UFCD 0650_MANUAL Organizao do Posto de Trabalho

  • Published on
    27-Nov-2015

  • View
    110

  • Download
    1

Transcript

PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA Organizao do Posto de Trabalho UFCD 0650 Manual de Formao Formadora: Susana Marques Viseu, 2013 PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA ndice Objectivos .................................................................................................................................................3 Benefcios e condies de utilizao do manual ......................................................................................4 Introduo ................................................................................................................................................5 CAPITULO I ..................................................................................................................................................6 Racionalizao do Trabalho ......................................................................................................................6 Conceitos e terminologia da racionalizao do trabalho .....................................................................7 Tipos de actividades e tarefas ..............................................................................................................7 Princpios de racionalizao das actividades de trabalho ....................................................................8 Princpios de trabalho em equipa ........................................................................................................9 CAPITULO II .............................................................................................................................................. 13 Organizao do Posto de Trabalho ....................................................................................................... 13 PRINCPIOS DA ERGONOMIA ............................................................................................................ 14 1 O RUDO....................................................................................................................................... 14 2 A ILUMINAO ............................................................................................................................ 15 3 AS CORES ..................................................................................................................................... 16 4 VENTILAO E TEMPERATURA .................................................................................................... 17 5 AS CADEIRAS E OS APOIOS .......................................................................................................... 17 6 OS APOIOS NA POSIO DE P .................................................................................................... 18 7 AS MESAS E AS SECRETRIAS ...................................................................................................... 19 8 AS PORTAS, OS TECTOS, OS CORREDORES E AS ESTANTES ......................................................... 21 REGRAS DE ECONOMIA DOS MOVIMENTOS ..................................................................................... 22 2 O LAYOUT DO POSTO DE TRABALHO Textos Complementares .............................................. 22 PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA Objectivos Utilizar os princpios bsicos da racionalizao das actividades de trabalho. Utilizar mtodos de organizao do posto de trabalho. Utilizar os princpios de trabalho em equipa. PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA Benefcios e condies de utilizao do manual O presente manual de formao foi elaborado para a 0650 -Organizao do Posto de Trabalho, referencial de formao 543272 - Operador/a de Mquinas de Produo de Artigos em Vidro, rea 543 - Materiais (Indstrias da Madeira, Cortia, Papel, Plstico, Vidro e Outros), Tem por objectivo auxiliar o formando na aquisio de conhecimentos e competncias enunciados nos objectivos: geral e especficos de acordo o referencial de formao. Foi elaborado pela formadora Susana Marques e o mesmo no poder ser reproduzido sem autorizao da mesma e respectiva entidade formadora. PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA Introduo Nesta UFCD, vamos abordar algumas noes bsicas de organizao do trabalho. A importncia do trabalho para o bem de cada um, da sociedade e da nao. Considerando que o trabalho numa empresa, seja ela grande ou pequena, feito um estudo do significado de produo e de produtividade. Uma empresa pode ter uma boa produo, ou seja, uma grande quantidade de produtos, fabricados de forma rpida, com baixo custo e de boa qualidade. Outro ponto importante para a organizao do Posto de trabalho so os princpios de economia de movimentos. Esses princpios facilitam a realizao de um trabalho com menos esforo fsico e de forma inteligente a simplificao do trabalho, que consiste numa srie de procedimentos para tornar o mtodo de trabalho mais simples, mais rpido e menos cansativo. Os desperdcios, ou seja, o resultado do que feito sem economia, vo causar refugos, peas malfeitas e que no podem ser aproveitadas e a necessidade de retrabalho, isto , de fazer novamente uma pea que foi feita com erros ou mau acabamento. Abordaremos tambm a necessidade de implementar um layout ou arranjo fsico do local de trabalho. O objetivo mostrar como se pode organizar o espao de trabalho para alcanar maior nvel de produo e de produtividade, sem excesso de movimentao. Na quarta aula, voc vai conhecer uma tcnica chamada Just-in-time. Essa tcnica permite empresa produzir somente o que for pedido e vai ser vendido, sem, portanto, correr riscos de prejuzos. Ao mesmo tempo, a tcnica facilita o trabalho de equipa, sendo que uma mesma pessoa pode fazer trabalhos diferentes e, assim, ter oportunidade de crescer