Rev. IG, So Paulo, 7(1/2): 17-30, jan.ldez. ? Rev. IG, So Paulo, 7(1/2): 17-30, jan.ldez. 1986

  • Published on
    15-Sep-2018

  • View
    212

  • Download
    0

Transcript

  • Rev. IG, So Paulo, 7(1/2): 17-30, jan.ldez. 1986

    CONTRIBUIO GEOLOGIA DO MUNICPIO DE CERQUILHO, SP

    Marcos MASSOLI*Anna Artemsia B. de AZEVEDO*

    Geraldo Hideo ODA *Jair SANTORO*

    Ldia Keiko TOMINAGA *Setembrino PETRI*

    RESUMO

    O municpio de Cerquilho situa-se na poro centro-leste do Estado de So Paulo,com uma superfcie de 125km2. Geologicamente ele constitudo pelas formaes Ita-rar, Tatu e Irati, bem como por intrusivas bsicas e depsitos aluvionares recentes.

    Este trabalho teve como objetivo o mapeamento geolgico do "municpio, na escala1:50.000, a fim de se obterem subsdios para a identificao de reas mais favorveis perfurao de poos profundos para captao de gua subterrnea, com o propsito dese tentar solucionar o problema de abastecimento de gua da populao urbana.

    A unidade geolgica mais representativa a Formao Itarar, tanto em extensocomo em espessura. Sua complexa variabilidade litolgica inclui principalmente dia-mictitos, arenitos e siltitos que se interdigitam, alm de camadas de carvo na parte su-perior.

    Sobreposta Formao Itarar ocorre a Formao Tatu, representada por siltitosmarrons com intercalaes de arenitos finos e nveis carbonticos, atingindo espessuramxima de 60m.

    O Grupo Passa Dois, representado unicamente pela Formao Irati, possui ocor-rncia limitada parte noroeste da rea. Representa-se por folhelhos acinzentados eslex pertencentes ao Membro Taquaral, com cerca de 15m de espessura, superpostospor solo avermelhado, argiloso, com slex, atribudo como sendo manto de alteraodo Membro Assistncia. A espessura do Irati atinge cerca de 30m.

    As intrusivas bsicas ocorrem na forma de sills e diques principalmente na poronoroeste da rea, junto ao rio Sorocaba.

    Os depsitos aluvionares recentes, representados por sedimentos essencialmentearenosos, ocorrem nas plancies de inundao do rio Sorocaba e seus principais afluen-tes.

    Os resultados obtidos com o mapeamento geolgico associados queles fornecidospela Geofsica, atravs de sondagens eltricas, mostram que a Formao Itarar apre-senta condies mais favorveis existncia de aqferos a sudeste de Cerquilho, ondeocorre a maior predominncia de sedimentos arenosos.

    ABSTRACT

    This paper is a contribution to the geology of the Cerquilho county (125 km2), stateof So Paulo, Brazil, which is located at the center-east of the state, 160km from thecity of So Paulo.

    The main purpose of this research was to get geologic and lithologic maps of thearea, at a 1:50.000 scale, as a contribution to a better understanding of ground waterdistribution. Water from wells is urgently needed to the municipality supply.

    Late Carboniferous to Permian 550m thick Itarar Formation is the mainstratigraphic unity in extension and in thickness. Less developed are the Permian Tatuand Irati formations. Latest Jurassic to Earliest Cretaceous tholeitic diabase intrusions,as dyke and sills cut these formations. Along some of the river valleys developed nar-row alluvial deposits.

    The main lithologies of the ltarar Formation are diamictites (some true tillites),sandstones and siltstones. They are highly variable in distribution, interfengering eachother vertically and horizontally. Coal seams are distributed mostly in the upper beds ofthis formation.

    * Instituto Geolgico - SMA - Caixa Postal 8772 - 01051 - So Paulo, SP - Brasil.

    17

  • Rev. IG, So Paulo, 7(112): 17-30, jan./dez. 1986

    The 60m thick Tatu Formation resting on the Itarar, is made up ofbrown variegatedsiltstones and some fine sandstones with less developed carbonate levels.. The-30rii ihick Irati FormatioIi stretches at the northwestern limit of the map. It is

    i111adeup of grayish shaIes and slex concretions.r The intrusions are present mainly at the northwest, near the Sorocaba river.

    The recent aIluviaI deposits are essentially sandy developed in flood plains connec-ted with the Sorocaba river drainage system.

    The maps and electric profiJes point to an area southeast of the Cerquilho town asricher in sandy sediments which may favour ground water accumulation.

    1 INTRODUO

    Este trabalho apresenta os resultadosobtidos com o mapeamento geolgicodo municpio de Cerquilho, realizadopelo Instituto Geolgico em face da soli-citao da Prefeitura local. Esta mani-festou a necessidade de reconhecer reasfavorveis perfurao de poos pro-fundos a fim de suprir a carncia de guapara o abastecimento urbano.

    O municpio de CerqulIho situa-se a-cerca de 160km de So Paulo, com-preendendo uma rea de aproximada-mente 125km2 (Fig. 1). Tem como prin-cipal acesso a rodovia Castelo Branco.

    Na regio predoiiiinam os sedimen-tos do Grupo Tubaro (formaes Itara-r e Tatu), ocorrendo secundariamentea Formao Irati, intrusivas bsicas e se-dimentos aluvionares recentes.

