Manual Rede Frio 2007

  • Published on
    13-Jul-2015

  • View
    479

  • Download
    0

Transcript

IMUNIZAES

Manual de Rede de Frio

SUMRIO Apresentao Programa Nacional de Imunizaes 1. Rede de Frio 2. Sistema de Refrigerao 2.1. Conceito e histria 2.2. Princpios bsicos de refrigerao 2.2.1. Calor 2.2.1.1. Transferncia de calor 2.2.1.1.1. Conduo 2.2.1.1.2. Conveco 2.2.1.1.3. Radiao 2.2.1.2. Relao entre temperatura e movimento molecular 2.2.1.3. Conveco natural - densidade 2.2.2. Temperatura 2.3. Tipos de Sistema 2.2.4.1. Compresso 2.2.4.1. Componentes e elementos do sistema de refrigerao por compresso. 2.2.4.1.1. Compressor 2.2.4.1.2. Condensador 2.2.4.1.3. Filtro desidratador 2.2.4.1.4. Controle de expanso do fluido refrigerante 2.2.4.1.5. Evaporador 2.2.4.1.6. Alimentao eltrica dos sistemas de refrigerao por compresso 23 22 22 19 21 21 22 1 3 3 4 4 4 5 5 8 10 11 13 19 19

2.2.4.2. Absoro 2.2.4.2.1. Funcionamento absoro do sistema por

24 24 27 27 27

3. Temperatura: controle e monitoramento 3.1 - Termmetros 3.1.1. Termmetro digital de momento, mxima e mnima 3.1.2. Termmetro analgico de momento, mxima e mnima (Capela) 3.1.3. Termmetro linear 3.1.4. Termmetro analgico de cabo extensor 3.1.5. Termmetro a laser 3.2. Situaes de emergncia

29 30 31 32 32 34 34 37 40 40 43 46 47 49 49 49 49 50

4. Equipamentos da Rede de Frio 4.1. Cmaras frigorficas 4.2. Freezers ou congeladores 4.3. Refrigeradores (geladeiras) 4.3.1. Refrigerador tipo domstico 4.3.2. Refrigerador tipo comercial 4.3.3. Procedimentos de limpeza 4.4. Caminho frigorfico 4.4.1. Antes do carregamento 4.4.2. Carregamento 4.4.3. Descarregamento 4.4.4. Limpeza 4.5. Caixas Trmicas 4.5.1. Organizao da caixa trmica de uso dirio na rotina da

sala de vacinao 4.6. Bobinas de Gelo Reutilizvel 4.7. Outros equipamentos da Rede de Frio 4.7.1. Cmara para conservao de Imunobiolgicos 4.7.2. Geladeira a gs/eletricidade 4.7.3. Geladeira com paredes de gelo reutilizvel (Ice lined) 4.7.4. Geladeira energia solar 4.8. Acessrios 4.8.1. Alarme de temperatura com discador telefnico para cmaras, geladeiras e freezers 4.8.2 Termostato 5. Instncias de Armazenamento 5.1. Nacional 5.2. Estadual 5.3. Regional ou distrital 5.4. Municipal 5.5. Local 6. Transporte de Imunobiolgicos 6.1. Do laboratrio produtor para a instncia nacional 6.2. Da instncia nacional para a estadual 6.2.1. Procedimentos adotados pela Cenadi no transporte de imunobiolgicos 6.3. Da instncia estadual para a regional/municipal 6.4. Da instncia municipal para a local 7. Imunobiolgicos sob suspeita

51 52 55 55 55 55 56 57

57 57 59 59 60 61 63 64 66 66 66

66 68 69 71

8. Gerenciamento de Resduos de Servios de Sade 8.1. Conceito: Resduos de Servios de Sade 8.2. Gerenciamento de Resduos de Servios de Sade no mbito das instncias do PNI 8.2.1. Plano de Gerenciamento de Resduos de Servios de Sade (PGRSS) 8.2.1.1. Manejo 8.2.1.1.1. Segregao 8.2.1.1.2. Acondicionamento 8.2.1.1.3. Identificao 8.2.1.1.4. Transporte Interno 8.2.1.1.5. Armazenamento Temporrio 8.2.1.1.6. Tratamento 8.2.1.1.7. Armazenamento Externo 8.2.1.1.8. Coleta e Transporte Externos 8.2.1.1.9. Disposio Final 8.3. Tratamento dos resduos resultantes de atividades de vacinao 8.3.1. Inutilizao de Imunobiolgicos

73 73

73

74 74 74 74 74 75 75 75 75 75 75 76 76 77 77 77

9. Sistema de Informaes (SI-PNI) 9.1. SI-API (Avaliao do Programa de Imunizaes) 9.2. SI-EAPV (Eventos Adversos Ps-Vacinao) 9.3. SI-PAISSV (Programa de Avaliao do Instrumento de Superviso em Sala de Vacinao) 9.4. SI-CRIE (Centro de Referncia para Imunobiolgicos Especiais) 9.5. SI-EDI (Estoque e Distribuio de imunobiolgicos Especiais) 9.6. SI-AIU (Apurao de Imunobiolgicos Utilizados) 9.7. Cadastramento de produtos

78 78 78 78 79

10. Anexos 10.1. Formulrios, Mapa e Boletim 10.1.1. Formulrio Imunobiolgico Sob Suspeita 10.1.2. Mapa Controle Dirio Temperatura 10.1.3. Formulrio Detalhamento de Carga - CENADI 10.1.4. Formulrio Comprovante de Recebimento - CENADI 10.1.5. Formulrio Nota de fornecimento - CENADI 10.1.6. Boletim Mensal de Movimento de Imunobiolgicos 10.2. Especificaes 10.2.1. Especificaes: Refrigerador domstico 10.2.2. Especificaes: Refrigerador comercial 10.2.3. Especificaes: Freezer 10.2.4. Especificaes: Caixa trmica de poliestireno expandido 10.2.4.1. Teste Caixa trmica poliestireno expandido 10.2.5. Especificaes: Caixa trmica de poliuretano 10.2.6. Especificaes: Bobinas de gelo reutilizvel 10.2.7. Especificaes: Equipamento de Proteo Individual (EPI) 10.2.8. Especificaes: Termmetros 10.2.8.1. Especificaes: Termmetro digital de momento, mxima e mnima 10.2.8.2. Especificaes:Termmetro analgico de momento, mxima e mnima (Capela) 10.2.8.3. Especificaes:Termmetro linear elaborar especificao 10.2.8.4. Especificaes: Termmetro analgico de cabo extensor 10.2.8.5. Especificaes: Termmetro a laser

80 81 82 85 86 87 88 89 93 94 95 96 97 98 100 101 102 103

104

105

106

107 108

10.2.9. Especificaes: Data logger de temperatura 10.2.10. Especificaes: Coletor de material perfurocortante 11. Referncias Bibliogrficas

109 111 112

APRESENTAO

O Ministrio da Sade espera, com a 4 edio deste Manual, manter a confiabilidade e qualidade dos imunobiolgicos que fazem parte do Programa Nacional de Imunizaes (PNI) em todo pas, garantindo acesso da populao de forma universal, equnime e igualitrio. instrumento uniforme e nico, integralmente revisado e atualizado, destinado a todos que desenvolvem atividades de vacinao, desde a instncia nacional at as salas de vacinao, pblicas ou privadas. A consolidao do PNI, conquistada ao longo dos anos, produto da parceria entre Unio, Estados, Distrito Federal, Municpios e demais segmentos da sociedade, objetivando alcanar a meta de vacinar 100% da populaoalvo, disponibilizando produtos seguros e eficazes e conseqentemente promovendo a erradicao, eliminao e/ou controle das doenas imunoprevenveis. O Grupo Tcnico que revisou este Manual procurou de forma didtica e clara, apresentar recomendaes direcionadas aos procedimentos utilizados em Rede de Frio em todas as instncias e espera neste momento, contribuies de todos os profissionais interessados em enriquecer futuras revises. Este Manual de Rede de Frio faz parte dos documentos normativos publicados pela Coordenao Geral do Programa Nacional de Imunizaes (CGPNI), do Departamento de Vigilncia Epidemiolgica (DEVEP) da Secretaria de Vigilncia em Sade (SVS) do Ministrio da Sade (MS).

Programa Nacional de Imunizaes (PNI) O PNI foi institudo em 1973, com a finalidade de coordenar aes que se desenvolviam, at ento, com descontinuidade, pelo carter episdico e pela reduzida rea de cobertura. Essas aes conduzidas dentro de programas especiais (erradicao da varola, a erradicao da poliomielite, o controle da tuberculose e do sarampo) e como atividades desenvolvidas por iniciativa de governos estaduais e municipais, necessitavam de uma coordenao central que lhes proporcionassem sincronia e racionalizao. A Lei n 6259, de 30/10/1975, regulamentada pelo Decreto n 78.231, de 12/08/1976, institucionaliza o PNI, sob a responsabilidade do Ministrio da Sade. No perodo de 1974 a 1979 por delegao do MS, o PNI foi coordenado pela Fundao Servios de Sade Pblica (FSESP). Em 1980 passou a ser responsabilidade da Diviso Nacional de Epidemiologia, da Secretaria Nacional de Aes Bsicas de Sade - SNABS (criada pelo Decreto n 79.056, de 30/12/1976). Em 1990, com a reforma administrativa, foi extinta a SNABS e o PNI foi transferido para a Fundao Nacional de Sade (FNS), pela Portaria n 1.331, de 05/11/1990. O Programa de Auto-Suficincia Nacional em Imunobiolgicos (PASNI) tambm transferido para a FNS, pela Portaria n 46, de 21/01/1991. A Lei n 8.029 de 12/04/1990 autoriza o Poder Executivo a instituir a Fundao Nacional de Sade (FUNASA), o que s aconteceu em 16/04/1991 pelo Decreto n 100/1991. A conservao dos imunobiolgicos desde a produo at o momento da administrao a Rede de Frio comeou a preocupar o PNI, principalmente a partir de 1977, mas somente em 1982 importantes investimentos foram feitos com a aquisio de equipamentos e a realizao do 1 Curso Nacional sobre o tema. Como ponto fundamental para a garantia da qualidade dos produtos, o PNI tem investido recursos na construo, ampliao e reforma de Centrais Estaduais de Rede de Frio, na aquisio de equipamentos e nas capacitaes para gerentes e tcnicos das diversas instncias. A qualidade dos imunobiolgicos distribudos, nacionais ou importados garantida atravs da anlise das amostras de todos os lotes, realizada pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Sade (INCQS) da Fundao Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), criado em 1981. O PNI, em 1982, criou a Central Nacional de Distribuio e Estocagem (CENADE), nas dependncias da FIOCRUZ no Rio de Janeiro, onde foi mantida at 1992. Em 1992 passa para o controle da Fundao Nacional de Sade (FNS) e transferida para as instalaes da Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB), no bairro de Iraj no Rio de Janeiro. Em 1993, inicia-se a construo da sede prpria, no Rio de Janeiro, em local cedido em regime de comodato pelo Ministrio do Exrcito. A obra,

i

concluda em 1996, veio atender a necessidade de infra-estrutura e redimensionamento, de forma a ampliar a capacidade instalada de armazenagem, onde foram construdas duas cmaras positivas e uma negativa. O complexo passou a ser denominado CENADI Central Nacional de Armazenamento e Distribuio de Imunobiolgicos. Em 2002 foi construda mais uma cmara negativa, totalizando 6.585 m3 de rea de armazenamento, distribudos em 4.250 m3 em cmaras positivas e 2.248 m3 em negativas, alm de 87 m3 de rea de antecmara. Toda rea tem sistema informatizado de controle de temperatura, segurana e iluminao. A CGPNI fez parte da estrutura organizacional do Centro Nacional de Epidemiologia (CENEPI) da Fundao Nacional de Sade (FUNASA) at junho de 2003 quando foi criada a Secretaria de Vigilncia em Sade (SVS). Atualmente o PNI uma Coordenao Geral do Departamento de Vigilncia Epidemiolgica (DEVEP/SVS). As atribuies do PNI, coordenado pela SVS definir normas e parmetros tcnicos para as estratgias de utilizao de imunobiolgicos, com base na vigilncia epidemiolgica de doenas imunoprevenveis e no conhecimento tcnico e cientfico da rea. Estabelecem as aes de carter nacional, referentes aquisio, conservao, manuseio, transporte, distribuio e administrao dos imunobiolgicos que integram o calendrio bsico de vacinao para crianas, adolescentes, adultos e idosos, assim como os aspectos de programao e avaliao. Essas normas so estabelecidas com a participao dos rgos responsveis pela operacionalizao e de outras instituies, assegurando dessa forma, sua aceitao e uniformidade em todo o pas. O PNI tem como objetivo contribuir para o controle, eliminao e/ou erradicao das doenas imunoprevenveis, utilizando estratgias bsicas de vacinao de rotina e campanhas anuais, desenvolvidas de forma hierarquizada e descentralizada, conforme Instruo Normativa n 1 de 19/08/04. No mbito internacional, o PNI parte integrante do Programa Ampliado de Imunizaes (PAI), da Organizao Pan-Americana de Sade (OPAS). O Fundo das Naes Unidas para a Infncia (UNICEF) participa tambm do Programa com apoio tcnico, operacional e financeiro. O suprimento dos imunobiolgicos necessrios ao Programa, sem nus para os rgos executores, de responsabilidade da instncia federal que coordena a importao de produtos e incentiva a produo nacional, atravs do PASNI, institudo em 1986, que a partir de 1999 passou a ser parte integrante da Gerncia de Imunobiolgicos da Coordenao do Programa Nacional de Imunizaes (COPNI).

ii

Histrico das Principais Aes do PNI 1973 Aquisio, estoque e distribuio de imunobiolgicos a cargo da Central de Medicamentos (CEME); estocagem em cmaras frias alugadas da Companhia Brasileira de Armazenamento (CIBRAZEMRJ); 1977 O Brasil define as vacinas obrigatrias para os menores de um ano de idade: contra tuberculose, poliomielite, sarampo, difteria, ttano e coqueluche (Portaria Ministerial n 452, de 06/12); 1979 Publicao do 1 Manual Tcnico de Rede de Frio: O refrigerador na conservao de vacinas, Fundao Servios de Sade Pblica (FSESP); 1980 Extinta a obrigatoriedade da vacinao contra varola (Portaria n. 55, de 29/01/1980); incio dos Dias Nacionais de Vacinao contra a Poliomielite em duas etapas anuais; 1981 Ocorre o 1 Encontro de Gerentes do PAI/OPAS e o 1 Curso sobre Rede de Frio das Amricas, no Equador; inicia-se a adoo de estratgias de campanha de vacinao contra o sarampo; 1982 Altera o esquema de vacinao contra o sarampo (9 meses); 1984 Realizado o 1 Curso Nacional de Procedimentos e Manuteno de Rede de Frio; 1985 A vacina BCG passa a ser responsabilidade do PNI; 1986 - Criao da marca-smbolo da Campanha contra a Poliomielite o Z Gotinha; publicada a 1 Edio do Manual de Procedimentos em Sala de Vacina; 1988 Publicao do Manual de Noes Bsicas de Refrigerao e Procedimentos para Conservao de Imunobiolgicos; 1989 - Implantao da vacinao contra hepatite B na Amaznia Legal; 1990 Adotada a estratgia de multivacinao nos Dias Nacionais de Vacinao contra a Poliomielite; 1991 Criado o Comit Tcnico Assessor de Imunizaes (CTAI), Portaria MS n 389, de 06/05; a vacina contra Febre Amarela introduzida no calendrio dos Estados da regio endmica; 1992 Implantao da Vigilncia Epidemiolgica de Eventos Adversos PsVacinais (EAPV); realizao da Campanha Nacional de Vacinao contra o Sarampo, para a populao de 9 meses a 14 anos de idade (vacinao indiscriminada) e introduo da 2. Dose da vacina contra o sarampo aos 15 meses de idade; a vacina contra hepatite B produzida por engenharia gentica passa ser adquirida no Pas, implantada nos estados do Paran, Esprito Santo e Santa Catarina e Distrito Federal, para menores de 5 anos de idade e na Amaznia Legal;

iii

1993 Incios da implantao dos Centros de Referncias para Imunobiolgicos Especiais (CRIE). O PNI adquire e implanta a vacina Trplice Viral, no Distrito Federal, para a populao de 12 meses de idade; 1994 Ampliao da oferta da vacina contra hepatite B aos profissionais de sade, militares e estudantes da rea de sade; o PNI assume a responsabilidade da vacinao contra a Febre Amarela; 1995 Incio da reestruturao da Rede de Frio do Pas; introduzida a vacina Trplice Viral no calendrio de alguns Estados; realizao da Vacinao de Seguimento contra o sarampo para crianas de 1 a 3 anos de idade; 1997 Realizada Campanha Nacional de Vacinao contra o Sarampo, para crianas de 6 meses a 4 anos de idade devido ao ressurgimento da doena no Pas; promovidos cursos de capacitao em Vigilncia de EAPV; 1998 Ampliao da oferta da vacina contra hepatite B para toda a populao menor de 1 ano de idade; dos produtos adquiridos pelo PNI, 69% so de origem nacional; 1999 Realizada a 1. Campanha de Vacinao contra Influenza para a populao de 65 anos e mais; implantao gradativa da vacinao contra Haemophilus influenzae tipo b (Hib) para menores de 2 anos de idade; as vacinas contra raiva a humana, a raiva animal e o soro anti-rbico passam a ser adquiridas, armazenadas e distribudas pelo PNI; substituio da vacina contra o ttano (TT) pela vacina dupla adulto (dT) a partir de 7 anos de idade; 2000 Garantida a auto-suficincia para as vacinas BCG, contra o sarampo, febre amarela, DTP, DT, dT, raiva humana, raiva animal e soros heterlogos; adotado calendrio bsico de vacinao para os povos indgenas; organizao do 1 Curso de Instalaes de Cmaras Frigorficas para engenheiros de sade pblica da FUNASA e SES; ampliada a vacinao contra influenza para a populao de 60 anos e mais; iniciada a vacinao contra sarampo e rubola para mulheres em idade frtil; realizada a 3 Campanha de Seguimento Contra o Sarampo para a populao de 1 a 11 anos de idade; 2001 Concluda no Pas a vacinao contra sarampo e rubola para mulheres em idade frtil; ampliao da oferta da vacina contra hepatite B para menores de 20 anos de idade; incio das capacitaes tcnicas em Rede de Frio por macrorregies; 2002 Introduzida a vacina combinada DTP+Hib (vacina tetra) para os menores de 1 ano de idade; substituio gradativa da vacina contra raiva humana Fuenzalida & Palcios pela vacina de cultivo celular; elaborao do Projeto Sol Nascente em parceria com a OPAS e o Ministrio da Minas e Energia, para proporcionar o funcionamento de equipamentos em reas de irregularidade no fornecimento de energia eltrica; realizado o 2 Curso sobre Cmaras Frigorficas para engenheiros; 2003 alterao do calendrio de vacinao: excluso da dose da vacina contra sarampo aos 9 meses e adoo da vacina trplice viral aos 12 meses e uma 2 Dose entre 4 a 6 anos; incluso do 2 Reforo da vacina DTP iv

entre 4 e 6 anos de idade; aquisio de veculos refrigerados para o transporte de imunobiolgicos nas diversas instncias; desenvolvimento do Projeto Operao Gota, apoio areo s aes de vacinao em reas de difcil acesso (Amaznia Legal e Pantaneira); 2004 Institudo no Pas, por Portaria Ministerial n 597 de 08/04, os Calendrios Bsicos de Vacinao para Crianas, Adolescentes, Adultos e Idosos; intensificao das aes de vacinao para populaes de maior vulnerabilidade como: presidirios, profissionais do sexo, usurios de drogas, quilombolas entre outras. 2005 Em parceria com outros ministrios elaborada a 1 verso do Plano Brasileiro de Preparao para uma Pandemia de Influenza. 2006 introduzida a vacina oral de rotavrus humano (VORH) no calendrio bsico de vacinao das crianas a partir de 3 meses e 7 dias a 5 meses e 15 dias de idade (14 a 24 semanas de vida), sendo o intervalo mnimo preconizado entre a primeira e segunda dose de 4 semanas, por meio da Portaria n 1.602, de 17 de julho de 2006. 2006 institudo o Programa Nacional de Competitividade em Vacinas (INOVACINA) pela Portaria n 972, de 3 de maio de 2006, e tem por finalidade criar condies para alcanar a auto-suficincia nacional na produo das vacinas includas no Programa Nacional de Imunizaes (PNI).

v

1. REDE DE FRIOA Rede de Frio ou Cadeia de Frio o processo de recebimento, armazenamento, conservao, manipulao, distribuio e transporte dos imunobiolgicos do Programa Nacional de Imunizaes e devem ser mantidos em condies adequadas de refrigerao, desde o laboratrio produtor at o momento de sua utilizao. O objetivo da Rede de Frio assegurar que todos os imunobiolgicos mantenham suas caractersticas iniciais, para conferir imunidade. Imunobiolgicos so produtos termolbeis, isto , se deterioram depois de determinado tempo quando expostos a temperaturas inadequadas (inativao dos componentes imunognicos). O manuseio inadequado, equipamentos com defeito ou falta de energia eltrica podem interromper o processo de refrigerao, comprometendo a potncia e eficcia dos imunobiolgicos. So componentes da Rede de Frio: equipe qualificada e equipamentos adequados (Figura 1).

