Vunesp 2013 Pc Sp Perito Criminal Prova

  • Published on
    22-Oct-2015

  • View
    60

  • Download
    0

Transcript

  • academia de polciadr. coriolano nogueira cobra

    Secretaria de Concursos Pblicos

    Concurso Pblico

    001. Prova Preambular

    Perito Criminal

    Voc recebeu sua folha de respostas e este caderno contendo 80 questes objetivas.

    Confiraseunomeenmerodeinscrioimpressosnacapadestecadernoenafolhaderespostas.

    Quandoforpermitidoabrirocaderno,verifiqueseestcompletoouseapresentaimperfeies.Casohajaalgumproblema,informeaofiscaldasala.

    Leiacuidadosamentetodasasquesteseescolhaarespostaquevocconsideracorreta.

    Marque,nafolhaderespostas,comcanetadetintaazuloupreta,a letracorrespondentealternativaquevocescolheu.

    Aduraodaprovade4horas,jincludootempoparaopreenchimentodafolhaderespostas.

    Sserpermitidaasadadefinitivadasalaedoprdioapstranscorridas3horasdoinciodaprova.

    Deveropermaneceremcadaumadassalasdeprovaos3ltimoscandidatos,atqueoltimodelesentreguesuaprova,assinandotermorespectivo.

    Aosair,vocentregaraofiscalafolhaderespostaseestecaderno,podendolevarapenasorascunhodegabarito,localizadoemsuacarteira,parafuturaconferncia.

    Atquevocsaiadoprdio,todasasproibieseorientaescontinuamvlidas.

    AguArde A ordem do fiscAl pArA Abrir este cAderno de questes.

    20.01.2013

  • 3 PCSP1201/001-PeritoCriminal

    03. Sem que haja alterao do sentido original do texto, a passagem ... apesar de os tribunais serem mais lenien-tes com veteranos em transgresses menos graves do que com os no combatentes. pode ser reescrita da seguinte forma:

    (A) ... embora os tribunais sejam mais brandos com veteranos em transgresses menos graves do que com os no combatentes.

    (B) ... mesmo que os tribunais sejam mais rigorosos com veteranos em transgresses menos graves do que com os no combatentes.

    (C) ... no obstante os tribunais sejam mais controladores com veteranos em transgresses menos graves do que com os no combatentes.

    (D) ... ainda que os tribunais sejam mais intransigentes com veteranos em transgresses menos graves do que com os no combatentes.

    (E) ... caso os tribunais sejam mais cautelosos com vete-ranos em transgresses menos graves do que com os no combatentes.

    04. Assinale a alternativa correta quanto concordncia verbal e colocao pronominal, de acordo com a norma--padro.

    (A) Em sua dissertao, Jason Lindo e Charles Stoecker expem que se manifestam at hoje, na vida civil dos soldados dos EUA, a violncia vivida e praticada por estes no Vietn.

    (B) Se manifesta at hoje, na vida civil dos soldados dos EUA, a violncia vivida e praticada por eles no Vietn, segundo expem Jason Lindo e Charles Stoecker em sua dissertao.

    (C) Em sua dissertao, Jason Lindo e Charles Stoecker expe que manifesta-se at hoje, na vida civil dos sol-dados dos EUA, a violncia vivida e praticada por estes no Vietn.

    (D) Se manifestam at hoje, na vida civil dos soldados dos EUA, a violncia vivida e praticada por eles no Vietn, segundo expe Jason Lindo e Charles Stoecker em sua dissertao.

    (E) Manifesta-se at hoje, na vida civil dos soldados dos EUA, a violncia vivida e praticada por eles no Vietn, segundo Jason Lindo e Charles Stoecker expem em sua dissertao.

    conhecimentos GeRAis

    Lngua Portuguesa

    Leia o texto para responder s questes de nmeros 01 a 05.

    Veteranos criminosos

    A Guerra do Vietn se faz presente at hoje. De acordo com uma dissertao de Jason Lindo e Charles Stoecker, a vio-lncia vivida e praticada pelos soldados dos EUA no Vietn se manifesta at hoje em sua vida civil. A probabilidade de um veterano branco ser preso por um crime violento sig-nificativamente mais alta do que para algum que no tenha sido convocado naquele perodo apesar de os tribunais serem mais lenientes com veteranos em transgresses menos graves do que com os no combatentes.

    Os autores do texto presumem que o trauma de guerra no modifica tanto a personalidade, mas diminui o limiar do senso de violncia dos ex-soldados. Desde os anos 1960, o Exrcito dos Estados Unidos vem promovendo o Programa de Dessen-tivizao um esforo para aumentar o limite do que supor-tvel para os ex-soldados. Isso feito especialmente por meio de simulaes de guerra muito realistas, o inimigo se parece com um iraquiano.

    (Geo, N. 40, 2012)

    01. Em conformidade com a norma-padro da lngua portu-guesa, a lacuna na ltima frase do texto deve ser preen-chida com:

    (A) nas quais.

    (B) aonde.

    (C) para a qual.

    (D) que.

    (E) cujo.

    02. A ideia central do texto que os veteranos de guerra

    (A) levam uma vida normal aps a exposio violncia intensa.

    (B) preferem ser presos a tornarem-se pessoas menos violentas.

    (C) so mais propensos a desenvolver comportamento violento.

    (D) praticam atos violentos estritamente nos perodos de guerra.

    (E) tm o senso de violncia mais equilibrado depois de irem guerra.

    332412

  • 4PCSP1201/001-PeritoCriminal

    Leia o texto para responder s questes de nmeros 07 a 09.

    dcadas tenho privado com alcolatras em v-rios estgios de dependncia. Todos resistentes a tratamento. Um deles nem admitia o assunto, mesmo quando os vmitos matinais de sangue j tornavam sua situao desesperadora. A eventualidade de uma internao, com a interrupo do for-necimento de bebida, lhe era intolervel.

    Quando se trata de lcool, a dependncia leva anos para se instalar, durante os quais o bebedor tem tempo para constituir famlia, aprender um ofcio e afirmar-se profissionalmente at que a progresso da doena acabe com tudo. vezes, uma ltima centelha de conscincia faz procurar ajuda. Se esta a tempo, e o processo destrutivo for interrompido e controlado, a pessoa, com esforo e sorte, pode retomar sua vida e tentar devolv-la ao que era antes de a dependncia ter se instalado.

