Trabalho de aditivos para concreto e argamassa grupo 1

  • Published on
    07-Apr-2017

  • View
    1.021

  • Download
    0

Transcript

1 INTRODUOO concreto o segundo bem de consumo mais utilizado pelo homem, com um consumo anual de 6 bilhes de toneladas somente perdendo para a gua.Para adequar a utilizao do concreto s mais diversas necessidade da sociedade, houve a necessidade de se alterar algumas caractersticas do concreto.Assim os aditivos, que no estavam presentes nos primeiros passos do desenvolvimento do concreto, hoje so figuras de fundamental importncia para sua composio. H quem diga que eles so o quarto elemento da famlia composta por cimento, gua e agregados e quesua utilizao diretamente proporcional necessidade de se obter concretos com caractersticas especiais.Eles tm a capacidade de alterar propriedades do concreto em estado fresco ou endurecido e apesar de estarem divididos em vrias categorias, os aditivos carregam em si dois objetivos fundamentais, o de ampliar as qualidades de um concreto, ou de minimizar seus pontos fracos. Comoexemplo, podemos dizer que sua aplicao pode melhorar a qualidade do concreto nos seguintes aspectos:1. Trabalhabilidade;2. Resistncia;3. Compacidade;4. Durabilidade;5. Bombeamento;6. Fluidez (auto adensvel).E podem alterar sua:1. Permeabilidade;2. Retrao;3. Calor de hidratao;4. Tempo de pega (retardar ou acelerar);5. Absoro de gua.Sua utilizao, porm, requer cuidados. Alm do prazo de validade e demais precaues que se devem ter com a conservao dos aditivos importante estar devidamente informado sobre o momento certo da aplicao, a forma de se colocar o produto e a dose exata.No exagero comparar os aditivos aos remdios, que podem tanto trazer mais sade para seus pacientes, como podem virar um veneno se ministrados na dose errada.Tomando-se os cuidados necessrios a relao custo-benefcio destes produtos muito satisfatria. As empresas que prestam servios de concretagem, no abrem mo das suas qualidades e possuem, portanto, equipamentos e controles apropriados para conseguir o melhor desempenho possvel dos concretos aditivados.2- TIPOS DE ADITIVOSComo se sabe, a existncia do concreto tal como hoje se conhece, ficou condicionada descoberta do cimento Portland, que um aglomerante hidrulico, isto , reage com a gua para dar origem aos micro-cristais responsveis pela resistncia do concreto. mistura do cimento com a gua chama-se pasta, a adio do agregado mido d origem argamassa, e o agregado grado misturado a esta forma o concreto. Em funo do tipo de utilizao, podem ainda ser utilizados os chamados aditivos, cuja funo pode ser melhorar ou modificar o comportamento do concreto, ou seu processo de cura para melhor adequ-lo ao uso que se pretende fazer do material.Encontramos na NBR 11768, que os aditivos para concreto de cimento Portland so produtos que adicionados em pequena quantidade a concretos de cimento Portland modificam algumas de suas propriedades, no sentido de melhor adequ-las a determinadas condies.Aditivos so produtos qumicos utilizados em pequenas quantidades para alterar o comportamento da mistura fresca, a taxa de endurecimento ou as propriedades do concreto endurecido. Os aditivos mais utilizados pelas usinas de concreto so os plastificantes e os retardadores de pega. Os plastificantes deixam a mistura mais plstica (mais mole) permitindo a diminuio da quantidade de gua necessria para produo do concreto. Com menos gua de constituio o concreto fica mais resistente. J os retardadores de pega prolongam o tempo que o concreto fresco pode ser transportado, lanado e adensado, ou seja, faz com que a mistura fresca fique mole por mais tempo. Isso fundamental no caso de concretos que so produzidos em empresas fornecedoras de concreto pr-misturado para que haja tempo suficiente para o transporte do material fresco da usina at a obra.Os principais tipos de aditivos utilizados na produo de concretos e classificados pela NBR 11768, so:2.1 Plastificantes Tipo PAgem na superfcie das partculas de cimento