Segurana do Trabalho Mdulo 5  EPI - Prof. Patrcia Bianca  Proteo Auditiva slide 0

Segurana do Trabalho Mdulo 5 EPI - Prof. Patrcia Bianca Proteo Auditiva

  • Published on
    23-Feb-2016

  • View
    21

  • Download
    2

DESCRIPTION

Segurana do Trabalho Mdulo 5 EPI - Prof. Patrcia Bianca Proteo Auditiva. Existem coisas que voc no precisa perder. A audio uma delas. Proteja se!. Diferena entre Som e Rudo. - PowerPoint PPT Presentation

Transcript

Segurana do Trabalho Mdulo 5 - EPI Prof. Patrcia Bianca

Segurana do TrabalhoMdulo 5 EPI - Prof. Patrcia Bianca Proteo AuditivaExistem coisas que voc no precisa perder.A audio uma delas.Proteja se!

Som: Qualquer perturbao vibratria em meio elstico que produz uma sensao auditiva. - Merluzzi, 1981O som uma vibrao que se propaga pelo ar em forma de ondas e que percebida pelo ouvido humano. uma sensao agradvel, em nvel suportvel e que no irrita.

Rudo: Sinal acstico aperidico, originado da superposio de vrios movimentos de vibrao com diferentes freqncias, que no apresentam relao entre si. O rudo um som prejudicial sade humana que causa sensao desagradvel e irritante. Ex:PssarosMsica (Agradvel)Ex:1. Engrenagens2. Escavadeira3. Britadeira4. Funk

SOMRUDODiferena entre Som e Rudo

Fatores que Influenciam o Rudo

1 Tempo de exposio,quanto maioreste tempo maior o perigo.

2 Tipo de Rudo: Pode ser Continuo (sem parar), Intermitente (ocorre de vez em quando) ou de impacto ( Ocorre de repente).

3 Distncia da Fonte Geradora: quanto mais prximo maior o perigo.4 Intensidade: Quanto maior a intensidade, maior o risco para o trabalhador.Fatores que Influenciam o RudoFatores que favorecem a ocorrncia de Perdas AuditivasFreqncia e IntensidadeTipo de rudoContnuo;Intermitente;De impactoTempo de exposioDistncia da fonte ruidosaSensibilidade individual

Leses anteriores no ouvidoExposio a certos agentes qumicos

O som resultado de um movimento vibratrio da matria transmitido atravs de meios materiais e elsticos. energia que se propaga atravs de ondas, chamadas de ondas mecnicas porque precisam de um meio material para se propagar. Este meio pode ser slido como a terra, lquido como a gua ou gasoso como o ar. Na maioria das vezes, ouvimos sons sendo transmitidos atravs do ar.Formas de Propagao do Som

Os meios de propagao so denominados meios elsticos porque so capazes de se deformar com a passagem de ondas sonoras e de restaurar sua forma original aps a passagem das mesmas. Qualquer meio material que propaga uma onda sonora considerado elstico.

