O aluno em cursos online

  • Published on
    16-Apr-2017

  • View
    121

  • Download
    3

Transcript

O ALUNO EM CURSOS ONLINE Marcos Mendes, MS A Educao Distncia, como modalidade de ensino, trouxe a necessidade de uma nova postura por parte do professor, para que pudesse atingir os objetivos educacionais inerentes a um programa de ensino. Esta inovao inclui a re-estruturao de contedos didticos, e a mudana nos mtodos de ensino, uma vez que o aluno tem maior gesto no seu aprendizado (PETARNELLA, 2008). Quando este aluno estuda em cursos distncia, os mtodos precisam no somente ser inovadores, mas tambm motivadores, para que o aluno participe continuamente dos processos de aprendizagem, e permanea envolvido com as disciplinas. Estes alunos de cursos distncia conhecem muito sobre a vida, sobre o mundo, a respeito deles mesmos e das relaes interpessoais, incluindo como lidar com outras pessoas em uma aula e talvez de um professor. Para o aluno adulto, os professores adquirem autoridade com base naquilo que conhecem e no modo como lidam com seus alunos. (MOORE E KEARSLEY, 2008) Palloff (2004) e Moore & Kearsley (2008), complementam este perfil, e descrevem que o aluno virtual adulto, possui emprego, e ao participarem de cursos on-line, apreciam sentir que tm algum controle sobre o que est acontecendo; preferem eles mesmos definirem o que deve ser aprendido; gostam de tomar decises sozinho e utilizam sua experincia pessoal como parte integrante do aprendizado, porque entendem que suas informaes so relevantes, e possam ser relacionadas com os conceitos j ou pr-existentes em sua estrutura cognitiva e que acabam por influenciar na aprendizagem e no significado atribudo aos novos conceitos construdos. O conhecimento concebido como resultado da ao do sujeito sobre a realidade, estando o aluno na posio de protagonista. (BEHAR, 2009) Esta posio de protagonista d ao aluno um status que lhe permite interferir no processo de sua aprendizagem, sendo este o motivo da idia que o aluno o foco na Educao Distncia. Outro fator a ser considerado, que parte dos alunos que estudam distncia, optam por esta modalidade de ensino por no ter opo para se formar em sua cidade. De acordo com o CensoEAD.br (2010), 42% dos alunos que estudam na modalidade distncia residem fora do estado que sedia a instituio na qual estuda. Esta Uma caracterstica especial da Educao Distncia e talvez daquilo que a maioria da pessoas considera quando pensa em Educao Distncia a capacidade de uma instituio ou organizao proporcionar acesso educao a alguns alunos que, de outra forma, no poderiam obt-la (MOORE E KEARSLEY, 2008) necessrio entender este aluno, que ao atuar em um novo contexto educacional, faz uso de novos recursos, novos cenrios e novas formas de aprender. No olhar de Peters (2009), estas novidades implicam em uma mudana fundamental, a de uma cultura de ensino para a de aprendizagem. No ambiente informatizado de aprendizagem, o objetivo ser que os estudantes planejem, organizem, controlem e avaliem sua prpria aprendizagem. Ao faz-lo, estaro envolvidos com navegar, browsing, buscar, conectar e coletar informaes em um ambiente que poucos de ns poderamos ter levado em conta menos de uma gerao atrs. (PETERS, 2009, p. 22) Esta mudana ocorreu de forma assintomtica, em que crianas nasceram em uma poca que o computador representa mais um eletrodomstico em casa, ao contrrio dos que hoje so adultos, para os quais o computador foi uma descoberta acessvel a poucos. Essa facilidade dos alunos, em utilizar os recursos da tecnologia da informao, representa um agregador no processo da aprendizagem baseada na explorao, mediada pelo professor, pois de forma autnoma, buscam respostas a dvidas que ainda nem sequer foram formuladas. Estes alunos, homo zappiens1 em sua essncia, exploram antes para depois tecerem suas dvidas, que sero respondidas quase que imediatamente, uma vez que o conhecimento foi adquirido antes que tivessem as perguntas. Na obteno destes conhecimentos, Behar (2009) observa que o aluno de cursos distncia faz uso de recursos digitais por encontrar aplicaes em diversas reas do conhecimento, e Especificamente na rea da educao, eles possibilitam que contedos sejam abordados na forma de imagens digitais, vdeos, 1 Homo Zappiens: termo cunhado por Veen & Vrakking (2009), para descrever o aluno que utiliza os meios de comunicao simultaneamente. Acessa vrias pginas da internet ao mesmo tempo, tem vrias contas de email, uma para cada finalidade, etc. O uso do ZAP no nome uma analogia com o costume que se tem frente TV, de ficar mudando de canal o tempo todo, em busca de algo que o satisfaa. Este costume tem o nome de ZAP. hipertextos, animaes, simulaes, objetos de aprendizagem, pginas web, jogos educacionais. Essa diversidade de recursos, aliada ao pensamento crtico, deve ser trabalhada pelo professor, delegando ao aluno a responsabilidade pelo processo de aprendizagem, atravs de pesquisas on-line orientadas, indicao de stios pelos prprios alunos e o compartilhamento do que foi aprendido. Este compartilhamento pode ultrapassar os limites do curso, onde o professor pode organizar os conhecimentos produzidos pelos alunos, e publicar on-line, para servir de consultas a outros alunos. 