Relatrio sobre as pinturas rupestres de Mar de Espanha

  • Published on
    07-Jan-2017

  • View
    218

  • Download
    4

Transcript

  • Ncleo de Pesquisas Arqueolgicas do Alto Rio Grande

    08/03/2001

    Autor: Gilberto Pires de Azevedo

    Colaboradores: Ana Lacorte e Lus Adriano de Melo Cabral Domingues

    Ncleo de Pesquisas Arqueolgicas

    do Alto Rio Grande

    Relatrio de Visita a Stio Arqueolgico

    Pinturas da Princesa

    Mar de Espanha

    08/03/2001

    Autor: Gilberto Pires de Azevedo

    Colaboradores: Ana Lacorte e Lus Adriano de Melo Cabral Domingues

    Este relatrio pode ser reproduzido total ou parcialmente, desde que citada a fonte.

  • Ncleo de Pesquisas Arqueolgicas do Alto Rio Grande

    08/03/2001

    Autor: Gilberto Pires de Azevedo

    Colaboradores: Ana Lacorte e Lus Adriano de Melo Cabral Domingues

    Relatrio de Visita a Stio Arqueolgico

    Nome do stio: Pinturas da Princesa

    At onde foi possvel apurar com moradores da regio e com a famlia do proprietrio do terreno, o local conhecido somente como stio arqueolgico. Apesar de conhecida h um tempo indeterminado pelos proprietrios do terreno, a existncia do stio apenas recentemente tornou-se amplamente divulgada na regio, aps a visita de uma princesa da famlia real brasileira (uma faanha, considerando-se os seus 82 anos de idade); nas conversas, em geral o local foi referenciado como stio arqueolgico da Princesa ou as pinturas da Princesa. plausvel que esta venha a se tornar a denominao do stio na regio.

    Localizao: Municpio de Mar de Espanha, Distrito de Crrego do Riacho, Stio do Bongui, de propriedade de Waldemar Medeiros de Lima e explorado por seu filho Jos Mrio Medeiros de Lima. O stio arqueolgico encontra-se a pouco mais de 1 km da residncia do proprietrio.

    Data da visita: 26/02/2001

    Participantes: Gilberto Pires de Azevedo (Ncleo de Pesquisas Arqueolgicas do Alto Rio Grande NPA), Lus Adriano de Melo Cabral Domingues, e outros. A visita foi guiada por Diogo e Tatiana Pimentel Lima, netos do proprietrio.

    Dados para contato: Gilberto Pires de Azevedo (autor do relatrio e fotos) tels. 21-9956-5690, 21-598-6135 email gilberto@cepel.br Rua Baro de Itapagipe 401 bloco 1 apto. 1006, Rio de Janeiro-RJ, CEP 20261-005.

    Descrio do Stio

    O stio contm pinturas rupestres, aparentemente vinculadas Tradio So Francisco.

    As pinturas encontram-se em um abrigo rochoso situado na parte superior de uma encosta ngreme. O abrigo, formado por rochas metamrficas, com variados graus de intruso, tem aproximadamente 50 metros de extenso, dividido em 2 trechos contguos, e est voltado para o oeste.

    O alcance da proteo rochosa que forma o teto varia de aproximadamente 3 a 8 metros. As pinturas esto em uma parede lisa, com 3 metros de altura por 8 metros de comprimento, no lado norte do abrigo.

    O local est recoberto por lminas rochosas, e pouco provvel a existncia de sedimentos de interesse arqueolgico em funo da inclinao do terreno. A partir do stio pode-se ver boa parte da paisagem da regio, formada pelo relevo ondulado, com predomnio das pastagens que ocupam as reas anteriormente cobertas pela mata atlntica. No foi constatada a presena de gua nas vizinhanas do stio, mas plausvel que tenha existido quando a cobertura da mata nativa era mais ampla. Nas imediaes do stio, remanescentes da mata atlntica cobrem os trechos mais ngremes do terreno.

    Descrio das Pinturas

    As pinturas so na sua maioria da cor vermelha, havendo tambm algumas poucas em amarelo. Predominam os desenhos geomtricos: crculos concntricos, grades, seqncias de arcos de crculos, linhas em ziguezague. Duas figuras lembram bastante as representaes de lagartos encontradas na Serra de Santo Antnio, apesar de muito estilizadas. No foram identificados antropomorfos ou outros zoomorfos alm dos lagartos. Apesar de no haver sido feita uma contagem, pode-se dizer que as pinturas somam algumas dezenas de figuras distintas.

    O eixo central de uma das pinturas mais peculiares sobrepe-se a uma linha clara da rocha, ao longo de mais de um metro, utilizando a irregularidade da formao rochosa para a composio da figura.