    (Ruy Castro, Sem comeo ou meio. Folha de S.Paulo, 17.10.2012. Adaptado)

    07. De acordo com a norma-padro da lngua portuguesa, as lacunas do texto devem ser preenchidas, respectivamente, com:

    (A) H ... s ... o ... vier

    (B) ... s ... o ... vir

    (C) ... As ... lhe ... veio

    (D) A ... s ... o ... vir

    (E) H ... As ... lhe ... vim

    08. Assinale a alternativa correta quanto pontuao e colo-cao pronominal.

    (A) Um deles, mesmo quando os vmitos matinais de sangue j tornavam-lhe a situao desesperadora nem admitia o assunto.

    (B) Um deles, mesmo quando os vmitos matinais de sangue j lhe tornavam a situao desesperadora, nem admitia o assunto.

    (C) Um deles, mesmo quando os vmitos matinais de sangue j lhe tornavam a situao desesperadora nem admitia o assunto.

    (D) Um deles mesmo quando os vmitos matinais de sangue j tornavam-lhe a situao desesperadora nem admitia o assunto.

    (E) Um deles mesmo quando os vmitos matinais de san-gue j lhe tornavam a situao desesperadora, nem admitia o assunto.

    05. Observe os enunciados:

    A Guerra do Vietn se faz presente at hoje. A probabilidade de um veterano branco ser preso

    por um crime violento significativamente mais alta do que...

    Os advrbios em destaque expressam, respectivamente, circunstncias de

    (A) lugar e modo.

    (B) tempo e intensidade.

    (C) modo e intensidade.

    (D) tempo e causa.

    (E) tempo e modo.

    06. Leia a charge.

    BRASIL FICA EM 22. LUGARNO RANKING DE MEDALHAS!

    PARA UM PAS QUE 88. LUGAR EM EDUCAO,

    84. NO DESENVOLVIMENTOHUMANO E 72. EM INCLUSO

    DIGITAL,EST MUITO BOM!

    (Dirio Catarinense, 14.08.2012)

    Na perspectiva da personagem, o desempenho do Brasil no ranking das medalhas nas Olimpadas est muito bom, porque

    (A) os esportes tm resultados excepcionais, assim como aqueles obtidos na educao, no IDH e na incluso digital.

    (B) o resultado est aqum do que o pas obtm na qua-lidade da educao, no IDH e na incluso digital.

    (C) melhor ter um desempenho pior nos esportes, mas melhor em qualidade da educao, IDH e incluso digital.

    (D) isso equipara os resultados nos esportes aos que o pas tem em qualidade da educao, IDH e incluso digital.

    (E) o resultado superior aos obtidos na educao, no IDH e na incluso digital.

  • 5 PCSP1201/001-PeritoCriminal

    noes de direito

    11. No crime de Induzimento, Instigao ou Auxlio a Suic-dio, a pena aumentada

    (A) em dois teros, se o agente tiver aumentada, por qual-quer causa, a capacidade fsica de ofensa.

    (B) pela metade, se o crime for praticado por motivo torpe.

    (C) em dobro, se o crime for praticado por motivo egos-tico.

    (D) em trs quartos, se o crime for praticado por motivo ftil.

    (E) em um tero, se a vtima for menor.

    12. Joo, maior de dezoito anos, empurra por brincadeira Antonio, seu amigo, do topo de uma escada, causando-lhe a morte. Havendo circunstncias que evidenciem no haver Joo desejado o resultado morte, tampouco assu-mido o risco de produzi-lo, responder pelo crime de

    (A) Homicdio Privilegiado.

    (B) Leso Corporal Culposa.

    (C) Homicdio Doloso Tentado.

    (D) Leso Corporal Seguida de Morte.

    (E) Homicdio Culposo.

    13. O crime de Falsidade de Atestado Mdico tem por su- jeito(s) ativo(s)

    (A) o mdico, no exerccio de sua profisso.

    (B) qualquer pessoa.

    (C) o mdico, o dentista, o farmacutico e o psiclogo.

    (D) o mdico, dentro e fora do exerccio de sua profisso.

    (E) qualquer pessoa, quando o crime cometido com o fim lucrativo.

    09. Assinale a alternativa correta quanto regncia nominal e verbal.

    (A) Quando o bebedor tem conscincia que precisa de ajuda, no se ope interromper e controlar o processo destrutivo, o que lhe permitir retomar o ritmo de uma vida saudvel.

    (B) Quando o bebedor tem conscincia de que precisa de ajuda, no se ope de interromper e controlar o pro-cesso destrutivo, o que o permitir retomar o ritmo de uma vida saudvel.

    (C) Quando o bebedor tem conscincia que precisa de ajuda, no se ope em interromper e controlar o pro-cesso destrutivo, o que lhe permitir retomar o ritmo de uma vida saudvel.

    (D) Quando o bebedor tem conscincia de que precisa de ajuda, no se ope a interromper e controlar o processo destrutivo, o que lhe permitir retomar o ritmo de uma vida saudvel.

    (E) Quando o bebedor tem conscincia de que precisa de ajuda, no se ope contra interromper e controlar o processo destrutivo, o que o permitir retomar o ritmo de uma vida saudvel.

    10. O ltimo voo dos nibus espaciais j aconteceu. E dei-xou um gosto amargo na boca dos fs da explorao espa-cial. O que acontece agora? Em uma palavra: nada. Todas aquelas ideias de concluir a construo de uma estao espacial e ento us-la como espaoporto e campo de pro-vas, antes do lanamento de tripulaes na direo da Lua e Marte, culminando com a efetiva colonizao do sistema solar, se esvaram pelo ralo. Ficaram s na promessa. o fim da era espacial como a conhecemos.

    (Superinteressante, agosto de 2011)

    No texto, est empregada em sentido figurado a expresso

    (A) ralo, significando escoamento de resduos.

    (B) voo, significando viagem perigosa.

    (C) gosto amargo, significando dissabor.

    (D) estao espacial, significando devaneio humano.

    (E) colonizao, significando explorao desenfreada.

  • 6PCSP1201/001-PeritoCriminal

    17. Sobre a disciplina dada pelo Cdigo de Processo Penal a respeito dos indcios, e dos funcionrios da justia, assi-nale a alternativa correta.

    (A) Considera-se ponto incontroverso a circunstncia co-nhecida e provada que, tendo ou no relao com o fato, autorize, por induo ou por deduo, concluir--se a existncia de outras circunstncias.

    (B) Nenhuma prescrio sobre suspeio e impedimento dos juzes, membros do Ministrio Pblico e advo-gados estende-se aos serventurios e funcionrios da justia.

