Novas Regras Do Futsal( Regras Novas 11)

  • Published on
    18-Jul-2015

  • View
    120

  • Download
    0

Transcript

Novas regras do futsal 2011Futsal do Brasil passa a adotar novidades na regra em 2011 A temporada de 2011 ainda nem comeou, mas o futsal brasileiro j tem novidades importantes. A partir do dia 1 de janeiro, passaram a vigorar as novas regras da modalidade e, por isso, rbitros, jogadores e comisso tcnica tero que ficar atentos s mudanas, aprovadas em setembro de 2010 pela comisso de arbitragem para futsal da Federao Internacional de Futebol (FIFA). Dentre as novidades, duas chamam mais a ateno. A primeira a que envolve a participao dos goleiros na partida e a segunda trata de lances que ocorrem aps o apito final do cronmetro. Outras mudanas tambm sero aplicadas, como a possibilidade de cobrar o tiro lateral sem a bola em cima da linha e a delimitao da rea reservada aos tcnicos. Para o diretor de arbitragem da Confederao Brasileira de Futebol de Salo (CBFS), Paraguassu Fisch de Figueiredo, as novas regras fazem parte da inteno da Fifa de difundir a prtica do futsal pelo mundo. Nossos jogos so vistos em todo o mundo e, por isso, temos que nos adaptar a essas regras, pois o futsal brasileiro referncia na modalidade, afirmou. Segundo ele, as mudanas no Brasil s passaram a valer a partir do dia 1 de janeiro, pois, no h como alterar as regras durante a temporada. A Fifa decidiu pela alterao no fim de setembro, mas nossas competies j estavam em andamento. Por isso, nas competies nacionais elas s comeam a valer a partir de 2011, explicou. Porm, todas as competies internacionais da modalidade disputadas a partir de setembro de 2010 j foram realizadas de acordo com as novas regras. Dentre elas, podem ser destacadas o 6 Grand Prix de Futsal, o Campeonato Sul-Americano sub-20, o I Torneio Mundial de Futsal Feminino e todos os amistosos da Seleo Brasileira. Mudanas O goleiro a posio mais afetada pelas novas regras, segundo Paraguassu. A principal mudana que, a partir de agora, quando o arqueiro efetuar o arremesso de meta, ele no mais poder receber a bola em qualquer parte da quadra sem ela tocar no adversrio. Caso ele receba a bola sem ela pegar em algum jogador do outro time, ser dado tiro livre indireto, explicou o diretor de arbitragem. Alm disso, com a bola em jogo, o goleiro s poder receber a bola no campo de ataque, o que ir alterar a utilizao do goleiro-linha. Segundo Paraguassu, a mudana quer evitar que os times usem a estratgia para, na expresso do futsal, cozinhar o jogo. No ter mais aquilo de ficar tocando a bola e fazendo o tempo correr. Por isso mudaram a regra,

disse o dirigente. A ltima mudana em relao ao goleiro que, no arremeso lateral, ele s poder receber o passe no seu campo de defesa uma vez. Outra alterao importante trata do apito final do cronmetro. Agora, se um jogador chutar a bola e disparar o sinal do fim da partida, o rbitro deve esperar a concluso da jogada para encerrar o jogo. Caso a bola entre no gol ou toque no goleiro e ultrapasse a linha, o gol validado. No entanto, caso ela toque em qualquer outro jogador, a jogada terminada e a arbitragem pode encerrar a partida. Antes disso, o disparo da sirene significava automaticamente o final do jogo. As outras mudanas que Paraguassu destaca so a possibilidade de cobrana do lateral at a 25 cm para fora da linha lateral e a sada de bola do crculo central. Agora, para valer o gol, a bola tem que tocar em algum jogador adversrio. A ltima alterao destacada pelo diretor de arbitragem a possibilidade de iniciar a partida com uma equipe ou at as duas possuindo apenas o goleiro e dois jogadores de linha. Confira abaixo o novo texto das regras REGRA 01 QUADRA DE JOGO 4- REA PENAL No sero permitidas marcaes na rea penal que no estejam previstas na regra. (Marcao dos cinco metros onde o goleiro deve ficar) 8- ZONA DE SUBSTITUIES E REA TCNICA 2. A rea tcnica dever ser marcada junto zona de substituies, a uma distncia de 0,75 (setenta e cinco) centmetros da linha lateral, no mesmo alinhamento do incio da zona de substituies e terminando 1 (um) metro aps o trmino da zona de substituies, fechando at o alinhamento dos bancos de reservas, onde o tcnico ou treinador poder permanecer em p e passar as instrues para sua equipe. REGRA 03 NMERO DE JOGADORES 2- vedado o incio de uma partida sem que as equipes tenham no mnimo 3 (trs) jogadores, nem ser permitida sua continuao ou prosseguimento se uma das equipes, ou ambas, ficar reduzida a menos de 3 (trs) jogadores na quadra de jogo. 4- h) No pode ser feitas substituies durante o pedido de tempo tcnico. Aps o sinal informando o trmino do tempo tcnico, os jogadores devem retornar para dentro da quadra e fazerem as substituies. INFRAES E SANES 11.Quando 2 jogadores sendo um de cada equipe forem expulsos ao mesmo tempo, e antes de transcorrido os dois minutos das expulses um outro jogador for expulso, se essa equipe sofrer um gol, poder repor imediatamente um jogador no tempo correspondente a

