PLANEJAMENTO AMBIENTAL PARA UMA ? III Congresso Brasileiro de Gesto Ambiental Goinia/GO 19

  • Published on
    13-Sep-2018

  • View
    212

  • Download
    0

Transcript

  • III Congresso Brasileiro de Gesto Ambiental Goinia/GO 19 a 22/11/2012

    IBEAS Instituto Brasileiro de Estudos Ambientais 1

    PLANEJAMENTO AMBIENTAL PARA UMA INDSTRIA METALRGICA

    Luciana Ramos Edinger Tecnloga em Gesto Ambiental pela Universidade Feevale. Mariana Dutra de Castilhos, Kamila Klpsch e Danielle Paula Martins

    E-mail: lu.edinger@hotmail.com

    RESUMO

    O aumento das atividades industriais no Rio Grande do Sul, aliado a uma srie de ocorrncias ambientais ligadas a estas nos leva a uma nova tendncia no que diz respeito Gesto Ambiental em indstrias no gerenciamento de resduos, efluentes e emisses atmosfricas. O presente trabalho englobar um diagnstico e um planejamento ambiental um uma indstria metalrgica em um municpio do Vale do Rio dos Sinos, Rio Grande do Sul, Brasil, realizado no perodo de Abril a Junho de 2012. O trabalho contempla um mtodo que leva a um diagnstico e posterior planejamento ambiental desenvolvidos em uma empresa metalrgica de fabricao de navalhas para calados. Um planejamento ambiental eficaz provm de um completo diagnstico ambiental que contempla os pontos mais significativos, como: atendimento s legislaes vigentes e licenciamento ambiental, melhorias no gerenciamento ambiental, condies de trabalho que prezem a vida e a sade do trabalhador que necessitam de um meio ambiente em equilbrio para terem uma vida saudvel. Uma empresa com compromisso com o meio ambiente contribui para a qualidade de vida das pessoas, o principal motivo de se fazer qualquer planejamento ambiental. Alm destes fatores, a implantao de melhorias em gesto ambiental nas empresas pode trazer: reduo de tempo e custos de produo, aumento de eficincia e produtividade, reduo de riscos de acidentes ambientais e possveis autuaes, educao Ambiental para os colaboradores, que alm de ser um exerccio de cidadania, faz as pessoas se tornarem multiplicadores da temtica ambiental nas suas casas e na comunidade, melhorias na imagem da empresa perante a comunidade, clientes e facilidades de acesso a linhas de financiamento por ser uma empresa com compromisso ambiental, possibilitando investimentos em melhorias e prospeco de novos negcios. As empresas, principalmente as de pequeno porte, que no possuem recursos para contratar consultorias ambientais ou manter um funcionrio que cuide somente dos assuntos ambientais, necessrio que os municpios possuam um programa de auxilio, que possa indicar adequaes ambientais corretas para as empresas, antes de mult-los. Infelizmente temos esta cultura de penalizar para depois orientar, inclusive no Brasil, a lei de crimes ambientais foi publicada antes da poltica de educao ambiental, o que um grande problema.

    PALAVRAS-CHAVE: Planejamento Ambiental; Diagnstico Ambiental; Gesto de baixo custo.

  • III Congresso Brasileiro de Gesto Ambiental Goinia/GO - 19 a 22/11/2012

    IBEAS Instituto Brasileiro de Estudos Ambientais 2

    INTRODUO

    O aumento da atividade industrial no Rio Grande do Sul, juntamente com uma srie de ocorrncias ambientais ligadas a estas, aponta a uma nova tendncia no que diz respeito Gesto Ambiental em indstrias, o gerenciamento de resduos, efluentes e emisses atmosfricas.

    Aliado a este cenrio apresentado, outro fator determinante para a presena de um gerenciamento ambiental nas indstrias so as exigncias dos rgos de proteo ambiental, pois estabelecem padres para lanamentos de efluentes, emisses, rudos e resduos de acordo com cada atividade industrial. Para auxiliar a indstria na adequao de sua produo necessrio um profissional que atenda a esta demanda e que possa buscar maneiras de aumentar a eficincia energtica, reduzir efluentes, resduos e emisses, bem como conseguir reduzir custos com estes e se possvel gerar lucro com uma gesto ambiental empresarial adequada.

