Prova 3 Filosofia QQUUEESSTTEESS ? 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19

  • Published on
    18-Aug-2018

  • View
    212

  • Download
    0

Transcript

  • GABARITO 2

    Prova 3 Filosofia QQQUUUEEESSSTTTEEESSS OOOBBBJJJEEETTTIIIVVVAAASSS

    N.o DE ORDEM: N.o DE INSCRIO: NOME DO CANDIDATO:

    IIINNNSSSTTTRRRUUUEEESSS PPPAAARRRAAA AAA RRREEEAAALLLIIIZZZAAAOOO DDDAAA PPPRRROOOVVVAAA 1. Confira os campos N.o DE ORDEM, N.o DE INSCRIO e NOME, conforme o que consta na etiqueta fixada em sua

    carteira. 2. Confira se o nmero do gabarito deste caderno corresponde ao constante na etiqueta fixada em sua carteira. Se houver

    divergncia, avise, imediatamente, o fiscal. 3. proibido folhear o caderno de provas antes do sinal, s 9 horas. 4. Aps o sinal, confira se este caderno contm 40 questes objetivas (20 de cada matria) e/ou qualquer tipo de defeito.

    Qualquer problema, avise, imediatamente, o fiscal. 5. O tempo mnimo de permanncia na sala de 2 h aps o incio da prova. 6. No tempo destinado a esta prova (4 horas), est includo o de preenchimento da Folha de Respostas. 7. Transcreva as respostas deste caderno para a Folha de Respostas. A resposta correta ser a soma

    dos nmeros associados s proposies verdadeiras. Para cada questo, preencha sempre dois alvolos: um na coluna das dezenas e um na coluna das unidades, conforme exemplo ao lado: questo 13, resposta 09 (soma das proposies 01 e 08).

    8. Se desejar, transcreva as respostas deste caderno no Rascunho para Anotao das Respostas constante nesta prova e destaque-o, para retir-lo hoje, nesta sala, no horrio das 13h15min s 13h30min, mediante apresentao do documento de identificao do candidato. Aps esse perodo, no haver devoluo.

    9. Ao trmino da prova, levante o brao e aguarde atendimento. Entregue ao fiscal este caderno, a Folha de Respostas e o Rascunho para Anotao das Respostas.

    Corte na linha pontilhada. ....................................................................................................................... RRRAAASSSCCCUUUNNNHHHOOO PPPAAARRRAAA AAANNNOOOTTTAAAOOO DDDAAASSS RRREEESSSPPPOOOSSSTTTAAASSS

    N.o DE ORDEM: NOME:

    01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

    01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

    UEM Comisso Central do Vestibular Unificado

  • GABARITO 2 UEM/CVU

    Vestibular de Inverno/2009 Prova 3 Filosofia

    2

    FILOSOFIA

    Questo 01

    A tica ou filosofia moral a parte da filosofia que se ocupa com a reflexo a respeito das noes e princpios que fundamentam a vida moral. (ARANHA, Maria L. de Arruda e MARTINS, Maria H. Pires. Filosofando: introduo Filosofia. 3 ed. So Paulo: Moderna, 2003, p. 301). A tica nasce quando a indagao formula duas questes: primeiro, de onde vm e o que valem os costumes; segundo, o que o carter de cada pessoa, isto , seu senso e conscincia moral. Assinale o que for correto. 01) Para Nietzsche, a tica institui um dever ser moral,

    os princpios e os valores que ela dita so universais, portanto vlidos para todos os homens, independentemente do tempo e do espao.

    02) As perguntas dirigidas por Scrates aos atenienses sobre o que eram os valores nos quais acreditavam e que respeitavam ao agir inauguram a filosofia moral, porque definem o campo no qual valores e obrigaes morais podem ser estabelecidos pela determinao do seu ponto de partida, isto , a conscincia do agente moral.

    04) Para Aristteles, a tica fundamenta-se em princpios ascticos, em uma moral da abnegao, como condies indispensveis para impor aos homens um dever ser capaz de conter o carter perverso dos seus instintos e paixes.

    08) A tica no se confunde com a poltica, todavia elas mantm entre si uma relao necessria, pois a formao tica , ao sobrepor os interesses coletivos aos individuais, importante para o exerccio da cidadania.

