NORMA DNIT 085/2006 ES DNIT Demolio e remoo de ... ? NORMA DNIT 085/2006 ES 3 antes

  • Published on
    06-Jun-2018

  • View
    214

  • Download
    1

Transcript

NORMA DNIT 085/2006 ES DNIT Demolio e remoo de pavimentos: asfltico ou concreto Especificao de Servio Autor: Diretoria de Planejamento e Pesquisa / IPR Processo: 50.607.000.720 / 2006 - 18 Aprovao pela Diretoria Colegiada do DNIT na reunio de / / Direitos autorais exclusivos do DNIT, sendo permitida reproduo parcial ou total, desde que citada a fonte (DNIT), mantido o texto original e no acrescentado nenhum tipo de propaganda comercial. Palavras-chave: N total de pginas MINISTRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E PESQUISA INSTITUTO DE PESQUISAS RODOVIRIAS Rodovia Presidente Dutra, km 163 Centro Rodovirio Vigrio Geral Rio de Janeiro RJ CEP 21240-000 Tel/fax: (21) 3371-5888 Obras-de-arte especiais, recuperao de pontes, pavimentos, remoo. 06 Resumo Este documento define a sistemtica a ser adotada na execuo dos servios de recuperao, demolio, remoo e desconstituio dos pavimentos em obras-de-arte especiais. Descreve os procedimentos para a inspeo e avaliao do pavimento existente e as alternativas de sua recuperao ou remoo. Tambm trata do manejo ambiental, da inspeo e dos critrios de medio. Abstract This document describes the method of restoring, demolishing, removing (clearing) and unmaking the pavement surfaces on special road engineering structures. It describes the procedure for inspecting and evaluating the existing pavement and the alternatives to its restoration or removal. It also deals with environmental management, inspection and criteria for job measurements. Sumrio Prefcio ........................................................................ 1 1 Objetivo ................................................................ 1 2 Referncias normativas e bibliogrficas............... 2 3 Definio .............................................................. 2 4 Condies gerais.................................................. 2 5 Condies especficas......................................... 3 6 Manejo ambiental ................................................ 4 7 Condies de conformidade e no conformidade 4 8 Critrios de medio............................................ 4 ndice geral.................................................................. 6 Prefcio A presente Norma foi preparada pela Diretoria de Planejamento e Pesquisa para servir como documento base na definio da sistemtica para ser empregada na inspeo e avaliao do pavimento existente em obras-de-arte especiais, visando a sua recuperao, remoo ou substituio. Esta Norma est baseada na DNIT 001/2002 PRO. 1 Objetivo Esta Norma tem como objetivo estabelecer os procedimentos a serem seguidos nos servios de recuperao, demolio, remoo e reconstituio dos pavimentos de concreto em obras-de-arte especiais; os procedimentos incluem a inspeo do pavimento existente e a avaliao das opes de sua recuperao ou de sua substituio. NORMA DNIT 085/2006 ES 2 2 Referncias normativas e bibliogrficas 2.1 Referncias normativas a) ASSOCIAO BRASILEIRA DE NORMAS TCNICAS. NBR 6118: projeto de estruturas de concreto: procedimento. Rio de Janeiro, 2003. b) ______. NBR 7187: projeto de pontes de concreto armado e de concreto protendido: procedimento. Rio de Janeiro, 2003. 2.2 Referncias bibliogrficas a) AMERICAN ASSOCIATION OF STATE HIGHWAY TRANSPORTATION OFFICIALS. Guide specifications for concrete overlay of pavements and bridge decks. Washington, D.C., 1990. b) AMERICAN CONCRETE INSTITUTE. Concrete repair manual. 2nd. ed Farmington Hills, MI, 2003. c) DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. Manual de construo de obras-de-arte especiais. 2. ed. Rio de Janeiro, 1995. d) _______. Manual de projeto de obras-de-arte especiais. Rio de Janeiro, 1996. e) _______. Manual de sinalizao de obras e emergncias. Braslia, 1996. f) DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES. Manual de inspeo de pontes rodovirias. 2. ed. Rio de Janeiro, 2004. 3 Definio Nesta Norma, pavimento de concreto a camada de concreto superposta laje estrutural e sobre a qual trafegam os veculos; sem funo estrutural, uma camada de desgaste e de ampliao da rea de contacto das rodas dos veculos. Em pases de tcnica de construo mais apurada, esta camada inerte, e de peso aprecivel, substituda por uma espessura adicional da laje estrutural. Nos pequenos alargamentos de pista e nas substituies dos guarda rodas e guarda-corpos por barreiras tipo New Jersey, o pavimento tambm substitudo por uma sobre-laje de concreto armado, com armadura adequadamente dimensionada. 