Arte urbana So Paulo: Regio Central (1945-1998) Obras de carter temporrio e permanente

  • Published on
    01-Sep-2014

  • View
    194

  • Download
    5

DESCRIPTION

Livro Vera Pallamin Referencias Bibliografia

Transcript

1 ARTE URBANA ARTE URBANA So Paulo: Regio Central (1945-1998) Obras de carter temporrio e permanente Vera Pallamin Apoio: FAPESP 2000 2 Vera Pallamin ARTE URBANA, de Vera M. Pallamin, foi organizado, originalmente, em texto e CD-ROM. O texto trata da conceituao sobre arte urbana e processos de estetizao contemporneos, sintetizando uma reflexo sobre prticas artsticas e suas relaes com as transformaes qualitativas dos espaos pblicos. O CD-ROM, que porta propriamente o contedo intitulado deste trabalho, foi concebido de modo a propiciar o cruzamento de trs eixos: referncias urbanas, referncias artsticas e autores / obras. 3 ARTE URBANA Vera M. Pallamin formada pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de So Paulo, onde fez mestrado e doutorado e docente em regime de dedicao exclusiva. Fez ps-doutorado na University of California, Berkeley (EUA) e na Universit degli Studi di Firenze (Itlia) sobre esfera pblica e arte urbana. coordenadora do Ateli de Escultura da FAUUSP. 4 Vera Pallamin 5 ARTE URBANA Vera M. Pallamin ARTE URBANA So Paulo - Regio Central (1945-1998) Obras de carter temporrio e permanente 6 Vera Pallamin Pallamin, Vera M. Arte Urbana ; So Paulo : Regio Central (1945 - 1998): obras de carter temporrio e permanente / Vera Maria Pallamin - So Paulo, Fapesp, 2000. 1. Paisagem urbana 2. Arte urbana 3. So Paulo (cidade) CDD 711.4 Primeira edio (esgotada): So Paulo, Annablume Editora, 2000. 7 ARTE URBANA SUMRIO PREFCIO ....................................................................09 PRLOGO ....................................................................13 INTRODUO..............................................................15 CAPTULO 1 ARTE URBANA / PRTICA SOCIAL..........................21 Cultura Urbana ................................................................27 Territorialidade e Lugar ....................................................30 Espaos pblicos e prticas sociais ..................................35 Prticas artsticas: potica e memria social ......................46 CAPTULO 2 PROCESSOS DE ESTETIZAO CONTEMPORNOS..............................................................................59 A cultura como empreendimento ......................................64 O esttico e as prticas culturais........................................73 BIBLIOGRAFIA.............................................................80 8 Vera Pallamin 9 ARTE URBANA PREFCIO A discusso de arte pblica que vocs iro encontrar no ter como parmetro a questo poltica da cidadania. A referncia para esse recorte da produo artstica que neste trabalho ser privilegiado est em nvel mais profundo que o simplesmente poltico: trata-se da formao do social, da contnua constituio de uma sociedade especfica, ambiente da arte sendo feita e que tambm vem a ser na arte enquanto ela se faz. O social visto nesta discusso em sua dimenso conflitiva, e nela, por um lado, os setores dominantes procuram afirmar-se e fazer reconhecer sua hegemonia, assim como, por outro, os setores subalternos ou excludos lutam por se fazer ouvir, para que sua atual situao no se perpetue e para engendrar o social em outra direo. E, alm de setores, grupos, classes sociais, 10 Vera Pallamin indivduos fazem-se ouvir, constituem, engendram. O social, em qualquer direo, tambm fruto de aes e vises de indivduos. E a arte pblica, a arte que se faz no espao pblico, o gesto, a interveno, o evento, a instalao, o espetculo, a apresentao, a arquitetura - que , enquanto arte, pblica por excelncia -, tudo isso exerce sobre o social preexistente um impacto, em que talvez a hegemonia seja confirmada ou desafiada, mas, mais importante que isso, em que algo do novo desse social passa a ter existncia. Podese tambm dizer, portanto, que no impacto o social que impacta. o que faz da arte pblica - cujos prolegmenos so apontados neste livro - um campo que, embora necessariamente centrado no esttico, em muito o transcende, seja por envolver essa dimenso histrico-social, seja por emergir de fenmenos que no podem ser abrangidos pela estrita designao da arte, institucionalizada ou no. Sob uma outra tica, a arte pblica, em seu acontecer, solicita da esttica enquanto reflexo a mxima capacidade de compreenso, que a habilite, para alm das usuais distines entre forma e contedo, a discutir a ao, esse oceano de que o trabalho brao menor. ARTE URBANA 11 Em vista disso, este trabalho da professora Vera Pallamin, embora d conta, no CD-ROM, da produo de arte pblica em territrio paulistano no perodo mais significativo de sua histria, pauta-se sobretudo pelo procedimento terico e interpretativo. Trava dilogo com o que se vem produzindo no mundo sobre o assunto, passando por diversas reas que tangenciam a arte pblica, mas no encontrando propriamente entre ns precursosres que j tivessem percorrido parte deste seu caminho. Tal o pioneirismo que caracteriza este empreendimento e que o seu mrito. Reconhece o valor de seus interlocutores Lefebvre, Blanchot, Sennett, Deutsche, Foucault, Welsch, os principais-, inalcanvel em vrios aspectos, mas apresenta o seu olhar sucinto, diferente, embasado, original e instaurador. O interesse do trabalho de Vera, que no se restringe ao contexto brasileiro e que aponta para desdobramentos ainda mais fecundos, ancora-se em seu duplo escopo de estudo / anlise / teoria e proposta / visualizao prtica. E, antes de mais nada, contribui epistemologicamente com a definio de um novo campo de pesquisa. Temos aqui um exemplo de como floresce essa sua notvel vivncia, que inclui, alm do estudo na Faculdade 12 Vera Pallamin de Arquitetura e Urbanismo da USP (FAU/USP) e de muito trabalho, ser artista, ter passado pelas teorias da percepo e da fenomenologia merleau-pontyana, tornando-se especialista em sua aplicao ao ensino da arte, ter sido aluna da Universidade da Califrnia, em Berkeley, ter vivido em Florena, e coordenar o Atelier de Escultura da FAU/ USP. Este um convite leitura deste texto, que, por sua vez, um convite reflexo, participao na construo da cidade em busca de melhores rumos. JOS TEIXEIRA NETO FFLCH-USP 13 ARTE URBANA PRLOGO Este trabalho refere-se terceira parte de uma pesquisa denominada Arte urbana: paisagem, percepo e projeto, na qual trabalhou-se este tema em relao s cidades de San Francisco (EUA) e Florena (Itlia). Seu contedo est organizado em texto e CDROM. O texto trata da conceituao sobre arte urbana e processos de estetizao contemporneos, sintetizando uma reflexo sobre prticas artsticas e suas relaes com as transformaes qualitativas dos espaos pblicos. A arte urbana enfocada enquanto um modo de construo social dos espaos pblicos, uma via de produo simblica da cidade, expondo e mediando suas conflitantes relaes sociais. Neste texto no se apresenta uma classificao geral de diferentes tipos dessa manifestao artstica. 14 Vera Pallamin Interessa-nos delinear um certo campo de abrangncia da arte urbana, questes nela envolvidas e advindas de outras frentes, sem, contudo, ter a inteno de esgot-la. Neste terreno so destacados alguns aspectos de ordem cultural, poltica, econmica e esttica fundamentais compreenso da ocorrncia destas prticas na cidade. O CD-ROM, que porta propriamente o contedo intitulado deste trabalho, foi organizado de modo a propiciar o cruzamento de trs eixos referenciais: 1) Referncias urbanas 2) Referncias artsticas - sendo ambas caracterizadas por dcadas, a partir dos anos 1950, e estruturadas de modo que possam pontuar-se mutuamente. 3) Autores / Obras - as obras foram especificadas como temporrias e permanentes. Embora privilegiadas quanto regio central de So Paulo e com data da insero / implantao aps 1945, no caso das obras permanentes foram tambm includas as esculturas do Parque Ibirapuera, da Cidade Universitria e da Fundao Armando lvares Penteado (FAAP), de modo a reunir os conjuntos mais significativos da cidade. 15 ARTE URBANA INTRODUO As situaes urbanas, tomadas enquanto campos de significao, so qualificadas por um conjunto de relaes histricas, polticas, econmicas, culturais, sociais e estticas, cujos sentidos perpassam sua materialidade e os processos nos quais se constituem, concomitantemente. Por um lado, so essencialmente diacrticas, caracterizando-se pelas diferenas contextuais que estabelecem entre si no decorrer do tempo. Por outro, mostram-se a partir de seus perfis, o que nos impede de ousar estabelecer-lhes um sentido ltimo e definitivo. Este est sempre sendo feito, em movimento de maturao constante. Nesta feitura material e simblica de que se caracteriza o urbano, a dimenso artstica participa como constituinte, havendo entre ambas uma sintonia processual. 16 Vera Pallamin Compartilham de uma fomatividade cujos procedimentos e resultados vo sendo definidos em percurso (1). Sua abordagem parte do modo do seu fazer / construir, modo este no definido plena e previamente como sendo antecedente obra, mas engendrado durante a sua produo, entendendo-se por arte a resultante desta construo inventiva. Esta pertinncia de procedimentos operativos aliada mtua influncia entre a arte e o urbano, deve rebaterse, segundo Argan, nas investigaes de cunho esttico: ...todas as pesquisas visivas deveriam organizar-se como pesquisa urbanstica. Faz urbanstica o escultor, faz urbanstica o pintor, faz urbanstica at mesmo aquele que compe uma pgina tipogrfica, faz urbanstica qualquer um que realize algo que, colocandose como valor, mesmo nas escalas dimensionais mnimas, entre no sistema de valores... [existentes no urbano] (Argan, 1984:233). (1) Luigi Pareyson, em Os problemas da esttica, definiu formatividade como sendo um fazer que seja ao mesmo tempo, unveno do modo de fazer, ou seja, um fazer que, enquanto faz, inventa o por fazer e o modo de fazer(p.36 e 32, respectivamente). ARTE URBANA 17 Neste contexto, fazer urbanstica significa contribuir para a transformao qualitativa do urbano alterando seus objetos, sua capacidade, qualificaes, num trabalho que provoca e, ao mesmo tempo, exige a compreenso de seus cdigos e a interpretao de suas mltiplas significaes. Sob o ponto de vista processual, a relao entre arte pblica e espao urbano no de justaposio, nem a insero neste, de objetos ilustrativos de valores culturais. Evita-se a noo de acomodao ou adequao da arte. Antes, sua inscrio a se d no rolar das transformaes do urbano, alterando sua amplitude qualitativamente. No se trata, pois, de se concentrar no aspecto