O Cncer como um Problema de Sade Pblica e Estratgias de Preveno e Controle.

  • Published on
    17-Apr-2015

  • View
    104

  • Download
    2

Transcript

  • Slide 1
  • O Cncer como um Problema de Sade Pblica e Estratgias de Preveno e Controle
  • Slide 2
  • Direo Geral HC I Polticas de Sade Especficas Respostas governamentais dadas a certas doenas especficas Portadores da doena No portadores da doena
  • Slide 3
  • Agenda Governamental Conjunto de problemas dos quais se ocupa o governo A incluso ou no de uma doena na agenda governamental sempre poltica
  • Slide 4
  • Fonte: Global Action Against Cancer, 2005
  • Slide 5
  • Fonte: INCTR, 2005 Crescimento global do cncer no mundo
  • Slide 6
  • Fonte: Global Action Against Cancer, 2005
  • Slide 7
  • Slide 8
  • Padres globais e regionais de morte por causa, 2000 Fonte; NCCP/WHO, 2002
  • Slide 9
  • Fonte:Sade Brasil 2004 SVS/MS, 2004 Mortalidade proporcional segundo as causas e as regies brasileiras. Brasil, 2001
  • Slide 10
  • Fonte: World Cancer Report, IARC/WHO 2003 Cnceres mais comuns na populao feminina nos pases mais desenvolvidos e menos desenvolvidos em 2000
  • Slide 11
  • Cnceres mais comuns na populao masculina nos pases mais desenvolvidos e menos desenvolvidos em 2000 Fonte: World Cancer Report, IARC/WHO 2003
  • Slide 12
  • Fonte: NCCP/WHO, 2002 Tipo de cncer e recomendaes da OMS para deteco precoce
  • Slide 13
  • Fonte: INCA/MS, 2004 * Exceto pele no nelanoma Estimativa do nmero de casos novos de cncer* para o ano de 2005, homens e mulheres, Brasil Homens Mulheres
  • Slide 14
  • Fonte: Registro Hospitalar de Cncer, Hospital do Cncer Unidade I, II e III /INCA/MS Distribuio dos dez tumores primrios mais freqentes no INCA (2000 a 2001) segundo estadiamento clnico
  • Slide 15
  • Taxas de mortalidade por cncer, homens e mulheres, padronizadas por idade pela populao mundial, Brasil 1979 a 2002 Fonte: Diviso de Informao/INCA/MS Valores por 100.000 Homens Mulheres
  • Slide 16
  • Fonte:Sade Brasil 2004 SVS/MS, 2004 Razo do n de estabelecimentos cadastrados p/ 10.000 hab. Segundo regio e o tipo de unidade cadastrada
  • Slide 17
  • Cobertura Assistencial em Oncologia Brasil/Regies - 2003 Fonte: Diviso de Ateno Oncolgica/CONPREV/INCA/MS, 2004
  • Slide 18
  • Percentual estimado de mortes por cncer atribuda vrias causas nos EUA (< 65 anos), 1981 Fonte: NCCP/WHO, 2002
  • Slide 19
  • Dieta, Atividade Fsica, Doena Inflamatria do Clon Clon e Reto Dieta, H. PyloriEstmago HPV, TabagismoColo do tero Dieta, Atividade FsicaPrstata Tabagismo, Exposio Ocupacional, Poluio Pulmo Dieta, Radiao, Doena Mamria Benigna, Histria Familiar Mama Fatores de RiscoCncer Fonte: INCA/MS
  • Slide 20
  • Fatores de risco e doenas no comunicveis Fonte: NCCP/WHO, 2002
  • Slide 21
  • Gastos do SUS na Preveno e Controle do Cncer 2000-2003 AssistnciaControle do Tabagismo e outros Fatores de Risco Deteco Precoce Vigilncia R$ 43 bilhesR$ 33.326.194,00R$ 40.741.659,00R$ 8.407.356,00 Fonte: INCA/MS 0,2% dos gastos com preveno, deteco precoce e vigilncia
  • Slide 22
  • Subsdios para a discusso de uma Poltica de Ateno ao Cncer no Brasil Cncer como 2 causa de morte por doena Aumento da incidncia e mortalidade por cncer no Brasil Inadequao, insuficincia e m distribuio dos servios de assistncia oncolgica Importncia dos fatores de risco Informao incipiente Dficit de recursos humanos especializados HC III
  • Slide 23
  • HC II Programa Nacional de Controle do Cncer (PNCC) um programa de sade pblica elaborado para reduzir a mortalidade e incidncia de cncer e melhorar a qualidade de vida dos pacientes de um pas ou estado, por meio da implementao de estratgias de preveno, deteco precoce, tratamento e cuidados paliativos, fazendo o melhor uso dos recursos disponveis Fonte: NCCP/WHO, 2002
  • Slide 24
  • Programa Nacional de Controle do Cncer (PNCC) Alta carga de doena Tendncia de aumento dos fatores de risco Necessidade de utilizao eficiente de recursos limitados Fonte: NCCP/WHO, 2002
  • Slide 25
