Raciocinio Logico Para Iniciantes

  • CategoryDocuments

  • View1051

Report
Projeto de ensino de LÓGICA e ARGUMENTAÇÃO LÓGICA para iniciantes Desenvolvendo o Raciocínio com Argumentação Lógica. João Nunes de Souza Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação 25 de setembro de 2007 Sumário 1 2 3 4 5 6 7 Identificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Caracterização do problema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 7 Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11 Estado da arte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 Metodologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 Cronograma de Execução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 Resultados Esperados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 1 Identificação Projeto: Ensino de LÓGICA e ARGUMENTAÇÃO LÓGICA para iniciantes. Coordenação: Prof. Dr. João Nunes de Souza Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Endereço: Av. João Naves de Ávila, 2160, Bairro Santa Mônica, CEP: 38408.100, Uberlândia-MG, Telefone (34) 3239.4144, FAX: (34) 3239.4392, nunes@facom.ufu.br 2 Caracterização do problema A Lógica é um tema fascinante. Mas o que é Lógica? Qual a sua definição? Ao iniciar este estudo, seria possível apresentar inúmeras definições. Algumas delas poderiam ser [Chauí, 2002]: • • • • • • Estudo do raciocínio; Estudo do pensamento correto e verdadeiro; Regras para demonstração científica verdadeira; Regras para pensamentos não científicos; Regras sobre o modo de expor o conhecimento; Regras para verificação da verdade ou falsidade de um pensamento. São estas, definições muito gerais e sintéticas. Não é fácil definir de forma precisa o que é Lógica, um tema tão amplo. É por isto que, para nós, basta, por enquanto, a pequena lista acima. E por que estudar Lógica? Há inúmeras razões! Uma delas é porque estamos iniciando a era pós-industrial, na qual os principais produtos da mente humana são as idéias. Conforme De Masi, [DeMasi, 2001], [DeMasi, 2002], "estas idéias são frutos da criatividade, que é a capacidade do género humano dar saltos a lugares onde nunca ninguém esteve. Uma idéia criativa significa ver ou fazer antes dos outros, fazer ver aos outros um produto marcado pela originalidade, unidade e qualidade rara. Lá no lugar onde tal criatividade se exprime, segredos são revelados ou destruídos e o homem se libera das escolhas habituais e obrigatórias." Saber usar as idéias, ser criativo, é muito mais que ser inteligente. O uso das idéias é uma função múltipla na qual intervêm inúmeras capacidades mentais. Entre tais capacidades, uma de destaque é aquela que trata da habilidade lógica de argumentação. E geralmente, após o surgimento de uma grande idéia, seus fundamentos serão criticados e analisados logicamente. Ainda conforme De Masi, [DeMasi, 2001], [DeMasi, 2002], "fundamentalmente a criatividade, que representa o ápice do uso e realização de idéias, é determinada pela síntese de duas habilidades: fantasia e concretude. Fantasiar, sonhar, idealizar e ter a capacidade de transformar a causalidade e a disparidade em uma estrutura organizada são pontos de partida para a produção de idéias." Não existe criatividade sem a capacidade de sonhar de olhos abertos e sem aquele impulso emotivo. Mas também não existe criatividade sem a capacidade de saber administrar os sonhos, as emoções e seus frutos ideais. É a capacidade de racionalizar ou concretizar que obriga a transformação de idéias sem contornos em projetos bons, que originam produtos criativos. No nível racional, esta transformação ocorre utilizando potencialidades do género humano que são estudadas pela Lógica, como por exemplo o raciocínio, o pensamento correto e verdadeiro, as regras para demonstração científica, etc. Portanto, uma das razões para se estudar Lógica é que ela nos confere capacidade crítica aos argumentos mentais utilizados na organização das idéias, nos processos criativos. Ao estudar Lógica, o indivíduo toma consciência dos elementos fundamentais à capacidade de argumentar e expor suas