fotognico do lugar, mas de buscar uma inovao na sua dimenso artstica. Longe de serem maquiagem funcionalista, certas obras ou intervenes artsticas instauradas no urbano recentemente so iniciativas de consequncias e efeitos complexos. Algumas se presentificam em concordncia com seu contexto, aflorando-lhe novas orientaes, caracterizandoo diferencialmente em sua materializao espacial. H, porm, situaes de confronto entre um e outro, ainda que no permanente, chegando-se a extremos de destruio da prpria obra. 18 Vera Pallamin Embora aparentemente contraditrio, hoje tanto urbanistas, arquitetos quanto artistas (2) trabalham com muito menos certezas em relao ao urbano do que h duas ou trs dcadas. Suas afirmaes so mais cautelosas e menos generalizantes, tanto no plano da construo conceitual quanto fsico-espacial. As garantias de espaos comuns, tratados como sendo amplamente apreensveis e compreensveis pela maioria da audincia, tm se esvado. O efmero, a descontinuidade e a fragmentao tm sido descongelados no clima contemporneo, umidecendo terrenos da produo e reproduo material e simblica. Esta problemtica renova, nestes termos, aquela da arte (3). Interroga-se no mais sobre a, mas sobre as identidades que se mostram, que se definem e redefinem no ambiente urbano. Neste movimento, a arte participa desta reflexo sobre o que , o que deveria ser, o que tm sido esses espaos da urbanidade, eminentemente conflitantes e que tm se caracterizado, na sua situao mais recente, pela ausncia de grandes projetos coletivos. Nestes seus (2) Considerados aqui como aqueles cujo trabalho envolve a criao de obras artsticas de carter pblico, instaladas em espaos pblicos, de carter temporrio ou permanente. (3) Metodologias atuais na rea, de carter mais aberto, trabalham com decises passo a passo em seus processos de desenvolvimento, encaminhando aproximaes sucessivas das metas desejadas e incorporando o acaso em suas mudanas de trajetria. ARTE URBANA 19 intermeios, a arte urbana pode delegar aspiraes difusas, pode provocar questes ou traz-las baila, pode abrir janelas do devir de incertezas fecundas. Os significados da arte urbana desdobram-se nos mltiplos papis por ela exercidos, cujos valores so tecidos na sua relao com o pblico, nos seus modos de apropriao pela coletividade (4). H uma construo temporal de seu sentido, afirmando-se ou infirmando-se. Assim, tais prticas artsticas podem contribuir para a compreenso de alteraes que ocorrem no urbano, assim como podem tambm rever seus prprios papis diante de tais transformaes: quais espaos e representaes modelam ou ajudam a modelar, quais balizas utilizam em suas atuaes nesse processo de construo social. Este trabalho no se encaminha para o delineamento de categorias estticas, nem de proposies que visem aplicao eficiente, de carter normativo, na interpretao de outras obras. Os esforos so no sentido de refletir sobre a arte urbana atentando-se sua produo e recepo. A inteno no , por um lado, tratar a atividade artstica como um tipo de atividade especial, singularmente diferente, nem, por outro, desmerec-la diante dos (4) Na condio atual da cultura se permite at mesmo que (...) um objeto possa ser contemporaneamente arte e no-arte, a qualific-lo ou no qualific-lo como arte bastando a intencionalidade e a atitude do artista e tambm do espectador (Argan, 1984:27). 20 Vera Pallamin atordoantes problemas urbanos. A arte urbana vista como um trabalho social, um ramo da produo da cidade, expondo e materializando suas conflitantes relaes sociais. 21 ARTE URBANA CAPTULO 1 ARTE URBANA / PRTICA SOCIAL 22 Vera Pallamin ARTE URBANA 23 Conhece-se mal, a bem da verdade, os mecanismos pelos quais uma cultura popular, eventualmente uma contracultra, modifica os objetos urbanos constitudos ou os modela. Essa reflexo convida simplesmente a pensar que os modos de habitar no so simples reflexo das desigualdades ou mesmo de conflitos sociais enquanto tal; seria preciso procurar, atravs da grelha urbana, as manifestaes de liberdade, as reivindicaes de autonomia, a construo do coletivo ou a defesa do privado margem das hierarquias sociais reconhecidas. Seria preciso criticar de novo a lgica do lugar muito frequentemente admitida pelos urbanistas e questionar, ao contrrio, como os grupos sociais, nos atos e pensamentos produzem seu meio. (Roncayolo, 1990:179) A arte urbana uma prtuca social. Suas obras permitem a apreenso de relaes e modos diferenciais de 24 Vera Pallamin apropriao do espao urbano, envolvendo em seus propsitos estticos o trato com significados sociais que as rodeiam, seus modos de tematizao cultural e poltica. Perpassar a topologia simblica da arte urbana adentrar a cidade a partir de planos do imaginrio de seus habitantes, incorporando-os, por princpio, compreenso da sua materialidade. Deste modo, as referncias urbanas so enfatizadas em sua dimenso qualitativa, abrindo-se ambiguidade de seus sentidos. O relevo dos significados das obras de arte urbana e sua concretizao no domnio pblico do-se em meio a espaos permeados de interdies, contradies e conflitos. Sua efetivao porta relaes de fora sendo exercidas entre grupos sociais, entre grupos e espaos, entre interpretaes do cotidiano, da memria e histria dos lugares urbanos. Potencialmente (sobretudo quanto s obras de carter temporrio) pode configurar-se em um terreno privilegiado para efeitos de choque de sentidos (negao, subverso ou questionamento de valores). Tematizar a arte urbana pensar sobre a vida social aproximando-se de um certo modo pelo qual as pessoas se produzem e so produzidas no mbito da ordem simblica. pensar sobre cultura urbana. Trazendo em suas razes latinas os sentidos de ARTE URBANA 25 criar, cuidar, cultivar (colere), a noo de cultura refere-se maneira como nos relacionamos com o outro. construo de relaes de alteridade, sendo a maneira pela qual os humanos se humanizam por meio de prticas que criam a existncia social, econmica, poltica, religiosa, intelectual, artstica (Chau, 1995:295). Sua compreenso perpassa uma espcie de equivalente vivido que nos pertence enquanto sujeitos sociais, cuja extenso caminha rumo a um universal constitudo por relaes de complementaridade, em reestruturao contnua pelo advento do sentido (MerleauPonty, 1984:199 - Nota do Trad.). Este universal no se refere a um universal de sobrevo (como pura representao), mas sim a um universal oblquo, (5) ao qual temos acesso atravs de nossas experincias, mas sem nunca domin-lo de ponta a ponta. Esta criao coletiva de ideias, valores e obras diferenciada para formaes sociais distintas e nos modos como estas se realizam atravs da linguagem, das relaes de trabalho e das suas relaes com o tempo. Por um lado, a dimenso da cultura associa-se ao processo de diferenciao de grupos sociais, delineando suas identidades, legitimando-os. Por outro lado, abarca o modo como se (5) Acepes cunhadas pelo filsofo Maurice Merleau-Ponty. 26 Vera Pallamin do as relaes entre estes diferentes grupos, as quais, frequentemente, so rugosas, de carter agonstico. Esta sua contraface explicita a natureza poltica da cultura e do trabalho com cultura. nos meandros deste terreno que programas e discursos sobre cultura podem ser geradores de prticas de eroso simblica, de esgaramento de referncias e valores. Quando canalizado nestes termos, a cultura tratada como instrumento de discriminao social, sendo utilizada como reforo de processos eonmicos. Este reforo implica sua participao em relaes de dominao, atravs de modos de pensamento, ideias, representaes e smbolos. Pela via ideolgica fomenta-se a disseminao e o predomnio de um padro cultural, adejetivado como sendo o melhor para o social, o mais avanado. Tal afirmao implica uma estratgia de desqualificao cultural dos demais grupos a envolvidos, a qual pode efetivar-se pela indiferena, marginalizao ou pela sua mercadificao. (6) (6) Como tem ocorrido recentemente, quando o multiculturalismo tem sido incorporado rede de consumo como fonte de exotismo. 27 ARTE URBANA CULTURA URBANA No mbito da pesquisa de carter antropolgico sobre cultura urbana, o questionamento sobre as relaes de dominao, com nfase nas manifestaes das camadas populares, foi tema recorrente em pesquisas realizadas nos anos 1970. Segundo Montero, tais estudos buscavam compreender a cultura popular como uma espcie de contrapoder gestado no seio dos grupos sociais mais desfavorecidos, sendo esta vista como instrumento de resistncia ou de vontade poltica (Montero, 1993:170). Tal enfoque inter-relacionava-se diretamente com os chamados movimentos sociais em destaque naquela dcada: No intuito de compreender essa cultura do dominado multiplicaram-se, nesse final de dcada e na dcada seguinte, os estudos sobre a vida (alimentao, lazer, famlia) e as expresses simblicas (carnaval, futebol, religiosidade) das camadas populares urbanas (Montero,1993:170). No decorrer dos anos 80, afirma Montero, algumas noes ento sendo empregadas naquela diretriz de trabalhos, dentre as quais a de comunidade, espontaneidade e resistncia foram sendo apontadas em seus limites, frente s transformaes dos grupos e 28 Vera Pallamin movimentos em estudo. Esta crtica direcionava a compreenso das representaes culturais segundo visadas mais abrangentes quanto ao seu lugar social e urbano, repensado seus limites ideolgicos. As grandes perturbaes que o mundo viveu, particularmente na virada desta ltima dcada [1970], tornaram cada vez mais visvel a trama de relaes mundiais que atravessam os sistemas culturais e polticos (...) os processos mundiais colocam em relao esferas culturais heterogneas (...) criam circuitos mundiais de circulao de ideias e de quadros que aproximam lgicas diferenciadas (Montero, 1993:172). Estas diferenas so recolocadas em novos nveis, nos quais esto presentes novos vetores sociais de integrao, segregao e excluso, associados a processos de globalizao da economia e da cultura e polticas de comunicao, atualmente elaborados nos pases de alto desenvolvimento tecnolgico. No entanto, simultaneamente a este processo de mundializao tm ocorrido movimentos de acentuao de especificidades, memrias e histrias locais. Estes movimentos, por um lado, so ARTE URBANA 29 homogeneizados, sob a tica da mercadoria, do consumo e sua lgica universalizante; porm, por outro lado, podem tambm ser apreendidos enquanto fonte e paisagem de temporalidades sociais diversas. Sob este ponto de vista mais especfico destacase a importncia do cotidiano na concretizao desta multiplicidade de tempos sociais. no mbito da vida cotidiana que redes de lealdade e sociabilidade so tramadas e conferidas. a que os hbitos so compartilhados e as reciprocidades