Mensagem Publicitria Mensagem Visual (1) Mensagem icnica (2) Mensagem plstica (3) Mensagem lingustica.

  • Published on
    17-Apr-2015

  • View
    106

  • Download
    3

Transcript

  • Slide 1
  • Mensagem Publicitria Mensagem Visual (1) Mensagem icnica (2) Mensagem plstica (3) Mensagem lingustica
  • Slide 2
  • Publicidade A publicidade especialmente a dirigida classe trabalhadora tende a prometer uma transformao pessoal atravs da funo do produto que quer vender (Gata Borralheira); a publicidade dirigida classe mdia promete a transformao das relaes sociais atravs do ambiente geral criado por um conjunto de produtos (Palcio Encantado). (Berger, 2005, p. 156)
  • Slide 3
  • Publicidade A publicidade enquanto uma prtica social persuasiva que busca o condicionamento do Homem a um determinado agir, organiza a sua mensagem, principalmente atravs de imagens, sons e textos, entre os quais circulam sentidos determinados. Assim, podemos dizer que o texto publicitrio formulado a partir de textos verbais (escritos ou falados) e no-verbais (imagens, sons, cheiros, texturas), sendo que tal caracterstica permite que seja considerado como um texto multimodal (Kress; van Leeuwen, 1996), que combina diferentes cdigos semiticos.
  • Slide 4
  • Publicidade Corpos (e sobretudo femininos): o elemento mais representado na publicidade O corpo o mais belo objeto de consumo (Baudrillard, 1982).
  • Slide 5
  • Publicidade Construo de personagens : Mulher perfeita Mulher bela Cinderela Mulher moderna Mulher cuidada Mulher e Homem de xito Heri O surpreendente O atrevido/arrojado ()
  • Slide 6
  • Publicidade Mitos (venda de sonhos?) (Roland Barthes) Beleza Atrao Seduo Perfeio xito Bem-estar Conforto Felicidade () Carros : conforto, velocidade, inigualabilidade / distino / poupana em combustvel, segurana Objetos : Qualidade, eficcia, economia/poupana, auxiliares da felicidade, amigo do ambiente Animais : Respeito pelas espcies, qualidade da comida
  • Slide 7
  • Anlise de Imagem Uma possvel metodologia (Martine Joly) Significantes Plsticos: (1) moldura; (2) enquadramento, dimenses; (3) ngulo do ponto de vista; (4) escolha da objetiva; (5) composio, paginao; (6) formas; (7) cores; (8) iluminao; (9) textura.
  • Slide 8
  • (1) Moldura So os limites fsicos da imagem. Consoante as pocas e os estilos, surgem mais ou menos materializados na moldura. Sendo a moldura considerada uma restrio, denota-se a tendncia para a abolir, de modo a que o espectador no se sinta constrangido com os freios sua imaginao, impostos pelos limites da imagem.
  • Slide 9
  • (1) Moldura A coincidncia entre os limites da imagem e os do suporte impele o observador a construir imaginariamente o que no v no campo visual da representao: o fora-de-campo tradio cinematogrfica A colocao de moldura na imagem fecha o espao imaginativo tradio pictrica
  • Slide 10
  • (1) Moldura
  • Slide 11
  • Slide 12
  • Samuel Aranda
  • Slide 13
  • (1) Moldura coincide com limites do suporte
  • Slide 14
  • (2) Enquadramento No deve ser confundido com a moldura. Corresponde dimenso da imagem, resultado suposto da distncia entre o tema pintado/fotografado e a objectiva/sujeito criador/codificador. Vertical e estreito proximidade Horizontal e largo afastamento
  • Slide 15
  • Enquadramento estreito Enquadramento largo
  • Slide 16
  • (3) ngulo do Ponto de Vista O ngulo pode reforar ou contradizer a impresso da realidade. O picado provoca a impresso de esmagamento das personagens, d ao espectador a impresso de controlo e domnio. O contra-picado faculta uma sensao de engrandecimento, fora e altura ao objecto retratado. O ngulo normal, altura do homem e de frente d a impresso de realidade e naturaliza a cena.
  • Slide 17
  • (3) ngulo do Ponto de Vista Contra-picado Frontal Picado
  • Slide 18
  • (4) Objetiva Objetivas com uma grande profundidade de campo (tudo ntido desde o primeiro plano at ao horizonte em fundo) aproximam da viso natural so objectivas com uma focal curta. Objetivas, com uma maior distncia focal (tele- objetivas), jogam mais com o contraste nitidez- desfocagem e proporcionam representaes mais expressivas.
  • Slide 19
  • (5) Composio, Paginao a geografia interior da mensagem visual. Tem uma funo vital na conduo da viso do espectador. O olho segue os caminhos trilhados na imagem, contrariando a ideia de uma leitura global.
  • Slide 20
