Res - Estruturas de Concreto Armado

  • Published on
    29-Jan-2016

  • View
    10

  • Download
    0

DESCRIPTION

estruturas de concreto - tecnologia das construes.

Transcript

  • Estruturas de Concreto Armado

    CONCRETO = cimento + agregado mido + agregado grado + gua (contato ntimo

    entre componentes)

    Escolha = requisitos de durabilidade, resistncia mecnica, exigncias tcnicas

    peculiares de cada obra (ex.: velocidade de endurecimento, calor de hidratao,

    retrao, etc.)

    CIMENTO

    ESPECIFICAO DE COMPRA

    Controles no recebimento do cimento em obra

    Fornecedor

    Tipo de cimento (CP I, CP I-S, CP II-E, CP II Z, CP II-F, CPIII, CPIV ou CPV);

    Quantidade (nmero de sacos de 25 Kg ou 50 Kg);

    Classe (cimento Votoran CPII Z-32, Cimbage CP IV classe 32).

    Quantidade

  • No serve para concreto estrutural Observar: grau de umidade dos sacos; integridade dos sacos; grau de hidratao do cimento (grumos desagregveis com os dedos

    Verificar se as especificaes do produto esto de acordo com o pedido e a nota fiscal;

    Verificar se todos os sacos contm registros de marca, nome do fabricante, prazo de validade, tipo e classe do cimento de acordo com o projeto, massa lquida do saco e selo de conformidade da ABCP.

    Variao de peso dos sacos de cimento ABNT

    Sacos que apresentem variao superior a 2% para mais ou para menos dos 50kg devem ser rejeitados.

    Se a massa mdia dos sacos, em qualquer lote, obtida pela pesagem de 30 unidades, tomadas ao acaso for menor que 50kg, todo o lote deve ser rejeitado.

    Armazenagem do cimento na obra

    Locais afastados de umidade, para evitar a hidratao do cimento

    O armazenamento deve ser efetuado em local coberto e arejado, protegido de

    intempries, a 10 cm da parede;

    Consumo na ordem cronolgica de recebimento (identificao dos lotes). A utilizao do material deve respeitar a ordenao PEPS

    As pilhas no devem exceder 10 unidades.

    Recomenda-se que o armazenamento no seja efetuado em contato direto com o solo. De preferncia sobre estrados de madeira afastados 30cm do solo.

    Armazenagem < 3 meses

    Separar cimentos diferentes (marca, tipo, classe)

    Verificao peridica do depsito

    Regies quentes: no usar lona preta

    Agregados

    Agregado grado: pedregulhos ou britas, cujos gros passam por uma peneira de malha quadrada com abertura nominal de 152mm e ficam retidos na peneira ABNT 4,8mm (NBR 7211/83).

  • Agregado mido: areias naturais ou resultantes de britagem, cujos gros passam pela peneira ABNT 4,8mm e ficam retidos na peneiraABNT 0,075mm (NBR 7211/83)

    Britagem, cujos gros passam pela peneira ABNT 4,8mm e ficam retidos na peneiraABNT 0,075mm (NBR 7211/83)

    Exigncias para agregados midos

    Excesso de finos: demanda muita gua para mesma trabalhabilidade < resistncia;

    Falta de finos: durabilidade

    Mistura spera, sujeita segregao.

    Pode ocorrer fuga de nata de cimento.

    Trabalhabilidade ruim.

    Excesso de materiais carbonosos (ex.: carvo): comprometem a resistncia e a durabilidade, expandem, provocando deteriorao.

    Causam manchas localizadas.

    Excesso de torres de argila e materiais friveis: comprometem a resistncia do concreto pois demandam muita gua para mesma trabalhabilidade.

    Excesso de material pulverulento: (< 0,075mm) - argila, silte, p de pedra.

    Demandam muita gua (consumo de cimento para mesmo fator a/c)

    Formam uma pelcula sobre os agregados grados, prejudicando a aderncia pasta/agregado.