    O gestor ambiental o profissional que trabalha com a elaborao de projetos que visem a preservao do meio ambiente aliada ao progresso, pois realiza o diagnstico de todas as etapas de um processo, desde a entrada de matria prima, uso de energia, embalagens, armazenamento de produto e de resduo e destino final dos resduos e ento baseado neste diagnstico elaborar propostas de melhorias que pode abranger melhor utilizao de matrias-primas, programas de educao ambiental e reutilizao de resduo como forma de matria prima.

    Neste contexto, o presente artigo tem como tema a elaborao de um diagnstico e um planejamento ambiental em uma indstria metalrgica( para referir-se empresa, utilizou-se a sigla M.A.), em um municpio do Vale do Rio dos Sinos, Rio Grande do Sul, Brasil, realizado no perodo de Abril a Junho de 2012. O trabalho foi realizado durante a disciplina de Planejamento Ambiental do Curso Superior de Tecnologia em Gesto Ambiental. CARACTERSTICAS DO MUNICPIO SEDE DA EMPRESA

    O municpio sede da M.A. localiza-se na Bacia Hidrogrfica do Rio dos Sinos, Rio Grande do Sul, Brasil. Est inserido no Bioma Mata Atlntica e sobre a regio do aqufero Guarani, local onde a empresa retira a gua utilizada no processo (IBGE, 2007), (PRSINOS, 2012).

    Quanto aos usos das guas da bacia na qual a empresa est inserida, os trs principais destinos so: irrigao, abastecimento pblico e indstria, totalizando uma demanda prxima aos 10 m/s (dos quais 3,44 m/s so consumidos e no retornam ao rio), bem distribudos entre os trs setores em termos mdios anuais:

    - 2,36 m/s para o abastecimento industrial (sendo 0,47 m/s consumidos);

    - 3,41 m/s para o abastecimento humano (sendo 0,68 m/s consumidos);

    - 3,69 m/s para a irrigao (sendo 2,21 m/s consumidos). (PRSINOS, 2011)

    Com os dados apresentados, percebe-se que a indstria o setor que menos consome gua da bacia do Rio dos Sinos. O solo caracterstico de Argissolo Vermelho Distrfico e o relevo Basltico. (STECK, 2008).

    CARACTERSTICAS DA EMPRESA

    A M.A iniciou suas atividades em 1995 e em 2000 mudou-se para o endereo onde atua hoje. Com 20 funcionrios, produz cerca de 1.500 navalhas e 15 matrizes por ms, que varia muito, pois depende da produo caladista, mercado para onde so comercializados os seus produtos.

    O mercado caladista o setor responsvel por parcela significativa da economia da regio do Vale do Rio dos Sinos. O produto final produzido pela M.A. faz parte do setor de corte das peas, no incio do processo. O corte pode ser manual, para produes menores e mecnicos para maiores demandas. O equipamento utilizado para o corte mecnico o balancim hidrulico, em que a navalha utilizada para cortar a pea no formato desejado. Conforme figuras 1 e 2.

  • III Congresso Brasileiro de Gesto Ambiental Goinia/GO 19 a 22/11/2012

    IBEAS Instituto Brasileiro de Estudos Ambientais 3

    Figura 1 Modelo de balancim. Fonte: Senai-RS.

    Figura 2 Modelos de navalhas. Fonte: Senai-RS.

    MTODO

    Para a obteno de informaes, sobre a localizao da empresa, o grupo utilizou recursos da internet para encontrar o endereo, bem como a ferramenta Google Earth para fazer uma observao prvia e detectar a presena de vegetao e recursos hdricos nas proximidades do local de estudo.

    A empresa no possui site de divulgao, diante disto, o grupo buscou informaes na licena de operao sobre o ramo da atividade, capacidade produtiva, mercado para o qual a produo comercializada, nmero de funcionrios, o potencial poluidor, gerenciamento dos resduos, efluentes e possveis emisses atmosfricas.

    No site do rgo ambiental FEPAM - Fundao Estadual de Proteo Ambiental Henrique Luis Roessler, h um campo de pesquisa pblica em que esto todas as licenas emitidas para as empresas do estado. Procuramos pelo nome da empresa e detectamos que o licenciamento era municipalizado, atravs de um documento divulgado nos resultados de pesquisa. Por ser municipalizado, o grupo buscou informaes no site da prefeitura, mas as licenas ambientais no esto disponveis na rede.

