Revista Ribatejo Invest / maio 2016

  • Published on
    31-Jul-2016

  • View
    224

  • Download
    7

DESCRIPTION

Nesta edio, a Ribatejo Invest d especial destaque FERSANT- Feira Empresarial da Regio de Santarm, organizada pela NERSANT, e que pelo sexto ano consecutivo decorre em simultneo com a Feira Nacional da Agricultura, uma parceria que tem obtido bons resultados. Com cerca de 70 empresas participantes, de diversos setores de atividade, a FERSANT hoje a principal montra para as empresas da regio mostrarem o que de melhor tm aos milhares de potenciais clientes oriundos de todo o pas e do estrangeiro. inquestionvel que a FERSANT, mais do que um espao meramente expositivo, um local privilegiado para o estabelecimento de contatos empresariais e de concretizao de negcios.

Transcript

  • Maio 2016 | N. 8

    AGRIBUSINESS 2016 gera negcios superiores a 3 milhes de euros

    Suplemento

    XXVII FEIRA EMPRESARIAL DA REGIO DE SANTARM

    Jacinto Lopes Queremos crescer com qualidade de vida para os ferreirenses

    InternacionalizaoMarrocos

  • 3www.nersant.pt MAIO 2016

    10

    NDICE

    Maio 2016 | N. 8

    FICHA TCNICA

    48

    56

    Diretora:Maria Salom Rafael

    Conselho Redatorial:Cludia MonteiroSandra Pereiraribatejo.invest@nersant.pt

    Isento de registo na ERC ao abrigo do decreto regulamentar 8/99 de 9/6 artigo 12., n. 1 a)

    Publicidade:Maria Joo Rodriguesmaria.joao@nersant.pt

    Propriedade:NERSANT, AE.Vrzea de Mesies - Apartado 1772354-909 Torres NovasTel.: 249 839 500 | Fax: 249 839 509 www.nersant.pt

    Periodicidade:Mensal

    Tiragem:1000 exemplares

    52

    DESENVOLVIMENTO REGIONAL 04 Notcias das empresas09 Empresas: Mitsubishi 10 Empresas: Ollem13 Notcias Poder local16 Entrevista a Jacinto Lopes, Presidente da Cmara Municipal de Ferreira do Zzere

    INFORMAO E APOIO 20 Portugal 2020

    SUPLEMENTO FERSANT21 27 anos a promover o desenvolvimento econmico do Ribatejo24 Planta FERSANT 201626 Listagem de expositores

    INFORMAO E APOIO 45 Microsoft Display Dock46 Avaliao de riscos47 Validao online da Declarao de Remuneraes na Segurana Social Direta

    EMPREENDEDORISMO E INOVAO48 Notcias48 Empreendedorismo: NERSANT e Millenium celebram acordo52 Empresas: Biogoma

    INTERNACIONALIZAO54 Agribusiness 201655 Notcias56 Empresas: Gradirripas59 Empresas: Mendes Gonalves60 Informao de mercado: Marrocos

  • 4 www.nersant.ptMAIO 2016

    DESENVOLVIMENTO REGIONAL

    Editorial

    Ribatejo Invest

    Nesta edio, a Ribatejo Invest d especial destaque FERSANT Feira Empresarial da Regio de San-tarm, organizada pela NERSANT, e que pelo sexto ano consecutivo decorre em simultneo com a Feira Nacional da Agricultura, uma parceria que tem obti-

    do bons resultados.Com cerca de 70 empresas participantes, de diversos setores de atividade, a FERSANT hoje a principal montra para as empresas da regio mostrarem o que de melhor tm aos milhares de poten-ciais clientes oriundos de todo o pas e do estrangeiro. inques-tionvel que a FERSANT, mais do que um espao meramente expositivo, um local privilegiado para o estabelecimento de con-tatos empresariais e de concretizao de negcios.A realizao desta Feira Empresarial mais um contributo que a NERSANT leva a cabo tendo como objetivo a valorizao e a promoo do tecido empresarial regional, numa altura em que muitas empresas esto debilitadas devido a di culdades de capi-talizao e tesouraria. A NERSANT tem chamado a ateno do Governo e de diversos organismos com responsabilidade na mat-ria para este problema e tem apresentado propostas com vista alterao do modelo de funcionamento dos instrumentos da IFD (Banco de Fomento) que, tal como esto, no satisfazem as neces-sidades das empresas. Repare-se que dois dos instrumentos da IFD os fundos de capital de risco e as operaes de capital rever-svel tm uma comparticipao de 50%, sendo que a mesma percentagem tem que ser garantida pela banca, que, como todos sabemos, enfrenta tambm srias di culdades no nanciamento s empresas. Por outro lado, no que diz respeito ao nanciamento s operaes de capital reversvel, no se pode aceitar que s estejam previstas PO Regional Norte, sendo exigvel que sejam disponibilizadas em todas as regies do pas. Tambm a forma como os fundos comunitrios esto a ser geridos suscita a nossa preocupao. H, ainda, pagamentos do QREN que no foram efetuados, ao passo que a taxa de reprovao de candi-daturas ao Portugal 2020 aumentou em relao a anos anteriores.A NERSANT tem vindo repetidamente a manifestar a sua preocu-pao e a apresentar propostas que, esperamos, sejam tidas em conta, a bem das nossas empresas e da nossa economia.

    Maria Salom Rafael

    Presidente da Direo da NERSANT

    CSAR CASTELO & FILHOS, LDA. IMPLEMENTOU O PROJETO GESINOV

    A Loja do Sal con rma as duas medalhas de ouro e uma meno honrosa na embalagem apresentada no maior concurso a nvel nacional, o Concurso Nacional de Sal, Ervas Aromticas e Condimentos, uma prova levada a cabo pelo CNEMA e pela Quali ca.Desta participao resultou a atribuio de duas Medalhas de Ouro na categoria de Sal Fontes Salinas para o Sal Fonte Salina Loja do Sal e na categoria Flor de Sal para a Flor de Sal Loja do Sal.Para alm dos dois produtos premiados a Loja do Sal recebeu ainda uma meno honrosa para a embalagem apresentada em vidro e cortia portuguesa.Com saberes e tradies transmitidos h 4 geraes, esta Loja 100% familiar e com produtos de origem 100% portuguesa tem tido um papel importante na divulgao de usos e costumes ancestrais que lhe permitem obter um produto de mxima qualidade a partir do recurso natural disponvel: a fonte mais salgada de Portugal nas Salinas de Rio Maior.

    PRODUTOS DA LOJA DO SAL DISTINGUIDOS A NVEL NACIONAL

    A empresa Csar Castelo e Filhos Lda. (A Persistente), situada na Chamusca, implementou o Gesinov Corporate, sistema de gesto que visa fomentar a utilizao das Tecnologias de Informao pelas Pequenas e Mdias Empresas da Regio de Santarm, atravs da disponibilizao de ferramentas de gesto, de contacto com clientes e de suporte qualidade e de insero na economia digital, baseadas na utilizao das TIC.A Persistente atua em cinco grandes reas: design, pr-impresso, impresso, acabamento e multimdia.De referir que GesINOV Corporate um Sistema Integrado de Gesto Empresarial, totalmente idealizado e desenvolvido pela NERSANT Associao Empresarial da Regio de Santarm.

  • 5www.nersant.pt MAIO 2016

    SANTARM O MELHOR CONCELHO DA REGIO PARA VIVER, VISITAR E FAZER NEGCIOS

    O concelho de Santarm o melhor de toda a regio para viver, visitar e fazer negcios. A concluso do City Brand Ranking, uma espcie de top dos melhores municpios do pas, feito pela consultora Bloom Consulting.No Top 100 dos 308 municpios do pas, alm de Santarm, surgem apenas Ourm (55), Tomar (73) e Abrantes (84).Em termos de ranking regional, onde os municpios do distrito de Santarm (e Azambuja, do distrito de Lisboa) se dividem por duas grandes regies - Alentejo e Centro - Santarm volta a ser o melhor municpio em todos os parmetros.A classi cao da Bloom Consulting utiliza uma metodologia que considera 5 objetivos ou dimenses essenciais: Atrao de Investimento; Atrao de Turistas; Atrao de Talento; Aumento da Proeminncia e Aumento das Exportaes.

    O estudo elaborado atravs do cruzamento destes dados estatsticos relativos s trs reas-chave (negcios, visitar e viver), com as pesquisas que so feitas na internet sobre cada municpio. tambm medida a

    presena na web do municpio sendo avaliado preferencialmente o nmero de seguidores de cada cidade. O objectivo medir a fora da marca das cidades portuguesas, permitindo compar-las em diferentes reas..

    SANTARM RECEBEU CONGRESSO DEDICADO TECNOLOGIA DO SETOR AGRO

    A Escola Superior Agrria de Santarm recebeu a 14 de maio a Agrotecnolgica - Congresso Nacional de Tecnologia no Setor Agroindustrial. A iniciativa apresentou diversos temas que se situam na vanguarda da tecnologia do setor agro.O Congresso contou com 30 oradores divididos por seis painis: Solues de bombagem solar e produo energtica, Fertirrega e automatizao de exploraes, Monitorizao via satlite, drones e GPS, Culturas hidropnicas, gesto centralizada de estufas e climatizao, Instituies e projetos, e Fbricas de Plantas, desidratao e secadores solares. Autoconsumo fotovoltaico e e cincia

    energtica, estufas fotovoltaicas, como poupar energia na agroindstria, agricultura e inovao com tecnologia de ponta, tecnologias de suporte agricultura de preciso, sistemas inovadores em culturas hidropnicas: tecnologia VTR, jovens agricultores e as novas tecnologias, controlo e certi cao de produtos foram alguns dos temas em discusso.A iniciativa foi promovida pela AGRO CK - Solues Tecnolgicas para a Agroindustria, pertencente ao grupo Critical Kinetics. A revista tcnica AGROTEC e a Agrobtica foram os media partners do evento.

    Visita do Politcnico de Bragana AgromaisA Agromais acolheu dia 19 de maio cerca de 30 alunos do programa Erasmus do Instituto Politcnico de Bragana Escola Superior Agrria. No mbito do programa da visita, o grupo teve oportunidade de conhecer a unidade de secagem dos Riachos e a unidade horto-industrial do Pinheiro Grande. Nos Riachos, tiveram oportunidade de percorrer as instalaes de receo, armazenagem e expedio do milho, bem como tomaram conhecimento do processo de funcionamento da secagem do mesmo. A visita terminou na unidade horto-industrial, que teve como objetivo dar a conhecer as instalaes de receo, armazenagem e embalamento de cebola e batata. Uma vez mais, a Agromais assume um importante papel na divulgao do desenvolvimento econmico da regio.

    VISITA DO POLITCNICO DE BRAGANA AGROMAIS

  • 6 www.nersant.ptMAIO 2016

    DESENVOLVIMENTO REGIONAL

    Castelo de Bode vai acolher a primeira estncia de wakeboard do mundo a usar cable systems. A inaugurao vai coin-cidir com a estreia europeia do circuito mundial Nautique European Pro/Am, a realizar-se entre 9 e 11 de junho, em Fer-reira do Zzere.

    O nosso contributo para o desenvolvi-mento do desporto e para a criao deste novo destino, nico na Europa, comea agora a materializar-se. Com a abertura da estncia em Castelo de Bode, a regio entra o cialmente no mapa da comunida-de de wakeboard em todo o mundo, diz, em comunicado, Andr Matos, presidente da Associao Portuguesa de Wakebo-ard e Wakeskate (APWW), que a rmou ainda que esta estncia ser um autn-tico resort para atletas e praticantes da modalidade.

    Os cabos vo ser implementados nas praias uviais de Aldeia do Mato, Lago Azul, Trzio, Montes e Fernandaires. Estes cinco cabos so ligados entre si, num espelho de gua com cerca de 30

    km, por transfer de barco, acrescenta. A inaugurao da estncia vai ser acom-panhada pela primeira edio europeia do Nautique European Pro/Am, dias 9 a 11 de junho em Ferreira do Zzere. Esto previstos pelo menos trs anos de provas deste circuito mundial em Portugal.

    O projeto conta com o apoio da World Wakeboard Association, que tambm

    o vai promover em provas internacio-nais.

    De referir que em setembro de 2015 Cas-telo do Bode tambm alojou o Wakeboard World Championship no Lago Azul, em Ferreira do Zzere. Na prova, que con-tou com uma audincia superior a 20 mil pessoas, participaram 151 atletas de 18 nacionalidades diferentes.

    Ferreira do Zzere recebe estncia de Wakeboard nica no mundo

    Caixa Geral de Depsitos tem fi nanciamento complementar a fundos comunitrios

    A Caixa Geral de Depsitos criou a Cai-xa 2020, soluo global de crdito para apoio complementar s empresas que apresentem candidaturas ao programa de fundos comunitrios Portugal 2020. dirigido a empresas, empresrios em nome individual (ENI) e outras entidades com contabilidade organizada.

    O Caixa 2020 uma soluo global para apoio complementar s empresas que apresentem candidaturas ao programa de fundos comunitrios Portugal 2020, quer no acompanhamento de todo o processo de candidatura, quer na disponibiliza-o de nanciamento complementar aos fundos comunitrios e antecipao de subsdios aprovados.

    Integra uma gama de solues de nan-ciamento e outros produtos e servios complementares, nomeadamente:

    1. Financiamento a Mdio e Longo Pra-zo com possibilidade de utilizao de garantia mtua de acordo com as normas em vigor;

    2. Financiamento complementar s Linhas de Crdito Governamentais protocoladas pela Caixa (PME Cres-cimento, Investe QREN, entre outras), para as componentes do investimen-

    to no enquadrveis nessas linhas, nomeadamente aquisio de imveis, viatura e terrenos e montantes acima dos limites de nidos;

    3. Financiamento de curto e mdio prazo para antecipao de incentivos inclu-dos em candidaturas ao abrigo do Portugal 2020;

    4. Garantias Bancrias;5. Emisso de Declaraes de Aprovao

    de Financiamento;6. Emisso de Declaraes de Inteno

    de Financiamento;7. Servios de Aconselhamento e Apoio

    aos promotores no mbito das candi-daturas.

    Assim, atravs do Caixa 2020 as empre-sas tm acesso:

    a) cobertura financeira integral do investimento no mbito de candida-turas aos fundos comunitrios;

    b) A acompanhamento financeiro ao longo do processo de candidatura;

    c) A aconselhamento pela Rede de Gesto-res Caixa Empresas e/ou por parceiros protocolados com a Caixa.

    Os montantes dos nanciamentos sero ajustados aos projetos e s necessidades de nanciamento complementares aos incen-tivos e capitais prprios. Prazos at 10 anos e perodo de carncia at 2 anos.

  • 7www.nersant.pt MAIO 2016

    A Turrisconta - Contabilidade e Ges-to Lda., empresa situada em Torres Novas, acaba de comemorar o seu 37. anivcersrio.

    Criada em 1979 por Antnio Rodri-gues, scio e fundador da empresa, a Turrisconta dedicou-se inicialmente venda de material de escritrio e execuo de contabilidades a PMEs (pequenas e mdia empresas). Evoluiu rapidamente, passados dois anos, para a exclusividade da prestao de servios no mbito da execuo contabilstica, bem como da especializao da gesto scal e da auditoria.

    A primeira sede da empresa foi na Rua Miguel Bombarda, 49 r/c, tendo, passado um ano, aumentado a rea das suas instalaes, passando a usufruir tambm do estabelecimento em fren-te, onde antes funcionava a alfaiataria Roma. Em 1982 mudaram-se as insta-laes para a Avenida 25 de Abril, n

    9- 3 dto. onde a empresa assumiu a exclusividade do planeamento e execu-o e contabilstica. Contava j nesta altura com o contributo de 12 funcio-nrios, recorrendo-se pela primeira vez s potencialidades de um compu-tador, o que, na altura, era autntica novidade.

    Em 1988 mudaram-se novamente as instalaes, motivado pelo aumento expressivo de clientes, com o respetivo impacto no nmero de funcionrios e da prpria atualizao e modernizao dos servios, tendo-se investido, mais uma vez em equipamentos eletrnicos. Alis, a Turrisconta foi sempre, ao nvel da generalidade dos Gabinetes de Con-tabilidade, pioneira no investimento de equipamentos informticos.

    A empresa passou ento a funcio-nar no 2. andar do edifcio Sta. Isabel, onde antes tinha funcionado a Casa de Sade. Contava ento com 25 fun-

    cionrios. Para as atuais e de nitivas instalaes, propriedade da empresa, ocorreu a mudana em 2000, onde se encontra com a sua habitual dinmica e competncia.

    Hoje a equipa composta por 20 fun-cionrios dos quais seis so formados superiormente em cursos na rea da Contabilidade e da Gesto. A Turris-conta conta no seu servio permanen-te com o contributo de sete Tcnicos O ciais de Contas (TOC).

    Turrisconta comemora 37. aniversrio

    O Mirante tem novos sites O Mirante lanou no dia 28 de abril,

    os novos sites, dirio e semanal. Os lei-tores do jornal vo agora encontrar uma melhor organizao das matrias edita-das, melhor edio e mais agressivida-de jornalstica. Os novos stios dirio e semanal de O Mirante foram desenhados pela equipa da Impresa, proprietria do Semanrio Expresso e revista Viso, entre outras publicaes, e pela equipa da Dom Digital, que parceira de O Mirante na rea digital.

    Para alm de um novo design, um gra- smo mais claro e atrativo, navegao mais intuitiva os portais adaptam-se agora a qualquer dispositivo mvel - e melhor leitura, os novos stios de O Mirante vo permitir tambm uma nova aposta na oferta de publicidade que, embora seja uma rea bem separada da rea editorial, parte importante da estratgia da empresa editora de O Mirante.

    Com esta aposta no online, O Mirante responde ao aumento da procura das notcias nas plataformas digitais levan-do a todo o Mundo aquilo que de mais importante acontece nos 23 concelhos da sua rea de abrangncia.

    Os novos stios dirio e semanal de O Mirante representam uma aposta signi-

    cativa na rea digital embora a equipa redatorial e comercial de O Mirante con-tinue a apostar na edio em papel com o mesmo empenho dos ltimos anos. Com esta nova aposta, o jornal d tam-bm mais um passo no que diz respeito a ferramentas de trabalho: os jornalistas

    de O Mirante tm agora uma capacidade acrescida de publicar em plataformas digitais.

    Os leitores podem ainda enviar dicas e sugestes de melhoria para novosi-te2016@omirante.pt, que est disponvel no menu dos stios.

  • 8 www.nersant.ptMAIO 2016

    DESENVOLVIMENTO REGIONAL

    A UNESCO, atravs do Conselho de Coordenao Internacional do Progra-ma MaB, decidiu favoravelmente as adaptaes propostas pelo rgo de gesto da Reserva da Biosfera do Paul do Boquilobo.

    Foi considerado que o plano de gesto, o zonamento e a participao dos agentes locais, se enquadram nas recomendaes anteriormente solicita-das, pelo que se conclui que a Reserva da Biosfera do Paul do Boquilobo se enquadra nos critrios da regulamen-tao estatutria da rede mundial do Programa MaB.

    Esta deciso reconhece, alm do ele-vado potencial de conservao do Paul do Boquilobo, a singularidade e susten-tabilidade de uma vasta rea rural que inclui tambm a agricultura, outras atividades econmicas e aglomerados populacionais.

    Com esta deciso tambm reconhe-cido um modelo de gesto inovador que inclui entidades pblicas e privadas, suportado por um conselho consultivo composto por vrios representantes da comunidade local, ensino, investiga-o, autarquias, atividades econmicas, associaes de desenvolvimento local e empresas.

    As adaptaes aceites incluem ainda

    um acrscimo signi cativo da rea total da Reserva da Biosfera do Paul do Boqui-lobo assim como um novo zonamento.

    O rgo de gesto sublinha a impor-tncia do envolvimento e contributo de todos os parceiros nesta nova estrat-gia de desenvolvimento da Reserva da Biosfera do Paul do Boquilobo. Consi-dera que esta uma oportunidade para favorecer a conservao da paisagem, dos ecossistemas e das espcies, fomen-tando o equilbrio entre a natureza e o desenvolvimento social, cultural, e econmico, promovendo o desenvolvi-mento sustentvel. Acredita que esta con rmao do estatuto para a Reserva da Biosfera do Paul do Boquilobo vai permitir incorporar num territrio que compreende as Freguesias de Riachos, Goleg, Azinhaga, Pombalinho e Bro-gueira, as mais-valias da chancela da UNESCO.

    UNESCO aprova adaptao da Reserva da Biosfera do Paul do Boquilobo e mantem a sua integrao na Rede Mundial do Programa MaB

    A Reserva da Biosfera do Paul do Boquilobo foi a primeira rea portuguesa a integrar a Rede Mundial de Reservas da Biosfera da UNESCO, sendo reconhe-cida como uma amostra representati-va das zonas hmidas de elevado valor, onde se procuram formas de conciliar a conservao da biodiversidade e o desenvolvimento sustentvel.

    Com uma rea inicial de cerca de 554 ha, e sendo uma reserva de 1. gerao, no inclua atividades econmicas nem um modelo de governana com a parti-cipao das entidades locais.

    Atravs de protocolo de gesto assi-nado em 2014, passou a ter um modelo de gesto partilhado pela ONGATEJO,

    Cmara Municipal de Goleg, Cmara Municipal de Torres Novas e Instituto da Conservao da Natureza e Florestas, o qual apoiado por um Conselho Consulti-vo que integra mais de 50 entidades onde se incluem Autarquias, Estabelecimentos de Ensino, Organizaes no governa-mentais, Associaes de Desenvolvimen-to Local, Agricultores e representan-tes de outras atividades econmicas.

    Com a deciso favorvel do Conselho de Coordenao Internacional do Progra-ma MaB, a Reserva da Biosfera do Paul do Boquilobo, passa agora a integrar as Freguesias de Pombalinho, Azinha-ga, Goleg, Riachos e ainda a Unio de Freguesias de Brogueira, Parceiros de

    Igreja e Alcorochel, numa rea total de cerca de 5896 ha.

    O Plano de ao/gesto (desenvolvi-mento) da reserva da Biosfera do Paul do Boquilobo inclui medidas de conser-vao de ecossistemas, de valorizao e desenvolvimento de atividades susten-tveis e ainda medidas que promovem o conhecimento, a educao ambiental e a investigao.

    A Reserva da Biosfera do Paul do Boquilobo pretende ainda desenvolver aes, neste espao natural quali cado e diferenciado, que promovam servios e produtos de qualidade e consequente-mente criem mais-valias sociais e eco-nmicas para a regio.

    SOBRE A RESERVA DA BIOSFERA DO PAUL DO BOQUILOBO

  • 9www.nersant.pt MAIO 2016

    Empresas de Abrantes garantiram o pdio do XX Challenger NERSANT, prova de desporto aventura organi-zada pela associao nos passados dias 13 e 14 de maio em Benavente. Uma das equipas da Mitsubishi levou para casa o trofu do 1. classi cado, a MomSteel garantiu o 2. lugar e a segunda equipa da Mitsubishi rece-beu o prmio do 3. classi cado. A entrega de prmios ocorreu aps a ltima etapa da prova uma color run com zumba que envolveu mais de 1200 pessoas.

    O XX Challenger NERSANT, evento que a associao realiza anualmente para as empresas da regio do Riba-tejo, realizou-se na sexta e sbado passado, onde cerca de 120 colabora-dores e gestores de empresas pude-ram aventurar-se por gua, terra e ar, levando a cabo provas de desporto aventura que reforaram o esprito de equipa e camaradagem entre os membros participantes.

    Esta edio do evento, denominada Por terras do arroz carolino, contou com o apoio da Cmara Municipal de Benavente. Na ltima etapa da prova, o municpio convidou a populao a estar presente na color run e mega aula de zumba, tendo esta etapa do

    Challenger contado com a participa-o de mais de 1200 pessoas.

    Durante os dois dias em competi-o, as equipas / empresas realiza-ram atividades outdoor baseadas nos conceitos de team building, tendo o evento como objetivo o reforo da camaradagem entre os colaborado-res das empresas, e, logo, a produo e competitividade dos negcios do Ribatejo.

