TCC Stand Up

  • Published on
    11-Aug-2015

  • View
    130

  • Download
    2

Transcript

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS GERAIS GRADUAO EM PRODUO CULTURALFRANCISCO DE ASSIS QUIORATO FILHOA CONSOLIDAO DA STAND-UP COMEDY NO BRASILNITERI 2011FRANCISCO DE ASSIS QUIORATO FILHOA CONSOLIDAO DA STAND-UP COMEDY NO BRASILMonografia Graduao Universidadeapresentada emaoCurso Culturalde da comoProduoFederalFluminense,requisito parcial para obteno do Grau de Bacharel.Orientador: Prof. Luiz Carlos MendonaNITERI 2011Aos queridos comediantes, amigos e familiares que me incentivaram, de alguma forma, durante o processo de pesquisa para este trabalho e durante os quatro anos de faculdade.RESUMOO presente trabalho monogrfico um estudo expositivo sobre a stand-up comedy no Brasil. A partir da anlise do surgimento dos primeiros comediantes e grupos, ocorrido a partir da segunda metade do anos 1990 at o incio dos anos 2000, pretende-se entender a atual configurao do gnero, que tem dominado teatros e outros espaos pelo pas nos ltimos anos. Primeiramente, sero analisadas suas principais caractersticas e relacion-las a teorias e estudos realizados sobre comdia, em geral, e riso. Depois, ser apresentado como se deu a expanso desse gnero pelas mdias, principalmente com a participao de comediantes em programas de televiso e a disponibilizao de vdeos pela internet, apoiada na divulgao pelas redes sociais, contribuindo para sua renovao atravs de novos comediantes e grupos. E, por fim, como a comdia stand-up se consolidou no pas beneficiada pela convergncia desses meios de difuso pelas quais se utilizou.Palavras-chave: stand-up comedy; comdia stand-up; comdia; comediante; humor; humorista; riso; convergncia miditica.SUMRIOIntroduo ................................................................................................................. I Stand-up comedy: um panorama sobre o gnero, os primeiros comediantes e a formao dos primeiros grupos no Brasil ................................ 1.1 Bruno Motta ................................................................................................. 1.2 Clube da Comdia Stand-up ....................................................................... 1.4 Outros comediantes e grupos ..................................................................... II A comdia e o riso no gnero stand-up ........................................................... III A stand-up comedy e as mdias: a convergncia em benefcio expanso do gnero .................................................................................................................. Consideraes finais A consolidao da stand-up comedy .............................13 6 71.3 Comdia em P ........................................................................................... 10 12142129Referncias ...............................................................................................................33Anexos ....................................................................................................................... 35INTRODUONo palco, um microfone, um pedestal e, ocasionalmente, um banquinho. O comediante se posiciona na direo do foco de luz e comea a lanar suas observaes divertidas e peculiares sobre o cotidiano: As pessoas dizem que perguntar no ofende. Pergunta para uma gordinha se ela est grvida para ver se no ofende... (Claudio Torres Gonzaga). A Globo, no final do ano, sempre passa o Roberto Carlos Especial. Por que especial se sempre igual? Tinha que ser Roberto Carlos Normal. (Bruno Motta). Loja de roupa da Joelma, do Calypso, igual auto-escola do Rubinho: no passa credibilidade. (Murilo Couto). Uma mulher comediante tem a mesma credibilidade de um homem manicure. (Dani Calabresa). Esses so apenas alguns trechos de textos de comediantes de stand-up brasileiros. O interesse despertado em mim pelo gnero surgiu ao comear a assistir a espetculos de comdia no teatro e, um dia, ir ao Comdia em P. Ao deparar-me com aquele humor de raiz, franciscano segundo palavras de Claudio Torres Gonzaga em que um sujeito consegue levar uma plateia s risadas e, muitas vezes, a aplausos em cena aberta, somente com suas observaes sobre coisas do dia a dia, sem uso de qualquer recurso, a no ser a fala, o fascnio foi imediato. E, aps assistir inmeras vezes a espetculos e tornar-se produtor de alguns grupos de stand-up, notei a carncia de estudos sobre este tipo de comdia, em grande evidncia na produo cultural contempornea brasileira. Ento, meu empenho foi em transferir, para a parte terica, o que presenciava e vivenciava na prtica. Ao perceber que a experincia com o gnero no se d somente na ida a apresentaes em teatros ou bares, mas tambm estende-se internet, televiso, 1a livros, DVDs, CDs etc, resolvi compreender, tambm, como isso se configurou at chegar ao seu estgio atual. Dessa forma, o presente trabalho monogrfico um estudo sobre a consolidao da stand-up comedy, no Brasil, a partir do fim da dcada de 1990/incio dos anos 2000, apoiada na convergncia miditica, propiciada pela expanso do acesso internet, e a influncia desta nos outros meios de difuso de informaes. Dentre as referncias tericas esto: reas (1990), Bremmer (2000), Bergson (2007), Caruso (2009) e Lins (2009). Grande parte da bibliografia trata da comdia em geral, no especfica e unicamente do gnero analisado, j que, dentre os livros publicados no Brasil sobre stand-up comedy, somente o do comediante Lo Lins aborda o tema de forma mais aprofundada. Os outros so transcries dos textos que os comediantes apresentam nos palcos. No exterior, especialmente nos Estados Unidos, h muitas publicaes sobre o gnero, publicadas desde a dcada de 1980. Destas, nenhuma ainda foi lanada, oficialmente, em portugus. O que encontra-se, disponveis na internet, so tradues no profissionais de alguns deles, principalmente do livro da comediante norte-americana Judy Carter: Stand-up Comedy The Book (1989). E, para este trabalho, tambm foram feitas entrevistas com comediantes e coletadas informaes de sites de notcias, sites dos prprios comediantes e dos grupos dos quais fazem parte. Com isso, nos captulos, so abordados os primeiros comediantes e grupos de stand-up comedy do Brasil; a relao das caractersticas deste gnero com estudos sobre riso e comdia; e analisada como se deu a expanso do stand-up pelas mdias, propiciando sua consolidao no pas. E, os objetivos so: - analisar o gnero de comdia stand-up no Brasil; - estudar um nicho de comdia na produo cultural contempornea; - estudar a comdia stand-up e suas ligaes com caractersticas do teatro e da comdia, em geral; - apresentar a comdia como meio de reflexo sobre o cotidiano; - mostrar os meios fsicos e virtuais utilizados para a expanso deste gnero de comdia pelo Brasil.2CAPTULO I Stand-up comedy: um panorama sobre o gnero, os primeiros comediantes e a formao dos primeiros grupos no BrasilO gnero de comdia stand-up ganha cada vez mais repercusso no Brasil, seja no teatro, na televiso, em bares, espaos alternativos e, tambm, na internet que de fundamental importncia para a sua expanso. Isto se deve, muitas vezes, por ser adaptar facilmente a diferentes espaos, j que demanda apenas de equipamentos bsicos: um foco de luz, microfone e amplificador de som. Sozinho no palco, o comediante de stand-up comedy no utiliza figurino, cenrio, acessrios e no interpreta personagens. Por isso, no Brasil, tambm conhecido como humor de cara limpa. Ele apresenta, no palco, sua forma particular de enxergar o mundo atravs de textos prprios com observaes crticas e engraadas. Uma lente de aumento1 sobre o cotidiano, onde o comediante vai buscar, alm do ocorrido, o risvel da situao, por ele vivenciada, para apresentar ao pblico. considerado um dos gneros de comdia mais difceis de executar e dominar, j que o comediante encontra-se desarmado, despido de personagens ou de qualquer outro elemento cnico que possa camufl-lo. Ele deve conduzir com maestria sua apresentao, de acordo com a recepo do pblico aos temas dos textos apresentados e adaptar-se a isso. A stand-up comedy foi popularizada pelo comediante Jerry Seinfeld em sua srie de TV, intitulada Seinfeld (1989-1998), que fez grande sucesso e o tornou conhecido em todo o mundo.1Inclusive, nome este dado ao espetculo solo de stand-up comedy de Leandro Hassum.3A srie foi criada pelo ator, escritor, comediante, diretor e produtor americano Larry David e pelo prprio Seinfeld, que estrelava o programa, interpretando sua prpria persona, juntamente a George Costanza, Elaine Benes e Cosmo Kramer. No total, foram nove temporadas e, a cada episdio, sempre no incio e ao final, Seinfeld apresentava um nmero de stand-up comedy. Enquanto a srie esteve no ar e aps seu trmino, o comediante se apresentou em bares e casas de shows nos Estados Unidos, alcanando grande sucesso, assim como ocorreu na TV. No Brasil, o gnero comea a ganhar importncia, no final da dcada de 1990 e no incio dos anos 2000, com o Prmio Multishow do Bom Humor Brasileiro, os primeiros comediantes (Bruno Motta, de Minas Gerais, e Diogo Portugal, do Paran, por exemplo) e a formao dos primeiros grupos exclusivamente de stand-up comedy no Rio de Janeiro (Comdia em P) e em So Paulo (Clube da Comdia Stand-up). O gnero encontra semelhanas com os espetculos denominados One Man Show e realizados, no Brasil, por Chico Anysio, Juca Chaves, Luiz Vasconcellos, J Soares e outros, nas dcadas de 1960 e 1970. Estes eram espetculos solos, em sua maioria voltados para a comdia, onde encontrava-se um humor variado, nos quais os comediantes apresentavam piadas, textos prprios, faziam imitaes, tocavam instrumentos e cantavam msicas, entre outras performances. Pode-se dizer que a stand-up comedy estava inserida no contexto