O ENTRECRUZAR DAS MDIAS COM OS CONCEITOS ADORNIANOS DE INDSTRIA CULTURAL E ESCLARECIMENTO: UM CONVITE CRITICIDADE

  • Published on
    18-Dec-2014

  • View
    238

  • Download
    4

DESCRIPTION

 

Transcript

  • 1. Nascentes O ENTRECRUZAR DAS MDIAS COM OS CONCEITOS ADORNIANOS DE INDSTRIA CULTURAL E ESCLARECIMENTO: UM CONVITE CRITICIDADE Francisca Francione Vieira de Brito* Maria Lcia Pessoa Sampaio** Demonizar os meios de comunicao pelo uso tem sido uma postura imediatista e fcil [...]. Contudo, isto no resolve. Porque no sero produtores que hoje dominam os meios de comunicao que vo se esforar para qualificar os receptores de suas mensagens. Uma audincia menos preparada e crtica traz menos problemas ao negcio como um todo: exige menos e se satisfaz com menos. A esperana a escola. no processo de formao que a escola deve assumir como motor do conjunto indivduo-famlia-sociedade, que est a real chance de produzirmos pessoas conscientes da importncia dos meios de comunicao, de como us-los em benefcio delas e de como no se deixar usar [...]. O essencial que todo o corpo escolar se direcione para ter as mdias no mais como adversrias e sim parceiras no processo de aprendizado. (AMORA, 2011, p. 26-27) RESUMO: As Mdias (ou Meios de Comunicao de Massa) conquistaram espao ao se mostrar como veculo difuso de informaes e de renovao das prticas comunicativas, ganhando evidncia que perpassa a contemporaneidade. Discutir o que est nas entrelinhas de sua conjuntura nos possibilita compreender melhor a relao homem-mdia-sociedade. Com este artigo, objetivamos promover uma reflexo acerca dos efeitos socioculturais advindos das Mdias, atravs da seguinte questo: Sua presena macia entre ns representa sempre ganho? Em busca da resposta, fundamentamo-nos na filosofia de Theodor Adorno & Horkheimer (1985) acerca da Indstria Cultural e Mestranda do Programa de Ps-Graduao em Letras Ps-Doutoramento no Laboratoire d'Etudes Romanes, na quipe de Linguistique des Langues Romanes na Universit Paris 8, France (2010-2011). Membro do GEPPE e GPET, professora do Departamento de Educao, docente permanente do PPGL e coordenadora do PROFLETRAS da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte- UERN * ** Flio Revista de Letras Vitria da Conquista v. 5, n. 1 p. 333-349 jan./jun. 2013
  • 2. Francisca Francione Vieira de Brito; Maria Lcia Pessoa Sampaio 334 do conceito de Esclarecimento, dos preceitos sobre Mdias em Castells (2007), Lvy (1999) e Setton (2010), e de sua ligao com a Educao atravs de Chau (2000), Demo (2009), Moran (2012), Morin (2000) e Freire (2005, 2010). Conclumos que, apesar do homem se encontrar num contexto de desenvolvimento industrial tecnolgico, ele est atrasado quanto condio de sujeito esclarecido e emancipado, por deixar-se, muitas vezes, ser submetido barbrie. PALAVRAS-CHAVE: Criticidade; Educao; Esclarecimento; Indstria Cultural; Mdias. Consideraes iniciais A comunicao uma capacidade intrnseca ao homem. Desde a poca das cavernas com seus grunhidos, gestos e pinturas rupestres a humanidade demonstra a necessidade de se comunicar. Assim, por natureza, ele um ser social. Contudo, proporcionalmente evoluo da espcie, a forma de expresso do ser humano sofreu mudanas considerveis ao longo dos sculos indo alm da habilidade da fala, e tambm da escrita. Elas foram reconfiguradas. Com os reflexos da Revoluo Industrial e das inovaes tecnolgicas, a partir da metade do sculo XX, as Mdias (ou meios de Comunicao de Massa) conquistaram espao ao se mostrar como veculo difuso de informaes e meio de renovao das prticas comunicativas. Sua participao ativa na construo sociocultural ganhou evidncia que perpassa a contemporaneidade. E, por isso, convm discutirmos a conjuntura dos recursos miditicos e suas entrelinhas para que possamos melhor compreender a relao da trade homem-mdia-sociedade. Sendo assim, o objetivo deste artigo se assenta numa proposta de reflexo acerca dos efeitos socioculturais advindos das Mdias, onde levantamos a seguinte questo: Ser que sua presena macia entre ns representa sempre ganho? Para nos guiar na busca da resposta, faremos uso da filosofia de Theodor Adorno & Horkheimer (1985) acerca da Indstria Cultural e do conceito de Esclarecimento, dos preceitos sobre Mdias em Castells (2007), Lvy (1999) e Setton (2010), e de sua ligao com a Educao atravs dos fundamentos de Chau (2000), Demo (2009), Moran (2012), Morin (2000) e Freire (2005, 2010). Flio Revista de Letras Vitria da Conquista v. 5, n. 1 p. 333-349 jan./jun. 2013