    16) Para Kant, no existe bondade natural. Por natureza, o homem egosta, ambicioso, destrutivo, vido de prazeres que nunca o saciam e pelos quais mata, mente, rouba; a razo pela qual precisa do dever para se tornar um ser moral.

    Questo 02

    Scrates foi um dos mais importantes filsofos da antiguidade. Para ele, a filosofia no era um simples conjunto de teorias, mas uma maneira de viver. Sobre o pensamento e a vida de Scrates, assinale o que for correto. 01) Scrates acreditava que passar a vida filosofando, isto

    , a examinar a si mesmo e a conduta moral das pessoas, era uma misso divina na qual um deus pessoal o auxiliava.

    02) Nas conversaes que mantinha nos lugares pblicos da Atenas do sculo V a.C., Scrates repetia nada saber para, assim, no responder s questes que formulava e motivar seus interlocutores a darem conta de suas opinies.

    04) Em polmica com Aristteles, para quem a cidade nasce de um acordo ou de um contrato social, Scrates escreveu a Repblica, na qual demonstra ser o homem um animal poltico.

    08) O exerccio da filosofia, para Scrates, consistia em questionar e em investigar a natureza dos princpios e dos valores que devem governar a vida. Assim se comportando, Scrates contraiu inimizades de poderosos que o executaram sob a acusao de impiedade e de corromper a juventude.

    16) A maiutica socrtica a arte de trazer luz, por meio de perguntas e de respostas, a verdade ou os conhecimentos mais importantes vida que cada pessoa retm em sua alma.

  • GABARITO 2 UEM/CVU

    Vestibular de Inverno/2009 Prova 3 Filosofia

    3

    Questo 03

    A linguagem verbal um sistema de smbolos que permite aos seres humanos ultrapassarem os limites da experincia vivida e organizar essa experincia sob forma abstrata, conferindo sentido ao mundo. Assinale o que for correto. 01) A linguagem humana, da mesma forma que as

    linguagens de computador, altamente estruturada e, por isso, inflexvel; no fosse assim, a comunicao entre as pessoas seria impossvel.

    02) A linguagem oral o nico meio disposio do homem para sua comunicao e o estabelecimento de relaes com os outros indivduos.

    04) A formao do mundo cultural depende fundamentalmente da linguagem. Pela linguagem, o homem deixa de reagir somente ao presente imediato, podendo pensar o passado e o futuro e, com isso, construir o seu projeto de vida.

    08) Os nomes so smbolos ou representaes dos objetos do mundo real e das entidades abstratas. Como representaes, os nomes tm o poder de tornar presente para nossa conscincia o objeto que no est dado aos sentidos.

    16) O homem a nica espcie animal dotada da capacidade de linguagem mediante a palavra e faz uso de smbolos, isto , refere-se s coisas por meio de signos convencionados, enquanto na linguagem de outros animais os signos so ndices.

    Questo 04

    Na lgica clssica, trs princpios lgicos (as trs leis do pensamento), a saber, os princpios de identidade, de no contradio e do terceiro excludo, condicionam o valor de verdade de todo pensamento e de todo discurso. Assinale o que for correto. 01) O princpio de identidade afirma que cada coisa

    aquilo que ; uma proposio verdadeira ento verdadeira.

    02) O princpio de no contradio estabelece que no se pode afirmar e negar o mesmo predicado do mesmo sujeito, ao mesmo tempo e na mesma relao.

    04) De acordo com o princpio de no contradio, possvel que proposies contraditrias possam ser ambas verdadeiras, mas jamais falsas.

    08) O princpio do terceiro excludo afirma que uma proposio verdadeira ou falsa, vale dizer, que verdadeira a disjuno p ou no-p.

    16) De acordo com o princpio do terceiro excludo, h casos em que uma proposio parcialmente verdadeira ou incompletamente falsa.

    Questo 05

    O significado etimolgico da palavra esttica traduz a ideia de uma percepo totalizante e compreenso sensorial do mundo; como disciplina da filosofia, a esttica estuda as teorias da criao e da percepo artstica. Assinale o que for correto. 01) Considerando que a obra de arte no entende o

    mundo por meio do pensamento lgico, podemos afirmar que incapaz de traduzir a realidade e fica, portanto, condenada ao mbito da iluso.

    02) Aristteles concebeu a arte como sendo expresso de um mundo ideal, a arte jamais deve imitar a realidade, pois, ao faz-lo, degrada-se.