fazem sentido. Entretanto, tambm nesta dimenso do gradual e do possvel - caracterstica do tempo cotidiano - onde despontam os enfrentamentos das convenes, os desmembramentos das hierarquias, as nuanas da heterogeneidade social e poltica. A noo de cotidiano como que costura por dentro as relaes entre as aes culturais, as prticas sociais e os espaos nos quais ocorrem, situando o trato com a espacialidade no como um pano de fundo daquelas, mas como uma sua dimenso constituinte. A cultura socialmente situada e espacialmente vivida. Suas significaes so espacialmente encarnadas, sendo o valor cultural dos objetos e obras no imanentes a estes, mas sim tecido e nervurado nas relaes sociais que lhes do sentido. A interveno artstica no espao pblico como 30 Vera Pallamin uma modulao nesta trama. caso exemplar a evitar um entendimento objetivista, o qual estaria baseado em dissociaes entre obra e espao, entre espao e pblico e entre obra e pblico. Estes espaos do cotidiano nos quais ocorrem as intervenes artsticas mostram-se plenos de articulaes, segregaes e rupturas, cujos significados solicitam aproximaes especficas. So marcados por descontinuidades que se configuram atravs de limites sociofsicos, os quais so associados aos modos e caractersticas de suas apropriaes. A cadncia de certas prticas sociais que neles ocorrem, assim como o agenciamento coletivo de estratgias e de interesses esto entre os suportes das esferas de territorialidade que neles se instauram. TERRITORIALIDADE E LUGAR A concepo de territorialidade est ligada a ordens de subjetivao em relao ao espao, envolvendo condutas, representaes e sentimentos de pertencimento expressos individual e coletivamente. Segundo o gegrafo E. Soja, compreendida como um fenmeno de ARTE URBANA 31 comportamento associado organizao do espao em esferas de influncias o em territrios claramente delimitados, que apresentam caracteres distintos e podem ser considerados ao menos parcialmente como exclusivos por seus ocupantes e aqueles que o definem (Soja apud Roncayolo, 1990:182). Segundo Roncayolo, a territorialidade fenmeno cultural e multidimensional, essencialmente coletivo, incluindo em seus domnios aspectos de ordem psicolgica, econmica e geogrfica. Refere-se a modos de inscrio em determinados espaos, requalificando-os como regies de apropriao. de natureza social e temporal, no devendo ser dissociada das instituies nas quais esta se organiza. Em sua prtica, apropriao, poder e representaes se combinam (Roncayolo, 1990:189). Pode concretizar-se como um apego, de longa durao, a lugares especficos ou como modos de organizao social e simblica que podem ser ressituados por seus agentes ao migrarem para outros espaos. A territorialidade associa-se promoo de identidade. Neste sentido, agencia solidariedades e arregimenta interesses, criando campos de ao balizados e, por vezes, inditos em relao queles envolvidos, delineando-lhes um lastro de relaes simblicas que os situa 32 Vera Pallamin social e culturalmente. Controle, defesa, estabelecimento de hierarquias ou fronteiras (tais como pblico / privado, pessoal / impessoal, conhecido / desconhecido, confivel / desconfivel, ntimo / social) figuram no elenco das possveis funes da territorialidade. Sua conformao, contudo, est aberta a uma multiplicidade de condies e situaes. Se, por um lado, pode ser expresso de posse, por outro pode significar assenhoreamento como direito de uso, instaurando novos modos de competncia e presena social (Roncayolo, 1990:195). A arte urbana, quando emerge de aes matizadas como afirmao de territorialidade, transita dentro deste antagonismo. A formao da territorialidade em lugares urbanos liga-se s caractersticas qualitativas e diferenas relacionais destes, em sua abrangncia material e imaterial. Isso faz com que seus modos de efetivao - incluindo-se nestes seus desdobramentos culturais e artsticos - sejam transpassados pelas mutaes fsicas e simblicas dos espaos onde se concretizam. O entendimento dessas mutaes urbanas, em ampla escala, funda-se na compreenso desses lugares como espaos produtivos, apontando para a mudana de seus papis e posicionamentos perante os modos como a cidade se ARTE URBANA 33 organiza na produo e reproduo do capital.(7) Os significados de um lugar se alteram em decorrncia das aes sociais que sobre ele se exercem. Estas aes associam-se s condies de insero econmica deste lugar na malha urbana e sua importncia estratgica enquanto alvo (ou no) de investimentos. Assim, sua caracterizao pressupe consideraes sobre a produo do espao urbano em dois nveis: por um lado, abrangendo o estudo das funes urbanas e sua redistribuio, em um dado momento, como resultado da diviso social do trabalho e da diviso territorial do trabalho e, [por] outro lado, (...) [o] reconhecimento das condies preexistentes [heranas de situaes passadas / o trabalho acumulado] que incluem o espao construdo (Santos, 1994:125). As paisagens arquitetnica, social e econmica dos lugares e as diferenas entre estes, vinculam-se a esta tenso entre a fora de consistncia e resistncia de suas (7) Conforme afirma Milton Santos (1986:22), o espao que para o processo produtivo une os homens o espao que, por esse mesmo processo produtivo, os separa. 34 Vera Pallamin heranas e os vetores de transformao produtiva nelas atuantes, cuja origem e potncia transcendem os limites locais de suas aes. Deste modo, a caracterizao dos atributos de um lugar urbano requer o discernimento sobre as utilizaes de seus recursos, de seus detentores e as relaes de poder que estes usufruem, atentando-se s contradies produzidas entre possveis valores de uso destes recursos e sua manipulao enquanto valores de troca. A cidade constitui, em si mesma, o lugar de um processo de valorizao seletiva. Sua materialidade formada pela justaposio de reas diferentemente equipadas, desde as realizaes mais recentes, aptas aos usos mais eficazes de atividades modernas, at o que resta do passado mais remoto, onde se instalam usos menos rentveis, portadores de tcnicas e de capitais menos exigentes (Santos, 1994:129-130). Neste processo de valorizao seletiva do territrio urbano promovido pelo capital, economias de certas parcelas acarretam deseconomias de outras. ARTE URBANA 35 Atividades econmicas so estimuladas de modo discriminatrio em termos sociais, atravs de procedimentos que promovem privilgios, desigualdades e marginalizaes. Neste contexto, a vida urbana - e sobretudo aquela metropolitana - erige-se envolta por conflitos ligados a esta socializao capitalista, na qual processa-se a transferncia de recursos da populao como um todo para algumas pessoas e firmas (Santos, 1994:122). Esta capitalizao do territrio urbano sinnimo de modos de privatizao excludente no uso de benfeitorias produzidas coletivamente, dentre as quais destacam-se os espaos pblicos, que, em tese, seriam locais privilegiados na expresso da cidadania cultural e poltica. ESPAOS PBLICOS E PRTICAS SOCIAIS Michel de Certeau, examinando as prticas sociais segundo referncias distintas de uma determinao econmica, aborda os espaos sociais e urbanos como dimenses abertas reconstruo de seus sentidos. Em sua acepo, a noo de prtica no se refere a uma identificao de modos de comportamento com relao a representaes ideolgicas ou padronizadas. As prticas ligam-se noo de fazer-inventar, gerando 36 Vera Pallamin procedimentos impensados previamente, usos subvertidos, valores no previstos. So os inmeros modos de operar pelos quais os usurios reapropriam o espao organizado por tcnicas de produo sociocultural(Certeau, 1984:XIV). As manifestaes artsticas que se do nos espaos pblicos so uma via de acesso a esse modo de reapropriao, quer efetivando-se temporria ou permanentemente. A anlise de Certeau considera duas lgicas de ao: a ttica e a estratgia. O modelo de ao estratgica postula um lugar que pode ser delimitado como seu prprio e serve como base a partir da qual podem ser gerenciadas relaes com uma exterioridade composta de alvos e ameaas (clientes ou competidores, inimigos, o campo circundando a cidade, objetivos e objetos de pesquisa, etc) (...) uma prtica pantica (Certeau, 1984:36). Nas tticas no h relao de exterioridade quanto aos locais de ocorrncia, antes so intrnsecas a estes. Operam por aes isoladas, tirando partido de oportunidades. O espao da ttica o espao da alteridade, implica em mobilidade conforme as condies do momento ARTE URBANA 37 e ateno a particulares injunes. Nesta abordagem de Certeau, a anlise foucaultiana sobre a microfsica do poder uma inspirao fundamental (marcadas, porm, as diferenas). Para Foucault, poder relao de foras, isto , um feixe aberto de relao de foras, cujo carter no essencialmente repressivo. Nas suas palavras, o que faz com que o poder se mantenha e seja aceito simplesmente que ele no pesa s como a fora que diz no, mas que de fato ele permeia, produz coisas, induz ao prazer, forma saber, produz discurso (Foucault, 1979:8). uma resultante (no fixa) , implicando em enfrentamento constante, motivo pelo qual em toda relao de poder h a possibilidade de resistncia: Jamais somos aprisionados pelo poder: podemos sempre modificar sua dominao em condies determinadas e segundo uma estratgia precisa (Foucault, 1979:241). Esta possibilidade de resistncia no se apresenta de maneira nica, como a grande recusa, mas como uma multiplicidade de possibilidades engendradas nos antagonismos sociais, nas relaes de obedincia e dominao. Segundo Certeau, a anlise de Foucault leva a um novo conjunto de problemas a serem considerados. Se a grelha disciplinar ubqua e cada vez mais extensa, seria, 38 Vera Pallamin ento, premente compreender quais procedimentos (cotidianos), quais modos de operar formam a contrapartida desses processos mudos que organizam o estabelecimento da ordem econmica(Certeau, 1984:XIV). De modo anlogo abordagem foucaultiana, Certeau ressalta a percepo e anlise de tticas a atuarem internamente nas estruturas tecnocrticas, provocando uma mirade de pequenos desvios em seu funcionamento. Porm, diferentemente de Foucault (que incide sobre os espaos de represso organizada), seu objetivo no de tornar mais claro como a violncia da ordem transmitida na tecnologia disciplinar, mas, antes, trazer luz formas clandestinas tomadas por dispersas, tticas e viradas da criatividade dos grupos ou idivduos j pegos nas redes da disciplina. Levados aos seus limites ideais, esses procedimentos, estratagemas de consumidores compem a rede de uma antidiscilina, a qual liga-se a certos efeitos libertadores das malhas de controle social (Certeau, 1984:XV). Ao refletir sobre as prticas cotidianas - em ARTE URBANA 39 meio s quais se ambientam prticas artsticas - alm da ocorrncia foucaultiana sobre o poder, Certeau emprega uma analogia com formaes limgusticas, com o uso da linguagem na construo de significaes. Ao tratar das prticas espaciais afirma: O ato de andar para o sistema urbano o que o ato da fala para a linguagem (1984:97). O pedestre, ao caminhar, atualiza algumas das possibilidades determinadas pela ordem construda. Porm, atravs do uso particularizado que promove, ele tambm amplia as possibilidades e proibies envolvidas nesta ordem (atravs de desvios que ele mesmo cria ou adota). O caminhar do pedestre define um espao de enunciao. Certeau define o espao como um lugar praticado (8) , sendo tal espacialidade de ordem distinta daquela do espao cartesiano, pantico, funcionalista. Refere-se a uma espacialidade temporizada, antropolgica, histrica, corporal: Praticar um espao (...) , num lugar, ser outro e passar ao outro (Certeau, 1984:110). movimento em direo diferenciao. A nfase de Certeau nas operaes desviantes que compem as prticas assenta-se em no admitir que a sociedade seja reduzida a um padro dominante de (8) Nessas prticas, Certeau tambm inclui os discursos relacionados a estes espaos (dentre os quais as histrias espaciais, isto , narrativas dos usurios envolvendo tais espaos). 