SILVA, Aldina C. Fernandes Da. Vozes Silenciadas -A Imagem Do Imigrante Japons Entre Discursos, Palavras e Silncios

  • Published on
    03-Nov-2015

  • View
    3

  • Download
    0

DESCRIPTION

vozes silenciadas

Transcript

  • VOZES SILENCIADAS: A IMAGEM DO IMIGRANTE JAPONS ENTRE DISCURSOS, PALAVRAS E SILNCIOS.

    ALDINA CSSIA FERNANDES DA SILVA (CEFAPRO/SEDUC/MT MESTRE

    aldinacassia@gmail.com

    .

    Esta comunicao faz parte dos estudos realizados para composio do texto da dissertao de mestrado Nas trilhas da memria: uma colnia japonesa no norte de Mato Grosso - Gleba Rio Ferro (1950 1960), defendida na UFMT. Sob a orientao do Dr. Joo Carlos Barrozo.

    O deslocamento de colonos japoneses para a Gleba Rio Ferro compe uma trama que foi vivida de forma plural. Na trajetria destas famlias, o futuro almejado foi articulado pelos smbolos trabalhados pelas propagandas e pelas associaes espontneas

    dos indivduos, que visualizaram nas imagens do novo destino a possibilidade de realizao de seus desejos. O deslocamento de famlias japonesas para o espao da Gleba Rio Ferro em especifico se entrelaa a poltica de colonizao privada no estado de Mato Grosso na dcada de 1950.

    O termo colonizao no deve ser entendido simplesmente como um termo que

    designa o mero ato de promoo da colonizao, do povoamento, em outros momentos ele assume outras determinaes (SCHNEIDER, 2001, p.226). A poltica de colonizao pode estar ligada a vrios aspectos dos discursos oficiais: preocupao de ocupao do vazio demogrfico; seletividade dos colonos; estrutura fundiria; e introduo de mo-de-obra para o trabalho em diferentes setores da sociedade, dentre outros. A colonizao, como um processo plural em ao, reproduz relaes sociais permeadas por muitos interesses pblicos e privadas, os quais somente podero ser visualizados se forem inseridos em um contexto histrico especfico.

  • Na dcada de 50, no Estado de Mato Grosso, o termo colonizao empregado em vrios discursos oficiais assume um significado especfico. Insere-se na poltica de ocupao dos espaos considerados vazios com mo-de-obra imigrante para o norte do estado, destinada formao de ncleos de povoamento e produo agrcola. Atravs dessas prticas discursivas pretende-se entrecruzar as condies de sua apario.

    Neste texto sero analisadas as condies da apario da afirmao nos

    discursos oficiais do colono japons como ideal para implementar a (re) ocupao dos espaos considerados vazios.

    Convm ressaltar que os discursos sobre a seleo da mo-de-obra de imigrantes japoneses so permeados por silncios, justamente o que do dizvel no se pode dizer. As narrativas sobre a imagem do trabalhador ideal, em cada momento em que foram elaboradas, reproduzem significados em condies particulares que esto carregadas de outros sentidos.

    Na dcada de 1950, para o Governo Estadual e Federal a economia mato-grossense no proporcionava grandes rendimentos para os cofres do Estado. Naquele momento, os discursos do governo afirmavam que sua maior preocupao era colonizar

    os espaos vazios, a fim de dinamizar a ocupao produtiva da terra. O governo estadual colocou venda reas de terras devolutas, oferecendo glebas para empresas

    privadas que estivessem interessadas em trazer colonos que se estabelecessem em Mato Grosso.

    Para o governador Fernando Corra da Costa, at 1950 o poder pblico limitara-se a reservar terras sem ter estabelecido colnias em moldes objetivos e bases duradouras(LENHARO, 1986, p.51). Desta forma, sua prtica discursiva justificava as grandes reservas de glebas1 realizadas em nome da prosperidade do Estado e para salvaguardar os interesses dos pequenos lavradores. As glebas foram demarcadas com

    1 A expresso reservas de glebas representa a atitude do governo do Estado de Mato Grosso, na dcada

    de 1950, de controlar a demarcao das terras indgenas, demarcando reas de terras devolutas, onde viviam vrias etnias indgenas, como espaos vazios de propriedade particular do Estado que posteriormente foram comercializadas.