1

Figura 1. Fluxograma da Rede de Frio de Imunobiolgicos

2

2. SISTEMA DE REFRIGERAO 2.1. Conceito e histria O Sistema de refrigerao composto por um conjunto de componentes unidos entre si, cuja finalidade transferir calor de um espao, ou corpo, para outro. Esse espao pode ser o interior de uma cmara frigorfica de um refrigerador, ou qualquer outro espao fechado onde haja a necessidade de se manter uma temperatura mais baixa que a do ambiente que o cerca. O primeiro povo a utilizar a refrigerao foi o chins, muitos anos antes de Cristo. Os chineses colhiam o gelo nos rios e lagos durante a estao fria e o conservavam em poos cobertos de palha durante as estaes quentes. Este primitivo sistema de refrigerao foi tambm utilizado de forma semelhante por outros povos da antiguidade. Servia basicamente para deixar as bebidas mais saborosas. At pelo menos o fim do sculo XVII, esta seria a nica aplicao do gelo para a humanidade. Em 1683, Anton Van Leeuwenhoek, um comerciante de tecidos e cientista de Delft, nos Pases Baixos, que muito contribuiu para o melhoramento do microscpio e para o progresso da biologia celular, detectou microorganismos em cristais de gelo e a partir dessa observao constatou-se que, em temperaturas abaixo de +10C, estes microorganismos no se multiplicavam, ou o faziam mais vagarosamente, ocorrendo o contrrio acima dessa temperatura. A observao de Leeuwenhoek continuou sendo alvo de pesquisa no meio cientfico e no sculo 18, descobertas cientficas relacionaram o frio inibio do processo dos alimentos. Alm da neve e do gelo, os recursos eram a salmoura e o ato de curar os alimentos. Tambm havia as loucas de barro que mantinham a frescura dos alimentos e da gua, fato este j observado pelos egpcios antes de Cristo. Mas as dificuldades para obteno de gelo na natureza criava a necessidade do desenvolvimento de tcnicas capazes de produzi-lo artificialmente. Apenas em 1824, o fsico e qumico Michael Faraday descobriu a induo eletromagntica o princpio da refrigerao. Esse princpio seria utilizado dez anos depois, nos Estados Unidos, para fabricar gelo artificialmente e, na Alemanha em 1855. Mesmo com o sucesso desses modelos experimentais, a possibilidade de produo do gelo para uso domstico ainda era um sonho distante. Enquanto isso no ocorria, a nica possibilidade de utilizao do frio era tentando ampliar ao mximo a durabilidade do gelo natural. No incio do sculo XIX, surgiram, assim, as primeiras geladeiras apenas um recipiente isolado por meio de placas de cortia, onde eram colocadas pedras de gelo. Essa geladeira ganhou ares domsticos em 1913. Em 1918, aps a inveno da eletricidade, a Kelvinator Co. introduziu no mercado o primeiro refrigerador eltrico com o nome de Frigidaire. Esses 3

primeiros produtos foram vendidos como aparelhos para serem colocados dentro das caixas de gelo. Uma das vantagens era no precisar tirar o gelo derretido. O slogan do refrigerador era mais frio que o gelo. Na conservao dos alimentos, a utilizao da refrigerao destina-se a impedir a multiplicao de microorganismos e sua atividade metablica, reduzindo, conseqentemente, taxa de produo de toxinas e enzimas que poderiam deteriorar os alimentos, mantendo, assim, qualidade dos mesmos. Com a criao do Programa Nacional de Imunizaes no Brasil surge a necessidade de equipamento de refrigerao para a conservao dos imunobiolgicos e inicia-se o uso do refrigerador domstico para este fim, adotando-se algumas adaptaes e/ou modificaes que sero demonstradas no captulo referente aos equipamentos da rede de frio. Para os imunobiolgicos, a refrigerao destina-se exclusivamente conservao do seu poder imunognico, pois so produtos termolbeis, isto , que se deterioram sob a influncia do calor. 2.2. Princpios bsicos de refrigerao 2.2.1. Calor O calor uma forma de energia que pode ser transmitida de um corpo a outro em virtude da diferena de temperatura existente entre eles. A transmisso da energia se d a partir do corpo com maior temperatura para o de menor temperatura. Um corpo, ao receber ou ceder calor, pode sofrer dois efeitos diferentes: variao de temperatura ou mudana de estado fsico (fase). A quantidade de calor recebida ou cedida por um corpo que sofre uma variao de temperatura denominada calor sensvel. E, se ocorrer uma mudana de fase, o calor chamado latente (palavra derivada do latim que significa escondido). Diz-se que um corpo mais frio que o outro quando possui menor quantidade de energia trmica ou, temperatura inferior ao outro. Com base nesses princpios so, a seguir, apresentadas algumas experincias onde os mesmos so aplicados conservao de imunobiolgicos. 2.2.1.1. - TRANSFERNCIA DE CALOR

a denominao dada passagem da energia trmica (que durante a transferncia recebe o nome de calor) de um corpo com temperatura mais alta para outro ou de uma parte para outra de um mesmo corpo com temperatura mais baixa. Essa transmisso pode se processar de trs maneiras diferentes: conduo, conveco e radiao.

4

2.2.1.1.1 - CONDUO o processo de transmisso de calor em que a energia trmica passa de um local para outro atravs das partculas do meio que os separa. Na conduo a passagem da energia de uma local para outro se faz da seguinte maneira: no local mais quente, as partculas tm mais energia, vibrando com mais intensidade; com esta vibrao cada partcula transmite energia para a partcula vizinha, que passa a vibrar mais intensamente; esta transmite energia para a seguinte e assim sucessivamente (Figura 2A). Figura 2A. Conduo - Processo de transferncia de calor nos materiais A conduo de calor um processo que exige a presena de um meio

Ai!

Ai! Ai!

material e que, portanto, no ocorre no vcuo.

2.2.1.1.2 - CONVECO Consideremos uma sala na qual se liga um aquecedor eltrico em sua parte inferior. O ar em torno do aquecedor aquecido, tornando-se menos denso. Com isso, o ar aquecido sobe e o ar frio que ocupa a parte superior da sala, e portanto, mais distante do aquecedor, desce. A esse movimento de massas de fluido chamamos conveco e as correntes de ar formadas so correntes de conveco. Portanto, conveco um movimento de massas de fluido, trocando de posio entre si. Notemos que no tem significado falar em conveco no vcuo ou em um slido, isto , conveco s ocorre nos fluidos. 5

Exemplos ilustrativos:a) Os aparelhos condicionadores de ar devem sempre ser instalados na

parte superior do recinto a ser resfriado, para que o ar frio refrigerado, sendo mais denso, desa e force o ar quente, menos denso, para cima, tornando o ar de todo o ambiente mais frio e mais uniforme (Figura 2B).b) Os aparelhos condicionadores de ar modernos possuem refrigerao e

aquecimento, mas tambm devem ser instalados na parte superior da sala, pois o perodo de tempo de maior uso ser no modo refrigerao, ou seja, no perodo de vero. Contudo, quando o equipamento for utilizado no modo aquecimento, durante o inverno, as aletas do equipamento devero estar direcionadas para baixo, forando o ar quente em direo ao solo.c) Os aquecedores de ar, por sua vez, devero ser sempre instalados na

parte inferior do recinto a ser aquecido, pois o ar quente, por ser menos denso, subir e o ar que est mais frio na parte superior desce e sofre aquecimento por conveco. Figura 2B. Conveco - Processo de transferncia de calor em massas de arcondicionador de ar ar frio

ar frio

ar quente

b) beira-mar, a areia tendo calor especfico sensvel muito menor que o da gua, aquecida mais rapidamente que a gua durante o dia e resfriada mais rapidamente durante a noite. DURANTE O DIA: O ar prximo da areia fica mais quente que o restante e sobe, dando lugar a uma corrente de ar da gua para a terra. o vento que, durante o dia, sopra do mar para a terra (Figura 2C).

6

Figura 2C. Conveco - Processo de transferncia de calor durante o diaBRISA MARTIMA

Sol

ar quente

ar frio

DURANTE A NOITE: O ar prximo da superfcie da gua se resfria menos. Com isto ele fica mais quente que o restante e sobe, dando lugar a uma corrente de ar da terra para a gua. o vento que, durante a noite, sopra da terra para o mar (Figura 2D). Figura 2D. Conveco - Processo de transferncia de calor durante a noiteBRIS A TERRE STRE

ar quente

ar frio

7

Conforme ilustrao da figura Nos refrigeradores, o congelador est sempre situado na parte superior, para que o ar seja resfriado, tornando-se mais denso, desa. O ar mais quente que est mais parte inferior, por ser menos denso sobe at o congelador, resfriado por este e desce. Esse processo ocorre durante todo o tempo em que o equipamento mantido em funcionamento, de tal forma que, com o passar do tempo, ser menor a diferena de temperaturas entre a parte superior e inferior do refrigerador, tendendo a uma temperatura mais uniforme em todo o gabinete. Para facilitar o movimento do ar, as prateleiras so feitas em grades (aramadas) e no inteirias, o que facilita a conveco dentro do refrigerador (Figura 2E). Figura 2E Conveco - Fluxo de calor no refrigerador

2.2.1.1.3 - RADIAO o processo de transmisso de calor atravs de ondas eletromagnticas ondas de calor). A energia emitida por um corpo (energia radiante) se propaga at o outro, atravs do espao que os separa (Figura 2F).

8

Figura 2F . Radiao - Processo de transferncia de calor Sistema TerraSol

Sol

Raio s in fravermelh os

O Sol aquece a Terra atravs dos raios inf ravermelhos

Terra

Sendo uma transmisso de calor atravs de ondas eletromagnticas, a radiao no exige a presena do meio material para ocorrer, isto , a radiao ocorre no vcuo e tambm em meios materiais. Nem todos os materiais permitem a propagao das ondas de calor atravs dele com a mesma velocidade. A caixa trmica, por exemplo, por ser feita de material isolante, dificulta a entrada do calor e o frio em seu interior, originrio das bobinas de gelo reutilizvel, conservado por mais tempo. Toda energia radiante, transportada por onda de rdio, infravermelha, ultravioleta, luz visvel, raios-X, raio gama, etc, pode converter-se em energia trmica por absoro. Porm, s as radiaes infravermelhas so chamadas de ondas de calor. ATENO: Um corpo bom absorvente de calor um mal refletor. Um corpo bom refletor de calor um mal absorvente. TODO BOM ABSORVENTE BOM EMISSOR DE CALOR. TODO BOM REFLETOR MAL EMISSOR.

9

Exemplo: Corpos de cor negra so bons absorventes e corpos de cores claras so bons refletores de calor (Figura 2G).

Figura 2G . Radiao - Absoro de calor

Camisa Branca

Camisa Preta

2.2.1.2. Relao entre temperatura e movimento molecular Independentemente do seu estado, as molculas de um corpo encontram-se em movimento contnuo. Na figura a seguir, verifica-se o comportamento das molculas da gua nos estados slido, lquido e gasoso. medida que sofrem incremento de temperatura, essas molculas movimentam-se com maior intensidade. A liberdade para se movimentarem aumenta conforme se passa do estado slido para o lquido; e deste, para o gasoso (Figura 2H).

10

Figura 2H . Relao entre a temperatura e o movimento molecular

2.2.1.3. Conveco natural - densidade Uma mesma substncia, em diferentes temperaturas, pode ficar mais ou menos densa. O ar quente menos denso que o ar frio. Assim, num espao determinado e limitado, ocorre sempre uma elevao do ar quente e uma queda (precipitao) do ar frio (Figura 2I). Figura 2I . Conveco natural - densidade

11

Sob tal princpio, uma caixa trmica horizontal aberta, contendo bobinas de gelo reutilizvel ou outro produto em baixa temperatura, s estar recebendo calor do ambiente atravs da radiao e no pela sada do ar frio existente, uma vez que este, sendo mais denso, permanece no fundo da caixa. Ao se abrir a porta de uma geladeira vertical ocorrer a sada de parte do volume de ar frio contido dentro da mesma, com sua conseqente substituio por parte do ar quente situado no ambiente mais prximo do refrigerador. O ar frio, por ser mais denso, sai por baixo, permitindo a penetrao do ar ambiente (com calor e umidade). Os equipamentos utilizados para a conservao de sorvetes e similares so predominantemente freezers horizontais, com vrias aberturas pequenas na parte superior, visando a maior eficincia na conservao de baixas temperaturas. Um exemplo do princpio da densidade observado quando os evaporadores ou congeladores dos refrigeradores, os aparelhos de ar-condicionado e centrais de refrigerao so instalados na parte superior do local a ser refrigerado Assim o ar frio desce e refrigera todo o ambiente mais rapidamente. J os aquecedores devem ser instalados na parte inferior. Desta forma, o ar quente sobe e aquece o local de forma mais rpida. Agindo destas formas, garantimos o desempenho correto dos aparelhos e economizamos energia atravs da utilizao da conveco natural (Figura 2J).

12

Figura 2J . Troca de calor ao abrir a porta do refrigerador

2.2.2. Temperatura O calor uma forma de energia que no pode ser medida diretamente. Porm, por meio de termmetro, possvel medir sua intensidade. A temperatura de uma substncia ou de um corpo a medida de intensidade do calor ou grau de calor existente em sua massa. Existem diversos tipos e marcas de indicadores de temperatura. Para seu funcionamento, aproveita-se a propriedade que alguns corpos tm para dilatar-se ou contrair-se conforme ocorra aumento ou diminuio da temperatura. Para esse funcionamento utilizam-se, tambm, as variaes de presso que alguns fluidos apresentam quando submetidos a variaes de temperatura. Os lquidos mais comumente utilizados so o lcool e o mercrio, principalmente por no se congelarem a baixas temperaturas. Existem vrias escalas para medio de temperatura, sendo que as mais comuns so a Fahrenheit (F), em uso nos pases de lngua inglesa, e a Celsius (C), utilizada no Brasil. Nos termmetros em escala Celsius (C) ou Centgrados, o ponto de congelamento da gua 0C e o seu ponto de ebulio de 100C, ambos medidos ao nvel do mar e presso atmosfrica.

13

Fatores que interferem na manuteno da temperatura no interior das caixas trmicas: 1 Temperatura ambiente: Quanto maior for a temperatura ambiente, mais rapidamente a temperatura do interior da caixa trmica se elevar, em virtude da entrada de ar quente pelas paredes da caixa. 2 Material isolante: O tipo, a qualidade e a espessura do material isolante utilizado na fabricao da caixa trmica interferem na penetrao do calor. Com paredes mais grossas (Figura 2K), o calor ter maior dificuldade para atravess-las. Figura 2K . Proteo dos imunobiolgicos por bobinas de gelo reutilizvel em caixa trmica com paredes grossas

Com paredes mais finas (Figura 2L), o calor passar mais facilmente. Com material de baixa condutividade trmica (exemplo: poliuretano ao invs de poliestireno expandido), o calor no penetrar na caixa com facilidade.

14

Figura 2L . Proteo dos imunobiolgicos por bobinas de gelo reutilizvel em caixa trmica com paredes finas

3 Bobinas de Gelo Reutilizvel Quantidade e Temperatura: A quantidade de bobinas de gelo reutilizvel colocada no interior da caixa importante para a correta conservao. A transferncia do calor recebido dos imunobiolgicos, do ar dentro da caixa e atravs das paredes far com que o gelo derreta (temperatura prxima de 0C, no caso de as bobinas de gelo serem constitudas de gua pura). Otimizar o espao interno da caixa para a acomodao de maior quantidade de bobinas de gelo far com que a temperatura interna do sistema permanea baixa por mais tempo. Dispor as bobinas de gelo reutilizvel nos espaos vazios no interior da caixa, de modo que circundem os imunobiolgicos serve ao propsito mencionado acima (Figura 2M).

Figura 2M . Arrumao das caixas trmicas para transporte de vacinas em todas as instncias

15

Ao dispor de certa quantidade de bobinas de gelo reutilizvel nas paredes laterais da caixa trmica, formamos uma barreira para diminuir a velocidade de entrada de calor, por um perodo de tempo. O calor vai continuar atravessando as paredes, e isso ocorre porque no existe material perfeitamente isolante. Contudo, o calor que adentra a caixa atinge primeiro as bobinas de gelo reutilizvel, aumentando inicialmente sua temperatura, e, somente depois, altera a temperatura do interior da caixa. A temperatura das bobinas de gelo reutilizvel tambm deve ser rigorosamente observada. Caso sejam utilizadas bobinas de gelo reutilizvel, em temperaturas muito baixas (-20C) e em grande quantidade, h o risco de, em determinado momento, que a temperatura dos imunobiolgicos esteja prxima dessas bobinas. Por conseqncia, os imunobiolgicos sero congelados, o que para alguns tipos, pode comprometer a qualidade, por exemplo: a vacina contra DTP. Alm desses fatores, as experincias citadas permitem lembrar alguns pontos importantes: o calor, decorrido algum tempo, passar atravs das paredes da caixa com maior ou menor facilidade, em funo das caractersticas do material utilizado e da espessura das mesmas; a temperatura no interior da caixa nem sempre uniforme. Num determinado momento podemos encontrar temperaturas diferentes em vrios pontos (a, b e c). O procedimento de envolver os imunobiolgicos com bobinas de gelo reutilizvel entendido como uma proteo ao avano do calor, que parte 16

sempre do mais quente para o mais frio, mas que afeta a temperatura dos corpos pelos quais se propaga (Figura 2N); Figura 2N . Caixa com gelo reutilizvel registrando variao de temperatura em vrios pontos

no acondicionamento de imunobiolgicos em caixas trmicas possvel manter ou reduzir a temperatura das mesmas durante um tempo determinado utilizando-se, para tal, bobinas de gelo reutilizvel em diferentes temperaturas e quantidade.

Experincia 1 Troca de calor entre o corpo (imunobiolgicos) e o ambiente (Figura 2O-1): Ao colocar sobre uma mesa, uma quantidade de imunobiolgicos que estejam em temperaturas mais baixas do que o ar ambiente, ocorrer uma transferncia de calor at que, decorrido algum tempo, todo o conjunto (ar e imunobiolgicos) estejam na mesma temperatura.

17

Figura 2O-1 . Troca de calor entre o corpo (imunobiolgicos) e o meio ambiente

Experincia 2 Troca de calor entre o corpo protegido (imunobiolgicos) e o ambiente (Figura 2O-2): Ao colocar a mesma quantidade de imunobiolgicos dentro de uma caixa trmica de material isolante (poliestireno expandido, poliuretano, etc.), faremos com que estes fiquem parcial e temporariamente protegidos do calor ambiente, (Figura 2B). Com a proteo de materiais isolantes ocorrer a troca de calor com o ambiente, mas em menor intensidade. Figura 2O-2 . Troca de calor entre o corpo protegido (imunobiolgicos) e o ambiente

18

Experincia 3 Troca de calor entre o corpo protegido imunobiolgicos e gelo - e o ambiente (Figura 2O-3): Ao colocar junto aos imunobiolgicos, bobinas de gelo reutilizvel no interior da caixa, este, como elemento de temperatura mais baixa do conjunto, funcionar como receptor de calor do ar e dos imunobiolgicos. Em conseqncia, estes permanecero mais tempo frios, at que todo calor transferido para as bobinas de gelo reutilizvel, faa-o derreter. Somente a partir desse momento os imunobiolgicos passaro a receber calor, j que sero os elementos com menor temperatura. Figura 2O-3 . Acondicionamento de vacinas em caixas, com uso de bobinas de gelo reutilizvel

2.2.4. Tipos de Sistema 2.2.4.1 - Compresso So sistemas que utilizam a compresso e a expanso de uma substncia, denominada fluido refrigerante, como meio para a retirada de energia trmica de um corpo ou ambiente. Esses sistemas so normalmente alimentados por energia eltrica proveniente de centrais hidreltricas ou trmicas. Alternativamente, em regies remotas, tem-se usado o sistema fotovoltaico como fonte geradora de energia eltrica. 2.2.4.1. Componentes e elementos do sistema de refrigerao por compresso. Componentes: compressor, condensador e controle do lquido refrigerante. Elementos: evaporador, filtro desidratador, gs refrigerante e termostato.