dessas apresentaes, mas no caracterizar estar como as primeiras deste gnero de comdia. Lins (2009, p. 13-14) descreve muito bem o incio do gnero e como este se configura atualmente. As razes estariam nos mestres de cerimnias de espetculos circenses do sculo XVIII e de boates e cabars dos sculos XIX e XX. Os MCs contavam piadas, faziam intromisses rpidas entre os nmeros, ou seja, eram um dos grandes responsveis por segurar o show (ibidem). Ainda no sculo XX, figuras do rdio tambm iniciavam seus shows com piadas do cotidiano. Porm a stand-up comedy s ganhou realmente forma na dcada de 1950, quando mudou de piadas rpidas para monlogos, envolvendo observaes polticas, sexuais2 (ibidem). Nos anos 70, teve grande crescimento nos Estados Unidos, expandindo-se ainda mais na dcada seguinte, com a difuso dos comedy clubs.2Nesta poca surge uma figura importante: Lenny Bruce, responsvel por romper limites, fazendo coisas at ento consideradas inaceitveis, como por exemplo, usar palavres em larga escala. (LINS, 2009, p.14)4No Brasil, Jos Vasconcellos considerado um dos precursores da standup. Alm dele, vrios outros humoristas como: Chico Anysio, J Soares, entre outros, utilizavam a linguagem stand-up em seus shows. Porm, acredito que apenas agora, em pleno sculo XXI, a stand-up comedy chega sua mais pura forma ao territrio brasileiro. (ibidem)Marcelo Mansfield e Marcela Leal tambm pesquisaram as razes desse tipo de comdia e afirmam3, tambm, que elas esto nas variadas tradies do entretenimento popular do final do sculo XIX, indo do vaudeville e monlogos humorsticos [...] ao teatro hiddish [que tem a stira em sua essncia] e nmeros cmicos circences [sic] (site4). O comediante realizava um nmero de abertura para a atrao principal da noite e isto era considerado um degrau para uma carreira verdadeira no show business (ibidem). Nos clubes noturnos, as apresentaes eram marcadas pela comdia blue (que utiliza-se de linguagem suja, palavres, contedo sexual ou escatolgico (ibidem)). Do mesmo modo que Lins (2009), eles reconhecem que a evoluo da standup comedy est diretamente ligada s apresentaes dos mestres de cerimnias (MCs) [...] como eram chamados na poca de ouro do rdio [...] vieram do vaudeville e geralmente abriam seus programas com monlogos ou nmeros cmicos (ibidem). O contedo dos textos era diversificado e sobre temas comuns, como filmes e aniversrios. At que uma nova onda de abordagens sobre poltica, relaes raciais e humor sexual, surgiu no fim da dcada de 1950/incio da dcada de 1960. A stand-up comedy mudou de tiradas rpidas e piadas para monlogos, geralmente com humor sombrio e stiras (ibidem). E tambm, afirmam que, nos Estados Unidos, a exploso do gnero ocorreu durante a dcada de 1970 e comediantes foram alados ao posto de estrelas do show business, graas ao sucesso de suas performances, chegando at mesmo a realizarem apresentaes para grandes pblicos em estdios. Tambm foram abertos novos lugares para a prtica do gnero em vrias cidades, e comediantes,3O texto foi extrado do site do grupo do qual fazem parte, o Clube da Comdia Stand-up, disponvel em: . Acessado em 10 jan. 2011. 4 ibidem5como Robin Willians, Eddie Murphy e Steve Martin, conquistaram espao na televiso e no cinema. Na televiso, muitas vezes esbarravam na censura s piadas, porm, o surgimento de canais fechados/a cabo (HBO, por exemplo) e at mesmo de um canal dedicado exclusivamente comdia (Comedy Central) auxiliou na expanso da comdia stand-up com maior liberdade, como a encontrada no teatro e bares. Novos comediantes passaram a existir em meio a esse boom e ocorreu uma saturao, que levou ao declnio do gnero. Neste mesmo perodo, os que j possuam uma carreira estabelecida, continuaram a lotar os teatros, j os novatos tentaram se manter em cartaz com apresentaes em bares e lugares pequenos. O Comedy Cellar, um dos principais comedy clubs norte-americanos, localizado em Nova York, considerada o corao da stand-up comedy por abrigar a maioria dos novos talentos juntamente aos veteranos, foi o local para onde estes foram testar novos textos durante os intervalos das turns pelo pas. J na Broadway (famosa avenida que concentra grande nmero de teatros), havia o Carolines, que contava com performances de grandes nomes do gnero, como Jerry Seinfeld. Do outro lado do pas, em Los Angeles, os comediantes encontraram uma oportunidade para ampliarem seu campo de atuao para televiso e cinema, devido aos grandes estdios por l instalados. E para serem vistos, realizaram apresentaes em clubs tradicionais, como: The Laugh Factory, Improv (que possui 24 unidades em vrias cidades, nesse caso, a de Hollywood) e Comedy Store. No Brasil, a stand-up comedy ganhou fora a partir do fim da dcada de 1990/incio dos anos 2000. Dentre os protagonistas que propiciaram essa retorma, esto:1.1 Bruno MottaNascido em Minas Gerais, um dos precursores do gnero no Brasil, chegando a entrar para o Guinness Book, em 2003, por ficar 38 horas e 12 minutos contando piadas para um pblico de cinco mil pessoas, que se revezava em um6teatro, em Belo Horizonte5. Mas antes, no fim da dcada de 1990, ocorreu o Prmio Multishow do Bom Humor Brasileiro, do qual ele participou. Tratava-se de um festival promovido e exibido pelo canal de TV fechada Multishow, nos anos de 1996, 1997 e 1998, que revelava novos talentos do humor nacional. Motta e Diogo Portugal (Curitiba) realizaram, na primeira e terceira edies, respectivamente, apresentaes de stand-up comedy na premiao. Somente eles utilizaram-se desse formato de comdia no festival, criado por Wilson Cunha (diretor do canal na poca) com o objetivo de revelar talentos no gnero. Porm, tipos interpretando personagens e contadores de piadas foram a maior parte dos inscritos. O prmio funcionava da seguinte forma: as performances a serem apresentadas eram escolhidas pelo canal atravs de fitas de vdeo enviadas pelo correio. Ocorriam semifinais em cidades como: Braslia, So Paulo e Rio de Janeiro, e, dessa seleo, saam os finalistas que concorreriam a premiaes em dinheiro. Foram realizadas somente trs edies, porm alguns dos principais humoristas da atualidade foram revelados no festival. Entre eles esto: Cludia Rodrigues (vencedora em 1996) e Marcelo Mdici (vencedor em 1998). Voltando Minas Gerais, Motta6, alm de fazer shows com outros humoristas, estreia seu primeiro espetculo solo De P!, que ficou em cartaz no estado e realizou apresentaes em cidades do interior mineiro e tambm de So Paulo, entre os anos de 2001 e 2004. Em 2005, ainda em sua terra natal, criou o ImproRiso, que reunia stand-up, personagens e improvisao. Trs anos depois, levou este projeto para So Paulo, com o mesmo formato, e continua em cartaz at o momento. Ainda em 2008, passou a integrar o elenco do Seleo do Humor Stand-up7, permanecendo at 2010. E, neste mesmo ano, estreou, em So Paulo, seu segundo solo intitulado de forma curiosa somente com um ponto de exclamao: !. Desde ento, apresenta-se em cidades pelo pas com esse espetculo .1. 2. Clube da Comdia Stand-up5O feito foi superado no ano de 2010 por um americano, sendo que pouco tempo antes, Bruno j havia sido superado por um australiano, sem ser informado. 6 Bruno trabalha como ator desde jovem, mas se formou em publicidade, depois de ter passado pelos cursos de jornalismo e administrao. 7 Espetculo que est em cartaz h quase 4 anos no Teatro Folha com um elenco rotativo. No total h nove comediantes, sendo que quatro destes se apresentam por noite.7Em 2004, vrios comediantes (Marcela Leal, Rafinha Bastos, Mrcio Ribeiro, Marcelo Mansfield, Adriano Assi, Simone de Lcia e o prprio Bruno Motta), por meio de uma comunidade criada por Henrique Pantarotto no site de relacionamentos Orkut, comearam a conversar e discutir sobre stand-up comedy. Aps uma reunio entre eles, fora do ambiente virtual, Mansfield conseguiu, em So Paulo, uma pauta em um bar recm aberto por um empresrio, que gostaria de ter uma noite de humor na programao das segundas-feiras. A partir disso, foi criado o espetculo Mondo Cane. Em uma hora de apresentao, trinta minutos eram dedicados ao humor fsico8 de Mansfield, que apresentava a outra metade do show, dedicada ao standup comedy de Marcela Leal e Rafinha Bastos. Entretanto, Mansfield (informao verbal9) afirma que o resultado no foi o esperado e ocorreu um grande fracasso de bilheteria. O Mondo Cane conseguiu resistir trs meses at que os trs comediantes decidiram acabar de vez com o espetculo. Porm, entre eles, foi mantida a ideia de fazer um show de humor. Ento, em 2005, convidaram Henrique Pantarotto, Mrcio Ribeiro e Oscar Filho e, com um grupo de seis comediantes, formaram o Clube da Comdia Standup10. Por no terem anunciado a estreia do espetculo, Mansfield lembra (ibidem) que, nas primeiras apresentaes, o pblico era de, no mximo, dez pessoas. Quando comearam a ter um nmero significativo de espectadores, em funo, essencialmente, da divulgao boca a boca (que ocorre somente de dois a trs meses depois da primeira apresentao), decidiram pagar um anncio em um jornal e realizaram uma grande festa para oficializar o lanamento do grupo. O primeiro lugar onde se apresentaram foi o Bar Beverly Hills (cujos donos so o casal dos, hoje, comediantes Robson Nunes e Michelli Machado junto com o, tambm comediante, Luiz Frana). Com o tempo, o local, com capacidade para 1008Praticado por comediantes famosos, como Chaplin e Mr. Bean, um estilo que utiliza-se do corpo e no da fala para provocar o riso. 9 Comunicao pessoal ao autor em 26 de fev. 2011, no Teatro Sesc Ginstico. 