Relaes Humanas - 13102009

  • Published on
    06-Sep-2015

  • View
    214

  • Download
    1

DESCRIPTION

d dv dv

Transcript

O homem que caminha para o futuro no pode se deixar influenciar por limites de conhecimentos. Todos os dias estamos sentados em uma sala de aula, a sala que ministra a aula da vida. Toda pessoa que queira se sobressair, social ou profissionalmente, precisa ter conscincia que o homem evoluo contnua, intelectual e espiritual (Olinda Silva). Objetivos Especficos: Interpretar os fatores determinantes das diferenas individuais como preponderantes para o estudo das relaes humanas; Explicar os fatores que determinam um relacionamento harmonioso no ambiente social e profissional. Objetivos Operacionalizados: Distinguir os tipos de variveis que interferem na determinao das diferenas individuais; Expressar a deificao de personalidade; Interpretar a influncia das variveis determinantes das diferenas individuais sobre o desempenho funcional; Expressar a definio comportamento humano; Identificar os aspectos que devem ser observados para se estabelecer boas relaes humanas; Ter conscincia das dificuldades e conflitos em grupos sociais; Conhecer o processo da comunicao, percepo e suas regras. CCoonncceeiittoo ddaass RReellaaeess HHuummaannaass Onde houver duas pessoas, com certeza teremos um relacionamento. Diante do crescimento demogrfico, mobilidade espacial de indivduos e de grupos, multiplicabilidade de aspectos da vida moderna, nmero elevado de instituies e de grupos aos quais pertencemos (s vezes at mesmo involuntariamente), contatos rpidos e superficiais que necessitamos manter com diferentes pessoas de classes sociais, alm de outros fatores, vieram alertar os psiclogos, administradores, educadores e demais profissionais, quanto importncia do estudo das relaes humanas. No surpresa para ningum que as pessoas diferem umas das outras, no havendo dois seres iguais no mundo. O homem sempre teve conscincia das suas caractersticas individuais, das suas necessidades diferenciadas. Vejamos o exemplo de dois irmos que foram gerados por pais de uma nica famlia, tiveram a mesma criao, a mesma educao social e moral, mas desde pequenos demonstram caractersticas diferentes no comportamento no carter moral e social. Ento faamos as perguntas: Por que os indivduos diferem entre si? Quais so os fatores que produzem variaes comportamentais? Essas perguntas estimulam longas discusses. Alm de sua importncia terica, o problema da causa das diferenas individuais tem significado prtico de longo alcance em muitos campos. Entender o que impulsiona o indivduo para estabelecer seus contatos, bem como as formas de comportamento adotados em uma ou outra situao so temas que, entre outros, vos servir de subsdio para um relacionamento interpessoal rico e produtivo. Sendo assim, qualquer atividade destinada a melhorar o desenvolvimento das relaes entre as pessoas precisa basear-se na compreenso dos aspectos que influenciam o total desenvolvimento. Observar com ateno os fatores que caracterizam uma relao harmoniosa entre as pessoas saber respeitar cada indivduo com suas caractersticas e peculiaridades. No fcil aceitar s vezes nem mesmo as nossas prprias atitudes, ento precisamos aprender que, se quisermos nos relacionar adequadamente com outro indivduo, precisamos nos relacionar bem primeiro com ns mesmos, vencendo nossos obstculos internos (medos, desconfiana, insegurana, etc). Como lido no incio deste texto, Onde h duas pessoas, h um relacionamento, e assim sendo, com certeza estaremos falando em conflitos de crenas, costumes, gostos, educao, etc., pois relacionamentos so repletos de surpresas, que distinguem um indivduo do outro. Se abordarmos as relaes humanas num contexto mais profundo, perceberemos que as nossas comeam quando ainda estamos no tero de nossas mes. O primeiro contato, a primeira sensao de segurana, vem deste ntimo uterino, quando estamos sendo gerados. Infelizmente no nos lembramos das palavras carinhosas e nem dos afagos, mas essas primeiras informaes nos so registradas no sto do nosso sub-incosnciente, e desta fase surgem as nossas primeiras caractersticas como indivduo. Desenvolvimento Pessoal Fase uterina Armazenamento