    Quanto restante classi cao, em 4. lugar cou a Tagus Pharma, em 5. a Garval, em 6. a Ecodeal e em 7. a Tagusgs. Em 8. lugar cou classi -cada a Mundiarroz, em 9. a Garval 2, em 10. a Escola Pro ssional de Coru-che e em 11. a EMEF. A EcoEdi ca cou em 12. lugar, a Solinet em 13., em 14. o Municpio de Benavente, em 15. a Tagusgs 2 e em 16. a Trim NW. Em 17. cou a Factis, em 18. a NERSANT, em 19. a Mveis Caneiro e em 20. a Ribalnet.

    A equipa da Couro Azul, a vence-dora da ltima edio, cou de fora da classi cao por no ter reunido o nmero mnimo de participantes em algumas das provas, mas recebeu o prmio fair play por ter realizado todas, mesmo com dois elementos a menos.

    ltima etapa envolveu mais 1200 pessoas Mitsubishi vence Challenger NERSANT mais colorido de sempre

  • 10 www.nersant.ptMAIO 2016

    DESENVOLVIMENTO REGIONAL

    J l vo mais de 10 anos desde que Madalena Mello Viana, apaixonada pelas paisagens e pelas tradies das gentes ribeirinhas do Tejo,

    resolveu criar uma empresa que se dedi-casse organizao de passeios tursti-cos no rio. Foi assim que esta empresria, que at ento sempre tinha trabalhado no setor do turismo e com forte ligao s atividades nuticas fundou a Ollem (nome que resulta da inverso das letras do seu apelido de solteira), sedeada em Valada do Ribatejo.

    Convicta de que o Tejo tem muito mais para dar e para ver do que aquilo que a maioria das pessoas conhece, a empres-ria no hesita em a rmar que o potencial turstico do Ribatejo no fica atrs de outras zonas mais procuradas como Lis-boa, bidos, Cascais e Sintra. Ns temos as nossas especi cidades, temos as ilhas com cavalos, temos as aves e temos os avieiros. Os turistas cam encantados quando vm c e veem isto. E conta: h algumas sema-nas, z este passeio com um grupo de oito senhoras alems. Estiveram uma semana em Lisboa, visitaram muitos museus e quando vieram c caram estupefactas com esta beleza. Lamenta que os opera-dores tursticos e agncias no estejam

    sensibilizados e informados para o que esta regio tem para oferecer e defende uma maior envolvimento e articulao de todas as entidades regionais e municipais para que se trabalhe numa oferta de qualidade devidamente integrada.

    Uma das di culdades que sente no seu trabalho dirio, reside na falta de infraes-truturas de apoio a este tipo de atividades, como inexistncia de ancoradouros ou cais, o que impede que os barcos possam atracar em muito locais. J se comea a

    Ollem uma empresa inspirada no rio TejoTem sido fonte de inspirao para poetas, pintores, fadistas. Foi nele que Cames encontrou as

    tgides, as suas musas inspiradoras. Foi ponto de partida das naus e caravelas portuguesas que

    partiram descoberta do mundo. Fonte de sustento e de vida para muitos, o Tejo que continua a

    encantar, permanece ainda hoje um tesouro por descobrir.

  • 11www.nersant.pt MAIO 2016

    fazer algumas coisas, mas muita gente ainda no percebeu o potencial que aqui temos. O rio Tejo praticamente uma autoestrada a entrar pelo Ribatejo dentro. Temos o aeroporto porta, s fazer com que as pessoas subam o rio! Melhorar as condies de segurana e navegabilida-de , por isso, uma das prioridades que assinala, uma vez que este um fator que acaba por inviabilizar outros projetos de dinamizao turstica.

    Madalena Mello reconhece que funda-mental preservar o equilbrio entre desen-volvimento e preservao da natureza, mas lamenta o excesso de zelo e burocracia por parte de algumas entidades, que aca-bam por inviabilizar muitos dos projetos que tm surgido para dinamizar o Rio Tejo, o que no acontece noutras regies do pas como o Douro, o Alqueva, o Rio Mira, onde vo surgindo projetos tursticos inovadores muito interessantes. E d um exemplo. Tenho um amigo que est h anos espera de autorizao para fazer um hotel palaftico, um hotel construdo sobre estacas. A CCDR LVT no permite, mas no Alentejo, um projeto idntico foi autorizado pela CCDR Alentejo.

    PROPOSTAS VARIADAS A Ollem possui hoje trs embarcaes,

    que no total somam 50 lugares. So vrias as propostas da Ollem para um passeio no rio. A Rota do Avieiros com sada do Cais de Valada do Ribatejo e visita s aldeias da Palhota e do Escaroupim, permite-lhe experimentar a gastronomia tpica da regio. Poder ainda visitar um moucho, uma das vrias ilhas do Tejo com praias uviais desertas e bastantes cavalos.

    Uma outra opo fazer a Rota do Tejo, que incluiu um cruzeiro de manh pelo Tejo e a visita a uma aldeia avieira. Da parte da tarde, ter direito a uma prova de vinhos e a almoo seguindo-se uma demonstrao equestre do cavalo lusitano. Em alternativa, poder, durante a tarde, optar por visitar os toiros no seu habitat natural.

    Outras das possibilidades, especialmente para quem gosta de observar aves, fazer a Rota das Aves, que contempla um cruzeiro

    de manh pelo Tejo, onde poder apre-ciar as Aves no seu Habitat e depois uma visita a uma aldeia avieira. De sublinhar que este troo do rio Tejo , ao longo de todo o ano, um verdadeiro paraso para os birdwatchers, estando inclusivamente referenciada pelo Turismo de Portugal como zona de Observao de Aves.

    Recentemente, a Ollem comeou tam-bm a promover passeios tursticos por Santarm, num passeio designado por Rota das Muralhas. Este passeio consiste num passeio a p pela cidade, com incio no Largo do Seminrio e terminus nas Portas do Sol. Pelo caminho, os turistas vo conhecendo as histrias e as lendas que marcam cada um dos locais por onde vo passando.

    Madalena Mello esclarece que a Ollem procura fazer de cada viagem uma expe-rincia nica, a rmando mesmo que ns

    no vendemos bilhetes, vendemos expe-rincias. Os nossos passeios so todos acompanhados por guias especializados e personalizados. A publicidade empresa feita, em grande parte, atravs das redes sociais e do passa palavra, sendo por isso muito importante que as pessoas saiam daqui muito satisfeitas. Apesar disso, a Ollem tem tambm marcado presena na Bolsa de Turismo de Lisboa e faz alguma publicidade na imprensa. Os clientes-tipo so maioritariamente portugueses, com uma mdia de idades a partir dos 40 anos e com algum poder econmico. Apreciam, sobretudo, a paisagem, os habitats e os traos culturais espec cos desta regio. Um das caractersticas nicas desta regio do Tejo so as aldeias avieiras, expresso da cultura avieira. Doze, mais precisa-mente, a rma a empresria, desde Lisboa at Goleg. Estas aldeias poderiam ser recuperadas e valorizadas, com alguns equipamentos, como um restaurante ou um centro de interpretao. De ressalvar que o Instituto Politcnico de Santarm est a desenvolver uma candidatura da Cultura Avieira a Patrimnio Imaterial Nacional e da Unesco

    Projetos para dinamizar a sua empresa no faltam a esta empresria, que ambicio-na uma dia poder trazer turistas a partir de Lisboa, rio acima, at Valada, por exemplo, e depois lev-los a Santarm ou a Ftima. Contudo, para que projeto avance, neces-srio encontrar uma parceria, que permita fazer face ao investimento necessrio. Isto porque o barco para trazer os turistas tem que cumprir determinado requisitos que permitam fazer face aos baixos caudais do rio no Vero, e ao assoreamento. Tem de ser um barco no muito grande, com cerca de 50 lugares, explica.

    Muita gente ainda no percebeu a potncia do rio Tejo .

  • 13www.nersant.pt MAIO 2016

    DESENVOLVIMENTO REGIONAL

    Sesso de Esclarecimento sobre a ARU de Louriceira

    Decorreu na sede da Unio das Freguesias de Malhou, Louriceira e Espinheiro, em Louriceira, uma sesso de esclarecimento sobre a rea de Reabilitao Urbana de Louriceira Apoios e Benefcios para a Reabilitao Urbana, uma iniciativa da Cmara Municipal de Alcanena, atravs da Diviso de Desenvolvimento Susten-tvel e Urbanismo.

    No mbito da reforma do Regime Jurdico da Reabilitao Urbana (RJRU, Lei n 32/2012, de 14 de agosto), a Delimitao da rea de Reabili-tao Urbana (ARU) de Louriceira foi aprovada na sesso da Assembleia Municipal de Alcanena, realizada a 26 de fevereiro de 2016, e publicada em Dirio da Repblica, 2 srie, de 11 de maro, Edital n 237/2016. Apoios, benefcios e proce-dimentos foram aspetos abordados durante a sesso, aberta a todos os muncipes.

    A iniciativa contou com a presena do Vere-ador Hugo Santarm e do Presidente da Unio das Freguesias de Malhou, Louriceira e Espi-nheiro, tendo tido como oradores o Arquiteto Srgio Simes e a Arquiteta Rita Fernandes, da Diviso de Desenvolvimento Sustentvel e Urbanismo da autarquia.

    Entidade Regional de Turismo quer selo para a gastronomia ribatejana

    Decorreu na Casa do Brasil em San-tarm uma reunio entre a Regio de Turismo do Alentejo / Ribatejo e os representantes dos restaurantes e das 11 autarquias que integram a institui-o. O objetivo deste encontro foi dar incio ao processo de certi cao dos restaurantes da Lezria Ribatejana.

    Durante a sesso de trabalho foi dado a conhecer aos empresrios do setor um processo que tem por obje-tivo quali car e salvaguardar um dos produtos tursticos estratgicos para a promoo do destino, como o caso da gastronomia.

    Criar e atribuir um selo de qualida-de que, exclusivamente destinado aos

    restaurantes, refora a identidade da gastronomia ribatejana, eleva a sua notoriedade e, consequentemente, vai atrair mais clientes aos estabele-cimentos e ao destino o propsito do projeto de certi cao, cuja adeso voluntria.

    No mbito deste projeto, a Entida-de Regional de Turismo vai tambm realizar uma reunio com a Confraria Gastronmica do Ribatejo e a Cmara Municipal de Santarm no sentido de comear a preparar a Carta Gastron-mica da Lezria Ribatejana, uma ferra-menta considerada fundamental para a divulgao da excelncia dos sabores e saberes tradicionais da regio.

    Municpio de Alcanena Adere ao Consrcio PROVERE iNature

    No mbito do Programa de Ao do Provere iNature Turismo Sustentvel em reas Classificadas, foi assinado no Fundo o Contrato de Consrcio da Estratgia de E cincia Coletiva, que integra o Municpio de Alcanena.

    Com este Consrcio pretende-se con-gregar os interesses e meios e concertar as atividades e capacidades complemen-tares das entidades consorciadas com vista execuo da iniciativa iNature Turismo Sustentvel em reas Clas-si cadas, com foco no desenvolvimen-to do Produto Turismo de Natureza, e nesse sentido submeter e executar uma candidatura ao Centro2020 Programa Operacional Regional do Centro.

    A constituio deste consrcio tem por base a importncia que os valores de patrimnio natural da Regio Cen-

    tro assumem enquanto oferta integrada com potencial para o desenvolvimento e consolidao do produto Turismo de Natureza, sem esquecer os efeitos que um processo de valorizao sustentvel do patrimnio natural das reas classi -cadas pode exercer para a dinamizao do tecido socioeconmico dos respeti-vos territrios de in uncia, atuando na mitigao dos efeitos que se fazem sentir de forma transversal a este territrio.

    O contrato vigora pelo prazo neces-srio implementao da Estratgia de E cincia Coletiva PROVERE iNature e seu Programa de Ao, com uma dura-o estimada de 3 anos.

    Cmara de Santarm d incentivos instalao de esplanadas em todo o Concelho

    A Cmara de Santarm decidiu isentar de taxas de ocupao da via pblica todas as espla-nadas do Concelho que tenham uma dimenso at 25 metros quadrados de rea, de junho a setembro de 2016.

    A deciso foi aprovada por unanimidade em reunio da Cmara, com o objetivo de propor-cionar um incentivo atividade econmica local. Este o segundo ano em que esta medida alargada a todas as esplanadas do Concelho, tendo em conta que, anteriormente, era conce-dida apenas aos estabelecimentos da Cidade.

    A deciso da Cmara ressalva que a aplica-o da iseno do pagamento obriga ao cum-primento das regras legais em vigor para o licenciamento da ocupao do espao pblico.

    A taxa mensal em vigor para as esplanadas, sem o incentivo, de 6,05 euros por metro quadrado.

  • 15www.nersant.pt MAIO 2016

    DESENVOLVIMENTO REGIONAL

    Delegao do governo timorense visitou Torres Novas

    No mbito do processo de descentralizao administrativa, que est a ser levado a cabo em Timor-Leste, esteve em Portugal uma comitiva do Governo timorense, com o objetivo de perceber o modelo administrativo das autarquias locais e a distribuio de competncias entre o governo central, as autarquias e as freguesias.

    Do programa constou uma receo na Secretaria de Estado das Autarquias Locais e sesses de trabalho na Cmara Municipal de Lisboa e na Cmara Municipal de Torres Novas.

    Tratou-se de mais um passo na efetivao do acordo de coo-perao assinado em maro de 2013, num processo que envolve trs dezenas de municpios, a secretaria de estado das autarquias

    locais e o Instituto Cames. Da comitiva zeram parte Maria Goretti Marques Belo, diretora nacional para a Modernizao Administrativa, Adrito Guterres, diretor do Secretariado de Apoio Instalao dos Municpios, Amndio Sousa, diretor nacional para o Apoio Administrao dos Sucos e Leonor Faria, secretria do Gabinete do Vice-Ministro da Administrao Estatal.

    Estao Elevatria da Ribeira das Fontainhas e ETAR da Abr inauguradas pelo Secretrio de Estado do Ambiente

    Foram inauguradas a Estao Elevat-ria da Ribeira das Fontainhas e a ETAR da Abr, na presena de Carlos Martins, Secretrio de Estado do Ambiente, Ricardo Gonalves, Presidente da Cmara de San-tarm, vereadores, presidentes de junta, entre outras individualidades.

    A estao Elevatria da Ribeira das Fontainhas uma infraestrutura de saneamento que permite a expanso da rede pblica a diversas localidades lim-trofes de Santarm. Nestes locais vo ser abandonadas as solues privativas de drenagem de guas residuais, tais como fossas spticas, de forma a melhorar a qualidade ambiental e de vida da popu-lao de Santarm. Este projeto teve um investimento de 2.627.319,12 .

    Pioneira no concelho, a ETAR da Abr, com um valor de 793.914,34, uma infraestrutura diferenciada pelo mtodo de tratamento com recurso a leitos de macr tas que tornam o processo de tra-tamento e o enquadramento paisagstico mais ecolgico e com maior integrao ambiental. Esta soluo, que s pos-

    svel em aglomerados populacionais de menores dimenses, requer uma maior rea de implantao e suportada por lagoas de tratamento de guas residuais de forma completamente natural, cuja funo consiste no tratamento de e uen-tes lquidos.

    Ambos os projetos foram enaltecidos por Carlos Martins, assim como todo o trabalho que tem sido desenvolvido no concelho, garantindo a disponibilidade do Ministrio do Ambiente para colaborar com o Municpio de Santarm.

    Desde o incio da sua atividade, a empre-sa municipal guas de Santarm mantm como objetivo principal dotar o concelho de nveis de atendimento de saneamento bsico de guas residuais, ultrapassan-do os ndices de cobertura exigidos pela Unio Europeia, disponibilizando ndi-ces de cobertura na ordem dos 92%. Em paralelo, tem mantido a qualificao e renovao das infraestruturas de abas-tecimento que se situam, h alguns anos, numa cobertura de 99,9%.

    Com um investimento superior a 43

    milhes de euros em infraestruturas de recolha, transporte e tratamento de guas residuais, com projetos aprovados e co -nanciados pelo Programa Operacional Temtico, Eixo II, no mbito do Quadro de Referncia Estratgico Nacional (QREN 2007-2013, a empresa guas de Santarm encontra-se, neste momento, em fase de arranque dos ltimos sistemas deste ciclo de investimento, permitindo acolher as ligaes particulares aos sistemas pbli-cos.

    Com o cumprimento integral do plano de investimento em sistemas de sanea-mento de guas residuais, incluindo a cobertura dos pequenos aglomerados urbanos, a empresa guas de Santarm tem contribudo para um futuro mais sustentvel, com a disponibilidade dos servios de abastecimento de gua e de distribuio e drenagem de guas residu-ais, pautados por critrios de qualidade e e cincia, que contribuem para a quali-dade de vida da populao do concelho e melhoria do estado ecolgico dos recursos hdricos da regio.

  • 16 www.nersant.ptMAIO 2016

    Ferreira do Zzere a capital do ovo. o principal negcio do concelho?

    Somos o concelho que mais produz ovos no pas. Produzimos 600 milhes de ovos por ano! De facto, existem empresas no concelho a faturar um tero do volume de negcio total do ovo. por isso que somos a capital do ovo. No entanto, embora o ovo tenha um peso signi cativo no nosso concelho em termos de quantidade de produo, o ovo um produto barato e suplantado em termos de volume de neg-cio por outras reas. Claro que o negcio do ovo importante para ns, mas de facto no o setor com maior faturao nem o que mais emprega.

    Sero as raes uma dessas reas?Sim. Temos no concelho a Raes Zze-

    re, uma das melhores empresas na rea da produo de raes em Portugal, seno a melhor. uma empresa com 30 anos de histria, que comeou inicialmente a produzir para o seu prprio grupo e que conseguiu extravasar a produo, alimen-tando hoje o mercado nacional e at inter-nacional. uma empresa com certi caes do mais elevado a nvel mundial e que est constantemente a investir no concelho. Recentemente, h pouco mais de um ano, a Raes Zzere fundou a Maxipet, empresa especializada em raes para animais de

    Jacinto Lopes, Presidente da Cmara Municipal de Ferreira do Zzere

    Queremos crescer com qualidade de vida para os ferreirensesProduo de raes, ovos, indstria da madeira e indstria das carnes so os setores fortes de Ferreira do Zzere que garantem ao concelho uma das menores taxas de desemprego do pas. O autarca ferreirense afi rma no entanto, que esta uma faca de dois gumes e que os baixos valores de desemprego podem ser justifi cados pela sada de pessoas em busca de melhores oportunidades profi ssionais. Aposta, por isso, no desenvolvimento econmico sustentvel e assente na qualidade de vida da populao que lidera.

    estimao. Esta nova empresa veio colma-tar uma lacuna que existia no pas que diz respeito ao facto de a maioria dos produtos de qualidade para animais domsticos consumidos em Portugal, serem, na altura importados. H dias visitei a empresa e sei que esto j a pensar duplicar a produo, o que quer dizer que a empresa est a ser sucesso e que o plano de negcios dese-nhado est a ser cumprido. Mais uma vez o grupo Raes Zzere teve viso, investiu e os frutos esto a aparecer. No tenho receio de dizer que dentro de um ou dois anos, a Maxipet ser uma referncia a nvel nacional.

    Mas temos tambm outros setores fortes em Ferreira do Zzere, como as madeiras e as carnes.

    Qual a dimenso da oresta e das madei-ras neste territrio?

    Este um dos setores que se tem a r-mado e mantido ao longo dos anos. No tem sofrido grandes crises. Em Ferreira do Zzere temos muitas empresas, das maio-res que h no pas, a faturar milhes de euros, no s na compra e venda de madei-ras, mas sobretudo tambm na prestao de servios para as grandes empresas de celulose. Ou seja, h empresas de Ferreira do Zzere a percorrer todo o pas a cortar e transportar madeira para as grandes celuloses. Este tambm um dos gran-des negcios do concelho e que emprega muita gente.

    Estes negcios, quer a madeira, quer as raes, so importantes no s pela sua

    Ferreira do Zzere est entre os 10 concelhos com menos desemprego no pas.

    ENTREVISTA

    Jacinto Lopes, Presidente da Cmara Municipal de Ferreira do Zzere

  • 17www.nersant.pt MAIO 2016

    produo e nmero de empregos diretos, mas tambm pelo nmero de empregos indiretos que criam. Falo de reas como a manuteno, assistncia tcnica, eletricis-tas, serralheiros, entre outros. H muita gente envolvida.

    E as carnes?A agroindstria continua a ser um setor

    pujante em Ferreira do Zzere, especial-mente devido produo de carnes de frango e porco. Reconhecemos que nos ltimos anos temos assistido a um declnio deste setor, nomeadamente na produo de porcos, devido concorrncia de Espanha. Mas ainda assim, continuamos a produzir muito presunto.

    Por detrs destes setores fortes, Ferreira do Zzere tem ainda um setor tercirio que d suporte a estas atividades. Felizmente este conjunto de grandes empresas conse-guem alimentar algumas mdias empre-sas e estas mdias empresas alimentam, por sua vez, algumas pequenas e micro empresas. Digamos que umas empresas conseguem gerar negcio para outras. Esperamos que nenhuma delas venha a sofrer fortemente com a crise porque seria efeito domin. Caindo uma grande, cairiam outras pequenas. Mas penso que o pior j passou e penso que no futuro teremos mais e melhores empresas nestas reas.

    isso que perspetiva para o futuro do concelho?

    O nosso futuro passa por manter aquilo que temos, em primeiro lugar. Em segun-

    do, passa por atrair mais empresas para o concelho que se enquadrem naquilo que foi delineado h muitos anos no nosso regulamento. O nosso regulamento probe quaisquer empresas que tragam poluio. No faz sentido investir em empresas que prejudicam o ambiente. Queremos crescer, mas com qualidade de vida para os ferrei-renses. Esta nossa preocupao ambiental importante tambm para o desenvolvi-mento do turismo, vertente que queremos que se venha a implementar ainda com mais fora. Recentemente conseguimos realizar um sonho antigo, a abertura de um hotel. Conseguimo-lo. Est a funcio-nar desde setembro do ano passado um novo hotel de charme, de 4 estrelas, com 44 quartos. O facto de Ferreira do Zzere ter hoje um hotel permite-nos dar outra visibilidade ao nosso turismo bem como promov-lo de outra maneira. Queremos atrair pessoas, mas com muito equilbrio.

    O que tem Ferreira do Zzere para ofe-recer s pessoas?

    Tanta coisa! Temos boa qualidade do que est construdo, as rendas das casas

    so baratas, temos bom ambiente, temos boas escolas Por falar em educao, tenho orgulho em a rmar que o Munic-pio oferece os livros no 1. ciclo do Ensino Bsico, oferece as refeies escolares e o transporte das crianas porta-a-porta. Na rea desportiva temos karat e judo, futebol e natao h um vasto leque de atividades desportivas, algumas que implementmos nos ltimos anos. Temos, portanto, todas as valncias disposio das famlias. H qualidade de vida! Para alm disso, estamos prximos de Coim-bra, de Lisboa, de Leiria. Estamos no centro de Portugal, mas prximos de tudo. Estamos numa zona central, prxima de grandes eixos ferrovirios e rodovirios, o que para as empresas, tambm uma enorme mais-valia.

    A nica di culdade que temos no con-celho , de facto, o emprego quali cado. esta aposta no crescimento do setor secun-drio e tercirio que temos de fazer se queremos atrair pessoas. Temos de criar mais indstria porque atrs desta surgem os setores secundrio e tercirio. Haven-do mais uma ou duas empresas no setor

    preciso criar uma poltica ativa de regresso das pessoas ao interior do pas.

  • 18 www.nersant.ptMAIO 2016

    industrial, acredito que se consiga este crescimento. Apesar disto, com orgu-lho que podemos a rmar que Ferreira do Zzere est entre os 10 concelhos com menos desemprego no pas, embora o ide-al fosse o pleno emprego. A nossa taxa de desemprego est na ordem dos 7%, bem abaixo da mdia nacional. Isto bom e mau [risos]. Por um lado, signi ca que as pessoas em idade ativa saram de Ferreira do Zzere e foram resolver o problema de desemprego fora do seu concelho ou fora do seu pas, como aconteceu um pouco por todo o pas. Este o lado mau, portanto.

