Manual da So Cristvo Guiarte

  • Published on
    17-Mar-2016

  • View
    219

  • Download
    3

DESCRIPTION

Manual de Identidade Corporativa da Revista So Cristvo Guiarte.

Transcript

  • Manual de Identidade da Revista

  • APRESENTAOINTRODUO

    Captulo 1 - REVISTA

    1.01 Elementos Estruturais............................................................................................................................................. 071.02 Elementos Estruturais - Capa.................................................................................................................................. 081.03 Elementos Estruturais - Editorial.............................................................................................................................. 091.04 Elementos Estruturais - Expediente e Sumrio.......................................................................................................... 101.05 Elementos Estruturais - Sees............................................................................................................................... 111.06 Elementos Estruturais - Matrias............................................................................................................................. 121.07 Elementos Estruturais - Curtas e Tirinhas................................................................................................................. 131.08 Elementos Estruturais - Colunistas.......................................................................................................................... 141.09 Elementos Estruturais - Colunas.............................................................................................................................. 151.10 Elementos Estruturais - Guia de Servios e Negcios................................................................................................ 161.11 Elementos Estruturais - Fonegcios......................................................................................................................... 171.12 Elementos Estruturais - Classificados....................................................................................................................... 18

    Captulo 2 - VINHETAS

    2.01 Matrias e sua Aplicao........................................................................................................................................ 192.02 Colunas I............................................................................................................................................................... 202.03 Colunas II - Aplicao............................................................................................................................................. 212.04 Sees I................................................................................................................................................................ 222.05 Sees II - Composio de Cores........................................................................................................................... 23

  • CONSIDERAES FINAISANEXO

    Captulo 3 - DIMENSES

    3.01 Capa e Contra-capa............................................................................................................................................... 243.02 Margens - Pginas Livres....................................................................................................................................... 253.03 Matrias - Pginas Esquerda.................................................................................................................................. 263.04 Matrias - Pginas Direita...................................................................................................................................... 273.05 Colunas - Pginas Esquerda.................................................................................................................................. 283.06 Colunas - Pginas Direita...................................................................................................................................... 293.07 Guia - Pginas Esquerda........................................................................................................................................ 303.08 Guia - Pginas Esquerda........................................................................................................................................ 313.09 Guia - Abas Laterais Esquerda................................................................................................................................ 323.10 Guia - Abas Laterais Direita.................................................................................................................................... 33

  • APRESENTAO

  • Esta primeira edio do Manual de Identidade da Revista.

    O manual apresenta as diretrizes e as orientaes que visam consolidar um padro de produo grfica da REVISTA SO CRISTVO GUIARTE, no sentido de assegurar consistncia e uniformidade ao uso dos elementos de comunicao visual da revista.

    As normas aqui definidas devem ser rigorosamente seguidas com o intuito de manter constante a identidade visual da REVISTA SO CRISTVO GUIARTE e assim, garantir padronizao e fidelidade identidade.

  • De modo geral, tnhamos uma revista dura, fria e sem appeal. E, eis que, surge um novo layout para trazer e apresentar, uma revista recheada de flexibilidade, bom humor, modernismo, clareza e elegncia, de forma a trazer todo esse appeal perdido e uma pregnncia acentuada.

    INTRODUO

    1 2

    31 - Edio 9, a primeira a receber o novo layout; e2 e 3 - Edio 10 e 11, relayout da verso beta ed.9, a pedido dos prprios clientes recebe a verso completa do logotipo.

  • A Revista composta por 10 elementos estruturais:01 - Capa;02 - Editorial;03 - Expediente;04 - Sumrio;05 - Sees;06 - Matrias;07 - Curtas e/ou Tirinhas;08 - Colunistas;09 - Colunas;10 - Guia de Servios e Negcios;11 - Fonegcios; e12 - Classificados.

    CaractersticasFormao do contedo programtico para a Revista So Cristvo Guiarte.

    RevistaElementos Estruturais1.01

  • CaractersticasComo visto no manual de identidade visual do logotipo Revista So Cristvo Guiarte, importante seguir a risca todas as normas com o intuito de manter constante a identidade e garantir a padronizao e fidelidade.

    Como em toda regra, as excees so existentes. No que diz respeito a tipologia, podemos nesse momento sugerir livremente outros tipos de acordo com as necessidades da pea, para se criar um layout com maior appeal e pregnncia.

    Elementos EstuturaisCapa1.02

    LuCostaA sensuAlidAde e otAlento de umA filhA dAfeirA de so Cristvo

    DE RESTAURANTE ASALO DE BELEZA,ESPAOS INOVADORES

    A revista agora tambm seu guia de arte e cultura

    MARINA LOPESAs dicas de moda daizola para o vero 2013

    FERNANDO MAGALHES: A Grande Cegonha

    EDIO

    N11

    Ano II - Set/Out 2012 - Edio N 11Distribuio Gratuita

  • CaractersticasSua criao segue basicamente as normas de tipologia, dentro da famlia Helvetica Neue e imagem corporatica de apoio.

    Aqui apresentamos o padro para a pgina, com uma lauda de:1 - Palavras: 309;2 - Caracteres sem espaos: 1.521;3 - Caracteres com espaos: 1.830;4 - Pargrafos: 7; e5 - Linhas: 23.

    Elementos EstuturaisEditorial1.03

    A EDIO DE NMERO 11 A dcima primeira edio da Revista So Cristvo, seu mais confivel guia de negcios e servios do bairro e das redondezas, traz histrias no to pomposas quanto as do Imprio, mas contadas por personagens reais com leveza genuna invejvel talvez aos nobres. Voc vai conhecer a emocionante trajetria do paraibano Jos Pereira de Souza, o Deda do Gs, cone da Feira de So Cristvo, e de seus herdeiros, que representa de forma fidedigna histrias de milhares e milhares de nordestinos que migraram para oRio de Janeiro, em especial dos tantos que vieram tentar a sorte em So Cristvo. A danarina carioca Lu Costa, capa desta 11 edio, filha do seu Deda. Desabrochou na Feira de So Cristvo. Passou pelo funk da Furaco 2000 e dana forr com a Sandra Cssia Volare, que trabalha em uma barraca na FSC, tem uma Companhia de Dana (a Volare Cia) e, no auge dos seus 70 anos, apresenta-se junto as suas danarinas, todas bem mais jovens, dentro e fora do pavilho. Flores da primavera. Outubro o ms das crianas, por isso, as colunas esto recheadas de esperana e magia. Temos uma novidade: criamos o Espao Cultural para voc ficar por dentro dos eventos da regio e relaxar um pouco. Visitamos dois restaurantes: um que acabou de chegar a So Cristvo, trazendo cozinha internacional no formato self-service; o outro, filho caula moderninho de um restaurante tradicional no bairro h 25 anos. Conhecemos um salo de beleza, ou melhor, um atelier de moda e estilo que tem um Caf simptico dentro.Espaos com propostas inovadoras para So Cristvo. E, por fim, entrevistamos a estilista e scia-proprietria da marca Izola, Marina Lopes, que acabou de lanar a coleo Vero 2013 e d vrias dica de moda para voc no ter desculpa e fazer bonito na estao mais quente e criativa do ano. Divirtam-se!

  • CaractersticasSua criao segue basicamente as normas de tipologia, dentro da famlia Helvetica Neue e imagem corporatica de apoio.

    Integrando o Expediente temos:1 - Diretoria da Revista;2 - Equipe da Revista;3 - Crditos de Capa;4 - Colunistas;5 - Crdito da empresa de design;6 - Divulgao da distribuio;7 - Quantidade de exemplares; e8 - Texto legal sobre os anncios.

    No Sumrio, datamos com o ms e ano da edio, apresentamos duas imagens correspondentes as matrias de maior destaque e integramos todas as pginas das demais matrias e colunas.

    Elementos EstuturaisExpediente e Sumrio1.04

    PROJETO GRFICOGiovanni Benjamim por Cherol Studios

    www.cherolstudios.com.br

    Distribuio Gratuita em condomnios, casas e comrcio de So Cristvo, Benfica, Caju, Maracan, Praa da Bandeira, 24 de Maio, Rocha, Engenho Novo, Cidade Nova, Mier e Bonsucesso.15.000 exemplares

    O contedo dos anncios contidos nesta revista de inteira responsabilidade de seu respectivo anunciante, inclusive questo de direitos autorais, direitos de imagem, uso de logomarcas, regulamentaes de classe e etc.