profissionalmente. PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA CAPITULO I Racionalizao do Trabalho PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA Conceitos e terminologia da racionalizao do trabalho Racionalizao do trabalho nada mais que a interao dos profissionais com a rotina de trabalho, realizando suas atribuies com dinmica. Sejam em grandes montadoras ou em uma feira livre, por exemplo, deve-se racionalizar os movimentos, economizar tempo e material, otimizando assim, a qualidade dos servios prestados e o produto final, tornando-se assim mais produtivos. A desmotivao no ambiente organizacional gera dentre outros agravos como, acidentes, ociosidades e perca no processo. A metodologia imposta pelas instituies muitas vezes mal elaboradas desde o recrutamento e seleo at o resultado das aes propostas, torna-se uma ferramenta argumentativa para que os colaboradores atribuam falta de estrutura da empresa as disfunes ocorridas no meio organizacional. Partindo desses colaboradores a falta de motivao e interesse para com o trabalho surge poltica da fadiga constante, demonstrando que quando se realiza uma atividade de maneira prazerosa os resultados so normalmente positivos, de contra partida, ao realizarem funes de forma relapsa, os fins so insatisfatrios tanto para os lderes quanto para funcionrios, que so submetidos a constrangimento e desgaste emocional. Tipos de actividades e tarefas Numa situao de trabalho, h que distinguir o conceito de tarefa e de actividade. A tarefa ou trabalho prescrito abrange tudo o que, na organizao, define o trabalho de cada operador, ou seja: os objectivos a atingir em contrapartida da remunerao; a maneira de os atingir, as indicaes e os procedimentos impostos; os meios tcnicos colocados disposio (instrumentos, mquinas, ferramentas); a repartio das tarefas entre os diferentes trabalhadores; as condies temporais do trabalho (horrios, durao, pausas); as condies sociais (qualificao, salrio); o envolvimento fsico do trabalho. Quer a empresa seja de grande ou de pequena dimenso, existe sempre uma parte implcita, um trabalho esperado, do qual os responsveis e os trabalhadores tm a sua prpria representao. PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA Sendo a tarefa uma prescrio, um quadro formal, o trabalho real dos trabalhadores ou actividade, que permite a produo. De uma maneira mais simplificada diz-se que, a actividade se refere s condutas e comportamentos dos trabalhadores, na execuo de uma determinada tarefa. Em todos os planos definidos pela organizao do trabalho, manifestam-se diferenas entre o prescrito e o real, pois o trabalho real dos trabalhadores nunca o puro reflexo da tarefa, nem uma mera execuo. A distino entre tarefa e actividade importante, na medida em que: pe em evidncia as falhas de organizao; ajuda a hierarquizar os constrangimentos da situao de trabalho; permite explicar as relaes entre as condies internas (inerentes ao trabalhador) e as condies externas (respeitantes ao envolvimento de trabalho); ajuda a compreender as consequncias sobre a sade. Princpios de racionalizao das actividades de trabalho Nos EUA, o engenheiro Frederick W. Taylor (1856-1915) iniciou os estudos para aplicar nas fbricas uma organizao do trabalho baseada em princpios que resultam de uma investigao com carcter cientfico. Este modelo conhecido por taylorismo foi exposto na sua obra Princpios de Direco Cientfica da Empresa, publicada em 1911. O taylorismo consiste na diviso do trabalho em tarefas simples executadas com preciso por gestos simples e repetitivos. Pretendia, deste modo, eliminar os tempos mortos e os gestos desnecessrios, alcanar a especializao do operrio mediante um automatismo rigoroso, a fim de aumentar a produtividade. Henry Ford, em 1913, aplicou o taylorismo indstria automvel (produo do ModeloT), introduzindo nas suas fbricas a linha de montagem para, segundo o prprio, levar o trabalho ao operrio, em vez de levar o operrio ao trabalho. Tapetes rolantes faziam chegar as peas aos operrios que, sem se deslocarem, trabalhavam como uma autntica mquina humana, segundo a cadncia imposta pelas engrenagens. Deste modo, poupavam-se todos os gestos inteis ou lentos, o PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA que resultou num extraordinrio aumento da produtividade. Obtinha-se assim a produo em massa que caminhou no sentido da uniformizao e da padronizao de certos artigos ou peas, produzidas em srie e em grande quantidade. A este processo deu-se o nome de estandardizao (uniformizao dos artigos produzidos atravs do fabrico em srie, que possibilita a produo em massa). Linha de montagem da Ford, 1913, EUA Embora eficazes do ponto de vista do patronato, os mtodos taylorizados foram muito contestados pelas federaes de trabalhadores e tambm por numerosos intelectuais, tanto nos EUA como na Europa, onde se difundiram rapidamente. Criticavam-lhes a racionalizao excessiva, que retirava toda a dignidade ao trabalho, transformando o operrio num mero autmato, escravo de uma cadeia de mquinas. Princpios de trabalho em equipa O trabalho em equipa um processo baseado em princpios e valores que esto claramente definidos e entendidos. O verdadeiro trabalho em equipa um processo contnuo interativo de um grupo de pessoas aprendendo, crescendo e trabalhando interdependentemente para alcanar metas e objetivos especficos no suporte a uma misso comum. Vantagens do Trabalho em Equipa: Aumentar a segurana Melhora a qualidade (padro) Melhora a produtividade Reduz desperdcio Diminui o absentesmo As equipas altamente efetivas so compostas de grupos de indivduos comprometidos que confiam um no outro, possuem um claro senso de propsito do seu trabalho, so efetivos comunicadores dentro e fora da equipa, certificam-se de que todos na equipa esto PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA envolvidos nas decises que afetam o grupo e seguem um processo que lhes ajuda a planejar todas as decises e garantir qualidade do trabalho. Maior envolvimento dos membros da equipa Maior responsabilidade e autoridade dos membros da equipa Maior grau de comprometimento Pr-disposio para a polivalncia (rotao dos membros) Maior suporte aos membros das equipas Senso de propriedade ser dono da rea Realizao profissional Caractersticas de uma Equipa Eficaz: 1. Propsito claro: a viso, misso, objetivo ou tarefa da equipa foi definida e agora aceita por todos. Existe um plano de ao. 2. Informalidade: o clima tende a ser informal, confortvel e relaxado. No existem tenses obvias ou sinais de aborrecimento. 