    Para obter informaes mais aprofundadas da localizao da empresa, o grupo utilizou o site da prefeitura e Cmara de Vereadores em busca de informaes sobre Plano Diretor, que estava disponvel online, porm sem o anexo dos mapas. O grupo foi at a prefeitura e obteve a cpia da licena, bem como os mapas do plano diretor do municpio.

    Como nenhuma integrante do grupo tinha tido algum contato com indstria metalrgica, o grupo precisou de uma srie de informaes prvias, para elaborar o restante do diagnstico. Alm da metodologia descrita, o grupo utilizou vdeos da internet que explicavam todo o processo de produo de navalha para calado, produto final da M.A.

  • III Congresso Brasileiro de Gesto Ambiental Goinia/GO - 19 a 22/11/2012

    IBEAS Instituto Brasileiro de Estudos Ambientais 4

    Depois de estudar as informaes prvias, o grupo fez uma srie de 04 visitas na empresa, onde tirou fotos para entender o processo industrial, alm de aplicar um questionrio com 21 questes, que foi respondido pelo proprietrio da empresa, que tambm atua na produo das peas.

    As perguntas do questionrio guiaram as visitas na empresa e abordaram assuntos sobre as etapas do processo produtivo, segurana do trabalho, matria prima, produto e resduo gerado, alm de observar como era a cultura da empresa em relao ao meio ambiente e como os colaboradores percebiam a sua contribuio para com o mesmo. As perguntas elaboradas serviram de subsdio para criar o diagnstico que ser apresentado neste trabalho.

    DIAGNSTICO AMBIENTAL

    Atravs dos dados obtidos nas visitas M.A foi realizado o diagnstico ambiental a seguir, que inicia com o fluxograma do processo de produo da empresa e um layout com a demarcao de cada processo na rea da empresa (Figuras 5 e 6).

    Seguem as informaes obtidas na etapa de visitao M.A.

    Matrias primas:

    Ao 1045/-ferro em barra/-ferro chato/- solda/- leo mineral utilizado na usinagem/- gua, que recirculada/- energia.

    gua:

    A gua utilizada no processo industrial provm de poo artesiano e no h controle de vazo.

    Resduos:

    O resduo que gerado no processo produtivo papel, plstico, cavaco de alumnio, ferro, estopas e panos contaminados, efluentes.

    A situao diagnosticada na empresa em relao aos resduos slidos demonstrou que no realizada a separao dos resduos, o que implica em perda de valor agregado. O resduo fora de processo industrial (sanitrios, orgnico e seco) destinado para a coleta pblica de resduos municipais, bem como as estopas e panos contaminados que tambm so encaminhados para coleta pblica.

    As lmpadas ficam armazenadas dentro da empresa, sem acondicionamento especializado. Observou-se que a empresa est ciente que precisa aprimorar o seu gerenciamento de resduos, mas no possuem um profissional habilitado a implementar melhorias.

    Efluentes:

    Os efluentes que no so mais possveis de recirculao so encaminhados para uma empresa no municpio gacho de Caxias do Sul para tratamento.

    Emisses atmosfricas

    O nico ponto identificado de emisso atmosfrica em uma cabine utilizada para envernizar as peas com spray, porm, esta no utilizada com frequncia, a empresa optou por utilizar o verniz em lquido que gera menos custo e o spray utilizado para peas especiais.

    Energia eltrica:

    O gasto energtico da empresa mensal est na mdia de R$ 1.500,00 a R$ 1.800,00.

    Segurana do trabalho:

    A empresa disponibiliza EPI - Equipamento de Proteo Individual, porm no cultura dos funcionrios o uso dos mesmos.

  • III Congresso Brasileiro de Gesto Ambiental Goinia/GO 19 a 22/11/2012

    IBEAS Instituto Brasileiro de Estudos Ambientais 5

    Estoque de materiais:

    No h dados sobre inventrio, controle de estoque de matria prima, resduos slidos e efluentes industriais, o que dificulta, inclusive, elaborar o custo do produto final. Foi observado que h vrios pontos de estocagem de materiais na rea de produo. As chapas de ferro, por exemplo, esto em um local de passagem de pessoas, e podem causar acidentes. O material de ferro em barra muitas vezes acaba oxidando, pois no esto em local adequado e as peas novas esto sendo utilizadas antes das que j esto no estoque.

    Central de resduos

    A empresa possui um local coberto com piso de madeira para armazenar os resduos, que foi indicado pela prefeitura, em que so armazenados os resduos de ferro, na sua maioria.

