Revista de Cincias da Administrao - ? 3 Bolsista do CNPQ e Professor do Programa de Ps-graduao

  • Published on
    27-Nov-2018

  • View
    212

  • Download
    0

Transcript

Revista de Cincias da AdministraoISSN: 1516-3865rca.cse@contato.ufsc.brUniversidade Federal de Santa CatarinaBrasilMilano Falco Vieira, Eleonora; Schuelter, Giovana; Medina Kern, Vincius; Bosco da Mota Alves,JooA TEORIA GERAL DE SISTEMAS, GESTO DO CONHECIMENTO e EDUCAO A DISTNCIA:Reviso e integrao dos temas dentro das organizaesRevista de Cincias da Administrao, vol. 7, nm. 14, julio-diciembre, 2005, pp. 1-13Universidade Federal de Santa CatarinaSanta Catarina, BrasilDisponvel em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=273520153003 Como citar este artigo Nmero completo Mais artigos Home da revista no RedalycSistema de Informao CientficaRede de Revistas Cientficas da Amrica Latina, Caribe , Espanha e PortugalProjeto acadmico sem fins lucrativos desenvolvido no mbito da iniciativa Acesso Abertohttp://www.redalyc.org/revista.oa?id=2735http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=273520153003http://www.redalyc.org/comocitar.oa?id=273520153003http://www.redalyc.org/fasciculo.oa?id=2735&numero=20153http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=273520153003http://www.redalyc.org/revista.oa?id=2735http://www.redalyc.orgA TEORIA GERAL DE SISTEMAS, GESTO DO CONHECIMENTO e EDUCAO A DISTNCIA: Reviso e integrao dos temas dentro das organizaes Eleonora Milano Falco Vieira1Giovana Schuelter2Vincius Medina Kern3Joo Bosco da Mota Alves4 Resumo O artigo apresenta a Gesto do Conhecimento nas organizaes onde pessoas, tecnologias e processos de negcios tm participao no seu desempenho. O material est dividido em partes, citando Teoria Geral dos Sistemas, Gesto do Conhecimento e Educao a Distncia abordando uma discusso de autores das trs reas e mostrando tambm a integrao entre as mesmas. O conhecimento o instrumento fundamental gesto das organizaes que trabalham com a viso sistmica, assim o capital intelectual das mesmas possui grande importncia j que os bens intangveis so muito valorizados. Para manter tais valores, a educao a distncia serve como meio de grande agilidade e facilitao dos processos. Palavras-chave: Teoria Geral de Sistemas. Gesto do Conhecimento. Educao a Distncia. 1 INTRODUO O conhecimento um instrumento habilitador para o sucesso, tanto na dimenso das organizaes como na dimenso pessoal. Atualmente todos os setores da vida interagem com as novas formas de ao, produzidas pela renovao permanente do conhecimento. Tudo o que se faz, se pensa e se constri est indissocivel idia de uma forma de conhecimento ou 1 Doutoranda do Programa de Ps-graduao em Engenharia e Gesto do Conhecimento e Professora do Departamento de Cincias Contbeis da Universidade Federal de Santa Catarina. Rua Almirante Barroso, 22 apto. 402 Joo Paulo-SC. CEP 88030-460. E-mail: emfv0006@yahoo.com.br 2 Doutoranda do Programa de Ps-graduao em Engenharia e Gesto do Conhecimento e Analista em Cincia e Tecnologia do Instituto Virtual de Estudos Avanados (VIAS). Rua Prof. Ayrton Roberto de Oliveira, 32, 6o e 7o andares.Itacorubi - Florianpolis-SC. CEP 88034050. E-mail: giovana@vias.org.br 3 Bolsista do CNPQ e Professor do Programa de Ps-graduao em Engenharia e Gesto do Conhecimento da Universidade Federal de Santa Catarina. Instituto STELA, Diretoria de Projetos e Pesquisa. Rua Prof. Ayrton Roberto de Oliveira, 32, 7o andar. Florianpolis-SC. CEP 88034-050. E-mail: kern@stela.org.br 4 Professor do Departamento de Informtica e Estatstica da Universidade Federal de Santa Catarina e Professor do Programa de Ps-graduao em Engenharia e Gesto do Conhecimento da Universidade Federal de Santa Catarina. RExLab/INE/CTC/UFSC. Campus Universitrio da Trindade - UFSC Florianpolis-SC. CEP 88040-900. E-mail: jbosco@inf.ufsc.br. Artigo recebido em: 07/06/2005. Aceito em: 02/09/2005. Revista de Cincias da Administrao v.7, n.14, jul/dez 2005 1 A Teoria Geral de Sistemas, Gesto do Conhecimento e Educao a Distncia: reviso e integrao dos temas