Nosso Ouvido(Cclea)Ouvido ExternoOuvido MdioOuvido InternoO ouvido consiste em 3 partes bsicas E cada parte tem uma funo especfica para interpretar o som:Ouvido externo serve para coletar o som e o levar por um canal ao ouvido mdio. Ouvido mdio serve para transformar a energia de uma onda sonora em vibraes internas da estrutura ssea da ouvido mdio e finalmente transformar estas vibraes em uma onda de compresso ao ouvido interno. Ouvido interno serve para transformar a energia da onda de compresso dentro de um fludo em impulsos nervosos que podem ser transmitidos ao crebro. O ouvido externo consiste da orelha e um canal de aproximadamente 2 cm. A orelha serve para proteger o ouvido mdio e prevenir danos ao tmpano. A orelha tambm canaliza as ondas que alcanam o ouvido para o canal e o tmpano no meio do ouvido. Devido ao comprimento do canal , ele capaz de amplificar os sons com frequncias de aproximadamente 3000 Hz. medida que o som propaga atravs do ouvido externo, o som ainda est na forma de uma onda de presso, que um sequncia alternada de regies de presses mais baixas e mais altas. Somente quando o som alcana o tmpano, na separao do ouvido externo e mdio, a energia da onda convertida em vibraes na estrutura ssea do ouvido. O ouvido mdio uma cavidade cheia de ar, consistindo em 3 pequenos ossos interconectados: o martelo, a bigorna e o estribo. O tmpano uma membrana muito durvel e bem esticada que vibra quando a onda a alcana. Uma compresso fora o tmpano para dentro e a rarefao o fora para fora. Logo, o tmpano vibra com a mesma frequncia da onda. Como ela est conectada ao martelo, os movimento do tmpano coloca o martelo, a bigorna, e o estribo em movimento com a mesma frequncia da onda. O estribo conectado ao ouvido interno. Assim, as vibraes do estribo so transmitidas ao fludo do ouvido mdio e criam uma onda de compresso dentro do fluido. Os 3 pequenos ossos do ouvido mdio agem como amplificadores das vibraes da onda sonora. Devido vantagem mecnica, os deslocamentos da bigorna so maiores do que a do martelo. Alm disso, como a onda de presso que atinge uma grande rea do tmpano concentrada em uma rea menor na bigorna, a fora da bigorna vibrante aproximadamente 15 vezes maior do que aquela do tmpano. Esta caracterstica aumenta nossa possibilidade de ouvir o mais fraco dos sons. O ouvido mdio uma cavidade cheia de ar que conectada ao tubo de Eustquio e boca. Esta conexo permite a equalizao da presso das cavidades cheias de ar do ouvido. Quando esta passagem fica congestionada devido a um resfriado, a cavidade do ouvido impossibilitada de equalizar sua presso; isto frequentemente leva a dores de ouvido e outras dores. O ouvido interno consiste de uma cclea, canais semicirculares, e do nervo auditivo. A cclea e os canais semicirculares so cheios de um lquido. O lquido e as clulas nervosas dos canais semicirculares no tm funo na audio; eles simplesmente servem como acelermetros para detectar movimentos acelerados e na manuteno do equilbrio do corpo. A cclea um rgo em forma de um caramujo que pode esticar at 3 cm. Alm de estar cheio de um fluido, a superfcie interna da cclea est alinhada com cerca de 20.000 clulas nervosas que fazem as funes mais crticas na nossa capacidade de ouvir. Estas clulas nervosas possuem comprimentos diferentes, por diferenas minsculas; eles tambm possuem diferentes graus de elasticidade no fludo que passa sobre eles. medida que uma onda de compresso se move da interface entre o martelo do ouvido mdio para a janela oval do ouvido interno atravs da cclea, as clulas nervosas na forma de cabelos entram em movimento. Cada clula capilar possui uma sensibilidade natural a uma frequncia de vibrao particular . Quando a frequncia da onda de compresso casa com a frequncia natural da clula nervosa, a clula ir ressoar com uma grande amplitude de vibrao. Esta vibrao ressonante induz a clula a liberar um impulso eltrico que passa ao longo do nervo auditivo para o crebro. Em um processo que ainda no compreendido inteiramente, o crebro capaz de interpretar as qualidades do som pela reao dos impulsos nervosos. Onde ocorre a perda auditiva induzida pelo rudo ?

Cclea NORMALCclea DANIFICADA

Clios sensoriais danificados, sem possibilidade de regeneraoSem alterao nos clios sensoriais

Problemas na ComunicaoBaixa Concentrao NervosismoBaixo rendimento

Acidentes

Desconforto e CansaoConhecendo os efeitos do Rudo no local de trabalho

O que fazer para proteger o trabalhador do RUDO!!!Controle na FonteSubstituio por outro mais silenciosoBalancear e equilibrar partes mveisLubrificar rolamentos, mancais, etc.Atenuar as vibraesReapertar as estruturasInstalar atenuadores (filtros acsticos)Medidas de Controle do Rudo

Montagem de equipamento pesado sobre molas

Silenciadores de RudoTabela comparativa de Nvel de Rudo (dB)

Enclausuramento (total ou parcial)Tratamento acsticoControle na Trajetria

Enclausuramento Total - Cabines Acsticas

Enclausuramento parcialMedidas de Controle do Rudo

Controle no TrabalhadorMedidas de carter administrativo Organizao do trabalhoUtilizao, correta e efetiva, de equipamentos de proteo

Medidas de Controle do RudoRealizar, periodicamente, EXAMES AUDIOMTRICOSComo proteger-se do RudoAnamnese clnico-ocupacional Exame otolgicoExame audiomtrico realizado segundo os termos previstos na Portaria 19 (09/04/1998)outros exames audiolgicos complementares

Audiograma Normal - Nenhuma frequncia testada supera reduo acima de 25 dBFonoaudiloga inspecionando o meato acsticoEPI PROTETORES AURICULARES

Tipo de Insero ou Plug(Moldveis ou Pr-moldavis)Tipo Abafador ou ConchaConhecendo como utilizar corretamente seu Abafador

Alinhe a altura das conchas de acordo com o tamanho de sua cabea, de modo que as conchas cubram completamente o ouvidoFaa o teste para verificar se tudo est OKCaso o seu abafador tenha como girar verifique se a fita est colocada corretamente.Logo aps o uso, faa a higienizao e verifique o seu estado de conservao freqentementeConhecendo como utilizar corretamente seu Plug Reutilizvel