  • 3. O entrecruzar das mdias com os conceitos adornianos de indstria cultural e esclarecimento: um convite criticidade Esperamos, com este, dar nossa contribuio ao meio acadmico-educacional e suscitar outros debates sobre a presena, cada vez mais forte, das mdias em nossa vida cotidiana atentando para as ideologias subjacentes em suas entrelinhas. 1. As mdias: bnos que caram do cu?! Vivemos arraigados a um constante processo de mutaes. O que antes era visto comumente, hoje no se v mais ou, pelo menos, no do mesmo modo. Com o passar do tempo, at as formas de comunicao do indivduo ganharam outros moldes. Nossa aldeia global se transformou com o progresso tecnolgico das ltimas dcadas e a expresso da linguagem agora conta com equipamentos da mdia capazes de reunir palavra falada/escrita a um cdigo imagtico para efeito comunicativo. No entanto, isso no quer dizer, que os recursos miditicos hoje disponveis na nossa sociedade surgiram de repente trazendo mirabolantes mudanas. No! Eles no nasceram do nada. Tambm no passado da humanidade outras tecnologias impuseram suas transformaes, como o caso do pergaminho que serviu nos primrdios como ferramenta de registro escrito. Assim, a evoluo dos meios de comunicao est diretamente associada evoluo da espcie humana, cada um com o sucesso em seu tempo, conforme suas especificidades constitutivas. Citamos como exemplo, a cultura da virtualidade do real 1 (CASTELLS, 2007) oriunda do fortalecimento das Mdias aliado economia globalizada que trouxe a integrao da comunicao eletrnica a redes interativas. Contudo, antes de adentrarmos nas discusses preciso detalhar o que so Mdias, ressaltando a abrangncia de seu conceito. Vejamos: [...] se refere aos meios de comunicao massivos dedicados, em geral, ao entretenimento, lazer e informao rdio, televiso, jornal, revista, livro, fotografia e cinema. Alm disso, engloba as mercadorias culturais com a divulgao de produtos e imagens e os Essa nova cultura foi chamada por Pierry Lvy (1999, p. 92) de cibercultura ao consider-la como o conjunto de atitudes, valores, prticas e modos de pensamento que se desenvolvem a partir da interconexo mundial dos computadores Internet. 1 Flio Revista de Letras Vitria da Conquista v. 5, n. 1 p. 333-349 jan./jun. 2013 335
  • 4. Francisca Francione Vieira de Brito; Maria Lcia Pessoa Sampaio 336 meios eletrnicos de comunicao, ou seja, jogos eletrnicos, celulares, DVDs, CDs, TV a cabo ou via satlite e, por ltimo, os sistemas que agrupam a informtica, a TV e as telecomunicaes computadores e redes de comunicao. (SETTON, 2010, p. 14) Sendo assim, basta conhecer um pouco destes veculos de informao e observar, mais cautelosamente, nosso entorno para perceber o grande poder de influncia das Mdias (ou meios de massa) na formao da opinio das pessoas, na aquisio de atitudes e comportamentos. Nesta perspectiva, para Setton (2010) as Mdias so matrizes de cultura que, ajudam-nos, juntamente com valores produzidos e reconhecidos pela famlia, pela escola e pelo trabalho, a nos constituir enquanto sujeitos, indivduos e cidados, com personalidade, vontade e subjetividade distintas. Trata-se de uma produo mercadolgica de carter cultural2. Segundo a referida autora, a compreenso das Mdias, pressupe uma aproximao com as noes de cultura e socializao, por sua vez, atreladas educao. Cultura entendida como produto da atividade material e simblica dos humanos, proveniente da sua capacidade de criao de significados e do seu potencial de comunicao-interao. Socializao, por sua vez, vista como processo educativo a partir da transmisso, negociao e apropriao de conhecimentos por todos ns. Em outras palavras: Compreender a cultura miditica implica melhor entender a sociedade na qual estamos inseridos, seus conflitos, interesses e devaneios. Mdias como agentes de comunicao que so transmitem mensagens influenciadoras para a formao das identidades de todos, podendo contribuir, com sua carga informativa, tanto para o bem como para o mal ao propor e/ou impor significados. Fazse necessrio, pois, analisar de forma mais aguada a veiculao da linguagem miditica, visto que, em suas entrelinhas existe uma carga ideolgica que pode tornar-se, como aponta Setton (2010, p. 26), um instrumento de poder capaz de governar nossas vidas. 2 Retomaremos essa noo no prximo tpico com o conceito adorniano de Indstria Cultural. Flio Revista de Letras Vitria da Conquista v. 5, n. 1 p. 333-349 jan./jun. 2013