    CAPA - LU COSTALOCAL - QUINTA DA BOA VISTAVESTE - IZOLA - www.izola.com.brCALA - RICHAS - www.richas.com.br

    COLUNISTASAmanda Pinheiro

    (Atriz / Estudante de Comunicao)

    Dr. Jos Elias Aloan

    (Mdico Especialista em Ginecologia e Obstetrcia)

    Dr. Wanderley Borges

    (Diretor Mdico do Hospital de Clnicas Dr. Aloan)

    Eduardo Perez

    (Carnavalesco)

    Francilene Torraca

    (Psicloga / Psicopedagoga / Pedagoga - CRP 05/25969)

    Joo Paulo Paiva

    (Designer Grfico / Fashion Designer)

    Maurcio Mendes

    (Presidente da Cmara Comunitria de So Cristvo)

    Rossana Estrella

    (Personal Organizer / Designer de Interiores / Arquitetura)

    Sueli Rezende

    (Pesquisadora da FIOCRUZ / PHD em Enfermagem /

    Diretora do CIEV)

    Sidsio Correia

    (Graduado em Educao Fsica / Medicina Esportiva /

    Fisioterapia / Ps-Graduado em Nutrio Esportiva)

    DIREOAndrea OliveiraCarlos BacelarDaniela FerrazVilma Barbosa

    FOTOGRAFIAAndr Faria

    MARKETINGCarlos Bacelar

    DIRETOR DE CRIAOGiovanni Benjamim

    TELEMARKETINGCristiane Urbano

    CONTEDORoberta Estevam

    08CapaFeira de So Cristvo: uma vitrine de talento

    10EntrevistaDeda do gs13

    EntrevistaA grande cegonha de So Cristvo 14

    EntrevistaPura Inspirao20

    EntrevistaJulios One - Uma nova maneira de servir em So Cristvo26

    CurtaA estria de Tico da Mikinha

    33Na Moda7 Tendncias para primavera-vero 2013

    24Espao Cultural

    30Obrigado, Doutor!

    Obesidade: o mau do sculo XXI

    28Nosso Bairro, Nossa Histria

    Ou ficar a Ptria livre ou morrer pelo Brasil29Famosos & PersonagensClube de So Cristvo Imperial

    34Psiclogo em Casa

    Indisciplina Infantil: orientao aos pais

    32Em Forma

    Cuidando do seu corao com atividade fsica

    31Vestir a CasaMude-se, mude a sua casa

    35Educao para a VidaAs crianas e as energias de vida 36

    Falando de CarnavalO esquenta de 2013

    setembro/outubro de 2012

    18 22

  • CaractersticasSua criao segue basicamente as normas de tipologia, dentro da famlia Helvetica Neue e imagem corporatica de apoio.

    Apresentamos o padro para a pgina, com todas as sees do guia:1 - DIVERSO;2 - EDUCAO;3 - ESTTICA/MODA/SADE;4 - GASTRONOMIA;5 - INFORMTICA E TECNOLOGIA;6 - RELIGIOSO; e7 - SERVIOS.

    Elementos EstuturaisSees1.05

    DIVERSOAgncia de ViagensClubeEscolinha de Futebol

    38

    EDUCAOCentro de arte e danaColgioCursoEducao profissional

    41

    ESTTICA/MODA/SADEAcademiaBazarCalados e BolsasCentro MdicoConserto de RoupaDrogariaHospitalPediatriaPodologiaProdutos para BelezaPsicologiaRoupasSapataria/CamisariaShoppingSuplementos NutricionaisTerapias AlternativasTratamento Dentrio

    48

    GASTRONOMIABebidasBolos ArtsticosCaldos e PetiscosDocesLanchesPizzariaRestaurante

    68

    INFORMTICA E TECNOLOGIAAutomao e ControleCartuchosEletrnicaInformticaImpresso DigitalPropaganda VisualTelecomunicaes

    77

    RELIGIOSOCentro EspritaEsotricoIgreja

    84

    SERVIOSAdvocaciaAutomotivoConstruo e ReformasConsultoria PrevidenciriaCortinasDedetizaoDistribuidor de guaGsGeloGNVImveisLavanderiaMaterial HidralicoMotoboyticasPapel de ParedePersianaPiscinaPensionatoTelefoniaTinturariaTransporte e Eventos

    86

    SeeS

  • 08

    A histria de Lu Costa Nasci e fui criada na Feira de So Cristvo. Eu, minha me e meus irmos amos juntos todo final de semana ajudar o papai com o trabalho na barraca. Para a gente, que era criana, no era muito legal: dormamos debaixo do tabuleiro, usvamos banheiro qumico e sentamos frio. E quando meus pais se separam, eu e meus irmos paramos de ir Feira. Ficamos com a nossa me. A, com uns 12 anos, a mame comeou a me liberar, e eu voltei a trabalhar com o meu pai, o seu Deda, na barraca das carnes. Entre idas e vindas, a minha infncia e a minha adolescncia eu passei no Pavilho. relembra Lu. A dana sempre foi sua paixo, desde bem nova, mas aconteceu de ela danar profissionalmente por acaso do destino. Um dia, foi Feira visitar o pai e se divertir. Estava danando, quando foi chamada por um olheiro da Furaco 2000 para fazer um teste. Passou no teste, a princpio para danar com o MC Mrcio G. Pouco depois, Rmulo Costa assistiu a um ensaio e convidou-a, ela e mais uma amiga, para danar com o filho dele, Jonathan Costa. Ao lado dos MCs Marcio G e Jonathan Costa, Lu participou da gravao de dois DVDs da Furaco: Clima dos Bailes e Tsunami 4. A experincia foi de 1 ano e 3 meses.

    Ela engravidou do seu segundo filho e precisou deixar os palcos. De volta Feira de So Cristvo Teve um domingo em que fui almoar com o meu pai na Feira, e a Sandra Cssia Volare, da Barraca da Chiquita, que tem uma companhia de dana, a Volare Cia, esbarrou comigo. Ela j havia me convidado para danar na Volare dois anos antes, mesmo grvida. Dessa vez, Sandra refez o convite e foi enftica: Voc tem o perfil da minha companhia, quero que trabalhe comigo. Eu danava funk, no sabia danar forr, e ainda no sei, estou aprendendo. Mas topei. Faz quatro meses que eu dano na banda Clssicos Show, que presta servios para a Volare Cia. A gente se apresenta na Feira de So Cristvo nos finais de semana e s quartas-feiras no Rei do Bacalhau. Eu dano em outras bandas tambm quando contratam a Volare. explica. Incentivo da famlia O sonho do seu Deda era que Lu voltasse para a Feira. Ele props at que a

    filha assumisse os negcios. Lu Costa, entretanto, dizia ao pai que gostava de danar. Ento, quando surgiu a oportunidade de ela danar pela Volare Cia na Feira de So Cristvo, ele no titubeou. Disse: Vem que eu ajudo. Se a grana no for suficiente, eu apoio voc no que

    uma vitrine de talentosFeira de So Cristvo:

    11

    prpria barraca, nos moldes da barraca do irmo, vendendo carne, queijo e linguia. Nela, trabalhou por 25 anos. Construiu famlia, a Feira de So Cristvo, como o seu ganha-po. Conheceu Marta Janete da Costa e ganhou sua primeira filha, a Priscila, que tinha 1 ano e 3 meses quando ele chegou ao Rio de Janeiro. Do casamento com Marta, nasceram Diego e Lulu. Os filhos pequenos viviam com o casal na Feira e ajudavam no trabalho. Com bastante sacrifcio, a gente dava um jeitinho: no sol, na chuva, no sereno. Todos os meus trs filhos so maravilhosos. orgulha-se Deda. Mas nem tudo na vida so flores. E a histria do seu Deda no foi diferente. Houve um perodo em que ele sofreu graves problemas com o alcoolismo: Eu bebia muito, e o negcio da carne me dava dinheiro na mo todo dia, facilitava o vcio. Perdi os amigos, depois a famlia se afastou. No tinha foras para abraar o dia a dia do trabalho na Feira. Ca na marginalizao. Perdi tudo, at os documentos. Fui para o Nordeste, com uma mo na frente e a outra atrs. Fiquei 1 ano e 3 meses l. Deda voltou ao Rio de Janeiro, para a Feira de So Cristvo e, com trabalho, demonstrou que estava mudando. Virou uma espcie de faz-tudo na Feira: ajudante quando algum barraqueiro precisava de uma mo, ou um visitante de informaes. No tempo livre, ele danava: Quando a minha filha Lulu vinha me ver, eu saa danando como se alguma coisa estivesse coando, de alegria pela presena dela. Um dia desses, eu tava danando na Feira, me divertindo, e me convidaram para fazer uma ponta na novela Duas Caras. Essa ponta durou 7 meses. Deda, figurante fixo, ia ao Projac diariamente. Certa vez, aguardando mais uma longa jornada

    de gravao, do lado de fora do estdio, ele teve a idia de confeccionar uma camiseta com anncios da Feira. Escreveu a idia no cho de barro, para no esquecer. Pois que o grande Deda tornou-se um homem-outdoor e saiu danando forr por a: Danava com a roupa-propaganda de modo a me sentir bem. Eu jogava uma perna em cima da outra, mexia pra l e pra c, divulgando a Feira de So Cristvo por onde passasse. Na verdade, por onde quer que eu passe, se ouo uma msica, eu paro e dano. sempre assim. Quem v acha que eu sou maluco. A dana mexe comigo. O tempo passou, o crdito na Feira de So Cristvo voltou aos poucos, e Deda foi galgando posies, reconquistando o que

    perdeu. Hoje, ele tem um depsito de gs na Feira e mora na barraca (um home office, por assim dizer). o Deda do Gs, m i c roempreendedo r formal. Fornece botijes tanto internamente na Feira de So Cristvo quanto para fora, atendendo o bairro, nas proximidades da Feira.

