Rio das ostras 17 01 14

  • Published on
    13-Mar-2016

  • View
    222

  • Download
    7

DESCRIPTION

 

Transcript

  • 2 RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

    EXPEDIENTE - Propriedade: EJORAN - Editora de Jornais, Revistas e Agncias de Notcias Sede e Parque Grfico Prprios. Rua: Benedito Peixoto, 90 Centro Maca/RJ Tel. (22) 2106-6060 - CNPJ: 29699.626/0001-10 Registrado na forma da lei Diretor Presidente: Oscar Pires Vendas de Publicidade: Paulo S (22-9926-6222) Diagramao: Czar

    Lobo (atosoficiais@odebateon.com.br) Fotos: Wanderley Gil (fotografia@odebateon.com.br) Acesse: www.odebateon.com.br E-Mail: comercial@odebateon.com.br A direo de O DEBATE no se responsabiliza e nem endossa os conceitos emitidos por seus colaboradores em aes ou artigos assinados, sendo de total responsabilidade do autor. Filiado ADJORI - RJ Associao dos Diretores de Jornais do Estado do Rio de Janeiro e ADI Brasil ANJ Associao Nacional de Jornais.

    O DEBATE RIO DAS OSTRAS

    Parque dos Pssaros abre srie de exposies do anoA exposio Voos, da artista plstica Ar-gina Seixas, j pode ser visitada gratuitamente no Parque dos Pssaros, em Rio das Ostras. O coquetel de lan-amento da mostra, que faz parte do Projeto Natureza e Arte, desenvolvido pelo N-cleo de Educao Ambiental, da Secretaria Municipal do Ambiente, aconteceu na noite desta quarta-feira, dia 8.Argina Seixas natural de

    Guapimirim e, como profes-sora, pde exercitar a pintura e o convvio com a natureza, o que lhe proporcionou experi-mentar diferentes materiais. A artista utiliza uma tcnica de sombreamento para pin-tar o olhar dos animais, sendo uma caracterstica marcante em seu trabalho. Estou muito

    feliz em estar aqui nesse es-pao to especial para ns ar-tistas. Quero aproveitar para agradecer pela oportunidade que tenho em expor pela pri-meira vez em Rio das Ostras, disse Argina.A subsecretria do Ambien-

    te, Alice Guida, e o respons-vel pelo Ncleo de Educao Ambiental da Prefeitura, Tat Costa, recepcionaram os con-vidados durante a abertura da mostra, que ainda contou com a presena do presiden-te da Fundao Rio das Ostras de Cultura, Cosme dos San-tos. Precisamos apoiar cada vez mais a cultura e as artes e nosso Municpio. Por isso, parabenizo a todos que se empenharam para a realiza-o de mais essa exposio, comentou Cosme.

    Admiradores das artes pls-ticas podem conferir as obras de tera a domingo, entre 9h e 16h, at 10 de fevereiro. O Parque dos Pssaros fica no final da Rua Petrpolis, s/n, no Jardim Marilea.

    OFICINAS DE VERO As oficinas no Parque dos Pssa-ros fazem parte do Programa de Oficinas Reciclveis desen-volvidas pela Secretaria do Ambiente de Rio das Ostras. As atividades comeam no dia 15 de janeiro e seguem at 26 de fevereiro, sempre s quar-tas e sextas, entre 14h e 17h.Todas as aulas sero gra-

    tuitas, bastando apenas que os participantes levem em-balagens de vidros, plsticos, caixas de leite, filtros de pa-pel e papelo, entre outros

    materiais que podem ser reaproveitados. Inscries e informaes pelo e-mail

    edambiental.semap@gmail.com ou pelos telefones 2771-6420 e 2771-6421.

    MAURICIO ROCHA

    Argina 4FJYBT FYQFSJNFOUB EJWFSTPT NBUFSJBJT FN TVBT PCSBT

  • RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 3 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

    Formao Profissional Por Luciana Leal

    Todos ns nos preocupamos em planejar nossa vida profissional. Um bom pro-fissional tem sempre os seus objetivos bem definidos, por isso daremos algumas dicas de como comear a montar um plano de car-reira. Depois de planejado, basta por seu plano em pr-tica.Primeiramente comece a

    tomar notas de todos os da-dos que considerar relevan-tes para o seu plano e defina os tpicos mais importan-tes. Com uma boa base de idias em rascunho, reflita sobre os seus objetivos de

    Planejando sua vida profissional1PS -VDJBOB -FBMSJPEBTPTUSBT!TBZTDPNCS

    carreira e analise que com-petncias suas o vo ajudar a atingir este objetivo. Ano-te quais aspectos precisa desenvolver.Pense tambm, nas suas

    experincias profissionais anteriores e analise de que forma pode aproveitar es-tas vivncias para a funo que exerce ou que pretende exercer. Outro ponto importante

    preocupar-se com os com-portamentos/atitudes que influenciam positiva ou negativamente o seu de-senvolvimento profissio-nal e o seu relacionamento com os outros. Lembre-se de avaliar o seu estilo de comunicao, de deciso, administrao do tempo,

    soluo de pro-blemas, organi-zao, etc.Uma das fases

    mais importan-tes no desen-volvimento do seu plano de

    carreira a sua situa-o profissional atual. Analise de que forma poder desenvolv-la, pois seus contatos com os seus superiores, su-bordinados e colegas de trabalho podero ser valiosos, alm de

    lhe dar ou-t ras pers-p e c t i v a s .

    Liste o que mais lhe agrada na sua situao atual e o que gos-taria que fosse diferente.Naturalmente, seguindo essas

    dicas possvel uma melhor or-ganizao das suas idias e do que realmente almeja para sua vida profissional. Lembre-se que descrever e refletir sobre o que pretende contribuir muito para o seu sucesso.

  • 6 RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

    Profissionais da Educao de Rio das Ostras tm mais uma oportunidade de capacitao. O curso de Preveno do Uso de Drogas para Educadores de Escolas Pblicas, destina-do a educadores que atuam com alunos do stimo ao no-no ano de Ensino Fundamen-tal e Ensino Mdio, est com inscries abertas at 14 de fevereiro.O curso acontece em par-

    ceria com a Secretaria Mu-nicipal de Cincia, Tecnolo-gia e Inovao, por meio do convnio firmado com a UAB Universidade Aberta do Brasil, no polo que funciona no Centro Municipal de Qua-lificao Profissional.Ofertado totalmente na mo-

    dalidade distncia pelo Cen-tro de Educao a Distncia (Cead) da Universidade Fede-ral de Juiz de Fora (UFJF), o curso gratuito e desenvolvi-do em nvel de extenso, com carga de 180 horas e objetivo de capacitar profissionais das escolas pblicas para trabalhar coletivamente na preveno do uso de drogas, alm de atuar no fortalecimento da comunidade com projetos de preveno.Outros profissionais das

    reas de segurana pblica, sade assistncia social, que desenvolvam atividades em escolas pblicas, tambm podem se inscrever para o processo seletivo, que dis-ponibiliza 10 mil vagas para municpios de Minas Gerais e Rio de Janeiro. As vagas se-ro preenchidas obedecendo a dois critrios de seleo: grupos de no mnimo trs e de no mximo dez educado-res-cursistas por escola e or-dem de inscrio.O resultado final do pro-

    cesso seletivo ser divulga-do em 28 de fevereiro e o incio das aulas est previs-to para o primeiro semestre de 2014. Informaes e ins-cries pelo site www.cead.ufjf.br, da Universidade Fe-deral de Juiz de Fora.

    A Secretaria de Ci-ncia, Tecnologia e Inovao de Rio das Ostras, por meio do Pro-grama Municipal de Qua-lificao Profissional, abre na prxima segunda-feira, dia 20, as inscries para a formao de novas turmas do curso Informtica Para o Mundo do Trabalho. As inscries podero ser reali-zadas pela internet, por meio

    do Portal da Prefeitura www.riodasostras.rj.gov.br/secti. Ao todo, esto sendo ofere-cidas 129 vagas, com 10% de-las destinadas a pessoas com deficincia.O curso tem como objetivo

    habilitar o aluno para traba-lhar com redao de textos, planilhas eletrnicas, apre-sentao de slides, correios eletrnicos e navegadores de internet, desenvolvendo,

    portanto, habilidades na uti-lizao de computadores pa-ra auxiliar em suas atividades profissionais. No caso de lo-cais sem acesso internet, as aulas acontecero no Centro Municipal de Incluso Digi-tal de So Cristvo.Para participar, neces-

    srio residir em Rio das Ostras, ter no mnimo 16 anos completos at a data da matrcula, escolaridade

    mnima de Ensino Mdio incompleto e no estar ma-triculado em outro curso de qualificao profissional. As aulas sero realizadas nos Centros de Incluso Digital, distribudos por diferentes localidades do Municpio, por isso, im-portante que o candidato se inscreva para as vagas disponveis o mais prximo possvel de sua residncia.