causando repulso entre os gros mergulhados na gua da mistura. Podem ser utilizados para deixar o concreto mais plstico (mole) sem adio de mais gua na mistura, ou para reduzir a quantidade de gua do concreto, mantendo-se a mesma trabalhabilidade, de modo a produzir um concreto mais resistente sem a colocao de mais cimento. Pode ser usado como retardador (Tipo PR) ou acelerador (Tipo PA).Tambm podem ser chamados de redutores de gua. Os resultados obtidos pelo emprego destes aditivos so: aumento da fluidez, aumento da resistncia e reduo do consumo de cimento.Os materiais empregados como plastificantes so geralmente so: sais, modificaes e derivados de cidos lignossulfnicos, cidos carboxlicos hidroxilados e polissacardeos.2.2 Incorporadores de ar Tipo IARAgem produzindo minsculas bolhas de gua na mistura de forma semelhante a que age um sabo. Essas minsculas bolhas de ar tambm produzem efeito plastificante da mistura fresca. So muito utilizados em pases de clima frio para introduo de espaos vazios na mistura endurecida (bolhas de ar) para que os cristais de gelo que se formam internamente na poca do inverno encontrem espao suficiente para se alojarem. Geralmente so compostos de: sais de resinas de madeira, materiais proticos e cidos graxos, e alguns detergentes sintticos.A aplicao mais importante de aditivos incorporadores de ar em misturas de concretos dosados para resistir a ciclos de congelamento e descongelamento. Proporciona a melhoria da trabalhabilidade dos concretos, particularmente naqueles traos que contm menos cimento e gua, agregados de textura rugosa ou agregados leves. Por isso normalmente empregado na produo de concretos massa e de concretos leve.2.3 Superplastificantes Tipo SPTambm agem na superfcie das partculas de cimento causando repulso entre os gros mergulhados na gua da mistura. Entretanto o mecanismo fsico-qumico um pouco diferente dos plastificantes. A eficincia na reduo da gua de mistura necessria para trabalhabilidade muito maior, porm o seu efeito dura bem menos tempo que o dos plastificantes. Podem ser do tipo SPR, retardador, ou do tipo SPA acelerador.2.4 Retardadores de pega Tipo RAgem na superfcie dos gros de cimento fazendo com que a partcula se dissolva mais lentamente na gua de mistura. Seu efeito o de prolongar o tempo que o concreto fresco pode ser transportado, lanado e adensado.Tambm h aditivos para acelerar a pega, acelerar o endurecimento, retardar o endurecimento, reduzir a permeabilidade do concreto endurecido, dentre outros. importante salientar que os concretos produzidos por usinas de concreto pr-misturado so sempre de aditivados. S assim possvel produzir concreto com baixo consumo de cimento e elevada trabalhabilidade sem comprometer sua resistncia.2.5 Aceleradores de pega Tipo AOs aditivos aceleradores so utilizados para modificar as propriedades do concreto de cimento Portland, principalmente nos climas mais frios, de forma: acelerar o incio de operao de acabamento, e, quando necessrio, a aplicao de isolamento de proteo; reduzir o tempo requerido para cura e proteo adequadas; aumentar a velocidade de desenvolvimento da resistncia inicial de modo a permitir desforma mais rpida e liberar mais cedo a construo para servios; permitir uma vedao mais eficiente de vazamento contra presso hidrulica2.6 Aditivos MineraisAditivos minerais so materiais silicosos finamente modos, adicionados ao concreto em quantidades relativamente grandes, geralmente na faixa de 20 a 100% da massa do cimento Portland.Os aditivos minerais podem ser classificados como:a) Materiais naturais: materiais que tenham sido processados com o nico propsito de produzir uma pozolana. O processamento consiste usualmente de britagem, moagem, classificao por tamanho; em alguns casos pode tambm incluir ativao;b) Subprodutos: materiais que no so produtos primrios de suas respectivas indstrias produtoras. Subprodutos industriais podem ou no requerer um processamento qualquer (ex. secagem e pulverizao) antes do emprego como aditivos