Radiofreqncias de Baixa Intensidade e Sade Humana Prof. Renato M.E. Sabbatini, PhD Faculdade de Cincias Mdicas da UNICAMP Centro Internacional de.

  • Published on
    18-Apr-2015

  • View
    102

  • Download
    0

Transcript

  • Slide 1
  • Radiofreqncias de Baixa Intensidade e Sade Humana Prof. Renato M.E. Sabbatini, PhD Faculdade de Cincias Mdicas da UNICAMP Centro Internacional de Tecnologias de Informao e Comunicao em Sade - Instituto Edumed
  • Slide 2
  • Existe um Efeito da Radiofreqncia de Baixa Intensidade sobre a Sade Humana?
  • Slide 3
  • O Efeito Biolgico da Energia Eletromagntica Depende de Trs Parmetros Fsicos: Quanto menor o comprimento de onda, maior o potencial de leso celular Quanto maior a intensidade e a durao da exposio, maior ser o potencial de leso celular A energia total da radiao precisa ser tal, que ela penetre at uma certa profundidade no corpo
  • Slide 4
  • Espectro de Radiao Eletromagntica Celulares Faixa de dano biolgico
  • Slide 5
  • Tipos de Interao Ionizantes: sua alta energia ioniza (ou seja, arranca eltrons dos tomos, produzindo ons), quebram molculas, causam danos celulares, gerando substncias txicas no corpo No Ionizantes: Tm energia suficiente apenas para agitar os tomos (efeito dieltrico), gerando calor. No ionizam tomos e no quebram molculas, mas podem alter-las quimicamente quando o calor muito intenso
  • Slide 6
  • Principais Efeitos da Radiofreqncia Efeitos Trmicos: Micro-ondas causam aquecimento nos tecidos biolgicos, proporcional intensidade e durao da exposio. Indiretamente: alteraes bioqumicas intracelulares de resposta ao choque trmico (no deletrias) Efeitos No Trmicos: Induo de correntes eltricas nos tecidos e outros ainda no comprovados efetivamente (sua existncia duvidosa)
  • Slide 7
  • Mediao Biolgica de Efeitos dos Campos de FEM Aquecimento tecidual local Aes sobre a membrana celular Aes sobre as organelas celulares Aes sobre o material gentico Aes sobre mecanismos fisiolgicos locais Aes sobre mecanismos fisiolgicos globais
  • Slide 8
  • Qual o Nosso Grau de Exposio aos Campos Eletromagnticos Utilizados em Radiocomunicao?
  • Slide 9
  • Fontes de Micro-Ondas Radio e TV Radiocomunicadores Satlites de comunicao Bobinas, motores e geradores eltricos Motores de exploso Aparelhos eletrnicos Telefones sem fio Redes sem fio (WiFi) Lmpadas fluorescentes Controles sem fio Fornos de micro-ondas Radiao csmica Sol e planetas Campo electromagntico terrestre Objetos quentes ou incandescentes en geral O corpo humano! As micro-ondas emitidas pelas ERBs representam menos que 1,0% de toda a potncia irradiada diria em uma cidade tpica
  • Slide 10
  • Campos Eletromagnticos Em Miligauss
  • Slide 11
  • Grau de Exposio Diria
  • Slide 12
  • Densidade de Potncia de ERBs
  • Slide 13
  • ERBs prximas a Escolas
  • Slide 14
  • As Microondas Penetram no Corpo? No. Nos nveis emitidos por telefones ou antenas rdio-base, a penetrao muito superficial (poucos milmetros) A energia dos ftons de micro-ondas milhes de vezes mais fraca que os da luz visivel (que tambm no penetra no corpo)
  • Slide 15
  • Defesas Naturais A natureza desenvolveu numerosos mecanismos de proteo e defesa dos organismos contra as energias presentes no meio ambiente Pele (epiderme, sudorese) Ossos Circulao sanguinea, homeotermia Sistema imune Mecanismos bioqumicos
  • Slide 16
  • Fatos biolgicos Morrem cerca de 50 a 60 bilhes de clulas por dia no corpo humano Centenas de milhares de mutaes ocorrem por dia, principalmente na pele, causadas por fatores externos O sistema imune localiza e elimina todas as clulas alteradas em seu material gentico (apenas cerca de 5 mutaes por perodo total de vida escapam de um sistema normal) A pele e o crnio foram desenvolvidos pela evoluo para proteo contra agentes carcinognicos milhes de vezes mais intensos que as microondas, principalmente luz ultravioleta, radiao csmica, radiatividade, calor e frio.
  • Slide 17
  • Melanoma de Pele 3000 casos novos por ano Quase 8% da populao sero afetadas ao longo da vida 30% de mortalidade
  • Slide 18
  • Porqu No H Efeito Danoso? Os campos eletromagnticos utilizados em telefonia celular no tm capacidade de ionizao das molculas no corpo Os nveis de intensidade so centenas ou milhares de vezes inferiores aos limites de segurana e no apresentan riscos sade Radiaes no ionizantes no tm efeitos cumulativos sobre as estruturas celulares vivas
  • Slide 19
  • Riscos de Morte de Algumas Atividades Humanas Tabagismo1:10 Motocicleta1:250 Automveis1:5000 Exposio ao sol1:200.000 Elevadores1:2.000.000 Avies1:10.000.000 Meteorito1:100.000.000 Antenas CelularesDesconhecido
  • Slide 20
  • Estudos Cientficos Mais de 25.000 estudos ao longo de 30 anos foram realizados sobre o efeito das radiaes eletromagnticas sobre a biologia e a sade Embora existam ainda lacunas no conhecimento cientfico, a concluso geral que ainda no se documentaram efeitos significativos e consistentes
  • Slide 21