Puxe a orelha para cima e para o lado de modo a facilitar a colocaoCom as mos limpas, insira o plug at uma melhor vedaoCertifique que est bem colocado e vedando o canal auditivoFaa o teste para verificar se tudo est OKLogo aps o uso faa a higienizao lavando-o com gua e sabo neutro

Para retir-lo, gire e tire devagar eliminando o efeito vcuo

Com as mos limpas, aperte e role o plug entre os dedosPuxe a orelha para cima e para o lado, facilitando a colocaoInsira o plug no canal auditivo, segurando-o por 30 segundosCertifique que est bem colocado, vedando o canal auditivoFaa o teste para verificar se tudo est OKPara retir-lo, gire e tire devagar eliminando o efeito vcuoConhecendo como utilizar corretamente seu Plug de Expanso

CARACTERSTICAS DOS EPIs AtenuaoConfortoCompatibilidadeHigieneCustoNRR e NRRsf quais suas diferenas e o qual usar?NRR e NRRsf so duas metodologias de atenuao de rudo para protetores auditivos. Estes valores no so expressos em dB, como a maioria dos protetores auditivos marcam em suas instrues, mas sim indicies que podem ser subtrados diretamente do nvel de exposio do trabalhador - dado em dB(A) - devido a soma de decibel ocorrer por escala logartmica e no aritmtica (algoritmos manuais) como estamos acostumados a lidar.

Um pouco da histria do NRR

Noise Reduction Rate ou Nvel de Reduo do Rudo (NRR), era usado como forma padro de clculo de atenuao de rudo para protetores auditivos at o ano de 1997, no entanto, muitos protetores auditivos ainda possuem valores de NRR.A norma para obteno deste indicie a ANSI S13.9-1974 e S12.6 1984 e/ou ISO 4869-3. Resumidamente, testa-se protetores auditivos em ouvintes bem treinados com ajuda do executor do ensaio para obter uma colocao perfeita, no entanto, com o passar dos tempos, verificou-se que os valores obtidos eram bem divergentes do mundo real.Hoje, para quem usar o NRR como referncia a NIOSH e a OHHSA sugerem o uso de fatores de correo para tentar obter valores mais prximos dos valores encontrados em "cho de fbrica", porm, estes ndices de correo so de baixa preciso.

NRRsf

O NRRsf, nasceu para oferecer valores plausveis com o do mundo real.Sua metodologia, baseia-se na norma ANSI S12.6 - 1997 (B), que convencionou-se usar ouvintes no experientes, sem treino e sem ajuda pelo executor do ensaio para colocao do protetor auditivo, por isso o SF, que a abreviao de Colocao Subjetiva (do ingls, Subject Fit). Hoje o ndice aconselhado para uso o NRRsf.Curiosidade

As normas orientam que diferenas de at 3 NRRsf entre protetores so desprezveis, ou seja, no h diferena entre usar um protetor com 17 NRRsf e um de 14 NRRsf.

Aqui no Brasil, tentar "peitar" uma fiscalizao baseando-se nisso, acreditamos ser um imenso risco, nossa sugesto ser o mais preventivo possvel para no haver desentendimento com as Delegacias Regionais do Trabalho, nem com outros rgos fiscalizadores.

Em pases como Austrlia e Nova Zelndia adotaram um sistema de classificao dos protetores, que segue como abaixo:Classe A - Protetores com NRRsf entre 20 e 15Classe B - Protetores com NRRsf entre 15 e 10Classe C - Protetores com NRRsf entre 5 a 10

Se este modelo fosse adotado pelo Brasil, certamente iria facilitar a indicao cientfica de EPA, entretanto, quando trabalhssemos perto das margens de nvel de ao talvez no seriamos to preventivos.NRR e NRRsf quais suas diferenas e o qual usar?nico tamanhoColocao rpidaAtenuao uniforme nas duas conchasPartes substituveisModelos variadosHiginicos

Vantagens dos AbafadoresCARACTERSTICAS DOS EPIsDesvantagens dos Abafadores

Desconforto em reas quentesDificuldade em carregar e guardarInterfere no uso de outros EPIsPode restringir movimentos da cabeaDesconfortvel para 8 horas de trabalhoNo recomendado uso com cabelos compridos,barba, culos, etc.

CARACTERSTICAS DOS EPIsVantagens dos PlugsCARACTERSTICAS DOS EPIsUtilizado por pessoas de cabelos compridos, barba, cicatrizCompatvel com outros equipamentosDescartveisPequenos e facilmente transportados e guardadosBoa adaptao a ambientes com calor e umidade excessivaNo restringe movimentos em reas muito pequenas

CARACTERSTICAS DOS EPIsDesvantagens dos PlugsMenor atenuao: movimentos (fala, mastigao) podem deslocar o plugNecessidade de treinamento especficoBons nveis de atenuao dependem da boa colocaoMenos higinicos S pode ser utilizado em canais auditivos saudveisFceis de perderMenor durabilidade