minerais. ClassificaoComposio qumica e mineralogiaCaractersticas das partculasCimentantes e pozolnicosEscria granulada de alto-forno (cimentante)Na maior parte silicatos vtreos contendo principalmente clcio, magnsio, alumnio e slica. Podem estar presentes em pequena quantidade compostos cristalinos do grupo da melilita.O material no processado tem a dimenso da areia e contm 10 a 15% de umidade. Antes de empregado deve ser seco e modo at partculas menores que 45 m (comumente cerca de 500m/kg de finura Blaine). As partculas tm textura rugosa.Cinza volante alto-clcio (cimentante e pozolnico) com alto teor de clcioNa maior parte de vidro de silicato contendo principalmente clcio, magnsio, alumnio, e lcalis. A pequena quantidade de matria cristalina presente consiste geralmente de quartzo; podem estar presentes cal livre e periclasio.P com 10-15% de partculas maiores do que 45 m (comumente 300-400 m/kg de finura Blaine). Muitas partculas so esferas slidas menores do que 20 m de dimetro. A superfcie da partcula geralmente lisa mas no limpas quanto as cinzas volantes de baixo teor de clcio.Pozolanas altamente reativasMicrosslica essencialmente constituda de slica pura na forma no cristalina.P extremamente fino consistindo de esferas slidas de dimetro mdio de 0,1 m (rea especfica, por adsoro de nitrognio, de 20 m/g).Cinza de casca de arroz essencialmente constituda de slica pura na forma no cristalina.As partculas so geralmente menores do que 45 m mas so altamente celulares (rea especfica, por adsoro de nitrognio, de 60m/g)Pozolanas comunsCinza volante de baixo teor de clcioNa maior parte vidro de silicato contendo alumnio, ferro, e lcalis. A pequena quantidade de matria cristalina presente consiste geralmente de quartzo, mulita, silimanita, hematita, e magnezita.P com 15-30% de partculas maiores que 45 m (comumente 200 a 300 m/kg de finura Blaine). A maior parte das partculas so esferas slidas com 20 m de dimentro mdio, podem estar presentes cenosferas e plerosferas.Materiais naturaisAs pozolanas naturais contm quartzo, feldspato e mica, alm de vidro de aluminossilicato.As partculas so modas abaixo de 45 m, na maior parte e tm textura rugosa.Pozolanas pouco reativasEscria de alto-forno resfriada lentamente, cinza de grelha, escria, cinza de arroz queimada em campo.Consiste essencialmente de silicatos cristalinos e somente uma pequena quantidade de matria no cristalina.Os materiais devem ser modos a um p muito fino para desenvolver uma certa atividade pozolanica. As partculas modas tm textura rugosa.2.7 Resumo das Caractersticas dos Aditivos2 PRINCIPAIS ADITIVOS UTILIZADOS NO BRASIL3.1 Acelerador DARACCEL Aditivo Acelerador para concreto no refoado; soluo lquida formulada para fornecer um tempo de pega mais rpido e incrementar o desenvolvimento de resistncia mecnica do concreto. Contm cloretos bem como outros elementos qumicos para aumentar o efeito de acelerao. DARASET 200 Acelerador isento de cloretos, indicado para aplicaes nas quais seja necessrio uma diminuio do tempo de pega e desenvolvimento de altas resistncias inciiais. Indicado para uso em concretos premoldados, pr ou pstensionados e concreto produzido em central dosadora. GRACERAPID 258 AF um aditivo lquido acelerador livre de lcalis, para concreto e argamassa projetado. Aumenta as resistncias mecnicas iniciais reduzindo o tempo de pega. GRACERAPID 258 AF recomendado para concreto projetado via mida ou seca. 3.2 Aditivo para Concreto Alto Adensvel V-MAR 3 Aditivo modificador reolgico para Concreto Alto Adensvel um aditivo lquido de alta eficincia preparado para a produo de Concreto Auto Adensvel (Self Compacting Concrete) pela modificao de sua viscosidade. 