Programao - Out / Nov / Dez - 2010

  • Published on
    10-Mar-2016

  • View
    217

  • Download
    5

DESCRIPTION

Programao Centro Cultural e de Congressos das Caldas da Rainha

Transcript

1AGENDA2010www.ccc.eu.comOUT|NOV|DEZ2FICHA TCNICAAdministraoDEPUTADA/VEREADORAMARIA DA CONCEIO JARDIM PEREIRADirector Geral CARLOS RIBEIRO MOTAEQUIPADireco TcnicaJOS MANUEL RAMALHOCoordenao/SecretariadoDINA SOARESAssistente de ProduoGUILHERMINA MOURATcnica de LuzJOANA COELHOTcnico de SomJOO NUNESTcnico de Vdeo/ProjeccionistaFILIPE FAzENDEIROTcnico de Palco/ProjeccionistaPEDRO GODINHOEconomato/Meios de InformaoJORGE SANTOSDesign/ImagemFILIPA SERRAGaleria de ArteJOS ANTUNESInternetoesteonline.net (ASSOCIAO OESTE)NOTCIASInternational Watercolour Meeting 2010EUGEN CHISNICEANGANHA PRMIOEugen Chisnicean ganha prmio com agua-rela criada durante o International Water-colour Meeting of Caldas da Rainha 2010.A aguarela ilustra uma cena urbana situada no centro da cidade das Caldas da Rainha, a pastelaria Venezia e o edifcio do Jornal das Caldas situados no incio da Rua das Mon-tras so ilustrados na obra que arrecadou o 1 prmio no BoldBrush Painting Competi-tion, realizado em Agosto deste ano.O evento International Watercolour Meeting of Caldas da Rainha, organizado pelo CCC, decorreu de 11 a 14 de Agosto e reuniu cer-ca de 12 aguarelistas que durante os dias do evento percorreram as ruas da cidade e arredores do municpio ilustrando as suas imensas paisagens.3EDITORIALA CULPA MORREU SOLTEIRAParalelamente programao, temos proposto a fruio e a discusso dos mais variados projectos e temas, acreditando que esta ideia define o princpio de uma parti-lha de pontos de vista e de diferenas, que podem contribuir para o alargamento do conhecimento e das sensibilidades culturais de cada um de ns.Saber para que serve a cultura hoje um dos maiores desafios que temos pela frente porque, para a crise instalada, tudo e todos tm que justificar os seus valores. certo que muitos estudos recentes com-provam que o valor da cultura promove o desenvolvimento econmico, ao propiciar a existncia de indstrias criativas.Sendo certo que nesta era de economia digital o valor material cada vez mais de-terminado pelo valor imaterial, poder-se- ento afirmar que as actividades cultu-rais possuem valor porque so produtos passveis de materialidade, apesar da sua imaterialidade?Se a cultura at pode desencadear proces-sos de revitalizao dos espaos e ncleos urbanos, de envolvimento social, propor-cionando a vrios grupos uma participao cvica que enquadra e desenvolve, at no universo poltico as estratgias culturais devero ser um elemento crucial a utilizar para a afirmao e orgulho nacionais, naqui-lo que poderamos definir como sentimento colectivo.Mas no nos podemos esquecer que existem tambm muitos cidados que rejeitam a cultura e as artes, na perspectiva do modelo acima referido, defendendo o valor intrnseco em si mesmo das artes e da cul-tura: modelos subjectivos que os autores/artistas criam e os pblicos apreciam.Ento o que temos que fazer, para saber se a cultura e as artes possuem ou no algum valor para os nossos quotidianos?Tornar-se-o teis, de modo a justificar o financiamento e a ateno que merecem?Ou pelo contrrio, precisamos delas en-quanto partes essenciais da nossa existn-cia como seres civilizados?Ou sero meros produtos de consumo, a se-rem usados apenas quando tivermos meios econmicos para isso?No podemos nem queremos acreditar que subsiste um desgnio nacional para esta desfaatez de achar que o investimento na cultura menos importante que uma auto-estrada, uma ponte, um submarino ou mesmo um fontanrio.Carlos A. Ribeiro MotaDirector Geral4SERVIO EDUCATIVOPROTOCOLOS DO CCC PARA A REA DA FORMAO COM:EVDCR - Pimpes | Aulas de Clssico AvanadoESAD.CR | Aulas de Oficina de Voz Avanada MDULOS DE FOTOGRAFIALTIMAS INSCRIES + info www.ccc.eu.comMDULO 1CURSO DE FOTOGRAFIAFotografia Percurso da Luz no TempoFase II30 Horas | 10 Sesses | Sesso 3 Horasde 26Out. 2010 a 11 Jan. 2011FORMADOR: Antnio Campos LealPBLICO-ALVO: Professores, Educadores, Animadores, Jornalistas, Pblico em Geral.MDULO 2NOES ELEMENTARES DE FOTOGRAFIAUm percurso pelo prazer de fotografar30 Horas | 10 Sesses | Sesso 3 Horasde 23 Out. 2010 a 08 Jan. 2011FORMADOR: Antnio Campos LealOs inscritos devero possuir uma cmara cujo software permita controlar manualmente as diversas opes de trabalho, bem como a medio fotomtrica: matricial ponderada central pontual.MDULO 3A CAIXA MGICAProjecto Fotografia Estenopeica - Pinhole8 HorasFrias do Natal (Calendrio Escolar)FORMADOR: Antnio Campos LealPBLICO-ALVO: Crianas dos 8 aos 14 anos5Faz o teu postal ilustrado ao Pai Natal e concorre!Se tens entre os 10 e os 13 anos participa, concorre com um ou mais trabalhos para a exposio Postal Ilustrado ao Pai Natal.Sero seleccionados 15 projectos que sero apresentados em formato exposio no