NORMA REGULAMENTADORA 11 - NR 11 ? A NR 11 possui os seguintes itens: 11.1 Normas de Segurana para

  • Published on
    12-Jun-2018

  • View
    213

  • Download
    1

Transcript

  • NORMA REGULAMENTADORA 11 - NR 11 TRANSPORTE,

    MOVIMENTAO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS

  • INFORMAO INICIAL

    As informaes contidas nestes slides foram extradas do texto da NR 11, alm de de fotografias extradas da internet e de algumas explicaes tambm extradas de sites da internet que explicam a NR 11. Assim no final de cada slide que possui informao extrada da internet est devidamente citado o site consultado.

  • A NR 11 possui os seguintes itens:

    11.1 Normas de Segurana para Operao de Elevadores, Guindastes, Transportadores Industriais e Mquinas Transportadoras

    11.2 Normas de Segurana do Trabalho em Atividades de Transporte de Sacas

    11.3 Armazenamento de Materiais

    11.4 Movimentao, Armazenagem e Manuseio de Chapas de Mrmore, Granito e Outras Rochas

    Anexo I

    http://www.guiatrabalhista.com.br/legislacao/nr/nr11.htm

  • O disposto na NR-11 se complementa

    com demais normas regulamentadoras NR-08 Edificaes;

    NR-12 - Mquinas e Equipamentos; NR-17 - Ergonomia; NR-18 - Condies e Meio Ambiente de Trabalho na Indstria da Construo; NR 19 - Explosivos NR-20 - Lquidos Combustveis e Inflamveis; NR-22 - Segurana e Sade Ocupacional na Minerao; NR-26 - Sinalizao de Segurana; NR-29 - NR de Segurana e Sade no Trabalho Porturio; NR-30 - Norma Regulamentadora de Segurana e Sade no Trabalho Aquavirio; NR-31 Norma Regulamentadora de Segurana e Sade no Trabalho na Agricultura,

    Pecuria Silvicultura, Explorao Florestal e Aquicultura.

    http://www.guiatrabalhista.com.br/legislacao/nr/nr20.htmhttp://www.guiatrabalhista.com.br/legislacao/nr/nr20.htmhttp://www.guiatrabalhista.com.br/legislacao/nr/nr20.htm

  • Outras disposies

    Conveno OIT 127 - Peso mximo das cargas que podem ser transportadas por um s trabalhador

    Resoluo ANTT 420, de 12/02/04 - Instrues complementares ao Regulamento do Transporte Terrestre de Produtos Perigosos

    http://www.ilo.org/ilolex/cgi-lex/convds.pl?C127http://www.ilo.org/ilolex/cgi-lex/convds.pl?C127http://www.ilo.org/ilolex/cgi-lex/convds.pl?C127http://www.ilo.org/ilolex/cgi-lex/convds.pl?C127http://www.ilo.org/ilolex/cgi-lex/convds.pl?C127http://www.antt.gov.br/resolucoes/00500/Resolucao420_2004.htmhttp://www.antt.gov.br/resolucoes/00500/Resolucao420_2004.htmhttp://www.antt.gov.br/resolucoes/00500/Resolucao420_2004.htmhttp://www.antt.gov.br/resolucoes/00500/Resolucao420_2004.htmhttp://www.antt.gov.br/resolucoes/00500/Resolucao420_2004.htm

  • RISCOS QUE ENVOLEM Transporte, Movimentao e Armazenamento de materiais

    Risco Ergonmico: est presente no manuseio de cargas e pode causar problemas de sade principalmente por utilizao de mtodos errados ou por sobrecarga. Risco Mecnico : ocasionado principalmente quedas de materiais e queda de trabalhadores que resultam consequncias indesejveis para a integridade fsica e psquica dos atingidos e envolvidos, em cortes e esmagamento, alm falar nas perdas para a empresa.

  • Risco Qumico: O transporte de cargas perigosas e a utilizao de equipamentos mecnicos de combusto em locais fechados geram riscos qumicos que podem causar asfixia , contaminao e intoxicao. Risco fsico rudo proveniente das mquinas, calor proveniente dos ambientes de trabalho - vibrao ocasionada pelas mquinas e pisos, dentre outros.