10 No ano anterior, no Rio de Janeiro, o Comdia em P j havia iniciado suas atividades, tornandose o primeiro grupo dedicado somente stand-up comedy do Brasil. Em So Paulo, o Clube da Comdia foi o primeiro grupo, sendo assim, o segundo do Brasil. O Mondo Cane j existia, porm o Comdia em P foi o primeiro a se configurar como um grupo e somente de stand-up comedy. Mansfield entrou em contato com Claudio Torres Gonzaga (integrante do grupo carioca) para informlo de que formaria o Clube da Comdia Stand-up, em So Paulo, e este disse no haver problema, pois, no Rio, o nome do grupo era Clube da Comdia em P.8pessoas, no comportava mais o pblico que ia assistir s apresentaes. Ento, mudaram-se para o Bar Mr. Blues (capacidade: 150 pessoas). As apresentaes lotadas levaram o grupo a realizar duas sesses at terem que realizar uma nova mudana. Agora, no Bar Bleeker Street (capacidade: 300 pessoas), a situao se repetiu: apresentaes lotadas, duas sesses. Com isso, a soluo foi passarem, finalmente, para teatros com mais de 500 lugares. Realizaram, ento, temporadas no Teatro Procpio Ferreira e, atualmente (2011), encontram-se em cartaz no Teatro Frei Caneca, com capacidade para 600 pessoas. A primeira formao do grupo contou com: Marcelo Mansfield, Rafinha Bastos, Marcela Leal, Oscar Filho, Mrcio Ribeiro e Henrique Pantarotto. Depois, Diogo Portugal entrou no lugar de Henrique. Na metade do segundo ano de existncia, Mrcio Ribeiro deixou o grupo e, em seu lugar, entrou Danilo Gentili. Em 2011, o grupo passou a ter um novo integrante, o jovem comediante Patrick Maia. No fim de 2005, Mansfield deixou o elenco do Tera Insana para se dedicar somente ao Clube da Comdia Stand-up. E, de todos que passaram pelo elenco do grupo, somente Henrique Pantarotto no continua a realizar apresentaes de stand-up comedy nos dias de hoje. O grupo no costumava ter convidados em suas apresentaes, como nota Mansfield (ibidem). Estes ficaram mais freqentes a partir da temporada no Teatro Procpio Ferreira. J o momento Open Mic (microfone aberto espao oferecido a iniciantes e/ou aspirantes a comediantes, para testarem seus textos de at 5 minutos) ocorre desde a poca do Mondo Cane. A entrada de Danilo Gentili no grupo se deu atravs de sua participao nesse momento. Os integrantes o convidaram para o elenco aps ele se destacar em suas apresentaes, mesmo sendo de poucos minutos. Mansfield faz questo de enfatizar que Danilo no tinha curso de teatro, era um garoto de internet e desenvolveu toda a comdia dele fazendo. Ele um autodidata. Todos os outros j tinham algum envolvimento com teatro (ibidem). J Diogo Portugal foi entrevistado no Programa do J, na TV Globo, aps sua entrada para o grupo. L, ele mencionou os shows que participava em Curitiba e em So Paulo, e, ao final da entrevista, apresentou alguns de seus textos de standup.9Em seguida, o vdeo da sua participao no programa ganhou destaque na internet e o Clube da Comdia Stand-up viu seu pblico aumentarsignificativamente. Isso tambm foi um dos motivos que levou o grupo a buscar espaos maiores para realizar as apresentaes, como exposto anteriormente.1.3. Comdia em P Como informado anteriormente, pouco antes da fundao do Clube da Comdia Stand-up, em So Paulo, no Rio de Janeiro, o Comdia em P tornou-se o primeiro grupo brasileiro somente de stand-up comedy, iniciando suas atividades em fevereiro de 2005. Foi o primeiro a se organizar como grupo no modelo clssico, ou seja, com comediantes apresentando somente textos de stand-up. A estreia aconteceu em uma livraria do Shopping Rio Design Leblon e, em sua primeira formao, o grupo era composto por Claudio Torres Gonzaga, Paulo Carvalho, Fernando Ceylo e convidados11. Com essa primeira formao, o grupo se apresentou por trs meses e interrompeu suas atividades por cerca de um ano e meio (CARUSO, 2009, p. 5). Em outubro de 2006, o grupo foi convidado a se apresentar em um projeto intitulado OFF-BESTEIROL12. Desta vez, o elenco foi formado por: Claudio, Paulo (os nicos da primeira formao), Fernando Caruso, Fbio Porchat e Patrcia Pinho. Posteriormente, realizaram quatro apresentaes lotadas em um bingo e com a formao que viriam a ter pelos prximos anos: Claudio Torres Gonzaga, Fbio Porchat, Fernando Caruso e Paulo Carvalho. Em seguida, foram convidados a realizar temporadas em dois locais, simultaneamente: no Espao Rogrio Cardoso, que fica na Casa de Cultura Laura Alvim (100 lugares), em Ipanema, e no Teatro dos Grandes Atores (400 lugares), na Barra da Tijuca. O grupo aceitou ambos convites e ficou em cartaz em duas regies da cidade (Zona Sul e Zona Oeste).11[...] numa mesma noite estavam l, alm dos fixos, Diogo Portugal, Rafinha Bastos e Bruno Motta. (CARUSO, 2009, p. 05) 12 O besteirol, do jeito que foi formatado entre os cariocas na dcada de 1980, um gnero teatral bastante especfico: um espetculo de esquetes que costuma ser defendido por uma dupla de atores (ou atrizes) que vive muito de referncias e citaes de filmes, peas, programas de TV e da observao do comportamento urbano da zona sul carioca. Seu humor inteligente e exige da plateia uma certa dose de informao para ser melhor usufrudo e vive muito da pardia. (MARINHO, 2004, p. 11-12)10Em Ipanema, a abertura das apresentaes era realizada pela banda composta por Tomas Gonzaga (piano), Rafael Fortes (sax) e pelos comediantes: Fernando Caruso (voz e violo), Claudio Torres Gonzaga (baixo e clarinete) e Paulo Carvalho (percusso). Essa ideia repercutiu to bem, que foram convidados a se apresentar neste formato (banda de abertura e show de stand-up) em salas da rede de cinemas UCI, na Barra da Tijuca/RJ. Tratava-se da primeira vez que um espetculo teatral era apresentando em uma sala de cinema. E no havia exibio do filme antes ou depois da apresentao. Em uma das salas do complexo de cinemas, a ltima sesso era o espetculo. O pioneirismo dessa iniciativa, no Brasil, obteve grande sucesso de pblico, tanto que o projeto foi realizado em So Paulo e, depois, em estados como: Bahia, Paran, Cear e Pernambuco. Mesmo viajando pelo pas, o Comdia em P sempre realizouapresentaes em sua cidade de origem (entre os teatros pelos quais passaram, esto o Teatro das Artes 500 lugares e o Teatro Miguel Falabella 456 lugares), e j chegou a estar em temporada, na mesma semana, em trs cidades diferentes: Rio de Janeiro, So Paulo e Petrpolis. Em setembro de 2008, o grupo atingiu duas importantes marcas: primeiro grupo brasileiro de stand-up comedy a se apresentar numa grande casa de espetculos, o Caneco (tradicional casa de shows do Rio de Janeiro atualmente, encontra-se fechada), que possui capacidade para quase 2000 pessoas; e o primeiro grupo de stand-up brasileiro a lanar um DVD13. Em seguida, o comediante curitibano Lo Lins foi convidado a juntar-se aos outros integrantes do grupo, estabelecendo a formao atual (2011): Claudio Torres Gonzaga, Fbio Porchat, Fernando Caruso, Lo Lins e Paulo Carvalho. Hoje, esto prximos da marca de 1000 apresentaes e j chegaram a fazer mais espetculos do que os dias do ano, sendo at 10 sesses semanais. Logo em seu incio, o grupo determinou regras paras as apresentaes com o intuito de estabelecer as caractersticas do gnero14. Baseados no livro Stand-up Comedy: The Book (1989), da comediante norte-americana Judy Carter, e atravs13O DVD foi foi lanado na apresentao no Caneco e composto por imagens gravadas em temporadas passadas do grupo. 14 Tais regras iriam mais alm, servindo de base para os novos grupos e novos comediantes que surgiriam a partir daquele momento.11de uma releitura do "Dogma 95"15, os comediantes do grupo criaram seu prprio dogma. Para se apresentar com eles, deve-se aceitar as seguintes regras:1. O comediante s pode se apresentar sozinho. Jamais em dupla ou grupo; 2. S permitido se apresentar com texto prprio. No pode usar piadas que j caram em uso popular ou foram recebidas pela internet. Muito menos usar aquele truque muquirana de contar a anedota como se o fato tivesse acontecido de verdade, tipo eu tenho um tio portugus...; 3. No pode fazer personagem. Tambm no vale transformar a si mesmo em personagem ou usar figurinos engraados. Use roupas que voc usaria normalmente, no dia-a-dia; 4. Evitar contar casos. O material deve ser preferencialmente de tpicos de observao; 5. Deixar bem clara a persona de cada um. No tente fingir ser quem voc no . Seja voc mesmo, sempre. Se voc mal humorado, seja assim no palco, por exemplo. E se em determinado dia voc estiver de saco cheio, assuma; se estiver eufrico, idem; assuma o seu estado diante da plateia. Alis, importante tambm tentar trazer sua rotina pro mais perto de voc o possvel. Se o comediante for judeu, em algum momento fale de judeu, se for gay, fale sobre gays, se for nerd, fale sobre ser nerds etc; 6. No permitido o uso de trilha sonora ou qualquer tipo de sonoplastia; 7. No permitido fazer nenhuma marcao de luz. Use apenas a iluminao bsica do palco; 8. No permitido o uso de cenografia ou adereo; 9. Os comediantes podem e devem testar material novo diante da plateia. Vale desde improvisar tendo apenas o tpico em mente at ler as piadas, caso elas no estejam decoradas ainda; 10. No forar a barra. Se voc tem apenas cinco minutos de material, faa uma apresentao de cinco minutos e saia. Tudo bem. No enrole. As 16 apresentaes, alis, sero sempre de 5, 10 ou 15 minutos. (site )1.4. Outros comediantes e gruposH outros comediantes e grupos que atuaram nessa retomada da stand-up comedy no Brasil. Em Curitiba, Diogo Portugal realizava espetculos do gnero, que eram alternadas com apresentaes em So Paulo, no Clube da Comdia Stand-up, quando passou a ser integrante deste grupo, conforme foi explicitado anteriormente. Alm disso, desde 2004, Diogo o curador do Risorama, que faz parte da programao do Festival de Teatro de Curitiba e nasceu do intuito do comediante e da organizao do festival em criar um ncleo de humor paralelo mostra tradicional.15Criado pelos cineastas dinamarqueses Lars von Trier e Thomas Vinterberg por um cinema menos comercial. 