    Embora inmeros trabalhos tenhamenfocado a complexidade estratigrficado Grupo Tubaro (SOARES et alii,1977; IPT, 1981; PETRI & FLFARO,1983; entre outros) esta pesquisa no te-ve por objetivo estabelecer uma subdivi-so estratigrfica da unidade, mas elabo-rar os mapas geolgico (Fig. 1) e litolgi-co (Fig. 2) da rea, ambos na escala1:50.000. Neste ltimo procurou-se deli-mitar e caracterizar os litossomas com-ponentes das unidades presentes, almde determinar seu posicionamento estra-tigrfico, com a finalidade de obter in-formaes sobre a geometria dos corposlitolgicos que possam constituir impor-tantes aqferos.

    2 METODOLOGIA

    A pesquisa bibliogrfica concentrou-se nos principais trabalhos referentes aoGrupo Tubaro no Estado de So Pau-lo, bem como naqueles que se referemmais especificamente ao carvo queocorre na rea.

    Utilizando-se fotos areas de escala

    18

    1:25.000 do IBC-GERCA,de 1972,executou-se a fotointerpretao da rea,atravs da qual se obtiveram o traadoda rede de drenagem e os principais ele-mentos estruturais, alm do mapa foto-geolgico preliminar que serviram de ba-se para a etapa de campo.

    No fevantamento geolgico, utili-zaram-se cartas topogrficas do IBGE,editadas em 1970, correspondentess quadrculas de Porto Feliz e LaranjalPaulista. Foram percorridas todas asvias de acesso e alguns trechos das prin-cipais drenagens para descrio de aflo-ramentos e coleta de amostras. Para adeterminao da posio estratigrficadas litologias encontradas construram-se sees colunares e geolgicas. Emreas pobres de afloramentos,realizaram-se sondagens a trado manualpara a identificao do tipo de rocha su-baflorante, com a execuo de anlisesgranulomtricas nas amostras coletadas.

    Aps o levantamento geolgico foiselecionada uma rea a sudeste da cidadede Cerquilho, onde uma equipe do Insti-tuto de Pesquisas Tecnolgicas executouum levantamento geofsico, do qualconstou a realizao de sondagens eltri-cas a fim de se verificar a variao litol-gica da Formao Itarar em subsu-perfcie (IPT, 1986).

    3 GEOLOGIA REGIONAL

    O municpio de Cerquilho situa-se naporo centro-leste da Bacia Sedimentardo Paran, unidade geotectnica preen-chida por sedimentos que datam desde oPaleozico at o Cretceo, alm de in-cluir rochas gneas de carter intrusivo eextrusivo.

    Dentre as unidades geolgicas quecompem a bacia, merecem destaque oGrupo Passa Dois e, principalmente, oTubaro, por constiturem o quadrogeolgico da rea mapeada. Para ambosfoi adotada a subdiviso estratigrfica

  • Rev.lG.SoPaulo. 7(112):17-30.jan./dez. 1986

    Contatogeolgico

    ESTrado

    Junto com mergiJlho

    Limite de municpio

    R ia

    Junto ve,-ticol

    -----

    ff.______ Folho

    220 k m

    +7440,.m

    LEGENDA

    W Quoternr:oQD

    F. [roti

    @]F. Tatu(

    ~

    F. ftorore'

    ~

    o;obsio

    ._~ DiqueAlinhamentoEstrutural

    A-B Seo Geolgico

    lOOOm

    I

    E S C ALA

    OwI

    lOOOmIw

    MAPA GEOLGICO DO MUNiCPIO

    DE CERqUILHO212 km

    -t--7440km

    LOCALIZAO DA REAE $TADO DE SO PAU LO

    FIG.l

    19

  • Rev. IG, So Paulo, 7(112): 17-30, jan.ldez. 1986

    220llm

    +7440km

    MAPA LITOLGICO212 km

    +7440km

    LOCALlZ"l:O DA Rf:ALEGENDAf:STAOO Df sio PAULO NaM 1 1001

    "'"~ " CONT~TO[J OtAMICTITO.... ARENITO

    ~.. GEOLOOICOQ SILTITO t3JDI.ABsIO ~CONTATO

    '" V VUTOL.3rCOU DINDJFERENCIADOLAMITO!. se .L

    ---a fOLHELHO yDIQUE FIG. 2

    -

    20

  • Rev. 10, So Paulo, 7(112): 17-30, jan.ldez. 1986

    utilizada pelo IPT (1981): Grupo Tuba-ro, representado pelas formaes Itara-r/ Aquidauana e Tatu; Grupo PassaDois, composto pelas formaes Irati eCorumbata.

    A Formao Itarar representa-sepor um complexo de litologias que se su-cedem vertical e lateralmente, represen-tadas em ordem de freqncia por areni-tos, siltitos, diamictitos, ritmitos e argili-tos, com ocorrncias locais de carvo ecalcrio em sua poro superior. Essacomplexidade litolgica no permitiuainda a subdiviso estratigrfica da uni-dade, embora vrias tentativas tenhamsido feitas (BARBOSA & ALMEIDA,1949; SOARES et alii, 1977; SAAD,1977; entre outros). Essas tentativassempre encontraram como obstculo ainexistncia de um horizonte ou associa-o litolgica que mantivesse continui-dade lateral de mbito regional.

    Sobreposta Formao Itarar ocor-re a Formao Tatu, constituda predo-minantemente de siltitos. Subordinada-mente ocorrem camadas de arenitos, cal-crios, folhelhos e slex.