  • NR11

    11.1 Normas de segurana para operao de elevadores, guindastes, transportadores industriais e mquinas transportadoras

  • 11.1.1 Os poos de elevadores e monta-cargas devero ser cercados, solidamente, em toda sua altura, exceto as portas ou cancelas necessrias nos pavimentos.

  • 11.1.2 Quando a cabina do elevador no estiver ao nvel do pavimento, a abertura dever estar protegida por corrimo ou outros dispositivos convenientes.

  • Os equipamentos utilizados na movimentao de materiais, sero calculados e construdos de maneira que ofeream as necessrias garantias de resistncia e segurana e conservados em perfeitas condies de trabalho.

  • Grande interao com a NR 18

  • Cabos de ao, cordas, correntes, roldanas e ganchos que devero ser inspecionados, permanentemente, substituindo-se as suas partes defeituosas.

  • As inspees frequentes consistem na avaliao visual por pessoa qualificada e familiarizada antes do incio de cada trabalho de modo a detectar possveis danos no cabo de ao que possam causar riscos durante o uso, como seguem abaixo:

  • -Distores no cabo, tais como: dobras, amassamentos, alongamento do passo, gaiola de passarinho, perna fora de posio ou alma saltada; -Corroso em geral; -Pernas rompidas ou cortadas; -Nmero, distribuio e tipo de ruptura dos arames visveis.

  • ALMA SALTADA

    GAIOLA DE PASSARINHO

    DOBRA

  • INSPEES

    As inspees frequentes e peridicas no precisam ser realizadas em intervalos iguais e devem ser mais frequentes quando se aproxima o final da vida til do cabo de ao. As inspees peridicas devem ser realizadas por pessoa qualificada. Recomenda-se que sejam feitas inspees dirias, realizadas pelo operador, antes do incio de cada turno. Os operadores sero treinados para identificar visualmente os defeitos, devendo existir uma lista de verificao para que seja possvel registr-los.

    http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAu_sAL/nr-11

  • NORMAS PERTINENTES ABNT

  • ABNT NBR 6327 - Cabo de ao para uso geral: requisitos mnimos; ABNT NBR 11900 - Extremidades de laos de cabos de ao; ABNT NBR 13541 - Movimentao de carga: lao de cabo de ao: especificao; ABNT NBR 13542 - Movimentao de carga: anel de carga; ABNT NBR 13543 - Movimentao de carga: laos de cabo de ao: utilizao e inspeo; ABNT NBR 13544 - Movimentao de carga: sapatilha para cabo de ao; ABNT NBR 13545 - Movimentao de carga: manilhas.

  • EQUIPAMENTOS DE GUINDAR

    Em todo o equipamento ser indicado, em lugar visvel, a carga mxima de trabalho permitida.

  • Vdeos: http://www.youtube.com/watch?v=p1zKtd5jG5I at 2

    minutos http://www.youtube.com/watch?v=66kwr5J2PO0 at 3

    minutos http://www.youtube.com/watch?v=QmIe1DoBP6o A partir de 2 minutos

    http://www.youtube.com/watch?v=p1zKtd5jG5Ihttp://www.youtube.com/watch?v=p1zKtd5jG5Ihttp://www.youtube.com/watch?v=66kwr5J2PO0http://www.youtube.com/watch?v=QmIe1DoBP6o

  • Equipamentos destinados movimentao do pessoal sero exigidas condies especiais de segurana.

  • Nos equipamentos de transporte, com fora motriz prpria, o operador dever receber treinamento especfico, dado pela empresa, que o habilitar nessa funo.

    (Esta exigncia, transfere para a empresa a responsabilidade no s pelo treinamento, mas tambm pelo contedo que garanta a qualificao do Operador.)

  • Os operadores de equipamentos de transporte motorizado devero ser habilitados e s podero dirigir se durante o horrio de trabalho portarem um carto de identificao, com o nome e fotografia, em lugar visvel.

  • O carto ter a validade de 1 (um) ano, salvo imprevisto, e, para a revalidao, o empregado dever passar por exame de sade completo, por conta do empregador.

  • Os equipamentos de transporte motorizados devero possuir sinal de advertncia sonora (buzina

  • http://segurancadotrabalhonwn.com/validade-do-curso-de-empilhadeira/

  • Nos locais fechados ou pouco ventilados, a emisso de gases txicos, por mquinas transportadoras, dever ser controlada para evitar concentraes, no ambiente de trabalho, acima dos limites permissveis.