    Ainda no tem funcionrios. Trabalha sozinho, carregando os botijes nas costas, a p, de carrinho ou de bicicleta, cedo do dia, tarde da noite. O servio 24h, inclusive nos fins de semana. s chamar que eu entrego., garante. Deda comemora em um desabafo: Tive uma vida de luta. Trabalhei desde criana. Guerreei muito para estar aqui agora. Este um momento precioso para mim. Acho que j cheguei ao mximo. Me considero um vencedor. Na Feira de So Cristvo, eu aprendi a viver e a me expressar. Primeiro, foi o instinto, a dana, que transformadora, fortalecedora. Mais que a dana, s o esprito santo de Deus. Eu comparo

    A nossa segurana a gente mesmo

    fazia. No dava pra piscar. O trabalho

    era na rua, de madrugada.

    CaractersticasSua criao segue basicamente as normas de tipologia, dentro da famlia Helvetica Neue.

    Como em toda regra, as excees so existentes. No que diz respeito a tipologia, e a imagem de plano de fundo, podemos nesse momento sugerir livremente outros tipos para compor os TTULOS, de acordo com as necessidades da pea, para se criar um layout com maior appeal e pregnncia.

    Aqui apresentamos o padro para a pgina, com uma lauda de:1 - Palavras: XXX;2 - Caracteres sem espaos: X.XXX;3 - Caracteres com espaos: X.XXX;4 - Pargrafos: X; e5 - Linhas: XX.

    Sem contabilizar imagens e possveis caixas de textos.

    Elementos EstuturaisMatrias1.06

  • 26

    O j bbado e o tal barraqueiro

    Depois de beber a dcima quarta cerveja, o j bbado vira pro dono da barraca e diz: Co, irmo, quantas cervejas tm a? E o tal barraqueiro responde: Tem 14 cervejas. E o j bbado: Quanto que d? O tal barraqueiro responde: D R$56,00, e o j bbado: Ento, estou sem dinheiro aqui, mas dia 5 a gente acerta. - O tal barraqueiro indignado toma uma atitude: Que historia essa? Por que voc no me disse que estava sem dinheiro? Eu te venderia umas 4, porque tudo aqui foi comprado consignado, eu tenho que pagar hoje. No posso te vender 14 cervejas fiado. E o meu lucro, onde que fica? E o j bbado se fez de coitadinho e disse: Co, irmo, pra gente num vale isso, a gente se conhece h um tempo, no vai ser por causa de um galo que a gente vai brigar., e o tal barraqueiro: No, irmo. No vou brigar com ningum, mas voc tem que me pagar. Por que voc no me avisou? Eu te dava uma moral, mas no 14 cervejas. Realmente, voc abusou! E o j bbado: Co, irmo, pra gente no vale. E o tal barraqueiro: P, mano, t tranquilo, vou deixar passar, mas no faz mais isso no, em! E o j bbado: T tranquilo ento? O tal barraqueiro: Tranquilo no t, n, mas fazer o qu? Te matar que eu no vou! Ento, dia 5 voc me paga, t tranquilo. Ento, t tranquilo? T, t tranquilo, fazer o qu? J que t tranquilo, ento bota a Saideira a pra mim. A, o tal barraqueiro perde a linha e diz: Vai beber a saideira na casa da sua me!!!

    Tico da Mikinha

    ENDEREOSDEDA DO GSCentro Luiz Gonzaga de Tradies Nordestinas (Feira de So Cristvo)Campo de So Cristvo s/n. Pavilho de So Cristvo. RJDe tera a quinta: das 10h s 18h. Entrada franca (exceto feriados).Fim de semana: de sexta s 10h a domingo s 21h. R$ 3,00. Estacionamento: R$ 8,00. Outras Informaes: Telefone: (21)2580-5335E-mail: contato@feiradesaocristovao.org.brSite: http://www.feiradesaocristovao.org.br

    ATELIER DE ESTILODe tera a sbado, das 8h s 20h.Endereo: Rua So Janurio, 198. So Cristvo. RJTelefone: (21) 2214-2218

    IZOLASo Cristvo (loja de Fbrica)Endereo: Rua So Janurio, 200. So Cristvo. RJTelefone: (21) 2580-8113

    TijucaEndereo: Rua Carlos de Vasconcelos, 125 Loja C. RJTelefone: (21) 2567-9288

    IpanemaEndereo: Rua Visconde de Piraj, 210 Loja A. RJTelefone: (21) 2267-8176

    RESTAURANTE JLIOS ONEEndereo: Rua General Argolo, 241. So Cristvo. RJInformaes: (21) 2589-0643 / 3891-6776E-mail: comercial@bardojulio.com.brSite: www.bardojulio.com.br

    HOSPITAL MATERNIDADE FERNANDO MAGALHESEndereo: Rua General Jos Cristino, 87. So Cristvo. RJInformaes: Telefone e fax: (21) 3878-1498

    RESTAURANTE IMPERIALEndereo: Avenida do Exercito, 17B. So Cristvo. RJInformaes: (21) 2580-1008

    CaractersticasSua criao segue basicamente as normas de tipologia, dentro da famlia Helvetica Neue.

    Para o Curta sugerimos o padro para a pgina, com uma lauda de:1 - Palavras: 294;2 - Caracteres sem espaos: 1.216;3 - Caracteres com espaos: 1.507;4 - Pargrafos: 3; e5 - Linhas: 16.

    Sem contabilizar imagens e possveis caixas de textos.

    Para as Tirinhas disponibilizado um espao de 121 x 96,5mm, onde nesta rea ser aplicado a estria em quadrinhos. Para ilustrar, aplicamos duas tirinhas de Mafalda.

    Elementos EstuturaisCurtas e Tirinhas1.07

  • CaractersticasApresentamos aqui todos os colunistas que fazem parte da equipe e colaboram com o contedo da revista.

    Elementos EstuturaisColunistas1.08

  • CaractersticasSua criao segue basicamente as normas de tipologia, dentro da famlia Helvetica Neue.

    Como em toda regra, as excees so existentes. No que diz respeito a tipologia, e a imagem de plano de fundo, podemos nesse momento sugerir livremente outros tipos para compor os TTULOS, de acordo com as necessidades da pea, para se criar um layout com maior appeal e pregnncia.

    Aqui apresentamos o padro para a pgina, com uma lauda de:1 - Palavras: XXX;2 - Caracteres sem espaos: X.XXX;3 - Caracteres com espaos: X.XXX;4 - Pargrafos: X; e5 - Linhas: XX.

    Sem contabilizar imagens e possveis caixas de textos.

    Elementos EstuturaisColunas1.09

    28

    Quando, no dia 7 de maro de 1808, a famlia real e a corte portuguesa desembarcaram no porto do Rio de Janeiro, transferindo a sede da monarquia de Lisboa para nossa cidade, Dom Joo VI no sabia que estava dando incio criao de uma grande nao. Em 16 de dezembro de 1915, quando ele instituiu o Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, deixamos de ser colnia. Dom Joo VI retorna a Portugal em 1821 e a, partir de 1822, comea a grande atuao do seu jovem filho, o Prncipe Regente D.Pedro I.

    Dia do Fico D.Pedro I, portugus de nascimento, brasileiro por adoo e paixo, chamado de volta a Portugal, pois pretendiam recolonizar o Brasil, e sua presena aqui impedia a concretizao dessa ideia. Ento, D.Pedro I responde aos insistentes chamados de Portugal e proclama: Se para o bem de todos e a felicidade geral da nao, diga ao povo que fico.

    Grito de Independncia Com o Fico do nosso Prncipe Regente, vrias medidas por ele tomadas desagradaram Portugal e abriam caminho para a independncia. Organizou a Marinha do Brasil, obrigou as tropas portuguesas a retornar ao seu reino, convocou uma Assembleia Constituinte e determinou que nenhuma lei de Portugal entraria em vigor sem o Cumpra-se, isto , sem a sua aprovao.

    O Prncipe Regente D.Pedro I estava viajando a Minas Gerais e So Paulo, quando recebeu uma carta de Portugal que anulava a Assembleia Constituinte e exigia a sua volta ao Rio de Janeiro. Quando o Prncipe Regente soube dessa carta, estava viajando de Santos para So Paulo. Foi quando, por amor ao Brasil, no dia 7 de setembro de 1822, s margens do Rio Ipiranga, ergueu sua espada e gritou: Independncia ou Morte. Em dezembro de 1822, D.Pedro I foi declarado o primeiro Imperador do Brasil.