3. Participao: existe muita discusso e todos so encorajados a participar 4. Escuta: os membros utilizam efetivas tcnicas de escuta como questionamento, parfrases (repetir o que foi dito com outras palavras) e resumo para expor idias. 5. Discordncia civilizada: existe discordncia, mas a equipa esta confortvel com isso e no mostra sinais de evitar, encobrir ou omitir conflitos. 6.Decises de consenso: para decises importantes o objetivo substancial, mas so necessariamente concordncia, atravs da discusso aberta das idias de todos evitando a votao formal 7.Comunicao aberta: os membros da equipa se sentem livres para expressar seus sentimentos sobre as tarefas, bem como na operao do grupo. A comunicao acontece fora das reunies. PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA 8.Funes claras e atribuies de trabalho: existem expectativas claras sobre as funes exercidas por cada membro da equipa. Quando a ao tomada , aes claras so passadas, aceitas e executadas. O trabalho justamente distribudo entre os membros da equipa. 9.Liderana dividida: a equipa possui um lder, as funes da liderana mudam de hora em hora, dependendo das necessidades do grupo e das habilidades do grupo. O lder formal modela o comportamento apropriado e ajuda a estabelecer normas positivas. 10.Relaes externas: a equipa gasta seu tempo desenvolvendo relaes externas, mobilizando recursos e criando credibilidade com importantes contribuies de outras partes da organizao. 11.Diversidade de estilo: a equipa possui uma ampla gama de tipos de membros, incluindo aqueles que enfatizem a ateno tarefa, estabelecimento de objetivos, foco no processo e perguntas sobre como a equipa est funcionando. 12.Auto-avaliao: periodicamente a equipa para e analisa como est seu funcionamento e o que pode estar interferindo em sua eficcia. Trabalho em equipa porque: Para promover o espirito de equipa em todos Para garantir padres de qualidade Para se poder alcanar uma posio competitiva no mercado Factores que distinguem um grupo de uma equipa: Nvel de dependncia Nvel de esprito comunitrio Objectivos de uma equipa de trabalho Claros para todos Possveis ( de ser alcanados) Com prazos definidos PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA HUMANOS FINANCEIROS TECNOLGICOS FSICOS Passveis de serem avaliados Os necessrios a um desempenho elevado reas de definies de objectivos ( Peter Drucker ) RENTABILIDADE MERCADO INOVAO RECURSOS CARACTERISTICAS DE UMA EQUIPA DE TRABALHO Actividade coordenada Comunicao efectiva Tenses de impacto negativo resolvidas em equipa PARA UM TRABALHO DE QUALIDADE UMA EQUIPA NECESSITA... Energia Controlo Conhecimentos Tecnologia Influncia interna e externa PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA CAPITULO II Organizao do Posto de Trabalho PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA PRINCPIOS DA ERGONOMIA A aplicao de alguns princpios da Ergonomia permite uma organizao do posto de trabalho mais racional e mais de acordo com as necessidades dos trabalhadores no sentido de se conseguirem melhores nveis de desempenho por parte destes e consequentemente uma melhor rentabilizao dos investimentos em mquinas e equipamentos. Vamos ter especial ateno aos seguintes aspectos: 1 o rudo A presena de rudos um dos factores que mais perturbam o bom andamento dos trabalhos, afectando a concentrao e, por conseguinte, a produtividade. Os rudos podem ter vrias origens na rea Administrativa: Externa ou interna, podem ser provenientes de mquinas em funcionamento, de campainhas e sirenes, ou de movimentao de pessoas. Um rudo intenso prolongado constitui uma agresso tanto mais prejudicial quanto a mdio prazo provoca uma habituao naqueles que so vtimas, tornando-os progressivamente surdos, sem que se apercebam e reajam a tempo. No imediato toma-se, evidentemente, num obstculo percepo das mensagens auditivas (sons diferentes que assinalem uma anomalia de funcionamento, alarmes sonoros e todas as informaes verbais de origem humana). Quanto ao som ambiente, sabe-se que provoca muitas variaes na concentrao e bem-estar. As empresas especializadas apresentam as mais diversas teorias sobre o benefcio do som ambiente, mas a interferncia da msica sobre o trabalhador oscila de acordo com o seu prprio gosto musical e reflecte-se em irritao ou relaxamento, mostrando que o som ambiente pode ser totalmente desaconselhvel para os ambientes de trabalho que exijam um grau mnimo de concentrao. PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA 2 A iluminao Experincias j comprovaram que a produtividade aumenta medida que melhoram as condies de iluminao do local de trabalho. A qualidade dos produtos est, de igual forma, relacionada com a adequabilidade da luz. Desde h muito que possvel encontrar em publicaes especializadas recomendaes sobre o melhor tipo de iluminao conforme os locais e as tarefas a executar, e sobre os perigos de superfcies reflectoras (em especial no caso de circulao em estrada). Mas, sempre que possvel deve tirar-se o maior partido da iluminao natural, que para alm de ser gratuita no causa problemas ambientais. Quando for necessrio recorrer iluminao artificial convm ter o cuidado de adaptar a iluminao ao gnero de trabalho. Assim, quanto natureza do trabalho, consideramos: a) Trabalho de extrema