Monografia - Mario Tinoco

  • Published on
    13-Jul-2015

  • View
    597

  • Download
    0

Transcript

FACULDADE DE RELAES INTERNACIONAISREPERCUSSES POLTICAS DOS MEGAEVENTOS ESPORTIVOS NO BRASIL.MARIO TINOCO DA SILVA FILHOORIENTADOR: MARCO AURLIO DE S RIBEIRO Rio de Janeiro 2011.2REPERCUSSES POLTICAS DOS MEGAEVENTOS ESPORTIVOSMARIO TINOCO DA SILVA FILHOMonografia apresentada ao curso de graduao em Relaes Internacionais como requisito para obteno de bacharel. rea de Concentrao: Poltica InternacionalORIENTADOR: MARCO AURLIO DE S RIBEIRORio de Janeiro 2011.2REPERCUSSES POLTICAS DOS MEGAEVENTOS ESPORTIVOSMARIO TINOCO DA SILVA FILHOMonografia apresentada ao curso de graduao em Relaes Internacionais como requisito para obteno de bacharel. rea de Concentrao: Poltica InternacionalAvaliao: BANCA EXAMINADORA:_____________________________________________________ Professor MARCO AURLIO DE S RIBEIRO (Orientador) Instituio: IBMECRio de Janeiro 2011.2FICHA CATALOGRFICAMario Tinoco da Silva Filho Repercusses Polticas dos Megaeventos Esportivos 2011 Poltica Internacional Dimenso Poltica dos Megaeventos Esportivos Soberania, Dicotomia Pblico/Privado, Categorias de Poder, Cidade Global. Copa do Mundo, Olimpadas, Megaeventos, Soberania, Dicotomia Pblico/Privado, Cidade Global. Relaes InternacionaisDEDICATRIADedico este trabalho Rafaella, com quem desejo construir muitos anos de felicidade; aos meus pais (in memoriam) pela infncia feliz que me deram; aos meus familiares e amigos (novos e antigos, que condicionaram minha personalidade ao longo dos anos).AGRADECIMENTOS Agradeo primeiramente aos produtores de conhecimento, sem os quais no haveria o que escrever ou discutir. Aos autores de Relaes Internacionais, sem os quais no teria motivos para querer estudar um assunto to a fundo. Ao coordenador e aos professores do curso de Relaes Internacionais do IBMEC, que construram o excelente curso pelo qual me apaixonei. A Gautama que deixou na histria as palavras mais sbias j ditas, Duvidem de tudo. Sigam sua prpria luz.Agradeo aos meus companheiros de turma, que se entusiasmaram tanto quanto eu com a monografia e tornaram esse momento ainda mais espetacular e envolvente. Ao meu orientador que soube indicar perfeitamente o caminho das pedras, sem me dar respostas bvias ou limitar meu trabalho de pesquisa, levantando a curiosidade necessria para que eu procurasse as respostas nos lugares certos, nos momentos certos.Agradeo aos meus amigos e familiares, que souberam lidar com minha ausncia nesse perodo de intenso esforo e dedicao. Aos meus pais, que me ensinaram que a vida nos oferece muito, mas que temos pouco tempo para aproveitar. Agradeo Rafaella, que soube me motivar nos momentos de desnimo e exausto, com a ateno, carinho e amor de sempre.Foi o Melhor dos tempos. Foi o pior dos tempos. (Charles Dickens).ResumoOs Megaeventos esportivos trazem consequncias gigantescas s naes por onde passam em termos econmicos, sociais e polticos. Pouco se estuda sobre as repercusses polticas desses e ainda menos em termos do que representam para a cincia poltica internacional. O presente trabalho busca entender a natureza dessa dinmica das Relaes Internacionais, quais as repercusses que trazem, em termos polticos, para as diferentes camadas da sociedade e quais perspectivas devemos ter sobre interesses e consequncias polticas e sociais da Copa do Mundo de 2014 e as Olimpadas de 2016.Palavras Chave: Megaeventos Esportivos, Poltica, Poltica Internacional, Copa do Mundo, Olimpadas, Relaes Internacionais, Nveis de Anlise, Soberania, DicotomiaPblico/Privado, Poder Produtivo, Poder Estrutural, Efeito Crowding-Out, Interesses Polticos, Nao Ativa, Nao Passiva, Cidade Global.ABSTRACTSports Mega Events brings huge consequences to the nations they pass by, in economic, social and political terms. Few studies address their political repercussions, and much less in terms of what they mean to international politics. The present work intends to understand the nature of this international relations dynamic, which repercussions they bring, in political terms, to the different social levels and which perspectives we should have in relation to social and political interests and consequences of the 2014 World Cup and 2016 Olympic Games.Key Words: Sports Mega Events, Politics, International Politics, World Cup, Olympic Games, International Relations, Analysis Levels, Sovereignty, Public/Private Dichotomy, Productive Power, Structural Power, Crowding-out Effect, Political Motivations, Active Nation, Passive Nation, Global City.LISTA DE FIGURASFigura 1 - Impactos Macroeconmicos das Olimpadas de Sidney e Atenas ........................12 Figura 2 - Impactos Macroeconmicos das Olimpadas de Pequim e Londres .....................13 Figura 3 - Impactos Macroeconmicos das Copas da Alemanha e frica do Sul .................14SUMRIOIntroduo ...............................................................................................................................................................1 1. Megaeventos Esportivos, a Questo da Soberania e os Nveis de Anlise .......................................................2 2. As Implicaes dos Megaeventos Esportivos sobre a Dicotomia Pblico/Privado ...........................................4 3. Os Impactos dos Megaeventos Esportivos no Nvel Macroeconmico ...........................................................103.1. Gasto Pblico.......................................................................................................................... 15 3.2. Taxa de Desemprego .............................................................................................................. 16 3.3. Taxa de Crescimento do PIB ................................................................................................... 174. Estudos de Casos e Projees do Ministrio do Esporte ..................................................................................184.1. Olimpadas de Atenas............................................................................................................. 19 4.2. Olimpadas de Pequim ........................................................................................................... 20 4.3. Copa do Mundo da Alemanha................................................................................................ 21 4.4. Copa do Mundo da frica do Sul ............................................................................................ 24 4.5. Pan-Americano do Rio de Janeiro .......................................................................................... 26 4.6. Copa do Mundo de 2014 no Brasil ........................................................................................ 28 4.7. Olimpadas de 2016 no Rio de Janeiro .................................................................................. 295. Perspectivas e Repercusses Polticas dos Megaeventos Esportivos ..............................................................305.1. Interesses polticas menores regionais ou individuais ........................................................... 31 5.2. Projeto de Expanso da Imagem da Nao Brasileira ............................................................ 33 5.3. Rio, Cidade Global .................................................................................................................. 36 5.4. Megaeventos Esportivos como Vetores de Poder Produtivo ................................................ 37 5.5. Reflexes Crticas sobre as Repercusses Polticas ................................................................ 40 5.5.1. Hipocrisia ........................................................................................................... 40 5.5.2. Produo de Desequilbrios ............................................................................... 43 5.5.3. Megaeventos Esportivos como Vetores de Poder Estrutural............................ 45Concluso...............................................................................................................................................................47 Bibliografia.............................................................................................................................................................52Introduo A eleio da cidade do Rio de Janeiro como sede dos Jogos Olmpicos de 2016 selou uma dcada de megaeventos esportivos no Brasil, comeando pelo Pan-Americano em 2007, passando pela Copa do Mundo em 2014 e terminando com a referida Olimpada, alm de alguns eventos menores como a Copa das Confederaes de 2013. Os megaeventos esportivos podem ser definidos, em sentido estrito, como,Eventos de curta e pr-estabelecida durao que apresentam grandiosidade em termos do pblico, mercado alvo, nvel de envolvimento financeiro, do setor pblico, efeitos polticos, extenso de cobertura televisiva, construo de instalaes e impacto sobre o sistema econmico e social da comunidade anfitri (SILVA, J, 2006, p.17).Com estes, grandes expectativas so criadas e um enorme volume de recursos pblicos adereado para garantir a efetiva realizao deles com o objetivo de atender as exigncias do COI e da FIFA. No entanto, pouca ateno dada s causas e efeitos polticos relativos aos megaeventos esportivos no Brasil. A inteno aqui refletir sobre as repercusses polticas desse perodo histrico para o pas e tentar inserir os megaeventos esportivos nas perspectivas acadmicas de Relaes Internacionais. O requisito bsico para que se contextualize o tema o entendimento da natureza da relao entre o Estado que se candidata realizao de um megaevento e a instituio que possui os direitos de realizao do mesmo. Este exame ser feito com base nas obras de Krasner (1999) e Buzan (2009). O parmetro de avaliao dos resultados polticos dessa dinmica ser baseado na dicotomia pblico/privado como definida por Bobbio (2009). Uma primeira anlise aquela que nos remete a existncia de uma argumentao oficial de que os megaeventos esportivos geram benefcios econmicos superiores aos gastos requeridos, sendo isto suficiente para justificar a realizao dos mesmos. Sero feitas anlises de cunho econmico para corresponder a esta argumentao com base em artigos de vrios autores como Plessis e Venter (2010). Ento ser retirado o aspecto poltico intrnseco a essa temtica econmica para posterior aprofundamento.1As repercusses polticas sero examinadas minuciosamente, embora no exaustivamente, j que existem muitas possibilidades, e sero ampliadas para que signifiquem dinmicas de Relaes Internacionais mediante a insero dessas nas concepes de poder propostas por Barnett e Duvall (2005). A inteno realizar uma reflexo crtica quanto s consequncias polticas descritas. Ao final do trabalho, espera-se que a dimenso dos eventos em termos polticos seja visualizada por uma perspectiva de Relaes Internacionais e que se entenda a importncia da reflexo crtica sobre os aspectos polticos dos megaeventos esportivos e a distribuio dos efeitos polticos e sociais decorrentes do processo sobre diferentes partes da sociedade brasileira, pois como bem determina Behnken (2010), as argumentaes crticas sobre as Olimpadas so muito pouco difundidas fazendo com que o consenso para a candidatura a um megaevento seja favorecido pela perda da dimenso crtica (BEHNKEN, L, 2010, p.43). 1. Os Megaeventos Esportivos, a Questo da Soberania e os Nveis de Anlise O princpio da Soberania , sem sombra de dvidas, um dos conceitos-chave para qualquer um que queira se aprofundar nos estudos de Relaes Internacionais, pois possui uma importncia categrica para os estudos e fora construdo, em termos tericos, ao longo de muitos sculos, de Jean Bodin atualidade. Seria um erro discorrer profundamente sobre este conceito e suas concepes histricas sob o risco de perder-se o objetivo do trabalho. Por este motivo, o marco terico foi escolhido com base em dois dos critrios elencados por Kuhn (1977, apud MAZZOTTI, A; GEWANDSZNAJDER, F, 1996), a Simplicidade, a capacidade que a teoria tem de unificar fenmenos que, aparentemente, no tinham relao entre si. Uma boa teoria deve ser capaz de organizar fenmenos que, sem ela permaneceriam isolados uns dos outros (MAZZOTTI, A; GEWANDSZNAJDER, F, 1996, p.30); e a Fecundidade implica que a teoria deve desvendar novos fenmenos ou relaes anteriormente no verificada entre fenmenos j conhecidos. Ela deve ser fonte de novas descobertas (IBID, p.31). 2Esses critrios atendem uma necessidade analtica que, em primeiro lugar, gera as explicaes e avaliaes dispostas no presente estudo. Com uma teoria que atenda os critrios de simplicidade e fecundidade podemos corresponder seguinte afirmativa de Westhuizen e Swart (2011, p.177, traduo nossa), pouca pesquisa tem sido feita sobre o debate do nexo FIFA/Soberania Estatal. A simplicidade (KUHN, T, 1977, apud MAZZOTTI, A; GEWANDSZNAJDER, F, 1996) da teoria escolhida permitir relacionar o fato da realizao dos megaeventos esportivos no Brasil com as dinmicas relacionadas soberania estatal. A fecundidade (KUHN, T, 1977, apud MAZZOTTI, A;GEWANDSZNAJDER, F, 1996), por sua vez, facilita a concepo de variveis pouco ou nada exploradas, impulsionando o valor do trabalho, em termos acadmicos. Uma provocao pode ser feita para efeito de contextualizao do tema com o caso brasileiro. Segundo o site oficial da Copa de 2014, a aquisio via competio internacional com outros Estados dos direitos de realizar a Copa do Mundo da FIFA no fere a soberania nacional do pas:A Lei Geral fere a soberania nacional [Lei Geral da Copa, PL 2330/11]? No. O Brasil firmou soberanamente as garantias prestadas e nenhuma modificao normativa proposta ofende a Constituio Federal ou a ordem jurdica de nosso pas. Outros pases que realizaram Copas do Mundo tambm firmaram garantias semelhantes s nossas e aprovaram leis especficas para a Copa (Brasil, 2011).Essa provocao pode ser contestada em termos conceituais uma vez que, segundo Krasner (1999),O termo Soberania foi utilizado de muitas maneiras diferentes, e em parte isto revela a falha em reconhecer que as normas e regras de qualquer sistema institucional internacional, incluindo o sistema de Estados soberanos, ter influncia limitada e sempre ser objeto de contestaes por conta de contradies lgicas (IBID, p.3, traduo nossa).Nesses termos podemos contestar o discurso oficial do governo brasileiro de que as execues dos megaeventos esportivos no afetam a soberania nacional exemplificado pela nota oficial sobre a Lei Geral da Copa. Para tal, preciso delinear rapidamente as definies do autor para soberania, quais sejam:3i) soberania internacional legal refere-se s prticas associadas ao mtuo reconhecimento, geralmente entre entidades territoriais que tenham independncia jurdica (KRASNER, S, 2009, p. 3-4, traduo nossa); ii) soberania Westfaliana refere-se organizao poltica baseada na excluso de atores externos