  • reas de Estudo Induo de neoplasias (cncer e leucemia) Efeitos sobre morte celular (apoptose) Efeitos sobre o material gentico celular Induo de correntes eltricas no organismo Alteraes do sistema imune Alteraes do comportamento, memria e aprendizado Alteraes dos sistemas sensoriais Efeitos sobre o desenvolvimento de embries e fetos e a gestao Cataratas
  • Slide 22
  • Exemplo: A exposio a campos eletromagnticos no ionizantes causa cncer?
  • Slide 23
  • Neoplasias Mais Provveis Leucemias e linfomas (cncer do sistema hematopoitico): exposio das clulas sangneas que passam por vasos superficiais Pele (principalmente cabea e pescoo) Cncer do sistema nervoso Cncer do sistema visual Cncer do sistema auditivo
  • Slide 24
  • Taxas de incidncia de cncer de crebro nos EUA
  • Slide 25
  • Tendncias na incidncia de cncer do SNC (EUA) O aumento na incidncia de CA do SNC devido ao melhor diagnstico e ao aumento da longevidade; Quando corrigido pela idade, existe um decrscimo de quase 2% por dcada.
  • Slide 26
  • Estudos de Risco de Cncer Cerebral
  • Slide 27
  • Estudo Dinamarqus (Dez 2006) Estudo longitudinal em 420.095 adultos, seguidos por 21 anos Incio de uso entre 21 e 10 anos antes 14.249 tiveram cncer (4%) Nmero esperado: 15.001 NO existe risco aumentado de cncer ou leucemia entre usurios de celulares, mesmo entre os de uso prolongado Cncer cerebral: usurios com mais de 10 anos de uso de celulares tiveram MENOR risco do que os no usurios
  • Slide 28
  • Mitos ou Verdades? Pessoas que moram prximas a torres celulares tm maior grau de exposio a campos eletromagnticos? Deve-se evitar colocar ERBs prximo a hospitais e escolas? Deve-se manter um espaamento mnimo entre ERBs?
  • Slide 29
  • As Dificuldades dos Estudos Epidemiolgicos Incidncias extremamente raras tornam pouco confiveis os resultados de avaliao de risco Exemplos comparativos: Risco de tumores oculares pelo uso de telefones celulares 1:2,5 Risco de tumores pulmonares pelo uso de tabaco 1:90 Dificuldade em estabelecer o nexo causal Nmero pequeno de casos, pouco tempo
  • Slide 30
  • Estudos Metodologicamente Falhos Exemplos: estudos epidemiolgicos em apenas um bairro de cidades pequenas (ustria e Israel) Amostragem e controles de pareamento totalmente inadequados No eliminao ou no conhecimento de muitos outros fatores Nmeros muito pequenos por amostra
  • Slide 31
  • AGNIR REPORT 2003: The biological evidence suggests that RF fields do not cause mutation or initiate or promote tumor formation and that the epidemiological evidence overall do not suggest causal associations between exposure to RF fields in particular from mobile phone users and the risk of cancer. Exposure levels for those living near to mobile phone base stations are extremely low and the evidence suggests that they are unlikely to pose a risk to health." http://en.wikipedia.org/wiki/Mobile_phone_radiation_and_hea lth
  • Slide 32
  • Concluses da Literatura Cientfica A maior parte dos estudos in-vitro no pode ser extrapolado para efeitos sobre a sade humana A maior parte dos efeitos ditos no-trmicos so respostas normais das clulas ao choque trmico Diversos problemas com as tcnicas de ensaio biolgico impediram a replicao de muitos estudos positivos Srios erros e problemas de controle de exposio nos estudos epidemiolgicos invalidam muitos resultados publicados Achados epidemiolgicos com taxas de risco de at 2:1 geralmente no tem significado estatstico Malignidades sangineas e cncer do crebro so doenas raras (4 a 5 casos por 100.000), e rarissimas em adultos jovens (principais usurios de celulares)
  • Slide 33
  • Mitos! Nenhum estudo epidemiolgico bem feito cientificamente e confivel foi capaz de demonstrar uma associao entre cncer e outras doenas, e proximidade a antenas radiocelulares Como o nvel das radiaces extremamente baixo e como no h evidncias de riscos mais elevados para pacientes e crianas, no existe necessidade de nenhuma proteo especial para hospitais e escolas No existe somatria de campos, portanto no existe nenhuma base tcnica para espaamentos mnimos
  • Slide 34
  • Existe um Efeito da RF de Baixa Intensidade sobre a Sade Humana? Resposta: No existe comprovao at agora
  • Slide 35
  • Mas.... Estudos de relao causa-efeito e das bases fisico- qumicas e biolgicas da interao energia eletromagntica-matria permitem indicar que existem fundamentos cientficos para a prova de ausncia Embora mais estudos sejam necessrios, especialmente os de exposio constante a longo prazo... Por enquanto no existem causas para preocupao
  • Slide 36
  • E finalmente... Os benefcios diretos sade do uso de celulares so imensamente maiores do que os potenciais (ainda tericos e no constatados) malefcios: Resposta mais rpida a chamados de emergncia e socorro Salvamento em situaes em que no h outra forma de comunicao Monitorao de crianas e idosos Aplicaes na ateno mdica (telemedicina) Ganhos de produtividade e de salrio, levando a mais gastos pessoais em cuidados de sade
  • Slide 37
  • Contato Dr Renato M.E. Sabbatini Centro Internacional de Tecnologias de Informao e Comunicao em Sade Instituto Edumed, Campinas, SP Tel (19) 3295-8191 Renato@sabbatini.com

Recommended

View more >