  • cerca de 200.000 hectares para cada empresa colonizadora, que deveria dividi-las em pequenos lotes e vend-los aos interessados idneos.

    Convm ressaltar que em 1952 o Vice Presidente da Repblica Caf Filho aprovou o projeto de Criao do Parque Nacional do Xingu, porm a reserva foi legalizada somente depois de 10 anos, e com sua rea original reduzida. As elites polticas estaduais no estavam de acordo com a extenso do Parque. Na viso deles, os

    ndios no necessitavam de muitas terras para sobreviver. Nos discursos proferidos pelo governo, a rea destinada aos ndios ultrapassava as raias do absurdo. O interesse

    fundamentava-se na negao do ndio enquanto cidado brasileiro, para favorecer o desenvolvimento econmico, ou seja, o progresso e a civilizao, que s se concretizariam com a colonizao privada e a seleo de colonos.

    Naquele momento, houve uma grande venda de reas de terras devolutas, principalmente para empresas oriundas do Estado de So Paulo, representadas como molas propulsoras do progresso mato-grossense. Nos discursos do Governo Estadual o desenvolvimento do Estado somente seria cristalizado atravs de uma colonizao planificada e ordeira, ou seja, dirigida pelo Estado.

    Sendo assim, nas mensagens que o Governo do Estado enviava para a Assemblia o imigrante japons foi classificado como o ideal para promover o desenvolvimento do norte do Estado, e foi concebido como representante da ordem e da moralidade, enquanto que a populao local era considerada incapaz para promover o desenvolvimento do Estado.2 Estas afirmaes se articulam ao controle do deslocamento de colonos japoneses para a Gleba Rio Ferro, que aceitaram abrir o novo espao a ser reocupado.

    Segundo a Constituio, o governo teria que consultar o Senado Federal para realizar estas concesses de terras. Naquele momento era proibido conceder reas com

    2 Com a libertao dos escravos, nos fins do sculo XIX, estes discursos eram freqentes. Os projetos de

    imigrao realizados pelo Estado exaltavam a imagem dos imigrantes europeus em detrimento dos nacionais livres, porm neste perodo a ideologia racista permeava o imaginrio das elites por detrs de um discurso econmico. Para saber mais sobre este assunto, consulte SKIDMORE, 1976, que apresenta um estudo sobre as relaes raciais entre 1870 e 1930, principalmente o seu texto A imagem nacional e a procura de imigrantes, p. 143 - 154.

  • extenso superior a 10 mil hectares. O Governo Estadual desrespeitou, tambm, o artigo 216 da Constituio Federal, que garantia a inviolabilidade das terras destinadas aos ndios. As reservas de reas acima demonstram a expropriao de que foram vtimas as naes indgenas, reproduzindo a acumulao primitiva na regio. A posse da terra por colonos vindos de outras regies, simbolicamente representava a integrao dos espaos vazios ao domnio do capital. Os grupos indgenas destas reas de terras devolutas

    foram, muito antes da chegada dos migrantes japoneses, empurrados pela frente de expanso para o territrio de seus vizinhos, provocando guerras intertribais.

    Para o Governo Estadual, os ndios representavam um estorvo a ser removido, e, em casos em que no ocorresse sua retirada de forma pacfica, eles eram dizimados. O que prevaleceu neste momento foi a apropriao capitalista da terra, ou seja, a sua metamorfose em mercadoria e produtora de mercadorias, contando com braos e capitais dos imigrantes e seus descendentes, mais convenientes aos moldes de produo pretendidos.

    Naquele momento, houve uma grande venda de reas de terras devolutas, principalmente para empresas oriundas do Estado de So Paulo, representadas como

    molas propulsoras do progresso mato-grossense. Nos discursos do Governo Estadual o desenvolvimento do Estado somente seria cristalizado atravs de uma colonizao

    planificada e ordeira, ou seja, dirigida pelo Estado. Sendo assim, nas mensagens que o Governo do Estado enviava para a

    Assemblia o imigrante japons foi classificado como o ideal para promover o desenvolvimento do norte do Estado, e foi concebido como representante da ordem e da moralidade, enquanto que a populao local era considerada incapaz para promover o desenvolvimento do Estado.3 Estas afirmaes se articulam ao controle do deslocamento de colonos japoneses para a Gleba Rio Ferro, que aceitaram abrir o novo espao a ser reocupado.