19

Os componentes acima descritos esto unidos entre si por meio de tubulaes, dentro das quais circula um fluido refrigerante ecolgico (R-134a tetrafluoretano, o mais comum). A compresso e a expanso desse fluido refrigerante, dentro de um circuito fechado, o torna capaz de retirar calor de um ambiente. Esse circuito deve estar hermeticamente selado, no permitindo a fuga do refrigerante. Nos refrigeradores e freezers, o compressor e o motor esto hermeticamente fechados em uma mesma carcaa (Figura 2P). Figura 2P . Componentes e elementos do sistema de refrigerao por compresso

20

2.2.4.1.1. Compressor um conjunto mecnico constitudo de um motor eltrico e pisto no interior de um cilindro. Sua funo fazer o fluido refrigerante circular dentro do sistema de refrigerao.. Durante o processo de compresso, a presso e a temperatura do fluido refrigerante se elevam rapidamente (Figura 2Q).

Figura 2Q . Compressor

2.2.4.1.2. Condensador o elemento do sistema de refrigerao que se encontra instalado e conectado imediatamente aps o ponto de descarga do compressor. Sua funo transformar o fluido refrigerante em lquido. Devido reduo de sua temperatura, ocorre mudana de estado fsico, passando de vapor superaquecido para lquido saturado. So constitudos por tubos metlicos (cobre, alumnio ou ferro) dispostos sobre chapas ou fixos por aletas (arame de ao ou lminas de alumnio), tomando a forma de serpentina. A circulao do ar atravs do condensador pode se dar de duas maneiras: a) Por circulao natural (sistemas domsticos) b) Por circulao forada (sistemas comerciais de grande capacidade).

21

Como o condensador est exposto ao ambiente, cuja temperatura inferior temperatura do refrigerante em circulao, o calor vai sendo dissipado para esse mesmo ambiente. Assim, na medida em que o fluido refrigerante perde calor ao circular pelo condensador, ele se converte em lquido. Nos refrigeradores tipo domstico e freezers utilizados pelo PNI, so predominantemente utilizados os condensadores estticos, nos quais o ar e a temperatura ambiente so os nicos fatores de interferncia. As placas, ranhuras e pequenos tubos incorporados aos condensadores, visam exclusivamente facilitar a dissipao do calor, aumentando a superfcie de resfriamento. Olhando-se lateralmente um refrigerador tipo domstico verifica-se que o condensador est localizado na parte posterior, afastado do corpo do refrigerador. O calor dissipado para o ar circulante que sobe em corrente, dos lados do evaporador. Para que este ciclo seja completado com maior facilidade e sem interferncias desfavorveis, o equipamento com sistema de refrigerao por compresso (geladeira, freezers, etc.) deve ficar afastado da parede, instalado em lugar ventilado, na sombra e longe de qualquer fonte de calor, para que o condensador possa ter um rendimento elevado. No colocar objetos sobre o condensador. Periodicamente, limpar o mesmo para evitar acmulo de p ou outro produto que funcione como isolante. Alguns equipamentos (geladeiras comerciais, cmaras frigorficas, etc.) utilizam o conjunto de motor, compressor e condensador, instalado externamente. 2.2.4.1.3. Filtro desidratador Est localizado logo aps o condensador. Consiste em um filtro dotado de uma substncia desidratadora que retm as impurezas ou substncias estranhas e absorve a umidade residual que possa existir no sistema. 2.2.4.1.4. Controle de expanso do fluido refrigerante A seguir est localizado o controlador de expanso do fluido refrigerante. Sua finalidade controlar a passagem e promover a expanso (reduo da presso e temperatura) do fluido refrigerante para o evaporador. Este dispositivo, em geral, pode ser um tubo capilar usado em pequenos sistemas de refrigerao ou uma vlvula de expanso, usual em sistemas comerciais e industriais. 2.2.4.1.5. Evaporador a parte do sistema de refrigerao no qual o fluido refrigerante, aps expandir-se no tubo capilar ou na vlvula de expanso, evapora-se a baixa presso e temperatura, absorvendo calor do meio. Em um sistema de refrigerao, a finalidade do evaporador absorver calor do ar, da gua ou de qualquer outra substncia que se deseje baixar a temperatura. Essa retirada de calor ou esfriamento ocorre em virtude de o

22

lquido refrigerante, a baixa presso, se evaporar, absorvendo calor do contedo e do ambiente interno do refrigerador. medida que o lquido vai se evaporando, deslocando-se pelas tubulaes, este se converte em vapor, que ser aspirado pelo compressor atravs da linha de baixa presso (suco). Posteriormente, ser comprimido e enviado pelo compressor ao condensador fechando o ciclo. 2.2.4.1.6. Alimentao compresso eltrica dos sistemas de refrigerao por

Pode ser convencional, quando proveniente de centrais hidreltricas ou trmicas, ou fotovoltaica, quando utiliza a energia solar. A alimentao eltrica convencional dispensa maiores comentrios, pois de uso muito comum e conhecida por todos. Atualmente, muitos pases em desenvolvimento esto usando o sistema fotovoltaico na rede de frio para conservao de imunobiolgicos. , algumas vezes, a nica alternativa em reas onde no existe disponibilidade de energia eltrica convencional confivel. A gerao de energia eltrica provm de clulas fotoeltricas ou fotovoltaicas, instaladas em painis que recebem luz solar direta, armazenando-a em baterias prprias atravs do controlador de carga para a manuteno do funcionamento do sistema, inclusive no perodo sem sol. O sistema utilizado em refrigeradores para conservao de imunobiolgicos dimensionado para operao contnua do equipamento (carregado e incluindo as bobinas de gelo reutilizvel) durante os perodos de menor insolao no ano. Se outras cargas, como iluminao, forem includas no sistema, elas devem operar atravs de um banco de baterias separado, independente do que fornece energia ao refrigerador. O projeto do sistema deve permitir uma autonomia de, no mnimo, sete dias de operao contnua. Em ambientes com temperaturas mdias entre +32C e +43C, a temperatura interna do refrigerador, devidamente carregado, quando estabilizada, no deve exceder a faixa de +2C a +8C. A carga recomendada de bobinas de gelo reutilizvel contendo gua a temperatura ambiente deve ser aquela que o equipamento capaz congelar em um perodo de 24 horas. Em virtude de seu alto custo e necessidade de treinamento especializado dos responsveis pela manuteno, alguns critrios so observados para a escolha das localidades para instalao desse tipo de equipamento: remotas e de difcil acesso, isoladas com inexistncia de fonte de energia convencional; que por razes logsticas se necessite dispor de um refrigerador para armazenamento; que, segundo o Ministrio de Minas e Energia, no sero alcanadas pela rede eltrica convencional em, pelo menos, 5 anos;

23

A Figura 2R constitui um diagrama simplificado de um sistema de refrigerao para imunobiolgicos especfico alimentado por energia solar. Figura 2R . Sistema de refrigerao por compresso, especfico para conservao de imunobiolgicos alimentado por energia solar

2.2.4.2. Absoro Funciona alimentado por uma fonte de calor que pode ser uma resistncia eltrica, gs ou querosene. Em operao com gs ou eletricidade, a temperatura interna controlada automaticamente por um termostato. Nos equipamentos a gs, o termostato dispe de um dispositivo de segurana que fecha a passagem deste quando a chama se apaga; com querosene, a temperatura controlada manualmente atravs do ajuste da chama do querosene. O sistema por absoro no to eficiente e difere da configurao do sistema por compresso. Seu funcionamento depende de uma mistura de gua e amonaco, em presena de um gs inerte (hidrognio). Requer ateno constante para garantir o desempenho adequado. 2.2.4.2.1 Funcionamento do sistema por absoro

24

A gua tem a propriedade de absorver amnia (NH3) com muita facilidade e atravs desta, possvel reduzir e manter baixa a temperatura nos sistemas de absoro (Figura 2S).

Figura 2S . Diagrama simplificado do sistema de refrigerao por compresso

A aplicao de calor ao sistema faz com que a solubilidade da amnia na gua, libere o gs da soluo. Assim, a amnia purificada, em forma gasosa, se desloca do separador at o condensador, que uma serpentina de tubulaes com um dispositivo de aletas situado na parte superior do circuito. Nesse elemento, a amnia se condensa e, em forma lquida, desce por gravidade at o evaporador, localizado abaixo do condensador e dentro do gabinete. O esfriamento interno do equipamento ocorre pela perda de calor para a amnia, que sofre uma mudana de fase da amnia, passando do estado lquido para o gasoso. A presena do hidrognio mantm uma presso elevada e uniforme no sistema. A mistura amnia-hidrognio varia de densidade ao passar de uma parte do sistema para outra, o que resulta em um desequilbrio que provoca a movimentao da amnia at o componente absorvente (gua). Ao sair do evaporador, a mistura amnia-hidrognio passa ao absorvedor, onde somente a amnia retida. Nesse ponto, o calor aplicado permitir novamente a liberao da amnia at o condensador, fechando o ciclo continuamente. Os sistemas de absoro apresentam algumas desvantagens:

25

os equipamentos que utilizam combustvel lquido na alimentao apresentam irregularidade da chama e acmulo de carvo ou fuligem, necessitando regulagem sistemtica e limpeza peridica dos queimadores; a manuteno do equipamento em operao satisfatria apresenta maior grau de complexidade em relao aos sistemas de compresso. a qualidade e o abastecimento constante dos combustveis dificulta o uso de tal equipamento. 2.2.5.2. Controle de temperatura Conforme o tipo de sistema, proceder das seguintes maneiras: a) aqueles que funcionam com combustveis lquidos. O controle efetuado atravs da diminuio ou aumento da chama utilizada no aquecimento do sistema, por meio de um controle que movimenta o pavio do queimador; b) aqueles que funcionam com combustveis gasosos. Nestes sistemas, o controle feito por um elemento termosttico que permite aumentar ou diminuir a vazo do gs que alimentar a chama do queimador, provocando as alteraes de temperatura desejadas; c) aqueles que funcionam com eletricidade. O controle feito atravs de um termostato para refrigerao simples, que conecta ou desconecta a alimentao da resistncia eltrica, do mesmo tipo utilizado nos refrigeradores compresso.

26

3. TEMPERATURA: CONTROLE E MONITORAMENTO O controle dirio de temperatura dos equipamentos da Rede de Frio imprescindvel em todas as instncias de armazenamento para assegurar a qualidade dos imunobiolgicos. Para isso, utilizam-se termmetros digitais ou analgicos, de cabo extensor ou no. Quando for utilizado o termmetro analgico de momento, mxima e mnima, a leitura deve ser rpida, a fim de evitar variao de temperatura no equipamento. O termmetro de cabo extensor de fcil leitura e no contribui para essa alterao porque o visor permanece fora do equipamento.

3.1. Termmetros:3.1.1 Termmetro digital de momento, mxima e mnima: um equipamento eletrnico de preciso constitudo de um visor de cristal lquido, com cabo extensor, que mensura as temperaturas (do momento, a mxima e a mnima), Figura 3A Termmetro digital de momento, atravs de seu bulbo mxima e mnima, com cabo extensor. instalado no interior do equipamento, em um perodo de tempo. (Figura 3A)

Tambm existe disponvel um modelo deste equipamento que permite a leitura das temperaturas de momento, mxima, mnima e do ambiente externo, com dispositivo de alarme que acionado quando a variao de temperatura ultrapassa os limites configurados, ou seja, +2 e + 8 C (set point) ou sem alarme. Constitudo por dois visores de cristal lquido, um para temperatura do equipamento e outro para a temperatura do ambiente (Figura 3B).

27

Procedimentos para instalao: Abrir o compartimento da bateria na parte traseira do termmetro. Colocar a bateria do tipo recomendado, geralmente do tipo AA. Alguns modelos so fornecidos j com a bateria, porm Figura 3B Termmetro digital de com fita isolante que necessita ser momento, mxima e mnima, com retirada para acionar o cabo extensor e dois visores termmetro. Ainda na parte traseira, colocar etiqueta com a data de instalao da bateria. Considerando que muitos modelos utilizados so fabricados fora do pas, verificar se existe uma pequena chave para comutao da leitura em F ou C e posicion-la em C. Verificar se existe algum protetor plstico sobre o(s) visor (es) e retir-lo. No caso de refrigerador, fixar no lado externo da porta, introduzir o cabo extensor pelo lado de fixao das dobradias, localizando o seu sensor (ou bulbo) na parte central da segunda prateleira (Figura 3C). Para a leitura das temperaturas registradas, devem ser observados os seguintes procedimentos: Considerando que a maioria dos modelos de termmetro digital utilizada importada e desenhada para o registro de temperatura ambiente dentro e fora de domiclio, o visor identificado com IN (dentro) corresponder temperatura do ambiente em que se encontra o refrigerador e o visor identificado com OUT (fora) corresponder temperatura do interior do refrigerador. Observar que esse tipo de termmetro possui um boto de controle para cada visor. Pressionando-se o boto uma vez surgir a sigla MAX (mxima), pressionando-se 28 Figura 3C Fixao de termmetro digital no refrigerador.

mais uma vez, surge a sigla MIN (mnima). Pressionando-se uma terceira vez a temperatura que surge no visor representa a do momento. Registrar as temperaturas nas colunas correspondentes do formulrio adotado para esse fim (Mapa Dirio de Controle de Temperatura). Aps cada leitura e registro das temperaturas, pressionar o boto RESET (reinicializao do painel) para apagar os registros anteriores e iniciar um novo ciclo de aferio. 3.1.2. Termmetro analgico de momento, mxima e mnima (Capela) (Figura 3D). Este termmetro apresenta duas colunas verticais de mercrio com escalas inversas e utilizado para verificar as variaes de temperatura ocorridas em determinado ambiente, num perodo de tempo, fornecendo trs tipos de informao: a mais Figura 3D Termmetro analgico de fria; a mais quente e a momento, mxima e mnima (Capela). do momento. A leitura deve ser feita da seguinte forma: temperatura mnima: a que est indicada no nvel inferior do filete azul na coluna da esquerda; temperatura mxima: a que est indicada no nvel inferior do filete azul na coluna da direita; temperatura do momento: a que est indicada pela extremidade superior da coluna de mercrio (colunas prateadas) em ambos os lados.

Para sua instalao fixar o termmetro entre a primeira e a segunda prateleira da geladeira em posio vertical na rea central do equipamento. Aps cada leitura, registrar imediatamente no mapa de controle e anular a marcao do termmetro pressionando o boto central, at que os filetes azuis se encontrem com a coluna de mercrio; Quando for observada qualquer alterao (exemplo: temperatura mxima acima do limite), anotar no mapa, no item observaes e, em seguida,

29

comunicar o fato ao responsvel, que dever adotar as medidas indicadas ao caso. Quando ocorrer a quebra da coluna de mercrio, recomenda-se expor o termmetro luz solar e quando a coluna lquida comear a se movimentar para cima, segura-lo firmemente e e fazer movimentos firmes para baixo (semelhante ao movimento utilizado para zerar o termmetro clnico), o que far com que a coluna de mercrio volte a integrar-se. 3.1.3. Termmetro linear (Figura 3E) Esse tipo de termmetro s nos d a temperatura do momento, por isso seu uso deve ser restrito s caixas trmicas de uso dirio. Coloc-lo no centro da caixa, prximo s vacinas e tamp-la; aguardar meia hora para fazer a leitura da temperatura, verificando a extremidade superior da coluna. Na caixa trmica da sala de vacina ou para o trabalho extramuro, a temperatura dever ser controlada com freqncia, substituindo-se as bobinas de gelo reutilizvel quando a temperatura atingir +8C. O PNI no recomenda a compra deste modelo de termmetro, porm onde ainda exista estoque, o mesmo pode ser utilizado. O PNI espera cada vez mais que todas as instncias invistam na aquisio de termmetros mais precisos e de melhor qualidade (digital de momento, mxima e mnima). Figura 3E - Termmetro linear

30

3.1.4. Termmetro analgico de cabo extensor Este tipo de termmetro utilizado para verificar a temperatura do momento, no transporte, Figura 3F Termmetro analgico de cabo extensor no uso dirio da sala de vacina ou no trabalho extramuro. Colocar o sensor ou bulbo do termmetro de cabo extensor entre os imunobiolgi cos que esto na caixa trmica, fechar com o cabo extensor passando entre a tampa e a borda da mesma, deixando o visor do lado externo, em cima da caixa trmica; aguardar meia hora para fazer a leitura da temperatura; verificar a temperatura na extremidade superior da coluna de mercrio (Figura 3F). Atualmente j est disponvel no mercado o termmetro de mxima e mnima digital, o qual utilizado para conferir a temperatura em geladeiras domsticas, comerciais e freezers. Quando do envio ou recebimento de vacinas, anotar a temperatura verificada no formulrio que acompanha a remessa.

31

3.1.5. Termmetro a laser um equipamento de alta tecnologia, utilizado principalmente para a verificao de temperatura dos imunobiolgicos nos volumes (caixas trmicas), recebidos ou expedidos em grandes quantidades. Tem a forma de uma pistola, com um gatilho que ao ser pressionado aciona um feixe de raio laser que ao atingir a superfcie das bobinas de Figura 3G Modelos de termmetros a laser gelo, registra no visor digital do aparelho a temperatura real do momento. Para que seja obtido um registro de temperatura confivel necessrio que sejam observados os procedimentos descritos pelo fabricante quanto distncia e ao tempo de presso no gatilho do termmetro (Figura 3G).

3.2. Situaes de emergncia Os equipamentos de refrigerao podem deixar de funcionar por vrios motivos. Assim, para evitar a perda dos imunobiolgicos, precisamos adotar algumas providencias. Quando ocorrer interrupo no fornecimento de energia eltrica, manter o equipamento fechado e monitorar, rigorosamente, a temperatura interna com termmetro de cabo extensor. Se no houver o restabelecimento da energia, no prazo mximo de 2 horas ou quando a temperatura estiver prxima a + 8 C proceder imediatamente a transferncia dos imunobiolgicos para outro equipamento com temperatura recomendada (refrigerador ou caixa trmica). O mesmo procedimento deve ser adotado em situao de falha no equipamento. O servio de sade dever dispor de bobinas de gelo reutilizvel congeladas para serem usadas no acondicionamento dos imunobiolgicos em caixas trmicas.

32

No quadro de distribuio de energia eltrica da Instituio, importante identificar a chave especifica do circuito da Rede de Frio e/ou sala de vacinao e colocar um aviso em destaque - NO DESLIGAR. Estabelecer uma parceria com a empresa local de energia eltrica, a fim de ter informao prvia sobre interrupes programadas no fornecimento. Nas situaes de emergncia necessrio que a unidade comunique a ocorrncia instncia superior imediata para as devidas providncias. Observao: Recomenda-se a orientao dos agentes responsveis pela vigilncia e segurana das centrais de rede de frio na identificao de problemas que possam comprometer a qualidade dos imunobiolgicos, comunicando imediatamente o tcnico responsvel, principalmente durante finais de semana e feriados.