  • (5) Composio, Paginao O olhar selector das informaes-chave na imagem. O sentido da leitura molda a concepo da composio. Georges Pninou lista 4 configuraes: (1) a construo focalizada: as linhas de fora (trao, cores, iluminao, formas) convergem para um ponto da imagem, que funciona como montra. VER: http://adsoftheworld.com/media/print/nabu_german_so ciety_for_nature_conservation_megacities_blue?size=_origi nal
  • Slide 21
  • (5) Composio, Paginao (2) a construo axial: coloca o cerne no eixo do olhar, em geral exatamente no centro da imagem. VER: http://adsoftheworld.com/media/print/vigineo_home_security_gustavo; (3) a construo em profundidade: a essncia est integrada num cenrio em perspetiva, ocupando a frente da cena, no primeiro plano; VER: http://adsoftheworld.com/media/print/binggrae_banana_flavored_milk_farm?size =_original (4) a construo sequencial: convida o olhar a percorrer a imagem, de modo a que, no final do seu trajeto, caia sobre a essncia. Na maior parte das vezes, est situada (leitura da esquerda para a direita) na parte inferior direita. O modelo mais convencional deste tipo de construo a construo em Z. VER: http://adsoftheworld.com/media/print/berlitz_calendar_transvestite?size=_origin al http://adsoftheworld.com/media/print/berlitz_calendar_priest?size=_original
  • Slide 22
  • (6) Formas Entendida como a aparncia do corpo/objeto, os seus contornos. Na publicidade, por exemplo, o criador procura uma compreenso clara e rpida: linhas curvas, formas redondas feminidade e suavidade; linhas rectas minimalismo, bom gosto
  • Slide 23
  • (7) Cores A sua interpretao antropolgica e cultural. Cores primrias Cores secundrias Cores tercirias Cores complementares Cores neutras
  • Slide 24
  • Mapa das Cores
  • Slide 25
  • (8) Iluminao Interpretada consoante a cultura, os estados de esprito/motivao. A luz difusa, ao contrrio da orientada, desnaturaliza as representaes visuais, na medida em que suaviza as cores, atenua a impresso de relevo, generaliza, bloqueia as referncias temporais.
  • Slide 26
  • (9) Textura Para o Grupo Mu, a textura uma qualidade de superfcie. Numa imagem bidimensional, a textura est ligada terceira dimenso, que atribui imagem um carter tctil. Uma imagem visual pode ativar o fenmeno das correspondncias sinestsicas.
  • Slide 27
  • Fotografia a cmara como ferramenta ativa de representao de massas um veculo: - para documentar as condies individuais (de vida, trabalho e sociabilidade); - para criar representaes alternativas do prprio (sexo, classe, grupo etrio, etc.); - para ganhar poder (e o poder de anlise e de literacia visual) sobre a prpria imagem; - para apresentar argumentos e exigncias; - para estimular a ao; - para experimentar prazer visual como produtor, e no consumidor, de imagens; - para se relacionar pela objetivao com o ambiente pessoal e poltico (Slater, 1999: 290).
  • Slide 28
  • Anlise de um Anncio Descrio Mensagem Visual Inclui 3 mensagens: (1) Mensagem icnica (2) Mensagem plstica (3) Mensagem lingustica
  • Slide 29
  • Slide 30
  • Slide 31
  • Mensagem Icnica Do de um modo codificado uma impresso de semelhana com a realidade utilizando a analogia perceptiva e os cdigos de representao, herdeiros da tradio representativa (Joly, 2007: 86). No caso anterior: 1. pgina: frente de pea de roupa vestida por um indivduo e que cobre o seu tronco. Ocupa a parte superior da imagem/suporte. Na parte inferior, observa-se parte de um animal equdeo sobre o qual notria uma sela de metal. Na 2. pgina e num sentido descendente, linha com palavras, um retngulo icnico (apresenta paisagem com neve, com troncos despidos /desfolhados em fundo, uma cerca e um curral circular/oval em primeiro plano), texto (centrado e com algumas palavras sublinhadas) e, no fim, a marca (Marlboro Classics, em letras mais destacadas e centradas).
  • Slide 32
  • Slide 33
  • Mensagem Plstica Os signos plsticos ganham identidade a partir da dcada de 1980, com o Grupo Mu. Demonstra queos elementos plsticos das imagens (cores, formas, composio, textura) eram signos plenos e integrais e no a simples matria de expresso dos signos icnicos (figurativos) (Joly, 2007: 104).
  • Slide 34
  • Slide 35
  • Pode auxiliar na restrio polissmica de uma imagem. A interpretao desta imagem poder serorientada de modo diferente consoante se encontra ou no relacionada com uma mensagem lingustica e consoante a maneira como esta mensagem se mensagem lingustica houver responde ou no expectativa do espectador ( ibid.: 127).
  • Slide 36
  • Funes: De ncora: a legenda da imagem, que intenta restringir o fluxo de possveis significados e mostra o que deve ser privilegiado na imagem De substituio: a imagem depende do texto para se tornar exprimvel. Caso contrrio, h vagueio de sentidos.