das estruturas de autoridade em um dado territrio (IBID., p. 4, traduo nossa); iii) soberania domstica refere-se organizao formal da autoridade poltica interna do Estado e habilidade de autoridades pblicas de exercer controle efetivo dentro das fronteiras de seu prprio governo (IBID., p. 4, traduo nossa); iv) soberania interdependente refere-se habilidade das autoridades pblicas de regular o fluxo de informao, ideias, bens, pessoas, poluentes, ou capital atravs das fronteiras do Estado (IBID, p. 4, traduo nossa). Podemos considerar que ao afirmar que nenhuma modificao normativa proposta ofende a Constituio Federal ou a ordem jurdica de nosso pas (GOVERNO FEDERAL, 2011a) o governo est alegando que a soberania domstica (KRASNER, S, 1999) no est sendo afetada, i.e, a autoridade, legitimidade e eficcia da Constituio como instituio suprema do ordenamento jurdico interno no esto sendo postas em risco. No entanto, a soberania no abrange apenas a autoridade interna e a Lei Geral da Copa reflete, na verdade, uma anterior violao de soberania westfaliana (IBID.). A natureza dessa violao que cabe tanto ao caso da Copa do Mundo quanto das Olimpadas - s pode ser entendida por uma anlise do processo de concorrncia pela aquisio do direito de organizar uma Copa ou Olimpadas. Os Estados enviam suas propostas que, segundo van der Westhuizen e Swart (2011, p.174, traduo nossa) ao comentarem o caso sul-africano, Como parte do processo de licitao, o governo Sul Africano teve que providenciar uma sria de garantias e empreendimentos para assegurar que os requerimentos para a realizao fossem atingidos. O relato confere com a concepo de Krasner (1999) de que uma violao da soberania westfaliana ocorre quando 4h interveno externa na poltica interna de um Estado. Stephen Krasner (1999) dedica boa parte desta obra explicao dos modos pelos quais um Estado pode ter sua soberania violada e indica a existncia de quatro modalidades principais: i) conveno; ii) contrato; iii) coero; iv) imposio. As quatro modalidades so muito singulares e explicam fenmenos muito diferentes. Por isso, ser explorada aqui a modalidade do contrato que traduz com exatido o vnculo destacado por van der Westhuizen e Swart (2011, p.177). De acordo com a definio do autor, Um contrato um acordo entre dois ou mais soberanos, ou um soberano e outro ator internacional, como uma instituio financeira, que mutuamente aceitvel, Pareto-timo, e contingente (KRASNER, S, 1999, p.33, traduo nossa). O contrato, segundo o autor, pode ou no afetar a soberania westfaliana (IBID.) e isto ocorre se o contrato altera concepes domsticas de comportamento legtimo, submete instituies e pessoal domsticos influncia externa, ou cria estruturas de autoridade transnacionais (KRASNER, S, 1999, p.33, traduo nossa). A condio destacada perfeitamente atendida, pois o pas aquiesce s condies impostas pela FIFA ou COI para que possa exercer o direito adquirido de realizar os respectivos eventos. Reside nesta dinmica a base do estudo das repercusses polticas dos megaeventos esportivos no Brasil. Em termos tericos, pode-se dizer que esta uma avaliao com sua fonte de explicao situada no Processo (BUZAN, B, 2009, p.211, traduo nossa). O autor utiliza este termo para diferenciar as fontes de explicao (processo, estrutura e capacidade de interao) dos nveis de anlise (sistema, subsistema, unidade, burocracia e indivduo) de forma que visto de baixo para cima, explicaes em termos de interaes entre unidades ou internas a estas procuram entendercomportamentos e resultados em termos dos meios em que as unidades em qualquer nvel respondem uma outra quanto aos seus atributos e comportamentos. Vista de cima para baixo, processo sobre as dinmicas de um sistema ou unidade (IBID, p.211, traduo nossa). O processo descrito visa entender o comportamento dos Estados com relao s5entidades esportivas COI e FIFA, bem como as dinmicas que levam o Estado brasileiro, em especfico, a abrir mo de parte de sua soberania em favor dessas instituies. Como indicado acima, o estudo do nexo FIFA [ou COI]\soberania estatal (VAN DER WESTHUIZEN, J; SWART, K, 2011) servir como uma das fontes de explicao (BUZAN, B, 2009) das repercusses polticas dos megaeventos esportivos a serem realizados no Brasil. Para melhor entendimento da sucesso de fenmenos polticos engendrados pela recepo dos eventos, se faz necessria exposio dos respectivos nveis de anlise. Para tal, ser considerada a tipologia proposta por Buzan, Wver e De Wilde (1997, p. 5), que especialmente interessante por conta da simplicidade (MAZZOTTI, A;GEWANDSZNAJDER, F, 1996, p.30) que concede ao tema o que, afinal, o objetivo da aplicao dos nveis de anlise teoria das Relaes Internacionais. Primeiramente, importante destacar a dicotomia entre as vises ontolgica e epistemolgica dos nveis de anlise (BUZAN, B, 2009). A viso epistemolgica j fora apresentada anteriormente e se refere s fontes de explicao (BUZAN, B, 2009), como delineada pelo autor, os v [os nveis de anlise] como sendo sobre os tipos de variveis que explicam o comportamento de uma unidade em particular (BUZAN, B, 2009, p. 203, traduo nossa). A viso ontolgica, por sua vez, representa os nveis de anlise per se, os v [nveis de anlise] como sendo sobre as diferentes unidades de anlise (IBID., p. 203, traduo nossa). Segundo os autores, os cinco nveis de anlise mais utilizados so: i) Sistemas Internacionais, os maiores conglomerados de unidades interativas ou interdependentes que no possuem nvel sistmico acima delas. Atualmente este nvel compreende o planeta inteiro, mas em tempos anteriores existiam simultaneamente sistemas internacionais mais ou menos desconexos (BUZAN, B; ET AL., 1997, p. 5).6ii) Subsistemas internacionais, grupos de unidades dentro do sistema internacional que podem ser distinguidas do sistema como um todo por naturezas particulares ou intensidade de suas interaes ou interdependncia entre si. Subsistemas podem ser territorialmente coerentes, neste caso so regionais () ou no (...) neste caso no so regies, mas simplesmente subsistemas (IBID., 1997, p. 6). iii) Unidades, atores compostos de vrios subgrupos, organizaes, comunidades, e muitos indivduos e suficientemente coesa e independente para ser diferenciada de outras (IBID., 1997, p. 6). iv) Subunidades, grupos de indivduos organizados dentro das unidades que conseguem (ou tentam) afetar o comportamento da unidade (IBID., 1997, p. 6). v) Indivduos, o ponto de partida da maioria das anlises nas cincias sociais (IBID., 1997, p. 6). Desta forma, podemos considerar que o processo (BUZAN, B, 2009), revelado pela quebra de soberania dos pases quando estes se candidatam e vencem a licitao assinando o contrato com o COI ou a FIFA encontra-se no nvel de anlise da unidade (BUZAN, ET AL., 1997), pois dois atores independentes sacramentam uma relao entre si que d origem dinmica descrita. Todavia, como veremos, este processo produz repercusses que atingem outros nveis de anlise. Para a realizao dos eventos de forma adequada s exigncias das entidades reguladoras, foram previstos, inicialmente, investimentos pblicos da ordem R$ 33 bilhes para a Copa de 2014 (Governo Federal, 2010) e R$12 bilhes para as Olimpadas de 2016 (Governo Federal, 2011b). Naturalmente, valores desta magnitude tm srias repercusses nos nveis de anlise abaixo da unidade, que, neste caso, o Estado brasileiro.72. As Implicaes dos Megaeventos sobre a Dicotomia Pblico/Privado Para uma anlise crtica e reflexiva desta situao, necessrio estabelecer um parmetro capaz de englobar questes objetivas que se referem destinao dos investimentos - e subjetivas que se referem s implicaes morais dos investimentos a serem realizados. A dicotomia pblico/privado, como definida por Norberto Bobbio (2009), ser de grande valia e ser uma das balizas que acompanharo o trabalho analtico aqui disposto. O valor analtico do conceito pertinentemente disposto pelo autor,Depois, atravs do uso constante e contnuo [da dicotomia pblico/privado], sem substanciais modificaes, terminou por se tornar uma daquelas grandes dicotomias das quais uma ou mais disciplinas jurdicas, mas tambm as sociais e em geral histricas, servem-se para delimitar, representar, organizar o prprio campo de investigao (BOBBIO, N, 2009, p.13).As condies essenciais para a existncia de uma grande dicotomia, segundo Bobbio (2009), so a capacidade de dividir um universo em duas esferas, conjuntamente exaustivas (IBID., p.13); de estabelecer uma diviso que ao mesmo tempo total, (...) e principal, enquanto tende a fazer convergir em sua direo outras dicotomias que se tornam, em relao a ela, secundrias (BOBBIO, N, 2009, p.13-14). Por se tratar de um conceito com vrias definies ao longo do tempo, embora no tenham alterado a essncia deste, o autor apresenta o que chama de definio clssica da dicotomia pblico/privado,Sejam quais foram a origem da distino e o momento de seu nascimento, a dicotomia clssica entre direito privado e direito pblico reflete a situao de um grupo social no qual j ocorreu a diferenciao entre aquilo que pertence ao grupo enquanto tal, coletividade, e aquilo que pertence aos membros singulares; ou, mais em geral, entre a sociedade global e eventuais grupos menores (como a famlia), ou ainda entre um poder central superior e os poderes inferiores (IBID., p.14-15)Neste sentido, interessante refletir sobre algumas questes objetivas apontadas por Westhuizen e Swart a priorizao do gasto pblico em direo ao evento, em detrimento de itens oramentrios mais mundanos, porm essenciais (VAN DER WESTHUIZEN, J; SWART, K, 2011, p.170, traduo nossa); Recursos escassos significativos poderiam ter sido utilizados para aliviar problemas como a pobreza e 8HIV/AIDS (IBID., p.170, traduo nossa); eles esto despejando dinheiro em 2010. Porque no esto despejando dinheiro em moradias? Disse uma antiga moradora de Riverlea (IBID., p.170, traduo nossa). contraditria a poltica de gastos pblicos que prioriza um evento privado se considerarmos algumas proposies de Bobbio (2009) quanto ao primado do pblico,Ele se funda sobre a contraposio do interesse coletivo ao interesse individual e sobre a necessria subordinao, at eventual supresso, do segundo ao primeiro, bem como sobre a irredutibilidade do bem comum soma dos bens individuais, e portanto sobre a crtica de uma das teses mais correntes do utilitarismo elementar. Assume vrias formas segundo o diverso modo atravs do qual entendido o ente coletivo a nao, a classe, a comunidade do povo a favor do qual o indivduo deve renunciar prpria autonomia (BOBBIO, N, 2009, p.24).Podemos contrapor essa hiptese argumentao do governo de que o valor investido nos megaeventos ter um retorno muito maior em termos de impactos econmicos e de estmulo aos negcios, sendo o retorno estimado da Copa de 2014 o valor de 183 bilhes de reais frente aos 33 bilhes de reais estimados para os investimentos (GOVERNO FEDERAL, 2010) e o retorno estimado das Olimpadas de 2016 o valor de 14 bilhes de reais frente aos 12 bilhes estimados para os investimentos (GOVERNO FEDERAL, 2011b). Acerca disto comentam Domingues, Betarelli e Magalhes (2010),Os organizadores geralmente alegam que eventos, como a Copa do Mundo, geram estmulos para os negcios domsticos (e.g. restaurantes, hotis e outros negcios) e, portanto, benefcios econmicos maiores que os custos (Noll e Zimbalist, 1997). O comit organizador da olimpada de Atlanta estimou um impulso de $ 5,1 bilhes na economia e um aumento de 77.000 empregos (Barclay, 2009). Na maioria das vezes tais argumentos tm por base nos relatrios de impactos econmicos oriundos em estudos encomendados pelos governantes ou empresas esportivas para justificar seus investimentos, uma vez que os custos para realizar tais megaeventos so cada vez maiores (IBID, 2010, p. 411).Consequentemente, teramos a concordncia desta destinao de investimentos pblicos com o princpio hegeliano ou aristotlico do primado do pblico (BOBBIO, N, 2009), O todo vem antes das partes (...) a totalidade tem fins no reduzveis soma dos fins dos membros singulares que a compem e o bem da totalidade, uma vez alcanado, transformase no bem das suas partes (BOBBIO, N, 2009, p.24-25). Esta conjetura crucial para os fins de estudo e ser mais bem examinada posteriormente e suas naturais consequncias 9para a dicotomia pblico/privado (BOBBIO, N, 2009) tambm sero verificadas. Pretende-se assim manter a anlise sob o parmetro estipulado. 3. Os Impactos dos Megaeventos Esportivos no Nvel Macroeconmico O pressuposto, relativo aos megaeventos esportivos, que mais discutido no mbito acadmico aquele que concebe os eventos como sendo engendradores de grandes impactos econmicos. Pode-se constatar que, no entanto, o grande debate gira em torno das metodologias utilizadas baseadas, geralmente, em modelos de equilbrio geral por autores que defendem que os eventos trazem impactos econmicos positivos e aqueles que defendem que os eventos no trazem impactos relevantes (DOMINGUES, P; ET AL, 2010). Apesar de ser componente essencial para o estudo dos megaeventos esportivos enquanto fenmenos das cincias humanas e econmicas, esta questo metodolgica no ser esmiuada. A maior parte dos trabalhos sobre o tema baseia-se em modelos de equilbrio geral para aferir os impactos econmicos diretos ou indiretos dos eventos (DOMINGUES, P; ET AL, 2010). No entanto, so raras as menes aos efeitos que estes eventos possuem sobre a condio econmica de um pas como todo. Muitos governos de pases sediaro uma Copa do Mundo ou Olimpadas argumentam que estes so capazes de promover uma mudana to fundamental que sero reconhecidos como propulsores de um longo perodo de prosperidade econmica e social (MATHESON, V, 2006). Dentro desta perspectiva, faltam anlises sobre os eventuais impactos dos eventos no nvel macroeconmico dos Estados-sede que podem auxiliar na compreenso da magnitude e durao de tais impactos, se existentes. Alm disso, sero apresentados, posteriormente, alguns estudos de caso sobre megaeventos esportivos recentes, quais sejam: i) Olimpadas de Atenas; ii) Copa do Mundo da Alemanha; Olimpadas de Pequim; iv) Copa do Mundo da frica do Sul; v) PanAmericano do Rio de Janeiro. Esses estudos tero como base artigos que se utilizam da 10metodologia economtrica para aferir os impactos econmicos. Assim, pretende-se atingir duas perguntas distintas. A primeira se refere relevncia macroeconmica da realizao dos eventos e se esses impactos, se existentes, possuem a longa durao que anunciada pelos governantes. A segunda, alm de servir como uma verificao da primeira, diz respeito existncia de estmulos econmicos diretos e indiretos que justifiquem a realizao de um megaevento por uma perspectiva do valor agregado menos o custo de realizao (DOMINGUES, P; ET AL, 2010). Alguns grficos foram desenvolvidos com intuito de comparar dadosmacroeconmicos e estatsticos Taxa de Crescimento do PIB, Taxa de Desemprego e Gasto