mincia e contraste muito pequeno com esforo muito prolongado: Tipo de iluminao: iluminao particular para cada posto Nvel de iluminao: mais de 1200 lux b) Trabalho de grande mincia e pequeno contraste; esforo prolongado: Tipo de iluminao: iluminao particular para cada posto Nvel de iluminao: 1200 a 600 lux c) Trabalho de pormenores finos com algum contraste; esforo prolongado (Trabalho de escritrio, leitura, sala de desenho) Tipo de iluminao: iluminao localizada; lmpada no tecto directamente por cima da cabea Nvel de iluminao: 600 a 240 lux d) Trabalho de pormenores finos ou mdios com bastante contraste; esforo no prolongado (corredores, lavabos, refeitrios) Tipo de iluminao: iluminao geral Nvel de iluminao: 240 a 60 lux PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA 1 lux = 1 lumen / m2 = medida de iluminao duma superfcie. A medida dos nveis de iluminao faz-se por meio de luxmetros. As fontes de iluminao devem ser dispostas de modo, a evitar os contrastes violentos entre o campo de observao e a periferia e a evitar o ofuscamento directo e o ofuscamento indirecto. Deve-se tambm evitar desperdcios de luz, nomeadamente mantendo uma iluminao constante e limpando as fontes luminosas de uma a quatro vezes por ano (em funo da sua exposio s poeiras). 3 AS CORES inquestionvel o efeito psicolgico que as cores dos equipamentos e do ambiente envolvente causam s pessoas. Alm disso, elas so meios auxiliares na criao de efeitos de iluso de ptica que, s vezes, so necessrios, em decorrncia de alguma disfuno estrutural do local. H livros e estudos especficos que podem ser encontrados nesta rea. Todos so unnimes em aconselhar, como mais ideais para os ambientes de escritrio, as cores frias, como branco, creme, tonalidades claras do azul, do verde e do cinza. Sabemos da importncia que a cor exerce na produo do bem-estar das pessoas. O peso aparente dos objectos aumenta ou diminui de acordo com sua cor. As cores claras proporcionam a sensao de menor peso. Vamos deter-nos apenas nas cores padronizadas por algumas Normas Tcnicas, para uso nos postos de trabalho: As Cores nos Postos de Trabalho VERMELHO Alarme Usada para distinguir e indicar perigo (caixa de alarme, extintores etc.). LARANJA perigo trmico Identifica partes mveis e perigos de mquinas e equipamentos. AMARELO perigo mecnico a cor usada no sentido de perigo para indicar cuidado (parte baixa de escadas portteis, corrimo, peas cortantes, etc.) VERDE Caracteriza segurana, identificando caixas de equipamentos de socorro de urgncia, boletins, avisos de segurana etc. AZUL aviso, indicao - Indica cuidado, exemplificando: elevadores, entradas de caixas BRANCO Usado para assinalar passadios e corredores de circulao por meio de faixas etc. PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA subterrneas, tanques, tomos, caldeiras etc. PRETO Identifica colectores de resduos. Usado tambm para substituir o branco, quando as condies locais exigirem. Nota: As mquinas devem ser pintadas com cores claras, de factor de reflexo de cerca de 50%: amarelo, verde-claro, cinzento claro, azul claro, beges diversos, etc. 4 Ventilao e temperatura Conforme foi referido no ponto 3, a ventilao , sem dvida, outro importante factor ligado produtividade humana. A ventilao adequada pode ser obtida de duas formas, a ventilao natural e a artificial. A ventilao natural obtida pela instalao de janelas e aberturas que possibilitem a circulao de ar. s vezes no h possibilidade de ventilao natural e a circulao de ar insuficiente para proporcionar uma sensao agradvel. Podero existir alguns inconvenientes, como poeira, rudos externos e frequentes perodos de chuva, que venham a desaconselhar a ventilao natural. J a ventilao artificial obtida por meios mecnicos, os mais comuns so os ventiladores, os circuladores de ar, os compressores e os condicionadores de ar. A ventilao artificial torna-se necessria quando se utilizam, na empresa, mquinas ou computadores que exijam uma certa preparao do ar em nvel de humidade, pureza e temperatura. Em relao temperatura, sabemos que tantos os homens como as mquinas so sensveis aos seus efeitos. H estudos que associam a temperatura produtividade humana. Aconselha-se que, para atingir-se o mximo de rendimento humano, as temperaturas devem ser entre 18 e 20C para trabalhos muito activos e entre 20 e 22C para trabalhos de escritrio. 5 As cadeiras e os apoios A cadeira deve oferecer ao corpo numerosos pontos de apoio, logo: _ A superfcie de apoio do assento deve ser grande; _ A altura do assento deve ser regulvel _ O assento deve ser macio mas no mole Sentado PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA _ O bordo da frente do assento deve ser arredondado; _ O nvel do assento deve ser regulvel de acordo com o nvel da mesa _ A curvatura do espaldar deve adaptar-se s costas; _ Os bordos do espaldar devem ser inclinados _ A haste do espaldar deve ser semi-flexvel _ O espaldar deve poder rodar horizontalmente _ Os ps da cadeira devem ocupar pouco espao O apoio para os ps deve: _ Ser estvel, possuir grande superfcie de suporte e permitir vrias posies: _ Ter altura regulvel; _ Ter a altura regulada de acordo com a cadeira; _ Fazer um ngulo recto, aproximadamente, com a perna. 6 Os apoios na posio de p Em alguns locais de trabalho, quer por manifesta impossibilidade de se sentarem, quer ainda devido a alguns preconceitos que j deveriam estar ultrapassados, as pessoas ainda passam muito tempo de p. Nesta posio: _ A circulao sangunea nas pernas reduzida, _ Todo o corpo repousa numa superfcie demasiado pequena (os ps) _ A conservao do equilbrio origina tenso muscular constante _ Diminui a habilidade manual. Por isso necessrio: a) Facilitar o uso alternado das posies sentado e de p Em p PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA ATRAVS DE ASSENTOS ELEVADOS DE ALTURA REGULVEL ENTRE 72 E 92 CM ATRAVS DE APOIOS PARA DESCANSAR EM P b) Favorecer a mudana das posies de p, usando um pavimento elstico, por exemplo, uma grade, que permita alternar os pontos da presso que se exerce sobre o p. c) Favorecer posies descontradas, _ Dispondo os comandos ao alcance da mo, no campo de viso a uma distncia conveniente dos olhos (aprox. 