Pedacinho de Terra

  • Published on
    16-Jul-2015

  • View
    183

  • Download
    0

DESCRIPTION

Pequeno resumo sobre a Histria de Florianpolis

Transcript

Clio AnicetoPEDACINHO DE TERRAPrmio Slvio Coelho dos Santos Concurso de Monografias Sobre a Histria e a Cultura de FlorianpolisFlorianpolis 15.12.2009Clio AnicetoPEDACINHO DE TERRAAMonografiaapresentadafoielaboradaparaparticipar do Concurso de Monografias Sobre a Histria e a Cultura de Florianpolis, concorrendo ao Prmio Slvio Coelho dos SantosFlorianpolis 15.12.20092DedicatriaDedico esta obra a todos os historiadores que, sua poca, contriburam para um maior sobre entendimento o municpio e conhecimento que nascemos,moramos e amamos.3AGRADECIMENTOSMeus agradecimentos vo diretamente Fundao Cultural de Florianpolis Franklin Cascaes (FCFFC), por permitir que autores, pesquisadores e apaixonados por Florianpolis, possam apresentar seus trabalhos, contribuindo assim para o conhecimento de vrias fases da histria do Municpio.4Estudando o passado, conhecemos o presente e, nos preparamos para o futuro5RESUMOFlorianpolis fez parte da histria do Brasil, desde 1500, em diversos perodos, pois na conquista de novos mundos, muitos navios aportavam na Ilha para abastecer, ficavam alguns dias, e rumavam para suas conquistas. Em algumas destas paradas, muitos resolveram ficar na terra, aproveitando tudo que a natureza lhe provia, tanto em alimentao, moradia, quanto em belezas naturais e sossego. Esta histria contada cheia de curiosidades e personalidades que ficaram famosas por seus feitos, sejam eles pequenos ou grandiosos, mas que influenciaram em muito o desenvolvimento da Ilha, fazendo com que as geraes futuras conhecessem um pouco da sua histria, do seu passado, dos seus heris.Um pedacinho de terra Perdido no mar Um pedacinho de terra Beleza sem par Claudio Alvim Barbosa O Poeta Zininho6Pedacinho de Terra 1. LocalizaoO Estado de Santa Catarina localiza-se na regio Sul do Brasil, com uma rea total de 95.442,9 Km2, entre 481937 e 535000 de longitude oeste e 255741 e 292355 latitude sul, com extenso de 561,4 Km. Florianpolis a capital de Santa Catarina e grande parte dela (97,23%), est situada na Ilha de Santa Catarina, e banhada pelo Oceano Atlntico, entre as latitudes 2735'48" sul e longitudes 4832'57" oeste. Tem forma alongada e cerca de 54 Km de comprimento (nortesul) por, 18 km de largura (lesteoeste), totalizando uma rea de 424,4 km. Seu relevo apresenta morfologia descontnua, formado por cristas montanhosas, com altitudes entre 400 a 540 metros e morros isolados com altitudes inferiores, intercalados de pequenas plancies. A poro localizada na rea continental, tem rea de 12,1 Km, totalizando uma rea de 436,5 Km. Sua orla mede 172 Km. Os limites territoriais so: a Norte, Sul e Leste com o Oceano Atlntico e a Oeste com o municpio de So Jos. A Grande Florianpolis, envolve vrios municpios dentre eles : Biguau, Florianpolis, Palhoa, Santo Amaro da Imperatriz, So Jos e compreende uma rea total de 2.775 Km2, com populao estimada em 408.161 habitantes, sendo o segundo municpio mais populoso do Estado, atrs apenas de Joinville. As temperaturs variam de 26C a 31C, no vero e de 7,5C a 12C no inverno. A temperatura mdia anual de 24C. (1)(2)(10)(2) 72. NomesRecebeu vrios nomes : Meiembipe (pelos ndios mbae- a coisa, am erguida, y rio, nhembi abaixo, pe no, significando coisa erguida abaixo do rio ou elevao ao longo do rio ou ainda montanha ao longo do canal), Serto dos Patos, Ilha dos Patos (em 1519, por Nuno Manoel e Cristvo de Haro, portugueses), Terra dos Carijs e Terra de Los Perdidos. O canal no ponto mais estreito era chamado Jureremirim (boca pequena). Depois, Estreito passou a ser chamada a parte continental, antes chamado pelos ndios de Acutia (pequeno animal). (8)(9) Em 1519, Ilha dos Patos, tambm Bigus, pelos portugueses e Santa Catarina pelos espanhis. Porto ou Golfo dos Patos (Guelfo de los Patos), para a Baa Sul. (9) Em 25 de novembro de 1549, dia de Santa Catarina (8), quando Hans Staden esteve aqui, era chamada de Porto de Schirmirein (Jurumirim, em Carij, Boca Norte do Canal) e por Siqueira, chamada de Turumirim. Em 1557, na Alemanha, escreveu o livro Viagem ao Brasil, onde conta suas aventuras sobre a Ilha. Em Portugal, foi reeditado em 1892. de Hans Staden o primeiro mapa da Ilha. (9) Originalmente denominada "Ilha de Santa Catarina" j que Francisco Dias Velho, o fundador do povoado, chegou ao local em 25 de novembro, dia da Santa. Continuou por muito tempo assim chamada at se tornar Vila de Nossa Senhora do Desterro. Nas correspondncias oficiais e cartas de navegao era mencionada como Ilha de Santa Catarina. Com a Proclamao da Repblica elevou-se a cidade passando apenas a chamar "Desterro", nome que desagradava os moradores, pois lembrava "desterrado", algum que esta no exlio ou era preso e mandado para lugar desabitado. Algumas votaes acontecessem para possvel mudana, uma delas foi para "Ondina", nome de uma deusa da mitologia que protege os mares, mas foi descartado, at que, com o fim da Revoluo Federalista, em 1894, em homenagem ao ento presidente da Repblica Floriano Peixoto, Herclio Luz mudou o nome para Florianpolis, apesar de Floriano no ter popularidade e enfrentar grande resistncia e oposio em Desterro, mandando um exrcito para derrubar esta resistncia. Deste nome deriva o apelido Floripa, pelo qual a cidade conhecida.83. Cronologia dos viajantes12 de outubro de 1492 - Cristvo Colombom (aprox. 1448, Gnova, Itlia 20.05.1506, Valladolid, Espanha). Filho do taberneiro e tecelo Domenico Colombo e de Suzanna Fontanarossa (filha de Constana Roiz de S (Almeida). Navegador e explorador, liderou frota que descobriu Amrica. Faleceu pobre. Casou em 1480 com Filipa Moniz (filha de Bartolomeu Perestrelo). (11) 07 de junho de 1494 Espanha e Portugal assinam o Tratado de Tordesilhas, onde terras descobertas ou a descobrir no ocidente, ficariam divididas, por uma linha imaginria, a partir do plo do rtico at o Antrtico. No Brasil, passaria entre Belm do Par PA e Laguna SC, as terras que ficassem a 370 lguas oeste do arquiplago de Cabo Verde, pertenceriam a Espanha e, a leste (1.770 Km), pertenceriam a Portugal. 1499 Amrico Vespcio ou Amerigo Vespucci (09.03.1454, Florena 22.02.1512, Sevilha). Mercador, navegador, gegrafo, cosmgrafo italiano, viajou pelo Novo Mundo, escrevendo sobre terras a ocidente da Europa. Aos 45 anos, decidiu "ganhar o mar" e, em 18 de maio de 1499, partiu com a expedio espanhola de Alonso de Hojeda (1466, Cuenca 1516, Santo Domingo) a caminho das ndias Ocidentais. Saindo de Cdiz, alcanaram a costa norte da Amrica do Sul, acima do rio Orinoco (Suriname, Trinidad, Haiti, etc.) e retornaram a Espanha em 08.06.1500. (12) 1499 Mapa de Juan de la Cosa (1460, Santoa, Espanha 1510, Turbaco, Colmbia), assinala SantAnna, uma parte que corresponde a Santa Catarina. Navegador, piloto, explorador e conquistador espanhol, participou como piloto principal na expedio de Alonso de Hojeda, almirante da marinha espanhola. Mudou-se para Santo Domingo, onde morreu, pobre e abandonado. (18) 22.01.1500 - Pedro lvares Cabral (1467, Beira Baixa, Castelo de Belmonte 1520, Santarm). Filho de Ferno Cabral e Isabel Gouveia. Fidalgo e navegador portugus, comandante da segunda viagem martima da Europa ndia, em que descobriu o Brasil. Casou-se com D. Isabel de Castro, sobrinha de Afonso de Albuquerque (13) Maro de 1502 Expedio sob o comando de Andr Gonalves e o cosmgrafo Amrico Vespcio, continuando a descer at o grau 32, passou por Santa Catarina. 1503 Gonalo Coelho (aprox. 1451, Florena - 1512, Sevilha). Estudou em Pisa. Navegador portugus a servio da Coroa, firmou contrato com um grupo de9comerciantes, entre eles Fernando de Noronha ou Loronha (Portugal) (em 1504, donatrio da primeira capitania do Brasil, a ilha de So Joo da Quaresma, hoje, com seu nome), desde um ano antes, realizou expedio ao litoral brasileiro. (25) 06.01.1504 Binot Paulmier de Gonneville (nasceu no norte da Normandia, norte da Frana). Comandante do navio LEspoir (o Esperana), quem primeiro atingiu as costas de Santa Catarina, provavelmente So Francisco do Sul. (8) 1508 Vicente Yanez Pinzn (1460, Espanha 1523), irmo de Martn Alonso Pinzn (1440-1493) e Francisco Martn Pinzn, juntamente com Juan Diaz Slis, espanhis, enviados pelo rei Fernando da Espanha. 