Relatrio de Visita 2

  • Published on
    28-Dec-2015

  • View
    19

  • Download
    0

Transcript

SILVESTRE KESTRING

11

RELaTRIO DE VISITA

INTRODUO

Conforme as orientaes, a introduo deve conter: apresentao do tema, justificativa, objetivo, idia central e metodologia, destacados em pargrafos distintos.

A Duas Rodas Industrial uma das maiores produtoras de matrias-primas para a indstria de alimentos da Amrica Latina, ocupa uma posio de destaque no mercado brasileiro e atingiu uma posio de referncia internacional em seu ramo de atuao.Com 100% de capital nacional, a matriz da Duas Rodas est localizada em Jaragu do Sul (SC) e possui um parque fabril que soma mais de 45.000m.Fundada por Rudolph e Hildegard Hufenssler, ele qumico-farmacutico e sua esposa formada em fsica, vieram para o Brasil depois da I Guerra Mundial, com o objetivo de fabricar extratos e essncias naturais.Com 80 anos de existncia, a empresa que possui 1.200 colaboradores utiliza toda a tecnologia e experincia de seus profissionais na fabricao de produtos que esto divididos em cinco divises, sendo elas: aromas, produtos para sorvetes, condimentos e aditivos, agroindustrial e solues integradas. A empresa exporta para toda a Amrica Latina, Amrica do Norte e pases da Europa, frica e sia. Parte dos negcios no exterior so atendidos pelas unidades fabris do Chile e da Argentina.

Fundada em 1925, por Rudolph Hufenssler e sua esposa, Hildegard Hufenssler, a ento chamada Rudolph Hufenssler Fbrica de Essncias foi a primeira produtora de leos essenciais do Brasil.Pioneirismo e esprito empreendedor que esto presentes em toda a histria da empresa. Como no incio da exportao de leos ctricos, na fabricao de emulsificantes e estabilizantes para sorvetes e na industrializao e exportao do pur de banana e seus derivados. (somente consumo interno, a exportao se tornou cara e no lucrativa)Em 1992, a empresa mudou sua razo social, passando-se a chamar Duas Rodas Industrial. Um novo nome para novos desafios. Uma nova marca para novas conquistas. Hoje, a Duas Rodas Industrial uma das maiores produtoras de matrias-primas para a indstria de alimentos da Amrica Latina.Suas cinco divises de atuao - Aromas, Condimentos e Aditivos, Produtos para Sorvetes, Agroindustrial e Solues Integradas - trabalham com tecnologia de ponta e profissionais especializados para fabricar mais de 3.000 produtos, que atendem aos diversos segmentos alimentcios.Com 100% de capital nacional, a matriz da Duas Rodas est localizada em Jaragu do Sul / SC e possui um parque fabril que soma mais de 115.000m.A empresa conta tambm com unidades no Amazonas, Sergipe, Argentina, Chile, Mxico, e Peru. Exporta para toda a Amrica Latina, Amrica do Norte e pases da Europa, frica e sia, e possui mais de 25 agentes espalhados pelo mundo todo.So mais de 80 anos de histria, qualidade reconhecida nacional e internacionalmente e a certeza de um futuro ainda mais promissor.

his tria DO TURISMO EM BLUMENAU

nesta parte que se deve apresentar o tema com explicaes e argumentaes. Por isso se distribui o assunto em ttulos e subttulos, conforme for necessrio. Ttulos de primeira ordem, de segunda ordem, terceira e assim por diante, tendo tambm o cuidado de apresent-los conforme as normas. Ttulos de primeira ordem so aqueles que tm apenas um nmero( 1, 2, 3....); de segunda ordem, dois nmeros( 1.1, 1.2, 2.1 ....) e assim sucessivamente. Os de primeira ordem so apresentados em maisculas e negritados; de segunda ordem somente em maisculas; e de terceira ordem e seguintes em maisculas somente a entrada e os nomes prprios. tambm no desenvolvimento o lugar em que se devem fazer as citaes. As citaes de at trs linhas aparecem no corpo normal do texto; e com mais de trs, em pargrafo distinto. Deve-se entender trs linhas completas e um pouco mais.Para o caso de at trs linhas, procede-se conforme o exemplo a seguir: Alma minha gentil que te partiste, to cedo desta vida descontente [...] (CAMES, 1990, p. 23) A indicao da citao feita pelo sobrenome do autor, ano e pgina, e pode tambm estar no incio da frase, usando-se expresses: Conforme Souza (2002) ...; Segundo Azevedo (1998) ...; Assim tambm se expressa ...; Para ...; e assim por diante. Ou, no final, colocado entre parnteses, o sobrenome do autor, ano e pgina[footnoteRef:1]. As reticncias entre colchetes indicam a continuidade da frase que foi interrompida. [1: Deve-se observar que o sobrenome da autoria feito no mesmo formato da referncia. ]

permitido, tambm, indicar o autor da citao com o uso do sistema numrico. Mas o sistema usado num mesmo trabalho deve ser nico, ou seja: ou pelo sistema numrico ou pelo autor data. O sistema numrico proibido quando o trabalho faz uso de notas de rodap, como o caso deste que estamos apresentando. No caso de se usar o sistema numrico, apresenta-se a referncia correspondente em rodap ou em lista no final do trabalho ou do captulo. As principais normas neste caso so as seguintes: a primeira deve apresentar a referncia completa da obra consultada;[footnoteRef:2] [2: Souza, G. O ndice de criminalidade em Blumenau durante o regime militar. 2.ed. Blumenau: Acadmica, 1995. p. 28]

as subseqentes so apresentadas utilizando-se as expresses latinas;Ibidem com o mesmo autor e mesma obra;Idem igual anterior. Op. Cit. obra citada.