Pblico (retirados do site Economy Watch em acesso realizado a 20 de Outubro de 2011)- de alguns pases (ou cidades) que foram sedes recentes de Copas e Olimpadas, exceto por Londres que ainda realizar as Olimpadas de 2012: Sidney, Olimpadas de 2000; Atenas, Olimpadas de 2004; Pequim, Olimpadas de 2008; Londres, Olimpadas de 2012; Alemanha, Copa do Mundo de 2006; e frica do Sul, Copa do Mundo de 2010.11Figura 1 - Impactos Macroeconmicos das Olimpadas de Sidney e Atenas 12Figura 2 - Impactos Macroeconmicos das Olimpadas de Pequim e Londres 13Figura 3 - Impactos Macroeconmicos das Copas da Alemanha e frica do Sul 143.1. Gasto Pblico O gasto pblico um indicador essencial abordagem aqui proposta, uma vez que uma das vertentes pela qual se pode avaliar a questo da dicotomia pblico/privado (BOBBIO, N, 2009). Os nmeros para o gasto pblico indicados nas imagens representam o quanto o governo gasta por ano, em termos de % do PIB, para manter os servios sociedade e garantir o oramento anual. importante destacar que um investimento feito pelo governo em dada ao anula, obrigatoriamente, a mesma quantia de investimento em outra ao, por exemplo: dois milhes gastos em um estdio de futebol so dois milhes que no podero ser investidos em uma escola, hospital, ou outros servios essenciais (BAADE, R; MATHESON, V, 2011). Essa questo traduz o efeito crowding-out existente na realizao de um megaevento que um dos elementos que mais recebe reflexes crticas por parte dos acadmicos e da mdia (DOMINGUES, P; ET AL, 2010; BAADE,R; MATHESON, V, 2011). Os dados apresentados, referentes aos gastos pblicos dos pases num perodo de dez anos que compreende a realizao de um megaevento, indicam que no nvel macroeconmico no h uma relao estreita que possa ser comprovada pela observao de dados estatsticos agregados entre um aumento exponencial do gasto pblico com a realizao de um megaevento. Com base nesse critrio estatstico, soa razovel a argumentao de Jacques Rogge, ento presidente do COI, sobre o relacionamento da crise da dvida grega e as Olimpadas de 2004,Ligar a crise da dvida grega aos jogos foi injusto. Considerando o escopo dos problemas da Grcia, difcil argumentar que os Jogos foram um fator central por trs da crise financeira grega. Enquanto os custos totais das Olimpadas chegaram a $11 bilhes de dlares, essa quantidade pequena comparada aos $370 bilhes de dlares em dvida acumulados pela Grcia em 2010 (WNOROWSKI, A, 2011, p.23, traduo nossa).O argumento contrrio a este afirma que os gastos para as Olimpadas marcaram o incio gasto irresponsvel da Grcia (IBID, p.23) que culminaram na crise da dvida. Esta exemplificao serve para apontar o fato de que, embora seja um componente importante 15para avaliao dos impactos de um megaevento esportivo, o gasto pblico pode no ser um indicador suficiente para avaliar consequncias indiretas destes impactos, como ilustra o caso. De maneira geral, no h nenhuma relao causal entre o impacto de um megaevento esportivo sobre o gasto pblico comprometer as contas de um governo no curto-prazo. O caso brasileiro pode contrastar com esta afirmao, uma vez que dois megaeventos sero realizados num perodo de dois anos o que, de acordo com as projees atuais, seria uma cifra aproximada de R$ 45 bilhes, o que eleva a presso sobre o gasto. 3.2. Taxa de Desemprego A taxa de desemprego est fortemente associada s condies gerais da economia, sendo que nveis menores de desemprego indicam uma atividade econmica mais aquecida, podendo levar ao pleno emprego. Alguns autores destacam que um dos argumentos mais utilizados pelos governantes para concorrer realizao de um megaevento esportivo a potencial criao de empregos que esta pode trazer. Assim o fazem Hagn e Maennig (2007), ao comentarem sobre a Copa de 2006,Antes da Copa de 2006 na Alemanha uma srie de anlises foi publicada, de acordo com as quais os investimentos em torno de 6 bilhes relativos Copa do Mundo e o gasto de 1-2 milhes de visitantes estrangeiros esperados iriam marcadamente afetar a renda e o emprego (HAGN, F; MAENNIG, W, traduo nossa). possvel observar nos grficos que o nico pas onde houve uma sensvel alterao da taxa de desemprego no perodo de realizao das Olimpadas e nos momentos posteriores foi a Austrlia em 2000. De acordo com o IPEA (2008), aproximadamente 15.600 empregos extra foram criados como consequncia direta das Olimpadas. O ano de 2007 coincidiu, para a Alemanha, no ano posterior realizao da Copa e de uma significativa queda da taxa de desemprego. De acordo com a concluso de Hagn e Maennig (2007), A Copa do Mundo de 2006 no influenciou o desemprego nas 12 cidades sede a uma extenso que diferisse significativamente do padro nas cidades que no foram sede. Em todos os outros pases no houve alterao significativa no padro de desemprego dos dez anos considerados. 163.3. Taxa de Crescimento do PIB A taxa de crescimento do PIB foi considerada num perodo de dez anos que compreende a realizao de um megaevento e comparada taxa de crescimento mdia do mundo. A inteno desta comparao para evitar que fortes impactos positivos ou negativos na economia mundial sejam confundidos com os impactos de um megaevento no mesmo perodo. Muitas vezes, os megaeventos esportivos so anunciados como catalisadores de investimentos que geraro impulsos da ordem dos bilhes e que isso ser multiplicado de forma generalizada pela economia. Assim argumenta-se que a realizao de um megaevento esportivo trazem pequenos custos de oportunidade, pois seria a forma tima de alocar estes investimentos pblicos (DOMINGUES, P; ET AL, 2010). Com exceo do caso alemo, novamente, no h nenhum caso em que haja coincidncia da realizao de um megaevento com forte alta ou reverso de tendncia da taxa de crescimento do PIB que sejam muito diferentes da tendncia mundial de crescimento. Esta observao sobre os impactos econmicos mais gerais pode ser corroborada pelos comentrios de Swinnem e Vandemoortele (2008) sobre estudos ex post1,A maioria dos estudos ex-post declaram que a evidncia de que megaeventos esportivos geram benefcios fraca, na melhor das hipteses. Deste modo, essas poucas anlises ex post geralmente confirmam que estudos ex-ante exageram os benefcios dos megaeventos esportivos. Sigfried e Zimbalist (2000) reviso vrios estudos economtricos e todos esses estudos no encontram evidncia estatstica relevante que construir instalaes esportivas estimule o desenvolvimento econmico (...) mesmo que receber um megaevento crie benefcios para a regio organizadora, a questo a ser levantada se este financiamento o uso mais eficiente para o dinheiro pblico (SWINNEM, J; VANDEMOORTELE, T, 2008, p. 3, traduo nossa).O comentrio dos autores condizente com a perspectiva da dicotomia pblico/privado (BOBBIO, N, 2009), uma vez que o dinheiro pblico pertencente sociedade como um todo utilizado na construo de arenas esportivas que, segundo eles, no so eficientes como forma de investimento pblico. A avaliao dos megaeventos1Estudos feitos aps a realizao do evento. De maneira similar, estudos ex ante so estudos feitos anteriormente realizao do evento.17esportivos como forma de investimento pblico uma das tarefas do presente trabalho e sobre esta paira uma reflexo pela proposta da dicotomia pblico/privado (BOBBIO, N, 2009), que tambm servir de parmetro para a prpria avaliao. A concluso a que se pode chegar a de que no existe uma relao direta comprovvel entre realizar um megaevento esportivo e a ocorrncia de impactos macroeconomicamente relevantes, sejam eles negativos ou positivos. Em termos de nveis de anlise (BUZAN, B, 2009), podemos inferir que para a economia da unidade no h grande interferncia por parte dos processos de realizao dos megaeventos esportivos em territrio nacional. A importncia disto demonstrar que conjecturas sobre um megaevento esportivo ser um fator crtico de sucesso ou fracasso econmico de um Estado podem ser questionadas por este prisma. 4. Estudo de casos sobre os impactos econmicos dos megaeventos esportivos e exame das projees do Ministrio do Esporte para 2014 e 2016 De modo complementar, o estudo de casos recentes ser utilizado para examinar aspectos diferentes dos impactos econmicos dos megaeventos esportivos. Auxilia tambm a mitigar a possibilidade de vis analtico no presente trabalho. As informaes sero corroboradas por autores que trabalham a temtica pela via dos modelos economtricos (DOMINGUES, P; ET AL, 2010), atendendo ao carter de complementaridade, com relao anlise macroeconmica exposta anteriormente, desejado. Sero avaliados casos de Copas do Mundo e Olimpadas, alm do Pan-Americano de 2007, escolhidos, primeiramente, por suas recentes realizaes o que permite um melhor parmetro de comparao com os futuros eventos no Brasil e pela disponibilidade de informaes a respeito desses. Por fim, sero avaliadas as projees feitas pelo Ministrio do Esporte, Consrcio Copa 2014 (2010) para a Copa do Mundo e pela FIA (Fundao Instituto de18Administrao), como exposta por Gurgel (2010)2, para as Olimpadas de 2016; tendo como finalidade um exame comparativo entre os casos recentes e as projees do Ministrio do Esporte para 2014 e 2016. 4.1. Olimpadas de Atenas Os Jogos Olmpicos de 2004 em Atenas receberam crticas de diversas fontes em diversas dimenses. O principal ponto de questionamento diz respeito aos gastos exorbitantes por parte do governo para a realizao de um evento do qual, segundo o IPEA (2008, p.49), pode-se incluir no legado uma grande dvida, indesejada, que precisou ser assumida pelo governo grego. Segundo Wnorowski (2011, p.23, traduo nossa) o custo final dos Jogos Olmpicos de Atenas foi quase o dobro do oramento original (...) Atenas foi to longe no vermelho que as contas ainda esto sendo pagas, chegando a $70,000 por famlia. Alguns opositores mais veementes chegam a creditar o gasto irresponsvel catalisado pelas Olimpadas como um dos principais motivos para a crise da dvida grega em 2010 (WNOROWSKI, A, 2011). Para o IPEA (2008) existiu um grande motivo para o fracasso econmico do evento, o medo do terrorismo, como atesta: Foi o que ocorreu em Atenas (2004), por causa do medo do terrorismo, que reduziu as receitas com o turismo e ampliou bastante os gastos com segurana (IPEA, 2008, p.49). Para Wnorowski (2011) os motivos foram outros, segundo a autora:Os preparativos para os Jogos em Atenas requereram o empreendimento de um nmero significativo de projetos pblicos dos quais se esperavam benefcios para os residentes aps os Jogos (...). Devido ao extensivo nmero de projetos, bem como problemas crnicos de implementao, o custo final dos Jogos Olmpicos de Atenas foi quase o dobro do oramento original (WNOROWSKI, 2011, p.23, traduo nossa).Sinteticamente, os Jogos Olmpicos de Atenas em 2004 podem ser considerados um grande fracasso em termos de legados econmicos. Para o IPEA (2008, p.49), se faz2No foi possvel encontrar a publicao do estudo, por isso ser usada uma fonte secundria para a apreciao das informaes.19necessrio, Sem dvida, estudar os erros (e acertos) do Comit Organizador dos Jogos de Atenas (...) para tentar evitar que se repitam no futuro. Consoante, Wnorowski atesta:As Olimpadas [de Atenas] permanecem como alvo de criticismo e ressentimento pblico; Quase sete anos depois, mais da metade das instalaes olmpicas permanecem inativas (...) Planos para usos ps-olmpicos das localizaes foram posteriormente ignoradas ou congeladas (WNOROWSKI, A, 2011, p.23-24, traduo nossa).4.2. Olimpadas de Pequim Contrastando com o caso anterior, os Jogos de 2008 em Pequim so considerados um caso de relativo sucesso, apesar do enorme custo de US$ 43 bilhes (Wnorowski, A, 2011). Dado o carter especial da economia chinesa que crescia, poca dos jogos, numa taxa de 9,6% a.a. como pode ser constatado nos grficos anteriormente expostos - podese isolar a capacidade desse Estado em especfico de arcar com um evento to caro, como afirma Wnorowski (2011, p.24, traduo nossa), apesar da China ser considerada uma nao em desenvolvimento, o seu investimento de $43 bilhes nas Olimpadas um que poucas outras naes em desenvolvimento podem equiparar. A avaliao de que o evento foi relativamente bem sucedido, por parte da autora, no depende dos impactos econmicos diretos, que ainda so incertos no longo-prazo (Wnorowski, 2011), mas de consequncias econmicas indiretas, A China usou os Jogos tanto para reanimar seu povo quanto para marcar sua re-emergncia como uma fora econmica global. (WNOROWSKI, A, 2011, p.24, traduo nossa). O estudo do IPEA (2008) mais efusivo ao destacar os benefcios econmicos das Olimpadas de 2008. Os autores evidenciam isso ao comentar,O evento grandioso trouxe para a cidade de Beijing uma srie de benefcios econmicos e deu impulso preservao do meio ambiente, confirmando o legado que os Jogos Olmpicos tm deixado em suas ltimas edies. Provavelmente, ter daqui por diante uma influncia positiva no desenvolvimento econmico chins, em especial setores como mdia, televiso, internet, telefonia mvel, energia limpa e material esportivo (IPEA, 2008, p. 44).20Infelizmente, poucas tentativas foram feitas de se estimar os impactos econmicos genricos das Olimpadas de Pequim para a economia chinesa com base em modelos economtricos. Alguns textos se concentram em temas especficos como o turismo (LI, S; BLAKE, A, 2008) e outros em aspectos qualitativos dos benefcios econmicos (WNOROWSKI, A 2011; IPEA, 2008; BRUNET, F; XINWEN, Z, 2008). Sendo assim, podese inferir com base nesses autores que os impactos econmicos indiretos foram benficos economia chinesa, mas faltam dados numricos que comprovem os benefcios dos impactos diretos da realizao do evento em Pequim. 