    Excesso de impurezas orgnicas: (hmus, argila orgnica): afetam as reaes de hidratao do cimento (tempo de pega e endurecimento).

    Afetam a resistncia.

    Recebimento dos agregados em obra

    Documento comprobatrio do atendimento s especificaes da norma (perodo de produo do agregado recebido)

    Guia de remessa: nome do produtor, provenincia do material, identificao da qualificao granulomtrica de acordo com a norma, massa ou volume aparente do material, data de recolhimento da amostra.

    Cubagem do carregamento antes da descarga (verificao da nota de remessa)

  • Todos esses cuidados so necessrios porque a homogeneidade do concreto depende fundamentalmente das caractersticas dos materiais envolvidos e das quantidades dos mesmos na mistura.

    OBSERVAO VISUAL

    Pouca preciso.

    Comparao com amostra representativa padro.

    Variaes granulomtricas, propores elevadas de torres de argila, carvo, hmus, argila orgnica, material pulverulento.

    Dvida: REJEIO ou ENSAIOS DE VERIFICAO

    Armazenagem dos agregados em obra

    EVITAR: Mistura entre agregados diferentes (armazenagem em compartimentos separados por tapumes, com lugar para descarga do caminho)

    Contaminao com terra, argila, folhas, gravetos, poeira, resduos animais, leos, graxas, etc.

    Segregao - perda de homogeneidade da granulometria.

    Elevao da temperatura - variao no teor de umidade (caimento do assoalho do depsito ou desprezar os 15cm de fundo do depsito para evitar a contaminao do solo.)

    RECOMENDAES:

    Depsito em compartimentos ou em pilhas afastadas

    H descarga > usar CALHAS3 metros

    Drenagem do fundo do depsito (caimento do piso)

    Pilhas altas induzem a: (1) gradiente de umidade (2) segregao 1,5m h mxima

    das pilhas

    Evitar incidncia direta de sol pois afeta a trabalhabilidade. Se for impossvel, a pilha deve ser umedecida.

    gua de amassamento

    Efeitos de guas inadequadas: alteraes nos tempos de incio e fim de pega, reduo de resistncia mecnica, corroso de armaduras, eflorescncias, prejuzo durabilidade.

  • gua potvel: adequada

    Recobrimento de pasta de cimento sobre as partculas dos agregadoscontato ntimo entre os materiais.

    uma operao fundamental homogeneidade da mistura.

    CONCRETO

    O tempo mximo entre o final da mistura e o inicio da concretagem de 2 1/2 horas; perodo em que deve ficar sob agitao para evitar enrijecimento e segregao.

    Caminhos lisos, em caso de desnveis: rampas para carrinhos.

    Rodas de borracha em carrinhos e giricas.

    Evitar trnsito de operrios e equipamentos diretamente sobre a armadura (plataformas mveis apoiadas nas frmas por meio de calos).

    Remistura de concretos fluidos transportados por carrinhos ou giricas.

    Utilizao de equipamentos limpos internamente.

    Lanamento

    Verificao das frmas e armaduras

    Tmax=1hora antes do incio da pega do cimento

    Evitar: segregao, perda excessiva de argamassa, formao de bolhas de ar

  • comprimento da agulha do vibrador no caso de adensamento mecnico: lanamento em camadas sucessivas de 35 a 50cm

    20cm adensamento manual (apiloamento): camadas sucessivas

    ELEMENTOS VERTICAIS:

    h > 2 m queda livre (SEGREGAO)

    h > 2m CACHIMBOS

    Perda de argamassa na base escorrimento pela lateral da frma (TREMONHA ou FUNIL)

    Camada de argamassa com altura de 3cm em pilares e paredes

    Fechamento da base da frma (estanqueidade).

    Concreto bombeado: mangueira na base do elemento com elevao gradual.

    ELEMENTOS HORIZONTAIS :

    Evitar acmulo de concreto em pontos aleatrios (segregao e perda de argamassa, deformao das frmas, prejuzo trabalhabilidade).

    Espalhamento do concreto nas frmas (aprisionamento de ar).