33

4. EQUIPAMENTOS DA REDE DE FRIO O PNI utiliza equipamentos que garantem a qualidade dos imunobiolgicos: cmara frigorfica, freezers ou congeladores, refrigeradores tipo domstico ou comercial, caminho frigorfico entre outros. Considerando as atividades executadas no mbito da cadeia de frio de imunobiolgicos, algumas delas podem apresentar um potencial de risco sade do trabalhador. Neste sentido, a legislao trabalhista vigente determina o uso de Equipamentos de Proteco Individual (EPI), conforme estabelece a Portaria do Ministrio do Trabalho e Emprego n. 3.214, de 08/06/1978 que aprovou, dentre outras normas, a Norma Regulamentadora n 06 Equipamento de Proteo Individual - EPI. Segundo esta norma, considera-se EPI, todo dispositivo ou produto, de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado proteo de riscos suscetveis de ameaar a segurana e a sade no trabalho. (Especificaes - Anexo 10.2.7) 4.1. Cmaras frigorficas Tambm denominadas cmaras frias. So ambientes especialmente construdos para armazenar produtos em baixas temperaturas, tanto positivas quanto negativas e em grandes volumes (Figura 4A). Para conservao dos imunobiolgicos essas cmaras funcionam em temperaturas entre +2C e +8C e -20C, de acordo com a especificao dos produtos. Na elaborao de projetos para construo, ampliao ou reforma, necessrio solicitar assessoria do PNI considerando a complexidade, especificidade e custo deste equipamento. Figura 4A Cmara frigorfica

34

O seu funcionamento de uma maneira geral obedece aos princpios bsicos de refrigerao, alm de princpios especficos, tais como: paredes, piso e teto montados com painis em poliuretano injetado de alta densidade revestido nas duas faces em ao inox/alumnio; sistema de ventilao no interior da cmara, para facilitar a distribuio do ar frio pelo evaporador; compressor e condensador dispostos na rea externa cmara, com boa circulao de ar; antecmara (para cmaras negativas), com temperatura de +4C, objetivando auxiliar o isolamento do ambiente e prevenir a ocorrncia de choque trmico aos imunobiolgicos; alarmes audiovisual de baixa e alta temperaturas para alertar da ocorrncia de oscilao na corrente eltrica ou de defeito no equipamento de refrigerao; alarme audiovisual indicador de abertura de porta; dois sistemas independentes de refrigerao instalados: um em uso e outro em reserva, para eventual defeito do outro; sistema eletrnico de registro de temperatura (data loggers) (Figura 4B). (Especificaes - Anexo 10.2.9) Lmpada de cor amarela externamente cmara, com acionamento interligado iluminao interna, para alerta da presena de pessoal no seu interior e evitar que as luzes internas sejam deixadas acesas desnecessariamente. Figura 4B Modelos de registradores eletrnicos de temperatura (Data loggers de temperatura)

35

Algumas cmaras, devido ao seu nvel de complexidade e dimenses utilizam sistema de automao para controle de temperatura, umidade e funcionamento dos equipamentos. Organizao interna As cmaras so dotadas de prateleiras vazadas, preferencialmente metlicas, em ao inox, nas quais os imunobiolgicos so acondicionados de forma a permitir a circulao de ar entre as mesma e organizados de acordo com a especificao do produto laboratrio produtor, nmero do lote, prazo de validade e apresentao. As prateleiras metlicas podem ser substitudas por estrados de plstico resistente (paletes), em funo do volume a ser armazenado. Os lotes com menor prazo de validade devem ter prioridade na distribuio, para evitar perda de imunobiolgicos. Cuidados bsicos Na ausncia de controle automatizado de temperatura, recomenda-se fazer a leitura diariamente, no incio da jornada de trabalho, no incio da tarde e no final do dia, com equipamento disponvel e anotar em formulrio prprio; testar os alarmes antes de sair, ao final da jornada de trabalho; usar equipamento de proteo individual; no deixar a porta aberta por mais de um minuto ao colocar ou retirar imunobiolgico e somente abrir a cmara depois de fechada a antecmara; somente entrar na cmara positiva se a temperatura interna registrada no visor externo estiver +5C. Essa conduta impede que a temperatura interna da cmara ultrapasse +8C com a entrada de ar quente durante a abertura da porta; verificar, uma vez ao ms, se a vedao da porta da cmara est em boas condies, isto , se a borracha (gaxeta) no apresenta ressecamento, no tem qualquer reentrncia, abaulamento em suas bordas e se a trava de segurana est em perfeito funcionamento. O formulrio para registro da reviso mensal encontra-se em manual especfico de manuteno de equipamentos; observar para que a luz interna da cmara no permanea acesa quando no houver pessoas trabalhando em seu interior. A luz grande fonte de calor; ao final do dia de trabalho, certificar-se de que a luz interna foi apagada; de que todas as pessoas saram e de que a porta da cmara foi fechada corretamente; A limpeza interna das cmaras e prateleiras feita sempre com pano mido, e se necessrio, utilizar sabo. Adotar o mesmo procedimento nas paredes e teto e finalmente sec-los. Remover as estruturas desmontveis do piso para fora da cmara, lavar com gua e sabo, enxaguar, secar e recolocar. Limpar o piso com pano mido (pano exclusivo) e sabo, se necessrio e secar. Limpar as luminrias com pano seco e usando luvas de borracha para

36

preveno de choques eltricos. Recomenda-se a limpeza reposio de estoque.

antes

da

Recomenda-se, a cada 6 (seis) meses, proceder a desinfeco geral das paredes e teto das cmaras frias1; semanalmente a Coordenao Estadual receber do responsvel pela Rede de Frio o grfico de temperatura das cmaras e dar o visto, aps anlise dos mesmos. A manuteno preventiva e corretiva indispensvel para a garantia do bom funcionamento da cmara. Manter o contrato atualizado e renovar com antecedncia prevenindo perodos sem cobertura. As orientaes tcnicas e formulrios esto descritos no manual especfico de manuteno de equipamentos. 4.2. Freezers ou congeladores So equipamentos destinados, preferencialmente, a estocagem de imunobiolgicos em temperaturas negativas (aproximadamente a -20C), mais eficientes e confiveis, principalmente aquele dotado de tampas na parte superior (Figura 4C). Estes equipamentos devem ser do tipo horizontal, com isolamento de suas paredes em poliuretano, evaporadores nas paredes (contato interno) e condensador/compressor em reas projetadas no corpo, abaixo do gabinete. So tambm utilizados para congelar as bobinas de gelo reutilizvel e nesse caso, a sua capacidade de armazenamento de at 80%. No utilizar o mesmo equipamento para o armazenamento concomitante de imunobiolgicos e bobinas de gelo reutilizvel. Instalar em local bem arejado, sem incidncia da luz solar direta e distante, no mnimo, 40 cm de outros equipamentos e 20 cm de paredes, uma vez que o condensador necessita dissipar calor para o ambiente. Colocar o equipamento sobre suporte com rodinhas (Figura 4C) para evitar a oxidao das chapas da caixa em contato direto com o piso mido e facilitar sua limpeza e movimentao. Figura 4C freezer ou congelador

A desinfeco poder ser feita utilizando-se lcool a 70%. As aplicaes devem ser feitas da seguinte forma: friccionar lcool 70%, esperar secar e repetir trs vezes a aplicao. Deve-se utilizar o seguinte EPI durante o procedimento: luva de borracha cano longo. Outras orientaes podem ser encontradas na seguinte publicao do Ministrio da Sade: Processamento de Artigos e Superficies em Estabelecimentos de Sade, atualmente disponvel no link: dtr2001.saude.gov.br/bvs/publicacoes/superficie.pdf.

1

37

Organizao interna So organizados de acordo com a especificao do produto, laboratrio produtor, n. do lote, prazo de validade e apresentao. Neste caso ocupar at 65% de sua capacidade. Os lotes com menor prazo de validade devem ter prioridade na distribuio, para evitar perda de imunobiolgicos. Afixar na parte externa frontal de cada freezer, uma placa de identificao contendo os dados dos itens acima citados. Acondicionar as bobinas de gelo reutilizvel na seguinte ordem: (Figura 4D) - Dispor primeiramente as bobinas empilhando-as horizontalmente em contato com as paredes laterais do equipamento; - Aps o congelamento destas, desloc-las para a parte central do freezer e colocar mais bobinas a congelar conforme descrito anteriormente; - Repetir este procedimento at completar a carga recomendada (80%) do freezer.

38

Figura 4D Organizao das bobinas de gelo reutilizvel em um freezer

Cuidados bsicos fazer a leitura da temperatura, diariamente, no incio da jornada de trabalho, no incio da tarde e no final do dia; anotar no mapa de registro dirio de temperatura (Anexo 10.1.2) Para os equipamentos sem termmetro de cabo extensor, recomenda-se fazer a leitura apenas duas vezes ao dia; no deixar a porta aberta sem necessidade, somente para acondicionamento e retirada de imunobiolgicos ou bobinas de gelo reutilizvel; certificar-se de que a porta est vedando adequadamente, usando-se uma tira de papel com 3cm de largura, aproximadamente. Coloca-se a tira de papel entre a borracha da porta e o freezer. Se ao puxar o papel a borracha apresentar resistncia, a vedao est adequada, porm, se o papel sair com facilidade, um indicativo que a borracha precisa ser trocada . Este teste dever ser feito em vrios pontos da porta, especialmente nos quatro ngulos; fazer degelo a cada 30 dias ou quando a camada de gelo atingir 0,5 cm e limpar o equipamento conforme os procedimentos recomendados (Item 4.3.3); usar tomada exclusiva e de localizao a 1,30m do piso para cada equipamento;

39

realizar manuteno preventiva e corretiva conforme manual especfico . 4.3 Refrigeradores (geladeiras) So equipamentos utilizados na rede de frio destinados estocagem de imunobiolgicos em temperaturas positivas entre +2C e +8C. 4.3.1 Refrigerador tipo domstico (Figura 4E) O PNI preconiza o uso de refrigeradores a partir de 280 litros ocupando sua capacidade interna em at 50% (medida entre a bandeja de degelo e a parte superior da gaveta de legumes).

40

Figura 4E Organizao Interna do refrigerador tipo domstico

Afixar na porta, externamente, um adesivo indicativo de que o equipamento destinado exclusivamente para imunobiolgicos e o mapa de controle dirio de temperatura. O termmetro (de mxima e mnima digital) pode ser afixado na porta ou na face lateral. No afixar qualquer outro impresso; Aps afixar o termmetro, introduzir o cabo extensor no gabinete interno da geladeira, passando-o atravs do espao entre a porta e o corpo da geladeira, pela lateral onde esto localizadas as dobradias. Colocar o bulbo do cabo extensor na rea central da prateleira do meio, prximo aos frascos. Isto permitir medir a temperatura do ar ao redor dos imunobiolgicos.

41

ATENO: No coloque o bulbo dentro de lquido, pois a recomendao de manter a temperatura de armazenamento da vacina entre 2C a 8C baseada no ar circulante, NO em temperaturas do lquido. Colocao das bobinas de gelo reutilizvel no evaporador (congelador): o Descongeladas: coloc-las inicialmente na horizontal2, em quantidade suficiente de acordo com a capacidade que o equipamento tem de congelamento em 24 horas. Essa informao pode ser verificada no manual do fabricante do equipamento. o Congeladas: coloc-las na horizontal ou na vertical, conforme o sentido que couber mais, ocupando todo o espao do evaporador. Estas bobinas de gelo reutilizvel tm o propsito de retardar a elevao da temperatura, oferecendo proteo aos imunobiolgicos na falta de energia eltrica ou defeito do equipamento, como tambm para serem utilizadas na preparao da caixa da sala de vacina em localidades onde no exista outro equipamento para congelamento de bobinas (freezers); Na primeira prateleira armazenar as vacinas que podem ser submetidas temperatura negativa (OPV, SR ou SRC, FA), dispostos em bandejas NO perfuradas, visando reter o ar frio entre os imunobiolgicos (Figura 4E). Na segunda prateleira armazenar as vacinas que NO podem ser submetidas temperatura negativa (dT, DTP, Hepatite B, Hib, influenza, BCG, Pneumococo, VIP, DTPa, contra a raiva humana) dispostas em bandejas NO perfuradas (Figura 4E); na terceira prateleira colocar diluentes e/ou soros, tendo o cuidado de permitir a circulao do ar entre os mesmos, e entre as paredes da geladeira (Figura 4E); Manter a porta do evaporador (congelador), a bandeja de degelo (coletora) e a gaveta de legumes SEM tampa. Preencher a gaveta de legumes com um nmero suficiente de garrafas com gua e corante (tampadas), para que a temperatura se mantenha o mais estvel possvel. Recomenda-se um nmero mnimo de trs garrafas de 1 litro. No substituir as garrafas por bobinas de gelo reutilizvel. Para conservao de imunobiolgicos se recomenda, de preferncia, de apenas uma s porta. Se for utilizado refrigerador de duas portas, este tem que ter comunicao entre o sistema de congelamento (evaporador) e o gabinete de conservao (parte inferior). No se recomenda refrigerador duplex tipo frost-free.

O sentido horizontal da bobina possui uma maior rea de contato entre a bobina e o evaporador, o que permite o congelamento das bobinas em menor tempo.

2

42

Nos locais, onde o corte ou falha no fornecimento de energia eltrica ocorrer com freqncia, utilizar somente refrigerador de uma porta, visando uma melhor manuteno de temperatura. No permitido o uso de refrigerador tipo frigobar, pois este apresenta espao interno reduzido para armazenamento de bobinas de gelo reutilizvel, limitaes para alcanar as temperaturas recomendadas, no tem rendimento eficaz e a espessura do isolamento das paredes facilita a troca de calor com o ambiente externo. Cuidados bsicos fazer a leitura da temperatura, diariamente, no incio da jornada de trabalho e no final do dia e anotar no formulrio de controle dirio de temperatura (Anexo 10.1.2.); fazer degelo e a limpeza a cada 15 dias ou quando a camada de gelo for superior a 0,5 cm; usar tomada exclusiva, instalada a 1,30 m (NBR n 5.410) do piso, para cada equipamento; instalar distante de fonte de calor, sem incidncia de luz solar direta, em ambiente climatizado, bem nivelada e afastada 20 cm da parede e 40 cm entre equipamentos; colocar na base da geladeira suporte com rodas; no armazenar outros materiais (produtos e materiais de laboratrio, odontolgicos, medicamentos, alimentos, bebidas, etc.); nos equipamentos onde os suportes ou prateleiras da porta no forem removveis, no armazenar nada; certificar-se de que a porta est vedando adequadamente. 4.3.2. Refrigerador tipo comercial (Figura 4F) So equipamentos utilizados na Rede de Frio destinados estocagem de imunobiolgicos em volume maior, geralmente na instncia regional ou de grandes municpios, obedecendo, porm, aos mesmos critrios e cuidados estabelecidos para o refrigerador domstico (Figura 4E). Geralmente so entre 600 a 1.200 litros de capacidade, equipadas com um pequeno evaporador e quatro ou seis portas. O seu funcionamento em relao geladeira domstica diferencia na circulao do ar interno, tendo em vista que na geladeira comercial o ar movimentado por um ventilador.

43

Figura 4F Organizao Interna do refrigerador tipo comercial

No usar refrigeradores comerciais na sala de vacinao.

Organizao interna Na primeira prateleira armazenar as vacinas que podem ser submetidas temperatura negativa (OPV, SR ou SRC, FA) empilhadas nas prprias embalagens (caixas), tendo-se o cuidado de deixar um espao entre as pilhas, permitindo a circulao de ar entre as caixas. (Figura 4F)

44

Ainda na 1. Prateleira, colocar nas laterais e no fundo, garrafas com gua, em nmero suficiente para favorecer a manuteno da temperatura interna entre +2 e +8 C. Serviro ainda na recuperao da temperatura interna quando da abertura da porta e de falta de energia. (Figura 4F). Para abastecer o refrigerador com a quantidade de garrafas recomendadas no item acima necessrio considerar: a) Se as garrafas com gua estiverem temperatura ambiente devero ser colocadas apenas duas unidades por dia at atingir a quantidade possvel, evitando-se, desta forma, modificao abrupta de temperatura no interior do refrigerador. b) Se as garrafas com gua j estiverem refrigeradas pode-se coloc-las de uma s vez. Na segunda prateleira armazenar as vacinas que no podem ser submetidas temperatura negativa (dT, DTP, Hepatite B, Hib, influenza, BCG, Pneumococo, VIP, DTPa, contra a raiva humana) e portanto devem ser armazenadas em temperatura entre 2C a +8C, empilhadas nas prprias embalagens (caixas), com o cuidado de deixar um espao entre as pilhas permitindo a circulao de ar entre as caixas (Figura 4F); Na segunda prateleira de cada compartimento, no centro, colocar termmetro de mxima e mnima na posio vertical (em p) (Figura 4F); Na terceira prateleira colocar caixas com soros ou com as vacinas de conservao entre +2C a +8C, empilhadas nas prprias embalagens (caixas), tendo-se o cuidado de deixar um espao entre as pilhas, permitindo a circulao de ar entre as caixas (Figura 4F); Cuidados bsicos Fazer a leitura da temperatura diariamente no incio da jornada de trabalho da manh e no da tarde e ao final do dia, registrar no formulrio de controle dirio de temperatura; Manter afixado, em cada porta do equipamento, aviso para que a geladeira no seja aberta fora do horrio de retirada e/ou guarda dos imunobiolgicos ou mensurao de temperatura; Usar tomada exclusiva para cada equipamento; . fazer degelo e limpeza a cada 30 dias ou quando a camada de gelo for superior a 0,5 cm. Instalar distante de fonte de calor, de incidncia de luz solar direta, a 20cm da parede e a 40cm de outro equipamento; Instalar bem nivelada, em ambiente climatizado temperatura de at +18C; Colocar na base da geladeira suporte com rodas; No permitir armazenar outros materiais; Certificar-se de que a porta est vedando adequadamente. No colocar qualquer elemento no refrigerador que dificulte a circulao de ar.

45

Para verificar se a borracha da porta do refrigerador est vedando adequadamente, pegar uma tira de papel com 3cm de largura aproximadamente e coloc-la entre a borracha da porta e o refrigerador. Se ao puxar o papel a borracha apresentar resistncia est em perfeito estado, porm, se o papel sair com facilidade dever ser trocada a borracha. Este teste dever ser feito em vrios pontos da porta, especialmente nos quatro ngulos. 4.3.3. Procedimentos de limpeza Para manter as condies ideais de conservao dos imunobiolgicos, proceder a limpeza dos equipamentos a cada 15 ou 30 dias ou quando a camada de gelo atingir 0,5 centmetro. Recomenda-se: transferir os imunobiolgicos para outra geladeira, se houver, ou para uma caixa trmica com bobinas de gelo reutilizvel, previamente organizada com as bobinas e aps a estabilizao da temperatura recomendada (+2C a +8C) e vedar as caixas com fita adesiva larga; NO mexer no termostato; desligar a tomada e abrir a porta ou tampa, inclusive do congelador, at que todo o gelo aderido se desprenda; no usar faca ou outro objeto pontiagudo para a remoo mais rpida do gelo, pois esse procedimento pode danificar os tubos de refrigerao; limpar, interna e externamente, com um pano umedecido em soluo de gua com sabo neutro, ou sabo de coco, por exemplo. No jogar gua no interior do equipamento. aps a limpeza: - ligar o refrigerador; - recolocar o termmetro (no esquecer de anular a marcao anterior), as garrafas e as bobinas de gelo reutilizvel e fechar a porta; - manter a porta fechada pelo tempo necessrio at alcanar a temperatura recomendada. - aps a estabilizao da temperatura, reorganizar os imunobiolgicos. NO FAZER O DEGELO E A LIMPEZA S SEXTAS-FEIRAS E VSPERAS DE FERIADOS PROLONGADOS E/OU FINAL DE JORNADA DE TRABALHO.

46

4.4. Caminho frigorfico Organizao interna importante calcular a capacidade mxima de carga til do veculo refrigerado para o transporte de imunobiolgicos. Isto poder ser feito acondicionando caixas vazias no interior do ba de acordo com as instrues contidas no item 4.4.2 e observando-se as figuras 4G, 4H e 4I. Anotar o resultado em local de fcil consulta e nunca ultrapassar essa capacidade. Figura 4G Desenho esquemtico das caixas trmicas no ba do caminho frigorfico (vista 1)

47

Figura 4H Desenho esquemtico das caixas trmicas no ba do caminho frigorfico (vista 2)

Figura 4I Desenho esquemtico das caixas trmicas no ba do caminho frigorfico (vista 3)

48

4.4.1. Antes do carregamento Inspecionar todos os itens essenciais do veculo (nvel de leo, combustvel, sistema eltrico) e o equipamento de refrigerao do ba de acordo com as recomendaes do fabricante Verificar se o estrado vazado de plstico resistente encontra-se no assoalho. Limpar o interior do ba de acordo com os procedimentos descritos no item 4.4.4 Acionar o sistema de refrigerao do ba e aguardar que a temperatura esteja entre +2C e +8C (Aproximadamente 90 minutos). 4.4.2. Carregamento Organizar as caixas no ba, por fileira, comeando pela parede do fundo e lateral. Repetir este procedimento at acondicionar a carga prevista. As vacinas devero ser transportadas em caixas trmicas devidamente fechadas com proviso de bobinas de gelo. As vacinas em temperatura negativa devero ser localizadas no ba o mais prximo possvel da porta. O empilhamento mximo das caixas no interior do ba refrigerado dever ficar numa altura inferior a sada do ar do evaporador, de tal maneira que a mesma no fique obstruda. Visando promover uma maior inrcia e segurana nas caixas de imunobiolgicos durante o transporte, no deixar espaamentos maiores que 5,0 cm entre as caixas. Na rea da antecmara do ba refrigerado, deve-se tomar o cuidado de garantir a imobilidade de qualquer insumo transportado neste espao. Tendo em vista a possibilidade de deslocamento e avaria destes materiais durante o transporte. 4.4.3. Descarregamento Estacionar o caminho onde houver tomada trifsica para alimentao do equipamento do ba. No existindo docas, estacionar o veculo mais prximo do local de armazenamento (Central de Rede de Frio) Verificar se todas as caixas esto devidamente tampadas, fazer o descarregamento o mais rpido possvel, no expondo a carga temperatura ambiente e/ou luz solar direta. Deixar a porta do ba aberta o mnimo de tempo. 4.4.4. Limpeza A cada retorno: o Retirar os estrados do assoalho, lav-los com gua e sabo, enxaguar, secar e recoloc-los aps a limpeza do ba. o Limpar o interior do ba com pano mido esterilizado exclusivo. o Se necessrio, usar sabo, retirando-o com outro pano mido.

49

Semanal: o Recomenda-se proceder a desinfeco geral das paredes, piso e teto das cmaras frias3 1 (uma) vez por semana.

o Nunca utilizar produtos abrasivos e corrosivos. o Nunca jogar gua com baldes ou jatos no interior do ba. o O interior do ba refrigerado no dever conter equipamentos (estrados ou paletes, estantes etc) de madeira.