    Nossos agradecimentos ao portugus mais brasileiro da nossa histria. Do bairro Imperial de So Cristvo gritamos: Obrigado, D.Pedro I. Somos uma grande nao independente. O bairro Imperial de So Cristvo o corao do Rio.

    Ou ficar a Ptria livreou morrer pelo Brasil

    35

    Estamos vivendo dois meses especiais, datas comemorativas da energia do incio da inocncia, da alegria, da espontaneidade, das brincadeiras, da liberdade de ser verdadeiramente a expresso de nossa essncia mais pura. Setembro e outubro so, por assim dizer, uma poca mgica. Com a chegada da primavera, tudo est colorido, brilhante e a luminosidade de terra muda de textura, os ambientes esto mais iluminados. nessa poca em que comemoramos a vida das crianas. E so elas que do o tom desses meses. um momento oportuno para experimentar de novo a inocncia da vida. Fazer as coisas que nos do alegria, deixar fluir o amor de forma espontnea e livre, no julgar, no dizer de antemo que aquele sonho no pode se concretizar. Olhando em volta, podemos acreditar de novo em tudo. Podemos dar um tempo para ouvir os risos que brotam dos coraes de crianas que fazem vibrar de novo em ns a esperana. A esperana e a certeza de que ns podemos sonhar...acreditar...viver...ser. Entrar em contato com essa energia de

    renovao faz com que nos sintamos renovados. Quando olhamos uma pipa no ar, colorida, leve, suave, podemos usar esse aprendizado para a nossa prpria vida. Podemos exercitar a leveza da pipa para contornar nossos problemas mais srios. Podemos experimentar nos mover com a mesma delicadeza e ver o que essa delicadeza nos traz. Se, no nosso dia a dia, aprendermos a aplicar certas nuances, com certeza, tudo estar mais descomplicado. Setembro e outubro trazem essas mensagens. Carregam dentro de si a essncia renovadora que purifica nossas almas e nos aproxima do contato com o nosso esprito. Os dias ensolarados, o cu azul sobre ns e aquelas pipas no ar nos trazem mensagens positivas sobre um viver mais pleno. Deixar fluir a energia de vida em ns significa abrir espao para a renovao, que significa o novo na ao. Podemos experimentar tudo isso nesse perodo. Educar para vida abrir espao dentro de ns para expresso dessas energias divinas e deixar que o sagrado faa morada em ns. Crianas, flores e pipas podem ser os elementos externos para esse encontro.

    As crianas e as energias de vida

  • 42

    CaractersticasPadro das pginas do guia de servios e negcios:1 - Vinheta da seo;2 - Numerao de pgina;3 - Assinatura linear do logotipo; e4 - Anncio.

    Elementos EstuturaisGuia de Servios e Negcios1.10

    73

  • CaractersticasSua criao segue basicamente as normas de tipologia, dentro da famlia Helvetica Neue e imagem corporativa de apoio. Com exceo do ttulo criado livremente, baseando-se na tipologia da composio do logotipo, dando maior appeal a pgina.

    O FONEGCIOS uma resumida listagem telefnica de todos os nossos anunciantes, para uma rpida busca de nossos leitores.

    Elementos EstuturaisFonegcios1.11

    GASTRONOMIABar e Restaurante Ben-Hur.............................. 2580-0799Brazbeer Distribuidor....................................... 2228-8622 Boteco Nazar................................................ 2589-6870Casa do Sardo................................................ 2501-9848Costelo do CADEG......................................... 2589-0022DellArco......................................................... 2589-1707Jozelita Doces................................................. 2589-7771LeL Buffet..................................................... 2580-1848Julia Vinhos.................................................... 3878-1464Quentinha Le Ratn......................................... 2242-0134Padaria Bar Lanchonete Pai Heri.................... 3860-1565Panela Cheia Refeies................................... 2580-4025 Porto do Serigato............................................ 3860-8905Restaurante Cidade do Porto........................... 2580-9038Restaurante Corujinha..................................... 3891-6776Talento do Trigo............................................... 2580-0087

    EDUCAOColgio Brasileiro De So Cristovo.................. 2589-5923CCAA Curso de Ingls..................................... 2589-5533Escola JMS..................................................... 2580-5042

    DIVERSOLev gua Locao de Mesas............................ 2589-3000So Cristvo Imperial..................................... 2580-2188Skolaxo do Gol................................................ 3045-1242Tio Nenm...................................................... 3878-2623

    ESTTICAMODASADEAcademia Jamper........................................... 3860-7250Adriane Correa Estdio de Beleza.................... 3024-3583Depyl Design.................................................. 2589-6315Dental VIP Clnica Odontolgica....................... 3069-3886Dr. Aloan......................................................... 3860-4006Drogarica........................................................ 2589-8000High Power..................................................... 2585-5925LC 64............................................................. 3878-1857Lek Camisetas................................................ 2580-7752Marsico Suplementos...................................... 9764-3064Medley Confeces......................................... 2230-0062Salo Point da Beleza...................................... 2589-0117Shopping Baixo So Cristvo.......................... 3185-0139Sphera Farmcia de Manipulao..................... 2218-3662

    RELIGIOSOCigana Sulamita............................................. 3860-0094Igreja Nova Vida............................................. 3890-3867

    INFORMTICA E TECNOLOGIAA2 Cartuchos.................................................. 2580-1355Chame o Beto................................................. 2580-6122 Gaj Informtica............................................... 3860-1470IGF................................................................. 2580-6572Infocoast........................................................ 2580-4050Rec Color........................................................ 2580-5940Trapping......................................................... 3083-1517XYZ Informtica............................................... 2580-4055

    SERVIOSAtlntica Sul Corretora..................................... 3091-3089 Brothers Express............................................. 3878-1890Condomnio Modelo......................................... 2230-0062Corretora de Imovis........................................ 3071-1081Eletricista Instalador Predial............................. 2233-4469 HS Motos........................................................ 3860-3096Lavanderia Santa Luzia.................................... 7873-3760Marmoraria Verde Mar..................................... 3902-8442Mercado do Gs.............................................. 2569-0272Oficina do Ar Condicionado.............................. 2580-8829Olhar Digital.................................................... 2580-9279tica Gigantesca............................................. 3860-0336Rdio Interao............................................... 3860-0729Rony Car Auto Center....................................... 3890-0354SM Telecomunicaes e Sistemas.................... 2580-0054Supergasbrs.................................................. 3278-0346Taxi Golden Rio .............................................. 2589-0799Tinturaria So Cristvo................................... 2589-4062

  • ACADEMIAAcademia Jamper........................................... 3860-7250

    Prees Fitness................................................. 3024-3583Formato Academia......................................... 2589-6315Academia Sport Fitness.................................. 3069-3886

    ADVOCACIAEscritrio de Advocacia................................... 3860-7250Consultoria Previdenciria............................... 3860-7250

    AGNCIA DE VIAGENSVai Voando..................................................... 3860-7250

    GUA E GELOPlaneta gua................................................... 3860-7250

    Distribuidora de gua e Gs Vitria................... 3860-7250Serra Dgua................................................... 3860-7250

    ALUGUEL DE CAMA ELSTICA

    ACESSORIA IMOBILIRIASimes Imveis.............................................. 3860-7250Sandra Bello.................................................. 3024-3583Condomnio Modelo....................................... 2589-6315

    AUTOGs Natural Veicular - GNVGs Imperial.................................................. 3860-7250MotoboyBrothers Express............................................ 3860-7250MecnicaMotorsport..................................................... 3860-7250

    AUTO ESCOLAAutoescola Cancela........................................ 3860-7250Autoescola M.Gonalves................................. 3860-7250Autoescola So Domingos............................... 3860-7250

    BEBIDASBrazbeer........................................................ 3860-7250Pavilho de So Cristvo............................... 3024-3583Antarctica e Bar.............................................. 2589-6315

    BOLOS E DOCESJozelita Doces............................................... 3860-7250Ana Santiago Bolos e Biscuits......................... 3860-7250Garota do Doce.............................................. 3860-7250

    BUFFET E SALGADOSLel Buffet..................................................... 3860-7250La Maison Buffet............................................ 3860-7250NS Buffet....................................................... 3860-7250Altas Idias Buffet........................................... 3860-7250Buffet Viana................................................... 3860-7250Buffet Rio Fest Show....................................... 3860-7250Buffet Art & Degustation.................................. 3860-7250

    Rua General Padilha, 58So Cristvo

    21 2580 4825

    21 2580 1639

    9439 8886 9408 9266

    A

    B

    CaractersticasSua criao segue basicamente as normas de tipologia, dentro da famlia Helvetica Neue e imagem corporativa de apoio. Com exceo do ttulo criado livremente, baseando-se na tipologia da composio do logotipo, dando maior appeal a pgina.

