Pdio - 17 de maio de 2015

  • Published on
    22-Jul-2016

  • View
    212

  • Download
    0

DESCRIPTION

Pdio - Caderno de esportes do jornal Amazonas EM TEMPO

Transcript

  • MANAUS, DOMINGO, 17 DE MAIO DE 2015 esportes@emtempo.com.br

    5

    CANDIDATOS A REIA quinta edio do Rei da Selva Combat vai agitar o mundo da luta no prximo dia 20 de junho. A partir desta semana, vamos apresentar todos os guerreiros que entraro no octgono em busca do ttulo de Rei. Maycon Messias e Bruno Pitbull fazem suas estreias no MMA e falam de suas expectativas. Pdio E4 e E5

    E01 - PDIO.indd 8 15/5/2015 21:30:54

  • E2 MANAUS, DOMINGO, 17 DE MAIO DE 2015

    Agora eu te-nho obriga-o e dever de levar para os festivais e ultrapassar fronteiras. Vou lanar no Rio, vou tentar pas-sar para trs idiomas e vou seguir um ritual como man-da o gurino nesse mundo de festivais

    Numa semana cercada de polmica, onde, por muito pouco, a nal do Campeo-nato Amazonense 2015 no se tornou preliminar de um jogo entre ex-jogadores de Vasco e Flamengo, o PDIO entrevistou o produtor au-diovisual Chico Fill, responsvel pela produo do documentrio Amazo-nas, o jogo da bola.

    No to f de futebol, mas apaixo-nado por histria, Chico pesquisou a fundo a vida do esporte breto no Amazonas por cinco anos. No longa metragem que ser lana-do na prxima quinta-feira (21), s 15h, na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), o produtor audiovisual antecipou detalhes do documentrio, explicou sua relao com a bola e falou sobre as di culdades encontradas para realizar o trabalho.

    PDIO Qual sua relao com o futebol?

    Chico Fill Eu nasci em Itacoa-tiara. Quando cheguei a Manaus, com quatro anos de idade, fui criado no Centro antigo. Ainda peguei um pouco daquela poca em que tudo era no Centro. Era muito famlia. No tinha essa violncia e o futebol era muito pulsante. Naquela altura, o futebol era relacionado ao carnaval. Eu tive a oportunidade de acompanhar alguns jogos no Vivaldo, muito poucos. No sou um f do futebol, porque eu sou de uma dcada perdida, de 80. Eu nasci em 70, lembro em ashes da glria dessa poca. Curti muito o Rio-Nal. Ia com meu irmo. Peguei essa poca boa ainda. Na minha gerao, eu vi a decadncia toda do futebol amazonense. Depois, sa do Brasil. Vivi 11 anos em outros pases, mas nunca esqueci minhas razes. Voltei para ser produtor de cinema. Tenho uma produtora h 14 anos e j z muito trabalho para empresas grandes, como BBC e Discovery. No futebol o meu primeiro trabalho. Como eu gosto muito de histria e sempre quis fazer algo nesse sentido, o futebol me tocou muito, por conta da bola da seringa, que eu tambm cheguei a brincar. Um dia eu pensei: vou contar a histria dessa bola. Co-mecei e chegou nesse documentrio. De um curta virou um longa.

    PDIO O documentrio to-mou propores que voc no imaginava. Apesar disso, voc enfrentou muitas dificuldades durante a produo?

    CF Como ele virou um longa e cou muito rico em termo de histria,

    ele virou universal. Agora eu tenho obrigao e dever de levar para os festivais e ultrapassar fronteiras. Vou lanar no Rio (de Janeiro), vou tentar passar para trs idiomas e vou seguir um ritual como manda o gurino nesse mundo de festivais. Depois ele vira produto de TV, DVD. Fazer cinema no Brasil, ainda mais no Norte, muito caro. Ns no temos tanto incentivos assim. um paradoxo, porque eu tive muita di -culdade e no obtive nenhuma ajuda. Eu s peguei portas fechadas e numa pr-Copa em que a cidade estava recebendo milhes. Tentamos fazer para ser lanado antes da Copa do Mundo, mas infelizmente no con-tamos com o apoio necessrio por parte do Estado e Municpio. Isso me deixou um pouco revoltado porque a mesma situao que se passa com o nosso futebol.

    PDIO Na sua viso, a falta de apoio nanceiro o principal fator para o futebol estar na situao em que se encontra?

    CF Os governantes no querem saber de nada relacionado ao futebol. A um paradoxo: estamos numa cidade que a sexta economia do Brasil, uma Suframa milionria e que est de costas para a cidade, assim como para o futebol, alm das injustias com nossos clubes. O governo d uma ajuda tmida, mas eu acho que est faltando uma poltica da mdia, dos dirigentes, do governo, en m, da indstria tambm. Mas assim, eu vivo de produo, eu que quis fazer isso a, com apoio ou no. O que me deixou revoltado que sou daqui, e a nica porta que se abriu foi da Assembleia Legislativa. Quan-do eu j estava desistindo eles me receberam super bem. O lanamento vai ser l, vai ter um apoio cultural. Depois vai para o Cinefoot (mostra de cinema com lmes voltados para o esporte) e a partir de junho estarei na Europa, tentando pulverizar ele nos festivais, porque ele tem uma trajetria e precisa ser mostrado para o mundo, at mesmo para os brasileiros e jovens amazonenses, que hoje s querem saber de torcer para Vasco ou Flamengo e no co-nhecem a nossa histria. Acho que vai ser uma coisa muito didtica, vai ser uma aula e acho que vai quebrar esse paradigma. As pessoas vo comear a respeitar.