primeira expulso e as outras reposies sero aps completado dois minutos de cada expulso; 26. Se um jogador for expulso antes do incio do jogo, poder ser substitudo por um jogador do banco de reservas. Se um jogador do banco de reservas for expulso antes do incio ou durante o jogo, no poder ser substitudo. RECOMENDAES: i) O jogador no pode executar nenhuma cobrana antes de entrar na quadra; j) No permitir nenhuma pessoa no banco de reservas que no esteja relacionado em smula; k) No permitir que sejam feitas substituies tentando ludibriar arbitragem e a equipe adversria. REGRA 04 EQUIPAMENTOS DOS JOGADORES 1- vedado ao jogador o uso de qualquer objeto reputado pelo rbitro como perigoso ou nocivo prtica do desporto. O rbitro exigir a remoo de qualquer objeto que, a seu critrio, possa molestar ou causar dano ao adversrio ou a si prprio. No podero usar piercing, brincos, pulseiras, cordes, colares, anis ou alianas. No sendo obedecido em sua determinao, ordenar a expulso do mesmo. DA COMISSO TCNICA Os membros da comisso tcnica podem permanecer no banco de reservas usando bermudas desde que tenham uma identificao do clube (nome ou escudo) ou agasalhos, desde que sejam uniformes dos clubes. No ser permitido uso de camisas sem mangas, sandlias ou chinelos uso de qualquer tipo de aparelho de comunicao (rdio, telefone, etc) DOS RBITROS 3- Quando em baixas temperaturas podero usar camisas de manga longa, cala, cinto, meias e tnis brancos. 5- Os rbitros no podem usar relgios ou qualquer tipo de jias. RECOMENDAES: p) O jogador que sair da quadra para arrumar o uniforme somente pode retornar com autorizao de um dos rbitros; q) No permitir o uso de tornozeleiras por fora dos meies, ainda que sejam da mesma cor dos meies. REGRA 05 RBITRO PRINCIPAL E AUXILIAR

w) O rbitro auxiliar deve estar preparado para assumir a funo de rbitro principal em caso de necessidade; z) Os rbitros devem usar sempre as sinalizaes corretas de acordo com o livro de regras. RECOMENDAES: c) Os rbitros sempre que possvel devem aplicar a lei da vantagem; d) Os rbitros devem considerar algumas circunstncias para decidirem se devem aplicar a vantagem ou interromperem o jogo dependendo da falta, local onde ocorreu, oportunidade clara de gol ou falta aps a quinta; e) Quando for caso de aplicao de carto devem paralisar o jogo para penalizar, caso no seja uma situao clara de gol; f) Um dos rbitros deve contar os quatro segundos levantando um dos braos na vertical e que a contagem fique pblica, de acordo com a regra, exceto nos tiros livres diretos que dever contar mentalmente para no confundir com tiro livre indireto; g) Quando os rbitros perceberem que por questes tticas o jogador atrasa o reinicio de jogo, pode iniciar a contagem dos quatro segundos, mesmo que o jogador no esteja de posse da bola; h) A lei de vantagem quando aplicada, o rbitro que est no lance dever sinalizar com o uso de seus dois braos em um ngulo de 45 graus, apenas por alguns instantes, e aps a paralisao do lance, mandar marcar uma falta acumulativa para a equipe infratora. REGRA 06 CRONOMETRISTA E ANOTADOR O ANOTADOR ter como atribuies: r) Entregar aos treinadores antes do incio de cada perodo uma plaqueta para o pedido de tempo tcnico e recolher no final quando no for solicitado; s) Entregar uma ficha ao treinador ou na falta deste, a um membro da comisso tcnica, quando tiver jogador expulso, onde deve constar o tempo em que o jogador substituto poder entrar em quadra; t) O anotador e cronometrista devem sempre ajudarem os rbitros e vice-versa, fazendo um trabalho de equipe. RECOMENDAES: e) Os anotadores devem portar as plaquetas de pedidos de tempo tcnico e de controle do tempo de expulses. REGRA 07 DURAO DA PARTIDA