16 ibidem12O evento rene os principais comediantes de stand-up do Brasil em sua programao e muitos dos hoje consagrados comearam l sua formao de plateia, j que este era o nico lugar que reunia um pblico de mais de 800 pessoas para um noite inteira dedicada somente ao humor. Tambm em Curitiba, em 2007, o grupo Santa Comdia fundado pelos comediantes Fbio Lins, Lo Lins17 e Marco Zenni, que se apresentam at hoje s segundas-feiras, no bar Santa Marta, com a seguintes formao: Afonso Padilha, Marco Zenni e Vitor Hugo. Foi o primeiro show semanal exclusivo de stand-up comedy criado no Sul do pas (site18). Em 2008, o grupo entrou em cartaz no Bar Mr. Blues, em So Paulo, aos domingos, apresentando-se, simultaneamente, nas duas capitais. No mesmo ano, transferiram-se para o Bar Blekeer Street, onde encontram-se atualmente, tambm aos domingos. Em So Paulo, em 2006, foi criado o Comdia ao Vivo. Formado por Danilo Gentili, Henrique Pantarotto e Mrcio Ribeiro, o grupo, inicialmente, realizava apresentaes na cidade de Santo Andr, na regio do ABC Paulista. Pouco tempo depois, foram para So Paulo, estiveram em cartaz no Bar Ao Vivo por um perodo, at se transferirem de vez para o Teatro Renaissance com o elenco totalmente renovado e composto por: Dani Calabresa, Fabio Rabin, Luiz Frana e Marcelo Adnet. Murilo Gun o primeiro representante do gnero vindo do Nordeste. Ele comeou a fazer stand-up comedy em sua cidade natal, Recife, em 2006, e foi at So Paulo participar do Open Mic do Clube da Comdia Stand-up. Para suas apresentaes em bares da capital pernambucana, levava convidados, como: Mrcio Ribeiro, Bruno Motta, Claudio Torres Gonzaga, Fernando Caruso, Danilo Gentili, Marcelo Mansfield, Oscar Filho e Fbio Porchat. Tambm organizou o Circuito Bavaria Premium de Stand-up Comedy, que passou por diversos bares da cidade, e participou da turn do Comdia em P pelos cinemas de Recife e Salvador.17Com o convite para integrar o elenco do Comdia em P, Lo Lins deixa o grupo e, em seu lugar, entra o comediante Victor Hugo. 18 13Captulo II A comdia e o riso no gnero stand-upO termo stand-up comedy passa a ser utilizado no Brasil pelo Comdia em P que, por ser o primeiro grupo do gnero, apresenta-se como O primeiro grupo de stand-up comedy do Brasil. Eles traduziram de forma literal o termo e o patentearam, mesmo assim este continua a ser utilizado para designar a stand-up comedy no pas. Danilo Gentili compartilhou uma opinio em entrevista Marlia Gabriela sobre isso:Acho que o termo 'comdia em p' mais um trocadilho, que no traduz o stand-up. A comdia stand-up no literalmente ficar em p, mas olha, estou em p aqui, porque estou dando uma opinio'. Tem mais a ver com a postura do que com o ato fsico de ficar em p. Atitude de ficar em p e 19 falar. (entrevista )Trata-se de uma possvel e bem apropriada leitura, alm de apresentar uma das principais caractersticas do gnero, que com o surgimento de grupos e comediantes, foi se estabelecendo no Brasil e a compreenso de seu funcionamento tornando-se mais clara. O dogma20 criado pelo Comdia em P auxiliou nesse processo. A exigncia em se utilizar somente textos prprios refora a importncia de textos autorais dentro do gnero e, consequentemente, a preferncia por tpicos de observao e no casos, como utilizam-se geralmente nas piadas tradicionais e conhecidas por todos.19 20Dito no programa "De Frente com Gabi", exibido em 17 de abril de 2011, no canal SBT. Apresentado no Captulo I, p.12.14Sem os recursos utilizados pelos atores em outros espetculos de comdia (figurinos, adereos, cenografia, trilha sonora, marcao de luz, interpretao de personagens), o comediante busca o risvel pela situao vivenciada outrora, e, agora, relatada. Como aponta Lins (2009, p. 16), o comediante stand-up traz uma grande verdade e honestidade, pois ele no usa mscaras, figurinos ou adereos. Com isso, a aproximao entre o que o comediante em sua vida cotidiana do que ele ir apresentar no palco, torna-se maior. Reforando um dos itens do dogma que diz:No tente fingir ser quem voc no . Seja voc mesmo, sempre. Se voc mal humorado, seja assim no palco, por exemplo. E se em determinado dia voc estiver de saco cheio, assuma; se estiver eufrico, idem; assuma o 21 seu estado diante da plateia. (site )Na stand-up comedy, a abordagem da temtica cotidiana nos textos predominante e isso gera uma identificao imediata do pblico com o que est sendo apresentado no palco. Muitas vezes, o riso provocado pela cumplicidade do espectador por j ter passado por situao semelhente apresentada. Porm, Fbio Porchat atenta para o fato de que h:coisas que so to incrveis, mas s so incrveis, porque so verdades. Mas quando voc leva para o palco, no tem graa, porque o pblico parte do princpio que no palco tem um tom de exagero e aquilo ali, na vida real, exagerado, para o palco, pouco. E se voc no fizer piada em cima 22 daquilo, no acontece nada. (DVD )Steve Martin, um dos principais comediantes norte-americanos, explica como criava seus textos:Se eu rio na minha vida diria, pensei, por que no tentar observar o que exatamente me faz rir? E, sempre que eu percebia algo que achava engraado, decidi que no iria levar para o palco como se fosse uma histria acontecida com um algum qualquer, mas sim transferir a ao para a primeira pessoa, de modo que o personagem central fosse eu mesmo. No era piada do sujeito que entrou no bar, fui eu que entrei. Eu no queria subir ao palco para mostrar como as pessoas so malucas; queria mostrar que o maluco era eu. (MARTIN, 2008, p.77)21 22 Dito em entrevista que encontra-se nos extras do DVD Comdia em P Volume 2 (2010).15Na grande maioria das vezes, para a elaborao de seu texto, o comediante stand-up o faz como em uma caricatura, que como explicita Bergson (2007, p.19), capta movimentos imperceptveis e os amplia, tornando-os visveis para todos. Para isso, utiliza-se de variados artifcios. Claudio Torres Gonzaga diz (DVD23) que Lo Lins passou um dia inteiro em uma praa, observado o comportamento dos pombos, pois queria escrever um texto sobre eles. Com o passar do tempo e a dedicao despendida criao de novos textos, periodicamente, o comediante se acostuma e concebe seu prprio processo. Muitas vezes, isso torna-se natural, como eles mesmos reconhecem. Paulo Carvalho afirma que o olhar do comediante j est treinado para isso [em relao ao olhar diferenciado sobre as situaes do dia a dia]. Voc vai buscar o inslito na normalidade (ibidem) e Danilo Gentili reconhece que nada passa desapercebido: A viso do comediante tem que estar sendo exercitada a todo momento (entrevista24). E quando h um afastamento da vida cotidiana e semelhante da maioria das pessoas, ele pode sofrer com isso. Claudio Torres Gonzaga reconhece que:para ser comediante, se voc no viver, no tem jeito. Ento, eu acho que quando o cara fica muito famoso, quando ele deixa de ter uma vida normal, 25 ele vai acabando perdendo a capacidade de fazer piada. (DVD )Bruno Motta coloca que no h nada mais engraado que o cotidiano e as neuroses urbanas elevadas num grau mximo de bom humor (site26), o que pode ser considerado o grande ponto de partida em comum dos textos dos comediantes de stand-up. Cada um analisa e expe ao pblico esses fatos com uma viso diferenciada e prpria. E essa abordagem est presente na vida do ser humano h muito tempo:(...) os homens primitivos (...) imitando os prprios homens, buscavam observarem-se a si mesmos de fora, talvez utilizando o riso e o deboche como embrio de uma forma de a sociedade autocriticar-se atravs da representao de seus costumes cotidianos. (PEIXOTO, 1985, p.15)23 24Dito em entrevista que encontra-se nos extras do segundo DVD do Comdia em P (2010). Dito no programa "De Frente com Gabi", exibido em 17 de abril de 2011, no canal SBT. 25 Dito em entrevista que encontra-se nos extras do segundo DVD do Comdia em P (2010). 26 16Com isso, confirma-se que a presena do riso e sua funo social antiga e est presente at hoje. Bergson afirma que:para compreender o riso, preciso coloc-lo em seu meio natural, que a sociedade; preciso, sobretudo, determinar a sua funo til, que uma funo social. [...] O riso deve corresponder a certas exigncias da vida comum. (BERGSON, 2007, p.06)A stand-up comedy est diretamente ligada ao cotidiano social. Uma das principais caractersticas desse gnero voltar-se para ele e, atravs de seus textos, comprovar que [...] a vida de todos os dias no pode ser recusada ou negada como fonte de conhecimento e prtica social (CARVALHO, 2003, p.15). E, frequentemente, embutida abordagem desses temas, est a crtica social. Danilo Gentili sintetizou muito bem a relao do comediante com esta frase: O humorista o agente que usa a piada como um lapso de sinceridade no cotidiano hipcrita (entrevista27). A linguagem da comdia constantemente utilizada com a funo de crtica social e/ou poltica, e, na stand-up comedy, no diferente. Muitas vezes uma observao apresentada em meio a um texto, serve como um alerta para um problema ou situao esquecida pela sociedade. Sabe-se que o humor divertido e srio ao mesmo tempo; uma qualidade vital da condio humana (DRIESSEN, 2000. p.251). Pode-se tomar como exemplo a Grcia Antiga. Naquela poca, sabia-se que:O humor podia ser perigoso, e seu lugar na cultura tinha de ser limitado a ocasies estritamente definidas. Os gregos sabiam muito bem que o riso poderia conter um lado muito desagradvel. (BREMMER, 2000, p.30)Da mesma forma, sabe-se que a censura a piadas, textos e certas temticas28 nunca ser a melhor deciso a ser tomada. E, sem dvida, a discusso sobre os limites para o humor e para comdia, em geral, ainda ir gerar muitas opinies. Porm, algo deve ser admitido:27 28Dito no programa "De Frente com Gabi", exibido em 17 de abril de 2011, no canal SBT. Em 1 de julho de 2010, uma norma foi regulamentada por