9.1 FATORES QUE AFETAM O SUCESSO DOS ALUNOS Os alunos que participam de cursos distncia tm motivos especficos que os levaram a optar por esta modalidade de ensino. Moore e Kearsley (2008) citam os motivos que despertam o interesse de uma pessoa em matricular-se em cursos na modalidade distncia, entre os quais se destacam: compensar uma educao anterior deficiente, obteno de crditos em disciplinas, investimento pessoal (empregabilidade ou aumento de renda), e principalmente, o motivo mais comum consiste em desenvolver ou aperfeioar o conhecimento necessrio para o emprego. Estes motivos, que de incio representam a vontade em estudar, podem desvanecer durante o curso, e levar o aluno a desistir do curso. Palloff (2004) descreve que 22,7% dos alunos de nvel superior distncia ficaram mais satisfeitos com tal opo do que com os cursos presenciais. 47% disseram gostar da mesma forma de ambos os cursos, e 30% ficaram menos satisfeitos com o ensino distncia. Dados informados por Moore e Kearsley (2008) do conta de que os ndices de desistncia ficavam na ordem de 50%, mas atualmente, o ndice deve estar prximo de 30%. No contexto brasileiro, uma pesquisa publicada nos meados de 2010 (CENSO EAD.BR, 2010), apresentou dados que informam que a desistncia est em 18,5%. Comparando o ndice de desistncia no nvel superior, este fica em torno de 36%. Segundo o censo, os motivos que levaram os alunos a desistir foram: Financeiro, Falta de tempo e no se adaptaram ao mtodo da Educao Distncia. Sob a anlise de Moore e Kearsley (2008), a desistncia geralmente no resultado de uma nica causa, mas de um acmulo e uma variedade de causas. O aluno on-line, de uma forma geral no desiste repentinamente. No decorrer do curso, algumas atitudes podem alertar que uma desistncia est para acontecer. Moore e Kearsley (2008) relatam estes prognsticos: INTENO DE CONCLUIR: Os alunos expressam determinao para concluir um curso geralmente conseguem faz-lo. Por outro lado, os alunos inseguros a respeito de sua capacidade para concluir apresentam grande probabilidade de desistncia. ENTREGA ANTECIPADA: os alunos que entregam a primeira tarefa escolar antecipadamente ou pontualmente tm maior probabilidade de concluir o curso de modo satisfatrio. CONCLUSO DE OUTROS CURSOS: Os alunos que terminam com sucesso um curso de educao distncia tm probabilidade de concluir os cursos subseqentes. 9.1.1 Habilidades do aluno O aluno que estuda em cursos distncia precisa ter algumas habilidades peculiares, em funo das especificidades que o estudo online requer. Isto significa que os estudantes devem estar prontos para serem capazes de reconhecer metas e possibilidades concretas de aprendizagem com base nas modificaes que podem causar em suas vidas e no trabalho, estar dispostos a planejar e organizar sua aprendizagem de forma independente e a absorv-la e organiz-la em grande parte independentemente dos professores. Em vista da indeterminvel abundncia e variedade de informaes que agora est disponvel e todos os bancos de dados acessveis, a capacidade de procurar, encontrar e avaliar informao importante para a aprendizagem do prprio estudante ser difcil e rara. (PETERS, 2008) Estas observaes de Otto Peters (2009) abrem o olhar para um horizonte, infinito por natureza, que s ser alcanado por um aluno motivado, que queira (ou precise) se formar atravs de um curso distncia. O grande desafio do aluno que estuda distancia no o aprendizado em si, mas planejar quando e como ser o tempo destinado aos estudos, e ainda, cumprir o que foi planejado, sendo este o maior desafio a ser enfrentado pelo aluno de cursos no-presenciais. Gottwald & Sprinkart (1998), descrevem 05 habilidades inerentes ao aluno que participa de cursos distncia: Autodeterminao, auto-orientao, seleo e capacidade de tomar decises, e habilidade de aprender e organizar. Autodeterminao: Auto-orientao: estabelecer Seleo: Capacidade de tomar decises: Habilidade de aprender e organizar: 9.2 COMO O ALUNO QUE ESTUDA A DISTNCIA APRENDE? aprender uma descoberta. Porm, a melhor forma de aprender no computar informaes. Aprender explorar, descobrir o que existe dento de ns. (LEE, 2007) Segundo Veen e Vraking (2009), a aprendizagem um processo mental, em que o indivduo estipula significados s