  • 5. O entrecruzar das mdias com os conceitos adornianos de indstria cultural e esclarecimento: um convite criticidade A esse respeito, Setton (2010, p. 18) afirma que: conceber ideologia num contexto de comunicao massiva detectar e analisar se o sentido construdo e usado pelas formas simblicas serve ou no para manter relaes de poder sistematicamente assimtricas. E acrescenta: estudar a ideologia dos bens culturais miditicos explicitar a conexo entre o sentido/significado mobilizado pelas mensagens miditicas e as relaes de dominao que esse sentido mantm. Deste modo, nossas prticas e condutas sociais podem ser moldadas por normas prescritas pelas matrizes de cultura, ou seja, pelas Mdias. Tais circunstncias no quer dizer que os indivduos consumidores dos produtos das Mdias sejam totalmente passivos. A responsabilidade de quem hoje est recebendo esses produtos ainda maior com a revoluo provocada pelos novos meios de comunicao que esto surgindo, devido ao fato de que inerente sua constituio a capacidade de interao entre o produtor de contedo e o pblico a quem este destina suas mensagens, afirma Amora (2011, p. 21). Sobre isto, ele exemplifica: Como hoje acontece com os produtos de comunicao produzidos para o meio de comunicao Internet sites e blogs so os melhores exemplos a participao de quem recebe a mensagem elemento constituidor da prpria mensagem. No h sentido no post de um blog sem que ele tenha espao para comentrios dos leitores daquele blog, que podero gerar outro post e assim sucessivamente [...]. (AMORA, 2011, p. 21) Subjaz, pois, na suposta participao do indivduo, sua interpretao dos contedos das mensagens a partir de uma bagagem de valores apreendidos em outras instncias socializadoras. Entretanto, para que esta interveno do sujeito social ocorra preciso que o mesmo esteja ciente de dois pontos importantes: saiba quem regula a cultura miditica e sua produo de sentidos, bem como detenha um conhecimento crtico que lhe capacite para tal ao. Flio Revista de Letras Vitria da Conquista v. 5, n. 1 p. 333-349 jan./jun. 2013 337
  • 6. Francisca Francione Vieira de Brito; Maria Lcia Pessoa Sampaio 338 Sobre estes aspectos discorreremos a seguir utilizando-nos da crtica aos meios de comunicao atravs dos conceitos de Indstria Cultural e Esclarecimento, atribudos pelo filsofo Theodor Adorno & Max Horkheimer (1985) da Escola de Frankfurt. 2. Indstria cultural: a sombra que nos persegue A cultura das mdias (ou cultura de massas) remete a uma realizao histrica, que emergiu no incio dos anos 30, nascida como produto da industrializao e interesse dos donos dos meios de comunicao inseridos numa sociedade capitalista; esta, ligada a uma nova ordem poltica e econmica da modernidade. Posteriormente, a denominao cultura de massa foi criticada por mistificar uma ideologia de democratizao da cultura; e com a publicao da obra Dialtica do Esclarecimento (1947), escrita por Theodor Adorno em colaborao com Max Horkheimer, foi atribudo o termo Indstria Cultural para fazer meno a uma indstria de controle da sociedade atravs de uma viso de mundo ideolgica regida pelos anseios dos capitalistas, donos da racionalidade tecnolgica, De acordo com Setton (2010), Adorno e Horkheimer denunciavam que o fenmeno da Indstria Cultural estaria regredindo o homem comum ao seu estado incivilizado; e, profundamente crticos, eles acrescentavam que essa nova forma de fabricar cultura um engodo que tem como princpio a dominao e manipulao. Um controle ideolgico mais sofisticado, pois se esconde no vu do progresso tcnico e do entretenimento (SETTON, 2010, p. 43). Assim, para a concepo Adorniana, na Indstria Cultural tudo se transforma em produto mercadolgico que visa obter lucros atravs de sujeitos consumidores considerados objetos, como veremos abaixo: A indstria s se interessa pelos homens como clientes e empregados e, de fato, reduziu a humanidade inteira, bem como cada um de seus elementos, a essa frmula exaustiva. Conforme o aspecto determinante em cada caso, a ideologia d nfase ao planejamento ou ao acaso, tcnica ou vida, civilizao ou natureza. Enquanto empregados, eles so lembrados da organizao racional e exortados a se inserir nela com bom senso. Enquanto clientes, vero o cinema e a imprensa demonstrar-lhes, com base em acontecimentos da vida privada das pessoas, a liberdade de escolha, que Flio Revista de Letras Vitria da Conquista v. 5, n. 1 p. 333-349 jan./jun. 2013