3.3 Aditivos para concreto de abatimento zero MARK V S um plastificante concentrado formulado especialmente para uso na produo de produtos de concreto de baixo abatimento (slump zero). utilizado na fabricao de blocos de concreto, tubos, telhas e outros produtos de concreto de baixo abatimento nos quais seja desejado uma superfcie mais suave e mais compactada com um leve acabamento. DARAVAIR um aditivo lquido pronto para o uso. Indicado para obteno de melhores acabamentos superficiais, melhoria da trabalhabilidade, especialmente em concretos produzidos com agregados artificiais ou com altos contedos de adies minerais ou, especificaes nas quais a incorporao de ar esteja prevista. MORTARD A Produto incorporador de ar para argamassa dosada em centralO MORTARD A um agente Incorporador de ar que consegue nveis de incorporao de ar entre 12 a 20 %. Esta incorporao de ar controlada homogeneamente distribuida e confere uma grande estabilidade que se traduz na ausncia quase total de exudao. 3.4 Concreto de baixa densidade DARAFILL 100 DARAFILL 100 um aditivo lquido incorporador de ar de alto desempenho que se agrega aos CLSM. O uso do DARAFILL 100 no CLSM da como resultado incorporao de ar estvel que oscila entre 16-35%, e em conseqncia, reduzem 50% tanto o contedo de gua, como de material cimentcio. 3.5 Estabilizador de Hidratao RECOVER Estabilizador de Hidratao usado para estabilizar por longos perodos a pega da gua de lavagem do caminho que possua vestgios de concreto ou o concreto de retorno ou remanescente permitindo que se possa ser usado novamente. Tambm usado quando necessrio controlar o tempo de incio de pega.3.6 Fibra Estrutural STRUX 85/50 Fibra de Reforo promove o aumento de tenacidade, resistncia ao impacto e a fadiga do concreto. Desenvolvida para aplicaes em pisos comerciais, industriais e residenciais. Strux uma soluo efetiva como reforo alternativo s fibras de ao, telas soldadas e armaduras leves. STRUX 90/40 Fibra de Reforo confere tenacidade, resistncia a impactos e a fadiga do concreto. composto por fibras sintticas especialmente desenvolvidas para substituir as fibras de ao e telas soldadas em aplicaes no projetadas. 3.7 Inibidores de Corroso DCI um aditivo lquido que promove proteo a corroso s barras das armaduras de reforo de ao. Usado em concretos expostos ou em contato com cloretos de sais de ambiente marinhos, pontes e estruturas de portos em geral. Pode ser usado combinado a outros sistemas de inibio de corroso como microsslica, armadura encapada com filme epoxi e seladores de superfcie. Atua tambm como um acelerador de pega. DCI S um aditivo inibidor de corroso que no promove a acelerao da pega do cimento. usado em concretos expostos ou em contato com cloretos de sais de ambiente marinhos, pontes e estruturas de portos em geral. Pode ser usado combinado a outros sistemas de inibio de corroso como microsslica, armadura encapada com filme epoxi e seladores de superfcie. 3.8 Plastificantes WRDA 30 uma soluo de compostos policarboxilados que promove uma hidratao controlada do cimento Portland. Pode ser utilizado em uma ampla faixa de aplicaes quando baixas dosagens de aditivo e tempo de pega normal do cimento so recomendadas. Indicado para concreteiras, industria de blocos de concreto e produtores de pisos intertravados. WRDA 31 um aditivo redutor de gua multi-propsito utilizado em uma ampla faixa de aplicaes quando baixas dosagens de aditivo e tempo de pega normal do cimento so recomendadas, especialmente indicado para uso com cimentos de alto teor de lcalis solveis. Indicado para concreteiras, industria de blocos de concreto e produtores de pisos intertravados. WRDA COM HYCOL uma soluo aquosa de compostos orgnicos complexos contendo Hycol, um agente controlador de hidratao patenteado, que permite a produo de concretos com baixas relaes gua/cimento e portanto significativos aumentos de resistncia mecnica com um impacto mnimo no tempo de pega do cimento. Indicado para concreteiras e indstrias de pr-moldado e concreto protendido. WRDA 12 Aditivo Redutor de gua uma soluo aquosa de compostos orgnicos complexos, que controla a hidratao do cimento Portland. O WRDA 12 um lquido de baixa viscosidade pronto para ser utilizado, especialmente preparado para facilitar seu manuseio e dosificao. WRDA 38 Aditivo Plastificante redutor de guaO aditivo WRDA 38 uma soluo