    Por outro lado o bom existe de facto uma certa estabilidade no emprego e nos setores de atividade predominantes neste territrio. No sendo um concelho com muita gente qualificada (licenciaturas e mestrados), existe muita mo-de-obra indiferenciada que as indstrias aqui exis-tentes conseguem encaixar. E existem at setores de atividade com di culdade em encontrar no concelho mo-de-obra especializada. Na rea das madeiras, por exemplo, existe grande dificuldade em encontrar pessoal quali cado para traba-lhar com as mquinas. difcil encontrar este tipo de operadores! Por este motivo, existem funcionrios de empresas ligadas ao setor orestal com rendimentos mui-to interessantes comparativamente com algumas pessoas licenciadas.

    Falou da centralidade de Ferreira do Zzere, mas um facto que um concelho do interior

    preciso criar uma poltica ativa de regresso das pessoas ao interior do pas. H coisas que os Governos tm que pen-sar com urgncia. Uma delas seria a des-criminao positiva do interior. Foram existindo benefcios scais avulso, mas na realidade nunca houve uma poltica

    concertada para o interior. E no falo s das empresas, mas tambm dos residentes! Os poucos benefcios que existiram foram s para as empresas, mas a verdade que ningum vem morar por Ferreira do Zze-re s porque a empresa onde vai trabalhar paga menos imposto. Agora, se a pessoa pagar, ela prpria, menos imposto, poder ponderar isso! preciso uma poltica ativa de benefcios scais, de incentivos scais que motivem no s as empresas, mas tambm as prprias pessoas, a regressar ao interior do pas.

    Falando de incentivos scais. Acaba de ser anunciada uma reduo do valor das

    O pas no tem dinheiro para se dar ao luxo de semear autoestradas que no tm trafego. Penso que prefervel diminuir o valor das portagens, mas ter trfego! isso que se tem que fazer rapidamente.

    portagens na A23, mas excluiu-se a A13. O que acha disto?

    A poltica de tarifao das portagens tem estado errada ao longo do tempo. Sempre esteve! Faltou sempre a descriminao positiva ao interior. Em vez de se manter ou at reduzir taxas, vieram subi-las. Maior parte do trafego saiu das autoestradas para as estradas nacionais, o que teve um duplo efeito. receita que se perde e o trabalho de requali cao dentro de vilas e cidades, que se perde. O trnsito, ao passar para dentro das cidades e das vilas, veio des-truir o que de bom foi feito anteriormente, que foi transformar, recuperar os centros de vilas e cidades. No ganhmos nada com isso! Portagens mais caras, mas com menos carros a passar, signi ca na verdade menos receita! Passou tambm a haver mais sinistralidade. Portanto, a estratgia ter que passar por baixar as portagens, colocar os carros no stio certo, que nas autoestradas, e devolver novamente as cidades e vilas s populaes.

    Quanto questo colocada, uma tre-menda injustia que se deixe a A13 de fora da descida do preo de portagens. A A13 das autoestradas mais caras do pas, e no caso de Ferreira do Zzere tanto mais

    ENTREVISTA

  • 19www.nersant.pt MAIO 2016

    grave porque a nica que nos serve. a infraestrutura que nos permite ir em todas as direes. urgente reduzir estas taxas, direi at em 50%! Na verdade, muito tris-te ir daqui a Coimbra, por exemplo, e no trajeto todo passar por 10 ou 20 carros. O pas no tem dinheiro para se dar ao luxo de semear autoestradas que no tm trafego. Penso que prefervel diminuir o valor das portagens, mas ter trfego! isso que se tem que fazer rapidamente.

    Enquanto Municpio, como pretende atrair empresas para concelho, e, por outro lado, onde podem os empresrios ou empreendedores dirigir-se nestes casos?

    A nossa estratgia de apoio ao tecido empresarial assenta na cedncia de ter-renos na Zona Industrial a preo quase simblicos: preo base de 2,51/m2 para a indstria, que pode ter uma boni cao mxima de 2,50, o que signi ca terrenos a 1 cntimo o m2! Temos tambm uma poltica de reduo e at mesmo iseno de algumas licenas de construo para a indstria e temos tido durante muitos anos a iseno da derrama. Este ano zemos uma experincia: foi lanada uma derrama mnima, para ver se o valor afeta ou no a vinda de empresas para Ferreira do Zzere. Somos ainda expeditos no licenciamento. Os servios so extremamente rpidos, que ajuda naturalmente aquando da escolha de localizao da empresa.

    Quanto segunda questo, no temos no Municpio um gabinete formal de apoio ao investidor e ao empreendedorismo, por-que, infelizmente, no algo que aparea todos os dias. O gabinete de empreende-dorismo do concelho o Presidente da Cmara. Os empresrios que aqui desejem instalar-se devem contactar o gabinete de apoio ao Presidente, que os encaminhar

    para os diversos locais adequados. Dou um exemplo. Temos aqui uma empresa no concelho, a segunda da Europa e das poucas do mundo, que faz o de estanho para as metalizaes. O empresrio apa-receu na Cmara Municipal, falou comigo, arranjou-se terreno na zona industrial e passado pouco tempo estava a arrancar com o projeto. uma empresa que est a produzir com alguma inovao.

    Atualmente existe algum investimento privado em curso?

    Sim. Vai instalar-se em Ferreira do Zze-re uma empresa de produo de pellets, que ir, numa primeira fase, criar 10 postos de trabalho. Este um investimento muito bem-vindo e que tem j projeto de constru-o aprovado. A empresa de capital 100% portugus e 100% ferreirense. Enche-nos de orgulho estar a contribuir com capital ferreirense para a economia do pas. Com muita pena nossa, a implementao des-ta nova empresa talvez ainda demore. O

    quadro comunitrio de apoio est muito atrasado e este tipo de investimento s se faz com apoios comunitrios.

    H, portanto, investimentos importantes condicionados pelo atraso do Portugal 2020

    Para j, sim. Tenho a vantagem ou des-vantagem de andar nisto h mais de 20 anos, pelo que o segundo ou terceiro arranque de quadros comunitrios que acompanho e o cenrio sempre o mesmo. No princpio h muitas restries e no nal h sempre muito dinheiro por gastar e se no se gastar, ter que se devolver. A histria sempre a mesma.

    Este quadro comunitrio de apoio est extremamente rgido. Est muito enclau-surado sobre ele mesmo e vai ser muito difcil, quer empresas quer municpios, conseguirem concorrer a alguns dos avisos. H um conjunto de regras muito apertadas que, se no forem revistas, comprometem em muito a execuo deste quadro comuni-trio. J vamos no terceiro ano do Portugal 2020, com execues muito prximas do zero. O que certo que daqui a um ano, vo comear a pedir por amor de Deus para se gastar o dinheiro. Por outro lado, s vezes parece que determinados concursos foram feitos medida de determinadas Cmaras ou empresas.

    O que podem as empresas e empres-rios esperar do Municpio de Ferreira do Zzere?

    Da minha parte, sempre o meu empe-nho total e absoluto para ajudar a resol-ver e ultrapassar os problemas que forem surgindo. Da Cmara, garantimos preos reduzidos, rapidez na atribuio de licen-as e uma porta sempre aberta para ouvir e ajudar os empresrios.

    O gabinete de empreendedorismo do concelho o Presidente da Cmara. Os empresrios que aqui desejem instalar-se devem contactar o gabinete de apoio ao Presidente, que os encaminhar para os diversos locais adequados.

  • 20 www.nersant.ptMAIO 2016

    Abertura de Aviso

    Ncleos de I&D em copromoo Encontra-se aberto at ao prximo dia 30 de junho (19h), o Aviso 09/SI/2016 - Sistema de Incentivos Investigao e Desenvolvimento Tecnolgico - Ncleos de I&D em copromoo.

    INFORMAO E APOIO

    MAIS INFORMAES:Departamento de Apoio Tcnico, Inovao e CompetitividadeE-mail: portugal2020@nersant.ptTel.: 249 839 500

    Este Sistema de Incentivos Inves-tigao e Desenvolvimento Tec-nolgico prev apoiar projetos de empresas em copromoo

    com outras empresas ou restantes enti-dades do Sistema de I&I, alinhados com os domnios prioritrios da Estratgia de Investigao e Inovao para uma Especializao Inteligente, que visem, designadamente atravs da realizao de atividades de investigao industrial e desenvolvimento experimental, o reforo da sua competitividade e insero inter-nacional.

    Tem como objetivo espec co de aumen-tar o investimento empresarial em I&I para promover o aumento das atividades econmicas intensivas em conhecimento e a criao de valor baseada na inovao.

    O diagnstico da economia portuguesa aponta para a subsistncia de um nvel incipiente de investimento por parte das empresas em I&D. Visando a atenuao

    destas insu cincias, pretende-se criar condies para aumentar o investimen-to empresarial em atividades de I&D e a criao de novos conhecimentos que promovam a competitividade das regies menos desenvolvidas, em especial em setores de maior intensidade tecnolgica ou de conhecimento.

    Os projetos em copromoo so projetos realizados em parceria entre empresas ou entre estas e entidades no empresa-riais do Sistema de I&I, e liderados por empresas, compreendendo atividades de investigao industrial e/ou de desen-volvimento experimental, conducentes criao de novos produtos, processos ou sistemas ou introduo de melhorias signi cativas em produtos, processos ou sistemas existentes.

    O incentivo mximo a atribuir por pro-motor de 200 mil euros.

    Para as empresas localizadas na NUTS II (Norte, Centro e Alentejo), a taxa mxi-

    ma de incentivo a atribuir de 50% no caso de PME e de 15% no caso de No PME.

    A apresentao de candidaturas feita atravs de formulrio eletrnico no Balco Portugal 2020 (https://www.portugal2020.pt/Balcao2020/).

    Para apresentar a candidatura as enti-dades promotoras devem previamente efetuar o registo e autenticao no Balco 2020. Com essa autenticao criada uma rea reservada na qual o benefi-cirio poder contar com um conjunto de funcionalidades, independentemente da natureza do projeto, a Regio ou o Programa Operacional a que pretende candidatar-se.

  • FERSANT 27 anos a promover o desenvolvimento econmico do Ribatejo

  • 23www.nersant.pt MAIO 2016

    Foi logo aps a fundao da asso-ciao enquanto delegao da AIP, em 1988, que a NERSANT adqui-riu autonomia jurdica, passando

    a denominar-se NERSANT Associao Empresarial da Regio de Santarm, situ-ando-se inicialmente em Santarm, tendo passado logo de seguida a sua sede para Torres Novas.

    Graas forte capacidade empreendedo-ra dos seus corpos sociais e colaboradores, que se muniram de projetos e atividades em prol do tecido empresarial regional, a associao logo se a rmou como lder inquestionvel da envolvente empresa-rial do distrito de Santarm, a rmando-se como a principal associao empresarial desta regio.

    Prova deste dinamismo foi a realiza-o da 1. edio da Feira Empresarial da Regio de Santarm FERSANT, logo em 1990, apenas um ano aps a sua constitui-

    o formal, nas instalaes da Metalrgica Costa Nery, S.A., em Torres Novas.

    Devido ao sucesso desta primeira edio da feira, a NERSANT decidiu inaugurar um espao para este efeito, tendo come-ado a construir, em setembro de 1991, o seu pavilho de exposies, que viria a ser inaugurado a 23 de setembro de 1992.

    Este mesmo pavilho de exposies, na altura tambm sede administrativa da NERSANT, acolheu a realizao da FER-SANT at 2009. Ao longo dos anos, este certame primou sempre pela realizao de atividades paralelas mostra empresarial, como a realizao de seminrios e confe-rncias, bem como a visita de inmeras entidades governamentais, o ciais e insti-tucionais que passaram pela FERSANT ao longo dos anos. A parte ldica do evento no foi descurada pela NERSANT, que organizou ao longo das vrias edies da FERSANT, concertos com diversos artistas

    de renome nacional e que levaram o nome da NERSANT a toda a regio e at ao pas.

    Devido conjuntura e necessidade de adaptao a novos tempos, a feira sofreu um ponto de viragem em 2010, ano do seu 20. aniversrio, passando a ser realizada a partir desse ano, no CNEMA Centro Nacional de Exposies e Mercados Agrco-las, em Santarm, a par da Feira Nacional da Agricultura, onde o certame adquiriu maior visibilidade e, logo, maior probabili-dade de negcio para as suas empresas.

    Desde 2010, o certame tem vindo a assumir cada vez mais importncia para o tecido empresarial da regio e para as empresas que nele participam. O certame tem aumentado anualmente o seu nme-ro de visitantes, tem tido cada vez maior visibilidade, assumindo-se, portanto, como um espao privilegiado para o encontro entre empresas e realizao de negcios na regio do Ribatejo.

    FERSANT 27 anos a promover o desenvolvimento econmico do RibatejoA FERSANT Feira Empresarial da Regio de Santarm, uma das mais importantes atividades da NERSANT, realizando-se anualmente desde 1990. O certame tem vindo a evoluir ao longo dos anos, sendo hoje o principal certame empresarial da regio do Ribatejo.

    Suplemento

    foto

    : Mar

    cos

    Evan

    gelis

    ta

  • 24 www.nersant.ptMAIO 2016

    Patrocionador Ofi cial:

    Organizao:

    EXPOSITOR STAND N.

    A Garrafeira de Ftima 25 A.M.C. Cunha 59 Abranfogo 51 Acerpls 19A AgroCluster Ribatejo 26 Agrogarante 28 Borner Ibrica 13 Candiluz 14 Cerapiel 11/18 Csar Castelo e Filhos 35 CH Business Consulting 27 Cidlia Correia 15 Cimetal 7 Cobermat 38 Diamantino Coelho & Filho 20 Digital Solution 3 ECL 58 Equitejo 19 Escrito Antigo 60 Fbio Anbal Neves Pereira 6 Fonteval 8 Frigorfi cos Brgido 9 Futurverde 10 Garval 29 Gina Botequim 5 Iberscal 63 Instituto Politcnico de Tomar 62 Ismaello Rolando 54 J.M. Cordeiro 43 Jortejo 44 Kartdromo de Almeirim 52 Leais & Oliveira 45 Lgia Maria Abreu Sousa 53 LotusGrill 50 Macrofal 17 MaiorLux Renovveis 56 Marlia Reguinga 57 Maxipet 47 Micromineiro 2 Naturaloe 37 Naxol 22 NERSANT 4 NERSANT Seguros 18A Odemakiphe 40 Ponto Aventura 55 Raes Zzere 46 Renova 1 Resitejo 36 Ribatubos 65 Risa 23 Royal Soft 49 Samogreen Systems 61 Securitas Direct 64 Sem Ir 42 Softadvice 31 SOLIUS - Intelligent Energy 41 SunEnergy 24 Tagusgs 33 Tagusvalley 34 Tecnoalmonda 30 Tepsol 21 TRM 32 Vale do Tejo Comunicao Social 16 Virtualvent 39

    Listagem de Empresase Planta FERSANT 2016

    19 19A

    Comrcio Ensino Indstria Associao Servios

    3 2 1

    4

    26

    27

    29

    28

    46 47

    45

    44 48

    5925 30

    24 31

    2332

    33

    22

    21

    43 49

    42

    57 61

    58 60

    62

    63

    55 64

    50

    41

    18 40

    54

    5365

    15

    16

    37

    36

    17 35 39

    38 51

    5

    6

    7

    8

    9

    10

    14 52

    13

    12

    11

    5620 34

    Entrada | Sada

    Entrada

    | Sada

    18A

  • Suplemento

    26 www.nersant.ptMAIO 2016

    Listagem de empresas participantes na FERSANT 2016

    A Garrafeira de FtimaH 35 anos no mercado, a Garrafeira de Ftima dedica-se ao comrcio de bebidas (sobretudo vinhos e bebidas espirituosas) e produtos alimentares, caracterizando-se por ter algumas marcas prprias, nomeadamente vinhos, licores, azeite e mais recentemente caf.A Garrafeira tem a sua sede em Ftima, onde se encontram instalados uma loja de venda ao pblico, um espao de degustao de vinhos destinado a grupos e ainda um cash/armazm de distribuio e revenda para o canal HoReCa - Hotelaria/Restaurao/Cafetaria. Em Leiria, a Garrafeira de Ftima oferece ainda ao pblico, alm da imensa variedade de produtos disponveis na loja, um Espao Gourmet.

    Objetivo de participao Divulgao da empresa e de alguns dos nossos produtos Aumentar a visibilidade da empresa dentro do setor Contacto com potenciais clientes. Fortalecer laos com clientes atuais

    Em exposio Herdade Catapereiro (Tinto e Branco) Tyto Alba (Tinto e Branco) Porto Cave do Vinho (Tawny e White)

    ContactosA Garrafeira de FtimaAv. D. Jos Alves Correia da Silva, 132 - Ftima249 539 260 * geral@agarrafeiradefatima.pt

    Abranfogo, Lda.A Abranfogo, uma empresa familiar, criada em 2000, vocacionada especialmente para o comrcio e instalao de sistemas de climatizao a lenha pellets, e ar condicionado. Sedeada em Abrantes, a empresa tem duas lojas fsicas.

    Objetivo de participao Promover a empresa; Dar a conhecer produtos.

    Em exposio Caldeiras; Recuperadores; Salamandras; Entre outros,

    ContactosAbranfogo, Lda.Avenida das Foras Armadas, 435 A2200-300 Abrantes241 366 353 * geral@abranfogo.com

    Acerpls, Lda.A empresa tem uma experincia consolidada no setor de extruso de plsticos, no qual est ativa h mais de 25 anos. O incio da atividade teve lugar em 1985 atravs de J. Batguas, empresa em nome indivi-dual instalada no Feij. Em 1989 foi construda a Acerpls, que funcionou no mesmo local at maio de 1998, altura em que passou toda a sua atividade para as novas instalaes em Torres Novas.

    Objetivo de participao Promover a empresa; Dar a conhecer produtos.

    Em exposio Tubos; Perfi s Tcnicos.

    ContactosAcerpls Tubos e Perfi s Tcnicos, Lda.Rua Fbrica Papel do AlmondaZona Industrial Torres Novas 2350-483 Torres Novas 249 836 755 * geral@acerplas.pt

    AgroCluster RibatejoO Agrocluster Ribatejo uma associao sem fi ns lucrativos, constituda por 114 associados, dos quais 30 so fundadores. O cluster constitudo por empresas, entidades do Sistema Cientfi co e Tecnolgico Nacional (SCTN), Instituies de Ensino Superior, Associaes Empre-sariais e Entidades Pblicas da regio do Ribatejo, que de alguma forma se relacionam com o setor agroindustrial. Tem como misso desenvolver o grau de colaborao e cooperao entre empresas e entidades relacionadas com o setor agroindustrial, que permita encorajar a reestruturao competitiva do setor, assegurando dessa forma uma ampla participao das empresas diretamente relacionadas com o setor nos circuitos comerciais, nacionais e internacionais.

    Objetivo de participaoDinamizar a rede de associados atravs da participao em feiras possibilitando a exposio de produtos / servios e criar oportunidades de negcio e parcerias futuras.

    Em exposioProdutos das vrias empresas associadas pertencentes a vrios setores:

    Produtos Crneos; Frutos e Produtos Hortcolas; Produo de leos e gorduras animais e vegetais; Arroz; Bebidas; Servios associados.

    ContactosAgroCluster RibatejoCIES Centro de Inovao Empresarial de SantarmLargo Infante Santo2005-246 Santarm249 839 500 * geral@agrocluster.com

    AgrogaranteA Agrogarante uma das quatro Sociedades de Garantia Mtua (SGM) existentes no pas, participada pelo Estado Portugus atravs do IFAP, bem como pelos principais grupos bancrios nacionais, atuando junto das PMEs atravs da prestao de Garantias para os setores da Agricultura, Agroindstria e Florestas. O acesso ao fi nanciamento das PMEs em condies mais vantajosas , portanto, objetivo da Agrogarante.

    Objetivos de participaoReforar os laos com mutualistas, a promoo das solues da sociedade junto do seu pblico-alvo e potenciao de novas oportunidades de negcio.

    Em exposio Prestao de Garantias (Garantias Financiamento, de curto e mdio-longo prazo,

    para antecipao de incentivos, apoio ao investimento, apoio a Jovens Agricultores e outras).

    ContactosAgrogaranteRua Joo Machado, 86 3000-226 Coimbra 239 854 310 * agrogarante@agrogarante.pt

    A.M.C. CunhaA A.M.C. Cunha foi fundada em 1986 tendo como objeto a importao, exportao, comer-cializao e distribuio de produtos de drogaria, higiene e limpeza. No setor de atividade em que atua tem vindo a consolidar uma posio de liderana no mercado nacional e uma presena crescente no mercado externo. Embala e vende por grosso centenas de produtos do ramo da drogaria domstica. Enquanto operador no mercado de abastecimento deste setor a A.M.C. Cunha visa a satisfao e segurana das famlias, atravs da qualidade e diversidade dos seus produtos e respetivas embalagens.No mercado nacional a marca PRODUTOS SODACASA lder no setor especfi co.

    Objetivo de participaoPromoo e reforo contnuo da marca PRODUTOS SODACASA

    Em exposioDiversos produtos da marca PRODUTOS SODACASA

    ContactosA.M.C Cunha, Lda.Estrada dos Almocreves, 653 a 659 2120-060 Salvaterra de Magos 263 851 446 *geral@amccunha.pt

  • Suplemento

    28 www.nersant.ptMAIO 2016

    Borner IbricaPorta-cabides

    Objetivo de participao Dar a conhecer os produtos

    Em exposio Cabides para organizar e poupar espao no roupeiro

    ContactosRua Andrade Corvo, n. 11 r/cLisboa

    Candiluz, LdaA Candiluz uma empresa que fabrica e comercializa mobilirio Rstico e em Ferro Forjado.

    Objetivo de participao Dar a conhecer a empresa; Dar a conhecer produtos.

    Em exposio Candeeiros; Quartos em ferro Quartos em madeira; Salas; Cozinhas; Entre outros.

    ContactosCandiluz, Lda.916 886 119 * candiluz.rusticos@gmail.com

    CerapielA Cerapiel comercializa cera de abelha natural para aplicar em todo o tipo de peles, couros, madeiras, sintticos e alumnios. Impermeabiliza, nutre, restaura e protege.O produto tem como ingredientes a cera de abelha, lanolina e leo para hidratar, recuperar e impermeabilizar todos os artigos de pele, couro e cabedal. O balsamo de nome Cerapiel tem origem espanhola e uma frmula bastante antiga.A cera faz amaciar o cabedal, deixando-o hidratado. Permite recuperar a 100% todas as partes ruas da pele (cotovelos dos casacos, sofs de pele). Por ser um artigo incolor poder ser aplicado em peles de todas as cores com resultados fantsticos. Aps a aplicao, os artigos fi cam impermeveis.

    Objetivo de participao Dar a conhecer a cera de abelha Cerapiel.

    Em exposio Cera de abelha Cerapiel.

    ContactosCerapiel917 562 766 * cerapiel@live.com

    Csar Castelo e Filhos, Lda.A Persistente atua em cinco grandes reas: Design, Pr-impresso, Impresso, Acabamento e Multimdia. Situa-se na Chamusca.

    Objetivo de participao Dar a conhecer os seus produtos a todos os consumidores e potenciais parceiros,

    reforando a sua notoriedade e proximidade com os clientes.

    Em exposio Produtos no mbito das Artes Grfi cas: Folhetos pequeno, mdio e grande formato;

    Impresso em quadricomia at 500gr em 70x100; Livros com e sem capa dura; Revistas; Flexografi a - Papel de embrulho em bobine; Cartazes pequeno, mdio e grande formato; Desdobrveis; Brindes; Logtipos e linhas grfi cas; Flyers; Catlogos promocionais ou de produto; Rtulos; Posters; Envelopes; Trabalhos comerciais; Arquivos; entre outros.