  • Ncleo de Pesquisas Arqueolgicas do Alto Rio Grande

    08/03/2001

    Autor: Gilberto Pires de Azevedo

    Colaboradores: Ana Lacorte e Lus Adriano de Melo Cabral Domingues

    O estado de conservao das pinturas bom, e no foram encontrados sinais de danos provocados por vandalismo. Parte das pinturas est semicoberta por um elemento esbranquiado, de aspecto semelhante calcita, trazido por guas originrias do interior da rocha e que escorreram pelo paredo das pinturas a partir de uma fratura horizontal na sua parte superior. No foi possvel verificar se este processo ainda ocorre; na ocasio da visita (realizada em um perodo de estiagem), no havia vestgios de ocorrncia recente.

    Acesso

    A partir da cidade de Mar de Espanha, o acesso ao local feito pela estrada para Sapucaia, que no pavimentada mas larga e com relativamente poucas curvas. A residncia do proprietrio do stio fica a 16,7 km da Praa Tenente Ademar Martins (na cidade de Mar de Espanha), e a 14,9 km do fim atual do trecho pavimentado.

    Partindo da praa em direo a Sapucaia, aps cerca de 16 km encontra-se esquerda da estrada o Bar do Ambrsio, imediatamente seguido por uma ponte e um cemitrio direita da estrada. Logo aps a ponte, toma-se a primeira estrada esquerda; aps 0,8 km, chega-se residncia do proprietrio, onde podem ser obtidas as indicaes finais para acesso ao stio, que fica a pouco mais de 1 km de caminhada, sendo que o trecho final ngreme e de acesso no muito fcil.

    Dados para contato local: Contato por telefone com Dona Odlia Gomes Pimentel, parente dos proprietrios: 32-3276-1908.

    Observaes

    O acesso relativamente difcil e o zlo da famlia da proprietrio tm protegido o stio do vandalismo. No entanto, a recente intensificao do interesse pelo local - principalmente aps a visita da princesa da famlia real brasileira - cria riscos para a preservao do stio, pois a famlia do proprietrio no possui meios para impedir o acesso no autorizado ao local.

    Por ocasio desta visita foram obtidas informaes vagas sobre a existncia de outros stios com pinturas na regio, o que bastante provvel em funo da abundncia de abrigos rochosos.

  • Ncleo de Pesquisas Arqueolgicas do Alto Rio Grande

    08/03/2001

    Autor: Gilberto Pires de Azevedo

    Colaboradores: Ana Lacorte e Lus Adriano de Melo Cabral Domingues

    Vista geral das pinturas, montada a partir da colagem digital de duas fotos. As imagens menores no esto na mesma escala, e so apresentadas ampliadas nas

    pginas seguintes. esquerda na imagem aparecem Tatiana e Diogo, da famlia proprietria do local.

    Vista distncia do local das pinturas. A mistura na foto entre a vegetao no primeiro e no segundo planos prejudica a percepo das reais dimenses do stio. Note-se os

    trechos remanescentes de mata atlntica.

  • Ncleo de Pesquisas Arqueolgicas do Alto Rio Grande

    08/03/2001

    Autor: Gilberto Pires de Azevedo

    Colaboradores: Ana Lacorte e Lus Adriano de Melo Cabral Domingues

    Possvel representao de um lagarto, similar s encontradas na Serra de Santo Antnio (Andrelndia-MG), junto a crculos e

    arcos de crculos.

    Detalhes das pinturas. A imagem acima direita tem partes em comum com a do alto da pgina.

  • Ncleo de Pesquisas Arqueolgicas do Alto Rio Grande

    08/03/2001

    Autor: Gilberto Pires de Azevedo

    Colaboradores: Ana Lacorte e Lus Adriano de Melo Cabral Domingues

    esquerda: crculos concntricos. O terceiro crculo (de fora para dentro) no formado por linha contnua:

    foi feito com 6 pontos, com um ponto interno assinalando o centro.

    O desenho abaixo sugere, dentre muitas outras possibilidades, o traado de um rio.

    Podem ser notados na foto vestgios amarelados de habitaes de insetos, removidas anteriormente.

    O desenho esquerda utiliza como eixo central uma intruso da rocha em material

    mais claro.

  • Ncleo de Pesquisas Arqueolgicas do Alto Rio Grande

    08/03/2001

    Autor: Gilberto Pires de Azevedo

    Colaboradores: Ana Lacorte e Lus Adriano de Melo Cabral Domingues

    Detalhe de possvel representao de um lagarto.

    Desenho em amarelo. As imagens nesta cor so minoria no stio.

  • Ncleo de Pesquisas Arqueolgicas do Alto Rio Grande

    08/03/2001

    Autor: Gilberto Pires de Azevedo

    Colaboradores: Ana Lacorte e Lus Adriano de Melo Cabral Domingues

    Neste trecho os desenhos esto mais visveis, sendo portanto o preferido para fotografias. Nesta imagem, o autor deste relatrio e das fotos.

    Forma circular composta por entre 35 e 40 pontos contguos. Representaes similares foram encontradas na Fazenda das Pedras, em Andrelndia-MG.

Recommended

View more >