resoluo do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), proibindo a veiculao, por rdio ou TV, de entrevistas ou montagens que degradassem ou ridicularizassem candidatos, partido ou coligao durante o perodo de campanha eleitoral daquele ano. Humoristas mobilizaram-se e organizaram o movimento Humor Sem Censura pela internet, que culminou em uma passeata na praia de Copacabana, em 22 de agosto de 2010. Seis dias aps o protesto, a deciso foi derrubada.17Desfrutar livremente o humor e o riso a marca de uma comunidade tranquila, aberta, no de uma ideologia asctica ou de uma sociedade tensa. (BREMMER, 2000, p.44)Podem ser at mesmo situaes desconfortantes ou que no tragam boas lembranas, que exponham os problemas da sociedade contempornea. Nesse caso, o comediante tambm apoia-se em situaes pelas quais grande parte dos espectadores presentes passaram.Nada mais triste que o riso. [...] Por isso, a inteno dos autnticos escritores de comdia quer dizer, os mais profundos e honestos no , de modo algum, unicamente divertir-nos, mas abrir despudoradamente nossas cicatrizes mais doloridas para que as sintamos com mais fora. (FELLINI apud ARAS, 1990, p.8)Dessa forma, percebe-se a aproximao e necessidade da vida cotidiana para a comdia, que no deixa de ser [...] uma brincadeira, uma brincadeira que imita a vida (BERGSON, 2007, p.50). Outro ponto importante e constante nos textos o imediatismo em relao s situaes ali apresentadas. Fatos ocorridos naquela semana, at mesmo no dia, j so abordados pelos comediantes.[...] bem conhecida a afirmao de Ccero de que a comdia uma imitao da vida, um espelho dos costumes e uma imagem da verdade (mais que a tragdia, a comdia dependeria de interesses locais e imediatos da audincia). (ARAS, 1990, p.18).Muito devido ao apresentado at aqui, a stand-up comedy avaliada como um dos gneros da comdia mais difceis de ser executado, pois o comediante depende de uma resposta imediata do pblico para o bom andamento da apresentao. Muitas vezes, altera-se tudo ou grande parte do que se havia planejado anteriormente, devido recepo da plateia, seja observando quem se apresentou anteriormente ou percebendo isso aps os primeiros minutos no palco. E o processo de criao de um texto no dos mais simples. Comediantes atravessam at mesmo anos para, enfim, adquirirem um texto de quarenta e cinco minutos (apresentaes solo tm, em mdia, sessenta minutos). Para isso, executam trechos dele inmeras vezes e a cada apresentao, o lapidam de acordo com a resposta do pblico, visando a um maior aperfeioamento do texto 18como um todo. A regra a seguinte, se uma piada no funciona ou no funciona muito bem, das duas uma: cortar ou editar (LINS, 2009, p. 91). Analisando a estrutura desses textos, nota-se algo em comum a muitos deles e a textos cmicos, em geral. O comediante Marcelo Mansfield afirma:O texto de stand-up segue uma estrutura. Um exemplo: Toda a minha famlia mente a idade. Na semana passada, eu conclu que minha me trs anos mais nova que eu. A primeira frase a preparao, a segunda 29 a piada em si. (site )E outros estudiosos da comdia confirmam:[...] em geral os estudiosos compreendem trs termos na comunicao cmica: a) um sujeito, que deseja provocar a comicidade [...]; b) o objeto cmico do qual se ri, ou material utilizado para provocar a comicidade; c) O espectador ou pblico, ou seja, a pessoa que ri. (ARAS, 1990, p.25) [...] o riso um fenmeno cultural. De acordo com a sociedade e a poca, as atitudes em relao ao riso, a maneira como praticado, seus alvos e suas formas no so constantes, mas mutveis. O riso um fenmeno social. Ele exige pelo menos duas ou trs pessoas, reais ou imaginrias: uma que provoca o riso, uma que ri e outra de quem se ri, e tambm, muitas vezes, da pessoa ou das pessoas com quem se ri. uma prtica social, com seus prprios cdigos, seus rituais, seus atores e seu palco. (LE GOFF, 2000, p.65)E at mesmo Freud assinala que, para haver uma piada, so precisos no um ou dois, mas trs componentes: o ator da piada, o alvo da piada e o ouvinte (BENTLEY, 1967, p. 21). Ou seja, trata-se de uma estrutura comum que seguida e pode ser verificada em alguns trechos de textos de comediantes. Por exemplo: Minha vizinha to gorda que bate a vitamina na mquina de lavar roupa (Marcela Leal30). Nesse caso, a comediante o sujeito, o ator (no caso a atriz) da piada, quem provoca o riso e a comicidade; o alvo, o objeto cmico de quem se ri a vizinha gorda; e quem ri o ouvinte, o espectador ou o leitor, dependendo da situao.29 30 No ambiente de um teatro ou de um bar, este trecho estaria dentro de um set (Conjunto de piadas relacionadas sobre um mesmo tpico. (LINS, 2009, p.160)) com piadas testadas, escolhidas e vinculadas a um contexto, possivelmente sobre pessoas gordas ou vizinhana da comediante.19Com essa anlise, confirmam-se outras duas sentenas: Obtm-se uma frase cmica inserindo-se uma ideia absurda num molde frasal consagrado (BERGSON, 2007, p.83) e obtm-se efeito cmico transpondo para outro tom a expresso natural de uma ideia (ibidem, pg.92). Ambas situaes esto presentes no texto de Marcela Leal, visto que ela, para provocar o riso, retira a ao de bater a vitamina do seu ambiente comum que seria em um liquidificador e a transfere para uma mquina de lavar, para associ-la a ideia de grandeza, tambm gerada a partir da ideia de sua vizinha ser gorda. Dessa forma, chega-se ao efeito cmico. Apresentadas algumas caractersticas do gnero, a seguir ser analisado como este se expandiu pelo Brasil utlizando-se da convergncia das mdias.20Captulo III Stand-up comedy e as mdias: a convergncia em benefcio expanso do gneroOs primeiros comediantes stand-up do Brasil encontraram-se graas internet. A reunio virtual se transformou no espetculo Mondo Cane e, posteriormente, no Clube da Comdia Stand-up, como j explicitado. Anterior a isso, alguns comediantes, por serem atores, faziam vdeos de humor e postavam em suas contas no site YouTube. Rafinha Bastos, por exemplo, era conhecido por seus clipes-pardias de msicas famosas de artistas populares, como Kelly Key e Latino. Outros que j realizam apresentaes interpretando personagens, tambm tinham seus vdeos disponibilizados na internet. Ou seja, este foi o momento anterior aos vdeos de apresentaes de stand-up se multiplicarem pela rede mundial de computadores. Alm disso, assistir, pela internet, a vdeos de comediantes estrangeiros, que j praticavam esse tipo de comdia h anos em outros pases, possibilitou a difuso do conhecimento acerca do gnero no Brasil e, consequentemente, sua expanso. O que levou pessoas com ambies em comum a se reunirem e organizarem grupos em vrias cidades. Hoje, uma parte das capitais brasileiras31 possui, pelo menos, um grupo de stand-up comedy se apresentando com frequncia em um teatro ou bar. A partir de ento, o encaminhamento para outras mdias tornou-se natural, diante da relevncia e repercusso alcanadas.O que comea a acontecer aqui que alguns dos artistas de stand-up vm fazendo participaes especiais em programas de televiso em horrio nobre, enquanto outros usam sua experincia nos palcos para criar um novo tipo do humorismo, adaptado linguagem do novo veculo. o caso31Com maior concentrao nas regies sudeste e sul, alm de Belm, Braslia e Recife.21do grande sucesso recente do humorismo brasileiro CQC [...]. (FRANCO, 2009, p. 73)O programa citado acima estreia, em 2008, na Rede Bandeirantes de Televiso. Importado da Argentina, trata-se de um formato bem sucedido em outros pases da Amrica do Sul e da Europa, que mistura jornalismo e humor. O nome em portugus foi adaptado para CQC Custe o Que Custar (no original, Caiga Quien Caiga) e os produtores buscaram comediantes stand-up para assumirem postos da bancada do programa e tambm de reprteres. exibido, semanalmente, ao vivo, s segundas-feiras, com trsapresentadores em um estdio, que tambm conta com plateia. Rafinha Bastos e Marco Luque (conhecido por seus personagens no espetculo Tera Insana e que, aps sua entrada para o programa, comeou a se apresentar fazendo stand-up) so escolhidos para serem dois dos trs ncoras (o terceiro posto foi ocupado por Marcelo Tas, um dos criadores da verso nacional do programa), Oscar Filho e Danilo Gentili, reprteres. Desde ento (atualmente, em seu quarto ano de exibio), o CQC alcanou notrio sucesso, ganhou muitos prmios (entre eles, o de Melhor Programa Humorstico pela Associao Paulista de Crticos de Arte em 2008 e pelo Trofu Imprensa nos anos de 2008, 2009 e 2010) e, dos oito integrantes atuais, somente dois no realizam apresentaes com seus prprios solos de stand-up comedy. Inclusive, em 2009, no concurso realizado para a escolha do oitavo integrante, grande parte dos candidatos eram comediantes do gnero e de vrias partes do Brasil. A exemplo disso, a comediante Carol Zoccoli, segunda colocada, uma das principais representantes femininas da stand-up brasileira. Ainda na televiso, na Rede Globo, a partir de 2008, o programa Altas Horas, comandado por Serginho Groisman, recebe comediantes, como Bruno Motta, Fbio Porchat, Fernando Caruso, Luiz Frana entre outros, para realizarem trs inseres de 5 minutos ao longo do programa com textos de stand-up. Tambm na Rede Globo, o Programa do J, o mais tradicional night show brasileiro, apresentado pelo comediante J Soares, passou a contar com o quadro Humor na Caneca a partir de 2009. Trata-se de um momento ao fim do programa, no qual um comediante stand-up se apresenta com texto de 5 a 10 minutos.22Semelhante ao que foi realizado por J, o humorstico A Praa Nossa32, do SBT, abriu espao para o stand-up ao incluir a apresentao de um comediante diferente a cada semana mostrando 5 minutos do seu material logo na abertura do programa. Dessa forma, os espectadores, acostumados com um tipo de comdia mais tradicional