1512 Juan Diaz Slis (1470, Sevilha, Espanha 20.02.1516), explorador e navegador, veio para o Novo Mundo com interesse de pesquisa, explorao e mapeamento cartogrfico do Cone Sul da Amrica do Sul. Descobridor do Rio da Prata (Rio de Solis), entre o Uruguai e Argentina (fevereiro de 1516), que batizou de Mar Doce, naufraga, prximo ao grau 27 e morto e devorado por ndios Charruas. Quando seus comandados regressavam Espanha, uma embarcao afundou e 11 deles se salvaram e conviveram entre os ndios, entre eles Aleixo Garcia. Circulavam entre a Ilha e Garopaba. Melchior Ramirez e Henrique Montez, serviram de prticos a Cristvo Jacques e Sebastio Caboto. Ficou na Ilha quatro meses. (9) 1516 D. Nuno Manoel (1469, Lisboa - ). Senhor de Salvaterra de Magos. Portugus, percorreu o sul do Brasil at o Uruguai, custeado pelo mercador de Amsterdan, Cristvo de Haro. Senhor de Salvaterra de Magos, filho de D. Joo Manoel, bispo da Guarda (1416, Lisboa - 1476) cc. Justa Rodrigues (1441, Portalegre - 1514). Casou primeiro com Leonor de Milan y Aragon (1460 - ), depois com D. Lourena de Atade (sem descendncia). Supe-se que deu nome de Ilha dos Patos. (9) 1521 Cristvo Jaques (aprox 1480, Algarve - aps 1530). Nobre portugus, navega no litoral at o Rio da Prata. Filho bastardo de Pero Jaques, legitimado por D. Joo II (1481-1495). Casou-se com Francisca Porto Carreiro, filha de Francisco Portocarrero, com quem teve trs filhos : Manuel Jaques Porto Carreiro, Francisco Porto Carreiro, Catarina Jaques, casada com seu tio Henrique Jaques. 1524 Aleixo Garcia (1419, Portugal - ). Em Palhoa, conviveu com os ndios guaranis caris (ancestrais dos mbys), aprendeu a lngua e costumes e percorreu caminhos10jamais visitados pelo homem branco. Viveu seis anos na Ilha, casou com uma ndia cari, teve um filho (Aleixo Garcia Filho) e tornou-se uma espcie de lder. (15) 1525 D. Rodrigo de Acua, deixou 17 tripulantes na Ilha, onde se fixaram voluntariamente. 1525 Jofre Garcia de Loaysa (1490 30.07.1526), espanhol, arribou em Santa Catarina. 21 de outubro de 1526 Sebastio Caboto (1476, Veneza, Itlia ou Bristol, Inglaterra 1557, Londres). Filho de Joo Caboto. Navegador a servio da Espanha, estaciona na Ilha e demorou at 1526. Publicou mapas e relatrios, deixou muitas informaes da expedio e denominava a de Ilha de Santa Catarina, em homenagem a sua esposa Catarina de Medrano ou Santa Catarina de Alexandria. Retorna em 1530. (9)(16) 1527 - Diego Garcia, neste mesmo ano, no planisfrio annimo de Weimar, apareceu a designao de Rio de So Francisco, que correspondia a baia de Babitonga, que banha a pennsula do atual So Francisco do Sul. 1528 - Gonzalo da Costa (10) 1529 - O nome Santa Catarina, aparece no mapa-mundi de Diego Ribeiro. (17) 1530/35 - Gonzalo de Mendoza, (nasceu em Baeza, Espanha 1558, Assuno, Paraguai). Conquistador e colonizador espanhol (10) 1536 Pedro Mendoza, funda Buenos Aires, mas a fome faz com que mande a caravela Santa Catalina costa do mesmo nome, em busca de alimentos. (9)(10) 1536 - Rui Moschero (9)(10) Em fins de 1537 Expedio de Alonso Cabrera, vinda de Buenos Aires (9)(10) 1538 - Alm de nufragos, desertores, vieram para c os freis Bernardo de Armonte ou Armenta e Alonso Lebrn, se instalando em Biaa (Laguna). Ficaram 10 anos, at a vindas dos bandeirantes. Vieram Ilha na chegada do governador Cabea de Vaca. Frei Bernardo faleceu.em Biaa (9) 1541 - D. Alvar Nez Cabeza de Vaca (aprox. 1490, Espanha aprox. 1560, Espanha). Se intitulou Governador de Santa Catarina e Paraguai. Entrou pela baa norte, no estreito (Jureremirim), e criou o Porto Vera. Partiu da Ilha para transpor a serra do Mar e atingir por terra o Paraguai, juntamente com os padres jesutas frei Bernardo e frei Alonso, que viviam a catequizar os ndios. 25 de novembro de 1549 Dia de Santa Catarina Expedio de Diego de Sanbria, governador designado, vindo com 200 pessoas, sob comando de Juan de Salazar y11Spinoza (1508 1560), inicia misso de povoamento do litoral de So Francisco, sem sucesso. O navio afundou e ficou 2 anos na Ilha. Hans Staden, alemo, arcabuzeiro na expedio. Em reconhecimento por terra, encontram cabanas abandonadas e um cruzeiro com inscrio : Si vehn por ventura, ecky la armada de sua majestat, tiren, uhn tire ay aueran recado. Atiraram, veio um homem barbado e disse que estavam no porto de Schirmireim ou Santa Catarina e que havia 3 anos que tinha sado da provncia do rio La Plata, da cidade de la Soncion, distante 300 milhas, por ordem do capito espanhol, Salaser. (8)(9) 1559 Expedio de Jaime Rasquim (9) 1572/73 Expedio de Juan Ortiz de Zarate, nomeado Adelantado do Rio da Prata, a caminho de Assuno, esteve sete meses em Santa Catarina, onde praticou incrveis e inteis violncias com os ndios. Foi a ltima expedio espanhola regio. (9) 1577 Expedio de Diego de Zrate y Mendieta (9) A partir de 18 de maro de 1604, se proibira a vinda de estrangeiros para o Brasil. 1618 Esforos foram feitos pelos padres Joo Fernandes Gato e Joo de Almeida que adoecem e voltam para o Rio de Janeiro, para implantao da misso dos jesutas, criada por Santo Incio de Loyola (1491 1556) 1622 Os padres Antnio Arajo e Joo de Almeida, tentam novamente. Outras tentativas se deram at 1645. Em 1629 e 1636 - Raposo Tavares, bandeirante, tambm passou por aqui quando se dirigia para o Rio Grande, com 1.500 homens, entre brancos e ndios. (9) Em 15 de julho de 1629 Manuel Preto.(nasc. segunda metade sculo XVI falec. 22.07.1630, vtima de uma flecha). Sertanista de So Paulo. Filho de Antonio Preto (veio para So Paulo em 1582) cc. Agueda Rodrigues, filha do portugus Gonalo Madeira e Clara Parente. Era irmo de Sebastio Preto. Herdou uma gleba de terras a noroeste do centro da vila (deu origem a Freguesia do ). Caava ndios para escravizar. Em sua fazenda, fundada em 1580, na capela de Nsa. Sra. da Expectao do , contava com 999 ndios de arco e flechas. Aniquilou redues do Guair e dos campos do Iguau. O donatrio da capitania, D. Alvaro Pires de Castro e Souza, Conde de Monsanto, lhe deu patente de governador das Ilhas de Santana e Santa Catarina. Em 15 de julho de 1629, alcana por mar Santa Catarina e toma posse das terras e fundou arraial e nomeia Manuel Homem da Costa sargento-mor das Ilhas.121635 Lus Dias Leme, tendo por intermedirio Fernando Camargo, chega via martima costa catarinense. Leva para So Paulo muitos ndios. (9) 1637 Francisco Bueno e irmos, alcanam o Uruguai. (9) 1641 - Jernimo Pedroso, de Santos, tambm andou em Santa Catarina. 1645 Dias Velho (pai), morto no serto e Antonio Amaro Leito (9) 1673 Jos Pires Monteiro, filho de Francisco Dias Velho. (9) 1675 Francisco Dias Velho (9) 1679 Jorge Manoel Gonalves (9) 1712 - Amde Franois Frzier (1682 1773), no navio "Saint Joseph" e "Marie" (7)(17) 1719 - George Shelvocke (1690 1728), no navio "Speedwell" (7)(17) 1719 Willian Betagh, no navio "Speedwell" (7) 1740 George Anson (1698 1762), no navio "Centurion", "Gloucester", "Svern", "Perle", "Wager" e a chalupa "Tryal" (7)(17) 1753 - Gomes Freire de Andrade, 9 vice-rei, passa por Santa Catarina. 1763 - Antoine Joseph Dom Pernetty, no navio "l'Aigle" e "Le Sphinx" (7) Em fevereiro de 1777 - Pedro Zeballos, espanhol, chega na praia de canasvieiras com cerca de 9.000 homens sob seu comando. (3) 1785 - Jean Franois Galaup de La Prouse, no navio "Astrolabe" e "Boussole" (7) 1798 - James Georgeno Semple Lisle (1759 - ), no navio "Lady Shore" (7)(17) 1803 - Adam Johann von Krusenstern (1770 1846), no navio "Nadeshda". Desenhou Desterro, destaca a Ponte do Vinagre sobre o Bulha. Georg Heinrich von Langsdorff, no navio "Nadeshda". Urey Lisiansky (1773 1837), no navio "Neva".(7)(17)(9) 1807 John Mawe, no navio ? (7) 1808 - Vassili Mihailovitch Golovnin (1776 - 1831), alm. russo. No navio "Diana" (7)(17) 1812 David Porter, no navio "Essex" (7) 1815 Otto von Kotzebue, no navio "Rurick". Adalbert von Chamisso, no navio "Rurick". Louis Choris, no navio "Rurick" (7) 1822 - Louis Isidore Duperrey, no navio "La Coquelle". Ren Primevre Lesson, no navio "La Coquelle" (7) 1825 - Carl Friedrich Gustav Seidler, no navio "Caroline" (7) 1828 Heinrich Trachsler, no navio "D. Pedro I" (7)134. Primeiros habitantesSegundo estudos, o ndio no originrio da Amrica, veio da sia pelas rotas de migrao no Estreito de Bhering e Ilhas do Pacfico, h 50.000 anos. Calcula-se poca do descobrimento 1 milho de ndios. A populao Tupi Guarani, data de 5.000 anos, dizimada no sculo XVII pelos europeus, habitava a maior parte no litoral (homens do Sambaqui). Os Carijs ou Caris, mais sedentrios e afvel ao contato com o homem branco, foram aprisionados e vendidos como escravos, alm de contrarem doenas, como : gripe, sarampo, varola, tuberculose, pneumonia, que fez com que desaparecessem. Nmades, moravam entre as florestas e o litoral. Conhecia a agricultura e a pesca. Tinha como limite as matas ou interior, habitadas por ndios inimigos, conhecidos como Tapuias, chamados Botocudos, Bugres ou Guanana (Guaian), hoje por Xokleng, Xocren ou Aweikoma (Vale do Itaja) e os Kaingang, semi-nmades do planalto (Xanxer), pertencem ao grupo J. O maior exemplo de Sambaqui localiza-se em Garopaba do Sul, no municpio de Jaguaruna. Eram divididos nos troncos : Tupi, Tapuia, Caribe e Aruak. (8)(3) Em 03 de julho de 1504, o capito Binot Paulmier de Goneville, navegador francs, levou para a Frana, o prncipe I-Mirim (Essomericq) (1490 - Brasil - 1583 Frana), filho do lder indigena Ar I (Arosca para os franceses), para "ensinar-lhe artilharia e mostrar a vida entre os cristos", com promessa de traz-lo em 20 meses, mas o naufrgio do Espoir, no litoral francs o impediu. Foi acompanhado, por Namoa, guerreiro Carij, que faleceu na viagem, provavelmente de escorbuto. Batizado a bordo, adota o nome de Binot. Educado na Frana, casou em 1521, com Suzanne, filha de Binot, com condio dos descendentes usarem nome e braso de armas