    Subdivide-se a Formao Irati emdois membros: Taquaral (inferior) e As-sistncia (superior); 110 primeiro predo-minam argilitos, folhelhos e siltitos decor cinza-clara e escura, podendo conterna base camada de arenito fino a grossoou conglomerado com seixos de slex; oMembro Assistncia constitudo, prin-cipalmente, por calcrios dolomitizadosem alternncia com folhelhos pirobetu-mmosos.

    A Formao Corumbata compreen-de siltitos, argilitos e folhelhos arroxea-dos, sucedidos por uma alternncia delminas siltosas ou argilosas intercaladasa lminas arenosas de coloraes aver-melhadas e arroxeadas.

    4 GEOLOGIA LOCAL

    No municpio de Cerquilho ocorremas formaes Itarar, Tatu e Irati, almde intrusivas bsicas e sedimentos alu-vionares recentes (Fig. 1).

    Dentre os trabalhos prvios realiza-dos na regio destacam-se: SOARES etalii, 1977; IPT, 1984; NAGALLI &CONSONI, 1984; STEVEAUX et alii,1984; FLFARO et alii, 1984; SOUZAF.o, 1986; MANIAKAS, 1986.

    SOARES et alii (op. cit.) subdividi-

    ram a Formao Itarar nas quadrculasde Capivari, Porto Feliz e Laranjal Pau-lista, em membros inferior, mdio e su-perior, sendo que na regio de Cerquilhoocorreria o membro mdio, caracteriza-do por predominncia de siltitos, ritmi-tos e diamictitos.

    Em trabalho de detalhe realizado narea de ocorrncia de carvo (BairroAliana), IPT (1984) apresenta uma co-luna estratigrfica compreendendo, apartir da base, as unidades: FormaoItarar, Formao Tatu, Intrusivas B-sicas e Quaternrio. A ocorrncia de car-vo foi situada estratigraficamente naporo inferior da Formao Tatu.

    NAGALLI & CONSONI (1984) si-tuam estratigraficamente a regio deCerquilho como compreendendo a por-o superior da Formao Itarar e aparte basal da Formao Tatu. Identifi-caram, a partir da interpretao de per-fis de sondagens, 4 unidades compostaspor litofcies interpretadas como de am-bientes deposicionais caractersticos,sendo que as unidades A, B e C represen-tariam o ciclo glacial (Fm. Itarar) e aunidade D, o ps-glacial (Fm. Tatu).Para esses autores, a camada de carvositua-se no topo da Formao Itarar (u-nidade C).

    Para STEVEAUX et alii (1984) oGrupo Tubaro na regio de Cerquilhoseria constitudo de 3 unidades estrati-grficas: formaes Itarar, Rio Bonitoe Tatu, com o carvo situado na Forma-o Rio Bonito. Essa interpretao foiobtida com base em anlises de perfis desondagens, onde ocorreriam ambientesdeltaicos para as formaes Itarar e RioBonito e uma seqncia transgressiva,dominada por plancie de mar e praias,para a Formao Tatu.

    FLF ARO et alii (1984) utilizam adenominao Formao Tiet, de BAR-BOSA & ALMEIDA (1949), como equi-valente Formao Rio Bonito, e a For-mao Tatu como sncrona FormaoPalermo. Para esses autores, a regio deCerquilho situa-se entre dois paleoaltosda Formao Itarar: o de Piracicaba e ode Itapetininga. Nessa rea, que seria de-primida na poca, ocorrem os sedimen-tos arenosos interpretados como fluvio-deltaicos da Formao Tiet, sotopostosa siltitos e arenitos finos da FormaoTatu, que representariam uma fasetransgressiva.

    21

  • Rev. IG, So Paulo, 7(1/2): 17-30, jan.ldez. 1986

    SOUZA F. o (1986) subdivide o Sub-grupo Itarar, na regio de Campinas,em sete unidades litoestratigrficas in-formais: I, lI, III, IV, V, VI e VII. Aunidade VI compreende arenitos finos agrosseiros com marcas onduladas, se-cundariamente contendo diamictitos, la-mitos, calcrios e carvo. Corresponde Formao Rio Bonito de STEVEAUX etalii (1984) e Formao Tiet de FL-FARO et alii (1984). A unidade VI en-cerra o carvo de Cerquilho, estando emcontato transicional com a FormaoTatu.

    MANIAKAS (1986), estudando a re-gio do baixo Rio Capivari, subdivide oSubgrupo Itarar em trs unidades ma-peveis: inferior, mdio e superior. Aunidade inferior constituda por arenitosgrosseiros, freqentemente conglomer-ticos, associados a ritmitos, sugere depo-sio em ambiente marinho de guas re-lativamente profundas com influnciaglacial. A unidade mdia compreendearenitos muito finos, argilosos, interca-lados em siltitos e lamitos, e diamictitosde matriz lamtica, indicativos de am-biente marinho de guas rasas a litor-neo com influncia glacial. A unidadesuperior formada por arenitos, predo-minantemente grosseiros porm varian-do de finos a conglomerticos, diamicti-tos sltico-arenosos e siltitos arcosianos.Seu ambiente de deposio foi interpre-tado como sendo fluvioglacial emplancie litornea.