    O CLASSIFICADOS uma outra opo de anunciar, sem aquela pregnncia dos grandes formatos, mais ainda sim, chamativo. Pode-se annciar nesse espao de duas formas:

    1 - Anncio Linear, neste somente nome e telefone do anunciante; e2 - Anncio Destaque, retngulo medindo 55 x 20mm, pode-se anunciar o logotipo, endereo e telefone.

    Elementos EstuturaisClassificados1.12

  • VinhetasMatrias e sua aplicao2.01

    CaractersticasCriadas livremente para compor as VINHETAS DAS MATRIAS, criando assim, um layout com maior appeal e pregnncia, baseando-se no conceito da revista de flexibilidade, bom humor, modernismo, clareza, elegncia e seriedade.

    Suas formas NUNCA podero ser alteradas, em tipologia, dimenso e colorao. Para que, desta forma possa-se garantir padronizao e fidelidade identidade.

    Tambm apresentamos aqui a forma como sero aplicadas na revista para compor as abas lateriais das MATRIAS. Estamos sempre falando em excees, pois as mesmas, devem ser consideradas e analisadas para que haja um bom conceito sobre a pea em questo. Aqui utilizaremos a COROA, elemento estrutural que compem o logotipo da Revista So Cristvo Guiarte. Note que, o elemento no est em sua forma original, apenas simbolizado como cone para criao das vinhetas das colunas. No quebrando a regra de uso do logotipo, onde no podemos apagar parte do mesmo.

  • VinhetasColunas I2.02

    CaractersticasCriadas livremente para compor os TTULOS DOS COLUNISTAS, criando assim, um layout com maior appeal e pregnncia, baseando-se no conceito da revista de flexibilidade, bom humor, modernismo, clareza, elegncia e seriedade. Ainda assim, as regras bsicas de tipologia, dentro da famlia Helvetica Neue, so aplicadas para escrever o nome do colunista e seus contatos.

    Suas formas NUNCA podero ser alteradas, em tipologia, dimenso e colorao. Para que, desta forma possa-se garantir padronizao e fidelidade identidade.

  • VinhetasColunas II - Aplicao2.03

    CaractersticasAqui apresentamos a forma como sero aplicadas na revista para compor as abas lateriais das COLUNAS. Estamos sempre falando em excees, pois as mesmas, devem ser consideradas e analisadas para que haja um bom conceito sobre a pea em questo. Aqui utilizaremos a COROA, elemento estrutural que compem o logotipo da Revista So Cristvo Guiarte. Note que, o elemento no est em sua forma original, apenas simbolizado como cone para criao das vinhetas das colunas. No quebrando a regra de uso do logotipo, onde no podemos apagar parte do mesmo.

    Suas formas NUNCA podero ser alteradas, em tipologia, dimenso e colorao. Para que, desta forma possa-se garantir padronizao e fidelidade identidade.

  • VinhetasSees I - Aplicao2.04

    CaractersticasSua criao segue basicamente as normas de tipologia, dentro da famlia Helvetica Neue, aqui escritos com a variante 85 Heavy, de forma a compor as abas laterais da revista, com legibilidade e elegncia.

    Estamos sempre falando em excees, pois as mesmas, devem ser consideradas e analisadas para que haja um bom conceito sobre a pea em questo. Aqui utilizaremos a COROA, elemento estrutural que compem o logotipo da Revista So Cristvo Guiarte. Note que, o elemento no est em sua forma original, apenas simbolizado como cone para criao das vinhetas da rea de guia de servios e negcios. No quebrando a regra de uso do logotipo, onde no podemos apagar parte do mesmo.

    Suas formas NUNCA podero ser alteradas, em tipologia, dimenso e colorao. Para que, desta forma possa-se garantir padronizao e fidelidade identidade.

    DIVERSO

    EDUCAO

    ESTTICAMODASADE

    GASTRONOMIA

    INFORMTICA

    RELIGIOSO

    SERVIOS

  • VinhetasSees II - Composio de cores2.05

    CaractersticasAo lado as composies de cores, nos padres de policromia, video e cores especiais, para a composio das SEES.

    C=00 M=20 Y=100 K=00R=255 G=203 B=8PANTONE 7406 C

    C=80 M=00 Y=25 K=00R=0 G=183 B=197PANTONE 3125 C

    C=00 M=80 Y=20 K=00R=240 G=90 B=197PANTONE 198 C

    C=00 M=100 Y=100 K=10R=215 G=25 B=33PANTONE 1797 C

    C=10 M=00 Y=00 K=75R=87 G=96 B=102PANTONE 425 C

    C=45 M=100 Y=00 K=00R=154 G=37 B=143PANTONE 248 C

    C=65 M=00 Y=75 K=00R=87 G=188 B=114PANTONE 7489 C

  • DIMENSESCapa e Contra-capa3.01

    Caractersticas Capa e Contra-capaConfeccionada com papel Couch 150g;Aplicao de verniz total frontal;Formato fechado: 135 x 205mmFormato aberto: 270 x 205mmPadro de cor: 4/4

    Caractersticas MioloConfeccionada com papel Couch 80g;Formato: 135 x 205mmPadro de cor: 4/4

    LuCostaA sensuAlidAde e otAlento de umA filhA dAfeirA de so Cristvo

    DE RESTAURANTE ASALO DE BELEZA,ESPAOS INOVADORES

    A revista agora tambm seu guia de arte e cultura

    MARINA LOPESAs dicas de moda daizola para o vero 2013

    FERNANDO MAGALHES: A Grande Cegonha

    EDIO

    N11

    Ano II - Set/Out 2012 - Edio N 11Distribuio Gratuita

    PROJETO GRFICOGiovanni Benjamim por Cherol Studios

    www.cherolstudios.com.br

    Distribuio Gratuita em condomnios, casas e comrcio de So Cristvo, Benfica, Caju, Maracan, Praa da Bandeira, 24 de Maio, Rocha, Engenho Novo, Cidade Nova, Mier e Bonsucesso.15.000 exemplares

    O contedo dos anncios contidos nesta revista de inteira responsabilidade de seu respectivo anunciante, inclusive questo de direitos autorais, direitos de imagem, uso de logomarcas, regulamentaes de classe e etc.

    CAPA - LU COSTALOCAL - QUINTA DA BOA VISTAVESTE - IZOLA - www.izola.com.brCALA - RICHAS - www.richas.com.br

    COLUNISTASAmanda Pinheiro

    (Atriz / Estudante de Comunicao)

    Dr. Jos Elias Aloan

    (Mdico Especialista em Ginecologia e Obstetrcia)

    Dr. Wanderley Borges

    (Diretor Mdico do Hospital de Clnicas Dr. Aloan)

    Eduardo Perez

    (Carnavalesco)

    Francilene Torraca

    (Psicloga / Psicopedagoga / Pedagoga - CRP 05/25969)

    Joo Paulo Paiva

    (Designer Grfico / Fashion Designer)

    Maurcio Mendes

    (Presidente da Cmara Comunitria de So Cristvo)

    Rossana Estrella

    (Personal Organizer / Designer de Interiores / Arquitetura)

    Sueli Rezende

    (Pesquisadora da FIOCRUZ / PHD em Enfermagem /

    Diretora do CIEV)

    Sidsio Correia

    (Graduado em Educao Fsica / Medicina Esportiva /

    Fisioterapia / Ps-Graduado em Nutrio Esportiva)

    DIREOAndrea OliveiraCarlos BacelarDaniela FerrazVilma Barbosa

    FOTOGRAFIAAndr Faria

    MARKETINGCarlos Bacelar

    DIRETOR DE CRIAOGiovanni Benjamim

    TELEMARKETINGCristiane Urbano

    CONTEDORoberta Estevam

    08CapaFeira de So Cristvo: uma vitrine de talento

    10EntrevistaDeda do gs13

    EntrevistaA grande cegonha de So Cristvo 14

    EntrevistaPura Inspirao20

    EntrevistaJulios One - Uma nova maneira de servir em So Cristvo26

    CurtaA estria de Tico da Mikinha

    33Na Moda7 Tendncias para primavera-vero 2013

    24Espao Cultural

    30Obrigado, Doutor!