de informaes involuntrias = medos, angstias, afetividades, Coragem, etc. Fase de Conhecimentos Princpio da formao que caracteriza um indivduo. Poderamos falar horas sobre este assunto, a formao de um indivduo, mas o enfoque principal neste texto a necessidade de uma comunicao integrada do indivduo nas organizaes modernas. As organizaes no mundo atual exigem que as pessoas integrem-se para uma evoluo social e profissional; se no h integrao de indivduos, principalmente na comunicao, no haver produtividade, ou seja, no haver eficincia no trabalho e no convvio social em geral. Relaes Interpessoais, Social e Profissional Relaes Humanas. Juntas, estas duas palavras traduzem o significado do convvio social humano. Os relacionamentos podem existir por vrios motivos. Ns podemos nos relacionar com as pessoas profissionalmente ou simplesmente porque tivemos empatia por ela(s), ou ainda por vrios outros motivos. O que devemos avaliar no momento do relacionamento o seu propsito, principalmente para que no se tenha ambivalncia nas interpretaes. No momento, falamos do ponto de vista profissional. Se as pessoas aprendessem a se relacionar profissionalmente de forma correta, poderamos evitar muitos problemas nos locais de trabalho. No ambiente de trabalho o que predomina e o que devemos avaliar so as condies para uma verdadeira harmonia entre o homem e o trabalho, e vice versa. Identificando o real motivo e o propsito de um relacionamento, estaremos caminhando dentro de um processo evolutivo para alcanarmos com xito um bom relacionamento com os nossos colegas de trabalho. A base concreta para um bom relacionamento ter percepo dos nossos deveres e obrigaes, e dos limites e regras que fazem a relao social ser harmnica. OS DEZ MANDAMENTOS DAS RELAES HUMANAS 1) FALE com as pessoas. No h nada to agradvel e animado quanto uma palavra de saudao, particularmente hoje em dia quando precisamos mais de sorrisos amveis. 2) SORRIA para as pessoas. Lembre-se, que acionamos 72 msculos para franzir a testa e somente 14 para sorrir. 3) CHAME pelo nome. A msica mais suave para muitos, ainda continua sendo o prprio nome. 4) SEJA amigo e prestativo. Se voc quer ter um amigo, seja um amigo. 5) SEJA cordial. Fale e aja com toda sinceridade: tudo o que fizer, faa-o com todo o prazer. 6) INTERESSE-SE sinceramente pelos outros. Mostre que as coisas da qual gostam e com as quais se preocupam tambm tm valor para voc, de forma espontnea, sem precisar se envolver diretamente. 7) SEJA generoso em elogiar, cauteloso em criticar. Os lderes elogiam. Sabem encorajar, dar confiana, e elevar os outros. 8) SAIBA considerar os sentimentos dos outros. Existem trs lados em qualquer controvrsia: o seu, o do outro, e o que est certo. 9) PREOCUPE-SE com a opinio dos outros. Trs comportamentos de um verdadeiro lder: oua, aprenda e saiba elogiar. 10) PROCURE apresentar um excelente trabalho. O que realmente vale nessa nossa vida aquilo que fazemos para os outros. PARA REFLETIR O homem precisa aprender a conhecer a si mesmo, e ter equilbrio e percepo em suas atitudes. Respeito, espao, direitos, deveres, obrigaes, valores, so regras que no basta conhecer, precisamos coloc-las em prtica. Assim estaremos entrando na linha do contnuo crescimento, e ento o homem entender que ele o nico responsvel por tudo o que lhe acontecer na vida. A conscincia humana do crescimento necessita ser despertada, e todos ns temos a capacidade de faz-la; mas, muitas vezes, por comodidade, preferimos deix-la dormir... E ento percebemos que dez anos passam muito rpido, e que mais dez vm chegando, e enfim continuamos a atribuir as nossas responsabilidades a outras pessoas e no percebemos que esta continua sendo a atitude mais fcil e o caminho pior... xxConceito De Grupos Sociaisxx Como visto em Relaes Humanas: Onde houver dois indivduos em convivncia teremos concretizado um relacionamento. Aqui, veremos que, alm de um relacionamento, ainda teremos a formao de um grupo social. E quais so esses grupos, e como eles se formam? Um grupo social ser formado sempre que se tenha um objetivo comum entre os indivduos, caso contrrio, ou seja, quando no h objetivo comum, no poderemos dizer que temos um grupo social, mas sim um agrupamento