    Segue na tabela 1, o diagrama de blocos de entradas e sadas do processo industrial. Os resduos apresentados na tabela 1 foram classificados segundo a norma NBR 10.004/2004. Segue, na tabela 2 uma estimativa dos resduos gerados na empresa em relao produo.

    Tabela 1 Diagrama de blocos do processo produtivo da M.A. Fonte: Autores.

    Entradas Processo Sadas

    Ao Resduo de ao - classe II A

    leo Mineral Resduo de leo - classe I

    Verniz Resduo de verniz - classe I

    Solda Gs de verniz

    Papelo Embalagens contaminadas - classe I

    gua Estopas contaminadas - classe I

    Energia Efluente

    Mo de obra

    Fabricao do vazador

    Produto acabado

    Ao Resduo de ao - classe II A

    Ferro em barra Resduo de ferro - classe II A

    Ferro chato Resduo de verniz - classe I

    Verniz Gs de verniz

    Solda Embalagens contaminadas - classe I

    Papelo Resduo de papelo - classe IIA

    Etiquetas Estopas contaminadas - classe I

    Energia Resduo de etiquetas - classe IIA

    Mo de obra

    Parte Interna e externa

    Produto acabado

    Tabela 2 Indicadores de desempenho ambiental (relao de custos de matria prima, produo e resduos)/ANO.

    Fonte: Autores. MATRIA

    PRIMA/ANO PRODUO ANUAL RESDUO/ANO Aproximadamente R$ 180.000,00 por ano sem detalhamento

    sobre gasto com cada matria prima

    12.000 unidades/ano Resduo de ferro

    12 tambores de 200

    litros por ano

  • III Congresso Brasileiro de Gesto Ambiental Goinia/GO - 19 a 22/11/2012

    IBEAS Instituto Brasileiro de Estudos Ambientais 6

    Resduo de ao

    2 tambores e meio por ano

    Resduo de verniz 1 tambor por ano

    Resduo de etiquetas

    2 tambores e meio por ano

    Embalagens contaminadas

    2 tambores e meio por ano

    Panos contaminados 1 tambor por ano

    A empresa no possui um gerenciamento de resduo e matria prima, apenas valores aproximados e estes variam devido produtividade da empresa. A unidade tambor considerada deste modo, pois no h na empresa outra maneira de calcular a quantidade. Os valores so referentes ao local de acondicionamento, tambores de ferro de 200 litros (l). O resduo atualmente no gera custo financeiro para a empresa.

    Foi possvel identificar neste levantamento que a empresa no est vinculada a nenhum tipo de programa de educao ambiental, e no h na empresa um responsvel pela rea ambiental, porm a empresa possui uma boa percepo sobre os assuntos ambientais, pois reconhece a sua situao atual e se mostrou disposta a atuar no que for possvel no momento.

    PLANEJAMENTO AMBIENTAL

    Esta etapa do trabalho contempla um planejamento ambiental aplicado M.A., com sugestes de melhorias baseadas nos dados obtidos na etapa de diagnstico ambiental.

    Proposta de gerenciamento ambiental:

    Matrias primas:

    Quanto ao uso das matrias primas, o grupo observou que todo o material utilizado de forma racional e no foram verificados aspectos de desperdcio de matria prima, o que muito positivo, pois a empresa j apresenta um plano de aproveitamento mximo das matrias. Sugere-se que a empresa continue com esta maneira de utilizao dos materiais. A M.A, inclusive, possui uma cultura de utilizar peas de chapas de ferro que resduo para outras empresas. Isto gera economia financeira para a empresa e assim ela contribui para que estas peas sejam reincorporadas em novos produtos.

    gua:

    A quantidade de gua utilizada no processo relativamente pequena. Mesmo que a empresa no possua dados de vazo, o grupo foi informado que a vazo baixa. A empresa capta gua de poo artesiano para o processo industrial, um poo aberto uma veia de contaminao e alm da contaminao, o consumo de gua subterrnea a ltima recomendao de acesso gua, pois ela uma reserva deste recurso, e h outras maneiras de coletar gua que no seja subterrnea. Assim a M.A pode contribuir para a preservao deste manancial se substituir a fonte de recurso hdrico utilizada.