    Evitar transportar o concreto com o vibrador (exsudao excessiva).

    Adensamento

    Adensamento Manual

    Apiloamento com barra metlica fina ou com soquetes de madeira.

    Percusso das frmas com martelo.

    Espessura da camada lanada < 20cm

    Peas de pequena importncia, pequena espessura e pouca armadura.

    Adensamento Mecnico

    Vibrao interna (vibradores de imerso) e externa.

    Vibradores de imerso (agulha), rgua vibratria, mesa vibratria, vibrador de frmas.

  • Vibrador de Imerso:

    Cuidados

    Camada de concreto lanada = do comprimento da agulha do vibrador (35 a 50cm).

    Posio do vibrador: vertical ou levemente inclinada (limite mximo: 45).

    Exceo: lajes (inclinado ou na horizontal).

    Penetrao de 2 a 5cm na camada inferior.

    Penetrao pelo peso prprio.

    Remoo lenta e com vibrador LIGADO.

    Brilho na superfcie interrompe quando inicia a EXSUDAO tempo de vibrao em cada ponto: 5 a 15 segundos.

    SEGREGAO tempo excessivo

    No vibrar a armadura.

    Evitar deslocamento horizontal do vibrador.

    Evitar a penetrao do mangote flexvel no concreto.

    Distncia entre os pontos de insero do vibrador.

    Cura do Concreto

    Manuteno da gua para hidratao do cimento.

  • Proteo do concreto contra: mudanas bruscas de temperatura, secagem rpida, exposio direta ao sol, chuvas fortes, agentes qumicos, choques e vibraes.

    Procedimentos: lmina de gua (e = 3 a 5cm. Verificar sempre.), camada de areia saturada (e = 2 a 3cm. Problema: transporte), camada de serragem saturada (problema: vento), sacos de pano preenchidos com material mido, sacos de pano midos, asperso com gua (no bom), membrana de cura.

    Execuo de frmas - Pilares

    1) Cortar e estruturar painis conforme projeto. Deixando uma folga de 5 a 10 cm de folga para ajuste da montagem. Identificar painis conforme projeto;

    2) Os eixos principais do edifcio devem ser transferidos para a laje em execuo. Havendo interferncia (pilares, poo do elevador, etc) que impossibilitem a locao dos gabaritos pelos eixos principais, deve-se adotar eixos secundrios para realizao da tarefa.

    3) O nvel de referncia deve ser transferido para a laje em execuo, com um ponto localizado no centro de pavimento, em geral prximo caixa de escada ou poo do elevador. No caso da primeira laje, o nvel deve ser transferido a partir do RN da obra;

    4) Verificar o esquadro da laje atravs de medidas diagonais.

    5) Levar materiais e equipamentos necessrios para a montagem das frmas;

    6) Passar desmoldante nas partes internas das frmas;

    7) Colocao do feitil dos pra-raios (quando houver);

    8) Colocao da armadura;

    9) Colocao dos espaadores;

    10) Conferir armadura;

    11) Fechamento e amarrao das frmas;

  • 12) Colocao dos pilares no prumo;

    13) Nivelamento dos pilares.

    Tolerncias

    Os eixos devem ser transferidos pelo mestre ou pelo tcnico de obra e conferncia do nivelamento e prumo da estrutura.

    Desforma das faces dos pilares mnimo 03 dias.

    Execuo de frmas - Lages e Vigas

    1) Cortar e estruturar painis conforme projeto. Deixando uma folga de 5 a 10 cm de folga para ajuste da montagem. Identificar painis conforme projeto;

    2) Levar materiais e equipamentos necessrios para a execuo das frmas;

    3) Montar a frma com o fundo e o painel interno da viga;

    4) Colocao do assoalho, escoramento e barroteamento da laje;

    5) Colocao dos painis externos das vigas;

    6) Limpeza do assoalho e viga;

    7) Concretagem dos pilares;

    8) Limpeza do assoalho da laje;

    9) Passar desmoldante nas lajes;

    10)Colocao da armadura das vigas e da laje (positivas);

    11)Passagem da tubulao da instalao eltrica;

    12)Previso da passagem da instalao hidrulica;

    13)Colocao dos espaadores;

    14)Colocao dos blocos na laje;

    15)Colocao da armadura negativa da laje;

    16)Verificao da armadura;

    17)Fechamento e amarrao das frmas;

  • 18)Nivelamento da laje e das vigas.