    3 Com a libertao dos escravos, nos fins do sculo XIX, estes discursos eram freqentes. Os projetos de

    imigrao realizados pelo Estado exaltavam a imagem dos imigrantes europeus em detrimento dos nacionais livres, porm neste perodo a ideologia racista permeava o imaginrio das elites por detrs de um discurso econmico. Para saber mais sobre este assunto, consulte SKIDMORE, 1976, que apresenta um

  • Muito antes de 1950, em 1862, a poltica de atrao de imigrantes para povoar e colonizar os ditos vazios demogrficos de Mato Grosso foi sugerida por Bartolom Bossi. Para o viajante, a exuberante natureza opunha-se economia subdesenvolvida e populao preguiosa e dispersa. Os produtos naturais eram a riqueza da Provncia, mas faltavam pessoas propensas ao trabalho para dinamizar a economia. A soluo, para Bossi, seria uma poltica colonizadora que atrasse imigrantes europeus, realizada pelo

    governo provincial e por empresas particulares, apoiados pelo governo imperial, o que permitiria a ocupao do territrio e a produo de riqueza. (PERARO, 2001, p. 40-41) No sculo XIX, no imaginrio das elites mato-grossenses, o trabalhador local era percebido como ocioso, o que explicava a falta de dinamismo econmico da regio.

    Da mesma forma como imaginou o viajante Bartolom Bossi, as autoridades locais pensaram em ocupar os espaos considerados vazios com imigrantes em diferentes momentos da histria mato-grossense. O Presidente do Estado Pedro Celestino Corra da Costa, por exemplo, props, em 1922, em sua mensagem Assemblia Legislativa do Estado de Mato Grosso, favorecer a entrada de imigrantes no Estado a fim de promover o desenvolvimento da produo econmica.

    No sculo XIX, o Governo Federal impunha certas condies aos projetos de colonizao com mo-de-obra imigrante. A seleo deveria considerar a possibilidade de

    miscigenao dos grupos tnicos. Esta idia visava o cruzamento das raas e o branqueamento da raa brasileira. Em relao poltica imigratria empregada aps a Segunda Guerra Mundial, esta ainda continuou vinculando a nacionalidade (dependente do abrasileiramento) s questes biolgicas conformadas pela idia de raa e eugenia (SEYFERTH, 2002, p.148).

    Nesse sentido, a poltica de colonizao do Governo Estadual na dcada de 1950 tambm se fundamentou na construo simblica do imigrante como um colono ideal. A seleo privilegiava os colonos que possussem capital para a aquisio de terras. Nos

    discursos oficiais, seringueiros, poaieiros, posseiros e outros trabalhadores rurais estabelecidos nas terras foram representados como incapazes de dinamizar o progresso

    estudo sobre as relaes raciais entre 1870 e 1930, principalmente o seu texto A imagem nacional e a procura de imigrantes, p. 143 - 154.

  • econmico do Estado. Desta forma, o governo garantia a venda de reas de terras devolutas para os grupos que tinham interesses polticos convergentes aos seus.

    O Governo Estadual afirmava que os latifndios improdutivos e incultos eram o problema fundamental da estagnao econmica. No jornal O Estado de Mato Grosso foi publicada uma reportagem que ilustra bem esse discurso:

    Quem percorre o Estado de Mato Grosso, nota-se [sic] um fenmeno desolador, a falta de populao. A populao rural,

    que base de todas as naes vive na misria, no mais completo

    abandono. At agoura [sic] a vida econmica do Estado est sendo limitada pela indstria extrativa, com enormes prejuzos das suas colinas calcrias o futuro de incontestvel expanso,

    mas apesar de possuir enormes recursos naturais, precisa de

    braos e capitais.4

    A colonizao foi colocada como a soluo das carncias sociais e demogrficas

    do Estado, dando um aspecto de recomeo e reintegrao ao progresso nacional atravs de capitais privados. No discurso oficial, a colonizao considerada espontnea foi

    classificada como invivel, pois no havia contribudo para o progresso econmico da regio Centro-Oeste. Assim, a poltica de colonizao da dcada de 1950 foi marcada pelo projeto de Getlio Vargas em manter a neutralidade poltica dos grandes proprietrios no campo para poder praticar uma poltica popular nas cidades (SANTOS, 1993, p. 33), ou seja, a melhor forma de controlar o setor rural era realizar uma colonizao dirigida pelo Estado e implementada por capitais privados.