4.3. Copa da Alemanha A Copa da Alemanha tem sido referncia em termos de qualidade de execuo das Copas do Mundo e, por isso, realizar um evento da mesma qualidade foi o objetivo da frica do Sul e o objetivo do Brasil para 2014. Segundo Lamartine DaCosta (2008), os investimentos privados e pblicos na Copa da Alemanha giraram em torno de R$11,5 bilhes, enquanto a previso de gastos para 2014 de R$18 bilhes. Essa edio do evento ser detalhada em termos tcnicos baseada nos artigos de Maennig e Du Plessis (2007) e Maennig e Hagn (2007), ambos os documentos so estudos ex post. A primeira percepo que os autores passam, ao comentarem os impactos da Copa do Mundo para a economia alem, a de que esses no so relevantes, como dispem, Os resultados demonstram que em nenhuma das cidades sedes o efeito do evento esportivo sobre o desemprego diferiu significativamente de zero (HAGN, F; MAENNIG, W, 2007, p.1, traduo nossa). Maennig e Du Plessis (2007), por sua vez, destacam, A experincia da Copa de 2006 aparenta estar em linha com as pesquisas empricas existentes sobre grandes eventos esportivos e estdios esportivos, que raramente identificaram algum benefcio liquido (PLESSIS, S; MAENNIG, W, 2007, p.2, traduo nossa).21O texto de Maennig e Hagn (2007) concentra-se nos impactos da realizao do megaevento sobre o mercado de trabalho. Os autores constroem um modelo matemtico de correlao entre variveis que no vale detalhar aqui- e chegam concluso de que no houve nenhum efeito da Copa sobre o mercado de trabalho que fosse relevante o suficiente para modificar o seu padro natural. Fazem uma importante ponderao que, no entanto, isso no basta para afirmar que o evento fora ineficiente de uma perspectiva econmica, especialmente quando se consideram os benefcios intangveis, que para os autores so efeitos de boa sensao na populao e de retorno de imagem (HAGN, F; MAENNIG, W, 2007). J o texto de Maennig e Du Plessis (2007), visa detalhar os impactos financeiros e econmicos - considerando os benefcios intangveis - da Copa de 2006 como uma referncia a ser utilizada para a Copa de 2010. Com essa inteno, os autores destacam vrias caractersticas econmicas do evento de 2006 e decretam que dificilmente a Copa de 2010 poderia ter algum benefcio econmico direto, considerando apenas os tangveis, assim como no houve em 2006 (PLESSIS, S; MAENNIG, W, 2007). Para os autores, um primeiro motivo para que no haja retornos significativos da Copa para a populao de que a maior parte do lucro do evento captada pela FIFA e seus parceiros econmicos. A possibilidade de realizao da Copa do Mundo no pas , na verdade, um direito adquirido via compra, junto a FIFA, pelo pas (PLESSIS, S; MAENNIG, W, 2007). Como monopolista frente a um grupo de concorrentes, a FIFA capaz de extrair muito do benefcio financeiro de sediar um torneio dos pases concorrentes (PLESSIS, S; MAENNIG, W, 2007, p.3, traduo nossa). De acordo com suas contas, a FIFA teve um custo, com a realizao do evento em 2006, de US$704 milhes; enquanto o lucro fora da ordem de US$1,9 bilho. Sendo assim, mais de dois bilhes de dlares da receita so captados pela FIFA, o que um nmero considervel j que o custo do fora de R$ 11,5 bilhes (DACOSTA, L, 2008, p.495).22Os impactos para a economia alem, no entanto, so, para os autores, de baixa importncia e restritos microeconomia de alguns setores como: produtores de cerveja, mesas de tot, casas de cmbio, servios privados de aviao, e produtos diretamente relacionados ao futebol. Pontuam ainda que no caso das cervejas no h como isolar a Copa do Mundo do aumento da temperatura poca de realizao da mesma, o que tambm poderia ter motivado o aumento de demanda por cervejas (PLESSIS, S; MAENNIG, W, 2007). O setor hoteleiro citado como exemplo de como os estudos ex ante so mal formulados - em suas bases metodolgicas -, por desconsiderarem o crowding-out effect que teria feito com que os turistas, que normalmente visitariam a Alemanha, procurassem outros destinos por conta da Copa e isto estaria traduzido nos nmeros: Hotis alemes assistiram um decrscimo de 2,7p.p em ocupaes em comparao a Junho de 2005. Em Berlim, a taxa de ocupao caiu 11,1p.p. e em Munique em 14,3p.p. (PLESSIS, S; MAENNIG, W, 2007, p.12, traduo nossa). Outro elemento criticado o de que o consumo tenha sido alavancado pelos visitantes. Segundo os autores, isso pode ter ocorrido, mas as estimativas desconsideram outro crowding-out effect gerado pelo efeito batata de sof (PLESSIS, S; MAENNIG, W, 2007) em que o consumo dos nativos diminuiconsideravelmente, pois preferem permanecer em casa assistindo os jogos na televiso, ou seja, os impactos da Copa sobre o consumo seriam irrelevantes (PLESSIS, S; MAENNIG, W, 2007). A avaliao dos benefcios intangveis foi transformada em nmeros pelos autores, por meio de pesquisas ex ante e ex post realizando questionrios com as pessoas nas ruas da Alemanha. A pesquisa ex ante encontrou um valor estimado em 467 milhes de dlares em Willingness to Pay (PLESSIS, S; MAENNIG, W, 2007), que traduziria a propenso das pessoas a pagar para receber a Copa na Alemanha. J a mesma pesquisa realizada ex post encontrou o valor de 1,1 bilho de dlares como resultado (PLESSIS, S; MAENNIG, W, 2007). 234.4. Copa da frica do Sul A Copa de 2010 foi vista pela mdia e personalidades mundiais, em geral, como a Copa do continente africano, mais do que simplesmente a Copa da frica do Sul. Durante as transmisses dos jogos isso ficara bem claro, pois as selees africanas participantes contaram com grande torcida dos nativos sul-africanos. Esta perspectiva pode ser percebida pelo discurso de Nelson Mandela (2010) quanto Copa:O esporte tem o poder de inspirar e unir as pessoas. O futebol na frica tem grande popularidade e um lugar especial no corao das pessoas. Por isso to importante que a Copa do Mundo seja, pela primeira vez, sediada no continente africano em 2010. Ns nos sentimos privilegiados e orgulhosos pela frica do Sul ter tido a honra singular de ser o pas-sede africano. Devemos nos esforar pela excelncia do evento e, ao mesmo tempo, garantir que ele deixe benefcios para todo o povo. O povo da frica aprendeu lies de pacincia e resistncia durante sua longa luta pela liberdade. Que a recompensa trazida pela Copa do Mundo prove que a longa espera pela liberdade em solo africano valeu a pena (MANDELA, N, 2010).A concepo de que a excelncia na execuo da Copa era uma necessidade essencial para a honra do continente africano tambm fora bem aceita pela mdia internacional. A avaliao do evento em termos tcnicos ser feita com base em estudo ex post de Du Plessis e Venter (2010). O texto segue a abordagem utilizada nos textos anteriores, referentes copa de 2006, mas expande um pouco a concepo de benefcios intangveis. A primeira exposio que os autores fazem que as estimativas ex ante foram exacerbadas quanto aos benefcios econmicos tangveis. Novamente, a receita da FIFA fora estimada em torno de US$ 2 bilhes, com lucro estimado em torno de US$ 1,1 bilho, comprometendo boa parte da receita que poderia ser recolhida pelos sul-africanos (PLESSIS, S; VENTER, C, 2010). Um interessante questionamento feito pelos autores se refere ao custo de oportunidade dos gastos pblicos com o evento, citando a perspectiva de outros setores da economia sul-africana:A dificuldade da deciso poltica em jogo clara pelos exemplos de custos de oportunidade que foram utilizados no debate, incluindo: que os R33 bilhes em gastos24cobririam facilmente os R23 requeridos para resolver o problema do pas com saneamento bsico como declarado por Greta Steyn (Steyn, 2010), ou que 205 escolas na provincial de Gauten poderiam ter sido financiadas com os R10,8 milhes do dinheiro gasto por departamento governamentais nos ingressos e parafernlias da Copa do Mundo (Flanagan, 2010), ou que os pupilos da escola primria de Cyril Clark e da escola secundria John Mdluli tiveram que se mudar temporariamente para estruturas de lata para que as escolas permitissem que os empreiteiros do estdio da Copa do Mundo em Mbombela usassem suas escolas como escritrio enquanto o projeto durasse. (Tolsi, 2010) (PLESSIS, S; VENTER, C, 2010, p.9, traduo nossa).Plessis e Venter (2010) ponderam que, no entanto, dois teros dos investimentos feitos parte dos investimentos em estdios, tquetes e parafernlias da copa- foram destinados a melhorias em rodovias, aeroportos e ferrovias, que podem traduzir, no longo prazo, aumento do potencial de crescimento da economia. Os investimentos nos estdios, por sua vez, dificilmente daro retorno em forma de potencial econmico. Isto acentuado pelo fato de que o futebol sul-africano (ou rgbi e outros eventos) no to desenvolvido a ponto de usufruir de todos os benefcios dos dez novos estdios de futebol construdos para a Copa e que foram financiados quase que exclusivamente pelo governo (PLESSIS, S; VENTER, C, 2010). Os efeitos sobre o mercado de trabalho tambm foram minimizados. No caso da construo civil, argumentam que o efeito crowding-out impediu um crescimento real dos nveis de emprego, i.e, o aumento de empregos destinados construo de estdios foi concomitante contrao de empregos destinados a outros tipos de obras (PLESSIS, S; VENTER, C, 2010). O gasto durante o evento tambm relativizado pelo efeito crowding-out e as estimativas dos autores so de que a frica do Sul recebera 200.000 turistas durante o perodo da Copa, em contraposio estimativa de 400.000 turistas ex ante. De acordo com os clculos realizados no texto, concluem que o impacto estimado do evento na economia fora de 0,1% do PIB (PLESSIS, S; VENTER, C, 2010). Por fim, relativiza a ineficincia econmica do evento com base no sucesso dos benefcios intangveis. Segundo eles,25Sul-africanos e visitantes internacionais aproveitaram o torneio imensamente, um benefcio que no menos real s porque mais difcil de quantificar em termos monetrios. E h potenciais benefcios no longo prazo principalmente por conta da imagem melhorada de uma economia vibrante onde instituies funcionam sem problemas e que oferece atrativos para o comrcio e investimentos. Esses benefcios, se aumentarem a trajetria do crescimento de longo prazo da economia, sero mais valiosos do que os parcialmente desapontes benefcios lquidos de Junho de 2010 (PLESSIS, S; VENTER, C, 2010, p.20, traduo nossa).4.5. Pan-Americano no Rio de Janeiro Os Jogos Pan-Americanos no Rio de Janeiro, para muitos, serviu como um teste para a cidade ser a sede das olimpadas em 2016. Embora uma avaliao destes e uma de Olimpadas ou Copa do Mundo difiram muito, todos so megaeventos e a realizao de um megaevento esportivo no pas de referncia de valor significativo para os objetivos deste trabalho. Em termos de realizao do evento, Camargo Barros (2008), ao relatar a opinio dos observadores, revela que esta ocorrera de forma convincente, sem maiores problemas, permanecendo apenas uma crtica eficincia do relacionamento entre as trs esferas do governo,Em termos de planejamento de instalaes, houve problemas principalmente relacionados ao atraso na entrega das obras e liberao de verba para a contratao de pessoal e servios. Segundo relato dos organizadores, essa demora ocorreu em funo da lentido nos processos de licitao e no entendimento entre os trs nveis de governo (federal, estadual e municipal) principais financiadores do projeto (BARROS, C, 2008, p.578).Apesar da escala relativamente menor dos Jogos, a consistncia na organizao um ponto positivo para a cidade que poder ter aprendido com os erros no planejamento do evento anterior, alm de preparar a sociedade para os impactos negativos de uma copa do mundo e das Olimpadas no muncipio; tais como: aumento do trnsito, aumento dos assaltos nas localidades distantes da realizao das partidas, e assim por diante. Quanto aos impactos e legados do evento para a cidade, existe muita controvrsia, permanecendo a tendncia do conflito entre as perspectivas no campo de estudo. Por um lado, Behnken (2010) contesta qualquer valor positivo que o evento possa ter trazido ao expor que, Os Jogos Pan-americanos de 2007 proporcionaram uma transferncia de R$ 2,8 26bilhes de recursos pblicos para poucos. Pois, evidente que foram os setores econmicos e sociais pertencentes s classes de renda mais altas os mais beneficiados (BEHNKEN, L, 2010, p.104). Outra viso sobre os impactos e legados dos Jogos parte do prprio governo, representado aqui por um documento do Tribunal de Contas-RJ (2009), referente a uma auditoria realizada sobre os impactos do Pan. A instituio levanta diversos benefcios trazidos pelo Pan, incluindo tangveis e intangveis, como exposto,Os impactos de mdio e de longo prazo ocorrem principalmente sobre a expanso e a melhoria da infraestrutura econmica e social da regio metropolitana, que teve de se adaptar e se estruturar para a prestao de servios esportivos adicionais e para o atendimento aos fluxos incrementais de pessoas (turistas, atletas, gestores etc.). Esses impactos repercutiram na capacidade de produzir mais bens e servios ao longo do tempo. Por sua vez, os impactos de curto prazo referem-se injeo de gastos adicionais para dar suporte operacional realizao dos Jogos, de investimento (construo de novas facilidades, compras de mquinas e equipamentos) e de custeio, aplicaes que tiveram origem nos trs nveis de governo (Federal, Estadual e Municipal) e no CO-RIO. Esses impactos ocorrem em termos de maiores nveis de produo (pela utilizao da capacidade ociosa disponvel no sistema produtivo), valor adicionado, massa salarial, arrecadao de impostos indiretos e de emprego(...)Apesar dos elementos tangveis (infraestrutura econmica e social) serem mais visveis, no se pode subestimar os ganhos que o processo de organizao dos Jogos induziu em termos de mobilizao social e poltica das comunidades locais. O sucesso dessa mobilizao cria um ativo intangvel que qualifica comunidades para liderar novos empreendimentos equivalentes, de igual ou maior escala organizacional (TCMRJ, 2009, p.16-17). interessante notar que apesar de conflitantes no quesito da valorizao dos benefcios tangveis, h uma coeso entre a avaliao referente aos benefcios intangveis como refora a ideia de Behnken (2010), Valorizar o Rio de Janeiro como vitrine internacional e cenrio inigualvel para a televiso global. A confirmao de que o Pan/2007 foi pensado e executado de forma a servir de instrumento para a internacionalizao do Rio de Janeiro explcita (BEHNKEN, L, 2010, p.81). TCMRJ (2009) ao afirmar que, O sucesso dessa mobilizao cria um ativo intangvel que qualifica comunidades para liderar novos empreendimentos equivalentes - de igual ou maior escala organizacional, est compactuando da viso de que o Rio est se preparando para passos maiores, indicando a relevncia dos benefcios intangveis.274.6. Copa de 2014 no Brasil O ponto de partida para a anlise dos impactos econmicos o estudo Ministrio do Esporte referente aos benefcios quando da realizao do evento. fundamental ter em mente que as projees do Ministrio do Esporte que ator diretamente interessado na execuo do evento, representando o governo podem ser supervalorizadas por interesses do rgo pblico (SWINNEM, J; VANDEMOORTELE, T, 2008). Confirmando os apontamentos de autores como Plessis e Maennig (2007) e Swinnem e Vandemoortele (2008), o nmero apresentado pelo Ministrio do Esporte (2010) que o projetado para o impacto econmico total chega a nveis astronmicos: R$183,2 bilhes, dos quais R$47,5 bilhes (26%) diretos e R$135,7 bilhes indiretos (74%) (MINISTRIO DO ESPORTE, 2010, p.4). Sem precisar entrar em detalhes metodolgicos, pode-se considerar essa expectativa excessivamente exagerada comparando-a aos resultados apresentados por estudos ex post das Copas de 2006 e 2010 nos quais os autores indicam que dificilmente existe algum impacto econmico relevante (PLESSIS, S; VENTER, C, 2010; PLESSIS, S; MAENNIG, W, 2007). Outro nmero questionvel aquele relativo criao de empregos, estimados em 737,8 mil novos postos de trabalho (49% fixos e 51% temporrios) (MINISTRIO DO ESPORTE, 2010, p.4). Segundo Hagn e Maennig (2007), na Alemanha no se pode observar nenhum impacto significativo da Copa sobre o mercado de trabalho. Ademais, foram considerados