    Segunda temporada do Soul da Casa

    DIVULGAO

    .JDIB %FWFMMBSE GB[ USJCVUP B 3BVM 4FJYBT

    Curso de preveno ao uso de drogas para educadores

    Novas turmas para curso gratuito de informtica

    Depois do sucesso de pblico em 2013, com apresentaes de v-rios artistas da Regio, a Fun-dao Rio das Ostras de Cultu-ra retorna com o Soul da Casa, no dia 23 de janeiro. Sempre as quintas-feiras e com pre-os populares, que variam de R$ 10 a R$ 20, os shows apre-sentam populao sucessos da Msica Popular Brasileira. No palco do Teatro, os artistas executam diversos gneros, passando pelo samba, rock, forr, baio, entre outros. As apresentaes acontecem a partir das 20h30.Quem abre a segunda tem-

    porada Micha Devellard, que homenagear Raul Sei-xas. A cantora, que j partici-pou do Soul da Casa com um tributo ao Baro Vermelho, disse se sentir honrada em voltar ao palco do Teatro Po-pular.Cantar Raul uma tarefa

    de muita responsabilidade. Ele marcou duas dcadas do rock nacional e revolucionou as ideias na poca da ditadura. Agora, ser convidada para re-tornar no Soul da Casa uma alegria muito grande. Selecio-namos os clssicos de Raul pa-ra deixar a abertura na histria de Rio das Ostras, conta.Para Cosme dos Santos,

    presidente da Fundao Rio das Ostras de Cultura, o Soul da Casa um evento de su-cesso por isso no pode parar. Deu muito certo. Foi melhor do que ns imaginvamos. Vimos no olhar de nossos artistas o brilho de satisfao em integrar a programao musical do Teatro Popular. Se deu certo precisamos conti-nuar com ele, disse.

    SOUL DA CASA Na primeira temporada do Soul da Casa o pblico teve a oportunidade de prestigiar grandes cantores e compo-sitores brasileiros. Maria Bethnia, Caetano Veloso, Elis Regina, Baro Verme-lho, Luiz Gonzaga, Domin-guinhos, entre outros, es-tiveram no repertrio dos

    cantores locais.O objetivo do Soul da

    Casa abrir as portas do Teatro Popular de Rio das Ostras para dar oportuni-dade aos talentos locais que desejam se lanar no cen-rio musical da Regio. A ar-recadao dos ingressos destinada aos cantores que tambm contratam bandas para a apresentao.

  • RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 7 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

    Por Carlos Bernardo Gonzlez Pecotche (Raumsol)

    MPHPTPGJBNBDBF!HNBJMDPNbr - (22) 9809-8112 - www.logosofia.org.br

    Vontade a fora psquica que move as ener-gias humanas e pe em atividade as deter-minaes da inteligncia para o bem, defesa e superao do indivduo. A falta de vontade anula essas possibilidades e prostra o ser na indiferena e na inrcia, faz sua inteligncia fracassar e chega at a perverter sua sensibilidade, porque o expe a todas as tentaes e contingncias que o ameaam. Os movimentos da vontade, pequenos ou grandes, so

    impulsionados por dois fatores de primordial importn-cia, que se alternam e se substituem de forma temporria ou permanente: a necessidade e o estmulo. A necessidade atua sobre a vontade determinando mo-

    vimentos quase automticos, que foram o ser a realizar at as coisas que ele no quer ou que devia ter feito, por determinao do prprio pensar e sentir; seu principal agente a premncia, que no admite demoras de ne-nhuma espcie enquanto urge o cumprimento de uma obrigao, ou a satisfao de uma exigncia inevitvel. O estmulo age tambm sobre a vontade, mas ativa por

    sua vez a inteligncia e o sentimento, despertando o nobre

    af de substituir a escassez pela abundncia em cada um dos setores da vida em que a vontade desempenha papel preponderante. Por mais cansada que a pessoa se sinta ao trmino de

    uma jornada, se lhe oferecida a oportunidade de distrair-se com algum passatempo favorito, dificilmente deixar de faz-lo. Isto significa que a perspectiva de passar um momento agradvel influi sobre a vontade, ativando-a. Fica assim demonstrado como a vontade se mobiliza, in-citada por um estmulo qualquer, o que d ideia do muito que se pode conseguir quando ela se ativa em virtude de estmulos edificantes, como so os que o conhecimento transcendente proporciona.

    A deciso vigoriza o temperamento e faz com que o nimo se recupere no instante

    em que comea a decair

    A antideficincia a ser aplicada nos casos de falta de vontade a deciso. Para que seja efetiva, ter de ser pra-ticada com responsabilidade - como toda antideficincia

    exige -, sobrepondo-se com empenho apatia at triunfar. O ser deve demonstrar que capaz de contrapor abulia que o domina a deciso de combat-la. Conseguir, assim, ter vontade para tudo. Primeiramente, ser necessrio querer uma coisa ou

    querer fazer algo; mas quer-lo com fora, para permitir que a antideficincia entre em vigor. O simples fato de pensar que estamos levando prtica uma disposio emanada de ns mesmos, que tem por fim imediato nosso prprio benefcio, contribuir de maneira decisiva e sem maiores tropeos para a conquista daquilo que buscamos. A vontade, assim fortalecida, vai se erigindo em valor ina-

    precivel, constituindo-se na fora que move o homem na procura dos bens que prometeu para sua vida e seu destino. Tendo isso presente, no sero deixadas para amanh

    as coisas que podem ser feitas hoje, j que isso permite ao ser ganhar um tempo que, no dia seguinte, poderia ser destinado a outros afazeres.

    5SFDIPT FYUSBEPT EP MJWSP %FGJDJODJBT F 1SPQFOTFT EP 4FS )VNBOP QQ B

    Deficincia: Falta de Vontade Antideficincia: Deciso

  • RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 9 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

    por Eduardo CamilloArquitetando Espaos&EVBSEP $BNJMP"SRVJUFUP F 4DJP %JSFUPS EB 4BOESJO "NCJFOUFT 1MBOFKBEPTTBOESJOSP!PJDPNCS

    Atualmente o so-nho das pessoas que gostam de cozinhar e receber, ter um espao onde possam fazer as duas coisas ao mesmo tempo, e como a cozinha sempre foi o centro dos acontecimentos de uma casa, surgiu recen-temente uma tendncia que vem se tornando o sonho de consumo de muitos. A cozi-nha gourmet passa a ser o centro da casa, onde se pode cozinhar e conversar. o es-pao onde o cozinheiro no fica longe de suas visitas e ao mesmo tempo pode ser um ambiente para diverso em conjunto.Sofisticado e aconchegante,

    com uso de diferentes mate-riais que combinam entre si, o espao gourmet um ambiente onde abriga eletrodomsticos de alta tecnologia, cooktops,

    fornos, coifas, entre outros elementos. Quanto ao estilo podem ser feitas combinaes do moderno com o rstico ou totalmente hightech, quem di-ta as regras o estilo de vida de cada famlia. H pessoas que querem uma cozinha mais completa com forno lenha, churrasqueira e forno de pizza.A princpio, para montar um

    espao gourmet em sua casa, preciso planejar e dividir bem os espaos. A ideia de integra-o na casa, por isso, muitas ve-zes necessrio passar por pe-quenas reformas para adequar os ambientes. Os equipamentos de som e TV tm espao garan-tido e se for prximo piscina a diverso fica completa.Gourmet o nome que se d

    a uma cozinha ou produto ali-mentar (incluindo bebidas) que estejam associados ideia de alta cozinha, evocando assim,

    um ideal cultural, associado com as artes culinrias. A pa-lavra gourmet tem ascendn-cia francesa e o seu significado original designava os bons apre-ciadores de vinho. Atualmente j faz parte do vocabulrio por-tugus e alargou o seu mbito a tudo o que se relaciona com os prazeres da mesa, sempre na

    perspectiva da autenticidade e da qualidade. E claro, no se esquecer de dar um toque pes-soal em cada escolha, seja dos eletrodomsticos, mveis entre outros complementos. Assim, voc personaliza e d identida-de ao ambiente. Nesta semana iniciamos a

    montagem de uma cozinha gour-

    met em parceria com o Cenarium Hall, compartilho com vocs ago-ra a imagem do projeto e semana que vem a foto do ambiente e o passo a passo para se ter um es-pao til e funcional como esse. At semana que vem. Abrao!

    Afinal, por que o termo Gourmet?

  • 10 RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

    Aroma e Seduo por Ellen Carvalho

    &MMFO $BSWBMIPdnaparfum@gmail.com

    Quando re-lacionamos bebidas com perfumes, pode at parecer estranho, mas se pensarmos na origem do perfume que comea no Egito e logo depois com o povo rabe que deu uma enorme contri-buio para as guas de cheiro e tambm para bebidas destila-das que conhecemos hoje, tudo se explica.Foi atravs da desco-

    berta do processo de

    Perfumes masculinodestilao em alam-biques que inventa-ram a gua de rosas (primeiro perfume moderno sem lcool) e no demorou mui-to para dominarem a destilao do lcool. Avano total para os perfumes e para as bebidas destiladas!!!Agora temos um

    bom motivo para unir estes dois temas com exemplos modernos de experincias de consumo.Thierry Mugler, o

    famoso perfumista fundiu muito bem es-tes temas em seu per-

    sua fragrncia.Notas de trufas e

    fumaa envelhecidos em barris de carvalho poderiam estar es-tampados em rtulo de bom whisky mas neste caso, comple-tam o charme deste perfume.O perfume produ-

    zido atravs de uma mistura de leos es-senciais aromticos, lcool e gua com o objetivo de propor-cionar um agradvel aroma ao corpo hu-mano. Desde os tem-pos antigos o perfume vem sendo utilizado,

    o perfume foi elabo-rado pela primeira vez no Egito por volta de 2.000 a.C.No mercado pos-

    svel encontrar per-fumes de diversas marcas e flagrncias nacionais, importa-dos masculino, femi-ninos e infantis para todos os gostos. Entre os vrios tipos de per-fumes se destacam os amadeirados, doces e ctricos que so bas-tante utilizados.Eu fiz uma pesqui-

    sa na internet para procurar saber qual o perfume masculino mais usado na atuali-dade e encontrei uma lista onde voc pode analisar com calma se voc conhece algu-mas das flagrncias e qual a que realmente o agrada.