aquosa de compostos orgnicos complexos, que controla a hidratao do cimento Portland, especialmente indicado para cimentos com adio de escria de alto forno. O WRDA 38 um lquido de baixa viscosidade pronto para ser utilizado, especialmente preparado para facilitar seu manuseio e dosificao WRDA 38 no contm cloretos. WRDA 45Aditivo Redutor de guaO WRDA 45 produz um concreto com baixo contedo de gua (reduo tpica de 8- 10%), com maior plasticidade e resistncia. utilizado nas usinas de concreto, pavimentos de concreto, concretos de densidades normal e leve e em concretagem in locu, possuindo maior resistncia, menor permeabilidade e maior durabilidade. 3.9 Redutores de gua - Plastificantes Polifuncionais MIRA RT 64 Promove uma tima disperso dos aglomerados de cimento permitindo a reduo das relaes gua/cimento. Oferece um melhor controle sobre a hidratao do cimento em climas quentes. Melhora as caractersticas de acabamento pela presena de compostos especiais em sua formulao. Indicado para uso em concreteiras. MIRA 76 MIRA 76 Permite a obteno de uma capacidade plastificante superior, atravs do uso de alta dosagem mesmo quando empregados cimentos Portland com alto teor de adies, sem a ocorrncia de importantes incrementos do tempo de pega do cimento. Sua formulao foi desenvolvida para uso em perodos de baixas temperaturas e obteno de altas resistncias iniciais. Indicado para concreteiras e industria de pr-moldados e concretos protendidos. MIRA 77 MIRA 77 um aditivo plastificante polifuncional redutor de gua de meio termo, especialmente formulado para utilizao em altos teores com a propriedade de no promover importantes retardos no tempo de incio de pega com altssimo desempenho na manuteno de Slump. MIRA 79 foi desenvolvido como um aditivo redutor de gua de alta eficincia especialmente formulado para a utilizao com cimento Portland de Alto Forno. MIRA 94 Aditivo Plastificante Polifuncional um aditivo redutor de gua polifuncional, fabricado atravs de rigorosos processos e controles da qualidade com a finalidade de assegurar um desempenho uniforme e previsvel do produto.MIRA 96 Aditivo Plastificante Polifuncional - Redutor de gua de Meio Termo MIRA 96 foi desenvolvido como um aditivo redutor de gua de alta eficincia especialmente formulado para utilizao em cimentos com alto teor de adies sem prejuzos a resistncia inicial ou retardo no tempo de incio de pega em doses tpicas recomendadas. MIRA RT 65 Aditivo Plastificante Polifuncional Redutor de guaMIRA RT 65 um aditivo redutor de gua polifuncional contendo polmeros modificados de compostos hidroxicarboxlicos, fabricado atravs de rigorosos controles de qualidade com a finalidade de assegurar um desempenho uniforme e previsvel do produto. MIRA RT 66 Aditivo Plastificante Polifuncional foi desenvolvido como um redutor de gua polifuncional que dispersa os aglomerados de cimento com maior eficcia. Sua capacidade superior como dispersante produz um concreto com uma notvel melhoria de resistncia compresso inicial e final. Prolonga a manuteno do abatimento do concreto, mantendo um tempo de pega controlado. Pode ser utilizado em uma ampla faixa de dosagem de acordo com a aplicao desejada. MIRA RT 67 Aditivo Plastificante Polifuncional Redutor de gua de Meio TermoMIRA RT 67 um aditivo redutor de gua polifuncional, especialmente indicado para concretos que requeiram uma melhoria de acabamento superficial. Fabricado atravs de rigorosos processos de controle da qualidade com a finalidade de assegurar um desempenho uniforme e previsvel do produto.3.10 Redutores de gua - Superplastificantes Convencionais DARACEM 19 um aditivo superplastificante lquido pronto para uso que promove altas resistncias iniciais em concretos de baixa relao gua/cimento ou com especificaes de alta trabalhabilidade. Indicado para estruturas pr-moldadas ou concretos protentidos. DARACEM 100 um aditivo lquido formulado para caractersticas de manuteno do abatimento prolongado. Indicado para concretos com baixas relaes gua/cimento ou com especificao de alta consistncia. 