francs. Da primeira unio oficial entre europeus e ndios brasileiros nasceram 14 filhos. Tornou-se homem de grande importncia e cultura, recebendo o ttulo de Baro. Faleceu aos 96 anos. Jean de Gonneville, bispo de Saint Pierre de Lissieux, em Calvados, seu neto, tentou localizar a Declarao de Viagem de seu trisav Binot Paulmier, sem sucesso, sendo encontrado no sculo XIX, por Paul Gaffarel, no Almirantado da Normandia, assim pde-se reconstruir boa parte da histria dessa viagem. (14)(50)(51) Nas Redues, alguns ndios dos bandeirantes lutam contra ndios dos teocratas espanhis. Em Santa Catarina, os carijs, comandados por tubares, lutavam contra tapuias. Em 1573, os ndios se concentravam em Laguna, no Serto dos Patos. (9)145. Sesmarias e Fundao do povoadoEm 1516, iniciou tentativa de povoamento pela Espanha. Em 01 de dezembro de 1534, ao donatrio Pero Lopes de Souza, coube 40 lguas (**) de terras que comeavam 12 lguas ao extermo sul de Canania e acabavam nas terras de SantAnna, na altura de 28 graus e 1/3, hoje, entre a baia de Paranagu e Laguna, formaram a Capitania de SantAnna. No fazendo nada, o direito das terras ficou para os herdeiros. (** Lgua Equivale a 6.000 m (terrestre) e 5.557 m (martima) (3) Considerando a Ilha como da Espanha, o Rei Carlos V firmou capitulao com D. lvaro ou Alvar Nunez Cabeza de Vaca, em maro de 1540, conferindo a ele os ttulos de Adelantado, governador e capito geral das terras. Foi nomeado lugar tenente e capito geral, com jurisdio na Ilha. Chegou a Ilha em 1541, devido naufrgio, seguiu para Assuno por terra, pois j havia sido informado do caminho do Peabiru, utilizado por Aleixo Garcia, e atingiu, em 11 de maro de 1542, o Paraguai. Em 1549, Hans Staden encontrou aqui um espanhol vivendo entre os ndios, na aldeia chamada Acutia, conhecido como Joo Fernandez Biscainho, de Bilbao. Ficou dois anos no lugar. (9) Muito antes de 1600 a Ilha estava praticamente deserta. Em 1609, Hermandaria de Savedra, prope criao de Governo Autnomo na Ilha, chamado Guayra, abrangendo a regio do Mato Grosso, Paran, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, alm de Uruguai. Criao de cidade que se chamaria Puerto de Santa Catalina, ainda em 12.05.1609, insistia com a idia. (9) A partir de 1628 - 1629, novas tentativas de povoamento e fixao na Ilha. Em 15 de julho de 1629, Manoel Preto, caava ndios e recebeu proviso de governador da Ilha, tenta povo-la e liquida misses jesutas. O missionrio Incio Sequeira, se preocupando apenas com o lado da prea dos ndios, no forneceu mais do que a noo geral de importante processo de ocupao, mas disse que houvera rompimento temporrio de ocupao bandeirante, em consequncia da invaso dos tigres noite, liquidando com os principais mentores do projeto, escapando-se um certo destemido chamado Diabo Manco (9) (26) Entre 1634 e 1635, os padres vicentinos, Incio Sequeira e Francisco Morais, por aqui viviam a catequizar os ndios. Em 1641, Jernimo Pedroso, de Santos, tambm andou em Santa Catarina.15Entre 1645 e 1651, o Coronel Antnio Amaro Leito, capito, faz tentativa de povoar a Ilha. Em 1651 instalam um cruzeiro e Em 1651, tentativa tambm de Velho Monteiro (seria o mesmo Dias Velho?) (9) Entre 1657 e 1658, Salvador Correa de S e Benevides, faz tentativa e tambm Antonio Afonso e companheiros. Em 22 de julho de 1666, Miguel Antunes Prompto e 13 companheiros, tentam povoar a Terra Firme. Em 06 de outubro 1666, Antonio Afonso e 6 companheiros e suas famlias, tentam povoar a Ilha. Algumas concesses tambm para Ilhas, mas nenhuma concreta como a de Francisco Dias Velho. Em 23 de maro de 1673, Francisco Dias Velho funda o povoado. Autores apontam o povoamento entre 1673 e 1675 (9) Entre 1673 e 1689, Francisco Dias Velho, bandeirante paulista, vem com a famlia, ndios, padres e inicia povoamento bem sucedido e d o nome de Nossa Senhora do Desterro Ilha, chamada pelos ndios de Jurirmirim ou Yjuriremirim (boca pequena ou boca pequena dagua), onde ergueu uma igreja em louvor de Nossa Senhora do Desterro. A ele se atribui a mudana do nome de Ilha dos Patos para Ilha de Santa Catarina, pois, ao que consta, uma filha dele tinha o nome. Em 1679, requer doao ao governador da Capitania, de duas lguas de terra em quadro, na Ilha, localizadas em frente ao estreito, onde j existia uma feitoria. Em 1681, o missionrio de Tucuman, Juan de Rivadaneyra, comunica ao rei Felipe II, que o primeiro governo espanhol do atlntico comeava no Porto de So Francisco. Aps a morte de Dias Velho em 1689, por piratas que invadiram a ilha, muitos dos moradores vo embora, permanecendo aqui Jos Tinoco, com a esposa Incia da Costa e os filhos Jos, Ins e Domingas, alm de alguns ndios vindos com Dias Velho. Outras 20 e poucas famlias se fixaram na Ilha e uniram-se a tantas outras vindas de So Francisco. Em 1698, misses jesutas em So Francisco e Ilha. Em 1700, haviam aproximadamente 200 habitantes (8) Em 1712 tinha 147 moradores, todos portugueses, sem contar negros e ndios. A povoa fica abandonada at 1715, quando Manuel Manso de Avelar (1662, Lisboa -), vem de So Francisco com a famlia e outros e do novo crescimento povoa. (9) Pouco antes de 06 de janeiro de 1714 criada freguesia, Em 07.01.1714 Primeiro casamento, entre Domingos Martins e Domingas da Costa e como testemunha Baltazar16Soares e Antnio Cordeiro, Merncia Godinha e Maria Gerarda. Agostinho da Trindade era o vigrio. J como vila, h ento 22 famlias. (9) (27) Em 23 de maro de 1726, cria-se o municpio, com o nome de Nossa Senhora do Desterro. Em 1727, frei Agostinho da Trindade pleiteia a criao da parquia. (9) Em 11 de agosto de 1738, a Coroa Portuguesa, mediante Proviso Rgia, criou a Capitania de Santa Catarina. Em 1739, D. Manuel Lobo desafia os espanhis e cria fortificaes no sul do Brasil. A Ilha e litoral fronteirio foram fortificados. Foi designado o brigadeiro Jos da Silva Paes, comandante militar e governador. Foram criadas as fortalezas de Santa Cruz (Anhatomirim), So Jos (Ponta Grossa), Santo Antnio (Ratones), Nossa Senhora da Conceio (Barra Sul), So Francisco Xavier (Baa Norte, junto Vila), Santanna (Estreito, lado Ilha), So Caetano (perto do So Jos), So Luis (Baa Norte, junto vila, hoje, Agronmica), Santa Brbara (ao sul da Vila), So Joo (Estreito, Continente), Nossa Senhora da Conceio da Lagoa (Lagoa da Conceio). (3) Em 1748, famlias de aorianos vieram povoar a vila. Os primeiros se instalaram na rua hoje conhecida como Rua dos Ilhus. Receberam de lgoa em quadro (1650 m de lado), para cada casal. Eram agricultores e pescadores. O principal cultivo dos aorianos era a mandioca, substituindo o trigo e tambm aucar, cacau, peixe seco, arroz, milho, caf e algodo e Aores era ave de rapina que existia no arquiplago portugus. (8) Foram criadas as freguesias de Nossa Senhora das Necessidades, Nossa Senhora da Conceio da Lagoa e Santo Antonio de Lisboa. Mais tarde, no sculo XIX, Nossa Senhora da Lapa do Ribeiro, So Joo Batista do Rio Vermelho, So Francisco de Paula de Canasvieiras e Santssima Trindade. (8) Tomada em 1777 por Pedro de Ceballos, sem que o invasor desse um s tiro ou perdesse um nico homem. Dali estendeu-se a conquista dos povoados, com exceo de Laguna, que ofereceu resistncia. Um ano depois, a ilha voltou s mos portuguesas. Em 1851 o presidente Joo Jos Coutinho ergue o primeiro mercado pblico e cria Montepio do servidor. Em 1854, instituiu a CEF. Em 1855, cria a Biblioteca pblica (17) Em 1893, Desterro declarado capital privisria do Brasil (8) Em 1894, Herclio Luz muda o nome de Desterro que passa a chamar Florianpolis, em homenagem ao presidente Floriano Peixoto, apesar da oposio e resistncia dos moradores.176. Cronologia dos GovernantesPerodo colonial 1711 a 1739 (21) Em 1711, governada pelo capito-mor da Ilha, Salvador de Sousa. Em 01.02.1725, a povoao era governada pelo sargento-mor de Laguna e Desterro, Francisco de Brito Peixoto (1) De 23.03.1726 a 29.11.1731, j como vila, era governada pelo capito-mor Sebastio Rodrigues Bragana (2)(cabo em Santos) e Manuel Manso de Avelar era o sargento-mor. Em 11.12.1735, governada pelo Sargento de Tropas de Santos, Francisco Dias de Melo (3)(sargento da praa de Santos) Jos da Silva Paes veio para o sul chefiando expedio em 1736. De 28.05.1737 a 07.03.1739, Antonio de Oliveira Bastos (capito de infantaria da praa de Santos). (28) Em 11.08.1738, como Capitania de Santa Catarina, desmembrada de So Paulo, subalterna ao governador do Rio de Janeiro (4)Perodo colonial 1739 a 1822 (21) De 07.03.1739 a 25.08.1743, o Brigadeiro Jos da Silva Paes, oficialmente o primeiro governador da Capitania, aos 60 anos de idade. Desterro vila. As primeiras providncias tiveram carter militar. Do uniforme das milcias e, especialmente da cor do colete, deriva, para os habitantes, o apelido de "barriga-verde", que nada tem de pejorativo. De 25.08.1743 a 25.01.1744, capito Patrcio Manoel de Figueiredo, militar e administrador colonial portugus. Substitui Silva Paes. Governador interino da Capitania de Santa Catarina e Rio de Janeiro no governo de Gomes Freire de Andrade. (29) De 25.01.1744 a 20.03.1746, pelo major Pedro de Azambuja