NR-1) NR-2) NR-3) NR-4) NR-5)

  • Published on
    10-Jan-2017

  • View
    213

  • Download
    1

Transcript

Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantao nos estabelecimentos de sade at 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsade por serem os que trazem risco de contaminao aos aos profissionais da sade. Aps a implantao desta primeira fase, outros 32 itens sero escolhidos e avaliados pela primeira fase, outros 32 itens sero escolhidos e avaliados pela diretoria e assim, sucessivamente, at que a NR-32 seja implantada integralmente.NR-1)O PPRA deve se reavaliado 01 (uma) vez ao ano e:a) sempre que se produza uma mudana nas condies de trabalho, que possa alterar a exposio aos agentes biolgicos;NR-2)Os documentos que compem o PPRA devero estar disponvelNR-3)O PCMSO, alm do previsto na NR-07, e observando o disposto no inciso I do item 32.2.2.1, deve contemplara) O reconhecimento e a avaliao dos riscos biolgicos;b) A localizao das reas de risco segundo os parmetros do item 32.2.2;c) A relao contendo a identificao nominal dos trabalhadores , sua funo, o local em que desempenham suas atividades e o risco a que esto expostos;d) A vigilncia mdica dos trabalhadores potencialmente expostos;e) O programa de vacinaoNR-4)Sempre que houver transferncia permanente ou ocasional de um trabalhador para outro posto ocasional, que implique mudana de risco, esta deve ser comunicada de imediato ao mdico coordenador ou responsvel pelo PCMSO.NR-5)O PCMSO deve estar a disposio dos trabalhadores, bem como da inspeo do trabalho.NR-6)Em toda ocorrncia de acidente, envolvendo riscos biolgicos, com ou sem afastamento do trabalhador, deve ser emitida a Comunicao de Acidente de Trabalho CAT.NR-7)Os trabalhadores no devem deixar o local de trabalho com os equipamentos de proteo individual e as vestimentas utilizadas em suas atividades laboratoriaisNR-8)A higienizao das vestimentas utilizadas nos centros cirrgicos e obsttricos, servios de tratamento intensivo, unidades de pacientes com doenas infecto-contagiosa e quando houver contato direto da vestimenta com o material orgnico, deve ser de responsabilidade do empregador. NR-9)Os equipamentos de Proteo individual EPIs - , descartveis ou no, devero estar a disposio em numero suficiente nos postos de trabalho, de for maque seja garantido o imediato fornecimento ou reposio.NR-10)O empregador deve assegurar capacitao aos trabalhadores antes do incio das atividades e da forma continuada, devendo ser ministrada:a) Sempre que ocorra uma mudana das condies de exposio dos trabalhadores aos agentes biolgicos;b) Durante a jornada de trabalho;c)por profissionais de sade familiarizados com os riscos inerentes aos agentes biolgicosNR-11)A Capacitao deve der adaptada evoluo do conhecimento e identificao de novos riscos biolgicos e deve incluir:a) Dados disponveis sobre riscos potenciais para a sadeb) Medidas de controle que minimizem a exposio aos agentes;c) Normas e procedimentos de higiene;d) Utilizao de equipamento de proteo coletiva, individual e vestimenta de trabalhoe) Medidas papa a preveno de acidentes e incidentes;f)medidas a serem adotadas pelos trabalhadores no caso de ocorrncia de incidentes e acidentes.NR-12)Deve ser fornecido ao trabalhador comprovante de vacinas recebidas.NR-13) vedado o procedimento de reutilizao das embalagens de produtos qumicos.NR-14)Capacitar, inicialmente e de forma continuada, os trabalhadores envolvidos para a utilizao segura de produtos qumicos.NR-15)A manipulao ou fracionamento dos produtos qumicos deve ser feito por trabalhador qualificadoNR-16)Toda trabalhadora gestante s ser liberada para o trabalho em reas com possibilidade de exposio a gases ou vapores anestsicos aps autorizao, por escrito, do mdico responsvel pelo PCMSO, considerando as informaes contidas no PPRA.NR-17)O vestirio deve dispor de:a) pia e material para lavar e sacar mos;b) lava-olhos, o qual pode ser substitudo por uma ducha, tipo higinica;c) chuveiro de emergncia;d) equipamentos de proteo individual e vestimentas para uso e reposio;e) armrios para guarda de pertences;f) recipientes para descarte de vestimentas usadas.NR-18)Todos os profissionais diretamente envolvidos devem lavar adequadamente as mos antes