40 Vera Pallamin procedimentos. As prticas menores, desdenhadas pela anlise racionalista, perfazem como que uma reserva de modos, infinitesimais, que so ativos em provocar fendas nas redes de dispositivos de controle estabelecidos. Nesta provocao, essas prticas diminutas no se concentram num lugar prprio; antes, espalham-se indeterminada e anonimamente. Sua importncia reside em seu uso autnomo de construes simblicas, por serem modos de operar no domesticados. Do ponto de vista das tticas, o conceito unificado de cidade, ligado a uma lgica urbansticas, decai em favor da noo de prticas urbanas. Estas prticas concretizam-se via trajetrias, itinerrios, narrativas dirias. em grego, narrao chamada diegesis: esta estabelece um itinerrio (ela guia) e passa atravs de (transgride). Este espao estaria mais prximo de um espao de carter topolgico que tpico (Certeau, 1985:129). Nesta linha, a narrativa na qual se apoia Certeau no encarada sob o jugo objetivista, como sinnimo de expresso ignara. Inversamente, modo de acesso a legitimaes de usos espaciais (9). (9) Esta prtica desviante em relao ao uso dos espaos urbanos apontada por Certeau tem certa relao com aquela da deriva proclamada pelos situacionistas, nos anos 1950 e 60, ligados a Guy Debord. O derivar traria em seu bojo uma atitude crtica em relao homogeneizao dos conflitos que ARTE URBANA 41 Esta ateno aos recursos discretos e contraditrios s prticas diminutas, implica em uma reconsiderao do usurio, de modo a no reduzi-lo quele que simplesmente digere simulacros impostos. Certeau rejeita esta vulgarizao da imagem do pblico, constante na produo da mdia. O consumidor a tido como passivo, um receptculo, sem papel histrico. Sua contraposio assenta-se no reconsiderar a noo de recepo (que estaria presente na prpria ao do uso). Toma por base a recepo esttica de um texto, na qual este se altera pela ao do leitor, abrindo-se a uma pluralidade de significados. A idia de um sentido nico do texto, o mito da interpretao literal, um dispositivo de dominao: o sentido literal ndice e resultante de um poder social, de uma elite, uma lei que legitima como literal a interpretao dada por profissionais socialmente autorizados e intelectuais (Certeau, 1984:171). Este falseamento do sentido literal seria, em outros termos, a manifestao de um discurso competente, institudo, o discurso do especialista, proferido de um ponto determinado na hierarquia organizacional (Chau, 1982:11). produzem o espao capitalista, promovendo novos modos de pedestres negociarem os espaos cotidianos. Segundo McDonough (1994:75): A deriva como um ato de fala do pedestre uma reafirmao do valor de uso do espao numa sociedade que privilegia o valor de troca do espao, isto , sua existncia como propriedade (...), a deriva um uso poltico do espao, construindo novas relaes sociais. 42 Vera Pallamin A contrapartida deste seriam os incompetentes sociais, pretensamente desautorizados ao trabalho do saber. Nestes termos, revendo as noes de pblico e uso, a prpria dimenso da cultura urbana que passa a seguir outra rota, incorporando a histria que comea ao nvel do cho (Certeau, 1984:97). Esta abordagem sobre a valorizao de prticas cotidianas fundamental para a arte urbana, uma vez que aquelas podem se mostrar atravs desta, modificando os espaos pblicos com apropriaes inusitadas e, com isto, alterando sua carga simblica. Esta diretriz possui pontos de contato com o trabalho de Henri Lefebvre, sobretudo no que se refere noo de um valor de uso que no se desfaz inteiramente, que no desaparece por completo frente ao valor de troca: qualquer que seja a predominncia do valor de troca e sua importncia no modo de produo, ele no chega a fazer desaparecer o uso e o valor de uso, mesmo que se aproxime da abstrao pura e do puro signo (Lefebvre, 1981:17, Tomo III). Para Lefebvre - que elaborou uma sociologia da vida cotidiana - h uma dimenso qualitativa a ser respeitada em sua potncia e consequncias, uma fora histrica do viver no aniquilada, um viver no destitudo de sua vitalidade. ARTE URBANA 43 O viver e o vivido individuais se reafirmam contra as presses polticas, contra o produtivismo e o econmico. Quando no confronta uma poltica com outra, o protesto encontra apoio na poesia, na msica, no teatro, e tambm na espera e na esperana do extraordinrio, do surreal, do sobrenatural, do sobre-humano (Lefebvre apud Martins, 1996:44, n.41). O tempo social - feito de coexistncia de relaes sociais com temporalidades diversas - , alm de suas relaes com o passado e o presente, tambm constitudo, segundo Lefebvre, de possibilidades. A realidade est carregada do possvel e nela no estamos diante de blocos de tempo justapostos. O real tem sentido junto com o que pode ser. Sua reflexo valoriza a noo de residual, isto , do que no foi apanhado pelo poder. Nos resduos estariam as necessidades insuportveis que agem em favor das transformaes sociais, que anunciam as possibilidades contidas nas utopias, no tempo que ainda no , mas pode ser (Martins, 1996a:23). A vida cotidiana, sendo plena de prescries no tempo e no espao, carregada de uma sujeio dos 44 Vera Pallamin usos (10) . Com isso, perde-se a ao envolta no uso enquanto relao prtica com o outro, limitando as apropriaes. A possibilidade de insurreio do uso (Seabra in Martins, 1996a:71-86) refere-se ao resduo sendo capaz de romper esta lgica do cotidiano. Implica, entre outros aspectos, o emprego do tempo e espao para tecer novas territorialidades. Associando-se noo de apropriao, a noo de uso a inclui tambm os planos do afetivo, do inrico e do artstico. ainda sinnimo de desfrute e fruio. Neste sentido, enquanto ideia do chamado usurio associa-se o comportamento normalizado pelos modos de consumo (como consumidor), para o usador [usager] esto as relaes de qualidade que implicam fluxos de sentidos ligados realizao de energias vitais (Seabra in Martins, 1996a:78, nota 5) (11). Os embates da apropriao estariam presentes na passagem do usurio / consumidor (ao qual estaria associada a noo de produto) para o usador (que estaria mais prximo da noo de obra, de realizao). importante frisar que esta (10) A vida cotidiana comea a nascer quando as aes e relaes sociais j no se relacionam com a necessidade e a possibilidade de compreend-las e explic-las, ainda que por meios msticos ou religiosos; quando o resultado do que se faz no necessariamente produto do que se quer ou do que se pensa ter feito. O trabalho alienado, segundo Marx, ato fundante da vida cotidiana. (Martins, 1996:35). (11) A concepo de usurio para Certeau estaria prxima a esta de usador supracitada. ARTE URBANA 45 explorao de possibilidades situa-se no campo das prticas criadoras, dentre as quais incluem-se as manifestaes artsticas. Em Lefebvre, a reflexo sobre o domnio do espao enquanto base do poder social associa-se quela sobre os lugares de resistncia aos poderes homogeneizadores que atravs deste se impem. Engendrando a produo do espao, onde as prticas esto implicadas nos processos de reproduo e transformao das relaes sociais, Lefebvre elabora trs distines: a dimenso das prticas espaciais, que englobam as prticas de produo e reproduo social, assegurando uma relativa coeso deste; as representaes do espao, as quais referem-se s significaes, cdigos, saberes que permitem tratar as prticas espaciais e compreend-las (so ligadas s relaes de produo e referem-se ao espao dominante da sociedade - incluem espaos concebidos por planejadores, arquitetos, urbanistas); e os espaos de representao: so ligados ao lado clandestino da vida social e tambm s criaes que imaginam novas possibilidades para as prticas sociais (a incluem-se os espaos da arte, dos escritores, dos filsofos, da utopia, das sombras e das paisagens labirnticas) (Lefebvre, 1974: 42-4,48-9). Estas dimenses so concebidas segundo 46 Vera Pallamin relaes dialticas, o que pressupe a afeco das dimenses entre si: num modelo lefebvriano o significado [urbano] no surge de estruturas econmicas objetivas, mas do uso da cidade na vida cotidiana (Deutsche, 1991:56). PRTICAS ARTSTICAS: POTICA E MEMRIA SOCIAL neste sentido lefebvriano que a arte urbana foi definida anteriormente, como prtica social relacionada a modos de apropriao do espao ubano. Enquanto espao de representao, a obra de arte tambm um agente na produo do espao, adentrando-se nas cotradies e conflitos a presentes. Tomando-se o territrio urbano como campo de processos sociais, a arte urbana, nesses termos, pode alinhar-se com interesses destacadamente distintos na produo da cidade. Esta abordagem da cidade como forma social ao invs de objeto fsico (no como infra-estrutura externa aos usurios, mas produzida por eles) encara a arte urbana como um certo empenho na requalificao do seu cotidiano. Nesta linha, questes artsticas e urbanas deixam de ser dicotmicas e a presentificao de intervenes artsticas em espaos pblicos mostra-se como ARTE URBANA 47 uma dimenso da construo simblica destes. A feitura da arte pode desestabilizar significados concretizados nestes espaos. O uso propriamente no funcional que a arte promove nos espaos pblicos uma via de reconsiderao de modos usuais com os quais estes se caracterizam ou se predefinem. Conforme aponta R. Deutsche (1996), a arte pblica, nestes termos, vista em suas relaes com outras disciplinas - tais como arquitetura e urbanismo - a servio da produo