    Alm destes motivos, gua de poo passiva de cobrana pelo uso e outorga que uma autorizao pelo uso da gua. Evitando-se o uso, evita-se a cobrana. O grupo sugere a reavaliao por parte da empresa da necessidade de consumir gua de manancial subterrneo (ANA, 2012).

    A gua de abastecimento pblico tambm no indicada, pois no Vale do Rio dos Sinos h perodos de estiagem e racionamento de gua e a prioridade do consumo nestes casos o consumo humano, conforme consta na Lei n 9.433 de

  • III Congresso Brasileiro de Gesto Ambiental Goinia/GO 19 a 22/11/2012

    IBEAS Instituto Brasileiro de Estudos Ambientais 7

    1997, a Poltica Nacional de Recursos Hdricos. O grupo sugeriu a implantao de uma cisterna para armazenamento de gua da chuva que pode ser coletada durante o perodo de chuvas na regio.

    A cisterna possui um funcionamento simples: a gua da chuva que cai no telhado passa pelas calhas e atravs de canos de PVC, so encaminhadas at um reservatrio de 1000 litros. Para reservar maiores quantidades, pode-se utilizar um reservatrio de maior capacidade. A figura 7 apresenta uma sugesto de cisterna.

    Figura 3 Modelo de cisterna. Fonte: cartilha de orientao.

    Resduos:

    Quanto aos resduos slidos o grupo sugere a separao dos diferentes tipos. Colocar coletores separados nos locais de gerao, por exemplo.

    Em uma das visitas foi observado que um equipamento que gera cavaco de ferro tinha papel misturado ao seu resduo final. Ento se sugere 2 coletores, um para cavaco e um para papel na sada desta mquina. Com os demais pontos de gerao de resduo, sugere-se a mesma avaliao. A empresa pode consultar os prprios operadores das mquinas para saber quantos coletores colocar. E os coletores no precisam ser comprados, pode ser utilizado caixas, ou outro recipiente que a empresa j possua.

    O grupo sugere a venda do resduo de ferro, conforme estimativa estabelecida no diagnstico, por ano so gerados 12 tonis de 200l de ferro. O grupo calculou estes valores em quilograma para estimar um valor financeiro que a empresa poderia arrecadar com a venda, segue:

    Ferro: 1 m de ferro tem 7.874 kg.

    0,2m (volume do tonel de 200l) equivalem a aproximadamente 1.574 kg.

    Multiplicado por 12 tonis por ano, tem-se 18.897 kg/ano. O preo de venda aproximado do ferro R$ 0,36/kg. A empresa teria um lucro de aproximadamente R$ 6.802,92/ano.

    Calcularam-se apenas os resduos de ferro que o que representa a maior gerao da empresa e de estopas, resduo que possui grande controle pelos rgos de proteo ambiental do estado.

    As estopas e panos contaminados utilizados na empresa para a limpeza de superfcies contaminadas com leo, conforme a portaria 16 da FEPAM de 2010 e Poltica Nacional de Resduos Slidos, Lei 12.305/2010, no devem ser encaminhados para aterro e coleta pblica. Sugere-se o uso de panos que possam ser lavados em lavanderia industrial licenciada.

    Custo da estopa de aproximadamente R$ 2,00/kg, j pano pode ser de retalho, inclusive podem ser adquiridos por doao de outras empresas que os geram, sem custo, e estes podem ser lavados e reutilizados. O custo de lavagem de pano contaminado com leo em lavanderia licenciada em torno de R$ 0,40/pano. O que mais vantajoso, porque a empresa pode lavar vrias vezes o pano, alm de estar em conformidade com a legislao vigente.

    Para as lmpadas e embalagens contaminadas, sugere-se que a empresa busque fornecedores que pratiquem a logstica reversa e coletem o produto de volta. Conforme licena de operao da empresa, o resduo de lmpadas fluorescentes

  • III Congresso Brasileiro de Gesto Ambiental Goinia/GO - 19 a 22/11/2012

    IBEAS Instituto Brasileiro de Estudos Ambientais 8

    deve ser envolvido individualmente em papel ou papelo de modo que no seja danificado. O grupo sugere que a empresa siga estas recomendaes para evitar multas atreladas a este resduo.

    Qualquer resduo que saia da empresa, em qualquer quantidade, deve ser acompanhado de MTR (Manifesto de Transporte de Resduos) . Alm de ser uma determinao da licena de operao, pode ser uma maneira de implantar um controle da quantidade de resduos.