    Os 10 perfumes masculinos mais usa-dos

    10 Bvlgar i B lack Unissex9 Dolce & Gabbana8 Polo Sport7 Hugo Boss6 Azzaro Silver Black5 Kouros4 212 Men3 Animale For Men2 Azzaro1 Ferrari Black

  • RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 13 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

  • 14 RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

    Coisas de Rio das Ostras e do Brasilpor Jussara Leite

    *** Como que ainda tem quem ache certo com tanto emprego dis-ponvel pessoas ficarem nos sinais de trnsito perturbando e por que no dizer enchendo o saco, jogando bolinhas para o alto. Alguns saram da frente do ex Mirante do Poeta e esto no sinal da entrada de Costa Azul. Por ora s um permanece no sinal do Mirante e por sinal, at um rapaz com uma aparncia razo-vel que poderia estar empregado. Agora tem uma turma que migrou para Costa Azul que constrange, no s pela aparncia, mas pelo mau cheiro tambm. Sabino, esto que-rendo acabar com a menina dos seus olhos! No foi o caminho das ndias que eles e outros tipos indesejveis acharam, mas sim o caminho de Costa Azul, lamentavelmente.*** Rosinha, Lindinha e Joaninha,

    onde esto vocs? Tentei me comu-nicar no final do famigerado ano de 2013 e no obtive xito! Rosangila, Ninha, Marcia, tia Bia, Edilane, Mariza, tambm recebam o meu abrao, a minha lembrana e o de-sejo de sade e paz.*** Agora, vamos aos elogios: Para-

    benizo Mariana Confot que escreve a coluna deste jornal Yoga e felici-dade. Gosto de tudo que voc escre-ve! NAMASTE. Outro que tambm merece elogios, Yasmim Flores, que deu uma sumidinha, mas j est de volta escrevendo sobre flores que uma das coisas mais lindas que a

    natureza nos d. Gosto muito tam-bm das orientaes das colunistas Solange Mattos e Thamires Silva. Gente, tenho conscincia que sou crtica, porm sou extremamente sensvel, portanto em se tratando de animais, flores e espiritualidade, comigo mesmo! *** Outro que merece elogios (e

    os meus so sempre sinceros, pois quando gosto, quando percebo que a coisa no na base da safadeza, dou a Cesar o que de Cesar sem constrangimentos) o Magno, genro da Carmem e do Gelso, marido da Jaqueline. Ele merece a minha aten-o e respeito. Est fazendo um tra-balho correto e o mais interessante que ele trabalhava em um ramo bem diferente daquele assumido agora. Ele honesto, organizado e tem a maior boa vontade em resolver os problemas inerentes secretaria para onde foi designado, e o melhor, no puxa-saco nem bajulador. Faz o seu trabalho com dignidade, amigo dos amigos e no interes-seiro. Enfim, ele tudo de bom para a gesto Sabino. Quem diria! Quem dera que todos os que receberam a ateno do Sabino trabalhassem corretamente! Alerta s periguetes: A Jaqueline no d moleza no! S um detalhe no est me agradando; eles no esto mais indo nos Ami-gos da Bossa! Esto perdendo sho-ws muito bons. Magno, mantenha-se como voc sempre foi e no fique se

    achando como a maioria que recebe cargos, mesmo quando os tais cargos no so to cargos assim. Continue o rapaz humilde e bom carter que voc sempre foi. Parabns! *** A carestia de homens desim-

    pedidos e de bom carter est cres-cendo em Rio das Ostras! Mulheres corretas, inteligentes, saudveis e at bonitas esto sem parceiros, sem companheiros. O que ser que est acontecendo? Ou so comprometi-dos (se bem que alguns so adeptos de que cavalo amarrado tambm pasta) ou so meio barro, meio ti-jolo! A coisa est caminhando para que Rio das Ostras no v s impor-tar ching-lings. bom comearem a pensar em importar homens com H maisculo, ou seja, fiis, mentes sadias e inteligentes para percebe-rem que nem tudo que reluz ouro! Entenderam? *** Por lembrar as lojas ching-lin-

    gs, vocs, meus leitores, repararam o que est abrindo de lojas 'mequetre-fes'? quase uma ao lado da outra! Isso quer dizer o qu? A meu ver que a invaso de baixa renda to grande que o negcio abrir comr-cio para vender para eles. As lojas mais parecem porta de tinturarias de anos atrs com as peas pendu-radas at no teto com tudo quanto cor possvel e imaginria. Coisa fina outra coisa!*** Ser que vou morrer e no vou

    saber o motivo da sada do Roger do

    jornal RJ News? Afinal ele foi sem-pre fiel e amigo do Prefeito e como acho se tratar de um dos bons jor-nais que por aqui circulam, fiquei curiosa! Roger, no captei a mensa-gem! Ser que as bocas de Matildes j esto sabendo o que realmente aconteceu ou ser que a verdade ser trancada a sete chaves? *** Sei que se conselho fosse bom

    no seria dado e sim vendido, mesmo assim quero alertar ou aconselhar (como queiram) os proprietrios do restaurante TRAINEIRA, recm-inaugurado, que fica na Av. Amazonas em frente feirinha. A parte externa, o varando, muito gostosa, mas a parte interna precisa passar por um aprimoramento no que tange ao som que est muito alto. De qualquer ma-neira mais um point noturno para encontros com os amigos como foi o meu caso quando revi o meu querido DR. Ilton que trabalhava no Centro de Reabilitao e no trabalha mais, seu filho David e seu sobrinho. Na foto, alm deles est a figurinha carimbada, minha amiga El. Amigos da Bossa: J esto sendo

    vendidos os convites para a noite de 28/01/14. Quem gosta de samba no deve perder! Lene Moraes vi-r na cadncia do samba animar a noitada. Canta bem, simptica e o repertrio tambm bom. Adquira os convites ao preo de 30,00 reais na Padaria Costa Azul, ArtManha, Pousada Sonho Verde.

  • RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 15 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

  • 16 RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

    Socialpor Mark Ramospor Mark Ramosmarkbuffet@ig.com.br

    O cenarium Hall, mais uma vez, foi palco principal para celebrar o amor, a fa-mlia e a unio, desta vez do doce e simptico casal Filipe e Mariana, que vie-ram de Maca para confra-ternizarem com amigos e

    familiares numa noite que alm de linda e alegre, se tornou MGICA para to-dos que estiveram ali e que puderam contemplar de perto esta unio. Um casal cmplice de nosso traba-lho e que, por meses, es-peravam ansiosos por este dia e que confiaram a mim assinando esta produo linda e sofisticada. Cada

    detalhe foi pensado cuida-dosamente para expressar o tanto de carinho que este casal queria passar naquela noite a todos, sem exceo.

    Uma cerimnia repleta de gente bonita e bem vestida, somada a tanta emoo que no faltaram lgrimas no momento da cerimnia to esperada por todos.Uma decorao linda e

    sofisticada para receber os convidados com mui-to carinho e ateno, pois sempre foi esta a inteno do casal Mariana e Filipe, cmplices do nosso tra-balho, me encantei com os dois quando na primeira vez que entraram em meu escri-trio no Cenarium Hall, pa-ra avaliarmos um oramento e que no demorou muito vieram a confirmar o desejo

    de realizar o casamento aqui no palco do Cenarium Hall. Sei o quanto foi difcil, mais foram fiis a mim e ao meu trabalho. Aproveito a opor-tunidade para agradecer o carinho e o crdito dado ao Cenarium hall e ao Mark Buffet e Decorao, para re-alizarmos o to esperado e sonhado dia do casal. Visua-lize esta e outras produes atravs de nosso site: www.cenariumhall.com.br ou atra-vs do Facebook.Nunca deixem de sonhar!

    Espero por vocs na prxi-ma semana em mais uma coluna social.(Mark Ramos)

  • RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 17 O DEBATE RIO DAS OSTRAS O DEBATE RIO DAS OSTRAS

  • RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 19 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

    Casa e Estilo por Alexandre Silva Leal

    "MFYBOESF 4JMWB -FBMpredilecta_ro@hotmail.com

    Vamos Decorar

    Decorar uma casa no tarefa fcil, tanto que existem profissionais especializados em tornar este trabalho menos rduo. Mveis no devem bloque-

    ar a circulao de pessoas.Antes de optar pelo desig-

    ner, no deixe de pensar na funcionalidade de mveis, eletrodomsticos e objetos decorativos."Normalmente, o excesso de

    objetos tende a dar a impres-so que voc no sabe de fato aquilo que gosta e aumenta a chance de exibir peas no to legais assim. Faa uma edio em suas colees e tente guardar itens que voc

    j no gosta mais.Como j foi tratado em mui-

    tas de nossas reportagens, ambientes decorados apenas com cores neutras podem ser elegantes, mas as chances de que eles sejam tediosos tam-bm aumentam. As cores cer-tas podem transformar um ambiente e se der errado voc sempre pode pintar com uma nova tonalidade por cima.Fique atento no tamanho do

    mobilirio que voc escolhe para a sua casa. Evite mveis grandes, porque reduz a circu-lao das pessoas e o cmodo tende a parecer menor. Mes-ma coisa para o excesso de mveis ou uma m distribui-o deles. Para evitar, nunca esquea de medir os mveis na loja e testar em casa com

    fita adesiva. Para acertar na disposio, vale se inspirar em ambientes semelhantes aos que voc tem em casa em sites e revistas.Antes de comprar camas,

    cadeiras, poltronas e sofs, tenha em mente que por mais lindos que eles sejam, sero mveis onde voc de-ver usar em seus momentos de relaxamento. Ou seja, eles devem ser extremamente confortveis. Antes de levar, teste bastante, procure a opi-nio de quem possui mveis similares.O tapete deve ter tamanho

    suficiente para delimitar e definir reas dentro de um ambiente. Ele no pode ficar ilhado entre sofs, atrapalhar a movimentao de cadeiras ou tampar toda a rea dispo-nvel do piso. Lembre-se, ele um tapete, no um carpete.Desorganizao pode estra-

    gar todo o trabalho que voc

    teve para escolher mveis, acabamentos e itens para ca-sa. Invista em organizadores, armrios, estantes e espaos de armazenamento para ti-rar a baguna do alcance dos olhos.A Predilecta Moveis Plane-

    jados tem uma ampla escolha de solues de conforto sus-tentvel para seus sonhos

  • 20 RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

  • RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 21 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