  • Em locais fechados e sem ventilao, proibida a utilizao de mquinas transportadoras, movidas a motores de combusto interna, salvo se providas de dispositivos neutraliza dores adequados

  • Mesmo em locais fechados e sem ventilao onde so usadas mquinas com dispositivos neutralizadores de emisses gasosas conforme cita o item 11.1.10, o ambiente deve ser monitorado de forma a verificar a eficcia dos mesmos. Estas atividades devem ser mencionadas no PPRA.

    ....

  • .....

    De acordo com a NR 22, no item 2.11.11, fica vedado a utilizao de equipamentos de movimentao eltricos em reas classificadas onde exista a probabilidade de formao de atmosferas explosivas, devendo ser dada a preferncia por motores movidos a GLP ou gs natural.

    http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAu_sAL/nr-11?part=2

  • 11.2 Normas de segurana do trabalho em atividades de transporte de sacas

  • http://www.youtube.com/watch?v=KArrj8d4qks

    Passar AT 3 MINUTOS E 12 SEGUNDOS

    http://www.youtube.com/watch?v=KArrj8d4qks

  • "Transporte manual de sacos" toda atividade realizada de maneira contnua ou descontnua, essencial ao transporte manual de sacos, na qual o peso da carga suportado, integralmente, por um s trabalhador, compreendendo tambm o levantamento e sua deposio.

  • http://segurancaesaudedotrabalho.blogspot.com.br/2010/09/normas-de-seguranca-do-trabalho-em.html

  • http://www.ufrrj.br/institutos/it/de/acidentes/ergo2.htm

  • Verifica-se que os problemas lombares apresentados por trabalhadores que manuseiam cargas pesadas no Brasil, representam aproximadamente 70% dos casos (Nogueira, 1987).

    http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAu_sAL/nr-11?part=2

  • Distncia mxima de 60,00m (sessenta metros) para o transporte manual de um saco.

    vedado o transporte manual de sacos, atravs de pranchas, sobre vos superiores a 1,00m (um metro) ou mais de extenso.

  • As pranchas devero ter a largura mnima de 0,50m (cinquenta centmetros).

    Na operao manual de carga e descarga de sacos, em caminho ou vago, o trabalhador ter o auxlio de ajudante.

  • CLT art. 198

    Art. 198 - de 60 kg o peso mximo que um empregado pode remover individualmente, ressalvadas as disposies especiais relativas ao trabalho do menor e da mulher.

    nico - No est compreendida na proibio deste artigo a remoo de material feita por impulso ou trao de vagonetes sobre trilhos, carros de mo ou quaisquer outros aparelhos mecnicos, podendo o Ministrio do Trabalho, em tais casos, fixar limites diversos, que evitem sejam exigidos do empregado servios superiores s suas foras.

  • Ergonomia

    o homem no foi feito para carregar cargas.

    NIOSH mximo 23 Kg nas melhores condies Frmula que considera variveis como: pega, distncia vertical, horizontal, etc.

  • http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-67622007000400015&script=sci_arttext

  • As pilhas de sacos, nos armazns, devem ter altura mxima limitada ao nvel de resistncia do piso, forma e resistncia dos materiais de embalagem e estabilidade, baseada na geometria, tipo de amarrao e inclinao das pilhas.

    http://pt.dreamstime.com/fotos-de-stock-royalty-free-pilha-de-sacos-do-arroz-image31873658

  • No processo mecanizado de empilhamento, aconselha-se o uso de esteiras-rolantes, dallas (calhas ou sulcos para escoamento de gua e outros lquidos)ou empilhadeiras.

    Esteira transpor tadora

    http://www.logismarket.ind.br/maquinas-cabrini/esteira-transportadora/1978336678-1179618385-p.html

  • http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAu_sAL/nr-11?part=3

  • Para operar empilhadeira: operador capacitado com treinamento especfico.