4 Condies gerais Nas pontes da malha rodoviria federal, a pavimentao, de concreto ou a asfltica, sempre foi uma camada inerte, de aprecivel espessura, superposta laje estrutural. O conhecimento do histrico da evoluo das ligaes da pavimentao com a laje estrutural indispensvel para anlise da origem das descontinuidades da pavimentao e da laje estrutural. a) nas obras mais antigas, a pavimentao de concreto era constituda de painis de dimenses aproximadas de at 5,0m / 5,0m, espessura varivel transversalmente, de 10cm a 15cm, para garantir uma declividade transversal de 2%; os painis do pavimento eram isolados da laje estrutural por uma fina camada de asfalto, material tambm usado como juntas entre os painis. Este tipo de pavimentao revelou-se deficiente, cedo apresentando fraturas nas juntas entre painis e, principalmente, nos vrtices dos painis; b) posteriormente, ainda com espessuras variando de 10cm a 15cm, eliminou-se a camada asfltica de separao entre pavimento e laje estrutural e as juntas entre painis passaram a ser juntas secas, com a concretagem dos painis em xadrez; c) finalmente, reduziu-se a espessura do pavimento para 7cm, garantindo-se as inclinaes transversais de 2% na prpria laje estrutural; os painis foram substitudos por concretagens contnuas e juntas de contrao serradas e tratadas com selantes. Com a eliminao do material isolante entre pavimento e laje estrutural, foi adotada uma atitude radicalmente oposta: a de garantir uma perfeita aderncia entre as duas camadas, pelo estado de superfcie spero, com o aparecimento do agregado grado, na laje estrutural, NORMA DNIT 085/2006 ES 3 antes do lanamento do pavimento, j ento melhor denominado de sobre-laje. A demolio de pavimentos com separaes definidas entre laje estrutural e pavimento fcil e pode ser efetuada com equipamentos mais pesados; quando no existem separaes definidas, deve-se utilizar equipamentos leves, para tambm no ser demolida parte da laje estrutural. Qualquer trabalho na pista desgastante, visto que, devendo ser executado em metade da pista de cada vez, implica em sinalizao, implantao e manuteno, desvio do trfego e restries, e at mesmo interrupes do trfego j limitado; a opo entre recuperao e demolio do pavimento de concreto, de custos e transtornos muito diferentes, exige muito conhecimento e experincia do engenheiro responsvel. 5 Condies especficas As condies especficas de cada pavimento dependem, inicialmente, de uma Inspeo, seguindo-se uma Anlise dos Dados e a Escolha de Alternativas. 5.1 Inspeo do pavimento A Inspeo do pavimento deve ser iniciada com uma coleta de dados expedita e, a seguir, com a verificao da eventual existncia das descontinuidades conforme listado abaixo: a) coleta de dados: tipo e idade do pavimento, volume de trfego e cargas por eixo; b) estado geral do pavimento: quantidade e gravidade das descontinuidades; c) mapeamento do quadro fissuratrio longitudinal; d) mapeamento do quadro fissuratrio transversal; e) verificao do estado do pavimento nas extremidades e nas proximidades das eventuais juntas de dilatao; f) verificao da existncia de descontinuidades na laje estrutural e da coincidncia ou no com as descontinuidades do pavimento; g) verificao da existncia ou no de infiltraes e eflorescncias. 5.2 Escolha de alternativas As alternativas possveis so: Considerar Adivel a Interveno no Pavimento, Recuperao do Pavimento e Demolio e Reconstituio do Pavimento. 5.3 Recuperao do pavimento A recuperao do pavimento deve ser iniciada quando ele ainda se encontra em relativamente boas condies e quando somente so necessrias substituies de pequenos trechos isolados. A alternativa imediatista de efetuar um capeamento geral, asfltico, sem identificar as causas das anomalias no pavimento de concreto condenvel, visto que as anomalias, em pouco tempo, voltam a se manifestar nos mesmos lugares e ainda haver problemas com a elevao do greide na acomodao com as juntas de dilatao, com a drenagem e com os guarda-rodas ou as barreiras. A recuperao do pavimento deve passar pelas seguintes etapas: a) inspecionar o pavimento e identificar as eventuais anomalias da laje estrutural; b) delimitar os trechos do pavimento a serem recuperados; c) instalar e garantir a manuteno da sinalizao; d) desviar o trfego para meia pista; e) demolir integralmente os trechos j demarcados com equipamentos leves; f) tratar as anomalias da laje estrutural; g) verificar e corrigir as condies de aderncia da laje estrutural; h) limitar o trfego a veculos de at 24 toneladas; i) limitar a velocidade dos veculos