apresentado neste programa, tomam conhecimento de outraspossibilidades dentro do mesmo gnero. Alm disso, aps a exibio, os vdeos dessas apresentaes j encontram-se na internet, possibilitando os jovens, que no so o pblico-alvo do programa, a assistirem s apresentaes. A partir de 2008, a MTV, canal com audincia composta essencialmente por jovens que so a grande maioria do pblico em apresentaes de stand-up comedy , contrata comediantes para tomar a frente de novos programas da emissora. Dani Calabresa, Fbio Rabin e Marcelo Adnet, juntamente a outros comediantes de espetculos de improviso ou que interpretavam personagens j conhecidos no teatro e na internet, so contratados pela emissora, que passa a ter programas humorsticos em meio sua programao predominantemente musical. Atrelado ao fortalecimento do gnero nas mdias esto os dois primeiros e, at o momento, nicos comedy clubs do pas: o Curitiba Comedy, no Paran, e o Comedians, em So Paulo. Tradicionais e j consolidados em outros pases, essencialmente nos Estados Unidos, eles so ambientes que renem em um mesmo espao um palco para apresentaes de comdia, uma plateia composta mesas e cadeiras e um bar. O Curitiba Comedy foi inaugurado em maro de 2010, enquanto acontecia o Festival de Curitiba, e serviu de palco para a programao off-Festival, abrigando apresentaes solo de comediantes que estavam na cidade para participar do Risorama (fato que se repete at hoje). Nos outros perodos do ano, apresentamse na casa comediantes e grupos locais, alm de outros j conhecidos pelo pas. Em So Paulo, a inaugurao do Comedians ocorreu em outubro de 2010. O espao foi idealizado por Danilo Gentili, Rafinha Bastos e talo Gusso (empresrio de ambos) e conta com palco pequeno e baixo, salo sem colunas (para que todos tenham viso total independente do local onde estejam) e mesas e cadeiras32No ar desde a dcada de 1950, passando por vrias emissoras e com outros nomes, mas sempre com o mesmo formato: um banco de praa pelo qual passam personagens cmicos23espaadas e em alturas diferenciadas (para facilitar a movimentao dos garons e a visibilidade do palco de qualquer ponto da plateia). Conforme diz Rafinha, o projeto foi todo pensado por comediantes, por isso cada detalhe garante conforto e boa visibilidade ao pblico (site33). A programao semanal ocorre de quarta-feira (dia dedicado improvisao) a domingo, chegando a serem realizadas at cinco sesses em uma mesma noite. Quando h feriados s segundas e/ou teras-feiras, a programao semanal estendida para esses dias devido grande procura do pblico. A capacidade de 300 pessoas por sesso. Danilo tambm atacou em outras frentes. Aproveitando que 2010 era ano de eleies para os cargos de presidente, governador, senador, deputado federal e estadual, e quando o ento presidente Luiz Incio Lula da Silva exercia seu ltimo ano de mandato e realizava campanha para a candidata Dilma Rousseff, de seu partido (PT), substitui-lo, o comediante planejou realizar uma nica apresentao, no Teatro Nacional, em Braslia, de um espetculo indito intitulado Politicamente Incorreto e com o subttulo Ria deles, antes que eles riam de voc!", no qual todo seu texto seria indito e, exclusivamente, sobre poltica. A apresentao foi marcada para a antevspera da eleio e acabou tranformando-se em duas, devido enorme procura pelos ingressos. A primeira, s 18h, foi uma espcie de aquecimento, pois a segunda, s 21h, foi transmitida ao vivo pelo portal UOL, alcanou grande nmero de acessos e tornou-se um dos assuntos mais comentados nas redes sociais naquele momento e at mesmo dias aps sua exibio. Danilo contou com auxlio de outros amigos comediantes para escrever todo o texto que abordava, dentre outros assuntos polticos, as peculiaridades dos candidatos presidncia naquele ano (Dilma Rousseff, Jos Serra, Marina Silva e Plnio Arruda), os antigos escandlos polticos nacionais e outros que vieram tona no ano da eleio. No final do mesmo ano, o texto integral (e com eventuais piadas esquecidas pelo comediente no palco) foi lanado em um livro e a apresentao, em DVD, ambos com o mesmo ttulo do espetculo.3324Ainda em 2010, dois outros comediantes lanaram livros com textos elaborados durante os anos de carreira. Maurcio Meirelles (comediante carioca, que incio sua carreira no fim de 2007 e integra o elenco do espetculo Seleo do Humor Stand-up, em So Paulo), reuniu seus textos em E se o stand-up virasse livro?, sendo esse o primeiro show de comdia impresso de um brasileiro. E Fernando Ceylo, que esteve na primeira formao do Comdia em P, lanou Cabea de Gordo (2010). O livro no a transcrio dos textos de stand-up que apresenta, porm, em meio s temticas escolhidas (como explicitam os nomes dos captulos: Cabea de Artista, Cabea de Mstico, Cabea de Mentiroso etc), esto includos trechos de assuntos que aborda nos sets de seus shows solo. Um ano antes, em 2009, o primeiro grupo do gnero no Brasil lanou Comdia em P O livro, que traz um resumo da histria do grupo, o dogma criado pelos comediantes e um captulo escrito por cada um deles, no qual expem como tornaram-se comediantes, o primeiro contato com o stand-up (Lo Lins, por exemplo, formado em Educao Fsica) e trechos do que apresentaram e apresentam no palco desde 2005. Alm disso, so os nicos que possuem dois DVDs lanados (2008 e 2010). Em 2006, o Clube da Comdia Stand-up lanou um CD com a gravao de uma apresentao do grupo no teatro. Trata-se do primeiro registro em udio (e, at hoje, nico) integralmente de stand-up do Brasil. Porm, at hoje, o grupo ainda no lanou registro em vdeo. No mesmo ano de lanamento do livro do grupo do qual integrante, Lo Lins lanou Notas de um comediante stand-up O 1 guia feito para quem quer se tornar um especialista na arte de escrever e contar piadas. uma leitura importante para quem pretende seguir a carreira de comediante, pois nele, o autor fala desde a estrutura de construo de uma piada at como montar um grupo de stand-up comedy. Para tratar desses assuntos, Lo utiliza-se de suas prprias anotaes feitas sempre aps cada apresentao (e que ele diz continuar a fazer at hoje). Nelas esto: os pontos positivos e negativos das piadas apresentadas a cada noite (o quanto de ensaio bom (LINS, 2009, p.56.) e a piada no funciona (ibidem)) at situaes pelas quais passou durante uma apresentao.25O livro traz um apanhado do que acontece, geralmente, na vida de um comediante ao se apresentar nos mais diversos espaos e para os mais variados pblicos. Ao final, ele traz um glossrio com termos utilizados exclusivamente pelos comediantes stand-up34. Rafinha Bastos, atuante no cenrio da stand-up comedy desde sua retomada no Brasil, lana, somente em 2011, o DVD de seu primeiro espetculo solo, A arte do insulto, gravado em uma apresentao especial no Comedians, no incio desse mesmo ano. Em poucos meses, alcanou a marca de 25 mil cpias vendidas. Esse DVD foi lanado, simultaneamente, atravs de exibio na ntegra pelo canal oficial de Rafinha Bastos no YouTube, e no evento Risadaria, em So Paulo, no qual o comediante estreou seu segundo espetculo solo intitulado: Apenas uma boa pessoa. A exibio pelo YouTube contou com anncio na pgina inicial do site no Brasil durante os dias que precederam a exibio, configurando a importncia dada ao promocional realizada por este que o maior e mais popular site de compartilhamento de vdeos do mundo. As explicaes podem estar em o canal de Rafinha encontrar-se entre os mais vistos diariamente na categoria Comediante e at mesmo na Global (que inclui todos os canais de todas as diversas categorias, inclusive os de Msica, que so, geralmente, os canais mais acessados). E, coincidentemente, no mesmo dia em que a apresentao foi ao ar, o comediante foi anunciado pelo respeitado jornal The New York Times como o dono do Twitter mais influente do mundo. No microblog (onde s possvel postar frases com, no mximo, 140 caracteres), Rafinha tem mais de 2 milhes e 400 mil seguidores e obteve a maior nota (90, de 0 a 100) no ranking criado por uma empresa de consultoria:[...] levando em conta o ndice de influncia, que avalia o nmero de vezes que o nome de algum citado ou retuitado no microblog, e no apenas o nmero de seguidores. Segundo a metodologia, os posts de Rafinha Bastos so os de maior repercusso em toda a rede, mesmo que ele tenha menos 35 seguidores que o resto dos classificados.(site )34 35Este glossrio encontra-se o anexo desta monografia, p. 38-40. Na 7 posio, est o atual presidente norte-americado, Barack Obama, e na 10, o apresentador Luciano Huck, que, junto com Rafinha, so os nicos brasileiros presente na lista. 