    Meio Ambiente por Antnio Ribeiro Peixoto"OUPOJP 1FJYPUPEng.Segurana TrabalhoConsultor/InstrutorPerito Judicial Ambientalajrpeixoto@yahoo.com.br

    Literatura por Leda Ferreira

    1PS -FEB 'FSSFJSBleda.leiturasereleituras@gmail.com

    Leitores ob-sessivos so aqueles que es-to sempre antenados com novos lanamen-tos e descobrem livros antigos, que no so mais impressos pelos editores e para encon-tr-los, somente em se-bos, e uma maravilha entrar nestas lojas on-de existe um arsenal de preciosidades.Outro dia, li num jor-

    nal de grande circula-o, uma reportagem sobre dedicatrias encontradas em livros

    adquiridos em sebos. Logo depois, assis-ti pela televiso num programa dedicado literatura, informaes sobre o mesmo assunto, ento fui pesquisar na internet e achei hist-rias incrveis.Uma blogueira conta

    que, garimpando num sebo, descobriu um li-vro do autor moam-bicano Mia Couto com dedicatria muito ca-rinhosa para Valria.Tempos depois a

    blogueira foi trabalhar numa livraria onde fez amizade com v-rios clientes, entre eles uma mulher assdua

    frequentadora do lugar.Um dia, a blogueira

    comentou com a mu-lher a aquisio do li-vro de Mia e recitou parte da dedicatria escrita pelo autor. Para surpresa da vendedora, a cliente, emocionada, falou sobre um texto que havia escrito no livro falando de sua amizade com o autor e informou que a tal Va-lria era ela.A vendedora se sen-

    tiu na obrigao de de-volver o livro verda-deira dona, que tinha ganhado o livro quando residia em Angola e, ao se separar do marido,

    DEDICATRIAS voltou a morar no Bra-sil tendo deixado todos os seus livros por l.Nenhuma das duas

    descobriu os caminhos que o livro tomou para voltar s mos de sua dona, que como era amiga do autor, contou a ele o ocorrido.

    Quando Mia Couto veio ao Brasil, fez uma dedicatria especial para a blogueira em seu livro Terra Sonm-bula, pela generosidade de ter devolvido o livro para sua amiga Valria.Histrias de livros

    com dedicatrias que

    so perdidos e retor-nam aos donos existem muitas e emocionantes.Porm existem as

    histrias de livros que seus donos se livram deles logo ao receb-los, como a dos livros Aritmtica, de Fernan-da Young e At o Dia em que o Co Morreu, de Daniel Galera que um leitor encontrou num sebo em So Pau-lo, novos, sem marcas, com dedicatrias para o fotgrafo J. R. Duran.Existem ainda, pes-

    soas que colecionam dedicatrias, mas isso uma outra histria que d uma crnica bem maior que essa.

    O s E s t udo s d e Anlises de Riscos Industriais so ex-tremamente impor-tantes para proteger a populao sediada em torno de uma instalao, conven-cional ou industrial, suscetvel a aciden-tes pela disperso de substncias txicas, incndios, exploses, ondas de choque, en-tre outros. Tais ocor-rncias, na maioria das vezes, no ficam limitadas s instala-es da empresa em questo, tornando-se

    objeto de estudo em um processo de li-cenciamento ambien-tal. A progressiva ex-panso da capacidade produtiva ao longo de dcadas gerou gravesproblemas de de-

    gradao ambiental, alm de consequn-cias de qualidade de vida e de sade. O crescimento da pre-ocupao com a con-servao e a presena da qualidade ambien-tal tem se tornado ca-da vez mais ativa em pases, em virtude da evoluo do his-trico de problemas ambientais gerados ao longo dos anos principalmente pela operao de proces-sos industriais, que

    geram degradao da qualidade ambiental tanto em sua opera-o de rotina quanto em acidentes am-bientais (exploses, derramamentos, va-zamentos, transbor-damentos em equi-pamentos ou instala-es). Na dcada de 80, surge no Brasil a primeira legislao ambiental em virtu-de dessa crescente expanso econmica e, ao mesmo tempo, a preocupao com a preservao. A ava-liao de impactos ambientais e o licen-ciamento de ativi-dades efetivam, ou potencialmente po-luidoras, so estabe-lecidas pela Poltica

    Nacional de Meio Ambiente, de 1981, como dois de seus instrumentos de im-plantao. Para se analisar uma plan-ta industrial tem-se dois cenrios: o inter-no e o externo. No ce-nrio interno a planta um problema que est vinculado ao Ministrio do Traba-lho. Porm se for um cenrio externo a es-ta planta industrial, passa a ser um pro-blema ambiental, on-de neste caso h uma multiplicidade de legislaes variando de acordo com o Mu-nicpio e Estado. Com o decreto n 42.159 de 02 de dezembro de 2009, foi estabe-

    lecido a necessidade de um responsvel tcnico para rea ambiental. Assim, no contexto do licen-ciamento ambiental, obrigatria a exis-tncia do respons-vel pela rea do Meio Ambiente, sendo em muitos casos prticos aqueles responsveis pela rea de Meio Ambiente, sendo em muitos casos prticos aqueles responsveis pela rea de Segu-rana e Sade. Risco toda possvel fonte acidental de perigo, produo de dano ou dificuldade, ou fre-quncia prevista dos efeitos indesejveis decorrentes da expo-sio a um poluen-

    te. O risco ambiental deve ser considera-do como um proces-so que se estrutura ao longo do tempo, no estando restrito aos eventos natu-rais ou tecnolgicos catastrficos,como grandes enchentes, acidentes industriais, etc.A construo do

    risco, tomada com um somatrio de pro-cessos em diferentes intervalos temporais est vinculado ao modo de vida moder-na e vida cotidiana nas cidades.

  • 22 RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

    Concessionria da BR 101 critica suspenso da cobrana de pedgio

    ESTRADAS

    Na ltima segunda-feira (13), a justia de Campos suspendeu cobrana em duas praas de pedgio em Serrinha e Gandu%BOJFMB #BJSSPTdanielabairros@odebateon.com.br

    A Autopista Fluminen-se, concessionria que administra a BR 101, divulgou nota informando que foi surpreendida no final da tar-de da ltima segunda-feira (13), com o recebimento de uma me-dida liminar concedida pelo juiz de direito da 2 Vara da Famlia de Campos dos Goytacazes, Ral-ph Manhes Jnior, determi-nando a suspenso da cobrana do pedgio nas praas 1 e 2, em Serrinha e Gandu, localizadas nos quilmetros 40 e 123 da BR 101, respectivamente.Ainda segundo a nota, a con-

    cessionria discorda dos termos da referida deciso, por consi-der-la injusta, j que vem de-senvolvendo seus trabalhos em conformidade com o contrato de concesso, tendo implantado importantes melhorias em prol dos usurios da rodovia BR-101/RJ, a qual encontra-se, inclusive, em plena fase de duplicao. A Autopista Fluminense informou tambm que foram mais de R$ 803 milhes investidos pela con-cessionria na BR 101-RJ at de-zembro do ano passado. Ainda segundo a concession-

    ria, a Autopista Fluminense dar cumprimento deciso liminar, suspendendo a cobrana de pe-dgio nas referidas praas desde ontem (14), sendo que apresen-tar o recurso cabvel contra a referida deciso, esperando que ela seja revertida o mais breve possvel, restabelecendo-se a cobrana de pedgio nas duas praas. Por fim, a concessionria

    conclui informando que por questes operacionais, os usu-rios sero liberados nas cabines, aps a abertura das respectivas cancelas, com o devido registro da passagem dos veculos sem a cobrana da tarifa. A reportagem do Jornal O DE-

    BATE entrou em contato com o Juiz Titular da 2 Vara da Fam-

    WANEDERLEY GIL

    4FHVOEP +VEJDJSJP JSSFHVMBSJEBEFT DPOUSBUVBJT GPSBN BQPOUBEBT QBSB TVTQFOTP EF QFEHJP FN EVBT QSBBT EB #3

    lia de Campos dos Goytacazes, Ralph Manhes Jnior, mas ele no foi encontrado para comen-tar o assunto. Por estar acumu-lando funes, ele assumiu a 1 Vara Cvel da cidade, de onde saiu deciso de suspender a co-brana de pedgio na BR 101. Durante o relato, na deciso

    do processo, Ralph Manhes J-nior, fala que a sentena se deu s inmeras infraes contra-tuais cometidas pela concessio-nria, no que se refere ao con-trato de concesso da rodovia BR 101, em especial, no trecho que o corta o municpio, alm de desrespeitar flagrantemente s normas do Cdigo Consumei-rista, sem se importar com os consumidores, principalmente no que refere segurana, colo-cando em risco, com sua atitude ou omisso, a vida daqueles que

    transitam pelo trecho. O juiz diz ainda, no documen-

    to, que h quase seis anos, aps ter assumido a administrao da rodovia BR 101, nos trechos indicados, a concessionria pra-ticamente no cumpriu quais-quer dos prazos estabelecidos no contrato de concesso para que providenciasse melhorias e aumentasse a segurana na rodovia, a despeito de estar h vrios anos cobrando pedgio dos consumidores, sem a devi-da contraprestao. Ao contr-rio, aps seis anos de concesso, a situao atual bem pior do que antes daquele ato, j que os acidentes com mortes conti-nuam acontecendo de maneira assustadora, presenciando a comunidade deste municpio vrias tragdias em que filhos se tornam rfos e pais perdem