idéias. Obtendo esta habilidade, esta consciência, este meta conhecimento, o indivíduo se torna mais capaz na racionalização e organização de suas idéias. Em suma, para saber raciocinar adequadamente e concretizar os sonhos, o primeiro passo é ter consciência da natureza do raciocínio, o que pode ser obtido estudando Lógica. Nestes últimos decênios, alguns sonhos da humanidade estão se concretizando. "Os sonhos que mais deram certo são aqueles relacionados ao progresso científico e tecnológico. São os criativos trabalhando na produção de idéias, na ciência e no desenvolvimento tecnológico. Neste novo contexto, da era pós-industrial, o que mais conta é a produção e detenção de conhecimento. É mais importante produzir e deter a informação, o royalty e a difusão da mídia, que as linhas de montagem repetitivas no interior das fábricas. A prova disto é que os países do primeiro mundo estão transferindo suas linhas de montagem para países periféricos, mas continuam produzindo e detendo o conhecimento e os royalties." [DeMasi, 2002] Isto significa, que mesmo industrializandose, países como o Brasil continuarão mais pobres que os países do primeiro mundo, onde ocorre a produção de idéias. O grande desafio posto aos brasileiros é o desenvolvimento de uma sociedade pós-industrial e daí obterem vantagens competitivas no mundo globalizado. Felizmente, a história mostra que, para uma sociedade se tornar pós-industrial, ela não necessariamente tem que passar pela fase industrial. Isto é um alento às aspirações de países como o Brasil, onde o processo industrial ainda não está concluído. Neste contexto, um dos grandes desafios da sociedade brasileira, representada pelas instituições de ensino e pesquisa, tem sido o desenvolvimento de ações que proporcionem a inserção do país na era pós-industrial. Uma destas ações é a melhoria da qualidade do ensino, que é fundamental para capacitar os indivíduos à produção de idéias. Além disso, ela contribui também para a inserção dos indivíduos em seu contexto social e para o resgate da cidadania dos excluídos. A sociedade exige dos educadores a adoção de novos paradigmas de ensino. Na era pós-industrial, os indivíduos devem ter posturas bem diferentes daquelas consideradas há até pouco tempo. A era da produção e implementação de idéias está se iniciando e cada vez mais os agentes da sociedade devem ter comportamentos próprios de um empreendedor. Eles devem ser visionários, saber tomar decisões, saber planejar, ser criativos e saber como aprender o novo. Todas estas características são próprias daqueles que aprenderam a aprender, daqueles que sabem raciocinar bem, daqueles que produzem idéias; enfim, daqueles que são criativos. Neste novo ambiente, terão vantagens aqueles que têm raciocínio lógico e sabem conferir concretude ao processo criativo. Mas o que deve ser feito para aprender a raciocinar bem? É necessário estudar, por exemplo, a natureza do raciocínio e isto é realizado estudando Lógica, [Haak, 1998], [Hurley, 2000], [Goldstein, 2007], [Salmon, 1984], [Mortari, 2001], [Souza, 2002]. A inclusão do novo paradigma, representado pelo ensino de Lógica, significa uma melhor preparação dos indivíduos para os desafios da nova sociedade da era pós-industrial. Saber raciocinar é importante, tanto para os jovens como também para adultos. No caso de alunos adultos, além da alfabetização, reciclagem e outros programas de inserção social, é também necessário aprender a raciocinar. Desta forma, eles terão maiores oportunidades no novo mercado de trabalho, o mercado das idéias, dos produtos da criatividade. Assim, após programas de alfabetização e reciclagens, é também pertinente o ensino de Lógica. 