    ContactosCsar Castelo e Filhos, Lda.Quinta do Nicho2140-120 Chamusca249 760 263/436 * geral@apersistente.pt

    CH Business ConsultingO Grupo CH o mais importante grupo de Consultoria portugus, com operaes escala mundial e uma oferta global de servios integrados, multissetoriais e altamente especializados, operando desde o segmento das PME aos mais importantes grupos econmicos nacionais e companhias multinacionais. constitudo por cinco empresas que trabalham no sentido de oferecer aos clientes solues integradas. Dele fazem parte a CH Business Consulting, especialistas na Gesto de Pessoas e Organizaes; a CH Academy focalizada nas reas da Formao e Desenvolvimento Pessoal; KWL, empresa direcionada para a implementao de Sistemas de Gesto; Monstros & Companhia, Agncia de Comunicao; e Burocratik, especializada em Design e Branding. Tem como Misso resolver problemas partilhando as melhores prticas de gesto, levar entusiasmo e paixo s organizaes e ser um exemplo positivo para a Sociedade.

    Objetivo de participao Dar a conhecer as solues disponveis dentro dos Sistemas de Incentivos atualmente

    em vigor no quadro comunitrio Portugal 2020.

    ContactosGrupo CHEdifcio TaurusCampo Pequeno, 48 4 Esquerdo1000081 Lisboa213 866 226 * info@grupoch.pt

    Cidlia CorreiaJoias desenhadas e registadas como nicas por Cidlia Correia. Trabalhadas como uma verdadeira obra de arte onde esto depositadas as suas emoes como a liberdade, a coragem e a natureza.

    Objetivo de participao Dar a conhecer as joias Cidlia Correia ao pblico em geral.

    Em exposio Colares, anis, brincos, entre outros.

    Contactosidalia_correia_13@hotmail.com

    Cimetal, Lda.A Cimetal - Jos Arsnio Mota & C, Lda. uma empresa fundada em 1978 com sede em Torres Novas e com as seguintes reas de negcio. Comercializa e instala solues para vedao de propriedades rurais, industriais e cercas para animais, solues para estruturas de conduo e proteco de pomares (Fruticultura, Viticultura e Olivicultura) e comercializa e manuteno de mquinas e alfaias agrcolas com diversas solues e representaes.

    Objetivo de participao Apresentao da empresa; Apresentao dos produtos.

    Em exposio Sistemas de Vedaes; Solues Agrcolas; Mquinas Agrcolas.

    Contactos249 835 321 * geral@cimetal.pt

    CobermatA Cobermat uma empresa jovem, com sede em Ourm que se dedica ao comrcio de uma gama diversifi cada de produtos metlicos. A empresa hoje em dia uma referncia no setor dos produtos metlicos, que aposta na mais avanada tecnologia para garantir os melhores produtos ao melhor preo.

    Objetivos de participao Apresentao da gama de produtos metlicos

    Em exposio Painel sandwich para coberturas e fachadas Perfi s Chapas isotrmicas Chapa perfi lada

    ContactosCobermatParque Industrial, Lote 6 Vale de Aveleira 3250-394 Pussos 249 551 175 * geral@cobermat.pt

    ente.pt

  • Suplemento

    30 www.nersant.ptMAIO 2016

    Diamantino Coelho & Filho, SAA Diamantino Coelho & Filho, SA uma empresa que aposta preferencialmente na pesquisa, na inovao, no fabrico de Alimentos Compostos para Animais como na Subcontratao de, Farinhas de Panifi cao. Comercializao de Produtos Agro-Pecurios e Hortcolas, Farinhas de Panifi cao. A empresa aposta na diversifi cao de produtos para acompanhar a evoluo da nutrio animal, dando cumprimentos deste modo s necessidades de mercado. A DCF uma certifi cada pela ISO 9001 desde 2003. Em 2015, a DCF inaugurou uma nova unidade fabril de Secagem de Milho a Baixa temperatura e uma unidade de Transformao de Forragens.

    Objetivo de participao Divulgao e promoo da empresa e da sua gama de produtos.

    Em exposio Misturas Naturais Raes Cereais Luzerna granulada Produtos hortcolas Farinhas de panifi cao Fertilizantes Entre outros).

    ContactosDiamantino Coelho e Filho, S.A.Zona Industrial, Rua C Lote 202305 - 127, Tomar249380050/8 * diam@diaco.pt

    Digital Solution Solues Digitais, Lda.A Digital Solution comercializa e presta assistncia tcnica a equipamentos de impresso e solues informticas.

    Objetivo de participao Divulgar a empresa e os produtos comercializados.

    Em exposio Multifuncionais; Impressoras; Grande formato.

    ContactosDigital Solution, Lda.Avenida Madre Andaluz, n 6 A2000-210 Santarm243 326 807 * dsolution@digitalsolution.pt

    ECL, Lda.A ECL uma empresa que atua desde 2003 nos nichos de mercado dos equipamentos para combustveis, ad blue e lubrifi cantes. A empresa vista como um parceiro estratgico, centrado no aconselhamento de solues reais, ajustadas s verdadeiras necessidades de cada cliente.

    Objetivo de participao Chamar feira os atuais clientes e apresentar as novidades e reforar a utilizao do

    que j existe; Mostrar as vantagens que os nossos equipamentos/servios podem ter para a atividade

    do cliente fi nal; Apresentar novas solues.

    Em exposioServios:

    Licenciamentos; Assistncia.

    Equipamentos: Bombas trasfega de gasolina, gasleo, adblue, massa, leo; Medidores uso privado e aferiveis para distribuio de combustvel; Filtros de reteno de impurezas e reteno de gua nos combustveis; Mangueiras combustvel, enroladores, pistolas p/ gasleo, gasolina, massa, leo Depsitos de combustvel em chapa, polietileno, inox; Gestores de frota, bombas profi ssionais p/ postos pblicos, bombas de estaleiro Sinaltica, extintores, baldes de areia; Separadores de hidrocarbonetos.

    ContactosECL-Equipamentos para carburantes e lubrifi cantes, Lda.Rua de Moambique, N. 6-A2080-096 Almeirim 243 596 290 * eclvs@sapo.pt

    Equitejo, S.A.Baseada na experincia de dezanove anos, a empresa encontra-se altamente especializada em equipamentos conetados, tendo j conquistado uma posio de referncia neste sector de atividade. A sua principal estratgia , atravs da Konica Minolta Portugal Print, a busca contnua de novos produtos e solues de alta qualidade, de forma a podermos satisfazer as necessidades do mercado assim como a evoluo do mesmo.

    Objetivo de participao Divulgao da empresa Apresentao do catlogo de servios Apresentao do catlogo de produtos

    Em exposio Konica Minolta

    ContactosEquitejo Sociedade Comercial de Equipamentos de Escritrio, S.A.Rua Dr. Virglio Arruda, 6 Cave / Loja2000-217 Santarm243 309 200 * geral@equitejo.pt

    Escrito AntigoO Escrito Antigo um espao que se dedica compra e venda de peas antigas e nasceu do fascnio que o proprietrio, Nelson Marques, foi ganhando por peas raras e antiguidades. Natural de Canal, aldeia prxima de Amiais de Baixo, foi em Alcanena que encontrou um espao amplo e agradvel para expor todos os objecos que tem disponveis para venda.

    Objetivo de participao Dar a conhecer a empresa; Expor e vender antiguidades.

    Em exposio Roupeiros; Mesas; Cadeiras; Cmodas; Espelhos; Objetos agrcolas; Mveis de sala.

    ContactosEscrito AntigoRua da Capela Peral2380-180 Alcanena, Santarm249 891 198 * escritoantigo@sapo.pt

    Fbio Anbal Neves PereiraA Ruhas uma empresa especialista no desenho, construo e instalao de janelas pvc e jardins de inverno em pvc. Garante o melhor aproveitamento do seu espao atravs do uso dos materiais mais seguros e mais efi cazes. Est situada a cerca de 30 minutos de Lisboa, mais precisamente em Marinhais (concelho de Salvaterra de Magos), com exposies abertas ao pblico, e faz obras em todo o Portugal continental, Aores e Madeira.

    Objetivo de participao Apresentao da empresa; Dar a conhecer catlogo de produtos e servios.

    Em exposio Janelas pvc; Portas pvc; Jardins de inverno.

    ContactosFbio Anbal Neves PereiraEstrada Nacional 367 N. 4682125-121 Marinhais263 079 512 * comercial@ruhas.pt

  • Suplemento

    32 www.nersant.ptMAIO 2016

    Fonteval Sistema de Filtragem de gua, Lda.A Fonteval dedica-se comercializao e assistncia tcnica de sistemas de fi ltragem e tratamento de gua. Est integrada no mercado nacional com equipamentos e mtodos (descalcifi cao, osmose inversa, fi ltragem, desferrizao, desinfeo e esterilizao) que fornecem gua de qualidade habitao e indstria, envolvendo a colaborao indispensvel de laboratrios externos devidamente certifi cados.Objetivo de participao

    Contacto com os clientes e potenciais novos clientes.Em exposio

    Osmotic purifi cao de gua domstico; Fonte com fi ltragem de gua para escritrios e empresas; Descalcifi cadores (remoo do calcrio) para uso domstico e industrial; Filtragem de partculas em suspenso na gua; Desinfeo de gua.

    ContactosFonteval Sistema de Filtragem de gua, Lda.Rua Principal, 7Cabea Veada2480-203 Mendiga - Porto de Ms244 450 298 * geral@fonteval.com

    Frigorfi cos Brgido, Lda.A Frigorfi cos Brgido, Lda. est h 20 anos ao servio do setor alimentar e afi ns. A empresa tem como objetivo atingir a qualidade mxima e satisfao do cliente. Objetivo de participaoApresentao da gama de produtos e servios:

    Refrigerao Industrial; Refrigerao de Transportes; Equipamento Hoteleiro; Aluguer de equipamentos.

    Em exposio Solues de frio para o setor alimentar.

    ContactosFrigorfi cos Brgido Lda.Frio Industrial, Equipamentos de Hotelaria e similares Rua das Mangas - Valverde 2025-213 Alcanede Santarm243 408 297 * frigbrigido@mail.telepac.pt

    Futurverde, Lda.Empresa criada no ano de 2010, com o intuito de preencher uma lacuna de mercado na rea das energias renovveis enquanto solues de aquecimento. A empresa desde cedo percebeu que teria de abranger todo o ramo de negcio. Partindo da produo de pellets sua comercializao, passando igualmente pela venda de todo o equipamento necessrio para sistemas de aquecimento, granuladores e trituradores para produo de pellets. Esta uma soluo muito econmica para aquecimento domstico ou industrial. Objetivo de participao

    Apresentao da vasta gama de produtos que, para alm de econmica, amiga do ambiente.

    Em exposio Trituradores; Granuladores; Outros equipamentos.

    ContactosFuturverde, Lda.Largo Alberto Oliveira, Lote 15, Loja DGumires Viseu

    Garval Sociedade de Garantia Mtua, S.A.A Garval tem como objetivo facilitar s PME o acesso Garantia Mtua, um sistema slido e fi vel que visa impulsionar o crescimento das empresas, prestando-lhes todo o tipo de garantias necessrias para a concretizao dos seus projetos e facilitando o acesso ao crdito.Objetivos de participao

    Promover a empresa; Divulgar servios prestados.

    Em exposio Linha de adiantamento de Incentivos Portugal 2020; Linha de Crdito PME Crescimento 2015; Linha de Crdito Mezzanine Financing IFD 2015; Linha de Crdito para as empresas portuguesas com processo de internacionalizao

    em Angola; Linhas de Apoio ao Empreendedorismo; Todo o tipo de Garantias Financeiras e Bancrias.

    ContactosGarval Sociedade de Garantia Mtua, S.A.Praceta Joo Caetano Brs n 10 2005-517 Santarm 243 240 080 * garval@garval.pt

    Gina Botequim - Atelier de DecoraoBem-estar e prazer de usufruir o interior de sua casa, so a razo do trabalho do atelier de decorao Gina Botequim. O sucesso desta empresa assenta numa fi losofi a baseada no dinamismo, profi ssionalismo e experincia, obtendo como maior gratifi cao do seu trabalho, o momento mgico em que a sua criao supera as expectativas dos seus clientes. Atua no setor do mobilirio, decorao e venda a retalho, elaborando projetos de decorao personalizada.

    Objetivo de participao Promover a empresa; Promover artigos de decorao; Promover servios; Incrementar as vendas.

    Em exposio Artigos de Decorao; Espelhos e quadros; Candeeiros; Mveis auxiliares; Mobilirio; Estofos.

    ContactosGina Botequim Atelier de DecoraoRua D. Nuno lvares Pereira, 2 - r/c Esq.So Domingos2005-163 Santarm243 370 585 * geral@ginabotequim.com

    IberscalA Iberscal iniciou a sua atividade em 1997, tendo nascido vocacionada para a elaborao de projetos de investimento e elaborao de candidaturas a fundos comunitrios. No entanto, rapidamente a empresa alargou o mbito de atividade na rea da consultoria econmico-fi nanceira, passando a apoiar tambm as empresas a desenvolver as suas competncias de Gesto, concebendo e desenvolvendo Sistemas de Informao e de Con-trolo de Gesto, prestando tambm apoio em Desenvolvimento Organizacional, atividades que ainda desenvolve.

    Objetivo de participao Promover a empresa; Divulgar servios prestados; Angariar clientes.

    Em exposio Servios de apoio s empresas: Consultoria em Sistemas Qualidade e Ambiente,

    Higiene e Segurana no Trabalho e Segurana Alimentar; Consultoria econmica e fi nanceira e Formao Profi ssional.

    ContactosIberscalAv. General Marqus S da Bandeira, n4-C, 2-O2000-024 Santarm243 357 625 * consult@iberscal.pt

    Instituto Politcnico de TomarO Instituto Politcnico de Tomar (IPT) uma Instituio de referncia no Ensino Superior. A sua oferta formativa abrange vrias reas do conhecimento que permite a escolha de percursos de formao variados e especializados desde o nvel 5 profi ssional ao grau de mestre. Para o efeito integra a rede de Formao Tecnolgica do Mdio Tejo (RFTMT) que facilita o acesso e a continuao dos estudos de alunos que deem primazia a percursos profi ssionalizante. A entrada no mercado de trabalho assegurada por uma rede de estgios abrangente protocolados com empresas, autarquias e demais instituies de referncia que integram a Rede de Formao Dual e de Estgios. O IPT possui um campus em Tomar que acolhe os alunos da ESGT e da ESTT e, em Abrantes a ESTA. As Escolas possuem um corpo docente empenhado, infra-estruturas laboratoriais bem equipadas e servios direcionados para uma formao profi ssionalizante e de integrao no mercado de trabalho que, a partir dos programas europeus que o IPT subscreve, permite que os alunos obtenham formao e estgios em vrios pases, nomeadamente da Europa.O campus oferece ainda um conjunto de infraestruturas que complementam a tua for-mao.

    Objetivo de participao Promoo da Oferta Formativa do IPT.

    Em exposio Catlogo de formao IPT.

    ContactosInstituto Politcnico de TomarQuinta do Contador - Estrada da Serra2300-313 Tomar249 328 100 * geral@ipt.pt

  • Suplemento

    35www.nersant.pt MAIO 2016

    Ismaello RolandoIsmaello Rolando apresenta um espao de criatividade na cozinha, onde dar a conhecer aos visitantes a arte que trabalhar a comida.

    Objetivo de participao Promoo da sua arte; Promoco da creatividade na cozinha.

    Em exposio Demonstraes diversas.

    ContactosIsmaello RolandoRua dos Cingeleiros, N. 442350-354 Riachos965 654 175 * ismaello@sapo.pt

    J. M. Cordeiro, Lda.A J. M. Cordeiro, Lda. uma empresa que opera no mercado h mais de 30 anos, dedicando-se ao comrcio de combustveis lquidos e gasosos.

    Objetivo de participao Divulgao da atividade, servios e produtos comercializados.

    ContactosJ.M. Cordeiro, Lda.Zona Industrial de Santarm, Lote 382005-001 Vrzea249 812 553 * 243 351 263 * geral@jmcordeiro.pt

    Jortejo, Lda.A Jortejo especializada em Artes Grfi cas, reunindo todas as condies para prestar os mais variados servios. Oferece uma soluo completa ao nvel do Design Grfi co e Impresso. Cria, renova e aconselha as melhores opes.

    Objetivo de participao Divulgao da atividade e servios.

    Em exposio Servios prestados no mbito das Artes Grfi cas; Servios prestados de mbito Multimdia.

    ContactosJortejo, Lda.CNEMA - Qt. das Cegonhas, Apart. 3552000-471 Santarm243 309 600 * info@oribatejo.pt

    Kartdromo de AlmeirimO Kartdromo de Almeirim organiza eventos de karting, desde o transporte para chegar ao kartdromo, inscries, prova e restaurao.

    Objetivo de participao Divulgao do espao.

    Em exposio Simuladores com o traado da pista de Almeirim, de modo a proporcionar aos visitantes

    toda a adrenalina que podem sentir ao conduzir um dos nossos karts 270cc.

    ContactosKartdromo de AlmeirimQuinta da Conceio 2080-501 Almeirim910 257 399 * geral@kartalmeirim.com

    Leais & Oliveira, Lda.Fundada em fevereiro de 1986, a empresa Leais & Oliveira hoje uma moderna unidade industrial fi rmada no mercado dos pr-fabricados em beto pela alta qualidade dos seus produtos. Atua no mercado das obras pblicas e civis.

    Objetivo de participao Promoo da empresa; Promoo dos produtos e servios.

    Em exposio Gama de pr-fabricados em beto.

    ContactosLeais & Oliveira Lda.Rua da Fbrica, N. 4Moreiras Grandes2350-025 Assentiz Torres Novas249 799 050 * geral@leaiseoliveira.pt

    Lgia Maria Abreu SousaAs atividades de design envolvem vrias reas de interveno, quer no domnio da criao de projectos especfi cos, quer de consultoria, levando em conta as caractersticas e necessidades do utilizador, do mercado, da produo e da segurana, entre outras. Compreende o design grfi co ou de comunicao (programas de identidade, publicaes, infografi smo, ilustrao, embalagem, etc.), o design industrial (mobilirio, equipamentos e outros produtos), design de interiores (museografi a, espaos domsticos, pblicos, lazer, etc.) e o design de moda e txtil (vesturio, tecidos, jias, calado, etc.).

    Objetivo de participao Apresentao de servios.

    Em exposio Servios prestados no mbito da atividade de design.

    ContactosLgia Maria Abreu SousaUrbanizao Quinta da Cabreira, Lote 54, 1. Esq.2070-162 Cartaxo917 664 028 * ligiamsousa123@gmail.com

    LotusGrillA LotusGrill Internacional foi criada em 2010 a partir da renovao da empresa Lotus durante o desenvolvimento mundial da patente LotusGrill e desde ento considerada como uma empresa independente num constante crescimento e desenvolvimento de produtos de churrasco. A empresa-me Lotus tem-se especializado nas ltimas quatro dcadas na produo de produtos de utilidades domsticas, artigos de cozinha, panelas e utilitrios de churrasco.

    Objetivo de participao Dar a conhecer a marca LotusGrill; Incrementar negcio.

    Em exposio Grelhador porttil a carvo sem fumo.

    ContactosLotusGrillCentro Empresarial SintraEstoril VIII Armazm M1. Andar Linh2710-335 Sintra219 364 295 * geral@lotus-grill.pt

    Macrofal, Lda.Apresentando-se se no mercado como armazenista, distribuidor autorizado dos sistemas Knauf, a Macrofal atualmente uma referncia no seu setor, disponibilizando toda a gama da sua representada, e outros materiais especializados, num total de cerca de 2000 referncias. Genericamente a Macrofal insere-se no setor da construo civil, mas so os sistemas de construo em seco, baseados nas placas de gesso cartonado e nas ls minerais, a sua principal atividade. A par com a atividade comercial, a Macrofal colabora com arquitetos e engenheiros, fornecendo prescries, fi chas tcnicas, amostras e solues construtivas, permitindo ao dono de obra a obteno da respetiva certifi cao.

    Objetivo de participao Dar visibilidade empresa perante o mercado em geral e permitir ao grande pblico

    associar a imagem da Macrofal s marcas que representa; Divulgar as ltimas novidades do segmento dos materiais de construo em seco, como

    sejam os sistemas de isolamento interior Thermo C, base de gesso com incorporao de cortia, e os destinados ao exterior (ETICS), Fassatherm que j assenta no isolamento proporcionado pelas placas de eps, e ainda mostrar as novas placas da Knauf.

    Em exposio Novas placas Knauf Skylite Placas ligeiras em cimento para ambientes hmidos, e a

    correspondente Knauf Aquapanel Outdoor Para fachadas ventiladas, a placa Safeboard Rx Placa de gesso cartonado de alta dureza, resisitente ao fogo e com proteo contra radiaes.

    Placa 4R Ideal para acabamentos Q3, onde se pretenda rapidez com a mxima qua-lidade. A estas novidade juntaremos ainda os pavimentos fl utuantes Poliface e Egger, em madeira AC4 e AC5, e os compsitos Berry e Gerfl or, destinados a reas hmidas.

    ContactosMacrofal - Comrcio de Gessos e Materiais para Construo, Lda.Rua Antnio P. Canavarro, Lote 17 AZona Industrial de Santarm2005-002 Vrzea - Santarm243 351 770 * macrofal@macrofal.com

  • Suplemento

    36 www.nersant.ptMAIO 2016

    MaiorLux Renovveis Unipessoal, Lda.A MaiorLux Renovveis Unipessoal, Lda. realiza inmeros trabalhos ligadas indstria agro-pecuria, avicultura, bem como em locais pblicos e ainda em habitaes particular, ao nvel da montagem, remodelao e/ou reparao de instalaes eltricas, canalizaes, sistemas de aquecimento e painis fotovolticos. Desde a sua constituio, a empresa encontra-se muito ligada indstria avcola, onde elabora todo o sistema de controlo ambiental (aqueci-mento, refrigerao, etc.), bem como toda a instalao de linhas de alimentao e todos os acertos, montagens e reparaes necessrias a um correto funcionamento. Recentemente a empresa celebrou um contrato de prestao e execuo de trabalhos com a Alferpac, uma empresa subcontratada pela EDPC, com a qual realiza manuteno e assistncia de solares trmicos, bem como a instalao de painis fotovoltaicos em locais pblicos e em habitaes particulares.

    Objetivo de participao Dar a conhecer a nossa empresa, bem como os produtos ligados avicultura.

    Em exposio Sistema de alimentao de aves de alta qualidade da SPEROTTO; Aerotermos - sistema inovador de aquecimento da FLOWAIR; Caldeiras Policombustvel industriais da LUSOQUEIMA.

    ContactosMaiorLux Renovveis Unipessoal, Lda.Estrada Nacional N. 1, N 10, Arroteias 2040-032 Arrouquelas916 745 232 * maiorluxrenovaveis@gmail.com

    Marlia Reguinga Pintura em tecido e AjourCriao personalizada de pinturas em tecido, recortes em panos e toalhas, ajour, rendas, bordados, ponto cruz, criao completa de peas com ajour e pintura em tecido, escolha personalizada de tecidos. Revenda e venda ao pblico.

    Objetivo de participao Divulgao da empresa e seus produtos.

    Em exposio Pintura personalizada em artigos de beb, ajour e recortes em panos e bordados

    personalizados.

    ContactosMarlia Reguinga Pintura em tecido e AjourRua Coronel Antnio Manuel Baptista, n382080-537 Fazendas de Almeirim243 599 770 * geral@pinturaemtecidoeajour.com

    Maxipet, Lda.Fbrica Portuguesa, com capacidade para produo de alimentos premium e superpremium para ces e gatos a preos muito competitivos. Com 5.500m2 de rea coberta, deriva de um investimento de cerca de 8.000 000, inserido no mbito do apoio inovao, concedido pelo QREN (Quadro de Referncia Estratgico Nacional). De momento apresenta as marcas Campeo, Rufi a e happyOne e, para 2016, est prevista a chegada do nosso Premium, um produto diferenciador com alimentos frescos. Oferecemos garantia de produtos seguros, nutritivos e apetentes, que fi delizam quem os experimenta.