  • Quando no for possvel o emprego de processo mecanizado, admite-se o processo manual, mediante a utilizao de escada removvel de madeira, com as seguintes caractersticas:

  • a) lance nico de degraus com acesso a um patamar final;

    b) a largura mnima de 1,00m (um metro), apresentando o patamar as dimenses mnimas de 1,00m x 1,00m (um metro x um metro) e a altura mxima, em relao ao solo, de 2,25m (dois metros e vinte e cinco centmetros);

  • c) dever ser guardada proporo conveniente entre o piso e o espelho dos degraus, no podendo o espelho ter altura superior a 0,15m (quinze centmetros), nem o piso largura inferior a 0,25m (vinte e cinco centmetros);

    d) dever ser reforada, lateral e verticalmente, por meio de estrutura metlica ou de madeira que assegure sua estabilidade;

  • e) dever possuir, lateralmente, um corrimo ou guarda-corpo na altura de 1,00m (um metro) em toda a extenso;

    f) perfeitas condies de estabilidade e segurana, sendo substituda imediatamente a que apresente qualquer defeito

  • http://laerciojsilva.blogspot.com.br/2012/06/nr-18-ilustrada-escadas-coletivas-e-de.html

  • A NR 18, estabelece ainda:

    18.12.1 A madeira a ser usada para construo de escadas, rampas e passarelas deve ser de boa qualidade, sem apresentar ns e rachaduras que comprometam sua resistncia, estar seca, sendo proibido o uso de pintura que encubra imperfeies.

  • O piso do armazm dever ser constitudo de material no escorregadio, sem aspereza, utilizando-se, de preferncia, o mastique asfltico, e mantido em perfeito estado de conservao.

    Deve ser evitado o transporte manual de sacos em pisos escorregadios ou molhados.

  • A empresa dever providenciar cobertura apropriada dos locais de carga e descarga da sacaria

  • 11.3 Armazenamento de materiais.

    O peso do material armazenado no poder exceder a capacidade de carga calculada para o piso.

    Material disposto de forma a evitar a obstruo de portas, equipamentos contra incndio, sadas de emergncias, etc.

  • Empilhamento tem que ficar afastado das estruturas laterais do prdio a uma distncia de pelo menos 50 cm.

    A disposio da carga no dever dificultar o trnsito, a iluminao, e o acesso s sadas de emergncia.

    O armazenamento dever obedecer aos requisitos de segurana especiais a cada tipo de material.

  • ANEXO I DA NR-11

    Publicao D.O.U.

    Portaria SIT n. 56, 17 de setembro de 2003 17/09/03

    REGULAMENTO TCNICO DE PROCEDIMENTOS PARA MOVIMENTAO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE CHAPAS DE MRMORE, GRANITO E OUTRAS ROCHAS

  • http://www.youtube.com/watch?v=GCysRYaZHyU

    RETIRAR TODAS AS PROPAGANDAS DA EMPRESAS DE DEIXAR APENAS OS EQUIPAMENTOS

    http://www.youtube.com/watch?v=GCysRYaZHyU

  • GLOSSRIO

    As imagens constantes do glossrio foram extradas do site:

    http://luamdesouzakemper.blogspot.com.br/2010/06/pedras-naturais-as-pedras-naturais.html

  • Carro porta-bloco: Carro que

    fica sob o tear com o bloco;

    Carro porta-bloco: Carro que fica sob o tear com o bloco. http://luamdesouzakemper.blogspot.com.br/2010/06/pedras-naturais-as-pedras-naturais.html

  • Carro transportador: Carro que leva o carro porta-bloco at o tear.

  • Cavalete triangular: Pea metlica em formato triangular com uma base de apoio usado para armazenagem de chapas de mrmore, granito e outras rochas.

  • Cavalete vertical: Pea metlica em formato de pente colocado na vertical apoiado sobre base metlica, usado para armazenamento de chapas de mrmore, granito e outras rochas.

  • Fueiro: Pea metlica em formato de L (para os carros porta-bloco mais antigos), ou simples, com um de seus lados encaixados sobre a base do carro porta-bloco, que tem por finalidade garantir a estabilidade das chapas durante e aps a serrada e enquanto as chapas estiverem sobre o carro.

  • Cintas: Equipamento utilizado para a movimentao de cargas diversas.

  • Palitos: Hastes metlicas usadas nos cavaletes verticais para apoio das chapas de mrmore, granito e outras rochas.

  • Tear: Equipamento robusto composto de um quadro de lminas de ao, que apoiadas sobre o bloco de pedra; quando acionadas, fazem um movimento de vai e vem, serrando a pedra de cima para baixo sendo Imprescindvel o uso gradual de areia, granalha de ao e gua para que seja possvel o transpasse do bloco de rochas.