e aps a retirada das luvas.NR-19)Nas reas de preparao, armazenamento e administrao e para transporte deve ser mantido umkit de derramamento identificado e disponvel, que deve conter, no minimo, luvas de procedimento, avental impermevel, compressas absorventes, proteo respiratria, proteo ocular, sabo, recipiente identificado para recolhimento de resduos e descrio de procedimento.NR-20)O atendimento das exigncias desta NR, com relao s radiaes ionizantes no desobriga o empregador de observar as disposies estabelecidas pelas normas especficas da Comisso Nacional Nuclear CNEN e da Agencia Nacional de Vigilncia Sanitria ANVISA -, do Ministrio da Sade.NR-21)O Trabalhador que realize atividades em reas onde existam fontes de radiao ionizantes deve:a) permanecer nestas reas o menor tempo possvel para a realizao do procedimento;b) ter conhecimento dos riscos radiolgicos associados ao seu trabalho;c) estar capacitado inicialmente e de forma continuada em proteo radiolgica;d) usar os EPIs adequadose) estar sob monitorao individual de dose de radiao ionizante, nos casos em que a exposio seja ocupacional.NR-22)O mdico coordenador do PCMSO ou o encarregado pelos exames mdicos, previstos na NR-07, deve estar familiarizado com os efeitos e a teraputica associados exposio decorrente das atividades de rotina ou de acidentes com radiao ionizantes.NR-23)Cabe ao empregador capacitar, inicialmente e de forma continuada, os trabalhadores nos seguintes assuntos:a) segregao, acondicionamento e transporte dos resduos;b) definies, classificao e potencial de risco dos resduos;c) sistema, classificao e potencial de risco dos resduos;d) formas de reduzir a gerao de resduos;e)conhecimento das responsabilidades e de tarefas;f)reconhecimento dos smbolos de identificao das classes de resduos;g)conhecimento do sobre a utilizao dos veculos de coleta;h)orientao quanto ao uso de Equipamentos de Proteo Individual EPIs.NR-24)A lavanderia deve possuir duas reas distintas, sendo uma considerada suja e outra limpa, devendo ocorrer na primeira o recebimento, classificao, passagem e laveguem de roupas, e na Segunda, a manipulao das roupas lavadas.NR-25 )As mquinas de lavar, centrifugas e secadoras devem ser dotadas de dispositivos eletromecnicos que interrompam seu funcionamento quando a abertura de seus compartimentos.NR-26)Os trabalhadores que realizam a limpeza dos servios de sade devem ser capacitados, inicialmente e de forma continuada, quanto aos princpios de higiene pessoal, risco biolgicos, risco qumico, sinalizao, rotulagem, EPI, EPC, e procedimento em situaes de emergncia.NR-27)A comprovao da capacitao deve ser mantida no local de trabalho, disposio de inspeo do trabalho.NR-28)Para as atividades de limpeza e conservao cabe ao empregador, no mnimo:a) providencias carro funcional destinado a guarda e transporte dos matrias e produtos indispensveis realizao das atividades;b) providencias matrias e utenslios de limpeza que preservem a integridade fsica do trabalhador;c) proibir a varrio seca das reas internas;d) proibir o uso de adornosNR-29)Os trabalhadores que realizam a manuteno, alm do treinamento especfico para sua atividade, devem tambm ser submetidos capacitao inicial e de forma continuada, com objetivo de mante-los familiarizados com os princpios de:a) higiene pessoal;b) riscos biolgicos (precaues universais), fsico e qumico;c) sinalizao;d) rotulagem preventiva;e) tipos de EPC e EPI, acessibilidade e deu uso correto.NR-30)No processo de elaborao e implementao do PPRA e do PCMSO devem ser consideradas as atividades desenvolvidas pela Comisso de Controle de Infeco Hospitalar CCIH do estabelecimento ou da comisso equivalente.NR-31)Antes da utilizao de qualquer equipamento, os operadores devem ser capacitados quanto ao modo de operao e seus riscos.NR-32)Os trabalhadores dos servios de sade devem ser:a) capacitados para adotar mecnica corporal correta, na movimentao de pacientes ou de matrias, de forma a preservar a sade e integridade fsica.b) orientados nas medidas a serem tomadas diante de pacientes com distrbios de comportamento.Conhea a ntegra da NR-32 em www.sinsaude.org.br*observao: informaes retiradas da cartilha do projeto 32, fornecida pelo projeto.http://www.sinsaude.org.br/