8 Se não é fácil definir Lógica, também não é fácil justificá-la, muito menos ensiná-la. Principalmente quando consideramos crianças, adolescente e adultos iniciantes, que não têm formação matemática. O tema até pode ser o mesmo que é ensinado na Universidade, Lógica, mas o foco é diferente. Crianças e adolescentes são mais exigentes que as pessoas habituadas às definições matemáticas. Para a apresentação dos conceitos, não bastam apenas formalizações de natureza matemática. É necessário muito mais que isto. O contexto deve ser fundamentalmente lúdico, o que é interessante também para os adultos iniciantes. Este é o desafio deste projeto. Ensinar Lógica e argumentação Lógica passo a passo. Apresentar seus principais fundamentos de forma agradável e lúdica, utilizando uma linguagem simples e acessível. Este é um projeto de ensino dirigido a estudantes que não possuem conhecimento prévio em Lógica e maturidade matemática. Ele se destina a estudantes de qualquer formação ou idade. Faz parte deste projeto o desenvolvimento e a utilização dos livros da série: "Belisca no Mundo da Lógica", que poderão ser utilizados como textos em disciplinas da escola básica, secundária e em cursos de reciclagem. Esta série já está sendo escrita a partir de notas de aulas apresentadas a tais alunos, na Escola de Ensino Básico da Universidade Federal de Uberlândia e na Escola Colibri. Foi a partir destas experiências e das observações de colegas que o utilizaram para ensinar Lógica a seus filhos, que a série está tomando sua forma definitiva. "Belisca no Mundo da Lógica" conta as aventuras de garotos do interior do Brasil. Em suas aventuras, Belisca e seus amigos se deparam com situações em que aparecem problemas da Lógica. Para resolvê-los, Belisca, garoto inteligente, raciocina logicamente todo o tempo. Certamente o leitor se identificará no mundo das aventuras de Belisca. É este mundo lúdico que o livro utiliza para apresentar os fundamentos da Lógica. 9 3 Objetivos Objetivo Geral O objetivo geral deste projeto é uma contribuição para o desenvolvimento de novas estratégias de ensino, que visam a melhoria do ensino no primeiro e segundo graus e em cursos de reciclagem. É claro, a melhoria do ensino depende de inúmeros fatores e este projeto é apenas uma contribuição pontual. Na nossa visão, várias ações devem ser consideradas para realizar esta melhoria. Ente elas, este projeto propõe a adoção dos seguintes temas: • Ensino de Lógica e argumentação Lógica. Desenvolver, nos estudantes, capacidade de análise crítica de argumentos lógicos e, portanto, o aprimoramento do raciocínio lógico. Neste contexto, os estudantes deverão aprender os fundamentos de Lógica e de argumentação Lógica. • Vivenciar os conceitos adqüiridos. Incentivar os estudantes, à prática dos conceitos de Lógica e argumentação Lógica. Estimular a utilização, no dia-dia, da análise crítica de argumentos e de resolução de problemas em geral. • Estímulo a atitudes pró-ativas no desenvolvimento do raciocínio. Estimular os estudantes a atitudes que possibilitam o desenvolvimento do raciocínio, da criatividade, do gosto literário e artístico, etc. Objetivos Específicos Estudar Lógica, incentivar a prática da análise crítica e ter atitudes apropriadas; são estes os objetivos gerais deste projeto. Neste contexto, como objetivos específicos, os alunos deverão estudar e desenvolver os seguintes temas em Lógica: • • Fundamentos de Lógica. Fundamentos de argumentação Lógica. • • • • • • • • • • • • • Capacidade de análise crítica de argumentos lógicos. Linguagem da Argumentação Lógica. Fundamentos da dedução Lógica. Fundamentos da indução Lógica. Classificação dos Argumentos. Validade dos Argumentos. Enunciados Fortes. Argumentos Fortes. Identificação Argumentos fortes. Racionalidade e argumentação Lógica. Argumentação Lógica categórica. Falácias. Dedução de conhecimento. Além destes objetivos, relacionados à Lógica, os alunos deverão também desenvolver as seguintes habilidades, que contribuirão para o estabelecimento de atitudes pró-ativas no desenvolvimento do raciocínio. • • • • Incentivo à leitura de contos, poemas, novelas, etc. Estudo de problemas sintáticos e semânticos de linguagens. Discussão de temas éticos e de valores, [Furrow, 2007], [Vásquez, 2005], tendo como finalidade o estabelecimento de atitudes pró-ativas no desenvolvimento do raciocínio. Estudo dos fundamentos da criatividade [Adams, 1986], [Novaes, 1971], [Oech, 1988], [Ostrower, 1977], [Teixeira, 2002], [Zingales, 1974]. A prática dos conceitos adqüiridos será estimulada através da solução e análise de problemas propostos. 