dentro das organizaes construo de um novo conhecimento. Essa a dinmica da sociedade evoluda, qual se voltam aquelas em processo de desenvolvimento, por isto est poca reconhecida como a era da informao e do conhecimento. A sociedade, ou grupos sociais, que se distancia demais dos processos evolutivos, cujo princpio ativo o conhecimento, tende a se tornar retardatria. Na modernidade, as categorias de sociedades, diferenciadas pela informao e conhecimento ficam bem distintas. Aps a humanidade passar por vrios sculos numa sociedade essencialmente agrcola, os ltimos duzentos anos foram dominados por um tipo de organizao social em torno da indstria. Estaramos agora em vias de passar para o outro tipo de organizao social com novas caractersticas, novas formas de trabalho e de vida. (TEIXEIRA FILHO, 2000, p.19). Hoje, o destaque maior para o conhecimento que at o fim do sculo XIX teve uma evoluo lenta de certo modo. Eram inmeras as restries s novas idias motivadas, quase sempre, por condicionamentos religiosos. Mas a partir do momento em que a cincia foi se impondo ao pensamento universal, o conhecimento foi alargando seu espao e se reproduzindo rapidamente, conduzido pelos avanos das tecnologias da informao. A amplitude tecnolgica, desenvolvida a partir dos anos 1970, estabeleceu novos marcos, paradigmas e modelos de organizao da sociedade. Assim, produziu-se uma transposio de poca. A modernidade, que marcou o longo perodo da era industrial e que produziu costumes, modos de produo, relaes sociais, tendncias polticas e confrontos ideolgicos, esgotou-se com as transformaes que introduziram a ps-modernidade (VIEIRA; VIEIRA, 2004, p.80). A gesto da informao e do conhecimento no momento uma das fontes da qualificao do sujeito individual e da coletividade. Por si s, informao e conhecimento no resolvem todos os problemas da organizao social, contudo, contribuem, decisivamente, para contornar os desequilbrios da ordem social e econmica. Por outro lado, as organizaes sociais, econmicas e culturais tm que disponibilizar a informao e conhecimento de modo a garantir uma ordem suficientemente inteligente e diferenciada a todos os que nela se inserem. Da a importncia fundamental dos processos de gesto da informao e do conhecimento. O conhecimento, ao contrrio das informaes e dos dados, sempre envolve um fator humano (DAFT, 2002, p. 239). O fator humano , pois, o que determina o sentido evolutivo do conhecimento. So a mente humana, o pensamento, as estruturas cognitivas que Revista de Cincias da Administrao v.7, n.14, jul/dez 2005 2 Eleonora Milano Falco Vieira, Giovana Schuelter, Vincius Medina Kern, Joo Bosco da Mota Alves respondem pelo avano do conhecimento. Esse o diferencial da espcie, aquilo que torna o ser humano um ente evolutivo. Na organizao da sociedade atual importante criar formas de conhecimento para gerir o prprio conhecimento. As organizaes esto investindo na aprendizagem de seus profissionais, usando formas que ofeream qualidade, disponibilidade e supram as necessidades das organizaes que normalmente so identificadas pela falta de disponibilidade de extrao dos funcionrios do campo de trabalho para somente fazer capacitao. Com o objetivo de suprir tais necessidades as organizaes atuais esto trabalhando fortemente com a educao a distncia, uma forma de educao apoiada por tecnologias de informao e comunicao. A educao a distncia passa a ser conhecida e a movimentar-se internamente, produzindo resultados externos ao processo de ensino e aprendizagem. A educao a distncia j uma notvel conquista nas reas de maior desenvolvimento no mundo. As grandes organizaes culturais, e de formao cultural e tcnica desenvolvem programas e sistemas de educao a distncia. A abertura de novas fronteiras a essa tcnica de educao facilitada pelos multimeios da tecnologia da informao. nesse sentido que se busca, por meio de novos projetos, delimitar novos campos de ao, proporcionando aos usurios instrumentos legais prtica da autoformao. A educao a distncia oferece uma grande oportunidade de se racionalizar a transmisso do conhecimento, bem como a gerao de novos conhecimentos. Percebe-se aqui o repasse de conhecimentos j elaborados e a perspectiva de se gerar novos conhecimentos por meio de programas orientados de pesquisa. 