50 cm); _ Instalar proteces para suprir os esforos que ocorrem ao tentar evitar partes perigosas ou sujas. 7 As mesas e as secretrias 190 x 195 cm 75 x 80 cm PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA Os tampos das mesas e secretrias no devem ser excessivamente grandes a ponto de haver zonas que, uma pessoa sentada numa cadeira, dificilmente atinge, ou to pequenos que no permitam a uma pessoa trabalhar vontade. As medidas mximas aconselhadas so aproximadamente 75 a 80 x 190 a 195 cm. Estas dimenses permitem a qualquer pessoa normal alcanar, sem esforo, um documento de formato A4 em qualquer ponto da mesa. As medidas mnimas no devem ser inferiores a 60 x 75 cm. Estas medidas permitem a qualquer pessoa trabalhar vontade sobre um documento de formato A4. Do traado resultam configuradas quatro zonas: a 1, a 2 e a 3 esto includas na rea normal, a 4 zona est compreendida na rea mxima do trabalho. Nessas zonas so executados respectivamente os movimentos de 1, 2, 3 e 4 categorias, definidas pela aplicao da "lei dos msculos pequenos". Projectada no espao essa noo de zona de trabalho, resulta o volume de trabalho com esferas normais e esferas mximas de trabalho. Os movimentos adequados ou vantajosos resultam da eliminao dos esforos inteis e do emprego dos movimentos da categoria mais baixa possvel, ou os realizados nas 1 e 2 zonas. A possibilidade do emprego desses movimentos depende, muitas vezes, da utilizao de montagens ou mecanismos auxiliares e de acessrios mecnicos, cuidadosamente concebidos e adaptados prtica. A rea normal da resultante, no plano horizontal, proporciona maior comodidade e rapidez para os movimentos das mos. Esse modelo aconselhado tambm para a forma dos painis verticais destinados ao suporte dos botes e teclas e alavancas de comando e controle. PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA A experincia tem demonstrado que o ritmo e a automatizao dos movimentos, assim como a fadiga reduzida resultam do arranjo do posto que proporcione aos movimentos das mos descreverem trajectrias dentro das duas faixas triangulares, limitadas pelos ngulos de 60 e 120. Nessas reas de trabalho so colocadas as ferramentas e os materiais, estes em recipientes adequados com arrumao circular e o mais prximo possvel do operador, para permitir a este os movimentos mais simples e mais rpidos e o grau de ateno mais favorvel. Quando necessrio que as duas mos trabalhem na mesma direco, os arranjos devem ser feitos de modo que permitam a realizao dos movimentos em frente e bem prximo do operador. Nestas condies, manifesta-se menor fadiga do que se tais movimentos fossem realizados para a esquerda ou para a direita. Isso, porque o corpo pode mais facilmente contrabalanar um movimento dessa natureza. Um arranjo do posto convenientemente projectado, que fixa os locais para os componentes, os meios auxiliares e as ferramentas e oferece facilidades para o abastecimento e a retirada dos materiais elaborados, constitui factor importante para facilitar a execuo dos movimentos e para promover a eficincia do trabalho. 8 As portas, os tectos, os corredores e as estantes As portas, como local de passagem que so, devem permitir uma perfeita mobilidade das pessoas. Apresentamos, a seguir, as medidas mnimas a que devem obedecer as portas nos locais de trabalho: Altura = 200 cm Largura - para uma pessoa = 80 a 85 cm - para duas pessoas = 135 a 140 cm Espao livre em frete porta = 180 cm Os tectos devem situar-se a uma altura tal que permitam a circulao e a permanncia da pessoa no local sem constrangimentos. Problemas duma posio Incorrecta PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA REGRAS DE ECONOMIA DOS MOVIMENTOS As regras com a denominao clssica de "economia dos movimentos" foram obtidas empiricamente pelo casal Gilbreth e, depois, ampliadas e aperfeioadas por Lowry, Maynard, Stegemerten e Barnes, com a finalidade da melhor adaptao do trabalho s possibilidades neurofisiolgicas do organismo humano. Tal finalidade de adaptao representada por: imitao dos esforos, poupana da energia humana e consequente preveno da fadiga, diminuio da ateno e obteno da eficincia ptima do trabalho humano. 2 O LAYOUT DO POSTO DE TRABALHO Textos Complementares O posto de trabalho designa a unidade primria ou elementar de toda organizao. O estudo do layout do posto de trabalho visa o aumento da produtividade e o conforto e satisfao do executante. Um posto de trabalho correctamente implantado permite obter importantes vantagens nos seguintes aspectos: 1. Melhoria do modo operatrio da tarefa no posto, quanto rapidez, comodidade, forma e simplicidade dos movimentos e s condies de higiene (iluminao, rudo) e de segurana do trabalho. 2. Simplificao dos modos operatrios, que se traduz no aumento da eficincia dos executantes e nos resultados positivos dos factores psicossociais: motivao, confiana na poltica adoptada na organizao, incentivos salariais etc. 3. Condies mais favorveis para o manuseamento das ferramentas e dos meios auxiliares, para a movimentao dos materiais (abastecimento e retirada do posto), para a operao das mquinas, em consequncia do conveniente arranjo fsico do posto. 4. Instrues para a montagem de prottipos: maquetas de postos ou "simuladores". 5. Readaptao ao trabalho dos portadores de deficincias fsicas, congnitas ou adquiridas por enfermidades e acidentes. 