    os seus filhos, dano este irrepa-rvel. Em outro trecho do documen-

    to, o juiz diz: inacreditvel que os consumidores tenham que pagar pedgio vrios anos sem que quilmetro algum tenha sido entregue at a presente data aos seus destinatrios, que tambm no tm informao al-guma de quando isso ocorrer, havendo uma espera irritante quanto s obras que caminham de forma lenta. O juiz cita tambm que a con-

    cessionria financiou e vem fi-nanciando as obras ditas de me-lhorias com dinheiro pblico, j que obteve vrios financiamen-tos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento) para tal fim, alm do dinheiro dos con-sumidores que pagam vrios pedgios numa nica viagem, o

    que configura o abuso por parte da demanda na relao consu-meirista. Segundo o juiz, a con-cessionria, alm de no fazer os investimentos programados, visando segurana daqueles que transitam na rodovia sob concesso, o despeito da exis-tncia de prazos expressos nes-se sentido, vem fazendo alguns reparos e obras com dinheiro pblico e dos consumidores, pa-recendo assim, que a concesso em questo o melhor negcio do mundo. Segundo a justia de Campos

    dos Goytacazes, caso a conces-sionria descumpra a determi-nao, os responsveis podem pagar multa de at R$ 300 mil por dia e por praa de pedgio.A Polcia Rodoviria Federal

    j foi notificada para fazer com que a deciso seja cumprida

  • RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 23 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

    por Iza FreireModa

    *[B 'SFJSFbelezatropicalb@bol.com.brFacebook-Beleza Tropical Holiday

    Os biqunis, as sandlias, as bol-sas e os chapus j foram escolhidos para arrasar nesta moda vero 2014. Mas e as sadas de praia? J pensou no me-lhor modelo que combi-na com o seu corpo, que seja ideal para esconder o bumbum depois do ba-nho de mar? Veja as ten-dncias que o Vero 2014 traz para essas peas.As hot pants so timas

    opes para quem quer algo verstil. Os indi-cados so uma hot pant que vira saia. Regulando a altura da pala e descen-do-a at o quadril, ela se transforma numa "sai-nha" a partir do biquni, escondendo o bumbum e deixando a mulher mais confortvel.Para as moas do bum-

    bum mais empinado, as estilistas ponderam: "Se for uma pessoa mais discreta, sugerimos uma roupa mais soltinha na rea dos quadris, como uma bata ou vestido mais fluido".Se voc tem quadris

    SADAS DE PRAIA: VEJA AS TENDNCIAS PARA A MODA VERO 2014largos, melhor no usar tangas de amarrao late-ral, assim eles no parece-ro ainda maiores.Uma boa alternativa

    para sada de praia o kaftan, um vestido solti-nho, at os joelhos, que marca a cintura e deixa a silhueta super bonita e simtrica.E no se preocupe em

    ousar nessas peas to necessrias. "Hoje em dia no precisamos mais nos preocupar com a combi-nao de cores, gostamos muito de fazer mix de estampas. Fica despoja-do e chique ao mesmo tempo. bacana brincar com essas possibilidades e dar uma descontrada no look."

    Hot Pants - estar super em alta na pr-xima estao. Para quem no est asso-ciando nome pessoa, aquele modelo no qual a calcinha gran-de, acima do umbigo, estilo vov. Alm de elegante, ajuda a colo-car os pneuzinhos em seu devido lugar e no permite o bumbum fi-car mostra.Animal Print - no

    s em roupas casuais essa estampa esta-r em evidncia, nos b iqunis tambm. Em diversas cores e estampas, o Animal Print veio para ficar.Tropical - estampa

    de palmeiras, rvores,

    feminina.Marinheiro - um

    charme a mais, que promete chegar e ficar.Preto e Branco -

    aposte na mis tura dessas cores. Alm de clssicos, algumas es-tampas esto vindo bem divertidas com essas cores. Opte por usar uma pea de cada cor ou usar conjuntos em que uma pea con-tenha a cor da outra em detalhes. Fica lindo, elegante, charmoso.

    folhas no importa o desenho, est virando moda. Tem algo que remete mais ao Brasil do que isso?tnico - os estilistas

    gostaram tanto dessa nova onda que resol-veram lev-la para a moda praia. E acer-taram. O biquni fica um charme com essa estampa, alm de ser elegante.Babado - nunca sai

    de moda e ajuda a dar um charme na pea praiana. Ajuda a fazer a linha Lolita.Franja - uma moda

    que est pegando em peas casuais, agora chega aos biqunis. Seja em modelo toma-

    ra que caia, seja em mai ou biquni cor-tininha, a franja pro-mete estar presente nas praias dando um plus a mais.Bolinha - o retr

    fica por conta dos biqunis de bolinha, s que no s de amarelinhos vive es-sa tendncia: ela vem em vrias cores e em alguns modelos, at, misturados em um s modelo. Lindo, lindo, lindo a meu ver!Listras - veio para

    dar elegncia e aju-dar a alongar o cor-po da mulher. Listras bicolores ou multi-color ficam lindas e valorizam a silhueta

  • 24 RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

    Decorao por Nilo Martins

    /JMP 4SHJPnilosergiog@gmail.com

    Reflexos inteli-gentes procure posicion-los onde eles causem reflexos em objetos e paredes boni-tas, aposte no acabamento, existem de todos estilos e modelos bordas diferen-tes e cores diversas. Em ambientes pequenos, m-dios e grandes de formas circulares transformam os ambientes tornando-os agradveis e elegantes du-plicando reas e espaos. Espelhos em diversos ta-manhos dispostos de forma aleatrias trazem efeitos luminosos a corredores e

    salas. Eles traduzem luz e leveza aos ambientes. Com resultados enormes a sua decorao, com planeja-mento de espaos. Muita elegncia e requinte e am-plitude seus desejos sero atendidos basta apenas posicion-los. Procure ins-talar os espelhos nas reas de circulao, voc pode fazer isso revestindo pa-redes, fixando-os em cima de bancadas ou embutidos na marcenaria, em portas de armrios e em diversas peas de mobilirio. A gran-de vantagem dos espelhos e que no existe incom-patibilidade entre eles e a decorao j existente ou planejada. Espelhos gran-

    ESPELHOS AUMENTE SEU ESPAO.

    des so ideais para ambientes peque-nos eles ampliam e trazem lumino-sidade aos ambien-tes. Simplesmente encostados as pa-redes criam efei-tos imponentes em qualquer espao, virando belos ob-jetos de arte. Co-ringa na decorao alm de aumentar visualmente es-paos so fceis de colocao, com preos acessveis podem trocar de lugar sem proble-mas, so elegantes e as vezes dram-ticos. Sobre mesas trazem efeito de-masiado elegante entre vasos e flo-res de bom gosto. Refletido no inte-rior e exterior au-menta sua casa vi-sualmente criando belos espaos.

    Abraos e boa sorte nas escolhas. Nilo Sergio

  • RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 25 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

    Fotodepilao e Fototerapias Por Layla Alves

    Alternativa indolor na guerra contra os pelos

    -BZMB "MWFTriodasostras_rj@dpilbrasil.com.br

    Depilao dura-doura o desejo de toda mulher. Assim o mtodo de fotodepilao, que por meio da IPL (Luz In-tensa Pulsada) elimina os pe-los atravs do calor emitido pela luz. Recente no Brasil, a fotodepilao a sensao do momento e o que tem mais chamado a ateno que o tratamento praticamente indolor. Isso tem feito com que, alm das mulheres, mui-tos homens estejam aderindo fotodepilao.Se a preferncia das mulhe-

    res depilar as pernas, buo, virilha e axilas os homens por sua vez depilam principalmen-

    te pescoo, peito e costas. Alm de cada vez mais vaidosos, os homens buscam praticidade e procedimentos indolores e a fotodepilao propicia isso.A fotodepilao frequen-

    temente confundida com a de-pilao a laser, mas a principal diferena que o laser emite uma luze comprimento de on-da contnua, monocromtica e unidirecional. Assim, a con-centrao de energia maior no local, o que torna o tratamento doloroso.J a IPL emite uma luz que

    contm vrios comprimentos de onda, policromtica, no di-recionada e dispersa. Este con-junto faz com que a concentra-o de energia seja menor, mas com a mesma eficincia e com a diferena que trata vrios tipos

    de pele e pelos. Alm de ser mais dispersa, a aplicao feita com a tecnologia sub-zero, que ame-niza ainda mais a dor.Outra vantagem em relao

    s aplicaes a laser a possibi-lidade de tratar vrios tipos de cores de pelo e todas as texturas de pelo, do mais grosso ao mais fino. Com relao aos mtodos convencionais de depilao, co-mo cera e a lmina, a luz inten-sa pulsada ainda clareia a pele manchada e elimina os proble-mas da foliculite.A fotodepilao pode ser apli-

    cada em todas as reas corporais e faciais, de mulheres e homens, exceto sobrancelha, regio de mucosa, couro cabeludo e regio testicular.Na Dpil, todos os clientes pas-

    sam por uma avaliao gratuita,

    ligue (22) 2764 1759 / 99900 7787 e agende a sua hoje ainda ou faa-nos uma visita na Av. Amazonas, n 333 Lj 01 Centro ( rua da feirinha ) e conquiste voc tambm uma pele lisinha sem dor.