12 4 Estado da arte O estudo de Lógica e argumentação Lógica, propostos neste projeto, é atualmente considerado, com frequência, como a área de conhecimento denominada: "Critical Thinking", [CT-course, 2007], [CT-org, 2007], [CT-problem, 2007], [CT-web, 2007], [Epstein, 1999]. Em Português, "Critical Thinking" ainda não possui uma tradução corrente, talvez pelo fato da tradução literal, "Pensamento Crítico" ou "Pensando Criticamente", não conferir a devida semântica à correspondente sentença em Inglês. Isto ocorre porque, neste contexto, "criticar" tem o sentido de discernir, julgar, arbitrar e não ato de criticar negativamente ou situação extrema. E, além disso, a melhor tradução para "thinking" seria "raciocinando". Por isso, é comum o uso dos termos: "Argumentação Lógica" e "Raciocínio Lógico," para se referir a "Critical Thinking". Também, mesmo sabendo que grande parte desta área de conhecimento está além da Lógica formal, alguns ainda a denominam: "Fundamentos de Lógica" [Hurley, 2000], [Salmon, 1984], [Gabbay, 1994] [Goldstein, 2007]. Mas o que é "Critical Thinking"? Consiste no processo mental que analisa e avalia a informação, particularmente sentenças ou proposições, que as pessoas acreditam ser verdadeiras. Temos um processo de reflexão sobre o significado das sentenças, o exame das evidências e um julgamento final dos fatos. Como já salientamos, tais capacidades são importantes na formação cognitiva dos indivíduos, e uma prova deste fato é o número de instituições e associações dedicadas ao fomento de "Critical Thinking", [CT-course, 2007], [CT-org, 2007], [CT-problem, 2007], [CT-web, 2007]. Tais instituições têm como objetivo principal a mudança nos paradigmas da educação formal tradicional, dando maior ênfase ao raciocínio crítico e à criatividade. 5 Metodologia O desenvolvimento do raciocínio, da inteligência, são temas cujo aprendizado requer, dos estudantes, um pensar adequado, um fazer com prazer, e uma forma positiva de ver os fatos a sua volta. É por isto, que seu desenvolvimento envolve, pelo menos, três elementos principais: • • • raciocínio, prática e atitude. Raciocínio. Em geral, as pessoas se diferem quanto à sua capacidade e talento cognitivo. Algumas até podem se distinguir das demais em algumas áreas, mas não se distinguirão em todas as áreas. Neste sentido, sem especificar ou se referir a um determinado campo do conhecimento, é difícil dizer se alguém é inteligente ou é mais inteligente, ou se um raciocínio é bom ou não. Isto ocorre porque há várias formas ou áreas de inteligência. Além disso, porque o talento, ou habilidade das pessoas para resolver problemas, não segue um único paradigma. Mas, mesmo sendo difícil entender, e avaliar, como as pessoas elaboram um bom raciocínio, compreender suas limitações e princípios, analisá-lo criticamente, são passos importantes para melhorar nossa capacidade cognitiva. E para obter esta compreensão, esta capacidade de análise, este projeto propõe um passo a ser dado: estudar Lógica e argumentação Lógica. Prática. Não basta apenas saber os princípios que distinguem o bom raciocínio de outro inadequado. Em um jogo de futebol, não basta apenas saber as regras, é necessário saber jogar bem. Analogamente, para aprender a raciocinar bem, não basta apenas aprender Lógica e argumentação Lógica. É necessário desenvolver habilidades que internalizem os conceitos adqüiridos, bem como a capacidade de aplicá-los no dia-a-dia. Os conceitos aprendidos devem ser aplicados em contextos realistas, sendo desta aplicação, a partida para um aprendizado com qualidade. Esta concepção não é nova. Veja o que foi dito por Confuncius1 : "I hear and I forget. I see and I remember. I do and I understand." Atitude. Não bastam apenas raciocínio e prática. Como quase toda atividade, o desenvolvimento da capacidade cognitiva do indivíduo depende, fundamentalmente, de sua atitude. É a sua atitude que pode colocá-lo pró-ativamente frente os problemas. É ela que pode fazê-lo ver e agir adequadademente, ou não, quando seu raciocínio é desafiado. E para aprender a raciocinar, é fundamental aprender a resolver problemas, refletir sobre questões postas e combinar as partes. As atitudes a seguir, que são comuns, são algumas que não ajudam a desenvolver o raciocínio. 