2.1 PROCEDIMENTOS PARA O ESTUDO DO LAY OUT O arranjo fsico (layout) da rea de trabalho consiste na disposio das ferramentas e do prprio local e na forma mais vantajosas de utilizar o posto, de modo a possibilitar ao executante condies de trabalho favorveis comodidade, rapidez, facilidade e menor fadiga. Ou seja, o PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA arranjo do posto deve facilitar a aplicao dos "princpios da economia dos movimentos", quanto melhor utilizao das caractersticas do corpo humano. O arranjo fsico no posto dos materiais a elaborar e das ferramentas a utilizar adopta a disposio e distncias do operador que lhe proporcionem a simplicidade dos movimentos e as condies mais favorveis ao trabalho (fig. 4.15 e 4.16) reas de trabalho Pesquisas realizadas nos Estados Unidos da Amrica, focalizaram um aspecto da "mecnica humana" que diz respeito s aptides fsicomotoras do homem. O objectivo foi determinar as dimenses e a forma da rea, na qual as mos alcancem os objectos de trabalho e as ferramentas, sem necessidade de movimentos complexos, de tal forma que os movimentos teis sejam mais rpidos, mais precisos, mais cmodos e menos fatigantes a rea normal de trabalho. Um traado simples estabelece as reas, normal e mxima, de trabalho, as quais so delimitadas tanto no plano horizontal como no vertical, como mostram as Figuras 4.15 e 4.16. O traado obtido por um operador, de frente para o posto, ao descrever duas semicircunferncias com a ponta do dedo mdio de ambas as mos, ao fazer girar os antebraos em torno do cotovelo que permanece fixo. Outras duas semicircunferncias maiores so obtidas nas mesmas condies, mas fazendo girar os braos distendidos em torno do ombro e permanecendo este e o tronco imveis. As duas reas normais de trabalho, direita e esquerda, sobrepem-se conforme um tringulo curvilneo, onde mais fcil e cmodo executar o trabalho. Do traado resultam configuradas quatro zonas: a 1, a 2 e a 3 esto includas na rea normal, a 4 zona est compreendida na rea mxima do trabalho. Nessas zonas so executados respectivamente os movimentos de 1, 2, 3 e 4 categorias, definidas pela aplicao da "lei dos msculos pequenos" (Fig. 4.15). Projectada no espao essa noo de zona de trabalho, resulta o volume de trabalho com esferas normais e esferas mximas de trabalho. Os movimentos adequados ou vantajosos resultam da eliminao dos esforos inteis e do emprego dos movimentos da categoria mais baixa possvel, ou os realizados nas 1 e 2 zonas. A possibilidade do emprego desses movimentos depende, muitas vezes, da utilizao de montagens ou mecanismos auxiliares e de acessrios mecnicos, cuidadosamente concebidos e adaptados prtica. A rea normal da resultante, no plano horizontal, proporciona maior comodidade e rapidez para os movimentos das mos. Esse modelo aconselhado tambm para a forma dos painis verticais destinados ao suporte dos botes e teclas e alavancas de comando e controlo. PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA Fig. 4.15 reas de trabalho no plano horizontal: normal e mxima A experincia tem demonstrado que o ritmo e a automatizao dos movimentos, assim corno a fadiga reduzida resultam do arranjo do posto que proporcione aos movimentos das mos descreverem trajectrias dentro das duas faixas triangulares (isscele), limitadas pelos ngulos de 60 e 120, como mostra a Figura 4.16. Nessas reas de trabalho so colocadas as ferramentas e os materiais, estes em recipientes adequados com arrumao circular e o mais prximo possvel do operador, para permitir a este os movimentos mais simples e mais rpidos e o grau de ateno mais favorvel. Quando necessrio que as duas mos trabalhem na mesma direco, os arranjos devem ser feitos de modo que permitam a realizao dos movimentos em frente e bem prximo do operador. Nestas condies, manifesta-se menor fadiga do que se tais movimentos fossem realizados para a esquerda ou para a direita. Isso, porque o corpo pode mais facilmente contrabalanar um movimento dessa natureza. Um arranjo do posto convenientemente projectado, que fixa os locais para os componentes, os meios auxiliares e as ferramentas e oferece facilidades para o abastecimento e a retirada dos materiais elaborados, constitui factor importante para facilitar a execuo dos movimentos e para promover a eficincia do trabalho. Plano de trabalho Quer se trate de mesa, mquina ou bancada, o plano de trabalho deve oferecer forma, rea, altura e outras caractersticas, levando em considerao que os postos so ocupados por executantes do trabalho com diferentes estaturas. Assim, necessrio enquadr-los nas condies e dados antropomtricos que correspondem ao tipo mdio de um e outro sexos. PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA Quanto altura do plano de trabalho, necessrio ter em conta, para alm da altura do operador, a caracterstica do trabalho: um trabalho de preciso exige um plano de trabalho mais alto do que um trabalho pesado As alturas desse plano, para o homem e para a mulher, segundo Grandjen, encontram-se no esquema da Fig. 4.17. Fig. 4.16 reas de trabalho no plano vertical A linha de referncia 0 a altura dos cotovelos acima do solo que , em mdia 105 cm para os homens e 98 cm para as mulheres. A altura do assento deve ficar entre 61 e 75 centmetros e proporcionar conforto, evitando a fadiga esttica. As alternncias das posies do corpo (de p e sentada), quando o trabalho o permite, bem como o emprego de suporte para apoio dos ps, so recomendados aos operadores com o fim de evitar ou reduzir a fadiga esttica. Outros aspectos 1 - Visibilidade e ateno do operador: a concentrao da conscincia em um ou mais objectos que o operador no posto deve manusear requer da sua parte esforo de reflexo e de percepo dos sentidos. O arranjo conveniente dos materiais e das ferramentas facilita a ateno e os movimentos habituais na realizao da tarefa, bem como fundamental para o operador manusear os objectos nas reas de viso mais favorveis O campo visual, para favorecer a visibilidade do trabalho e dos objectos a manejar ou inspeccionar, como a experincia tem demonstrado, depende muito do grau de iluminao do posto PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA e das cores