    PDIO Durante todo esse processo de pesquisa, produo e edio, deu para estabelecer alguns pontos em que o futebol e o cinema local so parecidos?

    CF Os times esto no fundo do poo e o cinema tambm est no

    fundo do poo. Mas nesse momen-to j existe muito gente boa, bem diferente de 10 anos atrs. J tem gente talentosa que est se desta-cando. O que falta criar polticas pblicas e transform-las em leis, como j existe em outros Estados, onde uma determinada quantia de verba destinada para cultua. Uma cidade sem documentrio, sem lme, uma cidade sem carto postal. muito difcil. A mentalidade dos go-vernantes, novos e antigos, difcil de mudar. Por isso se faz neces-srio criar leis nesse sentido. Caso isso no acontea, vamos car na mesmice, com pires na mo, vrias pessoas de talento sem condies de produzir. E um nicho de mercado onde todo mundo ganha, alm de empregar bem e divulgar a cidade. Um trabalho desse faramos vrios. Para o futebol a mesma coisa. A federao, os dirigentes, a falta de patrocnio e um pouco o governo. A Copa deixou um legado, provou que zemos bonito. Os estdios esto a. A pena toda que no tem essa poltica, e isso me revolta.

    PDIO A di culdade foi ainda maior j que o documentrio era sobre o futebol amazonense?

    CF Se no fosse os personagens dos lmes e as pessoas colaborarem teria dado errado. s vezes a gente tenta fazer uma coisa sem apoio de ningum, e esse documentrio foi feito muito por conta do amor. Por exemplo, eu no consegui espao para exibir o lme. Eu diria que sim. Acho que eles pensavam que era uma coisa muito batida, mas o do-cumentrio vai falar mais alto. J foi classi cado para um festival e est despertando muitas pessoas.

    PDIO Alm do Amazonas, o jogo da bola, voc tambm foi o responsvel por colaborar no documentrio do David Beckham na Amaznia. Como foi essa expe-rincia com o astro ingls?

    CF - Como sou de uma produtora amazonense e trabalho com a BBC desde 2001, e cada trabalho deu fruto, credibilidade, eles acabaram me escolhendo. Eu consegui chegar nesse patamar com muito pro s-sionalismo e acabaram me abrindo as portas para grandes trabalhos. A produo do David Beckham me escolheu e entre todas as produto-ras do Brasil. Foi um sucesso. Ele uma pessoa maravilhosa, futebolista, educado, talentoso e cheio de virtu-de. Foi uma experincia sensacional e deu tudo certo. Foi um trabalho maravilhoso e j estamos negociando uma nova proposta de uma outra produo com ele.

    Os times de futebol ESTO NO FUNDO DO POO assim como o cinema

    CHICO FILL

    No sou um f do fu-tebol, porque eu sou de uma dcada perdi-da, de 80. Eu nasci em 70, lembro em flashes da glria dessa poca. Curti muito o Rio-Nal. Ia com meu irmo. Peguei essa poca boa ainda. Na minha gerao, eu vi a deca-dncia toda do futebol amazonense

    ANDR TOBIAS

    Equipe EM TEMPO

    Os times es-to no fundo do poo e o cinema tambm est no fun-do do poo. Mas nesse momento j existe muita gente boa, bem dife-rente de 10 anos atrs. J tem gente talentosa que est se destacando

    FOTOS: ALBERTO CSAR ARAJO

    E02 - PDIO.indd 2 15/5/2015 21:34:27

  • E3MANAUS, DOMINGO, 17 DE MAIO DE 2015

    Juliana Soares: a aposta do vlei de praia amazonenseAos 21anos, atleta ir disputar primeira etapa do Circuito Brasileiro de Vlei de Praia, em Santa Catarina, a partir de tera-feira

    Na prxima tera-feira (19), a amazonense Juliana Soares embar-ca rumo a Chapec, Santa Catarina, para disputar a primeira etapa do Circuito Brasileiro de Vlei de Praia na categoria sub-23. Com apenas 21 anos, a estudante de educa-o fsica vai para a competio nesta segunda-feira (18), cheia de esperanas.

    Estou preparada para o que vier. Vou jogar o torneio qua-lifying e disputar vaga para o torneio principal, ento, vou fazer mais jogos que algumas duplas, mas estamos prontas para encarar qualquer desa- o, disse a amazonense que jogar ao lado da rondonien-se Fernanda Amaral, tambm de 21 anos.

    A troca de parceira para a disputa da etapa de Chapec no deve afetar o desempe-nho da amazonense na arena. Fernanda chegou a Manaus h duas semanas e est hospeda-da na casa de Juliana. A ami-zade levada para os treinos tcnicos e tticos, disputadas trs vezes por semana.