Ribeiro, militar e administrador colonial portugus. Governador interino da Capitania de Santa Catarina. Em 20.03.1746, assume novamente Silva Paes e fica at 02.02.1749 (30) De 02.02.1749 a 25.10.1753, Manuel Escudeiro Ferreira de Souza, coronel de Infantaria e administrador colonial portugus. Governador interino da Capitania (2) De 25.10.1753 a 07.03.1762, D. Jos de Melo Manoel, portugus. Civil. (3). Em 25.01.1761, Joo Antonio de Sousa Falco, tomou posso da capitania (4) e faleceu em 25.01.1761, em viagem.18De 07.03.1762 a 12.07.1765, Francisco Antonio Cardoso de Menezes e Souza, coronel do regimento novo do Rio de Janeiro, portugus, faleceu no incio de 1770, no Rio de Janeiro, considerado (4). De 12.07.1765 a 05.09.1775, Francisco de Souza e Menezes, tenente ou capito da cavalaria de Lisboa, portugus (5). Em 05.02.1775, Antonio Carlos Furtado de Mendona, marechal, nomeado governador. De 05.09.1775 a 23.02.1777, Pedro Antonio da Gama Freitas, coronel portugus (6). Falecido em crcere, em Lisboa De 23.02.1777 a 12.08.1778, invaso espanhola. De 12.08.1778 a 05.07.1779, Francisco Antonio da Veiga Cabral da Cmara, coronel portugus, do regimento da Bahia (7). De 05.07.1779 a 07.07.1786, Francisco de Barros Moraes Arajo Teixeira Omem, brigadeiro portugus. Tinha alcunha de Sete Carapuas (8). De 07.07.1786 a 07.01.1791, Jos Pereira Pinto, sargento mor de artilharia (9). De 07.01.1791 a 08.07.1793, Manoel Soares Coimbra (nasc. 1737 RJ - ), coronel. Descendente dos Correia de S e Benevides. Cc. Aniceta Zuarte Pinto (10 ). De 08.07.1793 a 18.01.1800, Joo Alberto de Miranda Ribeiro, (natural de Olivena fal. 18.01.1800), tenente coronel do regimento de Moura (11). De 18.01.1800 a 07.12.1800, Triunvirato formando Junta Governativa (12), sendo : Jos da Gama Lobo Coelho DEa, tenente coronel, como presidente cc. em 01.12.1792 Maria Joaquina da Conceio Coimbra, filha do 10; Aleixo Maria Caetano, ouvidor, neto de Agostinho da Trindade; Jos Pereira da Cunha, vereador. De 07.12.1800 a 03.06.1805, Joaquim Xavier Curado, de Gois, coronel. (13). De 03.06.1805 a 14.08.1817, D. Luiz Maurcio da Silveira, o Velho (1763 - freguesia de Santos, Lisboa 1824 RJ), tenente regimento de Lisboa (14). Em 11.08.1817, Jernimo Nogueira de Andrade, nomeado, faleceu meses depois, no assumindo (15). De 14.08.1817 a 20.07.1821, Joo Vieira Tovar de Albuquerque (1786, em Porto, Portugal fal. com 59 anos RJ). Tinha 31 anos. Foi exonerado por D. Pedro em 1821, por desavenas. Alcunha de o Maneta (15).19De 20.07.1821 a 30.05.1822, Thomaz Joaquim Pereira Valente, tenente coronel em exerccio em Portugal (16). Com a comunicao precria, a notcia da independncia s chegou a Desterro em outubro de 1822. O juiz de fora e presidente da Cmara, Francisco Jos Nunes, dia 11, fez aclamao do imperador. Durante o imprio, a provncia sofreu, os prejuzos da descontinuidade administrativa. Teve mais de 70 presidentes, entre titulares e substitutos.Perodo imperial 1822 a 1889 (21) De 20.05.1822 a 16.02.1824, Junta governativa (17), sendo : Jacinto Jorge dos Anjos Correa, capito mor de ordenanas, presidente; Jos da Silva Mafra, catarinense, major, secretrio, e os vogais, Joo Bittencourt Correia ou Pereira Machado e Sousa, capito e historiador; Joaquim de SantAna de Campos, padre; Francisco Luiz do Livramento, major de milcias. O padre Loureno Rodrigues de Andrade eleito pelas cortes de Lisboa. Aps a independncia, a Capitania vira Provncia e o primeiro presidente foi o desembargador Joo Antonio Rodrigues de Carvalho, cearense, e governa at 12.03.1825. Em 20.03.1823, Desterro elevada a Cidade. Em 1831, aps a abdicao de D. Pedro I, o presidente da provncia, Miguel de Sousa Melo e Alvim, portugus, foi forado a renunciar em conseqncia do levante da tropa. Em 28 de julho, foi lanado O Catarinense, primeiro jornal publicado na provncia, dirigido pelo capito Jernimo Francisco Coelho.Presidente da Provncia. O presidente, nomeado diretamente pelo imperador (Constituio Brasileira de 1824, artigo 165), mas no tinha um mandato, podendo ser exonerado ou pedir afastamento, por isso eram eleitos 6 vice-presidentes, teoricamente aptos a exercer o poder interinamente. De 16.02.1824 a 12.03.1825 - Joo Antnio Rodrigues de Carvalho (1) De 12.03.1825 a 14.01.1830 - Francisco de Albuquerque Melo (2) De 14.01.1830 a 22.04.1831 - Miguel de Sousa Melo e Alvim (3) De 22.04.1831 a 06.08.1831 - Francisco Lus do Livramento De 06.08.1831 a 04.11.1835 - Feliciano Nunes Pires (4) De 04.11.1835 a 28.05.1836 - Jos Mariano de Albuquerque Cavalcanti (5) De 28.05.1836 a 24.01.1837 - Francisco Lus do Livramento De 24.01.1837 a 14.10.1837 - Jos Joaquim Machado de Oliveira (6)20De 14.10.1837 a 17.08.1839 - Joo Carlos Pardal (7) De 17.08.1839 a 26.06.1840 - Francisco Jos de Sousa Soares de Andrea (8) De 26.06.1840 a 26.12.1848 - Antero Jos Ferreira de Brito (9) De 26.12.1848 a 06.03.1849 - Severo Amorim do Vale De 06.03.1849 a 30.11.1849 - Antnio Pereira Pinto (10) De 30.11.1849 a 24.01.1850 - Severo Amorim do Vale De 24.01.1850 a 23.09.1859 - Joo Jos Coutinho (11) De 23.09.1859 a 21.10.1859 - Esperidio Eli de Barros Pimentel De 21.10.1859 a 17.04.1861 - Francisco Carlos de Arajo Brusque (12) De 17.04.1861 a 26.04.1861 - Joo Jos de Andrade Pinto De 26.04.1861 a 17.11.1861 - Incio da Cunha Galvo (13) De 17.11.1861 a 25.09.1862 - Vicente Pires da Mota (14) De 25.09.1862 a 26.12.1862 - Joo Francisco de Sousa Coutinho De 26.12.1862 a 19.12.1863 - Pedro Leito da Cunha (15) De 19.12.1863 a 25.04.1864 - Francisco Jos de Oliveira Paes (1 vice) De 25.04.1864 a 24.04.1865 - Alexandre Rodrigues da Silva Chaves (16) De 24.04.1865 a 16.08.1865 - Francisco Jos de Oliveira De 16.08.1865 a 11.06.1867 - Adolfo de Barros Cavalcanti de Albuquerque Lacerda (17) De 11.06.1867 a 09.10.1867 - Francisco Jos de Oliveira De 09.10.1867 a 23.05.1868 - Adolfo de Barros Cavalcanti de Albuquerque Lacerda De 23.05.1868 a 04.08.1868 - Francisco Jos de Oliveira De 04.08.1868 a 30.08.1868 - Joo Francisco de Sousa Coutinho De 30.08.1868 a 11.01.1869 - Carlos de Cerqueira Pinto De 11.01.1869 a 11.08.1869 - Carlos Augusto Ferraz de Abreu (18) De 11.08.1869 a 22.11.1869 - Joaquim Xavier Neves De 22.11.1869 a 03.01.1870 - Manuel do Nascimento da Fonseca Galvo De 03.01.1870 a 10.04.1870 - Andr Cordeiro de Arajo Lima (19) De 10.04.1870 a 11.04.1870 - Manuel do Nascimento da Fonseca Galvo De 11.04.1870 a 18.05.1870 - Manuel Vieira Tosta De 18.05.1870 a 09.01.1871 - Francisco Ferreira Correia (20) De 09.01.1871 a 16.01.1871 - Manuel Vieira Tosta De 16.01.1871 a 07.01.1872 - Joaquim Bandeira de Gouveia (21)21De 07.01.1872 a 15.06.1872 - Guilherme Cordeiro Coelho Cintra (1 vice) De 15.06.1872 a 08.07.1872 - Incio Acioli de Almeida (3 vice) De 08.07.1872 a 13.11.1872 - Delfino Pinheiro de Ulhoa Cintra Jnior (22) De 13.11.1872 a 27.01.1873 - Manuel do Nascimento da Fonseca Galvo De 27.01.1873 a 04.04.1873 - Incio Acioli de Almeida De 04.04.1873 a 08.10.1873 - Pedro Afonso Ferreira (23) De 08.10.1873 a 24.10.1873 - Lus Ferreira do Nascimento Melo De 24.10.1873 a 23.04.1875 - Joo Tom da Silva (24) De 23.04.1875 a 07.08.1875 - Lus Ferreira do Nascimento Melo De 07.08.1875 a 07.06.1876 - Joo Capistrano Bandeira de Melo Filho (25) De 07.06.1876 a 02.01.1877 - Alfredo d'Escragnolle Taunay (26) De 02.01.1877 a 03.01.1877 - Hermnio Francisco do Esprito Santo De 03.01.1877 a 14.02.1878 - Jos Bento de Arajo (27) De 14.02.1878 a 07.05.1878 - Joaquim da Silva Ramalho De 07.05.1878 a 11.12.1878 - Loureno Cavalcanti de Albuquerque (28) De 11.12.1878 a 18.04.1879 - Joaquim da Silva Ramalho De 18.04.1879 a 10.05.1880 - Antnio de Almeida e Oliveira (29) De 10.05.1880 a 07.07.1880 - Manuel Pinto de Lemos De 07.07.1880 a 09.03.1882 - Joo Rodrigues Chaves (30) De 09.03.1882 a 05.04.1882 - Joaquim Augusto do Livramento (1 vice) De 05.04.1882 a 30.06.1882 - Ernesto Francisco de Lima Santos (31) De 30.06.1882 a 06.09.1882 - Joaquim Augusto do Livramento De 06.09.1882 a 27.01.1883 - Antnio Gonalves Chaves (32) De 27.01.1883 a 28.02.1883 - Manuel Pinto de Lemos De 28.02.1883 a 29.08.1883 - Teodureto Carlos de Farias Souto (33) De 29.08.1883 a 09.09.1884 - Francisco Lus da Gama Rosa (34) De 09.09.1884 a 22.06.1885 - Jos Lustosa da Cunha Paranagu (35) De 22.06.1885 a 28.06.1885 - Manuel Pinto de Lemos De 28.06.1885 a 29.09.1885 - Antnio Lara de Fontoura Palmeiro (36) De 29.09.1885 a 20.05.1888 - Francisco Jos da Rocha (37) De 20.05.1888 a 13.02.1889 - Augusto Fausto de Sousa (38) De 13.02.1889 a 06.03.1889 - Jos Ferreira de Melo22De 06.03.1889 a 26.06.1889 - Joaquim Eli de Medeiros (2 vice) De 26.06.1889 a 19.07.1889 - Abdon Batista De 19.07.1889 a 17.11.1889 - Lus Alves Leite de Oliveira Belo (39)Prefeitos de Florianpolis (22) De 15.11.1889 a 07.01.1890, Eliseu Guilherme da Silva De 08.01.1890 a 22.03.1890, Joo Francisco Rgis Jnior De 23.03.1890 a 30.07.1890, Joo Martins Barbosa De 31.07.1890 a 04.11.1890, Gustavo Richard De 05.11.1890 a 10.02.1891, Emlio Blum De 11.02.1891 a 05.03.1891, Francisco da Silva Ramos De 06.03.1891 a 13.03.1891, Emlio Blum De 14.03.1891 a 22.06.1891, Raulino Julio