informaes que recebe. o sentido que cada um atribui informao que recebe definido pelos padres culturais e sociais que o indivduo est inserido, e as aes executadas com o que se aprende o conhecimento que se adquire. Para Moran (2000), se aprende mais quando se aprende vivenciando, experimentando, sentindo. Aprende-se tambm ao descobrir novos assuntos sobre o que j se conhece, e tambm, se aprende em debates sobre o que se discorda. O aprendizado no se constri somente com experincias positivas, mas tambm se insere neste acervo as experincias mal sucedidas, que sinalizam para as geraes futuras os caminhos a no serem seguidos. Este conhecimento importante no sentido de que, atravs das tecnologias da Educao Distncia, o professor pode levar seus alunos alm da sala de aula, propondo atividades que incentivem o aluno a descobrir respostas complementares ao livro didtico, de forma que, para aprender conceitos e resolver problemas, os alunos devem ser colocados diante de situaes discrepantes, de modo que a aprendizagem se d pela descoberta. (FILATRO, 2009) Esta aprendizagem pela descoberta, encontra nas tecnologias de internet uma aliada, que, se orientada pelo professor, capaz de prover ao aluno vdeos, imagens e textos concernentes ao tema estudado, e este, aps formar seu entendimento, traz sala de aula uma concepo peculiar, fruto do seu aprendizado. Litz e Osif (1993, apud PALLOFF, 2004) definem os estilos de aprendizagem como os modos pelos quais as crianas e os adultos pensam e aprendem. Os estilos de aprendizagem so s vezes descritos como filtros construdos pelas pessoas e que so usados para orientar suas relaes com o mundo. Este contexto nos leva a entender que cada pessoa aprende de forma diferente, mesmo que estejam diante do mesmo contedo didtico, e so influenciados pela experincia de vida de cada aluno. Claxton e Murrel (1988, apud PALLOFF, 2004), descreveram quatro categorias principais pelas quais as pessoas aprendem: Modelos de Personalidade: consideram as caractersticas de nossa personalidade como sendo as que do forma nossa orientao no mundo. Modelos de processamento da Informao: tentam entender como a informao recebida e processada. Modelos de Interao Social: consideram questes de gnero e o de contexto social. Modelos de preferncia instrucional e ambiental: observam o som, a luz, a estrutura e as relaes de aprendizagem afetam a percepo. Pelo fato destas categorias terem sido delineadas, isto no significa que o professor tenha que desenvolver cada atividade para atender a todos os tipos de aprendizagem. Embora o professor deva utilizar atividades didticas que abordem estes modelos, ele dever utilizar sua maestria para perceber quais contedos podem ser melhor utilizados com algum dos modelos descritos. Paulsen (2005, apud PALLOFF, 2004), sugere que o professor intercale atividades individuais, em pares com alunos, em par com o professor e em grupos, de forma que proporcione a todos os alunos a possibilidade aprender com os mais diversos modelos de aprendizagem. No quadro abaixo, esto dispostos os estilos de Aprendizagem, e as respectivas tcnicas que podero ser utilizadas. ESTILO DE APRENDIZAGEM Preferncia TCNICAS INSTRUCIONAIS Visual-verbal: prefere ler a informao Use apoio visual (PowerPoint) Apresente, de forma escrita, um sumrio do material apresentado Use materiais escritos, como livros textos e recursos da internet Visual-no-verbal ou visual-especial: Prefere trabalhar com diagramas ou grficos que representam a informao Use material visual (PowerPoint, mapas, vdeo, diagramas e grficos Use os recursos de internet, especial-mente aqueles com grficos Use a vdeo-conferncia Auditivo-verbal ou verbal-lingustico: Prefere ouvir o material apresentado Incentive a participao em atividades colaborativas e de grupo Use arquivos de udio Use a udio-conferncia Ttil-Cinestsico ou Corporal-Cinestsico: Prefere as atividades fsicas e prticas Use simulaes Use laboratrios virtuais Exija pesquisa de campo Exija a apresentao e a discusso de projetos Lgico-Matemtico: Prefere a razo, a lgica e os nmeros Use estudos de caso Use a aprendizagem baseada em problemas Trabalhe com conceitos abstratos Use laboratrios virtuais Incentive a aprendizagem que tem como base o desenvolvimento de habilidades Interpessoal-relacional: Prefere trabalhar com os outros Incentive a participao em atividades colaborativas e de grupo Use o frum de discusses Use estudos de caso Use simulaes Intrapessoal-relacional: Prefere a reflexo e o trabalho com os outros Incentive a participao em atividades colaborativas e de grupo Use o frum de discusses Use estudos de caso Faa uso de atividades que requeiram o acompanhamento individual e de grupo Quadro 03: Tcnicas instrucionais online. (PALLOF, 2004)