Ns Nos Tornamos Naquilo Que Amamos

  • Published on
    29-Dec-2015

  • View
    8

  • Download
    1

Transcript

Ns Nos Tornamos Naquilo Que Amamos

Ns Nos Tornamos Naquilo Que Amamospor A. W. Tozer

Estamos todos num processo de transformao. J samos daquilo que ramos e chegamos a esta posio onde estamos; agora estamos caminhando para aquilo que seremos.Saber que nosso carter no slido e imutvel e, sim, flexvel e malevel no , em si, uma idia que incomoda. De fato, a pessoa que conhece a si mesma pode receber grande consolo ao compreender que no est petrificada no seu estado atual; que possvel deixar de ser aquilo que se envergonha de ter sido at ento; e que pode caminhar em direo transformao que seu corao tanto almeja. O que perturba no o fato de estarmos em transformao, e sim no qu estamos nos tornando; no problema o estarmos em movimento, precisamos saber para onde estamos nos movendo. Pois no est na natureza humana mover-se num plano horizontal; ou estamos subindo ou descendo, alando vo ou afundando. Quando um ser moral (com o poder de escolha) se desloca de uma posio a outra, necessariamente para o melhor ou para o pior. Isto confirmado por uma lei espiritual revelada no Apocalipse: "Continue o injusto fazendo injustia, continue o imundo ainda sendo imundo; o justo continue na prtica da justia, e o santo continue a santificar-se" (Ap 22.11). No s estamos todos num processo de transformao, mas estamos nos tornando naquilo que amamos. Em grande medida, somos a somatria de tudo que amamos e, por necessidade moral, cresceremos na imagem daquilo que mais amamos; pois o amor, entre outras coisas, uma afinidade criativa; muda, molda, modela e transforma. sem dvida o mais poderoso agente que afeta a natureza humana depois da ao direta do Esprito Santo dentro da alma. O objeto do nosso amor, ento, no um assunto insignificante a ser desprezado. Pelo contrrio, de importncia atual, crtica e permanente. proftico do nosso futuro. Mostra-nos o que seremos e, desta forma, prediz com preciso nosso destino eterno.Amar objetos errados fatal para o crescimento espiritual; torce e deforma a vida e torna impossvel a imagem de Cristo se formar na alma humana. somente quando amamos as coisas certas que ns mesmos podemos estar certos; e somente enquanto continuamos amando-as que podemos nos deslocar lenta, mas firmemente, em direo aos objetos da nossa afeio purificada. Isto nos d em parte (e somente em parte) uma explicao racional para o primeiro e grande mandamento: "Amars o Senhor, teu Deus, de todo o teu corao, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento" (Mt 22.37).Tornar-se semelhante a Deus , e precisa ser, o supremo objetivo de toda criatura moral. Esta a razo da sua criao, a finalidade sem a qual no existiria nenhuma desculpa para sua existncia. Deixando de fora, no momento, aqueles estranhos e belos seres celestiais a respeito dos quais conhecemos to pouco (os anjos), concentraremos nossa ateno na raa cada da humanidade. Criados originalmente na imagem de Deus, no permanecemos no nosso estado original, deixamos nossa habitao apropriada, ouvimos os conselhos de Satans e andamos de acordo com o curso deste mundo e com o esprito que agora opera nos filhos da desobedincia. Mas Deus, que rico em misericrdia, com seu grande amor com que nos amou, mesmo quando estvamos mortos em nossos pecados, proveu-nos expiao. A suprema obra de Cristo na redeno no foi salvar-nos do inferno, mas restaurar-nos semelhana de Deus, ao propsito declarado em Romanos 8: "Porquanto aos que de antemo conheceu, tambm os predestinou para serem conformes imagem de seu Filho" (Rm 8.29). Embora a perfeita restaurao imagem divina aguarda o dia do aparecimento de Cristo, a obra da restaurao est em andamento agora. H uma lenta, porm firme, transmutao do vil e impuro metal da natureza humana para o ouro da semelhana divina, que ocorre quando a alma contempla com f a glria de Deus na face de Jesus Cristo ( 2 Co 3.18).