    Essa questo de parceiro no coisa de outro mundo

    no vlei de praia. Em uma etapa voc joga com uma, em outra categoria voc joga com outra. No nada de mais, normal. O treino muito individual, vai muito de voc. Claro que tem a questo do entrosamento, foi por isso que eu trouxe a Fernanda para c antes duas semanas para

    a gente trabalhar algumas questes tticas e tudo mais, explica a estudante.

    Com 1,72 metros de altura e 67 quilos, Juliana faz o fundo da quadra, enquanto Fernan-da, com 1,82 metros e 75 quilos, certeza de e cincia nos bloqueios. A nica ama-zonense a disputar o Circuito Brasileiro de Vlei de Praia

    vem se preparando desde o incio do ano para as compe-ties durante o ano.

    Eu venho me preparando para as etapas nacionais des-de janeiro deste ano, j que a temporada acabou em dezem-bro. Eu ainda consegui jogar duas etapas no ano passado, mas por falta de apoio, in-centivo nanceiro, no dispu-tei mais, argumenta. O que falta so competies em que as premiaes custeiem os gastos do atleta, assim como apoio, continuou a atleta, ao comentar sobre a falta de ca-lendrio para o vlei de praia no Amazonas.

    ReconhecimentoPara Fernanda, atuar ao

    lado de Juliana grati can-te. Ela muito pro ssional e dedicada, elogia a rondo-niense, que j teve conquistas importantes em clubes como o Pinheiros-SP, Sesi-SP, Fran-ca-SP e Chapec-SC.

    Para a dupla, o objetivo fa-zer bons jogos e representar bem o esporte da Regio Nor-te. Na temporada de 2012, valendo pelo Circuito Brasi-leiro Sub-21, Fernanda foi segunda colocada na etapa de Maring (PR) e terceira na etapa de Canavieiras (BA).

    ANDR TOBIAS E ASSESSORIA

    Equipe EM TEMPO

    O que falta so competies em que as premia-

    es custeiem os gastos do atleta,

    assim como apoio

    Juliana Soares, Jogadora de vlei

    Juliana Soares (azul) ao lado da companheira Fernanda Amaral, que do Estado de Rondnia

    EMA

    NU

    EL M

    END

    ES S

    IQU

    EIR

    A

    E03 - PDIO.indd 3 15/5/2015 21:37:02

  • E4 E5MANAUS, DOMINGO, 17 DE MAIO DE 2015E4

    5

    5

    No dia 20 de junho Manaus vai sediar a 5 edio do Rei da Selva Combat. Com 10 lutas con rma-das no card, o tradicional evento amazonense de MMA promete agitar os fs de luta do Esta-do. O local escolhido para a realizao

    foi, novamente, a quadra da Es-cola de Samba da Aparecida, localizada na Avenida Ra-

    mos Ferreira, bairro de mesmo

    nome.Mesmo antes

    de divulgar o card completo, o evento

    organizado pelos em-presrios Sammy Dias

    e Diogo Dias Dutra, j esperado com ansiedade

    pelos fs porque tem na histria, lutas envolvendo

    atletas como Edilberto Cro-cot, Daniel Trindade, Dileno Lopes e Mario Israel.

    O evento surgiu da necessi-dade de revelar novos talentos, projetar os atletas do Amazonas

    para outros eventos e mostrar que no Estado tambm pode ter um competies de MMA com caractersticas prprias da regio e com qualidade.

    Dentre os guerreiros que iro compor o evento esto atletas renomados de nvel regional, nacional e internacional como Renilson Carvalho, defendendo o seu cinturo pela primeira vez. Outra disputa de cinturo que promete tremer a selva a luta feminina pelo titulo da categoria galo (at 61,2 kg). O duelo ser um combate entre Amazonas e Paraba. Quem representar o Estado ser Mayana Kellen, atual campe do evento.

    A quinta edio do Rei da Sel-va vem com grandes novidades. Nomes como Michel Sassarito , Mayana Kellen e Rafael Cear. Fora isso, teremos um combate regional entre Manaus e Boa Vista que vai valer o cinturo da categoria dos meio-mdio (at 77,6 kg). Vamos novamente realizar o evento na quadra da Aparecida. Um ambiente bom para o publico e lutadores. S posso con rmar que, mais uma vez, a selva vai tremer, a rmou Diogo Dias Dutra.

    Como j tradicional no Rei da Selva Combat, novamente, acontecer o confronto entre estreantes no card do evento.

    Estreantes prometem agitar Rei da Selva 5Maycon Messias e Bruno Pitbull fazem suas estreias no MMA e esperam ter o mesmo sucesso de quando eram lutadores de jiu-jtsu

    THIAGO FERNANDO

    Equipe EM TEMPO

    Bruno Pitbull diz que no vai estudar o jogo do seu oponente e que prefere aprimorar sua luta

    O carioca Maycon Messias j foi campeo mundial de jiu-jtsu, mas agora quer brilhar no MMA. Para isso, quer estrear vencendo e vem estudando o jogo do seu oponente

    Com apenas 18 anos, o lutador Maycon Messias,

    pupilo do mestre de jiu-jitsu, Cristia-no Carioca, chega credenciado ao Rei da Selva Combat. Apesar de ser es-treante no MMA, o atleta j foi cam-peo mundial de jiu-jitsu quando es-tava na faixa verde. Agora na faixa roxa, Maycon decidiu tes-tar suas habilidades dentro do octgono. Um dos principais motivos para essa transio a visibi-lidade. Nos ltimos anos, o MMA cres-

    ceu no mundo e isso gerou uma valorizao

    nos atletas e eventos.Meu primeiro contato com

    a luta aconteceu quando ti-nha 12 anos. Comecei a trei-nar em 2010. S entrei para praticar e acabei gostando do jiu-jitsu. Ganhei muitas competies como brasileiro

    e o Mundial. Vim do jiu-jitsu direto para o MMA, porque as oportunidades so maiores na modalidade. Con o no meu potencial e decidi arriscar, disse o lutador.