  • Ventosa: Equipamento a vcuo usado na movimentao de chapas de mrmore, granito e outras rochas.

  • Texto do anexo 1

    1. Fueiros

    1.1. As chapas serradas, ainda sobre o carro transportador e dentro do alojamento do tear, devem receber proteo lateral para a impedir a queda das mesmas - proteo denominada L ou Fueiro

  • a) os equipamentos devem ser calculados e construdos de maneira que ofeream as necessrias garantias de resistncia e segurana e conservados em perfeitas condies de trabalho;

    b) em todo equipamento ser indicado, em lugar visvel, o nome do fabricante, o responsvel tcnico e a carga mxima de trabalho permitida;

  • c) os encaixes dos L (Fueiros) devem possuir sistema de trava que impea a sada acidental dos mesmos.

  • 2. Carro porta-bloco e Carro transportador

    2.1. O uso de carros porta-bloco e carros transportadores devem obedecer aos seguintes requisitos mnimos:

  • a) os equipamentos devem ser calculados e construdos de maneira que ofeream as necessrias garantias de resistncia e segurana e serem conservados em perfeitas condies de trabalho, atendendo as instrues do fabricante;

  • b) em todo equipamento deve ser indicado, em lugar visvel, o nome do fabricante, o responsvel tcnico e a carga mxima de trabalho permitida;

  • c) tanto o carro transportador como o porta-bloco devem dispor de proteo das partes que ofeream risco para o

    operador, com ateno especial aos itens:

    - condies dos cabos de ao;

    - ganchos e suas protees;

    - proteo das roldanas;

  • - proteo das rodas do carro;

    - proteo das polias e correias;

    - proteo das partes eltricas.

  • d) o operador do carro transportador e do carro porta-bloco, bem como a equipe que trabalhar na movimentao do material, deve receber treinamento adequado e especfico para a operao;

    e) alm de treinamento, informaes e instrues, os trabalhadores devem receber orientao em servio, que consistir de perodo no qual desenvolvero suas atividades sob orientao de outro trabalhador experiente ou sob superviso direta, com durao mnima de trinta dias;

    f) para operao de mquinas, equipamentos ou processos diferentes daqueles a que o operador estava habituado, deve ser feito novo treinamento, de modo a qualific-lo utilizao dos mesmos;

  • g) aps a retirada do carro porta-bloco do alojamento do tear, as protees laterais devem permanecer at a retirada de todas as chapas;

    h) nenhum trabalho pode ser executado com pessoas entre as chapas;

  • i) devem ser adotados procedimentos para impedir a retirada de chapas de um nico lado do carro transportador, com objetivo de manter a estabilidade do mesmo;

    j) a operao do carro transportador e do carro porta-bloco deve ser realizada, por no mnimo duas pessoas treinadas conforme a alnea d.

  • 3. Ptio de Estocagem

    3.1. Nos locais do ptio onde for realizada a movimentao e armazenagem de chapas, devem ser observados os seguintes critrios:

    a) O piso no deve ser escorregadio, no ter salincias e ser horizontal, facilitando o deslocamento de pessoas e

    materiais;

  • b) O piso deve ser mantido em condies adequadas devendo a empresa garantir que o mesmo tenha resistncia suficiente para suportar as cargas usuais;

    c) Recomenda-se que a rea de armazenagem de chapas seja protegida contra intempries.

  • PATIO DE ESTOCAGEM

  • 3.2. As empresas que estejam impedidas de atender ao prescrito no item 3.1 devem possuir projeto alternativo com as justificativas tcnicas da impossibilidade alm de medidas acessrias para garantir segurana e conforto nas atividades de movimentao e armazenagem das chapas.