Caf do CCC durante o ms de Dezembro.Haver prmios para os 15 seleccionados!Os trabalhos devem ser entregues em formato mximo 50x70 cm e mnimo 15x15 cm em suporte papel/carto at ao dia 14 de Novembro no CCC.Agora mos obra, s pintar, colar, fotografar, desenhar, escrever, moldar, criar6EMOUTUBRO DE 01 A 31Caf CCCPAULA RITO PENUMBRAPAREDES DE COROUTUBRODE 01 A 31 | PAREDES DE CORPAULA RITOPENUMBRA SB 02 | 21H30 | TETRO/MSICATANGOS & TRAGDIASDOM 03 | 16H30 | DANAA CASATER 05 | 16H00VIVA A REPBLICASEX 08 | 21H30 | MSICAANDREW THORNQUI 14 | 21H30 | MSICA DE CMARASCHUMANN E BRAHMS SOLISTAS DA ORQUESTRA METROPOLITANA DE LISBOATER 19 | 16H30 | NOVO CIRCOAPPRIS PAR CORPSSB 23 | 21H30 | TEATROREMDIOS SANTOS,SEM PRNCIPIOS ACTIVOSDOM 24 | 17H00 | DANAOTANGO, THE ULTIMATE TANGO SHOWSEX 29 | 11H00 | 14H30SB 30 | 16H00 | TEATRO DE MARIONETASA HISTRIA DA CAROCHINHASB 30 | 21H30 | MSICACAMANSB 30 | 24H00 | TEATRO DE MARIONETASTALVEZDOM 31 | 16H00 | TEATRO DE MARIONETASO MISTRIO DA PEDRA ENCANTADA^Em 2005 celebravam-se os 650 anos da morte de Ins de Castro; a autora traba-lhava a srie Penumbra partindo de um referente - o bosque enquanto lugar mtico onde nos perdemos e nos procuramos.As figuras mudavam no tempo, mantinham as texturas densas e guardavam ainda a indistinta matria pictrica que aludia a uma paisagem em fundo onde tambm se inscrevia o esboo dos rostos; simulacros; identidades hesitantes. O bosque emergia como fundo para o ante-rior da figura, horizonte enquanto surgimen-to. A figura sobrevinha como modelao ou sonho da rvore e a paisagem/terra atraves-sava a face, a suposio de uma identidade.So as peas pequenas desta srie que se apresentam nesta exposio.^7SB 02 | 21H30Grande AuditrioTANGOS E TRAGDIASMSICA | TEATROOUTUBRO1 Plateia: 15,002 Plateia: 12,50Tribuna e Camarotes: 10,00DescontosNa Compra de dois bilhetes, na 1 ou na 2 plateia, 50% de desconto no terceiro Bilhete.^Tangos & Tragdias um espectculo que rene msica, humor, teatro e muita inte-raco com o pblico. Os recursos cnicos so garantidos pela fico construda em torno dos dois personagens: o Maestro Plestkaya (Nico Nicolaiewsky) e o violinis-ta Kraunus Sang (Hique Gomez).Artistas vindos de um pas imaginrio cha-mado Sbrnia (Sbrnia do Sul, para ser mais exacto), eles executam ao longo de uma hora e meia de espectculo msicas do folclore sbrniano, canes brasileiras e sucessos da msica internacional.Tudo passando pelo filtro da comicidade, da teatralidade. Esses so os ingredientes que fazem Tangos & Tragdias agradar diferentes plateias e faixas etrias. um espectculo universal pelo seu despojamento e por tratar com humor os grandes temas como o amor impossvel, a dor-de-cotovelo e outras tragdias do ser humano.^8DOM 03 | 16H30Pequeno AuditrioA CASADANAOUTUBROConcepo/Direco/Corografia ALDARA BIzARRO Intrpretes ALBAN HALL, COSTANzA GIVONE E MARIA RADICH Vdeo JOO PINTO Msica PAULO CURADO Ilustrao MARGARIDA BO-TELHO Cenografia PATRCIA COLUNASDesenho de Luz CARLOS RAMOS Fo-tografia de Divulgao RITA VIEIRACoordenao e Produo ANDREA SOzzI E RITA VIEIRA Produo JANGADA DE PEDRA Co-produo TEATRO MARIA MATOS, ARTEMREDE E A OFICINA / CENTRO CULTURAL VILA FLOR, TEATRO MUNICIPAL DE FAROApoios CMARA MUNICIPAL DE CAS-CAIS, ENGIFLANCO, HEMPEL, POLLUX, BAzAR DO VDEO, LIANE TECIDOS, NATHALIE MANSOUX E TERESA COSTADurao 45 minutosPblico M/6Preo nico: 6,00Estudantes e sniores: 3,00^A Casa um espectculo de dana que gira em torno da casa ideal de cada um. Alicerada num conjunto de entrevistas recolhidas e filmadas em vdeo entre 2009 e 2010 em todas as localidades onde ser apresentado o espectculo a Casa assim construda a partir de um projecto elaborado com a arquitectura das vontades das muitas pessoas entrevistadas. Pensada tanto para uma apresentao ao ar livre como no in-terior, a Casa convida-nos a entrar no espao da memria, da construo e do desejo, transportando-nos simultaneamente para os lotes de terreno da utopia.Neste processo criativo, a realizao das entrevistas popu-lao de cada uma destas localidades foi basilar. Quisemos encontrar, em cada um destes stios por onde passmos, ca-madas de populao muito diversas. Falmos com crianas, adultos e idosos, utentes de lares ou de instituies sociais, pessoas sem casa e tambm aquelas que so consideradas as mais importantes da terra. com base nesta riqueza de respostas que foi construdo o patrimnio desta casa. Ela tem um pouco das pessoas que encontrmos em cada uma das localidades onde estivemos e onde voltaremos, para devolver o que nos foi dado: o Bairro das Estacas, em Lisboa, Cartaxo, Sobral de Monte Agrao, Caldas da Rainha, Alcobaa, lhavo, Guimares, Almada, Montijo, Palmela, Sesimbra e Faro. ^916h0016h30Apresentao pblicaA REVOLUODE 5 DE OUTUBRO DE 1910 NAS CALDAS| Dra. Isabel Xavier| Grupo de Estudos - P.H.Concerto com BANDA COMRCIO E INDSTRIA DAS CALDAS DA RAINHA Preo: 1,00REVISTAS DA REPBLICALanamento