26O evento escolhido para o lanamento do DVD de Rafinha, o Risadaria estava em sua segunda edio. Este o maior festival de humor da Amrica Latina, que rene as diversas expresses do humor literatura nas mais diversas reas: cinema, TV, rdio, internet, cartum, teatro, fotografia, circo, stand-up comedy. Em sua programao, contou com grande parte dos principais comediantes da cena stand-up nacional (que se apresentaram em um dos dois palcos montados no Pavilho da Bienal, no Parque do Ibirapuera/SP) e tambm com um debate, que ficou lotado, com o tema O que stand-up comedy?, no qual estavam presentes: Bruno Motta, Danilo Gentili, Diogo Portugal, Marcela Leal, Mrcio Ribeiro e Rafinha Bastos. Junto ao evento, foi realizado o 1 Campeonato Brasileiro de Stand-up Comedy. A etapa final ocorreu durante os dias do evento, mas as etapas classificatrias foram realizadas em todas as regies do pas nos meses anteriores, selecionando os melhores comediantes locais. Ainda nesse ano, um acontecimento chamou a ateno at mesmo dos principais comediantes brasileiros. A stima edio da Virada Cultural de So Paulo, um evento anual com 24 horas ininterruptas de programao e com mais de mil atraes gratuitas em diversos palcos pela cidade, dedicou um destes exclusivamente stand-up comedy. Ao final, foi contabilizado que, para assistir s apresentaes, passaram por onde estava o palco, que ficou situado embaixo do conhecido Viaduto do Ch, no centro da cidade, um total de 50 mil pessoas. Comediantes acostumados a se apresentarem e lotarem grandes teatros de at dois mil lugares pelo Brasil, se supreenderam com o nmero. A situao levou Danilo Gentili a escrever em seu blog um post intitulado A virada do stand-up, no qual diz:Nem de perto imaginei que aquele seria at ento o maior evento da comdia stand-up nacional. Tal palco definitivamente provou para pblico e comediante que o que comeamos sem pretenso em bares pouco tempo atrs no uma modinha passageira e sim um gnero estabelecido e 36 reconhecido. (site )E fez questo de salientar a diversidade do pblico naquela ocasio:3627Os espectadores dessa virada foram os que todo comediante quer todas as noites em seus shows. Riam. Aplaudiam. Vaiavam. Gritavam. Levantavam a mo pras perguntas. Fizeram silncio pra acompanhar o raciocnio. Mais de 50 mil pessoas saram de casa, homens, mulheres, jovens, casais, idosos, reunidos em grupos de amigos ou sozinhos, cientes que iriam asssitir no 37 uma pea ou esquete de comdia, mas especificamente stand-up! (site )Diante disso, espera-se que a existncia deste palco torne-se uma tradio nas prximas edies do evento.37ibidem28Consideraes Finais A consolidao da stand-up comedyDesde seu ressurgimento, h pouco mais de 10 anos, a stand-up comedy encontra repercusso pelo mundo renovando a carreira de comediantes e apresentando novos talentos. Marcelo Mansfield faz questo de afirmar que:A stand-up comedy um formato de comdia que se adequou ao Brasil, como renovou carreiras. Eu, Mrcio Ribeiro, ngela Dip, Srgio Mallandro, Paulo Carvalho, Cludio Torres Gonzaga, Marcelo Madureira... renovamos nossas carreiras, pois descobrimos mais alguma coisa a se fazer dentro da comdia. Esse boom da stand-up comedy pode passar, mais a carreira desses comediantes pode se utilizar dessa renovao com a stand-up 38 comedy. (informao verbal )O gnero propiciou, a atores cmicos e comediantes, a retomada da carreira atravs de uma nova vertente, que at o momento no haviam trabalhado e, at mesmo, nem conheciam. Os mencionados por Mansfied na citao acima, atualmente, so integrantes de grupos e/ou realizam apresentaes de espetculos solo pelo pas com grande xito. Outro fato a ser constatado por Mansfield que a stand-up comedy, no Brasil, no teve organizao nenhuma, foi uma coisa espontnea, um movimento muito espontneo39. Ou seja, a reunio de grupos de pessoas com o mesmo ideal iniciou como algo independente e resultou em um desenvolvimento do gnero por todo o pas, que continua at o presente momento. O Comdia em P, que iniciou com apresentaes em uma livraria, e o Clube da Comdia Stand-up, que foi o desdobramento de um espetculo que38 39Comunicao pessoal ao autor em 26 de fev. 2011, no Teatro Sesc Ginstico. ibidem29misturava humor fsico com stand-up, foram os grandes incentivadores criao de grupos de stand-up comedy nos mais diversos locais do pas e ao surgimento de interessados em praticar o gnero. Assim como os comediantes que se apresentavam em suas respectivas cidades, como: Bruno Motta (Belo Horizonte) e Diogo Portugal (Curitiba). E todo esse movimento sempre esteve associado internet. O incio da comdia stand-up no Brasil anlogo internet, pois o pblico comea a conhec-la pela internet e os comediantes se encontram na internet (MOTTA, informao verbal40). O mesmo ambiente virtual que reuniu os primeiros interessados pelo assunto, torna-se a plataforma democrtica utilizada pelos comediantes para adisponibilizao de vdeos de suas apresentaes. E, desde o incio, estes souberam utilizar-se das redes socias (Orkut, Facebook, Twitter etc) e das inmeras ferramentas possibilitadas pela internet para a divulgao de seu(s) trabalho(s). Atravs da criao de sites, blogs e perfis nessas redes, passaram a interagir diretamente com o pblico, aproximando-se deste e criando, assim, uma nova relao entre ele e o espectador. O prprio comediante disponibiliza na internet um vdeo com o trecho de sua apresentao e consegue alcanar grande repercusso atravs do poder de divulgao gerado por esses sites. Seja esta feita por outros comediantes ou por admiradores desse tipo de comdia. Partindo para o meio fsico, o surgimento dos comedy clubs comprovam a estabilidade alcanada pelo gnero. Com sua programao voltada integralmente para a comdia, retratam que o pblico busca apresentaes de stand-up comedy e, devido ao rodzio de comediantes, retorna outras vezes a fim de conhecer outros pontos de vista, seja sobre um mesmo assunto ou no. Multiplicaram-se pelo pas, festivais e mostras exclusivamente de stand-up ou em que sua programao h apresentaes do gnero. Inicialmente, havia somente o Risorama, em Curitiba. Hoje, h muitos outros, como: a Mostra Brasileira de Stand-up Comedy, que j teve duas edies e passou vrias cidades do pas apresentando trs dos principais comediantes nacionais por noite; o Fest Riso, realizado em Braslia e Goinia; o Risadaria, em So Paulo; entre outros.40Comunicao pessoal ao autor em 05 de fev. 2011, no Teatro Sesc Ginstico.30Da mesma forma, comediantes que obtiveram grande repercusso com seus espetculos em cidades como Rio de Janeiro e So Paulo (alguns contando com maior visibilidade, devido a trabalhos na televiso), percorrem o Brasil realizando apresentaes em teatros com at mais de dois mil lugares, chegando at mesmo a realizar duas sesses em uma mesma noite. E a realizao de temporadas simultneas em uma mesma cidade ou em cidades prximas possvel devido procura pelas apresentaes. O Comdia em P, como j citado anteriormente, chegou a estar em cartaz em trs cidades e o Seleo do Humor Stand-up realiza apresentaes nas cidades de So Paulo e de Campinas. Ainda na televiso, programas so apresentados por comediantes de standup41 (CQC, na Rede Bandeirantes, e Adnet Ao Vivo, na MTV, por exemplo) ou os tm como atrao (conforme j foi mencionado no captulo II). Alm disso, emissoras realizam concursos de comdia. Alguns voltados exclusivamente para o gnero stand-up (O melhor comediante stand-up do Brasil, no Tudo Possvel, na Rede Record) e outros para a comdia em geral (Quem chega l?, no Domingo do Fausto, da Rede Globo, e O mais novo talento do humor do Brasi, no Tudo Possvel, da Rede Record). E at mesmo nesses, comediantes stand-up destacam-se e, na maioria dos casos, saem vencedores42. E notrio que:Nos Estados Unidos, o stand-up j percorreu esse mesmo caminho, e o resultado foi uma renovao da TV com criao de programas que absorveram os talentos dessa linguagem, como foi o caso de Saturday Night Live, no ar desde 1975. No Brasil, o que humoristas como Rafinha Bastos, Danilo Gentili e Fbio Porchat j fizeram por um mercado saturado de clichs visvel, mas talvez algo ainda maior esteja em curso, e a nova gerao do stand-up nacional venha a participar de uma revoluo. esperar para ver. (FRANCO, 2009, p. 75)Enfim, o processo de consolidao da stand-up comedy no Brasil foi essencialmente beneficiado pela convergncia das mdias. Os comediantes deste gnero souberam utiliz-las a seu favor, em benefcio ao trabalho que realizam e41Em junho de 2011, estreou Agora Tarde, na Rede Bandeirantes. Trata-se de um talk show apresentador por Danilo Gentili e que tem em seu elenco Lo Lins, Marcelo Mansfield e Murilo Couto. 42 Foi o caso do comediante Victor Sarro (SP), que venceu o concurso realizado no programa Tudo Possvel, em 2010.31continuam buscando a evoluo desse tipo de comdia, j bem adaptado a tudo isso, estabelecendo cada vez mais uma relao diferenciada e prxima ao pblico.32REFERNCIASARAS, Vilma. Iniciao Comdia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1990.BENTLEY, Eric. A Experincia Viva do Teatro. Trad.: Alaro Cabral. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1967.BERGSON, Henri. O Riso. Ensaio sobre a significao da comicidade. Trad.: Ivone Castilho Benedetti. 2 ed. Coleo Tpicos. So Paulo: Martins Fontes, 2007.BREMMER, Jan e ROODENBURG, Herman (org). Uma histria cultural do humor. Trad.: Cynthia Azevedo e Paulo Soares. Rio de Janeiro: Record, 2000. CARUSO, Fernando et al. Comdia em P O livro. Rio de Janeiro: Mirabolante, 2009.CARVALHO, M.C. Brant de. O conhecimento da vida cotidiana: base necessria prtica social. In: NETTO, J.P. & CARVALHO, M.C. Brant de. Cotidiano: conhecimento e crtica. 6 ed. So Paulo: Cortez, 2005. pp.13-63. COMDIA EM P VOLUME 2. Textos e direo de criao prpria: Claudio Torres Gonzaga, Fbio Porchat, Fernando Caruso e Paulo Carvalo. Filmagem e edio: Chamon Audiovisual.Direo de produo: Alina Lyra. Produo e realizao: Alkaparra Produes. 2010. DVD (90 min). Color.DRIESSEN, Henk. Humor, riso e o campo: reflexes da antropologia. In: BREMMER, Jan e ROODENBURG, Herman (org). Uma histria cultural do humor. Trad.: Cynthia Azevedo e Paulo Soares. Rio de Janeiro: Record, 2000. pp.251-276FRANCO, Marcella. Chega de loira, portugus e papagaio. Revista Bravo, n139, maro de 2009, p. 72-75.GENTILI, Danilo. A virada do Stand-up. Disponvel em: . Acesso: 21 abr. 2011.LE GOFF, Jacques. O riso na Idade Mdia. In: BREMMER, Jan e ROODENBURG, Herman (org). Uma histria cultural do humor. Trad.: Cynthia Azevedo e Paulo Soares. Rio de Janeiro: Record, 2000. pp.65-82.33LINS, Lo. Notas de um comediante stand-up. Curitiba: Nossa Cultura, 2009.MANSFIELD, Marcelo e LEAL, Marcela. Histria do Stand-up. . Acesso em: 10 jan. 2011.MARINHO, Flvio. Quem tem medo do besteirol?: a histria de um movimento teatral carioca. Rio de Janeiro: Relume Dumar, 2004.MARTIN, Steve. Nascido para matar... de rir: do stand-up ao cinema, como me tornei um fenmeno do humor. Traduo de Daniela P. B. Dias. So Paulo: Matrix, 2008.MOTTA, Bruno. O Stand-up Comedy. Disponvel . Acesso em: 10 mai. 2011.em:NETTO, J.P. Para a crtica da vida cotidiana. In: NETTO, J.P. & CARVALHO, M.C Brant de. Cotidiano: conhecimento e crtica. 