Supremo Amor a DeusNeste ponto, seria proveitoso antecipar uma dificuldade e tentar esclarec-la. a questo que surge de um conceito errado sobre o amor. Este conceito errado pode ser definido mais ou menos assim: O amor volvel, imprevisvel e quase totalmente fora do nosso controle. Surge espontaneamente e tanto pode perdurar como apagar-se sozinho. Como, ento, podemos controlar nosso amor? Como podemos direcion-lo para objetos mais ou menos dignos? E, especialmente, como podemos obrig-lo a focalizar-se em Deus como o objeto apropriado e permanente da sua devoo? Se o amor fosse, de fato, imprevisvel e alm do nosso controle, estas perguntas no teriam respostas satisfatrias e nossa perspectiva seria desoladora. A simples verdade, entretanto, que o amor espiritual no esta emoo caprichosa e irresponsvel que as pessoas pensam erroneamente que . O amor servo da nossa vontade e sempre ter de ir para onde for enviado e fazer o que lhe foi ordenado. A expresso romntica "apaixonar-se" nos deu a noo que somos obrigatoriamente vtimas das flechas do Cupido e que no podemos ter controle algum sobre nossos sentimentos. Os jovens hoje esperam se apaixonar e ser arrebatados por uma tempestade de emoes deliciosas. Inconscientemente, estendemos este conceito de amor nossa relao com o Criador e nos perguntamos: Como podemos nos obrigar a amar a Deus acima de todas as coisas?A resposta a esta pergunta, e a todas as outras relacionadas a ela, que o amor que temos por Deus no o amor do sentir, mas o amor do querer. O amor est dentro do nosso poder de escolha, de outra forma no teramos na Bblia a ordem de amar a Deus, nem teramos de prestar contas por no am-lo. A mistura do ideal de amor romntico com o conceito de como nos relacionar com Deus foi extremamente prejudicial s nossas vidas crists. A idia de que necessrio "apaixonar-se" por Deus, como algo passivo da nossa parte, fora do nosso controle, uma atitude ignbil, antibblica, indigna da nossa parte e que certamente no traz honra alguma ao Deus Altssimo. No chegamos ao amor por Deus atravs de uma repentina visitao emotiva. O amor por Deus vem do arrependimento, de um desejo de mudar o rumo da vida e de uma determinao resoluta de am-lo. medida que Deus entra de maneira mais completa no foco do nosso corao, nosso amor por ele pode, de fato, expandir-se e crescer dentro de ns at varrer, qual enchente, tudo que estiver sua frente.Mas no devemos esperar por esta intensidade de sentimento. No somos responsveis por sentir, somos responsveis por amar, e o verdadeiro amor espiritual comea com o querer. Devemos fixar nosso corao para amar a Deus acima de todas as coisas, por mais frio ou duro que este possa estar, e depois confirmar nosso amor atravs de cuidadosa e alegre obedincia sua Palavra. Emoes prazerosas certamente seguiro. Cnticos de passarinhos e flores no produzem a primavera, mas quando a primavera chega todos estes sinais a acompanharo. Agora, apresso-me em negar qualquer identificao com a idia popular de salvao por esforo humano ou fora de vontade. Estou radicalmente oposto a toda forma de doutrina, com "capa" crist, que ensina a depender da "fora latente dentro de ns", ou a confiar em "pensamento criativo" no lugar do poder de Deus. Todas estas filosofias infundadas falham exatamente no mesmo ponto por presumirem erroneamente que a correnteza da natureza humana possa ser levada a voltar e subir as cataratas no sentido contrrio. Isto impossvel. "A salvao vem do Senhor". Para ser salvo, o homem perdido precisa ser alcanado pelo poder de Deus e elevado a um nvel superior. Precisa haver uma transmisso de vida divina no mistrio do novo nascimento, antes de poder aplicar sua vida as palavras do apstolo: "E todos ns, que com a face descoberta contemplamos a glria do Senhor, segundo a sua imagem estamos sendo transformados com glria cada vez maior, a qual vem do Senhor, que o Esprito" (2 Co 3.18, NVI).Ficou estabelecido aqui, espero, que a natureza humana est num processo de formao e que vai progressivamente se transformando na imagem daquilo que ama. Homens e mulheres so amoldados por suas afeies e poderosamente afetados pelo desenho artstico daquilo que amam. Neste mundo admico e cado, isto produz diariamente tragdias de propores csmicas. Pense no poder que transformou um garotinho inocente, de bochechas rosadas, num Nero ou num Hitler. E Jezabel, ser que sempre foi a mulher maldita cuja cabea nem os cachorros quiseram comer? No! No princpio, ela tambm sonhou com a pureza de uma garotinha e se enrubescia ao pensar no amor sentimental; mas logo ficou atrada por coisas perversas, admirava-as e finalmente passou a am-las. A a lei da afinidade moral tomou conta e Jezabel, como argila na mo do oleiro, se tornou aquele ser deformado e odioso que os eunucos jogaram pela janela (2 Rs 9.30-37).