multiplicadores para estimar o impacto indireto (MINISTRIO DO ESPORTE, 2010, p.23) que reforam a superestima do governo com relao a esses benefcios, alm de ser desconsiderado o efeito crowding-out, muitos autores indicam que a grande falcia dos estudos governamentais enviesados encontra-se na excluso deste elemento nos clculos realizados (PLESSIS, S; VENTER, C, 2010). Dentre os possveis benefcios intangveis so apontados: visibilidade internacional, turismo, infraestrutura, aperfeioamento institucional que so quebrados em muitos outros 28benefcios (MINISTRIO DO ESPORTE, 2010, p.10). Estes apontamentos parecem condizer com o que foi levantado por Maennig e Plessis (2007), ao afirmarem existir uma supervalorizao dos impactos econmicos diretos, em detrimento dos benefcios intangveis que so mais visveis em longo prazo pela tica dos estudos ex ante. 4.7. Olimpadas de 2016 no Rio de Janeiro O Rio de Janeiro venceu a concorrncia de Chicago, Madri e Tquio e foi eleita a cidade sede dos Jogos Olmpicos de 2016 no Rio de Janeiro. Ser a primeira Olimpada em solo sul americano e existem grandes expectativas quanto qualidade do evento e sua grandiosidade em termos econmicos. Para Gurgel (2010), esse resultado revalidou a percepo de que o Brasil teria uma grande oportunidade de viver uma dcada de ouro, no que se referia economia do esporte e ao crescimento social por meio do esporte, especificamente (GURGEL, A, 2010, p.19). As projees econmicas oficiais do governo foram elaboradas pela FIA em estudo divulgado na internet em 2009. Infelizmente no foi possvel encontrar a divulgao original e, por isso, o texto de Gurgel (2010) ser utilizado, pois faz referncia aos nmeros oficiais contidos no documento da FIA. Este considera um perodo de dez anos como o horizonte das consequncias dos impactos econmicos das Olimpadas e considera uma projeo de gastos totais em US$ 14,4 bilhes (GURGEL, A, 2010). Novamente, as estimativas dos impactos econmicos so supervalorizadas, especialmente a dos impactos diretos (PLESSIS, S; VENTER, C, 2010; PLESSIS, S; MAENNIG, W, 2007). O estudo aponta um multiplicador de 4,26, o que geraria uma movimentao na economia brasileira de US$ 51,1 bilhes at 2027 (GURGEL, A, 2010). As estimativas para o mercado de trabalho tambm so extremamente otimistas, chegando a quase 250 mil novos postos de trabalho de 2009 a 2027 (GURGEL, A, 2010), embora estudos apontem que o impacto de um megaevento esportivo sobre o mercado de trabalho no seja estatisticamente relevante (HAGN, F; MAENNIG, W, 2007). 29O governo brasileiro insiste em justificar o enorme gasto pblico com base nos benefcios econmicos diretos, mas, at o momento, poucas evidncias econmicas foram encontradas, por uma anlise ex post e distanciada, de que esse tipo de benefcio exista e que, por si s, justifica a realizao de um megaevento esportivo em solo nacional. O questionamento dos gastos pblicos realizados pela tica da dicotomia pblico/privado (BOBBIO, N, 2009) , nesse diapaso, coerente, pois a argumentao de que os gastos pblicos no evento so eficientes, j que produzem benefcios econmicos diretos, no procede luz dos textos estudados (PLESSIS, S; VENTER, C, 2010; PLESSIS, S; MAENNIG, W, 2007; HAGN, F; MAENNIG, W, 2007). Vale ponderar que os mesmos autores condicionam suas crticas aos alegados benefcios diretos, deixando claro que no se destinam aos benefcios indiretos que podem catalisar o crescimento a longo-prazo (PLESSIS, S; VENTER, C, 2010). Todavia, a anlise dos dados macroeconmicos dos pases que realizaram os megaeventos em seus moldes atuais no apresentou resultados que indicassem sinais dessa catalisao. 5. Perspectivas e Repercusses Polticas dos Megaeventos no Brasil Foi apontado que a execuo dos megaeventos esportivos no Brasil traduz uma quebra de Soberania Westfaliana (KRASNER, S, 1999), pois tanto a FIFA quanto o COI impem suas exigncias para que o pas realize seus eventos em solo nacional. Foi discutido que, pela viso da dicotomia pblico/privado (BOBBIO, N, 2009), os eventos geram processos contraditrios uma vez que recursos pblicos que poderiam ser destinados a necessidades sociais mais imediatas so direcionados ao cumprimento das exigncias das organizaes, que concedem o direito de realizar os eventos, que tem como o resultado a realizao de um grande lucro por parte destas (PLESSIS, S; MAENNIG, W, 2007). Foi questionado o argumento oficial de que os eventos trazem benefcios econmicos extraordinrios que superam os custos de organizao (MINISTRIO DO ESPORTE, 2010; GURGEL, A, 2010), contrapondo-se a isto a falta de evidncias econmicas de que estes benefcios existam (PLESSIS, S; VENTER, C, 2010; PLESSIS, S; MAENNIG, W, 2007; 30HAGN, F; MAENNIG, W, 2007). Ainda assim, deve se considerar a ideia de Krasner (1999) de que os Estados s limitam sua soberania pela via do contrato caso percebam a possibilidade de uma relao Pareto-tima, o que exige o exame de questes polticas relacionadas ao tema. 5.1. Interesses polticos menores regionais ou individuais Uma primeira constatao que pode ser feita a de que a realizao dos megaeventos representa perfeitamente o papel de catalisador dos interesses polticos, individuais e regionais, de curto-prazo que visam reeleies e atrao de investimentos federais para cidades especficas. Westhuizen e Swart (2010) indicam que, na Copa de 2010, interesses polticos locais foram predominantes na escolha das sedes, Foi evidente que as polticas das cidades e provncias representaram um papel significativo na formao dos debates relativos seleo das sedes (VAN DER WESTHUIZEN, J; SWART, K, 2011, p.176). Questo similar j se apresenta no caso brasileiro, para apontar um exemplo, podemos destacar o jogo de interesses pela escolha da sede da abertura da Copa,O estdio do Morumbi, que na candidatura do Brasil em 2006 era cogitado para sediar este momento [abertura], agora no tem mais capacidade de reforma. Para os lobistas, deve-se construir um novo estdio, que ficar de legado para So Paulo. Estes movimentos contra o Morumbi so puxados em sua maioria pelo Presidente da CBF, Ricardo Teixeira, que teve desavenas com o Presidente do So Paulo Futebol Clube (BRUGGEMAN, A; ET AL, 2011, p.6). Pleiteamos firmemente a abertura. Ainda bem que So Paulo resolveu os problemas de estdio, importante para o Mundial. Mas, tecnicamente, estamos estruturados argumenta Tiago Lacerda, presidente do Comit de Belo Horizonte (...) Tenho certeza de que faremos a abertura - devolveu Gilmar Tadeu, secretrio da Copa em So Paulo (O GLOBO, 2011, p.1).Essas discusses internas agregam muito pouco ao debate poltico dos megaeventos esportivos e dependem muito da especificidade de cada pas, mas so motivos concretos e fazem parte de uma crtica j levantada por Milton Santos (2001), em sua anlise sobre a relao do Brasil com os processos de globalizao, sobre a busca de interesses particulares por parte dos polticos nacionais, 31Assim, as noes de destino nacional e de projeto nacional cedem frequentemente a frente da cena a preocupaes menores, pragmticas, imediatistas, inclusive porque, pelas razes j expostas, os partidos polticos nacionais raramente apresentam plataformas conduzidas por objetivos polticos e sociais claros que exprimam vises de conjunto (SANTOS, M, 2001, p.155).A realizao dos megaeventos no Brasil catalisa e potencializa este tipo de preocupao poltica de escopo reduzido e que, no fim, geram desgaste poltico e poucos resultados em termos de benefcios para a sociedade brasileira. Existe tambm o oportunismo, por parte de alguns polticos, da complexidade das transaes entre entidades oficiais e entidades privadas para desviar recursos e auferir influncia poltica. O IPEA (2008) menciona a corrupo como um dos fatores que levaram as Olimpadas da Grcia a ser um fracasso em termos de benefcios e legados econmicos. Alm disso, a displicncia relatada para com o legado das instalaes esportivas do evento em Sidney (IPEA, 2008) pode ser relacionada ao carter imediatista que Milton Santos (2001) identifica no jogo poltico brasileiro. Essas so situaes que podem ser reproduzidas no Brasil mediante a realizao dos eventos e so questes preocupantes, pois podem acentuar significativamente o custo de realizao dos mesmos, diminuindo a possibilidade de retornos econmicos para o pas. Behnken (2010) realiza essa crtica com relao ao Pan-Americano de 2007, realizado no Rio de Janeiro, segundo ele,O volume e a composio do gasto estatal no megaevento no foram determinados atravs de formulaes racionais, elaboradas pelos organizadores e governantes no interesse da coletividade. Ao contrrio, foram as classes dominantes locais e esportivas, dotadas de forte poder de presso poltica, que definiram a destinao das verbas pblicas em seu benefcio (BEHNKEN, L, 2010, p.96).Com base nesse argumento, detectamos o reforo do processo de privatizao do pblico (BOBBIO, N, 2009), uma vez que recursos estatais podem vir a ser desviados em favor de interesses privados dos polticos envolvidos, bem como de outras entidades privadas. Para que se assuma que a realizao de tais interesses, por si s, traduzam uma relao Pareto-tima (KRASNER, S, 1999) pela perspectiva do governo brasileiro com 32relao aquisio do direito de realizar os megaeventos esportivos no Brasil exige-se que se conceba uma coeso da poltica nacional em explorar verbas pblicas para a realizao de interesses privados ou ampla dominao dos interesses polticos menores na vida poltica nacional. Nesta dinmica, o primado do pblico no Brasil teria sido completamente dominado pela esfera privada e por interesses polticos individuais (BOBBIO, N, 2009). A reduo dos interesses polticos a esses termos limita severamente a anlise de outras repercusses e questiona a prpria ideia de Estado brasileiro. Com base nesta discusso, deve-se, portanto, considera-los como componentes do processo (BUZAN, B, 2009), mas no como viabilizadores do contrato (KRASNER, S, 1999) per se. 5.2. Projeto de exposio da imagem da nao brasileira Simultaneamente, temos indcios explcitos e implcitos da existncia de um grande projeto de exposio da imagem (ou marca) do pas no exterior, do qual a realizao, com qualidade, dos megaeventos esportivos considerado um fator crtico de sucesso. Logo aps a escolha do Rio como cidade-sede das Olimpadas de 2016, o ento presidente Lus Incio Lula da Silva fez um discurso no qual, por diversas vezes, deixou claro que a principal conquista do Brasil com a vitria no processo de licitao para realizao do evento fora a chance que ns no tivemos no sculo XX (SILVA, L, 2009) de mostrar a capacidade deste pas de fazer uma Olimpada (IBID); ao exaltar a vitria do pas, associa diretamente questo da imagem, hoje ns recebemos o respeito que as pessoas comearam a ter do Brasil (IBID) e ressaltou, implicitamente, que a vitria na licitao j mostra uma projeo do pas, ao dizer, Ningum agora tem mais dvidas da grandeza econmica do Brasil, da grandeza social, da capacidade nossa de apresentar um programa (IBID). No mesmo discurso existem tentativas de condicionar a vitria do Brasil como sendo uma vitria do continente sul-americano como um todo, numa ntida ttica de associar a imagem do Brasil a de lder do continente sul-americano, uma vitria de um continente sul-americano, uma vitria da Amrica Latina (IBID).33Existem inmeras abordagens quanto a este tema, tornando-se invivel uma anlise exaustiva, mas algumas sero consideradas para que se entenda a natureza de tal projeto. Van der Westhuizen e Swart (2011) identificam este tipo de projeto como um sintoma da emergncia de Estados Competitivos e a necessidade que estes possuem de aprimorar seus atrativos no cenrio externo,Em sua maior parte, ento, quase todos os Estados, alm daqueles tradicionalmente classificados como menos desenvolvidos, competem em diversas formas como anmonas de cores brilhantes no fundo do oceano por qualquer possibilidade que existam de atrair vrios tipos de capital ao aprimorar seus atrativos no cenrio internacional (VAN DER WESTHUIZEN, J; SWART, K, 2011, p.169, traduo nossa).Os autores denotam o estreito relacionamento entre os megaeventos esportivos e os projetos estatais de projeo de imagem e que isto foi acentuada quando da emergncia do mpeto competitivo entre os Estados,Embora os Estados sempre tenham acumulado um considervel prestigio por sediar um grande evento esportivo, desde o final do sculo vinte o imperativo econmico por trs tornou-se cada vez mais significativo, em parte por causa da mudana dramtica na natureza do Estado para o que se tem denominado como Estado Competitivo (VAN DER WESTHUIZEN, J; SWART, K, 2011, p.169, traduo nossa).Nesse sentido, mostram que o grande dispndio de recursos na realizao destes eventos justificado pela projeo do pas, ou, como colocam, na obteno de poder de marketing, O poder de marketing tambm serve a um propsito de poltica externa, j que as elites do Estado justificam o grande custo de sediar o evento com base no seu potencial de exportar o pas e de coloc-lo no mapa mundial (VAN DER WESTHUIZEN, J; SWART, K, 2011, p.169, traduo nossa). Ainda, indicam que o poder de marketing bifacetado, pois tambm serve um propsito poltico interno por parte das elites de alavancar sua legitimidade e reforar um senso de identidade nacional (VAN DER WESTHUIZEN, J; SWART, K, 2011). No discurso do ento presidente Lula, pode-se identificar a presena tanto o elemento externo, como j demonstrado anteriormente, quanto do elemento interno do poder de marketing, quando afirma, 34Eu acho que essa Olimpada um pouco da retribuio ao povo maravilhoso do Rio de Janeiro que muitas vezes s aparece na imprensa, nas pginas de jornais. preciso respeitar porque o povo bom, o povo generoso e eu acho que o Brasil merece. Aqueles que pensam que o Brasil no tem condies vo se surpreender. Os mesmos que pensavam que ns no tnhamos condies de governar este pas vo se surpreender com a capacidade deste pas de fazer uma Olimpada (SILVA, L, 2009, grifo nosso).Uma avaliao similar parte de Olins (2005) sob a denominao branding, termo relacionado a uma das vertentes do marketing que visa a criao e gerenciamento de marcas. Para este autor,Ainda assim a verdade sobre o assunto que as naes sempre tentaram criar e modular suas reputaes para criar lealdade coerncia domsticas e promover seu prprio poder e influncia sobre pases vizinhos. No tem, na verdade, nada realmente novo sobre o branding nacional, exceto pela palavra brand e as tcnicas que so utilizadas atualmente, que derivam das correntes principais do marketing e branding (OLINS, W, 2005, p.170, traduo nossa).Pode-se perceber que as abordagens so similares no conceito geral, concebendo os elementos internos e externos desse processo. Olins (2005) esclarece a necessidade das naes de constantemente reforarem sua imagem, pois constantemente sofrem mudanas em suas identidades,A razo pela qual as naes continuam tanto explicitamente quanto, algumas