    Obesidade: o mau do sculo XXI

    28Nosso Bairro, Nossa Histria

    Ou ficar a Ptria livre ou morrer pelo Brasil29Famosos & PersonagensClube de So Cristvo Imperial

    34Psiclogo em Casa

    Indisciplina Infantil: orientao aos pais

    32Em Forma

    Cuidando do seu corao com atividade fsica

    31Vestir a CasaMude-se, mude a sua casa

    35Educao para a VidaAs crianas e as energias de vida 36

    Falando de CarnavalO esquenta de 2013

    setembro/outubro de 2012

    18 22

    A EDIO DE NMERO 11 A dcima primeira edio da Revista So Cristvo, seu mais confivel guia de negcios e servios do bairro e das redondezas, traz histrias no to pomposas quanto as do Imprio, mas contadas por personagens reais com leveza genuna invejvel talvez aos nobres. Voc vai conhecer a emocionante trajetria do paraibano Jos Pereira de Souza, o Deda do Gs, cone da Feira de So Cristvo, e de seus herdeiros, que representa de forma fidedigna histrias de milhares e milhares de nordestinos que migraram para oRio de Janeiro, em especial dos tantos que vieram tentar a sorte em So Cristvo. A danarina carioca Lu Costa, capa desta 11 edio, filha do seu Deda. Desabrochou na Feira de So Cristvo. Passou pelo funk da Furaco 2000 e dana forr com a Sandra Cssia Volare, que trabalha em uma barraca na FSC, tem uma Companhia de Dana (a Volare Cia) e, no auge dos seus 70 anos, apresenta-se junto as suas danarinas, todas bem mais jovens, dentro e fora do pavilho. Flores da primavera. Outubro o ms das crianas, por isso, as colunas esto recheadas de esperana e magia. Temos uma novidade: criamos o Espao Cultural para voc ficar por dentro dos eventos da regio e relaxar um pouco. Visitamos dois restaurantes: um que acabou de chegar a So Cristvo, trazendo cozinha internacional no formato self-service; o outro, filho caula moderninho de um restaurante tradicional no bairro h 25 anos. Conhecemos um salo de beleza, ou melhor, um atelier de moda e estilo que tem um Caf simptico dentro.Espaos com propostas inovadoras para So Cristvo. E, por fim, entrevistamos a estilista e scia-proprietria da marca Izola, Marina Lopes, que acabou de lanar a coleo Vero 2013 e d vrias dica de moda para voc no ter desculpa e fazer bonito na estao mais quente e criativa do ano. Divirtam-se!

  • A EDIO DE NMERO 11 A dcima primeira edio da Revista So Cristvo, seu mais confivel guia de negcios e servios do bairro e das redondezas, traz histrias no to pomposas quanto as do Imprio, mas contadas por personagens reais com leveza genuna invejvel talvez aos nobres. Voc vai conhecer a emocionante trajetria do paraibano Jos Pereira de Souza, o Deda do Gs, cone da Feira de So Cristvo, e de seus herdeiros, que representa de forma fidedigna histrias de milhares e milhares de nordestinos que migraram para oRio de Janeiro, em especial dos tantos que vieram tentar a sorte em So Cristvo. A danarina carioca Lu Costa, capa desta 11 edio, filha do seu Deda. Desabrochou na Feira de So Cristvo. Passou pelo funk da Furaco 2000 e dana forr com a Sandra Cssia Volare, que trabalha em uma barraca na FSC, tem uma Companhia de Dana (a Volare Cia) e, no auge dos seus 70 anos, apresenta-se junto as suas danarinas, todas bem mais jovens, dentro e fora do pavilho. Flores da primavera. Outubro o ms das crianas, por isso, as colunas esto recheadas de esperana e magia. Temos uma novidade: criamos o Espao Cultural para voc ficar por dentro dos eventos da regio e relaxar um pouco. Visitamos dois restaurantes: um que acabou de chegar a So Cristvo, trazendo cozinha internacional no formato self-service; o outro, filho caula moderninho de um restaurante tradicional no bairro h 25 anos. Conhecemos um salo de beleza, ou melhor, um atelier de moda e estilo que tem um Caf simptico dentro.Espaos com propostas inovadoras para So Cristvo. E, por fim, entrevistamos a estilista e scia-proprietria da marca Izola, Marina Lopes, que acabou de lanar a coleo Vero 2013 e d vrias dica de moda para voc no ter desculpa e fazer bonito na estao mais quente e criativa do ano. Divirtam-se!

    DIMENSESMargens - Pginas Livres3.02

    CaractersticasAo lado apresentamos as configuraes para o margiamento das pginas, que chamaremos de PGINAS LIVRES, para editar a Capa, Contra-capa, Editorial, Expediente e Sumrio, as Sees, Fonegcios e Classificados, que so excees da revista.

    A - Pgina:Formato:............................. 135x205mm

    B - Margens:Topo (top):....................................... 7mmRodap (bottom):............................. 7mmEsquerda (inside):............................ 7mmDireita (outside):.............................. 7mm

    C - Sangria (bleed):Topo (top):....................................... 5mmRodap (bottom):............................. 5mmEsquerda (inside):............................ 5mmDireita (outside):.............................. 5mm

    importante manter as configuraes das margens uma vez que, essas asseguram e concentram as informaes e layout da pgina sem riscos, chamada margem de segurana.

    Para as margens de sangria, se faz tambm importante, pois assegura um fiel acabamento para a pgina, quando se faz nessrio, chamada margem de corte.

    B

    C

    A

    7mm

    7mm

    5mm

    5mm

    205mm

    135mm

  • 08

    A histria de Lu Costa Nasci e fui criada na Feira de So Cristvo. Eu, minha me e meus irmos amos juntos todo final de semana ajudar o papai com o trabalho na barraca. Para a gente, que era criana, no era muito legal: dormamos debaixo do tabuleiro, usvamos banheiro qumico e sentamos frio. E quando meus pais se separam, eu e meus irmos paramos de ir Feira. Ficamos com a nossa me. A, com uns 12 anos, a mame comeou a me liberar, e eu voltei a trabalhar com o meu pai, o seu Deda, na barraca das carnes. Entre idas e vindas, a minha infncia e a minha adolescncia eu passei no Pavilho. relembra Lu. A dana sempre foi sua paixo, desde bem nova, mas aconteceu de ela danar profissionalmente por acaso do destino. Um dia, foi Feira visitar o pai e se divertir. Estava danando, quando foi chamada por um olheiro da Furaco 2000 para fazer um teste. Passou no teste, a princpio para danar com o MC Mrcio G. Pouco depois, Rmulo Costa assistiu a um ensaio e convidou-a, ela e mais uma amiga, para danar com o filho dele, Jonathan Costa. Ao lado dos MCs Marcio G e Jonathan Costa, Lu participou da gravao de dois DVDs da Furaco: Clima dos Bailes e Tsunami 4. A experincia foi de 1 ano e 3 meses.

    Ela engravidou do seu segundo filho e precisou deixar os palcos. De volta Feira de So Cristvo Teve um domingo em que fui almoar com o meu pai na Feira, e a Sandra Cssia Volare, da Barraca da Chiquita, que tem uma companhia de dana, a Volare Cia, esbarrou comigo. Ela j havia me convidado para danar na Volare dois anos antes, mesmo grvida. Dessa vez, Sandra refez o convite e foi enftica: Voc tem o perfil da minha companhia, quero que trabalhe comigo. Eu danava funk, no sabia danar forr, e ainda no sei, estou aprendendo. Mas topei. Faz quatro meses que eu dano na banda Clssicos Show, que presta servios para a Volare Cia. A gente se apresenta na Feira de So Cristvo nos finais de semana e s quartas-feiras no Rei do Bacalhau. Eu dano em outras bandas tambm quando contratam a Volare. explica. Incentivo da famlia O sonho do seu Deda era que Lu voltasse para a Feira. Ele props at que a

    filha assumisse os negcios. Lu Costa, entretanto, dizia ao pai que gostava de danar. Ento, quando surgiu a oportunidade de ela danar pela Volare Cia na Feira de So Cristvo, ele no titubeou. Disse: Vem que eu ajudo. Se a grana no for suficiente, eu apoio voc no que

    precisar. Quero t-la aqui. Voc cria da Feira. Essa a sua chance de assumir o que deixou para trs. A minha herana, o que eu tenho para deixar para vocs, meus filhos, est aqui. Lu diz que o estmulo do pai foi o que lhe deu fora para aceitar o convite. Alis, toda a famlia incentiva, mesmo os que no concordam, apoiam acrescenta a danarina porque sabem que o que eu gosto. O meu marido, Andr Melo, super tranquilo. Ele me acompanha, me leva aos ensaios e shows. Me busca, seja a hora que for, quando precisa. E Lu Costa tem outro emprego no turno da manh. Pois : vida de danarina em incio de carreira no fcil. Para encarar a rotina dupla de trabalho, ela conta com a ajuda da me, a dona Marta e da sogra, a dona Ana, alm do marido, que fica com as crianas quando no tem quem fique. (Isso que parceiro, hein, Lu!) Perguntada se estudou dana, Lu explica: Cheguei a fazer aulas de Jazz por um tempo, mas no me formei. No sou bailarina. A dana veio de infncia, t no sangue. Eu acho que o jeito pra coisa veio de herana, do meu pai. Apesar de ele ser homem, ns somos um tanto parecidos: o gosto pela dana... fisicamente. Todo mundo fala. S que nada disso seria possvel sem a pacincia da Sandra Cssia Volare, da Volare Cia, que me esperou por dois anos, pegou uma danarina totalmente crua na rea e me ensina, lapida, molda. Investe de verdade em mim, porque acredita no meu talento. Eu gostaria muito de agradecer a ela em especial. E ao meu pai. Graas aos dois que eu estou aqui danando na Feira, que chega a receber 150 mil pessoas em um nico fim de semana, e fora dela. Espero poder viver da dana. Quero ficar famosa fazendo o que eu gosto, profissionalmente. Ir para a TV, ser danarina do Luciano Huck ou do Fausto. Participar de um BBB. No sei como, de alguma maneira, eu vou conseguir. Eu quero brilhar! e assim, com muita humildade, que Lu Costa encerra a sua declarao.

    uma vitrine de talentosFeira de So Cristvo:

    DIMENSESMatrias - Pginas Esquerda3.03

    CaractersticasAo lado apresentamos as configuraes padres para o margiamento das Matrias - pgina esquerda.