    Maycon comeou a treinar a parte de trocao no comeo de 2015. A primeira grande di- culdade foi na mentalidade. Apesar disso, o atleta a rmou est con ante e espera sur-preender a todos.

    outra mentalidade, outro gs e outro tipo de treino. Temos que ser guerreiro, por que as di culdades sempre vo existir. Vim para o MMA para conquistar o meu espao. Vou entrar no octgono foca-do. Vou sentir a luta e meu oponente. Quero ver como a trocao dele. Se der mole, vou levar para o cho. Vou decidir a luta na minha rea, revelou o lutador que j viu algumas lutas de seu oponente.

    Mesmo sendo estreante, Maycon Messias sonha alto. Como todo lutador de MMA, o jovem admite que seu objetivo chegar no UFC. Para isso, o

    atleta utiliza como fora, sua famlia, principalmente, sua lha que tem oito meses.

    O meu sonho chegar no UFC. Esse o objetivo de todos os atletas do MMA. Me inspiro nos meus companheiros de treino. Treino com os melhores e vou ser o melhor. Hoje, os familiares apiam mais. Antes o meu pai no gostava que eu treinasse, mas isso mudou. Hoje, no luto apenas por mim, tenho uma lha. Treino para defender minha famlia, informou o representante da equipe Show Time que fez um convite para todos os fs do mundo da luta do Amazonas para lotar a quadra da escola de samba da Aparecida.

    Convido a todos os amigos e fs para comparecer na 5 edio do Rei da Selva. Vai ser um evento com gran-des lutas. Tenho certeza que todos os atletas esto se preparando muito para essa competio. Estou me pre-parando para estrear bem e continuar lutando em gran-des eventos, nalizou.

    Do jiu-jtsu para o sucesso do MMAlutador Maycon Messias,

    pupilo do mestre de

    5

    Nessa edio, a primeira luta da noite ser entre Bruno Pit Bull (Imprio CT) e Maycon Messias (Show Time).

    Aos 21 anos, o atleta Bru-no Rafael Batista, mais conhecido como Pit Bull far sua estreia na quinta edio do Rei da Selva. O luta-dor originrio do jiu-jitsu. Seu pri-meiro contato com a luta foi na arte-suave quando visitou a academia do faixa-preta Elvys Damasceno.

    Tinha seis anos quando comecei a competir no jiu-jtsu. Fui campeo brasilei-ro infantil, infanto-ju-venil e acabei migrando para o jud. Fui campeo sul-americano e logo z parte da seleo brasileira. Depois disso, achei que precisa-va evoluir no esporte. Foi quan-do passei para o MMA. Comecei a treinar muay thai e acabei sendo campeo amazonense. Agora o meu foco o MMA e espero repetir os resultados anteriores, disse Bruno que a rmou sentir como maior dife-rena entre as modalidades, a perca de peso. No jiu-jitsu, jud e muay thai, a pesagem sem-pre no dia das competies. No MMA, a pesagem acontece no dia anterior do evento.

    A perca de peso est sendo bem regrada. Esse foi o maior diferencia nessa migrao para o MMA. A preparao, com certeza, foi dobrada, por-que exige mais para o atleta. No estou nervoso para a es-treia, porque j estou acostu-mado com essa adrenalina, revelou o lutador.

    Sobre seu adversrio, o Bruno a rma no conhecer e no ter pesquisado sobre sua histria. Para o lutador, o fundamental est preparado para qualquer surpresa na hora do combate.

    A estratgia a ar meu jogo. O jiu-jitsu, o wrestling e o muay thai, estar a ado em todos os locais da luta, no ser surpreendido. S conheo quando subir no ringue. Quero est preparado para qualquer coisa. O segredo vai ser levar a luta para onde me der mais vantagem. Venho treinando forte, revelou o atleta que participar de pelo menos trs edies do evento. Sobre esse acordo com o Rei da Selva, Bruno informou que se sente agradecido pela con ana de-positada no seu potencial.

    Tenho muito a agradecer por est estreando em um evento grande. Nem todas as pessoas tm essa oportunidade e eu tive. Meu objetivo subir e dar espetculo. Quero animar o publico e fazer o meu nome no MMA, concluiu Pit Bull.