    4.1 Formao Itarar

    Litologicamente constitui-se de are-nitos, siltitos, diamictitos, lamitos e rit-mitos de coloraes creme-amareladas,avermelhadas e acinzentadas (Figs. 2 e3). Subordinadamente ocorrem camadasde carvo e nveis carbonticos em suaporo superior. A espessura local destaformao, em superfcie, atinge cerca de100m no vale do crrego Galo de Ouro;em subsuperfcie tem mais de 330m, con-forme dados de sondagens.

    Os diamictitos afloram na rea ma-peada (Figs. 2 e 3), ocupando cotas quevariam desde 515m at 600m. Situam-seem vrios nveis estratigrficos dentro daFormao Itarar (Fig. 5) at o topo damesma, como ocorre a oeste de Cerqui-lho, onde esto sobrepostos pela Forma-o Tatu (Fig. 4 d). Tm cores creme-

    22

    amareladas e cinzentas (pontos 11, 73,da Fig. 3). Sua matriz predominante-mente sltico-arenosa a arenosa, sendoem geral mal selecionada.

    A frao pseftica dos diamictitos va-ria desde grnulo at mataco, predomi-nando grnulos e seixos. No km 98 darodovia SP-127 (Cerquilho-RodoviaCastelo Branco), ponto 11 (Fig. 3), foiencontrado um mataco de granito comcerca de 1m de dimetro, o que talvezcomprove tratar-se de um verdadeiro ti-lito. Litologicamente os psefitos so dequartzito, arenito, granito e siltito, cons-tituindo uma porcentagem varivel darocha, estando ora mais concentrados,ora mais dispersos. Em geral, so arre-dondados a subarredondadas, podendoapresentar-se tambm em formas faceta-das e com estrias glaciais produzidas pe-lo movimento de geleiras (ponto 11).

    A espessura dos diamictitos vari-vel, desde poucos metros at pelo menosuma dezena de metros, sendo difcil asua constatao devido descontinuida-de dos seus afloramentos. No rodoviaSP-127 (ponto 11) tm cerca de 12m(Fig. 4 b). Em subsuperfcie foram veri-ficadas as espessuras de 40m no poo 2 e50m no poo 3 (Fig. 5), a partir das cotas455m e 41Om, respectivamente. Essespoos esto distantes entre si cerca de2.750m (Fig. 3).

    Os diamictitos apresentam estruturamacia, embora em alguns locais, comono ponto 73, o diaclasamento que afetouo sedimento pode dar idia de estratifi-cao. Nesse ponto, no leito do crregoTaquaral, ocorre um nvel carbontico,de forma lenticular, com espessura deat 30cm. Concrees carbonticasencontram-se no ponto 11, com formasesferoidais, cujo dimetro atinge at30cm; veios de calcita com cristais bemdesenvolvidos ocorrem preenchendo fra-turas, sugerindo uma origem epigenticapara as concrees, por precipitao deuma substncia mineral ao redor de umncleo. Corpos de diamictitos na formade cunhas ocorrem como depsitos depreenchimento de fendas, verificando-setambm um corpo de arenito em formade cunha, apresentando estratificaocruzada, interpretado como sendo depo-sitado por guas de degelo.

    Os arenitos afloram predominante-mente na poro centro-sul da rea, co-mo no crrego dos Tavares, crrego

  • Rev.IG, So Paulo, 7(112):17-30, jan./dez. 1986

    MAPA DE LOCALIZAO DE AFLORAMENTOS E POOS PROFUNDOS

    22.0K",

    -+ "'0"

    77oD

    .43A,L

    Na

    '.45 D,U.i/I

    84AI

    42A,S

    44L

    r

    '-._. ~._'''.II)

    (

    \)

    ./.I

    (

    LEGENDA

    12 AFLORAMENTO:

    A A (arenitol

    L (Iomito)S (siltitol \diamictitolF (folhelho)C (carvo)v (dobsio)

    -- RODOVIA PRrNClPAL

    - - - RODOVIA SECUNDRIA

    ~R10

    ESCALA

    1000I

    lOOO mI

    _._. LIMITE DE r.'UNICPlQFIG. 3

    23

  • 440

    480

    560

    520pci

    PCi

    SEO GEOLGICA

    a+ I F

    480

    440

    SEES COLUNARES

    ':tN

    .....

    ::{;'::.

    9

    FIG,4

    PIo 68

    6

    8

    o

    4> Fssil Vegetal

    F,ITARAR 4I

    J

    r /F,ITARARE

    j

    PIo 13

    f

    :w'::::::

    ~1.. ":",~

    2 \..\.~'ii:':: ;>o m ..;'-=:' '?:'~

    e LITOLOGIAo o o

    Conglomeradoo o oc C o o

    Diamictito

    :::::~::.:;Arenito.0,'::;.:.Siltito

    LamitoRitmitoCalcrioCarvoFolhelhoV

    VIDiabsio

    Pio 42

    o oo o

    Pio 73

    Estrat,Gradativa

    Estrutura Macio

    Acamamento Paralelo

    d

    ,~~~"l,I~t~':'I~::';':-.000o oo o

    o o F,'TrAR

    \. \.\.1 Estrat. Cruzado

    @ I Concreo

    ;::1 Dobro;:::] Marco de Onda

    ESTRUTURASb

    ESTRATIGRAFIAo Fm,lrati~ Fm,Tatu

    ~ Fm,l1'arar8 Intrusivas Bsicas

    Pto 11 Pio 80

    ESTR.L1TOL. 18, .' 10 _':':,'./ 16

    " , 16','

    814

    :.':.