    (C) Todas as prescries sobre suspeio e impedimento dos juzes, membros do Ministrio Pblico e advo-gados estendem-se aos serventurios e funcionrios da justia.

    (D) Considera-se indcio a circunstncia conhecida e provada que, tendo relao com o fato, autorize, por induo, concluir-se a existncia de outra ou outras circunstncias.

    (E) Considera-se indcio a circunstncia conhecida, porm no provada que, tendo relao com o fato, autorize, por deduo, concluir-se a existncia de outras circuns-tncias.

    18. Sobre os peritos e intrpretes, o Cdigo de Processo Penal dispe que

    (A) as partes no podem intervir na nomeao do perito.

    (B) os peritos oficiais esto sujeitos disciplina judiciria, enquanto os peritos no oficiais sujeitam-se apenas em determinados casos previstos em legislao prpria.

    (C) os que tiverem prestado depoimento no processo ou opinado anteriormente sobre o objeto da percia podero servir como peritos.

    (D) o perito nomeado pela autoridade poder ou no aceitar o encargo, independentemente de declarao de motivo.

    (E) os intrpretes no so, para todos os efeitos, equipa-rados aos peritos.

    14. Em relao ao crime de Advocacia Administrativa, correto afirmar que

    (A) no necessrio, para algum figurar como sujeito ativo do crime, ser bacharel em Direito tampouco possuir a qualidade de funcionrio pblico.

    (B) no necessrio, para algum figurar como sujeito ativo do crime, ser bacharel em Direito, regularmente inscrito na Ordem dos Advogados do Brasil.

    (C) necessrio, para algum figurar como sujeito ativo do crime, ser bacharel em Direito, porm no requi-sito sua inscrio na Ordem dos Advogados do Brasil.

    (D) qualquer pessoa pode figurar como sujeito ativo do crime, ainda que no ostente a qualidade de funcio-nrio pblico.

    (E) necessrio, para algum figurar como sujeito ativo do crime, ser bacharel em Direito, regularmente ins-crito na Ordem dos Advogados do Brasil.

    15. O autor do crime de Furto ter sua pena aumentada de um tero se o delito for praticado

    (A) mediante emprego de chave falsa.

    (B) mediante concurso de duas ou mais pessoas.

    (C) mediante abuso de confiana, fraude, escalada ou destreza.

    (D) mediante destruio ou rompimento de obstculo subtrao da coisa.

    (E) durante o repouso noturno.

    16. Sobre o exame de corpo de delito e outras percias, assinale a alternativa correta.

    (A) Tratando-se de percia complexa que abranja mais de uma rea de conhecimento especializado, impor-se- a atuao de mais de dois peritos oficiais, sendo vedado parte indicar mais de um assistente tcnico.

    (B) Na falta de perito oficial, o exame ser realizado por 2 (duas) pessoas idneas, portadoras de diploma de curso superior, necessariamente na rea especfica, dentre as que tiverem habilitao tcnica relacionada com a natureza do exame.

    (C) Sero facultadas ao Ministrio Pblico, ao assistente de acusao, ao ofendido, ao querelante e ao acusa-do a formulao de quesitos e indicao de assistente tcnico.

    (D) O exame de corpo de delito ser realizado por perito oficial, obrigatoriamente portador de diploma do curso superior em Medicina.

    (E) Quando a infrao deixar vestgios, ser facultada ao juiz a determinao da realizao do exame de corpo de delito, direto ou indireto, podendo tal exame ser suprido pela confisso do acusado.

  • 7 PCSP1201/001-PeritoCriminal

    noes de CriminoLogia

    21. Assinale a alternativa correta, a respeito da Criminologia.

    (A) Constitui seu objeto a anlise apenas do delito e do delinquente, ficando o estudo da vtima sob a alada da psicologia social.

    (B) So caractersticas fundamentais de seu mtodo o dogmatismo e a intervencionalidade.

    (C) uma tcnica de investigao policial, que faz parte das Cincias Jurdicas.

    (D) So suas finalidades a explicao e a preveno do crime bem como a interveno na pessoa do infra-tor e avaliao dos diferentes modelos de resposta ao crime.

    (E) uma cincia dogmtica e normativista, que se ocu-pa do estudo do crime e da pena oriunda do compor-tamento delitivo.

    22. Assinale a alternativa correta.

    (A) A Teoria do Controle postula que o crime ocorre como resultado de um equilbrio entre os impulsos em direo atividade criminosa e os controles ticos ou morais que a detm. Interessa-se principalmente pelas motivaes que os indivduos possuem para executar os crimes.

    (B) A Escola de Buffalo o bero da moderna Sociologia americana.

    (C) A moderna Sociologia Criminal contempla o fato delitivo invariavelmente como fenmeno natural e pretende explic-lo em funo de um determinado marco jurdico.

    (D) A Teoria Estrutural-Funcionalista explica o efeito crimingeno das grandes cidades, valendo-se dos conceitos de desorganizao e contgio inerentes aos modernos ncleos urbanos e, sobretudo, invocando o debilitamento do controle social nestes ncleos.

    (E) Teorias do Conflito, tradio na Sociologia Criminal norte-americana, pressupem a existncia, na socie-dade, de uma pluralidade de grupos e subgrupos que, eventualmente, apresentam discrepncias em suas pautas valorativas.

    19. Sobre os crimes previstos no Cdigo de Trnsito Brasi-leiro, correto afirmar que

    (A) a participao do condutor em corrida, disputa ou competio automobilstica no autorizada, ainda que no resulte dano potencial incolumidade pblica, configura crime de trnsito.

    (B) o condutor do veculo que, na ocasio do acidente, deixar de socorrer a vtima, desde que de morte ins-tantnea, no responder por crime de trnsito.

    (C) o Cdigo pune a prtica de homicdio doloso ao volante.

    (D) a direo de veculo automotor, em via pblica, sem a devida Permisso para Dirigir ou Habilitao ou, ainda, se cassado o direito de dirigir, mesmo que no gere perigo de dano, configura crime de trnsito.

    (E) o condutor do veculo que, na ocasio do acidente, deixar de socorrer a vtima, ainda que com ferimentos leves, responder por omisso de socorro.

    20. Nos termos da Lei Complementar Estadual n. 1.151, de 25 de outubro de 2011, o cargo de Superintendente da Polcia Tcnico-Cientfica, de provimento em comisso, ser ocupado

    (A) por integrante da carreira de Delegado de Polcia, nos termos da lei.

    (B) alternadamente, por integrante das carreiras de M-dico Legista e Perito Criminal, nos termos da lei.