  • 4. Cavaletes

    4.1. Os cavaletes devem estar instalados sobre bases construdas de material resistente e impermevel, de forma a garantir perfeitas condies de estabilidade e de posicionamento, observando-se os seguintes requisitos:

    a) os cavaletes devem garantir adequado apoio das chapas e possuir altura mnima de um metro e cinquenta centmetros;

  • b) os cavaletes verticais devem ser compostos de sees com largura mxima de vinte e dois centmetros;

    c) os palitos dos cavaletes verticais devem ter espessura que possibilite resistncia aos esforos das cargas usuais e serem soldados, garantindo a estabilidade e impedindo o armazenamento de mais de dez chapas em cada seo;

    d) cada cavalete vertical deve ter no mximo seis metros de comprimento com um reforo nas extremidades;

  • e) deve ser garantido um espao, devidamente sinalizado, com no mnimo oitenta centmetros entre cavaletes verticais;

    f) a distncia entre cavaletes e as paredes do local de armazenagem deve ser de no mnimo cinquenta centmetros;

    g) os cavaletes devem ser conservados em perfeitas condies de uso;

  • h) em todo cavalete deve ser indicado, em lugar visvel, o nome do fabricante, o responsvel tcnico e a carga mxima de trabalho permitida;

    i) a rea de circulao de pessoas deve ser demarcada e possuir no mnimo um metro e vinte centmetros de largura;

    j) o espao destinado para carga e descarga de materiais deve possuir largura de, no mnimo, uma vez e meia a largura do maior veculo utilizado e ser devidamente demarcado no piso;

  • l) os cavaletes em formato triangular devem ser mantidos em adequadas condies de utilizao, comprovadas por vistoria realizada por profissional legalmente habilitado;

    m) as atividades de retirada e colocao de chapas em cavaletes devem ser realizadas sempre com pelo menos uma pessoa em cada extremidade da chapa.

  • 4.2. Recomenda-se a adoo de critrios para a separao no armazenamento das chapas, tais como cor, tipo do material ou outros critrios de forma a facilitar a movimentao das mesmas.

  • 4.3. Recomenda-se que as empresas mantenham, nos locais de armazenamento, os projetos, clculos e as especificaes tcnicas dos cavaletes.

  • 5. Movimentao de chapas com uso de ventosas

    5.1. Na movimentao de chapas com o uso de ventosas devem ser observados os seguintes requisitos mnimos:

    a) a potncia do compressor deve atender s necessidades de presso das ventosas para sustentar as chapas quando de sua movimentao;

  • b) as ventosas devem ser dotadas de vlvulas de segurana, com acesso facilitado ao operador, respeitando os aspectos ergonmicos

  • c) as mangueiras e conexes devem possuir resistncia compatvel com a demanda de trabalho;

    d) as ventosas devem ser dotadas de dispositivo auxiliar que garanta a conteno da mangueira, evitando seu ricocheteamento em caso de desprendimento acidental;

  • e) as mangueiras devem estar protegidas, firmemente presas aos tubos de sada e de entrada e, preferencialmente, afastadas das vias de circulao;

    f) o fabricante do equipamento deve fornecer manual de operao em portugus, objetivando treinamento do operador;

  • g) as borrachas das ventosas devem ter manuteno peridica e imediata substituio em caso de desgaste ou defeitos que as tornem imprprias para uso;

    h) o empregador deve destinar rea especfica para a movimentao de chapas com uso de ventosa, de forma que o trabalho seja realizado com total segurana; esta rea deve ter sinalizao adequada na vertical e no piso;

  • i) procedimentos de segurana devem ser adotados para garantir a movimentao segura de chapas na falta de energia eltrica.

  • 5.2. Recomenda-se que os equipamentos de movimentao de chapas, a vcuo, possuam alarme sonoro e visual que indiquem presso fora dos limites de segurana estabelecidos.

  • video

    http://www.youtube.com/watch?v=fhjr295DQXk

    At 2minutos e 40 segundos

    http://www.youtube.com/watch?v=fhjr295DQXkhttp://www.youtube.com/watch?v=fhjr295DQXk

  • 6. Movimentao de chapas com cabos de ao, cintas, correias e correntes

    6.1. Na movimentao de chapas, com a utilizao de cabos de ao, cintas, correias e correntes, deve ser levada em conta a capacidade de sustentao das mesmas e a capacidade de carga do equipamento de iar, atendendo as especificaes tcnicas e recomendaes do fabricante.

  • 6.2. Correntes e cabos de ao devem ser adquiridos exclusivamente de fabricantes ou de

    representantes autorizados, sendo proibida a aquisio de sucatas , em especial de atividades porturias.

  • 6.3. O empregador deve manter as notas fiscais de aquisio dos cabos de ao e correntes no estabelecimento disposio da fiscalizao.