2 REVISES BIBLIOGRFICAS DOS TEMAS 2.1 Teoria Geral de Sistemas A Teoria Geral dos Sistemas (TGS) apresenta-se como uma forma de organizao de sistemas complexos que podem ser representados como uma base para a unificao dos conhecimentos cientficos nas ltimas dcadas. Bertalanffy (1975) utilizou este conceito para descrever as caractersticas principais das organizaes como sistemas, pouco antes da Revista de Cincias da Administrao v.7, n.14, jul/dez 2005 3A Teoria Geral de Sistemas, Gesto do Conhecimento e Educao a Distncia: reviso e integrao dos temas dentro das organizaes Segunda Guerra Mundial, antes mesmo da criao da ciberntica, da engenharia de sistemas e outros campos afins. A Teoria Geral dos Sistemas tem por objetivo identificar as propriedades, princpios e leis caractersticos dos sistemas, em geral, independentemente do tipo de cada um, da natureza de seus elementos componentes e das relaes entre eles. A Teoria Geral dos Sistemas interdisciplinar, isto , pode ser utilizada para fenmenos investigados nos diversos ramos tradicionais da pesquisa cientifica. Ela trabalhada seguindo dois modelos de linha de raciocnio: um deles o reducionismo ou elementarismo: fundamentalmente o termo d nfase a sistemas de relacionamento e unificao das partes e dos subsistemas em um todo funcional. O reducionismo procura identificar nos sistemas suas partes componentes, realando que cada elemento tem uma funo a desempenhar no sistema mais amplo. Isto significa que cada elemento de um subsistema tem um papel a desempenhar isoladamente para depois juntar seu resultado ao todo da organizao. O outro o holismo ou sistmico: a concepo de que todos os sistemas se compem de subsistemas e seus elementos esto inter-relacionados. Isto significa que o todo no uma simples soma das partes, e que o prprio sistema s pode ser explicado como uma globalidade. O holismo representa o oposto do reducionismo, que considera o total como soma das partes individuais. Os sistemas podem ser fechados ou abertos. Embora, como afirma Daft (2002), no possam na verdade existir sistemas fechados, eles foram estudados como sistemas internos. Os sistemas abertos devem interagir com o ambiente para sobreviver; ele consome e exporta recursos para o ambiente do qual parte indissocivel. No pode se isolar (DAFT, 2002, p.12). Um sistema aberto produz seus subsistemas. O ambiente onde se produz o sistema formado por objetos materiais, virtuais, entidades vivas e recursos. Essas partes constituintes formam o subsistema. Assim, no sistema de educao a distncia, o ambiente formado pelos usurios, pelo material tecnolgico utilizado, pelas tcnicas de ensino-aprendizagem em modelos informticos, recursos financeiros e pessoal tcnico especializado. Na atual sociedade do conhecimento utiliza-se muito o pensamento sistmico, que, segundo Kast e Rosenzweig (1976), tem uma particular importncia para as cincias sociais, alm de apresentar um estreito relacionamento entre a teoria e sua aplicao a diversas reas do conhecimento humano. A sociedade humana a sociedade das organizaes. Todas as atividades que o homem desenvolve tm um pressuposto de organizao. Por outro lado, toda organizao um Revista de Cincias da Administrao v.7, n.14, jul/dez 2005 4 Eleonora Milano Falco Vieira, Giovana Schuelter, Vincius Medina Kern, Joo Bosco da Mota Alves sistema, no s de mtodos como de interao de pessoas e funes em torno de um objetivo comum. Uma organizao existe quando as pessoas interagem para realizar funes essenciais que auxiliam a alcanar metas (DAFT, 2002, p.11). As organizaes so sistemas interagindo em vrias partes. Desta forma, o mundo um sistema, a vida um sistema, a educao um sistema, a educao a distncia, particularmente, um sistema (e tambm um subsistema). A atualidade, a informao e o conhecimento retratam o avano da cincia e da tecnologia. A idia sistmica est alm do senso