    (C) alternadamente, por integrante das carreiras de M-dico Legista, Perito Criminal e Delegado de Polcia, nos termos da lei.

    (D) por integrante da carreira de Perito Criminal, nos termos da lei.

    (E) por integrante da carreira de Mdico Legista, nos termos da lei.

  • 8PCSP1201/001-PeritoCriminal

    23. Assinale a alternativa correta.

    (A) No modelo clssico (tradicional) de Justia Criminal, a vtima encarada como mero objeto, pois dela se espera que cumpra seu papel de testemunha, com to-dos os inconvenientes e riscos que isso acarreta.

    (B) A Vitimologia no possui relao com a Sociologia.

    (C) A Vitimologia no estuda a vtima e suas relaes com o infrator e com o sistema de persecuo criminal.

    (D) A Vitimologia no possui relao com a Criminologia.

    (E) No modelo clssico (tradicional) de Justia Criminal, a vtima encarada como sujeito passivo da relao jurdica, pois dela se espera que cumpra seu papel de ofendido, com todos os direitos e deveres que isso acarreta.

    24. As melhoras da educao, do processo de socializao, da habitao, do trabalho, do bem-estar social e da qualidade de vida das pessoas de uma determinada comunidade so os elementos essenciais de um programa de preveno

    (A) terciria.

    (B) quinria.

    (C) secundria.

    (D) primria.

    (E) quaternria.

    25. A moderna Criminologia

    (A) tem por seus protagonistas o delinquente, a vtima e a comunidade.

    (B) vislumbra o delito como enfrentamento formal, sim-blico e direto entre dois rivais o Estado e o infrator que se enfrentam, isolados da sociedade, seme-lhana da luta entre o bem e o mal.

    (C) no considera como seu objeto de debate os aspectos poltico-criminais das tcnicas de interveno social e de seu controle.

    (D) tem o castigo do infrator por exaurimento das expecta-tivas que o fato delitivo desencadeia.

    (E) tem por seus principais objetivos a reparao do dano causado ao Estado, a ressocializao do delinquente e a represso do crime.

    LgiCa

    26. Cinco jogadores de futebol, Mrio, Nei, Paulo, Ra e Tito, esto disputando uma vaga no time titular. O treinador estipulou que quem marcasse mais gols de pnaltis ganha-ria a vaga. Sabe-se que

    Mrio marcou menos que Nei;

    Paulo e Ra marcaram o mesmo nmero de gols;

    Tito marcou mais que Nei;

    no houve empates no primeiro lugar.

    Pode-se afirmar que quem ganhou a vaga foi(A) Nei.(B) Tito.(C) Mrio.(D) Paulo.(E) Ra.

    27. Em uma empresa, as funes de diretor, programador e gerente so ocupadas por Ciro, Dario e der, no necessa-riamente nesta ordem. O programador, que filho nico, o mais velho dos trs. der, que se casou com a irm de Dario, mais novo que o diretor. Pode-se concluir que(A) der o programador.(B) Dario o gerente.(C) der o diretor.(D) Ciro o diretor.(E) Ciro o programador.

    28. Andr tem um conjunto de cartas. Cada carta tem apenas um nmero em uma das faces e a foto de apenas um animal na outra. Andr disps quatro cartas sobre a mesa com as seguintes faces expostas: cisne, gato, nmero 7 e nmero 10, como se mostra:

    cisne gato

    7 10

    A B C D

    Andr disse: Se na face de uma carta h um nmero par, ento no verso h um animal mamfero.

    Para verificar se a afirmao de Andr est correta, (A) suficiente que se verifiquem os versos das cartas B e C. (B) suficiente que se verifiquem os versos das cartas A e C. (C) suficiente que se verifiquem os versos das cartas A e D. (D) suficiente que se verifiquem os versos das cartas B e D. (E) necessrio que se verifiquem os versos das quatro

    cartas.

  • 9 PCSP1201/001-PeritoCriminal

    R A s c U n h o29. Observe a sequncia de tringulos a seguir:

    E

    A V

    A

    V E

    V

    E A

    E

    A V

    A

    V E

    V

    E A

    Admitindo que a regularidade dessa sequncia se mante-nha para os prximos tringulos, correto afirmar que a 120.a figura ser igual a

    (A)

    (B)

    (C)

    (D)

    (E)

    30. Todo bilogo estudioso. Existem esportistas que so estudiosos. Ana biloga e Jlia estudiosa. Pode-se, ento, concluir que

    (A) Ana estudiosa e Jlia esportista.

    (B) Ana estudiosa e Jlia pode no ser biloga nem esportista.

    (C) Ana esportista e Jlia biloga.

    (D) Ana tambm esportista e Jlia pode no ser biloga nem esportista.

    (E) Ana pode ser tambm esportista e Jlia biloga.

    V

    E A

    A

    V E

    A

    V E

    E

    A V

    V

    E A

  • 10PCSP1201/001-PeritoCriminal

    informtiCa

    31. Observe a barra de tarefas do MS-Windows 7 instalado na sua configurao padro exibida na figura:

    Y

    X

    PT15:50

    20/10/1012

    PT

    Ao se clicar com o boto secundrio do mouse sobre o MS-Word, indicado por X, e com o boto principal do mouse sobre a seta, indicada por Y, sero exibidos(as), respectivamente:(A) lista de ferramentas, incluindo o verificador de orto-

    grafia e gramtica; indicao de novas atualizaes disponveis.

    (B) opo de fechar a janela do MS-Word; Windows Media Player.

    (C) lista de programas do boto Iniciar; cone para remover hardware e ejetar mdia com segurana.

    (D) lista de atalhos para os documentos abertos recente-mente; gerenciador da rea de notificao da barra de tarefas.

    (E) opo de fixar o programa MS-Word na barra de tarefas; Internet Explorer.

    32. O Controle de Conta de Usurio (UAC) do MS-Windows 7 um recurso que auxilia a manter o controle do computa-dor, informando ao usurio quando um programa faz uma alterao que exige permisso em nvel de administrador.Relacione corretamente o cone de notificao de permisso do UAC com sua respectiva descrio.

    cone Descrio

    I. x) O usurio foi impedido pelo administrador do sistema de executar o programa.

    II. y) Um programa com um fornecedor desco-nhecido precisa de permisso para iniciar.

    III. w) Um programa que no faz parte do Windows precisa de permisso para iniciar.

    IV. z) Uma configurao ou um recurso que faz parte do Windows precisa de permisso para iniciar.

    Assinale a relao correta.(A) I-x; II-w; III-z; IV-y.(B) I-y; II-x; III-w; IV-z.(C) I-z; II-w; III-y; IV-x.(D) I-w; II-y; III-z; IV-x.(E) I-w; II-z; III-x; IV-y.

