3 filosofia moderna e iluminista filosofia

  • Published on
    05-Dec-2014

  • View
    918

  • Download
    7

DESCRIPTION

 

Transcript

  • 1. ASPECTOS DA FILOSOFIA MODERNA E ILUMINISTA By Dani Rubim estudante
  • 2. FILOSOFIA MODERNA pontos em comum com os pensadores modernos: o uso da razo; a valorizao da cincia e da tcnica; a defesa da liberdade; a luta contra as injustias sociais e privilgios, etc Contexto: fim do feudalismo inicio do capitalismo RENASCIMENTO: o homem se torna o centro de tudo
  • 3. FILOSOFIA MODERNA Poder da razo racionalismo pensamento critico conhecer algo e no apenas definir que esta coisa existe Descoberta da subjetividade ideias do sujeito Surge a EPISTOMOLOGIA questao relativas ao conhecimento Surge o ANTROPOCENTRISMO homem o centro do cosmo E a LAICIZAO visao no religiosa
  • 4. REVOLUO CIENTIFICA A Revoluo Cientfica foi um movimento de ideias que compreende, mais ou menos, o intervalo entre a publicao do livro Das revolues dos corpos celestes (1543) de Nicolau Coprnico at a obra de Isaac Newton Base nas obras de Galileu e ideias de Descartes e Bacon a expanso da nova ordem burguesa, inveno e descobertas indispensaveis Iniciou com a revoluo astronomica: substituio do pensamento geocentrico(terra centro do universo aristoteles/Ptolomeu) para o heliocentrico (sol centro do universo) Agora o universo era infinito (historia de Galileu)
  • 5. REVOLUO CIENTIFICA Houve outras mudanas como: o homem deixando de ser o centro da criao divina (Terra e o homem saem do centr do universo) Agora a nova revoluo de ideias, de saber e de ciencia que agora era direcionada ao mundo da natureza (e no mais divino) A ciencia se tornou experimental: era comprovada por experiencias e demonstraes A ciencia moderna agora tinha um metodo.
  • 6. RACIONALISMO CARTESIANO Ren Descartes (Cartesio) 1596-1650 o pai da filosofia moderna e do racionalismo moderno METODO CARTESIANO: 4 regras para definir se o conhecimento falso ou verdadeiro: EVIDENCIA ANALISE dividir cada problema para melhor resolve-lo SINTESE conduzir a ordem dos pensamento criar uma cadeia de raciocinio VERIFICAO - ver se a analise e a sinteese estao corretas O objetivo encontrar a VERDADE PRIMEIRA, que no gere duvidas, nem seja baseada nos sentidos Valorizao da razo e do racionalismo atraves dela se descobre todas as verdades
  • 7. EMPIRITISMO INGLES Empiritismo vem do grego empeiria = experiencia O PAPEL DA EXPERIENCIA NO PROCESSO DE CONHECIMENTO Francis Bacon 1516-1626 pai do empiritismo saber poder a observao e a experiencia so fundamentais. A teoria nasce da experiencia e novas experiencias nascem da teoria Valoriza o conhecimento instrumental que possibilita a dominao da natureza pelo homem Criou a Teoria de Idolos tornar o homem consciente das falsas verdades que o cercam IDOLOS DA TRIBO aceitamos certas realidades que nos mais propicias IDOLOS DA CAVERNA muitas iluses vem do mundo fechado que vivemos, cultura, habitos, tendo origem em nos mesmos. IDOLOS DO FORO interao por meio da linguagem criada que nos afeta IDOLOS DO TEATRO verdades tradicionais, f cega e etc.
  • 8. O ILUMINISMO Novas ideias, uma nova luz de conhecimento, visando proporcionar a felicidade aos homens Somente o crescimento da consciencia pode libertar a mente A nica fonte verdadeira a razo humana a filosofia da burguesia em ascenso Razo iluminista defesa do conhecimento cientifico e da tecnica. Investigao da natureza e do homem um movimento laico: para mim evidente que existe um Ser necessrio, eterno, supremo e inteligente e isso (...) no verdade de f, mas sim de razo (Voltaire) Os meios usados para circular as ideias iluministas foram atraves de: academias, maonarias, sales, enciclopedias, cartas e ensaios. A Enciclopdia foi uma grande obra poltica e social, um instrumento de difuso da cultura crtica, que pretendia romper com o saber tradicional anterior e que se abriu para a histria, para a sociedade e para o saber tcnico-cientfico seu objetivo UNIFICAR OS CONHECIMENTOS ESPALHADOS SOBRE A FACE DA TERRA.
  • 9. O CRITICISMO KANTIANO Immanuel Kant (1724-1804) pensador significativo da modernidade Critica da razo pura = criticismo O que pode realmente ser recnhecido como verdade para a razo? Condena o empiritismo( o que conhecemos vem dos sentidos) Condena o racionalismo ( oq eu sabemos vem do nosso intelecto) Temos de um lado os sentidos e do outro as categorias substanciais, de casualidade e de existencia Conclui que no possivel conhecer A COISA EM SI podemos so conhecer os fenomenos. o sujeito parte integrante do processo de construo do conhecimento Kant tem problemas para explicar Deus (realidade metafisica) e define o agnosticismo ( o no saber o no compreender das coisas) Para Kant o conhecimento = materia e forma Materia so as coisas ou nos mesmos Forma separar as coisas pela PRIORI (sensibilidade anterior a experiencia) do tempo e espao
  • 10. RESUMO a filosofia moderna nasce com a ascenso do capitalismo. enfatiza o racionalismo e as ideias do sujeito. O homem centro de tudo(antropocentrismo) e surgem questoes do conhecimento(epistomologia) alem do fim da visao religiosa(laicizao) REVLUO CIENTIFICA resultado da revoluo astronomica (o homem e a terra nao sao mais centro do universo) e a revoluo de ideias (ciencias vai alem das questoes da natureza e trabalha tambem com o homem)
  • 11. RESUMO Ren Descartes cria o modo de encontrar a verdade das coisas (metodos cientificos) atraves do METODO CARTESIANO (evidencia, analise, sintese e verificao) O Empiritismo a ideia de que a experiencia e os sentidos so fundamentais para o conhecimento necessario deixar de lados os "idolos" que manipulam a verdade(e estao dentro de nos)
  • 12. RESUMO O Iluminismo foi uma expanso de novas ideias em defesa do homem dependente da natureza, felicidade, conhecimentos cientificos e teecnos. um dos metodos de mostrar o iluminismo era atraves da enciclopedia O CRITICISMO KANTIANO vem das criticas de Kant ao empiritismo e racionalismo. Ele define que temos esses dois lados mas para algo ser reconhecido (verdadeiro) tem que ter materia e forma alem disso tudo. e que a natureza e as coisas nao sao separadas do homem.