Psicologia e Filosofia Consideraes Iniciais sobre a Disciplina Prof. William B. Gomes, Ph.D Bolsista Produtividade A/CNPq Instituto de Psicologia, UFRGS,

  • Published on
    17-Apr-2015

  • View
    103

  • Download
    0

Transcript

  • Slide 1
  • Psicologia e Filosofia Consideraes Iniciais sobre a Disciplina Prof. William B. Gomes, Ph.D Bolsista Produtividade A/CNPq Instituto de Psicologia, UFRGS, PSI01221 Atualizada em 09/03/2010
  • Slide 2
  • Principais questes O foco da disciplina o reconhecimento de fenmenos psicolgicos Quais so esses fenmenos? A filosofia servir de contexto e a formulao de ideias psicolgicos ser o foco. Na relao entre ideias psicolgicas e filosofia, observar a histria da cincia (do senso comum para o domnio da natureza) O vis utilizado na disciplina. Critrio analtico epistemolgico das quatro perguntas sobre um campo de conhecimento
  • Slide 3
  • Quais so as quatro perguntas? O que ? Ao que se refere? Como ? Como se refere? Por que ? Por que deste e no de outro modo? Para que ? Em que ajuda e em que implica?
  • Slide 4
  • Das respostas s perguntas O qu refere-se ao objeto. Como refere-se ao sujeito que conhece o objeto. Por qu refere-se a lgica que justifica tal conhecimento. Para qu refere-se as implicaes decorrentes do tal conhecimento.
  • Slide 5
  • Cada pergunta se refere a uma diviso da filosofia: O que eu sei? Objeto: ontologia Como eu sei? Sujeito: epistemologia Por que eu sei? Justificativa : lgica Para que eu sei? Cuidado: tica
  • Slide 6
  • As quatro grandes divises da Filosofia Filosofia Ontologia Epistemologia Lgica Axiologia (valores) tica Esttica
  • Slide 7
  • Portanto, as quatro perguntas do critrio epistemolgico para o estudo da teoria psicolgica so as seguintes: qual o objeto de estudo? como se estuda tal objeto? por que se estuda tal modo? para que serve, o que eu posso fazer com isso?
  • Slide 8
  • Agora podemos ir da filosofia para psicologia e perguntar: Qual o objeto da psicologia?
  • Slide 9
  • Algumas possibilidades: A vida inteligente A autoconscincia (conscincia) A capacidade de pensar (cognio) O aparecimento de crenas (cognio) O ato de desejar (inconsciente) A formao de hbitos (comportamento) Desacertos morais - a irracionalidade (tica) Nota: interessante analisar as perguntas pensando nas trs vias: cognio, afeto, conao (ativo); e na relao racional irracional.
  • Slide 10
  • Esquema sugestivo da vida mental: Crenas DesejoVida Inteligente Conscincia Imaginao Falta + = + =
  • Slide 11
  • Voltando histria do pensamento psicolgico, podemos identificar algumas velhas questes de interesse: Como obter sucesso na vida? As crenas so racionais? possvel um conhecimento objetivo? Afinal de onde vem a conscincia? Do corpo? De algum outro lugar?
  • Slide 12
  • As questes importantes seguem querendo saber: O que a vida? Por que somos capazes de pensar? Pensar associado ao corpo ou a outro lugar? Se vem de fora e eterno como pode ser? Esse de fora a alma? O que alma? Qual a relao entre alma e corpo?
  • Slide 13
  • Nutritiva Sensitiva Intelectiva Razo Paixes CORPO ALMA Alma est em todo o ser vivente:
  • Slide 14
  • O objetivo da disciplina analisar em uma perspectiva histrica a formao de conceitos em psicologia. O que a alma? Como conhec-la? Como justific-la? Como libert-la?. Logo importa saber: Exemplo: O conceito de alma remonta s origens das teorias psicolgicas
  • Slide 15
  • A proposta da disciplina identificar e descrever pontos e transies que marcaram os movimentos das idias Psicolgicas, analisando os respectivos conceitos
  • Slide 16
  • origens, consolidao, crtica, transio, esquecimento. Vida e Morte Severina Conceitos Psicolgicos
  • Slide 17
  • Principais transies
  • Slide 18
  • Psicologia Pr-Socrtica Do animismo para a racionalidade Mitologias e crenas Da racionalidade para a subjetividade Os sbios pr-socrticos Da relao entre alma e crebro A Medicina e fisiologia de Alcmeo e Hipcrates
  • Slide 19
  • Psicologia na antiga Grcia Da subjetividade para a tica a virtude em Scrates Da tica para a conjuno articulada entre racionalidade e tica as idias psicolgicas de Plato e Aristteles Do retorno supremacia tica os epicuristas, os esticos, os cpticos, e os cristos
  • Slide 20
  • Psicologia Crist Medieval Do retorno a Plato e Aristteles Santo Agostinho e So Toms Da dominao aristotlica A escolstica
  • Slide 21
  • Psicologia na Filosofia Moderna Do renascimento filosfico a Filosofia Moderna o racionalismo o empirismo o idealismo o romantismo
  • Slide 22
  • Da Filosofia Moderna a Cincia da Psicologia (Sculo XIX) Dos avanos nas cincias da vida Das reflexes sobre a razo e as paixes Para a Psicologia Epistemologia filosficaEpistemologia fisiolgica
  • Slide 23
  • Histria da Psicologia Continuao no Segundo semestre
  • Slide 24
  • Medicina e Psicologia Influncias da medicina A loucura Psiquiatria orgnica versus psiquiatria funcional Hipnose Psicanlise e psicoterapia
  • Slide 25