  • 26 RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

    Educao Infantil Por Teresa Giarolla

    Letrar mais que alfabetizar, ensinar a ler e escrever dentro de um contexto onde a escrita e a lei-tura tenham sentido e faam parte da vida do aluno.Na sala de aula, o docente pode

    valorizar os usos da escrita pre-sentes no cotidiano para ensinar os devidos contedos. O professor, ao propor atividades que envolvem os usos da escrita que ainda no fazem parte do cotidiano, pode introduzir essas prticas de letra-mento de forma que os indivduos compreendam a funo da escrita no contexto social e sua relao

    5FSFTB $SJTUJOB (JBSPMMB 3BNPTTutora do CEDERJ pela UNIRIO - Disciplinas Alfabetizao/Msica e EducaoPedagoga com FORMAO TECNOLGICA em Mdias na Educao pela UFRJ/ Por Dentro dos Meios pela SEEDUC / Gesto em EaD pela UFF / TICs pelo PROINFO / Produo de Material Didtico para a Diversidade -UFF

    LETRAMENTO

    com o contexto escolar (Terzi, 2001). Sendo assim, ler e es-

    crever atravs das prti-cas sociais pode favorecer o acesso ao conhecimen-to, habilitando o aluno a interpretar diferentes textos que circulam so-cialmente e a produzir textos eficazes nas dife-rentes situaes sociais de que participa. Cabe escola e educao co-mo lugar de formao do sujeito social e espao de construo da moral e da tica, de circulao das ideologias (pelo menos deveria ser), proporcio-nar ao aluno possibili-dades para o exerccio da compreenso, capaci-tando-o a utilizar-se da palavra de outrem no de maneira autoritria, mas de maneira internamen-te persuasiva para dela fazer uso num exerccio

    de reviso e rplica.Atualmente, ser alfabe-

    tizado, isto , saber ler e escrever, tem se revela-do condio insuficiente para responder adequa-damente s demandas da sociedade. H alguns anos, no muito distan-tes, bastava que a pessoa soubesse assinar o nome, porque dela, s interes-sava o voto. Hoje, saber ler e escrever de forma mecnica no garante a uma pessoa interao plena com os diferentes tipos de textos que cir-culam na sociedade. preciso ser capaz de no apenas decodificar sons e letras, mas entender os significados e usos das palavras em diferentes contextos.O que falta a uma pes-

    soa que sabe ler e es-crever? Por que muitos terminam a Educao Bsica e no conseguem entender uma bula de remdio ou redigir uma simples carta?

    Para Moacir Gadotti apud Vargas (2000: 14):O ato de ler incomple-

    to sem o ato de escrever. Um no pode existir sem o outro. Ler e escrever no apenas palavras, mas ler e escrever a vida, a histria. Numa sociedade de privilegiados, a leitura e a escrita so um privi-lgio. Ensinar o trabalhador apenas a es-crever o nome ou assin-lo na carteira profissio-

    nal, ensin-lo a ler alguns letreiros na fbrica como perigo, ateno, cuidado, para que ele no provoque algum acidente e ponha em risco o capital do patro no suficiente... No basta ler a realidade. preciso escrev-la. Sabendo ler, aprendemos

    a pensar racionalmente, a criticar, a ponderar sobre a nossa realidade e a fazer escolhas. So as ideias que libertam o indivduo. No dia em que aprendermos a pensar por conta prpria, jamais serviremos a algum sem o nosso prprio consen-timento. Teremos alcanado a liberdade.

  • RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 27 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

    Veterinria Por Dra. Solange Mattos

    Banho e Tosa por Thamires Silva5IBNJSFT 4JMWBpetprvc@hotmail.com

    Voc sabia que a tosa nos animais no est direcio-nada apenas a aparncia tosar-e-um-cuidado-para-aparencia-e-higiene ? Pois , este cuidado tambm muito importante para a higiene deles. Existem pessoas que tosam seus animais por questes de esttica, sem considerar o quanto isso far bem ou mal a eles. importante ressaltar que a tosa sau-dvel, mas nem sempre pa-ra todos os animais.Quando tosamos um ani-

    mal estamos contribuindo na preveno de doenas de pele, problemas ocasio-

    nados por pulgas e carra-patos, alm da queda dos pelos que pode acontecer devido ao comprimento e embarao.Por mais que estejamos

    falando da tosa muito importante tambm a es-covao. Animais de pelo longo, por exemplo, devem ser escovados diariamen-te. Isso porque a remoo dos pelos mortos ajuda na circulao e ativa o sistema imunolgico. J se tratan-do de animais com o pelo curto, recomendado que se escove ao menos uma vez por semana. Os pelos quando embaraados, po-dem abafar a pele e propi-ciam o surgimento de fun-gos, micoses e consequen-temente dermatites.

    Existem algumas raas que no devem ser tosa-das, nunca. So os animais de pelos curtos que trocam de pelagem duas vezes ao ano. J para outros, a tosa necessria, assim nasce-ro pelos mais fortes. Po-rm devemos ficar atentos, pois, existem casos, que quanto mais cortamos o pelo, mais feio ele fica.A tosa higinica feita

    principalmente no inver-no e em animais de pelos longos. Ela feita na re-gio genital e nas patinhas garantindo a higiene por determinado perodo, aju-dando tambm a acertar a forma dos pelos. Nos ma-chos a tosa tambm deve ser feita na barriga, evitan-do que o animal se suje ao

    fazer xixi, j que o seu pipi est voltado para frente. Ah, as unhas so cortadas e as orelhas limpas, sempre.O procedimento na co-

    nhecida tosa beb fei-to com tesoura e ajuda de pentes. Ela prtica e per-mite que as escovaes se-jam em menos quantidade, j que ela diminui o risco do pelo embolar. Converse com o tosador para definir o quanto vai ser cortado, o que normalmente fica en-tre um e dois dedos.

    O carinho com que se cuida e trata cada animal a garantia que tais pro-cedimentos esto sendo feitos de maneira correta. Fatores essenciais para a satisfao, tanto do cliente,

    quanto do animal que sabe quando bem tratado.Se voc marinheiro de

    primeira viagem e no sabe por onde comear na hora de decidir se vai tosar ou no, tome muito cuidado. Leve o seu animal a um pet shop de confiana. Trabalhamos para ofere-

    cer o melhor para seu ami-go, o Banho e Tosa Bom pra cachorro fica localizado da rua Washington Viana, Centro - Rio das Ostras .

    Na rotina clnica dos atendimentos veterinrios, a ca-da dez animais recebidos, possivelmente quatro sero diagnosticados com proble-mas dermatolgicos, mesmo que a queixa principal do dono no esteja relacionado a esse fator.Os problemas dermatol-

    gicos esto relacionados a uma coceira persistente na pele, que causa muito inc-modo ao animal. Os proble-mas dermatgicos tambm esto por detrs de muitas eutansias ou abandonos.As doenas de pele deixam

    a pelagem menos atraente, o que causa muitas vezes re-pulsa das pessoas e at mes-

    4PMBOHF .BUUPTfalecomavet@gmail.com

    mo do dono dos animais. Os tratamentos relacionados s molstias exigem um grande

    OS PROBLEMAS DERMATOLGICOS EM CES E A RELAO DA EUTANSIA OU ABANDONO

    compromisso e muita dedi-cao por parte do dono, que na maioria das vezes re-

    compensada com a cura do animal, desde que a doena seja acompanhada do incio, a maioria pode ser cadencia-da. Logo, o diagnstico rpi-do, a argumentao convin-cente com os proprietrios, e escolha de tratamento efi-ciente influenciam na cria-o do vnculo com o pro-prietrio e estabelecimento da confiana e credibilidade do clnico. A sarna a doena de pe-

    le que mais causa coceira, se manifesta de duas maneiras, recebendo nomes distintos: escabiose e demodcica. A sarna demodcica trans-mitida apenas de me para filhote nas primeiras horas de vida, quando os animais

    ainda apresentam baixa imunidade. J a escabio-se transmitida atravs do contato direto com objetos, animais e ambientes conta-minados.O tratamento da escabio-

    se e demodcica so feitos com banhos usando xam-pus antisspticos, anti-se-borrricos ou antifngi-cos, alm das medicaes antiparasitrias, indicadas pelo mdico veterinrio capacitado logo aps a certeza do diagnstico da molstia. Lembrando que, a melhor forma de preven-o de muitos males que acometem os animais, so os cuidados com a alimen-tao e manejo sanitrio.

  • 28 RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

    Ingls sim! Por Mrcia Lage

    Energia Vital Por Dra. Simone Bastos

    1PS %SB 4JNPOF #BTUPTsiabastos@yahoo.com.br

    A DP uma doena degenerativa do sistema nervoso central, uma doena pri-mria de causa obscura. Ocorre morte celular dos neurnios produtores de dopamina. caracterizada como uma doena progres-siva do movimento, devido disfuno destes neurnios que controlam e ajustam comandos conscientes vin-

    dos do crtex cerebral para o corpo humano. uma das doenas neurolgicas mais frequentes. Embora seja mais comum em idosos e seu pico de incidncia seja por volta dos 60 anos, ela pode aparecer em jovens. O portador da DP pode apre-sentar tremores, rigidez dos msculos, dificuldade de caminhar, dificuldade de equilibrar, de engolir. Apresenta uma trade ca-racterstica que so: tremor de repouso, bradicinesia

    (lentido dos movimentos, perda dos movimentos har-moniosos), e rigidez. Pode apresentar tambm acine-sia (perda parcial ou total dos movimentos do corpo), micrografia (escrita dimi-nuda), expresses como mscara, instabilidade pos-tural, alteraes da marcha, e postura encurvada para frente. Como a morte ce-lular ocorre lentamente os sintomas so progressivos no decorrer dos anos.Apesar dos avanos no

    conhecimento dos meca-nismos fisiopatolgicos da doena, o trata mento clni-co ainda limitado. Ainda no pos svel impedir a evoluo da doena, e os trata mentos medicamen-

    Doena de Parkinson

    tosos so passveis de efei-tos colaterais que afetam a qualidade de vida dos pa cientes, principalmente nas fases mais avanadas da doena.Pesquisando sobre a efi-

    ccia da acupuntura sobre a DP, descobri estudos ex-perimentais que indicam efeitos benficos, como neuroproteo, estmu-lo neurotrfico, proteo imu nolgica e modulao da funo de neurotrans-missores. Estudos clni-cos indicam potenciais benefcios da acupuntura principal mente na motri-cidade, no sono, na quali-dade de vida e nos efeitos colaterais dos medica-mentos. Foram feitas ex-

    perimentaes, e em um dos estudos na qual 85% de 20 pacientes de DP relataram que no houve melhora na deambulao, mobilidade e comporta-mento emocional, mas que no sono e descanso, tremor, escrita, depres-so e bradicinesia tiveram uma melhora significati-va. Como a acupuntura vem para equilibrar o or-ganismo e promover sa-de, totalmente indicada na DP.

