Observaes sobre as relaes entre a cincia e a filosofia

  • Published on
    10-Jan-2017

  • View
    216

  • Download
    2

Transcript

Texto apresentado na mesa-redonda Cincia: o que e para que serve, I Semana da Fsica, Instituto de Fsica Gleb Wataghin, Unicamp, 10 a 14/9/2001. Observaes sobre as relaes entre a cincia e a filosofia Silvio Seno Chibeni Departamento de Filosofia Unicamp Brasil chibeni@unicamp.br www.unicamp.br/~chibeni 1. O presente texto tem carter introdutrio, limitando-se a algumas observaes bastante gerais e simplificadas, que objetivam meramente a motivar estudos e reflexes ulteriores. Em 1952, o filsofo da cincia Karl Popper (1902-1994) publicou um artigo intitulado A natureza dos problemas filosficos e suas razes na cincia. A tese principal do artigo , como indica o ttulo, a de que os mais importantes problemas filosficos, em toda a longa histria da filosofia, foram motivados por preocupaes ligadas cincia (incluindo-se a matemtica). Popper tinha um alvo claro no texto: uma certa vertente filosfica que prosperou principalmente no sculo XIX, mas que subsiste at hoje, especialmente fora do mundo anglo-saxo, e que se caracteriza, entre outros pontos, por conceber um abismo profundo entre a filosofia e a cincia, com total despreocupao com aquilo que fica do outro lado. No irei aqui examinar esse atraente texto de Popper. Ele pode com proveito ser lido por pessoas pouco familiarizadas com a filosofia.1 Gostaria de explorar um pouco outra tese, associada de Popper, mas aparentemente discrepante dela: as origens da cincia na filosofia. Disse aparente, porque no creio que haja um conflito real aqui, mas apenas a observao da questo por ngulos diferentes. 2. Seria quase desnecessrio lembrar que, desde a sua origem, o homem sempre cuidou de obter conhecimento sobre os objetos que o cercam, pois disso depende sua sobrevivncia. Tal conhecimento histrica e biologicamente primitivo , pois, antes de tudo um saber como, um conhecimento motivado por algo externo atividade cognitiva propriamente dita: a necessidade de controle dos fenmenos naturais. 1 Encontra-se reimpresso na importante coletnea Conjectures and Refutations (Popper 1972, pp. 66-96). mailto:chibeni@unicamp.brhttp://www.unicamp.br/~chibeni 2A Grcia Antiga testemunhou, no entanto, o surgimento de uma perspectiva cognitiva nova: a busca do conhecimento pelo prprio conhecimento, por mera curiosidade intelectual. Aqueles que cultivavam essa busca do saber pelo saber foram chamados filsofos (traduzindo, os que amam ou buscam a sabedoria). Um dos mais importantes desses homens talvez mesmo o mais importante deles , Aristteles (c. 384-322 a.C.), abre uma de suas obras fundamentais, a Metafsica, justamente com a afirmao de que por natureza, todo homem deseja conhecer (livro I, cap. 1). Em seguida traa, em um texto que cativa tanto por sua eloqncia como por sua preciso analtica, a distino entre trs tipos de saber, ou talvez de etapas na busca do saber. Adaptando um pouco a terminologia, temos: (i) Conhecimento por experincia sensorial direta. Restringe-se aos objetos e eventos individuais, e informa simplesmente acerca do que . (ii) Conhecimento tcnico. Engloba leis gerais, mas dirige-se apenas questo de como . Basta, pelo menos num primeiro momento, para dirigir nossas aes. (iii) conhecimento terico. Tambm de tipo geral, procura responder a questo de por que . Esse o domnio da cincia propriamente dita, no qual se investigam as causas e princpios dos fenmenos. Vale a pena ver este comentrio do prprio Aristteles: Aquele que mais exato e mais capaz de ensinar as causas mais sbio, em todas as reas do conhecimento. E quanto s cincias, igualmente, aquilo que desejvel por si mesmo e com vistas apenas ao conhecimento mais prprio da sabedoria do que aquilo que desejvel com vistas aos seus resultados ... (Metafsica, livro 1, cap. 2, 982a.10). Esse cultivo do saber pelo saber talvez seja a principal herana que recebemos dos gregos, e um dos traos mais importantes da cultura ocidental. Chegou at ns no apenas pela filosofia hoje um tanto esquecida , mas principalmente por ter sido incorporado ao que hoje chamamos cincia. 