  • Cincia Psicolgica Experimentao cientfica Teoria da evoluo Sentimentos, existncia e romantismo Mudanas econmicas e sociais
  • Slide 26
  • Sistemas Psicolgicos Teorias atomistas e mecanicistas Teorias funcionalistas americanas e europias Teorias compreensivas e romnticas Teorias socioculturais americanas e europias Teorias socioromnticas brasileiras
  • Slide 27
  • Teorias atomistas e mecanicistas Da psicologia das faculdades, Para o associacionismo Para o introspectionismo de Wundt e Titchener* Para o funcionalismo Ou para o compreensivismo *A teoria de Wundt ficou conhecida pelo termo estruturalismo conforme divulgao de Titchener, mas cuidado pois o termos tem vrias definies e se tornar mais conhecido conforme utilizado na literatura (formalistas russos) e na lingustica.
  • Slide 28
  • Teorias funcionalistas e biolgicas Psicanlise integrao de funcionalismo com romantismo Behaviorismo Epistemologia gentica Psicologias biolgicas Cognitivismo Psicossociologia
  • Slide 29
  • Teorias compreensivas, estruturalistas e romnticas Teorias gestlticas Teorias humanistas Teorias fenomenolgicas Teorias existencialistas Teorias psicanalticas estruturais Teorias sociais
  • Slide 30
  • Tendncias Recentes Tendncia para integrao em psicoterapia Centralidade de valores e espiritualidade Comprometimento social, tolerncia e minorias Integrao mente e crebro
  • Slide 31
  • Livros Textos: Psicologia & Filosofia Principais em negrito Ferry, L. (2007). Aprender a viver: Filosofia para os novos tempos. Rio: Objetiva Hearnshaw, L. S. (1989). The shaping of modern psychology. London: Routledge. (Os captulos indicados foram traduzidos e esto a disposio no site da disciplina, plataforma moodle) Hessen, J. (1999). Teoria do conhecimento (J. V. G. Cuter, Trad.). So Paulo: Martins Fontes Hunnex, M. (2003). Filsofos e correntes filosficas (A. S. Matos, Trad.). So Paulo: Vida. Gaarden, Jostein (1995). O mundo de Sofia (Joo Azenha Jr. Trad.). So Paulo: Cia das Letras. Gomes, W. B. (2004). Primeiras noes da psique: Das concepes animistas s primeiras concepes hierarquizadas em antigas civilizaes. Memorandum, 7 Retirado em 15/03 /2007,do World Wide Web: http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/artigos07/gomes01.hthttp://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/artigos07/gomes01.ht Gomes, W. (1994). Textos sobre a histria da psicologia. Monografias no publicadas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. (Disponveis na copiadora, trreo do Bsico e na internet: MuseuPSI) Gomes, W. B. (2007). Relaes entre psicologia e filosofia. Em A. V. B. Bastos & N. Rocha (Orgs.), Novas direes no dilogo com outros campos do saber (pp. 73-100). So Paulo: Casa do Psiclogo. Mueller, F-L. (1968). Histria da psicologia (Trad. Damasco Penna). SP.: Companhia Editora Nacional. Penna, A. G. (1980). Histria das idias psicolgicas. Rio: Zahar. Rezende, A. (Org.) (1986). Curso de filosofia. Rio: Zahar. Rosenfeld, A. (1993). O pensamento psicolgico. So Paulo: Perspectiva. Rubenstein, R. (2003). Herdeiros de Aristteles (V. Ribeiro, Trad.). Rio de Janeiro: Rocco. Teixeira, J. F. (2007) Psicologia e filosofia: As dificuldades de uma interface.. Em A. V. B. Bastos & N. Rocha (Orgs.), Novas direes no dilogo com outros campos do saber (pp. 101-129). So Paulo: Casa do Psiclogo. Taylor, C. (1997). As fontes do self: A construo da identidade moderna. Peridicos de interesse: Philosophical Psychology Philosophy, Psychiatry & Psychology Journal of Theoretical and Philosophical Psychology Theory & Psychology Memorandum
  • Slide 32
  • Organizao da Disciplina Aulas Modelo tradicional: saber do professor. Modelo utilizado: como aprender a aprender. Freqncias Livre Lista de presena para fins estatsticos Avaliaes Presena obrigatria Material de estudo Disponvel no site da disciplina, uso exclusivo aos alunos matriculados na disciplina.
  • Slide 33
  • Uso de internet Aulas: presena no importante Leituras: fundamentais Avaliaes: fundamentais Dvidas de leituras: trazer para a aula ou enviar para o site da disciplina As respostas sero para todos os alunos.
  • Slide 34
  • Qual a importncia da disciplina? Depende Do perfil cultural do aluno Da sofisticao da educao familiar Do plano cientfico profissional uma disciplina culta, sofisticada, erudita. Indispensvel para quem quer ter domnio sobre a cincia psicolgica Pouco interessante para quem quer ser um tcnico ou um ativista em psicologia
  • Slide 35
  • Qual a melhor posio desta disciplina no currculo? No incio do curso? No meio do curso? No fim do curso? Quem souber avise
  • Slide 36
  • Uma certeza O campo da psicologia grande e disperso. Os acessos so arbitrrios Psiclogos sabem coisas diferentes uns dos outros O estudo da histria ajuda a entender que apesar das diferenas de interesses e de linguagens muitas das razes so comuns.
  • Slide 37
  • O grande campo da psicologia As trs grandes vias psicolgicas Esse grfico nos acompanhar pelos dois semestres

Recommended

View more >