da colectnea Alma NacionalParadela de Abreu EditoresNas primeiras dcadas do sc. XX emergiram em Portugal um vasto nmero de magazines, revistas e jornais que se tornaram autnticas fontes de informao e conhecimento. Promoveram o debate pblico, essencial mo-dernidade, tornando-seemissores de referncia, capazes de in-fluenciar a cultura e a poltica do Pas.Daqui resultaram correntes de opinio fundamentadas, que perduraram at aos dias de hoje, porque difusoras dos referenciais das doutrinas emergentes no incio do sculo passado.De qualidade literria mpar e de uma actualidade surpreendente, podero hoje ser redescobertas com esta edio.17h4510SEX 08 | 21H30Palco do Grande AuditrioANDREW THORNMSICAOUTUBRO Preo nico: 6,50Estudantes e Seniores: 5,00^Por detrs do projecto Andrew Thorn est Joo Pedro Coimbra, mentor dos Mesa, msico multifacetado e multi-instumentista que, para alm dos seus prprios grupos, trabalhou ou tem trabalhado com nomes como os Bandemnio, Trs Tristes Tigres ou Coldfinger.As variadas influncias e aproximaes esti-lsticas revelam-se em estado de maturidade consistente em Andrew Thorn e criam uma base sonora que no olha a meios para atingir os fins a que se prope oua-se a verso de Overcome, um original de Tricky. Canes apanhadas desprevenidas e grava-das de um trago.Para alm da voz e teclas de Joo Pedro Coimbra, fazem parte de Andrew Thorn, Jor-ge Coelho (guitarra), Miguel Ramos (baixo) e Jorge Queijo (bateria).^Espectculo dedicado WORLD SURFING TOURPENICHE11QUI 14 | 21H30FoyerSCHUMANN E BRAHMSSOLISTAS DA OMLMSICA DE CMARAOUTUBROPreo nico: 5,00Grupos de 5 pessoas: 20,00Grupos de 10 pessoas: 35,00^Partilhando o gosto pelas formas clssicas de composio musical, Schumann e Brahms foram dois expoentes mximos do roman-tismo.Os dois compositores alemes cruzaram--se em vida, num momento em que Robert Schummann tinha j produzido muitas das suas obras, cheias de vitalidade e lirismo, onde as citaes se misturam de uma poesia particular e caracterstica.Este autor conheceu Brahms quando este tinha vinte anos intuindo de imediato o seu gnio, que considerou capaz de trilhar novos caminhos para a msica.Uma referncia a que Brahms ao longo da carreira, deixando marca prpria na msica ocidental. ^Solistas da Metropolitana:Diana Tzonkova violinoAlexandra Simpson pianoPrograma:- Scherzo em D menorJohannes Brahms (1833-1897)- Sonata em L menor, Op. 105Robert Schumann (1810-1856)- Sonata n. 3 em R menor, Op. 108- Johannes Brahms^ Alexandra Simpson^ Diana Tzonkova12TER 19 | 16H30Palco do Grande AuditrioAPPRIS PAR CORPSNOVO CIRCOOUTUBRO Preo nico: 6,00PBLICO ESCOLAR^APPRIS PAR CORPS apresenta a relao humana de dois seres, vista atravs do prisma do par caracterstico formado por um portador e o seu volatim.A confrontao deste dois corpos de homem oscila de modo ambguo entre ternura e violncia, entre vontade de se fundir no outro e a tentao de escapar imposio do lugar quase gemelar, que os une irremediavelmente.A virtuosidade acrobtica, longe de uma nica viso espectacular, coloca-se ao servio de formas inesperadas e inditas onde transparecem as foras de atraco e repulsa obra entre os dois irmos, que no param de se provar fisicamente ao longo de um percurso que se impem mutuamente.Numa cenografia depurada, onde o outro o nico horizonte, sobriamente apoiados pela luz e som, os dois intrpretes sim-plesmente revelam-nos a complexidade de uma relao rica de humanidade.^13SB 23 | 21H30Grande AuditrioREMDIOS SANTOS, SEM PRINCPIOS ACTIVOSTEATROOUTUBRO1 e 2 Plateias: 10,00Tribuna e Camarotes: 7,50Bilhete Famlia: Na compra de 2 bilhetes nas Plateias, oferta do 3.COMEMORAES DO DIANACIONAL DO MUTUALISMO^Quem nos cura? So os remdios ou os santos? Ser a Nossa Senhora dos Remdios?Os santos so uns dos mais antigos efeitos placebo da histria da medicina diz o Guarda-Mor da Morgue dos Mortos de Marca.O que so os Remdios Santos? Rem-dios do povo, que vo curando ao longo de geraes, sem estarem sujeitos a qual-quer tipo de patente. Remdio Santo! disse a Sra. Joaquina do Outeiro ao dar a receita do remdio para tirar os cravos das mozinhas do Jos Maria. remdio santo! diz o tcnico de vendas de uma farmacutica sobre o seu medicamento para a epilepsia.Existiro princpios activos na indstria farmacutica?Para tentar responder, trs actores desdobram-se em mltiplas personagens e situaes inspiradas em factos verdi-cos, construindo uma narrativa fragmen-tada, onde cabem histrias como a do Jos Maria e sua obsesso pelos cravos nas mos, e a da Bayer e sua relao com personagens hericos do sc. XX, como A. Hitler ou a Herona, a substncia.De santo no tem nada, mas o Riso conti-nuar a ser mesmo o melhor remdio.