O Falar Paulistano

  • Published on
    24-Jul-2015

  • View
    137

  • Download
    7

Transcript

A lngua no indivisvel, ela pode ser considerada um conjunto de dialetos. No nos referimos aos inmeros idiomas que existem e podem ser encontrados em um mesmo pas, o que iremos abordar a variao lingstica existente em um nico idioma, no caso, o portugus falado no Brasil, mais especificamente a lngua portuguesa falada em diferentes bairros da cidade de So Paulo, que ganhou inclusive uma denominao para designar a linguagem tpica do paulistano: o paulistans, que consiste na diversidade de vocabulrios, grias e entonaes que existem na cidade de So Paulo. Primeiro preciso entender que a cidade de So Paulo, a maior do Brasil, recebeu e ainda recebe centenas de pessoas por dia, vindas de diferentes regies do Brasil e do mundo. A cidade j foi adotada por imigrantes italianos, japoneses, chineses, srios, portugueses, libaneses, coreanos, espanhis e recentemente por africanos e bolivianos, e tambm por migrantes brasileiros, principalmente das regies norte, nordeste e cidades do interior paulista. Todos estes dados contriburam na construo da diversidade lingstica existente na cidade de So Paulo. Alguns bairros ficaram conhecidos por abrigar grupos especficos de imigrantes e migrantes, como os bairros italianos da Moca e do Bixiga, o japons-chins da Liberdade, o srio-libans da Luz, os coreanos do Brs e do Bom Retiro, o portugus da Chcara Santo Antnio, o boliviano do Pari, o africano do centro, principalmente nas regies da Praa da Repblica e Avenida So Joo e o nordestino de So Miguel Paulista. Um outro bairro que tambm possui uma linguagem prpria, o Helipolis, conhecido por abrigar a maior favela da cidade em relao ao nmero de moradores, porm, diferente dos bairros ocupados por imigrantes estrangeiros e seus descendentes, o que encontramos em bairros como o Helipolis e Capo Redondo, so dialetos identificados e discriminados por estarem associados as pessoas de nvel social abaixo da mdia brasileira . A discriminao do dialeto das classes populares geralmente baseada no conceito de que essa classe por no dominar a norma padro de prestgio e usar seus prprios mtodos para a realizao da linguagem, corrompem a2lngua com esses erros e muitas vezes so rotulados de linguajar da malandragem. A maneira como cada pessoa fala est associada ao ambiente em que ela vive e/ou convive, a educao familiar, a cidade em que se nasce e/ou vive, as escolas frequentadas, as pessoas com quem se relaciona, entre tantos outros fatores, assim constatamos que a linguagem formada pouco a pouco e sofre alteraes ao longo do tempo. Para se determinar a variao lingstica pelo local em que se mora (bairros) no existe uma anlise simplificada. Geralmente as pessoas so analisadas atravs de sotaque, grias, nvel socioeconmico e expresses que utilizam ao se comunicarem e depois so inseridas em determinados grupos. Faremos agora uma anlise de alguns dados utilizados para determinar a procedncia do locutor: - Sotaque e grias Ao analisarmos o sotaque de um imigrante ou um migrante, mesmo que ele se comunique na lngua portuguesa as diferenas fonticas entre seu idioma natal e o novo idioma adotado contribuem para a criao do sotaque. Assim, podemos distinguir um nativo italiano ou um japons pelos obstculos que eles encontram em pronunciar determinados fonemas. Usaremos como exemplos o italiano nativo que sente dificuldade em pronunciar o som da letra r dupla ou em incio de palavra, pois no existe em italiano o som gutural do r como pronunciado no Brasil, o r em rua neste caso seria pronunciado pelo r no meio de palavra, como em caroo. Um obstculo lingstico para os nipnicos a inexistncia na lngua japonesa de slabas constitudas por trs letras tendo o r no meio da slaba, como na palavra creme, o cre ser falado de forma pausada e o r sempre ser precedido pela letra u, ficando cure-me, mas quando o r estiver sozinho como em carta o u vir depois do r, assim carta ser ca-ru-ta e as letra l e v que tambm no fazem parte do alfabeto japons so substituda pelas letras r e b, mas assim como os italianos o r, independente de encontrar-se no incio da palavra ser sempre pronunciado como um r de morador, pois a letra que corresponde ao r portugus o h, que na lngua portuguesa no possui som, ento a palavra livro ser pronunciada como ri-bu-ro.3J os chineses apesar de trocarem tambm o r pelo l, eles no acrescentam a letra u, bermuda ento, ser pronunciada como belmuda. Entre os nativos das regies brasileiras, pode-se distinguir um falante de outro atravs do sotaque e das diferentes expresses utilizadas para denominar algo em comum. Exs.: mandioca no sudeste, aipim no sul e macaxeira no nordeste, so termos empregados para descrever uma espcie de raiz comestvel; a pronncia das letras s e r dos moradores do Rio de Janeiro diferem da pronncia dos paulistanos. No texto retirado de um site, foi utilizado expresses tpicas para caricaturar um ato de roubo em diferentes regies: Assaltante baiano meu rei... ( pausa ) Isso um assalto... ( longa pausa ) Levanta os braos, mas no se avexe no...