    Observa-se ainda que a narrativa contraditria, pois, ao mesmo tempo em que coloca que falta populao, afirma que a populao vive na misria, confirmando que este espao no estava vazio e que havia, sim, uma populao, porm esta no atendia aos interesses capitalistas da elite poltica do Estado. Naquele momento, os governos federal

    e estadual priorizavam a reanimao da indstria extrativa, pois a produo nacional do

    4 O problema da colonizao em nosso Estado. O Estado de Mato Grosso (Jornal independente dedicado

    aos interesses do povo) rolo 13/07/1951. Este veculo de comunicao era simpatizante do PSD, ento na oposio estadual, porm no que se refere colonizao com braos e capitais de imigrantes japoneses, sua posio foi favorvel do governo.

  • ltex no atendia demanda 5 Para reanimar esta atividade precisava-se de colonos que tivessem capital para investir.

    Retomando o trecho da matria publicada no jornal O Estado de Mato Grosso, o jornalista classificou a vida da populao como miservel. O trabalhador foi apresentado como preguioso, pois s aquele que gasta o tempo na folga, enriquece o seu corpo com a preguia, e embrutece o seu esprito pela indolncia... a sua recompensa s poder ser a

    misria (THOMPSON, 1979, p.70). Portanto, era essencial a seleo de braos ideais para a realizao do projeto de colonizao do Estado de Mato Grosso.

    Podem-se verificar estas construes na mensagem do governador Fernando Corra da Costa Assemblia Legislativa, em 1952:

    A seleo dos colonos, quanto sua capacidade, especializao

    de trabalho e qualidades morais, tambm medida bsica de um

    servio eficiente de colonizao.6

    O discurso estava voltado para a interferncia do Estado no processo de ocupao dos tidos espaos vazios de uma maneira mais eficaz, e para atingir este objetivo a seleo de colonos seria essencial. A poltica de colonizao na dcada de 1950 consistia, portanto, em

    [...] controlar os deslocamentos dos trabalhadores nacionais migrantes de uma regio para outra; orientar e promover a seleo, entrada, distribuio e fixao de migrantes; traar e

    executar, direta e indiretamente, o programa nacional de

    colonizao, tendo em vista a fixao de imigrantes e o maior

    acesso dos nacionais pequena propriedade agrcola (SANTOS, 1993, p. 39).

    Observa-se que a imagem de um Estado tido como despovoado, onde a colonizao seria um fator primordial para seu progresso, foi disseminada tambm

    5 A explorao dos seringais teve seu auge nas primeiras dcadas do sculo XX. Rosrio Oeste e

    Diamantino eram os maiores produtores do ltex de Mato Grosso, o qual era o segundo produto de exportao do Estado. BARROZO, 2002, p.7. 6 Mensagem a Assemblia Legislativa. Livro de Registro de Mensagens de 1950 a 1960. APMT.

  • pelos veculos de comunicao da Capital, os quais ressaltavam as qualidades dos trabalhadores para a colonizao de reas prximas ao Rio Xingu e Barra dos Bugres, representando-os como essenciais para o desenvolvimento do Estado.

    O seu valor muito grande no atual momento em que os

    problemas da produo esto inscritos na ordem do dia. O

    Japons um povo prtico e realstico. O programa exposto com

    extrema clareza e com uma anlise de elementos positivos e abundncia de detalhes, constitui uma garantia para o Estado e

    uma firme certeza de sua execuo. [...] O que eles fizeram no Estado de So Paulo e Paran a este respeito eloqente.

    Canalizaram para o campo, massas humanas bem orientadas e disciplinadas. Na regio de Iguape, dissecaram brejos e plantaram arrozais em grande escala. Nas aradas e j cansadas terras de Cotia, investiram somas fabulosas, transformaram

    aquela velha regio abandonada numa vigorosa agricultura, mecanizada e moldada nos preceitos cientficos da moderna

    agronomia. A prosperidade de certas zonas da Alta Paulista,

    Noroeste, Alta Sorocabana e Norte do Paran, deve-se em

    grande parte ao trabalho e esforo dos filhos do Sol Nascente (GIOVANETTI, 1952, p.21).