2- O controle do tempo ser de responsabilidade de um cronometrista cujas funes esto especificadas na regra 06. O cronometrista determinar com o uso de seu apito ou ao toque da sirene do cronmetro o final de cada perodo. Um dos rbitros ao ouvir o sinal finalizar o perodo ou a partida observando a seguinte situao: - Em caso de ter que executar ou repetir um tiro livre dos 10 metros, tiro penal ou tiro livre direto aps a sexta falta acumulada, se prorrogar a partida at que seja executada a cobrana. 3- Se a bola for chutada em direo a uma das metas e o cronometrista apitar ou a sirene do placar eletrnico tocar finalizando um dos perodos, os rbitros finalizaro o jogo quando: a) A bola entre diretamente na meta e se anotar um gol; b) A bola saia dos limites e da superfcie de jogo; c) A bola toque no goleiro, nos postes ou travesso e ultrapasse a linha de meta e a anote um gol; d) Se no for cometido uma infrao que obrigue a repetir um tiro livre direto, de um tiro penal ou se durante a trajetria nenhuma das equipes comete infrao sancionada com tiro livre direto a partir da sexta falta acumulada ou tiro penal. e) O perodo ou jogo terminar quando o goleiro executar a defesa, a bola tocar em algum jogador, exceto o goleiro defensor, tocar nas traves ou travesso e retornar a quadra ou quando a bola sair da quadra de jogo.. 4- a) Os tcnicos, treinadores ou membros da comisso tcnica das equipes devero solicitar o tempo tcnico apresentando a plaqueta de pedido de tempo tcnico ao anotador ou ao cronometrista; d) Nos pedidos de tempo tcnico, no ser permitido que os jogadores reservas e membros da comisso tcnica entrem na quadra. Os jogadores que estavam jogando podem sair da quadra, sentar no banco de reservas para receberem instrues de seus tcnicos ou treinadores. gua ou qualquer outro rehidratante lquido dever ser servida fora da quadra; 6- O tcnico ou treinador, no momento de orientar seus jogadores, quando da partida em andamento, no poder aproximar-se a menos de 5 (cinco) metros de distncia da mesa destinada ao cronometrista e anotador nem ultrapassar o limite de sua rea tcnica em direo ao fundo de quadra. RECOMENDAES: d) Quando esgotado o tempo regulamentar de qualquer perodo do jogo ou perodo suplementar, no exato momento em que ocorrer uma infrao, ser concedido tempo adicional na partida para a execuo de penalidade mxima e tiro livre direto sem barreira ou quando a bola estiver na trajetria da meta;