comum. Temos, todos os que tm um entendimento lgico da sociedade da informao, clara idia da sociedade em rede (CASTELLS, 1999). Para termos um adequado enfoque sistmico das organizaes a Teoria Geral dos Sistemas oferece, seguindo o pensamento de Alves (2005), uma alternativa, estabelecendo os princpios comuns a todos os tipos de sistemas. Para o autor, o estudo dos sistemas tem carter transdisciplinar. Na verdade, todo conhecimento, na era da informao ou dos sistemas (redes, enlaces) supera a fragmentao do conhecimento. A gesto do conhecimento e a educao a distncia inserem-se no contexto da Teoria Sistmica das Organizaes. A educao como um todo um processo que conduz ao treinamento da mente a novas conquistas da sociedade. Trata-se de um sistema amplo, complexo, organizacional, e parte da nsia sempre incontida do ser humano pelo aperfeioamento; um imperativo do tempo-espao social. 2.2 Gesto do Conhecimento Atualmente as organizaes trabalham seguindo o modelo holista da Teoria Geral dos Sistemas e, devido s exigncias de qualidade e produtividade aliadas competitividade, torna-se fundamental criar condies de apoiar o desenvolvimento e a comunicao das pessoas envolvidas com o conhecimento da empresa, de forma que possam executar os processos da melhor maneira possvel, visando sempre a um bom nvel de satisfao do cliente. Para alcanar tais objetivos as informaes referentes aos processos e administrao da empresa precisam ser mensuradas e organizadas. A gesto do conhecimento tem papel de grande importncia em todos os procedimentos da empresa, ela pode ser considerada um subsistema de um sistema maior que o da empresa como um todo. Este subsistema tem o objetivo de auxiliar na transformao de dados em informao e essa em conhecimento, para isto necessrio um trabalho preciso e Revista de Cincias da Administrao v.7, n.14, jul/dez 2005 5A Teoria Geral de Sistemas, Gesto do Conhecimento e Educao a Distncia: reviso e integrao dos temas dentro das organizaes unificado dentro da organizao, sendo que, em muitos casos, preciso que haja at mudana de comportamento ou de cultura no trabalho. Segundo Teixeira Filho (2000) a gesto do conhecimento uma nova rea na unio entre a tecnologia de informao e administrao, um campo novo entre a estratgia, a cultura e os sistemas de informao de uma organizao. Com o enfoque de gesto do conhecimento, comea-se a ver a empresa, suas estratgias e sua cultura. Nessa seqncia, dados so considerados abstraes quantificveis, pensamento formal que pode ser representado e transformado pelo computador; informao como representao por meio de texto, figuras, sons ou animaes que tm significado para algum, ou seja, algum dado que faz sentido; e conhecimento, como algo pessoal, inseparvel do sujeito, abstrao de algo que foi experimentado por algum (NONAKA; TAKEUCHI apud FONSECA, 2001, p.12). A realidade dos acontecimentos nas organizaes como: o compromisso com a excelncia na gesto, exigncia de altos ndices de produtividade, demanda por competncia sempre renovada de seus quadros, incremento da aprendizagem automotivada e outras levou Drucker (1987) a traar expresses como: organizaes de conhecimento, trabalhador do conhecimento e economia do conhecimento. Caracterizando uma era onde a gesto do conhecimento se torna um trabalho de grande importncia nos processos das organizaes, efetuando anlises sobre os fatos ocorridos nas organizaes para que estes possam servir de base para as tomadas de decises. Salienta-se, tambm, que na busca pela qualidade profissional gerando grandes resultados ao capital intelectual de uma organizao encontra-se a subdiviso de gesto por competncias que enfoca a aplicao desse conhecimento associada ao negcio e aos processos da organizao. Para o gerenciamento do conhecimento empresarial necessrio estimular uma cultura organizacional em que trabalho e aprendizagem se tornem coesos e que essa aprendizagem se faa de modo contnuo, no prprio ambiente de trabalho, focada nos resultados de negcio e para todos os envolvidos na cadeia de valor. As organizaes com estas preocupaes recebem