    A - Pgina:Formato:............................. 135x205mm

    B - Margens pgina esquerda:Topo (top):.................................... 4,5mmRodap (bottom):.......................... 4,5mmEsquerda (inside):......................... 10mmDireita (outside):........................... 4mm

    C - Sangria (bleed):Topo (top):....................................... 5mmRodap (bottom):............................. 5mmEsquerda (inside):............................ 5mmDireita (outside):.............................. 5mm

    D - Colunas:Nmero (number):.................................. 2Espao (gutter):............................ 2,5mm

    importante manter as configuraes das margens uma vez que, essas asseguram e concentram as informaes e layout da pgina sem riscos, chamada margem de segurana.

    Para as margens de sangria, se faz tambm importante, pois assegura um fiel acabamento para a pgina, quando se faz nessrio, chamada margem de corte.

    205mm

    135mm

    2,5mm

    B

    C

    A

    4mm

    10mm

    4,5mm

    4,5mm

    5mm

    5mm

    D

  • 19

    Enquanto isso, Marina Lopes ia pensando na roupa ideal para cada uma (e em um presente para a aniversariante). Entre alguns cappuccinos e bate-papo, chega a hora da maquiagem. E as trs amigas de l saem prontas e renovadas, direto para a festa.

    O Caf com Estilo Alm de todos os servios de um salo de beleza, aqui voc encontra o Caf com Estilo, um espao fashion e descontrado pra voc

    esperar seu atendimento com muito mais conforto ou apenas vir e bater um papo com as amigas em um local bacana, tomando um caf delicioso. Caf expresso, Cappuccino Europeu, Frozen Cappuccino e vrias outras delcias voc encontra nesse nosso espao, dentro do Atelier de Estilo. Com o Caf com Estilo repensamos o conceito de salo. E, assim, nos diferenciamos e oferecemos uma experincia nova para nossos clientes!, comenta Rosana Soares.

    DIMENSESMatrias - Pginas Direita3.04

    CaractersticasAo lado apresentamos as configuraes padres para o margiamento das Matrias - pgina direita.

    A - Pgina:Formato:............................. 135x205mm

    B - Margens pgina direita:Topo (top):.................................... 4,5mmRodap (bottom):.......................... 4,5mmEsquerda (inside):......................... 4mmDireita (outside):........................... 10mm

    C - Sangria (bleed):Topo (top):....................................... 5mmRodap (bottom):............................. 5mmEsquerda (inside):............................ 5mmDireita (outside):.............................. 5mm

    D - Colunas:Nmero (number):.................................. 2Espao (gutter):............................ 2,5mm

    importante manter as configuraes das margens uma vez que, essas asseguram e concentram as informaes e layout da pgina sem riscos, chamada margem de segurana.

    Para as margens de sangria, se faz tambm importante, pois assegura um fiel acabamento para a pgina, quando se faz nessrio, chamada margem de corte.

    205mm

    135mm

    B

    C

    A

    4mm

    10mm

    4,5mm

    4,5mm

    5mm

    5mm

    2,5mm

    D

  • 28

    Quando, no dia 7 de maro de 1808, a famlia real e a corte portuguesa desembarcaram no porto do Rio de Janeiro, transferindo a sede da monarquia de Lisboa para nossa cidade, Dom Joo VI no sabia que estava dando incio criao de uma grande nao. Em 16 de dezembro de 1915, quando ele instituiu o Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, deixamos de ser colnia. Dom Joo VI retorna a Portugal em 1821 e a, partir de 1822, comea a grande atuao do seu jovem filho, o Prncipe Regente D.Pedro I.

    Dia do Fico D.Pedro I, portugus de nascimento, brasileiro por adoo e paixo, chamado de volta a Portugal, pois pretendiam recolonizar o Brasil, e sua presena aqui impedia a concretizao dessa ideia. Ento, D.Pedro I responde aos insistentes chamados de Portugal e proclama: Se para o bem de todos e a felicidade geral da nao, diga ao povo que fico.

    Grito de Independncia Com o Fico do nosso Prncipe Regente, vrias medidas por ele tomadas desagradaram Portugal e abriam caminho para a independncia. Organizou a Marinha do Brasil, obrigou as tropas portuguesas a retornar ao seu reino, convocou uma Assembleia Constituinte e determinou que nenhuma lei de Portugal entraria em vigor sem o Cumpra-se, isto , sem a sua aprovao.

    O Prncipe Regente D.Pedro I estava viajando a Minas Gerais e So Paulo, quando recebeu uma carta de Portugal que anulava a Assembleia Constituinte e exigia a sua volta ao Rio de Janeiro. Quando o Prncipe Regente soube dessa carta, estava viajando de Santos para So Paulo. Foi quando, por amor ao Brasil, no dia 7 de setembro de 1822, s margens do Rio Ipiranga, ergueu sua espada e gritou: Independncia ou Morte. Em dezembro de 1822, D.Pedro I foi declarado o primeiro Imperador do Brasil.

    Nossos agradecimentos ao portugus mais brasileiro da nossa histria. Do bairro Imperial de So Cristvo gritamos: Obrigado, D.Pedro I. Somos uma grande nao independente. O bairro Imperial de So Cristvo o corao do Rio.

    Amados e Amadas, Localizado no corao do tradicional bairro de So Cristvo, nosso clube foi fundado no dia 16 de dezembro de 1883 com a misso de reunir as famlias so-cristovenses por meio de atividades sociais e desportivas. Em 1960, com a finalizao de sua nova e atual sede, o Presidente do clube Dr. Francisco Rainho, acompanhado de alguns diretores, foi recebido no Palcio Imperial em Petrpolis pelo Prncipe de Orlans e Bragana, que autorizou a utilizao da Coroa Imperial junto aos smbolos do clube, e o mesmo passou a se chamar Clube de So Cristvo Imperial! Quem nunca passou por l? Vamos aqui relembrar tambm a histria de um grupo muito famoso nos carnavais e bailes do Imperial nas dcadas de 60 e 70, que at hoje lembrado nos corredores do clube. E ningum melhor para contar um pouco dessa histria que um dos fundadores do grupo OS INTOCVEIS, Sr. Paulo Azevedo que, com muito orgulho e timas lembranas nos contou que tudo comeou com a criao de um jornal de nome A TURMA com reunies na casa do Sr. Gerdau Roma e da D. Elza Roma. Assim com a chegada do carnaval de 1965, ele, junto com

    Ou ficar a Ptria livreou morrer pelo Brasil

    DIMENSESColunas - Pginas Esquerda3.05

    CaractersticasAo lado apresentamos as configuraes padres para o margiamento das Colunas - pgina esquerda.

    A - Pgina:Formato:............................. 135x205mm

    B - Margens pgina esquerda:Topo (top):.................................... 4,5mmRodap (bottom):.......................... 4,5mmEsquerda (inside):......................... 10mmDireita (outside):........................... 4mm

    C - Sangria (bleed):Topo (top):....................................... 5mmRodap (bottom):............................. 5mmEsquerda (inside):............................ 5mmDireita (outside):.............................. 5mm

    D - Colunas:Nmero (number):.................................. 2Espao (gutter):............................ 2,5mm

    importante manter as configuraes das margens uma vez que, essas asseguram e concentram as informaes e layout da pgina sem riscos, chamada margem de segurana.

    Para as margens de sangria, se faz tambm importante, pois assegura um fiel acabamento para a pgina, quando se faz nessrio, chamada margem de corte.

    Embora configuremos a pgina em duas colunas, podemos optar pelo layout de texto corrido, baseando-se no conceito da revista de flexibilidade, bom humor, modernismo, clareza, elegncia e seriedade.