circundantes. Um dos factores para poupar energia e tempo na execuo do trabalho refere-se limitao da amplitude do campo visual ou dos movimentos dos olhos A viso geral da tarefa pelo operador, no plano horizontal do posto, est restrita amplitude angular de 60 C, cujo vrtice est situado no centro do seu corpo. A acuidade visual correcta corresponde, nas mesmas condies, amplitude de cerca de 22 C. 2 - Posio e forma dos comandos (alavancas, volantes, botes, teclas, cabos) devem permitir a reduo do esforo muscular, o aumento da comodidade e a adaptao das cargas aos msculos solicitados pelo trabalho, e evitar o movimento de procurar. Fig. 4.17 Altura do plano de trabalho 2.2 REGRAS DE ECONOMIA DOS MOVIMENTOS As regras com a denominao clssica de "economia dos movimentos" foram obtidas empiricamente pelo casal Gilbreth e, depois, ampliadas e aperfeioadas por Lowry, Maynard, Stegemerten e Barnes, com a finalidade da melhor adaptao do trabalho s possibilidades neurofisiolgicas do organismo humano. Tal finalidade de adaptao representada por: limitao dos esforos, poupana da energia humana e consequente preveno da fadiga, diminuio da ateno e obteno da eficincia ptima do trabalho humano. Essas regras so consequncia do estudo dos movimentos e a sua aplicao constitui o procedimento bsico do estudo do posto de trabalho, no que se refere postura, ao assento, iluminao e disposio dos materiais e instrumental, de modo que o operador goze de comodidade e utilize os movimentos da mais baixa categoria. PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA So chamadas "regras do trabalho eficiente" por alguns autores porque concorrem para encontrar o "melhor modo" de executar uma tarefa, isto , a simplificao do trabalho. Assim, tais regras, fornecendo os meios para simplificar o trabalho, poderiam ser chamadas propriamente regras da simplificao dos movimentos integrantes do trabalho. As regras, conforme o texto divulgado por Ralph M. Barnes, dizem respeito a situaes de trabalho como o emprego do corpo humano, o arranjo do posto e o projecto de ferramentas e mquinas. A - REGRAS GERAIS 1. O desempenho do trabalho mximo quando as duas mos comeam e terminam os movimentos ao mesmo tempo. 2. Os movimentos dos braos devem ser feitos simultaneamente e em direces opostas, descrevendo trajectrias simtricas ao eixo do corpo. 3. Os movimentos das mos devem ser to simples quanto possvel (ou limitados ao menor nmero dos movimentos bsicos) para proporcionar os movimentos mais rpidos. 4. Os movimentos devem ser executados nas reas normais de trabalho, no plano horizontal e no espao vertical (quando a natureza do trabalho o exigir, pode ser utilizada a rea mxima, adoptadas as medidas recomendadas para compensar a fadiga). 5. Os movimentos contnuos e curvos das mos so mais rpidos do que os movimentos em segmentos rectos ou com mudanas bruscas de direco. 6. O ritmo e a automatizao concorrem para a sucesso natural dos movimentos. 7. vantajoso dispor os materiais e as ferramentas numa ordem conveniente, num lugar certo, de modo que reduza ou elimine os movimentos de procurar, encontrar e escolher. 8. O posto de trabalho deve ser preparado (com ferramentas e mquinas) e abastecido convenientemente (materiais), antes do incio do trabalho. 9. A aco da gravidade deve ser aproveitada para retirar o material elaborado e para abastecer o posto no lugar destinado utilizao do material. 10. Os movimentos de arremesso (empurrar e deslizar) so mais rpidos, mais fceis, mais precisos e menos fatigantes do que os movimentos de transportar sob controlo. 11. O trabalho feito com as mos deve ser evitado sempre que for possvel e mais vantajoso o emprego de alavancas para accionamento com os ps (pedais); de dispositivos auxiliares e montagens apropriados; de ejectores accionados pelo p, para evacuar as peas acabadas; de suportes ou fixadores de peas ou de ferramentas, a serem accionados pelos ps. PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA 12. As ferramentas e os dispositivos de comando ou de controlo devem estar preposicionados ao alcance das mos e da vista do operador, e, de preferncia, sua frente para facilitar o seu uso nas operaes. 13. Os cabos de ferramentas, os comandos das mquinas devem ter forma e dimenses convenientes ao cmodo contacto com a mo e ao esforo a transmitir. 14. O posto de trabalho e o assento devem ter alturas que permitam ao operador trabalhar, vontade e alternadamente, nas posies de p e sentado. 15. O posto de trabalho deve ser provido das condies fsicas mais adequadas natureza do esforo solicitado e ao grau de ateno. O recinto onde o trabalho se realiza deve satisfazer as condies do meio fsico, quanto a ventilao, iluminao, limite dos rudos etc., observando as normas da segurana e higiene do trabalho, para preservar a sade e o bem-estar do pessoal. B - APLICAO DAS REGRAS Nem sempre fcil e mesmo possvel aplicar as regras dos movimentos na sua plenitude, com vantagens. Particularmente, neste caso, cumpre fazer tentativas para obter modificaes que acarretem a melhoria ou simplificao dos modos de executar o trabalho. Assim, no sendo possvel substituir os movimentos em ziguezague ou que provoquem contraces involuntrias dos msculos, prefervel retardar uma operao, para evitar os efeitos da inrcia. H casos em que os transportadores mecnicos podem substituir os movimentos em linha recta necessrios para mover um objecto de um lugar para outro. As regras dos movimentos so genricas, podendo, pois, da sua rigorosa observncia resultar mtodos de trabalho que no so mais eficientes que outros obtidos em desobedincia a tais regras. Diante disso, torna-se indispensvel fazer prvia anlise dos mtodos com uma atitude crtica e criadora, para ento concluir as melhores solues. Portanto, importante em cada situao a investigao permanente e o incentivo criatividade, a par da experimentao. ANEXO - REGRAS COMPLEMENTARES Os melhoramentos do trabalho manual