    Efluentes:

    A empresa no gera significativa quantidade de efluentes, mas o grupo sugere a medio do mesmo, para quando enviar ao destino final, registrar a quantidade correta no MTR, e poder tambm criar indicadores de gerao dos efluentes.

    Energia eltrica

    O grupo verificou que o consumo de energia muito baixo para uma produo industrial. Indica-se a verificao de possveis problemas na rede eltrica. Pesquisou-se na literatura, aes que podem reduzir o consumo de energia eltrica, tais como:

    - Desligamento da chave geral no final do expediente;

    - Aproveitamento da luz natural com telhas transparentes;

    - Substituio de equipamentos que gastam muita energia;

    - Evitar o funcionamento contnuo de mquinas que no necessitam estar ligadas durante todo o turno.

    A empresa estudada na literatura reduziu de 19.000 KWh/ms para 10.000 KWh/ms, com a adoo das aes citadas, um ganho bem significativo para a empresa. (OLIVEIRA, 2006).

    Uma calha laminada a ser instalada no suporte das lmpadas pode reduzir a quantidade de lmpadas, devido alta reflexo da luz, e gera uma economia de 20% do valor de energia em longo prazo. Sugere-se que as calhas no sejam adquiridas todas de uma vez, para no gerar custos altos e para no desperdiar o material que a empresa j possui. A troca pode ser aos poucos na medida em que as calhas atuais necessitarem de troca.

    Segurana do trabalho:

    O grupo recomenda o uso de uniforme e EPI adequado, alm de um trabalho de sensibilizao com os funcionrios, que pode ser feito com a contratao de uma equipe terceirizada e no possui alto custo. O uso de EPI para a prpria segurana do trabalhador e esta cultura necessita ser constantemente renovada.

    Estoque de materiais:

    Quanto ao estoque e layout da empresa, o grupo sugere o uso de um nico local para estoque de matria prima, que possa ter um controle da quantidade de materiais, e que os mesmos fiquem acondicionados em local seguro, pois as chapas de ferro esto empilhadas num local de circulao de pessoas, representando risco. O grupo sugere um novo modelo de layout e estoque conforme figura 4.

  • III Congresso Brasileiro de Gesto Ambiental Goinia/GO 19 a 22/11/2012

    IBEAS Instituto Brasileiro de Estudos Ambientais 9

    Figura 4 Modelo de layout sugerido pelo grupo. Fonte: Autor do Trabalho.

    * O grupo sugeriu um novo modelo de layout priorizando a funcionalidade, para desenvolver as caractersticas de uma linha contnua de produo, reduzindo inclusive o tempo de produo, pois tudo que h em corte ficar prximo ao estoque de matria prima.

    No momento, os materiais de estoque no so controlados e muitos acabam oxidando, no podendo ser utilizados. Recomenda-se a implantao do sistema (primeiro que entra - primeiro que sai) no estoque. O material novo sempre ser colocado atrs dos antigos, no tendo tempo de oxidar.

    Para o controle de estoque o grupo sugere modelo em planilhas muito simples, com o auxlio de um funcionrio que possa cuidar das planilhas de estocagem. Central de resduos

    Inicialmente o grupo pensou em indicar uma central de resduos de alvenaria e piso de concreto, mas o levantamento de custos apontou que esta apresentaria um custo muito elevado para uma empresa do porte como a M.A. H a possibilidade de aproveitar o espao interno na empresa para o armazenamento correto de resduos, desde que seja desocupada a rea onde so armazenados os equipamentos fora de uso, conforme modelo sugerido anteriormente. O local deve ser demarcado e identificado por Central de Resduos. Indica-se que um funcionrio seja responsvel por gerenciar o local.

    Os resduos devem ser separados por classe I - resduos perigosos, como lmpadas e leo e classe II- resduos no perigosos, como sucatas e papel. E identificados de acordo com sua classe em cada local de acondicionamento. O grupo reconhece que quem indicou o modelo na atual central foi a prefeitura municipal, mas o local no representa segurana para os resduos.

    Entrada de matria-prima Sada da pea pronta Gerao de resduos slidos industriais.

  • III Congresso Brasileiro de Gesto Ambiental Goinia/GO - 19 a 22/11/2012

    IBEAS Instituto Brasileiro de Estudos Ambientais 10

    Existem normas para centrais de armazenamento de resduos (NBR 11.174 e NBR 12.235) em que indica piso impermeabilizado para armazenamento. O grupo sugere deixar as mquinas e materiais fora de uso no ptio externo em local adequado, ou sugere a venda, se possvel.