de pessoas. Os grupos sociais existentes so os mais diversos: famlia: pais, filhos, parentes... grupos de trabalho grupo da cerveja grupo do clube de esportes: natao, vlei, futebol, etc. ou simplesmente para conversar... Os grupos sociais ainda recebem classificaes como: a) Grupo organizado - se um grupo for planejado, ou premeditada a sua formao. Exemplo: amigos de bairro, time de futebol, famlia, etc. b) Grupo involuntrio - se um grupo for formado esporadicamente, sem inteno de, Exemplo: crianas que se renem um parque de diverses, pessoas que esperam por uma conduo no ponto de nibus, etc. Um grupo social ainda poder sofrer com as individualidades de cada membro, influenciando-o ainda mais, apesar de suas caractersticas bsicas, acima vistas, serem claras. Pesquisas efetuadas por meios sociolgicos, apontam que a formao de um grupo social baseada muitas vezes na simpatia, na amizade e at mesmo, em alguns casos, pelo inverso (antipatia, descaso, desinteresse, etc.). Tal constatao tambm indica o sucesso ou ao insucesso do grupo. Falando mais claramente, o que aproxima as pessoas so as caractersticas peculiares de cada indivduo, da mesma forma que os afastam tambm os aproximam. Exemplo: Uma pianista gorda pode parecer feia para uma esteticista, mas a mesma senhora pode parecer bonita e agradvel para um pianista, pois gostam da mesma coisa. Se pararmos para pensar, chegaremos concluso de que esta senhora pode ser bonita para a esteticista, pois ela pode achar que a senhora lhe ser til naquele momento, e o pianista a achar feia, pois apesar dela gostar de piano, ele preferiria estar tocando para uma jovem. O que quero dizer que nestes dois casos acima, apesar dos mesmos coadjuvantes, que os motivos que os unem e os que os separam so o interesse, o sentimento e vontade de cada um, em um dado momento, varivel com o tempo! Os 10 Mandamentos de um Membro de Grupo 1) Respeitar ao prximo como ser humano. 2) Evitar cortar a palavra a quem fala, esperando sua vez. 3) Controlar suas reaes agressivas, evitando ser indelicado ou mesmo irnico. 4) Evitar o pular por cima de seu superior; quando o fizer dar uma explicao prvia, ou assim que for possvel. 5) Procurar conhecer melhor os membros do seu grupo, afim de compreend-los e de se adaptar a personalidade de cada um. 6) Evitar tomar a responsabilidade atribuda a outro, a no ser a pedido deste ou em caso de emergncia. 7) Procurar a causa das suas antipatias, afim de venc-las. 8) Estar sempre sorridente. 9) Procurar definir sempre bem as palavras no caso de discusses em grupo, para evitar mal-entendidos. 10) Ser modesto nas discusses; pensar que talvez o outro tenha razo e, se no, procurar compreender-lhe os motivos de pensar e agir. RELAES HUMANAS As seis palavras mais importantes: Admito que o erro meu As cinco palavras mais importantes: Voc fez um bom trabalho As quatro palavras mais importantes: Qual a sua opinio? As trs palavras mais importantes: Faa o Favor. As duas palavras mais importantes: Muito Obrigado. A palavra mais importante: Ns COMUNICAO COMUNICAO a utilizao de qualquer meio pelo qual um pensamento transmitido de pessoa a pessoa sem perder, tanto quanto possvel sua inteno original. Objetivo influenciar para afetar com inteno, visando uma reao especifica de uma pessoa ou grupo (mudana no comportamento). Num passado no muito distante, acreditavam que para manter uma comunicao era necessrio apenas um dilogo, ou uma escrita, mas estudos recentes da psicologia moderna constataram que alguns itens a mais constituem uma comunicao real. Nesta constatao de processo, deve-se observar que a fonte e o receptor so sistemas similares. Se assim no fosse, no haveria comunicao. Vejamos: Sabemos agora que existem vrios tipos de comunicao, e que preciso conhec-los para termos xito ao estabelecer a comunicao. Elementos do processo da comunicao, a fonte da comunicao: codificador a mensagem canal decodificador, e receptor da comunicao Ao tratarmos especificamente de comunicao pessoa a pessoa, que o modelo mais simples e o que mais nos interessa, podemos agrupar fonte e codificador num nico elemento, fazendose o mesmo com o decodificador e o receptor, resultando em quatro elementos: emissor receptor