a titulao de organizaes que aprendem. Para Fonseca (2001, p.14), estas organizaes pertencem a um tipo que cria um ambiente onde aprender um valor cultural, considerado como a melhor vantagem competitiva. Um lugar em que aprender se torna sinnimo de trabalhar e cuja estrutura assemelha-se a um organismo vivo com processos totalmente integrados e interdependentes, Revista de Cincias da Administrao v.7, n.14, jul/dez 2005 6 Eleonora Milano Falco Vieira, Giovana Schuelter, Vincius Medina Kern, Joo Bosco da Mota Alves cuja capacidade de interao, interveno e adaptao constante gera a capacidade de criar o futuro da empresa e do prprio mercado. J para Senge, (1998, p.11), as organizaes de aprendizagem so aquelas nas quais as pessoas expandem continuamente sua capacidade de criar os resultados que realmente desejam, onde surgem novos e elevados padres de raciocnio, onde a aspirao coletiva libertada e onde as pessoas adquirem continuamente o conhecimento de como aprender em grupo. Acredita-se que as empresas que obtero maior sucesso sero aquelas que se constiturem como organizaes de aprendizagem e que conseguirem descobrir como despertar o empenho e a capacidade de aprender das pessoas em todos os nveis da organizao. 2.3 Educao a Distncia A aprendizagem no meio organizacional vista hoje como uma estratgia para a gesto do conhecimento, isto leva as empresas a investir em formas educacionais para aumentar o capital intelectual dos seus colaboradores. Convm citar que somente investir em educao no suficiente, importante que a empresa saiba administrar os novos conhecimentos. Conforme Angeloni (2002) o grande desafio para as organizaes compreender o que significa aprendizagem, como ela ocorre no indivduo e como se processa a transferncia dessa aprendizagem individual para organizacional, e, ainda, como este novo conhecimento poder ser explorado pela organizao. A educao a distncia vem de encontro a tais necessidades, pois um recurso importante para atender grandes nmeros de alunos de forma mais efetiva que outras modalidades e sem riscos de reduzir a qualidade dos servios oferecidos em decorrncia da ampliao da clientela atendida. Esta forma moderna de educao surgiu tambm para trabalhar at mesmo como ferramenta poderosa na capacitao do capital intelectual das organizaes. As organizaes atuais que trabalham com educao a distncia esto dando nfase as ferramentas de internet e utilizam o formado e-learning para desenvolver as capacitaes de pessoal. Revista de Cincias da Administrao v.7, n.14, jul/dez 2005 7A Teoria Geral de Sistemas, Gesto do Conhecimento e Educao a Distncia: reviso e integrao dos temas dentro das organizaes Segundo Nunes (1994) a escolha da modalidade da educao a distncia, como meio de dotar as instituies educacionais de condies para atender s novas demandas por ensino e treinamento gil e de qualidade superior, tem por base a compreenso de que, a partir dos anos 1960, esta comeou a distinguir-se como uma modalidade no convencional de educao, capaz de atender com grande perspectiva de eficincia, eficcia e qualidade aos anseios de universalizao do ensino e, tambm, como meio apropriado permanente atualizao dos conhecimentos gerados de forma cada mais intensa pela cincia e cultura humana. A aquisio do conhecimento por parte dos funcionrios dentro das organizaes atualmente est sendo vista como uma estratgia organizacional, j que permite que colaboradores possam aumentar seu nvel de conhecimento e experincias que posteriormente sero convertidos em melhores produtos ou servios da prpria organizao. Segundo Schrum (1997 apud MAADA; TIJIBOY, 1988) a educao a distncia por meio do e-learning representa um passo frente rumo educao continuada, ao compartilhamento de informao e ao trabalho cooperativo, pois permite uma contnua especializao. A tecnologia pode apoiar estes objetivos com redes interativas e groupware, que permitem discusses sncronas e assncronas, atividades colaborativas e tomadas de decises em grupo. por meio desta aprendizagem que os adultos compreendem melhor as mudanas que ocorrem em