6 ed. So Paulo: Cortez, 2005. pp.6490.O DOGMA DO COMDIA EM P . Acesso em: 02 dez. 2010.PEIXOTO, Fernando. O que Teatro. 7 ed. Coleo Primeiros Passos. So Paulo: Brasiliense, 1985.PORTUGAL, Mirela. Rafinha Bastos dono do Twitter mais influente do mundo, diz New York Times. Disponvel em: . Acesso: 25 mar. 2011.SEGARUSA, Fabiana. Danilo Gentili e Rafinha Bastos inauguram comedy club dia 29; veja vdeo exclusivo. Disponvel em: Acesso em: 20 out. 2010.STROPPARO, Camila. Os calouros na arte de provocar risadas. Disponvel em: . Acesso em: 17 jun. 2011. 34ANEXOS- Entrevista concedida pelo comediante Bruno Motta ao autor, no dia 05 de fevereiro 2011, no Teatro Sesc Ginstico/RJ. Quais foram as edies do Prmio Multishow do Bom Humor Brasileiro? Foram 1996, 1997 e 1998. A Cludia Rodrigues vence em 1996, a Cida Mendes, em 1997, e o Marcelo Mdici, em 1998. Eram cinco vencedores a cada edio. O espetculo De P foi seu primeiro solo de stand-up comedy? Sim. Estreou em 2001, fiquei em cartaz em Minas Gerais e realizei algumas viagens, mas nenhuma para So Paulo ou Rio de Janeiro. Voc participou do Mondo Cane em So Paulo, em 2004. Voc j conhecia os humoristas deste espetculo? Os primeiros comediantes de stand-up se conheceram no Orkut, na comunidade criada pelo Henrique Pantarotto. Em 2004, fizemos uma reunio e o Marcelo Mansfield conseguiu uma pauta para o Mondo Cane, onde ele abria fazendo humor fsico e depois tinha stand-up comigo, Marcela Leal, Rafinha Bastos e outros comediantes que hoje no se apresentam mais. O incio da comdia stand-up no Brasil anlogo internet, pois o pblico comea a conhec-la pela internet e os comediantes se encontram na internet.Voc saa de Minas Gerais para se apresentar no Rio de Janeiro e em So Paulo? Isso. O Comdia em P estreia no Rio de Janeiro, no Rio Design Leblon, e l em So Paulo est acontecendo o Mondo Cane. Eu saa de Minas para fazer um dos dois e emendar. Eu vinha para c (Rio de Janeiro) e depois ia para l (So Paulo).- Entrevista concedida pelo comediante Marcelo Mansfield ao autor, no dia 26 de fevereiro 2011, no Teatro Sesc Ginstico/RJ. Como foi o incio do Mondo Cane? Eu j falava h muito tempo com a Marcela Leal e o Rafinha Bastos. A Marcela Leal j fazia participaes na Tera Insana, mas l o formato no permitia stand-up, s 35personagem. Ento, eu conversei com a Grace Gianoukas, que a idealizadora do Tera Insana, que eu ia fazer um outro espetculo para fazer stand-up e ela diz: Sem problemas, j que as apresentaes seriam s segundas-feiras. Nisso, o ngelo Leuzzi abriu uma casa, em So Paulo, e queria ter uma noite de humor s segundas-feiras. Eu topo e digo que estou com um projeto para fazer um espetculo com a Marcela Leal e o Rafinha Bastos. O ngelo no conhece eles, mas aceitou mesmo assim, confiando em mim. Ento, eu chamei os dois e criei o Mondo Cane, que era meia hora de humor fsico comigo no incio e, depois, eu voltava e apresentava, como mestre de cerimnias, a Marcela, que fazia quinze minutos de stand-up, e o Rafinha, que fazia quinze minutos tambm, o que dava 1 hora e pouco de show. O fracasso de bilheteria era to grande, que o ngelo colocou a Cladia Liz (modelo da dcada de 80 e, na poca, esposa de ngelo) de hostess na porta e mesmo assim, no ia ningum. Da, o Oscar Filho foi um dia, pois eu fui fazer uma apresentao com o Diogo Portugal, e ele fez, com o grupo dele, Os cretinos, a minha primeira parte. Depois, ele ficou ouvindo a Marcela e o Rafinha e, na plateia, estava o Mrcio Ribeiro... Quando eu voltei, o Oscar diz que quer se apresentar fazendo stand-up e a gente abre espao para convidados. A Marcela conhecia o Henrique Pantarotto, que conhecia o Bruno Motta. Um foi falando para o outro, eles fizeram pequenas inscries e foram chamando as pessoas. Era o Open Mic do Mondo Cane. As pessoas tinham 5 minutos para se apresentar, depois da apresentao da Marcela e do Rafinha. Era um fracasso de bilheteria to grande que no dava mais para continuar, a gente ficou uns trs meses assim mesmo com convidados e cada um que ia levava um pessoal. A a gente resolveu parar, mas eu, a Marcela e o Rafinha continuvamos com a ideia de fazer um show. Resolvemos, ento, fazer o Clube da Comdia e chamamos o Henrique Pantatorro, o Mrcio Ribeiro e o Oscar Filho. O primeiro lugar onde a gente se apresentou foi o Bar Beverly Hills e l a gente formou o primeiro show de stand-up puro de So Paulo. No Rio de Janeiro, j tinha o Comdia em P, mas em So Paulo, o Clube da Comdia foi o primeiro grupo que se organizou para fazer show de stand-up. Como foi a estreia do Clube da Comdia? A gente no anunciou a estreia no Bar Beverly Hills. Tinha dia que tinham 10 pessoas. Tinha dia que tinham 8 pessoas... Quando a gente viu que comeou 36lotar, que o boca a boca comeou a funcionar o que ocorreu trs meses depois da primeira apresenta a gente comprou um anncio no jornal e fez uma grande festa de lanamento. E a foi lotando, lotando, lotando e, quando o Beverly Hills no comportava mais o pblico, a gente foi para uma casa maior que foi o Bar Mr. Blues, que cabia 150 pessoas. Comeou a lotar e fazamos duas sesses. Ficou pequeno e fomos para o Bar Bleeker Street, que cabia 300 pessoas por sesso. Comeou a lotar de novo e fazamos duas sesses. E a, a gente foi pro Teatro Procpio Ferreira. Quais formaes o Clube da Comdia j teve? A primeira formao foi eu, Marcela Leal, Rafinha Bastos, Mrcio Ribeiro, Oscar Filho e Henrique Pantarotto. Depois, entrou o Diogo Portugal e saiu o Henrique. Pelo meio do segundo ano, saiu o Mrcio Ribeiro e entrou o Danilo Gentili, que fazia Open Mic. O Clube da Comdia nunca teve muitos convidados. A gente passou a ter mais convidados a partir do (teatro) Procpio Ferreira. O Danilo participou do Open Mic umas duas ou trs vezes e a, um dia, eu e o Rafinha pensamos: Vamos chamar o Danilo?. E a Marcela e o Oscar queriam muito que ele entrasse tambm, pois o Mrcio tinha sado. Ento, a gente chamou o Danilo para fazer parte do grupo e ele est a at hoje. E o Danilo era o nosso bebezo, ele no tinha curso de teatro, era um garoto de internet e desenvolveu toda a comdia dele fazendo. Ele um autodidata. Todos os outros j tinham algum envolvimento com teatro. Eu tinha vinte anos de carreira, a Marcela j era uma atriz formal, com duas novelas no currculo, o Oscar era um cara que tinha um grupo de teatro muito badalado, o Rafinha tinha a Pgina do Rafinha h trs anos. A gente j era artista e o Danilo no. Ele escrevia e, quando comeou a se apresentar no Clube da Comdia, direcionou a carreira dele para o palco, ento, quando passou a fazer parte do elenco, ele j estava profissional, j estava treinado o suficiente. Mas, claro, que fazer toda semana, ajuda demais.O que voc acha da atual cena da stand-up comedy no Brasil? A stand-up comedy um formato de comdia que se adequou ao Brasil, como renovou carreiras. Eu, Mrcio Ribeiro, ngela Dip, Srgio Mallandro, Paulo Carvalho, Cludio Torres Gonzaga, Marcelo Madureir... renovamos nossas carreiras, 37pois descobrimos mais alguma coisa a se fazer dentro da comdia. Esse boom da stand-up comedy pode passar, mais a carreira desses comediantes pode se utilizar dessa renovao com a stand-up comedy. Ento, eu acho importante citar que no teve organizao nenhuma, foi uma coisa espontnea, um movimento muito espontnea.- Glossrio da stand-up comedy Fonte: LINS, Lo. Notas de um comediante stand-up. Curitiba: Nossa Cultura, 2009. p. 159-160.Quando uma piada no arranca risos da plateia diz que: no entrou, no rolou, no virou, no vingou, gua, no deu certo, se fudeu.Quando uma piada arranca risos da plateia, diz-se que: entrou, rolou, virou, vingou, foi tiro, deu certo.Bloco: Ver Set.Carteiro: comediante que conta piadas que no escreveu, mas sabe como entreglas para a plateia.Chato ou Heckler: Espectador desagradvel.Comic twist: Ver Distoro cmica.Delivery ou Entrega: Maneira que voc interpreta a piada: so as palavras, sons e gestos utilizados ao contar uma piada.Distoro cmica ou Comic twist: onde est a piada, ou seja, as palavras ou aes que vo provocar o riso, devido ao preparo feito anteriormente.Emenda: Ver Link.38Emotional Tag: Algo que voc fala de forma espontnea aps o punch, em virtude do que est sentindo na hora.Entrada: Em geral diz respeito a cerca de 10 a 15 minutos de piadas.Entrega: Ver Delivery.Heckler: Ver Chato.Link ou Emenda: Frase ou que tem a funo de ligar um assunto com o outro.Material: o conjunto de todas as piadas de um comediante.Piada: Termo genrico para o que intencionalmente faz rir.Piada Domnio Pblico ou Piada Marrom: Piadas ou premissas, que por serem de raciocnio bvio, so to comuns de serem criadas que no podem ser consideradas propriedade de algum.Ponto de Vista (PdV): Representa sua forma de ver o mundo, sua forma de pensar, suas emoes e reaes perante os assuntos.Premissa: o assunto da piada. Ningum vai rir der alguma coisa sem saber do que se trata.Punch: Ver Punch Line.Punch Line ou Punch ou Tiro: O que provoca o riso. O punch pode ser uma simples palavra, uma frase, ou at mesmo um gesto.Rotina: Ver Set.39Senso cmico: Instinto que vai permitir distinguir piadas que podem dar certo, das que no vo dar certo.Set, Bloco ou Rotina: Conjunto de piadas relacionadas, sobre um mesmo tpico.Setup: a informao necessria para viabilizar a existncia e o impacto do punch."S joga": Soltar um punch sem valoriz-lo atravs de pausas, sejam elas antes ou depois."T cavando": Quando o comediante fica buscando uma boa reao da plateia para fechar sua entrada.Tiro: ver Punch Line.Tiro de sniper: Piadas onde voc leva um tempo preparando, mas o punch certeiro.40

Recommended

View more >