    04) A arte pode ser realizada com uma funo pedaggica; o pensamento esttico de esquerda atribui arte uma tarefa de crtica social e poltica, a arte deve ser engajada, isto , comprometida com o processo de mudana capaz de libertar e de emancipar o homem.

    08) Schiller acredita que, na prtica de uma cultura esttica, a humanidade pode reconciliar os impulsos sensuais e intelectivos, harmonizando-os; essa reconciliao se d por um novo modelo de sociedade em que a arte, com seu poder de criatividade, pode libertar o homem do trabalho alienante, do sensualismo limitante, do prazer puramente fsico e de um intelectualismo abstrato por teorias incompreensveis.

    16) A arte um caso privilegiado de entendimento intuitivo do mundo, tanto para o artista que cria obras concretas e singulares quanto para o apreciador que se entrega a elas para penetrar-lhes o sentido.

  • GABARITO 2 UEM/CVU

    Vestibular de Inverno/2009 Prova 3 Filosofia

    4

    Questo 06

    A Filosofia Moderna compreende os sculos XVII e XVIII, caracterizando-se por um acentuado racionalismo que se ope ao pessimismo terico do ceticismo, o qual duvida da capacidade da razo humana poder alcanar um conhecimento certo fundamentado em uma verdade universal. Assinale o que for correto. 01) Ren Descartes, no Discurso do Mtodo, instaura a

    dvida metdica; deve ser, portanto, considerado um adepto do ceticismo.

    02) O dogmatismo ope-se ao ceticismo, pois uma doutrina segundo a qual possvel atingir a certeza de verdades inquestionveis.

    04) Para o racionalismo, o ponto de partida do conhecimento o sujeito como conscincia de si reflexiva, isto , como conscincia que conhece sua capacidade de conhecer.

    08) Francis Bacon um dos mais importantes cticos do sculo XVII, pois, para ele, o homem nunca poderia libertar-se dos dolos que impedem sua razo de alcanar qualquer saber efetivo.

    16) O racionalismo acredita que a vida tica pode ser totalmente racional, visto que a razo humana capaz de conhecer a origem, as causas e os efeitos das paixes e das emoes, podendo domin-las e govern-las.

    Questo 07

    Na obra A Essncia do Cristianismo, Feuerbach faz uma crtica religio crist. Para ele, o homem aliena sua essncia na religio, pois os seres humanos se esquecem de que foram os criadores da divindade e invertem a relao quando acreditam que foram criados pelos deuses. Assinale o que for correto. 01) Para Feuerbach, o verdadeiro fundamento do homem

    apenas ele mesmo; assim, o nico fundamento absoluto de todo pensamento humano o homem como razo, como vontade, como corao.

    02) A teoria da alienao religiosa de Feuerbach ofereceu uma contribuio importante filosofia poltica, particularmente de Marx.

    04) Feuerbach critica a religio, todavia aceita a teologia, pois acredita que ela pode nos conduzir a um conhecimento racional da essncia de Deus.

    08) A crtica de Feuerbach alienao religiosa levou Marx a aderir filosofia existencialista de Feuerbach.

    16) Quando Marx declara que a religio o pio do povo, ele concorda com Feuerbach que a religio uma alienao; para Marx, a religio amortece a combatividade dos oprimidos e dos explorados, porque lhes promete uma vida feliz no futuro e no outro mundo.

    Questo 08

    Na Grcia arcaica, a gerao da ordem do mundo apresentada por mitos que narram a genealogia e a ao de seres sobrenaturais. A filosofia, com a escola jnica, caracteriza-se por explicar a origem do cosmos, recorrendo a elementos ou a processos encontrados na natureza. Assinale o que for correto. 01) O mito incapaz de instituir uma realidade social,

    pois seu carter fantasioso no possui credibilidade alguma para seus ouvintes.

    02) A transformao de uma representao dominantemente mtica do mundo para uma concepo filosfica expressa, entre os sculos VIII e VI a. C., na antiga Grcia, uma mudana estrutural da sociedade.

    04) Os filsofos da escola jnica realizaram uma ruptura definitiva entre a mitologia e a filosofia; depois deles, no possvel encontrar, no pensamento filosfico, presena alguma de mitos.