Quando a citao passar de trs linhas do texto normal, deve-se seguir o formato:espao entre linhas simples;letra tamanho 10;recuo esquerda em 4 cm e direita acompanhando o texto.

Quantas vezes j treinei a metodologia e percebo que sempre surgem coisas novas. Estou chegando concluso de que sou levado com estas normatizaes a estudar constantemente sem nunca ser tentado pela idia da acomodao e da estagnao. um trabalho que devo gostar para faz-lo sempre melhor. Isso at se parece com a idia de que devemos fazer de ns mesmos: nunca somos perfeitos e acabados, sempre em construo e a caminho da perfeio. Como bom se sentir mais perfeito a cada dia que passa! Como bom olhar pela janela de nossa existncia e a cada dia perceber algo novo! (KESTRING, 2001, p. 10)

O desenvolvimento a parte mais longa do trabalho. Nele devemos discutir, analisar, argumentar e apresentar o tema de forma mais aprofundada.Nunca se deve deixar o ttulo em uma pgina sem o respectivo contedo. Nesse caso, no faz mal que o espao em branco seja maior.

TTULO DE SEGUNDA ORDEM

Esta a posio e o formato dos ttulos de segunda ordem. Eles so apresentados com todas as letras maisculas.

OBSERVAR SEMPRE O PADRO

Vamos fazer outras subdivises

Testando

Ttulo de terceira ordem

TTULO DA PARTE PRTICA, SE FOR O CASO

O acadmico, mesmo cursando as primeiras fases, deve ser incentivado a realizar trabalhos que relacionam teoria e prtica. Acontece, na maioria das vezes, que os estudantes recebem muitas informaes tericas como uma preparao para a prtica, sem uma relao com a prtica. Isso torna o aprendizado cansativo, montono e longe da realidade cotidiana. Para encaminhar a soluo deste problema, sugere-se que nesta parte do trabalho ele faa uma relao da idias dos autores com acontecimentos concretos da vida cotidiana. Por exemplo, se o estudante de administrao ao tomar contato com a Teoria da Administrao Cientfica fizer uma visita a uma organizao, poder coletar dados atravs de uma simples observao, verificando na prtica a ocorrncia ou no dos princpios da administrao cientfica. Isso torna o aprendizado mais dinmico e interativo com a realidade.

CINCIA E QUALIDADE DE VIDA

Sempre se buscou encontrar a verdade. Para alguns, a vida pura iluso passageira, outros no admitem questionamentos se aceitam passivamente tudo o que lhes imposto pelas autoridades.

SOMOS SUJEITOS ATIVOS NA CONSTRUO DA HISTRIA

A metodologia a ferramenta com a qual o ser humano constri o seu conhecimento. Essa observao foi feita por Aristteles, um filsofo grego da Antigidade. Isso pode ser comprovado lendo Kestring; Brancher; Schwab (2001). Exatamente como outro ofcio qualquer, a ferramenta deve ser devidamente apreendida atravs de seu uso.

Escrever o ttulo

Digitar o ttulo de terceira ordem

CONCLUSO OU CONSIDERAES FINAIS

o lugar em que se faz o fechamento, ou seja, se apresenta o resultado final a que se chegou, e mesmo se apresentam recomendaes ou sugestes de posteriores trabalhos sobre o assunto. O ttulo CONCLUSO sugere uma idia que se fechou, no te mais o que discutir. CONSIDERAES FINAIS indica a possibilidade de mais estudos e mais pesquisas sobre o assunto.

REFERNCIAS

ANDRADE, M. M. de. Introduo metodologia do trabalho cientfico. So Paulo: Atlas, 1994.

BARROS, A. J. P. de; LEHFELD, N. de S. Fundamentos da metodologia: um guia para iniciao cientfica. So Paulo: Makron, 1986.

BECKER, L. da S.; KESTRING, S.; SILVA, M. D. da. Elaborao e apresentao de trabalhos de pesquisa. Blumenau: Acadmica, 1999.

CERVO, L. ; BERVIAN, P. Metodologia cientfica. 3. ed. So Paulo: McGraw-Hill, 1983.

CHAUI, M. Convite filosofia. 4. ed. So Paulo: tica, 1995.

DEMO, P. Metodologia do conhecimento cientfico. So Paulo: Atlas, 2000.

DONOFRIO, S. Metodologia do trabalho intelectual. So Paulo: Atlas, 1999.

ENCICLOPDIA UNIVERSAL BRASILEIRA. So Paulo: Difuso Cultural do Livro, [s.d].

FASUBRA. Lei de diretrizes e bases da educao nacional. [s. l], 19[ ? ]. FERRARI, T. Metodologia cientfica. So Paulo: McGraw-Hill, 1982.

GUSMO, H.; PINHEIRO, E. Como normalizar trabalhos tcnico-cientficos. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984.

HHNE, L. M. [org.]. Metodologia cientfica. 7. ed. Rio de Janeiro: Agir, 1999.

KESTRING, S. Metodologia do trabalho acadmico. Disponvel em: . Acesso em: 20 abr. 2002.

KESTRING, S.; BRANCHER, A.; SCHWAB, A. B. Metodologia do trabalho acadmico: orientaes para sua elaborao. Blumenau: Acadmica, 2001.

RUIZ, J. . Metodologia cientfica. 4. ed. So Paulo: Atlas, 1996.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARAN. Biblioteca Central. Normas para apresentao de trabalhos. Curitiba, 2000.10v.