    FOTO

    S: R

    AIM

    UN

    DO

    VAL

    ENTI

    M

    E04 e 05 - PDIO.indd 4-5 15/5/2015 21:49:00

  • E4 E5MANAUS, DOMINGO, 17 DE MAIO DE 2015E4

    5

    5

    No dia 20 de junho Manaus vai sediar a 5 edio do Rei da Selva Combat. Com 10 lutas con rma-das no card, o tradicional evento amazonense de MMA promete agitar os fs de luta do Esta-do. O local escolhido para a realizao

    foi, novamente, a quadra da Es-cola de Samba da Aparecida, localizada na Avenida Ra-

    mos Ferreira, bairro de mesmo

    nome.Mesmo antes

    de divulgar o card completo, o evento

    organizado pelos em-presrios Sammy Dias

    e Diogo Dias Dutra, j esperado com ansiedade

    pelos fs porque tem na histria, lutas envolvendo

    atletas como Edilberto Cro-cot, Daniel Trindade, Dileno Lopes e Mario Israel.

    O evento surgiu da necessi-dade de revelar novos talentos, projetar os atletas do Amazonas

    para outros eventos e mostrar que no Estado tambm pode ter um competies de MMA com caractersticas prprias da regio e com qualidade.

    Dentre os guerreiros que iro compor o evento esto atletas renomados de nvel regional, nacional e internacional como Renilson Carvalho, defendendo o seu cinturo pela primeira vez. Outra disputa de cinturo que promete tremer a selva a luta feminina pelo titulo da categoria galo (at 61,2 kg). O duelo ser um combate entre Amazonas e Paraba. Quem representar o Estado ser Mayana Kellen, atual campe do evento.

    A quinta edio do Rei da Sel-va vem com grandes novidades. Nomes como Michel Sassarito , Mayana Kellen e Rafael Cear. Fora isso, teremos um combate regional entre Manaus e Boa Vista que vai valer o cinturo da categoria dos meio-mdio (at 77,6 kg). Vamos novamente realizar o evento na quadra da Aparecida. Um ambiente bom para o publico e lutadores. S posso con rmar que, mais uma vez, a selva vai tremer, a rmou Diogo Dias Dutra.

    Como j tradicional no Rei da Selva Combat, novamente, acontecer o confronto entre estreantes no card do evento.

    Estreantes prometem agitar Rei da Selva 5Maycon Messias e Bruno Pitbull fazem suas estreias no MMA e esperam ter o mesmo sucesso de quando eram lutadores de jiu-jtsu

    THIAGO FERNANDO

    Equipe EM TEMPO

    Bruno Pitbull diz que no vai estudar o jogo do seu oponente e que prefere aprimorar sua luta

    O carioca Maycon Messias j foi campeo mundial de jiu-jtsu, mas agora quer brilhar no MMA. Para isso, quer estrear vencendo e vem estudando o jogo do seu oponente

    Com apenas 18 anos, o lutador Maycon Messias,

    pupilo do mestre de jiu-jitsu, Cristia-no Carioca, chega credenciado ao Rei da Selva Combat. Apesar de ser es-treante no MMA, o atleta j foi cam-peo mundial de jiu-jitsu quando es-tava na faixa verde. Agora na faixa roxa, Maycon decidiu tes-tar suas habilidades dentro do octgono. Um dos principais motivos para essa transio a visibi-lidade. Nos ltimos anos, o MMA cres-

    ceu no mundo e isso gerou uma valorizao

    nos atletas e eventos.Meu primeiro contato com

    a luta aconteceu quando ti-nha 12 anos. Comecei a trei-nar em 2010. S entrei para praticar e acabei gostando do jiu-jitsu. Ganhei muitas competies como brasileiro

    e o Mundial. Vim do jiu-jitsu direto para o MMA, porque as oportunidades so maiores na modalidade. Con o no meu potencial e decidi arriscar, disse o lutador.

    Maycon comeou a treinar a parte de trocao no comeo de 2015. A primeira grande di- culdade foi na mentalidade. Apesar disso, o atleta a rmou est con ante e espera sur-preender a todos.

    outra mentalidade, outro gs e outro tipo de treino. Temos que ser guerreiro, por que as di culdades sempre vo existir. Vim para o MMA para conquistar o meu espao. Vou entrar no octgono foca-do. Vou sentir a luta e meu oponente. Quero ver como a trocao dele. Se der mole, vou levar para o cho. Vou decidir a luta na minha rea, revelou o lutador que j viu algumas lutas de seu oponente.

    Mesmo sendo estreante, Maycon Messias sonha alto. Como todo lutador de MMA, o jovem admite que seu objetivo chegar no UFC. Para isso, o

    atleta utiliza como fora, sua famlia, principalmente, sua lha que tem oito meses.

    O meu sonho chegar no UFC. Esse o objetivo de todos os atletas do MMA. Me inspiro nos meus companheiros de treino. Treino com os melhores e vou ser o melhor. Hoje, os familiares apiam mais. Antes o meu pai no gostava que eu treinasse, mas isso mudou. Hoje, no luto apenas por mim, tenho uma lha. Treino para defender minha famlia, informou o representante da equipe Show Time que fez um convite para todos os fs do mundo da luta do Amazonas para lotar a quadra da escola de samba da Aparecida.

    Convido a todos os amigos e fs para comparecer na 5 edio do Rei da Selva. Vai ser um evento com gran-des lutas. Tenho certeza que todos os atletas esto se preparando muito para essa competio. Estou me pre-parando para estrear bem e continuar lutando em gran-des eventos, nalizou.

