Revista Arte Urbana - Especial Graffiti

  • Published on
    04-Aug-2015

  • View
    354

  • Download
    8

Transcript

Ano 1 - Edio 1 - Novembro de 2011

Saiba tudo a respeito da arte que a cara dos jovens e da cultura ps modernaHistria do graffiti Apesar de contemplar as suas obras nas ruas diariamente, voc sabe como essa arte surgiu? Perfil Confira o perfil dos grafiteiros Banksy, Zezo e dos irmos OSGEMEOS Opinio Nossas reprteres escreveram quatro artigos para voc poder, sentir a cultura do graffiti

Escuta essa!O graffiti uma vertente da arte urbana que vem ganhando espao cada vez maior em galerias e sales de exposio. Atualmente, faz parte do ramo das artes plsticas e da indstria cultural, mantendo o carter transgressor que veio das ruas. impossvel no notar o graffiti quando nos encontramos em uma metrpole moderna. Ele est por toda parte: nos muros, nos prdios, em pontos estratgicos da cidade, em propagandas, outdoors e at mesmo em esgotos (sim em esgotos!), possvel encontrlos. Apesar do destaque que o graffiti tem alcanado, no conseguimos deixar de associ-lo pichao, afinal tal arte surgiu junto com essa prtica ilegal. O graffiti pode ser visto como arte, mas no se enganem: rabiscar, desenhar, pintar muros em locais no autorizados d cadeia. E no essa a essncia dessa manifestao cultural? Contestar e ultrapassar limites? justamente esse esprito que move os grafiteiros. A adrenalina os motiva a buscar lugares inusitados e mortos. Eles colocam vida onde falta e, ao mesmo tempo, deixam sua marca pela cidade. Nesta edio, fizemos um apanhado de como anda o graffiti no Brasil e no mundo. Retomamos a histria dessa manifestao artstica, passamos por grafiteiros consagrados, fizemos uma reflexo sobre o momento atual da prtica do graffiti, sem deixar de lado os artistas que esto bombando nas galerias de arte urbana. Assuntos relacionados street art, como a cidade moderna, a situao de ilegalidade enfrentada pelos grafiteiros, indstria cultural e a relao dos jovens com a arte no ficam de fora dessa edio. Boa leitura!

24

06 Histria do graffiti 11 Dirio de um pichadorpor Mariana Tavares

24 Nascidos para grafitar

Autodidatas, OSGEMEOS levam o graffiti brasileiro para o mundo

12

29 Seja marginal, seja flneurpor Carolina Ito

12 Banksy

Conhea o grafiteiro, seus objetivos e estratgias para ating-los

30 Entrevistacom Daniel Melim

18 Galeria Choque Cultural

A quase inexistncia de fronteiras entre rua e galeria resultam no livre trnsito de criatividade e informalidade nos dois espaos

33 Dos esgotos para o mundo

Conhea a histria do grafiteiro despretensioso que conquistou seu espao atravs da arte urbana

23 Jovem e Artepor Jssika Elizandra

38 Dos muros ao consumopor Amanda Tiengo

30

30

6

NOVEMBRO DE 2011

ARTE URBANA

7

A Histria do GraffitiQueridinho da mdia e febre mundial, o graffiti superou sua antiga fama de arte depredatria, e elevou-se ao nvel de arte urbana.MARIANA TAVARES

N

a dcada de 70, o mundo passou pelo temor de uma grande guerra nuclear: a Guerra Fria. Tanto Estados Unidos, representando o capitalismo, quanto Unio Sovitica, com seu regime socialista, buscavam a hegemonia poltica, cultural e econmica. nesse perodo de tenso que surgem, nos Estados Unidos, os movimentos artsticos psmodernos. Tinham como caracterstica mais inovadora a utilizao de uma esttica altamente comercial para negar as artes acadmicas e tambm o consumismo, o hedonismo e o narcisismo. Apesar de parecer paradoxal, no . como se eles se apropriassem das armas do inimigo para combat-lo. Ao mesmo tempo, a cidade de Nova York estava em pleno crescimento vertical e horizontal, e abrigava bairros como o Bronx, Harlem e Brooklyn, tipicamente habitados por negros e latinos, onde a violncia, o trfico de drogas e a pobreza faziam parte da rotina da populao. nesse cenrio que surge a cultura Hip Hop, como uma forma de protesto contra os problemas sociais da sociedade norte americana perifrica. Essa cultura mais urbana d origem a outros tipos de arte, como o rap na msica, o break ou o street dance na dana e a pop art e o graffiti* nas artes plsticas. Diante dessa efervescncia cultural, jovens de faixa etrias, etnias e condies sociais parecidas passaram a se unir e formarem grupos, norteados pelo interesse em comum por um determinado tipo de expresso artstica. Isso originou uma das caractersticas bsicas dos grupos da dcada de 70: identidades coletivas passaram a

ser mais valorizadas que as individuais e os membros submetiam-se s regras do grupo. No cenrio do graffiti surgiram as gangues, como forma do indivduo sentir-se parte do coletivo da cidade grande. Ao pertencer ao grupo, ele abria mo de se expressar individualmente e da sua liberdade pessoal, pois os graffitis feitos levavam a assinatura da gangue. Essas assinaturas, muitas vezes, eram inspiradas em personagens de histrias em quadrinhos e da cultura pop, j os nmeros que continham representavam as quadras que o grupo dominava. Alm de ganhar as paredes das ruas, o graffiti ganhou tambm o corao dos jovens de todas as classes sociais, que antes s tinham para observar uma arte acadmica, com a qual no se identificavam. Os da periferia, to segregados, encontraram nessa arte uma forma de apresentarem sociedade que os ignorava a realidade social dos bairros mais simples. Tambm o praticavam pelo seu baixo custo, quando comparado ao custo de materiais como tela, pincis e tintas. J os de classe social mais elevada o utilizavam para transmitirem a sua mensagem mais gente, atravs do espao pblico das ruas. O graffiti a representao perfeita do momento ps-moderno, pois no s se apropria da esttica comercial, mas representa como nenhuma outra forma de arte a efemeridade do prazer proporcionado pelo hedonismo, pelo consumismo e pelo narcisismo. Os pioneiros do graffiti nos Estados Unidos foram Basquiat (19601988) e Keith Haring (1958-1990). Ambos so muito reconhecidos hoje, e suas obras so ven-

Graffiti ou pichao?A pichao geralmente composta por letras ou palavras que representam gangues ou integrantes destas. Sua esttica no agradvel e a maioria das pessoas acha que ela suja e enfeia as paredes que a carregam. J o graffiti geralmente composto por uma ou mais ilustraes, s vezes acompanhadas de frases, mas sua maior caracterstica a esttica altamente sofisticada, desde os traos dos desenhos, passando pela variedade de cores, at as mensagens que os grafiteiros buscam transmitir.