3.11 Redutores de gua - Superplastificantes de ltima Gerao ADVA 100 um aditivo superplastificante de ltima gerao. Permite a dosagem na central, garantindo a manuteno prolongada do abatimento. Promove altas consistncias, concreto fludo ou relaes gua/cimento mnimas sem prejuzos a trabalhabilidade do concreto. ADVA 140 O ADVA 140 superplastificante um aditivo redutor de gua de alto desempenho. um lquido de baixa viscosidade pronto para o uso. ADVA 170 produz concretos com caractersticas de extrema trabalhabilidade tais como alta consistncia e espalhamento. ideal para concretos com relao gua/cimento baixa, calculadas para as altas resistncias iniciais, e com trabalhabilidade e fluidez excepcionais. ADVA CAST um aditivo superplastificante de ltima gerao a base de polmeros policarboxilatos para a produo de concretos de baixssimas relao gua/cimento, nas quais so desejadas altas resistncias compresso ou diminuio do calor necessrio para concretos curados a vapor. Indicado para concreteiras e industria de pr-moldados e concreto protendido. ADVA CAST 500 uma formulao para aplicao em concretos pr-fabricados. umlquido de baixa viscosidade, pronto para uso.O superplastificante produz concretos com caractersticas extremamente trabalhveis relacionadas como concreto de alto abatimento. 3.12 Redutores de Retrao ECLIPSE Floor An admixture specially formulated for use in indoor slab-on-grade concrete construction. Can be used to extend joint spacing and virtually eliminate cracking in high value flooring ECLIPSE um aditivo redutor de retrao utilizado em pisos, pavimentos de concreto, lajes ou outras estruturas nas quais o efeito da retrao por secagem resulta em inaceitveis perdas de resistncia ou fissurao. Permite o maior espaamento das juntas dos pisos eliminado a fissurao. GRACE CURE um produto lquido composto hidrocarbonetos especiais em base gua, desenvolvido para aplicao como membrana de cura qumica prevenindo a retrao por secagem no concreto e portando evitando a fissurao. GRACE MICROFIBER uma fibra sinttica de polipropileno no reciclado, resistente ao meio alcalino, no corrosiva e no absorvente. Usada em aplicaes nas quais a reduo da retrao importante, melhorando as caractersticas de durabilidade. Melhora a resistncia a abraso e ao impacto. 3 INOVAES EM ADITIVOS4.1 Concreto TranslcidoFigura 1 Uma parede utilizando o concreto TranslcidoMaterial inventado na Hungria j produzido no Brasil e, em larga escala, pode ser usado no trnsito e na segurana pblica.Criado em 2001, na Hungria, o concreto translcido comea a ser testado no Brasil. Dois centros de pesquisa j conseguiram desenvolver o material no pas. Um o Laboratrio de Materiais de Construo da Universidade Estadual Vale do Acara, em Sobral, no Cear, e o outro o Laboratrio de Tecnologia da Construo da Univates (Universidade do Vale do Taquari), em Lajeado, no Rio Grande do Sul. O objetivo dos pesquisadores brasileiros conseguir reduzir o custo de fabricao do concreto translcido, para que ele ganhe mercado.Na Concrete Show, evento realizado em agosto em So Paulo, o material hngaro foi anunciado com o preo de R$ 2.400 o metro cbico. Comparado com o preo do concreto convencional, que no Brasil vendido a um custo mdio de R$ 300 o metro cbico, o translcido importado chega a ser 900% mais caro.No entanto, na Univates, os pesquisadores conseguiram fabricar blocos de concreto translcido, que medem 2919x9 centmetros, a um custo de R$ 80. Para o mercado includo impostos e frete -, o professor Bernardo Fonseca Tutikian, que coordena as pesquisas na universidade, estima que o bloco do material custaria R$ 200. Por enquanto, a utilizao dele apenas esttica, mas o avano das pesquisas pode barate-lo e ampliar seu uso, afirma Tutikian.O valor alto do concreto translcido se deve ao fato de que ele utiliza fibras pticas misturadas com concreto autoadensvel. So as fibras que garantem luminosidade e transparncia ao material. A opo pelo autoadensvel que ele uma categoria de concreto que pode ser