    Objetivo de participao Dar a conhecer as nossas marcas, especialmente o happyOne, fabricado em Portugal

    para os ces e gatos portugueses, com a qualidade que at h pouco tempo s se encontrava em produtos estrangeiros e a preos bem mais acessveis.

    Em exposioMarcas:

    Campeo: rao econmica; Rufi a: rao econmica para animais com personalidade; happyOne: alimentos completos para ces e gatos felizes. Elaborados com matrias-

    primas de qualidade, adequada at para animais sensveis. Sem OGM, sem Soja e sem trigo. Contm biocomplex, um complexo vitamnico que proporciona excelentes carac-tersticas aos alimentos, ajudando a promover a sade e o bem-estar dos animais.

    ContactosMaxipetRua General Humberto Delgado, 470 Gravulha - guas Belas2240-037 Ferreira do Zzere249 360 320 * geral@maxipet.pt

    Micromineiro, Lda.Fundada em outubro de 1990, a empresa centra a sua atividade no fornecimento, manuteno e assistncia tcnica a equipamentos informticos e na prestao de servios na rea de networking e comunicaes. Como representantes do Software de gesto empresarial PHC e Sage, a empresa tem na informatizao de empresas o objeto principal da sua atividade, atravs da implementao de sistemas integrados de faturao, contabilidade, gesto de pessoal, manufacturing, gesto de clnicas, gesto de lojas e restaurao, etc.

    Objetivo de participao Dar a conhecer a empresa; Dar a conhecer produtos e servios para as empresas.

    Em exposio Softwares (Aplicativos, Software de Gesto, Backup e Segurana, Sistemas Operati-

    vos); Network (Switches, Routers, Wireless, VoIP); Servios (Aluguer de Equipamentos, Contrato de Manuteno e Suporte, Consultoria); Hardware (Desktops, Servidores, Notebooks, Thin Clients, Monitores, Ups, Storage,

    Perifricos, GPS, Televisores de Plasma / LCD /LED); Imagem e Impresso (Impressoras e Multifuncionais, Consumveis, Scanners, Projeto-

    res).

    ContactosMicromineiro Informtica e Comunicaes, Lda.Av. Madre Andaluz, N. 12000-210 Santarm243 305 120 * geral@micromineiro.pt

    Naturaloe - Produtos NaturaisProdutos Naturais com Aloe Vera

    Objetivos de participaoApresentao de produtos:

    Tratamentos faciais; Tratamentos corporais; Tratamentos para mos e ps; Tratamentos para couro cabeludo; Tratamentos dietticos e de preveno.

    Em exposio Produtos Naturaloe; Demonstrao de aplicao.

    ContactosNaturaloe Produtos NaturaisRua Almirante Cndido dos Reis, N. 64, 1. Andar Loja 292500-125 Caldas da Rainha262 835 524 * isildarainhoaloevera@hotmail.com

    Naxol, Lda.A Naxol uma empresa dedicada comercializao e montagem de mobilirio de escritrio que oferece nesta rea uma cobertura global. Em 2015, com o lanamento de um catlogo com mais de 9000 produtos, a empresa alargou a sua oferta tanto em equipamentos como em consumveis.Com o objetivo de otimizar a sua oferta, a empresa est neste momento a desenvolver a loja on-line que estar ativa em 2017. A empresa faz ainda questo de prestar um servio personalizado tanto na venda como no ps-venda.

    Objetivo de participao Acompanhar a evoluo e crescimento do mercado; Celebrar 30. aniversrio com a apresentao de novas linhas; Dar continuidade marca Naxol.

    Em exposio Cadeiras ergonmicas direo/operativas aliadas a um design arrojado e inovador; Sof para zona de espera; Secretria Better com tampo em vidro que lhe confere um toque de elegncia e sobrie-

    dade; Posto de trabalho Endow com caractersticas inovadoras onde predomina a cor; Vestirio com vrios cacifos de acordo com a Norma Portuguesa NP1116; Cofre de elevado grau de segurana; Projetos chave na mo: divisrias, tectos falsos, pavimentos etc..

    ContactosNaxol, Lda.Rua 5 de Outubro, 134 2080-052 Almeirim243 592 378 * naxol@naxol.com

  • Suplemento

    39www.nersant.pt MAIO 2016

    NERSANT, A.E.Fundada em julho de 1988 como delegao da Associao Industrial Portuguesa, a NERSANT adquire autonomia jurdica em 1989 passando a denominar-se NERSANT - Associao Empresarial da Regio de Santarm. A forte capacidade empreendedora dos seus corpos sociais e colaboradores, permitiu a dinamizao da Associao e a realizao de iniciativas concretas no sentido de promover a capacidade empresarial do distrito e de se afi rmar como a principal associao empresarial do distrito. Todas as grandes empresas do distrito fazem parte da sua estrutura associativa e esto representadas nos corpos sociais.

    Objetivo de participao Apresentar servios de apoio ao tecido empresarial da regio de Santarm; Promover servios de apoio ao empreendedorismo e criao de empresas; Promover e apresentar o concurso de ideias, no mbito do Stio do Empreendedor.

    Em exposio Portflio de servios de apoio s empresas; Documentao de apoio ao empreendedorismo.

    ContactosNERSANT Associao Empresarial da Regio de SantarmVrzea de MesiesApartado 1772354-909 Torres Novas249 839 500 * geral@nersant.pt

    NERSANT SegurosA NERSANT SEGUROS uma sociedade de mediao constituda em parceria com a F.REGO - CORRETORES DE SEGUROS e a LINK SEGUROS destinada a proporcionar aos associados um servio de excelncia na gesto da sua carteira de seguros usufruindo sempre das melhores condies fi nanceiras e de cobertura. A associao a dois operadores de referncia com o know-how tcnico e especializado da rea seguradora, conjuntamente com o peso negocial da NERSANT e servios de proximidade localizados na sede, permitem garantir a cobertura de todas as necessidades de seguros dos seus associados, desde os seguros mais simples at aos programas mais complexos, incluindo seguros de crdito e programas internacionais para as empresas com atividade internacional.

    Objetivo de participao Divulgao dos servios; Divulgao da campanha Novas Adeses; Captao de clientes.

    Em exposio Portflio de Servios; Carto de Sade Empresas.

    ContactosNERSANT Seguros(Edifcio-sede NERSANT)Vrzea de MesiesApartado 1772354-909 Torres Novas249 839 500 * geral@nersantseguros.pt

    Odemakiphe Unipessoal, Lda.A Odemakiphe Unipessoal, Lda. est inserida no setor da Construo Civil e tem como conceito trabalhar com efi cincia, de uma forma organizada e planeada, cumprido prazos, independente da dimenso dos trabalhos a realizar.

    Objetivo de participao Apresentao da empresa; Apresentao de produtos e servios.

    Em exposio Catlogo: Construo de Edifcios Residenciais e No Residenciais, Ampliao, Repara-

    o, Transformao e Restauro de Edifcios, Estucagem, Revestimento de Pavimentos e Paredes, Pinturas, Aluguer de Equipamento de Construo e de Demolio sem Operado.

    ContactosOdemakiphe Unipessoal, Lda.Rua Antnio Eloy Godinho, N. 20, Vilgateira2005-003 Vrzea - Santarm912997932 * odemakiphe@sapo.pt

    Ponto AventuraA Ponto Aventura uma empresa de Animao Turstica, que se dedica organizao de atividades de Desporto de Natureza e Aventura. especializada na adaptao do desporto de aventura para fi ns pedaggicos e formativos, focada nas necessidades dos clientes, valorizando a personalizao dos seus programas, que so seguros, contribuindo para a preservao da natureza e sustentabilidade. Realiza eventos baseados em experincias nicas na gua, no ar e na terra que fazem pessoas felizes.

    Objetivo de participao Aumentar a visibilidade junto do cliente empresa.

    Em exposioPacotes de eventos para empresas, com grande foco no Team Building:

    Alpha force; Engenharia aqutica; The Boat Card; O Resgate.

    ContactosPonto AventuraRua Cabral Moncada, n.102250-040 Constncia960338359 * carlos.pontoaventura@gmail.com

    Raes Zzere, S.A.A Raes Zzere fabrica e comercializa todo o tipo de alimentos para animais de criao, abrangendo as raes, os cereais e as misturas de cereais. A empresa tem sustentado a sua estratgia de desenvolvimento econmico num modelo suportado na elevada qualidade dos seus produtos e nos preos competitivos que apresenta aos seus clientes, produzindo importantes incrementos de rentabilidade para os clientes. Para alm de modernos labora-trios de qumica e microbiologia, onde so analisadas todas as matrias primas, e produtos acabados, possui um elevado nvel tecnolgico em todo o processo de fabrico. Com uma formulao controlada e desenvolvida a pensar nas necessidades especifi cas de cada tipo de animal e/ou explorao pecuria, possumos uma certifi cao nica, de produtos para animais de criao. A aposta na qualidade traduziu-se nas certifi caes que possui, foi a primeira empresa certifi cada no sector pela APCER, possui Certifi cao da Qualidade, Segurana Alimentar e Ambiente, para alm da Certifi cao de Produtos.

    Objetivo de participao Dar a conhecer os nossos produtos a todos os consumidores e potenciais parceiros; Reforar a notoriedade da empresa e proximidade com os clientes da empresa e clientes

    fi nais, adquirentes dos produtos.

    Em exposio Raes para Avicultura, Bovinicultura, Suinicultura, Ovinos, Caprinos, Equinos, Cunicultura

    e Helicicultura; Misturas de cereais, cereais, raes farinadas, migalhas e granulados que cobrem todas

    as fases de crescimentos dos animais e todo o tipo de animais.

    ContactosRaes Zzere, S.A.Gravulha - Aguas Belas - Apartado 242244-909 Ferreira do Zzere249 360 020 * geral@racoeszezere.com

    Renova S.A.A Renova uma marca europeia de produtos de grande consumo no segmento de papel tissue. Desde sempre marca lder no nosso pas, est presente nos cinco continentes desenvolvendo uma estratgia de inovao constante e lanamento de novas solues. A Renova ambiciona ser cada vez mais uma marca do quotidiano, capaz de oferecer propostas exclusivas e diferenciadoras, disponveis em todo o mundo.

    Objetivo de participao Divulgao e promoo das novas linhas de produtos da marca Renova. Propostas

    diferenciadoras, com ofertas abrangentes para toda a famlia e solues profi ssionais de elevada rentabilidade.

    Em exposio Gamas inovadoras de papel higinico, guardanapos, rolos de cozinha ou lenos de papel.

    Produtos e experincias que propem ao cidado um estilo de vida to sustentvel quanto diferenciador.

    ContactosRENOVA S.A.2354-001 Torres NovasPortugal249 830 200 * www.myrenova.com

    ipo de animais.

  • Suplemento

    40 www.nersant.ptMAIO 2016

    ResitejoA Resitejo o sistema de gesto e tratamento dos resduos urbanos de 10 concelhos - Alca-nena, Chamusca, Constncia, Entroncamento, Ferreira do Zzere, Goleg, Santarm, Tomar, Torres Novas e Vila Nova da Barquinha. O seu complexo sedeado na Carregueira-Chamusca constitudo pelas seguintes infraestruturas estratgicas: Aterro Sanitrio e Unidade de Produo de Energia Eltrica (Biogs); Estao de Triagem; Unidade de Tratamento Mecnico; Ofi cinas e outras unidades de apoio; Malha de Ecocentros e de Unidades de Transferncia.Cada muncipe produz cerca de 1 kg de RU por dia que tem de ser valorizado e/ou tratado. Mais de 260 funcionrios garantem o seu devido processamento em cumprimento com o quadro legal vigente.

    Objetivo de participao Presena institucional.

    Em exposio Recolhas indiferenciadas; Recolhas seletivas:

    Ecopontos Recolhas porta-a-porta Ecocentros Fluxos especfi cos Entregas diretas.

    ContactosResitejo - Associao de Gesto e Tratamentos dos Lixo do Mdio TejoRua do Ferro de Engomar Eco Parque do Relvo2140-271 Carregueira Chamusca249 749 010 * geral@resitejo.pt

    Ribatubos, Lda.A empresa Ribatubos Tubagens e Acessrios, Lda, uma empresa familiar que iniciou a sua atividade em 1997, depois do seu fundador e a sua fi lha terem fi cado desempregados. Assim, e depois de ter trabalhado 29 anos numa empresa da mesma rea, na qual iniciou a comercializao de material PVC para a construo e jardinagem e fazendo uso dos seus conhecimentos tanto a nvel de fornecedores como de clientes, decide, em conjunto com os seus dois fi lhos apostar no mercado e criar a sua prpria empresa. A empresa tem vindo a consolidar-se ao longo dos anos, comeando apenas com 4 colaboradores, empregando atualmente 11. Inicialmente a Ribatubos tinha apenas uma loja na cidade de Santarm mas em 2008 abriu um armazm tambm com venda ao pblico na zona Industrial de Santarm.

    Objetivo de participao Promover potencialidades de desenvolvimento de negcio.

    Em exposio Material de rega: amostras de tubos e acessrios; Contadores de gua; Fitas de rega, entre outros.

    ContactosRibatubos, Lda.Prolongamento da Praceta Jaime CortesoLote 4, c/v Esq.Santarm2000-228 Santarm243 391 533 * geral@ribatubos.pt

    RISA, Lda.A RISA uma empresa de consultoria e gesto informtica com mais de 38 anos de experincia, que se dedica consultoria informtica e tecnologias de gesto, bem como elaborao de projetos de investimento e de candidaturas a fundos comunitrios.

    Objetivo de participao Promoo de Solues Informticas e de Gesto nos setores Agroalimentar, Agroindstria,

    Gesto da Produo, Construo Civil , Portais Web e Aplicaes de Mobilidade.

    Em exposio SAP Primavera RISA Solues Verticais:

    Agro One (Controlo e Gesto de Custos dos Campos Agrcolas) Animal One (Controlo e Gesto de Criao Animal) Fruit One (Controlo e Gesto Hortofrutcola) Wine One (Controlo e Gesto Vitivincola) Olive One (Controlo, Gesto e Produo de Azeite) Feed One (Controlo e Gesto do Processo de Alimentao de Animais) Meet One (Controlo e Gesto do Processo de Abate, Desmancha e Transformao) RISA WMS (Controlo e Gesto de Armazns) Maintenance One (Gesto e Manuteno de Mquinas e/ou Equipamentos) Risa4Industry (Software para Gesto Industrial) Build One (Gesto/Oramentao de Obras e Projetos) Portais Web/ Aplicaes Mobilidade (Pr-Venda, B2B, Controlo Financeiro, Assis-tncia Tcnica)

    ContactosRISA T. I., Lda.Rua 24 de Junho - Apartado 632384-908 Vila Moreira - Alcanena249 889 120 * risa@risa.pt

    Royal Soft, Lda.A Royal Soft uma empresa com sede em Abrantes, que presta servios de programao e desenvolvimento de software por medida.

    Objetivo de participao Apresentar e dar a conhecer os seus produtos, nomeadamente software especfi co de

    faturao, com vista a expandir o seu negcio.

    Em exposio Software de faturao que permite fazer a faturao on-line em qualquer lado, tornando

    este servio verstil e funcional. uma ferramenta informtica de simples utilizao, ideal para pequenos negcios.

    ContactosRoyal Soft, LdaRua Vasco Santana, n 138 SVB C/v2200-085 Abrantes241 372 857 *royalsoft3@gmail.com

    Samogreen, Lda.A Samogreen uma empresa especializada na consultadoria, implementao e gesto de sistemas de produo energtica com base nas energias renovveis. A Samogreen preocupa-se em promover a Efi cincia Energtica, complementarmente auto-produo de modo a baixar a fatura junto dos fornecedores de energia, calculando as exatas neces-sidades de produo.

    Objetivo de participao Apresentao da Empresa; Divulgao de produtos e servios.

    Em exposioProduo de energia:

    Painis Solares Elicas

    Efi cincia Energtica: Baterias de Condensadores Iluminao LED

    ContactosSamogreen Systems Unipessoal, Lda.Rua Lus Cames 19-A2130-062 Benavente263 040 364 * geral@samogreen.com

    Securitas DirectA Securitas Direct nasceu em 1988 como parte do grupo Sueco Securitas AB. Tornou-se depois uma empresa independente. A empresa est presente em 14 pases: Sucia, Noruega, Finlndia, Dinamarca, Blgica, Espanha, Holanda, Frana, Portugal, Itlia, Brasil, Chile, Per e Reino Unido. Na Europa, conta com mais de 2.2 milhes de clientes e mais de 6.500 empregados. Ao longo de mais de 20 anos de histria, a Securitas Direct tornou-se N. 1 em sistemas de alarmes. Mais de um milho e oitocentas mil pessoas em todo o Mundo confi am empresa a sua proteo.

    Objetivo de participao Dar a conhecer a empresa e seus produtos.

    Em exposio Solues de alarmes para particulares; Solues de alarmes para empresas.

    ContactosSecuritas DirectPraceta Professor Alfredo de Sousa, N. 31495-241 Algs210 921 125 * www.securitasdirect.pt

    Sem Ir Lda.A Sem Ir Lda., uma empresa de Engenharia e Manuteno Industrial e Residencial com sede em Santarm e formada por profi ssionais qualifi cados e de elevada experincia, conhecimento e formao. Est vocacionada para a prestao de servios aos seus clientes com elevada qualidade e grande sentido de responsabilidade.

    Objetivo de participao Promover a empresa; Promover servios prestados.

    Em exposio Tecnologias diversas em catlogo, nomeadamente fotovoltaica, elica, biomassa,

    climatizao e aquecimento de guas; Servios de manuteno industrial e residencial.

    ContactosSem Ir Lda.Largo de Santa Catarina, Romeira2005-076 Santarm243 469 199 * geral@semir.pt

    Produo Trmica: Solar Trmico Aquecimentos

    Equipamentos autnomos: Bombas de gua solares Desumidifi cao solar

  • Suplemento

    43www.nersant.pt MAIO 2016

    SoftAdviceA SoftAdvice uma empresa de consultoria informtica e desenvolvimento aplicacional com solues tambm na gama de printing e faturao, direcionada ao mercado B2B. Desde a sua fundao que SAGE Business Partner, apresentando as melhores solues na gama de faturao, ERP e CRM. O primeiro produto de conceo e desenvolvimento prprio lanado pela SoftAdvice para o mercado portugus com nfase no setor agrcola foi o GeroCampo.

    Objetivo de participao Dar a conhecer a soluo GeroCampo, destinado ao setor agrcola e uma inovao no

    mercado portugus.

    Em exposio GeroCampo: primeira soluo de gesto de empresa agrcola acessvel a qualquer

    agricultor. Desde contas de cultura a cadernos de campo automatizados, a GeroCampo permite ao agricultor ter o total controlo da sua explorao, otimizando processos produtivos, reduzindo custos e mais importante do que tudo, perdendo menos tempo na tarefa de gesto agrcola. A maior parte das funcionalidades da aplicao so auto-mticas, permitindo ao agricultor inserir as operaes realizadas em qualquer lugar e com o menor esforo possvel.

    ContactosSoftAdviceRua Jorge Maltieira, Lote 41, 3. Direito2070-231 Cartaxo915 024 942 * info@softadive.pt

    SOLIUS - Intelligent EnergyA SOLIUS Intelligent Energy uma marca portuguesa que apresenta uma gama de solu-es caracterizadas pela elevada efi cincia energtica e pelo aproveitamento das Energias Renovveis, designadamente a Energia Solar, a Biomassa e a Aerotermia. Os Produtos SOLIUS so reconhecidos pela qualidade de excelncia em durabilidade, efi cincia energtica e construo elegante. A nossa equipa de profi ssionais experientes e bem preparados est disponvel para o ajudar na seleo, conceo, projeto e instalao dos nossos modernos sistemas integrados. Os milhares de sistemas solares SOLIUS j instalados em Portugal proporcionam poupanas signifi cativas no aquecimento de guas sanitrias, no apoio ao aquecimento ambiente e no aumento da temporada de utilizao de piscinas exteriores.Os milhares de sistemas solares SOLIUS j instalados em Portugal proporcionam poupanas signifi cativas no aquecimento de guas sanitrias, no apoio ao aquecimento ambiente e no aumento da temporada de utilizao de piscinas exteriores.

    Objetivo de participao Dar a conhecer a marca; Promover produtos.

    Em exposio Solar trmico; Solar fotovoltaico; Biomassa; Bombas de calor; Ventilo-convetores; Ar-condicionado; Sistemas radiantes; Componentes de instalao.

    ContactosSoliusRua Dr. Inocncio Osrio L. Gondim, n. 103 Zona Industrial de Avintes4430-662 Avintes Vila Nova de Gaia808 10 33 35 * info@solius.pt

    SunEnergy, Lda.A SunEnergy uma marca especializada na oferta a particulares e empresas de solues baseadas em energias renovveis com vrios anos de experincia. A SunEnergy composta por um conjunto alargado de delegaes espalhadas pela Pennsula Ibrica e suportados por uma rede de profi ssionais com um grande know-how adquirido e comprometidos com a satisfao dos seus clientes. A empresa projeta e instala sistemas de produo de eletricidade e calor adaptadas s necessidades de cada cliente.

    Objetivo de participao Promoo da empresa; Promoo de produtos e servios.

    Em exposio Portflio de produtos Microgerao, Minigerao, Climatizao e Solar Trmico.

    ContactosSunEnergy, Lda.Rua Jos Augusto Frutuoso, n 6 RelvinhaCoimbra239 700 750 * info@sunenergy.pt

    Tagusgs, S.A.A Tagusgs Empresa de Gs do Vale do Tejo, S.A., a empresa distribuidora de gs combustvel canalizado da rea de concesso correspondente aos distritos de Santarm e Portalegre. Tem como misso acelerar o crescimento do mercado de distribuio de Gs Natural nos distritos de Santarm e Portalegre, garantindo de forma efi ciente, segura e competitiva a explorao, manuteno e desenvolvimento da rede de distribuio.

    Objetivo de participao Promoo da empresa; Promoo de servios.

    Em exposio Servios Tagusgs.

    ContactosTagusgs Empresa de Gs do Vale do Tejo, S.A.Parque de Negcios do CartaxoEN 114-2 - Lote 26 a 29Apartado 1912070-046 Cartaxo243 350 300 * ltabreu@tagusgas.pt

    TAGUSVALLEY - Tecnopolo do Vale do TejoO TAGUSVALLEY - Tecnopolo do Vale do Tejo um Parque de Cincia e Tecnologia, localizado em Alferrarede, Abrantes, desde 7 de novembro de 2003. Este Parque resulta da aposta da Cmara Municipal de Abrantes (em 2000) em estimular o empreendedorismo e a competitivi-dade na Regio, tendo por base a Inovao e a Tecnologia. Teve como parceiros fundamentais para o arranque deste projeto, de promoo do Vale do Tejo, a Associao Empresarial da Regio de Santarm (NERSANT) e o Instituto Politcnico de Tomar (IPT). A estratgia do TAGUSVALLEY - Tecnopolo do Vale do Tejo assenta nos setores das Tecnologias da Informao e Comunicao, Energia, Metalomecnica e Agroalimentar, reas onde se procura identifi car as oportunidades e as sinergias junto dos atores regionais, com vista criao de um sistema potenciador de inovao e de empreendedorismo, a par de uma poltica de atrao e estmulo fi xao de recursos humanos qualifi cados.

    Objetivos de participao Promover uma cultura dinmica de inovao e empreendedorismo; Integrar a sua estrutura nas redes de conhecimento regionais, nacionais e internacio-

    nais; Atrair e fi xar recursos humanos qualifi cados; Dinamizar a competitividade empresarial e estimular o investimento; Construir parcerias estratgicas entre as empresas e as entidades do sistema regional

    de inovao (universidades e instituies de I&DT);

    Em exposio InovLinea: Centro de Transferncia de Tecnologia Alimentar. Line.pt: Centro de investigao e inovao para as empresas. InovPoint: incubao e desenvolvimento de empresas.