Otto Horn De 23.06.1891 a 07.10.1891, Antnio Pereira da Silva e Oliveira De 08.10.1891 a 02.12.1891, Joo Custdio Fonseca De 03.12.1891 a 30.12.1891, Antnio Pereira da Silva e Oliveira De 31.12.1891 a 18.01.1892, Francisco da Silva Ramos De 19.01.1892 a 30.04.1892, Raimundo Antnio de Faria De 01.05.1892 a 02.10.1892, Francisco da Silva Ramos De 03.10.1892 a 27.10.1892, Raimundo Antnio de Faria De 28.10.1892 a 23.11.1892, Francisco da Silva Ramos De 24.11.1892 a 31.12.1892, Martinho Jos Callado e Silva De 01.01.1893 a 08.11.1893, Germano Wendhausen De 09.11.1893 a 15.04.1894, Cndido Melquades de Sousa De 16.04.1894 a 25.07.1894, Antnio Pereira da Silva e Oliveira De 26.07.1894 a 31.12.1898, Henrique Monteiro de Abreu De 01.01.1899 a 28.04.1899, Raulino Julio Otto Horn De 29.04.1899 a 09.10.1899, Sebastio Cato Callado De 10.10.1899 a 13.10.1899, Raulino Julio Otto Horn De 14.10.1899 a 09.01.1900, Emlio Blum De 10.01.1900 a 23.01.1901, Raulino Julio Otto Horn De 24.01.1901 a 05.11.1901, Francisco Campos da Fonseca Lobo23De 06.11.1901 a 25.12.1901, Emlio Blum De 26.12.1901 a 03.11.1902, Francisco Campos da Fonseca Lobo De 04.11.1902 a 19.07.1903, Antnio Pereira da Silva e Oliveira De 20.07.1903 a 30.09.1903, Germano Wendhausen De 01.10.1903 a 19.07.1904, Antnio Pereira da Silva e Oliveira De 20.07.1904 a 27.09.1904, Germano Wendhausen De 28.09.1904 a 21.11.1904, Antnio Pereira da Silva e Oliveira De 22.11.1904 a 06.03.1905, Germano Wendhausen De 07.03.1905 a 29.10.1905, Antnio Pereira da Silva e Oliveira De 30.10.1905 a 31.05.1906, Germano Wendhausen De 01.06.1906 a 19.06.1906, Joo Pedro de Oliveira Carvalho De 20.06.1906 a 19.11.1906, Germano Wendhausen De 20.11.1906 a 17.07.1907, Antnio Pereira da Silva e Oliveira De 18.07.1907 a 06.10.1907, Eduardo Otto Horn De 07.10.1907 a 19.07.1908, Antnio Pereira da Silva e Oliveira De 20.07.1908 a 02.10.1908, Jos Bueno Vilela De 03.10.1908 a 15.08.1909, Antnio Pereira da Silva e Oliveira De 16.08.1909 a 17.10.1909, Jos Bueno Vilela De 18.10.1909 a 24.04.1910, Antnio Pereira da Silva e Oliveira De 25.04.1910 a 31.05.1910, Jos Bueno Vilela De 01.06.1910 a 15.09.1910, Antnio Pereira da Silva e Oliveira De 15.09.1910 a 20.11.1910, Jos Bueno Vilela De 21.11.1910 a 21.07.1911, Antnio Pereira da Silva e Oliveira De 22.07.1911 a 24.09.1911, Jos Bueno Vilela De 21.05(?). 1911 a 27.10.1911, Antnio Pereira da Silva e Oliveira De 28.10.1911 a 30.10.1911, Jos Bueno Vilela De 31.10.1911 a 01.02.1912, Gustavo Lebon Rgis De 02.02.1912 a 09.02.1912, Dorval Melquades de Sousa De 10.02.1912 a 03.03.1912, Gustavo Lebon Rgis De 04.03.1912 a 18.04.1912, Henrique Rupp Jnior De 19.04.1912 a 22.04.1912, Gustavo Lebon Rgis De 24.04.1912 a 21.07.1912, Dorval Melquades de Sousa24De 30.01(?). 1912 a 23.09.1912, Henrique Rupp Jnior De 24.09.1912 a 10.12.1912, Dorval Melquades de Sousa De 11.12.1912 a 31.01.1913, Henrique Rupp Jnior De 01.02.1913 a 22.07.1913, Dorval Melquades de Sousa De 23.07.1913 a 31.01.1914, Joo da Silva Ramos De 26.01.1914 a 04.11.1914, Joo da Silva Ramos De 03.11.1914 a 01.02.1915, Dorval Melquades de Sousa De 02.02.1915 a 30.12.1915, Joo da Silva Ramos De 31.12.1915 a 11.08.1916, Dorval Melquades de Sousa De 12.08.1916 a 15.10.1916, Joo da Silva Ramos De 16.10.1916 a 22.11.1916, Dorval Melquades de Sousa De 23.11.1916 a 03.04.1917, Joo da Silva Ramos De 04.04.1917 a 22.04.1917, Dorval Melquades de Sousa De 23.04.1917 a 16.07.1917, Joo da Silva Ramos De 17.07.1917 a 12.08.1917, Dorval Melquades de Sousa De 13.08.1917 a 20.10.1917, Joo da Silva Ramos De 29.11.1917 a 31.12.1917, Joo da Silva Ramos De 01.01.1918 a 06.09.1918, Dorval Melquades de Sousa De 10.09.1918 a 31.12.1918, Joo da Silva Ramos De 01.01.1919 a 15.08.1922, Joo Pedro de Oliveira Carvalho De 16.08.1922 a 13.10.1922, Olavo Freire Jnior De 14.10.1922 a 17.10.1922, Abelardo Venceslau da Luz De 18.10.1922 a 29.01.1923, Olavo Freire Jnior De 30.01.1923 a 06.02.1923, Antnio Mncio da Costa De 07.02.1923 a 15.12.1923, Abelardo Venceslau da Luz De 16.12.1923 a 30.04.1924, Olavo Freire Jnior De 01.05.1924 a 27.09.1924, Abelardo Venceslau da Luz De 28.09.1924 a 25.10.1924, Andr Wendhausen Jnior De 26.10.1924 a 26.02.1925, Flvio Coriolano Aducci De 27.02.1925 a 22.03.1925, Gustavo Adolfo da Silveira De 23.03.1925 a 25.08.1925, Flvio Coriolano Aducci De 24.08.1925 a 10.11.1925, Gustavo Adolfo da Silveira25De 11.11.1925 a 22.08.1926, Flvio Coriolano Aducci De 23.08.1926 a 28.10.1926, Gustavo Adolfo da Silveira De 29.10.1926 a 04.12.1926, Heitor Blum De 05.12.1926 a 31.12.1926, Gustavo Adolfo da Silveira De 01.01.1927 a 28.10.1930, Heitor Blum De 29.10.1930 a 21.04.1933, Jos da Costa Moellmann De 22.04.1933 a 12.05.1933, Joo Batista da Costa Ferreira De 13.05.1933 a 18.01.1935, Dorval Melquades de Sousa De 19.01.1935 a 02.05.1935, Aristides Batista Ramos De 03.05.1935 a 22.07.1937, Olvio Janurio de Amorim De 27.07.1937 a 04.06.1938, Mauro Ramos De 05.06.1938 a 25.06.1938, Osvaldo Rodrigues Cabral De 26.06.1938 a 28.04.1939, Mauro Ramos De 29.04.1939 a 25.06.1939, Manuel Ferreira de Mello De 26.06.1939 a 08.10.1940, Mauro Ramos De 09.10.1940 a 23.10.1940, Manuel Ferreira de Mello De 24.10.1940 a 10.11.1940, Mauro Ramos De 11.11.1940 a 25.11.1940, Manuel Ferreira de Mello De 26.11.1940 a 03.12.1940, Mauro Ramos De 04.12.1940 a 12.01.1941, Manuel Ferreira de Mello De 13.01.1941 a 09.03.1941, Celso Fausto de Sousa De 10.03.1941 a 01.04.1941, Manuel Ferreira de Mello De 02.04.1941 a 09.05.1941, Rogrio Vieira De 10.05.1941 a 24.06.1941, Manuel Ferreira de Mello De 25.06.1941 a 30.06.1941, Rogrio Vieira De 01.07.1941 a 25.07.1941, Manuel Ferreira de Mello De 26.07.1941 a 15.07.1942, Rogrio Vieira De 16.07.1942 a 24.08.1942, Manuel Ferreira de Mello De 25.08.1942 a 01.03.1945, Rogrio Vieira De 02.03.1945 a 14.03.1945, Manuel Ferreira de Mello De 15.03.1945 a 30.10.1945, Pedro Lopes Vieira De 31.10.1945 a 09.11.1945, Manuel Ferreira de Mello26De 10.11.1945 a 11.02.1946, Antenor Taulois de Mesquita De 12.02.1946 a 24.03.1947, Pedro Lopes Vieira De 25.03.1947 a 15.07.1947, Manuel Ferreira de Mello De 16.07.1947 a 30.01.1951, Adalberto Tolentino de Carvalho De 01.02.1951 a 14.11.1954, Paulo de Tarso da Luz Fontes De 15.11.1954 a 21.01.1959, Osmar Cunha De 22.01.1959 a 14.11.1959, Dib Cherem De 15.11.1959 a 07.04.1961, Osvaldo Machado De 08.04.1961 a 03.09.1962, Waldemar Vieira De 04.09.1962 a 30.09.1964, Osvaldo Machado De 01.10.1964 a 12.10.1964, Dakir Polidoro De 13.10.1964 a 30.01.1966, Paulo Gonalves Weber Vieira da Rosa De 31.01.1966 a 21.03.1970, Accio Garibaldi de Santiago De 22.03.1970 a 05.05.1970, Nagib Jabor De 05.05.1970 a 20.11.1973, Ari Oliveira De 21.11.1973 a 17.03.1975, Nilton Severo da Costa De 17.03.1975 a 10.06.1975, Waldemar Filho Caruso De 11.06.1975 a 05.07.1975, Dib Cherem De 06.07.1975 a 14.08.1978, Esperidio Amin Helou Filho De 14.08.1978 a 31.01.1979, Nagib Jabor De 01.02.1979 a 20.02.1979, Almir Saturnino de Brito De 01.02.1979 a 11.04.1983, Francisco de Assis Cordeiro De 11.04.1983 a 07.11.1984, Cludio vila da Silva De 07.11.1984 a 01.02.1985, Alcino Vieira De 01.02.1985 a 31.12.1985, Aloisio Accio Piazza De 01.01.1986 a 01.04.1988, Edison Andrino De 01.01.1989 a 01.04.1990, Esperidio Amin Helou Filho De 02.04.1990 a 01.01.1993, Antnio Henrique Bulco Viana De 01.01.1993 a 01.01.1997, Srgio Jos Grando De 01.01.1997 a 01.01.2001, ngela Amin De 01.01.2001 a 01.01.2005, ngela Amin De 01.01.2005 a Atualidade, Drio Berger277. IlustresJos da Silva Paes (batizado em 25.10.1679, Lisboa 14.111760, Lisboa). Militar e administrador colonial. Envolvido em diversas disputas territoriais entre portugueses e espanhis no sul do Brasil. No raro batia-se com seu rival, D. Pedro de Ceballos. Na Ilha de Santa Catarina, enquanto esteve em mos espanholas, o brigadeiro incursionou e tomoua para os portugueses, permanecendo como governador da Ilha. Projetou e construiu as fortalezas que constituram o sistema de defesa da Ilha de Santa Catarina: Ao norte: So Jos da Ponta Grossa, Anhatomirim e Ratones; Ao sul: Conceio de Araatuba. (32)Fernando Machado de Sousa (11.01.1822, Desterro 06.12.1868, Arroio Itoror). Filho de Manuel Machado de Sousa e de Josefa Bernardina Borges, casou com Anglica Rosa Magalhes Fontoura. Ingressou na carreira militar, com 15 anos, como 1 cadete do Corpo Provisrio do Desterro. Combateu os farroupilhas em Laguna e Rio Grande do Sul. Exerceu vrios comandos no Paran, Bahia, Pernambuco, Alagoas e Rio Grande do Sul, e tambm foi comandado por Luiz Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias. Como coronel, lutou na Guerra do Paraguai, entre elas Curuzu, Passo da Ptria, Tuiuti, Potreiro Pires, Linha Sauce, Curupaiti e na Passagem de Humait. Comandou a 5 Brigada da Infantaria na Batalha de Itoror, onde durante os combates para tomar a ponte sobre o Arroio, foi mortalmente ferido. As cartas que escreveu para a esposa durante a guerra foram editadas na Revista do Instituto Histrico e Geogrfico de Santa Catarina, em 1913 e 1914. A rua em que nasceu e uma praa, inaugurada em 1917, levam seu nome. O 63 Batalho de