Relatrio de Visita Tcnica

  • Published on
    05-Dec-2015

  • View
    46

  • Download
    2

DESCRIPTION

Modelo de relatrio de visita tcnica

Transcript

Instituto Federal de Educao, Cincia e Tecnologia de GoisGoinia, 29 de junho de 2015.Professor: Disciplina: Introduo GeologiaAluna:

RELATRIO DE VISITA TCNICA

SUMRIO1 INTRODUO _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ 03

2 OBJETIVOS2.1 Objetivo geral _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ 042.2 Objetivos especficos _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ 04

3 ATIVIDADES REALIZADAS _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ 05

4 CONCLUSO _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _07

REFERNCIAS _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ 07

1 INTRODUOA Geologia uma cincia unitria, baseada nos processos, com o poder de transmitir o significado global das feies geolgicas onde quer que sejam encontradas. (GROTZINGER et al 2006). Para se fazer um estudo satisfatrio necessrio que seja empregada a teoria, assim como aulas em laboratrio e ainda muito importante visitas a campo.Para que o aluno possa vivenciar e entender como essa cincia afeta diretamente a vida cotidiana de grande parte da populao mundial, foram realizadas vrias visitas nos dias quinze e dezesseis de junho de dois mil e quinze, idealizada pelo professor Marco Antnio Pires Paixo, na disciplina de Introduo Geologia. Essas visitas foram principalmente referentes atividades mineradoras e a anlise fsico-qumicas de rochas, tanto as presentes nas pedreiras, quanto a algumas que circundam as estradas goianas.As empresa visitadas foram a Britragran Britas e Granitos Mineradora Ltda e a Cooperativa de Pedras de Pirenpolis. Nelas foi analisado o processo de produo (lavra e beneficiamento), os impactos causados ao meio ambiente e os riscos aos quais os trabalhadores esto expostos.

2 OBJETIVOS2.1 Objetivo geralO objetivo geral era de reforar o conhecimento adquirido em aulas tericas e prticas no laboratrio, com a aplicao desses conhecimentos tanto nas mineradoras, como nas observaes dos afloramentos rochosos encontrados nas estradas.

2.2 Objetivos especficosOs objetivos especficos so de acordo com cada atividade realizada.Na visita a empresa Bitragran e a Pedreira de Pirenpolis o objetivo foi analisar o processo de produo do que ao final se transforma em material para a construo civil. Ento, era necessrio avaliar a jazida, como o material lavrado, as mquinas que so utilizadas para isso, qual o impacto dessa atividade para o meio ambiente e os padres de segurana para os trabalhadores.Nas afloraes rochosas o interesse era principalmente nas caractersticas fsico-qumicas das rochas e a localizao dessas.