Graffiti no Brasildidas por preos bem altos. A arte urbana chega cidade de So Paulo no final da dcada de 70, diferenciando-se da estadunidense, principalmente, por ser influenciada pela conscientizao presente no hip hop nacional. Neste momento o Brasil passava por uma situao poltica totalmente oposta norte-americana. Vivamos o regime militar, que inibia qualquer tipo de manifestao artstica cultural contestatria. Msica, arte, literatura: todos eram censurados, e muitas vezes reprimidos, caso se expressassem contra o regime vigente. Os jovens das classes mais abastadas, estudantes de universidades pblicas e opositores ao regime, adotam as pichaes, precursoras do graffiti, como armas dessa luta. Na calada da noite, eram pichadas nas paredes frases como Abaixo a ditadura e Devolvam o Calabouo. A pichao serviu para os jovens de todas as classes perceberem que outras superfcies, como as paredes, eram to capazes quanto s telas de transmitirem mensagens atravs da pintura; que o spray era bem mais barato do que tinta leo, aquarela, ou acrlica, mas funcionava razoavelmente bem nos muros; e que as ruas eram o lugar ideal para as manifestaes artsticas serem vistas por pessoas de todas as classes sociais e diferentes etnias. Com o fim do regime militar e com essa percepo, a evoluo da pichao para o graffiti foi natural. Os nomes de gangues ou dos integrantes destas foram substitudos por ilustraes. Estas, por trazerem cor ao cinza da cidade e terem uma esttica bastante original, geralmente agradavam os olhos do expectador, que ficava mais aberto a receber as mensagens que esse tipo de arte buscava transmitir. Mas h sempre excees e existiam queles que viam o graffiti como degradao, agresso sociedade, ignorando o significado das ilustraes. O preconceito da classe mdia com a cultura hip hop, que era relacionada pobreza, favelas e movimentos de marginais, tambm foi um fator determinante. O novo sculo chegou e esse preconceito foi diminuindo. O trabalho de grafiteiros** em organizaes no governamentais (ONG`s) e de grupos que buscam disseminar a arte urbana foi fundamental para isso. Apesar de no se saber ao certo quem foi o pioneiro do graffiti no pas, temos inmeros grafiteiros internacionalmente reconhecidos, como OsGmeos, Zezo, Tinho, Speto, Onesto, Binho Ribeiro, Chivitz, Ricardo AKN, Nina Pandolfo, Minhau, Presto, Markone, Ktia Suzue e Highraff.

ARTE URBANA

11

Nos dias de hojePor aqui, o graffiti passa por um processo de reconhecimento. Muitas pessoas chamam grafiteiros para pintarem suas casas e estabelecimentos comerciais, aproveitando, alm da beleza das ilustraes, o fato de os pichadores geralmente no picharem por cima de um graffiti, por respeito esta arte; prefeituras patrocinam vrios projetos em locais pblicos; a cada dia aparecem mais e mais galerias especializadas em graffiti; e at museus tradicionais, como o Museu de Arte de So Paulo (MASP), fazem exposies dedicadas a essa arte. As tcnicas utilizadas tambm evoluram em todo o mundo. So utilizados rolinhos, tintas com caractersticas especiais para resistirem s intempries, azulejos de mosaico (como os utilizados pelo francs Invader) e moldes para as ilustraes, como o stencil, utilizado pelo ingls Banksy. Um dos grandes feitos do graffiti o fato dele ter originado outras formas de arte urbana. Em So Paulo vemos adesivos criados pela tcnica do stencil colados em placas, postes e paredes, assim como microcontos que trazem ao transeunte mais atento um momento de reflexo em meio ao caos urbano.* O termo "graffiti" vem do ingls e utilizado por especialistas nessa manifestao artstica para diferenci-la do elemento qumico grafite. **J a palavra "grafiteiro", apesar de ter origem na expresso inglesa, foi abrasileirada.

por Mariana Tavares Era uma madrugada nublada em So Paulo. A nvoa da noite encobria a nossa atividade arriscada. Chegamos ao local, o grupo no estava completo. Teramos que realizar a tarefa em trs pessoas. Vamo l! Vamo l! Sobe logo! disse Z Doido. Comecei a escalar um pequeno prdio de trs andares. Meus parceiros me davam o apoio para conseguir subir. Aos poucos ia conseguindo chegar ao topo. Nessas horas a adrenalina est bombando em nossas veias. A ilegalidade, o risco de cair daquela altura e o medo de ser pego pela polcia. Tudo se soma e aumenta a tenso do momento, em que concentrao e ateno podem salvar sua vida. Pronto. Chegamos ao telhado do prdio. Era hora de comear o nosso trabalho. Passa o preto e o vermelho! Rapido, rapido! pedia Treta. Nesses momentos, ser rpido a melhor coisa que voc pode fazer. Comeamos a pichar a parede do prdio ao lado do pequeno que nos havamos escalado. Quando estvamos na metade do processo, para escrever o nome do grupo no muro. Ouvimos um barulho dissonante, que ecoava pelas ruas desertas e nebulosas. O som se aproximava e cada vez mais se tornava conhecido por nos. Em uma frao de segundos, pensei: POLCIA! As consequncias daquele barulho vieram a minha mente: ser preso, condenado, ficar ficha suja, destruir minha vida. Como j havia dito, ser rpido numa situao dessas crucial para a vida de um pichador. Minha primeira reao foi essa, ser RPIDO, descer do prdio e correr, correr o mximo que puder. Eu tinha que me esconder, achar um lugar seguro para fugir. O contraditrio que apesar de sermos de um grupo, dito unido, nesses momentos cada um por si. Ningum se preocupa se o seu parceiro ficou pra atrs. Todos pensam apenas em escapar da policia. Diferente de Z Doido, hoje, tive sorte e consegui escapar. Mas um de meus parceiros foi atingido por uma bala que acertou sua perna e foi capturado. uma vida arriscada e tenho que lidar com isso semanalmente. Essa a vida que eu levo perigo, exposio e risco fazem parte da minha rotina e muitos brasileiros que se dispe a fazer pichaes pelas cidades.

Saiba maisFARINA, Camila. Graffitaes televisivas: um estudo cartogrfico sobre a utilizao do graffiti na MTV. Dissertao de Mestrado Universidade Vale do Rio dos Sinos, 2008. FRANCO, Srgio Miguel. Iconografias da metrpole: grafiteiros e pichadores representando o contemporneo Dissertao de Mestrado Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de So Paulo, 2009. GANZ, Nicholas. Graffiti World Street Art From Five Continents. Nova Iork: Harry N. Abrams Inc., Publishers, 2004 PALLAMIN, Vera M. Arte Urbana - So Paulo: Regio Central (1945-1998): obras de carter temporrio e permanente. So Paulo, Fapesp, 2000. SILVA, William da Silva-e-. A trajetria do graffiti mundial. Ensaio publicado na Revista Ohun, ano 4, N. 4, p.212-231, Dezembro de 2008. TAVARES, Jordana Falco. Construes, desconstrues e reconstrues: histrias do grafite contemporneo goianiense. Dissertao de Mestrado Universidade Federal de Gois, Faculdade de Artes Visuais, 2010.

12

NOVEMBRO DE 2011

ARTE URBANA

13

Conhea o grafiteiro, seus objetivos e estratgias para realiz-losJSSIKA ELIZANDRA

O

nome Banksy simboliza um dos maiores e mais descabidos mistrios da atualidade. Quando citado, imediatamente algum pergunta Mas quem ele? Esta questo nasce porque o artista de rua, especializado na rebuscada tcnica do stencil e em utilizar suas obras como ferramenta para criticar governos e elites opressoras, nunca revelou seu nome nem seu rosto publicamente. Em uma sociedade obcecada por imagens e onde a vida de todos cada vez mais pblica, isso naturalmente gera interesse, mas pelos motivos errados. Por que relevante saber em que maternidade ele nasceu, se teve espinhas na adolescncia ou se vive no subrbio com a esposa e dois filhos? O importante conhecer o seu trabalho, idias e objetivos, e isso que apresentamos nessa reportagem. A revelao final, eu j adianto: Banksy fascinante! , antes de tudo, um contestador. No se conforma com as guerras, desigualdade social, abuso de poder ou preconceito, e luta contra esses temas usando as ferramentas das quais dispe: criatividade, ousadia e habilidade artstica so combinadas sua grande percepo a respeito da natureza humana. Apesar de ver o capitalismo como um dos maiores causadores dos problemas sociais contemporneos, foi capaz de perceber que, para combat-lo, seria

necessrio danar conforme a msica. Por se expressar atravs das artes plsticas, sabia que, para defender suas idias, precisaria adequar a esttica de suas obras a uma que agradasse as massas. Como uma das principais bases do capitalismo a promoo do consumismo, os meios de comunicao nos bombardeiam o tempo todo com propagandas belas e estimulantes. Mesmo sem percebermos, nos acostumamos com essa esttica e ela que aceitamos, renegando as no correspondentes. Banksy, ento, apropriou-se dela para transmitir suas prprias mensagens. Suas obras algumas vezes so coloridas e seus traos carismticos. As crticas so feitas com um toque de bom humor e ironia. muito comum voc estar observando uma obra de Banksy e perceber o surgimento involuntrio de um sorriso de canto de boca. O grafiteiro faz perguntas e afirmaes com a mesma simplicidade com a qual uma criana faz uma pergunta embaraosa a um adulto. A reflexo sobre o tema inevitvel. Utiliza a refinada tcnica do stencil, porque ela lhe permite fazer os desenhos mais rpido, expondo-se assim a menos riscos de ser preso, mas no a nica. Sempre disposto a inovar, uma de suas obras um telefone pblico serrado e contorcido, atingido por uma picareta e com