    ContactosTagusvalley - Tecnopolo do Vale do TejoRua Jos Dias Simo2200-062 Abrantes241 330 330 * geral@tagusvalley.pt

    Tecnoalmonda, Lda.A Tecnoalmonda instalou-se em Torres Novas no ano de 1996. Com um profundo conhecimento do mercado na indstria da energia eltrica, a empresa levou o seu servio at grandes empresas do setor industrial. Encontra-se focada na indstria, abrangendo as valncias de projeto, instalao e manuteno, nas reas de instalaes eltricas, automao, instrumen-tao, energias renovveis, sistemas de captao distribuio de guas, bombagem fl uidos, aquecimento, deteo e extino de incndios e manuteno de extintores.

    Objetivo de participao Apresentar servios comunidade empresarial e industrial; Crescer no mercado.

    Em exposio Portflio de servios; Portflio de produtos.

    ContactosTecnoalmonda Equipamento Eletrotcnico do Almonda, Lda. Rua Dr. Jos Marques Lote 9 R/ch2350-565 Torres Novas249 812 769 * geral@tecnoalmonda.com

  • Suplemento

    44 www.nersant.ptMAIO 2016

    Tepsol, Lda.Atualmente ocorre no mercado a procura de solues tcnicas e sistemas cada vez mais efi cientes, adaptveis arquitetura de qualquer edifi cao, predominando o design, o conforto e a segurana. Na Tepsol pode encontrar um conjunto de solues integradas que correspon-dem a essas exigncias. Fundada em 1993, atualmente com 23 anos de experincia, fabrica cerca de 80% dos produtos que comercializa, tem lacagem prpria, que lhe permite ter os produtos acabados, num leque de cores variadas e num curto espao de tempo.

    Objetivo de participao Oportunidade para manter contatos com potenciais clientes; Condies de negociao imediata dos produtos e servios expostos Apresentao da empresa, assim como a divulgao de novos produtos e seus cat-

    logos.

    Em exposio Exemplares de produtos fabricados: portas; portes; caixilharia de PVC; estores deco-

    rativos e exteriores, incluindo alta segurana; mosquiteiros; portas de fole, resguardos de banho, toldos; prgulas; coberturas; algeroz; cortinas de vidro e outras solues em vidro; grades de segurana; gradeamentos; motores, automatismos, portas automticas; sistemas de controlo de acesso.

    ContactosTepsol, Lda.Rua Cidade de Santarm Zona Industrial de Santarm 2005-002 Santarm243 309 770 * geral@tepsol.pt

    TRM Lda.A TRM - Tratamento e Revestimento Metais, Lda. desenvolve a sua atividade no mbito do tratamento e revestimento de metais, dedicando-se especifi camente produo de traves. A empresa de Abrantes integra o Grupo Dosch (Domingos Chambel).

    Objetivo de participao Promoo da empresa; Produo do grupo Dosch.

    Em exposio Portflio.

    ContactosTRM - Tratamento e Revestimento Metais, Lda.Rua Jos Rgio (Poeta) - Parque Industrial Zona Norte2200-480 Abrantes241 372 906 * geral@dosch.pt

    Vale do Tejo Comunicao Social, Lda.A empresa Vale do Tejo Comunicao Social, Lda. dedica-se atividade de edio. a empresa detentora do jornal regional O Mirante, situado em Santarm.

    Objetivo de participao Dar a conhecer servios de edio diversos para empresas; Dar a conhecer o jornal O Mirante.

    Em exposio Servios de edio; Jornal O Mirante.

    ContactoVale do Tejo Comunicao Social, Lda.Rua 31 de Janeiro, 22 - Apartado 3892005-188 Santarm243 305 080 * omirante@omirante.pt

    VirtualventA Virtualvent perita em animaes. Com uma dzia de anos no mercado a percorrer Portugal de Norte a Sul do Pas, trabalha com uma grande variedade de insufl veis. Alm disso, tem animadores que percorrem as festas infantis fazendo pinturas faciais e esculturas em balo. Disponibiliza matraquilhos humanos, saltites, andas e monociclos. A Virtualvent trabalha com particulares e tambm com empresas que habitualmente organizam atividades para os seus funcionrios, tais como desportos radicais, escalada, rappel, slide e paint ball.

    Objetivo de participao Estratgia para a promoo da empresa; Promoo de servios para particulares; Promoo de servios para empresas.

    Em exposio Portflio de atividades; Catlogo de servios e produtos disponveis.

    ContactosVirtualventRua Nova dos Pinhais, N. 352005-085 Pvoa da Isenta965 228 114 * virtualventeventos@sapo.pt

  • 45www.nersant.pt MAIO 2016

    E se pudssemos utilizar um tele-mvel da mesma forma que utilizamos o computador? Foi com esse objetivo que foi desen-volvido a Microsoft Display Dock. Este pequeno dispositivo desenvolvido pela Microsoft permite a utilizao de um telemvel como se de um computador se tratasse.

    A Microsoft Display Dock um disposi-tivo de pequenas dimenses e tem o custo de 99. Este dispositivo proporciona a possibilidade de ligarmos um telemvel a um ecr de maiores dimenses e utiliz-lo como se fosse um computador.

    A Microsoft Display Dock no se limita apenas a espelhar o ecr do telemvel em ecr de maiores dimenses. No, a Microsoft Display Dock vai um pouco mais frente. Ao ligarmos o telemvel a este dispositivo, a imagem que mostrada no ecr de maiores dimenses mostrada com a interface que estamos habituados ao utilizar o Windows 10, proporcionan-do assim ao utilizador praticamente a mesma experincia que um computador proporcionaria.

    Como seria de esperar no qualquer telemvel que podemos ligar a este equi-pamento. Para utilizarmos a Microsoft Dis-play Dock necessitamos de um telemvel

    Microsoft Display DockQuando olhamos para os telemveis de hoje em dia, reparamos que na maioria dos casos so dispo-sitivos que em termos de especifi caes no esto muito longe dos computadores que se usavam h pouco mais de 5 anos atrs. Ou seja, os telemveis de hoje so autnticos computadores de bolso.

    com o sistema operativo Windows Phone 10 e que suporte a tecnologia Continuum. De momento estamos, portanto, limitados aos telemveis da srie Microsoft Lumia 950.

    Para percebermos at que ponto a Microsoft Display Dock pode vir a ser inte-ressante, nada melhor do que analisarmos as principais vantagens e desvantagens deste dispositivo.

    PRINCIPAIS VANTAGENS

    Proporciona uma soluo interessante e inovadora para um computador de elevada mobilidade, pois tanto a Micro-soft Display Dock como o telemvel so dispositivos de pequenas dimenses;

    Interface de utilizador adaptvel aos ecrs de maiores dimenses, em que nos ecrs de maiores dimenses temos a possibilidade de que seja mostrada a interface do Windows 10;

    Podemos continuar a utilizar o telemvel normalmente, mesmo que este esteja ligado Microsoft Display Dock;

    A Microsoft Display Dock vem equipada com 3 portas USB 2.0, onde podemos ligar um rato ou um teclado ou outro qualquer dispositivo USB.

    PRINCIPAIS DESVANTAGENS

    Ainda existem poucos telemveis que podem ser utilizados com a Microsoft Display Dock. De momento estamos limi-tados srie Microsoft Lumia 950;

    At agora, apenas as aplicaes da Micro- soft (Word, Excel, Outlook, etc.) so com-patveis com a tecnologia usada pela Microsoft Display Dock. Ou seja, quando ligamos o telemvel a um ecr de maiores dimenses camos bastante limitados ao nvel das aplicaes que esto disponveis;

    Os telemveis no so dispositivos conhe- cidos por ter uma grande capacidade de armazenamento, pelo que acabaramos por estar dependentes das solues de armazenamento na Cloud ou ento de outros dispositivos de armazenamento externo.

    Como se pode veri car, a Microsoft Dis-play Dock uma ideia interessante que pode vir a proporcionar um computador de elevada mobilidade e com uma boa experincia para o utilizador. , no entan-to, uma soluo que est, de momento, bastante limitada no que diz respeito aos telemveis que so compatveis com este dispositivo, estando apenas disponvel nos telemveis topo de gama da Microsoft.

    INFORMAO E APOIO

  • 46 www.nersant.ptMAIO 2016

    INFORMAO E APOIO

    Em termos genricos, a avalia-o de riscos consiste na an-lise estruturada de todos os aspetos inerentes ao trabalho,

    concretizada atravs da identi cao dos fatores de risco, estimao e valorao dos riscos e indicao dos trabalhadores ou terceiros a eles expostos, de nindo, em cada caso, as medidas de preveno ou proteo adequadas, visando em pri-meira linha, a eliminao do risco ou se tal no for vivel, a reduo das suas consequncias.

    OBJETIVO DA AVALIAO DE RISCOS

    O objetivo de realizar uma avaliao de riscos colocar o empregador em posio de tomar e cazmente as medidas necess-rias para proteger a segurana e a sade dos trabalhadores.

    Tais medidas incluem:

    Preveno dos riscos pro ssionais.

    Informao dos trabalhadores.

    Facultar formao aos trabalhadores.

    Organizao e criao dos meios para aplicar as medidas necessrias.

    Sabia Que? Patrocinada por NERSANT SEGUROS

    ENQUADRAMENTO LEGAL:

    Lei n. 102/2009 de 10/09 alterada pela Lei n 3/2014 de 28/01 que revoga o D.L. n. 441/91 de 14/11 - Regime jurdico da promoo e preveno da segurana e da sade no trabalho.

    O empregador deve zelar, de forma continuada e permanente, pelo exerccio da atividade em condies de segurana e de sade para o trabalhador, tendo em conta os seguintes princpios gerais de preveno (art. 15. - 2/ Cap. II):

    1. Identi cao dos riscos previsveis em todas as atividades da empresa, estabelecimento ou servio, na con-ceo ou construo de instalaes, de locais e processos de trabalho, assim como na seleo de equipa-mentos, substncias e produtos, com vista eliminao dos mesmos ou, quando esta seja invivel, reduo dos seus efeitos;

    2. Integrao da avaliao dos riscos para a segurana e a sade do traba-lhador no conjunto das atividades da empresa, estabelecimento ou servio

    devendo adotar as medidas adequa-das de preveno;

    3. Assegurar, nos locais de trabalho, que as exposies aos agentes qumicos, fsicos e biolgicos e aos fatores de risco psicossociais no constituem risco para a segurana e sade do trabalhador.

    A NERSANT SEGUROS em conjunto com o GRUPO REGO disponibiliza ser-vios de avaliao de riscos a todos os seus clientes.

    Consulte-nos e teste os nossos servios com a qualidade NERSANT.

    Mais informaes:NERSANT Seguros, S.A.Telef.: 249 839 500geral@nersantseguros.ptwww.nersant.pt

    Avaliao de riscosUma avaliao de riscos um exame sistemtico de todos os aspetos relacionados com o trabalho com vista a apurar o que poder provocar danos, levantamento das possibilidades de eliminao de perigos e, no caso negativo, sugesto de implementao de medidas preventivas (ou de proteo) que podem ser tomadas para controlar os riscos.

  • 47www.nersant.pt MAIO 2016

    Na sequncia da mesma, iniciou-se em 1 de maio de 2016 uma nova fase, neste processo, nomeadamente no que se refere

    entrega e validao on-line da declara-o de remuneraes na Segurana Social Direta, que leva rejeio da declarao de remuneraes que apresente erros no seu preenchimento.

    Este processo de rejeio da entrega de Declarao de Remuneraes com erros (em funo do motivo de erro), permite diminuir os constrangimentos associados ao apuramento de dvida das entidades empregadoras segurana social, bem como diminuir o prazo de emisso de decla-rao de situao contributiva.

    Tambm na atribuio das prestaes sociais de natureza contributiva haver benefcios, j que aquela depende da celeri-dade dos registos de remuneraes de cada trabalhador/a e da sua correta atualizao.

    Permitir igualmente uma diminuio da evaso contributiva e contribuir para uma maior e ccia na cobrana.

    De forma a minimizar o impacto na entrega das declaraes, o processo de rejeio da declarao de remuneraes com erros realizado em trs fases.

    Numa primeira fase, que decorre entre os dias 1 e 10 de maio com a entrega da declarao de remuneraes referente ao ms de abril, no sero aceites aquelas que, ao serem submetidas, apresentem os seguintes erros:

    O campo indicado no est corretamente preenchido;J existe uma declarao de remunera- es igual que pretende entregar;O trabalhador no se encontra vinculado entidade empregadora ou o vnculo est com anomalias;J existe remunerao com a mesma natureza para o mesmo trabalhador;Foram declaradas diferenas de remune- raes para o trabalhador sem que exista remunerao base que as suporte;Indicao de valores e/ou dias negativos sem valores e/ou dias positivos que os suporte.

    Na segunda fase, que decorre entre os dias 1 e 10 de junho com a entrega da declarao de remuneraes relativa ao ms de maio, no sero aceites aquelas que, ao serem submetidas, apresentem os seguintes erros:

    Estabelecimento da entidade emprega- dora j se encontra encerrado;O somatrio das remuneraes de Mem- bros de rgos estatutrios superior a 12 vezes o salrio mnimo nacional, para remuneraes com referncia anterior a 2014.01;O somatrio das remuneraes de Mem- bros de rgos estatutrios inferior a 1 vez o valor do Indexante dos Apoios Sociais (419,22);Entrega de Declarao de remunera- es no mesmo ms para correo de elementos constantes de declarao j submetida para o mesmo ano/ms de referncia;O nmero de dias declarado para o tra- balhador com contratos de trabalho a tempo parcial, ou de muito curta dura-o, ou intermitente, tem valor decimal diferente de meio-dia (0,5).

    Na terceira, e ltima fase, que decor-re entre os dias 1 e 10 de setembro com a entrega da declarao de remuneraes relativa ao ms de agosto, no sero aceites aquelas que, ao serem submetidas, apre-sentem os seguintes erros:

    O somatrio das remuneraes diferen- te do total das remuneraes declarado;A taxa contributiva declarada pela enti- dade empregadora para o trabalhador diferente da existente no Sistema de Informao da Segurana Social.

    Para o efeito, foram dinamizadas por este

    Centro Distrital, sesses de informao junto das Entidades Empregadoras do Dis-trito, que ocorreram a 20 e 22 de abril de 2016, no Auditrio da Nersant - Associao Empresarial do Distrito de Santarm, em parceria com a mesma. Adicionalmente foi desenvolvida uma ao complementar junto da Ordem dos Contabilistas Certi ca-dos, que ocorreu, na sede desta Entidade, no passado dia 27 de abril de 2016.

    As entidades empregadoras passam a dispor de um conjunto de opes que permitem uma maior interao e acom-panhamento permanentes que facilitam o cumprimento rigoroso das obrigaes contributivas.

    Para suporte das aes a desenvolver as Entidades Empregadoras tem ao seu dispor na Segurana Social Direta, link: http://www.seg-social.pt/inicio, no menu Ajuda, um passo-a-passo com vdeos de apoio.

    Para o mesmo efeito e tambm ao dispor das Entidades Empregado-ras na Segurana Social Direta est o Guia Prtico sobre Entrega e Rejei-o de Declarao Mensal de Remu-neraes, devidamente atualizado.

    As Entidades Empregadoras podero ainda contactar a Linha Nacional de Apoio aos Empregadores atravs do n. 300 513 000, dias teis das 9h00 s 18h00.

    Finalmente e de forma complementar foi ainda criada em cada Centro Distrital, uma nova caixa de correio eletrnico para sustentar a resoluo dos problemas apre-sentados pelas Entidades Empregadoras, que no caso de Santarm se designa de: iss-empregadores-santarem@seg-social.pt e que para os restantes Centros Distritais, tem con gurao similar, alterando apenas o nome do respetivo Distrito.

    Validao on-line da Declarao de Remuneraes na Segurana Social Direta

    Em dezembro de 2015, o Instituto de Segurana Social, IP, implementou uma nova Plataforma Tecnolgica da Segurana Social Direta. Esta atualizao, de um dos principais canais de atendimento da Segurana Social, teve como principal objetivo facilitar e maximizar o relacionamento e a interao do cidado e das empresas de forma a prestar um servio funcional e de proximidade de acordo com as diversas necessidades.

  • 48 www.nersant.ptMAIO 2016

    EMPREENDEDORISMO E INOVAO

    NERSANT e Millenium BCP celebram acordo de cooperao pelo empreendedorismo

    Est j em vigor o protocolo de coopera-o celebrado entre a NERSANT Associa-o Empresarial da Regio de Santarm e o Millenium BCP. O objetivo criar um canal facilitador entre os projetos de empreen-dedorismo e auto-emprego apoiados pela associao empresarial e o acesso banca.

    Considerando a necessidade de se cria-rem as condies favorveis para uma mais ativa participao do Millenium BCP nas preocupaes e estratgias das polticas num futuro prximo, que devero passar pelo reforo das parcerias com os setores da juventude, educao, emprego e econo-mia, o banco criou o Millenium BCP Micro-crdito, tendo sido com este organismo, na pessoa do seu representante Joo Fezas Vital, que a NERSANT, representada pela sua Presidente da Direo, Maria Salom Rafael, assinou um acordo de cooperao pelo empreendedorismo.

    Este protocolo tem como objetivo esta-belecer a cooperao das duas entidades, que devem garantir, atravs das suas ati-vidades, a identi cao, estmulo e apoio capacidade de iniciativa e a vocao empreendedora, com vista criao de micro-empresas ou auto-emprego.

    Da parte da NERSANT este trabalho j realizado h largos anos pelo Stio do

    Empreendedor, programa de apoio ao empreendedorismo e criao de empre-sas na regio do Ribatejo que para alm do acompanhamento na fase de lanamento e consolidao da ideia de negcio, presta ainda apoio tcnico formalizao das can-didaturas ao nanciamento, encaminhando posteriormente os projetos que acompanha para as diversas instituies bancrias que possam apoiar o projeto. Com este proto-colo, o Millenium BCP passa a ser mais um dos bancos com quem a NERSANT trabalho no mbito do apoio ao empreendedoris-mo, cabendo a esta instituio bancria a anlise das candidaturas, informando os promotores dos projetos da recusa ou apro-

    vao do mesmo no prazo mximo de 30 dias teis, e a concesso de crdito aquando da aprovao do projeto, com um montante mximo de crdito por empreendedor de 25.000 euros. De acordo com o protocolo, o banco tem ainda como misso a promo-o de aes de sensibilizao junto de potenciais promotores de projetos de cria-o de micro-empresas ou auto-emprego.

    Para mais informaes sobre os apoios ao empreendedorismo NERSANT, os interes-sados podem consultar o portal www.sitio-doemprendedor.nersant.pt ou contactar o Departamento de Apoio Tcnico, Inovao e Competitividade da associao, atravs dos contactos 249 839 500 ou datic@nersant.pt.

    Sabemos que as boas prticas de inova-o so resultantes de processos dinmicos de experincias que assentam nas rela-es entre a cincia, tecnologia, pesquisa e desenvolvimento nas universidades e as empresas, fez saber a Mitubishi Fuso Truck Europe Sociedade Europeia de Automveis, em comunicado. Foi este o motivo que levou a empresa a desa ar os alunos do Ensino Superior a participar num evento colaborativo, onde se renem criativos de diversas reas a m de desen-volver inovao na empresa. A fbrica esteve aberta 24 horas, nos dias 20 e 21 de maio.

    Sempre atenta e sensvel s boas pr-ticas mundiais, a Mitsubishi, situada no Tramagal, concelho de Abrantes, realizou nos dias 20 e 21 de maio um Hackathon, evento colaborativo onde, num determi-nado ambiente, se renem criativos de diversas reas a m de desenvolver sof-tware e implementar ideias inovadoras e utilizveis com enquadramento numa

    temtica especfica. Denominado Hey! Hackathon, o evento teve como mbito a fbrica aberta para promoo de e cin-cia. O Hey!, do nome, uma chamada para uma experincia nica que car para a vida de todos os intervenientes. Hey! tambm abreviatura de High Ef ciencY.

    Durante as 24 horas de atividade, a empresa colocou as suas instalaes fabris disposio de alunos do ensino supe-rior, com foco nas reas de Informtica, Mecnica e Eletrotcnica, com o intuito de promoo de um laboratrio colabo-rativo. Durante o evento, os participantes integrados em equipas de trs e cinco ele-mentos, desenvolveram solues baseadas em desa os lanados por colaboradores da Mitsubishi Fuso Truck Europe, nas

    reas de Produo, Qualidade, Logstica e Engenharia Industrial. A fbrica esteve sempre aberta, incluindo a cantina para assegurar as refeies.

    Com este evento, a Mitsubishi teve como objetivo a criao de um ambiente de inspirao partilhada, que faa uso das sinergias decorrentes da criatividade e da irreverncia dos alunos, aliadas experi-ncia, pro ssionalismo e dedicao dos seus colaboradores. Para alm da aplicao de competncias prticas, realizaram-se ainda vrias atividades paralelas, como indutoras de um ambiente dinmico e descontrado, propcio ao desenvolvimento de ideias inovadoras.

    A Mitsubishi Fuso Truck Europe a produtora da Fuso Canter, que exportada para toda a Europa. A empresa faz parte do grupo Daimler um dos maiores grupos mundiais da indstria automvel, onde guram as marcas Mercedes, Smart, Fuso, Maybach, entre outras. O evento contou com o apoio do Municpio de Abrantes.

    Mitsubishi promove laboratrio colaborativo com alunos do Ensino Superior

  • 49www.nersant.pt MAIO 2016

    Depois do restaurante do chef Rodrigo Castelo, o Taberna Bal-co em Santarm, ter sido eleito o melhor na categoria Cozinha de Autor pelo Tejo Gourmet 6. Con-curso de Iguarias e Vinhos do Tejo, o chef ribatejano foi convidado para embaixador dos produtos com selo Sabor do Ano 2016.

    No mbito desta nomeao, que reconhece o empreendedorismo de Rodrigo Castelo, o Chef est j a criar receitas com algumas das 50 iguarias certificadas Sabor do Ano, recei-tas estas que vo ser desvendadas em televiso, durante o Momento Sabor do Ano 2016. Neste momento, realizaram-se j duas emisses, nos dias 21 e 28 de abril, no programa Queridas Manhs.

    Assumidamente amante e um autor de gastronomia portuguesa, o chef Rodrigo Castelo tem vindo a desenvolver desde que inaugurou em Outubro de 2013 o Taberna Balco um consistente repertrio gastronmico de inspirao tradicio-nal e regional, motivo pelo qual foi selecionado para ser embaixador do selo Sabor do Ano em 2016., a rma Mrcia Vicente, Country Manager do Sabor do Ano.

    Chef Rodrigo Castelo embaixador Sabor do Ano 2016

    No mbito de um protocolo de cooperao estabelecido entre a Escola Profissional de Coruche (EPC) e a empresa Arrozeiras Mun-diarroz, os alunos desta escola responderam a um desa o lanado pela empresa e construram uma mquina de rasgar sacos e um prottipo de uma mquina peletizadora. As duas mqui-nas foram j formalmente entregues empresa Mundiarroz, empresa que comercializa a marca arroz Cigala.

    De acordo com a diretora pedaggica da Escola Pro ssional de Coruche, Isabel Fidalgo, h muitos anos que a escola e a Mundiarroz trabalham em parceria, tal como acontece com outras empresas. Contudo, h pouco mais de um ano, o responsvel pela produo lanou-nos o desa o de construirmos uma mquina de rasgar sacos, algo que seria uma mais-valia no processo produtivo, permitindo o reaproveitamento do arroz em pacotes no conforme, explicou.

    O repto foi de imediato aceite por um grupo de alunos do Curso de Manuteno Industrial e Eletromecnica, que o utilizou como projeto nal de curso. Com a ajuda tcnica dos professores da EPC e seguindo as indicaes e especi caes apresentadas pela empresa, os alunos colocaram mos obra. Depois de um ano de trabalho, e de vrias reunies com os tcnicos da empresa, o projeto foi concludo e a mquina foi j entregue Mundiarroz, estando em pleno funcionamento na fbrica.