do espao urbano legitimando, ou no, seus processos e usos dominantes. Pode ser parte de uma tecnologia disciplinar efetivando-se no espao urbano de modo a impor certa coerncia ou racionalidade ou, em via oposta, pode desviar a apreenso do espao pblico para novas consideraes sociais, novos acessos, desestabilizando subordinaes e marginalizaes - aproximando-se, neste sentido, ao direito cidade, na expresso lefebvriana (Deutsche, 1996:29). A arte urbana no apreendida, portanto, fora das condies sociomateriais da cidade, mas atravs destas. Deutsche ressalta que na abordagem da arte pblica o problema no a desconsiderao da cidade, mas sim a perpetuao de noes mitologizadas sobre esta. Quatro tendncias so destacadas nos discursos sobre arte / cidade: 48 Vera Pallamin a cidade como contedo para a arte; a arte pblica na cidade; a cidade como obra de arte; o ambiente urbano como influncia exercida sobre a experincia dos artistas e expressa em trabalhos artsticos. O dogma modernista afirma que a principal condio ontolgica da arte sua posse de uma essncia esttica transhistrica. Todas as conexes entre arte e cidade feitas por tendncias esteticistas na histria da arte, so, no fim, articuladas como uma nica relao: trabalhos de arte atemporais e a-espaciais transcendem, no fim, as condies urbanas mesmas que propositadamente os influenciaram, ou que so expressas. refletidas, ou transparentemente figuradas neles. Por definio, ento, a funo social da arte permanecer fora da cidade (Deutsche, 1991:46-7), isto , isolada dos problemas sociais reais. Substituir, por um lado, o paradigma da autonomia da arte por aquele da interao entre arte e cidade mantm a cesura entre ambas. Por outro, determinar que toda origem dos significados estticos e urbanos reside no mbito econmico promover um reducionismo em ambos os sentidos, mantendo, ao mesmo tempo, arte e cidade como entidades fundamentalmente separadas. A superao destas posies d-se na compreenso ARTE URBANA 49 de que a arte social em primeira instncia e sua significao social dada pelo trabalho da obra, entendido como sua historicidade, sua recepo, seus modos de presena / ausncia, visibilidade / invisibilidade em pblico. Este trabalho da obra exige a reconsiderao da noo de pblico da arte. Este no existiria como previamente dado, por um grupo presumivelmente coeso, mas seria gerado com e pela obra e diferenciado segundo os mais diversos interesses. Inclui a possibilidade da falncia da obra, diante de uma sua incapacidade em promover seu pblico. Em outras palavras, no h garantia de pblico para a arte urbana. Ela pode desabar pela indiferena. Na abordagem de inspirao lefebvriana, a arte urbana tratada em sentido contrrio fetichizao do espao urbano, efetivando-se, antes, como uma prtica crtica na cidade. Segundo Deutsche (1991:54), esta prtica crtica da arte pode efetivar-se atravs da crtica institucional, da crtica da representao e no trato com a especificidade local da obra. Faz-se como um modo de interveno nas relaes sociais que estruturam as organizaes espaciais a envolvidas, retrabalhando-se seus vnculos histricos e ideolgicos (12). (12) A questo da especificidade da obra em relao ao seu lugar de ocorrncia - seja esta de carter temporrio ou permanente - figurou entre os tpicos de interesse da arte pblica contempornea, envolvendo diretamente o compromisso cultural, social e poltico da obra. Em sua verso funcionalista, 50 Vera Pallamin Nestes termos, h uma promessa de comprometimento da arte num plano cultural mais amplo. Tal nfase caminha para um plano de consistncia na relao arte / espaos pblicos onde aspectos da memria social assumem importncia frontal. Esta visada dos espaos de ocorrncia das esta especificidade restringe-se ao ponto de vista fsico, sustentando-se numa cesura entre a arte e o social. A obra tratada sob um ponto de vista instrumental em relao ao espao urbano, sendo advogada a preencher necessidades sociais. posicionada como se estivesse acima dos conflitos sociais de que a cidade se faz. Uma aura de autonomia envolve seu objeto, pretendendo garantir-lhe uma significao intrnseca independente das questes geogrficas locais outras que no aquelas do mbito de sua insero fsica. O espao de referncia da obra tido como seu invlucro, e o social um pano de fundo ao qual a obra dirige-se indiretamente. Ela desenraizada neste sentido, dando as costas histria do espao que a conforma. Nesta viso funcionalista, a arte pblica tratada de modo a colaborar na resoluo de certos problemas: pode preencher espaos, atrair expectativas ou agendar usos e usurios. Pode tambm ser utilizada como amenidade empregada na valorizao de certas reas de interesse, promovendo sua integrao fsica. Apresenta-se, aparentemente, como um bem para todos. A transformao mais profunda no percurso da noo de especificidade local ocorreu quando da passagem do paradigma formalista para o da historicidade. Abriu-se o caminho para a investigao, na construo da arte pblica, da interseco entre dois processos materiais: a produo social do local e a produo social da percepo esttica (Deutsche, 1991:54). O sentido de especificidade ampliou-se incluindo novos significados polticos e culturais. Mudou-se a nfase do produto para seu processo de elaborao. Valorizaram-se as prticas nele envolvidas, promovendo-se uma reapropriao dos meios utilizados como fontes transformadoras significativas em termos estticos. Esta noo prope um confronto direto com a histria do lugar da obra e a construo de sua territorialidade. Esta especificidade aponta para a tenso entre os modos de representao do cotidiano, dimenses dele reprimidas na perspectiva esttica dominante, aponta para a considerao dos espaos pblicos a partir dos interesses privados que os ocupam, dos movimentos de excluso social que provocam a imposio de uso dos espaos. Neste sentido, as fissuras sociais do terreno em que ocorre ou se instala dizem-lhe respeito diretamente, afetam sua materialidade, assim como as imposies e negociaes que delineiam a disponibilidade deste. ARTE URBANA 51 prticas aststicas inclui uma reconstruo de suas referncias - culturais, estticas, artsticas - objetivando uma interpretao compreensiva de sua paisagem e de sua histria urbana. Aproxima-se do trato com a memria dos grupos sociais e modos de permanncia de suas referncias, seus registros, documentao, limites e perdas. Lida com o reconhecimento das representaes sociais, seus modos de reproduo ou desmembramento. Matria em tranformao, a memria social ligase possibilidade incessante de ressignificar os acontecimentos provocando-lhes mltiplas decantaes de sentido. Pode conquistar toda a vida presente, no apenas quanto a certas reabilitaes que neste fazem sentido, mas tambm no intuito de promover um vinco incisivo sobre as sedimentaes de seus valores e representaes. Sendo um material delicado, a memria possui tambm algo de acidental, de circunstancial, ela no apenas um meio de consagrar a continuidade, a durao ou ainda de criar vnculos. As imagens do passado mantm-se instveis e a forma atravs da qual se recria a origem trai necessariamente seus prprios efeitos de desaparecimento, de evanescncia (Jeudy, 1990:51). 52 Vera Pallamin Fazer reviver as origens tambm uma forma de lidar com o risco de seu desaparecimento. O trabalho com esta memria social liga-se a uma reconstituio - que , ao mesmo tempo, uma certa reinveno - de referncias anteriores (acontecimentos, modos de vida), de memrias coletivas. Conforme afirma Halbwachs (1990:143), toda memria coletiva tem por suporte um grupo social limitado e no h memria coletiva que no se desenvolva num quadro espacial. A fora desta memria tem por suporte um conjunto de pessoas, cujas distintas lembranas tecem-se umas nas outras, ou seja, a rememorao do passado de uns apela lembrana dos outros: diramos voluntariamente que cada memria individual um ponto de vista sobre a memria coletiva, que este ponto de vista muda conforme o lugar que ali eu ocupo, e que este lugar mesmo muda segundo as relaes que tenho com os outros meios (Halbwachs, 1990:51). no escopo desta maleabilidade constante que se situa a citada inveno da memria, a qual liga-se indeterminao presente nos relatos e aos objetos e obras aos quais se referem. (13) (13) De acordo com Jeudy (1990:60), o jogo com a memria e com a identidade no exterior ao movimento do conhecimento, esta est presente em toda operao de reconstituio. ARTE URBANA 53 A memria coletiva faz-se daquelas individuais, mas diferencia-se delas. E porque depende do engajamento vivo com seu grupo (remete-se a uma cultura viva), esta memria estende-se limitadamente no passado. Para alm destes limites ela no atinge mais os acontecimentos e as pessoas numa apreenso direta (Halbwachs, 1990:109). No sendo uma coleo de lembranas serenas e tranquilas, a memria social reaviva, em suas prticas, aflies, contradies e violncias. No se refere a uma sociabilidade romantizada. Antes, um investimento no social dirigido tomada de cincias histrica de suas modalidades, as quais, conforme apontado anteriormente com Foucault, so intrinsecamente tensas. No entanto, quando se torna objeto ideolgico de uma administrao cultural, faz-se servial produo de uma aparncia de ordem (Jeudy, 1990:24). Sob a gide da ordem, segurana e limpeza pode-se conjugar a cultura disperso ou evacuao de grupos sociais ante a ocupao de certos espaos.(14) neste sentido que Jeudy afirma que essa unio de um ideal securitrio e da renovao de uma memria coletiva urbana (14) O processo de gentrificao urbana entendido como a valorizao de certas reas urbanas com consequente expulso da populao de baixa renda ali habitante, associa-se a este movimento. 