Cuidados bsicos Observar todas as recomendaes contidas no manual do veculo com respeito a conservao externa Durante todo o transporte importante que o condutor observe o controlador de temperatura, garantindo a manuteno desta entre +2C e +8C Realizar manuteno preventiva e corretiva 4.5. Caixas Trmicas So produzidas com material trmico do tipo poliuretano ou poliestireno expandido (ex.: isopor, isonor), sendo esta ltima a mais utilizada no transporte de imunobiolgicos entre os diversos laboratrios produtores at a sala de vacina, inclusive vacinao extramuros (Figura 4J).

A desinfeco poder ser feita utilizando-se lcool a 70%. As aplicaes devem ser feitas da seguinte forma: friccionar lcool 70%, com pano esterilizado, realizando-se movimentos contnuos e em um s sentido. O desinfetante tambm pode ser aplicado (aspergido) com borrifador. Deve-se utilizar o seguinte EPI durante o procedimento: luva de borracha cano longo. Outras orientaes podem ser encontradas na seguinte publicao do Ministrio da Sade: Processamento de Artigos e Superficies em Estabelecimentos de Sade, atualmente disponvel no link dtr2001.saude.gov.br/bvs/publicacoes/superficie.pdf.

3

50

Figura 4J Caixas trmicas

O Programa recomenda que quando da aquisio de caixas trmicas de poliestireno expandido sejam observadas as seguintes caractersticas: tipo retangular e com tampas perfeitamente ajustadas. A caixa trmica deve ser organizada para manter a temperatura de conservao dos imunobiolgicos a -20C ou entre +2C e +8C, por um determinado perodo de tempo, de acordo com o imunobiolgico a ser armazenado ou transportado. Cuidados bsicos verificar as condies da caixa, observando se existem rachaduras e/ou furos. No utilizar caixas com dreno; lavar e secar cuidadosamente as caixas aps cada uso. Manter as caixas trmicas abertas, at que estejam completamente secas. Aps a secagem, armazen-las abertas em local adequado; 4.5.1. Organizao da caixa trmica de uso dirio na rotina da sala de vacinao Na sala de vacinao deve ser usada caixa trmica do tipo retangular, com capacidade mnima de doze litros e com tampa ajustada. manter a temperatura interna da caixa entre +2C e +8C, monitorando-a com termmetro de cabo extensor, de preferncia, ou com termmetro linear, trocando as bobinas de gelo reutilizvel sempre que necessrio; usar bobinas de gelo reutilizvel AMBIENTADAS nas laterais da caixa; arrumar os imunobiolgicos no centro da caixa, deixando-os circundados pelas bobinas (ver Figura 2M); manter a caixa trmica fora do alcance da luz solar direta e distante de fontes de calor;

51

Ao final da jornada de trabalho, retornar as bobinas ao congelador/freezer. Lavar a caixa trmica, enxug-la e guard-la sem tampa. Situao especial Embora o gelo em barra ou em escamas no seja recomendado para a manuteno da temperatura nas caixas, ainda ocorre sua utilizao em campanhas de vacinao. Sendo esta a nica alternativa, utiliz-lo dentro de saco plstico, considerando-se a insuficincia de bobinas. Os servios de sade devero conservar devidamente as bobinas enviadas pela instncia central, ou adquiridas com recursos prprios, a fim de que torne cada vez mais desnecessria a utilizao de gelo comum. Organizao da caixa trmica para uso nas atividades extramuros indispensvel caracterizar a populao a ser vacinada para definir a quantidade de imunobiolgicos a ser transportada, nmero de caixas trmicas e de bobinas de gelo reutilizvel, Recomenda-se que sejam utilizadas caixas separadas para o estoque de imunobiolgicos, bobinas e outra para acondicionamento das vacinas em uso, Na organizao dessas caixas, seguir as mesmas orientaes descritas nos itens referentes vacinao de rotina (ver item 4.5.1.) e de transporte de imunobiolgicos (ver item 6).

4.6. Bobinas de Gelo Reutilizvel So constitudas de material plstico (geralmente polietileno), contendo gel base de celulose vegetal em concentrao no txica e gua (gelo reutilizvel de gel); ou apenas gua (gelo reutilizvel de gua), encontradas no mercado em vrias dimenses. (Figura 4K) Figura 4K Modelos de Bobinas de Gelo Reutilizvel

O Programa Nacional de Imunizaes recomenda apenas a bobina de gelo reutilizvel para a conservao de imunobiolgicos. As especificaes das bobinas esto contidas no Anexo 10.2.7. 52

Durante o processo licitatrio para aquisio deste produto, exigir das empresas participantes, amostras para serem submetidas aos seguintes testes: a) Manter as bobinas em freezer durante um perodo mnimo de 48 h; b) Colocar as bobinas congeladas em caixa trmica que atenda s especificaes contidas neste manual e monitor-la durante 48 horas, verificando se a temperatura preconizada para conservao de imunobiolgicos durante o transporte se mantm por 24 horas no mnimo; e se ao completar as 48 horas de monitoramento ainda apresenta temperatura mxima de at +8C. Cuidados com as bobinas de gelo reutilizvel Caso o material plstico seja danificado, deixando vazar seu contedo, no total ou em parte, a bobina dever ser desprezada. NUNCA USAR GUA COM SAL OU OUTRA SUBSTNCIA, para completar o volume de bobinas porque quando se adiciona sal gua, baixa-se o ponto de congelamento e desta forma poder haver congelamento de imunobiolgicos que no podem ser submetidos a temperaturas negativas; uma vez terminado o uso da caixa trmica, as bobinas devero ser retiradas, lavadas, enxugadas e retornadas ao congelador ou freezer. NO SE DEVE MANTER BOBINAS FORA DO CONGELADOR OU FREEZER. O PNI recomenda que a sala de vacinao disponha de freezer pequeno para o congelamento de bobinas de gelo reutilizvel em quantidade suficiente para o preparo da caixa de uso dirio da sala de vacinao, como tambm para todas as aes de vacinao. Considerando que as bobinas de gelo reutilizvel que so mantidas no evaporador da geladeira tm como finalidade a manuteno da estabilidade da temperatura interna durante o perodo interciclo de refrigerao, como tambm durante falhas no fornecimento de energia, estas no devem ser retiradas para serem utilizadas em caixas de vacina. todas as instncias de armazenamento e distribuio de imunobiolgicos devero possuir bobinas congeladas em quantidade suficiente ao abastecimento do nmero de caixas trmicas utilizadas. observar o prazo de validade das bobinas, como tambm periodicamente observ-las contra a luz a fim de se certificar que estas no apresentam depsitos ou resduos em seu interior, o que representaria a contaminao do produto. Caso isto ocorra, desprezar imediatamente. no preparo das caixas trmicas para transporte de imunobiolgicos destinados a locais de longa distncia e difcil acesso, recomenda-se o uso de bobinas possveis de serem abertas. medida que as bobinas forem descongelando, devem ser esvaziadas, conservando-se apenas o material plstico. Retornando ao centro de sade, deve-se novamente reabastec-las e utiliz-las normalmente. Essa recomendao tem como objetivo diminuir o peso do material durante o transporte, principalmente em situaes em que essas distncias forem percorridas a p.

53

Ambientao da bobina de gelo reutilizvel Dever ser feita sempre para o acondicionamento de imunobiolgicos entre +2C e +8C, para o transporte ou uso nas atividades de vacinao. O procedimento est ilustrado na Figura 4L. Figura 4L Ambientao das bobinas de gelo reutilizvel

Quando as bobinas de gelo reutilizvel estiverem estocadas em freezer, ou seja, prximo de -20C, ou em congelador de geladeira, prximo de -7C, proceder da seguinte maneira: retirar as bobinas de gelo reutilizvel do freezer, coloc-las sobre uma mesa, pia ou bancada, at que desaparea a nvoa que normalmente cobre a superfcie externa da bobina congelada. Ao mesmo tempo, colocar uma das bobinas sobre um material isolante (tampa da caixa de isopor) e colocar sob a bobina o bulbo de um termmetro de cabo extensor, para indicao de quando as bobinas tero alcanado a temperatura mnima de 0C. Aps o desaparecimento da nvoa e a confirmao da temperatura positiva atravs do termmetro de cabo extensor mantido em uma das bobinas, coloc-las nas caixas conforme figura 4L. Concomitantemente recomenda-se mensurar a temperatura interna da caixa atravs do termmetro de cabo extensor, antes de colocar as vacinas em seu interior.

54

4.7. Outros equipamentos da Rede de Frio: 4.7.1. Cmara para conservao de Imunobiolgicos Equipamento fabricado com moderna estrutura e sistema de refrigerao, alm de dispositivos que minimizam a oscilao das temperaturas de conservao e registro com maior preciso. Esto disponveis no mercado vrios modelos, de um modo geral, so equipamentos verticais com isolamento trmico em poliuretano, gabinete de ao carbono, chapa de ao ou galvanizada com pintura epxi e paredes internas de ao inoxidvel; sistema de refrigerao com condensao a ar forado; sistemas de contra-tampas internas para cada prateleira; prateleiras mveis, com painel frontal em acrlico; painel de controle e sinalizao digital com controle eletrnico para a manuteno da estabilidade da temperatura, indicador digital de temperatura do momento, mxima e mnima, alarme audiovisual de desvio de temperatura pr-programada, sistema de travamento das programaes e chave geral. Existem tambm, outros acessrios como discador distncia e registrador de temperatura. 4.7.2. Geladeira a gs/eletricidade indicada para os lugares em que existem constantes cortes de energia, tendo em vista que dispe de duas fontes de energia para seu funcionamento: o gs (butano ou propano) e energia eltrica. Seu sistema de refrigerao do tipo absoro. Sua capacidade varia entre 170 e 240 litros e o seu consumo de 0,6 litros de gs em 24 horas de funcionamento a uma temperatura ambiente de 32C. Uma vez cortada a energia este equipamento leva trs horas para ter a sua temperatura elevada a 10C e a sua capacidade para produo de gelo de 3,6kg por 24 horas de funcionamento. No apresenta bom funcionamento em localidades com altas temperaturas. 4.7.3. Geladeira com paredes de gelo reutilizvel (ice lined) Esta geladeira trabalha acumulando frio ao congelar uma determinada quantidade de bobinas de gelo reutilizvel na forma padro ou em tubulares, que colocada na superfcie interna de suas paredes. Uma vez cortada a energia e este equipamento tenha funcionado no mnimo oito horas at o momento do corte, a temperatura de +2C a +8C ser mantida por 24 horas. (Figura 4M)

55

Figura 4M Geladeira com paredes de gelo reutilizvel (ice lined)

4.7.4. Geladeira energia solar uma geladeira com sistema de refrigerao por compresso. Geralmente seu compressor de corrente contnua de 12 ou 24 volts. Utiliza como fonte de energia eltrica a luz solar que absorvida por painis de clulas fotovoltaicas de cristais de silcio, a transforma em energia eltrica e a armazena em baterias (de ciclo profundo ou automotivas) que quando submetidas a uma boa manuteno tm vida mdia de 5 a 6 anos, enquanto que a geladeira tem em geral garantia de 10 anos e os painis de 25 anos. (Figura 4N). O sistema completo de refrigerao solar pode ser visto na ilustrao da Figura 2R. Figura 4N Geladeira solar (gabinete e painel solar)

56

S recomendada para localidade onde no disponha de energia eltrica convencional ou que apresente inviabilidade de instalao e manuteno de grupo moto-gerador, ou seja, localidade remota e de difcil acesso, onde no seja possvel manter com a regularidade necessria o abastecimento de combustvel para a operacionalizao do gerador. 4.8. ACESSRIOS 4.8.1. Alarme de temperatura com discador telefnico para cmaras, geladeiras e freezers Este equipamento composto por um discador telefnico, uma bateria e um ou mais sensores de temperatura (termostatos), que so ligados em paralelo ao equipamento. capacitado para efetuar trs ligaes a trs diferentes nmeros de telefones, quando a temperatura de algum dos equipamentos estiver fora da faixa permitida. Este equipamento dispe de um sistema de alimentao de dupla voltagem (selecionvel) que faz a recarga da bateria, de tal forma que, em caso de corte no fornecimento de energia eltrica, o sistema continuar operando com a alimentao de 12 volts CC (corrente contnua) proveniente das baterias. 4.8.2 Termostato O termostato um mecanismo destinado a abrir e fechar um circuito eltrico, permitindo a passagem ou no da corrente eltrica, mediante um dispositivo termosttico que atua por meio de mudana de temperatura no equipamento de refrigerao. utilizado para pr em funcionamento o compressor do sistema, ou para deslig-lo quando a temperatura alcanada for a pretendida. Dentre a grande variedade de termostatos, para os mais diversos usos, distinguem-se trs tipos: 1. termostato para ambiente; 2. termostato para lquido; 3. termostato para evaporador. O termostato alm de obedecer a finalidade de seu emprego, tambm especfico quanto ao tipo de gs refrigerante. O boto de regulagem vai permitir que o compressor seja acionado por mais ou menos tempo. Os nmeros ou letras indicados no boto de regulagem dos termostatos no tm relao direta com a temperatura; indicam, apenas, se o compressor funcionar por mais ou menos tempo. Ajuste do termostato Para regular a temperatura deve-se colocar um termmetro dentro do gabinete frigorfico, efetuando-se a seguir os ajustes do termostato, movendo-se o boto de regulagem para a esquerda ou direita, segundo a temperatura desejada. Cada movimento de ajuste, por mnimo que seja, deve ser realizado em vrias sesses e depois de transcorrido certo tempo entre os ajustes (uma hora para

57

cada ajuste). Isso de grande importncia, haja vista que o sistema requer certo tempo para estabilizar a temperatura. O compressor deve funcionar segundo um determinado ciclo (funcionando e desligando por intervalos de tempo) que ser uma referncia de que o sistema est funcionando com a temperatura requerida sendo alcanada, e com o termostato automaticamente conectando e desconectando o compressor por sensibilidade temperatura. Ao se fazer o sistema funcionar em temperatura determinada, pode acontecer que no se consiga uma grande preciso, em virtude do equipamento utilizado ou da qualidade do termostato. necessrio, portanto, procurar uma temperatura mdia entre os intervalos daquelas requeridas. Recomendaes Ao ajustar a temperatura, ter o cuidado de abrir a porta somente no ato de regular e ler o termmetro; Fazer a leitura das temperaturas depois de transcorrido pelo menos uma hora para cada ajuste; a abertura da porta por um tempo de trs minutos, em ambiente com uma temperatura externa de 40C, ocasiona modificao da temperatura interna da geladeira de tal forma que sero necessrios 30 minutos, em mdia, para que a temperatura original se estabilize; ao iniciar o funcionamento de um equipamento novo, no coloque as vacinas de imediato. necessrio, primeiro, testar a estabilidade do aparelho, por um perodo de 24 horas; dentro do espao frigorfico de um equipamento de refrigerao nem sempre existe uma mesma temperatura em todo o ambiente, por isto deve-se localizar quais as variaes internas de temperatura, o que se faz deslocando o termmetro para vrios pontos distintos, ou colocando um termmetro em cada um destes pontos; o equipamento de refrigerao pode apresentar temperaturas diferentes, dependendo do horrio em que so feitas as leituras (manh, tarde ou noite). Geralmente as temperaturas registradas pela manh so mais baixas que as da tarde, tendo em vista que noite a temperatura ambiente mais baixa e a geladeira no aberta.

58

5. INSTNCIAS DE ARMAZENAMENTO

5.1. Nacional A CENADI conta com cmaras frigorficas, nas quais so armazenados todos os imunobiolgicos, para posterior distribuio a todo o pas. So cmaras negativas que conservam imunobiolgicos em temperatura de -20C e cmaras positivas para conservao dos imunobiolgicos entre +2C e +8C; so 6.585 m3 de volume total, sendo que o volume til de armazenagem de 3.249 m3. Toda a movimentao do estoque controlada atravs do Sistema de Controle e Distribuio de Imunobiolgicos - EDI, desenvolvido pelo Departamento de Informtica do SUS Datasus, conjuntamente com tcnicos do PNI e o SIES (Sistema de Informao de Insumos Estratgicos), sendo este segundo on-line. Os imunobiolgicos so distribudos para os estados por via rea ou terrestre (caminhes frigorficos) em caixas trmicas devidamente preparadas e enviadas segundo cronograma pr-estabelecido pelo PNI. A logstica de distribuio a partir da CENADI est ilustrada na Figura 5A. Figura 5A A Instncia Nacional de armazenamento

O gestor da rede de frio deve estar atento a garantia do bom funcionamento dos equipamentos da central de rede de frio, os quais dependem da manuteno permanente, preventiva, corretiva e oportuna desenvolvida atravs de servios prprios ou contratados.

59

5.2. Estadual So armazenados todos os imunobiolgicos para utilizao pela rede de sade da unidade federada. A rea fsica destinada Central Estadual da Rede de Frio dever ter: espao suficiente para a locao dos equipamentos;

espao suficiente para acondicionamento de imunobiolgicos e almoxarifado para outros insumos (seringas, agulhas, caixas trmicas, bobinas de gelo reciclvel, etc) que permita a movimentao de pessoas e carga entre os equipamentos; acesso a veculos de carga; tomada eltrica trifsica para alimentao dos equipamentos de refrigerao do veculo refrigerado durante o manuseio da carga; rea destinada ao recebimento, preparao e distribuio dos imunobiolgicos (sala de preparo), com proteo da incidncia de luz solar direta e climatizao utilizando-se o parmetro de 12.000 BTUs para cada 20m2 em ambientes com temperatura de at 38C; para ambientes mais quentes, considera-se 15m2, a fim de manter a temperatura ambiente entre +18C e +20C. Contar ainda com uma bancada com superfcie de dupla altura: uma de 0,45m e outra com 0,70m, devidamente adequada para realizar estas atividades (Figura 5B). cmara positiva com antecmara; cmara negativa com antecmara ou freezers; freezers para manuteno e conservao de gelo reciclvel;

grupo moto-gerador com capacidade para alimentar os equipamentos e iluminao da central, em situaes emergenciais de interrupo no fornecimento da energia eltrica convencional. Recomenda-se o uso desse equipamento leo diesel e com capacidade de gerao de energia calculada de acordo com a carga dos equipamentos utilizados na rede de frio.

60

Figura 5B Instncia Estadual de armazenamento

O gestor da rede de frio deve estar atento a garantia do bom funcionamento dos equipamentos da central de rede de frio, o qual depende da manuteno permanente, preventiva, corretiva e oportuna, desenvolvida atravs de servios prprios ou contratados.

5.3. Regional ou distrital So armazenados todos os imunobiolgicos para utilizao na rede de servios de sade dos municpios pertencentes a sua rea de abrangncia. (Figura 5C) A rea fsica destinada Central Regional ou Distrital da Rede de Frio dever ter: espao suficiente para a localizao dos equipamentos para acondicionamento de imunobiolgicos e almoxarifado para outros insumos (seringas, agulhas, caixas trmicas, bobinas de gelo reutilizvel, etc.) que permita a movimentao de pessoas e carga entre os equipamentos;

acesso a veculos de carga; tomada eltrica trifsica para alimentao dos equipamentos de refrigerao do veculo durante o manuseio da carga; rea destinada ao recebimento, preparao e distribuio dos imunobiolgicos (sala de preparo), com proteo da incidncia de luz solar direta e climatizao utilizando-se o parmetro de 12.000 BTUs para cada 20m2 em ambientes com temperatura de at 38C; para ambientes mais quentes, considera-se 15m2, a fim de manter a temperatura ambiente entre +18C e +20C. Contar ainda com uma bancada com superfcie de dupla

61

altura: uma de 0,45m e outra com 0,70m, devidamente adequada para realizar estas atividades (Figura 6C). cmara positiva com antecmara, de acordo com o porte da rea de abrangncia, ou geladeiras e freezers para a conservao de imunobiolgicos em temperaturas entre +2C e +8C e -20C, respectivamente; freezeres para manuteno e conservao de gelo reutilizvel; grupo moto-gerador com capacidade para alimentar os equipamentos e iluminao da central, em situaes emergenciais de interrupo no fornecimento da energia eltrica convencional. Recomenda-se o uso desse equipamento a leo diesel e com capacidade de gerao de energia calculada de acordo com a carga dos equipamentos utilizados na rede de frio. Figura 5C Instncia Regional de armazenamento

Os imunobiolgicos devero ser distribudos aos municpios de acordo com o cronograma e a solicitao mensal, que deve ser avaliada segundo o consumo mdio mensal de cada solicitante (Anexo 10.1.6. - Boletim Mensal de Movimento de Imunobiolgicos), em caixas trmicas de poliestireno expandido ou poliuretano devidamente acondicionados.

O gestor da rede de frio deve estar atento a garantia do bom funcionamento dos equipamentos da central de rede de frio, o qual depende da manuteno permanente, preventiva, corretiva e oportuna, desenvolvida atravs de servios prprios ou contratados.