canal, e mensagem Observao importante: devemos ficar atentos, para as falhas, s distores, as deformaes nas mensagens, os devaneios e as falsas verdades, as quais fazem com que raramente um fato seja relatado da maneira que realmente ocorreu. Embora cada situao comunicativa seja nica, ainda assim possvel isolar certos elementos do processo que so comuns a toda e qualquer comunicao. Tipos de Comunicaes Comunicaes Orais: so as ordens, pedidos, colquios, bate-papos, comunicaes telefnicas, pelo rdio, debates, discusses, etc. Comunicaes Escritas: so as cartas, jornais impressos, revistas, cartazes, etc. Comunicaes No Verbais: so as comunicaes estabelecidas: Por Mmicas: gestos das mos, do corpo, da face (caretas). Pelo olhar: podemos saber o que uma pessoa quer de ns muitas vezes pelo olhar. Pela postura do corpo: o nosso corpo fala muitas vezes o que realmente gostaramos de dizer verbalmente. Consciente ou inconscientemente: falar uma atitude consciente enquanto a postura inconsciente. O Seu Corpo Fala! O escritor Pierre Weil fala muito bem sobre este assunto, no seu livro o Corpo Fala. Muitas vezes ns no conseguimos harmonizar o que sai da nossa boca com o que sentimos, outras vezes, o nosso corpo fala por si s. O corpo expressa as nossas ansiedades, desejos e conquistas de forma natural mesmo que nossas palavras digam o contrrio. Os gestos podem significar mais que voc imagina! O Corpo Fala sem Palavras Pela linguagem do corpo, voc diz muitas coisas aos outros. E eles tm muitas coisas a dizer a voc. BARREIRAS NAS COMUNICAES Muitas vezes a comunicao deixa de efetivar-se por barreiras, obstculos, que restringem a sua eficcia, os quais podem estar ligados ao emissor, ao receptor, ou a ambos, ou ainda a interferncias presentes no canal de comunicao. Ns podemos entender como barreiras nas comunicaes, desde as limitaes de ordem emocional, tais como, a incapacidade dos interlocutores para abordar determinados temas considerados por demais ameaadores, at as dificuldades relacionadas utilizao dos cdigos de linguagem; todos estes fatores representam maior ou menor grau de obstculos a uma comunicao plena. A idia que se tem da comunicao que ela existe em mo dupla, ou seja, um indivduo pode ser ou no aceito simplesmente pela sua forma de expressar-se. Para que haja um sentido bilateral da comunicao, necessrio que tanto o emissor quanto o receptor percebam o outro. No poder haver uma comunicao correta, ou seja, sem interferncias, quando no h sintonia no que se diz, e no que se ouve. Exemplo de barreiras na comunicao: Opinies e atitudes O pai pede ao filho: V a padaria da esquina, comprar pes. mas o pai no justifica qual o tipo de po a ser comprado. O garoto ter neste caso livre conduta para comprar o po que ele quiser. Egocentrismo ou Competio Essas duas palavras, juntas, acarretam um monlogo coletivo, onde o que predomina o interesse individual e no o interesse do grupo. locutor est falando enquanto o receptor, quem ouve, rebate tudo o que o outro diz, sem ao menos processar e analisar o que lhe est sendo dito. Esta atitude muito comum para pessoas egocntricas e/ou competitivas, pois esses indivduos no aceitam ser o segundo plano, eles precisam estar sempre em evidncia. A pessoa egocntrica ou competitiva quase sempre se envolve em situaes ridculas e equvocas sem ao menos se dar conta. Exemplo de um grupo de pessoas conversando, onde cada um conta uma histria ou experincia vivida; ocorre de um membro do grupo interferir dizendo que o que ele viveu ou que o que aconteceu com ele sempre mais interessante. Ou ainda podemos ver o exemplo de um casal, onde os dois tentam chegar a um denominador comum, mas o que ocorre que um dos dois precisa ceder, e o egocentrismo no permite o faam. Percepo Para ter percepo com as coisas que nos rodeiam, precisamos, antes de tudo, ter sensibilidade. Sabemos que a nossa percepo influenciada por preconceitos e esteretipos. So esses fatores que nos predispem a fazer com prestemos ateno ou no no que nos dito ou vice-versa, ou ainda assim que fazemos que as pessoas prestem a ateno no que falamos. atravs da percepo que captamos os fatos e adquirimos informaes com auxlio de todos os sentidos A percepo no esttica; um processo