3. A utilizao do termo cincia no sentido contemporneo bastante recente, consolidando-se somente no sculo XX. Porm, a cincia neste sentido do termo mais antiga, remontando mais ou menos ao sculo XVII. No meio tempo, era usualmente denominada filosofia natural. Tal denominao reflete, claro, a origem da cincia naquela busca do saber pelo saber destacada pelos Antigos. Eles no distinguiam cincia de filosofia; tudo era filosofia. A palavra cincia, que j existia (em latim scientia; em grego episteme), era usada para diferenar o tipo especial de conhecimento a que Aristteles cantou louvores: o conhecimento universal e certo acerca dos 3fenmenos naturais, dos nmeros, das figuras geomtricas, etc., buscado sem preocupaes prticas. Esse ideal de universalidade e certeza foi incorporado s cincias, no sentido contemporneo da palavra, quando comearam a surgir no sculo XVII. O impressionante sucesso explicativo e preditivo das nascentes disciplinas foi atribudo a um novo mtodo de investigao, que supostamente aliava a observao cuidadosa e, quando possvel, controlada dos fenmenos, ao crivo da razo. No caso mais significativo, a fsica, a matematizao foi tambm um ingrediente importante nesse mtodo. A compreenso precisa do chamado mtodo cientfico, das caractersticas que distinguiriam as disciplinas cientficas das no-cientficas, ou pseudo-cientficas, constituiu, desde ento, um dos temas mais polmicos da filosofia da cincia, a rea da filosofia que se ocupa da anlise do conhecimento cientfico. No h espao aqui para sequer mencionar as principais teorias filosficas sobre a questo.2 4. H um ponto, porm, que gostaria de ressaltar. que embora ainda hoje o leigo e muitos cientistas continuem a associar a noo de cincia de certeza e infalibilidade, as anlises epistemolgicas levaram, h muito, os filsofos da cincia a reverem essa associao. No mbito do chamado empirismo, o questionamento desse ponto remonta pelo menos a John Locke, no sculo XVII; no sculo seguinte, foi aprofundado por David Hume, numa famosa crtica ctica. Curiosamente, foi apenas no sculo XX que houve um reconhecimento mais geral de que a obteno de conhecimento universal e certo acerca dos processos naturais um ideal que, depois de dois milnios e meio, deve ser abandonado, por inatingvel. Perdido esse trao quase que definitrio da cincia, ficou ainda mais difcil encontrar critrios de demarcao entre cincia e no-cincia que sejam de aplicao geral. H hoje diversas propostas em anlise, nenhuma isenta de objees mais ou menos graves. Muitos tero, por exemplo, ouvido referncias concepo de cincia do j mencionado Karl Popper. Mais, talvez, do que qualquer outro filsofo da cincia contemporneo ele enfatizou o carter irredutivelmente conjetural de todo o nosso conhecimento da matria. Numa expresso famosa, Popper sugeriu que entendssemos o conhecimento cientfico no como episteme (que requer certeza), mas como doxa (opinio). 2 Uma exposio simples, porm cuidadosa, e que contm referncias aos principais trabalhos originais, feita em Chalmers 1982. Podem tambm ser consultados Popper 1968, 1972a e 1972b, especialmente para mais detalhes acerca das questes a serem mencionadas logo em seguida. 4Segundo Popper, as leis e teorias cientficas, mesmo as mais bem estabelecidas, so sempre hipteses, inventadas livremente para predizer e explicar os fenmenos. O que as tornaria cientficas sua falseabilidade, ou seja, o poderem, em princpio, ser refutadas pela experincia. claro que as teorias de fato aceitas num dado momento no podem j ter sido refutadas. Mas importante que sejam refutveis, pois caso contrrio no teriam potenciais pontos de contato com a realidade. O progresso da cincia seria, assim, o resultado de um processo constante de conjeturas e refutaes, de substituio de hipteses falseadas por hipteses melhores e no falseadas, porm sempre falseveis. Embora essa viso da cincia aparentemente rompa de forma radical com a noo original, h um elemento importante no ideal clssico que Popper procurou preservar e defender, mediante uma argumentao cerrada: o realismo. Essa posio filosfica , em termos simples, a de que, embora falveis, as teorias cientficas devem ser entendidas como tentativas srias, e cada vez melhores, de descrever uma realidade objetiva, ainda quando transcenda o nvel dos fenmenos, ou seja, aquilo que diretamente perceptvel aos sentidos. O empreendimento cientfico continua, nessa perspectiva realista, dando vazo da melhor forma possvel ao nosso arraigado desejo de compreender o mundo real, de descobrir como e por que funciona. 