f) O Cronometrista deve alertar aos rbitros, quando faltar um minuto para o encerramento da partida e aquele que estiver na lateral ao lado da mesa de anotaes, deve procurar ficar prximo desta, aonde o cronometrista ir lhe informando o tempo que ainda resta para o trmino da partida, para que possa encerr-la simultaneamente junto com o toque da campainha do placar eletrnico ou o apito do cronometrista, desde que no esteja na trajetria da meta, tiro penal ou tiro direto aps a sexta falta acumulada; h) Sempre que for assinalado um gol, o anotador e o cronometrista antes de fazerem suas anotaes devem confirmar com os rbitros o nmero do jogador que assinalou o gol. REGRA 08 BOLA DE SADA 7- No ser vlido o tento consignado diretamente de bola de sada. RECOMENDAES: c) Na bola de sada, para que o gol seja vlido a bola dever ser tocada ou tocar em qualquer outro jogador. d) Se na bola de sada o jogador chutar diretamente na meta adversria e a bola entrar sem tocar em nenhum jogador, os rbitros marcaro tiro de meta. REGRA 10 CONTAGEM DE TENTOS 4- O trmino do 1 e 2 perodos de tempo normal e do tempo suplementar ser determinado por um dos rbitros, no exato momento em que o cronometrista avis-lo do trmino do tempo regulamentar com o toque da campainha ou do apito, exceto quando a bola estiver na trajetria do gol, que ser finalizada aps concluir a trajetria da bola. RECOMENDAES: c) Se a bola estiver indo na direo da meta ao trmino do 1 ou 2 perodos ou ainda no trmino do perodo suplementar e o tempo terminar, os rbitros devem esperar o final da trajetria da bola para encerrar a partida. REGRA 12 FALTAS E INCORREES Para que seja considerada uma falta devemos reunir as seguintes condies: - Ser cometida por um jogador de quadra ou reserva que no tenha cumprido corretamente o procedimento de substituio; - Dever ocorrer na superfcie de jogo; - Ocorrer quando a bola est em jogo. 1- As faltas e incorrees sero penalizadas com: a) Tiro Livre Direto;

b) Tiro Livre Indireto. TIRO LIVRE INDIRETO 3- Ser concedido um tiro livre indireto em favor de uma equipe quando um jogador adversrio cometer uma das seguintes infraes: a) Estando o goleiro com a bola em jogo: 4. Aps haver tocado na bola ou arremessando-a com as mos ou movimentando a mesma com os ps volta a receb-la de um companheiro de equipe postado em sua meia quadra de jogo, de forma intencional, sem que a bola tenha sido jogada ou tocada, por um adversrio. Na quadra de ataque poder receber normalmente a bola. SANES DISCIPLINARES a) Carto Amarelo; b) Carto Vermelho. Somente os jogadores titulares e reservas podem ser penalizados com cartes amarelos e vermelhos. Deve ser apresentado o carto de forma pblica somente na superfcie do jogo aps a partida ter iniciado. Nos demais casos os rbitros informam ao treinador de forma verbal a penalizao. Os rbitros tm autoridade para tomar medidas disciplinares desde o momento em que chegam ao local do jogo, at a entrega da smula na entidade pela qual estejam atuando. a) O jogador ser, obrigatoriamente, penalizado com carto amarelo se na opinio dos rbitros, cometerem uma das seguintes infraes: 14. No momento da cobrana de qualquer infrao ou colocao da bola em jogo, passar por traz da meta adversria para ludibriar a arbitragem e adversrios. Dever ser penalizado por sair da quadra de jogo sem autorizao da arbitragem. - Se no momento que foi executada a cobrana o jogador j estava fora da quadra, o rbitro paralisa o jogo, aplica carto amarelo e manda repetir o lance; - Se no momento que foi executada a cobrana o jogador estava dentro da quadra e depois saiu, o rbitro paralisa o jogo, aplica carto amarelo e marca um tiro livre indireto contra sua equipe. RECOMENDAES: 4) Quando membros da comisso tcnica ou jogadores reservas, entrarem na quadra tentando ou impedindo a marcao de um tento contra a sua equipe, conseguindo ou no seu intento, o rbitro dever expuls-los do jogo. Sua equipe deve ser penalizada com um tiro livre indireto, a ser cobrado no local onde ocorreu o toque, a tentativa ou a interveno;