    33. No MS-Word 2010, a partir da sua configurao padro, para personalizar uma marca dgua em um documento que est sendo editado, deve-se acessar o menu

    (A) Inserir, grupo Configurar Pgina.

    (B) Layout de Pgina, grupo Ilustraes.

    (C) Inserir, grupo Ilustraes.

    (D) Inserir, grupo Plano de Fundo de Pgina.

    (E) Layout de Pgina, grupo Plano de Fundo de Pgina.

    34. Observe a planilha do MS-Excel 2010, em sua configura-o original:

    B1

    A B

    1 Nota do 1. Bimestre: 11

    Nota

    Digite a nota

    do 1.

    Bimestre

    Nota invlida

    Repetir Cancelar Ajuda

    Erro na digitao da nota

    2

    3

    4

    5

    C D

    fx 11

    Os critrios de validao de dados da caixa Permitir esto exibidos na prxima figura:

    Validao de dados

    Configuraes

    Critrio de validao

    Permitir:

    Limpar tudo OK Cancelar

    Qualquer valor Ignorar em branco

    Qualquer valor

    Nmero inteiro

    Decimal

    Lista

    Data

    Hora

    Personalizado

    Comprimento do texto

    Aplicar alteraes a todas as clulas com as mesmas configuraes

    Mensagem de entrada Alerta de erro

    Dentre os critrios apresentados, assinale qual foi utilizado na clula B1.

    (A) Lista.

    (B) Qualquer valor.

    (C) Decimal.

    (D) Valor inteiro.

    (E) Comprimento do texto.

  • 11 PCSP1201/001-PeritoCriminal

    35. Observe o banco de dados construdo no MS-Access 2010, em sua configurao padro, e apresentado parcial-mente na figura.

    Principal Ativos

    Ativos

    ID NomeCompleto

    Item Logon

    Local

    Fabricante

    Modelo

    Comentrios

    DataDaRetirada

    DataDaAquisio

    ValorAtual

    Condio

    Categoria

    Anexos

    IDProprietrio

    Nome Email

    Sobrenome

    Campo: Ativos.*

    Ativos

    Proprietrio: NomeCompleto pesquisvel: [Item] & * * & [Categoria]

    (no classificado)

    UsuriosTabela:

    Classificao:

    Mostrar:

    Critrios:

    ou:

    ID

    Usurios

    Usurios

    AtivosAbertos Ativos Atuais AtivosEstendidos

    O objeto AtivosEstendidos um(a)(A) Macro.(B) Consulta.(C) Tabela.(D) Formulrio.(E) Relatrio.

    36. Observe a lista de utilitrios do MS-Windows 7, na sua configurao padro, apresentados na figura:

    Bloco de Notas

    Calculadora

    Central de Sincronizao

    Conectar a um Projetor de Rede

    Conectar a um Projetor

    Conexo rea Trabalho Remota

    Executar

    Ferramenta de Captura

    Gravador de Som

    Notas Autoadesivas

    Painel Entrada Expresses

    Paint

    Ponto de Partida

    Prompt de Comando

    Windows Explorer

    Windows Mobility Center

    WordPad

    Assinale a alternativa que contm o local onde os utilit-rios so encontrados.(A) Ferramentas Administrativas.(B) Ferramentas do Sistema.(C) Painel de Controle.(D) Acessrios.(E) Meu Computador.

    37. Considere o argumento de pesquisa no Google, exibido abaixo:

    Assinale a alternativa que preenche corretamente a lacuna da afirmao:

    O termo multithread ser pesquisado na internet site wikipedia.org.

    (A) inclusive no

    (B) priorizando o

    (C) somente no

    (D) considerando o

    (E) exceto no

    38. Na arquitetura TCP/IP, os protocolos que atuam na camada de transporte so

    (A) FTP e UDP.

    (B) TCP e UDP.

    (C) IP e SMTP.

    (D) TCP e IP.

    (E) HTTP e FTP.

    39. Depois de estabelecida a conexo do servidor com a in-ternet, assinale a alternativa com o comando ftp que baixa um arquivo remoto para a mquina do usurio.

    (A) Receive.

    (B) Send.

    (C) Get.

    (D) File.

    (E) Put.

    40. A criptografia hash permite que seja calculado um identi-ficador digital de tamanho fixo, chamado de valor hash, a partir de uma string de qualquer tamanho.

    Assinale a alternativa que contm o algoritmo hash que trabalha com o valor fixo de 20 bytes.

    (A) SHA-1

    (B) SHA-2

    (C) MD2

    (D) MD5

    (E) MD4.0

  • 12PCSP1201/001-PeritoCriminal

    conhecimentos esPecFicos

    BioLogia

    41. Considere a figura a seguir, a qual mostra duas fases da diviso celular mittica, representadas em A e B.

    (A) (B)20 m

    (Molecular Biology of the Cell. Alberts e cols, Garland Science, 5. ed. 2008)

    Com base na figura, correto afirmar que

    (A) os cinetocoros formam estruturas complexas e orga-nizadas na fase de prfase, representada em A, e se separam na fase de anfase, representada em B.

    (B) as fibras do fuso mittico comeam a se separar no incio da fase S, ou de duplicao do DNA, como re-presentado em A, e movem os cromossomos homlo-gos para polos opostos da clula, como representado em B.

    (C) durante a fase G2, ocorre sntese do DNA e os cro-mossomos se concentram na placa metafsica, como representado em A, seguida da separao dos cro-mossomos homlogos, como representado em B.

    (D) na transio da fase de anfase, representada em A, para telfase, representada em B, os nuclolos esto dissociados e as cromtides irms se separam para polos opostos da clula.

    (E) na transio da fase de metfase, representada em A, para anfase, representada em B, as cromtides irms se separam e se movem para polos opostos do fuso mittico.

    42. As moscas das espcies Hemilucilia semidiaphana e Hemilucilia segmentaria so necrfagas e de comporta-mento e morfologia muito similares, porm diferem em suas taxas de crescimento e maturao. Ambas as espcies podem se apresentar em simpatria, em ambientes flores-tais naturais, e desse modo ambas podem colonizar um mesmo corpo em decomposio.