54 Vera Pallamin est longe de ocorrer ao acaso: ela faz eco ao projeto de forjar uma nova harmonia dos vnculos sociais. A cultura vem a socorro da poltica para atenuar o cumprimento de uma lgica que poderia parecer autoritria (Jeudy, 1990:108). Esta purificao resultaria numa antimemria, em sua espetacularizao. Seria a contraposio desta estetizao da memria, com a neutralizao do passado nela envolvida, que uma prtica artstica crtica, conforme citada anteriormente, estaria compromissada do ponto de vista urbano. Esta prtica seria movida por uma potica voltada para outro tipo de trabalho com a memria social, assumindo os riscos desta e no com sua representao assptica. Tal considerao sensvel, por princpio, dimenso do imaginrio, o qual tecido em conjunto com as memrias e histria dos lugares urbanos, sendo campo de sua abertura e, ao mesmo tempo, um ponto de veemncia para operaes artsticas. A valorizao do imaginrio na vida social, conforme analiza Baczko, requer o desvio de certa tradio intelectual de tendncia cienificista e realista, a qual separaria na trama da histria nas aes e comportamentos dos ARTE URBANA 55 agentes sociais, o `verdadeiro` e o `real` do `ilusrio` e `quimrico` (Baczko, 1991:12). Esta tendncia, colocandose como que desmistificadora, trataria os agentes sociais como que desnudados de mltiplas representaes, reduzindo o imaginrio a um real deformado, ou reflexo de um real que lhe seria exterior. Seguindo outros rumos sobretudo a partir da histria, antropologia e sociologia mais recentes - o imaginrio social no visto como ornamento de relaes econmicas ou polticas, ou mesmo como irreal, mas sim como ocupando um lugar preponderante entre as representaes coletivas (Baczko, 1991:14). A adjetivao social associada atividade imaginante, continua Baczko, designa-lhe um escopo a abarcar, por um lado, as representaes globais da sociedade (referindo-se s suas instituies, hierarquias, papis sociais, etc.) e, por outro, a insero daquelas representaes individuais em fenmenos coletivos. A imaginao social constri-se sobre as experincias dos agentes sociais, mas tambm sobre seus desejos, interesses, temores e esperanas: uma das funes dos imaginrios sociais consiste `na organizao e no domnio do tempo coletivo sobre o plano smblico`. Intervm ativamente na memria coletiva para a qual (...) os acontecimentos contam menos que as representaes imaginrias s quais estes 56 Vera Pallamin enquadram o originam (Baczko, 1991:30). Constituem-se em uma das foras reguladoras da vida coletiva, sendo parte de sistemas mais vastos e complexos a abrigarem mitos, ideologias e utopias. O imaginrio social abriga e participa de conflitos sociais. Em seu cerne est a questo das representaes sociais voltadas legitimao do poder, s relaes de sentido que so associadas quelas de fora. A dominao simblica, afirma Baczko, faz-se de uma mirade de dispositivos (incluindo-se o controle de meios e instrumentos de apregoao de valores e divulgao de discursos), voltados conservao de privilgios e ampliao de poderes. Do ponto de vista arquitetnico - urbanstico, toda cidade uma projeo dos imaginrios sociais sobre o espao. Sua organizao espacial lhe outorga um lugar privilegiado ao poder, ao explorar a carga simblica das formas (o centro oposto periferia, o alto oposto ao baixo, etc). Do mesmo modo, a arquitetura traduz eficazmente em sua prpria linguagem o prestgio com que se rodeia o poder, utilizando a escala monumental, os materiais nobres, etc. (Baczko, 1991:31). ARTE URBANA 57 Porm, para alm dos agenciamentos espaciais, as representaes sociais espalham-se a circulam por diversos outros meios, tais como discursos, comportamentos e normas. Segundo Jodelet, associam-se a fenmenos complexos e consistem numa forma de saber, num modo de elaborao do real, orientando atitudes, comunicaes sociais, tendo efeitos em como se concebe a cultura. Caracterizam-se como uma forma de conhecimento socialmente elaborada e partilhada, tendo um desgnio prtico e concorrendo para a construo de uma realidade comum a um conjunto social (Jodelet, 1991:36). Em meio aos espaos pblicos, as prticas artsticas so apresentao e representao dos imaginrios sociais. Evocam e produzem memria podendo, potencialmente, ser um caminho contrrio ao aniquilamento de referncas individuais e coletivas, expropriao de sentido, amnsia citadina promovida por um presente produtivista. nestes termos que, influenciando a qualificao de espaos pblicos, a arte urbana pode ser tambm um agente de memria poltica. 58 Vera Pallamin 59 ARTE URBANA CAPTULO II PROCESSOS DE ESTETIZAO CONTEMPORNEOS 60 Vera Pallamin ARTE URBANA 61 Uma das afirmaes da noo contempornea de recepo esttica consiste na noo de que o significado da obra gerado no devir de seu processo de fruio e leitura e no depositado nela de antemo, numa plena totalidade. Diluem-se, assim, certas fronteiras na considerao do que seja obra, uma vez que sua concretizao esttica faz-se de modo aberto s indeterminaes e ambiguidades da realizao de seus sentidos. No estando previamente entrincheirados nem sendo expresso de um relativismo irrestrito, seus sentidos perfazem-se numa regio intermediria (de limites imprecisos) de convergncia, ou de charneira, entre obra e pblico ou entre obra, pblicos e situaes urbanas. Este modo de desdobramento da obra indica sua presena potencial, ou melhor, seu potencial no formulado de antemo. Verga o entendimento da recepo esttica do antigo campo da contemplao do mesmo (o 62 Vera Pallamin que pressupe um espectador purificado), para retom-la a partir da dimenso da alteridade. Desta reverso apreende-se um dos motes da noo de recepo aberta, qual seja, a no identidade do repetido na distncia temporal da repetio. No trabalho da obra, entendido como suas diferentes realizaes, ao mesmo tempo em que esta sedia condies para a multiplicidade de suas concretizaes de sentido, tambm uma instncia de controle de suas distintas interpretaes. Disto compreende-se que a obra no se reduz nem sua realidade, nem quela das aproximaes de seus fruidores, construindo-se entre ambas. Nesta linha cabe notar que a historicidade da obra no se refere a delinear uma sucesso de interpretaes, nem ideia de elencar uma multiplicidade aptica de diferenas. Antes, busca compreender como essa significao / ressignificao em porvir movimenta toda a obra, toda a sua coerncia, resvalando inclusive em seus limites e nestes, em sua possvel falncia. Bifurca-se, portanto, em relao a um carter ilustrativo desta multiplicidade, uma vez que pela recepo que vo se tecendo ou desfazendo os modos da obra. Nestes termos, fica evidente sua considerao como um vetor constituinte do real e no como sua representao constituda. ARTE URBANA 63 Neste terreno, porm, a noo de pblico, se por um lado amplia aquela de obra, por outro implica esclarecimentos, exigindo ser caracterizada quanto s suas relaes em anlise: quais grupos sociais envolvem quais prticas culturais, quais atitudes e interesses explicitados em relao situao esttica em questo. Quando esta situao efetiva-se no espao pblico urbano, uma multiplicidade de convenes, papis e tticas perfazem seu solo e atmosfera, adentrando os meandros de sua ocorrncia. Propsitos estticos de diferentes crculos e agentes so nervurados nas contradies a envolvidas. Assim, a aproximao aqui intencionada sobre a recepo esttica / espao urbano no seria a de fomentar a sensibilizao de um olhar tipo periscpio a rastrear requadros bem-feitos, constantes ou passantes nos recantos da cidade. Antes, seria um empreendimento na direo da constituio do domnio dos objetos estticos (tomados em larga abrangncia), o que equivale a dizer ir das prticas urbanas aos objetos que estas engendram. E estas prticas seriam questionadas quanto sua produtividade, ou melhor, sua produo em termos de relaes sociais e de poder em que se pautam ou que asseguram, quais descontinuidades provocam, impedem ou propiciam no espao urbano. 64 Vera Pallamin A CULTURA COMO EMPREENDIMENTO A arquitetura tem grande importncia na formulao do debate esttico contemporneo e em seu terreno fez sentido falar-se efetivamente em ps-moderno, uma vez que nela houve de fato o que se pode chamar de um esgotamento de premissas e solues, um exaurimento do moderno. A reviso deste movimento, iniciando-se nos anos 1960, teve na arquitetura um dos seus centros de polarizao. A partir desse perodo processou-se uma mudana paradigmtica comum arquitetura e ao urbanismo, de superao da poltica da terra arrasada nas intervenes urbanas ento ligadas s idias de redesenvolvimento, em direo quela da moderao: em vez de, sob a gide de um plano totalizante, erradicar-se o caminho das mulas (no dizer do arquiteto Le Corbusier), passaram a ser valorizadas as intervenes de pequeno porte, respeito s tradies, costumes e uma arquitetura regionalizada. Promoveu-se uma tentativa de recuperao do comunitrio, do tecido cultural e a reabilitao do ponto de vista local, buscando-se priorizar suas referncias sumblicas (Arantes, 1995). Passou a fazer sentido falar-se em reciclagem de stios em substituio idia de renovao. Como que sintetizando tais aspectos, a noo de lugar, entendido como ARTE URBANA 65 um espao identitrio e histrico, passou a ser pedra de toque da arquitetura, dignificando-a. Em contrapartida, nolugar foi teorizado, a partir da perspectiva antropolgica, como abarcando os espaos do anonimato e da indiferena. Tais valores imiscuiram-se de modo vertical nos modos de qualificao e de recepo esttica dos espaos urbanos. Esta mudana de paradigmas na estruturao e concepo dos espaos urbanos e arquitetnicos, segundo o gegrafo David Harvey, foi concomitante a uma reorganizao produtiva de ordem mais ampla associada reconsiderao do estado regulador keynesiano. Tais transformaes deram-se contemporaneamente. No plano econmico, tem-se processado, a partir dos anos 1970, uma flexibilizao dos modos de acumulao do capital, atingindo os processos e mercados de trabalho (e seus regimes de contratao), produtos e consumo, e esta flexibilizao se faz sentir na dimenso cultural do tecido social. Neste processo tem sido engendrado um novo tipo de ciclo de compresso tempo-espao, o qual seria resultante da acelerao no passo dos processos econmicos. Esta acelerao na produo foi alcanada por uma complexa reestruturao organizacional: mudanas de mbito administrativo, controle informacional e informatizado, tcnicas de distribuio mais racionalizadas 66 Vera Pallamin figuram como algumas das estratgias estabelecidas no sentido de obter maiores lucros e rapidez no retorno do capital investido. Dentre as principais consequncias desta acelerao generalizada, destaca-se a efemeridade de modas, produtos, tcnicas de produo, processos de trabalho, ideias e ideologias. A sensao de que `tudo que slido desmancha no ar` raramente foi mais pervasiva (Harvey, 1992:258). Nesta promoo da volatilidade, a produo da imagem sobrelevada. Desdobram-se seus papis como mercadoria, como recurso na manipulao do consumo, alastrando-se seus desempenhos, por exemplo, na mediatizao da poltica e na gerao de simulacros. Este fomento da transitoriedade foi acompanhado, neste processo econmico, pela queda de barreiras espaciais, provocada pelo aumento de eficincia nas movimentaes, fluxos e comunicaes. Em decorrncia desta extenso (acentuando o encolhimento das distncias e alterao de escalas) fomentou-se uma poltica de valorizao dos lugares. Houve uma sensibilizao do capital pelas diferenas localizacionais geogrficas e sociais, movida pela possibilidade de explorar suas peculiaridades. Com o destaque dado s cidades mundiais no sistema financeiro e corporativo - enquanto centros altamente equipados ARTE URBANA 67 formando ncleos-chave de um sistema urbano global - a dotao esttica e infra-estrutural dos lugares passou a ter papel cada vez mais relevante ante a competio entre as cidades (Harvey, 1992:266). Esta superao de barreiras espaciais tambm ocasionou, por outro lado, a multiplicao dos no-lugares, espaos que so subsdios a esta acelerao do fluxo. Estes no-lugares abarcam no s certos tipos de espaos eminentemente voltados para o translado, a passagem, o consumo efmero - como tambm as relaes de uso neles mantidas: o espao do no-lugar no cria identidade singular nem relao, mas solido e similitude (Aug, 1994: 95).