a 20 km/hora; j) concretar os trechos demolidos com concreto de pega rpida e sem retrao; k) aps oito horas da ltima concretagem, repetir as etapas d, e, f, g, h, i, j. NORMA DNIT 085/2006 ES 4 5.4 Demolio e reconstituio do pavimento A demolio e a reconstituio do pavimento devem passar pelas seguintes etapas: a) inspecionar o pavimento e a laje estrutural para localizar as eventuais anomalias nesta ltima; b) verificar convenincia do alargamento de pista e da substituio dos guarda-rodas por barreiras New Jersey; neste caso, o pavimento de concreto ser uma sobre-laje armada; c) instalar e garantir a manuteno da sinalizao; d) desviar o trfego para meia pista; e) dependendo do equipamento de demolio a ser utilizado, delimitar a demolio em trechos definidos por juntas serradas com altura igual a do pavimento; f) efetuar a demolio integral do pavimento e tratar as anomalias da laje estrutural; g) remover o pavimento demolido para locais previamente determinados; h) corrigir as condies de aderncia da laje estrutural, cuja superfcie dever estar spera, com aparecimento do agregado grado e isenta de detritos, antes do lanamento do concreto da nova pavimentao; i) caso se trate de uma sobre-laje armada, colocar a armadura indicada no projeto; caso sejam mantidos os dispositivos laterais de segurana existentes e a largura da pista, , ainda, conveniente colocar uma leve armadura em tela soldada, a 4 cm do topo da pavimentao; j) limitar o trfego a veculos de at 24 toneladas; k) limitar a velocidade dos veculos a 20 km/hora; l) concretar faixas de cerca de 20 metros de comprimento deixando intervalos de cerca de 5 metros, definidos por juntas de construo; m) as juntas de contrao, tanto longitudinais como transversais, que so enfraquecimentos de uma seo da placa, devero ser executadas com o concreto fresco ou serem serradas de 8 a 12 horas aps a cura; n) efetuar cura cuidadosa e prolongada por sete dias; o) aps quarenta e oito horas da ltima concretagem, ainda com velocidade controlada, aumentar o limite de carga dos veculos, de 24 toneladas para 36 toneladas, na meia pista ainda no trabalhada; p) aps sete dias da ltima concretagem, repetir as etapas de d at p. 6 Manejo ambiental As diferentes atividades envolvidas na Recuperao, Demolio e Reconstituio dos pavimentos de concreto ficam todas limitadas ao estrado da obra-de-arte e, portanto, facilmente controlveis. Desde que as partes demolidas sejam encaminhadas para locais pr-determinados, no haver nenhum dano ao meio ambiente. 7 Condies de conformidade e no-conformidade Os servios devem ter acompanhamento contnuo e considerados conformes ou no-conformes em cada etapa. Os servios considerados no conformes devem ser refeitos. 8 Critrios de medio Os servios, que podem ser ligeiramente ou bastante diferenciados, conforme o tipo de pavimento e a extenso da recuperao, devem ser medidos por etapas, conforme indicado a seguir: a) construo de plataformas de acesso para inspeo do estrado: por m2 de rea construda; b) implantao e manuteno de sinalizao: por preo global; NORMA DNIT 085/2006 ES 5 c) demolio e remoo de pavimento asfltico: por m3; d) demolio e remoo de pavimento de concreto: por m3; e) substituio de juntas de dilatao: por unidade; f) substituio de guarda-rodas e guarda-corpos por barreiras New Jersey: por m; g) reviso do sistema de drenagem: por preo global; h) armadura de ao CA 50: por kg; i) armadura de tela soldada: por m3; j) concreto de pavimento ou de sobre-laje: por m; k) juntas serradas e selantes: por m. _________________ /ndice Geral NORMA DNIT 085/2006 ES 6 ndice Geral Abstract ............................. 1 Condies de conformidade e no conformidade 7 ........................... 4 Condies especficas 5 ........................... 2 Condies gerais 4 ........................... 2 Critrios de medio 8 ........................... 4 Definio 3 ........................... 2 Demolio e reconstituio do pavimento 5.4 ........................ 3 Escolha de alternativas 5.2 ........................ 3 ndice geral ............................. 6 Inspeo do pavimento 5.1 ........................ 3 Manejo ambiental 6............................ 4 Objetivo 1............................ 1 Prefcio .............................. 1 Recuperao do pavimento 5.3......................... 3 Referncias bibliogrficas 2.2......................... 2 Referncias normativas 2.1......................... 1 Referncias normativas e bibliogrficas 2............................ 1 Resumo .............................. 1 Sumrio .............................. 1 _________________

Recommended

View more >