    08) O mito de dipo, encontrado na tragdia de Sfocles, ser aproveitado por Sigmund Freud para explicar o complexo de dipo como causa de determinadas neuroses.

    16) Homero foi o primeiro historiador grego. Na Ilada e na Odisseia, descreve o comportamento de homens heroicos cujas aes no possuem mais componente mitolgico algum.

  • GABARITO 2 UEM/CVU

    Vestibular de Inverno/2009 Prova 3 Filosofia

    5

    Questo 09

    O postulado bsico da fenomenologia a noo de intencionalidade, pela qual toda conscincia intencional, isto , visa a algo fora de si; a conscincia sempre conscincia de alguma coisa. Assinale o que for correto. 01) Um dos princpios da teoria do conhecimento da

    fenomenologia que a verdade do mundo objetivo pode ser conhecida com segurana, pois os fenmenos naturais apresentam-se conscincia do sujeito como dados empricos.

    02) A fenomenologia constri seus princpios tendo como fundamento a filosofia positiva, acredita, como Auguste Comte, que a observao objetiva a condio necessria para a formao do conhecimento.

    04) A fenomenologia inatista e idealista, pois acredita que o homem, ao nascer, j possui, na sua mente, todas as ideias necessrias para o conhecimento da realidade objetiva e subjetiva.

    08) A realidade, para a fenomenologia, um conjunto de significaes ou de sentidos que so produzidos pela conscincia ou pela razo, portanto, para a fenomenologia, no h objeto em si, j que o objeto sempre para um sujeito que lhe confere significados.

    16) crena na possibilidade de um conhecimento neutro, a fenomenologia contrape uma cincia que estabelece uma nova relao entre sujeito e objeto, o ser humano e o mundo, concebidos como polos inseparveis.

    Questo 10

    Na Idade Mdia, o patrimnio cultural do Ocidente cristo enriquecido com valiosas contribuies dos intelectuais muulmanos. O renascimento cultural promovido pelos rabes no Oriente, nos sculos VIII e IX, marcado por avanos cientficos e pela retomada do pensamento racional grego. Assinale o que for correto. 01) Os cientistas islmicos foram responsveis pela

    introduo da lgebra, da trigonometria e do conceito do nmero zero na matemtica.

    02) O islamismo, por ser uma religio de carter fundamentalista e fantico, perseguia persistentemente os judeus e os cristos, tendo como consequncia a destruio sistemtica da cultura judaico-crist, tanto na pennsula ibrica quanto na itlica.

    04) Avicena, com suas obras Livro da cura e O cnon da medicina, monumentais enciclopdias mdicas, trouxe medicina um desenvolvimento significativo.

    08) Averris foi mdico e filsofo; na filosofia, destaca-se por ser um dos maiores comentaristas da obra do filsofo grego Aristteles, tornando-se, assim, um dos mais ilustres pensadores da baixa Idade Mdia.

    16) Os grandes cientistas renascentistas Galileu Galilei e Nicolau Coprnico frequentaram as universidades rabes, onde adquiriram conhecimentos que revolucionaram a cincia moderna.

  • GABARITO 2 UEM/CVU

    Vestibular de Inverno/2009 Prova 3 Filosofia

    6

    Questo 11

    Aplicarei os regimes para o bem do doente segundo o meu poder e entendimento, nunca para causar dano ou mal a algum. A ningum darei por comprazer, nem remdio mortal nem um conselho que induza a perda (...) Conservarei imaculada minha vida e minha arte (...) Em toda a casa, a entrarei para o bem dos doentes, mantendo-me longe de todo o dano voluntrio... (Juramento de Hipcrates. In: Filosofia Ensino Mdio. Secretaria de Estado da Educao. Curitiba: SEED-PR, 2006, p. 260). Assinale o que for correto. 01) A medicina de Hipcrates pesquisou a influncia dos

    elementos naturais sobre a sade humana, tais como o clima, os ventos, a qualidade da gua e a alimentao.

    02) Chama-se Biotica o ramo da tica que lida com as implicaes morais decorrentes das prticas mdicas, das descobertas das cincias biolgicas e das relaes do homem com o meio ambiente.

    04) At o comeo do Renascimento, no sculo XVI, a Igreja Catlica proibia a exumao e a dissecao de cadveres fundamentada na tica do juramento hipocrtico.