3 ATIVIDADES REALIZADASA primeira parada foi no dia 15 de junho na a Britragran Britas e Granitos Mineradora Ltda que est localizada entre Nova Veneza e Nerpolis. Fomos recebidos pelo tcnico responsvel, o Sr. Fabiano que tcnico em minerao e Engenheiro Civil, e tem bastante experincia no desmonte de rochas e que est trabalhando na empresa h aproximadamente cinco anos.Ele nos contou que a pedreira incialmente foi criada para fornecer material para a construo da barragem do rio Joo Leite, pois o local possui uma jazida com material de qualidade e ficava prxima da construo. Mas ao trmino da obra continuou com a explorao pois a jazida possui rocha que pode ser explorada por pelo menos 150 anos segundo ele nos informou. L existe uma rocha metamrfica do tipo gnaise de composio grantica, que um feldspato rico em sdio e clcio, e bastante resistente, por isso ideal para construes.Segundo nos foi informado, primeiro feito uma sondagem para verificar o tipo de rocha, a ocorrncia e onde melhor para se fazer a retirada. Aps ser decidido o local, feita a remoo da camada vegetal, causando assim um impacto ambiental localizado, no sendo necessria a remoo dos locais onde ainda no haver a explorao da rocha. O desmonte feito com explosivos por uma empresa terceirizada e os pedaos so recolhidos ou quebrados pela perfuratriz at que alcancem o tamanho de 1m3 para serem colocados no britador.A empresa faz a explorao h 12 anos e a venda principalmente de bica corrida(brita 3, brita 2 e areia), alm de brita 0, brita 1, brita 2, brita 3 e areia. Atende principalmente a concreteiras da regio e a obras prximas, como atualmente faz com o Aeroporto Internacional Santa Genoveva localizado em Goinia. Segundo o Sr. Fabiano a empresa se preocupa em minimizar os impactos ambientais causados e por isso fizeram uma bacia de decantao para conter boa parte dos sedimentos gerados na minerao, alm disso, ele tem planos para reflorestar algumas reas futuramente. Quanto segurana dos trabalhadores, foi afirmado que cobrado o uso de EPis, no entanto alguns no estavam utilizando na momento da visita.A visita se encerrou no escritrio do Sr. Fabiano onde ele nos mostrou vdeos de exploses para o desmonte das rochas e tambm uma foto de satlite da pedreira. A localizao era de 22K684779/8186671.O primeiro afloramento rochoso no qual paramos para analisar estava localizado em 22L68284/8273372 e altitude era de 788m. L foi observado uma rocha metamrfica, sendo um mineral mrfico esverdeado (fibrolito) com veios de quartzo. Era um gnaisse de composio anfiboltica de fcil intemperizao.O segundo afloramento rochoso estava localizado em 22L683598/8275642 a uma altitude de 769m, era uma rocha metamrfica derivada de rocha sedimentar, menos coerente. Apresentava plano de foliao verticalizada e continha vrios tipos de rochas: filito para xisto (mica), quartizito(metamrfica que vem de areia arenito) e veios de quartizo posterior a rocha metamrfica (slica). A rocha est na direo N55W com inclinao de 65 mergulhando para Sudoeste.No dia 16 de junho fomos Cooperativa de Pedras de Pirenpolis, onde fomos recebidos pelo Sr. Ado Ribeiro dos Santos de 75 anos, que j trabalhou muitos anos na explorao de quartizito e que atualmente presta servios Cooperativa, segundo ele me disse, o responsvel por colocar avisos de segurana em toda a extenso da pedreira e alertar aos trabalhadores sobre a importncia do uso de EPIs. Ele nos disse que a pedreira incialmente era um local para a explorao do ouro, mas que com a escassez desse recurso mineral, foi visto que ali havia uma importante jazida de quartizitos e como haviam vrios interessados em comprar, decidiram iniciar a explorao. H quanto tempo isso feito ele no conseguiu informar, mas disse que quando era criana ela j existia a pedreira. Antes haviam 1500 pessoas trabalhando e hoje menos de 800 pessoas, j que os mais jovens no apresentam interesse em trabalhar no local.A explorao principalmente de quartizito rosa e verde, que apesar de serem mais intemperizados e (por isso apresentarem a colorao) e menos resistente, so mais valorizados pelo mercado de decorao e devido a isso quartizito branco explorado em menor nmero. A explorao feita por pessoas autorizadas pela cooperativa, que so donos de suas pias e que podem vender para qualquer pessoa e essas pessoas iro pagar uma tributao para a prefeitura na sada da pedreira. Tambm produzida areia com a moagem dos resduos gerados na explorao do quartizito. A rocha do local est na direo N10W/O85W, inclinao de 8. Na entrada a localizao era de 22L721520/8247859, h 863m de altitude e na sada era de 22L0721705/8247492, h 819m. Ainda em Pirenpolis visitamos uma serralheria onde o quartizito cortado para ser vendido e agregado valor. Compra-se por aproximadamente R$22,00 na pedreira e vendido pela serralheria a aproximadamente R$80,00 uma placa de 1m2.No trevo de Corumb paramos para ver um xisto, cheio de mineral placide (mica preta), granada, quartzo e um pouco de feldspato. Estava localizado em 22L734519/8238863, h 946m de altitude.Houve tambm uma parada para observar o Salto de Corumb que uma falha de movimentao natural que forma as cachoeiras. A localizao de 22L739074/8246634 a 1026 m.A ltima parada foi no Pico dos Pirineus, onde no foram estudados aspectos mineralgicos ou ecolgicos, mas que aps uma subida ngreme tivemos uma vista que compensou todo o esforo.

4 CONCLUSOAs visitas foram muito enriquecedoras, na Bitragran nos atenderam bem e se dispuseram a nos ajudar com informaes que fossem necessrias e ainda nos convidaram a fazer visitas futuras. Parecem se importar com o meio ambiente e precisam ficar mais atentos aos funcionrios estarem usando os EPIs.Em Pirenpolis o Sr. Ado nos atendeu muito bem e provou que conhecimento emprico vale tanto quanto conhecimento cientfico, j que nos deu uma aula sobre o funcionamento da pedreira e sobre quartizitos. A visita serralheria foi importante para ver o produto final que repassado ao mercado.A observao das afloraes rochosas foi importante para ver in loco o que s visto em pequena escala no laboratrio.

REFERNCIASPRESS, Frank; SIEVER, Raymond; GROTZINGER, Jhon; JORDAN, Thomas. Pra entender a Terra. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.2