Infantaria do Exrcito, em Florianpolis tambm leva seu nome. (33)Manuel de Almeida da Gama Lobo Coelho d'Ea (15.04.1828, Desterro 24.04.1894, Desterro). Casou-se com Ana Pereira da Gama. Marechal no Exrcito e poltico, participou da Guerra do Paraguai e foi presidente da provncia de Mato Grosso. Lutou nas guerras do sul; Campanha contra Rosas; luta contra Aguirre e Guerra da Trplice Aliana. Em 1891, graduado como Marechal de Campo, voltou terra natal. Envolvido com a Revoluo Federalista de 1893, foi acusado de cooperar com revoltosos, levado em 25 de abril de 1898 Fortaleza de Anhatomirim e fuzilado a mando do antigo amigo Floriano Peixoto, juntamente com o filho Alfredo Gama DEa e mais quase 200 outros,28dentre : capito de mar e guerra Frederico Guilherme de Lorena, os coronis Luis Gomes Caldeira de Andrade e Israel de S. Foi comendador da Imperial Ordem da Rosa e da Ordem de So Bento de Avis, alm de oficial da Ordem do Cruzeiro. Primeiro e nico Baro de Batovi com honras de Grandeza (Decreto Imperial em 28.08.1889). (3)(9)(34)Vitor Meirelles de Lima (01.08.1831, Desterro 22.02.1903, Rio de Janeiro). Pintor. Estudou no Rio de Janeiro, Itlia, Frana. Entre suas obras : A Primeira Missa no Brasil; D. Pedro II e esposa; Batalha do Riachuelo e dos Guararapes; A passagem de Humait. (35)Virglio dos Reis Vrzea (1865, So Francisco de Paula de Canasvieiras, Florianpolis 1941, Rio de Janeiro). Filho de marinheiro, aos 13 anos foi para a Escola Naval do Rio de Janeiro, onde ficou trs anos. A bordo do navio Mercedes conheceu o Uruguai, Argentina, Patagnia e Antilhas e do navio britnico Theodore, conheceu Cabo Verde e Europa. Esteve na frica do Sul, e navegou pelo Oceano ndico. Em 1881, passou a viver na Ilha, trabalhando em servios burocrticos, estudando jornalismo e literatura. Em 1896, passou a residir no Rio de Janeiro. Escreveu vrias obras, algumas ambientadas no cotidiano de Florianpolis. Seu livro Santa Catarina: A Ilha, valiosa fonte de informao histrica. Em suas obras, abordou contextos diversos como as Cruzadas e o Rio Ganges. Amigo de Cruz e Sousa, foi seu parceiro no livro Tropos e Fantasias (1885). Escreveu ainda : Mares e Campos (1895); Rose Castle (1895); George Marcial (1901); O Brigue Flibusteiro (1904); Nas Ondas. (36)Herclio Pedro da Luz (29.05.1860, Desterro - 20.10.1924, Florianpolis). Engenheiro e poltico. Filho de Jacinto Jos da Luz e Joaquina Anania Neves da Luz, filha de Joaquim Xavier Neves. Neto do Marechal e deputado Geral Francisco Carlos da Luz. Casou primeiro com Etelvina Cesarina Ferreira da Luz. Tiveram 14 filhos, dentre os quais, Abelardo Venceslau da Luz, Alfredo Filipe da Luz e Carmem Maria Ferreira da Luz, casada com Joe Collao. Senador da repblica em 1900, 1905 e 1915. Governador de Santa Catarina por trs vezes : de 28.09.1894 a 28.09.1898, de 04.08.1918 a 1922 e de 1922 a 1924, realizou obras de saneamento na capital, e construiu a primeira ponte que ligou a Ilha ao continente, e levou seu nome, iniciada em 1924 e terminada em 1926. Sua casa de campo atrao turstica de Taquaras, em Rancho Queimado. (37)29Joo da Cruz e Souza (1861, Desterro 1898, Rio de Janeiro). Filho de escravos, mas educado pelo senhor de seu pai, Marechal Guilherme Xavier de Souza. Escreveu Broquis e Missal e vrios poemas. Lutou muito em favor da abolio dos escravos. (35)Jos Arthur Boiteux (09.12.1865 - Tijucas 17.02.1934 - Florianpolis). Deputado estadual, jornalista, historiador e advogado. Filho do tenente-coronel Henrique Carlos Boiteux e Maria Carolina Jacques. O municpio de Jos Boiteux em sua homenagem. Patrono do ensino superior em Santa Catarina. Fundou a Faculdade de Direito de Santa Catarina, em 11.02.1932, junto com Henrique Fontes, Othon da Gama Lobo d'Ea, Nereu de Oliveira Ramos, Alfredo von Trompowsky e Flvio Coriolano Aducci. Por sua iniciativa foi criada, em 30.10.1920, a Sociedade Catarinense de Letras, que originou, em 1924, a Academia Catarinense de Letras, inspirado na Academia Brasileira de Letras. Scio-correspondente do Instituto Histrico e Geogrfico do Esprito Santo. Obras : A Imprensa Catarinense (1911); Arcaz de um Barriga-Verde (1933); Rui Barbosa (1930).(38)Afonso d'Escragnolle Taunay (11.07.1876, Nossa Senhora do Desterro 20.03.1958, So Paulo). Nasceu no Palcio do Governo, conhecido como "Palcio Rosado". Bigrafo, historiador, ensasta, lexicgrafo, romancista, e professor. Filho do presidente da Provncia, Alfredo d'Escragnolle Taunay e Cristina Teixeira Leite, Viscondes de Taunay. Neto materno do baro de Vassouras, bisneto do baro de Itamb e sobrinhobisneto do baro de Aiuruoca. Pelo lado paterno, sobrinho-neto do baro d'Escragnolle, bisneto do conde d'Escragnolle, neto do pintor e professor da Academia Imperial de Belas Artes, Flix Emlio Taunay e bisneto do conceituado Nicolas-Antoine Taunay. Formou-se em Engenharia Civil pela Escola Politcnica do Rio de Janeiro, em 1900. Professor na Escola Politcnica de So Paulo, de 1904 a 1910. Diretor do Museu Paulista (do Ipiranga), entre 1917 e 1939. Reorganizou a Biblioteca e o Arquivo do Ministrio das Relaes Exteriores em 1930. De 1934 a 1937, professor na Faculdade de Filosofia, Cincias e Letras, da Universidade de So Paulo e tambm no Instituto Histrico e Geogrfico Brasileiro e de So Paulo, Academia Paulista de Letras e Portuguesa de Histria e correspondente de Institutos Histricos estaduais, Dedicou-se aos estudos historiogrficos do bandeirismo, ao perodo colonial brasileiro e literatura, cincia e arte do Brasil. (39)30Lucas Alexandre Boiteux (23.10.1881 - Nova Trento 1966 - Rio de Janeiro). Irmo do almirante Henrique Boiteux e de Jos Artur Boiteux. Historiador e membro da Sociedade de Geografia do Rio de Janeiro, do Instituto Histrico e Geogrfico Brasileiro e da Academia Catarinense de Letras. Scio-correspondente do Instituto Histrico e Geogrfico do Esprito Santo. Obras : Notas para a Historia Catharinense (1912) , A Pequena Histria Catharinense (1920) , Historia de Santa Catharina (1930) , As Faanhas de Joo das Botas (1935) , Poranduba Catarinense (1957). (40)Flvio Coriolano Aducci (08.02.1884, Desterro - 08.08.1955, Florianpolis). Advogado e poltico. Filho de Alexandre Magno Aducci (So Francisco do Sul) e Hortncia do Livramento Aducci (Desterro). Neto paterno de Domingos Aducci e Zeferina Wanner, francisquenses, e materno de Joaquim Augusto do Livramento, presidente da provncia de Santa Catarina no imprio, e Dulce Pncia Mariano de Albuquerque, filha de Joo Mariano de Albuquerque Cavalcanti e Cndida Rosa de Melo, pernambucanos. Deputado estadual na 7 legislatura (1910 - 1912), 8 (1913 - 1915), 10 (1919 - 1921), 11 (1922 - 1924), e 12 (1925 - 1927). Deputado federal na 13 legislatura (1927 - 1929) e 14 (1930 - 1932), dissolvida pela revoluo de 1930. ltimo presidente do Estado eleito na Repblica Velha (1930 1934), presidiu de 29.09 a 24.10.1930, deposto pela revoluo. Casado com Alaide Pereira Alvim Aducci, filha de Augusto Rangel Alvim e Elisa Alice Pereira Alvim. Concunhado de Felipe Schmidt, casado com Luciana Pereira Alvim. (41)Antonieta de Barros (17.07.1901, Florianpolis - 28.03.1952, Florianpolis). Professora primria, jornalista e deputada estadual. Primeira mulher a participar da Assembleia Legislativa Catarinense. Deputada, como suplente convocada, na 1 legislatura (1935 - 1937 - Partido Liberal Catarinense) e (1947 - 1951 - Partido Social Democrtico). A Assembleia Legislativa concede anualmente a Medalha Antonieta de Barros a mulheres com relevantes servios em defesa dos diretos da mulher catarinense. (42)Osvaldo Rodrigues Cabral (11.10.1903, Laguna - 17.02.1978, Florianpolis, Cemitrio do Senhor dos Passos). Professor, historiador, mdico e poltico. Formado pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, em 1929. Professor da Universidade Federal de31Santa Catarina. O Museu Universitrio leva seu nome. Pesquisador da histria de Santa Catarina. Membro do Instituto Histrico e Geogrfico Brasileiro e da Bahia, Minas Gerais, Paran, Pernambuco, Rio Grande do Sul e Santa Catarina e das Academias de Letras do Paran, Piau e Santa Catarina. Deputado Assembleia, pela Unio Democrtica Nacional, na 1. legislatura (1947 - 1951), como suplente convocado, e na 2. (1951 - 1955). Presidiu a Assemblia Legislativa Catarinense em 1954. Publicaes : Nossa Senhora do Desterro. Volume 1: Notcia. Volume 2: Memria. Florianpolis: Lunardelli, 1979; A Histria da Poltica em Santa Catarina Durante o Imprio. Em 4 volumes, organizada por Sara Regina Poyares dos Reis. Florianpolis: Editora da UFSC, 2004. (43)Franklin Cascaes (16.10.1908 - So Jos - 15.03.1983 - Florianpolis). Pesquisador da cultura aoriana, folclorista, ceramista, gravurista, escritor, historiador, escultor, desenhista, criou o prespio com folhas de piteira e outros vegetais. Dedicou 30 anos ao estudo da cultura aoriana na Ilha de Santa Catarina e regio, incluindo aspectos folclricos, culturais, lendas e supersties. Usou linguagem fontica para retratar a fala do povo no cotidiano. Somente passou a ser divulgado em 1974. Em 1983, um acervo chamado "Coleo Professora Elizabeth Pavan Cascaes", em fase de