( outra pausa ) Se num quiser nem precisa levantar, pra num ficar cansado ... Vai passando a grana, bem devagarinho ( pausa pra pausa ) Num repara se o berro est sem bala, mas pra no ficar muito pesado. No esquenta, meu irmozinho, ( pausa ) Vou deixar teus documentos na encruzilhada . Assaltante mineiro s, presteno iss um assarto, uai. Levantus brao e fica ketin qui mi proc. Esse trem na minha mo t chein de bala... Mi pass logo os trocados que eu num t bo hoje no. Vai andando, uai! T esperando o qu, s? Assaltante carioca A, perdeu, mermo Seguiiiinnte, bicho Tu te fu. Isso um assalto .4Passa a grana e levanta os braos rap . No fica de ca que eu te passo o cerol.... Vai andando e se olhar pra trs vira presunto. Assaltante paulista P, meu ... Isso um assalto, meu Alevanta os braos, meu Passa a grana logo, meu Mais rpido, meu, que eu ainda preciso pegar a bilheteria aberta pra comprar o ingresso do jogo do Corintian, meu. P, se manda, meu. Assaltante gacho O gur, ficas atento Bh, isso um assalto Levanta os braos e te aquieta, tch ! No tentes nada e cuidado que esse faco corta que uma barbaridade, tch. Passa as pilas pr c ! E te manda guri, seno o quarenta e quatro fala. As grias tambm so empregadas para analisar grupos dentro da sociedade, geralmente as grias esto associadas a classes sociais, tribos e profisses. Quando se trata do campo profissional a prpria denominao gria no bem vista por alguns profissionais, deste modo, advogados e mdicos, no fazem uso de grias, eles possuem termos. Pelas grias empregadas possvel determinar at a classe social a que uma pessoa pertence e assim inseri-la em determinado bairro. No filme O Invasor, o personagen Giba, interpretado pelo ator Alexandre Borges, um engenheiro rico que reside em um bairro nobre da cidade de So Paulo e em suas falas o ator refora o r em tom vibrante, uma caracterstica da linguagem tpica dos paulistanos, enquanto que o ator Paulo Miklos que interpreta Ansio um criminoso, morador da periferia de So Paulo e tem como caracterstica principal em suas falas, a utilizao de inmeras grias.5A classificao da variao linguistica entre bairros est associada tambm ao nvel socioeconmico, existindo portanto os bairros da periferia, de classe mdia e nobres, e o conceito de que seus respectivos correspondentes lingsticos so o vulgar, o padro e o culto. - O Mooqus Um dos bairros mais utilizados como exemplo de variao lingstica o bairro da Moca, conhecido por ser tipicamente italiano e possuir uma lingstica prpria, o mooqus (uma mistura de calabrs, napolitano e vneto com a presena do caipira) foi defendido em um projeto de preservao do sotaque, criado pelo vereador Juscelino Gadelha (PSDB), que em 2009, entrou com um pedido no Conselho Municipal de Preservao do Patrimnio Histrico, Cultural e Ambiental da cidade de So Paulo (Conpresp). O sotaque tpico dos moradores da Moca tambm foi tema de estudo do lingista Mauro Dunder, da USP, em "Linguagem, esteretipo e ideologia Mapeamento Semntico Lexical dos Falares da Mooca". Segundo ele, o mooqus uma variao meldica das frases do portugus, a tonacidade das slabas esto associadas mais ao idioma italiano do que ao portugus e algumas expresses registradas em sua pesquisas como belo e ma v so usadas at hoje pelos moradores da Moca. Um clssico exemplo da representao do sotaque mooqus foi o cantor e compositor Adoniram Barbosa. Ele retratava em suas composies a fala e o cotidiano dos imigrantes italianos residentes em So Paulo. Tiro ao lvaro De tanto levar frechada do teu olhar Meu peito at parece sabe o qu? Tubua de tiro ao lvaro No tem mais onde furar No tem mais De tanto levar frechada do teu olhar Meu peito at parece sabe o qu?6Tubua de tiro ao lvaro No tem mais onde furar Teu olhar mata mais do que bala de carabina Que veneno e estriquinina Que peixeira de baiano Teu olhar mata mais que atropelamento de automver Mata mais que bala de revrver - O Dialeto Paulistano e o Paulistans A chegada de imigrantes europeus para trabalharem como mo de obra nas