vezes, implicitamente a definir e redefinir suas identidades, ou, se vocs preferirem, continuam explicitamente e implicitamente a reposicionar suas marcas (rebranding), porque suas realidades mudam e elas precisam projetar simbolicamente essa mudana real a todas as audincias com quem se relacionam. Eles querem, tanto quanto possam, alinhar percepo com realidade (IBID, p.171, traduo nossa).O reposicionamento das marcas nacionais o rebranding- traz, segundo o autor, efeitos positivos, em especial sobre o turismo, no em termos quantitativos, mas em termos qualitativos, pois alguns pases recebem muitos turistas que no possuem grande curiosidade pelo pas e, por isso, gastam pouco,Um pas pode acabar recebendo um grande nmero de turistas com os quais no consegue lidar e que gastam muito pouco dinheiro por cabea. A alternativa para os pases a de se vender, diferenciando-se como marcas de consumo enfatizando sua arte, cultura, histria, comida, arquitetura, paisagem e outras caractersticas singulares por meio de imagens sofisticadas. Dessa forma a nao atrair menos turistas, mas que gastaro mais por cabea (OLINS, W, 2005, p.175, traduo nossa).355.3. Rio, Cidade Global Um segundo aspecto, implcito, que se pode distinguir do discurso do presidente Lula a importncia estratgica que a cidade do Rio de Janeiro desempenha no projeto de exposio da imagem ou marca (OLINS, W, 2005) brasileira, Foi o Rio de Janeiro que ganhou de Chicago, de Madri e de Tquio (...) O Rio de Janeiro tem um diferena, tem alma, tem corao (SILVA, L, 2009). Apesar de no haver meno direta a este tema, a escolha do Rio para ser o representante do Brasil na candidatura s Olimpadas de 2016 faz parte de uma das vertentes do projeto de exposio do Brasil, que faz parte dessa busca por competitividade por parte do pas (VAN DER WESTHUIZEN, J; SWART, K, 2011) e que assinalada por Behnken (2010),De fato, a candidatura e a realizao de um megaevento esportivo so os argumentos evocados para a concretizao da cidade global. Mas a perspectiva, verdadeira ou no, que envolve os coraes e mentes para a mobilizao a possibilidade de mudana, o futuro melhor, a passagem para o mundo mais moderno (BEHNKEN, L, 2010, p.30, grifo nosso) (...) As elites cariocas [e aqui podemos ampliar para elites polticas brasileiras] buscam preparar a cidade do Rio de Janeiro para entrar na nova era da competitividade, reorientando os investimentos para aqueles pontos da infraestrutura econmica que ofeream vantagens comparativas s fraes do capital mundial e construindo uma poltica de imagens que pretende mostrar ao mundo dos analistas de riscos que j passou a era da cidade-problema, da cidade-violncia, da cidade-degradao ambiental. Entramos agora no ciclo da cidade-negcio (RIBEIRO, L, 1996 APUD. BEHNKEN, L, 2010, p.58).O autor tambm discrimina a correlao entre o processo evolutivo dos megaeventos esportivos e da construo de cidades globais, uma similaridade muito grande de propsitos, gesto e argumentao poltica entre os conceitos da cidade global e a evoluo do megaevento esportivo internacional (BEHNKEN, L, 2010, p.101). Uma conceptualizao interessante sobre a questo das cidades globais feita pela autora Saskia Sassen (2000) que contextualiza os processos de construo destas no mbito maior da globalizao,Focar nas cidades nos permite especificar uma geografia de localizaes estratgicas na escala global, lugares conectados entre si pelas dinmicas da globalizao econmica. Eu me refiro a isto como uma nova geografia de centralizao (SASSEN, S, 2000, p.2, traduo nossa).36A autora justifica a criao desses espaos pela necessidade dos agentes globais de possurem localizaes estratgicas nas quais possam se comunicar e realizar transaes,Tendncias massivas em direo a uma disperso espacial das atividades econmicas nos nveis metropolitano, nacional e global que associamos globalizao contriburam para a demanda por novas formas de centralizao territorial (...) Mercados nacionais e globais, assim como organizaes globalmente integradas, precisam de lugares centrais onde o trabalho da globalizao feito (IBID, p.2-3, traduo nossa).Pode-se deduzir que a inteno do Estado brasileiro a de incluir a cidade do Rio de Janeiro nos circuitos globais (BEHNKEN, L, 2010) ao projetar a imagem da cidade no mercado externo como uma localizao estratgica no continente sul-americano e, concomitantemente, projetar a imagem do pas em mbito global. A realizao dos megaeventos esportivos no Brasil pode ser considerada um dos pilares desse programa de diplomacia que visa alterar a marca da nao brasileira (OLINS, W, 2005). 5.4. Megaeventos Esportivos como vetores de Poder Produtivo Estas abordagens que priorizam o aspecto mercadolgico e globalizante dos megaeventos esportivos podem ser ampliadas se considerarmos a problemtica por uma perspectiva de poder. Alm de agregar em termos de simplicidade s avaliaes das repercusses em termos polticos, a incluso do tema em uma perspectiva de poder agrega particularidades interessantes que so prprias ao estudo das Relaes Internacionais. Para tal, ser utilizada a abordagem de Barnett e Duvall (2005) que concebe o poder nas Relaes Internacionais por uma tipologia que contm quatro vertentes, quais sejam: i) Poder Compulsrio; ii) Poder Institucional; iii) Poder Estrutural; iv) Poder Produtivo. A conceituao genrica de poder dada por poder a produo, dentro e atravs de relaes, de efeitos que moldam a capacidade dos atores de determinarem suas circunstncias e destino (BARNETT, M; DUVALL, R, 2005, p.1, traduo nossa). Os autores defendem que uma concepo mais abrangente do poder, que perceba suas diferentes dimenses e mantenha definies claras enriquece a anlise de poder no mbito 37acadmico, pois permite que sejam percebidas as correlaes existentes entre as diferentes formas em que o poder aparece (IBID). Para eles existem duas dimenses analticas que geram as quatro tipologias dispostas acima, os tipos de relaes sociais pelas quais o poder funciona relaes de interao ou relaes sociais de constituio , e a especificidade das relaes sociais pelas quais os efeitos so produzidos direta ou indireta (IBID). O primeiro tipo de poder que definem o Poder Compulsrio, poder como relaes de interao de controle direto por um ator sobre o outro (IBID, p.5, traduo nossa). O segundo, Poder Institucional, o controle que atores exercem indiretamente sobre relaes de interao difusas (IBID, p.5, traduo nossa). O terceiro, Poder Estrutural, constituio das capacidades dos sujeitos em relao estrutural e direta de um para com o outro (IBID, p.5, traduo nossa). Por ltimo, o Poder Produtivo, produo socialmente difusa da subjetividade em sistemas de significao e sentido (IBID, p.5, traduo nossa). Para eles, esta taxonomia responde pergunta fundamental das problemticas de poder: De que formas os atores podem determinar seu destino, e como essa habilidade aprimorada ou limitada pelas relaes sociais com outros? (IBID, p.5, traduo nossa). Para alinhar estes termos com o que foi apresentado por Van der Westhuizen e Swart (2011), Olins (2005), Behnken (2010) e Sassen (2000), deve-se explorar o conceito de Poder Produtivo (BARNETT, M; DUVALL, R, 2005), pois nesta vertente do poder que podemos associar ao projeto de exposio da imagem da nao brasileira tanto interna quanto externamente. Para Barnett e Duvall (2005), para que se entenda o poder produtivo, deve-se focar em como processos sociais difusos e contingentes produzem tipos particulares de assuntos, significados fixos e categorias, e criam o que tomado como verdade (BARNETT, M; DUVALL, R, 2005, p.19, traduo nossa). Lula, ao discursar aps o Rio ter sido escolhido como sede das Olimpadas, nos remete criao de poder produtivo (IBID) por parte do Brasil ao dizer que a conquista representou a oportunidade do pas de mostrar a capacidade deste pas de fazer uma 38Olimpada (SILVA, L, 2009). Similarmente, Van der Westhuizen e Swart (2011), indicam a criao de poder produtivo (BARNETT, M; DUVALL, R, 2005) no processo de recepo de um megaevento esportivo, as elites do Estado justificam o grande custo de sediar o evento com base no seu potencial de exportar o pas e de coloc-lo no mapa mundial (VAN DER WESTHUIZEN, J; SWART, K, 2011, p.169, traduo nossa). Da mesma maneira, Olins (2005) informa uma das formas de criao de poder produtivo (BARNETT, M; DUVALL, R, 2005) por parte de um pas, A alternativa para os pases a de se vender, diferenciando-se como marcas de consumo enfatizando sua arte, cultura, histria, comida, arquitetura, paisagem e outras caractersticas singulares por meio de imagens sofisticadas (OLINS, W, 2005, p.175, traduo nossa). Similarmente, podemos identificar a criao de poder produtivo com relao cidade do Rio de Janeiro, como denota Ribeiro apud Behnken (2010), construindo uma poltica de imagens que pretende mostrar ao mundo dos analistas de riscos que j passou a era da cidade-problema, da cidade-violncia, da cidadedegradao ambiental. Entramos agora no ciclo da cidade-negcio (RIBEIRO, L, 1996, APUD. BEHNKEN, L, 2010, p.58). A dimenso do projeto brasileiro que voltada para as questes internas tambm revela a criao de poder produtivo (BARNETT, M; DUVALL, R, 2005) como demonstram os autores, as naes sempre tentaram criar e modular suas reputaes para criar lealdade coerncia domsticas (OLINS, W, 2005, p.170, traduo nossa); Internamente o poder de marketing se refere tentativa por parte das elites do Estado de alavancar sua legitimidade poltica, reforar o senso de identidade nacional (WESTHUIZEN, J; SWART, K, 2011, p.3, traduo nossa). Para o caso da cidade do Rio de Janeiro, temos a declarao de Lula (2009), Foi o Rio de Janeiro que ganhou de Chicago, de Madri e de Tquio (...) O Rio de Janeiro tem um diferena, tem alma, tem corao (SILVA, L, 2009). Todas essas associaes so possveis j que atendem aos requisitos bsicos que Barnett e Duvall (2005) colocam para a verificao da existncia de poder produtivo que so as relaes sociais difusas pois o pas tenta atingir o mximo possvel de receptores, 39interna e externamente e relaes sociais de constituio, j que o Estado visa gerar alteraes na sua identidade assim como na imagem da cidade do Rio de Janeiro - ou, de acordo com Olins (2005) na sua marca e, ainda, tenta alavancar a legitimidade interna (WESTHUIZEN, J; SWART, K, 2011). Enquadra-se, assim, parte das consequncias polticas da realizao dos megaeventos esportivos no Brasil no conceito de Poder Produtivo (BARNETT, M; DURVALL, R, 2005). 5.5. Reflexes Crticas das Repercusses Polticas J foi evidenciado que os megaeventos esportivos oferecem uma oportunidade nica para que polticos mal intencionados possam se utilizar do aparato do Estado para engendrar benefcios pessoais ou conquistar influncia poltica que, nas palavras de Milton Santos (2001), so preocupaes menores e imediatistas, que no exprimem viso de conjunto. Essas questes exercem grande influncia sobre o processo de privatizao do pblico (BOBBIO, N, 2009) no mbito nacional. Alm dessas, existem outras que so indissociveis do projeto brasileiro de exposio de sua imagem e do Rio de Janeiro por meio dos megaeventos esportivos. 5.5.1 Hipocrisia Anteriormente foi indicado que o governo utiliza o argumento econmico para justificar a candidatura e realizao de um megaevento esportivo, argumento esse que carece de evidncias concretas (PLESSIS, S; VENTER, C, 2010; PLESSIS, S; MAENNIG, W, 2007; HAGN, F; MAENNIG, W, 2007). No entanto, nesta temtica residem questes morais e ticas que ainda no foram explicitadas, pois intencionalmente o governo produz um discurso que no reflete a realidade com vistas a conquistar apoio do povo para um projeto poltico incerto. Ao comentar a incoerncia de tal prtica por parte de um governo democrtico, Behnken (2010) discorre, com a intensa difuso de tais predicados que se d a construo do consenso sobre a candidatura a um megaevento esportivo. O processo de convencimento da opinio40pblica se utiliza de figuras da mdia ou lideranas sociais para atuar como relaes pblicas (BEHNKEN, L, 2010, p.42, grifo nosso).O convencimento, termo destacado da passagem anterior, tem conotao pejorativa para o autor, isto fica mais bvio ao compararmos aos comentrios do autor sobre o ponto moral, relativo construo da cidade global do Rio de Janeiro, que no texto do mesmo esto intimamente relacionados, A cidade global aposta na sua seduo em promover o orgulho da cidade atravs do engajamento de seus habitantes, a despeito do agravamento das condies sociais que o processo por fim pode acarretar (BEHNKEN, L, 2010, p.27, grifo nosso). O termo seduo, grifado na passagem anterior, traduz perfeitamente a conotao pejorativa que o autor possui sobre os referidos processos. Assim, tenta se criar a ideia de que uma deciso tomada por poucas pessoas fora a deciso do povo entendendo o que o melhor para o povo, sobre isso o autor ilustra,Cabe ao governo local a promoo interna cidade para dotar seus habitantes de patriotismo cvico, de sentido de pertencimento, de vontade coletiva de participao e de confiana e crena no futuro da urbe. Esta promoo interna deve apoiar-se em obras e servios visveis, tanto os que tm um carter monumental e simblico como os dirigidos a melhorar a qualidade dos espaos pblicos e o bem-estar da populao (CASTELLS, M; BORJA, J, APUD. BEHNKEN, L, 2010, p.26).O comentrio anterior encaixa-se perfeitamente tanto no caso do Rio de Janeiro, quanto no da realizao dos megaeventos, sobre os quais existe uma argumentao econmica que referendada por portentosos investimentos em infraestrutura e arenas esportivas monumentais. No entanto, apesar da natureza democrtica do governo brasileiro, a deciso fora tomada por poucos indivduos pertencentes elite poltica nacional e carioca, Behnken (2010) refora esta ideia ao comentar,Se se toma a experincia do Rio de Janeiro, em que um consrcio empresarial e associaes patronais, em parceria com a Prefeitura, conduziram o processo de maneira absolutamente autoritria e fechada participao de segmentos de escassa relevncia estratgica, talvez se devesse falar de democracia direta da burguesia. Numa outra direo, poder-se-ia enfatizar a passagem do despotismo tecno-burocrtico com pretenses racionalistas para a ditadura gerencial com pretenses a produtivizar a cidade e os cidados (VAINER, C, APUD. BEHNKEN,L , 2010, p.63-64).Levando isso em considerao, temos uma deciso autoritria, tomada por poucos sujeitos pertencentes s elites polticas que visam expandir a imagem do Brasil e do Rio de 41Janeiro no exterior (BEHNKEN, L, 2010). No entanto, como o tipo de governo no Brasil a Democracia, assistimos a um processo de seduo, encantamento e convencimento da populao baseado numa argumentao econmica que possui poucas evidncias concretas de que seja real, para que uma pequena parcela da sociedade conquiste sua vantagem estratgica (LYNCH, M, 2008). Esta dinmica definida por Marc Lynch (2008), como hipocrisia,Defino hipocrisia como uma posio moral intencionalmente enganadora. Diferentemente da mentira (definida simplesmente como exposio falsa intencional), hipocrisia sempre contm um limite moral explicito. A anlise da hipocrisia necessariamente bifacetada: por um lado, mostrar como os atores foram hipcritas em sua retrica; por outro lado, mostrar como os atores jogaram um caracterstico jogo de hipocrisia, usando retrica moral, e demandando que outros aceitassem sua prpria retrica moral, para obter vantagem estratgica (LYNCH, M, 2008, p.170, traduo nossa).Constata-se, portanto, que a utilizao do argumento econmico, por parte do governo, para justificar a realizao dos megaeventos esportivos no Brasil um artificio hipcrita, nos termos de Lynch (2008), pois o processo de convencimento e seduo apontado por Behnken (2010) exatamente o jogo hipcrita ao qual Lynch (2008) se refere, pois tenta criar uma sensao de pertencimento deciso por parte da sociedade (BEHNKEN, L, 2010) que no verdadeira e utilizada para que as elites polticas possam obter vantagem estratgica deste sentimento (LYNCH, M, 2008). Por fim, deve-se levar em conta que a real motivao para que o Estado brasileiro se engaje neste processo hipcrita (LYNCH, M, 2008) de convencimento e seduo da populao (BEHNKEN, L, 2010) advm das imposies s quais a FIFA e o COI condicionam a liberao da realizao dos eventos em territrio brasileiro. Na viso de alguns autores como Plessis e Maennig (2007) e Van der Westhuizen e Swart (2011) essas imposies servem apenas aos interesses destas instituies, pois criam condies de melhores parcerias comerciais. Percebemos, portanto, que os governantes brasileiros permitem uma quebra de soberania westfaliana (KRASNER, S, 1999) e executam um jogo hipcrita (LYNCH, M, 2008) para seduzir e convencer a sociedade quanto a estes eventos (BEHNKEN, L, 2010) e o fazem para permitir que as instituies responsveis pelos eventos 42consigam aferir seus lucros e, para tal, gastam um enorme montante de recursos pblicos -, num ntido processo de privatizao do pblico (BOBBIO, N, 2009). 