13) Imprudente, significa que o jogador mostrou falta de ateno ou considerao ao jogar contra o adversrio ou ainda, jogou sem precauo. No ser necessria uma sano disciplinar adicional se a falta for considerada imprudente; 14) Temerria, significa que o jogador realiza uma ao sem levar em conta o risco e conseqncias para seu adversrio. O jogador que atua de maneira temerria dever ser penalizado com carto; 15) Com uso de fora excessiva, significa que o jogador se excede na fora aplicada, correndo o risco de lesionar o seu adversrio. O jogador que usa fora excessiva dever ser expulso; 16) Para se considerar mo, tem que haver um movimento da mo ou brao em direo a bola, considerar tambm a distncia percorrida pela bola e chegando de forma inesperada; 17) Quando for o caso de abrir contagem dos quatro segundos, sempre deve ser feito pelo rbitro mais prximo da jogada; 18) O jogador pode se colocar entre a bola e o adversrio, sem usar as mos e que a bola esteja em movimento; 19) Quando o jogador est em condies de pegar a bola para reiniciar o jogo e este no o faz, o rbitro inicia a contagem dos quatro segundos; 20) Se o jogador levantar a bola intencionalmente para devolver de cabea, peito, joelho, etce o goleiro pegar ou tocar com as mos, ser cobrado tiro indireto do jogador que devolveu e no local onde ele se encontrava; 21) Os jogadores podem comemorar o gol sem excessos em suas coreografias e desde que no retardem o reinicio da partida; 22) O capito das equipes no possui nenhum privilgio na regra em relao aos demais jogadores, devendo cumprir rigorosamente como os demais. 23) Com a bola em jogo, o goleiro poder receber em devoluo de um seu companheiro, sem que a mesma tenha ultrapassado o meio da quadra, desde que tenha antes tocado em adversrio ou que seja considerada uma devoluo involuntria; 24) Com a bola em jogo o goleiro poder receber em devoluo de um seu companheiro, sem que a mesma tenha tocado em adversrio, somente na quadra de ataque. 25) Os rbitros devem considerar as circunstncias para decidirem se devem expulsar o jogador por impedir um gol ou oportunidade clara de gol considerando, a distncia entre a infrao e a meta, a possibilidade do jogador manter a posse de bola, a direo da jogada, o local e o nmero de jogadores defensores, se a infrao impede uma oportunidade clara de gol atravs de uma falta de tiro livre direto ou indireto. Se for cometida por um jogador do banco de reservas dever sempre ser expulso;

26) Se um jogador impede a marcao de um gol por meio de uma mo voluntria, aps o reincio do jogo, no qual no se pode marcar um gol diretamente, este jogador no deve ser expulso e sim advertido com carto amarelo por conduta antidesportiva e a equipe penalizada com um tiro livre direto ou tiro penal. REGRA 13 TIROS LIVRES 5- Um tiro livre direto sem direito a formao de barreira deve ser cobrado para frente, com inteno de chutar em direo a meta, no podendo a bola em sua trajetria ser tocada por outro jogador da sua equipe. 9- Se o jogador da equipe adversria no respeitar a distncia de 5 (cinco) metros da bola, antes do tiro livre ser executado e a bola movimentada, o rbitro mandar repetir a cobrana do tiro livre e aplicar carto amarelo ao infrator, observando sempre a lei da vantagem. 14- Quando for tiro livre direto, os rbitros devem levantar o brao na horizontal, sinalizando a direo em que deve ser cobrado, com a mo do outro brao sinalizando em direo a quadra, de maneira que fique bem claro para todos, que se trata de uma falta acumulada. RECOMENDAES: g) Se um tiro livre for cobrado pelo goleiro e aps a bola entrar em jogo, e o mesmo volta a tocar na bola com a mo, antes que outro jogador o toque, os rbitros devero: - Se for fora da rea de meta marcar um tiro livre direto e uma falta acumulativa; - Se for dentro da rea de meta marcar um tiro livre indireto; * e se for dentro da rea ser tiro livre indireto; h) Se um jogador cobrar um tiro livre a partir da sexta falta, sem a inteno de chutar para a meta e um jogador de sua equipe tocar na bola, o rbitro paralisar o jogo e cobrar um tiro livre indireto contra sua equipe. REGRA 14 PENALIDADE MXIMA RECOMENDAES: f) Na corrida para a cobrana o jogador pode fazer fintas mas no pode parar, pois ser considerado como atitude antidesportiva devendo ser penalizado com carto amarelo e manda repetir a cobrana; g) Se o rbitro mandar repetir a cobrana, pode ser trocado o executor da cobrana; h) O jogador que executa a cobrana, pode passar para um companheiro, desde que essa cobrana seja para frente. REGRA 15 TIRO LATERAL