    O segundo projeto, desenvolvido por um outro grupo de alunos nalistas, consistiu na constru-o de um prottipo de uma mquina peletiza-dora, que permite transformar a casca do arroz em pellets, que podem ser depois utilizados para aquecimento domstico.

    Em ambos os casos, a Mundiarroz disponi-bilizou todos os materiais necessrios para a construo das mquinas e prestou a ajuda tcnica necessria.

    O desenvolvimento de projetos em parceria com as empresas da regio um dos objetivos que a Escola Pro ssional de Coruche pretende dinamizar. Depois da Mundiarroz, outras empre-sas mostraram j interesse em desenvolver pro-jetos similares, o que est j a ser preparado.

    Escola Profi ssional de Coruche desenvolve parceria com empresa Mundiarroz

    Uma equipa da Escola Pro ssional de Ourm foi a grande vencedora do concurso IPS Junior Challenge 2016 dinamizado pelo Instituto Politcnico de Setbal. O concurso tinha como objetivo a procura de novas ideias que permitam espalhar a felicidade e bem-estar pela populao mundial.

    Daniela Marques, Mrcia Pereira, Mariana Custdio e Adriana Vaz so as alunas do curso de Gesto que formaram a equipa de trabalho vencedora. Criaram a Fbrica de Sorrisos, projeto que pre-tendia apoiar aes, gestos, atividades e conversas com grupos de idosos, de crianas, de doentes crnicos, de vtimas de violncia domstica, de vtimas de bullying, entre outros, oferecendo servi-os em espaos destinados ao riso para todas as idades, tais como: piscinas de bolas, escorregas, salas de histrias, salas da brincadeira, espaos de anedotas, zonas destinadas beleza (cabeleireiro, manicura e maquilhagem) e ter, como auxlio, espaos de apoio para conversas e psicologia. De uma forma abrangente, este projecto pretendia marcar a diferen-a, transmitindo esperana, f, alegria, felicidade e provar que tudo tem uma soluo, basta enfrentar os problemas e nunca desistir! A equipa vencedora cum-

    priu plenamente o lema do concurso: Faz o mundo sorrir. Inspira felicidade.

    O concurso, direcionado ao ensino secundrio e pro ssional, contou com a participao de 150 alunos oriundos de escolas dos distritos da Guarda, Leiria, Lisboa, Santarm, Setbal e Viseu. Entre estes alunos estava uma outra equipa da EPO do mesmo curso.

    A Escola Pro ssional de Ourm pre-tende, com este tipo de participaes, proporcionar aos seus alunos novas experincias na rea do empreendedo-rismo, ao mesmo tempo que potencia a criatividade e a capacidade de trabalho em equipa. Procura-se alm disso trans-mitir conhecimentos e competncias nas reas da gesto e inovao, dar a conhecer as atitudes e comportamentos que promovem uma cultura empreen-dedora e, simultaneamente, capacitar os seus alunos para a dinamizao de projetos empreendedores.

    Escola Profi ssonal de Ourm vence concurso nacional de empreendedorismo social

  • 50 www.nersant.ptMAIO 2016

    O Secretrio de Estado da Indstria, Joo Vasconcelos, anunciou que a medi-da Startup Voucher estar disponvel para os empreendedores desenvolverem a sua ideia de negcio dentro em breve. Referindo-se ao Startup Voucher, Joo Vasconcelos a rmou: Uma das medidas que tem como objetivo estender a din-mica empreendedora a todo o Pas a Startup Voucher. Trata-se de um apoio nanceiro, no mbito da Startup Portugal

    (a estratgia nacional para o empreende-dorismo), destinado a um empreendedor durante um ano, que lhe permita focar-se na criao da sua empresa.

    Vo ser avaliadas as ideias de negcio e, dependendo da sua validade o empre-endedor pode auferir deste apoio, de cerca de 700 euros por ms, durante um ano, revelou ainda o Secretrio de Estado, acrescentando que as candidaturas a esta medida sero abertas nos prximos

    meses. O Startup Voucher est a ser ela-borado com fundos do Portugal 2020.

    EMPREENDEDORISMO E INOVAO

    Startup Voucher disponibilizar cerca de 8400 euros por ano por empresa

    Indstria 4.0 apoia digitalizao da economia para colocar empresas na vanguarda da inovao

    O Primeiro-Ministro, Antnio Costa, pre-sidiu apresentao da iniciativa Indstria 4.0 cujo objetivo produzir um conjunto de recomendaes que permitam s empresas avanar na digitalizao dos processos de forma a anularem a barreira geogr ca uti-lizando as novas tecnologias. Esta iniciativa integra-se na rea de inovao na Economia do Programa Nacional de Reformas.

    Nesta cerimnia, que decorreu em lhavo, estiveram tambm presentes o Ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, e os Secretrios de Estado da Indstria, Joo Vas-concelos, e do Turismo, Ana Mendes Godinho.

    Portugal tem uma escolha a fazer: ou nos viramos para o futuro, e apostamos em estar na crista da onda desta nova revoluo (tecnolgica), ou continuamos a discutir o passado sem avanarmos, afirmou o Primeiro-Ministro.

    Sublinhando que a aposta na tecnologia crtica para a indstria portuguesa, Ant-nio Costa acrescentou: Por este motivo que a Europa est a assumir a revoluo tecnolgica industrial como uma prioridade. E Portugal tem de fazer parte desta Europa.

    Esta opo tem, evidentemente, riscos e oportunidades, pelo que temos de maximizar estas e minimizar aqueles, referiu ainda o Primeiro-Ministro.

    Antnio Costa a rmou tambm que, do Plano Nacional de Reformas j aprovado na reunio do Conselho de Ministros, constam mais dois pilares relacionados com este objeti-vo: a inovao e a capitalizao das empresas.

    PARCERIAS ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES PARA INOVAR

    Para que haja inovao essencial rela-cionar o saber produzido nas universidades e nos institutos politcnicos com a atividade desenvolvida pelas empresas, acrescentou o Primeiro-Ministro, referindo ainda que

    o programa Start-up Portugal multiplica a energia empreendedora do Pas.

    Lembrando que a inovao se alimenta de duas componentes, Antnio Costa referiu a quali cao dos recursos humanos e a apren-dizagem ao longo da vida: Quali carmos os nossos recursos humanos crtico, uma vez que os dados estatsticos nos mostram que o maior d ce do Pas tem a ver com isto, sendo este aspeto aquele que distingue Por-tugal dos pases mais avanados da Europa.

    Da a importncia do alargamento da rede pr-escolar, uma vez que os dados estatsticos tambm nos dizem que, quan-to mais cedo vo para a escola, menor o risco de abandono escolar pelos jovens, acrescentou o Primeiro-Ministro.

    Mas tambm a aprendizagem ao longo da vida importante, para garantir que o suces-so desta revoluo industrial no destrudo pela disrupo social que ela mesma produz.

    CAPITALIZAR EMPRESAS PARA ESTIMULAR ECONOMIA

    Tratando-se de um dos maiores bloqueios da economia portuguesa, a capitalizao das empresas um problema que temos de fazer frente de uma vez por todas, de forma a apro-veitarmos a oportunidade histrica de liqui-dez disponvel na Europa, como h muito no acontecia, sublinhou o Primeiro-Ministro.

    Afirmando que o Plano Nacional de Reformas foi pensado como um todo,

    Antnio Costa acrescentou: preciso ago-ra que as polticas pblicas e as necessida-des do tecido empresarial se articulem.

    A Deloitte e a Cotec esto a trabalhar para de nir quais as prioridades a adotar para o sucesso desta revoluo industrial, referiu ainda o Primeiro-Ministro.

    ATRAIR E RETER TALENTO NUM MUNDO EM MUDANA

    O desa o do nosso futuro termos talen-to e conseguirmos mobiliz-lo, a par da capa-cidade de investir e de criar valor, pois esta revoluo permanente, coloca-se todos os dias, o que obrigar procura de novas res-postas em permanncia. Assim no mundo das redes digitais, a rmou Antnio Costa. E exempli cou como com a digitalizao da indstria a localizao no importa: H trs semanas visitei uma pequena empresa na Ribeira Brava, na Madeira, que gere pla-taformas informticas, detendo clientes em todo o mundo. Este um caso das oportu-nidades que temos de aproveitar, ou outros o faro no nosso lugar.

    Ao Governo cabe criar as polticas pbli-cas, s empresas cabe a iniciativa privada. Devemos juntar-nos para vencer esta revo-luo com sucesso, concluiu.

    Com um valor global de 414 milhes de euros, totalmente suportados por fundos comunitrios, a Indstria 4.0. pretende che-gar a mais de nove mil empresas.

  • 52 www.nersant.ptMAIO 2016

    A Ribatejo Invest esteve con-versa com Pedro Barros, Dire-tor de Produo da Biogoma, que comeou por justi car o nascimento da Biogoma com a capaci-dade empreendedora dos trs scios da empresa, que, j empresrios em outras reas de negcio, decidiram apostar nesta rea e criar a terceira empresa nacional de reciclagem de pneus. Existiam apenas duas empresas nesta rea em todo o pas, e nenhuma delas na regio centro de Portu-gal, contou Pedro Barros, que de seguida explicou detalhadamente a atividade da empresa. Os pneus, comeou por dizer o Diretor de Produo da Biogoma, so a matria-prima. Aps a receo dos mes-

    mos, separamos os componentes fsicos que o compe: ao, bra txtil e borracha. Sendo a nossa rea de negcio a borracha, vamos de seguida transform-la em gra-nulado de borracha, que, consoante a sua granulometria (dimenso), pode ser ven-dido a outras empresas que fabricam, por exemplo, pavimentos desportivos, nome-adamente para campos de futebol, pistas de tartan, recintos desportivos diversos e parques infantis, e isolamentos trmicos ou acsticos. Os granulados mais nos podem ser incorporados no fabrico de asfalto para construo ou reparao de

    estradas, revelou Pedro Barros, que escla-receu ainda que em relao aos outros produtos, o ao vendido a empresas que reciclam metais e o txtil, que at h pouco tempo era depositado em aterro controla-do, atualmente passvel de valorizao energtica. Desta forma, resumiu Pedro Barros, os pneus usados so transforma-dos numa nova matria-prima que pode ter aplicaes nos mais variados tipos de indstrias, contribuindo assim para a melhoria da qualidade do ambiente, reforou.

    De facto, e por ser uma empresa na rea da reciclagem, a preocupao com o meio ambiente um conceito que est sempre presente na Biogoma. Questionado quanto aos momentos marcantes do percurso ainda curto da empresa, Pedro Barros no hesita em referenciar a obteno dos certi cados da qualidade e ambiente. A empresa optou por Implementar um Sis-tema de Gesto Integrado Qualidade e Ambiente, conduzindo ao cumprimento

    EMPREENDEDORISMO E INOVAO

    Carlos Ferreira, Vtor Almeiro e Joaquim Dourado so os scios-fundadores da Biogoma.

    Biogoma umas trs empresas nacionais de reciclagem de pneusA constatao de que s havia duas empresas em Portugal na rea da reciclagem de pneus foi o mote para a criao da Biogoma, que nasceu em 2007 em Trems, Santarm. empresa chegam anualmente 11.000 toneladas de pneus que so depois transformados em granulado de borracha. A empresa tem ainda uma capacidade de reciclagem de 2,5 toneladas de pneus por hora.

  • 53www.nersant.pt MAIO 2016

    A Biogoma recebe 11 000 toneladas de pneus todos os anos e recicla 2,5 toneladas/ hora de pneus usados.

    dos requisitos e melhoria contnua da e ccia deste sistema, de acordo com a norma ISO 9001:2008 (Gesto da Qualida-de) e ISO 14001:2012 (Gesto Ambiental), revelou o Diretor de Produo, acrescen-tando ainda que neste momento, a empre-sa est a adaptar-se aos referenciais 2015 das normas com o apoio da NERSANT e aderiu a um projeto da associao que lhe permite integrar de forma mais e caz os dois sistemas. Tem, por esse motivo, um processo de fabrico ao mais alto nvel tecnolgico e com um rigoroso sistema de controlo ambiental, seguindo o produto fabricado para laboratrio que certi ca os nossos produtos. Sendo uma indstria com grandes consumos energticos, e ainda no mbito da sua Poltica de Qua-lidade e Ambiente, a empresa apostou tambm, em 2013, na instalao de uma central fotovoltaica, com capacidade de produo energtica de 250kw.

    BIOGOMA APOSTA NA INOVAOQuestionado quanto aos investimentos

    na manga, Pedro Barros a rmou que a empresa pretende alargar o leque de aplicao do granulado de borracha, com vista, naturalmente, ao seu crescimento. Para tal, a empresa est j a desenvolver neste momento um projeto de investiga-

    o com o Instituto Superior Tcnico com este objetivo. Estamos procura de novas aplicaes do granulado de borracha para aumentar o nosso volume de negcios. Atravs deste projeto com o Tcnico, esta-mos a trabalhar no sentido de o granulado de borracha poder ser tambm aplicado em beto estrutural, o que nunca aconte-ceu at ao momento, revelou o diretor. Ao veri car-se esta hiptese, ser uma grande vantagem para a Biogoma uma vez que teremos nossa disposio um mercado que at ao momento no existia, fez saber.

    Quanto a internacionalizao, a empre-sa no , pelo menos para j, uma empresa exportadora. O mercado nacional absorve praticamente toda a sua produo, embora Pedro Barros garanta que muitas suas empresas clientes vo aplicar posterior-mente o produto no estrangeiro. APLICAES

    O granulado de borracha dos pro-dutos mais versteis existentes no mercado. adequado para aplicaes to diversi cadas como:

    Base para pavimentos sintticos;

    Carga elstica para peas tcnicas;

    Drenagem de guas;

    Indstria da borracha;

    Indstria de pneus;

    Indstria do calado;

    Jardinagem;

    Pavimentos desportivos e recreativos;

    Pavimentos equestres;

    Pavimentos para Parques Infantis;

    Superfcies de absoro de impacto.

    A Biogoma

    produz granulado de borracha com

    granulometrias at 6mm: P de borracha reciclada 0.0-0.6mm P de borracha reciclada 0.0-0.8mm P de borracha reciclada 0.6-0.8mm

    Granulado de borracha reciclada 0.8-2.0mm Granulado de borracha reciclada 0.8-2.5mm

    Granulado de borracha reciclada 2.0-4.0mm

    Granulado de borracha reciclada 4.0-6.0mm

    Pedro Barros, Diretor de Produo da Biogoma

  • 54 www.nersant.ptMAIO 2016

    INTERNACIONALIZAO

    AGRIBUSINESS 2016 gera negcios superiores a 3 milhes de euros

    No total, durante os trs dias que durou o encontro, foram realizadas mais de 600 reunies de negcios entre os empresrios de 11 diferentes mercados e os produtores da fileira agroalimentar portugueses.

    No AGRIBUSINESS 2016 participaram importadores provenientes da Alemanha, Angola, Arglia, Brasil, Canad, Frana, ndia, Romnia, Reino Unido, So Tom e Prncipe e Vietname.

    Para Ho Ngoc Vinh, diretor do Depar-tamento de Relaes Internacionais da Cmara de Comrcio e Indstria do Vietname, produtos como o vinho ou os enchidos portugueses tm a possibilidade de ter grande sucesso naquele pas, que j uma das mais importantes economias do Sudoeste Asitico.

    Este foi um evento muito importante para os nossos importadores encontra-

    rem novos produtos, sobretudo da leira da agricultura orgnica, referiu o res-ponsvel, que trouxe ao AGRIBUSINESS cinco empresas vietnamitas.

    De acordo com Chetan Sharma, Dire-tor-geral da BBRS, um importante conglo-merado de empresas indiano, existe um grande potencial para o comrcio entre

    Portugal e a ndia. A qualidade dos produ-tos portugueses uma grande mais-valia para a ndia.

    J Carlos Lopes de Sousa, Presiden-te do AgroCluster Ribatejo, destaca a importncia do AGRIBUSINESS para o agronegcio portugus, j que permite reunir num nico espao os nossos pro-dutores com importadores de algumas das maiores economias mundiais, nas quais seria muito difcil entrar a ttulo individual. Prova disso, o excelente volume de negcios gerado e as ligaes empresariais de longo prazo que se cria-ram, acrescenta.

    Azeite, carne, enchidos e presunto, arroz, vinagre, condimentos/molhos, vegetais frescos e ultracongelados, fru-ta, conservas, mel, sobremesas, geleias e compotas, queijos, vinho, sumos, especia-rias e ervas aromticas, cereais/farinhas e frutos secos, estiveram entre os produtos mais procurados, alm do interesse regis-tado em mquinas e equipamentos para a agroindstria e agricultura.

    De referir que o AGRIBUSINESS 2016 foi co nanciado pelo Alentejo 2020, Por-tugal 2020 e Unio Europeia.

    SOBRE O AGROCLUSTERO AgroCluster Ribatejo uma associao de empresas e enti-

    dades do setor agroindustrial, sem ns lucrativos e que tem sede no Pavilho de Exposies da NERSANT. Atualmente cons-tituda por 114 associados, entre os quais 30 so fundadores.

    O Cluster constitudo por empresas, entidades do SCTN, Instituies de Ensino Superior, Associaes Empresariais e Entidades Pblicas. A entidade responsvel pela gesto do Cluster a AnimaForum Associao Para o Desenvolvi-mento da Agro-Indstria.

    Os participantes no AGRIBUSINESS 2016 fi zeram negcios de mais de 3 milhes de euros durante o encontro promovido pelo AgroCluster do Ribatejo e pela Nersant, que terminou sexta-feira em Santarm.

    SOBRE A NERSANTFundada em julho de 1988, a NERSANT - Associao

    Empresarial da Regio de Santarm hoje uma das maio-res associaes empresariais regionais de Portugal e uma das principais dinamizadoras da economia do Ribatejo.

    A NERSANT, que das poucas Associaes Empresariais do pas com Certi cao de Qualidade ao abrigo da Norma EN ISO 9001:2008, conta atualmente com cerca de 2400 associados e tem ncleos em Benavente, Abrantes, Santa-rm, Cartaxo e Ourm, estando sedeada em Torres Novas.

  • 55www.nersant.pt MAIO 2016

    Os adesivos solvent free da Decal Adhesive - Think Green e os equi-pamentos de tecnologia LED da NetS-creen estiveram em destaque na Sign & Digital UK 2016, uma das maiores feiras de produtos e servios ligados ao mundo da sinaltica, display e impresso digitais. O Grupo Digidelta S.A. apresentou, entre 19 e 21 de abril, as mais recentes apostas destas mar-cas no mercado digital da impresso, gr co, decorao, txtil, etiquetagem e publicidade fabricadas em exclusivo nas suas instalaes em Torres Novas.

    Os mais de 200 expositores vindos de todo o mundo para o NEC - Natio-nal Exhibition Centre, em Birmin-gham, consolidam a relevncia con-quistada pela Sign & Digital UK nas ltimas trs dcadas e a edio deste ano incluiu o stand multimarca da Decal Adhesive - Think Green e da NetScreen. Alm da zona de exposi-o, os visitantes puderam usufruir de trs dias gratuitos com lanamen-tos exclusivos, workshops e semin-rios realizados por marcas de topo.

    A Decal Adhesive - Think Green apresentou os novos vinis Decal Bubble Free e os produtos texturados Decal.Wall Paper e Decal.Wall Text, fabrica-dos na inovadora unidade de produo de adesivos acrlicos com cura UV. A marca distingue-se pelas suas solues ecolgicas e de fcil manuteno que revolucionam o conceito da decorao em vidros, paredes e objetos, sem os habituais custos associados ao apoio especializado.

    Os vinis reposicionveis Decal Bubble Free so a soluo ideal para a decorao de vidros, permitindo uma aplicao e remoo rpidas pelo pr-prio cliente e assegurando resultados sem bolhas. Entre as propostas para a decorao de paredes encontra-se o Decal.Wall Paper, um papel de parede altamente resistente, com trs texturas FR (Fire Resistent) que pode ser apli-cado com recurso aos mtodos tradi-cionais. O produto 100% reciclvel e no contm plasti cantes, caraters-ticas reconhecidas pela certificao do laboratrio alemo independente ECO-Institut.

    A oferta complementada pelo Decal.Wall Text, um material tex-turado (RF) que alia a decorao de

    paredes personalizao de objetos e diferencia os clientes da concor-rncia em lojas, showrooms, stands e eventos. O compromisso ambiental assumido pela Decal Adhesive - Think Green reforado pela conjugao destes produtos com a utilizao das tintas ecolgicas Odorless, igualmen-te inovadoras por garantirem uma impresso de qualidade e sem cheiro.

    As solues que o Grupo Digidel-ta S.A. apresentou no NEC chegaram recentemente ao mercado e elevam a preocupao constante em desenvolver mais-valias para cada negcio atravs das suas marcas. A sinaltica digital foi a novidade da edio deste ano da Sign & Digital UK e a resposta da NetScre-en assenta na tecnologia 100% digital dos painis LED das solues standard NetScreen LED Window, NetScreen LED Box e NetScreen LED Bilboard.

    Os painis digitais LED da NetScreen so equipados com um sistema de cali-brao pioneiro a nvel mundial. A nova tecnologia foi desenvolvida na nica fbrica de LEDs do territrio ibrico apoiada por uma equipa tcnica espe-cializada e preserva a homogeneidade e intensidade das cores que destacam a marca no segmento da publicidade digi-tal durante a substituio dos mdulos LED avariados. Para os casos em que a exigncia dos clientes no se resume tecnologia existe a soluo NetScreen LED Customized, que permite a cons-truo de painis digitais LED com dimenses personalizadas.

    Oito solues produzidas exclu-sivamente em Portugal pelo Grupo Digidelta S.A. que espelham a faceta empreendedora e inovadora do pas nos mercados dos materiais adesiva-dos e da tecnologia LED. O resto do mundo teve trs dias para o comprovar na Sign & Digital UK 2016, entre 19 e 21 de abril.

    DECAL e NetScreen apresentam solues inovadoras na Sign & Digital UK 2016

    Pitorro, S.A. com certifi cao BRC

    A empresa Pitor-ro Moagem de Cereais, S.A., situ-ada em Moseiro (Louriceira Alca-nena), acaba de obter a certi cao BRC Norma Glo-bal de Segurana Alimentar.

    Este passo agora dado pela empresa vem na sequncia da poltica de qualidade da organizao, que desde sempre se tem vindo a mostrar preocupada com a qualidade dos seus produtos e servios, bem como com a satisfao do cliente.

    O BRC um referencial publicado pela BRC (British Retail Consortium) com carc-ter obrigatrio para todos os fornecedores dos retalhistas do Reino Unido. Envolvendo grandes empresas de servios alimentcios, como a Asda, Tesco e Sainsburys, a certi -cao de acordo com o BRC um processo baseado em auditorias direcionadas aos fornecedores de alimentos dos grandes retalhistas do Reino Unido. A adoo deste referencial alargou-se nos diversos con-tinentes possibilitando uma diminuio do nmero de auditorias e uniformizando os critrios de avaliao dos requisitos.

    Obter a certificao de acordo com a norma global de segurana alimentar do BRC demonstra o nvel de competncia em matria de APPCC (Anlise de Perigos e Pontos Crticos de Controle), higiene, segu-rana alimentar e sistemas de qualidade. Demonstra ainda o compromisso da Pitorro S.A. com a segurana do consumidor.

    A certi cao BRC tem como principais vantagens facilidade no acesso aos merca-dos do Reino Unido, Alemanha e Frana, o fortalecimento das relaes, maior trans-parncia, aumento da con ana do cliente, minimizao de riscos alimentares, contro-lo e caz dos processos internos e minimi-zao do risco de falhas e demonstrao de uma abordagem proativa em relao segurana alimentar.

    A Pitorro, S.A. dedica-se moagem de cereais para uso domstico e industrial, produzindo diversos tipos de farinhas diferentes. A empresa dispe de uma frota prpria de veculos, que vo desde os mais pequenos e versteis aos veculos a granel, incluindo cisternas para o transporte de farinhas.