    Do jiu-jtsu para o sucesso do MMAlutador Maycon Messias,

    pupilo do mestre de

    5

    Nessa edio, a primeira luta da noite ser entre Bruno Pit Bull (Imprio CT) e Maycon Messias (Show Time).

    Aos 21 anos, o atleta Bru-no Rafael Batista, mais conhecido como Pit Bull far sua estreia na quinta edio do Rei da Selva. O luta-dor originrio do jiu-jitsu. Seu pri-meiro contato com a luta foi na arte-suave quando visitou a academia do faixa-preta Elvys Damasceno.

    Tinha seis anos quando comecei a competir no jiu-jtsu. Fui campeo brasilei-ro infantil, infanto-ju-venil e acabei migrando para o jud. Fui campeo sul-americano e logo z parte da seleo brasileira. Depois disso, achei que precisa-va evoluir no esporte. Foi quan-do passei para o MMA. Comecei a treinar muay thai e acabei sendo campeo amazonense. Agora o meu foco o MMA e espero repetir os resultados anteriores, disse Bruno que a rmou sentir como maior dife-rena entre as modalidades, a perca de peso. No jiu-jitsu, jud e muay thai, a pesagem sem-pre no dia das competies. No MMA, a pesagem acontece no dia anterior do evento.

    A perca de peso est sendo bem regrada. Esse foi o maior diferencia nessa migrao para o MMA. A preparao, com certeza, foi dobrada, por-que exige mais para o atleta. No estou nervoso para a es-treia, porque j estou acostu-mado com essa adrenalina, revelou o lutador.

    Sobre seu adversrio, o Bruno a rma no conhecer e no ter pesquisado sobre sua histria. Para o lutador, o fundamental est preparado para qualquer surpresa na hora do combate.

    A estratgia a ar meu jogo. O jiu-jitsu, o wrestling e o muay thai, estar a ado em todos os locais da luta, no ser surpreendido. S conheo quando subir no ringue. Quero est preparado para qualquer coisa. O segredo vai ser levar a luta para onde me der mais vantagem. Venho treinando forte, revelou o atleta que participar de pelo menos trs edies do evento. Sobre esse acordo com o Rei da Selva, Bruno informou que se sente agradecido pela con ana de-positada no seu potencial.

    Tenho muito a agradecer por est estreando em um evento grande. Nem todas as pessoas tm essa oportunidade e eu tive. Meu objetivo subir e dar espetculo. Quero animar o publico e fazer o meu nome no MMA, concluiu Pit Bull.

    FOTO

    S: R

    AIM

    UN

    DO

    VAL

    ENTI

    M

    E04 e 05 - PDIO.indd 4-5 15/5/2015 21:49:00

  • E6 MANAUS, DOMINGO, 17 DE MAIO DE 2015

    Rio de Janeiro (RJ) - A semana do Fla-mengo foi cheia. Nem o elenco, nem a comisso tcnica e muito menos Vanderlei Luxemburgo digeriram bem a derrota na estreia, contra os reservas So Paulo, no Morumbi. Por isso, entre treinos fsicos e tticos, ele trabalhou muito as nalizaes de seus joga-dores. O grupo acredita que os trabalhos rendero bons fru-tos no futuro. O Rubro-Negro recebe o Sport, no Maracan, s 15h (de Manaus), destedomingo (17).

    importante ter a sema-na para poder trabalhar bem aquilo que no vem dando muito certo. Ns sabemos que as di culdades no Campeo-nato Brasileiro so enormes e no podemos pensar que vamos ter sempre um grande nmero de chances de gol para fazermos. O ideal que a gente consiga aproveitar bem quando essas chances surgirem. O Flamengo est procurando melhorar em diversos aspectos, disseo meia Everton.

    Em termos de escalao, o Flamengo um mistrio, pois o tcnico Vanderlei Luxem-burgo no con rmou os 11

    titulares. Recuperado de uma gripe, o atacante Alecsandro reaparece na vaga de Almir. Assim, Marcelo Cirino deixa o comando do ataque e volta a jogar de ponta. O lateral-esquerdo colombiano Pablo Armero, que treinou com bola durante a semana, deve ser relacionado, mas para come-ar o confronto no banco.

    Dessa maneira, o esboo de time para domingo tem: Paulo Victor, Par, Bressan, Wallace e Anderson Pico; Jonas, Hctor Canteros, Gabriel e Everton; MarceloCirino e Alecsandro.

    Con anteCom a con ana em alta

    depois de golear por 4 a 1 o Figueirense na estreia do Brasileiro, o Sport vem cheio de con ana em um bom resultado fora de casa. O time nordestino tem uma novidade. O lateral-direto Samuel Xavier est regula-rizado e comea entre os titulares. O tcnico Eduardo Baptista j de niu os 11 jo-gadores que iniciam o duelo. Magro; Samuel Xavier, Ma-theus Ferraz, Durval e Ren; Rithely, Rodrigo Mancha (Wendel), Diego Souza, Elbere Rgis; Samuel.