    Considerando a entomologia forense, pode-se afirmar cor-retamente que essas espcies sero teis para

    (A) se caracterizar o local onde o corpo foi encontrado, mas no o intervalo ps-morte, pois a semelhana morfolgica e comportamental entre as espcies im-plica apresentarem, ao mesmo tempo, a mesma se-quncia de estgios imaturos at que cheguem fase adulta, o que no permite estimar o intervalo de tem-po transcorrido entre a morte e o encontro do corpo.

    (B) a investigao, quando se puder identificar a qual ou quais espcies pertencem as formas imaturas presen-tes no corpo em decomposio, condio na qual se poder estimar o intervalo ps-morte.

    (C) a investigao, quando ambas as espcies forem en-contradas no mesmo corpo em decomposio, pois, ainda que no se identifiquem as espcies, a presena de diferentes estgios imaturos desse gnero permiti-r estimar o intervalo ps-morte.

    (D) se caracterizar o local onde o corpo foi encontrado, mas no o intervalo ps-morte, pois as diferenas nas taxas de crescimento entre as espcies no permitem que se faam estimativas sobre o intervalo de tempo transcorrido entre a morte e o encontro do corpo.

    (E) a investigao, se no corpo em decomposio estiver se desenvolvendo somente uma das espcies do gne-ro, situao na qual as formas imaturas se apresenta-ro no mesmo estgio de desenvolvimento, permitin-do estimar o intervalo ps-morte.

    43. Considere uma folha de uma planta helifila e seus dife-rentes pigmentos fotossintetizantes.

    Pode-se afirmar corretamente que a taxa de fotossntese nessa folha ser maior quando iluminada com luz

    (A) amarelo-laranja.

    (B) verde.

    (C) azul-violeta.

    (D) branca.

    (E) vermelha.

  • 13 PCSP1201/001-PeritoCriminal

    44. Considere o texto e a figura para responder questo.

    Em se tratando de ossadas, as percias buscam identificar a espcie, o sexo, a idade, a estatura e o tipo racial. O pre-sente trabalho teve por objetivo a determinao do sexo de esqueletos humanos, atravs de um estudo quantitativo, em que foram realizadas medies de algumas grandezas lineares dos ossos da pelve, (...). Atravs dos intervalos de confiana, os resultados revelaram que as variveis: primeira vrtebra sacral (largura), dimetro vertical do acetbulo, dimenso do forame obturador (comprimento) e incisura isquitica maior (profundidade) so boas discri-minadoras (...).

    (Determinao do sexo atravs de medies em ossos da pelve de esqueletos humanos. Romildo Rabbi. Unicamp, 2000)

    1

    2

    6

    54

    3

    (www.medicinadoquadril.com.br. Adaptado)

    As vertebras sacrais, o acetbulo e o forame obturador, aos quais o texto se refere, esto indicados, respectivamente, pelos nmeros

    (A) 1, 4 e 3.

    (B) 2, 5 e 3.

    (C) 1, 2 e 3.

    (D) 2, 3 e 4.

    (E) 6, 4 e 3.

    45. Considere o trecho a seguir.

    A engrenagem da farsa

    Lance Armstrong, alm de usar substncias proibidas, forneceu a seus companheiros de equipe ampolas de EPO (...). Foi o arquiteto do esquema de contrafao.

    (Veja, edio 2293, outubro, 2012. Adaptado)

    A reportagem trata do caso de Lance Armstrong, ciclista recordista norte-americano pego em exame antidoping. O atleta fazia uso da EPO, uma verso sinttica do horm-nio eritropoietina, naturalmente produzido nas glndulas suprarrenais.

    Em situaes como a descrita, a verso sinttica do hor-mnio eritropoietina usada para

    (A) retardar a produo de glbulos vermelhos.

    (B) aliviar a dor provocada pelo esforo fsico.

    (C) aumentar a capacidade respiratria.

    (D) reduzir a oxigenao das fibras musculares.

    (E) manter inalterados os nveis de cido ltico.

    46. Analise a figura.

    mRNA expresso no msculo estriado

    DNA

    mRNA expresso no msculo liso

    mRNA expresso em fibroblastos

    mRNA expresso em fibroblastos

    mRNA expresso no crebro

    Molculas de RNA mensageiro (mRNA)

    5'

    5'

    5'

    5'

    5'

    3'

    3'

    3'

    3'

    3'

    gene alfa-tropomiosina

    (Molecular Biology of the Cell. Alberts e outros, Garland Science, 5. ed. 2008. Adaptado)

    Pode-se afirmar corretamente que a figura representa o mecanismo de

    (A) metilao do DNA.

    (B) translocao cromossmica.

    (C) splicing alternativo.

    (D) recombinao homloga.

    (E) traduo.

  • 14PCSP1201/001-PeritoCriminal

    47. A figura apresentada a seguir um esquema representati-vo da herana de um gene que causa uma doena gentica, ligado a um polimorfismo no DNA.

    - - -++

    ++

    +++- - - -

    Par decromossomos

    da me

    Par decromossomos

    do pai

    Gene causadorda doena

    Gene causador da doena

    Marcador gentico(poliformismo)

    vulo espermatozoide

    Descendentes

    Marcador gentico

    (Molecular Biology of the Cell. Alberts e outros, Garland Science, 5. ed. 2008. Adaptado)

    Analisando a figura, pode-se chegar corretamente con-cluso de que

    (A) o polimorfismo est localizado distante do gene que causa a doena, o que justifica este ter sido co-herdado por 75% da descendncia.

    (B) o gene que causa a doena co-herdado com o mar-cador polimrfico da me, em 75% da descendncia afetada.

    (C) o gene que causa a doena pode sofrer recombinao no homloga com o polimorfismo, o que justifica a distribuio da doena na descendncia.

    (D) a deteco do polimorfismo indica a presena do gene da doena em 100% da descendncia afetada.

    (E) o gene que causa a doena co-herdado por 50% da descendncia.

    48. Sequncias herdadas no genoma humano podem ser utili-zadas na identificao de indivduos em cincia forense. A figura mostra sequncias (representadas por locus 1, locus 2 e locus 3) que foram amplificadas, pela reao em cadeia da polimerase (PCR), em diferentes cromossomos homlogos. As amostras foram em seguida submetidas eletroforese em gel de agarose e obteve-se o padro de bandas observado no esquema. As amostras A, B e C so amostras de sangue encontradas nas roupas de trs suspei-tos de um crime. A amostra F uma amostra de sangue da vtima.

    locus 1

    locus 2

    locus 3PCR

    A35

    30

    25

    20

    15

    10

    5

    B C F

    PCR PCR PCR

    (Molecular Biology of the Cell. Alberts e outros, Garland Science, 5. ed. 2008)

    Pode-se afirmar corretamente que as sequncias utilizadas nessa anlise so

    (A) sequncias genmicas codantes, e portanto permitem excluir os suspeitos A e C, mas no permitem afir-mar que o indivduo B esteja associado ao crime em questo.