5. A tese popperiana de que a cincia constitui fonte fundamental de problemas filosficos tem uma de suas mais importantes exemplificaes justamente na discusso acerca do realismo. Essa discusso ou, mais especificamente, a discusso do chamado realismo cientfico a existncia de recursos cognitivos para legitimar as teorias cientficas quando transcendem o nvel da percepo imediata , ganhou novo mpeto no sculo XX. Um dos fatores importantes no reavivamento do debate acerca dessa forma de realismo foi justamente o surgimento da mecnica quntica. Como muitos sabem, no obstante o impressionante sucesso prtico e a abrangncia dessa teoria, ela apresentou desde o incio uma srie de caractersticas tericas e conceituais que desafiam a intuio fsica ordinria. Isso levou a srias controvrsias entre os pais da teoria. A maioria deles, sob a liderana de Niels Bohr, acabou, de forma sem precedentes na histria da cincia, defendendo posies anti-realistas cientficas, como o instrumentalismo, segundo o qual as teorias so meros instrumentos de predio dos fenmenos, sem a pretenso de que tambm descrevam a realidade inobservvel subjacente aos fenmenos (como os eltrons, os vrus, etc.). Erwin Schrdinger e, principalmente, Einstein, opuseram-se a essa tendncia anti-realista, oferecendo argumentos importantes para mostrar que as referidas caractersticas estranhas da mecnica quntica radicam em sua incompletude: a teoria no descreveria completamente certas propriedades dos objetos fsicos. 5Esse, porm, um assunto longo e tcnico, que no pode ser desenvolvido aqui.3 Queria apenas mencionar, para concluir, que o prprio Popper um fsico de formao entrou fundo no debate, desde os seus primrdios, tendo produzido anlises que at hoje retm considervel interesse (Popper 1968 e 1982). Embora ele tenha adentrado detalhes bastante tcnicos, quer fsicos, quer filosficos, num plano filosfico bem geral argumentou que a postura anti-realista que caracteriza a interpretao ortodoxa da mecnica quntica tem, entre outras, a desvantagem de representar o que classifica de traio do ideal clssico de busca de compreenso do mundo, ideal que inspirou no apenas a filosofia grega, mas igualmente todo o desenvolvimento da cincia moderna.4 Referncias ARISTOTLE. Metaphysics. In: Barnes, J. (ed.) The Complete Works of Aristotle. Princeton, Princeton University Press, 1984. CHALMERS, A. F. What is this Thing called Science? 2nd. ed. Buckingham, Open University Press, 1982. CHIBENI, S.S. Implicaes filosficas da microfsica. Cadernos de Histria e Filosofia da Cincia, Srie 3, 2(2): 141-164, 1992. . Aspectos da Descrio Fsica da Realidade. (Coleo CLE, vol. 21). Campinas, Centro de Lgica, Unicamp, 1997. . Le ralisme scientifique face la microphysique. Revue Philosophique de Louvain, 97 (3-4): 606-27, 1999. . Indeterminacy, EPR and Bell. European Journal of Physics, 22: 9-15, 2001. POPPER, K.R. The Logic of Scientific Discovery. 5.ed., revista. London, Hitchison, 1968. . Conjectures and Refutations. 4.ed., revista. London, Routledge and Kegan Paul, 1972a. . Objective Knowledge. Oxford, Clarendon Press, 1972b. . Quantum Theory and the Schism in Physics. London, Hutchinson, 1982. . Realism and the Aim of Science. London, Hutchinson, 1983. 3 Para uma discusso extensa desse ponto e de outros associados, consulte-se Chibeni 1992, 1997, 1999 e 2001, onde podem ser encontradas referncias aos principais trabalhos originais. 4 Ver especialmente o artigo de Popper Three views concerning human understanding (Popper 1972a, pp. 97-119), bem como o seu livro Realism and the Aim of Science.