    As narrativas sobre o imigrante japons elevam-no a uma categoria mtica trabalhador ideal , reunindo todas as qualidades de um bom agricultor, ou bandeirante moderno, aquele que seria capaz de resolver os problemas de Mato Grosso de forma disciplinada, civilizada. O japons, no imaginrio dessas elites, representava o progresso, a prosperidade. O tempo do imigrante era o tempo do capital, aquele que trabalharia incansavelmente para promover o progresso do Estado. Para construir esta imagem, o

    jornalista, que se posiciona favorvel ao trabalhador de origem japonesa, busca ressaltar seus feitos em outros Estados. Os argumentos utilizados na narrativa subordinam o xito do projeto de colonizao s aes dos imigrantes japoneses.

    Em contraponto com essa representao do colono ideal est a desqualificao do trabalhador nacional, que tinha uma viso incompatvel com as vises modernas de

  • tempo, disciplina, trabalho e propriedade privada(ARRUDA, 2000, p. 99), ou seja, o tempo do capital. O trabalhador mato-grossense ou outros trabalhadores nacionais no tinham dinheiro para abrir estradas, investir em terras, ou seja, viviam seu prprio tempo, mas para as narrativas mestras era um tempo desperdiado. Nesse sentido, nas palavras de Thompson, o que pontifica o valor do tempo reduzido a dinheiro. O tempo torna-se dinheiro no passa, gasta-se(THOMPSON, 1979, p. 49).

    Para parte da elite dirigente mato-grossense, a vinda de colonos japoneses significava estabelecer um modelo de desenvolvimento econmico, poltico e cultural

    que os aproximasse do perfil dos Estados do Sudeste. Tendo como parmetro de aferio do que moderno e civilizado a regio sudeste (ARRUDA, 2000, p.127). Este discurso de desenvolvimento dos espaos vazios caudatrio da tradicional oposio serto/litoral. Os ecos de um serto nas narrativas relativas a esses espaos vazios so perceptveis tanto nas mensagens do governo Fernando Corra da Costa quanto, principalmente, nas propagandas realizadas pela Colonizadora Rio Ferro, muito embora eles j fossem representados como um espao de fronteira nas narrativas mestras. Nesse sentido, importante observar algumas frases utilizadas nos ttulos de vrias reportagens

    publicadas no Jornal Correio de Marlia:

    Imigrao em massa para povoar os sertes de Mato Grosso [...] A ao destemida e desbravadora da Empresa Rio Ferro Ltda.,

    est transformando o Brasil Central, de serto bravio em centro

    do progresso (Jornal Correio de Marlia, Edio de Natal, 1954).

    O Jornal O Correio de Marlia foi o primeiro jornal da cidade de Marlia, no Estado de So Paulo, fundado em 1 de maio de 1928. Ao manuse-lo pode-se perceber que este veculo de comunicao foi o divulgador de muitas propagandas, realizando

    sempre entrevistas e reportagens com os prsperos comerciantes e fazendeiros da regio. O Estado de Mato Grosso na edio de natal de 1954 foi construdo simbolicamente como um lugar a ser domado, explorado, colonizado, civilizado pelos nipo-bandeirantes. A representao de serto incorporada pelos japoneses fazia parte da herana interiorizada pelos paulistas de se posicionarem em um patamar superior em relao s

  • outras regies do Brasil. Portanto, ocorria uma retomada do esprito bandeirante, pelo qual se conferia a estes colonos um poder simblico que os autorizava a desbravar e amansar os sertes, representado naquele momento pelo norte do Estado de Mato Grosso.

    Nesse sentido, o estgio de desenvolvimento de civilizao e progresso em que se encontrava o territrio mato-grossense tinha como parmetro os Estados de So Paulo

    e Paran. Esta percepo no ficou restrita ao grupo de japoneses. Era um momento em que chegavam em Mato Grosso pessoas de vrias localidades do Brasil. A migrao dos

    japoneses inseria-se em um projeto poltico especfico, mas no deixava de fazer parte do processo de conquista do Oeste brasileiro, onde a ocupao humana de novas fronteiras deparava-se com diversas realidades e temporalidades.