  • 7. O entrecruzar das mdias com os conceitos adornianos de indstria cultural e esclarecimento: um convite criticidade o encanto do incompreendido. Objetos que continuaro a ser em ambos os casos. (ADORNO & HORKHEIMER, 1985, p. 121 ) Em consonncia, Medrano & Valentim (2001, p. 69) afirmam que nas relaes de troca de mercadorias a que so reduzidas todas as relaes sociais, o produto cultural perde seu brilho, sua unicidade, sua especificidade de valor de uso. Quando se transforma em um valor de troca, dissolve a verdadeira arte ou cultura. Desta maneira, a Indstria Cultural no instrumento de sublimao e sim, represso, como sugerem Adorno & Horkheimer (1985, p.115). Ela estabelece uma espcie de comrcio fraudulento, que promete a satisfao das vontades, mas na verdade as frustra, num tipo de jogo perverso de oferecimento e privao, complementa Silva (2009). importante ressaltar que, a televiso principal instrumento dos meios de massa foi amplamente debatida por Adorno. A meta dele era mostrar a televiso comercial como um produto do antiesprito objetivo que pretende induzir o comportamento do espectador, fazendo-o perder a capacidade de espanto e indignao diante de acontecimentos sociais banalizados e foras histricas consideradas naturais. Nesta perspectiva, Franco (2008, p. 120) enfatiza: A televiso, enquanto meio tecnolgico enredado na indstria cultural, incessantemente lana sobre o espectador mensagens abertas e encobertas. Temos assentada, nesta conjuntura, a chave da Cultura das Mdias em geral: o disfarce da sua real ideologia via possibilidade de diverso e satisfao. Observemos a colocao de Adorno & Horkheimer (1985, p. 119) neste sentido: Mas a afinidade original entre os negcios e a diverso mostra-se em seu prprio sentido: a apologia da sociedade. Divertir-se significa estar de acordo. Isso s possvel se isso se isola do processo social em seu todo, se idiotiza e abandona desde o incio a pretenso inescapvel de toda obra, mesmo da mais insignificante, de refletir em sua limitao o todo. Divertir significa sempre: no ter que pensar nisso, esquecer o sofrimento at mesmo onde ele mostrado. A impotncia a sua prpria base. Flio Revista de Letras Vitria da Conquista v. 5, n. 1 p. 333-349 jan./jun. 2013 339
  • 8. Francisca Francione Vieira de Brito; Maria Lcia Pessoa Sampaio 340 Posto isso, podemos perceber que o produto reproduzido pela televiso (ou Indstria Cultural em geral) tem o poder de cegar os homens oferecendo-lhes a oportunidade de um bem-estar disfarado para que no vejam a irracionalidade do capitalismo. Cumpre assim, sua misso de seduzir as massas para o consumo, tornando o sujeito social acrtico. a onipotncia de um sobre a fraqueza do outro. Contudo, no podemos deixar de mencionar ainda, a respeito da mdia televisiva, que Adorno (2006, p. 76-78) no contra a mesma, mas apenas critica o seu uso em grande escala para propagar ideologias de forma equivocada objetivando manipular a conscincia dos espectadores. Para ele, a televiso tem um enorme potencial formativo no sentido de divulgar informaes de esclarecimento, de cumprir objetivos educacionais como transmisso discutvel e no simplesmente como repasse de fatos. Mas como nosso propsito aqui discutir a filosofia da Indstria Cultural, retomaremos este tpico buscando sintetizar o at ento exposto sobre, fazendo uso das palavras de Chau (2000, p. 330-333): A indstria cultural vende Cultura. Para vend-la, deve seduzir e agradar o consumidor. Para seduzi-lo e agrad-lo, no pode choclo, provoc-lo, faz-lo pensar, faz-lo ter informaes novas que perturbem, mas deve devolver-lhe, com nova aparncia, o que ele sabe, j viu, j fez. A mdia o senso-comum cristalizado que a indstria cultural devolve com cara de coisa nova [...]. Dessa maneira, um conjunto de programas e publicaes que poderiam ter verdadeiro significado cultural tornam-se o contrrio da Cultura e de sua democratizao, pois se dirigem a um pblico transformado em massa inculta, infantil, desinformada e passiva. justamente nesta aculturao que se assenta a crtica de Adorno & Horkheimer (1985). Como explicita Setton (2010, p. 45), eles compreendem a cultura como espao de criao, reflexo, emancipao, crtica e transformao da humanidade onde a produo do conhecimento se reflete e vai alm. Flio Revista de Letras Vitria da Conquista v. 5, n. 1 p. 333-349 jan./jun. 2013