moldado em frmas, preenchendo cada espao vazio atravs exclusivamente de seu peso prprio, no necessitando de qualquer tecnologia de compactao ou vibrao externa, explica Bernardo Fonseca Tutikian.O processo de fabricao do concreto translcido relativamente simples e sua resistncia igual do concreto comum. So inseridas fibras pticas no interior de uma frma e ento o bloco concretado. Em seguida, ele passa por um processo de cura e submerso em gua. Na Univates, a fabricao de cada bloco durou cerca de trs dias. Na Universidade Estadual Vale do Acara o tempo foi de dois dias, em funo das temperaturas mais elevadas no Cear. A diferena do processo brasileiro para o hngaro que no pas europeu ela j est sendo produzido industrialmente.Figura 2 - Aps a colocao do concreto na frma, ele precisa de um tempo de cura e de repouso em gua para ficar prontoSe vier a ser fabricado em larga escala no Brasil, o concreto translcido pode ser utilizado em obras de trnsito e de segurana pblica. Em Estolcomo, por exemplo, o material j foi aplicado em quebra-molas. Dentro de cada bloco de concreto translcido foram colocadas leds (lmpadas com baixo consumo de energia e alta durabilidade), que acendem ao escurecer e servem de alerta para os motoristas.Em Canoas, no Rio Grande do Sul, onde est em construo um presdio modelo, est em estudo a construo de uma cela experimental com concreto translcido. A ideia conseguir iluminar as celas dos presos, sem usar interruptor, pois o preso quebra as lmpadas e as utiliza como arma. uma forma de iluminar a cela sem a possibilidade de o preso quebrar o material, afirma Tutikian.Sob o ponto de vista esttico, o concreto translcido cada vez mais utilizado em obras comerciais no Japo e na Europa. A razo que ele permite projetar detalhes diferenciados para fachadas, destacando logotipos de empresas e iluminao de ambientes, dispensando o uso de lmpadas. Com o avano das pesquisas, no futuro ele vai chegar s residncias, avalia o professor Francisco Carvalho, que coordena as pesquisas na Universidade Estadual Vale do Acara.4.2 Concreto FlexvelO concreto flexvel capaz de se autoconsertar sem interveno humanaUm concreto desenvolvido por pesquisadores da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, capaz de se autoconsertar apenas com a adio de gua e dixido de carbono (CO2).O autoconserto possvel porque o novo concreto foi desenvolvido para dobrar e se quebrar em finssimas lacunas, equivalentes metade do dimetro de um fio de cabelo humano, em vez de se quebrar em pedaos ou criar fissuras grandes, como acontece com os concretos normais." como quando voc faz um pequeno corte na sua mo, o seu corpo pode se reparar sozinho. Mas se voc tem um grande ferimento, ento precisar de ajuda. Ns criamos um concreto que se fratura em fissuras pequenas o suficiente para que possa se autoconsertar," explica o professor Victor Li.Segundo Li, o novo concreto poder tornar as obras mais seguras e mais durveis. Uma ponte danificada por sobrecarga ou por abalos ssmicos, por exemplo, poderia voltar a operar normalmente em poucos dias.A imagem mostra o grande segredo do concreto, a sua flexibilidade. Os testes mostram que uma pea feita com o novo material pode sofrer um estiramento de at 3% e recuperar integralmente sua resistncia - isso equivaleria a esticar uma ponte de concreto com 100 metros de comprimento (se ela fosse feita por uma pea nica) at que ela atingisse 103 metros, sem que ela se quebrasse.E, to logo curada dos danos, a ponte recupera inteiramente sua capacidade de operao. "Ns descobrimos, para nossa surpresa, que quando forada de nova aps se curar, a pea se comporta como se fosse nova, praticamente com a mesma dureza e resistncia," diz Li.Cimento extra-secoA capacidade de se autoconsertar do novo concreto deve-se ao uso de um cimento extra-seco que, quando exposto por uma fissura, reage com a gua e o dixido de carbono do ambiente para formar uma espcie de "cicatriz" de carbonato de clcio - o mesmo material encontrado nas conchas de animais marinhos. Nos