  • -----------------------

    v v

    ;>;Jrb~

    SW

    I{/J

    lll'PO02 OO550m"III,0 '"",0 De ~20-100 eo .....~

    ....,

    w.0e 'j;;'::>.....O-(1)~::00O'>

    30mLEscara

    20

    10

    O 100 200 300m

    rocol oiamictito~

    rvvl Oiobsio~

    I!!!IRitmito

    1:";:::.1 Arenito..

    I~ ~ ISiltito

    LEGENDA

    __ -------.19.170

    UNIDADE C

    UNIDADE O

    UNIDADE B

    UNIDADE A

    CORRELAO ESTRATIGRFICA (F. ITARAR)

    C:J0,O

    0~ __ 555m

    e e20

    NE PO03

    NVI

    FIG.5

  • Rev. IG, So Paulo, 7(112): 17-30, jan.ldez. 1986

    Fundo e crrego Sete Ranchos; em me-nor escala ocorrem junto ao vale do cr-rego Galo de Ouro e nas cabeceiras docrrego da Figueira Velha (Figs. 2 e 3).Apresentam cores rosadas, amareladas eesbranquiadas e sua distribuio granu-lomtrica varia desde arenitos muito fi-nos at conglomerticos, com pre-domnio dos arenitos finos, pouco amuito argilosos. So bem selecionadosna sua frao areia, cujos gros dequartzo mostram-se bem arredondados.

    No ponto 13 ocorrem arenitos m-dios a grosseiros, com pouca matriz,apresentando estratificaes cruzadastangenciais e gradativas (Fig. 4 O; essesarenitos apresentam espessuras de at14m, sendo considerados como depsi-tos de canais distributrios por STE-VEAUX et alii (1984). Estudos paleon-tolgicos realizados nesse local por MIL-LAN et alii (1982) mostram a ocorrnciade moldes de caules fossilizados no are-nito, datados como Permiano por estesautores.

    Arenitos conglomerticos ocorremno ponto 71. So rseo-esbranquiados,bastante imaturos, com intercalaes dearenitos muito finos de cor creme, espes-sura de 5m, sobrepostos discordante-mente a arenitos finos de cores averme-lhadas, macios, com intercalao denvel carbonoso cuja espessura atinge5cm. Segundo NAGALLI & CONSONI(1984) essa seqncia representa sedi-mentos depositados 'em baa interdistri-butria interceptados por canal fluvialque retrabalhou material de origem gla-cial. .

    A distribuio dos arenitos se d emvrios nveis da Formao Itarar, ocu-pando, em superfcie, cotas que variamde 530m a 600m. Os corpos de arenitos,de granulao fina a muito fina, dificil-mente ultrapassam 30m de espessura.

    A localizao e dimensionamentodos litossomas arenosos de grande im-portncia para a avaliao do potencialhdrico da rea, por apresentar a nicalitologia capaz de constituir um aqferocom perspectivas favorveis quanto captao de gua subterrnea.

    Foram consideradas como lamitos asrochas que apresentam matriz sltica ousltico-argilosa, com gros de quartzodispersos na mesma, sem predomnio deuma classe granulomtrica representati-va. Esses gros de quartzo so, em geral,26

    mal selecionados e arredondados a su-barredondados.

    Os lamitos tm cores creme-amareladas e avermelhadas; so maciose ql;ando diaclasados apresentam desa-gregao em pastilhas. Ocorrem princi-palmente na poro centro-sul e oeste-sudoeste da rea (Fig. 2), com espessurasno superiores a 30m.

    Os siltitos ocorrem em pequena esca-la no vale do crrego Galo de Ouro, stioItapema e 1;10S extremos sul e sudeste darea (Figs. 2 e 3). Apresentam coresamareladas e acinzentadas, sendo maci-os ou com acamamento plano paralelo,como no ponto 11 (Fig. 4 b).

    Na localidade de Itapema (ponto 80- figo 3) ocorre uma camada de siltitocreme-acinzentado, contendo um jazigofossilfero representado por moldes defolhas (MILLAN & DOLIANITI, 1981),macio ou estratificado, com intercala-o de arenito conglomertico na poroinferior; subjacente ao siltito ocorre umacamada de carvo com espessura de at80cm (Fig. 4 c).

    No ponto 42 tem-se siltito de cormarrom-clara, com estratificao planoparalela, que apresenta nveis de carvode espessuras at decimtricas. Tanto osiltito como o arenito superposto acham-se intensamente perturbados, constituin-do dobras atectnicas sinclinais, anticli-nais e at dobras deitadas. Sobrejacenteocorre diamictito de matriz sltico-arenosa, cor creme, contendo at 1 ma-taco de granito com 2m de dimetro. Ainterpretao ambiental desse local mos-tra o avano de um lobo glacial sobreuma plancie deltaica, representada pe-los sedimentos carbonosos, segundoNAGALLI & CONSONI (1984). A Fi-gura 4e, mostra o esquema desse aflora-mento.

    A espessura mxima dos litossomasslticos, considerando-os individuahnen-te, no ultrapassa 20m em superfcie; emsondagens foram registradas espessurasde at 60m.