5.5.2 Produo de Desequilbrios Ao criticar as dinmicas da globalizao, Milton Santos (2001) as relaciona produo sem contrapartida de desequilbrios e distores naturais, acarretando mais fragmentao e desigualdade, tanto mais graves quanto mais abertos e obedientes se mostrem os pases (SANTOS, M, 2001, p.155). Efeitos similares so apontados por autores tanto quando da candidatura a um megaevento esportivo quanto da execuo de um projeto de construo de uma cidade global. Van der Westhuizen e Swart (2011) o fazem ao criticar a priorizao dos gastos com o evento em detrimento de necessidades mais mundanas, o que remete crtica econmica do efeito crowding-out. Sendo assim, os autores concordam, em parte, com Milton Santos (2001) ao afirmarem que estes gastos no mitigam situaes de desigualdade social e econmica, mas no chegam a afirmar que estes reforam as mesmas. Behnken (2010) mais contundente ao comentar sobre o pan-americano de 2007 no Rio de Janeiro e o projeto de construo do Rio como cidade global processos que este autor entende serem muito similares e sobrepostos,A escolha do bairro Barra da Tijuca para concentrar a maioria das instalaes no foi justificada por argumentos tcnicos, porm no foi aleatria nem desconexa histria urbana carioca. O estudo de Abreu (2006, p.134-135) acerca da seleo geogrfica dos governantes para os investimentos pblicos aponta para: a ao preferencial do Estado nas zonas mais ricas da cidade [que, por conseguinte] Levou a um processo intenso de especulao imobiliria que determinou a expanso da parte rica da cidade em direo a So Conrado e Barra da Tijuca na tentativa, intil, de fugir da convivncia com os pobres (BEHNKEN,L, 2010, p.78) (...) A reproduo destes processos tradicionais para a ocupao do territrio, na economia e na poltica esto contra os propsitos de uma sociedade bem ordenada, justa e estvel, ou seja, no aliviam o sofrimento e a dificuldade dos pobres, no diminuem a distncia entre ricos e pobres, no promove a eliminao do estigma dos menos favorecidos, no promovem a eliminao de processos ou formas de sociabilidade injustas e no promovem uma equidade no processo poltico, em verdade, a reproduo destes processos tradicionais no espao metropolitano promover possivelmente o aumento dos processos de segregao e de excluso social dentro da cidade (SILVA, C, 2005, APUD. BEHNKEN, L, 2010, p.79).43O projeto de transformao do Rio em cidade global criticado sob as mesmas bases,Ao promover a ideia de que importante para a cidade tornar-se uma cidade global, as elites, principalmente as imobilirias e de telecomunicaes, juntamente com os governos local, regional e nacional, se articulam para garantir a destinao de recursos pblicos em obras nos espaos de expanso do capital. Tal movimentao possibilita o redirecionamento de recursos que poderiam ser destinados a polticas mais urgentes para as camadas mais pobres. Porm, essa preocupao no est na agenda da cidade global (BEHNKEN, L, 2010, p.22) (...) A perversidade desse urbanismo de marketing est no tratamento secundrio tanto do espao fsico restante, quanto da populao de baixa renda considerada como entorno social (BEHNKEN, L, 2010, p.24).As criticas do autor so destinadas s desigualdades criadas por esses movimentos que visam inserir o Brasil nos processos de globalizao, como j havia evidenciado Milton Santos (2001). Essa consequncia bidirecional, pois gera desigualdades dentro das cidades e entre as cidades do Brasil. Deve-se conceber que tanto o Rio de Janeiro que ser a cidade-sede das Olimpadas de 2016 e sede da final da Copa do Mundo de 2014 quanto as demais cidades-sede da Copa so as localizaes com a maior concentrao de renda do pas, embora sejam muito desiguais internamente. Milton Santos (2001) nos ajuda a entender e classificar estes segmentos muito diferentes da sociedade brasileira ao classifica-las como nao ativa e nao passiva,A nao chamada passiva constituda pela grossa maior parte da populao e da economia, aqueles que apenas participam de modo residual do mercado global ou cujas atividades conseguem sobreviver sua margem, sem, todavia, entrar cabalmente na contabilidade pblica ou nas estatsticas oficiais (SANTOS, M, 2001, p.157).A classificao de Milton Santos (2001) de nao passiva feita de forma negativa, no sentido de ser aquela parte da populao que no participa diretamente da economia globalizada. Essa classificao pode ser estendida tanto aquelas cidades que no foram escolhidas salvo algumas excees de cidades ricas no interior e litoral - e, portanto, no receberam investimentos federais relativos aos megaeventos, como tambm quela parcela da populao carioca que no se beneficiar do projeto de transformao do Rio em cidade global, como destaca Behnken (2010). Sassen (2000) d o mesmo tom sua crtica, discriminando as desigualdades geradas internamente e entre as cidades que so ou no transformadas em centros globais, 44A ascendncia das indstrias de informaes e o crescimento da economia global, ambos intrinsecamente ligados, contriburam para o surgimento de uma nova geografia de centralidade e marginalidade. Essa nova geografia reproduz, em partes, desigualdades existentes, mas tambm o resultado de uma dinmica especifica das formas correntes de crescimento econmico (SASSEN, S, 2000, p.4) (...) Cidades globais acumulam imensas concentraes de poder econmico enquanto aquelas cidades que antes eram grandes centros de manufatura sofrem com o declnio; O centro das cidades e os centros de negcios em reas metropolitanas recebem investimentos massivos em imveis e telecomunicaes enquanto reas metropolitanas e urbanas de baixa renda esto desesperadas por recursos; trabalhadores altamente educados no setor corporativo veem seus salrios aumentarem para nveis surpreendentes enquanto trabalhadores de mdia ou baixa especializao veem seus salrios afundarem. Servios financeiros produzem super-lucros enquanto servios industriais mal sobrevivem (SASSEN, S, 2000, p.4) (...) Ao mesmo tempo, tem havido uma crescente desigualdade na concentrao de recursos estratgicos e atividades entre cada uma dessas cidades e as demais cidades no mesmo pas. Ao longo dessas novas hierarquias globais e regionais entre as cidades tem um vasto territrio que tem se tornado perifrico, cada vez mais excludo das principais processos econmicos que so vistos como combustveis do crescimento econmico na nova economia global (SASSEN, S, 2000, p.4).A autora critica o reforo das desigualdades existentes por conta desses processos e vai mais alm, indicando que est se criando uma nova geografia de centros e periferias que trazem consigo uma srie de novas dinmicas de desigualdade, como revela o trecho,Ns podemos pensar nesses desenvolvimentos como constituintes de novas geografias de centralidade e marginalidade que cortam atravs da antiga diviso pases pobres/ricos, e novas geografias de marginalidade que se tornaram muito evidentes no somente no mundo menos desenvolvido, como tambm dentro de pases altamente desenvolvidos. Dentro de grandes cidades em ambos os mundos desenvolvidos e subdesenvolvidos ns vemos uma nova geografia de centros e margens que no somente reforam desigualdades existentes como movimentam uma srie de novas dinmicas de desigualdade (SASSEN, S, 2000, p.7).Nesse diapaso, vemos que os megaeventos esportivos no so vetores de uma distribuio de renda igualitria, favorecendo uma parte da nao, aquela que Milton Santos (2001) chama de nao ativa, enquanto desfavorece a nao passiva, pois refora desigualdades j existentes e cria novas dinmicas de desigualdade, especialmente entre aquelas cidades que pertencem ou no nao ativa (SASSEN, S, 2000). 5.5.3. Megaeventos Esportivos como Vetores de Poder Estrutural A reflexo crtica acerca das desigualdades geradas pode ser ampliada se tomarmos como base, novamente, as concepes de poder de Barnett e Duvall (2005) para contextualizar a questo em termos de poder. Ser de grande utilidade o conceito de poder estrutural (BARNETT, M; DUVALL, R, 2005) que categoriza com clareza as relaes de 45poder que so alteradas e entendidas como negativas, i.e, o reforo das desigualdades sociais entre a nao ativa e a nao passiva (SANTOS, M, 2001). A definio dada pelos autores para poder estrutural constituio das capacidades dos sujeitos em relao estrutural e direta de um para com o outro (BARNETT, M; DUVALL, R, 2005, p.5, traduo nossa). O poder estrutural pertinente s relaes sociais de constituio e de relao direta entre atores e determina as capacidades e interesses sociais (BARNETT, M; DUVALL, R, 2005). A concepo de estrutura dada por essa dimenso de poder , segundo os autores,Uma relao interna i.e, uma relao de constituio direta no sentido de que a posio estrutural, A, s existe em funo de sua relao com a posio estrutural, B (...) Por essa perspectiva, os entes sociais que so mutuamente constitudos so direta e internamente relacionados; i.e, as capacidades, subjetividades, e interesses sociais dos atores so diretamente moldados pelas posies sociais que ocupam (BARNETT, M; DUVALL, R, 2005, p.15, traduo nossa).O poder estrutural (IBID) o grande vetor de gerao de desigualdades sociais e tambm de refora das situaes desiguais, pois, nas palavras dos autores, o poder estrutural pode funcionar de modo a constranger alguns atores de reconhecer sua prpria dominao (BARNETT, M; DUVALL, R, 2005, p.15, traduo nossa). Concebem que o poder estrutural define as condies e os destinos dos atores de duas formas,Primeiramente, posies estruturais no necessariamente geram privilgios sociais igualitrios; ao contrrio, estruturas alocam capacidades diferenciadas, e normalmente vantagens diferenciadas, para posies diferentes (...) Depois, a estrutura social no apenas constitui os atores e suas capacidades, ela tambm define seus auto entendimentos e interesses subjetivos. A consequncia que as estruturas que distribuem privilgios assimtricos tambm afetam os interesses dos atores, geralmente tentando-os a aceitar seu papel na ordem das coisas atual (IBID, p.15, traduo nossa).Pode-se entender a produo de poder estrutural (IBID) no caso estudado tanto como um resduo negativo e indesejvel ou como uma poltica implcita e intencional, que visa reforar as desigualdades de forma a manter o status quo entre nao ativa e passiva (SANTOS, M, 2001). Considerando a perspectiva de Behnken (2010) temos que a produo de poder estrutural (BARNETT, M; DUVALL, R, 2005) intencional e promovida pelas elites polticas neste caso a elite poltica carioca como deixa claro,46Ao promover a ideia de que importante para a cidade tornar-se uma cidade global, as elites, principalmente as imobilirias e de telecomunicaes, juntamente com os governos local, regional e nacional, se articulam para garantir a destinao de recursos pblicos em obras nos espaos de expanso do capital. Tal movimentao possibilita o redirecionamento de recursos que poderiam ser destinados a polticas mais urgentes para as camadas mais pobres. Porm, essa preocupao no est na agenda da cidade global (BEHNKEN, L, 2010, p.22) (...) A perversidade desse urbanismo de marketing est no tratamento secundrio tanto do espao fsico restante, quanto da populao de baixa renda considerada como entorno social (BEHNKEN, L, 2010, p.24).Sassen (2001), no deixa claro se considera o engendramento de poder estrutural decorrente da transformao uma cidade em cidade global como uma poltica intencional, mas destaca a formao desse ao esclarecer os pontos sobre a criao de geografias de centralidade e marginalidade que reforam as desigualdades existentes e criam dinmicas inditas, em outros termos, reforam as estruturas atuais de desigualdade entre posies A e B e geram novas posies desiguais em novas estruturas (BARNETT, M; DUVALL, R, 2005). Dessa reflexo crtica podemos inferir que o Estado brasileiro dispende vultosos recursos pblicos que so impostos pelas instituies privadas FIFA e COI para empenhar um projeto de transformao da imagem que traz como resduo negativo ou poltica intencional consigo o reforo das desigualdades entre a nao passiva e a nao ativa (SANTOS, M, 2001) e cria novas dinmicas de desigualdade (SASSEN, S, 2000), ou seja, refora as estruturas desiguais existentes e cria novas estruturas desiguais traduzindo um vetor de poder estrutural (BARNETT, M; DUVALL, R, 2005). Concluso So ilimitados os pontos de vista relativos s consequncias dos megaeventos esportivos nas dimenses poltica, econmica, social, ambiental e assim por diante. Tentouse aqui realizar uma anlise multidimensional, com a inteno de avaliar os megaeventos esportivos pela tica das Relaes Internacionais. Para tal, foi essencial a perspectiva dos nveis de anlise, pela qual identificamos que a realizao dos megaeventos esportivos , para as dinmicas de Relaes Internacionais, um processo (BUZAN, B, 2009). A procura 47por entender este motivou s indagaes