  • 9. O entrecruzar das mdias com os conceitos adornianos de indstria cultural e esclarecimento: um convite criticidade 2.1 A internet para Adorno Cabe aqui abrirmos um parntese quanto algumas especificidades da sociedade em rede denominada de Cibercultura por Lvy (1999) e sua interferncia nos comportamentos humanos em correlao com os pressupostos Adornianos da Indstria Cultural, visto que temos agora um novo suporte miditico de abrangncia ainda maior pelo seu imediatismo, mas que, todavia, conserva alguns aspectos criticados pelos membros da Escola de Frankfurt. Frente a isso, firmados nos apontamentos de Duro (2008) apud Silva (2009), destacam-se trs condutores distintos deste objeto (internet), mas que coexistem com o conceito de Adorno, sendo: 1) a ideia ilusria de liberdade concreta na internet tambm levantada por Demo (2009) quando, na verdade, provoca o aumento de desigualdades sociais ao elevar a produtividade do trabalho. Com a internet, o tempo diante do computador pode ser comparado com o do operrio perante a mquina no comeo da industrializao; 2) a potencialidade utpica da informatizao e da conectividade como espao de ao poltica e de mobilizao crtica; 3) as foras de produo subjacentes ao entorno histrico-transformacional de regulamentao da internet, onde se chocam forma de obteno de lucro com as tentativas de resistncias ao sistema em rede. Outros aspectos negativos ligados internet ainda poderiam ser correlacionados teoria de Adorno, como: os danos psquicos gerados pelo isolamento; a dependncia provocada pelo vcio do uso; a banalizao dos contedos, etc. preciso que vejamos, na mesma medida, diferenas e semelhanas entre a internet e os meios de comunicao existentes na poca de Adorno. O que se pode apreender, pois, perante o j dito acerca da internet que a lgica de dominao e interesses dos envolvidos com a Indstria Cultural permeia o mundo virtual, apesar do avano tecnolgico que a constitui. Flio Revista de Letras Vitria da Conquista v. 5, n. 1 p. 333-349 jan./jun. 2013 341
  • 10. Francisca Francione Vieira de Brito; Maria Lcia Pessoa Sampaio 342 3. Esclarecimento e seu poder emancipatrio A necessidade da compreenso humana sobre a natureza das coisas circundantes persegue o homem desde tempos remotos incutindo-lhe autonomia sociopoltica; j dizia a mxima popular: saber poder. Assim, embora a sociedade capitalista na qual estamos inseridos, traga em seu cerne a dinmica mercantilista de presso do indivduo, este, reificado e condenado claustrofobia de um mundo administrado (ADORNO, 2006), o conceito de Esclarecimento defendido por Theodor Adorno se faz presente, configurando-se como norteador contra o assujeitamento da civilizao. Neste sentido, a sociedade atual, deve ser impulsionada pela busca da superao do processo de dominao burguesa e condicionada pelo esclarecimento como ferramenta vivel para o progresso do pensamento individual. Para Adorno (2006) no temos o direito de modelar as pessoas, de manipular conscincias, de submeter indivduos a interesses particulares como prega a sistemtica da indstria cultural atravs dos meios tecnolgicos de comunicao. Transmitir informaes carregadas de teor ideolgico no leva o homem a uma conscincia crtica social, mas condio de marionete do capitalismo vigente. Assim, nas relaes sociais o poder elemento decisivo para a experincia formativa humana, uma vez que seus reflexos vo alm de foras economicamente produtivas perpassando a subjetividade dos seres na perseguio de uma sociedade democrtica onde os sujeitos so racionais e livres. E, detm o poder quem tem conhecimento! Conforme explicitam Adorno & Horkheimer (1985. p.20), esses so termos que passaram a ser sinnimos na constituio de homens emancipados. Nesta perspectiva, vejamos: O esclarecimento tem perseguido sempre o objetivo de livrar os homens do medo e de investi-los na posio de senhores. Mas a terra totalmente esclarecida resplandece sob o signo de uma calamidade triunfal. [...] a superioridade do homem est no saber, disso no h dvida. Nele muitas coisas esto guardadas que os reis, com todos os seus tesouros, no podem comprar, sobre as quais sua vontade no impera, das quais seus espias e informantes nenhuma notcia trazem, e que provm de pases que seus navegantes e desFlio Revista de Letras Vitria da Conquista v. 5, n. 1 p. 333-349 jan./jun. 2013