    08) Na filosofia socrtica, a arte maiutica significa a arte de parir o conhecimento; Scrates fundamentou seu mtodo na prtica obstetra da medicina hipocrtica.

    16) Hipcrates buscou, na tica a Nicmaco, de Aristteles, os fundamentos da deontologia mdica.

    Questo 12

    O valor e a utilidade da filosofia tm sido, no raras vezes, postos sob suspeita. Uma viso acerca do filsofo que ele divaga e perde-se em reflexes sobre questes abstratas que nada tm a ver com o cotidiano das pessoas. Em relao natureza e finalidade da filosofia, assinale o que for correto. 01) A filosofia , em termos gerais, um esforo

    intelectual para se interpretar o mundo e os eventos que nele se passam, compreender o prprio homem e iluminar o agir que do homem se espera.

    02) O termo filosofia foi utilizado durante vrios sculos como nome geral para diferentes ramos do saber, como matemtica, geometria, astronomia; isso muda a partir do sculo XVII com a revoluo metodolgica iniciada por Galileu e com o estabelecimento das cincias particulares pela delimitao de campos especficos de pesquisa.

    04) Refletir sobre os valores, sobre os conceitos como liberdade e virtude faz parte da atividade do filsofo. Nessa medida, a filosofia apresenta-se como uma sabedoria prtica que auxilia na orientao da vida moral e poltica, proporcionando o bem viver.

    08) consenso entre os cientistas que, porque na investigao filosfica o filsofo no verifica suas hipteses, baseando-se na observao emprica, a filosofia no contribui para o progresso do conhecimento.

    16) A histria da filosofia constitui-se de teorias que se contradizem. Os filsofos discordam de tudo e uns dos outros, de modo que o pensamento crtico prprio da filosofia consiste em pr em dvida toda afirmao, jamais chegando a concluses.

  • GABARITO 2 UEM/CVU

    Vestibular de Inverno/2009 Prova 3 Filosofia

    7

    Questo 13

    A questo dos universais introduzida na Filosofia Medieval pelos comentrios de Bocio sua traduo da lgica de Aristteles no sculo VI. Todavia a polmica acerca da existncia real dos universais assume forma e importncia maior a partir do sculo XI. Sobre a questo dos universais, assinale o que for correto. 01) Para os realistas, os particulares so as coisas mais

    reais; para os nominalistas, o mais real o abstrato. 02) As coisas abrangidas por um universal, embora

    diversas e mltiplas, so semelhantes em alguns aspectos.

    04) Santo Anselmo foi um realista em sua concepo dos universais, ou seja, acreditou que os universais tm realidade objetiva.

    08) Para os nominalistas, como Roscelino, os universais so simples palavras que expressam os contedos mentais.

    16) Por universal entende-se conceito, ideia, gnero, espcie ou propriedade predicada de vrios indivduos.

    Questo 14

    Thomas Hobbes explica a origem da sociedade e do Estado mediante a ideia de um pacto ou acordo entre os indivduos para regulamentar o convvio social e garantir a paz e a segurana de todos. Sobre a teoria poltica de Thomas Hobbes, assinale o que for correto. 01) Segundo Thomas Hobbes, no estado de natureza, o

    comportamento dos homens pacfico, o que condio para instaurao do pacto de respeito mtuo s liberdades individuais.

    02) Segundo Thomas Hobbes, no estado de natureza, o homem dispe de toda liberdade e poder para realizar tudo quanto sua fora ou astcia lhe permitir.

    04) Segundo Thomas Hobbes, o Estado a unidade formada por uma multido de indivduos que concordaram em transferir seu direito de governarem a si mesmos pessoa ou assembleia de pessoas que os represente e que possa assegurar a paz e o bem comum.

    08) Na obra Leviat, para caracterizar o Estado, Thomas Hobbes utiliza a figura do Novo Testamento, o Leviat, cuja funo salvar os homens do poder desptico dos reis.

    16) Segundo Thomas Hobbes, o Estado no dispe de poder absoluto algum. ilegtimo o uso da fora pelo soberano para constranger os sditos, pois o controle do poder institudo, como o prprio poder, deve assentar-se no acordo e no convencimento.