fazendas do Brasil foi de grande influncia na construo de um novo dialeto. A contribuio foi maior por parte dos italianos, que fixaram-se em sua maioria no estado de So Paulo, principalmente na capital. No incio do sculo XX, o italiano e seus dialetos eram to falados quanto o portugus na cidade. A fala dos imigrantes fundiu-se dos locais (at ento dialeto caipira), dando origem ao dialeto paulistano. Bairros como os da Mooca e Bixiga, tradicionais por terem recebido muitos imigrantes no passado, preservam at hoje muito do sotaque tpico de So Paulo. Os imigrantes rabes (srios e libaneses), espanhis e portugueses, tambm tiveram grande importncia no desenvolvimento do falar paulistano. O Paulistans o termo popular utilizado para designar o atual sotaque dos paulistanos e suas expresses prprias, surgidas da diversidade de idiomas, grias e dialetos falados na cidade de So Paulo. So palavras tpicas e servem como base para diferenciar o falante da capital paulista do falante do interior do estado de So Paulo. A tabela a seguir mostra alguma dessas expresses e seus significados ou comparaes: Paulistnes Meu Mano Mina De ponta cabea rra meu! Significado Forma de se dirigir a algum prximo. Amigo, colega Moa, garota, etc O mesmo que de cabea para baixo Caramba, puxa vida7Tipo assim Balada Ponto Rach o bico U Farol Facul Trampo Bora Zica Numtointendenu Num ?Por exemplo Programa noturno em bares, danceterias, etc. Parada de nibus Rir muito Equivalente ao uai, falado pelos mineiros. Semforo Abreviatura de faculdade Trabalho ou empresa em que se trabalha Vamos Baguna, confuso No estou entendendo Embora expressado como pergunta, na verdade uma afirmaoOutro exemplo do paulistans foi sua utilizao na msica As Minas de Sampa, da cantora e compositora Rita Lee, para descrever o estilo prprio das moas paulistanas. As Mina de Sampa As mina de Sampa so branquelas que s elas, pudera! Praia de paulista o Ibirapuera. As mina de Sampa querem grana, um cara bacana, de poder! Um jeito americans de sobreviver. As mina de Sampa so modernas, eternas dondocas! Mas pra sambar no p tem que nascer carioca. Tem mina de Sampa que discreta, concreta, uma lady! Nas rivi ela vri, vri krizi. Eu gosto as pampa das mina de Sampa! As mina de Sampa esto na moda, na roda, no rock, no enfoque! do Paraguai a grife made in Nova Iorque. As mina de Sampa dizem mortandeila, berinjeila, apartameintu! Sotaque do bixiga, nena, cem pur ceintu.8As mina de Sampa conhecem a Bahia, por fotografia, que natureza! Toda menina baiana vive na maior moleza. As mina de Sampa do duro no trampo, no banco, mos ao alto! Ou d ou desce ou desocupa o asfalto. Eu gosto s pampa das mina de Sampa! - Rtulos e Preconceito importante ressaltar que apesar da coerncia de anlises e estudos quanto a variao lingstica entre os bairros, e que neles existem de fato uma predominncia de um certo grupo tnico, religioso ou migratrio, h tambm um certo mito de que todo morador da Moca tem sotaque italiano, assim como todos os moradores de favela encaixam-se na expresso linguajar da malandragem e todos os japoneses e seus descendentes moram na Liberdade, no devemos generalizar o rtulo que estes bairros possuem em relao linguagem. A tendncia natural com o passar do tempo, so os descendentes dos primeiros imigrantes e migrantes que aportam em So Paulo perderem o sotaque tpico, principalmente pela miscigenao entre raas e a discriminao que sofrem por parte dos paulistanos. comum para os paulistanos simplificar e rotular as pessoas em classes distintas, pela expresso oral ou pela aparncia que possuem, assim qualquer nativo do norte e nordeste baiano, coreanos e chineses so japoneses, catarinenses so gachos, goianos so mineiros, etc. A denominao ento, deixa de ser uma anlise da variao lingstica para tornar-se um preconceito lingustico. Bibliografia: Livros: Sociolinguistica: Os nveis de fala, PRETI, Dino So Paulo: EDUSP, 2003. Revista:9Veja So Paulo artigo: PROJETO Vereador quer tombar sotaque da Mooca, por Maria Paola de Salvo e Dirceu Alves Jr. - 07/10/2009 Sites: http://dilsoncatarino.blogspot.com Texto : Variao Linguistica http://www.coisasinteressantes.com.br Texto: Tipos de Assaltantes http://revistalingua.uol.com.br artigo: Linguagem, esteretipo e ideologia - Mapeamento Semntico Lexical dos Falares da Mooca, por Mauro Dunder http://letras.terra.com.br/adoniran-barbosa/43970 - Tiro ao Alvaro http://letras.terra.com.br/rita-lee/82880 - As minas de Sampa http://www.jornalmercadopaulista.com.br/cultura_jan2006.htm - artigo: O falar paulistano, por Jos Luiz Fiorin