  • Fonte: Adaptado de NCCP/WHO, 2002 Reduzir o consumo de tabaco, o sobrepeso e aumentar a atividade fsica Aprimorar o diagnstico precoce dos cnceres de mama, colo, pele, colo-retal e oral Aprimorar os programas de rastreamento para cncer de colo, mama e colo-retal Prover acesso servios de boa qualidade e padronizar tratamentos Aprimorar o controle da dor e outros sintomas Prover assistncia psicossocial e espiritual Garantir que os servios e aes sejam oferecidos para todos os setores da populao Prevenir futuros cnceres Diagnosticar os cnceres precocemente Oferecer tratamento curativo Prover alvio do sofrimento Alcanar todos os membros da populao Reduzir a incidncia Reduzir a mortalidade Melhorar a qualidade de vida Micro-objetivosMacro-objetivosPropsitos Programa Nacional de Controle do Cncer (PNCC)
  • Slide 26
  • Fonte: NCCP/ WHO 2002 Avaliao de estratgias para os oito tumores mais frequentes
  • Slide 27
  • Programa Nacional de Controle do Cncer do Colo do tero Proposta para uma Poltica Nacional em Cuidados Paliativos Cuidados Paliativos Aprimoramento dos sistemas de informao Aprimoramento do SISCOLO Agenda da Mulher Vigilncia Pesquisas de avaliao de programas de rastreamento Desenvolvimento de parmetros assistenciais na mdia complexidade Pesquisas de vacinas para HPV Pesquisa Garantia de qualidade (PQRT) Condutas Clnicas (2005-2006) Tratamento Aumento de cobertura Organizao da mdia complexidade Garantia de qualidade Condutas Clnicas (2005) Deteco Precoce Projetos de mobilizao social e educao popular Preveno Plano de Ao 2005-2007Programa Nacional 1998-2005Estratgia Alcanar uma cobertura de 80% Ampliao e qualificao da mdia complexidade Garantia de qualidade Capacitar RH e disponibilizar recursos materiais Nova Nomenclatura (2003) e Condutas Clnicas (2000, 2003) Introduo da CAF Articular uma rede de comunicao com a mulher Garantia de qualidade (PQRT) Condutas Clnicas (2000) Avaliao dos mtodos de rastreamento Inqurito sobre fatores de risco Implantao e implementao de sistemas de vigilncia e avaliao (SISCOLO) Aprimoramento dos RHC e RCBP Insero de cuidados paliativos na Portaria n 3.535/98 Manuais de controle de sintomas e controle da dor Criao do HC IV em 1998
  • Slide 28
  • Programa Nacional de Controle do Cncer (PNCC) Sanitaristas, Gestores, Especialistas em Cncer, Profissionais de Sade, Grupos de Usurios, Representantes de Setores Afins Formulao Implementao Monitoramento Fonte: NCCP/ WHO 2002
  • Slide 29
  • Poltica Nacional de Controle do Cncer Compromisso explcito do governo e seus colaboradores que provm objetivos para o PNCC, especificam a prioridade relativa de cada objetivo e indicam os recursos e medidas necessrias para atingir estes objetivos CPQ Fonte: NCCP/WHO, 2002
  • Slide 30
  • Elementos de uma Poltica Nacional de Ateno ao Cncer Propsitos da poltica Princpios em que est baseada Metas, objetivos e prioridades Programas a serem desenvolvidos Recursos disponveis e os necessrios Papis e responsabilidades de cada ator nos diferentes nveis do sistema Medidas legislativas necessrias a implementao da poltica Indicadores de monitoramento e avaliao dos programas
  • Slide 31
  • Estratgias para execuo de uma Poltica Nacional de Ateno ao Cncer Estgio de desenvolvimento do pas Particularidades territoriais Aspectos scio-culturais Aspectos econmicos HC IV
  • Slide 32
  • O Papel do INCA na Poltica Nacional de Ateno ao Cncer Antes de 1986 1986 - Pro-Onco 1988 - SUS 1990 - LOS 1991, 1998, 2000 - Decretos Presidenciais 2003 - Decreto 4.726...assistir o Ministro de Estado na formulao da poltica nacional de preveno, diagnstico e tratamento do cncer
  • Slide 33
  • COAD / CEDC Coordenao centralizada (INCA/SAS/MS) Aes descentralizadas Apoiada em atos normativos Recursos financeiros predominantemente pblicos Formalizao documental em andamento Regulao da ateno incipiente Qualificao de RH centralizada Sistemas de avaliao e vigilncia do cncer e fatores de risco em desenvolvimento Situao atual da Poltica Nacional de Ateno ao Cncer
  • Slide 34
  • Desafios para uma Poltica Nacional de Ateno ao Cncer Desenvolver estratgias que promovam a qualidade de vida e sade Atuar em carter intersetorial nos condicionantes e determinantes das principais neoplasias malignas Organizar linhas de cuidado Ampliar a cobertura da assistncia
  • Slide 35
  • Desafios para uma Poltica Nacional de Ateno ao Cncer (Cont.) Definir critrios de funcionamento, monitoramento e avaliao de servios pblicos e privados Estimular projetos de estudo em incorporao tecnolgica Aprimorar os processos de gesto e de informao Qualificar a assistncia e promover a educao continuada
  • Slide 36
  • Ronaldo Corra Ferreira da Silva Diviso de Ateno Oncolgica CONPREV-INCA/MS rsilva@inca.gov.br (21) 3970-7515 INCA www.inca.gov.br