1 Do original, em Inglês. • • • • • • • • • • Eu prefiro pessoas que dizem o que devo fazer, que me dão ordens. Não gosto de pensar, de antemão, qual estratégia deveria seguir para resolver algum problema. Simplesmente eu o resolvo. Não penso sobre as decisões que tomo. Nunca questiono as regras. Não gosto de pensar sobre meus erros. Não gosto de coisas vagas. Não gosto de ser criticado. Se tenho alguma opinião, nunca imagino tendo outra opinião que a contradiga. Não gosto de ambigüidades. Não gosto de brincar. Para melhorar nossa capacidade cognitiva, devemos acreditar na importância de refletir sobre as razões de nossas crenças e ações. Devemos querer o debate, permitir os erros, quebrar os paradigmas, saber lidar com as ambiguidades e aprender conceitos abstratos. Belisca no mundo da Lógica. A metodologia a ser seguida para o ensino dos três conceitos básicos: raciocínio, prática e atitude, seguem fundamentalmente a adoção dos livros da série: "Aventuras de Belisca no Mundo da Lógica." São livros utilizam várias linguagens, sendo que cada uma delas utiliza diferentes estilos e formas de letras. Quando falamos sobre o narrador da estória de Belisca, ou sobre o livro, a linguagem utiliza letras maiúsculas pequenas e grandes (como estamos escrevendo agora). É uma linguagem que fala sobre o livro, sobre sua forma e estilo de escrita. Ela expressa as opiniões de um crítico do livro. Quando o narrador narra sua estória, o texto que representa sua linguagem é escrito no estilo usual, como o estilo deste parágrafo. Quando os personagens da estória falam, conversam entre si, utilizamos outro estilo. A linguagem da fala dos personagens é escrita utilizando o estilo deste parágrafo. Se o objetivo é explicar conceitos da Lógica e argumentação Lógica, a linguagem utiliza a forma itálica. Portanto, o professor de Lógica escreve usando letras na forma itálica, como neste parágrafo. Há ainda outro tipo de linguagem, que utiliza a forma negrito. Os textos em negrito não são diálogos de personagens, descrições do narrador, explicações sobre o livro e nem sobre Lógica. Este estilo é utilizado em textos nos quais são considerados conceitos gerais que não fazem parte da estória de Belisca e nem são explicações de fundamentos de Lógica. Eles são os textos escritos pelo Pensador, que fala sobre conceitos éticos, valores morais, fundamentos das ciências em geral, etc. Portanto, o livro texto: "Aventuras de Belisca no mundo da Lógica" possui quatro tipos de personagens: o narrador, os indivíduos que compõem a estória contada pelo narrador, o professor de Lógica, o pensador e o crítico do livro. Neste contexto, cada tipo de personagem tem sua função: 16 • Narrador. Conta a estória de Belisca e seus amigos, de forma lúdica e agradável, utilizando uma linguagem próxima àquela utilizada pelos jovens. Seu objetivo é motivar o leitor, contanto uma estória, que bem poderia ser a estória do leitor. Belisca e seus amigos. Belisca é um garoto inteligente que sabe Lógica e argumentação Lógica. Ele vive no interior de Minas Gerais e, como muitos jovens, gosta de aventuras, tem uma linguagem própria e vive situações que o identifica com maioria dos leitores. Professor de Lógica. É o professor de Lógica quem explica os conceitos de Lógica e de argumentação Lógica. A explicação segue, na maioria dos casos, as situações vividas por Belisca e seus amigos. Desta forma, lendo a estória, o leitor aprende também conceitos de Lógica e de argumentação Lógica. O raciocínio, o primeiro dos três principais elementos da metodologia, é considerado pelo professor de Lógica. É seu objetivo o ensino dos fundamentos formais e a análise dos argumentos Lógicos. Pensador. Conceitos éticos e de fundamentos das ciências em geral são colocados pelo