    Ritmitos foram constatados apenasno ponto 68, constituindo uma camadacom aproximadamente 2m de espessura,composta por lminas de siltito esver-deado alternadas com lminas menoresde argilito marrom (Fig. 4 g). Estratigra-ficamente situam-se cerca de 5m acimada camada de carvo e do jazigo fos-silfero do Stio Itapema, na cota de570m, ocupando, portanto, a poro su-'

  • Rev. IG, So Paulo, 7{1/2): 17-30, jan./dez. 1986

    perior da Formao Itarar. Em subsu-perfcie ocorrem ritmitos em vriosnveis estratigrficos da formao, sen-do que o mais alto verificou-se na cotade 510m (poo 3, Fig. 5) e o mais baixona cota de 358m no mesmo poo; apre-sentam cores acinzentadas, espessurasraramente atingindo 20m, contendo pis-tas de organismos vermiformes.

    4.2 Formao Tatu

    Ocorre nos arredores de Cerquilho,estendendo-se para oeste e noroeste des-ta cidade, com espessura mxima emtorno de 60m.

    Constitui-se essencialmente por silti-tos de cores amarladas, esverdeadas emarrons, com acamamento plano para-lelo e tambm marcas de ondas; subordi-nadamente ocorrem arenitos finos amuito finos rseo-esverdeados, com es-tratificaes cruzadas ou macios e len-tes calcrias com espessuras de at 0,5m(ponto 3).

    A melhor exposio da FormaoTatu verifica-se prximo ao ponto 73,na estrada ao lado da margem esquerdado crrego Taquaral. Acima de um con-glomerado interpretado como basal daFormao Tatu, composto por seixos dequartzito e arenito, ocorrem as seguinteslitologias dessa Formao: arenito fino amdio; siltito creme-amarelado, comacamamento plano paralelo e marcasonduladas; seguem-se arenitos finos,rseo-esverdeados com estratificaescruzadas, sobrepostos por siltito mar-

    ~rom, mostrando acamamento plano pa-ralelo, com intercalao de camada car-bontica (Fig. 4 d). O contato basal,com os diamictitos da Formao Itarar,no pode ser observado diretamente nocampo por estar recoberto por materialdecomposto de reduzida extenso laterale pequena espessura. De qualquer modoficou evidenciado que a deposio daFormao Itarar, pelo menos na reaestudada, terminou com os diamictitos,os quais serviram de referncia para otraado do contato entre as duas forma-es.

    Uma ocorrncia isolada de carvo,na cabeceira de um afluente da margemesquerda do crrego Taquaral, foi consi-derada pelo IPT (1984) como pertencen-te Formao Tatu. Nc;ste trabalhosituou-se estratigraficamente o carvo

    na Formao Itarar, visto que outraocorrncia carbonosa localizada em Ita-pema- ocorre intercalada entre siltitos earenitos, sobrepostos por ritmitos, atri-budos ao Itarar.

    4.3. Formao Irati

    Esta unidade geolgica restringe-seao extremo noroeste da rea, nas proxi-midades do Rio Sorocaba. Compe-sede folhelhos acinzentados e ndulos deslex (pontos 30 e 31). Sua espessura,considerando-se o solo sobrejacente, de no mximo 30m e o contato com aFormao Tatu se faz por brusca mu-dana litolgica, estando esta formaorepresentada por siltitos arenosos creme-amarelados.

    A alterao das rochas da FormaoIrati produz solo marrom-avermelhado,argiloso, idntico ao regolito dos diab-sios, do qual difere pela ausncia demagnetita.

    4.4 Intrusivas Bsicas

    Distribuem-se principalmente naporo noroeste da rea, onde ocorremsob a forma de sills de diabsio intrusi-vos nas formaes Tatu e Itarar (Fig. 4a), com espessura aflorante de at 60m.Intruso menor localiza-se a NNE deCerquilho, constituindo um dique comcerca de 2km de extenso e 150m de lar-gura. O poo 7, com 186m de profundi-dade, situado a 500m a SW da intruso,no atingiu diabsio.

    O contato do diabsio com as rochassedimentares traado de maneira apro-ximada. O regoli to marrom-avermelhado das intrusivas bsicas passaa ter tonalidades cada vez mais claras emdireo aos sedimentos, alm de dimi-nuir o seu contedo em magnetita, exis-tindo, assim, uma faixa de transioapresentando mistura entre os regolitosdas unidades. contguas. A presena dematerial coluvionar, situado principal-mente meia encosta, tambm contribuipara dificultar a delimitao desse con-tato.

    Em subsuperfcie constatou-se diab-sio nos poos 13 e 14 nas profundidadesde 250m (cota 295m) e 215m (cota380m), com espessuras respectivamentede 40m e 35m. No poo 11, situado a les-te de Cerquilho, ocorrem dois corpos de

    27

  • Rev. IG, So Paulo, 7(112): 17-30, jan./dez. 1986

    diabsio com fraturas preenchidas porcalcita; situam-se nas profundidades de10m (cota 510m) e 100m (cota 420m),com espessuras de 1mel Om.

    4.5 Depsitos Cenozicos

    Na rea mapeada ocorrem depsitoscenozicos antigos (Tercirio/Quatern-rio) e recentes (Quaternrio).

    Os sedimentos cenozicos mais anti-gos so pouco expressivos, no tendo si-do, por essa razo, representados no ma-pa geolgico. Constituem depsitos are-nosos com espessuras de at 3m, apre-sentando na base uma linha de seixos dequartzito, quartzo e fragmentos de limo-nita (pontos 33, 56, 67, 71, 83). Situam-se a sudeste de Cerquilho recobrindo es-piges, com altitudes em torno de 600m.