testes em laboratrio, o processo de cura levou entre 1 e 5 ciclos de molhagem e secagem.A imagem ao lado mostras as "cicatrizes" do concreto, as linhas brancas de carbonato de clcio que se formam depois que o processo de cura se completa.O processo de autoconserto atinge 100% de eficincia quando as fissuras individuais tm menos do que 50 micrmetros, mas o processo opera com aberturas de at 150 micrmetros.Concreto reforado com fibrasO novo material chamado ECC ("Engineered Cement Composite"), mais flexvel do que o concreto tradicional e se comporta mais como um metal do que como um vidro.O concreto tradicional considerado uma cermica, sendo rgido e quebradio, suportando um estiramento mximo de 0,01% antes de se partir. J o ECC dobra-se sem se quebrar, suportando um estiramento mximo de 5% (a recuperao total d-se at os 3%).Hoje, os construtores reforam o concreto com barras de ao, com o objetivo de manter as trincas to pequenas quanto possvel. O problema que essas trincas, por minsculas que sejam, deixam entrar lquidos que corroem o ao, o que reduz a resistncia da construo ao longo dos anos.O EEC reforado com fibras sintticas, no estando sujeito corroso4.3 Reaproveitamento de Concreto Como citamos no incio deste trabalho, existe uma estimativa de que o consumo mundial do concreto seja da ordem de 6 bilhes de toneladas por ano, ou seja 1 tonelada por ser humano vivo. O homem no consome nenhum outro material em tal quantidade, a no ser a gua. Com um consumo desta grandeza. O concreto ao longo de sua cadeia de produo e uso acaba causando grande impacto ao meio ambiente, por isso devemos pensar em usar este produto de forma racional. Para isso foi desenvolvido um aditivo chamado Delvo, que adicionado ao concreto torna possvel a sua reciclagem. Buscando reduzir o impacto causado pelos resdos do concreto este aditivo atua em algumas das principais propriedades do concreto, entre elas, resistncia, tempos de pega e trabalhabilidade.Almejando assim resolver o problema do destino do concreto recusado em obra, que agora pode ser reciclado, tambm se obteve uma melhor trabalhabilidade do concreto graas ao plastificante do aditivo, possibilitou a otimizao de processos, reduo de custos com a economia de materiais para o concreto, manuteno de caminhes-betoneira e gastos com bota-fora e mo-de-obra; e por fim favorecendo a no agresso e conservao do meio ambiente.O concreto pode gerar pelo menos dois tipos de poluio ambiental:1. Cerca de 500 litros de gua utilizados para cada lavagem de cada caminho betoneira por viagem, gerando resduos ambientais;2. Perda de concreto de retorno para a usina quer seja o resduo de cerca de 0,150 m3 de lastro, como tambm do concreto recusado em obra.Foi desenvolvido um aditivo que entra no mercado como uma soluo inteligente e econmica para o controle de hidratao do cimento, implantado pela primeira vez em 1986 de forma a promover junto s concreteiras um programa perda zero: O aditivo evita que seja descarregada a gua de lavagem do caminho, que reaproveitada em nova carga de concreto; Possibilita o reaproveitamento do concreto no utilizado na obra, sem perda de desempenho; Possibilita o controle de hidratao do cimento por at 72 horas, permitindo a realizao de concretagens a longa distncia da usina e concretagens complexas relacionadas ao tempo de pega do concreto; Reduz o pico trmico, em concreto massa.4 CONSIDERAES FINAISOs aditivos de concretose fazem to presente no dia-a-dia da construo civil, que hoje, no podemos mais imaginar a possibilidade de edificar uma construo sem o emprego de alguma adio ao concreto.Tendo em vista a grande vantagem que encontramos com a adio de aditivos no concreto com sua capacidade de alterao das caractersticas do produto final, ser inevitvel que no futuro consideremos os aditivos a serem utilizados como parte integrante do trao do concreto.5 BIBLIOGRAFIA ABNT Associao Brasileira de Normas Tcnicas; ABESC Associao Brasileira das Empresas de Servios de Concretagem;

Recommended

View more >