kelvin.Alm dessa restrio de temperatura, h, no eixo do gerador, a necessidade de contnuo resfriamento e lubrificao, fazendo, assim, que seja necessrio um sistema de controle da temperatura e de lubrificao. O controle feito por meio de um sistema refrigerador leo, ilustrado na figura 15.

Figura 15 Sistema de resfriamento do gerador

Fonte: Autoria prpria.

Denominado sistema de resfriamento leo mancal guia superior, soluciona-se com a utilizao duas problemticas da operao simultaneamente: o aquecimento, devido ao contnuo atrito sofrido pelo mancal, que gera aquecimento; e o desgaste, proveniente do atrito entre as partes mveis do eixo e o mancal, levando-o a ter eroso. Com o resfriamento leo possvel reduzir a temperatura do sistema, ao mesmo tempo, em que lubrifica-se as partes mveis, contorna-se as duas questes. Analisando a figura 15, possvel concluir que o sistema de resfriamento bastante complexo. Ele composto por dois trocadores de calor, visor de nvel para os dois trocadores figura 16 (a), diversas vlvulas de manuais como em y, globo, gaveta, trs vias, as quais so os elementos finais de controle utilizados, at ento , manmetro, termopar, filtro, duas bombas na parte superior figura 16 (b), e duas na parte inferior. Alguns desses sistemas so ilustrados detalhadamente na figura 16.

Figura 16 Instrumentos do sistema de resfriamento do gerador (a) (b)Fonte: VILAS BOAS, 2014.

Salienta-se que durante o perodo da visita tcnica, um dos geradores no estava funcionando, pois houve uma falha no sistema de lubrificao do gerador. Tal falha, que foi descrita como sendo um erro na lmina de leo fez com que houvesse o rompimento de uma das partes mveis do gerador, impedindo-o assim de funcionar. Tal falha no sistema de controle e segurana do gerador tinha origem desconhecida na poca, que estava sendo investigada pelos engenheiros responsveis.O sistema de comunicao entre os instrumentos e sala de controle, portanto, o sistema de telemetria, possui natureza eltrica, sendo sua intensidade de 4 a 20 mA, de acordo com guia. O controle das variveis do processo feito atravs da sala de controle principal, a qual a central de processamento e controle da hidreltrica. Nela constam CLPs comuns, os quais so conectados a computadores com alta capacidade de processamento. O software de monitoramento das variveis o e-terra, um novo software que est sendo implementado na HEX. Com ele possvel monitorar, registrar e controlar todas as variveis do processo simultaneamente.O sistema de comunicao entre a sala de controle principal e os instrumentos, baseia-se em um conjunto de transdutores, que sero responsveis por converter o sinal eltrico dos instrumentos, em sinal digital. A transduo, naturalmente, ocorre no sentido reverso, tambm. A sala de controle principal composta por trs funcionrios por turno. Devido ao alto nvel de automao implantada na HEX, no h necessidade de operao contnua. A interface, por si s, responsvel por todo o controle da hidreltrica. Os operadores efetuam apenas o controle supervisrio do sistema, no havendo interferncia desses, seno, em uma situao atpica. H um painel de controle que continuamente expe as variveis do processo, e quaisquer informaes que o operador requisitar. Ilustra-se a sala de controle descrita na figura 17.

Figura 17 Sala de controle

Fonte: Autoria prpria.

importante salientar que apesar da centralizao do controle na sala de controle, h medidas de segurana que visam prevenir tais situaes, como as salas de controle locais. O sistema de controle local uma sala situada no mesmo andar do gerador, que recebe diversas informaes sobre as variveis daquela regio. Nele so medidas e registradas as variveis de processo, com indicao local e possibilidade de atuao corretiva, em caso de falha da sala de controle. Sendo assim, caso a sala de controle principal falhe, no perde-se o controle sobre todo o sistema, pois a sala local capaz de controlar os geradores e suas variveis.Assim como em toda a instalao da HEX, tanto internamente, quanto em suas reas externas, h um conjunto de indicaes de segurana para o indivduo em caso de emergncia. As normas de segurana tornaram-se mais rgidas quando ocorreu a visita ao eixo do gerador. Por se tratar de um imenso eixo em rotao contnua, que emitia um longo e alto rudo, reforou-se a obrigatoriedade do protetor auricular, somado a recomendao de exacerbado cuidado, ao visualizar o eixo, figura 18.