(15) A esta superabundncia espacial da atualidade corresponde uma superabundncia de espaos no identitrios, no-histricos, espaos lisos, da desterritorializao, voltados s urgncias do presente. Neste processo de estetizao dos lugares, se por um lado a questo da identidade local liga-se valorizao do efmero (e na anlise de Harvey esta valorizao social mimetiza as condies da ordem econmica dominante), por outro, suscita, segundo ele, uma (15) Lugares e no-lugares no so excludentes entre si: antes, suas efetivaes interpenetram-se: O lugar e o no-lugar so polaridades fugidias: o primeiro nunca completamente apagado e o segundo nunca se realiza totalmente (Aug, 1994:74). 68 Vera Pallamin uma reao oposta, qual seja, a identificao do lugar enquanto espao de individuao. Neste sentido, referese a uma conformao de identidade (individual ou social) como baliza de comportamentos seguros diante de uma realidade sempre em transformao. O instantneo e o descartvel so enfatizados, assim como o contingente e o fugidio. Se no incio do modernismo o trato com o efmero visava, por meio deste, atingir o eterno, j no h agora esta inteno de heroicizlo. A noo de um presente exasperado traz agora em seu bojo a ruptura de vnculos. Valores hegemnicos so pulverizados em um individualismo sempre mais competitivo, figurando o narcisismo caracterstico desta fase psmoderna, que Lipovetsky apontou como sendo a era do vazio. Na mercadificao da cultura acentuada neste processo, a alteridade vista como fonte de vantagens e apropriada com desfaatez lucrativa: torna-se tambm mercadoria. Nesta torrente, a esttica acentuada como astcia na obteno de singularidades, as quais so tratadas como iscas para o consumo. Promove-se uma esttica do fragmentrio, calcada na valorizao e fomento das heterogeneidades locais. No mbito da arquitetura afirmase ser uma tarefa do desenho a procura de espaos ARTE URBANA 69 personalizados. A esttica tem sido uma via privilegiada nesta produo de distino, sendo esta entendida enquanto investimento no capital simblico - bens como smbolo de distino - na acepo de Bourdieu. No mbito da arquitetura, um dos atuais exemplos emblemticos neste sentido tem sido, em nvel internacional, a proliferao de projetos de museus de arte - os chamados museus de vanguarda- sendo estes tambm tratados como veculos e formadores de prestgio. Porm, cabe apontar, no so raros os vnculos desses projetos com processos de gentrificao urbana, a citar, dentre estes, o projeto de Richard Meyer em Barcelona e o Moma de San Francisco, de Mario Botta. Em substituio antiga visada do tecido urbano segundo a premissa da totalidade integrada, cultiva-se agora a noo de patchwork, de espaos semi-autnomos, autonomia esta que se rebate tambm em termos morfolgicos. Especificadas em forma de retalhos na geografia metropolitana, reas de interesse aos investimentos do capital so inscritas de modo insular, favorecendo possveis convenincias sua estetizao. Nesta linha, a recepo esttica, no mbito urbano, tem se corporificado em meio ampla extenso da privatizao econmica, contratao e desinvestimento 70 Vera Pallamin simblico dos espaos pblicos e, com estes, ao liquefazer de referncias mnemnicas dos espaos. A dimenso esttica, em meio a este movimento, tem portado consigo a valorizao das noes de fluidez, ao mesmo tempo em que traz uma face aparentemente mais democrtica, guiada por espalhamentos em rede - aos grupos sociais que a estas tm acesso - porta um sentido de continuo desenraizamento, ao qual se ligam prticas sociais e culturais de vnculos rasantes (fluidos), efetivando-se passo a passo com esta desafco por metas coletivas. Mas, se por um lado, este processo de banalizao de referncias engendrado pela lgica de criao e neutralizao do novo, integrante da prpria reproduo do capital, por outro, liga-se intrinsecamente degradao de relaes de subordinao do individual ao coletivo, dada pela eroso de ideais polticos mobilizadores. As solidariedades agora so de curto flego. E a contrapartida desse desinteresse um investimento (cada vez mais acentuado) na vida privada. A cultura / cultivo do indivdualismo atinnge o seu pice. Este processo de psicologizao do que seria a dimenso impessoal da vida civil traz em seu bojo uma desmotivao social pelos espaos pblicos e uma desafeco poltica. Segundo aponta Sennett, a reduo de ARTE URBANA 71 espaos pblicos s contingncias do translado, do movimento, tem sido uma das consequncias perversas da eroso da vida em pblico. Na prtica, muitos destes espaos tm sido, prioritariamente, utilizados como reas de circulao e de passagem mais do que como lugares de permanncia. Esta eroso - entendida como um desinteresse da vida em pblico e da participao social nesses espaos - est associada a um inflacionamento da nfase no domnio individual, pessoal, do psi(Sennett, 1977:14). Este desinvestimento no domnio pblico implica numa ordem de esvaziamento da cultura pblica, sendo ambos relacionados ao que Sennett denomina ideologia da intimidade, pela qual transmutam-se categorias polticas em categorias psicolgicas. Por esta inverso, relaes sociais so tidas como autnticas na medida em que se repercutem nas psicologias individuais (envolvendo emoes profundas e suas flutuaes): O mito reinante hoje que os males da sociedade podem ser entendidos todos como males de impessoalidadae, alienao e frieza (Sennett, 1977:259). Nessa mistificao, dada por esta hemorragia da dimenso psicolgica, as relaes sociais so como que encharcadas de narcisismo, de modo que a mobilizao por interesses comuns substituda pela busca de uma identidade comum. 72 Vera Pallamin Lipovetsky assinala que esta desafeco sinnimo de um engajamento a vigorar enquanto afirmao de personalidade. Em outros termos, significa uma conscincia narcsica sobrepondo-se quela poltica. Atualmente, afirma, nenhuma ideologia poltica mais capaz de inflamar as multides. A sociedade ps-moderna no tem mais (...) projeto histrico mobilizador (Lipovetsky, 1994:16). Ideias modernistas como utopia / plano centralizador / revoluo cederam lugar polmica sobre as grandes narrativas intencionando abarcar o empreendimento histrico como um todo. A concepo de subordinao ao coletivo foi suplantada pelo ideal de realizao pessoal, celebrado na glorificao do consumo e nas astcias da seduo. Promove-se uma desero generalizada de valores e finalidades sociais, nos quais incluem-se tradies e sentidos histricos. Como parte do hedonismo a reinante, ocorre um empalidecimento das relaes de alteridade, cuja extenso caminha na direo da perda de vnculos slidos com a coisa pblica. Esta indiferena, tambm ligada desestabilizao de julgamentos, antes de ser sinnimo de estanqueidade ou possibilidade de subverso, mostra-se como uma condio ideal do capitalismo, o qual fundado no agenciamento incessante de combinaes inditas (...) ARTE URBANA 73 pode se realizar com um mnimo de resistncia: o sistema do `por que no` torna-se a exemplo da indiferena, a partir da, sistemtico e operacional (Lipovetsky, 1994, 61-2). Deste modo, este perodo contemporneo, partilhando da lgica capitalista de destruio criativa, ou de promoo da tradio do novo, marca sua exponenciao. O ESTTICO E AS PRTICAS CULTURAIS A tendncia crescente de valorizao do esttico na atualidade tem permeado as mais distintas prticas e campos de atuao. Num plano superficial, h tempo que a estetizao tem se espalhado pelo cotidiano, alastrando-se na cultura da diverso e do entretenimento, nas modas de vida curta, tornando-se a sinnimo de padres rapidamente decadentes. Conforme afirma o filsofo W. Welsch, num nvel elementar, alm de responder a expectativas sensveis, o amaciamento da realidade a implicado traz consigo um certo simbolismo de progresso sustentado em um antigo sonho de melhorar a vida e a realidade atravs da introduo da esttica (Welsch, 1997:3). Nesta estetizao de superfcie, o hedonismo nervura-se como matriz cultural, explicitando-se num desejo de divertimento sem maiores consequncias. A seduo alia- 74 Vera Pallamin se ao consumo, agenciando a multiplicao das ofertas e a pluralidade de combinaes. Esta estetizao do cotidiano tramada em termos econmicos, conforme anteriormente mencionado, integrando estratgias de mercado. Se antes o esttico era tido como veculo, instrumento, embalagem, agora assume a cena, protagonizando-se como produto. Um segundo nvel de estetizao - cujo sentido aqui refere-se menos beleza e mais modelagem e virtualidade - ocorre num plano mais profundo, referindose a uma estetizao da realidade material e social, condicionada pela tecnologia e meios de comunicao. Do ponto de vista tecnolgico a realidade tem se tornado cada vez mais manipulvel, sendo possvel, atualmente, interferir, alterar e modelar, inclusive esteticamente, relaes em suas mnimas estruturas. Nestes termos, os processos estticos afetam no s a capa, mas tambm o ncleo, a base desta realidade. A esta estetizao material segue-se uma estetizao imaterial, fomentada e manipulada em grande pela mdia. A modelagem esttica que esta promove impregna o cotidiano: esta estetizao imaterial vai mais fundo que aquela estetizao material, literal. Afeta, no somente os constituintes singulares da realidade, mas a maneira da realidade ser e nossa concepo dela como um todo (Welsch, 197:4-5). ARTE URBANA 75 Esses processos de estetizao possuem diferentes significados conforme seus diversos campos de atuao: nos espaos urbanos, referem-se remodelagem cenogrfica de reas, reconfigurando-as em espaos elegantes, bem iluminados e arejados; na propaganda referem-se divulgao e consumo de certos estilos de vida e conduta; no mbito tecnolgico, significam a simulao e a produo do virtual, associando-se modelagem de informaes sobre a realidade por parte da mdia. Esses processos de estetizao atingem ainda as questes ticas, adentrandose maneira de orientao de atitudes, as quais deixam de ser regidas por padres obrigatrios, em favor de projetos que so situacionais e que podem ser transformados. (16) A mais radical das estetizaes, continua o autor, seria aquela por ele denominada estetizao epistemolgica: enquanto o saber tradicional pautava-se pela iluso de um objetivismo, delegando a esttica a realidades de menor importncia, hoje se reconhece o esttico como atuante no conhecer e agir em instncia fundamental. Categorias referentes ao sensvel, tais como aparncia, mobilidade, oscilao, ambiguidade, passaram a (16) Esta contrapartida, seriam acompanhados, em seus excessos, de uma chamada anaestetizao, isto , um processo de dessensibilizao caracterizado pela indiferena e descaso. 