pensador, propiciando a discussão e reflexão destes temas. É objetivo do pensador, estimular o leitor a refletir sobre o terceiro elemento desta metodologia: a atitude. Ele motiva o leitor a atitudes pró-ativas para o desenvolvimento de seu raciocínio. Crítico. O crítico do livro faz uma análise de todo o processo. Ele executa uma auto-referência, uma auto-avaliação, um olhar para si. Vendo a si próprio, ele também estimula o leitor a ter atitudes pró-ativas e desenvolver seu raciocínio. • • • • Além do jogo dos personagens, ao final de cada seção, são propostas as "criatividades," onde o leitor deve resolver problemas, refletir e discutir temas introduzidos ao longo do livro. Neste caso, são as "criatividades" que consideram a prática dos conceitos apresentados. Ensino multidisciplinar. Como é visto acima, o projeto proposto trata de um ensino multidisciplinar, que se relaciona com disciplinas usuais como: Matemática, Português, História, Filosofia, Artes, Computação, etc. Mas sendo assim, em qual disciplina deveremos alocar o tema pretendido? Há várias opções. Certamente, a melhor seria cria uma disciplina própria para este tema. Entretanto, em uma fase experimental, uma boa opção é considerá-lo em aulas de informática. Ensino de informática e Lógica. Geralmente, a ementa de disciplinas de informática para alunos de quinta a oitava séries incluem editores de texto, planilhas de cálculo, confecção de jogos e aplicativos para o desenvolvimento, composição de artes gráficas e Internet. Para ensinar estes aplicativos são fundamentais as aulas práticas, onde os alunos exercitam os conceitos de informática apresentados. Assim, para aprender, por exemplo, um editor de texto, é necessário elaborar vários textos no computador. E neste caso, que textos deveriam ser elaborados? Outro problema: como aprender uma planilha de cálculo sem a presença de um problema do dia-a-dia para ser resolvido com ela. Se não há um objetivo claro e específico, qual imagem compor no computador? Qual jogo interativo deve ser feito? Que tema, relevante, deve ser pesquisado na Internet? Um problema freqüente, que vários professores encontram, é o que trata da motivação dos alunos, que devem aprender tais sistemas de informática sem a presença de aplicações relevantes, do dia-a-dia. Neste contexto, os temas propostos neste projeto poderão ser a fonte de aplicações para os alunos de informática, como se seguem: • • • Editor de texto. Elaborar textos relacionados à Lógica e argumentação Lógica. Planilha de cálculo. Elaborar planilhas que contenha tabelas e utilizam os conectivos Lógicos. Jogos. Elaborar jogos interativos de raciocínio Lógico. 17 • • Confeccionar imagens relacionadas aos personagens da estória de Belisca. Pesquisar, na Internet, temas importantes sugeridos ao longo dos livros. Além desta relação com o ensino de informática, os conceitos de linguagem e literários deverão ser tratados por professores de Português. Os temas éticos poderão ser considerados em História ou Filosofia. As ilustrações, é claro, poderão ser desenvolvidas em aulas de Artes. Treinamento de Instrutores. Faz também parte deste projeto o treinamento dos instrutores, que será dado pelo coordenador do projeto. Este treinamento será feito na Faculdade de Computação da UFU, através de aulas expositivas. As datas e cargas horárias dos treinamentos serão decididas conforme a demanda. 18 6 Cronograma de Execução A série: "Belisca no mundo da Lógica" será composta de quatro volumes. O primeiro deverá ser adotado por alunos da quinta série; o segundo, por alunos da sexta série; e assim por diante, até os alunos da oitava série. Ao longo de sua utilização, a série de livros e a metodologia de sua aplicação serão aprimoradas com base nas observações e experiências coletadas. Desta forma, temos um cronograma sem data para encerramento. Estratégias de execução A execução do projeto será dividida em fases anuais, com um número de fases indeterminado. A série "Aventuras de Belisca no Mundo da Lógica"terá quatro volumes, intitulados como: A Primeira Aventura; A Segunda Aventura; A