    Flamengo recebe Sport j sob presso no BrasileiroAps perder na estreia para os reservas do So Paulo, Rubro-Negro quer vencer a primeira partida do Brasileiro em casa

    Volante argentino Hctor Canteros ( esq.) uma das armas rubro-negras para conter o ataque do time pernambucano no Rio

    DIV

    ULG

    A

    O

    Fluminense mede foras com Galo para embalar

    Rio de Janeiro (RJ) Aps vencer na estreia do Campe-onato Brasileiro o Joinville por 1 a 0, o Fluminense embalar na competio vencendo o Atltico-MG e ter um alia-do a mais. O clube mineiro por cumprir punio impos-ta pelo Superior Tribunal de Justia Desportiva (STJD) por confuses de sua torcida em um clssico contra o Cruzeiro no ano passado, o Atltico-MG no poder jogar em Belo Horizonte neste do-mingo (17), quando as duas equipes se enfrentam s 15h (de Manaus), pela segunda rodada do Brasileiro. As-sim, a diretoria do campeo mineiro optou por mandar o duelo no Estdio Man Garrincha, em Braslia

    Para este compromisso, o tcnico Ricardo Drubscky vai fazer trs alteraes em relao formao que es-

    treou derrotando o Joinville por 1 a 0 na primeira ro-dada. Ele vai promover a estreia do zagueiro Antnio Carlos, contratado junto ao So Paulo, e do atacante Magno Alves, que estava no Cear. Eles ocuparo os postos, respectivamen-te, de Marlon e de Kenedy, ambos servindo Seleo Brasileira sub-20. J o meia Vincius, autor do gol diante dos catarinenses, ganhou a posio de Gerson.

    Dessa maneira, o Flumi-nense ir a campo com: Die-go Cavalieri, Wellington Silva, Gum, Antnio Carlos e Gio-vanni; Pierre, Edson, Jean e Vincius; Magno Alves e Fred. Nesta sexta-feira o elenco do Fluminense volta a trabalhar na parte da manh, na sede das Laranjeiras. A viagem para Braslia acontece aps o treino de sbado.

    DIV

    ULG

    A

    O

    APS ELIMINAOEM BRASLIA

    Gum ter Antnio Carlos como companheiro de zaga

    DIV

    ULG

    A

    O

    Recuperado de leso, Dagoberto volta ao time titular

    S 10H

    DIV

    ULG

    A

    O

    Vasco pega Figueirense no Orlando Scarpelli

    Rio de Janeiro (RJ) Tan-to Vasco quanto Figueirense no tiveram uma boa estria no Campeonato Brasileiro. O campeo carioca apenas empatou sem gols em casa contra o Gois, j o time ca-tarinense foi goleado por 4 a 1 para o Sport, em Recife. O duelo entre as equipes ser no novo horrio de 10h (de Manaus), no estdio Orlando Scarpelli e ambos tentam espantar a m im-presso deixada no nal de semana passado.

    Para o atacante Gilberto, o resultado dos dois times na estreia no vai ter nenhuma interferncia no desempe-nho dos times.

    Sinceramente, isso no muda muita coisa para a nossa equipe, pois no Cam-

    peonato Brasileiro cada par-tida tem a sua histria, e um jogo nunca parecido com o outro. O Vasco no espera nunca um jogo fcil e por isso estamos conseguindo bons resultados ao longo da temporada disse.

    Poupado no duelo de meio de semana contra o Cuia-b, pela Copa do Brasil, o agora meio-campista Dago-berto, volta ao timer titular do Cruz-Maltino. A dele na vaga de Marcinho dever ser a nica alterao para o duelo contra o Figueirense. Com isso, os comandados de Doriva devem ir a campo com: Martn Silva, Madson, Luan, Rodrigo e Christianno; Guiazu, Serginho, Jlio dos Santos e Dagoberto; Rafael Silva e Gilberto.

    So Paulo encara Ponte Preta com mudanas

    So Paulo (SP) A elimi-nao para o Cruzeiro nas oitavas de final da Copa Li-bertadores da Amrica no deixou o clima no So Paulo pesado, porm, aps o re-vs, o tcnico Milton Cruz deve promover mudanas na equipe que enfrenta a Ponte Preta neste domingo (17), s 17h30 (de Manaus), no estdio Moiss Licarelli, em Campinas, pela segun-da rodada do Campeo-nato Brasileiro.

    Durante os treinos de quinta e sexta-feira, o co-mandante Tricolor testou algumas possibilidades e s vai con rmar a equipe minutos antes da partida no interior paulista. Apesar de no dar indcios quanto aos onze que comearo a par-tida, uma ausncia certa. Servindo seleo brasi-leira sub-20, que disputar

    o Mundial da categoria a partir do nal de maio, o za-gueiro Luco deve ceder sua vaga a Dria, que formar a defesa titular ao lado de Ra-fael Toli. O meia Boschilia, tambm selecionado para o Mundial sub-20, outro que car fora dos planos at meados de junho.

    Ainda sem estar 100% aps ter cado alguns dias parado por conta da dengue, o meia Michel Bastos, ao que tudo indica, car de fora da partida. Se a ausncia do apoiador se con rmar, brigam pela vaga o argen-tino Centurin e o atacante Luis Fabiano.