    A construo de uma imagem positiva dos colonos japoneses era necessria para demonstrar a viabilidade do projeto de colonizao pautado em polticas nacionalistas, pois os projetos anteriores dirigidos pelo Governo Federal no obtiveram grandes xitos. Entende-se por projetos anteriores as Colnias Agrcolas Nacionais criadas no Estado Novo, por Getlio Vargas. Estes ncleos de colonizao foram concebidos para

    disciplinar o deslocamento dos cidados brasileiros. Em 1943 foi criada a Colnia Agrcola Nacional de Dourados, no sul do Estado, que funcionou simbolicamente como

    propaganda do Estado Novo (LENHARO, 1986, p. 50). O fato que houve ainda a necessidade de informar sobre o povoamento com

    colonos japoneses migrantes de outras partes do pas como ideais para o norte de Mato Grosso, pois tinham experincia em desbravar as terras de So Paulo e Paran. Nessa perspectiva, o colono ideal era o que tinha experincia e provinha da regio sudeste e sul.

    Os Estados de So Paulo e Paran foram percebidos como espelho de progresso e civilizao. Assim, as polticas de colonizao ali empreendidas foram classificadas como ideais para implementar o desenvolvimento de Mato Grosso no governo do Presidente Getlio Vargas, na dcada de 1950.

    A classificao do trabalhador nipnico, pelo governo e pelos meios de

    comunicao, como massas humanas bem orientadas e disciplinadas, vinha se

  • contrapor a um discurso que foi expresso anteriormente, no qual os nipnicos foram percebidos como indolentes, foco de infeces, que, simbolicamente, ameaavam o pas de degenerescncia racial. Os preconceitos em situaes especficas so elaborados para atingir algumas finalidades. A questo do racismo contra os nipnicos tem sua especificidade em cada momento em que foi elaborado.

    Portanto, a construo da percepo do nipnico como colono ideal para o empreendimento de reocupao dos espaos vazios foi elaborada para direcionar a mo-de-obra disponvel, em um momento em que muitos imigrantes japoneses j no alimentavam mais o sonho de retorno para a sua terra natal. Aps a Segunda Guerra Mundial, os japoneses pretendiam estabelecer-se definitivamente em terras brasileiras, principalmente os nikkeis.7 A ptria me que os japoneses haviam deixado para trs estava destruda e incentivava a emigrao dos que l se encontravam. Assim, j no era mais possvel alimentar o sonho de retorno.

    Os colonos que se dirigiram para norte do Estado de Mato Grosso trouxeram consigo seus projetos de vida, sonhos e desejos, principalmente para adquirir suas prprias terras. A inteno da poltica de colonizao do Governo Federal foi a de

    aproveitar o deslocamento espacial dos nipnicos e direcion-los para o cultivo da seringueira no norte mato-grossense. Convm relembrar, que entre muitos imigrantes

    japoneses houve uma tendncia em no se fixarem num s local, pelo contrrio, a trajetria da maioria foi marcada por uma mobilizao geogrfica em busca de terras baratas.

    7 O termo nikkei refere-se ao japons-brasileiro, ou seja, o descendente de japons atualmente

    denominado de nikkei, no importa a que gerao pertena. Esta denominao est sendo utilizada desde a Conveno Pan-americana Nikkei ocorrida em 1985, em So Paulo, que adotou a terminologia para todos os descendentes de japoneses nas Amricas. Antes, usava-se a terminologia nissei, para os descendentes dos imigrantes, sansei para os descendentes de terceira gerao no Brasil. Esta terminologia foi adotada na dcada de 1950, substituindo o termo dainisei (Sakurai, 1993, p. 21).

  • REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS

    BOURDIEU, Pierre. O poder simblico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

    CHARTIER, Roger. A histria cultural. Rio de Janeiro: Difel, 1985.

    __________. Entrevista. Presena Pedaggica, Belo Horizonte, v. 6, n. 31, p. 97-113, jan./fev. 2000. CUNHA, Maria Teresa Santos Cunha. Uma visita do senhor inspetor: cultura cvica em relatrios escolares. IN: MIGNOT & CUNHA (Org.). Prticas da memria docente. So Paulo: Cortez, 2003. (Coleo cultura, memria e currculo; v. 3)

    COMISSO DE ELABORAO DA HISTRIA DOS 80 ANOS DA IMIGRAO JAPONESA NO BRASIL. Uma epopia moderna: 80 anos da imigrao japonesa no Brasil. So Paulo: HUCITEC / Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa, 1992.