Figura 18 (a) eixo do gerador; (b) servo motor; pistes

Fonte: (a) Autoria prpria; VILAS BOAS, 2014.

O eixo do gerador, como j explicado, responsvel por transmitir o movimento de rotao das turbinas ao gerador, promovendo assim a variao do fluxo magntico e gerando tenso induzida, a qual possui valor nominal de 18 KV. Esse eixo mvel, e assim sendo, sustentado por um mancal, o qual tem suas necessidades de resfriamento e lubrificao supridas pelo sistema descrito anteriormente.Concluiu-se a descrio sobre a visita interna a HEX com a exposio, que o eixo do gerador possui um servo motor, o qual , junto com os pistes de acionamento das comportas, os elementos finais de controle desse sistema. O servo motor atua como elemento de regulao do posicionamento angular do eixo, em outras palavras, caso a fora originria da turbina no seja a suficiente para alcanar a tenso desejada, ele atuar; ou no caso inverso, ele conter o excesso de fora. O eixo controlado atravs do sistema de monitoramento de vibrao, figura 19.Figura 19 sistema de monitorao da vibrao: (a) parte superior; (b) parte inferior

(a) (b)Fonte: Autoria prpria.4 CONSIDERAES FINAIS

A visita tcnica s hidreltricas de Paulo Afonso e Xing, no Estado do Alagoas, apresentou-se como sendo de fundamental importncia na formao tcnica dos estudantes do curso integrado de automao industrial. Os quatros dias da visita tcnica possibilitaram compreender desde o tcnico, ao eletrotcnico, ao engenheiro. Por intermdio dessas figuras, tornou-se possvel entender o funcionamento das hidro eltricas.Com essa visita foi possvel concluir que o mundo mudado em prol da produo energtica. H um amplo e complexo estudo at alcanar a artificializao do rio, a construo da barragem, e o preenchimento do reservatrio. O processo de implementao dos projetos leva dezenas de anos. O funcionamento carece de ampla superviso, monitoramento, registro e atuao. Contudo, torna-se possvel a execuo com um controle efetivo, seguro e com automao apropriada.As hidreltricas so projetadas de modo a atender rigorosos parmetros de segurana, para que seu funcionamento, ou em situaes de emergncia, no ponha-se a vida dos indivduos em risco, e nem a operao do processo. A operao e manuteno carece de um sistema automatizado e de uma equipe de operadores tecnicamente preparada. As malhas so constitudas de diversos elementos finais de controle diferentes, como vlvulas, motor de passo e pisto. Por fim, opto por fazer o fechamento desse trabalho de forma distinta do convencional. Decido por agradecer. Agradecer ao IFBa, que custeou toda a visita tcnica; aos professores Justino de Medeiros e Andrea Bitencourt, que guiaram a turma durante a viagem; e aos meus amigos e colegas de classe, responsveis por enriquecer e aprimorar, ainda mais, essa fantstica viagem. Muito obrigado!

referncias

AGNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELTRICA ANEEL. Diretoria-geral: KELMAN, J. Atlas da Energia Eltrica do Brasil. 3 ed. Braslia: ANEEL, 2008.

ALVIM, P. Gravaes de udio da visita tcnica Paulo Afonso. IFBA: Salvador, 2014.

BARBOSA, M. Gravaes de udio da visita tcnica Paulo Afonso. IFBA: Salvador, 2014.

BERENGUER, A. Fotografias de visita tcnica: Paulo Afonso e Xing. IFBA: Salvador, 2014.

MELO, M. Gravaes de udio da visita tcnica Paulo Afonso e Xing. IFBA: Salvador, 2014.

NETO, J. L. A. L. Instrumentao Bsica para Controle de Processos: Elementos Finais de Controle. [S,l.], 2014.

REYNALDO, C. Vlvulas de Controle definies. Salvador: IFBA, 2012.

RIBEIRO, M. A. Vlvulas de controle e segurana. 5. ed. Salvador: Primavera, 1999.

SENAI. Instrumentao: elementos finais de controle. Esprito Santo: Senai, 1999.

VLVULAS e posicionadores. Disponvel em: . Acesso em: 13 jun. 2014.

VILAS BOAS, L. Fotografias de visita tcnica: Xing. IFBA: Salvador, 2014.

VILAS BOAS, L. Gravaes de udio da visita tcnica Paulo Afonso e Xing. IFBA: Salvador, 2014.