^Criao/Interpretao NGEL FRAGUA, NOELIA DOMNGUEz E SRGIO AGOSTINHOIluminao PAULO NETOSonoplastia BORJA FERNNDEzAdereos/Cenografia zTAVARESProduo Executiva SARA RAMALHEIRACo-produo TEATRO DE VILA REALDireco HERNAN GENDurao 80 minutosIdade M/12 14DOM 24 | 17H00Grande AuditrioOTANGO, THE ULTIMATE TANGO SHOWDANAOUTUBRO 1 Plateia: 30,002 Plateia: 25,00Tribuna e Camarotes: 22,00DescontosEstudantes, seniores e grupos de 10 pessoas: 10% de desconto^O TANGO regressa a Portugal. Depois do estrondoso sucesso em 2008, quando esgotou todas as salas onde esteve repre-sentado, os amantes do verdadeiro Tango Argentino tm ago-ra o privilgio de poder assistir a este magnfico espectculo.Directamente do corao de Buenos Aires para os principais palcos Europeus, este prestigiado Musical aplaudido pelo grande pblico reconhecido pela crtica como o melhor espectculo de Tango actual.Dezassete artistas Argentinos abrem as portas do misterio-so, nostlgico, sensual e mgico mundo do Tango.15Direco Artstica OLIVIER TILKINE SABRINA GENTILE PATTICoreografia ADRIAN VEREDICE & ALEJANDRA HOBERTBailarinos ADRIAN VEREDICE & ALE-JANDRA HOBERT; CLUDIO GONzLEz & MELINA BRUFMAN; LUCILA CIONCI & RODRIGO JOE CORBATA; CHRISTIAN MARQUEz & VIRGNIA GMEz; SABRINA MASSO & DANIEL ESCOBARCantores SANDRA RUMOLINO E JOSE LUIS BARRETOOrquestra CINCOTANGO! ENSEMBLEPiano EMILIANO GRECOBandoleon RAMIRO BOEROViolino HUMBERTO RIDOLFIViolino OLIVIER TILKINContrabaixo MARTIN KELEDJANAno de 1910, em Buenos Aires.Por ter trado a mulher que amava, um homem, destroado, perde o amor da sua vida. Desesperado, decide retirar-lhe a vida num acto de pura demncia; mas de memrias como-ventes, somente a sua loucura permanece como o seu refgio final; em estado de alienao, considera a reapario da sua mulher...Este drama de paixo est ligado a uma outra histria, distin-ta, contudo inseparvel a histria do tango. Revisitando o seu passado e redefinindo o seu presente, a personagem viaja pelos anos de ouro desta lendria msica e dana Argentina, em busca do seu amor perdido!Perpetuado por Carlos Gardel e exaltado por Astor Piazzolla, o Tango a verdadeira arte da vida, a essncia de uma nao, uma forma de viver, a alma da Argentina! Uma brilhante his-tria de amor em dois actos, seis cenas e mais de sessenta fatos originais; OTANGO recria a fabulosa histria das razes do Tango; a lendria dana Argentina que une o drama, a paixo intensa e a sensualidade.O TANGO, toda a paixo do Tango Argentino!^16SEX 29* | 11H00 | 14H30SB 30 | 16H00Pequeno AuditrioA HISTRIADA CAROCHINHAEra uma vez... TEATRO DE MARIONETASOUTUBROPreo: 3,50Preo especial para escolas:Estudantes: 3,00Professores: gratuitoTexto JOS CARLOS ALEGRIA E CARLOS MIGUEL MEIRA ALEGRIA (Verso a partir da recolha de Adolfo Coelho) Bonecos/Cenrios IRIA KOVACS Luz ERA UMA VEz, Teatro de Mar-ionetas Msica PROJECT NANU a.k.a. CARLOS MIGUEL MEIRA ALEGRIA Director Tcnico ANTNIO CANELAS Manipulao ANA MARGARIDA MEIRA ALEGRIA, CARLOS MIGUEL MEIRA ALEGRIA E JOS CARLOS ALEGRIA Durao 45 min.Idade Todos os pblicos PBLICO ESCOLAR^Era uma vez uma carochinha que andava a varrer a casa e achou cinco reis e foi logo ter com uma vizinha e perguntou-lhe: vizinha, que hei-de eu fazer a estes cinco reis?Respondeu-lhe a vizinha: Compra doces. Nada, nada, que lambarice. Foi ter com outra que lhe disse: Compra fitas, flores, braceletes e brincos e vai-te pr janela e diz: Quem quer casar com a carochinha que bonita e perfeitinha? Apareceram vrios pretendentes: um boi, um burro, um co, um gato e um rato, que se chamava Joo Rato.O que se segue ficars a saber, num espect-culo de marionetas a no perder! ^Dra. Laurinda PazJos Relvas: percursos de um homem republicano singularDr. Antnio Matos FerreiraA 1 Repblica e as Correntes Religiosas em PortugalDr. Antnio DelgadoA Arte Portuguesa durante a 1 RepblicaMestre Accio SousaA 1 Repblica e a Imprensa RegionalDra. Isabel XavierA 1 Repblica e as Caldas da RainhaDr. Lus MotaA 1 Repblica e a Educao em PortugalDr. Joo Bonifcio SerraO Legado da 1 Repblica09 Out.15H00CCC16 Out.15H00CCC28 Out.18H30CCC04 Nov.18H30CCC 06 Nov.15H00CCC 13 Nov.15H00CCC 20 Nov.15H00CCC17SB 30 | 21H30Grande AuditrioCAMANMSICAOUTUBRO^Caman est de volta aos discos....Do Amor e dos Dias o ttulo do novo lbum a ser editado no prximo dia 27 de Se-tembro. Sucessor do platinado Sempre de Mim, editado em Abril de 2008, o sexto registo de estdio de Caman consti-tudo por 18 temas e estar disponvel em vrias edies.A par de discos anteriores, Do Amor e dos Dias contou com a produo, arranjos e direco musical de Jos Mrio Branco. O instrumental ficou a cargo de Jos Manuel Neto (guitarra portuguesa), Carlos Manuel Proena (viola) e Car-los Bica (contrabaixo). ^A meu favorTenho o verde secreto dos teus olhosAlgumas palavras de dio algumas palavras de amorO tapete que vai partir para o infinitoEsta noite ou uma noite qualquer ()(extrado do poema A meu favor de Alexandre ONeil)1 Plateia e Fosso de Orquestra: 17,502 Plateia: 15,00Tribuna e Camarotes: 12,50Descontos1 Plateia e Fosso de Orquestra: 15,002 Plateia: 12,50Tribuna e Camarotes: 10,0018DOM 31 | 16H00Pequeno AuditrioO MISTRIO DA PEDRA ENCANTADAEra uma vez... TEATRO DE MARIONETASSB 30 | 00H00Caf CCCTALVEZEra uma vez... TEATRO DE MARIONETASOUTUBRO OUTUBROPreo nico: 3,50Preo nico: 5,00^Um bocadinho disto, mais um bocadinho daquilo e TALVEZ haja espectculo.TALVEZ de Jos Carlos Alegria e de Carlos Miguel Meira Alegria um espectculo mo-ralista s para adultos.^^O Rei Orlando III vivia num castelo com a sua filha, a Princesa Margarida e o Bobo Ven-ceslau. Estava o Venceslau a conversar com o pblico quando chegou furiosa, a Bruxa Alexandrina e o quis transformar em sapo porque ele lhe tinha roubado a sua Pedra En-cantada. O Venceslau disse-lhe que no tinha sido ele e Alexandrina explicou-lhe como fez a Pedra Encantada e foi-se embora.Todos esto contentes com a chegada do Prncipe Miguel que vem pedir a mo da Prin-cesa. O Prncipe traz uma enorme pedra que pensam ser a prenda de noivado, ser esta pedra a da Bruxa Alexandrina?Um prncipe, uma princesa, uma bruxa e at um drago. So estas as personagem de uma histria emocionante e divertida, contada com toda a magia das marionetas. ^Texto JOS CARLOS ALEGRIA Bonecos VASCO FERNANDOCenrios ANTNIO CANELAS Guarda-Roupa ANA MEIRA E N MEIRA Manipulao JOS CARLOS ALEGRIA E CARLOS MIGUEL MEIRA ALEGRIADurao 45 min.Idade dos 3 aos 10 anosTexto/Manipulao JOS CARLOS ALEGRIA E CARLOS MIGUEL MEIRA ALEGRIADurao 40 min.Idade M/1819EMNOVEMBRO DE 01 A 30Caf CCCBOLOTALAGOAPAREDES DE CORNOVEMBRODE 01 A 30 | PAREDES DE CORBOLOTALAGOAQUI 04 | 21H30 | MSICA DE CMARATRIOS DE BRAHMS SOLISTAS DA ORQUESTRA METROPOLITANA DE LISBOASB 06 | 21H30 | TEATROROSA ESPERANADOM 07 | 17H00 | SEG 08 | 10H30 | 15H00 | INFANTO-JUVENIL / TEATROBRINCAR A VIDA INTEIRASB 13 | 21H30 | MSICAPEDRO JIASB 20 | 21H30 | MSICADEAD COMBO & ROYAL ORQUESTRA DAS CAVEIRASDOM 21 | 16H30 | TEATRO DE MARIONETASROBERTOSDOM 28 | 17H00 | SEG 29 | 10H30 | 14H30 | INFANTO-JUVENIL / TEATROCISCO E A ESPIRAL DO CONHECIMENTO^O trabalho exposto e que Bolota desenvolve, um trabalho de natureza criativa que se faz diferenciar de pea para pea e, obviamente, objectivado para uma vertente decorativa mas tambm, sensorial.Inspirado na luz e cores dos finais dos dias de estio, a que todos ns uma e outra vez, repetidamente, assistimos, num dos locais mais apaixonantes da nossa paisagem local: a Lagoa.A Ceramista utiliza pastas diversas, vidrados com tonalidades brilhantes e mates, simpli-ficando as formas das peas, dando origem, finalmente, a uma serena mas, manifesta alegria que , afinal, o que muitos de ns poderemos sentir e presenciar num belo fim de tarde beira da nossa Lagoa.^20QUI 04 | 21H30FoyerTRIOS DE BRAHMSSOLISTAS DA OMLMSICA DE CMARANOVEMBRO^Compositor e pianista, Johannes Brahms nasceu em Hamburgo, no ano de 1833. O seu gnio permitiu-lhe abordar diferentes gneros e formatos musicais. Usando formas clssicas, a escrita deste autor impregnou-se de romantismo, clima sonoro onde pode experimentar desenvolvimentos temticos muito prprios. Muitas das suas peas para cmara caracterizam-se pela sofisticao e elegncia, sendo consideradas verdadeiras obras-primas.^Solistas da Metropolitana:Jrme Arnouf TrompaAlexi Tolpygo ViolinoPeter Flanagan ViolonceloSavka Konjikusic PianoPrograma:- Trio para Violino, Trompa e Piano, Op. 40- Trio com Piano n. 2 em D maior, Op. 87Johannes Brahms (1833-1897)^ Jrme Arnouf^ Alexi Tolpygo^ Peter Flanagan^ Savka KonjikusicPreo nico: 5,00Grupos de 5 pessoas: 20,00Grupos de 10 pessoas: 35,0021SB 06 | 21H30Grande AuditrioROSA ESPERANATEATRONOVEMBRO^ROSA ESPERANA um espectculo forte e sem com-plexos, que pretende chamar a ateno para uma dura realidade que mata 4 mulheres por dia em Portugal. O Cancro da Mama.Inserido num projecto de teatro de pesquisa Projecto Mulheres e o Cancro da Mama que interpreta e reinventa histrias de pessoas reais, Rosa Esperana conta com a participao de 7 mulheres que, no sendo actrizes, decidiram expor a sua prpria experincia de luta contra o cancro e aceitaram o desafio de a partilhar com o pblico num palco.Rosa Esperana um espectculo inquietante que nin-gum deve perder!^Preo nico: 8,00Produo QUEM NO TEM CO - OFI-CINA DE ARTISTAS Texto, Encenao e Concepo Cnica RUI GERMANOParticipao Especial SIMONE DE OLIVEIRA (Voz-off) Com ALDA CAETANO, CACILDA GERMANO, CARLA PEDRO, CRISTINA VICENTE, LUCINDA ALMEIDA, MANUELA ALMEIDA, MANUELA MATIAS, CRISTINA JORDO, JOS MANUEL, PAULO AzEVEDO E MAIS DE 20 FIGURANTES.Idade M/1222DOM 07 | 17H00SEG 08* | 10H30 | 15H00Grande AuditrioBRINCAR A VIDA INTEIRAINFANTO-JUVENIL / TEATRONOVEMBROPBLICO ESCOLAR^Palhao post-moderno, meio msico meio malabarista, meio real meio personagem de fico, o projecto SERAFIM & COMPANHIA a ltima palavra em entretenimento infan-til e no s. As suas canes agarram ime-diatamente os mais pequenos mas, como um pai atento disse, tambm agradam, e muito, s mams e aos paps.Com os seus bales, truques e iluses, tambores, espadas e flores, num contexto de muita alegria, imaginao e comunicao em estado puro, SERAFIM & COMPANHIA fazem uma festa s para ti, com muita alegria e boa companhia.Em palco 3 pessoas, o SERAFIM na compa-nhia de dois multifacetados colaboradores e a ajuda de variados recursos cnicos, tam-bm eles primando pela sua originalidade e incrvel energia: as crianas reconhecem-se e agradecem, poucas vezes o seu esprito foi to bem captado e naturalmente recriado.^Pblico Escolas: 4,00Adultos: 7,50Crianas: 5,00Pacote Famlia (2 adultos + 2 crianas): 20,00Produo/Direco RAGAKIDS, uma marca de RAGA, Produes Musicais, para a Universal Music Portugal.Serafim (voz solista, falas, tarolas e tambores) ANDR REIS Arranjos/Programaes RUDOLFO E BRUNO BOAVIDA Acordeo/Percusses Acsticas RUDOLFOGuitarras BRUNO BOAVIDA Coros/Palmas/Ambientes/Efeitos: CORO INFANTIL OS RAGUILAS, formado por SNIA, SOFIA, RAPOSO, JOO, FILIPE, z, GU E GUIPrego Circense VICENTE ALPALHO Misturado e Masterizado por MIGUEL MEDEIROS Edits RUDOLFO E BRUNO BOAVIDA Re-masterizado nos ESTDIOS GRAVISOM por JOO OLIVEIRARAGAProdues Musicais, Lda23SB 13 | 21H30Pequeno AuditrioPEDRO JIAMSICANOVEMBRO^Do seu vasto currculo, desde o incio da sua formao em guitarra flamenca, destaca-se a sua slida formao acad-mica, a direco musical de vrios espectculos, composio de msicas originais para peas de teatro, a participao em festivais de msica e concertos um pouco por todo o mundo Macau, Marrocos, Praga, ndia, Brasil, Moambique, Ango-la, Cabo Verde, Costa do Marfim, Finlndia, HolandaCom cinco discos editados em nome prprio, Pedro Jia viveu entre 2003 e 2006 na cidade do Rio de Janeiro, onde colaborou intensamente com o cantor Ney Matogrosso e muitos outros nomes grandes da msica brasileira, como Elba Ramalho, Simone, Zeca Baleiro, Zlia Duncan, entre outros, tendo tambm realizado inmeros recitais de guitarra no Brasil.De regresso a Portugal, em 2007, editou o seu ltimo disco, Espera de Armandinho, que consiste na interpretao de transcries para guitarra clssica de obras originais com-postas para guitarra portuguesa por Armandinho, considera-do o pai da Guitarra Portuguesa.^Preo nico: 10,00Estudantes e Sniores: 6,0024Preo nico: 10,00Estudantes e Sniores: 7,00SB 20 | 21H30Grande AuditrioDEAD COMBO & ROYAL ORQUESTRA DAS CAVEIRASMSICANOVEMBRO^Os Dead Combo esto de volta ao Grande Auditrio do CCC, desta vez partilham o palco com a Royal Orquestra das Caveiras.Este um espectculo muito especial em que aos Dead Combo se junta a Royal Orquestra das Caveiras (compos-ta por uma seco de metais, piano e bateria). Depois do enorme sucesso da sua primeira apresentao no Teatro So Luiz, em Lisboa, em Novembro de 2009 e que deu origem a um DVD lanado em Junho de 2010, os Dead Combo e a Royal Orquestra das Caveiras realizam uma Tour nacional, para apresentar o espectculo que serviu de base ao DVD.^25Preo nico: 2,50DOM 21 | 16H30Pequeno AuditrioROBERTOSTEATRO DE MARIONETASNOVEMBROBonecreiro/ Bonecos JOS GILGuarda-roupa MARIA LUSADesenho NATACHA PEREIRAFotografia J. PESQUEIRAProduo S.A.MARIONETAS - TEATRO & BONECOS^Originrio da tradio europeia de marionetas de luva, que se julga ter tido a sua gnese na Polichinelo da Comdia DellArte Italiana do sc. XVI, o Teatro de Robertos Por-tugus mantm as caractersticas prprias desta forma de teatro tradicional.Tendo aparecido em Portugal no sc. XVIII, manteve-se quase inalterado at meados do sc. XX, altura em que en-trou em decadncia, muito por fora da concorrncia com formas mais contemporneas de entretenimento popular.A S.A.Marionetas, tendo tido o privilgio do contacto directo com o Mestre Antnio Dias, um dos ltimos fantocheiros populares portugueses, recriou, a partir do seu testemunho, duas peas (O Barbeiro e a Tourada), que compem o repertrio deste espectculo de rua.Pretende-se no deixar desaparecer o teatro de Robertos, enquanto herana cultural portuguesa.^26DOM 28 | 17H00SEG 29* | 10H30 | 14H30Grande AuditrioCISCO E A ESPIRALDO CONHECIMENTOINFANTO-JUVENIL / TEATRONOVEMBRO^Numa noite de temporal, Francisco, um rapaz cujas paixes se dividem entre o skate e o rap, tenta passar o nvel de um jogo em vez de se preparar para o teste de Matemtica do dia seguinte.Com a exploso de um relmpago, um foto errante de seu nome CISCO, entra no quarto do rapaz e abre-lhe as portas para a descoberta de universos paralelos. Atravs da magia dos nmeros, o nosso jovem prota-gonista e a sua irm Brbara entram numa fascinante espiral de novas realidades.Cisco e a Espiral do Conhecimento uma pea de teatro ldico-pedaggica para um pblico entre os 9 e os 13 anos, tendo como base a matria curricular da disciplina de Matemtica do 5 ao 7 anos de escolari-dade.Tal como para a maior parte dos rapazes e raparigas do seu tempo, a matemtica uma dificuldade e um enorme aborrecimento para Francisco. isso que Cisco e a Espiral do Conhecimento pretende alterar, cativando os jovens com nmeros, conceitos mate-mticos, geomtricos e aritmticos que abrem portas mgicas para universos alternativos.^Dia 28Adultos:7,50Crianas: 5,00Pacote Famlia (2 adultos + 2 crianas): 20,00Dia 29 (Escolas)Alunos: 6,00Professores: GratuitoPBLICO ESCOLARTexto/Encenao SNIA ARAGO AS-SISTNCIA DE ENCENAO JOANA CAPUCHO Interpretao ANA LzARO, DAVID MESQUITA, PATRCIA CAEIRO Msica NICOLE EITNER Cenografia/Adereos ERIC COSTA FIGURINOS MARTA CARREIRAS Desenho de Luz CRISTINA PIEDADE Vdeo FILIPE MIRANDA Apoio a Contedos Matemti-cos FERNANDA SALGUEIRO, PORTO EDITORA Apoio a Contedos Tecnolgicos OPTIMUS - KANGURU E-ESCOLA27EMDEZEMBRO DE 01 A 31Caf CCCJOVENS ARTISTASPOSTAIS AO PAI NATALPAREDES DE CORDEZEMBRODE 01 A 31 | PAREDES DE CORJOVENS ARTISTASPOSTAIS AO PAI NATALSB 03 | 22H00 | MSICAMOONSPELLSB 11 | 21H30 | MSICA CLSSICAORQUESTRA ACADMICAMETROPOLITANA DE LISBOA DOM 12 | 17H00 | DANAQUEBRA-NOZES^Durante o ms de Dezembro a iniciativa Paredes de Cor est reservada aos melho-res trabalhos resultantes do Concurso para Jovens Artistas.Faz o teu postal ilustrado ao Pai Natal e concorre!Se tens entre os 10 e os 13 anos participa, concorre com um ou mais trabalhos para a exposio Postal Ilustrado ao Pai Natal. Sero seleccionados 15 projectos que sero apresentados em formato exposio no Caf do CCC durante o ms de Dezembro.Haver prmios para os 15 seleccionados!Os trabalhos devem ser entregues em formato mximo 50x70 cm e mnimo 15x15 cm em suporte papel/carto at ao dia 14 de Novembro no CCC.Agora mos obra, s pintar, colar, fotogra-far, desenhar, escrever, moldar, criar^Faz o teu postal ilustrado ao Pai Natal e concorre!Se tens entre os 10 e os 13 anos participa, concorre com um ou mais trabalhos para a exposio Postal Ilustrado ao Pai Natal.Sero seleccionados 15 projectos que sero apresentados em formato exposio no Caf do CCC durante o ms de Dezembro.Haver prmios para os 15 seleccionados!Os trabalhos devem ser entregues em formato mximo 50x70 cm e mnimo 15x15 cm em suporte papel/carto at ao dia 14 de Novembro no CCC.Agora mos obra, s pintar, colar, fotografar, desenhar, escrever, moldar, criar28SB 04 | 22H00Grande AuditrioMOONSPELLMSICADEZEMBRO^Os Moonspell juntam-se para dar forma a um espectculo que d a conhecer a faceta acstica da banda. Entre a Luz e a Escurido nasce esta Sombra que vem sublinhar a riqueza meldica do Metal, estilo capaz de abraar influncias como o gtico, o tnico e o electrni-co. Esta Sombra vem desmistificar a ideia redutora que muitos tm do gnero. Mais do que uma proposta para os fs da banda e curiosos do estilo, este espectculo destina-se tambm a um pblico aberto a novas sonorida-des e abordagens. A banda vai criar de raiz verses acsticas e semi-acsticas dos temas mais emblemticos. E vo dar igual importncia a momentos que se revelem inesperados e surpreendentes, como a verso acstica de um tema dos Madredeus.Os Moonspell sero acompanhados em todos os espect-culos pelo coro feminino Crystal Mountain Singers e pelos Opus Diabolicum (composto por um quarteto de violonce-los e um percussionista), quinteto que assegura tambm a primeira parte do espectculo. ^1 Plateia: 20,002 Plateia: 17,50Tribuna: 15,00Camarotes: 12,50Descontos1 Plateia: Na compra de 4 bilhetes, 5 gratuito (80,00)2 Plateia: Na compra de 4 bilhetes, 5 gratuito (70,00)29DEZEMBROSB 11 | 21H30Grande AuditrioORQUESTRA ACADMICAMETROPOLITANAMSICA CLSSICA^A Orquestra Acadmica Metropolitana tem vindo a construir ao longo de muitas apresen-taes, com solistas e maestros de renome, uma reputao de grande qualidade.Cada concerto caracterizado pelo envolvi-mento dos jovens intrpretes, neste progra-ma a experimentar uma formao apenas para cordas. Apresentando obras de grande lirismo e serenidade para uma noite j a festejar a quadra natalcia. ^Solistas da Metropolitana:Orquestra Acadmica MetropolitanaJean-Marc Burfin, Direco Musical Programa:- Adgio para Cordas, Op. 11Samuel Barber- Concerto Grosso, n8, para a noite de NatalArcangelo Corelli - Sinfonieta, Op. 52Albert Roussel - Serenata para Cordas em D maior, Op. 48Piotr Iliich TchaikovskiPreo nico: 7,00Grupos de 5 pessoas: 30,00Grupos de 10 pessoas: 60,0030DOM 12 | 17H00Grande AuditrioQUEBRA-NOZESDANADEZEMBRO^Sedeada em Moscovo, a companhia itinerante Moscow Tchai-kovsky Ballet, congrega solistas dos principais teatros da ex-Unio Sovitica: Teatro Bolshoi e Teatro Perm, na Rssia; Teatro Kiev e Teatro Odessa, na Ucrnia; e Teatro Tbilisi, na Gergia. A companhia despertou desde logo interesse pelo seu nome. As primeiras actuaes em Inglaterra e em Itlia no deixaram dvidas, o pblico foi unnime em reconhecer as caractersticas e qualidade dos intrpretes. A intensidade das suas expresses, a subtileza dos seus movimentos, a graciosidade dos seus gestos, e a capacidade tcnica exem-plar dos bailarinos so motivo de orgulho para Anastasia Sverchkova, Directora Artstica e bailarina na companhia.1 