seu ambiente de trabalho, no desenvolvimento das tecnologias e nos valores que levam em conta ao tomar decises. Tough (1979 apud POSSAMAI, 2003). Para os mesmos autores os adultos planejam sua aprendizagem, e esse planejamento de projetos de aprendizagem pode ser definido como: esforos altamente deliberados para ganhar certo conhecimento ou habilidade (ou para mud-los de alguma forma). Alguns projetos empreendidos so para ganhar novos conhecimentos, idias ou entendimentos. Outros so as tentativas de melhorar habilidades ou performance, ou ainda mudar atitudes ou reaes emocionais. (TOUGH, 1979 apud POSSAMAI, 2003). Percebe-se com as citaes anteriores que a educao a distncia, por meio do e-learning uma rica fonte de busca de conhecimento e competncias dos funcionrios. E cabe a empresa promover estes cursos, selecionando os temas de acordo com as estratgias da gesto do conhecimento da organizao. Revista de Cincias da Administrao v.7, n.14, jul/dez 2005 8 Eleonora Milano Falco Vieira, Giovana Schuelter, Vincius Medina Kern, Joo Bosco da Mota Alves A capacitao sempre vista como tendo funo estratgica para a empresa, conforme salientam Fleischer e Vieira (2004) o conhecimento o que capacita o indivduo a compreender, comparar, incorporar, analisar conseqncias, julgar, intercambiar contedos e inovar. Assim como os trabalhos organizacionais, o e-learning utiliza tecnologia para melhorar seu sistema de valor, que definido por um conjunto de diversas cadeias de valor trabalhadas na organizao para a confeco do produto ou servio final. Os sistemas de educao a distncia tambm trabalham seguindo a Teoria Geral dos Sistemas, pois possuem uma viso sistmica para o desenvolvimento dos cursos que oferecem. Outro ponto importante a ser lembrado nos sistemas de educao a distncia que seu funcionamento ou sua produo exige uma equipe multidisciplinar para a execuo dos diversos processos necessrios para a confeco dos cursos oferecidos. Destacando entre eles o desenvolvimento da plataforma, a criao do design instrucional do curso, a modulagem do contedo, o acompanhamento dos alunos e as avaliaes de aprendizagem e de modelo do curso. Um exemplo a equipe de desenvolvimento de educao a distncia do Instituto Virtual de Estudos Avanados (VIAS), que possui um grupo multidisciplinar para a construo de seus cursos ministrados via internet para organizaes. Dentro do sistema de valor de desenvolvimento de educao a distncia nos diversos processos, o VIAS, conta com profissionais da rea de computao, sociologia, jornalismo, ambiental, psicologia, entre outros, todos especialistas nas reas em que atuam ou em reas direcionadas educao a distncia. Este fator possibilita que os cursos desenvolvidos tenham uma viso mais abrangente das necessidades a serem atendidas e facilita o desenvolvimento do sistema de valor do mesmo. A multidisciplinariedade aliada Teoria Geral dos Sistemas um diferencial para as organizaes que buscam agregar valor principalmente de capital intelectual em seus colaboradores. Pois a partir das vises diferenciadas de profissionais de diferentes reas o sistema de educao a distncia se torna multidisciplinar, permitindo atender uma maior gama de necessidades. 3 INTEGRAO DOS TEMAS NAS ORGANIZAES Revista de Cincias da Administrao v.7, n.14, jul/dez 2005 9A Teoria Geral de Sistemas, Gesto do Conhecimento e Educao a Distncia: reviso e integrao dos temas dentro das organizaes As empresas atuais esto enfrentando ambientes muito dinmicos levando alterao na forma de serem gerenciados. Isto faz com que as mesmas repensem o modo de administrao dos seus sistemas de gerenciamento. Segundo Rodrigues y Rodrigues (2001) a evoluo tecnolgica, particularmente na rea da tecnologia da informao, tem produzido mudanas importantes na forma de conduzir e fazer negcios de uma organizao. Para enfrentar esta situao preciso ter agentes de mudana que convertam estas inovaes em vantagem para a mesma. A Teoria Geral dos Sistemas usada pela organizao tambm alterada pelas mudanas tecnolgicas e formas de gerenciamento do conhecimento, aliadas aos objetivos