16

NOVEMBRO DE 2011 seus nas paredes; adulterou 500 cds da celebridade Paris Hilton, expondo a mooila no encarte fazendo topless e, em outra foto, com cabea de cadela; entre tantas outras. Banksy ganhou projeo internacional a partir de 2005, e atualmente suas obras so vendidas por uma pequena fortuna. Entre seus fs h vrios famosos como, por exemplo, Christina Aguilera, que pagou 25 mil libras por uma das obras onde o grafiteiro apresenta uma rainha Vitria lsbica. Neste ano produziu uma abertura bastante crtica e politizada para o desenho animado Os Simpsons, depois de virem pblico denncias de que a produtora usava trabalho escravo da Coreia do Norte na produo de seus produtos. Em vez da produtora contestar, ou no mnimo explicar-se, se disse lisonjeada pelo artista fazer uma abertura para o seu programa. Ainda assim, a relao de Banksy com a indstria cultural bastante complexa de ser compreendida. Muitos tm dvidas se o artista aproveita-se da exposio que tem na imprensa para divulgar suas prprias causas ou se ele s mais um produto, vendido na prateleira de artes plsticas, e logo logo ser substitudo por um lanamento. Quem parar e analisar o assunto perceber uma mescla dos dois. Outra questo polmica, e que muitos enxergam como paradoxal, a questo de Banksy ser todo engajado, porm realizar exposies em tradicionais galerias e museus pelo mundo, alm de vender algumas de suas obras. Neste ano Banksy teve sua atitude mais ousada. Lanouse como diretor de cinema, no filme Exit Through The Gift Shop, que concorreu ao Oscar de melhor documentrio. Nele o grafiteiro narra a histria de um fotgrafo italiano que comea a segu-lo, grav-lo e fotograf-lo, com o intuito de fazer um filme, assim integrando-se profundamente como os artistas de rua mais renomados. S que, em um momento, Banksy percebe que o fotgrafo nunca teve inteno de gravar filme nenhum, ento estimula-o a tornar-se um artista de rua tambm. Essa a sacada mais genial do filme, pois apesar do moo visivelmente no ter nenhum talento acima da mdia para o graffiti, s porque ele foi apadrinhado por Banksy, a mdia passou a trat-lo como o novo Basquiat. Em sua exposio estavam presentes pessoas como o casal Angelina Julie e Brad Pitt, e elas pagavam o preo que o italiano estipulava pelas obras, sem nem ao menos refletirem se isso era uma boa ideia. como se ele utilizasse a arte para criticar o prprio mercado artstico das galerias, museus e crticos. Outro bom motivo para conferir o filme, que ele mostra o processo de criao de algumas das obras do artista, e uma oportunidade nica de v-lo explicando algumas delas. Imperdvel!

ARTE URBANA

17

uma mancha de tinta vermelha escorrendo do ferimento, representando sangue! comum vermos alguns personagens repetidos em suas obras, representando a viso do artista sobre eles: os ratos, representando a imundcie da classe opressora, e os policiais, que aparecem usando cocana, revistando e sendo revistados por crianas, beijando-se, etc. A ousadia uma de suas principais armas para chamar ateno. J entrou na Disneylndia com um boneco inflvel dentro da mochila e, chegando l, inflou-o, vestiu-o com o mesmo modelo de roupa usado pelos prisioneiros de Guantnamo e deixou-o l sentado, para causar alvoroo. Tambm grafitou o mundo perfeito no muro que Israel construiu para isolar os palestinos vivendo na Cisjordnia; invadiu renomados museus, como o American Museum of National History e o Brooklyn Museum, ambos em Nova York e, sem que ningum percebesse, colocou quadros

Saiba maisBANKSY. Site Oficial. Disponvel em http://www.banksy.co.uk/, acesso em 04/10/2011 BECKER, Melissa. Banksy: o annimo mais famoso do mundo. Revista Superinteressante. Edio de maio de 2011. Disponvel em http://super.abril.com.br/cultura/banksy-anonimo-mais-famoso-mundo-623045.shtml, acesso em 07/10/2011 EDUARDO, Carlos. Banksy, mestre na arte da enganao. Disponvel em http://letitblog.wordpress.com, acesso 04/10/2011 REVISTA Galileu. Artista britnico Banksy dirige abertura sombria de "Os Simpsons". Disponvel em http://revistagalileu.globo. com/Revista/Common/0,,EMI178791-17770,00-ARTISTA+BRITA NICO+BANKSY+DIRIGE+ABERTURA+SOMBRIA+DE+OS+SIM PSONS.html, acesso 04/10/2011

Conhea a Choque CulturalA quase inexistncia de fronteiras entre rua e galeria resultam no livre trnsito de criatividade e informalidade pelos dois espaosTEXTO E FOTOS JSSIKA ELIZANDRA

20

NOVEMBRO DE 2011 a relao de cega devoo dos grafiteiros com a arte, como percebemos pelo fato de se disporem a gastarem tempo, energia e dinheiro, para oferecerem sociedade uma obra que pode ser apagada no dia seguinte. Como qualquer galeria de arte, a Choque procura criar condies para que os artistas que representa possam viver da sua arte, mas seus objetivos vo muito alm do comercial: formar novos artistas e colecionadores; abrir-se para a arte que acontece a sua volta, em vez de ficar esperando que ela bata sua porta, como fazem a maioria dos outros estabelecimentos do ramo; alm de promover o intercmbio de obras com outras galerias e museus, tanto brasileiros quanto internacionais, intentando, alm da popularizao de seus prprios artistas, a diversificao de seu acervo, so alguns deles. dia cinza; e muita gente estilosa no s jovens, idosos estilosos!- inteligente e culta, como fica claro pelos trechos das conversas dos outros transeuntes que ouo enquanto caminho. A regio pulsa vida e bomia. Entro na Joo Moura e no encontro a Choque... Ela me encontra! Sou cumprimentada por um prdio de dois andares todo encapado com pedaos de cartazes coloridos, e um letreiro luminoso -tambm colorido- anuncia que cheguei ao meu destino. Nesse momento eu hesito. Nunca me sinto vontade entrando em museus e galerias de arte. Sinto como se as obras estivessem l repousando em uma tranqilidade absoluta e eu fosse atrapalhlas. Como se esses ambientes no me quisessem l. Mas eu devia saber que a galeria que lanou Zezo, Nunca, Daniel Melim, Tinho, rosa, Flvio Samello, MZK, Highraff, Renan Cruz, Speto, Stephan Doitschinoff, Rafael Coutinho, Carla Barth, PJota, Presto, Znort, Magoo, Jotap, Mariana Martins, Buia, Whip, Yumi Takatsuka, Ramon Martins, Jaca, s para citar alguns, no teria esse perfil. Ao lado da porta h um vaso de planta com dois adesivos que com certeza no so parte da exposio. Ser que algum visitante os colou ali? No! Jamais! Esse tipo de ambiente no permitiria essa atitude... Deixo o meu guarda-chuva vermelho fazendo companhia a outros dois que j estavam ali e olho ao redor. As paredes esto pretas, vermelhas e amarelas esto, e no so, porque na Choque elas so parte da obra, e no uma mera superfcie de apoio para esta-, e h letras, ilustraes e pedaos de cartazes nelas. No canto, um carrinho de compra, daqueles menores de dois andares, oferece revistas Juxtapoz por R$ 20,00 e um pufe retangular preto lhe faz companhia. De onde estou, posso ver duas portas alm da que eu entrei: uma frente, onde uma moa em um balco conversa animadamente com uma visitante, e outra esquerda que parece mais tranqila. Escolho a porta da esquerda. Nessa sala me aguardam um banco de madeira, outro vaso de planta, uma janela, paredes cinza com algumas ilustraes similares s que j vi na sala anterior e vrias molduras. Algumas delas exibem colagens com pequenos pedaos de revistas, jornais, papis de presente, desenhos daqueles que a professora imprimia no mimegrafo e dava para os alunos pintarem, e quase todo tipo de papel que o leitor puder imaginar. J outras mostram fotos de edifcios impressas em vrias etiquetas coloridas, sendo que cada uma delas traz uma pequena frao da imagem. A impresso que temos quando observamos a de estar olhando para um espelho colorido que reflete aqueles edifcios. O nome dos artistas est escrito mo em etiquetas abaixo das molduras. Sou interrompida por duas meninas e um menino, de uns 16 anos. Eles param para colar adesivos na janela. Nossa, ento pode mesmo! Que mximo!-penso eu. como se cada visitante estivesse decorando um pouco da galeria e, com isso, deixasse um pouco de si nela. Nada mais justo, j que ela tambm deixa uma parte dela na gente. Volto para a sala anterior, que d acesso a uma escada que sobe. Uma pintura na parede anuncia a exposio Outro Plano, de Carlos Dias. Na sala direita h diversas telas do artista, mas a sala esquerda a mais interessante. Ali Carlos Dias prova que h milhares de outras formas de expressar-se nas artes plsticas que no a pintura. Alm das obras, a sala abriga um sof posicionado em frente a um televisor que exibe um vdeo. Um rapaz est l confortavelmente assistindo e, de vez em quando, levanta-se para fotografar alguma obra. Deso a escada e decido explorar a exposio Eu sou um lobo, do artista japons Atsuo, no subsolo da galeria. como entrar em um mundo de sonhos (ou seria de pesa-

ARTE URBANA

21

A

iniciativa de fundar a Choque partiu da arquiteta Mariana Martins, do profissional de moda Baixo Ribeiro, e do especialista em street art Eduardo Saretta. Aps montarem uma editora homnima, que produzia psteres, adesivos e artigos artsticos de baixo custo e com potencial colecionvel, eles perceberam que faltava mercado tanto para os seus artistas divulgarem e negociarem suas obras, quanto para o pblico jovem, que admirava esse material e gostaria de consum-lo, mas no se sentia confortvel em lugares formais como os museus e galerias comuns. Em 2004 nascia, ento, a Galeria Choque Cultural, especializada em arte urbana. Apesar de geralmente expor trabalhos de grafiteiros, a Choque no uma galeria de graffiti. Isso porque essa arte envolve a transformao da rua e do espao pblico, no podendo, assim, ser trazida para dentro de uma galeria, uma casa ou qualquer outro tipo de ambiente privado, sem ser drasticamente descaracterizada. Portanto a galeria precisa educar os artistas que representa para que se desprendam das paredes e passem a criar sobre outras superfcies, como papis, telas, bons ou camisetas. Isso possvel, pois a essncia do trabalho deles no a superfcie onde ele criado, mas sim

delos?), cheio de pssaros e lobos com asas, onde tbuas de carne e shapes de skate servem de tela ao artista, e a decorao fica por conta de caveiras mexicanas, tudo regado miangas, lantejoulas e vrios outros acessrios brilhantes, alm de (claro!) muita cor. Chega a hora de ir embora, mas no antes de conferir o que h naquela sala pela qual passei quando cheguei, com a moa no balco. Descubro a loja da galeria. Ali so vendidas xilogravuras, pinturas, ilustraes lpis grafite, entre vrias outras tcnicas, tanto de artistas desconhecidos quanto de renomados, como Daniel Melim, Speto, Onesto e Highraff, alm de livros que falam a respeito de arte urbana. Tiro algumas obras do lugar para fotograf-las e a moa que estava no balco se aproxima. Mal tenho tempo de pensar L vem ela falar que no pode fotografar nem tirar as obras do lugar e mimimi, quando ela me surpreende ao dizer Coloca essa aqui nesse fundo, que vai ficar mais legal! Tirei as fotos e me despedi, mas sem dizer adeus, e sim, at breve.

A visitaMinha primeira visita Choque Cultural foi em um sbado chuvoso, e tinha por simples objetivo tirar as fotos que ilustram essa matria. Deso do nibus em frente praa Benedito Calixto e, aps dar alguns passos, percebo que estou para conhecer a minha galeria de arte: vejo vrias paredes grafitadas, inclusive por nomes de peso como Minhau, que colorem o

Galeria Choque CulturalRua Joo Moura, 997 Pinheiros - So Paulo Telefone: (11) 3061-4051

www.choquecultural.com.br

22

NOVEMBRO DE 2011

ARTE URBANA

23

Para os amantes de arte urbana...

Em abril deste ano, 11 grafiteiros renomados, entre eles Chivitz e Binho, grafitavam as pilastras degradadas do metr, quando foram detidos sob a justificativa de crime ambiental. Mas em vez de desanimarem, enquanto estavam na delegacia os artistas tiveram a ideia de buscarem apoio da prefeitura e criarem o primeiro Museu Aberto de Arte Urbana. O projeto deu certo e conta com 68 painis. Museu Aberto de Arte Urbana Avenida Cruzeiro do Sul, nas pilastras do metr, entre as estaes Santana e Carandiru

Artistas urbanos como os franceses Remed, JR e Invader, o tcheco Point, os argentinos Tec, Defi e Chu e a norte-americana Swoon criaram especialmente para essa exposio, que alm de estar belssima, oferece algumas obras deliciosamente interativas, como a piscina de bolinhas para adultos, representando o "O" do nome Point. De Dentro e De Fora Em cartaz no MASP -Museu de Arte de So Paulo- at 23 de dezembro de 2011 Avenida Paulista, 1578 Telefone: (11) 3251-5644 http://masp.art.br

A arte urbana transforma o jovem espectador de arte em consumidorpor Jssika Elizandra A partir da dcada de 60 a maior parte das pessoas abandonou o campo e passou a viver nas cidades. Alm disso, os servios ligados comunicao comearam a evoluir e nunca mais pararam. Obviamente esses dois fatores promoveram mudanas profundas em nossa sociedade, originando, inclusive, novos gneros artsticos que atingiriam um novo nicho de pblico: os jovens. No que antes disso esse pblico no gostasse de arte. Era mais questo de identificao. Como jovens que tentavam derrubar uma ditadura, ou lutarem pelos direitos das mulheres, se identificariam com qualquer arte que no fosse quela produzida durante aquele momento to especfico? Eles precisavam de uma arte sob medida, ligada as ruas, a rapidez, menos formal e com mensagens mais claras. Vrias das artes que se popularizam naquele momento, como o graffiti e a tatuagem, atendem a essa demanda. Percebemos que o jovem to apaixonado por arte que tem coragem de desenhla, de forma permanente, no prprio corpo, ou perder horas do seu dia, alm de dinheiro, para presentear as ruas com um graffiti, que nada garante que no ser apagado no dia seguinte. Paralelamente o consumismo tambm desenvolve-se em um ritmo assombroso e faz com que os jovens sintam necessidade de comprarem tudo o que vem. Por sorte, com a arte urbana e underground a todo vapor, eles vem muita coisa bonita: tnis, camisetas e bons customizados, psteres, de uns anos para c os toy arts. O mercado, sempre rpido, o primeiro a perceber essa relao emocional do jovem com essa nova arte e j comea a estimular o colecionismo. Essa percepo veio em boa hora, j que os jovens j comeavam a sentir-se culpados pelo consumo, pois com a combinao deste com os produtos com a arte, eles no so somente consumistas, tem um compromisso cultural, investem no futuro artstico do pas. um privilgio poder assistir a essa revoluo, a essa espanada na poeira dos velhos padres. Quando daqui h 20 anos, quando meu filho de 15 anos chegar em casa dizendo que lucrou 600% em uma xilogravura, eu poderei me sentir orgulhosa e dizer: Eu estava l!

Jovens e Arte

Mas a melhor dica mesmo passear por a de olhos bem abertos. Alguns bairros da cidade se So Paulo so referncia quando o assunto graffiti, como Pinheiros, Butant, Vila Madalena e redondezas da estao de trem Palmeiras-Barra Funda. Foto de graffiti de artista annimo e de mosaico do francs Invader, no Largo da Batata, em Pinheiros

24

NOVEMBRO DE 2011

ARTE URBANA

25

Nascidos para grafitarAutodidatas, OSGEMEOS levam o graffiti brasileiro para o mundoCAROLINA iTO

F

oi no ano de 1974 que nasceram os gmeos idnticos Gustavo e Otvio Pandolfo, nessa ordem e com diferena de apenas dez minutos. As paredes e muros do Cambuci, bairro central da cidade de So Paulo, foram as primeiras telas dos irmos que hoje atendem pelo nome de guerra OSGEMEOS e que influenciam grafiteiros de toda parte do globo. Assim como outros artistas, eles se interessaram pelo graffiti frequentando as chamadas grifes, grupos de hip hop do bairro onde cresceram.

de So Francisco e Nova Iorque. Nesta ltima, eles realizaram uma exposio na galeria Deith Projects e entraram, definitivamente, para o mercado da arte contempornea, incluindo esculturas e instalaes para complementar as tcnicas que envolvem o graffiti. Depois de sete anos de trabalho conquistando reconhecimento internacional, OSGEMEOS retornam a So Paulo, em 2006, com a exposio O peixe que comia estrelas cadentes na galeria Fortes Vilaa, que trazia uma srie indita de pinturas-objeto em tamanho gigante e desenhos que pulavam das paredes para todo o canto da galeria.

O grande rol dOSGEMEOSAgregando imigrantes italianos e nordestinos, o Cambuci tem um histrico cultural, no mnimo, curioso. Alm de ser palco de manifestaes religiosas como a tradicional Malhao de Judas, o bairro tambm considerado um dos principais centros da arte de rua paulistana por conta da formao de grupos de breakdance e graffiti nos anos 80. Foi nessa poca, aos 12 anos de idade, que Gustavo e Otvio Pandolfo ganharam a primeira lata de spray, fornecida surpreendentemente por dona Margarida Pandolfo, a matriarca da famlia. O pai e os avs tambm contriburam para avivar a criatividade dos irmos, levando-os a sesses abertas de desenho na Pinacoteca do Estado de So Paulo, mas foram os grupos de hip hop que motivaram os garotos a pintar em muros e construes abandonadas, j com a assinatura d`OSGEMEOS. Um italiano, muito antes, j havia deixado sua marca nas paredes do Cambuci. Esse italiano foi Alfredo Volpi, um dos artistas mais importantes da segunda gerao do modernismo no Brasil, conhecido por pintar a infncia utilizando elementos como bandeirinhas e mastros de festa junina, s luzes do abstracionismo geomtrico. Volpi comeou a pintar em 1911, no ofcio de decorador de paredes e murais no bairro do Cambuci e permaneceu autodidata ao longo da vida, assim como os gmeos grafiteiros. Se Alfredo Volpi foi consagrado por suas bandeiras coloridas, a arte d`OSGEMEOS, certamente, pode ser reconhecida por seus personagens de cor amarela, espalhados pelas ruas e becos paulistanos. Os grafiteiros desenvolveram esse estilo, em conjunto, quando decidiram se desvincular da cultura hip hop e procurar outros caminhos, abrindo espao para novos mundos. A situao comea a mudar em 1993 quando o artista plstico e grafiteiro norte-americano, Barry Mcgee, chega a So Paulo para realizar uma exposio de arte contempornea. Nessa visita, OSGEMEOS so incentivados a abandonar o emprego fixo para se dedicarem integralmente arte urbana, que oferecia muito mais possibilidades do que antes. J em 1995, eles realizam uma exposio conjunta no Museu da Imagem e Som (MIS), em So Paulo, e adquirem grande projeo dentro e fora do pas. A primeira exposio no exterior acontece em 1999 em Munique, na Alemanha, a convite de Loomit, um dos cones do graffiti mundial. Depois disso, eles desbravaram vrios pases europeus, j com estilo consolidado, at a temporada nos Estados Unidos que ocorreu de 2003 a 2005 percorrendo as cidades

O mundo conhece os homens amarelosOs primeiros desenhos dos irmos Pandolfo eram feitos com spray automotivo que mais barato, mas no oferece uma boa cobertura. Mesmo com essa dificuldade, eles desenvolveram tcnicas para produzir o efeito que queriam e depois ficou fcil dominar o aergrafo (uma espcie de caneta, com reservatrio de tinta e ligado a uma mangueira de ar comprimido) e o spray convencional, deixando de lado o stencil - muito utilizado por outros grafiteiros. Traos finos em preto ou vermelho-escuro contornam os humanides que quase sempre possuem cabea grande, nariz redondo e olhos pequenos, preenchidos por tons de amarelo. O sombreado produzido com spray proporciona efeito de volume, dando a impresso que os personagens no se restringem ao espao bidimensional dos painis. As cores vivas, que remetem ao universo dos quadrinhos, tambm ajudam a construir cenas ldicas que se encaixam em verdadeiros quadros narrativos. Na opinio do curador do Museu e Arte Moderna de So Paulo, Felipe Chaimovich, o domnio do efeito esferide leva iluso de que as figuras d`OSGEMEOS habitam um mundo prprio, mesmo quando dividem espao lado a lado com outros graffitis desprovidos do ilusionismo tridimensional. As imagens so marcadas por referncias da tradio popular que se misturam a elementos sugerindo influncia do Surrealismo, com a presena do onrico, da pop art, atravs da exploso de cores primrias, e at da art naif, pela simplicidade dos traos meio desajeitados somados ao autodidatismo dos artistas. A criao atual d`OSGEMEOS envolve mais o ldico e o fantstico ampliando sensaes atravs da interao com outros objetos. Os homens amarelos ganham movimento nos sales de exposio na forma de bonecos gigantes inflveis ou feitos de madeira que chegam a 20 metros de altura. Pintar em grandes estruturas tambm uma especialidade dos irmos. Na mostra O Peixe que Comia Estrelas Cadentes, o pblico podia entrar, literalmente, no mundo criado pel`OSGEMEOS, j que a fachada da galeria havia sido inteiramente pintada de amarelo representando um enorme rosto com os traos que marcam o estilo da dupla. Em 2007, outra interveno importante foi feita nas paredes externas de um castelo medieval da Esccia, junto com Nina Pandolfo e o grafiteiro Nunca.

ARTE URBANA

29

Universo em construoO que fez os irmos se interessarem pelo graffiti, desde os tempos em que saam pelas ruas procura de um espao para interveno, foi a possibilidade de dialogar de maneira imediata com o pblico e atingir pessoas de diversos seguimentos sociais, independentemente da aprovao. A gente se apaixonou pelo graffiti pelo fato de ser uma mensagem direta e por no passar por ningum, nem curador, nem crtico, nem museu, esclarece Otvio Pandolfo em entrevista ao Portal UOL. Para que esse sentido no se perca no ambiente fechado das galerias de arte, OSGEMEOS se preocupam em reproduzir o universo e as experincias cotidianas que permeiam suas vidas e que influenciam na maioria dos trabalhos, como define Gustavo Pandolfo: na rua o universo j est construdo, j est pronto, voc s precisa interferir nele. Dentro da galeria, a gente pode transformar um ambiente que est todo branco numa janela para o nosso mundo. Nessa mesma entrevista, Otvio ressalta que o graffiti sempre vai existir em qualquer lugar porque o jovem quer falar, mesmo que for para pichar uma tag ou uma declarao de amor e sempre ser uma expresso que revela as feridas deixadas pela metrpole.

Montagem com foto de Henri Cartier-Bresson (Madri, Espanha - 1933)

Seja marginal, seja flneurUma narrativa sobre o flneur, filho por acidente da metrpole modernatexto e imagem por Carolina Ito Caminho pela Rua Augusta numa noite amortecida pela passagem da chuva torrencial paulistana. Logo, me sinto impelida a flanar como um daqueles caras que ficam perambulando procura de um gole de cachaa. Alis, flanar um verbo engraado... Ele vem da palavra em francs flnerie que, no geral, significa folga, malandragem. O flneur, por sua vez, um sujeito que dedica seu tempo a vagar pelas ruas observando e captando o movimento da cidade. Essa figura teve seu contorno delineado pelo poeta francs Charles Baudelaire que viveu no sculo XIX e, sem dvida, foi um apaixonado pelas multides e pelo cenrio urbano. claro que um bom flneur, o do tipo francs com todo o glamour subjacente, tem que estar atento a tudo o que se passa ao redor, agindo como um detetive das ruas o que seria difcil no caso de um bbado moribundo, voltando minha idia de flanar por Sampa dessa maneira. Mas proponho um consenso que reforado pelo cantor Fausto Fawcett, autoridade da noite carioca: para ser um flneur, preciso ser um bomio. O trajeto que parte da rua Oscar Freire at a baixa Augusta longo e fascinante e perturbador. Cabe aqui um parntesis sobre o choque esttico que sair da Oscar Freire, reduto da breguic..., quer dizer, do luxo sustentado pela high society paulistana, e depois adentrar na Augusta com seus prdios decorados por pichaes e luzinhas pisca-pisca que anunciam os bordis. A propsito, nunca havia reparado na beleza das prostitutas que ficam na calada para atrair a clientela de madrugada. Salto alto, decote generoso e boca molhada com batom viscoso e brilhante uniforme padro que possui a mesma funo dos luminosos comerciais. Espectros de luz na noite mal iluminada. a cidade que habita os homens ou so eles que moram nela? - indaga o terico. As putas, os donos de bar, os lees-de-chcara e os mendigos da Augusta parecem mais engolir a cidade, sem medo de engasgar. Seria apenas mais uma rua indistinta em meio vasta metrpole ps-moderna? - inquieto-me. Mas meu olhar como o de um lrico no auge do capitalismo que se nega a enxergar isso, da mesma maneira que rejeita a ideia de que as pessoas se tornaram apenas objetos da (famigerada) massa. Joo do Rio, que muito frequentou o ch das cinco da flnerie, declara o amor pela rua em vrios momentos de sua obra. Imagino o escritor a proclamar destemidamente que a rua tem alma! ou ainda que a rua o aplauso dos medocres, dos infelizes, dos miserveis da arte. Assim, o flneur caminha em busca da aura devastada pela modernidade, com seu encanto ingnuo e ocioso. Afinal, como diria o prprio Joo do Rio, nada como o intil para ser artstico.

Saiba maisRALSTON, Ana C. Biografia OSGEMEOS. Disponvel em http://osgemeos.com.br/index.php/biografia. Acesso em 08/10/2011 Uol entretenimento. Vdeo entrevista : Grafite em So Paulo OSGEMEOS. Disponvel em http://mais.uol.com.br/view/1xu2xa5tnz3h/ grafite-em-sao-paulo--osgemeos-04023170D4811346?types=A&. Acesso em 08/10/2011 Portal SESCSP. Bandeiras Paulistanas. Disponvel em http://www. sescsp.org.br/sesc/revistas/revistas_link.cfm?edicao_id=332&Artigo_ ID=5172&IDCategoria=5930&reftype=2. Acesso em 09/10/2011 RAMOS, Celia M. Antonacci . Grafite & pichao: por uma nova epistemologia da cidade e da arte.Florianpolis, 2007. v. 1. MUNHOZ, D. R. M. . Graffiti: uma etnografia dos atores da escrita urbana de Curitiba. 1. ed. Curitiba: Tecnokena, 2003. v. 1. 165 p. XAVIER, Denise Prates. Repensando a periferia no perodo popular da histria: o uso do territrio pelo movimento Hip Hop. Rio Claro, 2003. v. 1. p. 213-225. Fundao lvares Penteado. Catlogo de exposies: OSGEMEOS_ So Paulo: FAAP, 2009.

30

NOVEMBRO DE 2011 Quais so os principais artistas que influenciam na sua obra? No comeo quem mais me influenciou foram os artistas Tinho, Cobal, Speto, Vitch, OSGEMEOS... Essa gerao teve forte influencia no meu trabalho. Como voc desenvolvia sua arte antes de entrar na faculdade de Artes Visuais? Sempre gostei de desenhar. No comeo as HQs (historias em quadrinhos) eram o que eu mais curtia. Disso saiu toda minha referncia de desenho. Na rua eu no encarava o que eu fazia como interveno, era simplesmente algo que eu gostava. Sair pra rua, deixar uma marca, um desenho. S depois comecei a encarar isso de uma outra forma. O que mudou com a experincia acadmica? Tive acesso a outros artistas, de diversos estilos. Isso ajudou a mudar um pouco minha forma de pensar e de pintar. Outra coisa o contato com a galera que produz arte ou pesquisa alguma coisa sobre, isso traz outra bagagem forte. Como eu estudei arte-educao, a experincia de dar aula uma forte marca dentro do meu processo de trabalho e pesquisa. Na sua biografia do site Choque Cultural, est escrito que o seu trabalho transforma clichs em ironias atravs de stencils. Quais os temas mais recorrentes desse processo? Acho que essa ideia de ironia vem devido a forma como eu retiro as imagens do seu contexto original ou de como eu me aproprio dela para chegar no resultado visual e de conceito que eu quero. essa a ironia das imagens de comercial. J os temas so os mais variados: da segurana pblica ao cotidiano do bar e todas as mazelas da vida do subrbio. Ainda no site, citado seu atual projeto, o Jardim Limpo, no qual voc pretende grafitar um bairro inteiro de So Bernardo. Nesse trabalho, a pintura tratada como elemento integrador social. De que maneira ocorre essa integrao? Quais os resultados? A integrao vem atravs das oficinas e dos workshops que eu desenvolvo voluntariamente na comunidade. Com isso, os jovens do bairro participam trabalhando comigo no desenvolvimento dos murais. A galera no fica s de expectador, eles participam da pintura e da construo do trabalho na prtica. Cada morador l esses trabalhos de maneira diferente, mas, no geral, o pessoal gosta muito e tem uma boa interpretao do trabalho. Esse apoio da comunidade fundamental para o desenvolvimento do Projeto. Por que voc se baseou em elementos da Pop Art para compor o mural da avenida Prestes Maia, em So Paulo? Meu trabalho vem de referncias de clichs e propagandas, principalmente dos anos 50, que tm toda uma caracterstica esttica que gosto de utilizar e isso que traz o lado irnico para ele tambm. Como o processo de liberao para intervenes de graffiti em espaos pblicos, como foi o caso desse mural? Quando eu fiz o mural no existia nenhuma lei sobre intervenes na cidade. O que apresentamos foi um projeto de arte em um local onde havia uma propaganda e a empena ficou livre depois da Lei Cidade Limpa. Como a

ARTE URBANA

31

lei fala sobre propaganda e no tem nada sobre arte, foi a que encaixamos o trabalho. Qual a relao entre Dadasmo, Pop Art e o seu trabalho? O Dad era um anti-movimento que se props a ir contra o modo tradicional de se pensar e fazer arte. Alguns estudiosos, no consideram a palavra Dadasmo devido a essa postura dos artistas, ou seja, qualquer ismo ia contra as suas propostas. No s o Dad, mas a Pop Art se utilizaram de elementos do cotidiano para causar essa indagao e criticar a sociedade de consumo, como eu proponho no meu trabalho. A degradao da paisagem urbana agravada pelas pichaes foi muito discutida nos ltimos anos. Qual sua opinio sobre essa questo? A degradao no vem da pichao e provvel que ela seja s um sintoma da nossa sociedade. A arquitetura opressora da cidade j provoca isso.

Pichao no degradaoEntrevista com Daniel Melim, o grafiteiro que mistura a sujeira da cidade com os clichs do consumopor Carolina Ito

Ao enviar um e-mail para Daniel Melim, fui surpreendida por uma resposta rpida e solcita. O grafiteiro tem realizado vrias faanhas, sobretudo em Sampa, terra da dura poesia concreta que invade cada esquina, sem pedir licena. Com esse mesmo mpeto de avanar metrpole adentro, Melim grafitou recentemente numa empena de prdio com 33 metros de altura, na Av. Prestes Maia, prxima Estao da Luz. Nessa obra, ele se baseia nos quadrinhos que tambm serviram de inspirao

para o movimento Pop Art, misturados sujeira colorida que marca seu estilo. O painel gigante antes era destinado publicidade, mas com a Lei Cidade Limpa, em vigor desde 2007, anncios dessa dimenso foram vetados. Como a lei fala sobre propaganda e no tem nada sobre arte, pudemos encaixar o trabalho, esclarece Melim. Pintar uma figura tipicamente pop em um espao que j foi destinado propaganda no dispensa ironias. Alis, essa outra caracterstica do tra-

balho de Melim. Como ele mesmo define, a ideia de ironia vem da forma como retira as imagens do seu contexto original para chegar ao resultado visual e conceitual que deseja. Formado em artes visuais, o grafiteiro j exps no MASP, durante a mostra De Dentro Pra Fora/ De Fora Pra Dentro, na Galeria Choque Cultural, com a exposio individual Novos Planos e at ao lado do ingls Banksy no "The Cans Festival", coletiva que ocorreu dentro de um tnel em Londres.

32

NOVEMBRO DE 2011

ARTE URBANA

33

Dos esgotos para o mundoConhea a histria de Zezo, o despretensioso grafiteiro que conquistou seu espao atravs da arte urbanaAMANDA TIENGO

34

NOVEMBRO DE 2011 pode ser divulgado. At hoje ele seu maior publicitrio. es menores que caracterizavam seus desenhos. Em 2000, deixou as ruas de So Paulo e passou a pintar nos subsolos dos canais de rios da cidade. Penetrou em lugares subterrneos e abandonados da metrpole. Sua preferncia para a pintura se tornou lugares povoados por ratos e baratas, mais do que ambientes tomados por humanos. E foram exatamente estes cenrios que garantiram a marca registrada de Zezo. Mas por que as ruas? Por que lugares abandonados e sujos? A escolha do artista est justamente no seu gosto. O ambiente urbano lhe atrai, a vontade de deixar a cidade mais bonita comanda seu trabalho, que dirigido pela perturbao existente em toda metrpole, principalmente naquela em que cresceu: So Paulo.

Vivncia e influnciaJos Augusto Amaro Capela nasceu em 1971, no bairro Bom Retiro em So Paulo. Sua vivncia no ambiente do skate, punk e pichao lhe renderam, mais tarde, o gosto pela arte urbana e a alcunha de Zezo. O grafiteiro, no futuro, se ocuparia com as artes plsticas e passaria a deixar suas intervenes ao redor do mundo. Porm, quando comeou a grafitar, em 1995, Zezo no imaginava o tamanho do reconhecimento que alcanaria com a sua arte. Jos Augusto parou de estudar quando estava na stima srie. Segundo ele prprio, foi por no ter pacincia para escutar a repetio de discursos que, para o futuro artista, pareciam no ter significao e acrescentavam pouco na sua vida. Apesar disso, o grafiteiro acredita que no ter estudado um pouco mais sobre a arte possa ter prejudicado, de certa forma, seu trabalho, o que dificilmente notado por quem se depara com os graffitis, fotografias ou telas assinados por Zezo. Antes de comear a levar a srio seu hobby, ele chegou a trabalhar no campo em Portugal, -o artista possui ascendncia portuguesa- ser motorista de caminho e motoboy em So Paulo. Todas essas ocupaes lhe renderam a viso artstica que desenvolveu to bem: Jos comeou a ver beleza onde a maioria das pessoas enxerga elementos desagradveis, como lixo e sujeira. E foi nos esgotos, nos tneis, em viadutos e lugares aparentemente sujos e inspitos, que Zezo consagrou seu nome. Atravs da fotografia, seu trabalho

Do contexto ao comeoZezo considerado um artista intuitivo e autodidata, segundo Baixo Ribeiro, fundador da galeria Choque Cultural. Ingressou nas artes por acaso, influenciado pelo ambiente em que cresceu. Em 1995, uma contuso feia no joelho obrigou Z Augusto a deixar o skate de lado e abandonar os rols de bike. Para diminuir a tristeza que se instalou no garoto punk, o amigo Binho Ribeiro, que mais tarde tambm seria reconhecido por seus graffitis, teve uma idia: Meu, vamos comear a grafitar. E foi no quintal da casa de Binho que ficaram registrados seus primeiros rabiscos. Por nunca ter sido um bom desenhista, Zezo seguia o estilo bomb do hip hop nova yorkino, com suas letras gordas, grandes e garrafais. Esse estilo comandou os desenhos do grafiteiro por trs anos, at que Z conheceu a arte do norte-americano Jean-Michel Basquiat (1960-1988) - grafiteiro que comeou nas ruas e hoje tem seus trabalhos expostos nos principais museus de Arte Contempornea do mundo. A partir da, Zezo comeou a montar seu prprio estilo, usando um pouco de abstrao, deixando a tinta escorrer mais e escrevendo nos muros de maneira mais intuitiva, menos tcnica. Foi no mesmo ano, de 1998 que Zezo saiu para as ruas de So Paulo e comeou a fazer parte de uma gangue de pichao chamada VICIO. Era com esse nome que assinava seus rabiscos, adicionados por abrevia-

"Fazer graffiti ter liberdade acima de tudo. sair pra pintar meu lance onde quero, independente de ser autorizado ou no e sem compromisso algum com ningum. Fao porque gosto da rua e da liberdade que sempre tive de pintar meus lances, onde eu sempre quis. Gosto muito do suporte urbano para interagir com o meu trabalho, sem limites e sem fronteiras." - Zezo

Flops com papel socialQuem se depara com os desenhos de Zezo, de primeira, nota a luminosidade, fluidez e a delicadeza das curvas, que o artista consegue com a ajuda de um rolinho de espuma de 4 cm. A inspirao vem de maneira intuitiva e ele pinta sem um desenho prvio. O acabamento dado com sprays. O resultado uma arte abstrata nica, nenhuma como a outra, apesar de seguirem quase sempre os mesmos passos e poucas vezes mudarem de cor. Esses arabescos caractersticos do artista so denominados por ele mesmo como flops. Alm de uma esttica caracterstica, Zezo possui um trabalho artstico profundo e com-