  • 11. O entrecruzar das mdias com os conceitos adornianos de indstria cultural e esclarecimento: um convite criticidade cobridores no podem alcanar. (ADORNO & HORKHEIMER, 1985, p. 17) Esta ideia de emancipao atravs do esclarecimento defendida pelo filsofo contemporneo Theodor Adorno resgata a proposta kantiana do Movimento Iluminista onde autonomia e conhecimento andam juntos em prol da emerso dos sujeitos sobre a ignorncia. Trata-se da superioridade e libertao do homem pelo saber. Contudo, Adorno&Horkheimer (1985) procuram estender o conceito tradicional de esclarecimento fazendo uma crtica a sua relao com as possibilidades cientficas como soluo de todos os problemas. Rondam, pois, este contexto, noes como dominao, conscincia coisificada, fetichismo da tcnica, barbrie, conduzindo o homem condio de objeto manipulado, ser irracional e patognico (VIANA, 2005), dependente de foras sociopolticas. Temos a, o aspecto contraditrio do Iluminismo: ao mesmo tempo em que a racionalidade proclama uma sociedade emancipada, cria tambm estruturas de dominao e de impedimento da prpria emancipao (AMBROSINI, 2012, p.48). Nisto se constitui a barbrie; uma semiformao atravs da subjetividade ameaada por foras annimas da indstria cultural. Dito de outro modo o prprio Adorno nos coloca: Entendo por barbrie algo muito simples, ou seja, que, estando na civilizao do mais alto desenvolvimento tecnolgico, as pessoas se encontrem atrasadas de um modo peculiarmente disforme em relao a sua prpria civilizao e no apenas por no terem em sua arrasadora maioria experimentado a formao nos termos correspondentes ao conceito de civilizao, mas tambm por se encontrarem tomadas por [...] um impulso de destruio, que contribui para aumentar ainda mais o perigo de que toda esta civilizao venha a explodir, alias uma tendncia imanente que a caracteriza. Considero to urgente impedir isto que eu reordenaria todos os outros objetivos educacionais por esta prioridade. (ADORNO, 2006, p. 154) Eis, o foco da crtica de Adorno na Dialtica do Esclarecimento: evitar a barbrie e permitir ao homem a emancipao via conhecimento. Destarte, a ideia de que vivemos numa poca de esclarecimentos questionvel frente presso exercida sobre as pessoas Flio Revista de Letras Vitria da Conquista v. 5, n. 1 p. 333-349 jan./jun. 2013 343
  • 12. Francisca Francione Vieira de Brito; Maria Lcia Pessoa Sampaio 344 por esta prpria organizao mundial. Assenta-se neste entorno uma contradio social, uma vez que a sistemtica social em na qual nos encontramos continua sendo heternoma, ou seja: na sociedade atual nenhuma pessoa pode existir de acordo com suas prprias determinaes realmente, pois temos instituies interventoras que incidem na conscincia humana. Portanto, Adorno (2006, p. 180) sugere que, se no quisermos atribuir ao termo emancipao um sentido vazio, necessrio considerar as enormes dificuldades que se opem a mesma na conjuntura deste mundo. Ela deve ser tomada no como categoria esttica e sim dinmica, consequente, como um vir a ser. O problema propriamente dito da emancipao hoje se e como a gente e quem a gente, eis uma grande questo a mais pode enfrent-lo, complementa ele. Frente ao j dito sobre esta decadente realidade da sociedade contempornea, expomos a seguinte questo levantada por Ribeiro & Martins (2010, p. 5) quanto ao esclarecimento que o homem busca de fato: ser que o esclarecimento para libertao ou autodestruio? Dependendo da escolha, a humanidade pode ser emancipada ou escravizada, porque na perspectiva da Teoria Crtica Adorniana, o indivduo deve ser visto no como entidade isolada, mas como um ser social (Viana, 2005). A reside a essncia do Esclarecimento quanto poder emancipatrio, o qual possvel mediante processo educacional reflexivo. 4. Um convite criticidade Na conjuntura atual em que estamos inseridos comum o elo cinciatecnologia-educao ser visto por muitos como passaporte do mundo moderno para a evoluo humana. Contudo, essa ligao no necessariamente representa transformao positiva para a vida do homem em sociedade, pois nem sempre o torna um sujeito emancipado. Faz-se necessria uma criticidade permanente diante dos fatos histricosociais, uma vez que o avano tecnolgico traz em seu bojo artifcios da Indstria Cultural que se refletem dentro da prpria Educao suposto lugar de Esclarecimento. Flio Revista de Letras Vitria da Conquista v. 5, n. 1 p. 333-349 jan./jun. 2013
  • 13. O entrecruzar das mdias com os conceitos adornianos de indstria cultural e esclarecimento: um convite criticidade Isto quer dizer que a educao pode ser presa do condicionamento social daqueles que detm o poder de manipulao denominados por Ribeiro & Martins (2010) de assassinos de gabinete e ideolgicos, tornando-se meio de perpetuao da barbrie e no de libertao. Temos neste caso, a escola de massa onde os alunos se configuram como clientes e a educao se transforma num bem comercializado, provocando um efeito colateral de deformao da conscincia do indivduo. O ideal de instncia legitimadora da produo de autonomia do pensamento crtico para o bem comum da coletividade est deixando de