76 Vera Pallamin fazer parte, dentro do prprio campo cientfico, do saber e da verdade: Esta estetizao epistemolgica o legado da modernidade (...) aqueles discursos que insistem sobre a verdade contra a estetizao no convencem mais ningum, porque a verdade mesma se desmascarou como, no fundo, uma categoria esttica (Welsch, 1997:9). Esta estetizao epistemolgica seria um resultado da filosofia e cincia modernas. Flutuao, incerteza, instabilidade, aparncia, diversidade, categorias tradicionalmente ligadas ao sensvel, aesthesis, passaram a ser fundamentais em relao verdade e realidade. Isso no seria equivalente, contudo, a cair num fundamentalismo esttico: O ponto decisivo aqui no est tanto no fato de que nosso conhecimento inclua partes fundamentaise estticas. Mas sim que se altera todo o carter do conhecimento e da realidade. A referncia realidade e o conhecimento assumem um carter ficcional, produtivo, potico, em uma camada fundamental (Welsch, 1995:14). Nas cincias, a presena do esttico tem sido reconhecida em distintos momentos e campos participando 77 ARTE URBANA de premissas, hipteses e teorias e contribuindo para a derrocada do saber duro, que reduz o real ao racional. Nos ltimos duzentos anos, verdade, saber e realidade foram assumindo contornos estticos, Enquanto antes se acreditava que a esttica s teria a ver com realidades secundrias, ulteriores, hoje ns reconhecemos que o esttico j pertence camada fundamental do conhecimento e da realidade (Welsch, 1995:16). A tematizao do esttico, nestes termos, escapa esfera estrita da arte, referindo-se a campos como cincia, poltica e tecnologia. Sua multiplicidade de significados no seria possvel de reduo a apenas um, considerado como bsico. Restringi-la arte seria reduzi-la, uma vez que a atual pluralizao do esttico teria rompido aquela equivalncia. Nestas outras fronteiras da disciplina, os temas da desrealizao da realidade (entendida como sua virtualizao processada pela eletrnica e sua modelagem pela mdia, incorporando em sua veiculao a linguagem do jogo e simulao), a reconfigurao da aesthesis (na qual incluem-se a crtica do primado do visual elaborada pela 78 Vera Pallamin filosofia contempornea e a valorizao de experincias no eletrnicas) e a reavaliao de formas das experincias habituais seriam de destaque em relao esttica contempornea (Welsch, s.d.). Este amplo processo de estetizao dando-se em vrios nveis da vida social e material, quando abordado a partir da tica de uma racionalidade global, liga-se ocorrncia de um esteticismo generalizado que, do ponto de vista poltico, no provoca questionamentos nem rupturas. Pelo contrrio, este transbordamento do esttico, sendo concomitante a um crescente desinteresse pelo poltico, traz em seu bojo os dilemas da dilapidao de aes culturais concorrendo para sua funcionalizao. A cultura, nestes termos, reduzida s consequncias das mudanas econmicas e a mercadificao de projetos e prticas culturais lhes acarreta uma perda de seu potencial de contribuio para com a tarefa social, na qual a dignidade humana seria privilegiada na vida do mais amplo coletivo. preciso, contudo, no excluir a considerao de que as prticas culturais do-se sob a ao de feixes de relaes mltiplas de poder, abrem e esto abertas a vrias possibilidades de crtica (conforme mencionado anteriormente). Assim, a complexidade cultural na vida social trama-se tambm na constante negociao de significados 79 ARTE URBANA culturais que podem, em princpio, desregular valores - em planos diversos - propondo sentidos conflitantes com outros. Cabe no negligenciar tais aes e representaes, ainda que se processem em escalas menores. neste sentido que este trabalho trata a arte urbana. .................... 80 Vera Pallamin BIBLIOGRAFIA ARANTES, Otlia. O lugar da arquitetura depois dos modernos. So Paulo: Edusp, 1995. ________. Urbanismso em fim de linha. So Paulo: Edusp, 1998. ARGAN, Giulio Carlo. Storia dellarte como storia della citt. Roma: Reuniti, 1984. ASSOCIAO VIVA O CENTRO. Propostas e compromissos. So Paulo: novembro, 1996. AUG, Marc. No-lugares. Introduo a uma antropologia da supermodernidade. Trad. Maria Lcia Pereira. Campinas: Papirus, 1994. AYALA, Walmir. Dicionrio brasileiro de artistas plsticos. Braslia: MEC, 1973. BACZKO, Bronislaw. Los imaginrios sociales. Memrias y esperanzas colectivas. Trad. Pablo Betesh. Buenos Aires: Nueva Visim, 1991. BLANCHOT, Maurice. Michel Foucault come io limmagino. Trad. Viana Conti. Genova: Costa & Nolan, 1988. BOURDIEU, Pierre. O poder simblico. Lisoba: Difel, 1989. ARTE URBANA 81 CASTELLS, MANUEL. The City and the grassroots. Berkeley: University of California Press, 1983. CAUQUELIN, Anne. Lart contemporain, Paris: PUF, 1992. CERTEAU, Michel de. The practice of everyday life. Trad. S. Rendall. Berkeley: University of California Press, 1984. CHAU, Marilena. Convite filosofia. So Paulo: tica, 1995. ________. Cultura poltica e poltica cultural. Revista Estudos Avanados 9 (23), 1995, pp. 71-84. ________. Cultura e democracia. O discurso competente e outras falas. So Paulo: Moderna, 1982. CIDADE. Revista do DPH Secretaria Municipal de Cultura. So Paulo, 1995, n.3. DEUTSCHE, Rosalyn. Evictions. Art and spatial politics. Cambridge: MIT Press, 1996. ________. Alternative space. In: WALLIS, B. (org.) If you lived here. The City in Art, Theory and Social Activism. Seattle: Bay Press, 1991. ESCOBAR, Miriam. Esculturas no espao pblico em So Paulo. So Paulo: Veja, 1998. CPA. 82 Vera Pallamin FEATHERSTONE, Michael. O desmanche da cultura. Trad. Carlos Eugnio M. de Moura. So Paulo: Nobel, 1997. FOUCAULT, Michel. La volont de sapere. Trad. Pasquale Pasquino; Giovanna Procacci. Milano: Feltrinelli, 1993. ________. Microfsica do poder. Trad. Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1979. GARCIA, Sylvia Gemignani. Cultura, dominao e sujeitos sociais, Tempo Social. Revista de Sociologia da USP. So Paulo, 8 (2), 1996, pp. 149-176. GORDON, Collin (ed.) Power / Knowledge: selected interviews & other writings by Michel Foucault 1972 - 1977. Trad. Collin Gordon; Keo Marshall; John Mepham; Kate Soper. New York: Pantheon Books, 1980. GUATTARI, Flix. Espao e poder: a criao de territrios na cidade. Espao e Debates, n.16, pp. 109-20. HALBWACHS, Maurice. A memria coletiva. Trad. Laurent L. Schaffer. So Paulo: Vrtice, 1990. HARVEY, David. A condio ps-moderna. Uma pesquisa sobre as origens da mudana cultural. Trad. Adail S. Sobral; Maria Stela Gonalves. So Paulo: Loyola, 1992. ARTE URBANA 83 INSTITUTO CULTURAL ITA. Tridimensionalidade na arte brasileira do sculo XX. So Paulo: I. C. I., 1997. JAMESON, Fredric. Postmodernism or, The Cultural Logic of the Late Capitalism. Durham: Duke University Press, 1991. JEUDY, Henri-Pierre. Memrias do social. Trad. Mrcia Cavalcanti; Francisco I. P. Bastos. Rio de Janeiro: Forense, 1990. JODELET, Denise. Les reprsentations sociales. Paris: PUF, 1991. KOWARICK, Lcio; Campanrio, Milton. So Paulo metrpole do subdesenvolvimento industrializado. Novos Estudos Cebrap, n.13, pp.66-73, 1985. LEFEBVRE, Henri. O direito cidade. Trad. T. C. Netto. So Paulo: Documentos, 1969. ________. La production de lespace. Paris: Anthropos, 1974. ________. Critique de la vie quotidienne. Paris: LArche diteur, 1981, Tomo III. LIPOVETSKY, Gilles. Lre du vide. Essais sur lindividualisme contemporain. Paris: Gallimard, 1994. 84 Vera Pallamin MAGNANI, Jos Guilherme; TORRES, Lilian de Lucca (orgs.). Na metrpole. Textos de antropologia urbana. So Paulo: Edusp, 1996. MARTINS, Jos de Souza. (Des) Figuraes. A vida cotidiana no imaginrio onrico da metrpole. So Paulo: Hucitec, 1996. ________. (org.) Henri Lefebvre e o Retorno Dialtica. So Paulo: Hucitec, 1996 (a). MATOS, Olgria C. F. A cidade e o tempo: algumas reflexes sobre a funo social das lembranas. Espao e Debates, n.7, 1982, pp. 45-52. ________. O direito paisagem. In: Olhares sobre a cidade. Rio de Janeiro: UFRJ, 1994. MCDONOUGH, Thomas F. Situacionist Space. October 67, inverno, 1994, pp.59-77. MELUCCI, Alberto. Movimentos sociais, renovao cultural e o papel do conhecimento. Novos Estudos Cebrap, n.40, 1994, pp.152-66. MERLEAU-PONTY, Maurice. Os Pensadores - Textos Selecionados / Maurice Merleau-Ponty - seleo de textos de Marilena de Souza Chau. Tradues e notas de M. S. Chau; N. A. Aguilar; P. S. Moraes. So Paulo, Abril Cultural, 1984. ARTE URBANA 85 MINISTRIO DAS RELAES EXTERIORES. Quem quem nas artes e nas letras do Brasil, 1966. MONTEIRO, Paula.Questes para a etonografia numa sociedade mundial. Novos Estudos Cebrap, n.36, 1993, pp.161-77. _______. Cultura e democracia no processo de globalizao. Novos Estudos Cebrap, n.44, 1996, pp.89-114. PAREYSON, Luigi. Os problemas da esttica. Trad. Maria Helena Nery Garcez. So Paulo: Martins Fontes, 1984. PONTUAL, Roberto; LOUZADA, Jlio. Dicionrio das artes plsticas no Brasil. So Paulo: Inter-Arte, 1988. PREFEITURA DO MUNICPIO DE SO PAULO. O poder em So Paulo. Histria da administrao pblica da cidade 1954 - 1992. So Paulo: Cortez, 1992. RONCAYOLO, Marcel. La ville et ses territoires. Paris: Gallimard, 1990. SANTOS, Boaventura de Souza. Pela mo de Alice: o social e o poltico na ps-modernidade. So Paulo: Cortez, 1997. SANTOS, Milton. Pensando o espao do homem. So Paulo: Hucitec, 1986. 86 Vera Pallamin SANTOS, Milton. Por uma economia politica da cidade. O caso de So Paulo. So Paulo: Hucitec, 1994. SEABRA, Odete C. L. A insurreio do uso. In: MARTINS, Jos de Souza (org.) Henri Lefebvre e o Retorno Dialtica. So Paulo: Edusp, 1996, pp.71-86. SENNETT, Richard. The fall of public man. New York: A. Knopf, 1977. URBAN HISTORY, vol.22, part 2, agosto 1995. Edio especial: Art and the City. WALLIS, Brian. If you lived here. The City in Art, Theory and Social Activism. Seattle: Bay Press, 1991. WELSCH, Wolfgang. Undoing Aesthetics. Trad. Andrew Inkpih. London: Sage, 1997. ________. Estetizao e estetizao profunda ou: a respeito da atualidade do esttico nos dias de hoje. Trad. lvaro Valls. Porto Alegre: Porto Arte, v. 6, n. 9, maio, 1995, pp.7-22. ________. Lesthtique au de l de lesthtique. Mimeo, s.d. ........................ ARTE URBANA 87