da organizao que atualmente sempre acabam na competitividade. Para Rodrigues y Rodrigues (2001) o poder hoje est em quem consegue disseminar a aplicao adequada do conhecimento e no em quem possui ou retm a informao, caso contrrio s bibliotecas teriam enorme poder. A gesto estratgica de novas formas educacionais, capaz de atender as exigncias de uma poca de mudanas e inovaes, auxilia enormemente a gesto do capital intelectual das organizaes e busca a educao a distncia como um meio suscetvel de aquisio e colaborao do conhecimento. Dentro das organizaes que trabalham com a teoria de gesto de sistemas principalmente com o modelo holstico, a gesto do conhecimento e o e-learning podem trabalhar em perfeita sintonia, j que ambos possuem diversas caractersticas em comum que devem ser lembradas no momento de escolha de estratgias de melhoria do capital intelectual das organizaes. Em dois anos o e-learning se constituir em uma subrea da gesto do conhecimento, ou vice-versa, devido aos seguintes pontos de convergncia: - ambas tm as pessoas como foco; - partilham as mesmas tecnologias; - administram contedos buscando produzir sentido; - valem-se de comunidades temticas e trabalham para assimilao e aplicao de conhecimentos, sendo: e-learning voltado para os interesses departamentais e a gesto do conhecimento voltada para os objetivos do negcio (REAMAY, 2005). A unio das necessidades e qualidades das trs reas ou disciplinas do conhecimento traz s organizaes atuais novas funes de trabalho que atuam de forma importante no processamento das mesmas. Para Rezende (2002), uma das novas funes que recebe total destaque de agente do conhecimento que foi criada para gerenciar de maneira inteligente as Revista de Cincias da Administrao v.7, n.14, jul/dez 2005 10 Eleonora Milano Falco Vieira, Giovana Schuelter, Vincius Medina Kern, Joo Bosco da Mota Alves informaes obtidas e o conseqente conhecimento gerado e incorporado pela empresa a partir dos seus processos de inovao como um diferencial estratgico. Percebe-se na atual situao que o surgimento de um diferente segmento na administrao da informao a gesto do conhecimento gerado dentro da empresa , que assim como a informao gerada fora da empresa, precisa ser identificado, compilado, organizado, avaliado e disponibilizado, porm sob a nova perspectiva do capital intelectual. Sendo todo o processo ocorrido dentro das organizaes que sero administradas sob a tica da viso sistmica. 4 CONCLUSO As organizaes que pertencem a atual sociedade trazem que a administrao do conhecimento feita por pessoas que devem estar preparadas para atuar utilizando seu capital intelectual. As tecnologias da informao TI e comunicao podem ajudar, mas o foco principal devem ser as mudanas necessrias nos processos da empresa, os papis e as responsabilidades na organizao. Os mais bem-sucedidos projetos organizacionais focando o conhecimento devem dar ateno a uma sinergia significativa entre os fatores humanos, organizacionais, tcnicos e estratgicos que devem ser trabalhados conjuntamente, criando, assim, valor dentro de uma abordagem sistmica de Teoria Geral dos Sistemas, onde o intangvel passa a compor a parte de maior valor de uma empresa. Coloca-se, ainda, que as empresas podem conciliar o conhecimento que se encontra na cabea dos seus funcionrios com as informaes existentes em suas bases de dados, nos papis, planilhas e relatrios por ela gerados, transformando-os em ferramenta geradora de vantagem estratgica para o negcio. Outra questo diz respeito aprendizagem organizacional, onde os colaboradores da empresa extraem seus conhecimentos pessoais e os dispem para a utilizao da empresa como um todo. Em suma, no basta que haja na organizao aprendizagem individual, pois o conhecimento se torna importante para a organizao quando pode ser trabalhado e aproveitado. A educao, principalmente no modelo de EAD ou ainda mais detalhadamente no e-learning, traz facilidades no processo de aprimoramento do capital intelectual, pois produz Revista de Cincias da Administrao v.7, n.14, jul/dez 2005 11A Teoria