Objetos Morais Dignos do Nosso AmorNosso Pai celestial proveu para seus filhos objetos morais e dignos de serem admirados e amados. So para Deus como as cores no arco-ris em volta do trono. No so Deus, porm esto mais prximos a Deus; no podemos am-lo sem amar estas coisas e medida que as amarmos, seremos capacitados a am-lo ainda mais. Quais so elas?A primeira justia. Nosso Senhor Jesus amava justia e odiava iniqidade (Hb 1.9). Por esta razo, Deus o ungiu com o leo da alegria acima de todos seus companheiros. Aqui temos um padro definido. Amar implica tambm em odiar. O corao atrado justia ser repelido pela iniqidade no mesmo grau de intensidade; esta repulso moral dio. A pessoa mais santa aquela que mais ama a justia e que odeia o mal com o dio mais perfeito. Depois vem a sabedoria. Temos a palavra "filosofia", que vem dos gregos e significa o amor sabedoria; porm os profetas hebreus vieram antes dos filsofos gregos e seu conceito de sabedoria era muito mais elevado e espiritual do que qualquer coisa que se conhecesse na Grcia. A literatura da sabedoria no Velho Testamento Provrbios, Eclesiastes e alguns dos Salmos pulsa com um amor sabedoria desconhecido at por Plato. Os escritores do Velho Testamento colocam a sabedoria num plano to elevado que s vezes mal conseguimos distinguir a sabedoria que vem de Deus da sabedoria que Deus. Os hebreus anteciparam por alguns sculos o conceito grego de Deus como a essncia da sabedoria, embora seu conceito da sabedoria fosse mais moral do que intelectual. Para os hebreus, o homem sbio era o homem bom e piedoso, e sabedoria na sua maior nobreza era amar a Deus e guardar seus mandamentos. O pensador hebreu no conseguia separar sabedoria de justia. Um outro objeto para o amor cristo a verdade. Aqui tambm teremos dificuldade em separar a verdade de Deus da sua pessoa. Cristo disse: "Eu sou a verdade", e ao dizer isso, uniu verdade com a divindade de forma indissolvel. Amar a Deus amar a verdade, e amar a verdade com ardor constante crescer em direo imagem da verdade e afastar-se da mentira e do erro.No necessrio tentar relacionar todas as outras coisas boas e santas que Deus aprovou como nossos modelos. A Bblia as coloca diante de ns: misericrdia, bondade, pureza, humildade, compaixo e muitas outras, e aqueles que forem ensinados pelo Esprito sabero o que fazer a respeito delas.Em sntese, devemos amar e cultivar interesse em tudo que moralmente belo. Foi por isto que Paulo escreveu aos filipenses: "Finalmente, irmos, tudo o que for verdadeiro, tudo o que for nobre, tudo o que for correto, tudo o que for puro, tudo o que for amvel, tudo o que for de boa fama, se houver algo de excelente ou digno de louvor, pensem nessas coisas" (Fp 4.8).

Fonte: Extrado do livro God Tells the Man Who Cares (Deus Conta ao Homem Que se Importa), de A. W. Tozer.

Recommended

View more >