  • 56 www.nersant.ptMAIO 2016

    INTERNACIONALIZAO

    A Gradirripas, Lda. uma empre-sa familiar, propriedade da famlia Violante, oriunda de Pernes, concelho de Santarm. Com ligaes ao setor h j dois sculos, os atuais proprietrios fazem parte da quinta gerao de uma famlia tradicio-nalmente ligada produo de artigos em madeira e foi apenas por teimosia e apego tradio familiar que no deixaram cair o negcio centenrio. A indstria da madeira e torneados teve o seu auge h mais de 20 anos, havendo nessa altura em Pernes mais de 30 empresas e 600 postos de trabalho no setor contou Ral Violante Ribatejo Invest, acrescentan-do que chegou a ter, nessa altura, uma empresa com mais de 80 colaboradores. Mas, de repente, tudo comeou a mudar. Os mercados, revelou, foram inundados pela globalizao, pela abolio de taxas alfandegrias e, consequentemente, pela entrada de produtos chineses. Mais tarde, a ASAE acabou com as madeiras em todos os restaurantes em Portugal. Golpes a que a pequena indstria de Pernes no conseguiu escapar. O setor no conse-guiu adaptar-se e comeou, lentamente, a decair. Grande parte das empresas faliu, inclusive a minha, narrou.

    No entanto, foi o amor ao negcio e tradio secular, aliado a um esprito empreendedor forte, que fez com que Ral Violante no se desligasse do neg-cio. Quis manter um pequeno ncleo e acabei por criar uma nova empresa com os meus filhos, em 2006, embora eles tivessem mantido as pro sses que tinham na altura. Comemos do zero, com apenas dois colaboradores, relatou o empresrio. E em boa hora o fez. H 4

    Tbuas para que vos queroLonge vo os tempos em que as tbuas de madeira eram usadas apenas para cortar os alimentos. Hoje as tbuas vo mesa, quer em casa quer no setor da restaurao e hotelaria. E muitas com a marca Gradirripas, empresa que tem acompanhado e antecipado as tendncias do mercado.

    ou 5 anos, o setor das madeiras sofreu uma viragem. O conceito das tbuas de madeira, at data utilizadas apenas para cortar os alimentos, mudou, passando este utenslio a ser utilizado como adorno para ir mesa em substituio de travessas ou pratos, servindo queijos e enchidos, mas tambm pizas, hambrgueres, bifes a imaginao o limite. Assim, e devido a esta moda internacional, Pernes, aps longos anos cada no esquecimento, voltou a ser procurada por alguns importadores estrangeiros interessados nos produtos de madeira portuguesa. At que um dia nos bate porta um importador ingls, contratado por Jamie Oliver, procura de tbuas, contou Ral Violante. E como chegou este importador at Gradirri-pas? perguntou a Ribatejo Invest ao empresrio. Fcil. Pernes continuava a ser conhecida pela qualidade da indstria da madeira e, nesta altura, a Gradirripas era a nica empresa do setor na vila com

    O conceito das tbuas de madeira mudou. Hoje, as tbuas so usadas para servir mesa.

    Ral Violante

    PRODUTOS GRADIRRIPASTbuas de servir Caixas para vinhos e gourmet Utenslios de cozinha

    Outros artigos de madeira:Mesas Bancos Bancadas Queijeiras Porta garrafas e / ou garrafeiras Pies

  • 57www.nersant.pt MAIO 2016

    revalorizao das tbuas de madeira e a sua reintroduo nas nossas casas, res-taurantes e hotis. As solicitaes no paravam de chegar. Foi de tal ordem que os meus filhos tomaram a deciso, em outubro de 2015, de largar os seus empre-gos em Lisboa, onde estavam efetivos, juntando-se a mim na gesto da empresa, disse Ral Violante. Nos ltimos 3 anos, no zemos nem um nico e-mail a ofere-cer os nossos produtos, a rmou o empre-srio, que tem na Holanda o principal destino das suas exportaes, seguindo-se Inglaterra, Canad, Frana e Estados Unidos. Existem algumas exportaes para pases como Luxemburgo e Sua, mas ainda com pouca expresso.

    Face crescente procura e qualidade das tbuas, a Associao das Indstrias de Madeira e Mobilirio de Portugal (AIMMP) tomou a iniciativa de fazer uma exposio ASAE sobre a restrio da utilizao de produtos em madeira nas cozinhas indus-

    Nos ltimos 3 anos, no fi zemos nem um nico e-mail a oferecer os nossos produtos.

    alguma capacidade de resposta, revelou o empresrio, que acabou por aceitar a encomenda de 40 mil tbuas para o conhe-cido chef ingls Jamie Oliver. Num ms, a Gradirripas passou de 2 para 9 funcion-rios e cumpriu escrupulosamente o prazo e qualidade da encomenda solicitada. No tivemos nenhuma reclamao de Inglater-ra, mencionou, orgulhoso, Ral Violante.

    Um negcio decisivo para a Gradirripas, mas que assinalou, sobretudo, a chegada de um novo conceito a Portugal, com a

    GRADIRRIPAS ASSINAREMODELAO DE HOTIS IBIS

    A Gradirripas Artigos em Madeira, Lda, sediada em Pernes, foi uma das empresas selecionadas pela cadeia de hotis Ibis para cola-borar na remodelao da sala de pequeno-almoo das vrias unidades do grupo.

    Os hotis Ibis proporcionam aos hspedes um pequeno-almoo equilibrado, assente em hbitos ali-mentares saudveis, e apostam em diversos artigos em madeira para dar forma a esse conceito. A Gra-dirripas foi a empresa escolhida na rea dos produtos em madeira para fornecer a 20 unidades hoteleiras do grupo Ibis de norte a sul do pas artigos to variados como tbuas de madeira para servir, bancadas em paletes, tabuleiros para po, suportes para bolos, ps de forno e rodos, entre outros. Uma vasta gama de artigos que comprova a qualidade dos produtos em madeira pela sua beleza natural, utilidade e autenticidade.

  • 58 www.nersant.ptMAIO 2016

    INTERNACIONALIZAO

    triais. A resposta no tardou e deitou por terra um mito que aos poucos se enraizou no s entre os pro ssionais da hotelaria e restaurao, mas tambm entre o cidado comum: o uso de tbuas e outros artigos em madeira, como colheres, permitido, desde que sejam asseguradas as condies de higiene e segurana dos utenslios.

    Hoje Portugal segue a tendncia h muito adotada em pases do norte e cen-tro da Europa, que privilegiam solues em madeira matria-prima natural , em detrimento das melaninas ou outros materiais sintticos. A Gradirripas for-necedora das principais cadeias de hotis a nvel nacional, com destaque para Ibis, Sana Hotel, Vila Gal, Grupo Pestana, Pou-sadas de Portugal, entre outros. Quanto restaurao, a empresa fornece diversas cadeias de restaurantes, em especial ham-burguerias e pizzarias de todo o pas, que compram as tbuas personalizadas com o seu nome. Atualmente, 50% da produo da empresa destina-se ao mercado nacio-nal e 50% ao mercado externo.

    Negcio j vai na 5. geraoMiguel e Teresa Violante so lhos

    de Ral Violante e esto neste momen-to tambm ao comando da Gradirripas. Quiseram, como o pai, dar continuidade ao negcio familiar centenrio e acre-ditam que este sangue novo poder rejuvenescer o negcio. Curiosamente possuem formaes superiores comple-mentares que podem ser uma enorme vantagem para a empresa: Miguel economista e Teresa jornalista.

    Cientes da importncia da imagem e comunicao para o crescimento da empresa criaram h dois anos um portal e uma pgina no Facebook. Diversificaram o leque de produtos em catlogo e lanaram recentemen-te duas marcas distintas: a Oh l l! que, com recurso a tintas food safe, tornam as refeies (ainda) mais colo-ridas e divertidas, e a All a Board, linha premium que apresenta produtos em carvalho, uma madeira ainda mais nobre e resistente. Todos os produ-tos tm sido apresentados em feiras nacionais e internacionais onde, por um lado, absorvem as tendncias do setor e, por outro, consolidam a imagem e estatuto alcanado pela empresa nos ltimos anos. Paralela-mente, tm tido o apoio de bloggers na rea da culinria, que levam a marca mesa do consumidor com requinte e bom gosto. A empresa patrocina ainda pelo terceiro ano consecutivo a edio portuguesa do Master Chef,

    desta vez a verso para os mais novos.A preocupao com a sustentabili-

    dade ambiental tambm uma aposta crescente da empresa. Todas as tbuas, inclusive as da linha Oh l l! tm acabamentos food safe, sendo conclu-das com leos naturais e produtos no txicos, todas devidamente testadas em laboratrio. Para alm disso, a madeira utilizada no fabrico dos artigos provm, essencialmente, de pinhais da regio centro de Portugal, adquirida a produ-tores que asseguram a sustentabilidade das orestas. Para tal, so feitas novas plantaes em substituio das rvores abatidas para a indstria.

    Questionados quanto a investimentos previstos, Miguel Violante responde que o futuro da empresa passar, cer-tamente, pela exportao. Queremos crescer anualmente e esse crescimento s poder ser feito atravs da expor-tao. Apesar de o mercado nacional ser uma parte importante do nosso negcio atualmente, sabemos que limitado, a rma o empresrio, que espera que o lanamento destas novas linhas resulte num reforo dos clientes a nvel internacional.

    Na conversa mantida com a Gra-dirripas, a Ribatejo Invest tirou uma ilao. A empresa vai crescer, como os seus mentores desejam. A curto prazo, con denciaram-nos os empresrios, haver a necessidade de contratar mais pessoal para a produo.

    Vendemos 40 mil tbuas para o conhecido chef ingls, James Oliver.

    ONDE COMPRAR

    Se no um importador nem uma cadeia de hotis e restaurantes, que sabendo que tambm pode adquirir as tbuas Gradirripas. A empresa aceita encomendas atravs do seu portal e facebook, para alm de pos-suir parcerias com retalhistas de todo o pas que fazem a venda ao pblico.

    ContactosGradirripas Rua D. Afonso Henriques, s/n2000-501Pernes243 440 695 * 963 600 115info@gradirripas.pt

  • 59www.nersant.pt MAIO 2016

    No mbito da sua estratgia de inter-nacionalizao, a Mendes Gonalves estabeleceu uma parceria com a empresa angolana de distribuio alimentar Ango-alissar, para a construo e operao de uma fbrica de vinagres e temperos, um investimento que ultrapassa os 5 milhes de USD na primeira fase, e 10 milhes de USD na segunda fase, o que totaliza 15 milhes de USD.

    luz do que acontece em Portugal, a Mendes Gonalves Angola tem como pretenso, o crescimento no mercado nacional, atravs de inovaes constantes, recorrendo aos conhecimentos de tcni-cos, s melhores matrias-primas, tendo como objetivo fundamental a produo de molhos e temperos base dos sabores tradicionais angolanos.

    A nova fbrica situada em Viana, nos arredores de Luanda, cuja cerimnia de inaugurao foi presidida Ministra da Indstria, Bernarda Gonalves Martins, emprega atualmente mais de 25 trabalha-dores (em que s um expatriado). Os tes-tes de produo tiveram incio em junho de 2015 e numa primeira fase a aposta ser nos Vinagres. Agrada-me, como responsvel do Ministrio da Indstria, ver surgir esta indstria que se enquadra no ramo alimentar, um contributo direto para um dos mais importantes objetivos estratgicos do plano nacional de desen-volvimento 2013-2017, referiu a ministra.

    Para Wissam Nesr, administrador da Angoalissar Lda., Este investimento est dentro da estratgia fulcral da Angoalissar, no que concerne a distribuio de produ-tos nacionais, para maior valorizao dos mesmos, e a reduo da dependncia dos produtos importados.

    Esta uma aposta no potencial ango-lano. Sabemos que o fazemos em contra ciclo, dada a situao atual de Angola, mas est em linha com o facto de prepa-

    rarmos o futuro a mdio-longo prazo. E como acreditamos no futuro de Angola, no hesitmos em avanar. Esta fbrica vai tambm, permitir-nos desenvolver produtos especficos para o mercado angolano, que resultem de I&D angolano, salientou Carlos Gonalves na cerimnia de inaugurao.

    A convite da Mendes Gonalves, esteve presente na inaugurao da nova fbri-ca de vinagre da Mendes Gonalves em Angola, o Presidente da Cmara Munici-pal da Goleg, Rui Lince Medinas. Esta nova etapa da Mendes Gonalves mais um marco na expanso desta empresa que pretendemos que continue a ser uma mais-valia econmica e social para o nosso Concelho, afirmou o autarca goleganense.

    SOBRE A MENDES GONALVESA Mendes Gonalves empresa familiar

    portuguesa, fundada na Goleg, em 1982, que se dedica produo de vinagres e temperos. Desde a fundao, a Mendes Gonalves mantm, como ponto de hon-

    ra, o compromisso com a Goleg e com a sua gente, ancorando na regio uma das fbricas mais modernas da Europa e uma das mais procuradas pelas principais Marcas de Distribuio. A experincia industrial adquirida fazem com que a Mendes Gonalves seja selecionada como fornecedora certi cada de algumas das maiores marcas do Mundo. Esta mesma experincia permitiu Mendes Gonalves iniciar em 2013 um ambicioso processo de internacionalizao suportado na mar-ca Paladin. A construo da fbrica em Angola enquadra-se nessa estratgia de internacionalizao e na diversi cao de mercados.

    SOBRE A ANGOALISSAR Fundada na Repblica de Angola no

    ano de 1992, enquanto empresa do setor alimentar, a Angoalissar depressa se tor-nou lder na distribuio de produtos de primeira necessidade e marcas interna-cionais, em todo o territrio angolano. Atualmente a Angoalissar emprega 2.150 trabalhadores nacionais.

    Mendes Gonalves inaugura Fbrica de Vinagre em Angola

  • 60 www.nersant.ptMAIO 2016

    INTERNACIONALIZAO

    Em termos econmicos veri ca-se que nos ltimos anos, o nmero de empresas portuguesas a expor-tar para Marrocos aumentou de

    830 para 1.300, enquanto as exportaes representaram 260 milhes de euros em 2008 e ultrapassaram os 700 milhes de euros em 2013. Em matria de Investi-mento Estrangeiro em 2009, de acordo com a AICEP Agncia para o Investi-mento e Comrcio Externo de Portugal, as empresas portuguesas ganharam con-tratos pblicos e privados num valor total superior a 180 milhes de euros no setor da construo. Verifica-se assim que o aumento do nmero de empresas portu-guesas instaladas em Marrocos passou de 45 em 2004 para cerca de 150, atualmente.

    Ao nvel poltico, o Tratado de Amizade, Cooperao e de Boa Vizinhana, assina-do em 1994, estabeleceu um enquadra-mento coerente de consultas bilaterais permanentes, nomeadamente atravs de uma Cimeira anual ao nvel dos Che-fes de Governo, uma reunio anual dos Ministros dos Negcios Estrangeiros e consultas regulares entre membros dos dois governos. Alm disso, os dois pases assinaram diversas parcerias econmicas, nomeadamente nos setores das teleco-municaes, das pescas, da construo e obras pblicas e do turismo. As relaes bilaterais esto, assim, bem solidi cadas e indiciam um futuro promissor.

    ENVOLVENTE DE MERCADOLocalizado na regio do Magrebe, o pas

    banhado pelo Oceano Atlntico a Oes-te, pelo Mar Mediterrnico a Norte e faz fronteira com a Arglia e a Mauritnia, a Leste e Sul. O pas abrange uma rea de 446.550 Km2 e tem cerca de 32,5 milhes de habitantes. Marrocos uma monarquia constitucional, sendo Mohammed VI rei desde 2002. A sua capital administrati-va Rabat. No entanto Casablanca a capital nanceira, industrial e econmica do pas, enquanto Marraquexe um dos mais importantes polos tursticos. A ln-gua o cial de Marrocos o rabe, sendo

    que para os negcios o Francs o idio-ma mais falado. A sua moeda o Dirham Marroquino (MAD) e, devido sua relativa proximidade geogr ca com Portugal e s boas relaes existentes, apresenta-se como um pas interessante para uma possvel estratgia de internacionalizao.

    ANLISE DE TENDNCIAS E OPORTUNIDADESMarrocos apresenta-se com um mercado

    altamente competitivo, com uma posio estratgica no Sul do Mediterrneo, um porto em franco desenvolvimento e uma nao que sofreu reformas a nvel poltico aps a Primavera rabe, no passando

    As ligaes luso-marroquinas caracterizam-se, atualmente, por proveitosas relaes polticas, econmicas e culturais.

    MarrocosCaraterizao de Mercado

    Para ter sucesso em Marrocos exige-se uma presena constante e alimentar relaes prximas com quem tem o poder de deciso numa organizao. Alexandre Beites, Larus Design

  • 61www.nersant.pt MAIO 2016

    por perodos de manifestaes violentas. Assim, observam-se diversas oportunida-des no pas, resultantes de:

    Ter um custo/hora dos trabalhadores nacionais extremamente atrativa quando comparada com outros pases e regies prximos, particularmente com a Europa;

    Usufruir de uma posio central face em duas largas faixas costeiras, nomeadamen-te o Oceano Atlntico e o Mediterrneo;

    Ter uma plataforma orientada para a exportao centrada na Zona Livre de Tnger (TFZ), regio estratgica devido sua proximidade com o continente europeu, com foco na indstria mar-tima, articulando sinergias com o polo porturio de Tnger-Med;

    Bene ciar de apoios do Fundo de Pro- moo ao Investimento (IFP), que para investimento igual ou superior a 200 Milhes MAD, poder suportar uma proporo at 10% do mesmo no caso de se cumprirem requisitos a nvel do nmero de postos de trabalho criados ou posicionamento regional;

    Ter vrios acordos de cooperao eco- nmica e polticas de comrcio livre, entre os quais com os Estados Unidos e a Unio Europeia;

    Existirem apoios para algumas inds- trias estratgicas para o pas, entre as quais a automvel, area e tecnolgi-ca, que esto passveis de assistncias nanceiras at 15% do investimento ao abrigo do Fundo para o Desenvolvimento Econmico e Social Hassan II;

    Ser um pas estvel a nvel poltico. A paz tem bene ciado o crescimento eco-nmico do pas, que registou uma taxa mdia de crescimento de cerca de 5% no perodo 2000-2010;

    Possuir infraestruturas de transporte areo de nvel elevado, contabilizando 15 aeroportos internacionais no seu territrio.

    A economia marroquina tem vindo a registar nveis contnuos de crescimento, existindo um plano ambicioso de desen-volvimento que visa potenciar esse cres-cimento. Assim, esto em curso diversos programas de apoio a setores prioritrios de acordo com a estratgia governamental de nida. Existindo vrios programas de apoio ao investimento em vigor, centra-dos no desenvolvimento de infraestrutu-ras e focados nas reas abaixo indicadas. Tratando-se de infraestruturas e de reas de industriais e de turismo, proporcionam naturais oportunidades para empresas liga-das aos setores da Construo e de Metalo-mecnica, que podero aproveitar os seus conhecimentos tcnicos e experincia para entrar em reas da nicho, em parceria com empresas locais que procurem ganhos de e cincia e know how especializado.

    OPORTUNIDADES NO TURISMO

    Construo de zona de lazer com espa- os comerciais e componentes de hote-laria em Casablanca;

    Construo de Hotel em Marraquexe;

    Construo de rea residencial e turs- tica em Agadir;

    Construo de Resort em Aghroud (Regio de Agadir);

    Construo de Resort de ecoturismo em Aghroud (Regio de Agadir);

    Construo de Resort em Lixus (Regio de Tnger);

    Construo do Museu da frica em Tnger;

    Construo de Resort em Saidia (Regio de Oujda);

    Construo de Resort em Essaouira (Regio de Marraquexe);

    Construo de Resort em Plage Blanche (provncias do Sul);

    Construo de Hotis de luxo em Tnger;

    Construo de um Resort de cinema em Ouarzazate;

    Construo de Resort em Mekns;

    Construo de Resort cultural e hist- rico em Mekns;

    Construo de Resort imperial em Mekns;

    Construo Resort urbano, com destino ao segmento de alta classe, em Fez.

    OPORTUNIDADES NO COMRCIO E DISTRIBUIO - PLANO RAWAJ 2020

    Modernizao das lojas locais;

    Contribuio para o surgimento de cam- pees nacionais (assistncia e apoio de operadores nacionais na criao e desenvolvimento de redes comerciais);

  • 62 www.nersant.ptMAIO 2016

    INTERNACIONALIZAO

    Criao de 600 supermercados e hiper- mercados at 2020, em que mais de 50 hipermercados iro gerar cerca de 80.000 postos de trabalho;

    Criao de 15 espaos comerciais, com possibilidade de acomodar cerca de 3.000 lojas franchisadas e de comrcio moderno, com a criao de aproxima-damente de 21.000 empregos;

    Construo de um complexo comercial em Casablanca;

    Construo de um centro comercial em Fez;

    Construo de um centro comercial em Tnger;

    Construo de um centro comercial em Marraquexe;

    Construo de um complexo imobilirio residencial e comercial em Casablanca;

    Construo de uma zona residencial e comercial em Marraquexe com um complexo de Golf associado;

    Construo de rea de Habitao para a Classe Mdia, em Lakhyayta;

    Construo de complexo para Habitao Social, em Lakhyayta;

    Construo de infraestruturas indus- triais e de Logstica, em Lakhyayta;

    Construo de Campus Universitrio, em Lakhyayta;

    Desenvolvimento de um Centro de Des- porto, em Lakhyayta;

    Desenvolvimento de um Centro de Con- ferncias, em Lakhyayta;

    Desenvolvimento de um Parque de entretenimento, em Lakhyayta;

    Desenvolvimento de um Centro de Expo- sies, em Lakhyayta;

    Desenvolvimento de um Centro de Sa- de, em Lakhyayta.

    OPORTUNIDADES NA INDSTRIA - PACTO NACIONAL DE EMERGNCIA NACIONAL

    Aposta em 6 reas-chave, nomeadamen-te; Automvel, Aeronutica, Offshoring, Eletrnica, Txteis e Peles e Indstria Alimentar, com as consequentes metas:

    Fomento da competitividade das PMEs;

    Melhoria do clima de negcios;

    Aposta na formao;

    Criao de parques industriais da pr- xima gerao, intitulados Plataformas Industriais Integradas - P2I.

    Criao de 15 outlets, com a consequente criao de 5.000 postos de trabalho.

    OPORTUNIDADES NAS INFRAESTRUTURAS

    O pas est a realizar um esforo de infraestruturao em diversas reas estra-tgicas para o seu desenvolvimento, como a Educao, o Turismo ou a Sade, desta-cando-se as seguintes oportunidades:

    Para desenvolver negcios com suces-so na regio essencial o domnio bsico da lngua francesa, dado que a lngua usual em matria de negcios no pas.

    Outro fator determinante prende-se com pontos de contato no pas, de forma a dinamizarem parcerias de negcio (em particular junto de pessoas ligadas ao estado e/ou famlia real). Este um ponto signi cativo, dado que a cultura do pas altamente ligada ao estabeleci-mento de laos de con ana em relaes de parceria. Assim, essencial efetuar deslocaes ao pas, para estabelecer e desenvolver contatos, com vista ao estabelecimento dessas parcerias. aconselhvel que o interlocutor ao nvel da empresa portuguesa seja sempre o

    mesmo para evitar reiniciar o proces-so de estabelecimento de um nvel de con ana pessoal que importante na forma de fazer negcios.

    Atualmente veri ca-se tambm uma competitividade elevada, particularmen-te na rea da construo. Tal deve-se a consequncias da crise nanceira, parti-cularmente em Espanha, o que motivou vrias empresas do pas a procederem sua internacionalizao para Marro-cos, tendo este acrscimo concorren-cial originado a descida das margens operacionais.

    Ser ainda necessrio para as empre-sas ambientarem-se aos processos buro-crticos que se podem tornar relativa-mente demorados.

    Barreiras internacionalizao