documentao, criado, com doaes do prprio autor contendo suas obras artsticas. Hoje, sob guarda da Universidade Federal de Santa Catarina, que realiza bom trabalho na conservao do frgil acervo. So aproximadamente 3.000 peas em cermica, madeira, cestaria e gesso; 400 gravuras em nanquim; 400 desenhos a lpis e grande conjunto de escritos que envolvem lendas, contos, crnicas e cartas, todos resultados do trabalho junto populao ilhoa coletando depoimentos, histrias e estrias mticas em torno das bruxas, herana cultural aoriana. Em 2008, centenrio de nascimento, foi homenageado com o livro Treze Cascaes, coletnea de 13 contos de diferentes autores, que recriaram uma histria em cima de suas histrias. O livro dedicado a resgatar a cultura. Obras : O Fantstico na Ilha de Santa Catarina (Vol. 1 e 2). Contos : Balano bruxlico; Nossa Senhora, o linguado e o siri; A Bruxa metamorfoseou o sapato; Bal das mulheres bruxas; Mulheres bruxasatacando cavalos; O Boitat; Mulheres dando ns em caudas e crinas de cavalos. (44)Aderbal Ramos da Silva (18.01.1911 - Florianpolis 13.02.1985 - Florianpolis). Advogado, jornalista, banqueiro e poltico. Filho de Joo Pedro Ramos da Silva e de32Raquel Ramos da Silva, neto materno de Vidal de Oliveira Ramos e sobrinho de Nereu Ramos. Casou com Ruth Hoepcke da Silva, filha de Carlos Hoepcke Jnior. Um dos fundadores do Banco do Estado de Santa Catarina. Bacharelou-se em direito pela Faculdade do Rio de Janeiro, em 1932. Presidente do diretrio municipal do Partido Liberal Catarinense. Deputado Assembleia na 1 legislatura (1935 - 1937). Governador, pelo Partido Social Democrtico, assumiu em 26.03.1947. Afastado do governo, por problemas de sade, foi substitudo por Jos Boabaid, presidente da Assembleia Legislativa. Deputado Estadual na 38 legislatura (1947 - 1951), pelo Partido Social Democrtico, e na 40 (1955 - 1959), pela Aliana Social Trabalhista, coligao do Partido Social Democrtico com o Partido Trabalhista Brasileiro. O estdio, de propriedade do Ava Futebol Clube, chama-se Aderbal Ramos da Silva (Ressacada), por ser torcedor do clube. Sua biblioteca particular faz parte do acervo do Instituto Carl Hoepcke (ICH). (45) Cludio Alvim Barbosa, o poeta Zininho (08.05.1929, Trs Riachos, Biguau 05.09.1998, Florianpolis). Ia se chamar Horzinho. Estreiou no palco aos 8 anos. Compositor de msica popular. Durante a infncia, viveu no Largo 13 de Maio (atual Praa Tancredo Neves), tendo o antigo casario da rua Menino Deus e o Hospital de Caridade como vizinhos. Sua adolescncia foi no balnerio do Estreito. Desde jovem, foi atrado por atividades radiofnicas. Trabalhou nas rdios Dirio da Manh e Guaruj, onde fez de tudo um pouco: cantor, rdio-ator, sonoplasta, tcnico de som e produtor. Nesta poca, dcadas de 1940 a 1960, comps mais de cem msicas, de marchinha a samba-cano. Destacam-se "A Rosa e o Jasmim", "Quem que no chora", "Princesinha da Ilha" e o Rancho de Amor Ilha, escolhido em 1965, atravs de um concurso, como hino oficial de Florianpolis. Depois da manifestao de um enfisema pulmonar, recolheu-se em seu apartamento, no bairro do Abrao. Composies : Eu sou assim; O que seria de mim; Num cantinho qualquer; Jardim dos meus amores; A Margarida e o Mal-me-quer; Viva a Natureza; to tarde; Pra que negar; Insnia; Falta de voc; Saudade, meu bem, saudade; Se o amor isso; Desespero; Largo 13 de Maio; Magia do Morro; Voc h de pagar; Deixa a porta aberta; Miramar; Preconceito Racial; Homenagem Princesa. (47)(48) Silvio Coelho dos Santos (1938 - 26.10.2008, Florianpolis). Antroplogo. Membro da Academia Catarinense de Letras, professor emrito da Universidade Federal de Santa Catarina e pesquisador do Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientfico e 33Tecnolgico (CNPQ). Dedicou-se ao estudo das tribos indgenas e o direito das minorias. Autor de 20 livros, graduado em Histria pela UFSC e doutor em Cincias Humanas pela Universidade de So Paulo. Um dos fundadores do Instituto de Antropologia da UFSC e diretor do Museu Universitrio Oswaldo Cabral entre 1970 e 1975.Esperidio Amin Helou Filho (21.12.1947 Florianpolis - ). Senador da Republica entre 1991 e 1999 e presidente nacional do Partido Progressista. Formado em Administrao pela Escola Superior de Administrao e Gerncia (ESAG) e em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina. Atualmente professor titular no curso de Administrao. Casado com ngela Amin e tem trs filhos. Torcedor do Ava. Prefeito de Florianpolis entre 1975 e 1978, nomeado pelo governo militar, depois por voto direto, entre 1988 e 1990. Em 1994, concorreu presidncia da Repblica, sendo o sexto candidato mais votado. Duas vezes governador do Estado : entre 1983 a 1987 e 1999 a 2003. Em 2003, tentou reeleio, e perdeu no segundo turno, mesmo ficando em primeiro lugar no primeiro turno. Em 2006 concorreu novamente ao governo de Santa Catarina, perdendo no segundo turno. Candidato a prefeito de Florianpolis em 2008, foi o segundo colocado, com 43,32% dos votos, no segundo turno das eleies. (49)348. Cultura e CuriosidadesCultura Aoriana (52) O que os imigrantes plantaram na cultura, continua influenciando no cenrio da regio. No dia-a-dia, a tradio do artesanato se faz apreciar na pesca, nos tranados de rede, rendas de bilro e tramias, tapearias de tear e na confeco de esteiras, balaios e gaiolas, olaria. Pratos feitos base de peixes e crustceos, enriquecem a culinria. Nas danas e folguedos, esto presentes na dana de pau de fita e no folguedo do boi mamo. A religiosidade acompanhou a gente aoriana, por isso as festas religiosas continuam sendo um dos valores mais expressivos de sua cultura e costumes. Dentre estas esto : a festa de Nossa Senhora dos Navegantes, a procisso do Senhor Jesus dos Passos, a festa do Divino Esprito Santo, o Terno de Reis e a Festa da Laranja. A literatura se enriqueceu com as quadrinhas, o po-por-Deus, os provrbios, as cantigas e lendas, sem esquecer do linguajar oral, marca registrada que se caracteriza por um som cantado e por uma alta velocidade de flexo de voz. No Folclore, o Boi-de-Mamo, folguedo que envolve dana e cantoria em torno da morte e ressureio do boi, encontrado com diferentes nomes : "Bumba Meu Boi" ou "Boi Bumb"; Boi Pintadinho". Em Santa Catarina, presente em quase todos os municpios do litoral. Antigamente, conhecido como "Boi de Pano", mas com a pressa de faz-lo, utilizaram um mamo verde para a cabea do boi, dai surgiu o nome, mantido at hoje, mas se v cabeas de todos os tipos, menos de mamo. Trs msicos, com , pandeiro, violo, gaita, acompanham a cantoria. Jos Arthur Boiteux, historiador, descreve o folguedo em Florianpolis em 1871. Embora variem de acordo com o grupo, com urso, urubu, macaco, os personagens principais so: Boi-de-Mamo: Morre durante a apresentao e ressuscitado pelo mdico benzedor. Bernncia: Figura fantasmagrica, talvez inspirada no drago celeste chins.Durante a apresentao, investe sobre o pblico engolindo crianas e dando luz, em seguida, a uma bernuncinha. Maricota: Mulher altssima, vaidosa e desengonada, que ao danar rodopiando esbarra seus enormes braos em quem estiver descuidado. Cavalinho: O cavalinho laa e recolhe o furioso Boi. Cabrinha: o boi das crianas, tem um porte menor e dana mais ligeiro.35Francisco Dias Velho (cerca de 1622 - So Vicente 1687 - Desterro). Bandeirante paulista. Filho de Francisco Dias ( - 1645) e Custdia Gonalves ( - 05.10.1681 - So Paulo). Descendia de ndia tapuia e sua bisav casada com Pero, padre que abandonou a ordem dos jesutas. Casou em So Paulo, com Maria Pires Fernandes, filha do capito Salvador Pires de Medeiros e Ins Monteiro (a Matrona), de So Paulo. Fundador e capito-mor povoador da Ilha de Santa Catarina, onde conquistou ndios daquele serto. Faleceu, dentro da igreja de pedra e cal, que sua custa tinha erguido. Acompanhou o pai na entrada ao serto dos Patos e Rio de So Francisco para o Sul, herdando disciplina e valor para conquistar gentios. Em 1673, mandou a este serto, seu filho Jos Pires Monteiro, com cento e tantos homens, fazer povoao onde melhor stio descobrisse, nas terras da Ilha de Santa Catarina, e nelas fez plantas. Em 1675, foi em pessoa, conseguir a dita povoao, onde esteve trs anos. Voltou em 1679, e exps no requerimento que fez em Santos ao governador da capitania, sesmaria de duas lguas de terra em quadro no distrito da Ilha", onde tinha igreja de Nossa Senhora do Desterro, no local onde hoje est a catedral, e mais meia lgua de terras de uma lgua, onde tinha fazenda de culturas, e mais duas lguas de terra defronte do estreito, onde tambm tinha feitoria com uma lgua de serto e outra de testada nas cabeceiras onde chamam Cabea de Bogio; e duas lguas em quadro comeando do rio Araativa. Tudo lhe foi concedido. Registro no cartrio da provedoria da fazenda real de S. Paulo. Em 20 de abril de 1681, escreve em carta aos familiares : a terra mais que ba, quem disser o contrrio, mente. Em 1687, entra na Ilha um patacho ingls, era capito Thomaz Frins. Dias Velho foi a bordo, baldeou para a terra todo o cabedal que achou, prendeu-os e remeteu Santos, ao ouvidor geral Tom de Almeida e