de repetio, ou a simplificao do respectivo modo operatrio, resultam do melhor arranjo do posto de trabalho, da aplicao ao posto das regras clssicas de "economia dos movimentos" e de outras prescries prticas que facilitam a diminuio de tempo e de fadiga. PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA Um posto de montagem em srie de pequenos conjuntos, com o emprego de ferramentas manuais, oferece condies mais favorveis ao trabalho, desde que observe certas prticas complementares como as recomendadas pelo engenheiro francs, M. Tixier. Ei-Ias: 1) A ordem representada por "um lugar para cada coisa e cada coisa em seu lugar", elimina os movimentos de procurar e encontrar ferramentas, peas, materiais etc. Isso obtido com: a) pr-posicionamento das ferramentas em lugares fixos e em posies que facilitem a manipulao e que correspondam ordem mais eficaz da sua utilizao, eliminando a hesitao e o desvio da ateno do operador ou executante; b) utilizao de caixas ou bandejas adaptadas ao abastecimento de peas a montar, cuja forma facilite o apanhar das peas pelo operador. 2) A limitao da amplitude dos movimentos do corpo, das mos, da cabea e dos olhos evita a fadiga com o emprego dos msculos menores possveis. Para isso, procede-se com: a) colocao ao mesmo nvel dos diferentes planos de trabalho, para evitar o emprego de msculos grandes; b) arranjo das ferramentas, das peas, das caixas de abastecimento com fundo inclinado para aproveitar a gravidade, em frente e o mais perto possvel do operador, colocadas nas reas normal e mxima de trabalho para facilitar os movimentos simultneos das duas mos; c) colocao das alavancas e dos volantes de comando das mquinas nos limites daquelas reas no plano horizontal ou no vertical, de maneira que o seu manuseio no exija movimento do corpo; d) incluso do campo de trabalho do operador nos limites da amplitude do seu campo visual normal. 3) Convm ensaiar a combinao de vrios movimentos para eliminar mudanas de direco e diminuir o dispndio de energia. Pode ser assim obtida: a) disposio vantajosa das caixas de abastecimento que permita em um s movimento apanhar vrias peas ao mesmo tempo, na ordem inversa da respectiva montagem; b) colocao do stock de peas a retirar do posto, entre o operador e o stock de peas a trabalhar; a mo larga o objecto acabado durante o mesmo trajecto em que apanha outro objecto; c) combinao de duas ou mais ferramentas em uma s, sempre que for possvel. PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA 4) A ocupao das duas mos no trabalho oferece melhores condies ao eliminar a imobilizao de uma das mos como comum. Esse resultado obtido por: a) emprego de suportes, montagens, fixadores, projectados de modo que ofeream comodidade e eficcia ao trabalho e liberem as mos de movimentos onerosos que possam ser executado pelo corpo ou pelos ps; b) utilizao de pedais para serem accionados pelos ps, mediante mola ou ar comprimido, ficando assim as mos livres para realizar outros movimentos. 5) Os movimentos dos braos e das mos so mais eficazes quando so simtricos, curvilneos e realizados simultaneamente e em direces opostas; assim, obtido um ritmo ptimo de trabalho que proporciona o aumento da produo e menor fadiga. 6) A eliminao sempre que possvel dos movimentos controlados concorre para uma diminuio da fadiga. Obtm-se com: a) emprego de guias que permitam posicionar as peas ou materiais sem controle do operador; b) colocao de acessos afunilados para as montagens, as bitolas de controle, suportes de ferramentas etc.; c) emprego de cavaletes e molas para suportes das ferramentas, com o fim de facilitar a manipulao destas. 7) O aproveitamento da gravidade acarreta a eliminao de movimentos ou a reduo de sua amplitude; cumpre ensaiar os meios de ejeco automtica, por meio de molas, o abastecimento e a evacuao do posto por planos inclinados, por calhas ou por roletes. 8) O emprego do volume e do peso diminui o esforo, tendo em conta que o peso do martelo deve ser adequado ao tipo de trabalho a executar; as ferramentas, sempre que possvel, devem ser leves para evitar um esforo suplementar. 9) A alternncia de postura do executante contribui para aumentar a eficincia ou a produo e reduzir a fadiga decorrente do trabalho; para isso so adoptados assentos regulveis na altura e com encostos, bem como apoio para os ps. PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA 10) Os factores relacionados com o meio fsico do trabalho, tais como iluminao, rudos, odores, poeiras etc., exercem grande influncia sobre a produo, a fadiga, o ritmo, a sade dos executantes. PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA Concluso O posto de trabalho a unidade elementar de um processo produtivo, da sequncia de trabalho ou da prpria organizao, pois, regra geral, corresponde a cada indivduo e respectiva tarefa. constitudo pelo Homem e pelos instrumentos e meios auxiliares indispensveis realizao da tarefa. Assim aplicao dos conhecimentos terico/prticos deve passar pela sensibilizao dos empresrios para as mais-valias que a organizao do posto de trabalho oferece, no s ao trabalhador, mas fundamentalmente rentabilidade do tempo/ espao produtivo e consequente aumento do lucro. PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO QUALIFICAR CRESCER Cofinanciado pelo Fundo Social Europeu e Estado Portugus GOVERNO DA REPBLICA PORTUGUESA Bibliografia BART, Pierre. Ergonomia e Organizao do Trabalho Operrio. Traduo de Leda Leal Ferreira. Traduo de Ergonomie et Organisation du Travail. In: Medicine et Travai, no4, 1976. FLEURY, Afonso C. C. Organizao do Trabalho na Indstria: recolocando a questo nos anos 80. In: Fleury, Maria Tereza, Fisher, Rosa Maria (eds). Processo e Relaes do Trabalho no Brasil. So Paulo, Atlas, pp.51-66, 1987. IIDA, Itiro. Ergonomia: Projeto e Produo. So Paulo: Ed. Edgar Bucher Ltda, 1990. MARANHO FARIA, Nivaldo. Organizao do Trabalho. So Paulo. Atlas, 1984.