    (B) stios de metilao ou ilhas CpG, que permitem afir-mar que qualquer um dos suspeitos pode ser asso-ciado ao crime em questo, uma vez que bandas no sangue da vtima coincidem com algumas bandas das amostras recolhidas nos trs suspeitos.

    (C) regies no repetitivas ou intrnicas, as quais no permitem identificar o sangue nas roupas dos suspei-tos como sendo da vtima em questo.

    (D) nmero varivel de repeties em tandem, que permi-tem afirmar que o sangue na roupa do suspeito B da vtima, assim como o sangue nas roupas dos demais suspeitos no da vtima em questo.

    (E) regies de perda de heterozigose, as quais permitem afirmar que o sangue na roupa do suspeito B da v-tima, mas no permite excluir a possibilidade de as outras amostras de sangue tambm o serem.

  • 15 PCSP1201/001-PeritoCriminal

    50. A figura a seguir apresenta um Vrtice de Extino, repre-sentao grfica de uma situao na qual uma populao pequena est sujeita a fatores que a conduzem a tamanhos populacionais cada vez menores, at que no existam mais indivduos na populao, agora extinta.

    Populaopequena

    1 2

    3

    5

    6

    4

    Populaopequena

    (Campbell & Reece, Biologia. Artmed, 8. edio, 2010. Adaptado)

    Sobre os blocos numerados da figura, os quais represen-tam os fatores que contribuem para levar a populao extino, pode-se afirmar corretamente que se

    (A) o bloco 3 representa a perda de variabilidade gentica, ento o bloco 4 representa a reduo na adaptabilidade mdia da populao e os blocos 5 e 6 representam re-duo na reproduo e aumento na mortalidade.

    (B) os blocos 1 e 2 representam a reduo no valor adap-tativo individual e a reduo no valor adaptativo m-dio da populao, ento o bloco 3 representa a deriva gentica e o bloco 4 representa aumento da taxa de endocruzamentos.

    (C) o bloco 4 representa perda de variabilidade gentica, ento os blocos 5 e 6 representam deriva gentica e aumento da taxa de endocruzamentos.

    (D) o bloco 3 representa deriva gentica, ento o bloco 4 representa aumento na mortalidade e os blocos 5 e 6 representam reduo do valor adaptativo individual e reduo do valor adaptativo mdio da populao.

    (E) os blocos 1 e 2 representam a reduo na reproduo e o aumento na mortalidade, ento o bloco 3 repre-senta a perda de variabilidade gentica e o bloco 4 representa a endogamia.

    49. Considere a figura.

    Australopithecusafarensis

    proconsul

    HomoerectusHomo

    habilis

    Homoneanderthalensis

    Homosapiens

    (http:///darwinismo.files.wordpress.com.br. Adaptado)

    Sobre a adequao da figura para representar a evoluo humana, correto afirmar que

    (A) adequada, pois apresenta as diferentes espcies em sequncia cronolgica, indicando que cada espcie a ancestral da espcie seguinte, caracterizando a evo-luo linear e progressiva caracterstica da evoluo dos homindeos.

    (B) inadequada, uma vez que no representa a cronologia correta de aquisio de algumas caractersticas pr-prias da linhagem dos homindeos, como o aumento da caixa craniana, que precedeu a aquisio da pos-tura ereta.

    (C) adequada, uma vez que representa a aquisio da pos-tura ereta gradualmente e concomitantemente aqui-sio de caixa craniana de maior volume, tal como ocorreu ao longo da evoluo dos homindeos.

    (D) adequada, pois apresenta cada espcie como sendo a nica espcie de homindeo vivente poca, in-dicando que ao longo da evoluo dos homindeos no houve a situao de espcies contemporneas do mesmo gnero.

    (E) inadequada, uma vez que cada espcie representada pode no ser a antecessora ou a ancestral da espcie seguinte, mas sim representantes de suas respectivas linhagens evolutivas.

  • 16PCSP1201/001-PeritoCriminal

    52. A polia dentada do motor de uma motocicleta em movi-mento, tambm chamada de pinho, gira com frequncia de 3 600 rpm. Ela tem um dimetro de 4 cm e nela est acoplada uma corrente que transmite esse giro para a co-roa, solidria com a roda traseira. O dimetro da coroa de 24 cm e o dimetro externo da roda, incluindo o pneu, de 50 cm. A figura a seguir ilustra as partes citadas.

    roda

    coroa

    pinho

    solo

    Use = 3, considere que a moto no derrapa e que a trans-misso do movimento de rotao seja integralmente diri-gida ao seu deslocamento linear.

    A velocidade da moto, em relao ao solo e em km/h, de

    (A) 54.

    (B) 72.

    (C) 90.

    (D) 62.

    (E) 66.

    53. Ao ser expelido do cano de 50 cm de comprimento de uma arma em repouso relativamente ao solo, um projtil leva 0,10 s para percorrer, em linha reta e com velocidade constante, a distncia de 100 m. Supondo que a massa do projtil seja de 25 g e que seu movimento no interior do cano seja realizado com acelerao constante, a intensida-de da fora propulsora resultante sobre ele no interior do cano deve ser, em newtons, de

    (A) 4,0.103.

    (B) 2,5.105.

    (C) 2,5.103.

    (D) 4,0.104.

    (E) 2,5.104.

    fsiCa

    51. O grfico qualitativo da velocidade (v), em funo do tempo (t), da figura a seguir representa o movimento de um carro que se desloca em linha reta.

    v

    0 t

    Considerando que sua posio inicial era o marco zero da trajetria, o correspondente grfico horrio de sua posio (S), em funo do tempo (t),

    (A)

    (B)

    (C)

    (D)

    (E)

    s

    0 t

    s

    0 t

    s

    0 t

    s

    0 t

    s

    0 t

  • 17 PCSP1201/001-PeritoCriminal

    R A s c U n h o54. Em um trecho curvilneo de uma rodovia horizontal, o motorista de determinado veculo, dirigindo em velocida-de excessiva, perdeu o controle da direo e, atravessan-do a pista, caiu na vala que havia alm do acostamento. Chovia muito naquele momento e vrias hipteses foram levantadas para explicar o fato. Em relao a um referen-cial inercial, assinale a alternativa que apresenta a hip-tese correta.

