All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
...

Modelo de Relatório - UNIVAG

by lsantos730435

on

Report

Category:

Documents

Download: 2

Comment: 0

131

views

Comments

Description

Download Modelo de Relatório - UNIVAG

Transcript

Centro Universitário de Várzea Grande Curso de Engenharia Civil Relatório de Aula Prática de Laboratório Determinação de Dureza, pH e Alcalinidade da Água Discentes: Willian Souza Letícia Ferreira Ciclano Turma: ENC 121 DN Docente: Profº. Me. Lázaro José de Oliveira Disciplina: Laboratório de Química Tecnológica Várzea Grande – MT, Abril de 2013. Sumário 1. Introdução.................................................................................................................1 3. Materiais e Reagentes...............................................................................................3 4. Procedimento Experimental......................................................................................3 ......................................................................................................................................3 3. Resultado...................................................................................................................4 1 1. Introdução A água possui características bastante singulares e suas propriedades têm sido usadas para definir inúmeras unidades físicas. A água ("hidróxido de hidrogênio" ou "monóxido de di-hidrogênio" ou ainda "protóxido de hidrogênio") é uma substância líquida que parece incolor a olho nu em pequenas quantidades, inodora e insípida, essencial a todas as formas de vida, composta por hidrogênio e oxigênio. É uma substância abundante na Terra, cobrindo cerca de três quartos da superfície do planeta, encontrando-se principalmente nos oceanos e calota polares, mas também em outros locais em forma de nuvens, água de chuva, rios, aquíferos ou gelo. A fórmula química da água é H2O. A propriedade mais importante da água do ponto de vista químico é o fator de dissolver grande numero de substancias, possui enorme poder dissolvente. No fim do século XIII, foi escolhida uma nova unidade de massa: o quilograma, como sendo a massa de um decímetro cúbico de água pura à 4°C. A água na escala termométrica centesimal congela a 0°C e entra em ebulição a 100° C, sob pressão de 1 ATM (nível do mar). Sua densidade é máxima na temperatura de 3,9 ac. Seu calor específico é mínimo de 15°C. A tensão superficial da água é resultado das ligações de hidrogênio, que são forças intermoleculares causadas pela atração dos hidrogênios de determinadas moléculas de água positiva (H+) com os oxigênios das moléculas vizinhas (O-). A tensão superficial da água é a mais alta de todos os líquidos, igual a 7,2 . 109N. m-1. De um modo geral as alterações naturais do pH têm origem na decomposição de rochas em contato com a água, absorção de gases da atmosfera, oxidação de matéria orgânica, fotossíntese, além da introdução de despejos domésticos e industriais. No campo do abastecimento de água o pH intervém na coagulação química, controle da corrosão, abrandamento e desinfecção. Águas com baixos valores de pH tendem a ser agressivas para instalações metálicas. O padrão de portabilidade em vigor no Brasil, preconiza uma faixa de pH entre 6,5 e 8,5. No que se refere a dureza, quase toda a dureza da água é provocada pela presença de sais de cálcio e de magnésio (bicarbonatos, sulfatos, cloretos e nitratos) encontrados em solução. Normalmente, reconhece-se que uma água é mais dura ou menos dura, pela maior ou menor facilidade que se tem de obter, com ela, espuma de sabão. As águas duras caracterizam-se, pois, por exigirem consideráveis quantidades de sabão para produzir espuma. Assim pode-se resumir que uma água dura provoca uma série de inconvenientes: é desagradável ao paladar; gasta muito sabão para formar espuma; dá lugar a 2 depósitos perigosos nas caldeiras e aquecedores; deposita sais em equipamentos; mancha louças entre outros. Características biológicas da água: entre o material em suspensão na água inclui-se a "parte viva", ou seja, os organismos presentes que também constituem