    Os depsitos ,quaternrios so repre-sentativos, principalmente ao longo doRio Sorocaba, no trecho compreendidoentre o Crrego Sete' Ranchos (afluenteda margem direita) e o Ribeiro da Ona(afluente da margem esquerda). So es-sencialmente arenosos, podendo contercascalheira basal com at 2m de espessu-ra, composta por seixos de slex e quart-zito '(ponto 72). Essa sedimentao foiprovocada pelo represamento das guasdo Rio Sorocaba na altura da Usina San-ta Maria, onde a intruso de diabsioserviu de soleira, com deposio a mon-tante. Os depsitos da margem direitaso mais extensos que os da margem es-querda.

    5 GEOLOGIA ESTRUTURAL

    Os elementos estruturais que ocor-rem na rea estudada so fotolineamen-tos, juntas e falhas.

    Atravs da fotointerpretaoidentificaram-se os lineamentos repre-sentados por trechos retilneos na redede drenagem com persistncia de pelomenos 500m (Fig. 1). Sua direo prefe-rencial NW, coincidindo, portanto,com

  • Rev. IG, So Paulo, 7(12): 17-30, jan.ldez. 1986

    rior da seo estratigrfica, compreenderitmitos e siltitos de cores acinzentadascontendo rastros de artrpodes (poo 4);reflete uma sedimentao predominante-mente lacustre, com paleolagos alimen-tados por gua de degelo.

    A unidade B compreende diamictitosgeralmente macios, cinzentos, matrizsltico-arenosa, com seixos at decimtri-cos de litologias variadas; subordinada-mente ocorrem pequenas intercalaesde arenitos. Sua espessura chega a 55m(poo 3) e a litologia sugere gua de de-gelo nos processos de deposio dos se-dimentos.

    A unidade C est representada porritmitos e siltitos acinzentados, com in-tercalaes de arenitos finos a grossosexibindo estratificao cruzada ou maci-a. A espessura chega a 90m (poo 3).Constitui depsitos de ambientes lacus-tre e fluvial formados, provavelmente,por gua de degelo em plancies de lava~gemo

    A unidade D representa a sedimenta-o final da Formao Itarar, estandocomposta por diamictitos macios, acin-zentados e creme-amarelados, de matrizsltico-arenosa, com seixos de dimetro elitologias variadas, tendo sido encontra-do no ponto 11 um bloco de granito de1m de dimetro; camadas de arenitoscom pequenas espessuras ocorrem inter-caladas, principalmente na base. Estaunidade foi observada em superfcie nospontos 11, 53 e 73, entre outros, sendoque no ponto 73 ocorre no contato coma Formao Tatu. Com base na cotadesses pontos obteve-se uma direo N34 E e mergulho 0,50 NW para as ca-madas. Ambiente glacial teria influen-ciado na deposio dos sedimentos destaunidade.

    7 SEDIMENTOLOGIA

    Foram executadas anlises granulo-mtricas em 55 amostras da FormaoItarar atravs de pipetagem e peneira-mento pelos mtodos convencionais(SUGUIO 1973).

    Desse total foram selecionadas 23amostras de sedimentos arenosos commais de 50070 de areia, para caracteriza-o da textura, uma vez que a distribui-o granulomtrica tem influncia nocomportamento hidrogeolgico desses

    arenitos, principais rochas fornecedorasde gua.

    As amostras analisadas apresentamuma distribuio total mdia de 62% deareia, 19% de silte e 19% de argila.

    Os parmetros granulomtricos dadistribuio-areia forneceram os seguin-tes resultados:

    - O dimetro mdio varia de areiafina a areia muito fina com predominn-cia do primeiro intervalo.

    - O grau de seleo situou-se entremoderadamente selecionado a bem sele-cionado.

    - O grau de assimetria apresentougrande variao, desde positiva at mui-to negativa, evidenciando tendncia orapara fraes finas ora para fraes gros-sas.

    - A curtose, em sua maioria,apresentou-se mesocrtica com curvasde distribuio unimodais, mostrandoque no ocorre predominncia de duasfraes distintas (uma mais grossa ouuma mais fina) na distribuio areia.

    Os arenitos no constituem bonsaqferos devido s seguintes carac-tersticas: altos teores de finos (silte +argila), predominncia da frao areiafina a muito fina e ocorrncia em peque-nas espessuras, verificadas no campo.

    8 RESUL TADOS OBTIDOSE CONCLUSES

    1 - Os diamictitos ocorrem distri-budos por toda a rea, ocupando cotasque variam de 515m a 600m, situando-seem vrios nveis estratigrficos dentro daFm. Itarar; em subsuperfcie, podem-sedestacar 2 corpos de diamictitos.

    2 - Arenitos pertencentes Fm.Itarar afloram, principalmente, na por-o centro-sul da rea. Granulometrica-mente variam desde finos a conglomer-ticos, com predomnio dos finos. Ocor-rem com espessuras de at 30m. A Fm.Tatu contm intercalaes de arenitosfinos a muito finos, com espessuras deat 2m.

    3 - As anlises granulomtricasdos arenitos amostrados (exceto os con-glomerticos que so pouco representati-vos na rea) apresentaram, em mdia,62070 de areia, 19% de silte e 19% de ar-gila; dimetro mdio correspondendo areia fina; seleo moderada a boa; graude assimetria muito varivel; quanto

    29

  • Rev. IG, So Paulo, 7(112): 17-30, jan.ldez. 1986

    curtose, a maioria das amostrasapresentou-se mesocrtica, com distri-buio unimodal.