    A tendncia que o So Paulo entre em campo no nal de semana com: Rogrio Ceni; Bruno, Rafael Toloi, D-ria e Reinaldo; Denilson, Sou-za, Wesley, Centurin e Paulo Henrique Ganso; Pato.

    Milton Cruz testou algumas mudanas na equipe titular

    E06 - PDIO.indd 6 15/5/2015 20:03:50

  • E7 MANAUS, DOMINGO, 17 DE MAIO DE 2015

    Tudo ou nada para o TufoSo Raimundo entra em campo para enfrentar o Rio Negro necessitando de uma vitria para manter vivo o sonho de se classi car para a segunda fase do Campeonato Amazonense. O time o quinto colocado da competio com 22 pontos

    Finalizando a 16 ro-dada do campeonato amazonense 2015, Rio Negro e So Raimundo se enfrentam no estdio da Colina. O tradi-cional confronto vale muito, principalmente para a equipe alviceleste que depende do resultado positivo para man-ter viva as chances de pas-sar para a segunda fase do estadual. Ocupando a quinta colocao com 22 pontos, os comandados do tcnico Edu-ardo Clara precisam vencer suas prximas trs partidas (Rio Negro, Iranduba e Ma-naus FC) e contar com dois tropeos do quarto colocado, o Penarol. Sabendo da obri-gao, o treinador pediu para a equipe redobrar a ateno para o confronto deste do-mingo. Segundo o atacante Ramon, nada est de nido e o grupo so-raimundense acre-dita que pode garantir a vaga na semi nal do Barezo.

    Estamos nos preparando para essa reta nal. Focamos muito na parte ttica nessa semana. Ela foi muito boa e vamos entrar mais forte na partida diante do Rio Negro, disse Ramon, que o artilheiro do time na competio com nove gols.

    Para a partida, o Tufo no poder contar com o meia

    Neto, que ainda se recupera de leso. Outro que deve car de fora Adonias. Esse um dos principais adversrio do So Raimundo no campe-onato. Durante o Estadual, vrios jogadores desfalcaram a equipe por leso. Ramon foi um deles. O atacante estava embalado e era artilheiro da competio, at se machucar. Ele voltou aos gramados no nal de abril, porm, ainda no conseguiu balanar as redes. Sobre esse seca, o camisa 9 admitiu que est sentindo saudades de marcar, porm, lembra que o importante o sucesso do time na partida.

    Quem joga mais prximo do gol, sabe que tem uma res-ponsabilidade maior. Nosso dever fazer os gols. Ento, sinto saudade sim de balanar as redes. Espero que nesse jogo os gols possam sair. A nossa estratgia de jogar e vencer. No podemos mais ter erros se quisermos conquistar algo no estadual, falou o ata-cante lembrando que o time tricampeo do Norte contar com uma fora extra para o clssico: a torcida.

    Galo con anteNo lado do Rio Negro, o

    tcnico Roberley Assis acre-dita na vitria de sua equipe. Para o comandante do Galo, essas partidas so importan-tes para dar visibilidade para os garotos do elenco.

    O So Raimundo uma grande equipe que conta com um treinador que ad-miro muito. Eles cresceram muito no campeonato, mas vamos enfrentar buscando os trs pontos. O atual elenco do Rio Negro ganha visibili-dade., a rmou Assis.

    Atacante Marinho (no centro) ser titular ao lado de Ramon ( esq.) no ataque do So Raimundo

    THIAGO FERNANDO

    Equipe EM TEMPO

    Adriano Paredo; Rondi-nelli, Raul e Vitor; Marce-linho, Ruan, Tiago Amazo-nense, Serginho e Luizinho; Ronan e Nailson.

    Leandro Mineiro; Getulio, Fernando Junior, Uilton e Vamberto; Carlos, Joaldo, Gilson e Clailson; Ramon e Marinho.

    FICHA TCNICA

    RIO NEGRO Tc.: Roberley Assis.

    SO RAIMUNDOTc.: Eduardo Clara.

    Local: Estdio Isamel Benigno (Colina)Horrio: 15hrbitro: Uesclei Regison dos Santos

    Vitor

    Ruan

    Raul Rondinelli

    Adriano Paredo

    Serginho

    Marcelinho Luizinho

    Ronan Nalson

    Vamberto Getlio

    UltonFernando Jnior

    Leandro Mineiro

    Carlos

    JoaldoGilson

    Ramon

    T. Amazonense

    Clalson

    Marinho

    No mesmo horrio, a bola tambm vai rolar no estdio Carlos Zamith. A equipe do Princesa do Solimes enfren-ta o desmotivado, Manaus

    FC. J classi cado para a fase nal da competio, o Tuba-ro da Terra da Ciranda entra em campo buscando garantir a segunda colocao geral.

    Caso isso acontea, o Prin-cesa ter a vantagem de jogar a segunda partida da semi nal em casa, no estdio Floro de Mendona.

    Princesa e Manaus FC no Zamith

    ALB

    ERTO

    CS

    AR

    AR

    A

    JO

    E07 - PDIO.indd 7 15/5/2015 21:50:42

  • E8 MANAUS, DOMINGO, 17 DE MAIO DE 2015

    E08 - PDIO.indd 8 15/5/2015 21:51:48