impurezas e que conforme sua natureza tem grande significado para os sistemas de abastecimento de água. A diversidade de espécies no meio aquático depende de condições físicas e químicas que propiciam a sobrevivência dos organismos. Entre os organismos de maior interesse em relação ao abastecimento de água incluem-se as algas (verdes, azuis e diatomáceas) do reino vegetal e as bactérias, vírus, protozoários e vermes do reino animal. Alguns desses organismos, como certas algas, são responsáveis pela ocorrência de sabor e odor desagradáveis, ou por distúrbios em filtros e outras partes do sistema de abastecimento. Outros, como bactérias, vírus e protozoários são patogênicos, podendo, portanto, provocar doenças e até mesmo ser a causa de epidemias, o que é particularmente importante no caso de águas de abastecimento. No entanto, a determinação individual da eventual presença de patogênicos em uma amostra d’ água é extremamente difícil, complexa e cara. Desta forma, a avaliação da qualidade bacteriológica das águas é feita através da pesquisa de microorganismos indicadores de contaminação fecal. Os organismos mais comumente utilizados com tal finalidade são as bactérias do grupo coliforme. 3 2. Objetivo Determinação da dureza total em águas utilizando a titulometria de complexação. 3. Materiais e Reagentes •Balança analítica ; •Estufa; •Béquer; •Pêra de sucção; •Erlenmeyer; •Água destilada; •Bureta; •Solução de 0,02 mol/L de EDTA; •Bagueta; •Solução tampão (NH4OH/NH4Cl) de pH=10; •Pipetas graduadas; •Solução indicadora de Erio T; •Balão Volumétrico; •Amostra: água das torneiras. 4. Procedimento Experimental a) Transferir, por meio de uma pipeta ou bureta, uma alíquota de 100,0 mL da amostra de água para um erlenmeyer de 250 mL. b) Adicionar 2 mL da solução tampão (NH4OH/NH4Cl) de pH=10 c) Após a adição da solução tampão, adicionar o indicador Ério T. Evitar adicionar muito indicador, pois isto ocasionaria uma mudança de cor gradual no ponto final. O tampão deve ser adicionado antes do indicador, de tal modo que pequenas quantidades de ferro presentes na amostra precipitem na forma de hidróxido de ferro, impedindo sua reação com o indicador. Se este procedimento não for adotado o indicador será bloqueado, já que o ferro forma um complexo estável com o indicador. d)Titula-se a alíquota da amostra com uma solução de EDTA 0,02 mol/L previamente preparada até a mudança de cor vermelho-vinho para azul. Uma variação de vermelho-vinho para violeta indica um alto nível de ferro na água. A reação, e consequentemente a mudança de cor, é lenta próximo do ponto final, e por esta razão o titulante deve ser adicionado gota a gota e com agitação forte. e) anotar o volume gasto nesta titulação e repetir este procedimento mais duas vezes. 4 3. Resultado V1=3,2 V2= 2,6 V3=2,8 V = V1+V2+V3 5 4. Conclusões A pesagem constitui uma operação unitária a que o homem desde longa data recorre, sendo já representadas balanças em figuras religiosas egípcias de vários milênios na pesagem dos espíritos por deuses. O princípio de funcionamento mais usual parece ter se baseado, até data relativamente recente, no uso de uma alavanca que gira em torno de um fulcro. Atualmente, porém, são já aplicados princípios de pesagem de natureza diferente (elétrica ou eletromagnética), os quais, no entanto, ainda não destituíram por completo a técnica primitiva a qual tem, por sua vez, sido objeto de vários aperfeiçoamentos. O objetivo deste trabalho é abordar os princípios utilizados nas balanças, bem como, diferenciar os diferentes tipos destas. 6 5. Referências (exemplo de referência de artigo) AZEVEDO, F. A.; NASCIMENTO, E. S.; CHASIN, A. (nomes dos autores) Aspectos Atualizados dos Riscos Toxicológicos do Mercúrio (nome do artigo). TECBAHIA R. Baiana Tecnol., v. 16, n. 3, p. 87-104, 2001. (nome da revista, volume, páginas, ano) (exemplo de referência de livro) NASCIMENTO, E. S.; CHASIN, A. A. M. (nomes dos autores) Ecotoxicologia do mercúrio e seus compostos (nome do livro, edição). Salvador: Centro de Recursos Ambientais, 2001. 176 p. (cidade da editora: nome da editora, ano de publicação. nº de páginas)
Fly UP