4- A bola estar em jogo assim que o tiro lateral for concretizado de acordo com esta regra, e a bola depois de movimentada entrar na quadra de jogo. 9- Na execuo do tiro lateral a bola dever estar apoiada no solo, ser colocada na direo onde saiu, estar imvel ou podendo mover-se levemente, colocada sobre a linha lateral ou no mximo 25 (vinte e cinco) centmetros para fora da linha. 11- A equipe que for executar o tiro lateral dever faz-lo nos 4 segundos posteriores em que a bola esteja disposio. 13- Se o goleiro cobrar o tiro lateral em sua meia quadra de jogo, ele no poder receber a bola, em sua meia quadra vinda de um seu companheiro enquanto a bola no tocar em jogador adversrio. Se for um companheiro que executou a cobrana, o goleiro poder receber uma vez em sua meia quadra. 14- Se o goleiro receber a bola em sua meia quadra de jogo vinda de um companheiro e o mesmo for de posse de bola para o ataque, no poder retornar com ela para sua metade, sem antes tocar em um jogador adversrio. Se isso ocorrer ser marcado um tiro livre indireto contra o goleiro. 15- Se o goleiro receber a bola na quadra de ataque poder retornar para sua quadra respeitando os quatro segundos. RECOMENDAES: c) A bola estar em jogo quando for movimentada e entrar ou tocar na linha lateral; e) Quando a bola sair pela linha lateral, imediatamente o rbitro dever indicar para que lado deve ser cobrado apontando com o brao num ngulo de 45 (quarenta e cinco graus) acima de sua cabea; REGRA 16 ARREMESSO DE META 7- Aps o goleiro executar o arremesso de meta e a bola ter entrado em jogo, no poder receb-la de um companheiro de equipe, em qualquer parte da quadra, sem que a bola tenha antes sido jogada ou tocada por um adversrio. 9- Se o goleiro executar a cobrana de maneira incorreta, os rbitros devem mandar repetir a cobrana e reinicia a contagem dos quatro segundos a partir dos segundos que j tinham passado aps a primeira autorizao, at que seja cobrado corretamente ou ultrapasse os quatro segundos. PUNIO c) Se o goleiro, aps ter posto a bola em jogo a recebe de volta de um seu companheiro, toca ou controla a bola com as mos, ou com os ps, sem esta haver tocado em jogador adversrio, sua equipe ser punida com um tiro livre indireto a favor da equipe adversria, com a bola colocada no local onde ocorreu a infrao, salvo se ocorrido dentro de sua rea penal, quando a bola ser colocada sobre a linha da rea e no ponto mais prximo de onde ocorreu a infrao;

RECOMENDAES: a) Se aps o arremesso de meta, a bola for devolvida ao goleiro, em qualquer parte da quadra, sem que seja antes tocada por jogador adversrio, os rbitros devero penalizar com um tiro indireto; b) O goleiro pode arremessar a bola com os jogadores adversrios dentro da rea penal, desde que estes no prejudiquem o arremesso. REGRA 17 TIRO DE CANTO 9- Se um jogador demorar mais de 4 (quatro) segundos para executar o tiro de canto, o rbitro determinar a perda de posse de bola e a partida reiniciada com a cobrana de um arremesso de meta a favor da equipe adversria. ANEXOS ANEXO II DECISO POR PENALIDADES MXIMAS c) As equipes devem ser equilibradas com o mesmo nmero de jogadores antes do incio das cobranas. Se uma equipe possui mais jogadores que a outra, o capito da equipe deve indicar o nmero de cada jogador que deve ser excludo. Podem executar as cobranas todos os jogadores relacionados em smula, como tambm qualquer jogador relacionado para as cobranas, pode ser designado como goleiro, desde que seu uniforme seja adequado. d) Se uma equipe tiver que reduzir o nmero de jogadores para equiparar-se ao nmero de jogadores da equipe adversria, esta equipe poder excluir os goleiros como cobradores ficando somente para atuarem como goleiros; e) O goleiro reserva poder substituir ao goleiro titular a qualquer momento; o) Durante as cobranas o rbitro principal dever ficar no fundo de quadra, o rbitro auxiliar prximo a bola, o goleiro companheiro do executor do lado oposto aos bancos de reservas, as comisses tcnicas junto aos seus bancos de reservas;