dinmico a envolver no somente a apreenso dos estmulos sensoriais, mas tambm a interpretao, por parte do receptor, da realidade observada. Uma caracterstica da percepo consiste no seu carter individual, isto , cada pessoa capta uma mesma situao de forma nica e inteiramente particular. Percebemos as situaes de acordo com as nossas experincias anteriores, nossas expectativas e necessidades, e tambm nos deixamos influenciar pelos fatores circunstanciais. A percepo seletiva. No percebemos, mas atravs da percepo que selecionamos com quem nos relacionamos. Comeamos um relacionamento buscando caractersticas que nos atraem no outro. Quando nos simpatizamos com algum, tendemos a ver e reconhecer somente as suas qualidades, eliminando quase que por completo os seus defeitos, mas quando o indivduo j no nos to querido, passamos a realar seus defeitos, no mais vendo qualidades mesmo que elas existam. Resumo A percepo envolve a interpretao dos fatos que nos rodeiam, trazendo-nos muitas vezes a devaneios, mesmo quando estamos acordados. Baseados nisso sabemos que ns nos comportamos de acordo com aquilo que percebemos. Frustrao A pessoa frustada tambm produz uma barreira na comunicao. Inconscientemente ele bloqueia o que lhe dito, mas o seu problema diferente dos casos mostrados anteriormente. A pessoa frustada no v sada para os problemas que lhe so apresentados, nada tem soluo. O que lhe causa um negativismo muito grande, podendo ser passado para outras pessoas influenciveis. Inconsistncia nas comunicaes verbais e no verbais: As comunicaes verbais e no verbais nem sempre esto sintonizadas, e por este motivo causam alguns inconvenientes quando uma ou mais pessoas tentam dialogar. Pessoas que no conseguem concatenar e expressar os seus movimentos corporais, e at mesmo a sua expresso verbal, em razo de suas variveis culturais ou falta de sensibilidade nas relaes humanas, ocasiona para si o afastamento e incompreenses de seus amigos, colegas, enfim, das pessoas que o rodeiam. Os movimentos corporais: voz e as expresses faciais expressam o inconsciente, muitas vezes omitido e aflorado sem que o indivduo perceba. Exemplo: movimentos bruscos podem vir acompanhados de palavras dceis, ou ainda palavras enraivecidas podem muitas vezes ser acompanhadas de olhares mansos, etc. Resumo: Qualquer que seja a barreira para uma comunicao eficaz, comprometer os relacionamentos, interferindo negativamente nos processos de crescimento de um grupo ou indivduo. COMUNICAO SERVIO DA QUALIDADE Qualquer tentativa de melhorar ou minimizar as falhas na comunicao dever partir tanto do emissor quanto do receptor. Procedimentos para uma comunicao eficaz: Ouvir com ateno e concentrar-se; absorver, analisar quem nos fala, e ento responder (de forma educada e equilibrada). No ter preconceitos com quem nos fala. D uma chance ao locutor de mostrar-se como pessoa nica e especial que . Considere a individualidade alheia. As palavras so mgicas. So as verdadeiras essncias de um relacionamento, elas podem construir ou destruir um indivduo. Seja dcil, amigo, e se precisar ser mais duro, o faa com a considerao de que h uma pessoa, um ser humano como voc na sua frente. Considere que 70% da comunicao no verbal. Lembre-se: Contato visual demonstre ateno ao outro; Postura, o seu corpo fala, tenha uma postura ereta, competente e segura; A expresso fcil causa simpatia e aproximao, seja cordial e sorria; A aparncia em geral, seja uma pessoa de hbitos limpo, asseado (a), com vestimenta adequada para cada ocasio ou funo profissional, cabelos, peles e unhas. Uma aparncia saudvel demonstra que voc est de bem com a vida e com as pessoas que o rodeiam. Pessoas que no cuidam do seu visual geralmente acreditam no serem muito bem aceitas na sociedade. E esta forma de desleixo inconscientemente proposital, uma forma de chamar a ateno, de agredir o outro. O silncio O silncio denota que alguma coisa no vai bem. O silncio pode s vezes ser necessrio, mas no por muito tempo, quando se est num dilogo, pois o prprio nome j responde, que so duas pessoas ou mais se comunicando, seno seria um monlogo. A vida um eco, se voc no est gostando do que est recebendo, ento preste ateno no que voc est emitindo (Lair Ribeiro)