existir. Adorno (2006, p. 40) defende uma concepo de educao com atuao diferente: no a assim chamada modelagem de pessoas, [...] no a mera transmisso de conhecimentos, cuja caracterstica de coisa morta j foi mais do que destacada, mas a produo de uma conscincia verdadeira. Temos observado configurar-se entre ns atravs da sociedade burguesa a imposio ao homem de um mundo desumanizado. preciso resistncia para a superao da barbrie, pois o individuo s se emancipa quando se liberta do imediatismo de relaes sociais de controle, assim como, uma democracia efetiva s possvel enquanto sociedade de quem emancipado. A esse respeito, a Crtica Adorniana nos diz: Mas no se deve esquecer que a chave da transformao decisiva reside na sociedade e em sua relao com a escola. Contudo, [...] enquanto a sociedade gerar a barbrie a partir de si mesma, a escola tem apenas condies mnimas de resistir a isto. Mas se a barbrie, a terrvel sombra sobre a nossa existncia, justamente o contrario da formao cultural, ento a desbarbarizao das pessoas individualmente muito importante. A desbarbarizao da humanidade o pressuposto imediato da sobrevivncia. Este deve ser o objetivo da escola, por mais restritos que sejam seu alcance e suas possibilidades. (ADORNO, 2006, p. 115-116) Em concordncia com esta viso defendida por Theodor Adorno de emancipao da sociedade pela humanizao e processo educacional, se encontram tambm os preceitos filosficos de Freire (2005, 2010) e Morin (2000). Para Freire (2005) a emancipao Flio Revista de Letras Vitria da Conquista v. 5, n. 1 p. 333-349 jan./jun. 2013 345
  • 14. Francisca Francione Vieira de Brito; Maria Lcia Pessoa Sampaio 346 ganha conotao de humanizao via prxis pedaggica, onde o conhecimento incide na capacidade de deciso do indivduo e na sua essncia moral, de modo que razo e liberdade no se dissociam na constituio do ser humano. Sendo assim, aquele educador que apenas ensina contedos est formando indivduos para serem submissos a sujeitos superiores. De acordo com Freire (2010), educar formar a faculdade moral e cognitiva de sujeitos historicamente construdos, cuja perspectiva vai alm de uma proposta filosfica, social ou crtica. Morin (2000), por sua vez, tambm faz uma alerta para uma educao voltada para a lucidez e racionalidade aberta com a sua Teoria da Complexidade. Ele critica a discordncia entre o saber fragmentado e compreenso da realidade complexa, levando o homem condio de assujeitamento. Portanto, como pudemos perceber, h um entrecruzar no pensamento desses estudiosos com a Teoria Crtica de Adorno sobre a emancipao humana que nos convida a refletir, criticamente, sobre a problematizao da funo social da Educao perante os efeitos culturais propagados pelas Mdias. Consideraes finais Apesar do homem se encontrar num contexto de desenvolvimento industrial tecnolgico onde as Mdias ganham destaque em nossas relaes dirias, ele se encontra atrasado. Isso porque os meios de comunicao de massa circundantes so frutos de uma Indstria Cultural que compromete o Esclarecimento para a Emancipao da Humanidade, podendo condicion-lo barbrie. E, segundo Adorno, para que esta no se repita preciso uma mudana de paradigma filosfico, poltico e econmico que promova uma educao emancipatria. Caso contrrio, continuaremos vivendo sob dominao e ainda, pensando ser normal isso. Destarte, a trade mdias indstria cultural esclarecimento nos exige uma reflexo que, inevitavelmente, nos encaminha para o seio da construo do saber: a Educao, onde esta deve atuar firmada sempre numa prxis pedaggica para a construo do Flio Revista de Letras Vitria da Conquista v. 5, n. 1 p. 333-349 jan./jun. 2013
  • 15. O entrecruzar das mdias com os conceitos adornianos de indstria cultural e esclarecimento: um convite criticidade conhecimento. Divinizar nem demonizar, ignorar nem abolir a produo tecnicista e industrial disponvel, mas saber us-la sem se deixar usar. Ou seja: ter autonomia e criticidade para evitar a represso miditica, de maneira que a formao de sujeitos emancipados seja permeada pela prtica educacional culminando na concretizao de uma sociedade verdadeiramente democrtica. Logo, na concepo de Adorno, a educao passa por uma relao dialtica. Hoje estamos num processo de questionar mais, de pesquisar mais, de desestruturar mais, para encontrar um outro patamar de organizao e de equilibrao, como explicita Moran (2012, p. 48). Na perspectiva das novas tecnologias, presses e oportunidades na sociedade atual importa, sobretudo, o sentido de educao dirigida a uma auto-reflexo