36

NOVEMBRO DE 2011 artstica participa do trabalho de Zezo como forma de registro, j que muitas vezes os desenhos e pinturas no so observados por todos ao redor da cidade. Sem a fotografia no seria possvel conhecer parte do trabalho deste grafiteiro. como se o graffiti fosse uma arte efmera (pode ser apagada), j a fotografia o torna uma arte duradoura e documentada. atravs das fotografias e da internet, que a arte de Zezo se torna acessvel. para expor seu trabalho em diversos pases do mundo. Desde ento, existem obras de Zezo em galerias de Nova York, Londres, Paris, Alemanha, Reino Unido, entre outros lugares ao redor do planeta. Aqui no Brasil, podemos conferir as obras do artista no lugar onde tudo comeou: em So Paulo, na galeria Choque Cultural, alm de estar tambm nos espaos urbanos invadidos pelo grafiteiro. Zezo tambm conquistou seu espao dentro do livro Graffiti Brasil, publicado pela principal editora de livros de arte da Inglaterra: a Thames e Hudson. Umas das artes do grafiteiro est impressa na contra-capa do livro, cujo um dos autores, o ensasta Tristan Manco admirador do artista. Ao lado de Zezo, tambm esto os brasileiros OSGEMEOS dentro da obra. At de curta-metragem o grafiteiro foi astro. Roteirizado e filmado por Patrcia Cornils, cineasta e jornalista, o filme Desafio de Zezo rodou em abril de 2006. Em 2007, o grafiteiro participou de sua primeira exposio no exterior: Foi em uma galeria de Nova York. Seu trabalho foi exposto por um ms todo, do dia 17 de fevereiro 17 de maro daquele ano. Boleta, um amigo da gangue de pichao, VICIO, foi seu colega de viagem. Ele tambm exps seus trabalhos como grafiteiro na mesma exposio. Alm de ter suas pinturas expostas em grandes galerias de arte underground, Zezo tambm as vende para quem desejar t-las. Ao grafitar residncias e espaos privados, no sente receio por vender seu trabalho hoje em dia, apesar de no aceitar isso quando era mais novo, por uma questo de ideologia. Mais maduro, encontrou no graffiti uma ocupao prazerosa que sim, pode lhe render uma boa grana, coisas que no faziam parte de sua vida, quando era motoboy. Zezo tambm j foi contratado para realizar campanhas publicitrias para empresas como Nike, Skol, McDonalds, Siemens e Nescau. Seus principais ganhos vm da publicidade e cada vez mais da venda de seus trabalhos em galerias, o que mostra que sua arte se torna mais conhecida a cada exposio. Outro dos seus principais trabalhos comerciais a fachada do BankBoston na Avenida Paulista em So Paulo. Apesar de ser conhecido pelo mundo todo atravs do graffiti e sua arte, Zezo no escapou de ser detido por grafitar em espaos pblicos da metrpole. Recentemente, em dezembro de 2010, foi preso por grafitar sem autorizao

ARTE URBANA

37

plexo, cheio de implicaes poltico-sociais. Ele reinventa o espao que pinta, como se pudesse torn-los mais bonitos. Seus desenhos dialogam com sua discusso sobre os lugares da cidade em que foram explorados: esgotos, subterrneos, margens de rios e crregos, lugares abandonados e sem cor. O grafiteiro divulga suas inquietaes atravs da pintura e vai mais fundo: sua esttica extrada de uma So Paulo desleixada. Ele explora esses elementos e intervm no caos urbano to contemporneo, na cenografia e tambm interage com os personagens. Zezo se relaciona com quem ocupa os espaos urbanos que ele customiza. Muitas vezes, essas pessoas participam da interveno, pois para o artista, seus desenhos e sua pintura tm que agradar a eles antes de qualquer outra coisa. A base da pintura de Zezo vai alm dos muros, lugares subterrneos e inspitos da cidade. O artista tambm fotografa seu trabalho e este se torna uma arte diferente quando transposto para o papel. Essa alternativa

em So Paulo na regio da estao da Luz. O artista teve que se apresentar em audincias e responder pela infrao cometida. Mas isso no o acanha, pelo contrrio, s o estimula.

Saiba maisMACHADO, Cassiano Elek. Zezo sai do esgoto. Revista Piau, p 64, ed. 12 Disponvel em: http:// revistapiaui.estadao.com.br/edicao-12/grafiteiro/ zezao-sai-do-esgoto, acesso: 19/10/2011 MOREIRA, Fernanda Romero, So Paulo Underground registros do graffiti de Zezo. Centro Universitrio Senac, So Paulo, 2009. NECO, Eduardo. "Grafite subverso", diz o grafiteiro Jos Augusto Amaro Capela, o Zezo. Redao Portal da Imprensa. Disponvel em: http://portalimprensa.uol.com.br/portal/traco/2008/02/22/imprensa17366.shtml , acesso em 10/10/2011. REVISTA Rap Brasil, Especial Graffiti, n 35, Escala: So Paulo, 2006 RIBEIRO, Baixo. Um artista conceitual e intuitivo. Blog da galeria Choque Cultural. Disponvel em: http://choquecultural.com.br/blogs/zezao/ , acesso em 10/10/2011 TAVARES, Andra. Fices urbanas: estratgias para a ocupao das cidades. ARS,vol. 18 n 16. So Paulo, 2010

Das ruas de So Paulo para o mundoApesar de sua despretenso inicial, Zezo, ficou conhecido por suas pinturas inusitadas e sofisticadas. Em 2004, exps pela primeira vez sua arte. A primeira exposio oficial do grafiteiro aconteceu na Choque Cultural - tradicional galeria de arte urbana em So Paulo. Depois do primeiro passo um reconhecimento maior aconteceu de maneira rpida: o (agora) artista comeou a ser chamado

38

NOVEMBRO DE 2011

Dos muros ao consumoUma arte que saiu dos muros da cidade para virar produto da indstria culturalpor Amanda Tiengo Quando pensamos na prtica do graffiti, alguns elementos nos vm mente, como por exemplo: muros, cidades sujas, prdios rabiscados, vandalismo, gangues... Porm se analisarmos nota-se que estamos considerando a pichao. Afinal, existe mesmo diferena entre essas duas prticas? Para muitos sim, para outros no. Para o grafiteiro paulistano Zezo, as diferenas entre elas so apenas estticas. No h como considerar pichao como vandalismo e grafite como arte e parar por a. O ponto em comum entre os dois, para ele, o carter transgressor. Sem me ater s diferenas entre essas atividades to notadas nas cidades contemporneas, trato aqui da mudana de visibilidade que o grafite alcanou ao contrrio da pichao. Hoje, essa arte (sim, arte) no vista com maus olhos e preconceito: o graffiti atualmente faz parte de projetos de ONGs que procuram tirar crianas e adolescentes da marginalidade, polticas pblicas de governos, sem contar o reconhecimento que o pblico tem dado para esse tipo de arte urbana. Um exemplo que podemos citar o incentivo da prefeitura de Belo Horizonte, que criou o projeto Guernica. Entre as atividades que ele realiza encontram-se oficinas e debates relacionados ao graffiti. Eles so destinados a jovens e tem o objetivo de inibir o vandalismo e o carter transgressor da prtica. Desde 2000 esse projeto procura tirar as crianas, adolescentes, grafiteiros e pichadores da infrao e ensinar um pouco sobre a arte, reservando espaos na cidade como forma de garantir um meio de expresso adequado. Tambm notamos que o grafite tem se consolidado cada vez mais como arte. Basta conhecer as diversas galerias de arte urbana espalhadas pelo mundo, bem como grafiteiros que esto se destacando com a prtica, alguns deles comentados nessa mesma edio. Levando tudo isso em considerao, conclumos que o graffiti perdeu a essncia e a significncia que possua num momento anterior. Quando surgiu, com o objetivo de contestao do sistema, da poltica e da sociedade, andava junto com a pichao. Tinha um carter de denncia, seus desenhos antes de tudo possuam significado. O fato de existir galerias onde graffitis de famosos artistas so vendidos a altos preos, este tipo de arte estar cada vez mais presente em campanhas publicitrias, polticas pblicas utilizarem esta arte urbana para embelezar a cidade, espaos prprios serem cedidos para a pintura (tanto pblicos como privados) descaracteriza a prtica do grafite, aprisionam a aura da arte urbana e impem uma esttica nica. Mas temos que entender que vivemos num momento posterior modernidade e, portanto, as caractersticas artsticas mudaram e tambm sobrevivem num mundo ps-moderno. A arte de rua, no fica fora disso. O graffiti, agora, passa a ser um produto da indstria cultural, no se encontra mais na categoria de contra cultura. Essa manifestao se transformou em mercadoria, a crtica ao capitalismo virou consumo. Olhando por esse ngulo impossvel no entender o graffiti como uma concreta demonstrao da arte ps-moderna.