    Observao: Se houver concretagem do pavimento superior no prazo de 28 dias da concretagem do pavimento inferior, manter as vigas e lajes reescoradas.

    Concretagem de pea estrutural

    1) Concluso da confeco das frmas;

    2) Concluso da colocao das armaduras;

    3) Colocao dos eletrodutos e caixas de passagem;

    4) Levar materiais e equipamentos necessrios para a execuo da concretagem;

    5) Realizar a limpeza das frmas;

    6) Molhar as frmas;

    7) Respeitar o limite de duas horas e trinta minutos entre a sada do caminho da usina e o lanamento do concreto;

    8) Retirar 02 corpos de prova para verificao da resistncia a compresso aos 28 dias de cada caminho.

    9) Lanar o concreto tomando o cuidado de no formar grandes acmulos de material em um ponto isolado;

    10) No caso de pilares onde a altura de queda livre for superior a 2m devem ser tomadas medidas especiais para evitar segregao, tais como executar a concretagem por etapas de 2m, abrindo janela nas frmas, utilizando trombas ou funis;

    11) Introduzir e retirar a agulha do vibrador lentamente, de modo que a abertura formada se feche naturalmente. Em geral, so suficientes 15 segundos para adensar a rea em que a agulha est imersa;

    12) Evitar o contato da agulha do vibrador com as frmas, no vibrar o concreto pela armadura, bem como no desligar o vibrador enquanto ele ainda estiver imerso no concreto.

  • 13) Efetuar o acabamento das peas estruturais. No caso das lajes sarraferar o concreto com uma rgua de alumnio tomando como nvel as mestras e em seguida efetuar o desempeno;

    14) Posicionar os tacos para fixao dos prximos pilares;

    15) Molhar as peas concretadas durante 03 dias para cura.

    TOLERNCIAS:

    - Verificar se o fck e o slump solicitado esto de acordo com o projeto estrutural.

    Graute para reparo de estruturas de concreto em geral

    1) Limpar a superfcie de concreto a ser recuperada;

    2) A superfcie deve estar limpa, isenta de leos, graxas, p, restos de pintura, nata de cimento, materiais soltos e qualquer tipo de incrustao que prejudique a perfeita aderncia do produto na superfcie a ser recuperada;

    3) Executar o corte de contorno na superfcie de reparo;

    4) Realizar o apicoamento cuidadoso da superfcie, utilizando marteletes ou ponteiro e marreta;

    5) Limpar a superfcie removendo todas as partculas soltas;

    6) No mnimo 02 horas antes do lanamento, saturar o substrato enchendo as frmas com gua limpa, porm sem deixar empoamento de gua;

    7) Preparar o produto conforme as orientaes do fornecedor descritas na embalagem;

    8) Misturar sempre o contedo total da embalagem de uma nica vez;

    9) Utilizar a mistura at 30 minutos aps a adio de gua ao produto;

    10) Verificar se as frmas esto completamente estanques. Se necessrio, pode ser usado massa de calefao em todos os vos existentes nas frmas para garantir total estanqueidade;

    11) A aplicao do graute deve ser contnua e sem interrupo no sentido da menor dimenso, (se necessrio fazer na frma um cachimbo para facilitar o lanamento);

    12) Realizar a desfrma aps 24 horas;

    13) Realizar a cura mida por no mnimo 03 dias.

  • TOLERNCIAS: A quantidade de gua indicada pelo fabricante poder variar em funo da consistncia desejada na aplicao, porm no dever ser superior a quantidade recomendada pelo fabricante.

Recommended

View more >