    Questo 15

    Em sentido filosfico, o trabalho uma forma de o ser humano se autoproduzir; pelo trabalho, o homem desenvolve suas habilidades, conhece a natureza para dela fazer melhor uso. Porm essa concepo positiva desaparece quando se considera a condio das pessoas obrigadas ao trabalho alienado. Em relao ao trabalho no sistema de produo capitalista, assinale o que for correto. 01) O surgimento do proletariado concomitante ao

    nascimento das fbricas; no sistema fabril, os trabalhadores, desprovidos dos meios de produo, vendem sua fora de trabalho ao empresrio, que, por sua vez, visando ao lucro, vende os produtos da atividade dos proletrios.

    02) Uma caracterstica do sistema fabril a dicotomia concepo-execuo do trabalho, ou seja, o processo no qual um pequeno grupo de pessoas responsvel por conceber ou inventar um produto, enquanto outro grupo executa o trabalho de produo, o qual sempre parcelado.

    04) A partir da segunda metade do sculo XX, a implantao de tecnologias avanadas modificou os padres de produtividade; o trabalho em equipe, o maior poder de deciso dos empregados, a mo-de-obra melhor qualificada representam uma evoluo nas condies de trabalho nas sociedades capitalistas.

    08) A chamada sociedade ps-industrial marcada pela ampliao dos servios, dos quais dependem as prprias atividades industriais e agrcolas; o enfoque antes dado produo passa informao e ao consumo; modos mais flexveis de trabalho se desenvolvem favorecidos pela tecnologia da informao.

    16) O sistema de produo capitalista atinge seu objetivo de gerar mais riqueza com o desenvolvimento das foras produtivas.

  • GABARITO 2 UEM/CVU

    Vestibular de Inverno/2009 Prova 3 Filosofia

    8

    Questo 16

    (...) para Bachelard, a histria das mudanas cientficas feita de descontinuidades (novas teorias, novos modelos, novas tecnologias que rompem com os antigos) mas tambm comporta continuidades, quando se considera que o novo foi suscitado pelo antigo e que parte deste incorporado por aquele. (CHAU, Marilena. Convite Filosofia. 13 ed., So Paulo: tica, 2008, p. 223). Assinale o que for correto. 01) Para Bachelard, a cincia no pode admitir o erro,

    pois ele representa um obstculo definitivo para o progresso da cincia.

    02) A cincia, diz Bachelard, no pode ser questionada nos seus princpios e fundamentos, pois isso gera insegurana na pesquisa e conduz a razo a duvidar de si mesma.

    04) Bachelard escreveu A Filosofia do No, obra profundamente ctica, na qual afirma que todo conhecimento ilusrio devido impossibilidade de o homem poder alcanar uma verdade absoluta.

    08) A ruptura epistemolgica acontece, segundo Bachelard, quando um conjunto de mtodos, de conceitos, de teorias, de instrumentos e de procedimentos no alcana os resultados esperados ou no d conta dos problemas propostos.

    16) Diversamente de Bachelard, Thomas Kuhn considera que a histria da cincia feita de descontinuidades e rupturas radicais que ele denomina de revoluo cientfica.

    Questo 17

    (...) com exceo de Rousseau, o pensamento liberal do sculo XVIII permanece restrito aos interesses dos proprietrios e portanto elitista. Embora o pensamento de Montesquieu tenha sido apropriado pelo liberalismo burgus, as suas convices do destaque aos interesses de sua classe e portanto o aproximam dos ideais de uma aristocracia liberal. (ARANHA, Maria L. de Arruda e MARTINS, Maria H. Pires. Filosofando: introduo Filosofia. 3 ed. So Paulo: Moderna, 2003, p. 249). Assinale o que for correto. 01) Para Rousseau, o soberano o povo entendido como

    vontade geral, pessoa moral coletiva livre e corpo poltico de cidados, portanto o governante no o soberano, mas o representante da soberania popular.

    02) Montesquieu fundamenta-se na teoria poltica do contrato social de Rousseau para elaborar sua teoria da formao da sociedade civil e do Estado.

    04) O Estado republicano, para Montesquieu, permite a melhor forma de governo, pois possibilita aos cidados exercer um controle eficaz sobre os governantes eleitos, limitando seu poder.

    08) Na sua obra O Esprito das Leis, Montesquieu trata das instituies e das leis e busca compreender a diversidade das legislaes existentes em diferentes pocas e lugares.