Terceira Aventura e A Quarta Aventura de Belisca no Mundo da Lógica. Em cada fase anual, os alunos de uma determinada turma utilizarão um volume da série "As Aventuras de Belisca no mundo da Lógica". Primeiro ano. Inicialmente, todos os alunos, da quinta à oitava série, utilizarão como texto básico "A Primeira Aventura de Belisca no Mundo da Lógica". Após o primeiro ano de implementação do projeto, em todas as fases anuais subseqüentes, os alunos da quinta série continuarão utilizando o texto "A Primeira Aventura de Belisca no Mundo da Lógica". Segundo ano. No segundo ano de implementação do projeto, os alunos da sexta, sétima e oitava séries utilizarão o texto: "A Segunda Aventura de Belisca no Mundo da Lógica". Após o segundo ano de implementação do projeto, em todas as fases anuais subseqüentes, os alunos da sexta série continuarão utilizando o texto "A Segunda Aventura de Belisca no Mundo da Lógica". Terceiro ano. No terceiro ano de implementação do projeto, os alunos da sétima e oitava séries utilizarão o texto: "A Terceira Aventura de Belisca no Mundo da Lógica". Após o segundo ano de implementação do projeto, em todas as fases anuais subseqüentes, os alunos da sétima série continuarão utilizando o texto "A Terceira Aventura de Belisca no Mundo da Lógica". Quarto ano. No quarto ano de implementação do projeto, os alunos da oitava série utilizarão o texto: "A Quarta Aventura de Belisca no Mundo da Lógica". Após o quarto ano de implementação do projeto, em todas as fases anuais subseqüentes, os alunos da oitava série continuarão utilizando o texto "A Quarta Aventura de Belisca no Mundo da Lógica". 7 Resultados Esperados São ambiciosos os resultados esperados: • • • estudantes um pouco, um pouquinho mais inteligentes, com alguns dons criativos e que percebam como é importante possuir, praticar e viver valores éticos; e também, raciocinar e ter atitudes adequadas a uma sociedade mais justa e fraterna. Referências [Adams, 1986] J. L. Adams, Conceptual Blockbusting, A Guide to Better Ideas, Addison-Wesley Publishing Company, 1986. [Chauí, 2002] M. Chauí, Convite à Filosofia, Editora Ática, 2002. [CT-course, 2007] Open Courseware on Critical Thinking, www.philosophy.hku.hk, 2007. [CT-org, 2007] The Critical Thinking Community, www.criticalthinking.org, 2007. [CT-problem, 2007] Critical Thinking and Problem Solving Skills, www.falcon.jmu.edu, 2007. [CT-web, 2007] Critical Thinking on the Web, www.austhink.org, 2007. [DeMasi, 2002] D. De Masi, Criatividade e Grupos Criativos, Editora Sextante, 2002. [DeMasi, 2001] D. De Masi, O Ócio Criativo, Editora Sextante, 2001. [Epstein, 1999] R. L. Epstein, Critical Thinking, Wadsworth Publishing Company, 1999. [Furrow, 2007] D. Furrow, Ética, Conceitos-Chave em Filosofia, Artmed, 2007. [Gabbay, 1994] D. Gabbay, F. Gunthner, Handbook of Philosophical Logic, Kluwer Academic Publishing, 1994. [Goldstein, 2007] L. Goldstein, A. Brennan, M. Deutsch, J. Y. F. Lau, Lógica, Conceitos-Chave em Filosofia, Artmed, 2007. [Haak, 1998] S. Haak, A Filosofia da Lógica, Editora Unesp, 1998. [Hurley, 2000] P. J. Hurley, R. W. Burch, A Consise Introduction to Logic Wadsworth, 2000. [Mortari, 2001] C. A. Mortari, Introdução à Lógica, Editora Unesp, 2001. [Novaes, 1971] M. H. Novaes, Psicologia da Criatividade, Editora Vozes, 1971. [Oech, 1988] R. Von Oech, Um "Toc" na Cuca, Editora Livraria Cultura, 1988. [Ostrower, 1977] F. Ostrower, Criatividade e Processos de Criação, Editora Imago, 1977. [Salmon, 1984] W. C. Salmon, Lógica, Editora Prentice Hall do Brasil, 1984. [Souza, 2002] J. N. de Souza, Lógica para Ciência da Computação, Editora Campus, 2002. [Teixeira, 2002] E. Teixeira, Criatividade, Ousadia e Competência, Editora Makron Books, 2002. [Vásquez, 2005] A. S. Vásquez, Ética, Editora Civilização Brasileira, 2005. [Zingales, 1974] M. Zingales, A Organização da Criatividade, Editora da Universidade de São Paulo, 1974.
Description
Projeto de ensino de LÓGICA e ARGUMENTAÇÃO LÓGICA para iniciantes Desenvolvendo o Raciocínio com Argumentação Lógica. João Nunes de Souza Universidade Federal de…