    .BSDJB -BHFmarcialage@lumynus.com.br

    Em 3 de Janeiro des-te ano, aproximada-mente 200 linguistas se reuniram na conferncia da American Dialetic So-ciety para votar em qual se-ria a palavra do ano de 2013. Algumas indicaes foram sharknado, doge, bitcoin, selfie, Obamacare, craitivas construes lingusticas. Po-rm a palavra escolhida foi uma velha conhecida nossa: because.A palavra because,

    que quer dizer simples-

    O novo uso de becausemente porque, ago-ra surgiu com um novo e surpreendente uso. O linguista americano Bem Zimmer descreve as novas possibilidades gramaticais de becau-se como: Because no precisa mais ser seguido por by ou por uma sen-tena inteira. Agora pode vir simplesmente seguido por palavras fundamenta-das como because scien-ce ou because reasons. Jessica Love, transexual nrdica, define o novo uso como uma forma diverti-da, e cheia de significado

    qual for a origem, ameri-canos vm se divertindo com essa nova construo e linguistas buscam nomes para isso, como because noun ou preposicional because, ou simplesmente because x. O legal saber que mais uma vez pode se notar que a lngua viva, se transforma e sempre traz novas possibilidades. Just because!

    de definir uma situao. Mark Liberman, professor, percebe que o novo becau-se parece geralmente estar associado ao fato de o que vem a seguir, como razo ou motivo, talvez fraco.A origem desse novo uso

    incerta, mas h teorias. Neal Whitman defende a ideia de que because x viria da construo becau-se, hey tirando o hey, de uma sketch de Saturday Night Live, de 1987 (um famoso programa de humor nos EUA): If you ever fall off the Sears Tower, just go real limp, because maybe

    youll look like a dummy and people will try to ca-tch you because, hey, free dummy. O que significaria: uma piada de duplo senti-do, no final dando a razo por que, mas subtraindo o hey que seria a inter-jeio explicando a razo, acaba sendo o because free dummy. Getchen Mc Culloch acredita mais que possa ter vindo do me-me because of reasons popularizado pelo Three Word Comic #139 de 2011, resumido para because reasons.De qualquer forma, seja

  • RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 29 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

    Sade por Carol Passos/ CorenRJ25607

    $BSPM 1BTTPTmedidacertaro@hotmail.com

    A esquizofrenia uma desordem cerebral crnica, grave e incapa-citante, que afeta em tor-no de 1% da populao. Pessoas com esquizofre-nia podem escutar vozes e acreditar que outros esto lendo e controlan-do seus pensamentos ou conspirando para preju-dic-las. Essas experin-cias so aterrorizantes e podem causar medo, re-colhimento ou agitao extrema. Pessoas com esquizo-

    frenia podem falar coisas que no fazem sentido, ficar sentadas por horas sem se mover ou falando muito pouco, ou podem parecer perfeitamente bem at dizer o que re-almente esto pensando. Uma vez que muitas pes-soas com esquizofrenia podem ter dificuldade de

    * Sintomas cognitivos, que so problemas com: ateno, certos tipos de memria e funes de execuo que nos per-mite planejar e organi-zar. Dficits cognitivos tambm podem ser dif-ceis de reconhecer como parte da esquizofrenia, porm so os mais inca-pacitantes para levar um vida normal.

    Quando a esquizofre-nia comea?

    Sintomas psicticos, como alucinaes e de-lrios, geralmente apare-cem nos homens duran-te a adolescncia tardia e vinte e poucos anos, e nas mulheres entre 25 e trinta e poucos anos. Esquizofrenia raramen-te aparece depois dos 45 anos de idade ou antes da puberdade, embora j tenham sido registrados casos em crianas de 5 anos. Em adolescentes os

    primeiros sinais da es-

    quizofrenia incluem mu-dana de amigos, queda no desempenho escolar, problemas para dormir e irritabilidade. Uma vez que muitos adolescentes, normais tambm podem ter esse comportamento, o diagnstico pode ser difcil de fazer nesse es-tgio. Pesquisas tm mos-trado que a esquizofrenia afeta igualmente homens e mulheres e ocorre em taxas similares em todos os grupos tnicos pelo mundo.

    Causas da esquizofrenia

    Assim como muitas outras doenas mentais, acredita-se que esquizo-frenia seja uma combina-o de fatores genticos e ambientais. Todas as fer-ramentas da cincia mo-derna esto sendo usadas para descobrir as causas da esquizofrenia .

    TratamentoUma vez que a causa

    da esquizofrenia ainda desconhecida, os tra-tamentos atuais focali-zam na eliminao dos sintomas da doena. Os tratamentos para esqui-zofrenia incluem medi-camentos antipsicticos e tratamento psicosso-cial. Os tratamentos dis-ponveis podem aliviar muitos dos sintomas, porm a maioria das pes-soas com esquizofrenia devem ter que enfrentar alguns sintomas residu-ais pela vida toda. Apesar disso, hoje em dia muitas pessoas com esquizofre-nia conseguem levar vi-das construtivas em suas comunidades. Pesquisas esto desenvolvendo medicamentos mais efi-cientes e procurando entender as causas da esquizofrenia para achar formas de preveno e tratamento.

    manter um emprego ou cuidar de sim mesmas, a carga em sua famlia po-de ser significativa.

    Sintomas da esquizo-freniaOs sintomas da esqui-

    zofrenia se encaixam em trs categorias gerais:* Sintomas positivos,

    que so pensamentos e percepes diferentes co-mo alucinaes, delrios e desordens no pensamen-to e movimento.* Sintomas negativos,

    que representam a perda ou diminuio na capa-cidade de iniciar planos, falar, expressar emoes ou encontrar prazer na vida cotidiana. Esses sin-tomas so difceis de re-conhecer como parte da esquizofrenia e podem ser confundidos por pre-guia ou depresso .

    O que esquizofrenia?

  • 30 RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

    Nutriopor Carolina Eliziriocarolina-eliziario@bol.com.br

    Sempre na Moda Por Valessa Coiffeur

    Conhea algumas tendn-cias para 2014. Estar sempre por dentro das novidades em decoraes de unhas sempre impor-tante pois ningum quer ficar fora da moda, no mesmo?No basta apenas cuidar das unhas,

    preciso conhecer os melhores es-maltes e tambm saber o tipo de de-corao que est na moda e que voc goste. Neste vero vrios estilos esto sendo cogitados, uma das surpresas a cor Branca que vai estar com tudo no vero. Acredite! a grande ten-dncia e mesmo estando um pouco sumido, no vero 2014 ser um grande

    Unhas Vero 2014sucesso. Mas no qualquer branco, diferente do branco que todo mundo j conhece a tendncia um branco mais forte que lembra bastante o fa-moso 'corretivo' da escola, aquela cor mais forte. Outra grande tendncia so as

    unhas geomtricas e tambm a fran-cesinha colorida com stiletto. So mo-delos diferentes que agradam a todas, mais em 2014 voc vai ouvir falar mui-to mais nesses estilos de decorao de unhas. O Salo Valessa Coiffeur, conta com timos profissionais em design de unhas especiais (Fibra, gel e sili-cone) e todos os tipos de decoraes.

    DMBTTJGJDBEPT!PEFCBUFPODPNCS

    Esteatose heptica o termo utilizado para definir o acmu-lo de gordura no fgado. Ela dividida em dois tipos: a esteatose he-ptica alcolica, causada pelo exces-sivo consumo de lcool, e a esteatose heptica no-alcolica.

    Como tratar o fgado gorduroso?A melhor maneira de tratar o fgado

    gorduroso atravs de uma perda de peso gradual (no se deve perder r-pido demais), exerccios fsicos e uma dieta direcionada.Dieta para o fgado gorduroso: Au-

    menta o consumo de verduras, legu-mes e frutas. Fique longe dos alimen-tos tipo fastfood. Perda de peso: Uma perda de peso

    gradual a melhor maneira de redu-

    ESTEATOSE HEPTICA OU GORDURA NO FGADO

    zir a gordura acumulada no fgado. Perder muito peso ou rpido demais no recomendado e pode at ser perigoso.Exerccios fsicos: Se no pratica

    atividade fsica, consulte um mdico antes de comear. A atividade fsica deve ser incorporada na vida diria para prover seus benefcios.lcool: Deve ser evitado.

    DICAS DE ALIMENTAO:A protena no deve ser em excesso

    j que pode dificultar o trabalho do fgado ao digeri-la. Portanto, deve-se consultar um nutricionista para balancear a quantidade adequada na dieta.

    CUIDE DE SEU FGADO!!!

  • RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 31 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

    Beleza e Sade por Rodrigo TavaresCURSO DE QUALIFICAO PROFISSIONAL

    EM ESTTICA - a forma mais prtica e objetiva para se habilitar profisso de Esteticista

    3PESJHP 5BWBSFTsilvatavares1978@bol.com.br

    A pele sofre constante-mente um processo de envelhecimento natural e gradual. Esse processo no pode ser interrompido, mas pode ser retardado por meio de recursos cosmecuticos(peeling's, cremes, loes...) e tecnolgicos( apare-lhos) no invasisvos, ou proce-dimentos invasivos como aplica-es de Botox, preenchimentos e cirurgias plsticas. Alm dos j consagrados

    peeling's, principalmente os que compem a MENE & MOY SYS-TEM, a radiofrequncia consi-derada hoje um avano importan-te na luta contra o envelhecimen-to cutneo, por conseguir retardar esse processo de forma significa-tiva e sem apresentar riscos ao cliente, nem afastamento de suas atividades dirias. O estmulo ao colgeno a

    RADIOFREQUNCIA + PEELING'S PARA REJUVENESCIMENTO FACIALUMA ASSOCIAO BOMBSTICA !!!

    chave para o rejuvenescimento ! O objetivo ao tratar da flacidez da pele trabalhar com a sua estrutura de suporte. Se uma quantidade suficiente de calor for entregue ao colgeno, a sua estrutura ir mudar, causando um enrijecimento de suas fibras. O calor promovido pela radiofre-quncia( que diferente do calor provocado por mantas trmicas, saunas, etc...), gerado a partir de ondas eletromagnticas que se transformam em energia tr-mica ao entrar em contato com as clulas, fazendo um aque-cimento " de dentro pra fora ". Isso provoca um engrossamento e encurtamento das fibras de co-lgeno tornando-as mais firmes e lisas, diminuindo a aparncia envelhecida. O efeito citado acima de

    carter imediato, e com resfria-mento da pele o resultado no duradouro. Mas acontece que com a radiofrequncia consegue-

    se atingir um fenmeno chamado neocolagnese( formao de novo colgeno) a longo prazo, trazendo assim resultados reais, duradou-ros e progressivos . A aplicao simples e indo-

    lor, o cliente sente apenas aqueci-mento local, sem nenhuma com-plicao no dias seguintes. sempre bom lembrar que

    a radiofrequncia um equipa-mento e que para obteno de excelentes resultados deve ser operado por profissional bem qualificado. No basta ter um bom aparelho, imprescindvel ter um bom operador. Cuidado com preos apelativos, geralmen-te sinnimo de m qualidade!!!! Grande abrao a todos !!!

  • 32 RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

  • 2 Classificados RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

  • RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 Classificados 3 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

  • 4 Classificados RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

    IPVA

    Guias de recolhimento do IPVA j esto disponveisProprietrios de veculos j podem emitir o boleto de pagamento pela internet em www.fazenda.rj.gov.br

    Paty Mendespatriciamendes@odebateon.com.br

    O boleto de paga-mento do Imposto sobre a Propriedade de Veculos Automotores - IPVA- j est disponvel no portal da Secretaria Estadu-al de Fazenda do Rio de Ja-neiro (www.fazenda.rj.gov.br), nos terminais e no site do Banco Bradesco (www.bradesco.com.br), desde o dia 14 de janeiro. As guias de recolhimento podem ser pagas em qualquer agncia e tambm pela internet. A m-dia da reduo de imposto deste ano chega a 5,5% para os contribuintes que j paga-vam o IPVA em 2013. O proprietrio do veculo

    tem duas opes: pagar vis-ta ou parcelado. Na primeira opo, o desconto para paga-mento em cota nica oferece 10% de desconto. J para a segunda opo, o parcela-mento pode ser feito em trs vezes. O desconto oferecido este ano maior que o de 2013, quando foi concedido 8% para pagamento em cota nica. Aps o pagamento da pri-

    meira parcela, a segunda guia j ficar automatica-mente disponvel aps 48 horas. necessrio ficar atento para os prazos que vo do dia 22 de janeiro at o

    WANDERLEY GIL

    Valor do IPVA pago no Esprito Santo duas vezes inferior ao valor pago em todo o estado do Rio de Janeiro

    dia 19 de fevereiro, de acordo com o nmero final da placa do carro. O pagamento do IPVA s

    ser efetuado pelos proprie-trios de veculos fabricados

    do ano de 1999 a 2013, que chegam a somar 4,4 milhes. Os mais antigos estaro in-sentos do IPVA e somente pagaro taxa de licencia-mento e seguro obrigatrio.

    No entanto, as pessoas que obtiveram perda to-tal do veculo ou sofreram roubo, este ano, esses pro-prietrios contaro com uma nova lei que reembol-

    sa, de forma proporcional, , ou seja, se algum teve o carro roubado em maio ter o valor do IPVA devolvido proporcional aos meses de junho a dezembro.

    Ipva no rj um dos mais caros do Brasilos proprietrios de ve-culos so obrigados, anu-almente, a pagar o Imposto de Veculos Automotores, cujo o valor varia de estado para estado. Ele calculado baseado no valor do carro em relao tabela da Fun-dao Instituto de Pesquisas Econmicas - FIPE. A partir

    desse resultado que se es-tabelece o total da alquota a ser aplicada, que varia de 1% a 4% nos estados do Brasil.Os estados do Rio de Janei-

    ro, So Paulo e Minas Gerais so os locais onde o valor do IPVA mais alto, chegando a 4%. Comparando com o es-tado do Esprito Santo, por

    exemplo, um carro da Fiat, modelo 2011, 1.0, que ava-liado em R$20 mil em mdia , no Rio de Janeiro, o valor do IPVA custa o dobro. Se o valor a ser pago no Esprito Santo de R$ 412,66, no es-tado do Rio passa a ser R$ 835,32, pelo mesmo veculo. Considerando um carro

    mais caro, como exemplo um Troller, ltimo modelo, onde o proprietrio paga aqui cer-ca de R$2.808,16 anualmente pelo IPVA, no Esprito Santo ele vai pagar R$1.404,08 so-mente.Muitas empresas da regio

    vo at Vitria registrar os seus veculos para poder pa-

    gar taxas mais baratas, con-fessa um vendedor de carros de uma concessionria em Maca.Entre os estados que co-

    bram valores mais baixos pe-lo IPVA esto o Acre, Tocan-tins, Paraba, Sergipe, alm do Esprito Santo e Santa Catarina.

  • RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 Classificados 5 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

    IPVA

  • 6 Classificados RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

    Imveis por Charles Oliveira

    Charles Oliveiracharlesbezoli@hotmail.com

    ALUGUEL DE TEMPORADA REQUER CUIDADOS

    Se nas frias escola-res os planos so de viajar com toda a fam-lia e, para garantir mais conforto e privacidade, alugar um imvel, bom tomar alguns cui-dados para no acabar encontrando transtor-nos no lugar do lazer. Pesquisar e negociar so as regras bsicas.O ideal que o inte-

    ressado em alugar o imvel planeje a via-gem e visite o local com pelo menos trs meses de antecedncia Planejar o aluguel

    com bastante antece-dncia, possibilitando, assim, uma ampla pes-quisa e tambm a visita antecipada ao imvel.

    Quando for conhecer o imvel, deve-se confe-rir a instalao eltri-ca e hidrulica, prin-cipalmente o esgoto, que pode entupir com a presena de areia da praia, no caso de estar localizada no litoral. Observar o estado das paredes tambm uma dica, para identificar se existem infiltraes.Normalmente, o bra-

    sileiro busca pelo im-vel com cerca de 30 dias de antecedncia da viagem, mas o cor-reto, indica corretores, que a procura comece trs meses antes. Mas, caso todo esse planeja-mento no tenha sido possvel e s agora vo-c decidiu pelo aluguel para a viagem de janei-

    ro, importante pedir indicao de amigos e familiares e fazer uma busca online em por-tais de confiana.Uma boa dica olhar

    comentrios de quem j utilizou o imvel em fruns e blogs. Tambm preciso ve-rificar se o anunciante disponibilizou fotos, caso no, indicado solicitar ao propriet-rio imagens atuais por e-mail para conferir a situao do aparta-mento ou casa.Outra dica valendo-

    se do mundo virtual , com o endereo em mos, conferir no Goo-gle Street View as ima-gens do imvel, assim como os arredores do imvel. Tambm im-

    portante ligar para os telefones disponveis, para certificar-se que est negociando com o proprietrio ou algum autorizado.

    Contrato

    O cuidado na hora de assinar o contrato essencial, mesmo que o aluguel seja por pe-rodo curto. H peque-nas diferenas entre os documentos assinados para temporada: ele no pode ser maior de 90 dias e o pagamen-to, que normalmente feito no ms subse-quente, dividido em uma metade para a re-serva e o restante pa-

    ra quando encerrar o contrato, importante que a

    lista dos mveis, ele-trodomsticos, ele-trnicos e utenslios disponveis na casa ou apartamento e as condies em que eles se encontram estejam no contrato, para evi-tar desentendimentos futuros. Lembre-se: Quanto maior for o tempo de locao do imvel, possvel ne-gociar os valores das dirias com o proprie-trio e pedir descon-tos. Tambm verifi-que se permitido ao inquilino usufruir as reas de lazer do con-domnio, como a qua-dra, o salo de jogos e a piscina.

    (22) 9926-6222(22)99837-3461

    classificados@odebateon.com.br

  • RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 Classificados 7 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

  • 8 Classificados RIO DAS OSTRAS (RJ), SEXTA-FEIRA, 17 A 23 DE JANEIRO DE 2014 O DEBATE RIO DAS OSTRAS

    17-01-2014 - Jornal Rio das Ostras COR17-01-2014 - Classificados Rio das Ostras COR