    Alm de todas as recomendaes apresentadas, o grupo indica a contratao de profissional habilitado para fazer um programa inicial de educao ambiental, no perodo de 3 em 3 meses durante um ano e que este trabalho resulte na formao de um grupo interno de colaboradores para dar continuidade ao programa. O profissional pode ser o mesmo que trataria dos assuntos de segurana do trabalho, porm, ele deve ter formao nas duas reas: ambiental e de segurana.

    Segue tabela 3, uma sntese das melhorias sugeridas com os investimentos necessrios e na tabela 4, os ganhos estimados:

    Tabela 3 Sntese das medidas sugeridas com o custo. Fonte: Autor do Trabalho.

    Temtica Sugesto de Melhoria Custos (mdio) Total R$

    Desligamento da chave geral no final do expediente;

    Sem custo *

    Aproveitamento da luz natural; Colocao de partes do telhado com

    telha transparente.

    40 telhas de 110x224cm R$ 30,00 cada

    R$ 1.200,00

    Substituio das calhas das lmpadas 12 calhas de aprox. R$ 40,00 R$ 480

    Energia eltrica

    Evitar o funcionamento contnuo de mquinas que no necessitam estar

    ligadas durante todo o turno; Sem custo *

    Segregao dos resduos dentro da empresa

    Sem custo, aproveitamento de materiais que a empresa possui

    *

    Substituio de estopas por panos de limpeza

    Custo da estopa: R$ 2,00/kg Pano: sem custo Servio

    de lavagem: R$ 0,40/pano Obs.: Este custo pode ser reduzido,

    pois existem Lavanderias indstrias que possuem um

    sistema de locao das toalhas.

    R$ 40 (calculou-se o

    preo de lavagem para 100 toalhas)

    Acondicionamento e descarte adequado de lmpadas e embalagens

    contaminadas Sem custo *

    Resduos Slidos

    Qualquer resduo que saia da empresa deve estar acompanhado de MTR

    R$ 30,00 o bloco R$ 30

    Uso de uniformes Camiseta: R$ 20,00 cada Cala: 30,00 cada Macaco: R$ 40,00 cada Jaleco: R$

    33,00 = R$ 123,00

    R$2.460,00 para os 20 funcionrios Sade e segurana

    Uso de EPI Kit bsico: (1 luva, 1culos, 1protetor auricular)R$ 12,00

    R$1.480,00 pra os 20 funcionrios

    Organizao do estoque em um nico local

    Poderia ser feito com o prprio material que existe na empresa

    *

    Eleger um funcionrio responsvel pelo estoque

    A critrio da empresa *

    Organizao da empresa

    Novo Layout Sem custo *

    Cisterna Caixa d'gua 1000l R$ 219 R$ 219,00

  • III Congresso Brasileiro de Gesto Ambiental Goinia/GO 19 a 22/11/2012

    IBEAS Instituto Brasileiro de Estudos Ambientais 11

    Treinamento segurana/ meio

    ambiente Profissional habitado nas duas reas R$ 2.000,00/ ano R$ 2.000,00

    INVESTIMENTO TOTAL R$ 7.709,00

    Ressalta-se que estes so apenas investimentos iniciais, que podem ser feitos de forma gradual, aos poucos. Os valores so apenas aproximados, baseados em pesquisa realizada durante a elaborao do planejamento ambiental e mudar de acordo com a regio do pas. Este gasto no fixo, apenas para as adequaes indicadas para a empresa. Os investimentos mais significativos comeam pelo uso dos panos para a limpeza de leo, lavagem em lavanderia licenciada e o bloco de MTR.

    Tabela 4 Ganhos estimados com a venda de resduo. Fonte: Autor do Trabalho.

    Sugesto de Melhoria

    Ganho (aproximado)

    Venda de Ferro R$ 6.802,92/ano o ganho da empresa

    Percebe-se que nestes clculos iniciais, o ganho com a venda de resduos vai se aproximar do investimento sugerido, isto que no foram calculados o valor de venda dos demais resduos. Sendo muito positivo para a empresa.

    CONCLUSES

    Durante a elaborao deste trabalho, contemplando o diagnstico e um planejamento ambiental para a empresa M.A., o grupo pode colocar em prtica os conhecimentos obtidos durante o curso de Gesto Ambiental.