quanto s consequncias do mesmo e quanto natureza dessa relao. O primeiro ponto a ser destacado que, apesar da negativa do governo, a realizao dos megaeventos esportivos revela uma quebra de soberania. Para atestar tal condio, utilizou-se a tipologia de Krasner (1999) que possui grande vantagem em termos de simplicidade e escopo se comparada a outras vises sobre a Soberania. O autor nos indica quatro tipos de soberania, das quais destacamos que a soberania westfaliana a mais afetada pelos megaeventos esportivos, pois entidades externas influenciam nas polticas internas dos Estados (KRASNER, S, 1999). Foi destacado que esta quebra de soberania s ocorre porque as entidades privadas COI e FIFA que so responsveis pela realizao das Olimpadas e Copa do Mundo, respectivamente precisam que os governos garantam algumas condies para que o evento seja lucrativo para elas e seus parceiros corporativos (PLESSIS, S; VENTER, C, 2010). Isso nos remete complicada questo da dicotomia pblico/privado (BOBBIO, N, 2009), uma vez que os Estados deixam de investir em necessidades mundanas (WESTHUIZEN, J; SWART, K, 2011) e utilizam um volume considervel de recursos pblicos para efetuar as garantias exigidas. Foi discriminado o argumento econmico utilizado pelo governo brasileiro para justificar a realizao dos megaeventos esportivos e, consequentemente, a enorme quantidade de recursos pblicos destinados a esta. Aps a anlise dos impactos macroeconmicos em pases sede de megaeventos recentes e as avaliaes de diversos autores como Plessis e Venter (2010); Plessis e Maennig (2007); Hagn e Maennig (2007), concluiu-se que, at o momento, no existem evidncias de impactos econmicos diretos e benficos para a nao sede de um megaevento esportivo. Esta situao gera ainda mais presso sobre dicotomia pblico/privado (BOBBIO, N, 2009), pois se torna difcil justificar o48dispndio de recursos pblicos como vetores de desenvolvimento econmico que o argumento oficial. Finalmente, foram avaliadas as consequncias polticas dos megaeventos esportivos no Brasil, podendo ser sumarizados pela criao, por um lado, de Poder Produtivo (BARNETT, M; DUVALL, R, 2005), com o objetivo de promover e mudar a imagem (ou marca) do Brasil e da Cidade do Rio de Janeiro no exterior (WESTHUIZEN, J; SWART, K, 2011; OLINS, W, 2005), e, por outro lado, de Poder Estrutural (BARNETT, M; DUVALL, R, 2005), pois os megaeventos esportivos e o projeto de transformao do Rio de Janeiro em cidade global reforam as estruturas desiguais existentes e criam novas dinmicas de desigualdade, impondo novas estruturas desiguais (BEHNKEN, L, 2010; SASSEN, S, 2000; BARNETT, M; DUVALL, R, 2005). Krasner (1999) afirma que para um Estado abrir mo, voluntariamente, de parte de sua soberania frente a uma entidade externa, pela via do contrato, este deve esperar a concretizao de uma situao Pareto-tima. Foi estipulada dicotomia pblico/privado (BOBBIO, N, 2009) como parmetro para que se identifique ou no a existncia de uma relao Pareto-tima entre o Brasil e COI e Brasil e FIFA. So muitos os argumentos que apontam para a existncia de um processo de privatizao do pblico (IBID), como podemos inferir das afirmativas de Behnken (2010) quanto ao Pan-Americano de 2007,J as instalaes no-esportivas tambm ficaram sob a administrao privada, ou seja, todos os recursos pblicos empregados neste conjunto de equipamentos urbanos para a realizao do megaevento foram incorporados a bens de usufruto particular . Portanto, a participao estatal na criao de infraestrutura, especialmente as instalaes esportivas, para o Pan/2007 objetivou criar condies de favorecimento lucratividade do capital privado (BEHNKEN, L, 2010, p.94).Alm disso, deve-se reiterar que boa parte dos recursos pblicos investidos s o por conta das imposies das entidades responsveis pelos eventos que so entidades privadas para que possam criar condies de lucro prprio e para seus parceiros corporativos. Temos, ento, a privatizao do pblico (BOBBIO, N, 2009) por duas vias sendo uma destinada s entidades privadas externas e outras s entidades privadas 49internas que se relacionam diretamente com o processo. Behnken (2010) referenda a inexistncia de uma motivao racional para tal relao,O volume e a composio do gasto estatal no megaevento no foram determinados atravs de formulaes racionais, elaboradas pelos organizadores e governantes no interesse da coletividade. Ao contrrio, foram as classes dominantes locais e esportivas, dotadas de forte poder de presso poltica, que definiram a destinao das verbas pblicas em seu benefcio (BEHNKEN, L, 2010, p.96).Um contraponto importante a ser feito que no s por interesses privados foi movida a candidatura brasileira realizao dos megaeventos, existe tambm o projeto explicito e implcito de expanso da imagem (OLINS, W, 2005) do Brasil e do Rio de Janeiro no exterior, que um vetor de Poder Produtivo (BARNETT, M; DUVALL, R, 2005) do Estado. Como apresentando anteriormente, esse projeto traz consigo a criao de Poder Estrutural (BARNETT, M; DUVALL, R, 2005) que refora as desigualdades entre a nao ativa e passiva (SANTOS, M, 2001) alm de engendrar novas dinmicas de desigualdade (SASSEN, S, 2000), o que exerce, novamente, presso sobre a dicotomia pblico/privado, pois o bem comum no alado como objetivo final do projeto oficial (BOBBIO, N, 2009). Alm disso, observa-se que, a priori, o projeto que cria tanto Poder Produtivo quanto Poder Estrutural (BARNETT, M; DUVALL, R, 2005) custar R$ 45 bilhes aos cofres pblicos. Se avaliarmos por uma perspectiva do custo de oportunidade do projeto, alm do efeito crowding-out (PLESSIS, S; VENTER, C, 2010; WESTHUIZEN, J; SWART, K, 2011), temos que outras polticas pblicas poderiam ser pensadas de forma a diminuir os custos em termos monetrios e sociais neste caso mitigando os impactos das desigualdades geradas. Apesar de no ser o escopo do trabalho, algumas alternativas realizao dos megaeventos esportivos como vetores de poder produtivo (BARNETT, M; DUVALL, R, 2005) podem ser apontadas para fins de ilustrao do argumento. Olins (2005) afirma que um projeto de branding nacional requer trs reas de atuao, Exportao da marca, investimento externo direto e turismo, suportado por um programa cultural, esportivo e comercial e todos associados com influncia poltica diplomacia pblica de fato (OLINS, 50W, 2005, p.175, traduo nossa). Mervyn Frost (2009), por sua vez, indica uma possibilidade de situao Pareto-tima entre Estados e instituies externas que pode, acima de tudo, ajudar a mitigar as desigualdades internas,Estados soberanos possuem governos que podem, por meio de ao deliberada, remediar alguns problemas encontrados na sociedade civil. O governo pode fazer coisas para atenuar a competio endmica, a alienao provocada pela operao da sociedade civil com o tempo. Governos podem fazer isto dentro de seu prprio territrio, mas podem tambm, agindo em conjunto, atingir um resultado semelhante pela arena internacional ao criar instituies internacionais. (FROST, M, 2009, p.106, traduo nossa).Por fim, essencial destacar que a realizao dos megaeventos esportivos no Brasil em 2014 e 2016 (alm da Copa das Confederaes em 2013) j foi determinada e ir ocorrer embora no possam ser consideradas situaes Pareto-timas pelo prisma da dicotomia pblico/privado (BOBBIO, N, 2009) -, com as preparaes j tendo sido iniciadas. A perspectiva que resta, portanto, identificar maneiras de diminuir o custo relativo e ampliar a projeo do pas com os eventos. Westhuizen e Swart (2011) afirmam que os megaeventos esportivos representam tambm um risco para o pas sede, uma vez que podem ocorrer fracassos ou imprevistos e a consequente exposio de uma imagem negativa ou desorganizada do pas. Behnken (2010) comenta o caso particular de Barcelona e o v como positivo, indicando que a maior razo para isso fora,O projeto Olmpico de Barcelona, a despeito de ter sido influenciado pelos aspectos mercadolgicos e articulado a interesses privados, no se subordinou completamente a essa lgica. Pelo contrrio, realizou a faanha de conjugar a natureza e exigncias dos Jogos com os objetivos fundamentais da gesto urbana, orientada por um plano diretor gerado no contexto da redemocratizao espanhola (BEHNKEN, L, 2010, p.41).Alm disso, Behnken (2010) afirma que no caso brasileiro existe pouca discusso crtica tanto sobre este caso especifico quanto sobre o poder desproporcional das entidades esportivas internacionais possuem e exercem sobre os Estados. Westhuizen e Swart (2011) tambm destacam este ponto e remetem criao de trabalhos crticos sobre esta relao. A dimenso crtica essencial para que o povo brasileiro passe por um processo de aprendizado aps a execuo desses eventos, que so enormes pela sua natureza e pelas consequncias que trazem s naes por onde passam. 51Bibliografia PublicaesBAADE, R; MATHESON, V. Financing Professional Sports Facilities. Em: IASE/NAASE Working Paper Series, Paper No. 11-02. 2011. BARNETT, M; DUVALL, R. Power in International Politics. IO Fundation. 2005. BARROS, C. Gesto dos Jogos Pan-Americanos Rio 2007 Pontos Fortes e Fracos Segundo o Programa de Observadores. Em: Legados de Megaeventos Esportivos. Braslia: Ministrio do Esporte. 2008. BEHNKEN, L. Jogos Pan-Americanos de 2007: uma avaliao social. Rio de Janeiro: FGV, EBAP. 2010. BOBBIO, N. Estado, Governo e Sociedade: Para uma Teoria Geral da Poltica. 15. Ed. So Paulo: Editora Paz e Terra. 2009. BRASIL, MINISTRIO DO ESPORTE. Impactos Econmicos da Realizao da Copa 2014 no Brasil. Braslia. 2010. BRUGGEMAN, ; POFFO, B; SOUZA, D; MESSA, F; FAUTH, F; TEIXEIRA, F; LAURENTINO, J; PIOVANI, V. Folha de So Paulo: Um Jornal a Servio (da Copa no) do Brasil. Em: XVII CONBRACE; IV CONICE, Porto Alegre. 2011. BRUNET, F; XINWEN, Z. The economy of the Beijing Olympic Games: An analysis of first impacts and prospects. Em: Pequim, International Sport Business Symposium. 2008. BUZAN, B. Level of Analysis Problem Reconsidered. Em: BOOTH, K; SMITH, S (Ed.). International Relations Theory Today. 9. ed. Cambridge: Polity Press, 2009. p. 198-215. BUZAN, B; WVER, O; DE WILDE, J. Security: A New Framework of Analisys. Boulder: Lynne Rienner Publishers. 1997. DACOSTA, L. Posicionando Questes Bsicas Sobre Meio Ambiente em Megaeventos Esportivos e na Copa do Mundo de Futebol 2014 a ser Realizada no Brasil. Em: Legados de Megaeventos Esportivos. Braslia: Ministrio do Esporte. 2008. DOMINGUES, P; BETARELLI, A; MAGALHES, A. Copa do Mundo 2014: Impactos Econmicos no Brasil, em Minas Gerais e Belo Horizonte. Belo Horizonte: UFMG/CEDEPLAR. 2010. FROST, M. Global Ethics: Anarchy, Freedom and International Relations. Nova Iorque: Routledge Press. 2009. GOLD, M. Olympic cities: city agendas, planning and the world's games, 1896-2016. Nova Iorque: Routledge. 2ed. 2011. GURGEL, A. Dos Jogos Pan-Americanos Rio 2007 Olimpada Rio 2016: a construo de um conceito de legado dos megaeventos esportivos no Brasil. Em: Revista de Economia & Relaes Internacionais, volume 8, nmero 16. So Paulo: FAAP. 2010. HAGN, F; MAENNIG, W. Labour Market Effects of the 2006 World Soccer Cup in Germany. IASE/NAASE Working Paper Series, Paper No. 07-16. 2007. IPEA. PRONI,M; ARAUJO,L; AMORIM, R. Leitura Econmica dos Financiamento, Organizao e Resultados. Rio de Janeiro: IPEA. 2008. Jogos Olmpicos:KRASNER,S. Sovereignty: Organized Hypocrisy. Princeton: Princeton University Press. 1999.52LI, S; BLAKE, A. Modeling Competition Levels in the Chinese Economy: The Economic Impact of the Beijing 2008 Olympic Games. Em: Helsink, Eleventh Annual Conference on Global Economic Analysis. 2008. LYNCH, M. Lie to me: Sanctions on Iraq, Moral Argument and International Politics of Hypocrisy. Em: REUS-SMIT, C; WHEELER, N. Moral Limit and Possibility in World Politics. Cambridge: Cambridge University Press. 2008. MATHESON, V. Mega-events: The effect of the worlds biggest sporting events on local, regional, and national economies. Em: IASE/NAASE Working Paper Series, Paper No. 06-22. 2006. MAZZOTTI, A; GEWANDSZNAJDER, F. O Mtodo nas Cincias Naturais e Sociais: Pesquisa Quantitativa e Qualitativa. 2. Ed. So Paulo: Pioneira. 1996. MIRANDA, A. Os Jogos Olmpicos 2012 em Londres Leste: Da desindustrializao regenerao. Em: Legados de Megaeventos Esportivos. Braslia: Ministrio do Esporte. 2008. OLINS, W. Making a National Brand. Em: MELISSEN, J. The New Public Diplomacy: Soft Power in International Relations. 1. Ed. Nova Iorque: Palgrave Macmillan. 2005 PLESSIS, S; MAENNIG, W. World Cup 2010: South African economic perspectives and policy challenges informed by the experience of Germany 2006. Contemporary Economic Policy Vol. 25, No. 4, 578590. 2007. PLESSIS, S; VENTER, C. The home team scores! A first assessment of the economic impact of World Cup 2010. Stellenbosch Economic Working Papers: 21/10. 2010. RIO DE JANEIRO, TCMRJ. Auditoria: legado dos jogos pan-americanos RIO 2007. Secretaria Municipal de Fazenda. 2009. SANTOS, M. Por uma Outra Globalizao: do Pensamento nico Conscincia Universal. 6. Ed. Rio de Janeiro: Editora Record. 2001. SILVA, J. Segurana em Megaeventos Esportivos. Em: DACOSTA, L. Atlas do Esporte no Brasil. Porto Alegre: CREF2. 2006 SASSEN, S. The Global City: Strategic Site/New Frontier. Em: American Studies. 41:2/3, p.79-95 2000. SWINNEN, J; VANDEMOORTELE, T. Sports and Development: An Economic Perspective on the Impact of the 2010 World Cup in South Africa. LICOS Centre for Institutions and Economic Performance. Katholieke Universiteit Leuven. 2008. VAN DER WESTHUIZEN, J; SWART, K. Bread or circuses? The 2010 World Cup and South Africa's Quest for Marketing Power. International Journal of the History of Sport, Londres, v. 28 n.1, p.168180. 2011. WNOROWSKI, A. Who Really Needs the Olympics? A Look at the Costs and Benefits of Hosting the Summer Olympic Games for Developing Nations. Nova Iorque: Leonard N. Stern School of Business. 2011. Acesso eletrnicos BRASIL. Projeto de Lei PL 2330/11. Dispe sobre as medidas relativas Copa das Confederaes FIFA de 2013 e Copa do Mundo FIFA de 2014. Cmara dos Deputados Federais, Braslia, DF, 19 set. 2011. Disponvel em: . Acesso em 8 out. 2011.53ECONOMY WATCH. Economic Statistics. Disponvel em: http://www.economywatch.com/economicstatistic>. Acesso em 20 de out. 2011. Direitos reservados a Stanley St Labs. FALQUEIRO,T. Para Acelerar Tramitao do Projeto de LeiPortal da Copa, 11 out. 2011. Disponvel em: . Acesso em 11 out. 2011. GOVERNO FEDERAL. Portal da Copa: Grandes Nmeros. Disponvel . Acesso em 16 de out. 2011. GOVERNO FEDERAL. Portal da Transparncia: Jogos Olmpicos . Acesso em 16 de out. 2011. de em: 2016.MANDELA, N. World Cup 2010 - Mandela Commentating on host nation South Africa. Disponvel em: . 2010 MANSUR, C. Um Mundial particular entre as 12 cidades-sede da Copa 2014. . Acessado em: 20 out. 2011. SILVA, L. Discurso aps a eleio do Rio de Janeiro como sede das Olimpadas de 2016. Globo News. Disponvel em: