Pratica 01 Equipamentos de Laboratrio

  • Published on
    18-Jan-2016

  • View
    2

  • Download
    0

DESCRIPTION

Equipamentos laboratrio de quimica

Transcript

  • 1

    . 1.1 Material de vidro

    Balo de fundo chato ou de Florence:

    Balo de fundo redondo

    Balo volumtrico

    Basto de vidro Bquer

    Bureta

    Utilizado no armazenamento e no aquecimento de lquidos, bem como em reaes que se processam com desprendimento de gs.Deve ser aquecido sobre a tela de amianto.

    Muito usado em destilaes, para colocao do lquido a ser destilado ou

    para a coleta do lquido aps a condensao do vapor(A). Nas verses

    mais modernas apresenta boca esmerilhada dedimetro padronizado.

    Pode se apresentar tambm na forma de balo de destilao (B), que

    possui gargalo longo e provido de sada lateral por onde passam os

    gases e vapores.

    Recipiente calibrado, de preciso, destinado a conter um determinado

    volume de liquido, a uma dada temperatura. utilizado no preparo e na

    diluio de solues de concentrao definida (solues padro).

    Como o volume nominal dos bales volumtricos geralmente calibrado a

    20C, no recomendado colocar solues aquecidas no seu interior, nem

    submet-los a temperaturas elevadas.

    Usado na agitao e na transferncia de lquidos. Quando envolvido em

    uma das extremidades por um tubo de ltex chamado de "policial" e

    empregado na remoo quantitativa de precipitados.

    Recipiente com ou sem graduao, de forma alta (Berzelius) ou baixa

    (Griffin). Usado no prepraro de solues, na pesagem de slidos e no

    aquecimento de lquidos, bem como em reaes de precipitao e

    recristalizao. freqentemente confeccionado em vidro pirex, resistente

    a temperaturas elevadas. Apesar disso, no resiste a choques nem a

    variaes bruscas de temperatura. Pode ser aquecido sobre a tela de

    amianto.

  • 2

    Condensador

    A C B Cuba de vidro

    Dessecador

    50

    40

    30

    20

    10

    0 Equipamento calibrado para medida precisa de volume. Permite o escoamento

    de lquido e muito utilizada em titulaes. Possui uma torneira controlada de

    vazo na sua parte inferior. So encontradas no comrcio buretas com

    capacidades que variam de cinco a cem mililitros microburetas com capacidade

    mnima de cem microlitros. As buretas automticas possuem dispositivos

    capazes de abastec-las automaticamente, evitando a contaminao do titulante

    com, CO2 do ar.

    Equipamento destinado a condensao de vapores, utilizado em destilaes ou

    aquecimentos sob refluxo. Os mais comuns so:

    a) condensador reto: apresenta uma superfcie de condensao pequena e por

    isso no apropriado para o resfriamento de lquidos de baixo ponto de ebulio.

    b) condensador de bolas: empregado em refluxos. Contribui para que os vapores

    condensados retornem ao balo de origem.

    c) condensador de serpentina: proporciona maior superfcie de condensao e

    usado principalmente no resfriamento de vapores de lquidos de baixo ponto de

    ebulio

    Recipiente geralmente utilizado em recristalizaes. Tambm,para conter misturas

    refrigerantes.

    Usado no armazenamento de substncias que devem ser mantidas sob

    presso reduzida ou em condies de umidade baixa.

  • 3

    Erlenmeyer

    Kitassato

    Funil de separao

    Funil simples Pipetas

    Recipiente largamente utilizado na anlise titulomtrica, no aquecimento de

    lquidos e na dissoluo de substncias. Pela sua forma cnica, muitas vezes

    utilizado para conter solues durante reaes conduzidas sob agitao.

    Frasco cnico de paredes reforadas, munido de sada lateral. usado em

    filtraes sob suco (ou presso reduzida)

    Vidraria largamente utilizada em extrao, decantao, separao de lquidos

    imiscveis e adio gradativa de lquidos reagentes durante uma reao qumica.

    Empregado na transferncia de lquidos e em filtraes simples, utilizando papel de

    filtro adequado.

  • 4

    (A) (B) Proveta

    Termmetro

    Tubo de ensaio

    Vidro de relgio

    1.2 Material de porcelana

    Instrumento calibrado para medida precisa e transferncia de determinados

    volumes de lquidos, a dada temperatura. Existem basicamente dois tipos de

    pipetas:as graduadas (A) e as volumtricas ou de transferncias (B). As graduadas

    so utilizadas para escoar volumesvariveis, enquanto as volumtricas so

    utilizadas para escoar volumes fixos de lquidos.

    Frasco destinado a medidas aproximadas de volume. So encontradas

    nocomrcio provetas , com volume nominal variando de cinco mililitros a alguns

    litros.

    Instrumento apropriado para medida de temperatura.

    Geralmente utilizado em reaes tipo teste e em ensaios de precipitao,

    cristalizao e solubilidade. Pode ser aquecido, com cuidado, diretamente sobre

    a chama do bico de gs.

    Utilizado no recolhimento de sublimados, na pesagem de substnciasslidas,

    em evaporaes e na secagem de slidas

    no-higroscpicos.

  • 5

    Almofariz e pistilo

    Cadinho

    Cpsula

    Esptula Funil de Bchner

    Tringulo de porcelana

    Destinados pulverizao e homogeneizao de slidos, bem como na

    macerao de amostras que devem ser preparadas paraposterior extrao.

    Podem ser feitos de porcelana, gata, vidro ou metal.

    Usado na secagem, no aquecimento e na calcinao de substncias. Pode ser

    feito de porcelana, metal ou teflon.

    Usada na evaporao de solues, na sublimao e secagem de slidos e na

    preparao de misturas.

    Usada para transferir substncias slidas, especialmente em pesagens.

    Pode ser fabricada em ao inoxidvel, porcelana e plstico.

    Utilizado em filtraes por suco (ou sob presso reduzida), devendo ser acoplado a um frasco Kitassato.

    Usado como suporte no aquecimento de cadinhos.

  • 6

    1.2 Material de metal Bico de gs

    Pinas

    Tela de amianto

    Trip

    1.3 Material de metal usados em montagens Argola

    Garras

    Fonte de calor destinada ao aquecimento de materiais no inflamveis. A

    chama de um bico de gs pode atingir temperatura de at 1500C. Existem

    vrios tipos de bicos de gs (ver figura), mas todos obedecem a um mesmo

    princpio bsico de funcionamento: o gs combustvel introduzido numa

    haste vertical, em cuja parte inferior h uma entrada de ar para suprimento

    de oxignio, o gs queimado no extremo superior da haste. Tanto a

    vazo do gs quanto a entrada de ar podem ser controladas de forma

    conveniente. Os tipos mais comuns de bicos de gs so: (A) bico de

    Bunsen; (B) bico de Tirril; e (C) bico de Mecker.

    As pinas de Mohr (A) e de Hoffmann (B) tm por finalidade impedir ou

    reduzir o fluxo de lquidos ou de gases atravs de tubos flexveis. J a

    pina representada em (C) muito empregada para segurar objetos

    aquecidos, especialmente cadinhos.

    Tela metlica, contendo amianto, utilizada para distribuir uniformemente o

    calor durante o aquecimento de recipientes de vidro ou metal expostos

    chama do bico de gs.

    Usado como suporte, principalmente de telas de amianto e tringulos

    deporcelana.

    Usada como suporte para funis.

  • 7

    Mufa

    Suporte universal

    1.4 Materiais diversos Balana analtica

    Banho-maria

    So feitas de alumnio ou ferro, podendo ou no ser dotadas de mufas.

    Ligam-se ao suporte universal por meio de parafusos edestinam-se

    sustentao de utenslios com buretas, condensadores, frascos Kitassato

    e bales de fundo redondo.

    Adaptador de ferro ou alumnio com parafusos nas duas extremidades,

    utilizada para a fixao de garras metlicas ao suporte universal.

    Serve para sustentar equipamentos em geral.

    Instrumento utilizado para determinao de massa. As balanas analticas

    podem ser classificadas em duas categorias: a) balana de braos iguais:

    efetua a pesagem mediante a comparao direta. Foi largamente utilizada

    at a dcada de 50, sendo posteriormente substituda pela balana analtica

    de prato nico. b) Balana de prato nico: possui um contrapeso que

    balanceia as massas conhecidas e o prato (ver figura). Um objeto pesado

    atravs da remoo de massas conhecidas at que o equilbrio com o

    contrapeso seja restabelecido; deste modo, o valor da massa desconhecida

    igual ao total das massas removidas.

  • 8

    Centrfuga

    Estante para tubos de ensaio

    Estufa

    Manta eltrica

    Mufla ou forno

    Equipamento utilizado para aquecimento e incubao de lquidos

    atemperaturas inferiores a 100C.

    Instrumento que serve para acelerar a sedimentao de slidos suspensos

    em lquidos. empregado, tambm, na separao de emulses, e

    desangue.

    Pode ser feita de metal, acrlico ou madeira

    Equipamento empregado na secagem de materiais por aquecimento.

    Atinge, em geral, temperaturas de at 200C.

    Utilizada no aquecimento de lquidos contidos em bales de fundo redondo.

  • 9

    Pina de madeira

    Pisseta ou frasco lavador

    Utilizada na calcinao de substncias. Atinge em geral, temperaturas na

    faixa de 1000 a 1500C.

    Utilizada para segurar tubos de ensaio, geralmente durante aquecimento.

    Frasco prprio para armazenamento de pequenas quantidades de gua

    destilada, lcool ou outros solventes. usado para efetuar a lavagem de

    recipientes ou precipitados com jatos do lquido nele contido.