    (A) A repentina diminuio do atrito entre os pneus do carro e o asfalto da pista fez com que ele prosseguisse em linha reta ao invs de completar a curva.

    (B) A potncia do motor do veculo foi insuficiente para corrigir a trajetria original a ser descrita e resultou na derrapagem observada.

    (C) A repentina diminuio do atrito entre os pneus do carro e o asfalto da pista fez com que ele derrapasse para fora da pista descrevendo uma trajetria curvi-lnea.

    (D) A fora centrfuga sobre o carro foi mais intensa que a fora centrpeta e empurrou o carro para fora da pista, seguindo uma trajetria curvilnea.

    (E) A energia cintica do veculo era maior do que a ener-gia potencial elstica da borracha dos pneus, da a derrapagem.

  • 18PCSP1201/001-PeritoCriminal

    O grfico que melhor relaciona a intensidade da fora de trao (F) no cabo do guindaste com o tempo (t) de dura-o da operao

    (A)

    (B)

    (C)

    (D)

    (E)

    F

    0 t t t1 2

    0.

    (D) H > 0 e S < 0.

    (E) H = 0 e S < 0.

    76. O aumento de presso do sistema acarretar maior rendi-mento em produto do equilbrio representado por:

    (A) CaCO3 (s) CaO (s) + CO2 (g)

    (B) CO (g) + O2 (g) CO2 (g)

    (C) C(s) + O2 (g) CO2 (g)

    (D) N2O4 (g) N2 (g) + 2 O2 (g)

    (E) H2O (l) H2O (g)

    77. A tabela seguinte fornece os intervalos de pH de viragem de cor de dois indicadores cido-base a 25 oC. Nessa tem-peratura, o produto inico da gua, Kw, vale 1,0 10

    14.

    IndicadorIntervalo de pH

    de viragemMudana de cor

    Vermelho de metila 4,4 a 6,2Vermelho para amarelo

    Alaranjado de metila 3,0 a 4,5Vermelho para amarelo

    A 25 oC, esses dois indicadores devem apresentar-se com a cor amarela em presena de

    (A) gua destilada e de vinagre.

    (B) gua de cal e de gua destilada.

    (C) suco de limo e de vinagre.

    (D) suco de limo e de gua destilada.

    (E) gua de cal e de vinagre.

    78. A reao de decomposio da gua oxigenada,

    H2O2 (aq) H2O (l) + O2 (g),

    uma reao de oxirreduo na qual o elemento

    (A) oxignio se reduz e o elemento hidrognio se oxida.

    (B) hidrognio se oxida e tambm se reduz.

    (C) oxignio se oxida e o elemento hidrognio se reduz.

    (D) oxignio se oxida e tambm se reduz.

    (E) hidrognio se oxida e o elemento oxignio tambm.

    79. O indicador metalocrmico conhecido como negro de eriocromo T empregado na anlise de clcio por

    (A) volumetria com EDTA.

    (B) volumetria com permanganato.

    (C) volumetria com iodeto.

    (D) gravimetria com sulfato.

    (E) gravimetria com oxalato.

    80. O composto representado pela frmula condensada

    C2H5 (COO) C2H5 um(a)

    (A) cetona.

    (B) ter.

    (C) ster.

    (D) aldedo.

    (E) cido carboxlico.

  • 25 PCSP1201/001-PeritoCriminal

    tAbelA PeRidicA

    90

    232Th

    96

    (247)Cm

    91

    231Pa

    97

    (247)Bk

    92

    238U

    98

    (251)Cf

    101

    (258)Md

    93

    (237)Np

    99

    (252)Es

    102

    (259)No

    94

    (244)Pu

    100

    (257)Fm

    103

    (262)Lr

    89

    (227)Ac

    95

    (243)Am

    1

    2

    3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

    13 14 1615 17

    18

    Nmero Atmico

    Massa Atmica

    ( ) = n. de massa do

    istopo mais estvel

    Smbolo

    o

    1

    1,01H

    3

    6,94Li

    53

    127I

    50

    119Sn

    51

    122Sb

    52

    128Te

    87

    (223)Fr

    88

    (226)Ra

    77

    192Ir

    54

    131Xe

    81

    204Tl

    55

    133Cs

    82

    207Pb

    56

    137Ba

    57-71Srie dos

    Lantandios

    89-103Srie dosActindios

    72

    178Hf

    84

    (209)Po

    73

    181Ta

    85

    (210)At

    74

    184W

    86

    (222)Rn

    75

    186Re

    76

    190Os

    83

    209Bi

    80

    201Hg

    79

    197Au

    78

    195Pt

    Srie dos Lantandios

    58

    140Ce

    64

    157Gd

    59

    141Pr

    65

    159Tb

    60

    144Nd

    66

    163Dy

    69

    169Tm

    61

    (145)Pm

    67

    165Ho

    70

    173Yb

    62

    150Sm

    68

    167Er

    71

    175Lu

    57

    139La

    63

    152Eu

    Srie dos Actindios

    105

    (262)Db

    107

    (264)Bh

    108

    (277)Hs

    109

    (268)Mt

    110

    (271)Ds

    111

    (272)Rg

    106

    (266)Sg

    104

    (261)Rf

    2

    4,00He

    5

    10,8B

    6

    12,0C

    8

    16,0O

    9

    19,0F

    15

    31,0P

    18

    39,9Ar

    31

    69,7Ga

    34

    79,0Se

    37

    85,5Rb

    40

    91,2Zr

    43

    (98)Tc

    46

    106Pd

    49

    115In

    10

    20,2Ne

    14

    28,1Si

    17

    35,5Cl

    30

    65,4Zn

    33

    74,9As

    36

    83,8Kr

    39

    88,9Y

    42

    95,9Mo

    45

    103Rh

    48

    112Cd

    13

    27,0Al

    16

    32,1S

    29

    63,5Cu

    32

    72,6Ge

    35

    79,9Br

    38

    87,6Sr

    41

    92,9Nb

    44

    101Ru

    47

    108Ag

    7

    14,0N

    23

    50,9V

    24

    52,0Cr

    25

    54,9Mn

    26

    55,8Fe

    12

    24,3Mg

    20

    40,1Ca

    19

    39,1K

    27

    58,9Co

    28

    58,7Ni

    21

    45,0Sc

    22

    47,9Ti

    4

    9,01Be

    11

    23,0Na

    (IUPAC, 22.06.2007.)

  • 26PCSP1201/001-PeritoCriminal

  • 001_PeritoCriminal_1Capa_PCSP1201_1

Recommended

View more >