    DELEUZE, G. Proust e os signos. Rio de Janeiro: Forense-Universitria, 1987.

    ESTERCI, Neide. O mito da democracia no pas das bandeiras. Anlise simblica dos discursos sobre migrao e colonizao do Estado Novo. Rio de Janeiro, 1972. Dissertao (Mestrado em Antropologia Social) Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

    GUIMARES NETO, Regina Beatriz. A lenda do ouro verde: poltica de colonizao no Brasil contemporneo. Cuiab: UNICEN, 2002. (Coleo Tibanar)

    HANDA, Tomoo. O imigrante japons: histria de sua vida no Brasil. So Paulo: T. A. Queiroz / Centro de Estudos Nipo-Brasileiros, 1987.

    HALL, Stuart. A Identidade cultural na ps-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

    HASHIMOTO, Francisco. Sol Nascente no Brasil: cultura e mentalidade. Assis: HVF Arte e Cultura, 1995.

    LENHARO, Alcir. Sacralizao da poltica. 2. ed. Campinas: Papirus, 1986a.

  • LESSER, Jeffrey. A negociao da identidade nacional. Imigrantes, minorias e a luta pela etnicidade no Brasil. Trad. Patrcia de Queiroz Carvalho Zimbres. So Paulo: Ed. UNESP, 2001.

    MIYAO, Susumo. YAMASHIRO, Jos. Perodo em branco na corrente imigratria e os

    distrbios na comunidade japonesa. In:COMISSO DE ELABORAO DA HISTRIA DOS 80 ANOS DA IMIGRAO JAPONESA NO BRASIL. Uma epopia moderna: 80 anos da Imigrao Japonesa no Brasil. So Paulo, Hucitec, 1992. p. 247 379.

    MORENO, Gislaine. Os descaminhos da apropriao capitalista da terra em Mato Grosso. So Paulo, 1993. Tese (Doutorado em Geografia) Universidade de So Paulo.

    NAKASUMI, Tetsuo. YAMASHIRO, Jos. Perodo do ps-guerra. COMISSO DE ELABORACO DA HISTRIA DOS 80 ANOS DA IMIGRAAO JAPONESA NO Brasil. Uma epopia moderna: 80 anos da Imigrao Japonesa no Brasil. So Paulo, Hucitec, 1992. p.381 - 416

    REVISTA DE IMIGRAO E COLONIZAO. rgo oficial do Conselho de Imigrao e Colonizao, Rio de Janeiro, Imprensa Nacional, ano VI, n. 5. mar. 1945.

    SAKURAI, Clia. Romanceiro da imigrao japonesa. So Paulo: Sumar, 1993.

    _________, Clia. Mais estrangeiros que os outros? Os japoneses no Brasil. In: TRAVESSIA Revista do Migrante?, Etnias. N 44, So Paulo, p. 5 10, setembro dezembro. 2002.

    SAYAD, Abdelmalek. A imigrao ou os paradoxos da alteridade. So Paulo: Ed. USP, 1991.

    SCHNEIDER, Clarcio Ivan. Ns e os outros: aspectos da formao de um consenso de comunidade (Oeste Paran, 1946-1960). Questes & Debates, Curitiba, UFPR, n. 34, p. 117-149, 2001.

    SCHWARZSTEIN, Dora. Histria oral, memria e histrias traumticas. Revista da Associao Brasileira de Histria Oral, So Paulo, n. 4, p. 73-83, jun. 2001.

  • SEYFERTH, Giralda. Colonizao, imigrao e a questo racial no Brasil. Revista USP, So Paulo, n. 53, p. 117-149, mar./mai. 2002.

    __________, Giralda. Imigrao e Cultura no Brasil. Braslia: Ed. UnB, 1990.

    SKIDMORE, Thomas E. Preto no branco: raa e nacionalidade no pensamento brasileiro. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

    SUZUKI, Nobuo. WAKISAKA, Katsunori. Papel desempenhado na agricultura

    brasileira. COMISSO DE ELABORAO DA HISTRIA DOS 80 ANOS DA IMIGRAO JAPONESA NO BRASIL. Uma epopia moderna: 80 anos da Imigrao Japonesa no Brasil. So Paulo, Hucitec, 1992. p.461 - 539.