crtica, do e para o sujeito como ser social autnomo. EL ENTRECRUZAMIENTO DE LOS MEDIOS CON LOS CONCEPTOS DE ADORNO DE INDUSTRIA CULTURAL Y ACLARACIN: UNA INVITACIN A LA CRITICIDAD RESUMEN: Los medios de comunicacin (o la comunicacin en masa) gan terreno al presentarse cmo vehculo difuso de informacin y renovacin de las prcticas comunicativas, ganando evidencia que impregna el contemporneo. Discutir lo que est entre las lneas de su situacin nos permite comprender mejor la relacin entre hombre-medios de comunicacin-sociedad. Con este artculo, nuestro objetivo es promover una reflexin sobre los efectos socioculturales que surgen de los medios de comunicacin, a travs de la siguiente pregunta: Su masiva presencia entre nosotros es siempre ganar? En busca de la respuesta, fundamentada en la filosofa de Theodor Adorno y Horkheimer (1985) sobre la Industria Cultural y el concepto de la Esclarecimiento, de los preceptos de los Medios de comunicacin en Castells (2007), Levy (1999) y Setton (2010), y su relacin con la Educacin a travs Chau (2000) Demo (2009), Moran (2012), Morin (2000) y Freire (2005, 2010). Llegamos a la conclusin de que, aunque el hombre se encuentra en un contexto de desarrollo industrial tecnolgico, que es est retrasado en la posicin de sujeto aclarado y emancipado, por dejarse, menudo, ser sometido a la barbarie. PALABRAS CLAVE: Criticidad; Educacin, Esclarecimiento; Industria cultural, los Medios de comunicacin. Referncias ADORNO, T. W. Educao e emancipao. Traduo de Wolfgang Leo Maar. 3. ed. So Paulo: Paz e Terra, 2006. Flio Revista de Letras Vitria da Conquista v. 5, n. 1 p. 333-349 jan./jun. 2013 347
  • 16. Francisca Francione Vieira de Brito; Maria Lcia Pessoa Sampaio 348 ADORNO, T.W.; HORKHEIMER, M. Dialtica do esclarecimento: fragmentos filosficos. Traduo de Guido Antonio de Almeida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1985. AMORA, D. Professor, voc est preparado para ser dono de um meio de comunicao de massa?. In: FREIRE, W. (Org.) & [et. al.]. Tecnologia e educao: as mdias na prtica docente. 2 ed. Rio de Janeiro: Wak Ed., 2011, p. 15 a 30. AMBROSINI, T. F. Educao e emancipao humana: uma fundamentao filosfica. Thaumazein, Ano V, Nmero 09. Santa Maria. Junho de 2012, p. 40-56. Disponvel em: http://sites.unifra.br/Portals/1/Ambrosini_04.pdf acesso: abril/2013. CASTELLS, M. Sociedade em rede. So Paulo: Paz e Terra, 2007. CHAU, M. Filosofia. 7. ed., So Paulo: tica, 2000. p. 330-333.) DEMO, P. Educao hoje: novas tecnologias, presses e oportunidades. So Paulo: Atlas, 2009. FRANCO, R. A televiso segundo Adorno: o planejamento industrial do esprito objetivo. In: DURO, F. A.; ZUIN, A.; VAZ, A. F. (Orgs.). A indstria cultural hoje. So Paulo: Boitempo, 2008, p. 111 a 122. LVY, P. Cibercultura. Traduo de Carlos Irineu da Costa. So Paulo: Editora 34, 1999, p.264. (Coleo TRANS). MEDRANO, E. M. O.; VALENTIM, L. M. S. A indstria cultural invade a escola brasileira. Cadernos Cedes, ano XXI, n 54, agosto/2001. Disponvel em: http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v21n54/5270.pdf acesso: maio/2013. MORAN, J. M.. A educao que desejamos: novos desafios e como chegar l. 5. ed., Campinas, SP: Papirus, 2012. MORIN, E. Os sete saberes necessrios educao do futuro. Traduo Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaua; reviso tcnica Edgard de Assis Carvalho. 2. ed., So Paulo: Cortez, 2000. RIBEIRO, R. S.; MARTINS, A. P. S. Emancipao: do esclarecimento educao em Adorno. 2010. Disponvel em: http://www.nucleohumanidades.ufma.br/pastas/CHR/2010_1/7. %20EMANCIPA%C3%87%C3%83O%20DO%20ESCLARECIMENTO%20%C3%80 %20EDUCA%C3%87%C3%83O%20EM%20ADORNO.pdf. Acesso: maio/2013. SETTON, M. da G.. Mdia e educao. So Paulo: Contexto, 2010. SILVA, S. A. Adorno, a indstria cultural e a internet. Revista Filosofia. N. 20, 2009. Disponvel em: http://filosofia.uol.com.br/filosofia/ideologia-sabedoria/20/artigo1519703.asp acesso: fevereiro/2013. Flio Revista de Letras Vitria da Conquista v. 5, n. 1 p. 333-349 jan./jun. 2013
  • 17. O entrecruzar das mdias com os conceitos adornianos de indstria cultural e esclarecimento: um convite criticidade VIANA, N. Adorno: Educao e emancipao. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educao, Braslia-DF, v. 02, n. 04, 2005. Disponvel em: http://seer.bce.unb.br/index.php/res afe/article/view/5478/4585 acesso: abril/2013. Recebido em 30/07/2013. Aprovado em 08/12/2013. Flio Revista de Letras Vitria da Conquista v. 5, n. 1 p. 333-349 jan./jun. 2013 349

Recommended

View more >