62

5.4 Municipal So armazenados todos os imunobiolgicos para utilizao na rede de servios de sade pertencentes a sua rea de abrangncia. (Figura 5D) A rea fsica destinada Central Municipal de Rede de Frio dever ter: espao suficiente para a localizao dos equipamentos para acondicionamento de imunobiolgicos e almoxarifado para outros insumos (seringas, agulhas, caixas trmicas, bobinas de gelo reutilizvel, etc.) que permita a movimentao de pessoas e carga entre os equipamentos;

acesso a veculos de carga; tomada eltrica trifsica para alimentao dos equipamentos de refrigerao do veculo durante o manuseio da carga; rea destinada ao recebimento, preparao e distribuio dos imunobiolgicos (sala de preparo), com proteo da incidncia de luz solar direta e climatizao utilizando-se o parmetro de 12.000 BTUs para cada 20m2 em ambientes com temperatura de at 38C; para ambientes mais quentes, considera-se 15m2, a fim de manter a temperatura ambiente entre +18C e +20C. Contar ainda com uma bancada com superfcie de dupla altura: uma de 0,45m e outra com 0,70m, devidamente adequada para realizar estas atividades (Figura 6D). cmara positiva com antecmara, de acordo com o porte da rea de abrangncia, ou geladeiras para a conservao de imunobiolgicos em temperaturas entre +2C e +8C; freezers para manuteno e conservao de gelo reutilizvel; grupo moto-gerador com capacidade para alimentar os equipamentos e iluminao da central, em situaes emergenciais de interrupo no fornecimento da energia eltrica convencional. Recomenda-se o uso de gerador leo diesel e com capacidade de gerao de energia calculada de acordo com a carga dos equipamentos utilizados na rede de frio. Figura 5D Instncia municipal de armazenamento

63

O gestor da rede de frio deve estar atento a garantia do bom funcionamento dos equipamentos da central de rede de frio, o qual depende da manuteno permanente, preventiva, corretiva e oportuna, desenvolvida atravs de servios prprios ou contratados.

5.5. Local So armazenados os imunobiolgicos para utilizao na sala de vacinao da unidade de sade. Estes devem ser mantidos em temperatura entre +2C e +8C, utilizando-se refrigeradores tipo domsticos com capacidade mnima de 280 litros (Figura 5E). A capacidade de armazenamento dos refrigeradores deve estar de acordo com os quantitativos de imunobiolgicos necessrios as atividades de vacinao (rotina, campanhas, bloqueios, intensificaes) para a populao de referncia, bem como da necessidade de reserva estratgica. Considerando que as caractersticas climticas perculiares de cada estado (temperaturas elevadas ou baixas temperaturas) podem causar choque trmico nos imunobiolgicos e conseqentemente a perda de potncia, o PNI recomenda a climatizao da sala de vacinao (aparelhos de ar condicionado, para clima quente e aquecedores, para clima frio) com o objetivo de se evitar a perda de imunobiolgicos. Recomenda-se o uso de freezer no nvel local para o acondicionamento de bobinas de gelo reutilizvel para utilizao em caixas trmicas ou em situaes de emergncia. Figura 5E Instncia local de armazenamento

64

O gestor da rede de frio deve estar atento a garantia do bom funcionamento dos equipamentos da central de rede de frio, o qual depende da manuteno permanente, preventiva, corretiva e oportuna, desenvolvida atravs de servios prprios ou contratados.

65

6. TRANSPORTE DE IMUNOBIOLGICOS

6.1. Do laboratrio produtor para a instncia nacional O transporte dos imunobiolgicos produzidos em outros pases feito exclusivamente por via area at o terminal alfandegrio do Rio de Janeiro, de onde so transferidos para a CENADI (instncia nacional) por via terrestre, em veculo refrigerado. Aqueles produzidos por laboratrios nacionais so transportados por via terrestre, tambm em veculo refrigerado. O veculo refrigerado deve ser mantido adequadamente limpo e previamente climatizado em temperatura de acordo com o tipo de imunobiolgico: 20C ou entre +2C e +8C, o que tem que ser garantido durante todo o perodo de transporte a CENADI. Durante o transporte so utilizados dispositivos de monitoramento eletrnico da temperatura, data loggers, os quais permitem programao e a gerao de grficos das temperaturas alcanadas durante toda o trajeto. 6.2. Da instncia nacional para a estadual Os imunobiolgicos transportados por via area ou terrestre devem sempre estar sob refrigerao, conforme as orientaes do Manual de Rede de Frio do PNI. No ato de liberao das caixas contendo imunobiolgicos para o transporte, uma amostra aleatria destas submetida a verificao de temperatura do momento e registrada no formulrio de Detalhamento de Carga (Anexo 10.1.3.) No recebimento na instncia estadual, o responsvel pela central estadual de rede de frio afere a temperatura de chegada, registra e devolve para a CENADI o Comprovante de Recebimento (Anexo 10.1.4), em at 48 horas via fax, e posteriormente a Nota de fornecimento (Anexo 10.1.5.) devidamente carimbada, datada e assinada pelo responsvel da central estadual de rede de frio e pelo Coordenador Estadual de Imunizaes. No transporte areo e terrestre entre essas instncias, os imunobiolgicos so acondicionados em caixas trmicas de poliestireno expandido, observando-se a temperatura recomendada para a conservao e o tempo previsto para o deslocamento. O uso de caixas trmicas de poliestireno expandido, ao invs de poliuretano, no transporte em instncia nacional, deve-se ao alto custo do frete areo que inviabiliza o retorno das mesmas, embora se recomende a aquisio de caixas de poliuretano para este fim. Nas caixas trmicas utilizadas para o transporte dos imunobiolgicos conservados em temperatura negativa, pode ser empregada tanto a bobina de gelo reutilizvel congelada como o gelo seco. E para o transporte de imunobiolgicos em temperatura positiva, empregada bobina de gelo reutilizvel devidamente ambientada. 6.2.1. Procedimentos adotados pela Cenadi no transporte de imunobiolgicos Despacho Areo A caixa de poliestireno expandido numerada e identificada de acordo com seu destino. Posteriormente relacionada no Detalhamento da Carga, que acompanha os 66

imunobiolgicos juntamente com a Nota de Fornecimento e o Comprovante de Recebimento. Os imunobiolgicos que no podem ser submetidos a temperatura negativa so acondicionados em caixas trmicas com bobinas de gelo reutilizvel, devidamente ambientadas, colocadas nas laterais e sobre os imunobiolgicos.

O monitoramento realizado pela CENADI ao longo dos anos e de acordo com a temperatura aferida pelas centrais estaduais quando do recebimento, comprovam que esse procedimento no compromete a qualidade dos imunobiolgicos, mantendo-os dentro da temperatura recomendada, considerando que o tempo previsto para a entrega dos produtos de no mximo 36 horas. Quando a capacidade da caixa trmica no for totalmente ocupada, os espaos vazios so preenchidos com flocos de poliestireno, objetivando diminuir a quantidade de ar no seu interior; assegurar que as bobinas permaneam por mais tempo na temperatura recomendada e evitar a quebra de frascos. Os imunobiolgicos conservados a -20C so acondicionados em caixas trmicas com gelo seco que garante o equilbrio da temperatura a -55C. Aps estes procedimentos, feita a mensurao da temperatura por amostragem e as caixas so lacradas com fita adesiva com a logomarca da CENADI.

Ateno: O gelo seco o gs carbnico (CO2) em estado slido. Em virtude de sua baixssima temperatura (-79C) est indicado para a manuteno e conservao de produtos que exigem este requisito. capaz de provocar queimaduras de contato e tornase explosivo quando armazenado em recipiente fechado contendo umidade ou gua. importante observar que as caixas trmicas com gelo seco no podem ser manuseadas sem proteo para as mos, porque este tipo de gelo causa queimaduras quando em contato com a pele. Despacho Rodovirio

Os imunobiolgicos so transportados em veculo refrigerado, separados por tipo, de acordo com a temperatura de conservao, devendo o veculo dispor de termostato regulvel. O transporte dos imunobiolgicos acompanhado por Nota de Fornecimento, onde consta a descrio da carga. A segunda via desta nota dever ser devolvida instncia nacional, com informaes sobre a data, hora de recebimento, temperatura de chegada, carimbo e assinatura do responsvel pelo recebimento e outras observaes necessrias. A instncia estadual ao receber os imunobiolgicos da instncia nacional deve verificar a quantidade de produtos recebidos, confrontando com a Nota de Fornecimento. A seguir, preenche o formulrio Comprovante de Recebimento e o remete para a CENADI. Nota de Fornecimento. um documento administrativo fornecido pelo EDI, que detalha o produto, o produtor, quantidade em frascos e doses, data de validade, apresentao, lote e custo unitrio e total de cada produto. A segunda via desta nota dever sempre ser devolvida instncia superior, com informaes sobre a data, hora de recebimento, temperatura de chegada, assinatura e carimbo do responsvel pelo recebimento e outras observaes necessrias. 67

Formulrio de Detalhamento da Carga. um formulrio que contempla o detalhamento especifico da carga por caixa (nmero, contedo, lote e quantidade), objetivando facilitar a conferencia, e um eventual rastreamento de volumes, onde consta temperatura dos imunobiolgicos no momento da sada; data e hora da embalagem; nmero de volumes; nmero de bobinas utilizadas; assinatura do responsvel pela embalagem.

Formulrio Comprovante de Recebimento. um documento tcnico-administrativo, onde consta data e hora de chegada; nmero da nota de fornecimento; quantidade de volumes; temperatura no momento da chegada; observao; assinatura do responsvel.

6.3. Da instncia estadual para a regional/municipal O transporte realizado, essencialmente, por via terrestre, em veculo refrigerado. Em circunstncias especiais, tambm utilizada a via fluvial ou area. (Figura 6A) Figura 6A - Transporte entre as instncias

Os imunobiolgicos so acondicionados em caixas trmicas de poliestireno expandido ou de poliuretano, separados: os conservados a -20C e os entre +2C e +8C.

68

Nas caixas trmicas destinadas ao acondicionamento de imunobiolgicos em temperatura negativa, empregam-se bobinas de gelo reutilizvel sem a prvia ambientao ou gelo seco. Recomenda-se colocar as bobinas no fundo, nas laterais, e sobre os imunobiolgicos. No recebimento pela instncia regional, os imunobiolgicos que foram acondicionados e transportados em temperatura negativa permanecero conservados desta forma e aqueles que chegarem em temperatura positiva, entre +2C e +8C. Para os Estados que no tm instncia regional e distribuem os imunobiolgicos diretamente aos Municpios, recomenda-se que, aps o recebimento, estes sejam mantidos em temperatura positiva. As vacinas acondicionadas em temperatura negativa, uma vez resfriadas (entre +2 e +8 C) NO podem ser recongeladas. Os imunobiolgicos que no podem ser submetidos temperatura negativa so acondicionados em caixas trmicas com bobinas de gelo reutilizvel, devidamente ambientadas, colocadas no fundo e nas laterais da caixa. Fazer o monitoramento da temperatura interior das caixas e quando esta atingir +2C colocar os imunobiolgicos no centro e posteriormente bobinas sobre estes (Figura 2M). Manter o monitoramento por mais 30 minutos com termmetro de cabo extensor. A seguir, lacrar a caixa, colocar a etiqueta identificando-a com endereo de destino, nome e telefone do responsvel pelo recebimento (para contato em caso de emergncia), data e hora da embalagem e prazo para entrega do volume. Colocar toda a documentao referente aos produtos (nota de fornecimento, detalhamento da carga e comprovante de recebimento), em envelope plstico dentro de uma das caixas trmicas com identificao diferenciada (por exemplo: caixa-doc). Recomenda-se que o transportador tenha uma copia de toda essa documentao. 6.4. Da instncia municipal para a local O transporte dos imunobiolgicos feito utilizando-se caixas trmicas de poliestireno expandido ou de poliuretano e so transportados somente em temperatura positiva. Nas caixas trmicas utilizam-se bobinas de gelo reutilizvel previamente congeladas em freezers e ambientadas. Aps a ambientao das bobinas, coloc-las no fundo e nas paredes laterais da caixa. Fazer o monitoramento da temperatura interna das caixas e quando esta atingir +2C colocar os imunobiolgicos no centro e posteriormente bobinas sobre estes (Figura 2M). Monitorar a temperatura da caixa por mais 30 minutos com termmetro de cabo extensor e mant-lo na caixa durante todo o percurso. A seguir, lacrar a caixa, colocar a etiqueta identificando-a com endereo de destino, nome e telefone do responsvel pelo recebimento (para contato em caso de emergncia), data e hora da embalagem e prazo para entrega do volume. Colocar toda a documentao referente aos produtos (nota de fornecimento, detalhamento da carga e comprovante de recebimento), em envelope plstico dentro de uma das caixas trmicas com identificao diferenciada. Exemplo caixa-doc. Recomenda-se que o transportador tenha uma copia de toda essa documentao. Como o transporte nesta instncia feito predominantemente por via terrestre, recomenda-se o mximo cuidado na colocao das caixas trmicas no interior dos veculos: coloc-las afastadas das paredes e do motor, no fechar as janelas, quando estacionar o veculo, procurar faz-lo sombra, evitando-se a incidncia de luz solar direta. 69

Recomenda-se, tambm nesta instncia, o uso de veculo refrigerado. Nos percursos mais longos, recomenda-se levar caixa trmica exclusivamente com bobinas de gelo reutilizvel congeladas, e, se necessrio, efetuar a troca durante o trajeto. Para o transporte fluvial, recomenda-se, preferencialmente, o uso de caixas trmicas de poliuretano, contendo bobinas de gelo reutilizvel no fundo e nas laterais da caixa, previamente ambientadas, antes de colocar os imunobiolgicos. Levar outra caixa com bobinas de gelo reutilizvel, para efetuar a troca se for necessrio. OBSERVAES: 1) A partir da instncia estadual, o transporte de imunobiolgicos dever contar com o acompanhamento de um tcnico do programa de imunizaes da instncia fornecedora ou da solicitante. 2) necessrio o monitoramento da temperatura da caixa trmica de imunobiolgicos durante todo o percurso.

70

7. IMUNOBIOLGICOS SOB SUSPEITA Conforme descrito no Captulo 1 deste manual, os imunobiolgicos so produtos que podem sofrer alteraes nas suas caractersticas iniciais devido falhas na rede de frio, podendo causar a perda da capacidade imunognica e o aumento da reatogenicidade. Considera-se imunobiolgico sob suspeita todo aquele que, em qualquer das instncias, permanecer fora da faixa de temperatura recomendada, apresentar alteraes no aspecto fsico-qumico, provocar eventos adversos graves provavelmente associados a lotes. A garantia da qualidade dos imunobiolgicos, desde a sua produo at o momento em que eles so administrados, uma constante preocupao daqueles que manuseiam esses produtos. Assegurar a conservao adequada no est relacionado apenas questo da perda financeira, mas principalmente ao risco de possvel desabastecimento. Como a produo dos imunobiolgicos programada de acordo com a demanda, o mercado no dispe de estoque para reposio imediata, privando a populao alvo da proteo que seria induzida pela sua aplicao.

Todo imunobiolgico colocado sob suspeita deve ser notificado imediatamente instncia superior. necessrio o preenchimento correto e de forma legvel do formulrio Avaliao de Imunobiolgicos sob Suspeita (ver Anexo 10.1.1.) e o envio instncia imediatamente superior, tratando-se do nvel local, municipal ou estadual. Aps avaliao preliminar, o mesmo ser encaminhado pela Coordenao Estadual Coordenao Geral do Programa Nacional de Imunizaes o mais rpido possvel, para anlise das informaes e definio de conduta. A deciso final sobre a realizao ou no de reteste dos imunobiolgicos de competncia da CGPNI. Alm de ser um procedimento dispendioso, o tempo de durao do reteste, no Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Sade INCQS, varia entre 45 e 90 dias, dependendo do imunobiolgico. importante ressaltar, que ao colocar um imunobiolgico sob suspeita, at decidir sobre a realizao ou no do reteste, deve-se adotar as seguintes providncias: suspender de imediato a utilizao do imunobiolgico, mantendo-o sob acondicionamento adequado; preencher o formulrio Avaliao de Imunobiolgicos sob suspeita identificando o produto em questo com a mesma nomenclatura utilizada pelo SI-PNI (API e EDI), registrando o nmero do lote, procedncia, quantidade, data da validade do lote, local e condies de armazenamento; descrever o problema identificando a causa;

71

contatar a rede de frio imediatamente superior (local para o municipal, regional ou estadual, de acordo com a situao do estado); ocorrendo a falta de espao para o armazenamento, o imunobiolgico sob suspeita pode ser remetido instncia imediatamente superior, devidamente acondicionado em caixas trmicas e acompanhado do documento de devoluo, assinado pelo responsvel. Os imunobiolgicos conservados em temperaturas positivas quando expostos a temperaturas negativas, no momento da constatao da ocorrncia, alm das recomendaes acima citadas importante que sejam examinados vrios frascos do mesmo imunobiolgico para verificar se h precipitaes, principalmente quando se tratar de vacinas que contm adjuvantes (DTP e suas combinaes e HB) e soros. Esta observao constar na parte descritiva do formulrio. Exposies como estas podem causar a precipitao de substncias utilizadas como adjuvantes, estabilizantes, adsorventes ou conservantes em sua formulao e aumentar a ocorrncia de reaes locais graves e interferir na capacidade imunognica.

72

8. GERENCIAMENTO DE RESDUOS DE SERVIOS DE SADE

Em toda a Cadeia de Frio diversos tipos de resduos so gerados. O manejo, a segregao, a coleta, o tratamento, o transporte e a destinao final desses resduos merecem especial ateno tanto face aos riscos sanitrios envolvidos quanto s normas legais vigentes no nosso pas. O Gerenciamento de Resduos de Servios de Sade (GRSS) entendido como o conjunto de aes de gesto planejadas, implantadas ou implementadas, com bases tcnico-cientficas, normativas e legais, objetivando minimizar a produo de resduos e proporcionar aos resduos gerados um encaminhamento seguro, de forma eficiente, visando a proteo dos trabalhadores, a preservao da sade pblica, dos recursos naturais e do meio ambiente. O CONAMA/Ministrio do Meio Ambiente e a ANVISA/Ministrio da Sade trabalharam conjuntamente na edio de suas resolues acerca dos resduos de servios de sade. A Resoluo CONAMA n 358, de 29 de abril de 2005, dispe sobre o tratamento e disposio final dos resduos de servios de sade; enquanto que a Resoluo RDC n 306, de 07 de dezembro de 2004, trata sobre o gerenciamento dos resduos de servios de sade. 8.1. Conceito Resduos de Servios de Sade De acordo com a Resoluo RDC n 306, de 07/12/2004, definem-se com geradores de resduos de servios de sade todos os servios relacionados com o atendimento sade humana ou animal, inclusive os servios de assistncia domiciliar e de trabalhos de campo, laboratrios analticos de produtos para a sade, necrotrios, funerrias e servios onde se realizem atividades de embalsamamento; servios de medicina legal, drogarias e farmcias inclusive as de manipulao; estabelecimento de ensino e pesquisa na rea da sade, centro de controle de zoonoses; distribuidores e produtores de materiais e controles para diagnostico in vitro; unidades mveis de atendimento a sade, servios de acupuntura, servios de tatuagem dentre outros similares (RDC 306, 07 de dezembro de 2004). Por sua vez, resduos de servios de sade so conceituados como todos os resduos resultantes desses estabelecimentos geradores.

8.2. Gerenciamento de Resduos de Servios de Sade no mbito das instncias do PNI. Segundo aa RDC 306/04, todo gerador de resduos de servios de sade deve elaborar um Plano de Gerenciamento de Resduos de Servios de Sade PGRSS, conforme as caractersticas e peculiaridades desses resduos, estabelecendo diretrizes de manejo dos RSS.