    O exerccio de praticar a gesto ambiental foi de grande crescimento para todo o grupo, pois podemos trocar ideias em sala de aula para conseguir encontrar as maneiras mais adequadas e viveis para cada situao das empresas estudadas.

    Para o grupo foi muito gratificante trabalhar com uma empresa de pequeno porte, pois aprendemos a trabalhar com alternativas menos complexas e de baixo custo, e principalmente para mostrar que a Gesto Ambiental pode sim e deve ser feita em empresas menores. E que possvel deixar uma empresa em conformidade com a legislao ambiental e determinaes da licena de operao sem demandar grandes investimentos.

    Quanto a coleta de informaes, o grupo destaca a precariedade da municipalizao das Licenas de Operao e conclui que a grande maioria das prefeituras no esto aptas para tal atividade, pois no possuem profissionais capacitados e no conseguem indicar as melhorias da maneira adequada para as empresas, alm da dificuldade e burocracia de conseguir um documento que pela FEPAM simples de ser acessado.

    As empresas, principalmente as de pequeno porte, que no possuem recursos para contratar consultorias ambientais ou manter um funcionrio que cuide somente dos assuntos ambientais, necessrio que os municpios possuam um programa de auxilio, que possa indicar adequaes ambientais corretas para as empresas, antes de mult-los. Infelizmente temos esta cultura de penalizar para depois orientar, inclusive no Brasil, a lei de crimes ambientais (Lei n 9.605/1998) foi publicada antes da poltica de educao ambiental (Lei n 9.795/1999), o que um grande problema.

    A M.A. uma empresa que produz navalhas e matrizes de qualidade e possui um grande potencial de melhorias ambientais, pois o principal requisito para um planejamento ambiental ter vontade de fazer e a M.A, dentro das suas possibilidades se mostrou disposta a fazer as melhorias necessrias.

  • III Congresso Brasileiro de Gesto Ambiental Goinia/GO - 19 a 22/11/2012

    IBEAS Instituto Brasileiro de Estudos Ambientais 12

    REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS

    1. ANA - AGNCIA NACIONAL DE GUAS. Gerncia de Outorga. Disponvel em: http://www2.ana.gov.br/Paginas/institucional/SobreaAna/uorgs/sof/geout.aspx

    2. ASSOCIAO BRASILEIRA DE NORMAS TCNICAS. Norma NBR 10.004/2004.

    3. BRASIL. Lei N 9.433, de 8 de Janeiro De 1997. Poltica Nacional de Recursos Hdricos. Disponvel em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/l9433.htm

    4. BRASIL. Lei N 9.795, de 27 de Abril de 1999. Poltica Nacional de Educao Ambiental. Disponvel em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm

    5. BRASIL. Lei N 9.605, de 12 de Fevereiro de 1998. Lei de Crimes Ambientais. Disponvel em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9605.htm

    6. CONSRCIO PBLICO DE SANEAMENTO BSICO DA BACIA HIDRGRFICA DO RIO DOS SINOS. O Rio dos Sinos Vive. Disponvel em: http://www.portalprosinos.com.br/conteudo_inst.php?id=consorcio. Acesso em maro de 2012.

    7. CONSRCIO PBLICO DE SANEAMENTO BSICO DA BACIA HIDRGRFICA DO RIO DOS SINOS. Plano estadual de recursos hdricos. Disponvel em: http://www.consorcioprosinos.com.br/downloads/PBHSINOS%20-%20R01%20-%20Cap%204.3%20e%204.4%20-%20PlanoEst%20ProGuaiba.pdf. Acesso em maro de 2012.

    8. OLIVEIRA, Mrcio de. A produo mais limpa como ferramenta de Gesto Ambiental para as indstrias do municpio de Juiz de Fora. 2006

    9. STRECK, Edemar Valdir; KMPF, Nestor; DALMOLIN, Ricardo Simo Diniz; KLAMT, Egon. Solos do Rio

    Grande do Sul. 2. ed., rev. ampl Porto Alegre, RS: EMATER, 2008. 222 p.

    10. ZORN, Gerson. Dossi Tcnico Fabricao do calado SENAI-RS. Disponvel em: http://www.respostatecnica.org.br/acessoDT/169 Acesso em maio de 2012.

Recommended

View more >