Geral de Sistemas, Gesto do Conhecimento e Educao a Distncia: reviso e integrao dos temas dentro das organizaes novos conhecimentos com responsabilidade e agilidade usando as TI, meio facilitador para os acontecimentos de gesto do conhecimento que normalmente trabalham voltados otimizao da viso holista ou sistmica das organizaes que trabalham totalmente integradas. Vendo, criando e administrando seus processos internos e externos como partes de um grande sistema organizacional. REFERNCIAS ALVES, Joo Bosco da Motta. Notas de aula da disciplina Teoria Geral de Sistemas. Florianpolis: s.d. 2005. Disponvel em: . Acesso em: 18 abr. 2005. ANGELONI, M. T. Organizao do conhecimento: infra-estrutura, pessoas e tecnologias. So Paulo: Saraiva, 2002. BERTALANFFY, L. V. Teoria geral de sistemas. 2. ed. Petrpolis: Vozes, 1975. CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. So Paulo: Paz e Terra, 1999. DAFT, R. L. Organizaes: teoria e projetos. So Paulo: Thomson/Fronteira, 2002. DRUCKER, P. The coming of the neworganization. Harvard business review on knowledge management. Boston: Harvard Business School Press, 1987. FISCHER, E.; VIEIRA, A. S. Gesto do conhecimento e educao on-line: uma experincia internacional. Disponvel em: http://www.periodicos.capes.gov.br. Acesso em: 15 set. 2004. FONSECA, M. O. Campus Virtual: educao a distncia, ferramenta para a gesto do conhecimento. 2001. Dissertao (Mestrado em Engenharia de Produo) Programa de Ps-graduao em Engenharia de Produo, Universidade Federal de Santa Catarina, 2001. KAST, F. E.; ROSENZWEIG, J. E. Organizao e administrao: um enfoque sistmico. So Paulo: Pioneira, 1976. MAADA, D. L.; TIJIBOY, A. V. Aprendizagem Cooperativa em Ambientes Telemticos. CONGRESSO IBERO- AMERICANO DE INFORMTICA NA EDUCAO, 4. Braslia, RIBIE, 1998. Disponvel em: Acesso em: 15 abr. 2005. NUNES, I. B. Noes de educao a distncia. Revista Educao a Distncia. n. 4/5, dez./93-abr./94, p. 7-25 Revista de Cincias da Administrao v.7, n.14, jul/dez 2005 12 Eleonora Milano Falco Vieira, Giovana Schuelter, Vincius Medina Kern, Joo Bosco da Mota Alves POSSAMAI, F. Breve incurso terica sobre aprendizagem de adultos. Revista Univille, v. 8, n. 2. p. 2003. REAMY, T. KAPS Group - E-Learning Convergence. Disponvel em: .Acesso em: 10 abr 2005. REZENDE, Y. Business information: the new knowledge agents and The intellectual capital management. Ci. Inf., v..31, n.2, may/aug. 2002, p.120-128. ISSN 0100-1965. Disponvel em: . Acesso em 15 abr. 2005. RODRIGUES y RODRIGUES, M. V. Gesto do conhecimento: reinventando a empresa para uma sociedade baseada em valores intangveis. Rio de Janeiro: IBPI Press, 2001. SENGE P. M. A quinta disciplina: arte e prtica da organizao de aprendizagem; So Paulo: Circulo do Livro, 1998. TEIXEIRA F. J. Gerenciando o conhecimento: como a empresa pode usar a memria organizacional e a competitividade no desenvolvimento de negcios: Rio de Janeiro. SENAC, 2000. VIEIRA, E. F.; VIEIRA, M. M. A dialtica da ps-modernidade: a sociedade em transformao. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004. THE SYSTEMS GENERAL THEORY, KNOWLEDG MANAGEMENT AND DISTANCE EDUCATION: REVISION AND INTEGRATION OF THE SUBJECTS INSIDE OF THE ORGANIZATIONS Abstract This paper presents the knowledge management in organizations where people, technologies and business processes have a participation in the organizations performance. The article shows a division in systems general theory, knowledge management and distance education, showing an authors discussion in the three areas and also presenting the integration among them. Knowledge is the main instrument considered for the organizations management that work with a systemic vision, then their intellectual value has great importance since unreachable goods are very valuable. In order to keep this values, distance education works as an agile and facilitating factor of the processes. Keywords: Systems General Theory. Knowledge Management. Distance Education. Revista de Cincias da Administrao v.7, n.14, jul/dez 2005 13

Recommended

View more >