Plateia: 22,002 Plateia: 20,00Tribuna e Camarotes: 18,0031Bailado em dois actosMsica PYOTR ILYICH TCHAIKOVSKYCoreografia MARIUS PETIPA E V.VAINONEN baseado no conto de E.T.A. HOFFMANN Cenografia EVGENY GURENKOGuarda-roupa MARINA SOKOLOVA Premire 17 de Dezembro de 1892, Teatro Mariinsky, em Sait Petersburg, RssiaDurao 120 minutos (com um intervalo de 15 minutos) Idade M/3Celebra-se a festa do Natal em casa da pequena Clarinha. Os convidados comeam a chegar enquanto as criadas e os fami-liares ultimam os preparativos. Ao fundo do salo ergue-se, resplandecente de luzes e de prendas, a rvore de NatalBaseado no conto O Quebra-Nozes e o Rei dos Ratos, de E. T. A. Hoffman, o bailado Quebra-Nozes a histria de uma menina que sonha com um Prncipe Quebra-Nozes.Numa feroz batalha contra um Rei dos Ratos, Quebra-Nozes encontra-se em grave perigo. Clarinha, vencendo os seus prprios medos, entra nesta batalha e batendo desesperada-mente com os seus sapatinhos acaba por aniquilar o Rei dos Ratos.Transformado agora num prncipe, Quebra-Nozes conduz Clarinha ao Reino das Neves e a um Reino Maravilhoso, onde uma boa fada distribui alegria e guloseimas s crianas que, como Clarinha, ainda tm a capacidade de sonhar.Uma histria que estimula o imaginrio de cada um de ns, remetendo-nos para o reino da fantasia e do imaginrio.^32CINEMANO CCCSEG | 21H30Pequeno AuditrioPreo: 4,50OUTUBRO0411182524 CITYTtulo Original | 24 CityDe | zhang Ke JiaCom | Jianbin Chen, Joan Chen e Liping L.China | 2008 | 112 | Cor | Drama | M/12NOITE E DIATtulo Original | Night and DayDe | Sang-soo HongCom |Sabine Crossen, Ju-bong Gi e Cyril Hutteau.Coreia do Sul | 2008 | 145 | Cor | Drama | M/12A DANATtulo Original | La danse - Le ballet de lOpra de ParisDe | Frederick WisemanFrana | 2009 | 159 | Cor | Documentrio | M/12BOMBN EL PERROTtulo Original | Bombn El PerroDe | Carlos SornCom |Juan Villegas, Walter Donado e Gregorio.Argentina | 2004 | 105 | Cor | Drama | M/1233IRNETtulo Original | IrneDe | Alain CavalierCom | Alain Cavalier, Catherine Deneuve e Vanessa Widhoff.Frana | 2009 | 93 | Cor | Drama | M/1201081522NOVEMBRO29WHISKYTtulo Original | WhiskyDe | Juan Pablo Rebella e Pablo StollCom | Jorge Bolani, Daniel Hendler e Mirella Pascual.Uruguai, Argentina | 2003 | 95 | Cor | Comdia | M/12TONY MANEROTtulo Original | Tony ManeroDe | Pablo LarrainCom | Alfredo Castro, Paola Lattus e Hctor Morales.Chile | 2008 | 97 | Cor | Drama | M/16OLD JOYTtulo Original | Old JoyDe | Kelly ReichardtCom | Daniel London, Will Oldham, Tanya Smith, Robin Rosenberg e Keri Moran.EUA | 2006 | 76 | Cor | Drama | M/12A NOVA VIDA DO SENHOR O HORTENTtulo Original | A Nova Vida do Senhor O HortenDe | Bent HamerCom | Baard Owe, Espen Skjnberg e Ghita Nrby.ALE/FRA/NOR | 2007 | 90 | Cor | Comdia/Drama | M/1234CANINOTtulo Original | KynodontasDe | Giorgos LanthimosCom | Christos Stergioglou, Michelle Valley e Aggeliki Papoulia.Grcia | 2009 | 94 | Cor | Comdia/Drama | M/18DEZEMBRO06132027NO MINHA FILHA, TU NO VAIS DANARTtulo Original | Non ma fille, tu niras pas danserDe | Christophe HonorCom | Chiara Mastroianni, Marina Fos e Marie-Christine Barrault.Frana | 2009 | 105 | Cor | Drama | M/12KINATAYTtulo Original | KinatayDe | Brillante MendozaCom | Mercedes Cabral, Julio Diaz, Jhong Hilario e Maria Isabel Lopez.Frana | 2009 | 105 | Cor | Thriller | M/18CASAMENTO A TRSTtulo Original | Le Marriage TroisDe | Jacques DoillonCom | Julie Depardieu, Louis Garrel e Pascal Greggory.Frana | 2010 | 105 | Cor | Drama | M/1235PatrocinadorPrincipalINFORMAES GERAISRua Dr. Leonel Sotto Mayor2500 Caldas da Rainhatel. 262 240 000fax. 262 889 660www.ccc.eu.comgeral@ccc.eu.comHORRIO DE FUNCIONAMENTOCCC 10h00 s 02h00 BILHETEIRAQuarta a Sexta - 18h00 s 21h00Feriados - 15h00 s 18h00Dias de Cinema - 20h00 s 23h00Dias de espectculo* - Abre s 18h e encerra aps o trminus do espectculo.*Nos espectculos a realizarem-se em horrios no convencionais a bilheteira abre 2 horas antes do incio do espectculo.BILHETEIRA ON-LINEwww.ccc.eu.comPOSTO DE INFORMAESSegunda a Sexta - das 10h00 s 13h00e das 14h00 s 19h00Sbado - 15h00 s 18h00Domingo - 13h00 s 18h00SERVIOS ADMINISTRATIVOSSegunda a Sexta - das 10h00 s 13h00e das 14h00 s 18h00ESTACIONAMENTO SUBTERRNEOAberto 24h/7 dias da semanaReserve no CCC as salas para o seu evento profissional ou social!www.ccc.eu.com36DO QUE QUEEST ESPERA?!1. Est a pouco mais de 30 minutos de Lisboa2. uma cidade que sabe ENCANTAR e RECEBER BEM quem nos visita e quem vem trabalhar3. Com uma sala de espectculos com EVENTOS e uma programao FANTSTICA4. Com um COMRCIO TRADICIONAL e um mercado da fruta NICO no Oeste5. Com umas TERMAS, uma LAGOA e uma FOZ lindas de ENCANTAR6. Com restaurantes, cervejarias e locais FANTSTICOS onde se pode degustar7. Com locais para pernoitar NICOS e de QUALIDADE SINGULAR8. um bom centro de DIVERSO, de DESPORTOS e de ARTESDO QUE QUEEST ESPERA?!