Oliveira, em 26 de fevereiro de 1688. Voltaram em 1689 e mataram-no (cartrio da provedoria de Fazenda Real de So Paulo, livro de registro n. 4, tit. 1686, pg. 10). (6)Genealogia de Dias Velho (9 Pg. 71 a 82) 1. Pedro Dias cc. Antonia Gomes da Silva (Pedro Gomes cc. Isabel Afonso) 2. Pedro Dias cc. N . . . . . . (Joo Gonalves Penedo cc. Helena Gonalves) 3. Francisco Dias (fal. 1645) cc. Custdia Gonalves (fal. 05.02.168, SP) 4. Pedro Dias (+ - 1620 - ) no aparece no inventrio de seu pai.364. Francisco Dias Velho (alguns incluem Monteiro) (1622 1687) cc. 26.01.1647 Maria Pires Fernandes (abaixo)( Salvador Pires Medeiros cc. Ignez de Alvarenga Monteiro) 5. Custdia Gonalves cc. Domingos Coelho, cap. 6. Domingos Coelho Barradas, cap. Sogro do Quintana, teve : Fr...... 5. Ana Pires (fal. 18.01.1727, SP) cc. Hiernimo Pinheiro Lobato 6. Francisco Dias Velho (SP) cc. Laura (mameluca alva) 6. Hiernimo Pinheiro Lobato (SP) cc. Francisca Xavier (Antnio Lopes da, cap.) 7. Joo Pinheiro (SP), morador de Pary, solteiro em 1770 7. Joaquim Pinheiro (SP), morador de Santana, solteiro em 1770 7. Manoel Pinheiro (SP), morador da freg. De Jaguary, foi casado e enviuvou, sem gerao 7. Antnio Pinheiro, solteiro em 1770 7. Rosa Maria cc. Bento Jos Figueiredo (Matias da Costa de Figueiredo, cap.) 7. Manoela cc. Incio Vaz, morador de Jaguary 6. Maria de Jesus cc. Antnio Gomes Villas Boas (nasc. Mogy das Cruzes - fal. 1726, SP)(Tom Moreira Gomes e Natria Velho) 7. Escolstica 7. Maria 7. Isabel cc. Joo Paes Xavier de Garcia Forquim 6. Ana Pinheiro cc. Baltazar de Godoy Moreira (Tom Moreira Gomes e Natria Velho) 7. Francisca de Godoy cc. Joo Mendes de Oliveira (irmo do frei Manoel Mendes de Oliveira) 7. Ana Maria Pires cc. Matheus Pinheiro Lobato (filho bastardo de Francisco Dias velho, neto) 7. Mariana de Godoy cc. Francisco Cardoso (SP)(filho bastardo de Antnio Cardoso e uma mameluca) 7. Thom Dias da Silva cc. N...... (Luiz Borges, do Bairro do ) 7. Joaquim de Godoy cc. Isabel de Zouros377. Salvador pires cc. Isabel (mulata) 5. Ins Monteiro (fal. 1685) cc. Joo Freire Fardo (Romo Freire cc. Luzia Bicudo) (diz que Ins teve Salvador e Antnio) 6. Joo Pires de Maior 6. Maria Pires de Maior 5. Joo Pires Monteiro cc. Isabel Vaz 6. Maria Pires cc. Pascoal Leite de Miranda (fal. 28.11.1740, Taubat) 5. Jos Pires Monteiro cc. Maria Luiz (Francisco Luiz, natural de Aljubarrota)(outros autores dizem que casou com Custdia Lopes Pereira) 6. Euzbio Pires (1684, Laguna 12.11.1779, Cachoeira do Sul) 6. Salvador Pires Monteiro (fal. 1753, Pilar) cc. Anna Buena de Camargo (Antnio Camargo Ortiz e Albuquerque, mestre de campo) 7. Victo Antnio 7. Jos Pires Monteiro (soldado) 7. Escolstica 7. Josefa 7. Gertrudes cc. 1768 Joaquim (Antnio Correa Pires Barradas cc. Maria Buena) 6. Jos Pires Monteiro cc. Josefa 7. N...... cc. Antnio da costa, alfaiate torto 6. Francisco Pires (vivia em 1769, morador em sua fazenda em So Miguel) cc. Francisca 6. Francisco (vivia em 1769, solteiro, morador de So Miguel) 6. Isabel Pires cc. na Conceio, Estevo Forquim de Moraes (So Paulo)(irmo de D. Maria da Luz Forquim) 5. Maria Pires cc. Pedro de Matos (famlia dos Alvares Souza) 6. Maria Pires cc. Antnio Jorge Pereira (fal.)(sem gerao) 5. Bento Pires, teve : N...... (existia em 1689) 4. Manuel Dias Velho (+- 1627 - ) um dos povoadores de Paranagu, trucidado por elementos da famlia Arco em 1665 4. Jos Dias Velho (+- 1635 - ) vai para Desterro em 1679 e fica at os ltimos dias de Dias Velho38Ordenana - Homens vlidos entre 20 e 60 anos, podiam ser recrutados para patrulhamento e ronda, exceto os recm casados. O portugus de certa idade, por gosto ou obrigao, tinha que fazer parte ou do exrcito de linha ou milcias ou ordenanas e s saia, morto, velho ou estropiado e no era paga penso ou invalidez. Que fosse pedir esmola e curtir sua misria onde e como pudesse. Segunda linha os oficiais eram nobres ou importantes. Em 1786, Jos Joaquim Jacques Nics, capito, com companhias de infantaria e cavalaria (os cavalos eram mantidos s custas dos milicianos, bem como as fardas. (23)Populao 1700 (200), 1712 (500, 147 eram brancos), 1823 (15.000), 1872 (25.709), 1890 (30.687), 1900 (32.220), 1920 (41.338), 1940 (46.771), 1950 (67.630), 1960 (98.590 ou 827), 1970 (143.414 ou 38.337), 1980 (187.871), 1991 (254.944), 1996 (271.281), 2000 (341.781), 2008 (402.346) (1)(9) Entre parenteses a quantidade aproximada de pessoas em alguns anos.Antoine-Jean-Baptiste-Marie-Roger Foscolombe de Saint-Exupry (29.06.1900, Lyon 31.07.1944, Mar Mediterrneo). Escritor francs, ilustrador e piloto da Segunda Guerra, terceiro filho de Jean Saint-Exupry e Marie Foscolombe, condes. Visitou vrias vezes a Ilha. Os moradores do Campeche o chamavam de Seu Peri. Escreveu : L'Aviateur (O aviador-1926), Courrier sud (Correio do Sul-1929), Vol de nuit (Vo Noturno-1931), Terre des hommes (Terra dos Homens-1939), Pilote de guerre (Piloto de Guerra-1942), Le Petit Prince (O Pequeno Prncipe-1943), Lettre un otage (1943/1944). Pstumos Citadelle (1948), Lettres de jeunesse (1953), Carnets (1953), Lettres sa mre (1955), crits de guerre (1982), Manon, danseuse (2007)Hino de Florianpolis (Rancho Do Amor Ilha) - Cludio Alvim Barbosa ( Zininho ) "Um pedacinho de terra, perdido no mar! Num pedacinho de terra, beleza sem par... Jamais a natureza, reuniu tanta beleza. Jamais algum poeta teve tanto pra cantar! Num pedacinho de terra, belezas sem par! Ilha da moa faceira, da velha rendeira, tradicional. Ilha da velha figueira, onde em tarde fagueira, vou ler meu jornal. Tua lagoa formosa, ternura de rosa, poema ao luar. Cristal onde a lua vaidosa, sestrosa, dengosa, vem se espelhar..."399. Bibliografia1.pt.wikipedia.org/wiki/Florian%C3%B3polis 2. www.guiacatarinense.com.br/florianopolis/htms/localizacao.htm 3. SANTOS, Silvio Coelho dos. Nova Histria de Santa Catarina. Lunardelli. 1974 4.pt.wikipedia.org/wiki/Sebasti%C3%A3o_Jos%C3%A9_de_Carvalho_e_Melo,_marqu% C3%AAs_de_Pombal 5. pt.wikipedia.org/wiki/Duque_de_Bragan%C3%A7a 6. pt.wikipedia.org/wiki/Francisco_Dias_Velho 7.pt.wikipedia.org/wiki/Lista_dos_viajantes_que_aportaram_%C3%A0_ilha_de_Santa_Ca tarina_nos_s%C3%A9culos_XVIII_e_XIX 8. Apostila de pr-vestibular do Colgio Tendncia. 9. PAULI, Evaldo. A Fundao de Florianpolis, Ed. Lunardelli, 1973. 10. EDEME - Fundao Franklin Cascaes. Florianpolis - uma sntese histrica 1995. Cadernos de cultura e educao - 01 - 2 edio. 11. pt.wikipedia.org/wiki/Crist%C3%B3v%C3%A3o_Colombo 12. pt.wikipedia.org/wiki/Am%C3%A9rico_Vesp%C3%BAcio 13. pt.wikipedia.org/wiki/Pedro_%C3%81lvares_Cabral 14. pt.wikipedia.org/wiki/Binot_Paulmier_de_Goneville 15. www.palhocense.com.br/cadernos/palhoca112/pop4.php 16. pt.wikipedia.org/wiki/Sebasti%C3%A3o_Caboto 17. Santa Catarina em Vestibular. RD Editora. 18. pt.wikipedia.org/wiki/Juan_de_la_Cosa 19. pt.wikipedia.org/wiki/Alonso_de_Ojeda 20. pt.wikipedia.org/wiki/Saint_Exupery 21. pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_governadores_de_Santa_Catarina 22. pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_prefeitos_de_Florian%C3%B3polis 23. CABRAL, Osvaldo Rodrigues. Nossa Senhora do Desterro Memria II. UFSC. 1971. 24. www.manezinhodailha.com.br/Scripts/Visitantes.htm 25. pt.wikipedia.org/wiki/Gon%C3%A7alo_Coelho 26 .www.cfh.ufsc.br/~simpozio/EncReg/EncSC/MegaHSC/SCcolonial/91sc0101.htm4027. Pitsica, Paschoal Apstolo. A capitania de Santa Catarina Alguns Momentos. Lunardeli. 1993 28. pt.wikipedia.org/wiki/Ant%C3%B4nio_de_Oliveira_Bastos 29. pt.wikipedia.org/wiki/Patr%C3%Adcio_Manuel_de_Figueiredo 30. pt.wikipedia.org/wiki/Pedro_de_Azambuja_Ribeiro 31. pt.wikipedia.org/wiki/Francisco_de_Brito_Peixoto 32. pt.wikipedia.org/wiki/Jos%C3%A9_da_Silva_Pais 33. pt.wikipedia.org/wiki/Fernando_Machado_de_Sousa 34. pt.wikipedia.org/wiki/Manuel_de_Almeida_Lobo_d'E%C3%A7a 35. Tendncia Curso pr-vestibular 36. pt.wikipedia.org/wiki/Virg%C3%ADlio_V%C3%A1rzea 37. pt.wikipedia.org/wiki/Herc%C3%ADlio_Luz 38. pt.wikipedia.org/wiki/Jos%C3%A9_Boiteux 39. pt.wikipedia.org/wiki/Afonso_d'Escragnolle_Taunay 40. pt.wikipedia.org/wiki/Lucas_Alexandre_Boiteux 41. pt.wikipedia.org/wiki/F%C3%BAlvio_Aducci 42. pt.wikipedia.org/wiki/Antonieta_de_Barros 43. pt.wikipedia.org/wiki/Osvaldo_Rodrigues_Cabral 44. pt.wikipedia.org/wiki/Franklin_Cascaes 45. pt.wikipedia.org/wiki/Aderbal_Ramos_da_Silva 46. pt.wikipedia.org/wiki/Osmar_Cunha 47. pt.wikipedia.org/wiki/Cl%C3%A1udio_Alvim_Barbosa 48. www.manezinhodailha.com.br/Ilustres.htm 49. pt.wikipedia.org/wiki/Esperidi%C3%A3o_Amin 50. revistatrip.uol.com.br/revista/177/colunas/brasileiro-interrompido.html 51. www.saofranciscodosul.com.br/500anos/historico.htm 52. http://www.indoviajar.com.br/brasil/sc/florianopolis/a-cultura.htm 53. www.clicrbs.com.br/diariocatarinense/jsp/default.jsp?uf=2&local=18§ion=Geral&ne wsID=a2267450.xml41FigurasAleixo GarciaAlonso de HjedaAmrico VespcioPedro lvares CabralCristvo ColomboJuan de La CosaJuan Dias de SolisSebastio CabotoFrancisco Dias Velho42Jos da Silva PaesPrimeiro mapa da IlhaFranklin CascaesClaudio Alvim - ZininhoBrasoBandeiraPonte Herclio Luz - 1935MiramarMercado Pblico43