    205mm

    135mm

    2,5mm

    B

    C

    A

    4mm

    10mm

    4,5mm

    4,5mm

    5mm

    5mm

    D

  • 35

    As crianas mandam e desmandam em suas casas, e isso tem gerado vrios conflitos no ambiente familiar, chegando escola. A funo dos pais, que educar, est se tornando cada vez mais difcil. Dentro dessa realidade em que colocar limites necessrio, os pais tentam, com muitas dificuldades, retomar o controle que foi perdido. Os pais de hoje encontram-se em estado de desorientao, por no saberem que atitude tomar, quando dizer sim ou no, devido ao medo de provocar traumas nos filhos. E justamente esse medo de traumatizar que tem impedido que os pais imponham os limites necessrios aos seus filhos, desde pequenos, fazendo com que os filhos compreendam que todas as pessoas, indistintamente, devem ser respeitadas. Em contrapartida, os pais desejam form-los de forma adequada, para que, no futuro, eles se tornem cidados dignos e pessoas realizadas profissionalmente. O respeito um fator fundamental neste contexto. A criana poder respeitar seu semelhante se ela vivenciar momentos em que consiga identificar quais so seus limites e ir, aos poucos, entendendo que nem sempre se pode fazer tudo o que se deseja. A partir dessas situaes vividas, a criana vai naturalmente bsorver e assimilar a ideia de que poder fazer muitas coisas; no tudo. E essa diferena pode parecer sutil, mas fundamental. A criana deve ser orientada para aprender a discernir as coisas. Cada vez mais, ouvimos que pais devem ser amigos de seus filhos, o que no deixa de ser verdade. Entretanto, vale lembrar que, acima de tudo, os pais devem amar seus filhos e educ-los colocando limites e regras. Devem ser prximos, estar disponveis e abertos a escut-los e orient-los no que solicitarem. Igualmente, devem dizer no, estabelecer o que certo e errado. Quando no h uma relao de respeito, amor e limites, encontramos crianas que cresem sem orientao, sentindo-se sozinhas e desconectadas da prpria famlia, sem uma identificao com os pais, pois lhes falta um modelo forte, seguro e afetivo que elas possam admirar, seguir, amar e respeitar.

    Estamos vivendo dois meses especiais, datas comemorativas da energia do incio da inocncia, da alegria, da espontaneidade, das brincadeiras, da liberdade de ser verdadeiramente a expresso de nossa essncia mais pura. Setembro e outubro so, por assim dizer, uma poca mgica. Com a chegada da primavera, tudo est colorido, brilhante e a luminosidade de terra muda de textura, os ambientes esto mais iluminados. nessa poca em que comemoramos a vida das crianas. E so elas que do o tom desses meses. um momento oportuno para experimentar de novo a inocncia da vida. Fazer as coisas que nos do alegria, deixar fluir o amor de forma espontnea e livre, no julgar, no dizer de antemo que aquele sonho no pode se concretizar. Olhando em volta, podemos acreditar de novo em tudo. Podemos dar um tempo para ouvir os risos que brotam dos coraes de crianas que fazem vibrar de novo em ns a esperana. A esperana e a certeza de que ns podemos sonhar...acreditar...viver...ser. Entrar em contato com essa energia de

    renovao faz com que nos sintamos renovados. Quando olhamos uma pipa no ar, colorida, leve, suave, podemos usar esse aprendizado para a nossa prpria vida. Podemos exercitar a leveza da pipa para contornar nossos problemas mais srios. Podemos experimentar nos mover com a mesma delicadeza e ver o que essa delicadeza nos traz. Se, no nosso dia a dia, aprendermos a aplicar certas nuances, com certeza, tudo estar mais descomplicado. Setembro e outubro trazem essas mensagens. Carregam dentro de si a essncia renovadora que purifica nossas almas e nos aproxima do contato com o nosso esprito. Os dias ensolarados, o cu azul sobre ns e aquelas pipas no ar nos trazem mensagens positivas sobre um viver mais pleno. Deixar fluir a energia de vida em ns significa abrir espao para a renovao, que significa o novo na ao. Podemos experimentar tudo isso nesse perodo. Educar para vida abrir espao dentro de ns para expresso dessas energias divinas e deixar que o sagrado faa morada em ns. Crianas, flores e pipas podem ser os elementos externos para esse encontro.

    As crianas e as energias de vida

    DIMENSESColunas - Pginas Direita3.06

    CaractersticasAo lado apresentamos as configuraes padres para o margiamento das Colunas - pgina direita.

    A - Pgina:Formato:............................. 135x205mm

    B - Margens pgina direita:Topo (top):.................................... 4,5mmRodap (bottom):.......................... 4,5mmEsquerda (inside):......................... 4mmDireita (outside):........................... 10mm

    C - Sangria (bleed):Topo (top):....................................... 5mmRodap (bottom):............................. 5mmEsquerda (inside):............................ 5mmDireita (outside):.............................. 5mm

    D - Colunas:Nmero (number):.................................. 2Espao (gutter):............................ 2,5mm

    importante manter as configuraes das margens uma vez que, essas asseguram e concentram as informaes e layout da pgina sem riscos, chamada margem de segurana.

    Para as margens de sangria, se faz tambm importante, pois assegura um fiel acabamento para a pgina, quando se faz nessrio, chamada margem de corte.

    205mm

    135mm

    B

    C

    A

    4mm

    10mm

    4,5mm

    4,5mm

    5mm

    5mm

    2,5mm

    D

  • 38

    DIMENSESGuia - Pginas Esquerda3.07

    CaractersticasAo lado apresentamos as configuraes padres para o margiamento do Guia - pgina esquerda.

    A - Pgina:Formato:............................. 135x205mm

    B - Margens pgina esquerda:Topo (top):.................................... 4,5mmRodap (bottom):.......................... 4,5mmEsquerda (inside):......................... 10mmDireita (outside):........................... 4mm

    C - Sangria (bleed):Topo (top):....................................... 5mmRodap (bottom):............................. 5mmEsquerda (inside):............................ 5mmDireita (outside):.............................. 5mm

    importante manter as configuraes das margens uma vez que, essas asseguram e concentram as informaes e layout da pgina sem riscos, chamada margem de segurana.

    Para as margens de sangria, se faz tambm importante, pois assegura um fiel acabamento para a pgina, quando se faz nessrio, chamada margem de corte.

    205mm

    135mm

    B

    C

    A

    4mm

    10mm

    4,5mm

    4,5mm

    5mm

    5mm

  • 43

    DIMENSESGuia - Pginas Direita3.08

    CaractersticasAo lado apresentamos as configuraes padres para o margiamento do Guia - pgina direita.

    A - Pgina:Formato:............................. 135x205mm

    B - Margens pgina direita:Topo (top):.................................... 4,5mmRodap (bottom):.......................... 4,5mmEsquerda (inside):......................... 4mmDireita (outside):........................... 10mm

    C - Sangria (bleed):Topo (top):....................................... 5mmRodap (bottom):............................. 5mmEsquerda (inside):............................ 5mmDireita (outside):.............................. 5mm

    importante manter as configuraes das margens uma vez que, essas asseguram e concentram as informaes e layout da pgina sem riscos, chamada margem de segurana.

    Para as margens de sangria, se faz tambm importante, pois assegura um fiel acabamento para a pgina, quando se faz nessrio, chamada margem de corte.

    205mm

    135mm

    B

    C

    A

    4mm

    10mm

    4,5mm

    4,5mm

    5mm

    5mm

  • DIMENSESGuia - Abas Laterais Esquerda3.09

    CaractersticasComo j vimos anteriormente as dimenses das margens, mencionaremos ao lado somente as medidas para o posicionamento dos elementos das abas laterais, vlido para todas as sees. Tais medidas devem seguir a risca todos os detalhes para o alinhamento, para que, desta forma possa-se garantir padronizao e fidelidade identidade.

    38

    DIVERSO

    205mm

    135mm

    18mm

    112mm

    10mm

    20mm

    38mm

    7mm

  • DIMENSESGuia - Abas Laterais Direita3.10

    CaractersticasComo j vimos anteriormente as dimenses das margens, mencionaremos ao lado somente as medidas para o posicionamento dos elementos das abas laterais, vlido para todas as sees. Tais medidas devem seguir a risca todos os detalhes para o alinhamento, para que, desta forma possa-se garantir padronizao e fidelidade identidade.

    EDUCAO

    39

    205mm

    135mm

    18mm

    112m

    m10

    mm

    20mm

    38mm

    7mm

  • Foram apresentadas neste manual as formas desejveis de aplicao para o margiamento de todas as pginas para a REVISTA SO CRISTVO GUIARTE, todas as suas variaes e outros itens pertencentes ao padro de identidade visual. Caso seja necessria a utilizao de algum dos elementos de outro modo que no estes, entre em contato para anlise e consequente aprovao.

    Observemos que relatamos neste manual de identidade visual, o correto posicionamento e as devidas dimenses das pginas.

    CONSIDERAES FINAIS

  • ANEXO - CD-ROM

  • Rio de Janeiro, Outubro de 2012Projeto de Criao do Logotipo e Manual de Identidade Visual da Revista So Cristvo Guiarte

    Desenvolvido por Giovanni Benjamimwww.cherolstudios.com.br