  • 6.4. Em todo equipamento deve ser indicado, em lugar visvel, o nome do fabricante, o responsvel tcnico e a carga mxima de trabalho permitida.

  • 6.5. Os cabos de ao, correntes, cintas e outros meios de suspenso ou trao e suas conexes, devem ser instalados, mantidos e inspecionados conforme especificaes tcnicas do fabricante.

  • 6.6. O empregador deve manter em arquivo prprio o registro de inspeo e manuteno dos cabos de ao, cintas, correntes e outros meios de suspenso em uso.

  • AVISOS 6.7. O empregador deve destinar rea especfica com sinalizao adequada, na vertical e no piso, para a movimentao de chapas com uso de cintas, correntes, cabos de ao e outros meios de suspenso.

  • 7. Movimentao de Chapas com Uso de Garras

    7.1. A movimentao de chapas com uso de

    garras s pode ser realizada pegando-se uma chapa por vez e por no mnimo trs trabalhadores e observando -se os seguintes requisitos mnimos:

  • a) no ultrapassar a capacidade de carga dos elementos de sustentao e a capacidade de carga da ponte rolante ou de outro tipo de equipamento de iar, atendendo as especificaes tcnicas e recomendaes do fabricante;

  • b) todo equipamento de iar deve ter indicado,

    em lugar visvel, o nome do fabricante, o responsvel tcnico e a carga mxima de trabalho permitida;

  • c) as reas de movimentao devem propiciar condies de forma que o trabalho seja realizado com total segurana e serem sinalizadas de forma adequada, na vertical e no piso.

  • 7.2. As empresas devem ter livro prprio para registro de inspeo e manuteno dos elementos de sustentao usados na movimentao de chapas com uso de garras.

    7.2.1. As inspees e manutenes devem ser realizadas por profissional legalmente habilitado e dado conhecimento ao empregado.

  • 8. Disposies Gerais

    8.1. Durante as atividades de preparao e retirada de chapas serradas do tear devem ser toma das providncias para impedir que o quadro inferior porta lminas do tear caia sobre os trabalhadores.

  • 8.2. As instrues, visando a informao, qualificao e treinamento dos trabalhadores, devem ser redigidas em linguagem compreensvel e adotando metodologias, tcnicas e materiais que facilitem o aprendizado para preservao de sua segurana e sade.

  • 8.3. Na construo dos equipamentos utilizados na movimentao e armazenamento de chapas devem ser observadas no que couber as especificaes das normas da ABNT e outras nacionalmente aceitas.

  • 8.4. Fica proibido o armazenamento e a disposio de chapas sobre paredes, colunas, estruturas metlicas ou outros locais que no sejam os cavaletes especificados neste Regulamento Tcnico de Procedimentos.

  • 8.2. As instrues, visando a informao, qualificao e treinamento dos trabalhadores,

    devem ser redigidas em linguagem compreensvel e adotando metodologias, tcnicas e materiais que facilitem o aprendizado para preservao de sua segurana e sade.

  • 8.3. Na construo dos equipamentos utilizados na movimentao e armazenamento de chapas devem ser observadas no que couber as

    especificaes das normas da ABNT e outras nacionalmente aceitas.

  • 8.4. Fica proibido o armazenamento e a disposio de chapas sobre paredes, colunas, estruturas metlicas ou outros locais que no sejam os cavaletes especificados neste Regulamento Tcnico de Procedimentos.

  • INFORMAES ADICIONAIS EXTRADAS DA APOSTILA DO PROFESSOR Renato Gustavo

  • Equipamentos para Transporte de Materiais

    Para escolher o melhor equipamento para transporte de materiais devemos analisar algumas informaes:

    -produto a ser transportado;

    -local e forma de armazenamento;

    -peso e dimenses da carga;

    -volume dirio de movimentao;

  • -distncia a ser percorrida;

    -tipo do piso;

    -existncia de obstculos no caminho;

    -dimenses do local de armazenamento e

    -ambiente de trabalho

  • Todos os equipamentos mecanizados tm de ser inspecionados antes do uso, e o operador deve estar habilitado para o seu manuseio.

    obrigatrio respeitar as condies de uso do equipamento, principalmente quanto carga suportada e manuteno.

  • 4.2.1. Carrinhos de Mo

    Nos carrinhos de uma roda, devemos seguir procedimentos de segurana, tais como calibrar o pneu e colocar a carga de forma que o peso esteja no eixo.