    4 - Lamitos ocorrem na FormaoItarar principalmente na poro centro-sul e oeste-sudoeste da rea, com espes-suras no superiores a 30m.

    5 - Siltitos ocorrem nas FormaesTatu e Itarar. No Itarar afIoram, empequena escala, no vale do crrego Galode Ouro, Stio ltapema e nos extremossul e sudeste da rea, com espessura deat 20m. Os siltitos da Formao Tatuocorrem a oeste-noroeste de Cerquilho,apresentando colorao avermelhada eesverdeada, com intercalaes arenosase carbonticas.

    6 - Ritmitos da Formao Itararforam constatados apenas no ponto 68constituindo uma camada de 2m es-

    pessura. Em subsuperfcie ocorrem emvrios nveis estratigrficos da formaocom espessuras raramente atingindo20m.

    '7 - Sedimentos das formaes Ta-tu e Irati e rochas bsicas ocupam o se-tor noroeste da rea e constituem rochasde baixa permeabilidade, de interesse se-cundrio para pesquisa de gua subter-rnea.

    8 - O mapeamento geolgico e assondagens eltricas OPT, 1986) indica-ram a existncia de maior espessura desedimentos arenosos (cerca de 200m) naFormao Itarar, a sudeste de Cerqui-lho, a uma profundidade mdia de250m. Com base nesse resultado,concluiu-se que esta rea a que apre-senta condies mais favorveis ao ac-mulo de gua subterrnea.

    9 REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS

    BARBOSA, O. & ALMEDA, F. F. M. de 1949.A srie Tubaro na Bacia do Rio Tiet, Esta-:do de So Paulo. Rio de Janeiro,DNPM/DGM. 16 p. (Notas Preliminares eEstudos, 48).

    FLFARO, V. J.; STEVAUX, J. c.; SOUZAFILHO, E. E.; BARCELOS, J. H. 1984 AFormao Tatu (P) no Estado de So Paulo.In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEO-LOGIA, 33. o, Rio de Janeiro, 1984. Anais.Rio de Janeiro, SBG. v. 2, p. 711-724.

    IPT - INSTITUTO DE PESQUISAS TECNO-LGICAS DO ESTADO DE SO PAULO.1986 Levantamentos geofsicos aplicados hidrogeologia na cidade de Cerquilho, SoPaulo. (Relatrio IPT, 23.704).

    1981 Mapa geolgico do Estado deSo Paulo. So Paulo, v. 1. 126 p.

    ---- 1984 Mapeamento geolgico e estru-tural de detalhe na rea denominada mina decarvo em Cerquilho, SP - I fase. (Relat-rio IPT, 19.710).

    MANIAKAS, S. 1986 Estudos geofsicos integra-dos geologia da Bacia Hidrogrfica do Bai-xo Capivari, SP. (Subgrupo Itarar e intrusi-vas associadas). So Paulo, IG/USP. 180 p.(Tese de Doutoramento).

    MILLAN, J. H. & DOLIANITI, E. 1981 Cordai-tales do Eogondwana de Cerquilho, SoPaulo (Bacia do Paran). Anais da Acade-mia Brasileira de Cincias, Rio de Janeiro, S3(4):807-815.

    ----; ANDRADE, A. B.1982 Uma nova tafoflrula no Eogondwana

    30

    de Cerquilho, Subgrupo Itarar de So Pau-lo. Anais da Academia Brasileira de Cin-cias, Rio de Janeiro, S4 (2): 419-428.

    NAGALLI, J. T. & CONSONI, J. 0.1984 Com-portamento faciolgico do intervalo que en-cerra as camadas de carvo, na regio deCerquilho, SP. In: CONGRESSO BRASI-LEIRO DE GEOLOGIA, 33. o, Rio de Janei-ro, 1984. Anais. Rio de Janeiro, SBG. v. 2 p.974-982.

    PETRI, S. & FLFARO, V. J. 1983 Geologia doBrasil. So Paulo, T. A. Queiroz, EDUSP.631p.

    SAAD, A. R. 1977 Estratigrafia do Subgrupo Ita-rar no Centro e Sul do Estado de So Paulo.So Paulo, IG/USP. I07p. (Dissertao deMestrado).

    SOARES, P. C.; LANOIM, P. M. B.; SINELLI,O.; WERNICK, E.: FU-TAI, W.; FlORI, A.P. 1977 Associaes litolgicas do SubgrupoItarar e sua interpretao ambienta!. Revis-ta Brasileira de Geocincias, So Paulo,7(2):131-149.

    SOUZA FILHO, E. E. 1986 Mapeamento facio-lgico do Subgrupo Itarar na quadrcula deCampinas (SP). So Paulo, IG/USP. 121p.(Dissertao de Mestrado).

    STEVEAUX, J. c.; SOUZA FILHO, E. E.; BA-TISTA, J. J.; PERIMOTTO, J. A. J.; LAN-OIM, P. M. B.; FU-TAI, W. 1984 Projetocarvo de Cerquilho. Rio Claro, Instituto deGeocincias e Cincias Exatas/UNESP. v.I

    SUGUIO, K. 1973 Introduo sedimentologia.So Paulo, Edgard Blucher, EDUSP. 317p.