    16) Montesquieu elabora uma teoria do governo fundamentada na separao dos poderes, isto , do poder legislativo, do poder executivo e do poder judicirio, cada um desses trs poderes deve manter sua autonomia; dessa forma que se pretende evitar o abuso do poder dos governantes.

  • GABARITO 2 UEM/CVU

    Vestibular de Inverno/2009 Prova 3 Filosofia

    9

    Questo 18

    Opondo-se ao idealismo de Hegel, para quem a histria narra o movimento temporal do Esprito, Marx e Engels afirmam que a histria constitui-se nas lutas reais dos seres humanos reais, que produzem e reproduzem suas condies materiais de existncia, isto , produzem e reproduzem as relaes sociais dentro de antagonismos de classe. Assinale o que for correto. 01) Para Hegel, o movimento do Esprito um

    movimento dialtico constitudo de uma tese, de uma anttese e de uma sntese, nesse movimento dialtico que o Esprito se manifesta na realidade.

    02) O materialismo histrico dialtico, pois afirma que o processo histrico movido por contradies sociais, sendo a principal a contradio entre o desenvolvimento das foras produtivas e a forma de propriedade dos meios de produo.

    04) Marx afirma que os homens fazem sua prpria histria, mas no a fazem em condies escolhidas por eles, pois so historicamente determinados pelas condies em que produzem sua vida.

    08) A filosofia poltica hegeliana preconiza o fim do Estado, pois acredita que, com a extino do Estado, a violncia ser eliminada da histria e o Esprito encontrar, no quietismo, a paz.

    16) Para Marx, o poder poltico a maneira legal e jurdica pela qual a classe economicamente dominante de uma sociedade mantm seu domnio sobre as outras classes sociais.

    Questo 19

    Dois vocbulos gregos so empregados para compor as palavras que designam os regimes polticos: arkh o que est frente, o que tem comando e krats o poder ou autoridade suprema. As palavras compostas com arkh (arquia) designam a quantidade dos que esto no comando. As compostas com krats (cracia) designam quem est no poder. (CHAU, Marilena. Convite Filosofia. 13 ed., So Paulo: tica, 2008, p. 358). Assinale o que for correto. 01) Poliarquia designa um regime poltico constitudo

    pelo governo de alguns homens. 02) Anarquia designa um regime poltico constitudo pelo

    governo de muitos homens. 04) A autocracia um regime poltico em que cada

    pessoa exerce apenas o poder sobre si mesmo. 08) A aristocracia um regime poltico no qual o poder

    exercido por uma elite de homens considerados os melhores.

    16) A oligarquia um regime poltico no qual o poder poltico exercido por representantes legitimamente eleitos pelo povo.

    Questo 20

    Dizer que as indagaes filosficas so sistemticas significa dizer que a Filosofia trabalha com enunciados precisos e rigorosos, busca encadeamentos lgicos entre os enunciados, opera com conceitos ou ideias obtidos por procedimentos de demonstrao e prova, exige a fundamentao racional do que enunciado e pensado. (CHAU, Marilena. Convite Filosofia. 13 ed., So Paulo: tica, 2008, p. 21). Assinale o que for correto. 01) A concepo de mundo de um povo, de uma cultura,

    de uma civilizao com seu conjunto de ideias, de valores e de prticas pelas quais uma sociedade apreende e compreende o mundo e a si mesma deve ser considerada como filosofia.

    02) Pela f, a religio aceita princpios indemonstrveis e at mesmo aqueles que podem ser considerados irracionais pelo pensamento, enquanto a filosofia no admite indemonstrabilidade e irracionalidade de coisa alguma. Pelo contrrio, o pensamento filosfico procura explicar e compreender mesmo o que parece ser irracional e inquestionvel.

    04) Como fundamento terico e crtico, a filosofia ocupa-se com os princpios, as causas e as condies do conhecimento que pretende ser racional e verdadeiro, com a origem, a forma e o contedo dos valores ticos, polticos, religiosos, artsticos e culturais.

    08) A filosofia til, pois permite superar, pela anlise e pela reflexo crtica, a ingenuidade e os preconceitos do senso comum e oferece a possibilidade de libertar o homem das ideias despticas que o subjugam a um poder dominante e ilegtimo.

    16) A filosofia exclusivamente terica, isto , contemplativa, por ser incapaz de incorporar, nos seus procedimentos metodolgicos, a observao e a experimentao.

Recommended

View more >