  • O carrinho de duas rodas muito utilizado no transporte de produtos volumosos como cilindros de gs, em distncias curtas. Devem ser dotados de freios e as cargas tm de ser devidamente amarradas. Em todos os casos os carrinhos devem ser equipados com proteo para as mos.

  • 4.2.2. Ponte Rolante

    Ponte Rolante o equipamento areo sobre trilhos, utilizado no transporte e movimentao de cargas e materiais.

  • Os operadores de pontes rolantes e guindastes devem ser treinados para a operao. O operador de ponte rolante deve seguir procedimentos de segurana como:

  • -somente operar o equipamento quando sentir que est apto;

    -avaliar as caractersticas da carga como peso e volume;

    -avaliar o funcionamento da ponte rolante;

    -buzinar somente quando necessrio;

  • -conhecer a capacidade da ponte rolante;

    -selecionar o cabo de ao auxiliar de acordo com o tipo de carga e peso. verifique ngulo dos cabos (consultar a tabela de pesos e capacidade dos cabos);

  • -fixar a carga adequadamente e no permitir peas soltas;

    -fazer o iamento lentamente e com cuidado;

    -transportar a carga com velocidade reduzida;

    -redobrar a ateno ao operar da cabine e com ajudante;

  • -certificar-se de que h espao suficiente para executar o transporte;

    -verificar se existem instalaes industriais no trajeto;

    -inicialmente, levantar a carga um pouco para testar se est nivelada;

  • -no permitir o trnsito de trabalhadores prximo carga;

    -permanecer na cabine e no subir ao topo da ponte;

    -dever desligar e bloquear a chave geral, antes de permitir a manuteno do equipamento;

  • -no levantar e descer a carga quando estiver com a ponte em movimento;

    -em caso de falta de energia eltrica, desligar a ponte rolante;

    -identificar os sinais de guindaste de lana;

  • no emendar correntes e outros acessrios;

    ao apoiar a carga, utilizar somente calos quadrados;

    no transportar pessoas na ponte rolante.

  • 4.2.3. Empilhadeira Empilhadeira um veculo automotor utilizado no transporte e movimentao de cargas e materiais. Os operadores de empilhadeira devem ser treinados para a operao.

  • Os procedimentos de segurana na operao de empilhadeiras envolvem uma verificao inicial: diariamente, o operador dever checar itens como luzes; nvel de leo; nvel de gua; sistema hidrulico; bateria; freio; buzina; combustvel e sistema pneumtico.

  • O operador deve tambm:

    -respeitar a carga mxima prevista para o equipamento;

    -no utilizar dois ou mais equipamentos para transportar uma carga de volume ou peso superior ao limite de cada um separadamente;

  • -verificar se a carga a ser transportada est adequada;

    -levantar os garfos at a altura necessria para colocar a carga na pilha;

    -garantir boa visibilidade do local;

    -observar a sinalizao;

  • -trafegar com velocidade baixa;

    -no fazer movimentos bruscos;

    -no brincar durante a operao;

    -desligar o motor em caso de parada;

  • -manter distncia de segurana em relao a outros equipamentos;

    -no operar com as mos sujas

    -estacionar em local seguro;

    -acionar a buzina somente quando necessrio.

  • http://www.youtube.com/watch?v=GCysRYaZHyU RETIRAR TODAS AS PROPAGANDAS DA EMPRESAS DE DEIXAR APENAS OS EQUIPAMENTOS

    ERGONOMIA ; LEVANTAMENTO DE PESO

    http://www.youtube.com/watch?v=KArrj8d4qks AT 3 MINUTOS E 12 SEGUNDOS

    http://www.youtube.com/watch?v=GCysRYaZHyUhttp://www.youtube.com/watch?v=GCysRYaZHyUhttp://www.youtube.com/watch?v=GCysRYaZHyUhttp://www.youtube.com/watch?v=KArrj8d4qkshttp://www.youtube.com/watch?v=KArrj8d4qks

  • TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

    Vdeo http://www.youtube.com/watch?v=qs1ejJnBptE at 4 minutos

    http://www.youtube.com/watch?v=qs1ejJnBptEhttp://www.youtube.com/watch?v=qs1ejJnBptE

Recommended

View more >