73

8.2.1. Plano de Gerenciamento de Resduos de Servios de Sade (PGRSS): Est contido num sistema de gesto integrada de resduos, o qual envolve diversas reas afins, dentre as quais esto a de meio ambiente, economia, segurana do trabalho, sade ocupacional dentre outras. Contudo, devido a complexidade de todos os elementos que compem esse sistema, os conceitos inseridos no sero objeto de discusso no presente manual. um documento a ser elaborado, integrante do processo de licenciamento ambiental, baseado nos princpios da reduo da gerao de resduos. Deve ser compatvel com legislao vigente, adequado a realidade local, dentro de critrios tcnicos, potencializando a capacidade dos recursos disponveis, quanto ao manejo, segregao, acondicionamento, identificao, transporte interno, armazenamento temporrio, tratamento, armazenamento externo, coleta e transporte externos e disposio final. A RDC 306/04 prev que a elaborao do PGRSS deve ser compatvel com as normas locais relativas coleta, transporte e disposio final dos resduos gerados nos servios de sade e estabelecidas pelos rgos locais competentes, observando-se as seguintes etapas: 8.2.1.1. Manejo entendido como a ao de gerenciar os resduos em seus aspectos intra e extra-estabelecimento, desde a gerao at a disposio final, incluindo as seguintes etapas: 8.2.1.1.1. Segregao Consiste na separao dos resduos no momento e local de sua gerao, de acordo com as caractersticas fsicas, qumicas, biolgicas e radioativas, estado fsico e os riscos envolvidos. 8.2.1.1.2. Acondicionamento Consiste no ato de embalar os resduos segregados, em sacos ou recipientes que evitem vazamentos e resistam s aes de punctura e ruptura. A capacidade dos recipientes de acondicionamento deve ser compatvel com a gerao diria de cada tipo de resduos. 8.2.1.1.3. Identificao Consiste no conjunto de medidas que permite o reconhecimento dos resduos contidos nos sacos ou recipientes, fornecendo Informaes ao correto manejo dos RSS. A identificao deve estar aposta nos sacos de acondicionamentos, nos recipientes de coleta interna e externa, nos recipientes de transporte interno e externo, e nos locais de armazenamento, em local de fcil visualizao, de forma indelvel, utilizando-se smbolos, cores e frases, atendendo aos parmetros referenciados na norma da ABNT, alm de outras exigncias relacionadas a identificao de contedos e ao risco especfico de cada grupo de resduos. Poder ser feita por adesivos, desde que seja garantida a resistncia destes aos processos normais de manuseio dos sacos e recipientes.

74

8.2.1.1.4. Transporte Interno Consiste no traslado dos resduos dos pontos de gerao at o local destinado ao armazenamento temporrio, ou armazenamento externo com a finalidade de apresentao para a coleta 8.2.1.1.5. Armazenamento Temporrio Consiste na guarda temporria dos recipientes contendo os resduos j acondicionados, em local prximo aos pontos de gerao. No poder ser feito armazenamento temporrio com disposio direta dos sacos sobre o piso, obrigatria a conservao em recipientes de acondicionamento. Pode ser dispensado se a distncia justificar. Pisos e paredes devero ser lavveis e resistentes ao trfego dos recipientes coletores. Deve ter ponto de iluminao artificial e rea para armazenamento de no mnimo dois recipientes coletores, para o posterior translado at a rea de armazenamento externo. Se sala exclusiva, deve ser identificada como Sala de Resduos. No armazenamento temporrio no permitida a retirada dos sacos de resduos de dentro dos recipientes, ali estacionados. 8.2.1.1.6. Tratamento Consiste na aplicao de mtodo, tcnica ou processo que modifique as caractersticas dos riscos inerentes aos resduos, reduzindo ou eliminando o risco de contaminao, de acidentes ocupacionais ou de dano ao meio ambiente. 8.2.1.1.7. Armazenamento Externo Consiste na guarda dos recipientes de resduos at a realizao da etapa de coleta externa, em ambiente exclusivo com acesso facilitado os veculos coletores. No sendo permitido a manuteno dos sacos de resduos fora dos recipientes ali estacionados. 8.2.1.1.8. Coleta e Transporte Externos Consiste na remoo dos RSS do abrigo de resduos at a unidade de tratamento ou disposio final, utilizando-se tcnica que garantam a preservao das condies de acondicionamento e a integridade dos trabalhadores, da populao e do meio ambiente, devendo estar de acordo com as orientaes dos rgos de limpeza urbana. A coleta e transporte externo dos resduos de servios de sade de sade devem ser realizadas de acordo com as normas NBR 12.810 e NBR 14.652, ambas da ABNT. 8.2.1.1.9. Disposio Final Consiste na disposio de resduos no solo previamente preparado para receb-los, obedecendo a critrios tcnicos de construo e operao, e com licenciamento ambiental de acordo com a Resoluo CONAMA N. 237/1997.

75

8.3. Tratamento dos resduos resultantes de atividades de vacinao Os resduos com microorganismos vivos ou atenuados, incluindo frascos de imunobiolgicos com expirao do prazo de validade, com contedo inutilizado, vazios ou com restos do produto, devem ser submetidos a tratamento antes da disposio final. Os resduos perfurocortantes necessitam serem acondicionados em recipientes resistentes, que obedeam a NBR ABNT 13853/97 e que estejam devidamente identificados com a inscrio PERFUROCORTANTE. Os resduos provenientes de campanhas e vacinao extramuros ou intensificaes, quando no puderem ser submetidos ao tratamento em seus locais de gerao devem ser recolhidos e devolvidos s Secretarias de Sade competentes, em recipientes rgidos, resistentes punctura, ruptura, vazamento, com tampa e devidamente identificados, de forma a garantir o transporte seguro at a unidade de tratamento. Exemplo: coletor de material perfurocortante, sugesto de especificaes no Anexo 10.2.11. 8.3.1. Inutilizao de Imunobiolgicos Alguns imunobiolgicos so compostos por microorganismos vivos atenuados (vacinas contra: sarampo, poliomielite, febre amarela, tuberculose, etc.) e, por isso, constituem materiais biolgicos infectantes que devem receber tratamento (de reduo de carga microbiana - 6 log 10 segundo), antes do descarte (BRASIL, 2004). Os imunobiolgicos compostos de bactrias e vrus mortos ou obtidos por engenharia gentica (vacinas como DTP, dT, DT, Hib, HB, etc.) no precisam receber tratamento especial antes de serem descartados. As sobras dirias de imunobiolgicos na sala de vacinao, compostos por microorganismos vivos, devem ser submetidas a descaracterizao fsica utilizando autoclaves durante 15 minutos, temperatura de 127C, estufa por 30 minutos a 120 C. ou utilizando qualquer outro processo de inativao de microorganismos de eficcia comprovada cientificamente.

ATENO: Em ambos os processos os frascos no precisam ser abertos.

Aps tratamento em autoclave ou estufa, os frascos das vacinas devero ter destinao final conforme Resoluo CONAMA N 358, de 29/04/2005) do Conselho Nacional de Meio Ambiente (www.mma.gov.br/conama), atualmente em vigor; observando-se tambm a legislao local aplicvel. Todas as salas de vacinao devem acondicionar os resduos de imunobiolgicos inutilizados em coletores de materiais perfurocortantes, considerando a legislao especfica em vigor.

76

9. SISTEMA DE INFORMAO DO PNI (SI-PNI)

O Sistema de Informao do PNI (SI-PNI) constitudo atualmente por seis mdulos que gerenciam as atividades de produo, anlise e divulgao dos dados, com a finalidade de atender s necessidades de informao do Programa Nacional de Imunizaes em todas as instncias. um importante instrumento de monitoramento e avaliao para os gestores e tcnicos nas diversas instncias. A seguir esto descritos os mdulos do SI-PNI (Figura 9A): Figura 9A Sistema de Informao do PNI

9.1. SI-API (Avaliao do Programa de Imunizaes) Teve sua primeira verso liberada em 1993 e muito tem evoludo ao longo dos anos para atender as necessidades requeridas por todas as instncias. Tem como finalidade registrar as doses de imunobiolgicos aplicadas na vacinao de rotina e campanhas, por faixa etria e tipo de imunobiolgico, gerando informaes sobre a cobertura vacinal e a taxa de abandono. 9.2. SI-EAPV (Eventos Adversos Ps-Vacinao) Foi implantado em 1998 e destinado vigilncia dos eventos adversos psvacinao.

77

9.3. SI-PAISSV (Programa de Avaliao do Instrumento de Superviso em Sala de Vacinao) Este mdulo tem como finalidade a avaliao do instrumento de superviso criado para uniformizar a viso das salas de vacina supervisionadas, tornando comparveis as alteraes ocorridas de uma superviso para a outra, possibilitando, assim, o monitoramento do desempenho das Coordenaes Estaduais e das Salas de Vacina. 9.4. SI-CRIE (Centro de Referncia para Imunobiolgicos Especiais) Monitora as atividades dos CRIEs. Tem como objetivo registrar o atendimento individualizado, de acordo com a procedncia e critrios de indicao, por tipo de imunobiolgico, laboratrio produtor, lote e dose. 9.5. SI-EDI (Estoque e Distribuio de imunobiolgicos Especiais) Monitora a movimentao dos imunobiolgicos, permitindo a exportao de dados para os sistemas AIU e EAPV, a leitura de relatrios j utilizados na rotina dos servios, a utilizao da tabela de codificao nacional e a disponibilizao dos formulrios de movimentao via sistema. Tem como objetivo controlar diariamente o estoque, recebimento, distribuio e perdas fsicas dos imunobiolgicos, em todas as instncias da rede de frio. O SIES (Sistema de Insumos Estratgicos) utilizado pelo Ministrio da Sade, desenvolvido com base no EDI, possibilita o acesso on-line para o controle de estoque e distribuio de imunobiolgicos entre a CGPNI, a CENADI e as Coordenaes Estaduais. Estas utilizam o SIES somente para a solicitao de imunobiolgicos. 9.6. SI-AIU (Apurao de Imunobiolgicos Utilizados) Mdulo j em plataforma Windows, dispe de instrumentos de controle (grficos e relatrios) que possibilitam o acompanhamento do aproveitamento dos imunobiolgicos. Tem como objetivo avaliar a movimentao e utilizao dos imunobiolgicos em todas as instncias, a partir das salas de vacinao, monitorando a utilizao, as perdas tcnicas e as perdas fsicas. No site http://pni.datasus.gov.br so encontrados os seguintes itens sobre o SIPNI: Apresentao do SI-PNI; Download dos mdulos API, EDI, AIU, EAPV, CRIE e PAISSV, com uso de senha para acesso fornecida pela Coordenao de Imunizaes em cada unidade federada; Download dos arquivos de atualizao de verso para todos os mdulos, exceto para o API que exige senha.

78

Download de formulrios especficos, planos de aulas, apresentaes de cada sistema, boletins dirios e mensais do EDI, API e AIU e ficha de investigao de eventos adversos ps-vacinao. Download de tabelas de populao atualizadas em arquivo ".DBF"; Mdulo de ENVIO DE ARQUIVOS, que possibilita o encaminhamento de banco de dados para as diversas instncias atravs da Internet; Mdulo de CONTROLE DE ARQUIVOS que apresenta informaes sobre o cumprimento do encaminhamento de banco de dados dos diversos mdulos; Informaes estatsticas de coberturas e doses aplicadas; Dvidas: respostas s dvidas mais freqentes com relao aos mdulos, contendo ainda a opo "FALE CONOSCO"; Informaes sobre SUPORTES TCNICOS (em instncia central, de Datasus e estadual).

9.7. Cadastramento de produtos Os imunobiolgicos utilizados pela CGPNI so codificados pelo DATASUS/MS de acordo com a apresentao do produto. Portanto, novos produtos ou novas apresentaes precisam ser codificados, antes de serem inseridos no sistema. Os novos cdigos so informados, via fax ou Internet, para todos os Estados, com objetivo de possibilitar a atualizao do sistema e do formulrio padronizado de movimentao de imunobiolgicos. Na lista dos produtos e cdigos cadastrados no SI-EDI constam os imunobiolgicos, os diluentes e outros insumos como as seringas, as agulhas, as caixas trmicas, os termmetros, os impressos, etc. O SI-PNI oferece subsdios para a otimizao do uso dos imunobiolgicos e insumos, comprovando e justificando os investimentos do MS na aquisio dos mesmos.

79

10. ANEXOS

80

10.1. FORMULRIOS, MAPA E BOLETIM

81

ANEXO 10.1.1. - Avaliao de Imunobiolgicos sob SuspeitaMINISTRIO DA SADE SECRETARIA DE VIGILNCIA EM SADE DEPARTAMENTO DE VIGILNCIA EPIDEMIOLGICA COORDENAO GERAL DO PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAES FORMULRIO PARA AVALIAO DE IMUNOBIOLGICOS SOB SUSPEITA INSTITUIO SOLICITANTE: DATA DA SOLICITAO DE AVALIAO: TELEFONE DE CONTATO: ( E-MAIL: 1) A OCORRNCIA FOI EM INSTNCIA: ( ) LOCAL ( ) MUNICIPAL ( ) REGIONAL ( ) ESTADUAL ) / / FAX: ( ) UF:

2) TIPOS DE AFERIDORES EXISTENTES NO LOCAL DA OCORRNCIA: ( ) TERMGRAFO ( ) TERMMETRO DE MOMENTO, MXIMA E MNIMA DIGITAL ( ) TERMMETRO DE MOMENTO, MXIMA E MNIMA ANALGICO ( ) TERMMETRO LINEAR ( ) Outros Qual (is):-------------------------------------------------------------------------------------

3) IDENTIFICAO DOS IMUNOBIOLGICOS QUE ESTO SOB SUSPEITA: Nome do Imunobiolgico Data do recebimento Apresentao Laboratrio Produtor Lote Prazo de validade Quant. De doses

4) TIPO DE EQUIPAMENTO: ( ) GELADEIRA DOMSTICA ( ) CMARA DE CONSERVAO DE IMUNOBIOLGICOS

82

ANEXO 10.1.1. - Avaliao de Imunobiolgicos sob Suspeita( ) GELADEIRA COMERCIAL ( ) FREEZER 5) PREENCHA O QUADRO ABAIXO COM OS DADOS DA ALTERAO: LEITURA DO TERMMETRO ltima leitura antes da ocorrncia Na alterao temperatura DATA HORA TEMPERATURA NO MOMENTO TEMPERATURA MXIMA C TEMPERATURA MNIMA C ( ) CMARA FRIGORFICA (CENTRAL)

6) HISTRICO DA OCORRNCIA:

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

7) CONDUTAS ADOTADAS:

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

83

ANEXO 10.1.1. - Avaliao de Imunobiolgicos sob Suspeita8) O PRODUTO J SOFREU OUTRAS ALTERAES DE TEMPERATURAS ANTERIORES FORA DA FAIXA IDEAL RECOMENDADA? ( ) SIM ( ) NO

CASO A RESPOSTA SEJA SIM, ESPECIFIQUE: LEITURA DO TERMMETRO ltima leitura antes da ocorrncia Na alterao temperatura DATA HORA TEMPERATURA TEMPERATURA TEMPERATURA NO MOMENTO MXIMA C MNIMA C

9) OBSERVAES:

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

84

ANEXO 10.1.2. - Mapa de Controle Dirio de Temperatura

85

ANEXO 10.1.3 Formulrio: Detalhamento de Carga - CENADI

86

ANEXO 10.1.4 Comprovante de Recebimento - CENADI

87

ANEXO 10.1.5 Formulrio: Nota de Fornecimento - CENADI

88

ANEXO 10.1.6 Boletim Mensal de Movimento de Imunobiolgicos

89

ANEXO 10.1.6 Boletim Mensal de Movimento de Imunobiolgicos

90

ANEXO 10.1.6 Boletim Mensal de Movimento de Imunobiolgicos

91

ANEXO 10.1.6 Boletim Mensal de Movimento de Imunobiolgicos

92

10.2. ESPECIFICAES

93

ANEXO 10.2.1. Especificaes: Refrigerador domstico Possuir selo PROCEL, do Centro de Pesquisa do Ministrio de Minas e Energia;

GABINETE: Constitudo em ao pintado a forno, cor branca, chapa de espessura min. de 0,5 mm, com isolamento em poliuretano de 30 mm de espessura mnima e densidade mnima de 35 kg/m3.

LARGURA: 610 mm - mnimo PROFUNDIDADE: 610 mm mnimo ALTURA: 1600 mm mnimo e 1.800 mm - mximo

CONGELADOR: de, no mnimo, 30 litros (interno);

CAPACIDADE: Mnima de 280 litros, 1 (uma) porta;

GAVETAS E PRATELEIRAS desmontveis;

ALIMENTAO ELTRICA: 120 ou 200 V dependendo da Unidade Federada a ser beneficiada.

UNIDADE CONDENSADORA: hermtica de baixa presso de retorno.

CONDENSADOR: Esttico.

Gs ecolgico, sem CFC.

94

ANEXO 10.2.2. Especificaes: Refrigerador comercial (4 portas)1- Referncia: quatro portas 2- Medidas Externas: a - Altura: 1.960mm b - Frente: 1.180mm . Profundidade: 630mm 3- Sistema de refrigerao: a - Ar forado 4- Tipo de compressor: a - Hermtico 5- Tipo de unidade condensadora: a - Resfriada a ar 6- Tipo de evaporador: a - Ar em conveno forada (usando ventilador) 7- Tipo de termostato: a - Em regulagem mecnica (manual) 8- Capacidade de refrigerao: a - Temperatura na faixa de 0Cc a + 8Cc 9- Capacidade do compressor em HP: a - 1/3 HP (mnimo) com baixa presso de retorno. 10- Capacidade de Armazenamento em doses: a - Volume til aproximado 780 litros 11- Quantidade de evaporadores: a - Um 12- Tipo de termmetro: a - Mecnico, analgico com escala -30C a + 30C 13- Sistema eltrico: a - Com timer para degelo automtico sem iluminao 14 - Tipo de pintura: a - Chapa em ao inox 430 15- Tipo de Chapas externa e interna: a - Externa . Frente/cabeceira . ao inox 430 BA b - Interna . Ao galvanizado c - Portas de poliestireno 16- Espessura das chapas: a - Externa . Frente/Cabeceiras: 0,50mm b - Encosto/fundo/teto : 35mm 17- Tipo de isolamento, densidade e espessura das portas: a Poliuretano, densidade mnima 35 kg/m3 b 35 mm OBS: Para refrigeradores de seis portas se alteram os seguintes itens: 1) seis portas 2) Frente 1.750mm/profundidade 630mm/altura 18- Qualidade de Vedao: a - Na unio dos painis utilizado selante de silicone b - Resistncias nas gaxetas de vedao das portas 19- Tipo de prateleiras e material utilizado: a - Prateleira aramada com pintura em epoxi b - Ferro redondo trifelado 20- Voltagem da rede: a - 110 ou 220 volts conforme a solicitao

1.165mm 3) Compressor em HP com baixa presso de retorno. Demais dados no se alteram.

95

ANEXO 10.2.3. Especificaes: Freezer

1 - Gabinete horizontal: construdo em chapa de ao; espessura mnima de 0,5mm; isolamento em poliuretano de 30 mm (mnimo), espessura e 35kg/m3 de densidade; pintado na cor branca.

2 - Dimenses: Largura: 1.500 mm (mnima) Profundidade: 680 mm (mnima) Altura: entre 890 mm (mnima) e 950 mm (mxima)

3 Tampas: com 3 (mnimo) ou 4 (preferencialmente)

4 Compressor: 1/3 HP (mnimo)

5 Voltagem: de 110 ou 220 volts conforme rede eltrica local.

Com selo PROCEL

Gs ecolgico, sem CFC.

96

ANEXO 10.2.4. Especificaes: Caixa trmica de poliestireno expandido JUSTIFICATIVA/DESTINAO: Produto utilizado no transporte de imunobiolgicos

(vacinas/soros) do Programa Nacional de Imunizaes/PNI, destinado ao acondicionamento seguro de imunobiolgicos em baixas temperaturas s diversas instncias da rede de frio.

As caixas trmicas de poliestireno expandido a serem utilizadas pelo Programa devero apresentar as seguintes caractersticas: Densidade mnima: de 35 kg/m3 Espessuras mnimas conforme tabela a seguir:

Capacidade (litros) Espessura (cm)2 8 17 36 50 70 130 170 3,0 3,0 3,0 4,0 4,0 5,0 7,0

Medidas externas1 (cm)

Altura (cm) 24,5 32,0 34,0 34,0 33,0 49,5 47,0

Largura (cm) 20,5 19,3 28,8 38,0 45,0 57,0 53,0

Profundidade (cm) 28,5 29,0 37,9 58,0 69,0 82,5 93,0

1) Dimenses aproximadas; 2) Espessuras mnimas.

Durante o processo licitatrio, dever ser fornecida pelos participantes amostras do produto que sero enviadas ao requisitante (Nome e endereo completo) para efetuar testes de qualidade, cujo procedimento est descrito no Anexo 10.2.4.1

Obs: O uso de caixas trmicas de poliestireno expandido por parte do nvel federal, ao invs de poliuretano, no transporte em instncia nacional, deve-se ao alto custo do frete areo que inviabiliza o retorno das mesmas.

97

ANEXO 10.2.4.1 Teste de qualidade 1. Teste de resistncia a golpes: com a caixa vazia, ergu-la a uma altura mdia de cinco metros e solt-la sob solo plano. Verificar se aps este procedimento apresenta rachaduras ou outro dano que impea a utilizao da caixa.

2. Teste de impermeabilidade: forrar uma parte do balco de manuseio de imunobiolgicos com papel jornal, colocar sobre este uma caixa de poliestireno expandido. Ench-la com gua em temperatura ambiente, marcar o nvel da gua e mant-la fechada durante 24 horas. Transcorrido este perodo de tempo, verificar se o papel apresenta umidade ou se existe umidade nas paredes laterais exteriores da caixa. Verificar se o nvel baixou e avaliar se no deveu-se a interferncia de baixa umidade relativa do ar ou a alta temperatura ambiente, que podem fazer com a gua evapore.

3. Teste de manuteno de temperatura

- Para vacinas conservadas em temperaturas negativas (< que 0 C): a) Abastecer uma caixa de poliestireno expandido com bobinas de gelo

reciclvel a 20 C, conforme o procedimento recomendado para acondicionamento de imunobiolgicos. Devero ser utilizadas embalagens vazias (caixas) de imunobiolgicos para preencher o espao destinado a estes, b) c) d) Colocar em seu interior o bulbo de termmetro de mxima e mnima digital, Lacrar e monitorar sua temperatura interior durante 48 horas, Transcorrido este tempo, verificar se a temperatura no interior da caixa ainda

se mantm abaixo de 0 C.

- Para vacinas conservadas em temperaturas positivas (+2 C a +8 C): a) Abastecer uma caixa de poliestireno expandido com bobinas de gelo

reciclvel devidamente ambientalizadas, conforme o procedimento recomendado para acondicionamento de imunobiolgicos. Devero ser utilizadas embalagens vazias (caixas) de imunobiolgicos para preencher o espao destinado a estes; b) c) d) Colocar em seu interior o bulbo de termmetro de mxima e mnima digital; Lacrar e monitorar sua temperatura interior durante 48 horas; Transcorrido este tempo, verificar se a temperatura no interior da caixa ainda

se mantm abaixo de +8 C.

98

ANEXO 10.2.4.1 Teste de qualidade 4. Teste de estanqueidade

O nmero mnimo de amostras a serem testadas por modelo dever ser de 3 (trs). Preparao das amostras para o teste: selar as aberturas ou substitu-las por um fechamento cego. A amostra deve ser mantida sob a gua durante 5 (cinco) minutos, enquanto a presso interna de ar aplicada de 30 kPa (0,3 bar) para o grupo de embalagem I, e de 20 kPa (0,2 bar) para os grupos II ou III. O mtodo aplicado para manter a amostra sob a gua, no determinante para o critrio de aprovao, que se constitui em verificar a inexistncia de vazamentos.

99

ANEXO 10.2.5 Especificaes: Caixas Trmicas de Poliuretano

Caixa confeccionada externamente em estrutura de polietileno de impacto praticamente indestrutvel, texturizada, resistente a impacto e arranhes.

Alas duplas moldadas, bidirecionais projetadas para fora e com levantamento para facilitar o transporte.

Tampa reta com fechamento hermtico, dobradias e trinco embutido tipo veda-tampa.

Revestimento interno com isolamento em espuma de poliuretano resistente a infiltraes, vazamentos e corroses. Fcil de ser lavado o que impede o aparecimento de manchas e odores.

Apresentam vrias dimenses de acordo com a capacidade.

OBS. Na licitao sempre solicitar aos fornecedores amostras das caixas trmicas para testes de manuteno de temperatura, impermeabilidade, resistncia a golpes e estanqueidade.

100

ANEXO 10.2.6 Especificaes: Bobinas de gelo reutilizvel JUSTIFICATIVA/DESTINAO: Material destinado a conservao e transporte de

imunobiolgicos (vacinas/soros) distribudos rede de frio (Citar se federal, estadual ou municipal) nas unidades federadas, do Programa Nacional de Imunizaes/PNI.

DESCRIO

Gelo reutilizvel: a base de carboximetilcelulose em soluo coloidal na proporo de 3%, acondicionado em embalagem de polietileno de alta densidade, atxico, inodoro com capacidade de 550 ml medindo: Comprimento: 22,0 cm Largura: 15,0 cm e, Espessura: 2,0 cm.

O frasco/embalagem deve informaes sobre o produto conter em alto relevo, data de fabricao e data de validade conforme amostra em anexo.

OBSERVAES IMPORTANTES:

1 As medidas das bobinas de gelo devem atender ao acondicionamento dos imunobiolgicos conforme as condies de acomodao dentro das caixas trmicas utilizadas.

2 Havendo necessidade de teste das amostras oferecidas, as mesmas devem ser encaminhadas com no mnimo 5 (cinco) dias de antecedncia anterior data de abertura da licitao, para o rgo responsvel pelos testes e pela emisso de parecer e aceitao do produto.

101

ANEXO 10.2.7 Especificaes: Equipamentos de Proteo Individual - EPI

Capacete

Capacete de segurana para proteo contra impacto sobre o crnio.

Vestimentas de Segurana:

- Japona Longa 7/8 com capuz em lona de nylon extra, manta isotrmica 50mm em tecido de nylon impermevel, preferencialmente cor escura , comprimento de 12 cm abaixo do joelho, com pele acrlica interna, integral com japona, pestana acrlica/polister, ajuste facial com cordo de nylon com dois (02) bolsos externos, fechamento duplo com velcro e boto de presso, com cinto ajustvel e fivelas entrelaveis, manga longa dupla ragl, punhos sanfonados em acrlico/polister, sendo tamanho (de acordo com a necessidade). - Cala em lona de nylon extra, manta isotrmica 50mm e tecido de nylon impermevel, sendo o tamanho (de acordo com a necessidade) - Capuz com malha de algodo (210 g/m2) no alrgica, para proteo do crnio e pescoo , preferencialmente cor escura, tamanho nico. - Meias em malha de algodo (330g/m2), no alrgica, tamanho at o joelho, preferencialmente cor escura, o tubo dever ser costurado em overlock e o contorno anatmico na ponta do p. Luva de pelica, com revestimento interno de l, cano mdio, que permita o manuseio de pequenos objetos.

Calado de segurana:

-

Bota para cmara frigorfica, cano alto, forrada com l, com solado em PVC e tamanho, conforme a necessidade.

102

10.2.8. ESPECIFICAES TERMMETROS

103

ANEXO 10.2.8.1 Especificaes: Termmetro digital momento mxima e mnima - Termmetro para controle de temperatura, de uso interno e externo, confeccionado em plstico resistente, com funo momento, mxima e mnima, escala em graus Celsius (C) e Fahrenheit (F), e temperatura interna de 10 a +60 C e externa de 50 a +70 C; 2 (dois) visores de cristal lquido de 2 (trs) dgitos, com capacidade de memorizar as temperaturas; comandos individuais; funcionamento a pilha 1 x 1,5 AA; cabo de 3 metros com ponta inox.

104

ANEXO 10.2.8.2 Especificaes: Termmetro analgico momento mxima e mnima (Capela) - Termmetro a mercrio, para uso exclusivo em geladeira ou freezer, para controle de temperatura interna, confeccionado em plstico resistente, com funo momento, mxima e mnima, escala em graus Celsius (C), de grau em grau, entre 35 e +50 C e indicativo entre +2 e +8 C, preciso de + ou 1 C. Boto para reiniciar a memria.

105

ANEXO 10.2.8.3 Especificaes: Termmetro linear Termmetros com design moderno, com escala de fcil leitura. Para uso interno, externo e de mesa. Enchimento Ecolgico.

Escala: -10+50C

Diviso: 1C

Preciso: 1C

Dimenses compatveis: 195x46x12mm

Material: Plstico

Enchimento: Lquido Vermelho / Azul

Peso: 18g

106

ANEXO 10.2.8.4 Especificaes: Termmetro analgico de cabo extensor

- Termmetro de enchimento lquido, para uso exclusivo em caixa trmica, para controle de temperatura interna, confeccionado em plstico resistente e cabo flexvel, com funo momento, mxima e mnima, escala em graus Celsius (C), de grau em grau, entre 25 e +30 C e indicativo entre +2 e +8 C, preciso de + ou 1 C.

107

ANEXO 10.2.8.5 Especificaes: Termmetro a Laser 1. Faixa de medio: - 20C a 315C / 0 a 600 F 2. Preciso (a 23C +5C) 20C a 100C: 2C 3. 101C a 315C : 2% da leitura 4. (calibrado em corpo negro com emissividade de 0,95) 5. Resoluo:1C/1F 6. Repetibilidade: 1C 7. Emissividade: Fixa em 0,95 8. Distncia ao ponto de medio (D:S): 8:1 9. Sensor: Relativo / Termopar 10. Resposta spectral: 6~14m 11. Tempo de resposta: 0,5 segundos 12. Mira laser: 1 ponto Classe II laser (utiliza menos de 1mW de energia) 13. Comprimento de onde: 675 nm 14. Ambiente de operao: 0 a 50C, menos de 80% UR. 15. Ambiente de armazenamento: 20 ~ 55C (32 ~ 122F), menos de 90% UR (sem condensao) 16. Alimentao: uma bateria de 9V (inclusa) 17. Consumo de energia: Max. 40 mA (quando o laser e a luz auxiliar estiverem ligados) 18. Durabilidade da bateria: 5 horas (Laser & luz auxiliar ligados) 10 horas (Laser ligado & luz auxiliar desligada) 12 horas (Laser desligado & luz auxiliar ligada) 50 horas (Laser desligado & luz auxiliar desligada) 19. Luz auxiliar: comum. 20. Dimenses compatveis: 41,5 X 65 X 160 mm 21. Peso: Aproximadamente 140 gramas com bateria 22. Acessrios inclusos: proteo de vinil, proteo das lentes, bateria de 9V, ala de mo, bolsa de vinil. 23. Manual de instrues em portugus (Brasil)

108

ANEXO 10.2.9. Especificaes: Data logger de temperatura

Sistema de coleta automtica e armazenamento cronolgico de temperatura (Data logger de temperatura)

Registrador eletrnico de dados de temperatura (data logger e software bsico com interface de temperatura), fabricado em um invlucro plstico que seja resistente a gua.

Destina-se a registrar temperatura na situao de armazenamento e transporte de imunobiolgicos.

O recolhimento dos dados e a programao do sistema so realizados em um computador por meio por um cabo RS-232 ligado porta de srie ou porta USB.

Sem display

Escala mnima: - 35c a 70c

Resoluo: 0,5c

Preciso: +/-0,5c

Ciclo programado de reincio para: Relativo / Se no reiniciado, de 30 dias, no mnimo.

Intervalo de coleta (taxa de amostragem) mnino: de 1 segundo a 255 minutos.

Memria (capacidade mnima de registro de coletas) mnima: 2.000 leituras/vez

Peso mximo: 100 gramas

Interface de comunicao: serial RS-232 (ou outra compatvel s portas seriais comumente encontradas nos PCs) ou USB.

Alimentao: 1 (uma) nica bateria de 3,0 volts

109

ANEXO 10.2.9. Especificaes: Data logger de temperatura

Garantia: a garantia mnima dever ser de 12 (doze) meses, com assistncia tcnica (tcnicos treinados pelos fabricantes) e atendimento nas capitais ou cidades onde exista assistncia tcnica autorizada.

Observao:

1. As medidas acima atendem ao registro de temperatura contnua dos imunobiolgicos.

2. Devem ser fornecidas amostras de cada modelo para teste de temperatura no mximo 48 horas aps abertura da licitao para emisso de parecer.

3. Deve ser apresentada uma relao de assistncias tcnicas autorizadas, com endereo completo, telefone, fax, cep, e-mail etc..., possuindo representao em todo territrio nacional.

4. Deve ser fornecido atestado de capacidade tcnica.

5. Deve ser fornecida bateria nova de 3,0 volts no aparelho, com garantia de 2,0 anos, no mnimo.

6. Deve possuir certificado de calibrao.

7. Deve ser fornecido cabo de comunicao.

8. O prazo de entrega do equipamento ser de at 30 (noventa) dias a partir da data da assinatura do contrato.

110

ANEXO 10.2.10 Especificaes: Coletor de Material Perfurocortante

Coletor de material perfurocortante - capacidade volumtrica de 3,0 litros; com suporte; duplo revestimento interno; revestimento interno impermevel, tampa para proteo contra vazamentos; com instrues de uso; confeccionada em papelo rgido, com reforo interno, resistente a queda e tombamento, com saco plstico interno tipo sacola, sistema prtico de abertura e fechamento, manuseio seguro, impermevel, indicador de limite mximo de volume, com ala para transporte, contendo na parte externa os dizeres "perigo, material perfurocortante" e simbologia de infectante, com instrues de montagem. O produto dever apresentar laudo analtico que esteja conforme a NBR n13853. NBR 13.853 - Coletores para resduos de servios de sade perfurantes ou cortantes Requisitos e mtodos de ensaio , Associao Brasileira de Normas Tcnicas - ABNT.

Descrio da Norma Fixa caractersticas de coletores destinados ao descarte de resduos de servios de sade perfurantes ou cortantes, tipo A.4, conforme a NBR 12.808. No se aplica a coletores destinados ao descarte exclusivo de agulhas NBR 9.259.

.

111

11. REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS

Bell KN, Houge CJR, Manning C, Kendal AP. Risk Factors for improper Vaccine storage and hadling in private provider officer. Pediatrics. 2001. Berthaine Y, Demissie M. Cold Chain status at immunization centres in Ethiopia. East Afr Med J. 2000: 89: 193-196. Bishai DM, Bhatt S, Miller LT, Hayden GF. Vaccine storage pratices in pediatric offices. Pediatrics. 1992; 89: 193-196. Bland J, Clements J. Protecting the worlds children: the story of WHOS Immunization programme. World Health Forum. 1998: 19: 162-173. Calich VLG, Coppivaz CA. Imunologia Bsica. So Paulo: Livraria Editora Artes Mdicas; 1988. Camacho-Amor MA, Morales-Romo A, Armanda-Calvo QBP, Diaz-Ortega JL, Valdespino-Gomez MC, Gonzalez-Velazquez Mset al. Evaluacin de La cadena de frio en los dias nacionales de vacunacin antipoliomielitica Mxico, 1987-1988. Salud Publica Mexico. 1989, 32(1): 43-51. Campo MP, Leste R. Maintenance of the vaccine cold chain by councils and general practices in Victoria. MJA. 1998; 168:365. Carrasco R, Dinstrans RS, Montaldo IM, Medina EL; Reyes MO, Vergara IR, Piwonka A, Thomas, ER. Cadena de fro del Programa Ampliado de Inmunizacin Una experiencia de evalucin. Bol Of Sanit Panam.1983:94(1): 37-45. Casto DT, Brunell PA. Safe Handling of Vaccines. Pediatrics. 1991; 87:108-112. Center for Disease and Control. Epidemiology and Prevention of Vaccine Preventable Diseases. The Pink Book. Atlanta; 2003a. Center for Diseases Control. Notice to readers: guidelines for maintaining and managing the vaccine cold chain. MMWR 2003b; 52(42): 1023-1025. Centro de Estudos Augusto Leopoldo Ayrosa Galvo. Faculdade de Cincias Mdicas da Santa Casa de So Paulo. Inqurito de Cobertura Vacinal do Municpio de So Paulo. So Paulo; 2002. Conselho Federal de Enfermagem. Resoluo COFEN-271 de 12 de julho de 2002. Regulamenta as aes do Enfermeiro na consulta, prescrio de medicamentos e requisio de exames. Rio de Janeiro, 2002a. Conselho Federal de Enfermagem. Resoluo COFEN-272 de 27 de agosto de 2002. Dispe sobre a Sistematizao da Assistncia de Enfermagem SAE nas instituies de sade brasileiras. Rio de Janeiro, 2002b.

112

Davey, S. Cold chain. State of the worlds vaccine and inmunnization. WHO/GPV/96.04. Geneva; 1996. p.167-168. Escobar EMA. Avaliao de Qualidade do Programa de Imunizao do municpio de Vinhedo/SP. [Tese de doutorado]. So Paulo: Universidade Federal de So Paulo; 2000. Franzoni IT. Concepo e modernizao da Rede de Frio. In: Anais do Encontro Nacional de Controle de Doenas; 1982 nv 29 dez 04; Braslia. Brasil. Centro de Documentao do Ministrio da Sade.1983. p. 143-145. Fundao Nacional de Sade. Programa Nacional de Imunizaes. Capacitao pedaggica do monitor do treinamento de pessoal de Sala de Vacinao: Manual do Monitor. Braslia; 1991. Fundao Nacional de Sade. Programa Nacional de Imunizaes. Capacitao de pessoal em vacinao uma proposta de treinamento em servio: Manual do Treinando. Braslia; 1991. Fundao Nacional de Sade. Programa Nacional de Imunizaes. Manual de Normas para Vacinao. 2 ed. Braslia; 1993. Fundao Nacional de Sade. Programa Nacional de Imunizao. Manual de procedimentos para vacinao. 3 ed. rev. ampl. Braslia; 1993. Galazka A, Milstien J, Zaffran M. Termostability of Vaccines. Geneva: OMS; 1998. Gold MS, Martin L. Nayda LN, Kempe AE. Eletroni temperature monitoring and feedback to correct adverse vaccine storage in general practice. MJA. 1999; 171: 83-84. Gonalves ML. Programa de Vacinao no processo de municipalizao de sade no municpio de Ribeiro Preto / SP. [Dissertao de Mestrado]. Ribeiro Preto: Universidade de So Paulo, Escola de Enfermagem; 1994. Grasso M, Ripabelli G, Sammarco ML, Selvaggi TMM, Quaranta A. Vaccine storage in the community: a study in central Italy. Bull Word Health Organization. 1999; 77(4) :352-4. Guthridge SL, Miller NC. Cold Chain ina hot climate. Austr N Z J Pub Health. 1996; 20(6): 657-660. Haworth EA, Booy R, Stirzaker L, Wilkes S, Battersby A. Is the cold chain for vaccines maintened in general practice? BMJ. 1993; 307:242-4. Hazelton K, Balcomb A, Bowd K, Hazelton-Parsons D, Liddle J. The Immunization cold chain: why is it so hard to get right? Austr Fam Physician. 2002; 31(10): 939-941. Hunter S. Storage of vaccines in general practice. Br Med J. 1989; 229:661-2. Jeremijenko A, Kelly H, Sibthorpe B, Attewell R. Improving vaccine storage in general pratice refrigerators. BMJ. 1996; 312: 1651-2.

113

Laboratory Centre for Disease Control. National guidelines for vaccine storage and transportation. Can Fam Physician. 1995; 41:1221-1222. Ministrio da Sade. Secretaria Nacional de Aes Bsicas de Sade. Programa Nacional de Imunizaes. Rede de Frio: noes bsicas de refrigerao e procedimentos para conservao de imunobiolgicos. Braslia: Centro de Documentao do Ministrio da Sade; 1988. Ministrio da Sade. Manual de vacinao. Braslia: Centro de Documentao do Ministrio da Sade; 1984. Organizao Pan-Americana da Sade. Programa Ampliado de Imunizaes. Treinamento em cadeia de frio: mdulo III. Washington D.C.: OPS/OMS; 1986. Organizao Pan-Americana da Sade. Manual sobre os nveis de cadeia de frio. (mmeo). Organizao Mundial da Sade. Programa Ampliado de Imunizaes. Safe vaccine handling, cold chain and immunizations: A manual for Newly Independent States. Geneva; 1998. Organizao Mundial da Sade. Programa Ampliado de Imunizaes. Technet Consultation. Geneva; 1999. Technet21. WHO-UNICEF. Effective Vaccine Store Management Iniative. Disponvel em http://www.technet21.org/evsm.html. Acesso em 05/02/2005. Thakker Y, Woods S. Storege of Vaccines in the community: weak link in the cold chain? Bmj. 1992; 304: 756-758. Utah Vaccine for Children. Vaccine Management: handling and storage details for vaccines. Utah; 2003. Warwryk A, Mavromatis C, Gold M. Eletronic monitoring of vaccine cold chain in a metropolitan area. BMJ. 1997; 315:518. World Health Organization. Expanded Programme on Immunization. Safe vaccine handling, cold chain and immunizations A manual for Newly Independents States. WHO/EPI/LHIS/98.02 Geneva; 1998a. World Health Organization. Expanded Programme on Immunization. The Cold chain. WHO/EPI/TRAM/98.03 Rev. 1*. Geneva; 1998b. World Health Organization. Manage the Cold Chain: Training for mid level mangers. 1993. WHO/EPI/MLM/91.5 Rev. 1-93. World Health Organization. Vaccines and Biologicals. Ensuring the quality of vaccine at country level. WHO/V&B/02.16. Geneva; 2002a. World Health Organization. Vaccines and Biologicals. Guideline for establishing or improving primary and intermediate vaccine stores. WHO/V&B/02.34. Geneva; 2002b World Health Organization/UNICEF. Product Information Sheets. Geneva; 2000b.

114

World Health Organization/UNICEF. Statens of the worlds vaccine and immunization. WHO/GPV/96.04. Geneva; 1996. Yuan L, Stacy D, Naus M, Branimir B. Vaccine storage and handling: knowledge and practice in primary care physician offices. Can Fam Physician. 1995; 41: 1169-1176.

115

Recommended

View more >